(UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp. E-mail: mmacedo@unicamp.br"

Transcrição

1 Divulgação Científica Interativa Impacto de novos modelos de publicações eletrônicas sobre o sistema de divulgação da ciência e tecnologia e proposta de implantação de uma revista eletrônica de jornalismo científico Mônica Macedo 1 Resumo As revistas de divulgação científica acompanham o próprio desenvolvimento da ciência. Com o advento da comunicação mediada por computador e a expansão da rede Internet, surgem novos modelos de publicação, com relevantes efeitos para o sistema de divulgação da ciência e da tecnologia. Neste trabalho, avalia-se alguns aspectos da comunicação interativa aplicada à divulgação científica e apresenta-se o projeto de uma revista eletrônica de jornalismo científico interativa. A divulgação científica através das revistas O fenômeno da divulgação acompanha o próprio desenvolvimento e expansão da ciência. Na Europa do século XIX, em que a ciência era vista com grande entusiasmo e se acreditava no progresso através do desenvolvimento científico, houve, paralelamente à ampliação do número de periódicos científicos, um crescimento da divulgação através da imprensa diária e semanal, das revistas, de exposições, bibliotecas populares e outros meios (Figuerôa e Lopes, 1997). Eles acompanham o movimento de consolidação das sociedades científicas, dos museus e das academias na Europa. De fato, parece ter havido nessa época um fenômeno praticamente internacional de divulgação. Mesmo no Brasil país periférico, com poucos investimentos em ciência e tecnologia a presença de temas científicos nos jornais era significativa (em proporções até maiores do que as atuais) (Figuerôa e Lopes, op. cit., p. 191). Dado o interesse da elite nacional em consolidar seu projeto de desenvolvimento nacional no qual a tecnologia tinha papel de destaque - a mídia era considerada estratégica para a veiculação de suas idéias e para conquistar a opinião pública. 1 Jornalista. Mestre em Comunicação Científica e Tecnológica pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp.

2 2 De lá para cá, embora não se possa dizer que ciência e tecnologia tenham lugar cativo nos meios de comunicação de massa, o interesse público por temas dessa natureza é grande. Uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup, entre janeiro e fevereiro de 1987, mostrou que 71% da população brasileira tem interesse por descobertas científicas. Vinte por cento dos brasileiros adultos disse, inclusive, que procura estudar e conhecer melhor algum ramo da ciência. Entre os que têm instrução superior esse percentual se eleva para 46%, sendo a preferência do público pelas ciências médicas e biológicas (Gallup, 1987). Da mesma forma, Nelkin (1995, p. 68) retrata o interesse por ciência e tecnologia nos EUA. Citando uma pesquisa do National Science Board, de 1988, a autora ressalta que 84% dos norte-americanos discordam da idéia de que saber sobre ciência não é importante para o dia-a-dia e 72% concordaram que se o conhecimento científico for explicado claramente, a maioria das pessoas poderá entendê-lo (National Science Board, 1989). Em outra ocasião, Poll (1993) verificou que 38% dos americanos afirma ler sobre ciência nos jornais pelo menos uma vez por semana. As notícias mais valorizadas são aquelas relacionadas a problemas da vida cotidiana, sobretudo de saúde. Muitas pessoas utilizam os meios de comunicação como fonte primária de informação sobre hábitos de vida saudáveis. De forma semelhante, uma pesquisa do National Cancer Institute revelou que, entre os meios de obter informação sobre prevenção do câncer, 64% dos americanos citaram as revistas, 60% os jornais e 58% a televisão. Somente 13% disseram ter falado com seus médicos sobre o assunto (NCI, 1984). Novos meios de comunicação - Computer Mediated Communication Da mesma forma que a invenção da imprensa, ao ampliar a difusão do conhecimento científico e a comunicação entre cientistas, afetou o próprio modo de produção da ciência e levou a grandes transformações durante o século XIX, o advento de novas tecnologias no século XX está levando a modificações no sistema de avaliação, na linguagem e no público da ciência.

3 3 No caso da comunicação científica primária (entre pares), a partir da segunda metade dos anos 90, a publicação eletrônica passa a ser reconhecida como um fenômeno inexorável pela maioria dos cientistas (Packer e cols., 1998). A invenção e popularização dos computadores pessoais (PC) e sua interligação em rede criaram um novo contexto para a difusão de informações, com especial impacto no meio científico, onde a tecnologia vem alterando em muito o comportamento de seus membros. Surgiu um campo chamado Computer Mediated Comunication (Comunicação Mediada por Computador - CMC), referente a toda forma de comunicação que envolve a interação homem-máquina. O termo CMC começou a ser usado na primeira metade da década de 80, embora as tecnologias eletrônicas de comunicação já viessem sendo estudadas por alguns teóricos há mais tempo, como é o caso de McLuhan (1964, 1965, 1967, 1989). Suas teorias foram forjadas em um contexto de utilização massiva de novas tecnologias - não só os meios eletrônicos como rádio e televisão, mas também os computadores. Sua principal idéia, enunciada exemplarmente na frase The medium is the message (O meio é a mensagem), era de que a importância dos novos meios de comunicação era tão grande que o próprio fato de existirem era, por si só, significativo. Para McLuhan, os meios eletrônicos estavam provocando radicais transformações nos modos de interação social e de tal forma penetravam na vida cotidiana das pessoas que se tornariam uma extensão, mesmo, do ser humano. McLuhan inspirou seus trabalhos nas aulas de Harold Innis (1972), seu professor e orientador na Universidade de Toronto, onde explorava o papel dos meios de comunicação conforme seu uso em diferentes civilizações. A principal questão para Innis é que os usos e tendências da mídia interferem nas estruturas política e civilizatória das sociedades. No caso da CMC, embora ela seja objeto de um número crescente de pesquisas, é uma área que carece de pesquisa teórica e empírica (Rice, 1992). Apenas recentemente alguns estudos a vêm formalizando como objeto. A partir da cronologia elaborada por December (1993), podemos salientar alguns deles.

4 4 Em 1983, Williams e Rice produzem estudos sobre as relações pessoais na CMC. Em 1984, Ebadi e Utterback descrevem como a comunicação afeta os usos da tecnologia. Em 1986 Hellerstein apresenta um estudo dos usos sociais da CMC, defendendo o ponto de vista de que ela media e facilita a vida social. Em 1990, Fulk, Schmitz e Steinfield propõem um modelo para uso da tecnologia baseado nos efeitos sobre o contexto social (Social influence model of media use). O pressuposto básico, para eles, é o de que as percepções e usos dos meios são construídos socialmente. Ainda em 1990, Boshier discute os fatores sociais e psicológicos em redes de computadores, focando o papel do na educação de adultos e identificando áreas de pesquisa. Seu ponto principal é de que as redes de computadores podem ajudar na educação continuada porque elas ajudam a melhorar a interação, dão oportunidades iguais e criam um ambiente não-coercitivo, não-hierárquico e recíproco. Também em 1990, Markus descreve a Teoria Crítica de Massas para a mídia interativa, deslocando a atenção do indivíduo para o nível da comunidade. Em 1992, Miles faz uma revisão das questões sobre a aplicação da CMC à edição e comunicação interpessoal em escalas nacionais (na França e Grã-Bretanha). Em 1994, December discute e analisa as estratégias que podem ser usadas por comunicadores para intercambiar informações através de redes mundiais de computadores. Seu principal ponto é que a tarefa comunicativa sempre envolveu considerações de objetivo e audiência. No caso da comunicação através de redes de computadores, além dessas considerações, o comunicador deve ter em conta considerações sobre a natureza do meio de distribuição, acesso, práticas de intercâmbio de informações e o contexto social. Como a CMC pode fazer surgir novas formas de divulgação científica A CMC altera, de imediato, as relações entre cientistas e público, pois as redes de computadores contêm informação de todo tipo (técnica e não-técnica, elementar e aprofundada, etc), grande parte à disposição de todos os usuários, ou seja, sem restrição

5 5 de acesso, com elementos interativos à disposição. Os leitores podem entrar, muitas vezes, em contato direto com o cientista. Desse modo, a CMC permite a exploração de recursos que não estão disponíveis em outros meios (como a personalização de um artigo e/ou de toda uma publicação) e certamente trará alterações para o modo como o grande público se informa sobre ciência. No campo da comunicação científica primária várias são as mudanças por que vêm passando os procedimentos tradicionais de difusão do conhecimento científico. Pode-se mencionar, entre outras, a agilização do processo de seleção e publicação de artigos, ampliação do acesso a periódicos científicos, surgimento do sistema de open peer review, criação de listas de discussão, intercâmbio de preprints e o envio de resumos de publicações científicas por correio eletrônico. Na área de divulgação científica, várias publicações desenvolvidas especificamente para o meio eletrônico têm sido criadas nos últimos anos, algumas das quais atreladas a projetos de pesquisa, como é o caso do site norte-americano The Why Files (http://whyfiles.news.wisc.edu), ou ainda a versão eletrônica da revista espanhola Quark (http://www.imim.es/quark), sobre divulgação científica. Uma revista eletrônica brasileira de jornalismo científico No início do ano de 1999, surge na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a proposta de criação de uma revista eletrônica de Jornalismo Científico, voltada sobretudo a jornalistas e divulgadores científicos, mas dirigida também a um público amplo, de estudantes de segundo grau a professores universitários. Provisoriamente denominada Revista de Jornalismo Científico (RJC) (http://nib.unicamp.br/rumos), a publicação envolve alunos e professores do Curso de Especialização em Jornalismo Científico, programa de pós-graduação lato sensu oferecido pelo Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT) e Departamento de Multimeios (DMM). A revista volta-se à produção de textos originais sobre ciência e tecnologia, na forma de notícias, reportagens e/ou artigos, estruturados em hipertextos que incluam recursos multimídia - como fotos, vídeos, música etc - e permitam uma leitura interativa do conteúdo.

6 6 Paralelamente, a RJC será objeto de estudo de uma pesquisa sobre a leitura do texto de divulgação na Internet. Essa pesquisa incluirá o acompanhamento dos percursos de leitura na revista, análise de padrões de leitura não linear, estatísticas de consulta, pesquisas de opinião e elaboração de perfis (idade, escolaridade, renda etc) dos leitores. Redação Web O aspecto central dos textos da RJC será o desenvolvimento do que chamaremos de dynapaper (ou artigo dinâmico ). O dynapaper é um hipertexto em que um mesmo tema é tratado em vários níveis de complexidade. Assume-se, portanto, que a publicação poderá ter leitores com diferentes graus de conhecimento. De maneira esquemática, podemos imaginar os diferentes níveis de complexidade, para cada tema: 1) Elementar este primeiro nível é introdutório. Procura utilizar ao máximo metáforas e expressões de uso cotidiano, evitando a todo custo um vocabulário técnico-científico. Dá ênfase à ilustração dos conceitos, com uso intensivo de imagens e sons. Sempre que possível, recorre ao humor para explicar conceitos e idéias. Visa a dar informações básicas sobre a notícia em questão. São textos bem curtos, que permitem ao leitor que desconhece o assunto saber do que se trata. 2) Intermediário este segundo nível é a porta de entrada no hipertexto através da home page. Ele parte de um gancho jornalístico para introduzir o tema, o contextualiza e o relaciona com outros temas. É basicamente de gênero informativo, embora não meramente factual. Enfatiza igualmente o uso de gráficos, ilustrações, sons e outros recursos. 3) Aprofundado este terceiro nível pode ser composto por vários textos, que serão aspectos diferentes do tema central. Traz informações históricas sobre o assunto, biografias, curiosidades, propostas de experimentos, depoimentos, etc. Procura trazer também algumas informações teóricas e situar o assunto em questão na história da ciência, explicitando sua relações com diferentes tradições científicas, se for o caso. Se possível, relaciona o assunto com outras áreas do conhecimento. O leitor que se interesse por um nível mais técnico deverá ter ao seu dispor links para revistas científicas on line especializadas na área de conhecimento correspondente.

7 7 Vale ressaltar que as pautas deverão seguir critérios jornalísticos, buscando divulgar notícias atuais e de interesse público. O emprego de recursos multimídia é indicado em todos os textos e nos níveis mais elementares sua utilização é indispensável. Os níveis de complexidade aqui propostos servem como orientação para o redator, mas não devem restringir a priori as possibilidades de leitura. Grau de conhecimento do tema não serão requisitos formalmente exigidos do usuário. Não haverá restrições de acesso. Todos os textos estarão disponíveis para todos os leitores. A singularidade do dynapaper está no fato de que ele permite uma escolha individual do nível até onde se quer ir e/ou de onde se quer partir. Dessa forma, o leitor pode personalizar o artigo, adaptando-o a seus interesses. Daí o nome dynapaper. Para isso, propomos alguns modelos de navegação : 1) Modelo de Menu apresenta-se ao usuário uma relação dos textos (em vários níveis), com resumo de cada um e ele seleciona o texto desejado. Ou seja, o usuário tem uma visão panorâmica do conteúdo disponível e segue direto para o nível de seu interesse. Menu Nível 1 Nível 2 Nível 3

8 8 2) Modelo de Saciedade apresenta-se ao leitor o nível intermediário e em seguida uma relação dos outros níveis de complexidade disponíveis. Ele pode seguir, linearmente, do elementar para o intermediário ou passar direto para o aprofundado, até o ponto em que não deseje mais informações sobre o assunto. Nível 1 Nível 2 Nível 3 3) Modelo de Perfil Declarado o usuário responde a um questionário com perguntas sobre idade, escolaridade, profissão, preferências temáticas, nível de complexidade que deseja, etc. e o sistema pré-seleciona os artigos e os níveis, disponibilizando diretamente os textos que mais se adequarem ao perfil informado. Perfil Artigos X Y Z A B C A proposta deste trabalho é fazer experimentações com os diversos modelos, observando como os leitores se comportam em cada um deles. Também serão criados fóruns de discussão, em que os leitores possam se manifestar e interagir com outros leitores e com os autores do texto. Os comentários poderão ser publicados em seção de debates, ficando à disposição de todos os leitores. Considerações finais

9 9 Este é um trabalho ainda em curso, ao fim do qual espera-se: 1) Produzir uma avaliação dos diversos modelos de dynapaper. 2) Desenvolver uma metodologia de criação de publicações científicas eletrônicas voltadas à divulgação para o grande público. 3) Desenvolver uma metodologia de análise de padrões de uso da informação científica on line, através do estudo das relações entre complexidade de conteúdo e padrões de leitura. A discussão dos resultados parciais com a comunidade acadêmica pode trazer contribuições importantes ao desenvolvimento do projeto e possibilitará uma avaliação qualificada da proposta. Bibliografia AUGUSTINE, N. What we don t know does hurt us. How scientific illiteracy hobbles society, Science, 13/march/1998, pp BERGER, Arthur Asa. Media analysis techniques, EUA, Sage Publications, BOSHIER, R. (1990, January-March). Socio-psychological factors in electronic networking. International Journal of Lifelong Education 9 (1), CARDOSO, Sílvia Helena, SABBATINI, Renato M. E. Brain and Mind Magazine: An On-Line Multimedia Resource for Dissemination and Evaluation of Knowledge in Neuroscience, Campinas, Núcleo de Informática Biomédica, 1997, (mimeo). CZITROM, Daniel. Media and the American Mind, Chapel Hill, University of North Carolina Press, 1982, Chapter 4. DECEMBER, J. (1993) Selected Readings in Computer-Mediated Communication, Communication Theory,Computer Networks, and the Internet. <Available from Internet. URL:

10 10 DECEMBER, J. (1994, March). Communicating in the global computer networks. Presentation for Council on College Composition and Communication annual conference. EBADI, Y., UTTERBACK, J. (1984). The effect of communication on technological innovation. Management Science, 48, EPSTEIN, Isaac. Some differences between guiding principles (ethos) of journalists and scientists, texto apresentado à IAMCR 1998 Conference, 1998, Glasgow (Scotland). (mimeo). FERGUSON, Marjorie. New Communication Technologies and the Public Interest. USA, Sage Publications, 1989 (third edition). FIGUERÔA, Sílvia. LOPES, Margareth Menezes (1997). A difusão da ciência e da tecnologia através da imprensa e dos periódicos especializados (São Paulo ), Rio de Janeiro, Anais do VI Seminário Nacional de História da C&T, 4-7 junho. FRIEDMAN, Sharon et al. Scientists and Journalists Reporting Science as News. USA, AAAS, GALLUP. O que o brasileiro pensa da Ciência e da Tecnologia? - a imagem da ciência e da tecnologia junto à população urbana brasileira (pesquisa realizada pelo Instituto Gallup), Rio de Janeiro, MCT/CNPq/Museu de Astronomia e Ciências Afins, 1987 (relatório). GUTIÉRREZ, Fernando, CARMONA, Octavio Islas. Understanding the Internet as a media extension. Mexican Jounal of Communication, n. 3, july/1997, pp

11 11 HELLERSTEIN, L. (1986, May). Electronic Messaging and Conferencing with an Emphasis on Social Use: An Exploratory Study. Ph. D. thesis, UMass- Amherst, Amherst, MA. IBOPE. Perfil do Internauta Brasileiro [on line]. 2 a pesquisa Cadê/IBOPE, 1997 [cited 10 March 1998]. Available from Internet <URL: INNIS, H. A. (1972). Empire and communications (Revised ed.). Toronto: University of Toronto Press. KEHOE, Colleen, PITKOW, James, MORTON, Kimberly. GVU s Eigth WWW User Survey [on line]. Georgia Tech Research Corporation, Atlanta, USA, December, 1997 [cited 21 may 1998]. Available from the World Wide Web: <URL: KLAPPER, Joseph, The effects of Mass Communication. Glencoe (NY), Free Press, KRISTULA, David. The History of the Internet. march/1997. Available from Internet. <URL: LAZARSFELD, Paul, BERELSON, Bernard, GAUDET, Hazel. The People s Choice. New York, Duell, Sloan and Pierce, LEVINSON, P. (1986). Marshall mcluhan and computer conferencing. IEEE Transactions on Professional Communication 29 (1), p MARKUS, M. L. (1990). Toward a critical mass theory of interactive media: Universal access, interdependence and diffusion. In J. Fulk and C. Steinfield (Eds.), Organizations and Communication Technology, pp Newbury Park, CA: Sage Publications.

12 12 MCLUHAN, M. (1964). Understanding Media: The extensions of man. New York: McGraw-Hill. MCLUHAN, M. (1965). The Gutenberg Galaxy: the Making of Typographic Man. Toronto: University of Toronto Press. MCLUHAN, M. and Q. Fiore (1967). The Medium is the Massage. New York: Bantam Books. MCLUHAN, M. and B. R. Powers (1989). The Global Village: Transformations in World Life and Media in the 21st Century. New York: Oxford University Press. MILES, I. (1992). When mediation is the message: How suppliers envisage new markets. In M. Lea (Ed.), Contexts of computer-mediated communication, pp New York: Harvester Wheatsheaf. NATIONAL SCIENCE BOARD, Science and Engineering Indicators, Washington D.C., US Government Printing Office, 1989 (NSB 89-1). NELKIN, Dorothy. Selling Science How the Press Covers Science and Technology. New York, W. H. Freeman and Co., PACKER, Abel Laerte e cols. SciELO: uma metodologia para publicação eletrônica, Ciências da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p , mai/ago POLL, Louis Harris, comissioned by SIPI, reported in SIPI-Scope, n. 20, Spring RICE, R. E. (1990). Computer-mediated communication system network data: Theoretical concerns and empirical examples. International Journal of Man- Machine Studies 32 (6),

13 13 RUTOWSKI, A. M. A Year in the Life of the Internet. Internet Society News, n. 2, vol. 4, TAUBES, Gary. Science Journals Go Wired, Science, v. 271, 9/feb/1996, pp Electronic Preprints Point the Way to Author Empowerment, Science, v. 271, 9/feb/1996, pp VAISMAN, Yosif. Scientific Communication in the Internet Era, AAAS Conference on Ethical, Legal and Technological Aspects of Network Use and Abuse, October, (mimeo) <Available from Internet. URL: WILLIAMS, F., RICE, R. E. (1983). Communication research and the new media technologies. In R. N. Bostrom (Ed.), Communication Yearbook 7, pp. XX-XX. Beverly Hills, CA: Sage Publications.

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE

REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE COMUNICAÇÃO ENTRE MÉDICOS E PACIENTES ATRAVÉS DE UMA REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE Mônica Macedo (Unicamp) RESUMO - As revistas eletrônicas e o correio eletrônico podem ser uma alternativa à mídia tradicional

Leia mais

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? Harold Borko Equipe de Tecnologia e Sistemas de Informação System Development Corp. Santa Monica, California RESUMO Buscando um novo consenso quanto à identidade, questionamos,

Leia mais

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Projeto Experimental COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 Leonardo Ferreira COSTA 2 Pablo

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto. CURRICULUM VITÆ PERSONAL DATA Full name: Birth: Nationality: Address: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 December 1971, Porto (Portugal) Portuguese Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE Elizabete Barbosa Índice Antes de mais, julgo ser importante distinguir informação e jornalismo, dois conceitos que, não raras vezes, são confundidos.

Leia mais

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador DVD Vídeo-Aula Internet na escola ENCARTE www.educarede.org.br Internet na escola Caderno do capacitador Internet na escola 3 Pesquisar Acessar o conhecimento é condição para compreendermos a sociedade

Leia mais

Edição de Conteúdo INSIGHT INFORMAL [045-24/06/2001] Por Gisela Nina de Oliveira e Jayme Teixeira Filho

Edição de Conteúdo INSIGHT INFORMAL [045-24/06/2001] Por Gisela Nina de Oliveira e Jayme Teixeira Filho Edição de Conteúdo INSIGHT INFORMAL [045-24/06/2001] Por Gisela Nina de Oliveira e Jayme Teixeira Filho Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa.

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Tema: História da Eletricidade Episódio: Do primeiro motor elétrico à transmissão de eletricidade Fontes: revistas

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

BIBLIOTECA UNIVATES. Área física e serviços prestados pela Biblioteca

BIBLIOTECA UNIVATES. Área física e serviços prestados pela Biblioteca BIBLIOTECA UNIVATES Área física e serviços prestados pela Biblioteca O prédio da Biblioteca tem área total de 2.696,91m². Abriga em seus três pavimentos, além do acervo, espaço para estudos (individual

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

O artigo a seguir deve ser referenciado como:

O artigo a seguir deve ser referenciado como: O artigo a seguir deve ser referenciado como: Carvalho, José Oscar F. de (2000). A Utilização de Técnicas de Educação a Distância Mediada por Computador como Apoio às Aulas Presenciais: Um Estudo de Caso.

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Ana Paula Cappellano. Revista Inovação Hospitalar JORNALISMO, TEXTO E CONTEÚDO. Rio de Janeiro, RJ / São Paulo, SP - Brasil

Ana Paula Cappellano. Revista Inovação Hospitalar JORNALISMO, TEXTO E CONTEÚDO. Rio de Janeiro, RJ / São Paulo, SP - Brasil Ana Paula Cappellano JORNALISMO, TEXTO E CONTEÚDO Rio de Janeiro, RJ / - Brasil anapaulacappella@gmail.com +55 11 97675-3787 mobile Experience Coordenadora editorial (freelancer) Revista Inovação Hospitalar

Leia mais

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário São Paulo, junho de 2007 1º Versão SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Autor... 5 2.1 Cadastro no sistema (http://submission.scielo.br),

Leia mais

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA Rafael Garcia Barbastefano CEFET/RJ rgb@cefet-rj.br Francisco Mattos Colégio Pedro II Colégio de Aplicação da UERJ franciscorpm@ig.com.br

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Unidade curricular: / Curricular Unit: Sociologia da Comunicação Sociology of Communication Docente responsável e respectivas horas de contacto na unidade

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL Carolina Reine de Paiva Clemente carolreine@gmail.com Claudia Bordin Rodrigues

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996.

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996. CURRICULUM VITÆ DADOS PESSOAIS Nome: Nascimento: Nacionalidade: Morada: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 de Dezembro de 1971, Porto (Portugal) Portuguesa Faculdade de Economia do

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra.

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Mais ou menos na mesma época em que, na sociologia da comunicação americana se afirmava o paradigma dominante, funcionalista e

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: PLANO DE ENSINO. Modalidade: EAD

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: PLANO DE ENSINO. Modalidade: EAD UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA VICE REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO: PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: Ciência da Computação (Núcleo Comum) Disciplina: Inglês Instrumental Modalidade: EAD Período: Créditos: 04

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO No ano 2000, surgiu no mundo uma nova geração de seres. Esses estranhos personagens postulavam que a realidade virtual era mais importante do que a vida real. Comunicavam-se

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Palavras-chave: agências de RP e comunicação; mercado das agências; perfil das agências.

Palavras-chave: agências de RP e comunicação; mercado das agências; perfil das agências. A expansão do mercado das agências de comunicação no Brasil 1 Tiago Mainieri (tiagomainieri@hotmail.com) Professor adjunto da Universidade Federal de Goiás UFG Resumo O artigo apresenta resultados parciais

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Arndt von Staa arndt@inf.puc-rio.br Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica 22453-900 Rio de Janeiro,

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL EDVALDO BALDUINO BISPO JORNAL ELETRÔNICO: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO NA PARÓQUIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO DE JESUS

A INTERNET COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO NA PARÓQUIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO DE JESUS A INTERNET COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO NA PARÓQUIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO DE JESUS Silvia Cristina Teles de Menezes 1, MSC. Profª Celeste M. M. Ribeiro² 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com

Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com Portal Capes Para que pesquisar artigos científicos? Informação confiável! - Fundamentos relacionados

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1 Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações RESUMO sociais em Uberlândia. MG. 1 Kênia Leal PIMENTA 2 Letícia Daniela Gonçalves MEDEIROS 3 Monique França ROCHA 4 Adriana

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

A revista Superinteressante para tablet Um exemplo de inovação

A revista Superinteressante para tablet Um exemplo de inovação A revista Superinteressante para tablet Um exemplo de inovação The magazine Superinteressante for tablet - An example of incremental Gabriel Patrocinio; Mestrando em Design; Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA Anderson Ricardo Yanzer Cabral Resumo Em instituições que trabalham com o desenvolvimento de cursos e treinamentos a distância um dos grandes desafios

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Proposta de um web site para a ampliação do sistema de divulgação de anúncios na Internet

Proposta de um web site para a ampliação do sistema de divulgação de anúncios na Internet Proposta de um web site para a ampliação do sistema de divulgação de anúncios na Internet Letícia Menna Barreto Silva 1, Tatiana de Oliveira Flores 2, Eugênio de Oliveira Simonetto 3 Universidade da Região

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas WEBJORNALISMO Aula 03: Contextualizando o webjornalismo Prof. Breno Brito Conceitos e Nomenclaturas Jornalismo digital Jornalismo eletrônico Ciberjornalismo Jornalismo on-line Webjornalismo 2 Prof. Breno

Leia mais

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Gabriel da Costa Patrocínio Universidade Anhembi Morumbi patrocínio.design@gmail.com O presente artigo tem como proposta analisar

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO USANDO O FACEBOOK E APRENDENDO SOBRE GRAFOS Vinicius Schmidt Monego - viniciussm@rocketmail.com Monique Rubenich Nascimento - moniquee.rn@gmail.com Alice de Jesus Kozakevicius - alicek@ufsm.br Resumo.

Leia mais

História do Desenvolvimento das GUI

História do Desenvolvimento das GUI História do Desenvolvimento das GUI A história dos hiperdocumentos ou da IHC não pode ser descrita sem a associação indissolúvel com a a história das Graphical (or Good) User Interfaces. O conceito de

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site:

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: https://sites.google.com/site/professorcristianovieira Esta frase

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Contribuições do Projeto IGUAL: Um estudo de caso

Contribuições do Projeto IGUAL: Um estudo de caso Contribuições do Projeto IGUAL: Um estudo de caso Sandro da Silva Camargo, Cristian Cechinel e Carlos Michel Betemps Campus Bagé, Universidade Federal do Pampa, CEP 9-7, Bagé, Brasil Centro de Educação

Leia mais

Joice Vieira Estagiária do Jornal Correio

Joice Vieira Estagiária do Jornal Correio Considero o Programa Correio de Futuro um ponta pé inicial para minha carreira profissional, pois apesar de não ter experiência em redação de jornal, o programa foi uma porta aberta que me levou a fazer

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada MANUEL DIAS FERREIRA LIMA, RUI 50, Rua José Maria Rodrigues, 4710-080 BRAGA, Gualtar, PORTUGAL Telefone +351 939741239

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1

OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1 1 OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1 RESUMO José Barone O presente trabalho analisa textos jornalísticos publicados em portais de notícias brasileiros. O Portal RPC,

Leia mais

O ATENDIMENTO À IMPRENSA. Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014

O ATENDIMENTO À IMPRENSA. Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014 O ATENDIMENTO À IMPRENSA Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014 Apresentação Relação cientistas x jornalistas Por que é importante atender à imprensa? Conhecer os canais

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EXAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA ESPECIAL 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 4º Semestre 1º Semestre Teorias da Comunicação

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Estéticas tecnológicas no Jornalismo Digital. A migração do modelo impresso para o digital na Web e nas mídias móveis

Estéticas tecnológicas no Jornalismo Digital. A migração do modelo impresso para o digital na Web e nas mídias móveis Estéticas tecnológicas no Jornalismo Digital A migração do modelo impresso para o digital na Web e nas mídias móveis A GAZETA DE BEIJIN Criada pelo imperador Mingti da Dinastia Tang na primeira metade

Leia mais

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/

Contextualização. *http://www.sophiamind.com/noticias/acesso-a-internet-movel-entre-as-mulherescresce-575-em-dois-anos/ Mobile Marketing Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo WEBJORNALISMO Aula 04: Características do Webjornalismo Prof. Breno Brito Características do webjornalismo O webjornalismo apresenta algumas características específicas em relação a aspectos que quase

Leia mais

UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Dupla delícia O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado. (Mário Quintana) Apresentação Olá, neste curso você terá noções

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

CRIAÇÃO DE UM PRODUTO JORNALÍSTICO: SITE PAPO DE MULHER

CRIAÇÃO DE UM PRODUTO JORNALÍSTICO: SITE PAPO DE MULHER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE JORNALISMO BÁRBARA COSTA LEÃO DE OLIVEIRA BRUNO ALVES DE SOUZA JAMILLE CASTELO BRANCO JHONATAS HENRIQUE SIMIÃO

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER.

Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER. Implementação da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER. Rodrigo F. Meirelles 1 e-mail: rodrigomei@hotmail.com Relata a experiência de implementação

Leia mais