(UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp. E-mail: mmacedo@unicamp.br"

Transcrição

1 Divulgação Científica Interativa Impacto de novos modelos de publicações eletrônicas sobre o sistema de divulgação da ciência e tecnologia e proposta de implantação de uma revista eletrônica de jornalismo científico Mônica Macedo 1 Resumo As revistas de divulgação científica acompanham o próprio desenvolvimento da ciência. Com o advento da comunicação mediada por computador e a expansão da rede Internet, surgem novos modelos de publicação, com relevantes efeitos para o sistema de divulgação da ciência e da tecnologia. Neste trabalho, avalia-se alguns aspectos da comunicação interativa aplicada à divulgação científica e apresenta-se o projeto de uma revista eletrônica de jornalismo científico interativa. A divulgação científica através das revistas O fenômeno da divulgação acompanha o próprio desenvolvimento e expansão da ciência. Na Europa do século XIX, em que a ciência era vista com grande entusiasmo e se acreditava no progresso através do desenvolvimento científico, houve, paralelamente à ampliação do número de periódicos científicos, um crescimento da divulgação através da imprensa diária e semanal, das revistas, de exposições, bibliotecas populares e outros meios (Figuerôa e Lopes, 1997). Eles acompanham o movimento de consolidação das sociedades científicas, dos museus e das academias na Europa. De fato, parece ter havido nessa época um fenômeno praticamente internacional de divulgação. Mesmo no Brasil país periférico, com poucos investimentos em ciência e tecnologia a presença de temas científicos nos jornais era significativa (em proporções até maiores do que as atuais) (Figuerôa e Lopes, op. cit., p. 191). Dado o interesse da elite nacional em consolidar seu projeto de desenvolvimento nacional no qual a tecnologia tinha papel de destaque - a mídia era considerada estratégica para a veiculação de suas idéias e para conquistar a opinião pública. 1 Jornalista. Mestre em Comunicação Científica e Tecnológica pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp.

2 2 De lá para cá, embora não se possa dizer que ciência e tecnologia tenham lugar cativo nos meios de comunicação de massa, o interesse público por temas dessa natureza é grande. Uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup, entre janeiro e fevereiro de 1987, mostrou que 71% da população brasileira tem interesse por descobertas científicas. Vinte por cento dos brasileiros adultos disse, inclusive, que procura estudar e conhecer melhor algum ramo da ciência. Entre os que têm instrução superior esse percentual se eleva para 46%, sendo a preferência do público pelas ciências médicas e biológicas (Gallup, 1987). Da mesma forma, Nelkin (1995, p. 68) retrata o interesse por ciência e tecnologia nos EUA. Citando uma pesquisa do National Science Board, de 1988, a autora ressalta que 84% dos norte-americanos discordam da idéia de que saber sobre ciência não é importante para o dia-a-dia e 72% concordaram que se o conhecimento científico for explicado claramente, a maioria das pessoas poderá entendê-lo (National Science Board, 1989). Em outra ocasião, Poll (1993) verificou que 38% dos americanos afirma ler sobre ciência nos jornais pelo menos uma vez por semana. As notícias mais valorizadas são aquelas relacionadas a problemas da vida cotidiana, sobretudo de saúde. Muitas pessoas utilizam os meios de comunicação como fonte primária de informação sobre hábitos de vida saudáveis. De forma semelhante, uma pesquisa do National Cancer Institute revelou que, entre os meios de obter informação sobre prevenção do câncer, 64% dos americanos citaram as revistas, 60% os jornais e 58% a televisão. Somente 13% disseram ter falado com seus médicos sobre o assunto (NCI, 1984). Novos meios de comunicação - Computer Mediated Communication Da mesma forma que a invenção da imprensa, ao ampliar a difusão do conhecimento científico e a comunicação entre cientistas, afetou o próprio modo de produção da ciência e levou a grandes transformações durante o século XIX, o advento de novas tecnologias no século XX está levando a modificações no sistema de avaliação, na linguagem e no público da ciência.

3 3 No caso da comunicação científica primária (entre pares), a partir da segunda metade dos anos 90, a publicação eletrônica passa a ser reconhecida como um fenômeno inexorável pela maioria dos cientistas (Packer e cols., 1998). A invenção e popularização dos computadores pessoais (PC) e sua interligação em rede criaram um novo contexto para a difusão de informações, com especial impacto no meio científico, onde a tecnologia vem alterando em muito o comportamento de seus membros. Surgiu um campo chamado Computer Mediated Comunication (Comunicação Mediada por Computador - CMC), referente a toda forma de comunicação que envolve a interação homem-máquina. O termo CMC começou a ser usado na primeira metade da década de 80, embora as tecnologias eletrônicas de comunicação já viessem sendo estudadas por alguns teóricos há mais tempo, como é o caso de McLuhan (1964, 1965, 1967, 1989). Suas teorias foram forjadas em um contexto de utilização massiva de novas tecnologias - não só os meios eletrônicos como rádio e televisão, mas também os computadores. Sua principal idéia, enunciada exemplarmente na frase The medium is the message (O meio é a mensagem), era de que a importância dos novos meios de comunicação era tão grande que o próprio fato de existirem era, por si só, significativo. Para McLuhan, os meios eletrônicos estavam provocando radicais transformações nos modos de interação social e de tal forma penetravam na vida cotidiana das pessoas que se tornariam uma extensão, mesmo, do ser humano. McLuhan inspirou seus trabalhos nas aulas de Harold Innis (1972), seu professor e orientador na Universidade de Toronto, onde explorava o papel dos meios de comunicação conforme seu uso em diferentes civilizações. A principal questão para Innis é que os usos e tendências da mídia interferem nas estruturas política e civilizatória das sociedades. No caso da CMC, embora ela seja objeto de um número crescente de pesquisas, é uma área que carece de pesquisa teórica e empírica (Rice, 1992). Apenas recentemente alguns estudos a vêm formalizando como objeto. A partir da cronologia elaborada por December (1993), podemos salientar alguns deles.

4 4 Em 1983, Williams e Rice produzem estudos sobre as relações pessoais na CMC. Em 1984, Ebadi e Utterback descrevem como a comunicação afeta os usos da tecnologia. Em 1986 Hellerstein apresenta um estudo dos usos sociais da CMC, defendendo o ponto de vista de que ela media e facilita a vida social. Em 1990, Fulk, Schmitz e Steinfield propõem um modelo para uso da tecnologia baseado nos efeitos sobre o contexto social (Social influence model of media use). O pressuposto básico, para eles, é o de que as percepções e usos dos meios são construídos socialmente. Ainda em 1990, Boshier discute os fatores sociais e psicológicos em redes de computadores, focando o papel do na educação de adultos e identificando áreas de pesquisa. Seu ponto principal é de que as redes de computadores podem ajudar na educação continuada porque elas ajudam a melhorar a interação, dão oportunidades iguais e criam um ambiente não-coercitivo, não-hierárquico e recíproco. Também em 1990, Markus descreve a Teoria Crítica de Massas para a mídia interativa, deslocando a atenção do indivíduo para o nível da comunidade. Em 1992, Miles faz uma revisão das questões sobre a aplicação da CMC à edição e comunicação interpessoal em escalas nacionais (na França e Grã-Bretanha). Em 1994, December discute e analisa as estratégias que podem ser usadas por comunicadores para intercambiar informações através de redes mundiais de computadores. Seu principal ponto é que a tarefa comunicativa sempre envolveu considerações de objetivo e audiência. No caso da comunicação através de redes de computadores, além dessas considerações, o comunicador deve ter em conta considerações sobre a natureza do meio de distribuição, acesso, práticas de intercâmbio de informações e o contexto social. Como a CMC pode fazer surgir novas formas de divulgação científica A CMC altera, de imediato, as relações entre cientistas e público, pois as redes de computadores contêm informação de todo tipo (técnica e não-técnica, elementar e aprofundada, etc), grande parte à disposição de todos os usuários, ou seja, sem restrição

5 5 de acesso, com elementos interativos à disposição. Os leitores podem entrar, muitas vezes, em contato direto com o cientista. Desse modo, a CMC permite a exploração de recursos que não estão disponíveis em outros meios (como a personalização de um artigo e/ou de toda uma publicação) e certamente trará alterações para o modo como o grande público se informa sobre ciência. No campo da comunicação científica primária várias são as mudanças por que vêm passando os procedimentos tradicionais de difusão do conhecimento científico. Pode-se mencionar, entre outras, a agilização do processo de seleção e publicação de artigos, ampliação do acesso a periódicos científicos, surgimento do sistema de open peer review, criação de listas de discussão, intercâmbio de preprints e o envio de resumos de publicações científicas por correio eletrônico. Na área de divulgação científica, várias publicações desenvolvidas especificamente para o meio eletrônico têm sido criadas nos últimos anos, algumas das quais atreladas a projetos de pesquisa, como é o caso do site norte-americano The Why Files (http://whyfiles.news.wisc.edu), ou ainda a versão eletrônica da revista espanhola Quark (http://www.imim.es/quark), sobre divulgação científica. Uma revista eletrônica brasileira de jornalismo científico No início do ano de 1999, surge na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a proposta de criação de uma revista eletrônica de Jornalismo Científico, voltada sobretudo a jornalistas e divulgadores científicos, mas dirigida também a um público amplo, de estudantes de segundo grau a professores universitários. Provisoriamente denominada Revista de Jornalismo Científico (RJC) (http://nib.unicamp.br/rumos), a publicação envolve alunos e professores do Curso de Especialização em Jornalismo Científico, programa de pós-graduação lato sensu oferecido pelo Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT) e Departamento de Multimeios (DMM). A revista volta-se à produção de textos originais sobre ciência e tecnologia, na forma de notícias, reportagens e/ou artigos, estruturados em hipertextos que incluam recursos multimídia - como fotos, vídeos, música etc - e permitam uma leitura interativa do conteúdo.

6 6 Paralelamente, a RJC será objeto de estudo de uma pesquisa sobre a leitura do texto de divulgação na Internet. Essa pesquisa incluirá o acompanhamento dos percursos de leitura na revista, análise de padrões de leitura não linear, estatísticas de consulta, pesquisas de opinião e elaboração de perfis (idade, escolaridade, renda etc) dos leitores. Redação Web O aspecto central dos textos da RJC será o desenvolvimento do que chamaremos de dynapaper (ou artigo dinâmico ). O dynapaper é um hipertexto em que um mesmo tema é tratado em vários níveis de complexidade. Assume-se, portanto, que a publicação poderá ter leitores com diferentes graus de conhecimento. De maneira esquemática, podemos imaginar os diferentes níveis de complexidade, para cada tema: 1) Elementar este primeiro nível é introdutório. Procura utilizar ao máximo metáforas e expressões de uso cotidiano, evitando a todo custo um vocabulário técnico-científico. Dá ênfase à ilustração dos conceitos, com uso intensivo de imagens e sons. Sempre que possível, recorre ao humor para explicar conceitos e idéias. Visa a dar informações básicas sobre a notícia em questão. São textos bem curtos, que permitem ao leitor que desconhece o assunto saber do que se trata. 2) Intermediário este segundo nível é a porta de entrada no hipertexto através da home page. Ele parte de um gancho jornalístico para introduzir o tema, o contextualiza e o relaciona com outros temas. É basicamente de gênero informativo, embora não meramente factual. Enfatiza igualmente o uso de gráficos, ilustrações, sons e outros recursos. 3) Aprofundado este terceiro nível pode ser composto por vários textos, que serão aspectos diferentes do tema central. Traz informações históricas sobre o assunto, biografias, curiosidades, propostas de experimentos, depoimentos, etc. Procura trazer também algumas informações teóricas e situar o assunto em questão na história da ciência, explicitando sua relações com diferentes tradições científicas, se for o caso. Se possível, relaciona o assunto com outras áreas do conhecimento. O leitor que se interesse por um nível mais técnico deverá ter ao seu dispor links para revistas científicas on line especializadas na área de conhecimento correspondente.

7 7 Vale ressaltar que as pautas deverão seguir critérios jornalísticos, buscando divulgar notícias atuais e de interesse público. O emprego de recursos multimídia é indicado em todos os textos e nos níveis mais elementares sua utilização é indispensável. Os níveis de complexidade aqui propostos servem como orientação para o redator, mas não devem restringir a priori as possibilidades de leitura. Grau de conhecimento do tema não serão requisitos formalmente exigidos do usuário. Não haverá restrições de acesso. Todos os textos estarão disponíveis para todos os leitores. A singularidade do dynapaper está no fato de que ele permite uma escolha individual do nível até onde se quer ir e/ou de onde se quer partir. Dessa forma, o leitor pode personalizar o artigo, adaptando-o a seus interesses. Daí o nome dynapaper. Para isso, propomos alguns modelos de navegação : 1) Modelo de Menu apresenta-se ao usuário uma relação dos textos (em vários níveis), com resumo de cada um e ele seleciona o texto desejado. Ou seja, o usuário tem uma visão panorâmica do conteúdo disponível e segue direto para o nível de seu interesse. Menu Nível 1 Nível 2 Nível 3

8 8 2) Modelo de Saciedade apresenta-se ao leitor o nível intermediário e em seguida uma relação dos outros níveis de complexidade disponíveis. Ele pode seguir, linearmente, do elementar para o intermediário ou passar direto para o aprofundado, até o ponto em que não deseje mais informações sobre o assunto. Nível 1 Nível 2 Nível 3 3) Modelo de Perfil Declarado o usuário responde a um questionário com perguntas sobre idade, escolaridade, profissão, preferências temáticas, nível de complexidade que deseja, etc. e o sistema pré-seleciona os artigos e os níveis, disponibilizando diretamente os textos que mais se adequarem ao perfil informado. Perfil Artigos X Y Z A B C A proposta deste trabalho é fazer experimentações com os diversos modelos, observando como os leitores se comportam em cada um deles. Também serão criados fóruns de discussão, em que os leitores possam se manifestar e interagir com outros leitores e com os autores do texto. Os comentários poderão ser publicados em seção de debates, ficando à disposição de todos os leitores. Considerações finais

9 9 Este é um trabalho ainda em curso, ao fim do qual espera-se: 1) Produzir uma avaliação dos diversos modelos de dynapaper. 2) Desenvolver uma metodologia de criação de publicações científicas eletrônicas voltadas à divulgação para o grande público. 3) Desenvolver uma metodologia de análise de padrões de uso da informação científica on line, através do estudo das relações entre complexidade de conteúdo e padrões de leitura. A discussão dos resultados parciais com a comunidade acadêmica pode trazer contribuições importantes ao desenvolvimento do projeto e possibilitará uma avaliação qualificada da proposta. Bibliografia AUGUSTINE, N. What we don t know does hurt us. How scientific illiteracy hobbles society, Science, 13/march/1998, pp BERGER, Arthur Asa. Media analysis techniques, EUA, Sage Publications, BOSHIER, R. (1990, January-March). Socio-psychological factors in electronic networking. International Journal of Lifelong Education 9 (1), CARDOSO, Sílvia Helena, SABBATINI, Renato M. E. Brain and Mind Magazine: An On-Line Multimedia Resource for Dissemination and Evaluation of Knowledge in Neuroscience, Campinas, Núcleo de Informática Biomédica, 1997, (mimeo). CZITROM, Daniel. Media and the American Mind, Chapel Hill, University of North Carolina Press, 1982, Chapter 4. DECEMBER, J. (1993) Selected Readings in Computer-Mediated Communication, Communication Theory,Computer Networks, and the Internet. <Available from Internet. URL:

10 10 DECEMBER, J. (1994, March). Communicating in the global computer networks. Presentation for Council on College Composition and Communication annual conference. EBADI, Y., UTTERBACK, J. (1984). The effect of communication on technological innovation. Management Science, 48, EPSTEIN, Isaac. Some differences between guiding principles (ethos) of journalists and scientists, texto apresentado à IAMCR 1998 Conference, 1998, Glasgow (Scotland). (mimeo). FERGUSON, Marjorie. New Communication Technologies and the Public Interest. USA, Sage Publications, 1989 (third edition). FIGUERÔA, Sílvia. LOPES, Margareth Menezes (1997). A difusão da ciência e da tecnologia através da imprensa e dos periódicos especializados (São Paulo ), Rio de Janeiro, Anais do VI Seminário Nacional de História da C&T, 4-7 junho. FRIEDMAN, Sharon et al. Scientists and Journalists Reporting Science as News. USA, AAAS, GALLUP. O que o brasileiro pensa da Ciência e da Tecnologia? - a imagem da ciência e da tecnologia junto à população urbana brasileira (pesquisa realizada pelo Instituto Gallup), Rio de Janeiro, MCT/CNPq/Museu de Astronomia e Ciências Afins, 1987 (relatório). GUTIÉRREZ, Fernando, CARMONA, Octavio Islas. Understanding the Internet as a media extension. Mexican Jounal of Communication, n. 3, july/1997, pp

11 11 HELLERSTEIN, L. (1986, May). Electronic Messaging and Conferencing with an Emphasis on Social Use: An Exploratory Study. Ph. D. thesis, UMass- Amherst, Amherst, MA. IBOPE. Perfil do Internauta Brasileiro [on line]. 2 a pesquisa Cadê/IBOPE, 1997 [cited 10 March 1998]. Available from Internet <URL: INNIS, H. A. (1972). Empire and communications (Revised ed.). Toronto: University of Toronto Press. KEHOE, Colleen, PITKOW, James, MORTON, Kimberly. GVU s Eigth WWW User Survey [on line]. Georgia Tech Research Corporation, Atlanta, USA, December, 1997 [cited 21 may 1998]. Available from the World Wide Web: <URL: KLAPPER, Joseph, The effects of Mass Communication. Glencoe (NY), Free Press, KRISTULA, David. The History of the Internet. march/1997. Available from Internet. <URL: LAZARSFELD, Paul, BERELSON, Bernard, GAUDET, Hazel. The People s Choice. New York, Duell, Sloan and Pierce, LEVINSON, P. (1986). Marshall mcluhan and computer conferencing. IEEE Transactions on Professional Communication 29 (1), p MARKUS, M. L. (1990). Toward a critical mass theory of interactive media: Universal access, interdependence and diffusion. In J. Fulk and C. Steinfield (Eds.), Organizations and Communication Technology, pp Newbury Park, CA: Sage Publications.

12 12 MCLUHAN, M. (1964). Understanding Media: The extensions of man. New York: McGraw-Hill. MCLUHAN, M. (1965). The Gutenberg Galaxy: the Making of Typographic Man. Toronto: University of Toronto Press. MCLUHAN, M. and Q. Fiore (1967). The Medium is the Massage. New York: Bantam Books. MCLUHAN, M. and B. R. Powers (1989). The Global Village: Transformations in World Life and Media in the 21st Century. New York: Oxford University Press. MILES, I. (1992). When mediation is the message: How suppliers envisage new markets. In M. Lea (Ed.), Contexts of computer-mediated communication, pp New York: Harvester Wheatsheaf. NATIONAL SCIENCE BOARD, Science and Engineering Indicators, Washington D.C., US Government Printing Office, 1989 (NSB 89-1). NELKIN, Dorothy. Selling Science How the Press Covers Science and Technology. New York, W. H. Freeman and Co., PACKER, Abel Laerte e cols. SciELO: uma metodologia para publicação eletrônica, Ciências da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p , mai/ago POLL, Louis Harris, comissioned by SIPI, reported in SIPI-Scope, n. 20, Spring RICE, R. E. (1990). Computer-mediated communication system network data: Theoretical concerns and empirical examples. International Journal of Man- Machine Studies 32 (6),

13 13 RUTOWSKI, A. M. A Year in the Life of the Internet. Internet Society News, n. 2, vol. 4, TAUBES, Gary. Science Journals Go Wired, Science, v. 271, 9/feb/1996, pp Electronic Preprints Point the Way to Author Empowerment, Science, v. 271, 9/feb/1996, pp VAISMAN, Yosif. Scientific Communication in the Internet Era, AAAS Conference on Ethical, Legal and Technological Aspects of Network Use and Abuse, October, (mimeo) <Available from Internet. URL: WILLIAMS, F., RICE, R. E. (1983). Communication research and the new media technologies. In R. N. Bostrom (Ed.), Communication Yearbook 7, pp. XX-XX. Beverly Hills, CA: Sage Publications.

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

O artigo a seguir deve ser referenciado como:

O artigo a seguir deve ser referenciado como: O artigo a seguir deve ser referenciado como: Carvalho, José Oscar F. de (2000). A Utilização de Técnicas de Educação a Distância Mediada por Computador como Apoio às Aulas Presenciais: Um Estudo de Caso.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica Samantha Sasha de Andrade Universidade Estadual Paulista UNESP e-mail: ssashadrade@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ Paulo Gadelha Vice-presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Fundação Oswaldo Cruz 1900: Instituto Soroterápico Federal Objetivo

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22 opensocialsciences@gmail.com 34 respostas Publicar análise Resumo 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? Estudante d Estudante d Professor e Professor ou Trabalho e Funcionário Profissional

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Acesso a Bases de Dados (Web of Science)

Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Helder Rodrigues da Silva Biólogo Mestre em Bioenergia-UEL Doutorando em Agronomia-UEL ISI Web of Knowledge Histórico Histórico 1958- fundação do Institute for

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA 1 RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA Introdução A passagem da comunicação oral para a comunicação eletrônica no final da década

Leia mais

Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com

Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com Como pesquisar artigos em bases de dados? Profª Msc Mayara Ladeira E-mail: mayaralcoelho@hotmail.com Portal Capes Para que pesquisar artigos científicos? Informação confiável! - Fundamentos relacionados

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Fernanda Maria Pereira Freire ffreire@unicamp.br Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) André Constantino

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador DVD Vídeo-Aula Internet na escola ENCARTE www.educarede.org.br Internet na escola Caderno do capacitador Internet na escola 3 Pesquisar Acessar o conhecimento é condição para compreendermos a sociedade

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP 1. Introdução A Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFEUSP) é uma instituição pública de ensino superior, integrante da Universidade de São

Leia mais

Computação Aplicada. Internet Parte 2. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 10

Computação Aplicada. Internet Parte 2. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 10 Computação Aplicada Internet Parte 2 Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 10 Sumário Definições e conceitos Aplicações e elementos Estudo de caso: Google WikiCrimes 2 Redes Sociais Estrutura social

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE

REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE COMUNICAÇÃO ENTRE MÉDICOS E PACIENTES ATRAVÉS DE UMA REVISTA ELETRÔNICA EM SAÚDE Mônica Macedo (Unicamp) RESUMO - As revistas eletrônicas e o correio eletrônico podem ser uma alternativa à mídia tradicional

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Ciências para todos. Um museu científico itinerante, utilizando kits interativos, TV e internet.

Ciências para todos. Um museu científico itinerante, utilizando kits interativos, TV e internet. Ciências para todos Um museu científico itinerante, utilizando kits interativos, TV e internet. EDUCANDO ATRAVÉS DA TV, RÁDIO JORNAIS E INTERNET. São Carlos - USP CEPOF é parte de um programa CEPID, criado

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra.

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Mais ou menos na mesma época em que, na sociologia da comunicação americana se afirmava o paradigma dominante, funcionalista e

Leia mais

Representações do Corpo na Cultura Midiática

Representações do Corpo na Cultura Midiática Representações do Corpo na Cultura Midiática A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A crescente procura por práticas

Leia mais

Guia Portal de Periódicos CAPES

Guia Portal de Periódicos CAPES Guia Portal de Periódicos CAPES Manaus, abril de 2010 ACESSO AO PORTAL CAPES DE PERIÓDICOS APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra do Centro Universitário Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Fontes de Informação. Direito

Fontes de Informação. Direito Fontes de Informação Direito Ana Maria Neves Maranhão anamaria@dbd.puc-rio.br Edson Sousa Silva edson@dbd.puc-rio.br Divisão de Bibliotecas e Documentação Novembro/2009 BASES DE DADOS Conjunto de dados,

Leia mais

EDITAL TV ESCOLA SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDO PEDAGÓGICO A PARTIR DOS PROGRAMAS DA TV ESCOLA

EDITAL TV ESCOLA SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDO PEDAGÓGICO A PARTIR DOS PROGRAMAS DA TV ESCOLA I. EDITAL EDITAL TV ESCOLA SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDO PEDAGÓGICO A PARTIR DOS PROGRAMAS DA TV ESCOLA A TV Escola torna público o presente Edital e convida os interessados a apresentarem

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

Metodologia Científica. Profa. Alessandra Martins Coelho

Metodologia Científica. Profa. Alessandra Martins Coelho Metodologia Científica Profa. Alessandra Martins Coelho julho/2014 Ementa O Sistema acadêmico brasileiro. O conhecimento científico e outros tipos de conhecimento. Virtudes do texto técnico Modalidades

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP EDITAL 02/2015 Curso de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática Esse Edital refere-se ao Curso de Doutorado em

Leia mais

PADRONIZAÇÃO EDITORIAL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO NA PRODUÇÃO DE VINHETAS AUDIOVISUAIS

PADRONIZAÇÃO EDITORIAL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO NA PRODUÇÃO DE VINHETAS AUDIOVISUAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PADRONIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Espartaco Madureira Coelho maio/2001 Introdução A partir da leitura do artigo Assessing E-Government: The Internet, Democracy and

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt

Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia. www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Luís Manuel Borges Gouveia www.ufp.pt/staf/lmbg/ lmbg@ufp.pt Questões Será a Internet/Intranet uma plataforma viável em sala de aula? Lições

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Tecnologias Avançadas de Multimédia

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais