EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL (Relatório 2013)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013)"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL (Relatório 2013)

2 Coordenação Nacional do Observatório das Metrópoles: Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Elaboração: Juciano Martins Rodrigues INCT Observatório das Metrópoles RIO DE JANEIRO OUTUBRO 2013

3 Apresentação Em setembro de 2012, o INCT Observatório das Metrópoles elaborou e disponibilizou o relatório de dados Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras ( ). Os resultados deste levantamento tiveram ampla repercussão na imprensa, afinal, pela primeira vez, se tinha dados sistematizados sobre a evolução da frota de automóveis e motos nas metrópoles do Brasil, permitindo não só uma visão panorâmica da recentre trajetória desta evolução como também um olhar comparativo entre os principais espaços urbanos brasileiros. Agora, estamos disponibilizamos para o público uma nova versão deste relatório, elaborado a partir dos dados disponibilizados no website do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN). Este relatório é mais completo do que o elaborado em setembro de 2012, pois, além de trazer informações sobre a evolução da frota de veículos de 2001 a 2012, detalha as informações considerando também importantes aspectos da organização territorial brasileira. Além disso, procurou-se avançar na análise, ao contrário do relatório de 2012, que, apesar de sua importância, limitava-se a apresentar os dados através de uma pequena descrição e na forma de tabelas e gráficos.

4 1. Aspectos gerais da evolução da frota de veículos automotores no Brasil Crescimento e composição da frota O Brasil terminou o ano de 2012 com uma frota total de veículos automotores. Em 2001 havia aproximadamente 34,9 milhões de veículos. Houve, portanto, um incremento da ordem 28,5 milhões, ocorrendo, assim, um crescimento superior a 138,6% entre esses dois anos. Vale lembrar, que o crescimento populacional no Brasil, entre os dois últimos Censos demográficos (2000 e 2010), foi de 11,8%. O número de automóveis passou de pouco mais de 24,5 milhões, em 2001, para 50,2 milhões, em Isso significa que a quantidade de automóveis exatamente dobrou, com um crescimento de 104,5%. Em toda a séria histórica, merece destaque o aumento de 3,5 milhões de automóveis em Assim, a frota brasileira passa de aproximadamente 46,7 milhões para os 50,2 milhões já mencionados em apenas um ano. Neste caso, é importante destacar que, de todo o crescimento ocorrido nos últimos 10 anos (acréscimo de 24,2 milhões de autos), 14,6% ocorreram apenas em Esse crescimento elevado em 2012 também ocorre nas principais regiões metropolitanas, como veremos nos próximos itens do relatório. Gráfico 1

5 Gráfico 2 Apesar do crescimento, os dados revelam que houve uma diminuição na participação dos automóveis no total de veículos. Mas essa queda se deve muito mais ao aumento no número de motos, que passam a ter maior presença na composição da frota, como veremos. Em 2001, as motos representavam 14,2% do total de veículos automotores. A partir desse ano, as motos foram o tipo de veículos que mais aumentaram sua participação. Ao final de 2012, já participavam com 26,2%. Essa maior participação é resultado do incremento de aproximadamente 15,4 milhões, o que corresponde a 339,5% de crescimento entre o início da série histórica trabalhada neste relatório (2001) e o final (2012). Gráfico Entre 2001 e 2012, portanto, a composição da frota de veículos automotores no Brasil se altera substancialmente, sobretudo em favor das motos. Que passam a ter um peso maior, como vimos. Este é um primeiro ponto a se destacar na dinâmica da evolução da frota de veículos automotores no Brasil. É preciso lembrar que a frota é composta ainda por outros tipos de veículos, que somados representam apenas 7,9% do total. No entanto, automóveis e motos são os veículos que compõem preponderantemente o tráfego urbano, constituindo, assim, o objeto de análise deste

6 relatório, que visa oferecer elementos para que se compreender melhor as atuais condições de circulação nas cidades brasileiras. Sendo assim, neste primeiro momento, focamos nossa análise na crescente participação dos automóveis e das motos na composição geral da frota nos últimos anos, apresentando, na série de gráficos a seguir, a composição da frota em cada um das regiões metropolitanas nos anos de 2001 e 2012 a fim de apreender as alterações ocorridas em cada uma delas. Gráfico (continua)

7 (continua)

8

9 Em todas as principais regiões metropolitanas ocorre aumento na participação de automóveis e motos no conjunto da frota de veículos motorizados. Neste caso, acompanhando o desempenho nacional, destaca-se o aumento da participação das motos. Nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Manaus e Recife esse aumento foi mais elevado. Na primeira 1, por exemplo, a participação das motos na frota era de 8,1% em 2001 e passou para 19,2% em Em todas as 15 principais regiões metropolitanas verifica-se perda de participação dos automóveis entre 2001 e Essa diminuição, por sua vez, se deve muito ao elevado crescimento no número de motos. Há também importantes diferenças de composição da frota entre as regiões metropolitanas. Algumas se destacam pela presença muito mais elevada de motos em Trata-se dos casos de Fortaleza (28,7%) Belém (27,7%); Goiânia (27,6%), Manaus (25%) e Recife (23,2%) Evolução da frota de automóveis no Brasil Grandes Regiões Embora o objetivo central deste estudo seja apresentar e descrever a evolução das frotas de automóveis e motos nas principais regiões metropolitanas optou-se por apresentar brevemente um panorama da evolução da frota de automóveis nas Grandes Regiões do Brasil. A primeira característica a se destacar é o fato do crescimento ter ocorrido de maneira bastante concentrada na Região Sudeste, apesar de ser a região com menor crescimento percentual (91,6%). Entre 2001 e 2002, 51,5% de todo o crescimento da frota de automóveis esteve concentrada no Sudeste. Nessa região, o número de automóveis passou de 14,4 milhões para 27,6 milhões. Em 1 Belém é a região metropolitana onde ocorre o maior crescimento de motos no Brasil.

10 segundo lugar, com 21,5% de todo o crescimento no período, aparece a Região Sul, onde a frota de automóveis passou de 5,2 milhões para 10,7 milhões (crescimento de 105,7%). Na Região Nordestes o número de automóveis saltou de 2,5 milhões para 6 milhões no período (crescimento de 136,4%), o que representa 13,5% de todo o crescimento da frota nacional. As regiões Centro-Oeste e Norte, apesar dos altos crescimentos percentuais (132,9% e 187,5%, respectivamente), contribuem menos para o crescimento da frota brasileira. No Centro-Oeste, de todo o incremento da frota de automóveis, 9,4% estavam na região, enquanto que a participação da Região Nordeste foi de 4,1%. Gráfico 5 Gráfico Taxa de motorização regional Apesar de um expressivo crescimento percentual entre os anos de 2001 e 2012 as regiões Norte e Nordeste permanecem com taxas de motorização bem mais baixas do que as outras regiões do país. Na Região Norte, a taxa de motorização passou de 4,3 em 2001 para 9,9 em Apesar

11 desse crescimento, a taxa permanece três vezes menor do que a taxa de motorização do país, que está em torno de 25,9 automóveis para cada 100 habitantes. A Região Nordeste experimentou um aumento considerável na taxa de motorização entre 2001 e 2012, passando de 5,3 para 11,1. Mesmo assim continua bem abaixo de outras regiões. As regiões Centro-Oeste (29,4 autos/100hab), Sudeste (33,9 autos/100hab) e Sul (38,7 autos/100hab) apresentam taxas acima da média nacional, como podemos ver no Gráfico 7. Gráfico Evolução da frota de automóveis nos municípios Evolução da frota de automóveis segundo porte populacional dos municípios Nas 15 principais regiões metropolitanas brasileiras a frota de automóveis passa de 22,6 milhões para pouco mais de 24 milhões de automóveis entre 2001 e O crescimento foi da ordem de 90,2%. No restante do país 2 o crescimento foi mais elevado: 119,2%, no mesmo período. Ao agruparmos esses municípios que não pertencem as 15 principais regiões metropolitanas por porte populacional 3 percebemos diferenças importantes, apesar de todos os grupos apresentam crescimento acima de 100%. A principal dessas diferenças é o fato dos municípios de menor porte apresentar mais crescimento percentual. Os municípios com população entre 5 mil e 20 mil habitantes apresentaram o maior percentual de crescimento entre 2001 e 2002: 143,9%. Nesse período houve um incremento de 2 Todos os municípios do país que não faziam parte das 15 principais regiões metropolitanas, que somam um total de municípios. 3 Os municípios foram agrupados da seguinte maneira: até 5 mil habitantes (1.294 municípios); mais de 5 mil habitantes até 20 mil habitantes (2.557 municípios); mais de 20 mil habitantes até 50 mil habitantes (983 municípios); mais de 50 mil habitantes até 100 mil habitantes (278 municípios); mais de 100 mil habitantes até 500 mil habitantes (160 municípios),e; mais de 500 mil habitantes (16 municípios).

12 aproximadamente 2,3 milhões de automóveis. Nos municípios com população com até 5 mil pessoas, o crescimento entre foi de 143,2%. Nesses municípios houve um incremento de automóveis no período analisado. Nos municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes o crescimento foi de 127,2%, o que corresponde a um incremento de 2,7 milhões de automóveis. No grupo dos municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes, o incremento foi de 2,1 milhões de automóveis, o que significação um crescimento de 118,9%. Gráfico Taxa de motorização dos municípios segundo porte populacional As taxa de motorização aumentam conforme o porte populacional. Regiões Metropolitanas apresentam a maior taxa de motorização no país (33,8 autos/100hab), um valor bem próximo da taxa de motorização da Região Sudeste. Os grupos de municípios com mais de 500 mil habitantes e o gruo com população entre 100 mil e 500 mil apresentam taxas acima da media nacional, com 31,9 autos/100hab e 29,3 autos/100hab, respectivamente. O grupo com menor taxa de motorização é o que reúne municípios com população entre 5 mil e 20 mil habitantes, com taxa de 14,5 autos/100hab. No entanto, é preciso dizer que os municípios de menor porte populacional apresentaram maior variação na taxa de motorização. Nos municípios de porte mais inferior (até 5 mil habitantes) a variação chegou a 134,8% entre 2001 e 2002.

13 Gráfico Taxa de motorização dos municípios Calculamos também a taxa de motorização para cada município do Brasil entre 2001 e A melhor maneira que encontramos de representá-las foi através dos mapas apresentados a seguir. A partir dos mapas é possível perceber as importantes mudanças ocorridas em termos de motorização do Brasil entre 2011 e As manchar mais escuras do mapa indicam territórios mais motorizados. Na macroescala do país, notamos que há o que poderíamos chamar de uma interiorização da frota, partindo das regiões mais urbanizadas do sul e sudeste em direção a outras regiões do país. Além disso, grande parte dessas das regiões escurecem, evidenciando que esses lugares tornaram-se ainda mais motorizados. A mancha mais escura na escala de cores representam os municípios onde a taxa de motorização é superior a 50 automóveis para cada 100 habitantes. O número de municípios nessa faixa passou de apenas um, em 2001, para 27, em Por outro lado, o número municípios com taxa de motorização de até 5 auto/100hab passou de 2652, em 2001, para 1476, em Estes, que antes representavam 47,7% de todos os municípios, passaram a representar, em 2012, 26,5%. Houve também um forte diminuição no número de municípios com taxa de motorização entre 5 e 15 auto/100hab. Em 2001, 33,5% dos municípios estavam nessa faixa. Em 2012 esse percentual passou a 23,9%.

14 Taxa de motorização dos municípios brasileiros 2001 a

15 Taxa de motorização dos municípios brasileiros 2007 a

16 2.3 Evolução da frota de automóveis nas metrópoles brasileiras Evolução da frota Em 2012 o número de automóveis nas 15 principais regiões metropolitanas atingiu a marca de automóveis. Este número representa aproximadamente 47,9% de toda a frota brasileira. Nessas metrópoles, entre 2001 e 2012, houve um aumento de mais de 11,4 milhões de automóveis, aproximadamente 90,2%. Em média, foram adicionados mais de 1 milhão por ano. Gráfico 9 Gráfico 10

17 Entre 2002 e 2012 o aumento na frota de automóveis no Brasil foi da ordem de 10,7 milhões (ou 104,5). Deste crescimento, 44,4% ocorreram nas 15 principais regiões metropolitanas. Entre 2011 e 2012, como dissemos, o crescimento da frota de automóveis foi da ordem de aproximadamente 3,5 milhões. Neste período, 39,3% do crescimento ocorreram nas 15 principais regiões metropolitanas. Sendo que 10,8% ocorreram apenas na região metropolitana de São Paulo e 5,4% ocorreram na região metropolitana do Rio de Janeiro. Gráfico 11 São Paulo, a metrópole mais populosa, contava, em 2012, com a maior frota, aproximadamente 8,6 milhões, o que equivale a 17,3% de toda a frota nacional. Entre 2001 e 2012 a frota da metrópole paulistana cresceu em 76%, o que corresponde a mais de 3,7 milhões em termos absolutos. Embora abaixo do crescimento das metrópoles e do crescimento do Brasil (119,6%) é uma soma considerável, principalmente se considerarmos a frota já existente em 2001, que era de 4,9 milhões de automóveis.

18 Gráfico 12 Apesar de apresentar crescimento relativo menor do que as médias nacional e metropolitana, o Rio de Janeiro registrou um aumento absoluto considerável. Em toda a série histórica considerada, a frota da metrópole fluminense cresceu 73,1% ou mais de 1,2 milhão de automóveis em termos absolutos. No caso especial do Rio de Janeiro, vale ainda destacar que, ao contrário da maioria das regiões metropolitanas, as variações anuais continuam crescentes desde Isso significa que, apesar de ser a região que menos cresce, é uma das poucas que mantém uma tendência ascendente no ritmo crescimento. Gráfico 13

19 Gráfico 14 Na Área Metropolitana de Brasília (AM Brasília), nucleada pela Capital Federal, a frota de automóveis cresceu em 118,2%, passando de pouco mais de 610 mil, em 2001, para mais de 1,3 milhão em Ou seja, como na maioria das principais regiões metropolitanas, o número de automóveis mais que dobrou no período considerado. Entre as maiores metrópoles Belo Horizonte foi a que registrou o maior crescimento percentual no número de automóveis entre as duas pontas da séria histórica considerada nesta análise, com um percentual de crescimento superior, inclusive, a média nacional. Em 2001 a frota da metrópole era de veículos e, com um aumento de 123,6%, atingiu a marca de automóveis em Na metrópole mineira, foram acrescentados em média a cada ano veículos.

20 Gráfico 15 Porto Alegre é um das metrópoles que onde o crescimento da frota, apesar de elevado, se deu abaixo da média das metrópoles. Entre 2001 e 2012, foram acrescidos em média pouco mais 60 mil automóveis na frota da metrópole, com isso, passa, neste período, de 825 mil veículos, aproximadamente, para mais de 1,5 milhão de veículos. Em Salvador, o número de automóveis passou de , em 2001, para , em O acréscimo de automóveis representou um crescimento relativo da ordem de 108,9%, somando-se às metrópoles que registraram crescimento relativo acima da média nacional. Gráfico 16

21 Curitiba apresenta crescimento bem próximo da média nacional. Entre 2001 e 2012 o aumento da frota na metrópole paranaense foi de 103,4%. Isso quer dizer que foram acrescidos mais de 832 mil automóveis neste intervalo de dez anos. Com isso essa metrópole terminou o ano de 2012 com uma frota superior a 1,6 milhão de automóveis. Gráfico 17 Fortaleza enquadra-se no conjunto das metrópoles que apresentaram crescimento entre a média metropolitana (90,2%) e nacional (104,5%). Nessa metrópole o aumento foi de 105%, correspondendo exatamente a automóveis. A frota da metrópole cearense era de aproximadamente 678 mil automóveis no final de 2012.

22 Gráfico 18 Apesar de não ser a metrópole menos populosa, Belém é a que apresenta a menor frota entre todas as metrópoles brasileiras. Apesar disso, é preciso considerar que a frota dobrou no período considerado nesta análise. Isto ocorreu a partir de um crescimento superior a média do crescimento da frota das metrópoles e do Brasil. Em 2001, a região metropolitana nucleada pela capital do Pará tinha pouco mais de 142 mil automóveis. Com um aumento de 111,4% deste então, terminou o ano de 2012 com uma frota de 300 mil. Gráfico 19 Goiânia, região metropolitana composta de 20 municípios, entre 2001 e 2012 teve sua frota de automóveis duplicada. Passou de veículos para O crescimento de 117,1% está

23 entre os maiores do país. Além disso, entre todas as 15, esta região metropolitana apresenta o maior crescimento em 2012: 8,3%. Apenas nesse ano ocorreu um incremento superior a 65 mil veículos. Gráfico 20 Dentre todas as metrópoles brasileiras, Manaus foi a que apresentou o maior crescimento. Na metrópole amazônica registrou-se, entre 2001 e 2012, um crescimento de 159,7%, número duas vezes maior do que a média na frota de todas as outras metrópoles. Em Manaus nesse período houve um acréscimo superior a 235 mil veículos. Gráfico 21 Florianópolis é outra região metropolitana onde o aumento foi superior à média das demais RMs. Entre 2001 e 2012 a frota cresceu 112,3%, passando de 193 mil para 410 mil automóveis.

24 Gráfico 22 Em Campinas, a variação foi de 99% entre 2001 e Essa variação corresponde a um incremento de automóveis à frota. Com isso, atingiu a marca de 1,3 milhão de automóveis em Gráfico 23 A região metropolitana da Grande Vitória passou de para automóveis, mais que dobrando sua frota no período 2001 e 2012.

25 Gráfico Taxa de motorização nas metrópoles A região metropolitana de Curitiba é a mais motorizada entre todas as 15 contempladas neste estudo. Em 2012 atingiu 49,8 automóveis para cada 100 habitantes, superando Campinas, Florianópolis, e São Paulo, que também possuem taxas mais elevadas, todas superior a 40 auto/100hab. A taxa de motorização das principais regiões metropolitanas é de 33,8 auto/100hab. Estão acima dessa média a Área Metropolitana de Brasília (36,6) e as regiões metropolitanas de Porto Alegre (37,8), Belo Horizonte (37,9), e Goiânia (38,0). A menor taxa de motorização é registrada na região metropolitana de Belém, onde em 2012 existiam 14 automóveis para cada 100 habitantes. Estão ainda abaixo da média nacional: Grande Vitória (29,1); Rio de janeiro (25,1); Recife (19,9); Salvador (19,7); Fortaleza (19,3) e Manaus (17,6).

26 Gráfico 24 Gráfico 25

27 3. - Evolução da frota de motos no Brasil Grandes Regiões Embora o objetivo central deste estudo seja apresentar e descrever a evolução das frotas de automóveis e motos nas principais regiões metropolitanas optou-se por apresentar brevemente um panorama da evolução da frota de motos nas Grandes Regiões do Brasil. A primeira característica a se destacar, no caso da evolução da frota de motos, é o fato de o crescimento ter ocorrido, como no caso dos automóveis, de maneira bastante concentrada na Região Sudeste, apesar de ser a região com menor crescimento percentual (283,9%). Entre 2001 e 2012, 37,9% de todo o crescimento da frota de motos esteve concentrada no Sudeste. Nessa região, o número de motos passou de 2 milhões para 7,8 milhões. Em segundo lugar, com 27,6% de todo o crescimento no período, aparece a Região Nordeste, onde a frota de motos passou de pouco mais de 836 mil para 5 milhões nem 11 anos. O crescimento foi de 508,75%. Na Região Sul o número de motos saltou de para 3,2 milhões no período (crescimento de 259,8%), o que representa 15,2% de todo o crescimento da frota nacional de motos. As regiões Centro-Oeste e Norte, apesar dos altos crescimentos percentuais (132,9% e 187,5%, respectivamente), contribuem menos para o crescimento da frota brasileira. No Centro-Oeste, de todo o incremento da frota de motos, 10,3% estavam na região, enquanto que a participação da Região Nordeste foi de 9%. Gráfico 26

28 Gráfico Taxa de motorização regional (por motocicletas) As regiões Norte e Nordeste apresentam, ao contrário de quando analisamos os dados dos automóveis, apresentam situações bastante semelhantes a outras regiões do país em se tratando da presença de motos. A Região Norte, inclusive apresenta taxa de motorização superior ao Sudeste em A Região Nordeste experimentou um aumento considerável na nessa taxa entre 2001 e 2012, passando de 1,8 para 7,7 motos para cada 100 habitantes. Mesmo assim continua apresentando a menor taxa em relação às outras regiões. Vale destacar que a região Centro-Oeste apresenta a maior taxa de motorização, com 14,2 motos para casa 100 habitantes da região. Sudeste e Sul apresentam, respectivamente, 9,7 e 10,3 motos/100hab. Gráfico 28

29 2.2 Evolução da frota de motos segundo o porte populacional dos municípios Nas 15 principais regiões metropolitanas brasileiras a frota de automóveis passa de 1,2 milhões para pouco mais de 5,1 milhões de automóveis entre 2001 e O crescimento foi da ordem de 315%. No restante do país, ou seja, nos municípios que não fazem parte das principais regiões metropolitanas, o crescimento foi ainda mais elevado: 348,8%, no mesmo período. Ao agruparmos esses municípios percebemos diferenças importantes, apesar de todos os grupos apresentam crescimento bem acima de 200%. A principal dessas diferenças é o fato dos municípios situados nas três faixas mais inferiores de porte apresentar maior crescimento percentual. Como no caso dos automóveis, os municípios com população entre 5 mil e 20 mil habitantes apresentaram o maior percentual de crescimento entre 2001 e Nesse período houve um incremento de aproximadamente 2,1 milhões de motos, correspondendo a 417,9%. Esse número é quase quatro vezes o crescimento dos automóveis nesse agrupamento de municípios. Nos municípios com população com até 5 mil pessoas, o crescimento entre foi de 372,2%. Nesses municípios houve um incremento de motos no período analisado. Nos municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes o crescimento foi de 397,3%, o que corresponde a um incremento de 2,6 milhões de motos. No grupo dos municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes, o incremento foi de 3,2 milhões, o que significação um crescimento de 302%. Gráfico 29

30 2.2.1 Taxa de motorização dos municípios (por motocicletas) Taxa de motorização 2001 a

31 Taxa de motorização 2007 a

32 quantidade de motos 2.3 Evolução da frota de motos nas metrópoles brasileiras Se por um lado a frota metropolitana de automóveis representa quase metade de toda a frota brasileira, não se pode fazer a mesma afirmação para a frota de motos. Das motos contabilizadas até dezembro de 2012, apenas 26% estão nas 15 metrópoles, ou aproximadamente 5,1 milhões desses veículos. Por outro lado - e é o que merece destaque neste relatório - houve um crescimento na frota de motocicletas em todas as metrópoles brasileiras muito superior ao crescimento de qualquer outro tipo de veículo. No conjunto 15 principais regiões metropolitanas o crescimento foi de 315%, o que corresponde a um acréscimo absoluto de 3,9 milhões entre 2001 e Na maioria delas o crescimento foi superior ao crescimento nacional. Em média, foram adicionadas a frota metropolitana motocicletas a cada ano. Em São Paulo, o acréscimo foi superior a 1,1 milhão, o que corresponde a um aumento relativo de %. No caso da metrópole paulistana, incremento médio é de aproximadamente 102 mil veículos por ano. Gráfico 30 Frota de motos - Região Metropolitana de São Paulo (2001 a 2012) Anos No Rio de Janeiro, no período analisado, a frota de motocicletas multiplicou-se por quatro, passando de pouco mais de 98 mil para 472,5 mil. O crescimento relativo é, inclusive, maior que as médias nacional e metropolitana. O aumento absoluto de aproximadamente 374 mil motocicletas correspondeu a um acrescimento relativo de 381,2%.

33 Gráfico 31 Na Área Metropolitana de Brasília, o aumento foi de 414,2%, com isso, o número de motocicletas passou de pouco mais de 40 mil para mais de 210 mil no período considerado na análise. Gráfico 32 A frota de motocicletas em Belo Horizonte passou de em 2001 para mais de 393 mil em Com um percentual também superior a média nacional, o crescimento foi de 339,9%.

34 Gráfico 33 Em comparação com as outras metrópoles, Porto Alegre registra o menor crescimento relativo da frota de motocicletas. É preciso registrar, porém, que esse crescimento é ainda muito elevado e a frota triplicou nestes dez anos, passando de aproximadamente 101 mil motocicletas para mais de 325 mil entre 2001 e Gráfico 34 Em Salvador o crescimento na frota de motocicletas entre 2001 e 2012 foi da ordem de 536%. Este crescimento - que está entre os mais elevados nas metrópoles - significa, em termos absolutos, um acréscimo de mil motocicletas. Com isso, a região metropolitana de Salvador que em 2001 tinha uma frota de pouco mais de 24 mil motos, passa a ter uma frota de 157 mil.

35 Gráfico 35 O crescimento da frota de motocicletas em Curitiba, ao contrário da maioria das metrópoles, ocorreu abaixo da média do crescimento das metrópoles. No entanto, como no caso de Porto Alegre, esse crescimento não, é sob nenhum ponto de vista, desprezível. Pelo contrário. Entre 2001 e 2012 a frota na metrópole paranaense passou de pouco mais de 72 mil veículos para 282 mil, correspondendo a um crescimento de 291%. Gráfico 36 Quando se trata do crescimento da frota de motocicletas nas metrópoles, um caso bastante emblemático é o de Belém. Nesta metrópole, o número de motocicletas aumentou em quase dez vezes, passando de em 2001 para em O crescimento relativo da frota de motocicletas na metrópole paraense foi, portanto, de 838%.

36 Gráfico 37 Goiânia também apresenta crescimento abaixo das médias metropolitana e nacional. Porém, o número de motocicletas triplicou. Neste caso, vale destacar, que em 2001, a metrópole nucleada pela capital do estado de Goiás já contava com uma frota de motocicletas, superior a frota de metrópoles bem mais populosas, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre. Gráfico 38 Manaus também apresenta crescimento expressivo e viu sua frota de motocicletas aumentou de pouco mais de 26 mil, em 2001, para 143 mil, em Ou seja, esse aumento de mais de 100 mil veículos representou, em termos relativos, um crescimento de 441,7%.

37 Gráfico 39 Florianópolis é outra região metropolitana onde o aumento da frota de motos, apesar de elevado, foi inferior à média das demais RMs. Entre 2001 e 2012 o ocorreu um aumento de 278%, passando de 31 mil para 119 mil motos. Gráfico 40 Em Campinas, o crescimento da frota de motos foi de 250% entre 2001 e Neste caso, registra-se o menor crescimento entre todas as RMs. Essa variação, por sua vez, corresponde a um incremento de moto à frota. Com isso, atingiu a marca de 345 mil motos em 2012, quintuplicando sua frota no período 2001 e 2012.

38 Gráfico 41 Gráfico 42

39 4. Base de dados Os dados contidos no estudo Evolução da frota de automóveis e motos no Brasil: Relatório 2013 foram coletados junto ao Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), que disponibiliza na internet informações sobre a frota licenciada. No website do departamento é possível acessar as informações das frotas municipais para cada mês do ano. Para que pudéssemos ter um panorama do crescimento de automóveis e motos nas metrópoles brasileiras, utilizamos sempre a frota no final de cada ano, portanto, do mês de dezembro. Os dados foram agrupados em grupos de municípios de maneira que pudéssemos apreender ao mesmo tempo a complexidade da rede urbana brasileira e separar aqueles que fazem parte das 15 principais regiões metropolitanas. Portanto, quando apresentamos os dados de Goiânia, por exemplo, estamos falando dos 20 municípios que compõem este espaço metropolitano. Quando fazemos referência aos municípios com menos de cinco mil habitantes, estaremos tratando do agrupamento de municípios com população até esse limite, mas que não fazem parte de nenhum das principais regiões metropolitanas. Essas 15 principais regiões metropolitanas são aquelas, que a nosso ver, mais representam o fenômeno metropolitano no Brasil. Em outras palavras, são espaços que concentram população e exercem função de direção, comando e coordenação dos fluxos econômicos. Neste caso, nos baseamos, primeiramente, na definição dos espaços metropolitanos do estudo Regiões de Influência das Cidades Neste estudo são identificadas 12 metrópoles no Brasil: Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Nos estudos realizados pelo Observatório das Metrópoles adotamos também outros três espaços urbanos identificados com características metropolitanas em um estudo realizado anteriormente 4. Isso significa que, além dos 12 espaços urbanos considerados Metrópoles pelo estudo do IBGE (IBGE, 2008), incluímos no conjunto das principais regiões metropolitanas: Campinas, Florianópolis e Grande Vitória 5. O automóvel é definido pelo Código Brasileiro de Trânsito (CTB) como um automotor destinado ao transporte de passageiros, com capacidade para até oito pessoas, exclusive o condutor. Incluímos na categoria automóvel as camionetes e camionetas, pressupondo que são veículos particulares que compõem o tráfego urbano. Na categoria motocicletas (ou, simplesmente motos) foram consideradas também as motonetas. 4 OBSERVATÓRIO das Metrópoles. Análise das Regiões Metropolitanas no Brasil. Relatório de Atividade 1: identificação dos espaços metropolitanos e construção de tipologias. Rio de Janeiro, Observatório das Metrópoles, Esse conjunto representativo do fenômeno metropolitano também foi adotado em recente estudo do Observatório das Metrópoles, o IBEU Índice de Bem-Estar urbano (OBSERVATÓRIO, 2013).

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

Conteúdo. 18. Trator De Rodas... 13 19. Trator Esteiras... 13 20. Trator Misto... 13

Conteúdo. 18. Trator De Rodas... 13 19. Trator Esteiras... 13 20. Trator Misto... 13 Conteúdo 1. Automóvel... 3 1.1 Automóvel com chassi... 3 1.2 Automóvel com monobloco... 4 2. Caminhão... 4 3. Caminhão Trator... 5 4. Caminhonete... 5 4.1. Caminhonete com chassi... 5 4.2. Caminhonete

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

RELATÓRIO DA FROTA DE VEÍCULOS ATÉ 2013

RELATÓRIO DA FROTA DE VEÍCULOS ATÉ 2013 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO SETOR DE ESTATÍSTICA RELATÓRIO DA FROTA DE VEÍCULOS ATÉ 2013 NATAL/RN Lista de tabelas e gráficos Tabela 1 - Distribuição da frota

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos

Leia mais

Classificação de Veículos Conforme Tipo/Marca/Espécie Tipo Marca Espécie Carrocerias Possíveis. 143-Transp 179-Transp 180-123-Transp Militar

Classificação de Veículos Conforme Tipo/Marca/Espécie Tipo Marca Espécie Carrocerias Possíveis. 143-Transp 179-Transp 180-123-Transp Militar PORTARIA N º 1101, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2011. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe foi conferida pelo artigo 19, inciso XXVI do Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2756/2014

PROJETO DE LEI Nº 2756/2014 PROJETO DE LEI Nº 2756/2014 EMENTA: DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE DISPOSITIVO DE ALARME PARA CAMINHÃO COM CAÇAMBA BASCULANTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor(es): Deputado

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004 (com as alterações das Resoluções nº 223/07; nº 272/08 e nº 333/09)

RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004 (com as alterações das Resoluções nº 223/07; nº 272/08 e nº 333/09) RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004 (com as alterações das Resoluções nº 223/07; nº 272/08 e nº 333/09) Fixa especificações para os extintores de incêndio, equipamento de uso obrigatório nos veículos

Leia mais

RESOLUÇÃO 261 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007

RESOLUÇÃO 261 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007 RESOLUÇÃO 261 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a concessão de código de marca/modelo/versão para veículos e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. Mensagem de veto Vide texto compilado Institui o Código de Trânsito Brasileiro. O PRESIDENTE

Leia mais

Infraestrutura. Classes de Consumidores

Infraestrutura. Classes de Consumidores Infraestrutura 3.1 Energia 3.1.1 Consumidores de energia elétrica por classes de consumidores Classes de Consumidores 2000 78.717 3.309 8.690 583 402 89 91.790 2001 80.207 3.468 8.824 588 423 83 93.593

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 Institui o Código de Trânsito Brasileiro. CAPÍTULO IX DOS VEÍCULOS Seção II Da Segurança dos Veículos Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre

Leia mais

Resolução 363/2010 (processo administrativo autuação)

Resolução 363/2010 (processo administrativo autuação) Resolução 363/2010 (processo administrativo autuação) SEM ALTERAÇÕES (VIDE COMENTÁRIOS EM www.bizuario.blogspot.com E www.bizuario.com ). Resolução 364/2010 (dispositivo antifurto) Capítulo 1.12 696-31

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 215, quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 215, quarta-feira, 11 de novembro de 2009 Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 215, quarta-feira, 11 de novembro de 2009 CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN RESOLUÇÃO No- 333, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2009 Restabelece a vigência da Resolução n.º

Leia mais

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos,

Leia mais

ANEXO I. 181-Basc/ Mec Operac

ANEXO I. 181-Basc/ Mec Operac ANEXO I Tabela 1-2-Ciclomotor 0 1-Passageiro 999-Nenhuma 3-Motoneta 0 1-Passageiro 999-Nenhuma 2 - C a rg a 999-Nenhuma 4-Motocicleta 0 1-Passageiro 999-Nenhuma 119 - S i d e C a r 2 - C a rg a 999-Nenhuma

Leia mais

PORTARIA N º 96, DE 28 DE JULHO DE 2015.

PORTARIA N º 96, DE 28 DE JULHO DE 2015. PORTARIA N º 96, DE 28 DE JULHO DE 2015. Estabelece a Tabela I Classificação de Veículos conforme Tipo/Marca/Espécie e a Tabela II Transformações de Veículos sujeitos a homologação compulsória da Resolução

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana.

A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana. 1 A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana. Mauricio Renato Pina Moreira 1 ; Anísio Brasileiro de Freitas Dourado 2 1 Grande Recife Consórcio de Transporte, Cais de

Leia mais

Camioneta Misto Placa. Microônibus Passageiro Placa Ônibus Passageiro Placa Utilitário Misto Placa Automóvel Passageiro Placa

Camioneta Misto Placa. Microônibus Passageiro Placa Ônibus Passageiro Placa Utilitário Misto Placa Automóvel Passageiro Placa 1 Escopos propostos Res. 291/292 Delib 75 Tipo espécie Chassi Condição p/chassi Acessibilidade para transporte de portadores de necessidades especiais ou retorno à configuração original Microônibus Passageiro

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08)

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências.

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

Estudo comparativo entre bases de

Estudo comparativo entre bases de Diretoria de Engenharia e Qualidade Ambiental Departamento de Apoio Operacional Divisão de Emissões Veiculares Setor de Avaliação de Emissões Veiculares Estudo comparativo entre bases de Estudo comparativo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha)

PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha) *C0051829A* C0051829A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha) Acrescenta dispositivo ao art. 105 da Lei nº 9.503, de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO CTB e Resoluções. Prof. Carlos Maximo

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO CTB e Resoluções. Prof. Carlos Maximo LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO CTB e Resoluções Prof. Carlos Maximo APRESENTAÇÃO DO CURSO Conteúdo Metodologia INTRODUÇÃO À LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO ORDENAMENTO JURÍDICO: Constituição Federal Código de Trânsito

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton)

PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton) Altera a redação do inciso VI do art. 244 da Lei nº 9.503, de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Classificação: Documento Reservado Restrição de Acesso: Empresas do Sistema BNDES - Uso no Âmbito Interno Unidade Gestora: AS/DEURB AS/DEURB -

Leia mais

6. Duas rodas: a regulamentação

6. Duas rodas: a regulamentação 6. Duas rodas: a regulamentação Aula: Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Foto Alex Pimentel 1 Que perigo vemos nesta cena 2! Essa é uma cena bem comum na nossa cidade e não

Leia mais

Art. 4º A responsabilidade pela inscrição e conteúdo dos pesos e capacidades, conforme estabelecido no Anexo desta Resolução será:

Art. 4º A responsabilidade pela inscrição e conteúdo dos pesos e capacidades, conforme estabelecido no Anexo desta Resolução será: RESOLUÇÃO Nº 290, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 Disciplina a inscrição de pesos e capacidades em veículos de tração, de carga e de transporte coletivo de passageiros, de acordo com os artigos 117, 230- XXI,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 157, DE 22 DE ABRIL DE 2004 Fixa especificações para os extintores de incêndio, equipamento de uso obrigatório nos veículos automotores, elétricos, reboque e semireboque, de acordo com o Artigo

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ UNIDADE CENTRAL DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE TRÂNSITO NO ESTADO DO PARÁ E MUNICÍPIO

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO Felipe Espíndola Carmona Brasília 13 de setembro de 2012. RS-2012 Ditado Africanos diz: O homem branco tem relógio mas não tem tempo! Vivemos em um período em

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANO CLII Nº 101 Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Resolução nº 26, de 27 de maio de

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SÉRIE A DE SIMULADOS PRIMEIRO DOS 3 SIMULADOS PREVISTOS NA SÉRIE A ASSUNTOS: DO REGISTRO DE VEÍCULOS DO LICENCIAMENTO DA HABILITAÇÃO RESOLUÇÕES 04,110, 168 e 205 01 Com relação ao

Leia mais

Impostos sobre Veículos

Impostos sobre Veículos Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 291, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 (com as alterações da Resolução nº 369/10 e Portaria Denatran nº 279/10)

RESOLUÇÃO Nº 291, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 (com as alterações da Resolução nº 369/10 e Portaria Denatran nº 279/10) RESOLUÇÃO Nº 291, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 (com as alterações da Resolução nº 369/10 e Portaria Denatran nº 279/10) Dispõe sobre a concessão de código de marca/modelo/versão para veículos e dá outras providências.

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 292, DE 29 DE AGOSTO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 292, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 292, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 Dispõe sobre modificações de veículos previstas nos arts 98 e 106 da Lei nº 9503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu o Código de Trânsito Brasileiro e dá

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS 1 Campo: CÓDIGO ATUAL: Preenchido com as LETRAS: I, A ou E. Identifica a finalidade do formulário. Exemplo: I = Para Inclusão

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 201/06 LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO

RESOLUÇÃO Nº 201/06 LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 201/06 Dispõe sobre modificações de veículos previstas nos arts. 98 e 106 do Código de Trânsito Brasileiro e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014

Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014 Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014 Assessoria Técnica - 2015 1 ACIDENTES COM ENVOLVIMENTO DE PELO MENOS UM CAMINHÃO Índice Fonte e Metodologia...

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

I Respeitar as classificações de veículos previstas na Tabela constante no Anexo I desta Resolução;

I Respeitar as classificações de veículos previstas na Tabela constante no Anexo I desta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 291, DE 29 DE AGOSTO DE 2008 Dispõe sobre a concessão de código de marca/modelo/versão para veículos e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN, usando da competência

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.709, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2014.

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.709, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2014. LEI COMPLEMENTAR Nº 2.709, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a atualização das tarifas e taxas administrativas de transporte previstas no Anexo I da Lei nº 2.411, de 17 de dezembro de 2009, e dá

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005.

RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005. RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005. Altera a Resolução nº 168/04, de 14 de dezembro de 2004, publicada no Diário Oficial da União nº 245, Secção I, Página 73, de 22 de dezembro de 2004. O CONSELHO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Jouber da Costa e Silva¹ Universidade Federal do Amazonas-Ufam Joubercs@gmail.com ¹ Mestrando em Geografia

Leia mais

Portaria n.º 105, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 105, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 105, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Manual da Carta de Condução

Manual da Carta de Condução Manual da Carta de Condução Ficha Técnica 2014.10.06 Ficha Técnica MANUAL DA CARTA DE CONDUÇÃO Para conduzir um veículo a motor na via pública é necessário estar legalmente habilitado. O documento que

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas Ministério das Cidades Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas UMA VISÃO GERAL DO QUADRO METROPOLITANO BRASILEIRO Definição Formal 26 26 Regiões Metropolitanas definidas em em

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009.

PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009. PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009. Estabelece o procedimento para a concessão do código de marca/modelo/versão de veículos do Registro Nacional de Veículos Automotores RENAVAM. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo Desde 22/11/06, os órgãos e entidades executivos de trânsito e rodoviários eram obrigados a informar a existência de

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014) 2.º, n.º 2 3.º, n.º 2, f) 3.º, n.º 2, i) 3.º, n.º 2, m) 3.º, n.º 3, d) 3.º, n.º 4, a) 3.º, n.º 4, e) A emissão de um título de condução pelo IMT passa a determinar a revogação automática do anterior. Por

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 Priscila Aparecida Olivette Licencianda do Curso de Geografia pela Unicentro e Bolsista Fundação Araucária (PR) pri_xd93@hotmail.com

Leia mais

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Capítulo 87 Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende os veículos concebidos para circular unicamente sobre

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2014 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Abril 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

Quadro I: Porte hierárquico dos municípios brasileiros

Quadro I: Porte hierárquico dos municípios brasileiros Estrutura de Gestão Pública de Trânsito e Transporte de Carga Urbana em Municípios Brasileiros a partir do médio porte Rosimar A. Gonçalves Unicamp Universidade Estadual de Campinas / FEC- Faculdade de

Leia mais

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 Nº 161 Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 24 de outubro de 2013 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Marcelo Côrtes Neri (interino) Fundação

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa pelo km 240. Determine: a) a velocidade escalar média desenvolvida

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

2.5 ASPECTOS DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS PÚBLICOS

2.5 ASPECTOS DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS PÚBLICOS 87 Tabela 22: POPULAÇÃO, DOMICÍLIOS E DÉFICIT HABITACIONAL DO 2000 População total Domicílios Particulares Permanentes Déficit Absoluto Déficit Relativo (%) 27.3616 76.225 5.183 6,80 2,67% do Estado 2,86%

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais