Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia"

Transcrição

1 Douglas Vidal Teixeira Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia MONOGRAFIA COMUNICAÇÕES MÓVEIS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de 2007

2 PUC-RIO Comunicações Móveis 2/2007 Prof. Markus Endler ÍNDICE 1 Introdução 5 2 Técnicas entre aplicação e camadas inferiores Compressão temporal de vídeo MPEG utilizando protocolo de transporte baseado em taxa, com prioridades e estimação pró-ativa do atraso dos pacotes Controle de admissão de fluxos divididos em sub-camadas e esquema para modulação dinâmica da interface rádio em redes sem fio colaborativas 14 3 Middlewares para adaptação do fluxo em função do canal Framework com suporte a QoS através de reconfiguração de fluxos multimídia baseado em relatórios RSTP Middleware para adaptação dinâmica através de relatórios SNMP 28 4 Conclusões 35 5 Referências 37

3 PUC-RIO Comunicações Móveis 2/2007 Prof. Markus Endler ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1: Mecanismo baseado em taxa controle de congestionamento do MMTP...11 Figura 2: Formato de um GOP do padrão MPEG...12 Figura 3: Arquitetura da aplicação de streaming sobre MMTP...13 Figura 4: Rede ad-hoc de teste com os possíveis enlaces entre os nós e os respectivos valores de RSI em db...18 Figura 5: Estrutura do Middleware e do proxy para adaptação dinâmica...22 Figura 6: Código exemplo do APSL...23 Figura 7: Funcionamento do middleware de QoS diante de mudanças dinâmicas na apresentação...24 Figura 8: Cenário para avaliação do Middleware de QoS...25 Figura 9: Validação do middleware multiplexação dos fluxos em uma vídeo conferência de acordo com as restrições de exibição do usuário Figura 10: Taxa de perda de pacotes diante de modificação dinâmica do codificador...27 Figura 11: Taxa de quadros por segundo na aplicação cliente...28 Figura 12: Estrutura do middleware que utiliza o SNMP para a adaptação dinâmica dos fluxos...29 Figura 13: Formato da tabela no servidor de controle com as informações dos usuários...30 Figura 14: Procedimento de comunicação entre as entidades do middleware...32 Figura 15: Comprovação do funcionamento do middleware através de implementação e recepção de um fluxo em um PocketPC...33

4 PUC-RIO Comunicações Móveis 2/2007 Prof. Markus Endler ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1: Avaliação da aplicação em comparação com streaming sobre RAW UDP...13 Tabela 2: Fluxos da simulação definidos por nó de origem e destino, subcamadas hierarquizadas, qualidades e taxa de bits...18 Tabela 3: Número de fluxos admitidos...19 Tabela 4: Valores médios de RSI (db) para dois tipos de fluxos e os dois esquemas de funcionamento de modulação da interface sem fio...19 Tabela 5: Relação da taxa da interface com a qualidade da apresentação e suas configurações para áudio e vídeo...31 Tabela 6: Relação do percentual de nível de sinal percebido com taxa da interface...33

5 1 Introdução Transmissão de fluxos multimídia trata-se de um serviço amplamente difundido atualmente na Internet. Diversos provedores já disponibilizam de ferramentas e mecanismos que possibilitam aos usuários o acesso a este tipo de conteúdo. As ferramentas mais conhecidas são o Windows Media Player (WINDOWS MEDIA PLAYER, 2007) e o Real Player (REALNETWORKS, 2007). Entretanto, as novas tecnologias de acesso das chamadas 3ª e 4ª geração irão permitir também o acesso à rede de dados em altas taxas para os dispositivos móveis celulares. Outra vertente para a difusão do acesso com altas taxas para usuários móveis é a popularização das redes locais sem fio (WLAN s), que utilizam o padrão IEEE Devido ao baixo custo da tecnologia e à facilidade de implementação, as WLAN s estão se tornando cada vez mais numerosas, proporcionando a cobertura de áreas cada vez maiores devido a novas técnicas de acesso (que ampliam a cobertura do sinal) e de modelos de configuração (como o padrão r que possibilita roaming entre múltiplos pontos de acesso ou as redes mesh que possibilitam a incorporação de múltiplos roteadores sem fio a uma mesma WLAN). Percebe-se, portanto, que o acesso com altas taxas está cada vez mais próximo do usuário móvel. Porém, até o presente momento, não foi padronizado nenhum paradigma que incorpore esta nova configuração de acesso da melhor maneira possível. A estrutura atual de acesso, principalmente para conteúdos disponíveis na Internet, está consolidada sobre paradigmas e protocolos desenvolvidos para redes onde os usuários são elementos estáticos. Um exemplo desta afirmação é o protocolo de transporte mais utilizado pelas aplicações, o TCP, cujas deficiências para redes móveis vêm sido discutidas com bastante ênfase nos últimos anos (ELAARG, 2002). Com o objetivo de mitigar tais limitações ou simplesmente de aprimorar a qualidade do acesso para as aplicações mantendo a estrutura atual, principalmente

6 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 6 em virtude da ampla utilização da Internet, diversos mecanismos e técnicas vêm sendo propostos, principalmente em camadas elevadas (acima da camada de Transporte 1 ), como por exemplo, o RTSP (Real Time Streaming Protocolo; RTP, 2003) que é uma estrutura na camada de sessão para a troca de relatórios sobre a qualidade da transmissão, utilizando o RTP como protocolo de transporte. O presente trabalho tem o objetivo de explorar algumas destas técnicas, enfocando em aplicações destinadas à apresentação de fluxos multimídia. A transmissão em tempo real de fluxos multimídia (streaming) é uma aplicação baseada nos requisitos exigidos para transmissões em tempo real, como em telefonia e broadcast de canais de TV. Ou seja, suportam mais perdas e menos atraso na entrega dos quadros do que uma aplicação http (Hypertext Transport Protocol), por exemplo. Neste sentido, o importante para a uma aplicação de streaming é a continuidade da apresentação com o menor jitter possível. Portanto, sacrificar alguns quadros para a manutenção do jitter em torno de zero e/ou a diminuir a qualidade da apresentação para a diminuição do tamanho dos pacotes, são opções possíveis que uma aplicação de fluxos multimídia permite. Ou seja, ao mesmo tempo em que tais aplicações exigem rigorosos requisitos de qualidade de transmissão, diversos outros mecanismos podem ser utilizados. Em redes móveis onde as condições do canal são muito mais dinâmicas em comparação com redes cabeadas, estes mecanismos passam a desempenhar um papel de importância ainda maior para a continuidade da apresentação. As técnicas disponíveis atualmente na Internet para streaming são: Stored Audio and Video Streaming. Trata-se da técnica mais difundida pela popularização de provedores de conteúdo. É baseada na existência de um cliente que faz a demanda pelo fluxo a um servidor que a contém armazenada. O fluxo é enviado na rede com restrições de tráfego de tempo real definidos pela taxa de apresentação da mídia. À medida que os pacotes são entregues no cliente, são imediatamente decodificados e apresentados, diminuindo os atrasos necessários para a bufferização do arquivo inteiro. Neste mecanismo a mídia entregue pode ser armazenada ou não (os 1 Por camadas entenda-se o modelo de camadas OSI.

7 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 7 quadros que chegam são decodificados, apresentados e, em seguida, descartados), dependendo da arquitetura da aplicação. Tais aplicações podem controlar a taxa da apresentação e as restrições de atraso 2 e perda de pacotes são as menos restritivas em comparação com as demais técnicas descritas abaixo. Live Audio and Video. Representa a uma nova categoria de aplicações multimídia que estão sendo incorporadas às redes de pacotes, onde um conteúdo é gerado em tempo real por um servidor e transmitido (por exemplo, em regime de broadcast) para os usuários. Geralmente, nestas aplicações o conteúdo transmitido não é proposto para ser armazenado nos receptores, em vista das próprias limitações de espaço físico dos mesmos. Este tipo de técnica engloba IPTV, por exemplo. As restrições de atraso já são mais restritivas em vista da geração ininterrupta do conteúdo. Taxa de perda de pacotes do canal não é um fator tão restritivo, pois o fluxo majoritário é apenas unidirecional (fonte para receptores), permitindo que a vazão seja totalmente aproveitada para a adição de overhead proveniente de mecanismos de correções de erros. Além disto, pode-se utilizar bufferização de pequena escala (em torno de centenas de milésimos de segundos) para a manutenção do jitter sem grandes perdas na qualidade da apresentação. Real Time Interactive Audio and Video Streaming. Similar à técnica anterior, com a adição da interatividade. Neste tipo de streaming, tanto o atraso quanto a perda de pacotes são extremamente restritivos. Não existe mais um cliente e um servidor: todos os participantes são fonte e destino, simultaneamente, gerando uma alta taxa de tráfego em tempo real. Gastos em overhead geralmente não são toleráveis em vista do alto consumo de banda requerido. Além disso, o canal ainda é assimétrico pois um indivíduo pode se comunicar com vários ao mesmo tempo, transmitindo em 2 O termo manutenção do atraso, quando empregado para tráfego em tempo real (tráfego gerado em taxas fixas), implica diretamente na manutenção do jitter em torno de zero.

8 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 8 regime de broadcast e recebendo os múltiplos streams individuais em regime unicast. Tal situação pode aumentar ainda mais a complexidade dos mecanismos empregados nas camadas de transporte e aplicação para a manutenção do atraso e da qualidade da apresentação, respectivamente. Este trabalho tem o propósito de analisar algumas soluções que mais se destacaram dentro de uma ampla pesquisa no tocante de técnicas e middlewares atualmente propostos ou desenvolvidos, para a adaptação on the fly da qualidade dos fluxos multimídia em função da qualidade do canal de transmissão de dados. Em vista disto, as soluções consideradas são apenas às que incorporam ao contexto do par transmissor-receptor as questões de Qualidade de Serviço em redes de pacotes, isto é: banda necessária, taxa de perda de pacotes, taxa de erro de bits do canal, atraso fim a fim, atraso nos enlaces das rotas, desconexões devido à handoffs e baixa relação sinal-interferência percebida no canal de comunicação sem fio. Middlewares cujo escopo do contexto do usuário móvel foge às condições de transmissão, como limitações de displays, memória, processamento, etc, não estão dentro do escopo do presente trabalho. Exemplos de Middlewares que adaptam o fluxo multimídia dentro destes parâmetros de contexto são o GRACE (YUAN et al, 2003), iconnect plug-in (WIJNANTS, 2006) e o trabalho descrito por MOHAPATRA (2003) cuja preocupação é o consumo de energia. O restante do trabalho está dividido da seguinte maneira: no capítulo 2 será abordado uma técnica e um modelo analítico que adaptam o fluxo aplicando compressão temporal e divisão em sub-camadas, respectivamente, através de mecanismos nas camadas de transporte, de rede e de enlace (MAC); capítulo 3 apresenta dois middlewares que reduzem a qualidade do vídeo através da modificação de diferentes parâmetros, como mudança de codificadores e extração de fluxos multiplexados, baseado em medições de rede, provenientes de mecanismos existentes nas aplicações, como relatórios do RTSP e do SNMP (Simple Network Management Protocolo); capítulo 4 finaliza com comparações e conclusões.

9 2 Técnicas entre aplicação e camadas inferiores Neste capítulo serão abordadas técnicas que utilizam informações da qualidade do fluxo multimídia provenientes da aplicação em conjunto com parâmetros particulares de camadas inferiores, como por exemplo, o atraso médio do canal (camada de rede) ou a modulação vigente na interface de rede (camada de enlace). 2.1.Compressão temporal de vídeo MPEG utilizando protocolo de transporte baseado em taxa, com prioridades e estimação pró-ativa do atraso dos pacotes TEIXEIRA e MAGALHÃES (2005) propõem um framework que atua na camada de aplicação e na camada de transporte. Trata-se de uma aplicação que utiliza um protocolo de transporte desenvolvido para a entrega de fluxos multimídia, com a capacidade de utilizar múltiplas interfaces (se presentes) para o envio balanceado do fluxo. O protocolo em questão é o MMTP (MAGALHÃES e KRAVETS, 2001), Multimedia Multiplexing Transport Protocol, ainda não padronizado e com implementação sobre UDP (ainda não existe módulo de sistema operacional). A pertinência deste protocolo é sobre a falta de suporte especializado, dentre os atuais protocolos de transporte presentes, para fluxos multimídia. Os autores defendem que UDP pode causar congestionamentos nos gargalos por não prover nenhum tipo de controle nem verificação do atraso do canal. Ainda, os proponentes do MMTP afirmam que o RTP provê apenas um cabeçalho à estrutura do UDP, deixando todo o controle de fluxo e de congestionamento a cargo da aplicação, que necessita do suporte dos relatórios enviados pelo RTCP/RTSP. O MMTP é baseado em taxa (rate based). A transmissão realizada em intervalos regulares, definidos de acordo com a aplicação. Ele utiliza o envio periódico de pacotes de sondagem para a estimação do atraso médio do canal, através da técnica de packet pair probing (um pacote pequeno é enviado seguido

10 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 10 do envio de outro, de tamanho bem maior, permitindo que o atraso seja estimado na recepção através da comparação dos timestamps do atraso entre os pacotes de sondagem). O receptor e o transmissor também trocam, periodicamente, as informações para a estimativa de ambos os sentidos do canal. A sondagem permite a estimação do momento em que um determinado pacote efetivamente será entregue, já que o envio é regular, baseado na taxa imposta pela aplicação. Pacotes a serem enviados cuja estimativa de entrega excede o atraso permitido, são descartados na aplicação, evitando congestionamentos. Pacotes que eventualmente são perdidos no caminho devido ao congestionamento na rede, são percebidos na recepção de acordo com a avaliação histórica dos prazos estimados. Isto é, um pacote cuja estimativa não excede o prazo, quando não é entregue, faz com que o protocolo verifique na recepção se os anteriores estavam excedendo as estimativas. Se a estimativa estava sendo excedida, é assumido descarte no transmissor, caso contrário é assumido perda por congestionamento e esta informação é entregue para o transmissor que diminuirá a taxa de envio. Este mecanismo exige a ordenação e buffers para os pacotes. Esta característica também é utilizada para a multiplexação através de múltiplas interfaces, se presentes. Desta forma, se um transmissor dispõe de duas conexões distintas de rede, a transmissão é balanceada através das estimativas de cada canal e da taxa exigida pela aplicação (Figura 1).

11 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 11 Figura 1: Mecanismo baseado em taxa controle de congestionamento do MMTP Ainda, o MMTP pode dar prioridades diferentes para os pacotes transmitidos. Desta forma, pacotes de alta prioridade podem ser retransmitidos se ainda estiverem dentro do prazo de entrega, enquanto que pacotes com a prioridade mais baixa não sofrem nenhum tipo de retransmissão, mesmo se ainda estiverem com tempo e banda disponíveis, aliviando o tráfego global do percurso. Esta última característica pode ser empregada para o envio de quadros MPEG. O padrão divide quadros de imagem em 12 sub-quadros, formando um GOP (Group of Frames). Cada GOP divide os seus sub-quadros em 1 quadro do tipo I (Intra-frame), 2 do tipo F (Forward Predicted Frame) e 9 do tipo B (Bidirectionally predicted frame), através de relações temporais (vide Figura 2). Quadros do tipo I são os maiores e mais importantes. Eles contêm a imagem principal. Quadros do tipo F contêm alterações sofridas pelo quadro original I em função do tempo. São menores do que os quadros I. Os quadros do tipo B são os

12 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 12 menores e fazem a relação entre as mudanças ocorridas entre os quadros I e F. São os menores em relação a todos os outros. Figura 2: Formato de um GOP do padrão MPEG Seguindo esta relação, a aplicação particiona os quadros do fluxo e utiliza os cabeçalhos do padrão MPEG para a estimativa do atraso e do tipo de quadro. Desta forma, ao acionar o MMTP, a aplicação entrega os quadros para serem empacotados de acordo com a prioridade requerida por cada um. A prioridade empregada é mesma imposta pela relação temporal do GOP MPEG. Desta forma, o fluxo é apresentado de acordo com taxa exigida de exibição e com compressão temporal (descarte de quadros B, F e no pior dos casos I), de acordo com as condições do canal. A estrutura da aplicação está apresentada na Figura 3.

13 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 13 Figura 3: Arquitetura da aplicação de streaming sobre MMTP As bordas da aplicação (parse e mpeg_play) se comunicam com o MMTP via porta UDP, preferencialmente via pipe local. A aplicação foi avaliada através de comparação com UDP, com o envio de um vídeo com um total de 100 quadros (416 KB), sem áudio, em canais com diferentes capacidades de vazão e sem tráfego concorrente. Na recepção é contabilizado o número de quadros que chegam e são efetivamente decodificados. Os resultados podem ser vistos na Tabela 1. Tabela 1: Avaliação da aplicação em comparação com streaming sobre RAW UDP (bit por seg) Quando o canal é muito ruim (9,6 kbps), o MMTP entrega menos quadros do que UDP em vista do não cumprimento dos prazos, enquanto que o UDP fará o envio de qualquer forma. À medida que a capacidade do canal aumenta (19,2 até 115,200 kbps), o MMTP consegue melhor utilização do canal por descartar

14 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 14 quadros na origem, diferentemente do UDP que sofrerá mais perdas em função das colisões causadas pela própria aplicação. Quando existe banda suficiente para acomodar o fluxo, ambos os protocolos se comportam de maneira semelhante. Pode-se concluir que a aplicação consegue otimizar a apresentação multimídia mesmo quando as condições do canal estão aquém do esperado, penalizando a qualidade em níveis gradativos. Entretanto, cabe ressaltar que a estrutura só pode ser aplicada para mídias que permitem a divisão em sub-fluxos com prioridades diferenciadas. Entretanto, o MMTP tem que ser avaliado quanto ao overhead imposto pelas sondagens e pelos relatórios trocados. Além disto, a abordagem do MMTP de prever a banda disponível pode tornar o seu funcionamento abaixo do esperado quando estiver concorrendo com tráfego gerado por protocolos de transporte mais agressivos, como os próprios TCP e UDP Controle de admissão de fluxos divididos em sub-camadas e esquema para modulação dinâmica da interface rádio em redes sem fio colaborativas MASTRONAARDE et al (2007) propõe um algoritmo de controle de admissão baseado em prioridades dos fluxos multimídia e dos requerimentos de transmissão exigidos (taxa de bit e atraso). O objetivo do trabalho é propor um esquema cross-layer para redes onde a transmissão de dados é realizada através de múltiplos saltos (que permita relaying) e com múltiplas rotas possíveis entre os nós. Exemplos são redes mesh ou redes ad-hoc corporativas (onde existe uma exigência dos nós participantes permitirem o encaminhamento do tráfego para outros nós). Desta forma cada nó pode escolher se deve ou não agregar um determinado fluxo ao tráfego de dados corrente e por qual rota o fluxo deverá ser entregue. A técnica é baseada na idéia de particionar um determinado fluxo multimídia em vários sub-fluxos ou sub-camadas divididas em grupos de qualidade. A qualidade de cada camada depende da prioridade e da taxa requerida pelo fluxo. A prioridade de cada camada do fluxo depende de fatores específicos de codificação, compressão (se houver) e restrições de prazos de entregas (deadlines). A idéia original é obtida no trabalho de SHANKAR et al (2004) e exemplos do procedimento do procedimento de particionamento de um fluxo em

15 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 15 outros sub-fluxos com diferentes prioridades pode ser obtido em TURAGA e VAN DER SCHAAR (2005). A prioridade de cada fluxo fornece também o grau da distorção que ele pode sofrer no procedimento de particionamento. O algoritmo funciona da seguinte maneira: um nó recebe vários fluxos de vizinhos para o destino v a, cada fluxo f x é associado a uma condição de propagação entre v a e o nó; B x é a taxa requerida pelo fluxo; cada fluxo é transmitido em um enlace com uma vazão esperada taxa de interface T a x, dada em função da modulação a G a x θ x, dependente do valor da e da probabilidade de a perda de pacote ε, dada em função do tamanho do pacote L x x e do nó de destino. Desta forma infere-se G a x da seguinte forma: onde a e ( x) e θ é a taxa de erro de bit dada por onde S é a relação sinal interferência no enlace (RSI) e µ e δ são constantes específicas da interface rádio. Periodicamente em intervalos de tempo pré-definidos, cada nó realiza a a medição da vazão esperada e compara com a taxa exigida pelo fluxo B x. Se G < x B x o fluxo não será entregue, caso contrário o espera-se que o fluxo seja entregue à taxa B x. Cada fluxo é enviado de acordo com a sua prioridade de camada, garantindo desta forma eqüidade na distribuição dos fluxos. Todos os nós vizinhos que têm fluxos a receber e condição de banda, o recebe por camada de prioridade. A heurística também permite verificação de possíveis gargalos entre os nós, permitindo que o nó intermediário não envie determinado fluxo se estes não

16 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 16 puderem ser entregues em condições mínimas de qualidade e de prazo de entrega. Esta percepção de possíveis gargalos evita colisões e aumenta o atraso global da rede. A admissão do fluxo é decidida em cada nó através da métrica. Entretanto, os autores também propõem dois outros algoritmos de admissão: um baseado nas informações obtidas dos fluxos já admitidos sobre os gargalos da rede e retirandoos, portanto, da lista de possíveis caminhos; o outro é baseado na estimativa realizada na origem até o destino, definindo no início da transmissão as rotas para os sub-fluxos. Obviamente, existe uma sinalização extra (overhead) para que haja a correta sincronização entre os nós. Três grupos de informações de controle são trocados: o primeiro grupo de informações é associado às características do fluxo, como a taxa B x, as prioridades (definidas pela codificação, etc) λ x e as qualidades associadas às diferentes camadas (dependente dos dois fatores anteriores na relação); o segundo grupo de informações são as condições do canal como o RSI e as taxas de perda de pacotes e de erro de bit; o terceiro grupo de informações equivale às rotas associadas a cada fluxo. Os autores também propõem um esquema entre a aplicação e a camada MAC para a determinação do número ótimo do limite de retransmissões de datagramas, de acordo com os prazos de entrega de cada pacote (a priori o número de retransmissões definido para o padrão IEEE é 7; ANSI/IEEE, 2003): Onde Deadline jx é o prazo para a decodificação do pacote j x, t overhead é o atraso resultante aos procedimentos de ack s e de escalonamento de transmissão (pooling); t cur é o tempo atual e o é a operação floor. A partir deste limite, os autores conseguem inferir o número médio de retransmissões utilizando a probabilidade de erro de pacote:

17 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 17 Em seguida, utilizando o tamanho do pacote e a taxa da interface, é inferido o tempo médio gasto para a entrega de um pacote: dado por: Então, para os primeiros η x pacotes do fluxo o tempo médio de entrega é η x vai depender do tempo de pooling que cada nó possui para realizar a transmissão ou do tempo médio obtido. O valor de tempo que maximizar a relação, onde T (RX) SI r a x é a parcela de tempo que o nó de destino v a disponibiliza para receber pacotes do fluxo x. Para a validação, os autores realizaram simulações com nós utilizando interfaces sem fio a com taxa máxima de 54Mbps, 8 níveis de modulações, permitindo desta forma 8 diferentes valores para taxas de interfaces dinamicamente. A rede de teste é dada pela Figura 4, os tipos dos fluxos inseridos na rede, com suas prioridades λ, taxas de bits, possíveis sub-camadas e os nós de origem e destino estão relatados na Tabela 2.

18 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 18 Figura 4: Rede ad-hoc de teste com os possíveis enlaces entre os nós e os respectivos valores de RSI em db Tabela 2: Fluxos da simulação definidos por nó de origem e destino, subcamadas hierarquizadas, qualidades e taxa de bits Os números de fluxos admitidos estão na Tabela 3.

19 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 19 Tabela 3: Número de fluxos admitidos Número de sub-fluxos admitidos ψ 1 ψ 2 ψ 3 ψ Para ilustrar o esquema de otimização na escolha das taxas das interfaces, uma outra simulação na mesma rede de testes foi realizada. O esquema dinâmico proposto foi comparado contra a opção de utilizar o número de retransmissões e o valor da modulação da interface, fixas (no caso, o número de retransmissões e a modulação foram escolhidos a partir das médias obtidas nas simulações com esquema dinâmico). Dois fluxos foram testados durante o tempo de envio de 300 quadros (quadros de vídeo), repetidos 3 vezes. O resultado está na Tabela 4. Tabela 4: Valores médios de RSI (db) para dois tipos de fluxos e os dois esquemas de funcionamento de modulação da interface sem fio v 4 v 11 v 2 v 9 Modulação dinâmica 27,31 34,57 N de retransmissões e taxa de interface fixas 24,96 29,09 Os resultados presentes na Tabela 2 conformam a eficácia do algoritmo em manter a eqüidade na recepção dos fluxos entre os usuários. Os dois primeiros pares transmissor-receptores disputavam a mesma região, ambos exigindo fluxos com alta taxa de bits e, portanto, ambos foram penalizados perdendo as duas últimas sub-camadas menos importantes. Os dois outros pares transmissorreceptores também disputavam a mesma região, porém o último fluxo requerido era menos exigente em termos de taxa de bits, permitindo que os recursos na rede suportassem ambas as mídias com todas as suas sub-camadas. A Tabela 3 demonstrou que o mecanismo de modulação da interface de rede permitiu um ganho de até 5dB na RSI. Esse ganho pode ser considerado alto, porém exige uma operação em conjunto e sincronizada entre um nó e seus

20 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 20 vizinhos. Ele é conseguido pelo ajuste entre fonte e receptor, diminuindo ou aumentando a potência sincronamente. Isto permite que a RSI entre o conjunto dos nós. Os resultados não são comparativos, pois não foi utilizado nenhum outro algoritmo concorrente nas simulações. Os testes para o módulo de adaptação poderiam ser comparados com os que são aplicados nas interfaces de fabricantes conhecidos. Entretanto, os resultados corroboram a idéia principal do algoritmo que é fazer uma distribuição justa do conteúdo, em função das condições de QoS presentes na rede. Adicionalmente, o algoritmo permite que seja proposto um esquema para a modulação da taxa da interface que proporciona um ganho significativo na qualidade da transmissão. Uma idéia similar para a utilização dos múltiplos caminhos pode ser visto no proxy-framework proposto em MUSHTAQ e AHMED (2006), validado através de simulações e com uma abordagem matemática menos exigente, dependente de RTSP para a avaliação da rede.

21 3 Middlewares para adaptação do fluxo em função do canal Neste capítulo serão abordados dois middlewares que provêem o envio de fluxos multimídia com adaptação dinâmica em função de condições de rede e do equipamento do cliente. O primeiro utiliza o RTSP para obter parâmetros de perda da rede e realizar adaptações previstas pela aplicação. O segundo utiliza uma versão alterada do SNMP para as estimativas e também realiza modificações previstas. Ambos são baseados em ferramentas proprietárias Framework com suporte a QoS através de reconfiguração de fluxos multimídia baseado em relatórios RSTP LAYAIDA et al (2004) construíram um framework com o principal objetivo de facilitar o desenvolvimento de aplicações. O framework provê uma linguagem de alto nível que é compilada para lidar com módulos de baixo nível destinados a codificação e recodificação das mídias, e com a obtenção das estimativas de rede (taxa de perda de pacotes e RTT). Entretanto, os valores para a determinação dos níveis de QoS ainda devem ser impostos pelo desenvolvedor da aplicação. Basicamente, o módulo de adaptação é montado sobre um middleware baseado em uma estrutura de servidores e proxys. Ele provê uma API que recebe e decodifica código XML para operar nas camadas inferiores do middleware. De acordo com as condições impostas pela aplicação, módulos são inseridos, removidos, conectados e desconectados. A validação do módulo é corroborada com uma aplicação web que provê vídeo conferência, implementado em um proxy. A estrutura da middleware e do proxy podem ser vistos na Figura 5. Existem três níveis básicos que dividem as funcionalidades do middleware: nível de especificação, nível de controle e nível de execução. O nível de especificação define construtores para a aplicação através de uma linguagem XML denominada APSL (AdaPtive media Streaming Language). A linguagem provê um conjunto de funções simplificadas para a verificação da qualidade da rede e das ações que

22 Técnicas e Middlewares para adaptação dinâmica de fluxos multimídia Página 22 serão aplicadas nos fluxos. O nível de controle faz a tradução do APSL para o nível de execução. O nível de execução incorpora os componentes de processamento de mídia, incluindo os protocolos de transporte (TCP/UDP/RTP), os protocolos de aplicação (HTTP, RTSP) e componentes de processamento de mídia (codificadores, eliminador de quadros, configuradores de resolução e mixers de áudio e vídeo). O middleware foi escrito em C++ na plataforma de desenvolvimento Microsoft.NET e utilizando a biblioteca DirectX SDK (Software Development Kit) versão 9. Figura 5: Estrutura do Middleware e do proxy para adaptação dinâmica A Figura 6 exemplifica o APSL através de um trecho de código.

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF)

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Novas Propostas para Protocolos de Streaming Cesar Henrique Pereira Ribeiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 Niterói RJ Brazil cesarhpribeiro@yahoo.com.br

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

VS-100. H.264 PoE Servidor Vídeo. H.264 Compressão. Comparação Taxa Compressão

VS-100. H.264 PoE Servidor Vídeo. H.264 Compressão. Comparação Taxa Compressão VS-100 H.264 PoE Servidor Vídeo AirLive VS-100 é um canal servidor de vídeo para facilmente actualizar a sua antiga camera CCTV numa camera IP com capacidade-rede e assim converter o seu sistema local

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que intervém prover o acesso lógico e físico para os dispositivos que compõem a malha da rede de acesso em um nível de enlaces

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR Questões sobre conectividade Internet O que você realmente sabe sobre sua conectividade com o resto da

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

IPTV. Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+

IPTV. Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+ Manual de Operação IPTV Anexo ao Manual de Operação do TSW800TP+ Versão: 2 Revisão: 4 Setembro/2010 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações. Nenhuma

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores na camada de rede na camada de transporte Redes de Computadores Aula 4: 24 de março de 2010 na camada de rede na camada de transporte 1 Princípios Causas e custos do congestionamento 2 Princípios gerais

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

ARTHRON 1.0: Uma Ferramenta para transmissão e gerenciamento remoto de fluxos de mídia

ARTHRON 1.0: Uma Ferramenta para transmissão e gerenciamento remoto de fluxos de mídia ARTHRON 1.0: Uma Ferramenta para transmissão e gerenciamento remoto de fluxos de mídia Erick Augusto G. de Melo 1, Alexander de A. Pinto 1, Julio César F. da Silva 1, Rennan Nunes Toscano 1, Andre Castelo

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Protocolos regras que os processos que estão se comunicando tem de seguir Protocolos

Leia mais

Padrões de Middleware para TV Digital

Padrões de Middleware para TV Digital Padrões de Middleware para TV Digital Alexsandro Paes, Renato Antoniazzi UFF Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Telecomunicações

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2 SISTEMAS MULTIMÍDIA Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia Prof. Claudinei Dias Ementa Cap. 4 4. Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia A arquitetura Internet; Protocolo IP e a multimídia;

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais