Instalação e Manutenção de Equipamentos Informáticos em Contexto Educativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalação e Manutenção de Equipamentos Informáticos em Contexto Educativo"

Transcrição

1 Introdução A manutenção dos equipamentos informáticos existentes nas nossas escolas, é na sua maioria, uma tarefa que cabe aos professores, normalmente por falta da existência de um contrato de assistência com uma empresa da especialidade. É sabido que a maioria dos professores que utilizam sistemas informáticos em contexto educativo, nomeadamente em Centros de Recursos, Salas de Aula, Laboratórios, não têm formação específica nesta área. Assim, com esta acção de formação, pretende-se conferir aos professores um conjunto mínimo de competências que lhes dê alguma autonomia na resolução dos problemas mais comuns. Os conteúdos da acção foram divididos em quatro componentes: 1. Instalação de sistema operativo e software de base. 2. Instalação e configuração de hardware. 3. Instalação, configuração e manutenção de redes Ethernet, e acesso à Internet. 4. Resolução de problemas mais comuns, relacionados com computadores / redes. Instalação de sistema operativo 1 e software de base. A utilização intensiva dos equipamentos por variados utilizadores, a instalação /desinstalação de software menos bem conseguido (p. ex. versões beta 2 dos programas), traz a médio prazo problemas de funcionamento mais ou menos graves, como é o caso de bloqueios constantes do sistema operativo. Nesta situação, a melhor solução é formatar 3 o disco rígido do computador, e instalar de novo o sistema operativo bem como todo o software necessário à sua utilização corrente. 1 Windows 98 / Me (Milenium) 2 Versão experimental 3 Apagar toda a informação Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 1

2 Antes de formatar o disco rígido de um computador, deve munir-se dos drivers 4 de todos os componentes de hardware do mesmo, nomeadamente placa gráfica, placa de som, placa de rede, gravador de CD-ROM, scanner, etc. A maioria dos computadores está configurado para, na fase de arranque, ler primeiro a Drive A (disquete), depois a Drive C (disco rígido) e finalmente a Drive D (CD-ROM). Caso isso não aconteça deve aceder à BIOS 5 da máquina, e configurá-la para que o arranque seja feito por essa ordem. Deve ainda munir-se de uma disquete de arranque. Se não tiver nenhuma, deve criá-la, se possível num computador com o Windows 98 ou Me. Criar uma disquete de arranque em Windows 98: Com o computador ligado e a funcionar, introduzir a disquete na dirve; Aceder ao Painel de Controlo [Iniciar Definições Painel de Controlo] e abrir Adicionar/Remover Programas ; No separador Disquete de arranque clicar em Criar disquete. Seguir as instruções, e no final tem a sua disquete de arranque preparada para qualquer computador (excepto Windows 2000 e XP). 4 Programa que controla o dispositivo de hardware 5 Basic Input/Output System. Trata-se de um programa com instruções detalhadas que activam dispositivos periféricos no momento do boot do computador. Actualmente, o termo refere-se geralmente à ROM BIOS de um PC, que muitas vezes contém até parte do sistema operacional Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 2

3 Obter uma lista de dispositivos instalados no computador: Como foi dito atrás, é necessário ter os drivers da maioria dos componentes instalados no computador. O aconselhável é que essa lista seja feita antes do computador começar a dar problemas. Para obter a lista de hardware, clicar com o botão direito do rato no ícone O meu computador situado no ambiente de trabalho, seleccionar opção Propriedades e em seguida o separador Gestor de dispositivos. Formatar o disco rígido do computador Para formatar o disco rígido, deve inserir a disquete de arranque, e ligar o computador. De acordo com o referido atrás, o computador deve iniciar o arranque a partir da disquete. Durante a fase de arranque surge um menu onde é necessário escolher uma de três opções; deve escolher a opção Iniciar o computador com suporte CD-ROM A partir daqui deve seguir as seguintes opções (digitando os comandos a negrito, em maiúsculas ou minúsculas): Formatar a unidade C: FORMAT C: <ENTER> Tem a certeza que... Responder [S] Nome do volume... Não escrever nada e fazer <ENTER> Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 3

4 E pronto! O disco rígido está formatado. Ou seja, não contém qualquer informação (dados), pelo que deve passar à fase de instalação do sistema operativo. Instalar sistema operativo Iniciar o computador com arranque a partir de disquete Verificar qual a letra atribuída à drive de CD-ROM, (por exemplo F:) Mudar de drive de trabalho, da disquete para o CD-ROM, digitando o comando de acordo com a letra atribuída ao CD-ROM F: <ENTER> Aceder à pasta que contém os ficheiros de instalação do Windows 98, digitando o comando CD WIN98 <ENTER> Para iniciar a instalação do Windows, digitar o comando CONFIG <ENTER> Nos ecrãs que se seguem, responder sempre afirmativamente. Para tal basta ir premindo a tecla <ENTER> em cada uma das janelas que sugirem. Depois de instalado o sistema operativo, pode ser necessário instalar os drivers (programas) que controlam alguns dispositivos de Hardware, por exemplo: placa de som, placa gráfica, placa de rede, e outros. Para tal deve munir-se das disquetes ou CD-ROM que contêm os respectivos drivers e instalá-los. A instalação é na maioria dos casos quase automática, bastando para isso introduzir os respectivos CD-ROM que acompanham o computador. Instalação de aplicativos (Office 2000) Para instalar os programas básicos do Office 2000 ou outros aplicativos, deve inserir o respectivo CD-ROM na unidade de leitura. O programa de instalação do programa deve arrancar automaticamente, dando início ao processo com a ajuda de um assistente de instalação. Os programas a instalar, são acompanhados dos respectivos manuais com instruções de instalação, pelo que o processo é relativamente facilitado. Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 4

5 Instalação de Software anti-vírus. O equipamento informático disponível nas escolas, é como por todos sabido, usado por todo o tipo de utilizadores, nem sempre atentos à segurança dos mesmos, pelo que é imprescindível a instalação de um programa de protecção anti-vírus. Dos programas disponíveis no mercado, escolhemos o Norton AntiVirus, que tem um processo de actualização simplificado (para além do reduzido preço da licença para educação). Depois de instalado, deve ser periodicamente actualizado, pelo menos uma vez por mês. Para tal, deve fazer o download 6 do ficheiro de actualização a partir do site da SYMANTEC: Após o download do ficheiro de actualização, deve fazer duplo clique no mesmo, e responder afirmativamente em todas as caixas de diálogo. 6 Processo de copiar um arquivo de um computador remoto para outro através da rede Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 5

6 Instalação de placas de expansão 7 Antes de iniciar qualquer tarefa no interior do computador, deve descarregar toda a electricidade estática acumulada. Se não tem um dispositivo que o ligue à terra (figura ao lado), deve tocar com os dedos na caixa metálica do computador. As placas de expansão que ligam-se à placa-mãe, através de conectores (slot) diversos. ISA, as mais antigas, usadas pelos PCs com processador i386 ou i486; PCI, usadas na maioria dos computadores actuais, para ligar placas de som, de rede, SCSI; e AGP, para placas gráficas. Instale uma placa de expansão Seja uma placa gráfica ou uma placa de expansão, os passos da instalação são os mesmos 1. Localize a slot de expansão apropriada. Para a maioria das placas gráficas isto será ou uma slot PCI branca ou uma AGP castanha. Remova a placa traseira de onde as portas da placa gráfica vão entrar. 2. Precisará de encaixar fisicamente a placa gráfica. Encaixe-a na placa traseira, alinhe as ligações e empurre a placa gráfica suavemente mas com firmeza. 3. Após aparafusá-la, deverá reiniciar o seu PC. O Windows detectará o novo hardware e pedirá os drivers apropriados. Recorra ao manual para os passos correctos da instalação do software. 7 Outro site de interesse: Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 6

7 O Barramento ISA 8 ISA (Industry Standard Architecture) foi a designação dada ao barramento introduzido com o "PC original", em Inicialmente definido como um barramento de 8 bits (dados) e um espaço de endereçamento de 1M, foi mais tarde expandido para 16 bits e um espaço de endereçamento de 16M, nos sistemas PC/AT, em Os processadores utilizados eram pouco exigentes e esse facto condicionou o desenho do barramento, sobre o qual assenta toda a arquitectura daqueles sistemas. Fisicamente é fácil distinguir as duas versões do ISA. A versão 8 bits utiliza um único conector de 62 contactos, enquanto que a versão de 16 bits utiliza um segundo conector, mais pequeno, de 36 contactos. Ao longo dos anos muitos periféricos foram desenvolvidos para as duas versões deste barramento e em especial para a versão de 16 bits, para a qual a maioria dos fabricantes de periféricos actualizaram periféricos mais antigos. De qualquer forma, não constitui qualquer problema instalar uma "carta" para o ISA 8-bit no conector maior do ISA 16-bit. Estes factos justificam a inclusão de alguns conectores ISA 16-bit nos sistemas actuais. O Barramento (local) PCI Poder-se-à dizer que a solução VESA assentou numa boa ideia, mas seguiu um processo de engenharia limitado. Em paralelo com o desenvolvimento do VL-Bus, a Intel liderou a criação de um grupo de trabalho, conhecido por PCI Special Interest Group, com o mesmo objectivo de ultrapassar as limitações dos barramentos ISA e EISA.. A especificação do barramento PCI (Peripheral Component Interconnect) foi apresentada em Junho de 1992 (versão 1.0) e actualizada rapidamente, para a versão 2.0, em Abril de O PCI introduz um novo barramento junto do processador, mas independente dele, utilizando o conceito de "ponte" (Bridge) para efectuar o interface entre os diversos barramentos que se podem identificar na arquitectura típica de um tal sistema. Inicialmente especificado como um barramento de 32 bits ou 64 bits e para funcionar a 33MHz, é clara a preocupação de não colocar obstáculos à 8 Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 7

8 sua actualização para mais elevadas capacidades, quer em termos de largura, quer em termos de velocidade. Tal como seria de esperar, a especificação implementa com elevada eficácia o conceito de configuração automática (PnP) 9. A porta AGP (Accelerated Graphics Port) Tal como sucedeu no barramento ISA e à medida que o "tráfego" no PCI foi aumentando (em grande parte devido às necessidades de processamento gráfico), começaram a surgir alguns "engarrafamentos" no barramento. Sendo o processamento gráfico o maior responsável e, simultaneamente, o mais prejudicado, a Intel liderou a tarefa de definir um canal de acesso dedicado para interligar o processador e o subsistema gráfico. Esse canal, ou porta, foi designado por AGP e aparece pela primeira vez, no final de 1997, na arquitectura de sistemas que utilizam o chipset 440LX para a sexta geração de processadores da Intel, o Pentium II - arquitectura típica. O interface AGP suporta transferências de 32 bits, mas ao dobro da velocidade do PCI e não concorrendo directamente com a respectiva largura de banda (esta é a grande vantagem). À semelhança do PCI, a especificação do AGP prevê a sua própria actualização para acompanhar, a tão longo prazo quanto o possível, a evolução tecnológica do "maestro", isto é, do processador. Remoção / instalação de disco rígido, drive de disquetes e CD-ROM A remoção de drives de disco rígido, disquetes, CD-ROM ou outras, é um processo relativamente simples. Para tal deve munir-se de uma chave de fendas, normalmente do tipo Philips, retirar os parafusos de fixação localizados lateralmente, na respectiva drive, remover os cabos de alimentação e de dados, localizados no topo oposto à entrada da drive. dados alimentação 9 Plug 'n Play - protocolo para periféricos que permite a sua instalação de uma forma automática (obviamente que só funciona com periféricos "aderentes" ao protocolo). Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 8

9 Discos rígidos Nos micro computadores actuais, os discos rígidos assumem um papel extremamente importante no desempenho, pelo que deverá ser nesta perspectiva que devem ser analisados. Se o tamanho do disco é um parâmetro obviamente importante, não o será menos o tipo de interface que utiliza, a razão de transferência da dados que suporta e as características da cache 10 que dispõe. Em relação ao tipo de interface, actualmente a decisão deverá ser tomada entre os discos IDE (Integrated Device Electronics) e SCSI (Small Computer System Interface), ou qualquer variante destes interfaces. Instalação de drives Para proceder à instalação de uma drive de disco rígido, CD-ROM, CD-RW ou ZIP, necessita apenas de realizar, sem tido inverso ao da sua remoção, ou seja: 1. Proceder à sua fixação à caixa do computador através dos parafusos; 2. Ligar o cabo de alimentação de electricidade 3. Ligar o cabo de dados (cabo de 40 vias), tendo em atenção que o fio vermelho corresponde sempre ao pino 1 do conector. 4. No caso de estar a montar o disco rígido principal, deve configurá-lo como Master. Para tal basta colocar o jumper nessa posição. Se está a instalar um segundo disco rígido ou outra drive, usando o cabo de dados (duplo) já está ligado ao disco rígido principal, de colocar o jumper na posição Slave. No caso da instalação de uma drive de disquetes, o processo é mais simples: 1. Aparafusar a drive à caixa do computador; 2. Ligar o cabo de alimentação de electricidade (mais estreito) 3. Ligar o cabo de dados (mais estreito) 10 Memória interna Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 9

10 Instalação de módulos de memória RAM RAM, SIMMs, DIMMs e RIMMs 11 RAM RAM é o acrónimo de Random Access Memory - memória de acesso aleatório - e refere-se a um tipo de memória volátil de leitura e escrita, em oposição à ROM (Read Only Memory), que é um tipo de memória não volátil e apenas de leitura. Em computadores, a memória do tipo ROM é utilizada para conter programas e dados fixos (por vezes referidos como firmware), como é o caso do BIOS, enquanto que a memória do tipo RAM é utilizada para conter programas e dados do utilizador e do Sistema Operativo. Atendendo às características dos Sistemas Operativos (Windows 95, 98, XP,..) e das aplicações actuais, não é difícil concluir que a memória RAM nunca é demais! A memória ROM existe em várias variantes, consoante a tecnologia utilizada para programar e, eventualmente, reprogramar. No contexto da sua utilização em computadores, as principais variantes são: EPROM (Erasable Programmable ROM) - programada através de um programador adequado. Pode ser reutilizada, desde que seja previamente "apagada" por exposição a uma radiação de luz ultra violeta (tipicamente durante 15 minutos, num equipamento específico); é facilmente identificada pela existência de uma pequena "janela" no topo do circuito integrado, que expõe o circuito electrónico propriamente dito, a fim de poder ser "apagado"; em funcionamento normal esta janela deverá estar protegida (por uma etiqueta) para evitar o "apagamento" acidental provocado por radiação parasita. EEPROM (Electrically Erasable Programmable ROM) ou FLASH ROM)- aplica-se a descrição anterior, com excepção do processo para apagar, que neste caso é exclusivamente electrónico. Normalmente o programador executa as duas funções (programar e apagar); fisicamente distingue-se da anterior pela ausência da "janela". Dadas as suas características pode ser (re)programada no próprio circuito onde vai ser utilizada (no caso presente, na motherboard); para efectuar a operação de (re)programação é utilizado, normalmente, um software dedicado, fornecido pelo fabricante da motherboard. 11 Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 10

11 No que respeita à memória RAM existem duas tecnologias básicas: memória estática (SRAM) e memória dinâmica (DRAM). De uma forma simples, a memória SRAM é muito rápida, mas é cara e ocupa um espaço substancial. Por oposição, o preço e o espaço são os argumentos favoráveis da memória DRAM, enquanto que o elevado tempo de acesso é a sua principal desvantagem. De qualquer forma, a necessidade de utilizar num micro computador uma grande quantidade de memória central, num espaço reduzido e com um custo moderado, levou a que a memória SRAM seja preterida pela memória DRAM, nesta aplicação. Por sua vez, este facto levou à procura de soluções tecnológicas que permitissem aumentar a velocidade de operação da DRAM, aparecendo não só variantes interessantes (com relevo para as memórias FPM, EDO, SDRAM e a mais recente RDRAM), como também algumas formas de "empacotamento" alternativas, e que serão discutidas de seguida. SRAM e a memória cache A memória SRAM é utilizada, em menores quantidades, como memória cache ("escondida"), ligada directamente ao processador. A maioria dos acessos à memória central serão automaticamente satisfeitos, de uma forma "escondida", por esta memória, substancialmente mais rápida. Os acessos não satisfeitos obrigarão a transferir da memória central (DRAM) para a memória cache um bloco de dados, que se espera necessário no futuro muito próximo! SIMMs, DIMMs e RIMMs A memória é uma estrutura lógica bastante regular e, por conseguinte, bastante fácil de "empacotar" num circuito integrado - tipicamente é nas memórias que as inovações tecnológicas, ao nível da micro electrónica, se fazem sentir primeiro. No caso particular da memória DRAM, o tamanho dos circuitos integrados e o reduzido número de pinos exigidos, permitiu construir numa pequena placa um módulo de memória de dimensões apreciáveis. A esses módulos foi atribuída a designação de SIMM (Single In-line Mempry Module), sendo desenhados para encaixar perpendicularmente à motherboard e assim poupar mais algum espaço ou mesmo tempo que se diminui o tempo de resposta. Os primeiros SIMMs tinham 30 contactos (ou pinos), barramento de dados de 8 bits e integravam 256K, 512K, 1M, ou ainda 4M bytes de memória DRAM. Posteriormente apareceram os SIMMs de 72 contactos, com um barramento de dados de 32 bits e que integram desde Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 11

12 1M até 128M bytes de DRAM. Finalmente foram introduzidos os DIMMs (Dual Inline Memory Modules) de 168 contactos, com um barramento de dados de 64 bits e que integram desde 8M até 256Mbytes de DRAM. Os RIMMs são muito semelhantes aos DIMMs, mas não são compatíveis. A sua necessidade está ligada a questões de índole técnica, exclusivas da diferença de velocidade do tipo de memória utilizada em cada um destes módulos. A maioria dos DIMMs utilizam uma variante da DRAM designada por SDRAM (Synchronous DRAM), com um tempo de acesso bastante mais baixo e já com capacidade para serem integradas nos sistemas mais rápidos, com barramentos a 100MHz. Por sua vez, os RIMMs utilizam uma alternativa tecnológica com interesse crescente, conhecida como RDRAM (Rambus DRAM - um standard aberto), cujo desempenho pode atingir até 10 vezes o desempenho da memória SDRAM. No entanto, deve-se ter em atenção que algumas motherboards relativamente recentes poderão não estar preparadas para incluir estes tipos de memórias. Os SIMMs de 72 contactos podem ainda dispor de dois tipos de DRAM: FPM (Fast Page Mode), comum aos SIMMs de 30 contactos, e EDO (Extended Data Output). A memória EDO é hoje mais frequente. Fisicamente não é fácil distinguir os dois tipos, o que pode ser uma fonte de problemas na aquisição, já que algumas motherboards mais antigas não suportam as memórias EDO - consulte o manual da sua motherboard! Actualmente (1999) a memória SDRAM é a norma, assim como o será a memória RDRAM, num futuro próximo. Procure adquirir a memória mais rápida -habitualmente, a memória FPM tem tempos de atraso de 60, 70, 80, ou mesmo 100ns (SIMMs mais antigos!), enquanto que a memória EDO pode aparecer com tempos de atraso a variar entre 45, 50 e 60ns. Por sua vez, a memória SDRAM aparece com tempos de atraso de 15, 12, 10 e mesmo 8ns. A RDRAM utiliza várias técnicas avançadas, que permitem a operação a 400MHz (em vez dos 100MHz da SDRAM), transferindo dois bytes em cada um dos bordos do sinal de clock - ou seja, uma operação equivalente a 800MHz. Isto dá uma capacidade de transferência de 1,6G bytes por segundo. De notar que, a esta velocidade, a necessidade da memória cache poderá ser questionada, pelo Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 12

13 menos em alguns tipos de sistema, o que reduzirá substancialmente a complexidade do hardware. Apenas como indicador, alguns utilizadores salientam que para trabalhar com o Windows 95 são necessários, no mínimo, 24M bytes de RAM, para o Windows NT workstation o mínimo é 32M bytes e para o Windows NT Server o ideal são os 64M bytes. O Windows 2000, na sua versão de servidor avançado, requer um mínimo de 256M bytes! Apenas como indicador, alguns utilizadores salientam que para trabalhar com o Windows 95 são necessários, no mínimo, 24M bytes de RAM, para o Windows NT workstation o mínimo é 32M bytes e para o Windows NT Server o ideal são os 64M bytes. O Windows 2000, na sua versão de servidor avançado, requer um mínimo de 256M bytes! Para instalar um módulo de SIM, deve proceder como na figura ao lado; apontar o módulo ao encaixe inclinando-o, rodá-lo até o posicionar na vertical até ouvir um estalido. Isso quer dizer que o módulo ficou preso ao suporte (as molas laterais fixaram-se). Para instalar um módulo de DIMM, deve encaixá-lo na vertical até que as patilhas laterais (brancas) se fixem ao módulo. Para retirar um módulo, basta rodar as mesmas patilhas, em simultâneo, na direcção exterior ao módulo Instalação de periféricos Existe uma gama variada de dispositivos de hardware que podem ser ligados a um computador: impressora, scanner, camara fotográfica digital, webcam, unidade externa de leitura ou gravação de CD-ROM, disco Zip, modem, dispositivo de armazenamento de memória Flash 12, entre outros. 12 Dispositivo de memória regravável com capacidade de armazenamento até 256 Mb, que se liga ao computador através da porta USB. Não necessita instalação nem electricidade. Acede-se aos ficheiros que transporta em O meu computador como se de uma drive se tratasse. Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 13

14 A ligação a estes dispositivos com o computador pode ser feita através de portas existentes na maior parte dos casos,no painel traseiro deste. As portas fornecidas nos actuais computadores são: Porta série para ligar periféricos como: modem, rato, câmara fotográfica digital. Porta paralela para ligar periféricos como: impressora, scanner, drive Zip. Porta USB para ligar quase todo o tipo de dispositivos. A comunicação é bastante mais rápida. Os computadores actuais trazem duas portas no painel traseiro. Com o recurso a Hubs USB 13, é possível ligar ao mesmo computador até 127 dispositivos, desde ratos a monitores, até scanners, impressoras ou câmaras fotográficas digitais. Porta FIREWIRE - IEEE1394 para ligar dispositivos de digitalização de imagens tais como câmaras fotográfica ou de vídeo digitas. Pouco comum nos actuais computadores desktop, começa a ser incluída nos portáteis de topo de gama. A instalação de um periférico é relativamente simples, uma vez que a maioria dos manuais que o acompanham são bastante claros relativamente aos passos a seguir. Assim, deve em primeiro lugar verificar se o periférico que vai instalar é compatível com o computador, ou seja, se existe no PC uma porta que receba o cabo de ligação. Se o periférico que vai instalar for do tipo Plug 'n Play, basta ligá-lo ao computador e à tomada de electricidade, que o Windows irá detectá-lo automaticamente, e pedir-lhe os drivers que acompanham o equipamento, 13 Hub USB: dispositivo que permite interligar vários dispositivos USB a uma posta USB de um computador Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 14

15 normalmente em suporte CD-ROM. Uma vez instalados os drivres, o equipamento está pronto a funcionar. Se for instalar um periférico num computador com um sistema operativo mais antigo (Win95), deve, depois de ligar o dispositivo ao PC e à electricidade, aceder ao Painel de controlo do Windows e abrir Adicionar novo hardware. Quando lhe surgir a janela do assistente, deve escolher a opção: Não, seleccionar o hardware a partir de uma lista Na janela seguinte deve escolher da lista o tipo de hardware que vai instalar Escolher a marca e modelo do equipamento a instalar, e clicar no botão Disco. Finalmente deve introduzir a disquete ou CD-ROM, no computador e indicar a localização do driver Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 15

16 Se o driver do equipamento tiver um ficheiro de instalação, normalmente com o nome setup, basta executá-lo, fazendo duplo clique no mesmo (usando o Explorador do Windows), e seguir as indicações do assistente. Em casos especiais, tais como modems internos ou scanners com placa SCSI, é necessário instalar os respectivos drivers antes da sua ligação física ao com putador. Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 16

17 Instalação e configuração de redes Ethernet Com a finalidade de optimizar e partilhar os recursos informáticos instalados nas escolas, nomeadamente entre outros, de impressoras, scanners, acesso á Internet, etc. recorre-se à instalação de redes de transmissão de dados informáticos, que dada a simplicidade da sua instalação e ao custo relativamente baixo, não faz nos nossos dias, qualquer sentido a sua não implementação. A FCCN (Fundação para a Computação Científica Nacional) e a uarte (Unidade de Apoio à Rede Telemática Educativa), fornece para além do acesso gratuito de Internet às escola portuguesas, um conjunto de documentos de ajuda na instalação e configuração de redes locais, em: LAN 14 Uma rede local ou LAN (Local Area Network) é constituída por um diverso conjunto de equipamentos. Na sua forma mais simples consiste simplesmente num único computador ligado ao router de acesso. As LANs podem no entanto ligar diversos computadores e até interligar várias redes. Mais abaixo é indicado quais as configurações adequadas às instituições ligadas à RCTS que pretendam estruturar e ligar as suas LANs à RCTS, em particular instituições com: um computador, uma sala de computadores ou diversas salas de computadores. Ethernet: 15 Desenvolvida pela Xerox, Intel e DEC nos meados da década de setenta. Utiliza a técnica CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access/ Colision Detection) para controlo do acesso ao meio. As transmissões de cada máquina são feitas por difusão para o meio físico. As placas que ligam as máquinas ao meio estão sempre a receber informação que circula pelo canal comum Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 17

18 Quando está em curso uma transmissão as outras máquina da rede ficam em estado de contenção, sem poderem transmitir. Apesar das mensagens transmitidas serem detectadas por todas as placas, apenas aqueles a quem essas mensagens se destinam se encarregarão de as receber e interpretar. O mecanismo CSMA/CD tem sofrido alterações de forma a que a rede possa funcionar eficientemente a débitos elevados. Velocidades da rede Ethernet: 10 Mbps, 100 Mbps, 1 Gbps, 10 Gbps (prevê-se a sua aprovação em meados de 2002) Tipologias Anel: O meio físico assume a forma de um anel, simples ou duplo, interligando cada um dos pontos de acesso. No caso de anel duplo, o segundo anel serve para garantir redundância na comunicação. Barramento (Bus): O meio físico forma um barramento linear, interligando cada um dos pontos de acesso aos sistemas de cablagem. No caso de bus duplo, o segundo bus é usado para permitir comunicação bidireccional simultânea. Estrela: 16 Os pontos de acesso à cablagem encontram-se ligados a um ponto central através do meio físico, que é disposto de forma radial em relação a esse ponto central. Malha: Todos os pontos de acesso estão directamente ligados entre si, através do meio físico. 16 Tipologia adoptada pelas escolas Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 18

19 Árvore: Composta por vários níveis hierárquicos, assumindo o meio físico uma estrutura arborescente com vários níveis, onde os pontos de acesso ocupam o lugar de folhas da árvore. Esta forma pode ser vista como resultante da interligação hierarquizada de várias tipologias em estrela. Materiais e equipamentos Para montar uma rede com a tipologia Estrela, é necessário que os computadores estejam equipados com placar de rede com tomada RJ45. RJ45: tipo de interface (entrada) utilizada para ligação a equipamento RDIS ou redes Ethernet. O dispositivo macho (existente nos cabos de ligação) consiste numa peça plástica de pequenas dimensões integrando 8 conectores metálicos e uma patilha de encaixe. O dispositivo fêmea (existente no equipamento RDIS, placas de rede ou routers) consiste numa entrada plástica com 8 conectores metálicos internos. Cabo UTP (classe 5): Unshielded Twisted Pair - cabos de rede compostos internamente por 8 fios que se encontram agregados dois a dois. Nos extremos deverão ter interfaces RJ- 45 para ligação a equipamento de rede. Um cabo UTP normal (straight) permite também a interligação de equipamento RDIS. Hub ou Switch Hub : equipamento de dispersão de pacotes numa rede local - por cada pacote de dados recebido numa porta, dispersa-o pelas restantes portas. Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 19

20 Switch : equipamento de comutação de pacotes numa rede local. Mais eficiente que um Hub mas não tão robusto como um router. 17 Cuidados a escolher um HUB 1. Número de portas? 2. É compatível com a rede local já instalada? 3. Qual a velocidade 10 Mbps, 100 Mbps ou ambas (10/100)? 4. Um bom parâmetro de escolha é um valor do custo por porta do HUB. Por exemplo, um HUB com 8 portas que custe escudos terá um custo por porta de 1000 escudos. 5. Possui interruptor ou porta especial de cross-over (simulação de cabo cruzado) Ferramentas Para proceder à montagem das fichas RJ45 nos cabos UTP é necessário um alicate cravador e um canivete ou alicate de corte pequeno (ou tesoura pequena). Montagem da cablagem. Há duas formas de instalar a cablagem de dados, de acordo com a verba disponível e o carácter provisório ou definitivo da instalação. Caso se opte por uma instalação definitiva, deve-se proceder à instalação prévia de calha técnica ao longo das paredes da sala, onde irão ser alojados todos os cabos e aplicadas as respectivas tomadas. A solução mais barata passa por estender os cabos do Hub até cada um dos computadores, arrumando-os o melhor possível para evitar a sua degradação. Montagem das fichas RJ45 nos cabos UTP Cortar a quantidade de cabo necessário a cada ligação computador/hub (ou Hub/tomada), tendo em conta que é preferível que sobre algum comprimento, para futuras alterações da colocação do computador na sala. O comprimento dos cabos entre equipamentos nunca deverá ser superior a 100 metros. 17 Router : Um dispositivo usado para transferir dados entre redes. Ele lê o endereço de cada pacote de dados e decide qual o melhor caminho que ele deverá tomar para chegar ao seu destino. Centro de Formação Almada Ocidental PROFORMAR 20

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias Formação Modular Certificada Arquitetura interna do computador Hardware e Software UFCD - 0769 Joaquim Frias Computador É um conjunto de dispositivos eletrónicos capaz de aceitar dados e instruções, executa

Leia mais

Conceitos básicos sobre TIC

Conceitos básicos sobre TIC Conceitos básicos sobre TIC Origem da palavra Informática Informação + Automática Informática Significado: Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

HARDWARE FUNDAMENTAL. Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento

HARDWARE FUNDAMENTAL. Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento HARDWARE FUNDAMENTAL Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento Um computador é um sistema capaz de processar informação de acordo com as instruções contidas em programas, independentemente

Leia mais

2012/2013. Profª Carla Cascais 1

2012/2013. Profª Carla Cascais 1 Tecnologias de Informação e Comunicação 7º e 8º Ano 2012/2013 Profª Carla Cascais 1 Conteúdo Programático Unidade 1 Informação/Internet Unidade 2 Produção e edição de documentos -Word Unidade 3 Produção

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática.

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Tecnologias da Informação e Comunicação MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Informática: Tratamento da informação por meios automáticos.

Leia mais

Sistemas Computacionais

Sistemas Computacionais 2 Introdução Barramentos são, basicamente, um conjunto de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o seu exterior, ou seja, com a memória, chips da placa-mãe, periféricos, etc. Há vários

Leia mais

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Introdução à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Estrutura básica de um sistema informático Componentes de um sistema informático O interior de um PC A placa principal ou motherboard O

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE

GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE SISTEMA MULTIFUNÇÕES DIGITAL Página INTRODUÇÃO ANTES DA INSTALAÇÃO INSTALAR O DRIVER DA IMPRESSORA LIGAÇÃO A UM COMPUTADOR 9 CONFIGURAR O CONTROLADOR DA IMPRESSORA 0 COMO

Leia mais

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em:

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: DRAM DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: FPM RAM (Fast Page Mode) EDO RAM (Extended Data Output RAM) BEDO RAM (Burst Extended Data Output

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES 1.1 Conteúdo

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Manual de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparativos 2. Opções de 3. 4. 5. 6. 1. Personalizar 2. Sem fios 3.

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Instalação e utilização de uma rede local

Instalação e utilização de uma rede local Instalação e utilização de uma rede local Aspectos genéricos sobre a instalação de redes locais Instalação dos componentes físicos (hardware) da rede A instalação de uma rede local (LAN) tem de começar,

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações importantes acerca da instalação do Mac OS X. Requisitos de sistema

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Capítulo 3 Hardware de redes

Capítulo 3 Hardware de redes Capítulo 3 Hardware de redes Placa de rede Hub e Switch Equipamentos montados em rack KVM Switch Print server Bridge Ligação em cascata Placa de rede 3 A placa de rede Este é o primeiro requisito para

Leia mais

Identificação das partes constituintes de um PC

Identificação das partes constituintes de um PC Identificação das partes constituintes de um PC Durante este exercício deverá identificar e localizar as partes constituintes de um Computador Pessoal (PC), nomeadamente: Placa Principal (Mother Board)

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Principais Componentes Barramentos Placa Mãe Processadores Armazenamento

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Introdução à Informática. Alexandre Meslin

Introdução à Informática. Alexandre Meslin Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Módulo 4 Objetivos Aula 1 Componentes principais em um computador pessoal Fluxo de informações em um computador idealizado Componentes do

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 3 Elementos necessários 4 Descrição geral da instalação 4 Passo 1: Verificar se existem actualizações 4 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

AR-NB2 KIT DE EXPANSÃO PARA REDE. MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE (da impressora de rede) MODELO

AR-NB2 KIT DE EXPANSÃO PARA REDE. MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE (da impressora de rede) MODELO MODELO AR-NB2 KIT DE EXPANSÃO PARA REDE MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE (da impressora de rede) INTRODUÇÃO ANTES DA INSTALAÇÃO LIGAR A UMA REDE AMBIENTE DE INSTALAÇÃO E PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO CONFIGURAR

Leia mais

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande velocidade

Leia mais

Instalação do Sistema Operativo Windows XP

Instalação do Sistema Operativo Windows XP Curso Profissional - Técnico de Informática de Gestão 10ºB Prof. Pedro Lopes Ficha de Trabalho nº1 S i s t e m a s d e I n f o r m a ç ã o Instalação do Sistema Operativo Windows XP A instalação de um

Leia mais

Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais

Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Parte II Prof. Sergio Ribeiro de um computador sistema constituído de vários componentes (vários tipos diferentes de memória) interligados e integrados,

Leia mais

Guia de configuração do software

Guia de configuração do software SISTEMA MULTIFUNÇÕES DIGITAL DE COR TOTAL Guia de configuração do software ANTES DE INSTALAR O SOFTWARE CONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE WINDOWS ICONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE MACINTOSH RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Obrigado

Leia mais

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes:

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1 Introdução 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1. Hardware (processador também designado por Central Processing Unit, memória,

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Contéudo 3 Introdução 4 Elementos necessários 5 Descrição geral da instalação 5 Passo 1: Verificar se existem actualizações 5 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE HARDWARE 1 TOMÉ & THEODORE INTRODUÇÃO O QUE É O COMPUTADOR? Um computador é um dispositivo electrónico controlado por um programa (chamado sistema operativo) ; 05/11/2010 Tech In É constituído por componentes

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Placa Mãe. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placa Mãe. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placa Mãe Prof. Alexandre Beletti Ferreira Hardware Todo equipamento, peças, que pode ser tocado. Exemplos: memória, processador, gabinete, mouse, teclado, monitor (também chamados de periféricos). Placa

Leia mais

Guia de configuração do software

Guia de configuração do software Guia de configuração do software ANTES DE INSTALAR O SOFTWARE CONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE WINDOWS CONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE MACINTOSH RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Obrigado por ter adquirido este produto. Este

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos:

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos: O processador 8080 da intel é tido como o precursor dos microprocessadores, uma vez que o primeiro computador pessoal foi baseado neste tipo de processador Mas o que significa família x86? O termo família

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Barramento - Significado

Barramento - Significado Barramento - Significado Barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a ligação entre dispositivos, como a CPU, as memórias e outros periféricos. ricos. Barramento - Significado O Barramento,

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Manual de Configuração do Software

Manual de Configuração do Software SISTEMA MULTIFUNÇÕES DIGITAL Manual de Configuração do Software ANTES DE INSTALAR O SOFTWARE CONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE WINDOWS CONFIGURAÇÃO NUM AMBIENTE MACINTOSH RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Obrigado por ter

Leia mais

Barramentos - BUS. Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa

Barramentos - BUS. Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa Professor Especialista: Airton Ribeiro de Sousa É o percurso principal dos dados entre dois ou mais componentes de um sistema de computação, neste caso são os caminhos arquitetados na PLACA MÃE até o ponto

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Placas de Rede Modems Hubs e switches Router Prof. Hugo Rosa PLACAS DE REDE As placas de rede são periféricos de entrada e saída e são utilizadas para interligar um computador a uma

Leia mais

Versão Portuguesa. Introdução. Atenção. Conteúdo da embalagem. Especificações SWEEX.COM. SC002 Sweex 5.1 PCI Sound Card

Versão Portuguesa. Introdução. Atenção. Conteúdo da embalagem. Especificações SWEEX.COM. SC002 Sweex 5.1 PCI Sound Card SC002 Sweex 5.1 PCI Sound Card Introdução Gostaríamos de agradecer o facto de ter adquirido esta Sweex 5.1 Sound Card. Esta placa de som proporciona o som surround para o seu computador. Para uma utilização

Leia mais

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Manual do Utilizador. Ahead Software AG

Manual do Utilizador. Ahead Software AG Manual do Utilizador Ahead Software AG Informações sobre copyright e marcas comerciais O manual do utilizador InCD e a totalidade do respectivo conteúdo estão protegidos por copyright e são propriedade

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Cartão PC para LAN sem fios

Cartão PC para LAN sem fios Cartão PC para LAN sem fios AWL-100 Manual do utilizador Versão 1.1 Junho de 2002 i Aviso I Declaração de copyright Este manual não pode ser reproduzido sob nenhuma forma, por quaisquer meios ou ser utilizado

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário A constituição de um sistema informático: hardware e software. A placa principal. O processador, o barramento e a base digital. Ficha

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VIII Serviços de Redes Duração: 20 tempos Conteúdos (1) 2 Caraterizar, instalar

Leia mais

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Especificações. Especificações suplementares WWW.SWEEX.COM

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Especificações. Especificações suplementares WWW.SWEEX.COM LW140 Wireless Broadband Router 140 Nitro XM LW140UK Wireless Broadband Router 140 Nitro XM Introdução Gostaríamos de agradecer o facto de ter adquirido o Router 140 Nitro XM de banda larga sem fios Sweex.

Leia mais

Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários

Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários Modulo I INTRODUÇÃO AO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO Respostas as perguntas do modulo I Aula 1 1. Qual dos seguintes itens faz parte do kit

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

License Management. Instalação do agente de licença

License Management. Instalação do agente de licença License Management Instalação do agente de licença Apenas para a utilização interna CLA_InstallTOC.fm Índice Índice 0 1 Informações elementares.............................................. 1-1 1.1 Introdução..........................................................

Leia mais

Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux)

Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux) Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux) Autores: Hugo Manuel Santos (1040711) Maria João Viamonte (MJV) Berta Batista (BPP) Nota introdutória Devem seguir este manual,

Leia mais

Memória RAM. Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006. Grupo 1:

Memória RAM. Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006. Grupo 1: Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006 Departamento de Engenharia Informática Grupo 1: Clarisse Matos 1010463 Raquel Castro 1020013 Rui Patrão 1020043 Luís Lima 1020562 Índice Introdução...3

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO III Sistema Operativo Servidor Duração: 52 tempos Conteúdos (1) Efectuar o levantamento

Leia mais

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Especificações. PU002 Sweex 2 Port Serial PCI Card

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Especificações. PU002 Sweex 2 Port Serial PCI Card PU002 Sweex 2 Port Serial PCI Card Introdução Gostaríamos de agradecer o facto de ter adquirido a Sweex 2 Port Serial PCI Card. Com esta placa poderá facilmente acrescentar duas portas série ao seu computador.

Leia mais

Servidor de Rede USB Série Multi-função

Servidor de Rede USB Série Multi-função Servidor de Rede USB Série Multi-função Manual de Instalação Rápida: Introdução Este documento descreve os passos para instalação e configuração do Servidor de Rede USB como um servidor de dispositivo

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware)

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Curso Conexão Noções de Informática Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Agenda ; Arquitetura do Computador; ; ; Dispositivos de Entrada e Saída; Tipos de Barramentos; Unidades de Medidas. Email:

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Hardware nada mais é do que a parte física de um computador. Uma placa mãe, um disco duro, um gravador de CDs, etc., são o Hardware do computador pessoal. Quando se fala em montar

Leia mais

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7 Série Impressora Laser Guia de Instalação para Windows Vista / 7 Antes de utilizar a impressora, tem de configurar o hardware e instalar o controlador. Leia o Guia de Instalação Rápida e este Guia de Instalação

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Tipos de placas-mãe PLACA MÃE. Placa-mãe com slot ISA (destaque)

Tipos de placas-mãe PLACA MÃE. Placa-mãe com slot ISA (destaque) PLACA MÃE Placa mãe, também denominada mainboard ou motherboard, é uma placa de circuito impresso, que serve como base para a instalação dos demais componentes de um computador, como o processador, memória

Leia mais