ÍNDICE. Copyright AFM CAPÍTULO A. - A EMPRESA CAPÍTULO B. - A ACTIVIDADE CAPÍTULO C. - PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ACTIVIDADE DA AFM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Copyright AFM CAPÍTULO A. - A EMPRESA CAPÍTULO B. - A ACTIVIDADE CAPÍTULO C. - PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ACTIVIDADE DA AFM"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

2 ÍNDICE Copyright AFM Este documento e seu conteúdo são propriedade intelectual da AFM, protegida nos termos da Lei nº 4/90, de 10 de Março Lei dos Direitos de Autor. CAPÍTULO A. - A EMPRESA CAPÍTULO B. - A ACTIVIDADE CAPÍTULO C. - PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ACTIVIDADE DA AFM CAPÍTULO D. - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FÍSICA CAPÍTULO E. - LINHAS DE SERVIÇO E SUBEMPREITEIROS CAPÍTULO F. - OPERAÇÕES CAPÍTULO G. - RECURSOS HUMANOS CAPÍTULO H. - SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE CAPÍTULO I. - GESTÃO DA QUALIDADE CAPÍTULO J. - GESTÃO FINANCEIRA CAPÍTULO K. - TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. CAPÍTULO L. - ASSOCIAÇÃO ANGOLANA DE MANUTENÇÃO CAPÍTULO M. - ENVOLVIMENTO DE PARCEIROS CAPÍTULO N. - SUSTENTABILIDADE CAPÍTULO O. - O FUTURO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

3 CAPÍTULO A A EMPRESA A Atlantic Facilities Mangament Prestação de Serviços em Edifícios Urbanos, S.A. presta serviços integrados de operação e manutenção em Angola através da oferta de um variado leque de serviços de reconhecida qualidade internacional e de acordo com as melhores práticas aplicáveis à indústria, marcando assim a diferença no mercado angolano de Facilities Management. A AFM é membro fundador da AAMGA Associação Angolana de Manutenção e Gestão de Activos, sendo também membro de várias associações internacionais, nomeadamente da IFMA International Facilities Management Association. A AFM está qualificada pelo CAE - Centro de Apoio Empresarial da Câmara do Comércio e Indústria de Angola, tendo obtido a classificação Excelente na aptidão da prestação de serviços e de produtos à indústria petrolífera. A AFM está registada no Ministério dos Petróleos como prestador de serviços certificado para oferta de serviços a empresas do sector petrolífero que operam em Angola, encontrando-se a ultimar a sua candidatura junto do Conicle Comissão Nacional de Inscrição e Classsificação de Empreiteiros (Ministério da Construção). CAPÍTULO A 4 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

4 CAPÍTULO B A ACTIVIDADE A AFM actua como único interlocutor e ponto de contacto estabelecendo um relacionamento de proximidade com o Cliente, assegurando assim a coordenação e a supervisão de todos os serviços de gestão, operação e manutenção. A dedicação ao projecto, o know how e o elevado nível de competência permitem à AFM um posicionamento distinto no mercado, apresentando ao Cliente soluções customizadas e optimizadas. Para cada infra-estrutura a AFM concebe uma solução customizada, nomeadamente em termos de políticas de Segurança, Saúde & Ambiente ou pela adopção de uma abordagem de maximização permanente do binómio custo-benefício, a par da procura incessante de índices reforçados de Qualidade. Os serviços são desenhados, estruturados e implementados de acordo com as necessidades específicas de cada Cliente, assegurando-se por essa via uma solução totalmente customizada, que pode ser adaptada em função das necessidades emergentes em cada momento. A aposta nestas soluções permite ao Cliente uma perfeita utilização dos edifícios e das infra-estruturas. CAPÍTULO B 6 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

5 CAPÍTULO C PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ACTIVIDADE DA AFM CAPÍTULO C A AFM assenta a sua prestação de serviços integrados de operação e manutenção com base nos seguintes princípios: TRANSPARÊNCIA. A AFM tem uma política própria e uma prática consistente de trabalho com base na transparência das condições exigidas aos seus subcontratados e aos demais terceiros que participam na prestação dos seus serviços. Os serviços de todas as entidades que são agregadas no âmbito da prestação de serviços integrados da AFM são propostos mediante a prestação de informação completa e detalhada das respectivas condições, incluindo a compensação devida por esses serviços. O pagamento por esses serviços deverá ser feito pelo seu custo real acrescido de uma margem para a AFM, que é objecto de acordo prévio com o Cliente. OPTIMIZAÇÃO. A AFM compromete-se com os seus Clientes a promover a optimização dos seus serviços na perspectiva de, no médio e longo prazo, procurar a redução dos custos dos seus serviços sem redução de eficiência e assim poder partilhar essas mesmas poupanças com os seus Clientes. Para realizar este objectivo a AFM procede ao acompanhamento e à monitorização constante dos custos dos seus serviços, podendo propor a eventual reengenharia de operações. A redução global do custo dos serviços é também promovida pela eficiente alocação de recursos e pela contínua monitorização dos procedimentos. CUSTOMIZAÇÃO. A AFM concebe os seus serviços de acordo com as necessidades do Cliente para assegurar o alinhamento com os seus objectivos e com os das demais entidades envolvidas (instituições relevantes, utilizadores finais, proprietários das infra-estruturas). A prestação de novos serviços correspondentes a linhas de serviço adicionais ou a alteração de linhas de serviços já em laboração será realizada mediante solicitação do Cliente. SUSTENTABILIDADE. A AFM alinha o seu desenvolvimento com os princípios universais de crescimento sustentável. Num quadro de respeito de normas internacionais como são a ISO 9001:2008; ISO 14001:2004, OSHAS 18001:2007 e SA 8000:2008, a AFM fomenta um relacionamento transparente e procura a satisfação dos seus stakeholders e da comunidade, promove a ecoeficiência das suas actividades, compromete-se com a saúde e segurança no trabalho de todos aqueles que prestam e recebem os serviços da AFM e promove o desenvolvimento profissional e a motivação dos seus Colaboradores. QUALIDADE. A AFM tem um compromisso claro com a excelência e a liderança em Qualidade. O sistema de Gestão da Qualidade da empresa foi desenvolvido e implementado com uma forte orientação para o Cliente, cultivando o desenvolvimento profissional dos Colaboradores num 8 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

6 ambiente de trabalho seguro, estabelecendo uma selecção criteriosa dos Fornecedores de forma a adoptarem os mesmos princípios da AFM. A excelência da Qualidade é obtida no desenvolvimento dos processos de negócio da AFM e na sua melhoria contínua. As necessidades do Cliente são reflectidas nos processos e os resultados são monitorados e pautados pelas metas crescentes dos objectivos traçados. SEGURANÇA. Saúde e Higiene no Trabalho e Ambiente. A AFM tem em vigor e respeita os critérios mais exigentes aplicáveis na sua área de actividade em matéria de Segurança, Saúde e Higiene no Trabalho e Ambiente (SS&A). Estes critérios são implementados transversalmente em toda a sua actividade e em todas as suas rotinas diárias. A revisão crítica do impacto operacional sobre as preocupações de segurança no trabalho e o processamento e divulgação dos dados correspondentes fazem parte essencial dessas prácticas. A implementação destas regras e procedimentos tem dado resultados muito positivos que permitem, por exemplo, que na operação e manutenção integrada das Torres Atlântico (TA) Cliente de referência da AFM se tenha já superado o marco de um milhão e oitocentas e noventa e sete mil horas de trabalho humano sem acidentes de trabalho (Lost Time Incidents). REGRAS DE PROCUREMENT. Dentre as regras e procedimentos mais relevantes da actividade da AFM merece particular destaque o regulamento interno de Procurement para a Aquisição de Bens e Serviços. O objectivo deste procedimento é permitir confirmar que a aquisição dos bens e serviços no âmbito da actividade da AFM é feita de acordo com parâmetros de mercado e segundo critérios de competi- tividade de preços. Para permitir gerir estes procedimentos, a AFM desenvolveu uma solução informática ( AFM Procurement ) que permite fazer um mapeamento detalhado dos processos de aquisição e produz relatórios automáticos em qualquer fase do processo, permitindo a comparação imediata das condições e características de preço dos concorrentes envolvidos num processo de adjudicação, bem como a análise de divergência em relação aos dados disponíveis de mercado e à experiência da própria actividade da AFM. Como resultado da aplicação desta solução, a AFM pode assegurar aos seus Clientes que o modelo de transparência de custos permite a utilização efectiva dos melhores preços de mercado. ANGOLANIZAÇÃO. Desde a sua fundação, a AFM adoptou uma política ambiciosa de Angolanização que ultrapassa as exigências legais aplicáveis às operações de petróleo e gás Angolanas. A política de Angolanização da AFM assenta em três pilares: Recursos, Bens e Sustentabilidade. Relativamente aos Recursos, dá-se preferência à contratação de nacionais Angolanos para o preenchimento de todas as posições. Os últimos dados de Angolanização respeitantes à Equipa que presta serviços nas operações das Torres Atlântico evidenciam que 84% da estrutura de recursos humanos é composta por nacionais Angolanos. Quanto aos Bens, é exigido a todos os subempreiteiros que maximizem o uso de produtos, materiais e equipamentos Angolanos aquando da prestação de serviços à AFM. Relativamente à Sustentabilidade, a AFM tem em prática um plano de formação para todos os colaboradores com especial enfoque nos nacionais Angolanos e no desenvolvimento das suas carreiras profissionais. 10 CAPÍTULO C PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ACTIVIDADE AFM RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

7 CAPÍTULO D ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FÍSICA CAPÍTULO D A estrutura organizacional da AFM inclui uma estrutura de suporte e estruturas operacionais nos sítios onde a AFM desenvolve as suas actividades. A estrutura organizacional de suporte engloba o conjunto das funções que lideram e colaboram nos processos de gestão e nos processos de suporte à realização dos serviços das AFM. As estruturas organizacionais funcionais não são fixas, são definidas de acordo com as necessidades e o contacto com o Cliente. Em cada estrutura funcional as funções desempenham um papel predominante na gestão e realização dos processos de execução da AFM. A organização como um todo segue uma lógica matricial facilitando a consistência entre as funções de suporte e as funções operacionais. Este tipo de organização permite decisões mais rápidas garantindo flexibilidade, coordenação e comunicação em geral. ESTRUTURA FÍSICA A estrutura física da AFM é uma estrutura distribuída em escritórios, armazéns e edifícios onde a AFM presta os seus serviços. Nos escritórios desenvolvem-se os processos de gestão e os processos de suporte às actividades de realização da AFM. Nos edifícios desenvolvem-se sobretudo os processos de execução. Os armazéns são usados para o armazenamento de materiais e ferramentas de apoio aos processos de execução. Um dos principais escritórios da AFM é o escritório do edifício Ekumbi, equipado com a mais moderna tecnologia de apoio às actividades desenvolvidas. Aqui está alojado o Data Center com as Tecnologias de Informação centrais da AFM. As comunicações com os outros sítios da AFM e outras comunicações exteriores são asseguradas com elevada fiabilidade por dois serviços de internet redundantes, ligação VPN e ligação ponto-a-ponto (P2P). O Data Center inclui diversos activos e sistemas que suportam e apoiam a gestão das actividades internas e para o Cliente, destacando-se: Servidores Aplicacionais (incluem: servidor Windows; sistema de gestão de base de dados (SGBD); terminal de licenças de serviço; servidor antivírus e anti-spyware; servidor de domínio; sistema ERP Enterprise Resouce Planning para a gestão administrativa, contabilística e financeira; sistema MMS Maintenance Management System para a gestão de operações e da manutenção de activos); Servidor de Ficheiros (inclui: servidor de backup e servidor de domínio); Servidor TMG - Microsoft Forefront Threat Management Gateway (é uma gateway Web para protecção contra acessos indevidos e ameaças baseadas na Web); Sistema Global de Cópias de Segurança (permite a automatização das cópias de segurança, contém uma 12 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

8 autoloader para Tapes LTO Ultrium, gestão remota, encriptação de dados e monitorização proactiva da unidade de backup e medias); Firewall (para a interligação por VPN com o site Torres Atlântico e outros); Ligação Internet P2P - Peer-to-Peer (implementa uma arquitectura de redes de computadores onde cada um dos pontos ou nós da rede funciona tanto como cliente quanto como servidor); UPS - Uninterruptible Power Supply (serve como sistema de alimentação secundário de energia eléctrica entrando em acção quando há interrupção no fornecimento de energia primária). 14 CAPÍTULO D ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FÍSICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

9 CAPÍTULO E LINHAS DE SERVIÇO E SUBEMPREITEIROS 1. LINHAS DE SERVIÇO A AFM oferece cerca de 45 linhas de serviço, designadamente hard-services, soft-services e commodities, recorrendo a recursos próprios e a subempreteiros e segundo. Os serviços prestados pela AFM asseguram uma cobertura 24/7, 365 dias por ano. 2. SELECÇÃO DE SUBEMPREITEIROS (PROCUREMENT) O Processo de Aquisição de Bens e Serviços da AFM regula todas as fases do procedimento de contratação dos Subempreiteiros, desde as primeiras consultas de mercado, identificação de potenciais prestadores de serviços, pré-qualificação de Subempreiteiros, consultas de preços, submissão de propostas, negociação, customização de propostas às necessidades concretas do Cliente até à contratualização e subsequente início da prestação efectiva dos serviços. Este processo visa, por um lado, assegurar a transparência e observância de princípios de ética das propostas e, por outro, proporcionar aos Clientes da AFM serviços de qualidade ao melhor preço possível, dando-se resposta adequada e integral às suas necessidades. Das ferramentas informáticas desenvolvidas pela AFM, destaca-se a solução informática de suporte ao Processo de Aquisição de Bens e Serviços designado por Procurement. Esta solução permite a gestão dos processos de compras e registo dos principais contactos efectuados junto dos subempreiteiros contratados, bem como das empresas identificadas como potenciais prestadores de bens e serviços. A AFM utiliza a solução Procurement para proceder ao envio via internet dos pedidos de cotação - Request For Quotation, procedendo ao registo automático das comunicações enviadas e recebidas e respectivos documentos (gestão documental). CAPÍTULO E 16 CAPITULO E RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

10 CAPÍTULO F OPERAÇÕES CAPÍTULO F 1. TORRES ATLÂNTICO A estrutura de serviços das operações nas TA foi baseada num nível único de Facilities Management, por via do qual toda a operação, gestão e serviços de manutenção da infra-estrutura são centralizados na AFM, que age como único interlocutor e ponto de contacto ( POC ) no que diz respeito a todas as linhas de serviço. Previamente ao início das operações, a AFM recrutou e mobilizou uma equipa profissional de Facilites Management. De entre os elementos que foram recrutados e mobilizados contavam-se diversos membros da equipa de recursos humanos que participaram na fase de construção das TA, dotados de competências em gestão de projecto, testes ou commissioning. O profundo envolvimento desses recursos na fase de construção das TA traduziu-se num capital de conhecimento aportador de valor acrescentado para a gestão integrada dos serviços após a ocupação do Complexo e de acordo com as expectativas do Cliente, permitindo uma transição coordenada entre a fase de construção e a fase de operação. Para tanto contribuiu decisivamente a familiarização da equipa da AFM com o elevado grau de complexidade de todos os sistemas das TA. De entre as limitações operacionais que uma infra-estrutura desta dimensão e complexidade suscitam, destaquese o facto de a maior parte do equipamento instalado durante a fase de construção das TA ter permanecido inoperacional até à sua ocupação efectiva instalação, essa que, em alguns casos, ocorrera 2 (dois) anos antes. Durante este período de tempo, não foi feita qualquer intervenção de manutenção nesses equipamentos. Esta contingência operacional foi superada graças ao envolvimento dos Subempreiteiros que tinham instalado esses mesmos equipamentos (e emitido as correspondentes garantias). Estes Subempreiteiros foram submetidos a todo o processo de due diligence pré-contratual. Este projecto encontra-se actualmente numa fase de estabilidade, tendo sido o contrato renovado em Setembro de 2013, terminando em finais de Agosto de Relativamente ao Procurement, destacam-se as práticas em curso de benchmarking visando a obtenção de serviços e rates mais competitivos. Estas consultas resultaram já em propostas de redução de rates e identificação de fornecedores alternativos com cotações mais vantajosas e com significativo impacto nos custos mensais e anuais, tendo a AFM comunicado aos Owners tais propostas. Adicionalmente têm sido também uma preocupação constante e alvo de um trabalho permanente, os aspectos relacionados com a Gestão de Energia que permitam a redução da factura energética e do impacto ambiental das TA. 18 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

11 Em Julho de 2013, foi assinado o contrato entre a AFM e a SLI para a prestação de Serviços de Assistência Técnica dos Sistemas e Equipamentos de Segurança, que completam a prestação já anteriormente existente nestes sistemas das TA. A proposta da AFM para a prestação de Serviços de Gestão de Resíduos nas Torres Atlântico deverá ser assinada no primeiro semestre de A proposta da AFM (em versão self performed services) para a Operação e Manutenção dos Tanques de Água e Combustível e Sistemas relacionados, está em fase final de revisão prevendo-se a sua execução até ao final do 1.º trimestre de Melhoria dos Processos de Manutenção da AFM, durante o qual foi realizado um diagnóstico dos processos de manutenção em que foram apresentadas propostas de melhoria dos processos. Foram apresentadas e parcialmente aprovadas e implementadas diversas propostas de melhorias de sistemas e equipamentos das quais se destacam (i) a substituição das bombas de água de alimentação de água à Torre de Escritórios, (ii) a instalação de iluminação de emergência, (iii) a conversão de geradores para arrefecimento a ar, (iv) a interligação dos geradores da Torre Residencial aos equipamentos e sistemas críticos da Torre de Escritórios e (v) a monitorização remota do funcionamento e da condição dos geradores. e do mezanino, houve um aumento dos serviços a prestados pela AFM, estando previsto para o ano de 2014, a apresentação de propostas para as seguintes linhas de serviço adicionais: 3. PALÁCIO DA JUSTIÇA O Palácio da Justiça de Luanda assume uma posição de destaque na paisagem da cidade, estando localizado num dos seus pontos altos e tem uma presença relevante. transformadores, bombas, depósitos de água e combustível, etc. Está prevista a colaboração da AFM em mais linhas de serviço que ainda estão em análise, assim como melhorias ao edifício: 4. CAMPUS UNIVERSITÁRIO AGOSTINHO NETO A proposta da AFM para a prestação de Serviços de Gestão da Qualidade do Ar Interior nas TA, está em fase final de revisão prevendo-se a sua execução até ao final do 1.º semestre de Foi assinada a adenda ao contrato para a implementação do Projecto de Melhoria das TA Fase 2, tendo a respectiva fase de implementação sido iniciada em Setembro de Este projecto engloba uma série de melhorias que irão optimizar o funcionamento das TA em diversos aspectos, como sejam, (i) o sistema de tratamento de água potável e de arrefecimento, (ii) o sistema de combate a incêndios, (iii) o sistema de geração de energia eléctrica, (iv) o sistema de distribuição de energia eléctrica, (v) o impacto ambiental das TA, (vi) a qualidade do ar interior, (vii) os sistemas críticos de AVAC como os Geradores ou os Data Centres, (viii) a continuidade do funcionamento dos elevadores, (ix) o sistema de gestão técnica centralizada e (x) a comunicação áudio/vídeo com os Ocupantes. Foi desenvolvido durante o ano de 2013 um Projecto de 2. EDIFÍCIO PLATINIUM Construído no final de 2010, o edifício Platinium é um edifício residencial moderno com 19 andares de habitação, piso térreo e mais um piso de serviços e quatro andares subterrâneos onde se situa o estacionamento e algumas áreas técnicas destinadas à manutenção e segurança do edifício. Os Utilizadores do Edifício Platinium têm à sua disposição para além da zona de lazer em que têm ginásio, piscina, sala de jogos, bar, sala de yoga, sala de convívio e creche, um conjunto de serviços de suporte, manutenção e segurança. Esta operação concretizou-se através dos serviços de gestão, com uma dimensão de menor relevância, mas cuja aceitação foi assumida como uma forma de estabelecimento de um relacionamento comercial com a TOTAL. Em 2013, com a entrada em funcionamento da creche Neste edifício estão instalados quatro órgãos do Estado Angolano, nomeadamente o Tribunal Supremo, o Tribunal Constitucional da Republica de Angola, a Procuradoria Geral da Republica e o Tribunal de Contas. O Palácio da Justiça é constituído por um edifício principal com 12 pisos, em que cada organismo ocupa 3 desses pisos, por um piso 0 onde ficam as recepções e o Salão Nobre e por duas caves onde se situa um refeitório, biblioteca, diversos equipamentos e salas para serviços. Existe um segundo edifício onde está em funcionamento um Auditório com capacidade para cerca de 650 pessoas e que tem albergado numerosos eventos com as mais distintas personalidades angolanas. Funciona também um centro de documentação, diversos gabinetes de apoio ao Palácio e aos organismos instalados, o parque de estacionamento assim como diversos equipamentos de apoio. Anexo a este edifício, situa-se a zona técnica, em espaço próprio dedicado, onde estão instalados os principais equipamentos, tais como chillers, geradores, O novo Campus Universitário Agostinho Neto, localizado no município do Kilamba Kiaxi, na comuna de Camama, é composto pelo Núcleo Central (Biblioteca e Faculdades), Residências para Professores, Dormitórios para Estudantes, Campos de Pesquisa, Centro Hospitalar e que será executado de forma faseada, que numa 1ª Fase proverá instalações para cerca de estudantes, contandose que logo que concluído receba estudantes. Da 1ª Fase encontra-se construído a Biblioteca Central, Quatro Núcleos das Faculdades (Matemática, Química, Física e Ciências da Computação), Auditório e Infraestruturas para esta Fase (rede de água, esgotos, eléctrica e viária). A AFM iniciou a sua prestação de serviços de gestão e manutenção com trabalhos correspondentes aos serviços de transição no novo Campus Universitário de Luanda após a sua inauguração. 20 CAPÍTULO F OPERAÇÕES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

12 Antes da abertura do Ano Lectivo, foi graças à actuação dos técnicos da AFM que foram implementadas as seguintes acções: os alunos. Após a inauguração do Ano Lectivo, a AFM tem prestado colaboração nas seguintes áreas: sistema de inversão. 5. TORRES DO CARMO O edfício é composto por duas Torres de 23 pisos ligadas no topo por um heliporto e com um embasamento (pisos 0, mezanine e 1) e caves (-1 a -5) comuns e situa-se na baixa de Luanda junto ao Governo Provincial de Luanda e em frente da Igreja do Carmo. excepção das zonas comuns da Torre 2 e caves -4 e -5 (que são de utilização exclusiva da BP Angola). Em 2013, a BP Angola lançou um concurso para a gestão de operação e manutenção da Torre 2 e caves -4 e -5 (incluindo as áreas privadas e zonas comuns de utilização exclusiva), tendo a GAFM apresentado uma proposta para prestação de serviços. Durante 2014, as principais actividades a desenvolver na Torre 1 e Zonas Comuns consistirão na continuação da prestação de serviços integrados de operação e manutenção com a efectivação de linhas de serviço, bem como a implementação de alguns projectos de melhoria que poderão permitir um melhor nível de serviço. 6. TOTAL TOWER ANGOLA A AFM prestou igualmente serviços de commissioning e maintenance engineering à TOTAL Angola na nova sede TOTAL ANGOLA TOWER 2, tendo produzido um extenso conjunto de documentação que define o conjunto de requisitos técnicos indispensáveis à transição adequada e planeada da fase de construção para a fase de operação da infra-estrutura. A Genius-AFM, S.A. ( GAFM ) foi contratada no final de 2012, em regime de exclusividade, pela Sociedade Torres do Carmo para a prestação de serviços integrados de operação e manutenção na Torre 1 (Residencial) e Zonas comuns do complexo Torres do Carmo. A gestão integrada de operação e manutenção em curso tem como âmbito as zonas comuns do prédio com 22 CAPÍTULO F OPERAÇÕES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

13 CAPÍTULO G RECURSOS HUMANOS 1. DADOS GERAIS A AFM conta actualmente com 169 Colaboradores, sendo que 155 estão alocados às operações que decorrem em Luanda e os restantes 14 estão afectos às actividades de suporte da AFM. Os Colaboradores encontram-se distribuídos pelos diversos projectos da AFM, existindo uma preocupação na adequação pessoal e profissional de cada um dos destes às operações em curso. Dada a sua dimensão, o projecto das Torres Atlântico continua a ser o projecto que mais Recursos Humanos mobiliza, contando com 37% do total dos Colaboradores da AFM, seguido pela área transversal a todos os projectos: o head-office com 26% do total. 2. ANGOLANIZAÇÃO A AFM adoptou uma política estruturante de recursos humanos, alicerçada em dois pilares essenciais: (i) a preferência pela contratação de cidadãos de nacionalidade Angolana; e (ii) o desenvolvimentos de formação contínua e periódica a todos os seus Colaboradores. Em resultado destas opções fundamentais de gestão, os recursos humanos contratados pela AFM são maioritariamente Colaboradores nacionais (em valores que representam os 84% do total) e, de entre todas as empresas subcontratadas nas operações em curso em Angola, a esmagadora maioria são empresas Angolanas, recorrendo-se à contratação de entidades estrangeiras em situações pontuais e em função de casos incontornáveis (como, por exemplo, quando se trate de entidades emissoras de garantias sobre determinados equipamentos). CAPÍTULO G BO CUAN LX PAJU PLTN TA TDC HEADCOUNT % 5% 26% 8% 4% Em termos totais, dos 169 Colaboradores da AFM, a percentagem de Colaboradores Angolanos corresponde a 142, sendo que os restantes 27 pertencem a outras nacionalidades % ANGOLANOS OUTROS 6% 14% ANGOLANOS 16% OUTROS 24 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

14 3. A PREFERÊNCIA POR CIDADÃOS E ENTIDADES ANGOLANAS - UMA APOSTA CONSISTENTE A LONGO-PRAZO A AFM entende que o desenvolvimento económico e social de um país assenta, em larga medida, nos níveis de empregabilidade e qualificação profissional da sua população activa. Constitui um imperativo nacional a ser acolhido pelos operadores económicos em Angola a promoção do emprego dos cidadãos Angolanos, concedendo-lhes as oportunidades profissionais que permitam inseri-los no mercado de trabalho, capitalizando os seus elevados níveis de formação académica e profissional. A integração desses Colaboradores nas empresas deve ser efectuada através do desenvolvimento contínuo e periódico de formação, que constitui um vector incontornável para o aumento dos seus níveis individuais de qualificação profissional e, num espectro mais amplo, do reforço de competências técnicas e comportamentais do tecido empresarial Angolano. A AFM está seriamente comprometida em prestar o seu contributo para a prossecução dos objectivos referidos. Desde a sua constituição, a AFM tem empenhado sérios esforços na contratação de recursos humanos Angolanos qualificados tendo, ao longo do tempo, consistentemente atribuído responsabilidades corporativas crescentes a esses mesmos recursos - política essa que se tem revelado um inegável sucesso. Os Colaboradores da AFM de nacionalidade Angolana desempenham funções em cargos transversais à sua actividade quotidiana, merecendo especial relevo as promoções em resultado do desempenho e as contratações para cargos de chefia, sendo uma aposta clara da AFM na promoção de cidadãos de nacionalidade Angolana a cargos de chefia e na sua permanente valorização profissional. Todos os Colaboradores que exercem os cargos de chefia referidos têm uma participação importante nos mais relevantes processos de decisão interna da AFM, a par do exercício de funções de representação externa da empresa, designadamente no contacto diário com os Clientes e com fornecedores da empresa. Enquanto titulares de cargos de chefia, cabe-lhes igualmente supervisionar e dar orientações aos seus mais directos subordinados hierárquicos, tendo a possibilidade de conformar o exercício concreto das suas funções. Fruto dos excelentes resultados verificados com esta política de recursos humanos, a AFM está fortemente empenhada na prossecução e reforço, de forma continuada e consistente, da contratação de recursos humanos Angolanos, estando actualmente em curso várias iniciativas de recrutamento visando a contratação de cidadãos Angolanos para diversas vagas em aberto. A par desta política de recursos humanos, a AFM tem em vigor uma política de contratação tendencialmente exclusiva de empresas Angolanas. Em resultado desse esforço sustentado na procura e selecção das melhores entidades Angolanas para prestarem serviços à AFM (e, de forma indirecta, aos seus clientes), é com orgulho que informamos que os Subempreiteiros a prestarem actualmente serviços à AFM representam maioritariamente empresas Angolanas. A esta política acresce a obrigação contratual de todos os fornecedores concederem preferência a entidades Angolanas na aquisição de materiais ou serviços no âmbito dos contratos outorgados com a AFM. A contratação tendencialmente exclusiva de entidades Angolanas (e a obrigatoriedade de subcontratação de entidades nacionais) constitui um importante contributo para o reforço do tecido empresarial Angolano e, consequentemente, para a promoção do desenvolvimento económico nacional. 4. A FORMAÇÃO PERIÓDICA DOS RECURSOS HUMANOS - A MELHORIA CONTÍNUA DOS SERVIÇOS PRESTADOS AO CLIENTE Os recursos humanos são o mais valioso dos activos subjacentes de qualquer organização. Este princípio é especialmente relevante na actividade da AFM, sobretudo no que concerne à gestão dos serviços subcontratados a entidades terceiras. O nível de serviço implementado pela AFM e a sua compatibilidade com os requisitos dos seus clientes de referência no panorama nacional e internacional, como o são a Sonangol, E.P., a Esso e a BP, impõem uma estrutura de gestão profissional permanente que actue de acordo com os mais elevados índices internacionais do sector da operação e manutenção integrada de infra-estruturas. Neste quadro e como segundo pilar da política de recursos humanos da AFM, a integração dos seus Colaboradores em programas e acções de formação periódica permite aumentar os seus índices de qualificação profissional e reforçar as suas competências de gestão. A valorização profissional e o reforço das competências próprias dos Colaboradores passa igualmente pela assimilação das melhores metodologias, parâmetros, processos e procedimentos que regem o seu trabalho quotidiano, transpondo-se para o dia-a-dia essa vertente formativa da política de recursos humanos da AFM. As implementações das melhores práticas internacionais, por um lado, e a realização de programas e acções de formação, por outro, têm-se revelado meios idóneos à prossecução do objectivo de execução permanente primário de qualquer organização: a melhoria contínua do nível de qualidade de serviço prestado aos seus Clientes. Desde a sua constituição, a AFM tem realizado inúmeras iniciativas formativas dos seus quadros. Saliente-se, a este respeito, a formação obrigatória e permanente em sede de Segurança, Saúde & Ambiente e de controlo de qualidade. A monitorização permanente e a implementação das melhores práticas neste sector foram coroadas com a distinção da AFM, por um dos seus principais Clientes, com um louvor pelas boas práticas. No âmbito dessa formação obrigatória e tendo em vista a melhoria da prestação das actividades, a AFM deu continuidade às sessões de formação, tendo desenvolvido em 2013 um total de 38 sessões, o que correspondeu a 426 horas de formação, assistidas por um total de 981 formandos. IDENTIFICAÇÃO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO 38 Nº DE FORMANDOS EM CADA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº TOTAL DE FORMANDOS Nº TOTAL DE HORAS DE FORMAÇÃO CAPÍTULO G RECURSOS HUMANOS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

15 5. IGUALDADE DE OPORTUNIDADES Desde o início de actividade da AFM que o número de Mulheres integradas na força de trabalho da empresa tem aumentado de forma significativa. Em 2009, a percentagem de mulheres que prestava colabração na AFM correspondia a 14% da força de trabalho. Fruto de uma política interna de Recursos Humanos assente na igualdade de tratamento e não discriminação no trabalho entre Homens e Mulheres, aquele número percentual corresponde hoje a 32% da força de trabalho HOMENS MULHERES 28 CAPÍTULO G RECURSOS HUMANOS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

16 CAPÍTULO H SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE CAPÍTULO H 1. SEGURANÇA, SAÚDE & AMBIENTE A salvaguarda das melhores condições de segurança no trabalho para os colaboradores e Clientes da AFM e, em geral, da integridade das infra-estruturas dos nossos Clientes e dos seus correspondentes utilizadores, constitui uma preocupação primordial da nossa Empresa. Os processos e procedimentos em vigor na actividade da AFM a este respeito encontram-se consagrados na denominada política Política de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho e de Protecção Ambiental ( SS&A ) incluída no Manual de Segurança, Saúde e Ambiente da AFM. A política e respectivo manual foram concebidos, estribados, implementados e o sistema é auditado, de acordo com referenciais internacionais de normalização, como são as séries OHSAS (para a segurança, higiene e saúde no trabalho) e ISO (para a gestão ambiental). Adicionalmente, a política de SS&A da AFM foi desenhada e implementada em estreito respeito pelos referenciais de normalização das entidades do sector petrolífero. O desenvolvimento da política de SS&A da AFM tem sido especialmente focado na operação e manutenção integrada das Torres Atlântico, em cumprimento dos requisitos dessas mesmas entidades internacionais de referência a operar em Angola, tais como a Sonangol, a Esso e a BP. De entre os principais vectores de implementação desta política, destaque-se a monitorização permanente das condições de SS&A em todo o cenário de operações, a formação periódica, intensiva e obrigatória de todos os colaboradores e dos Subempreiteiros e, bem assim, o intenso interface diário da equipa AFM de SS&A de 1.ª linha com as equipas homólogas dos nossos Clientes. Esse interface foi profusamente implementado nos trabalhos do dia-a-dia, com especial enfoque na revisão conjunta de procedimentos operacionais e no estabelecimento de objectivos, complementados pela redacção e divulgação de relatórios periódicos. A conservação do meio ambiente é assegurada com a realização das melhores práticas de análise dos aspectos e impactes ambientais, do desenvolvimento de métodos para minimizar os impactos ambientais, da redução e prevenção da poluição, da optimização da gestão dos recursos naturais e do cumprimento da legislação em vigor. O Conselho de Administração da AFM está directamente envolvido na definição, implementação e monitorização da política de SS&A da AFM, através da fixação de objectivos e requisitos técnicos, da notificação imediata de qualquer incidente (ou quase-incidente ), bem como na aferição dos níveis do seu efectivo cumprimento. Os resultados do esforço sustentado de implementação desta política na actividade da AFM são auto-explicativos do seu sucesso, como o atestam o registo de mais de um milhão e oitocentas mil horas de trabalho sem qualquer 30 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

17 Loss Time Incident. Saliente-se, pela sua relevância, as mais de ,00 presenças efectivas em acções de formação de SS&A ministradas pela AFM ou sob sua supervisão directa. A AFM está comprometida em reforçar diariamente as melhores práticas internacionais de SS&A nas infra-estruturas que opera em benefício directo dos seus Clientes e utilizadores. 2. SEGURANÇA NO TRABALHO - SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR A segurança no trabalho é um valor essencial para a AFM. Nenhum objectivo empresarial será prosseguido com sacrifício da segurança. A AFM está comprometida em tomar todas as medidas para garantir a segurança dos seus colaboradores, dos seus Clientes, dos seus Subempreiteiros e, bem assim, de quaisquer utentes ou utilizadores das infra-estruturas operadas pela AFM. A AFM está empenhada em estabelecer, implementar e manter um sistema de gestão de segurança em estrito respeito pelos mais elevados requisitos internacionais da indústria e de acordo com a legislação em vigor. Entre as políticas e objectivos de segurança da AFM, evidenciamos os seguintes: para todos os colaboradores, Subempreiteiros, Clientes e utilizadores dos edifícios operados pela AFM; nos locais de trabalho, através da implementação de práticas de trabalho seguras, ministrando formação aos colaboradores e aferindo os resultados em cada departamento por aplicação de um conjunto predefinido de Critérios Indicadores de Performance (KPIs). Está em curso um programa para aumentar o envolvimento de todos os colaboradores da AFM; ambiente como princípio integrante das obrigações da AFM em consonância com a formação ministrada aos seus colaboradores; a promover uma consciência elevada da segurança e da responsabilidade de cada colaborador da AFM para prevenir os acidentes próprios ou de terceiros; de segurança no trabalho; para promover práticas de trabalho seguras e encorajar condições de trabalho seguras em todas as actividades da AFM, envolvendo colaboradores, Clientes e Subempreiteiros MANUAL DE SEGURANÇA, SAÚDE & AMBIENTE O Manual de Segurança, Saúde e Ambiente da AFM descreve os padrões e objectivos globais integrados de Segurança, Saúde e Ambiente (SS&A), aplicados na empresa. O Manual, conjuntamente com as políticas, procedimentos e orientações da AFM, é defenido como sendo um manual de Gestão integrado dos sistemas de Segurança, Saúde e Ambiente da AFM (Sistema de Gestão da SS&A). Este Manual foca os principais aspectos da organização do Sistema de Gestão da Segurança, Saúde e Ambiente, coordenação, manutenção e notificações técnicas aplicados às instalações de projecto/contrato de Gestão de O&M dos Edifícios HORAS DE TRABALHO SEM ACIDENTES - LOST TIME INCIDENTS (LTI) A AFM está comprometida em tomar todas as medidas para garantir a segurança dos seus colaboradores, dos seus Clientes, dos seus Subempreiteiros e, bem assim, de quaisquer utentes ou utilizadores das infra-estruturas operadas pela AFM. MÊS JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL MAN-HOURS Os dados referentes a horas-homem revelam que actualmente existe um registo superior a de horas-homem sem acidentes de trabalho LOSS PREVENTION OBSERVATION - LPO Durante o último ano a AFM e os seus Subempreiteiros produziram mensalmente as man-hours indicadas no quadro abaixo, obrigando à realização do número de LPO s referido na coluna Required LPO s. Para que se garanta sempre o cumprimentos destes números, a AFM estipulou mensalmente um target superior ao requerido, conforme a coluna do Target, tendo realizado o número indicado na coluna Actual. LPOs EXIGIDOS TARGET LPOs LPOs REALIZADOS CAPÍTULO H HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

18 3. TESTES DE CONSUMO DE ÁLCOOL, DROGAS E OUTROS ITENS PROIBIDOS À semelhança de anos anteriores, a AFM realizou de forma aleatória testes de despistagem e controlo do consumo de álcool, drogas e de outros itens proibidos a todos os seus Colaboradores e pessoal dos Subempreiteiros que desempenharam funções nas infra-estruturas sob a responsabilidade da AFM. Em 2013 foram realizados 3931 testes de despistagem e controlo do consumo de álcool, drogas e de outros itens proibidos. A 31 de Dezembro de 2013, a AFM registou 3864 testes de álcool e 67 testes de drogas. 4. RECONHECIMENTO Nestes últimos anos a AFM tem sido sucessivamente distinguida pela ExxonMobil com prémios na área de Safety, tendo o último sido entregue em 10 de Abril de 2014, Award of Excellence, referente à passagem dos dois milhões de horas de trabalho sem acidentes de trabalho nas Torres Atlântico. 34 CAPÍTULO H HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

19 CAPÍTULO I GESTÃO DA QUALIDADE desenvolvimento de fortes relações comerciais que 1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS A AFM consagra nos seus estatutos um compromisso fiel com a garantia da qualidade dos serviços que realiza e fornece. A qualidade é um pré-requisito para a satisfação do Cliente e como tal é promovida por toda a organização para a geração de valor, sustentada numa relação de verdade, lealdade e dedicação entre os principais agentes no ramo de actividade da AFM: Clientes, Administração, Fornecedores, Parceiros, Colaboradores e Sociedade em geral. A AFM tem implementado um Sistema de Gestão da Qualidade baseado no referencial internacional ISO A política da qualidade e toda a documentação de suporte visam uma gestão por processos com o compromisso de melhoria contínua. A excelência dos serviços da AFM é obtida excedendo as espectativas dos nossos clientes, de forma contínua e inovadora, ouvindo e compreendendo as suas necessidades e introduzindo melhorias imediatas e sustentáveis. garantam produtos e serviços de superior qualidade e a fidelidade dos Clientes. A evolução do sistema de Gestão da Qualidade passará num futuro próximo pela certificação em Qualidade ISO 9001, Ambiente (ISSO 14001) e Higiene e Segurança no Trabalho (OHSAS 18001). 2. ESTRUTURA DOCUMENTAL A informação produzida e recolhida é registada em diversos documentos corporativos e de trabalho essências para a gestão, tomada de decisões, aumento da eficiência, melhoria contínua, comunicação e realização dos processos das AFM. O sistema de Gestão da Qualidade da AFM foi concebido de acordo com a seguinte estrutura documental: NÍVEL I LEGISLAÇÃO LEGISLAÇÃO CORRENTE E DOCUMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I Para isso a AFM conta e incentiva a colaboração de todos e o trabalho em equipa, cultiva um ambiente de trabalho seguro e promove o desenvolvimento e a satisfação dos Colaboradores. Com o mesmo objectivo, a AFM realiza uma selecção criteriosa de Fornecedores que deverão cumprir fielmente as políticas, princípios e valores da empresa numa aposta conjunta de NÍVEL II MANUAL DE QUALIDADE E MANUAL DE PROCESSOS NÍVEL III MANUAIS, PROCEDIMENTOS E OUTROS DOCUMENTOS NÍVEL IV FORMULÁRIO E REGISTOS DA QUALIDADE DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POLÍTICA DA QUALIDADE DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS, PROCEDIMENTOS, INSTUÇÕES DE TRABALHO E REGULAMENTOS FORMULÁRIOS E REGISTOS QUE EVIDENCIAM A EXECUÇÃO DOS PROCESSOS 36 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

20 3. GESTÃO DA QUALIDADE A AFM, enquanto empresa de Facilities Management, consagra nos seus estatutos um compromisso com a garantia da qualidade. Procurando uma melhoria contínua da satisfação dos seus clientes, tem vindo a desenvolver actividades no sentido de tornar mais robusto o sistema de gestão da qualidade da empresa. Baseada em processos de melhoria contínua da qualidade, a AFM realizou a revisão do seu sistema. A política da qualidade foi revitalizada e os processos foram optimizados. A AFM é membro fundador da AAMGA Associação Angolana de Manutenção e Gestão de Activos, sendo também membro de várias associações internacionais, nomeadamente da IFMA International Facilities Management Association. A AFM está registada no Ministério dos Petróleos como prestador de serviços certificado para oferta de serviços a empresas do sector petrolífero que operam em Angola, encontrando-se a ultimar a sua candidatura junto do Conicle Comissão Nacional de Inscrição e Classsificação de Empreiteiros (Ministério da Construção). A AFM está qualificada pelo CAE, Centro de Apoio Empresarial da Câmara do Comércio e Indústria de Angola, para prestar serviço s e fornecer produtos à indústria petrolífera. O CAE Centro de Apoio Empresarial foi criado em 2005, pelo Ministério dos Petróleos, Sonangol e quatro operadoras associadas da Sonangol (BP, Chevron, Total e Esso). O principal objectivo do CAE é promover a participação e o desenvolvimento sustentável das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) angolanas na Indústria Petrolífera. Desde 2011, o CAE tornou-se num órgão da Câmara de Comércio e Indústria de Angola (CCIA) e tem sido totalmente apoiado e coordenado pela Sonangol, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do conteúdo nacional na indústria do petróleo. Esta pré-qualificação foi obtida após um rigoroso e abrangente processo de candidatura em que foram analisados diversos aspectos da organização e dos processos da empresa. A AFM obteve a certificação CAE, com classificação Excelente na aptidão da prestação de serviços e de produtos à indústria petrolífera. 38 CAPÍTULO I GESTÃO DA QUALIDADE RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

1. Disposições Gerais

1. Disposições Gerais Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna 1.1.1. O CiIPS adopta uma forma de organização interna

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Considero que foi um projecto que exigiu um enorme envolvimento de todas as partes que o integraram. Os resultados do projecto são francamente positivos. O

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão 1992-2013 Duas décadas de experiência em Informática de Gestão A NOSSA MISSÃO: Superar as necessidades dos nossos Clientes, diferenciando-nos pela excelente qualidade e consistência dos nossos serviços.

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS INTRODUÇÃO O CARAM CENTRO DE ABATE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, E.P.E.R.A.M. ( CARAM ) é uma entidade pública empresarial, que integra o Sector

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de PARECER DA ESOP Janeiro de 2015 Índice 1 Enquadramento... 3 2 O novo regime jurídico... 4 3 Contributos para o novo regime das

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais