Redes de Computadores Windows 98 Windows NT - Windows Capítulo...3. Dispositivos de Redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores Windows 98 Windows NT - Windows 2000. Capítulo...3. Dispositivos de Redes"

Transcrição

1 Redes de Computadores Windows 98 Windows NT - Windows 2000 Capítulo...3 Dispositivos de Redes 1

2 Dispositivos de Redes (Hubs, Placas) Slots PCI As placas de rede, conhecidas também por Adaptadoras de rede ou NICs (Network Interface Card ou Placa de interface para rede de Comunicações). É uma interface conectada num dos slots do tipo ISA de 16 bits (2 Bytes), num dos slots do tipo PCI 32 bits (4 Byte veja na figura abaixo (slots brancos) cinco slots PCI Peripheral Component Interconnect ou algo como Conexão interna de componentes e periféricos) e, ou então, num dos slots de 64 bits (8 Bytes), slots estes embutidos na placa-mãe do microcomputador. Em seguida, esta inteface é interligada ao cabeamento da rede por meio do respectivo conector. Placas de rede desenvolvidas para serem utilizadas em redes do tipo Gigabits Ethernet, e conectadas num dos slots PCI de 64 bits --8 Bytes. São, geralmente, utilizadas em placas-mãe para máquinas servidoras de uso corporativo. Slots PCI (Peripheral Component Interconnect ou Conexões de Componentes e Periféricos) são os de cor branca encontrados nas placas-mãe à partir do processador Pentium Classic 60 MHz. Atualmente são encontrados slots de de 32 bits (4 Bytes) e os de 64 bits (8 Bytes) O barramento PCI opera na freqüência de clock de 33,33 MHz, sendo que um Slot PCI está compartilhado com o ISA (o mais próximo deste). Se o Slot ISA estiver preenchido --por uma placa de fax modem, por exemplo--, este Slot PCI compartilhado não poderá ser utilizado. O Slot PCI de 32 bits, conta com 61 vias (pinos) de cada lado (50+11=), sendo 122 vias nos dois lados de cada Slot. Já os Slots PCI de 64 bits (8 Bytes), contam com 93 vias (pinos) de cada lado ( =), ou <186> vias nos dois lados de cada Slot. Slots ISA Os slots ISA são de cor preta (veja a figura abaixo) e de 16 bits ou 2 Bytes. O barramento ISA (Industry Standard Arquitecture ou algo como Arquitetura padrão para insdústrias) opera na faixa de frequência de clock à 8,3 MHz e, em placas-mãe modernas, operam compartilhados com a sinalização elétrica do barramento de dados e de tensão com um bus/slot PCI. Estes slots ISA dependem diretamente do barramento PCI para operar e, caso este slot PCI compartilhado esteja preenchido, o slot ISA não poderá ser utilizado. O bus/slot 2

3 ISA de 8 bits conta com 31 vias (pinos) de cada lado (62 vias ao todo). Já o slot ISA de 16 bits, conta com 49 vias (pinos) de cada lado (31+18=49), sendo 98 vias ao todo. Como pode-se ver na figura abaixo, o item 1A, que refere-se a via 1 deste slot e ao sinal I/O Channel Check --Input/Output Channel Check ou Canal de verificação de entrada e saída, e a via 1B, que refere-se ao sinal Ground (terra). Observe também na figura acima que o quinto slot PCI (item 2) está compartilhando seus sinais com o único slot ISA (item 1). O item 4 refere-se ao slot AMR; item 7 refere-se ao slot AGP (para placas de vídeo 2D/3D super rápidas); o item 8 refere-se ao socket 370 via; o intem 9 refere-se ao socket floppy (disquete); o item 10 ao socket para transmissão de sinais infravermelhos; o item 14 refere-se ao chipset North bridge e o item 15 ao conector FAN. Dispositivos Hubs A função principal de uma placa de rede é a de liberar todos os dados compartilhados dentro do microcomputador. Convertendo assim, esses dados em sinais mais fortes que irão trafegar pelos cabos da rede até o outro microcomputador ou até o equipamento central da rede, no caso, o dispositivo Hub (dispositivo central da rede). VER na figura abaixo um modelo simples de hub. Dispositivos Repetidores A principal função do repetidor --hubs comuns (veja na figura abaixo um exemplo)-- é a de conectar dois ou mais seguimentos de uma rede local, ou seja, estender o comprimento do seguimento da rede, regenerar e repetir o sinal de um seguimento para um outro. Por não possuir capacidade de gerenciamento de rede, todo o tráfego de dados pelos seguimentos interligados pelo repetidor é propagado por toda a rede. Em rede de computadores, o seguimento refere-se ao caminho em que os dados percorrem, ou seja, saindo do endereço origem e indo direto para o endereço destino --isto se não houver equipamentos como um roteador, repetidor, switchs ou bridges instalados. 3

4 Dispositivos Concentradores Um dispositivo concentrador (veja um modelo exemplo na figura abaixo) de sinais numa rede local são hubs montados em chassi modulares, permitindo assim, uma maior flexibilidade e performance na rede quando se deseja ampliá-la ou reconfigurá-la. O concentrador pode ser formado com vários Hubs (dispositivos centrais), Bridges (dispositivos ponte), Routers (dispositivos que roteiam ou direcionam os dados -- roteadores), etc. Veja na figura abaixo, a representação de um modelo simples de dispositivo do tipo concentrador. Dispositivos MAUs na Rede Este tipo de dispositivo, denominado de MAUs (Multi Access Unit Station ou Unidades de acessos à múltiplas estações de rede (veja na figura abaixo um modelo exemplo). Refere-se ao dispositivo utilizado nas redes IBM, redes estas do tipo Token Ring (Anel de sinais). É oportuno lembrar aqui o seguinte: tanto no padrão IBM como no padrão Ethernet, o MAUs --ou os MAUS-- é um tipo especial de circuito eletrônico. Que pode ser encontrado integrado na própria adaptadora de rede. Como num dispostivo do tipo externo. Neste caso, há uma concentração de circuitos MAUS no interior do mesmo, como num HUB, por exemplo. Aliás, a IBM prefere que o seu disposiivo concentrador de circuitos MAUs seja chamado o de MAUs mesmo, ao invés de chamá-lo simplesmente de HUB. Veja na figura abaixo um exemplo do dispositivo MAUS de oito portas de conexões simples e mais duas para expansão da rede. A última porta á direita é para a alimentação elétrica (conector Power) do mesmo, via rede elétrica. Router (roteador) 4

5 Todavia, para que um computador --com um endereço IP de rede diferente-- seja reconhecido por um outro numa outra rede, será preciso utilizar um dispositivo conhecido por router ou roteador. Veja na figura abaixo como funciona o dispositivo router entre três subredes. O roteador é um dispositivo que tem capacidade de encaminhar todas as mensagens (dados) roteadas de várias e diferentes redes para os destinatários, mensagens estas que trafegam entre várias (ou milhares) de redes. Um exemplo é a rede mundial, a Internet, onde existem milhares de redes de diferentes arquiteturas e milhões de computadores interconectados, trocando informações de forma simultânea. E entre todas essas redes e computadores, estão os roteadores de pequeno porte, e os de gramde porte que operam com milhares de processadores que, neste caso, deixa de ser um simples dispositvo para ser uma super máquina computadorizada, com funções específicas e avançadas de roteamento de dados. O dispositivo router ou roteador (veja na figura abaixo um modelo exemplo da empresa CISC) é um dispositivo que direciona os sinais de dados na rede local ou remota. Também é um dispositivo de interconexão numa rede WAN. Neste caso, operando numa das camadas de rede do modelo OSI. O roteador possibilita fazer a interconexão por meio dos endereços lógicos da rede, pois possui todos os recursos para determinar qual o melhor endereço para se transmitir todos as 5

6 comunicações envolvidas nas redes e, ainda, fazer todo o roteamento entre várias redes interconectadas. Certos roteadores --os multimédia routers e os multi-protocol routers-- permitem interconectar modelos diferentes de redes, como a Ethernet, Token Ring entre outras e utilizando diferentes classes de protocolos --IPX/SPX, TCP/IP, entre outros. Bridge (Ponte) Este dispositivo conhecido por Bridge tem como finalidade interligar duas ou mais sub-redes (veja na figura abaixo um exemplo de rede bridgeb), formando assim, uma ponte entre dois seguimentos das redes. Com esta interligação entre as redes, a bridge (ponte entre as subredes) reduz o tráfego de dados em cada rede e, com isso, a performance das redes interconectadas é bem maior. De forma geral, um dispositivo bridge opera mais rápido que um roteador. Veja na figura acima um exemplo de duas redes interconectadas por meio de um dispositivo Bridge (Ponte). Gateway Muitos ambientes de rede operam com protocolos que são incompatíveis ou incomunicáveis. É aí que entra o sistema e o dispositivo Gateway (veja nesta figura abaixo um exemplo de rede Gateway), permitindo uma inter-conexão harmônica --comunicação completa-- entre os protocolos. 6

7 O Gateway ou porta de comunicão converte os pacotes de dados entre os protocolos, fazendo com que as redes operem de forma mais rápida e sem proble mas. Veja na figura acima um exemplo de como opera um Gateway. Switch Funcionando como uma bridge (ponte), o Switch ou comutador (veja a figura abaixo) recebe todos os frames e verifica qual o endereço destino e, sem aguardar a chegada completa de cada frame, envia-os imediatamente. Embora esta técnica --utilizar o cut-through, ou seja, reduzir o tamanho do frame já no início da transmissão-- fazer com que o tráfego dos frames ocorram mais rapidamente. O Switch ou comutador (distribuidor de sinais de dados) não verifica se algum pacote de dados (frames) chegou completo e sem erros ao destino, com isso, a rapidez na transferência dos pacotes pode ser prejudicada consideravel-mente. Pode-se encontrar no mercado Switchs utilizando portas de 10 Mb/ps (Ethernet), entre outros modelos, de acordo com cada fabricante, como o dois modelos da figura acima. Esses dispositivos, quando são de bons fabricantes, trazem integrados recursos ou técnicas extras, como por exemplo: FDDI Fiber Distribute Data Interface ou Interface de dados com distribuição por fibra óptica. RMON Remote Monitoring Network ou Monitoramento remoto de dados na rede. SNMP Simple Network Management Protocol ou Protocolo de gerenciamento de rede no modo simples. TrunKing ou algo como Controlador de portas; e o protocolo padrão IEEE 802.1P: Veja abaixo uma síntese das principais características técnicas destes recursos disponíveis em determinados dispositivos Switches: FDDI - Dispositivos switches que utilizam este recurso (veja um modelo exemplo na figura acima), possuem portas extras para a conexão de outros módulos que, futuramente, possam 7

8 ser pendurados na rede. Principal-mente quando se trata de atualização ou expansão da rede, empregando meios físicos de transmissão de dados como os condutores de fibras ópticas. Embora sendo de custo maior, os cabos de fibra ópticas dão maior segurança na rede, pois, além de imunizar a rede dos ruídos eletromagnéticos externos, aumenta consideralvelmente a largura de banda no tráfe-go nas sinalizações. RMON - Este recurso faz com que todas as informações que trafegam pela rede seja capturada em tempo real. Realizando ainda, monitoramento remoto e completo de todos os recursos básicos disponibilizados pelo padrão das redes Ethernet. As funções principais do recurso RMON é a de analizar, monitorar, detectar, isolar, diagnosticar e gerar relatórios, sobre estatísticas de pacotes, colisões, erros ocorridos na rede, etc.; históricos, sobre o armazenamento de estatísticas de amostragens expecifi-cadas pelo administrador da rede ou do dispositivo; e alarmes, sobre todo o tráfego que ocorre na rede, sendo os mesmos especificados pelo administrador. O RMON opera sob a camada MAC(Medium Access Controller ou Controle de acessos aos meios). SNMP - Com este recurso possibilita-se o gerenciamento de informações que trafegam pelas estações da rede, ou seja, possibilita gerenciar toda a rede. A técnica SNMP tem como função também, gerenciar o funcionamento do próprio dispositivo switch. Trunking - Este recurso gera características redundantes nas portas dos switches, possibilitando assim, eliminar as falhas, reduzir o trágego quando necessário para que não ocorra colisões na rede. Veja na figura acima um exemplo de colisão de dados na rede que, geralmente, ocorre no interior do dispositivo (ou dispositivos) central, no caso o hub. A técnica trunking faz o compartilhamento de todo o tráfego pelas portas do dispositivo, e caso uma das portas falhe, todas as outras integradas ao sistema continuam operando normalmente e transmisitido as informações que a porta (ou portas) defeituosa deixou de transmitir. Aqui, esta técnica exige no mínimo dois dispositivos switches para poder operar, já que as portas reservas devem estar num outro módulo. IEEE 802.1P Este recurso faz com que seja os switches que operam no nível três das redes, recebam 16 bits no nível dois, denominado de Tag. Assim, a técnica de pacotes empregadas pelo protocolo padrão 802.1P são conhecidos por Tagged frames. Vale resaltar que este tipo 8

9 de switch poderá ser incompatível com a estrutura de redes mais antigas, devido ao não reconhecimento dos 16 bits adicionais. Switch ELS100 Alguns modelos de switches --como os modelos ELS100, da empresa Cabletron-- empregam outras técnicas mais avançadas, conjuntamente com as já descritas acima. Estas técnicas mais avançadas são as seguintes, veja-as abaixo: IEEE 802.1D Empregando este protocolo, o switch modelo ELS100, utiliza uma tabela de endereçamento que armazena, filtra, transporta e possui suporte para endereços. Todos os endereços são armazenados de forma automática, sendo que os endereços estáticos (endereços fixos) e os dinâmicos (endereços configuráveis) são armazenados nesta tabela, e apenas um endereço estático (definido pelo fabricante do dispositivo) é disponibilizado para cada porta. Spanning tree Este recurso possibilita conexões do tipo redundante (proteção contra falhas) nos segmentos da rede LAN. Com esta técnica de spanning tree, cria-se dois (ou mais) meios físicos de transmissão entre os seguimentos de diferentes tipos, pendurados na rede, possibilitando-se assim, relacionar qual o caminho (ou caminhos) que deverá ser utilizado em caso de falhas nos meios físicos ativos. Jacks (Tomadas) As placas de rede também utilizam jacks ou tomadas fêmeas (veja na figura ao lado três tomadas) de oito vias, tipo RJ-45 (Registered Jack 45 ou Tomada registrada sob o número 45) para receber os conectores também tipo RJ-45 macho (veja três deles na figura ao lado). O cabo que se utiliza é o par trançado de quatro pares de fios (8 fios) na cor azul, sendo compatível com os padrões 10Base-T, 100Base-TX e o 100Base-T4. Contudo, caso os instaladores de redes utilizem somente as vias 1 e 2 (Par 1) nas ligações para a transmissão dos sinais de dados, e as vias 3 e 6 (Par 2) para a recepção dos sinais de dados. A rede não conseguirá a performance dos 100 Mb/ps. Modelos Padrão Já com as placas de rede utilizando o padrão 100 Base-TX e 100BaseT4, deve-se utilizar todas as oito vias (alguns chamam de trilhas) e os oito fios os quatro pares de fios-- para a transmissão e a recepção de dados. Sendo que as vias 1 e 2 --Par D2, só para transmissão; vias 4 e 5 --Par D1; e as vias 7 e 8 --Par D4, utiliza-se para a transmissão/recepção dos sinais de dados. Já as vias 3 e 6 -- Par D3, só para recepção; e novamente as vias 4 e 5 --Par D1; e as vias 7 e 8 --Par D4, são utilizadas para a recepção/transmissão dos sinais de dados. 9

10 Outra função importante das vias 3 e 6 (Par D3), é a de captar sinais de colisões de dados que ocorrem numa rede local. Esses sinais de colisões quando ocorrem numa rede local, dependendo do grau da colisão, pode parar toda a rede em segundos. WOL (Wake On Lan) Muitas placas de rede suportam o recurso WOL --Wake On Lan ou algo como Ligar o micro e ativar a rede. Comm este recurso encontrados na maioria das NICs modernas -- caso o PC utilize uma fonte de tensão tipo ATX e a placa-mãe suporte o modo WOL, e também seja do tipo ATX. Será possível ligar o micro remotamente numa rede local, como ocorre com monitores modernos. Neste caso, o micro visto externamente está desligado mas, internamente, ele está ligado, ou seja, ele está operando no modo de economia de energia. Endereço MAC Vale ressaltar aqui que cada placa de rede disponibilizada pelo mercado, são fabricadas para utilizar um endereço fixo físico e específico de hardware, e também um endereço lógico na rede, que é o endereço IP (veja a figura abaixo, item Ethernet Address:...00 CD DF OE 60 48). Neste caso, numa rede LAN entando ou não conectada a Internet--, além do endereço IP utilizado, esta rede via NIC, também utiliza o endereço MAC (Médium Access Control ou Controle de acessos aos meios). Sendo que em redes de computadores, este endereço físico é definido pela organização internacional conhecida por IEEE, para cada fabricante de placa de rede com o padrão (Ethernet), (Token ring) e (Wireless). Todas as placas de redes ou NICs (Network Interface Connection) possuem o seu endereço MAC, gravado na própria NIC. Este endereço MAC --endereço físico-- é formado por dois grupos de três Bytes cada, formando-se assim, um único grupo de seis Bytes (48 bits). Esses 48 bits elevados à potência de dois (2 48 ), resulta em ou Giga endereços 10

11 possíveis. Porém, a rede Ethernet toma para si dois bits que, neste caso, todo o endereçamento reduz para endereços realmente disponíveis. Toda esta capacidade do endereçamento MAC, é especificada em doze valores no formato hexadecimal, algo como 00-E0-7D-7C-77-0F, no mapa de endereçamento da máquina. Este endereçamento não é especificado aleatóriamente, e sim, da seguinte forma: Os três primeiros Bytes especificados em valores hexadecimais 00-E0-7D e em binários refere-se a empresa que fabrica a NIC de rede que, aqui no caso, e a NIC ENL832-TX, produzida pela empresa ENCORE. Já os outros três Bytes em valores hexadecimais 7C-77-0F e em binários , referem-se ao número identificador da NIC. Cada fabricante deste produto deve solicitar permissão para poder fabricar adaptadores de redes, caso o mesmo não obtenha esta permissão, ele não poderá colocar o produto no mercado. Neste caso, a ENCORE obteve o Node ID.(IDentificação da ligação) E0 7D 7C 77 0F mais o I/O Base...A000 H Entrada/Saída base, utilizados pelo, modelo NIC ENL832-TX (veja a figura abaixo do programa Rset8139.exe), para os modelos de placas de rede produzidas pela Encore. Tècnica NewWAY Esta tecnologia Nway ou algo como Nova forma de comunicação, desenvolvida pela National Semiconductor e utilizada nos padrões Ethernet 10BaseBand-T; Ethernet 100BaseBand-TX; e no Ethernet 100Baseband-T4. Tem como função especial fazer a comutação entre os padrões 10Base-T, 100Base-TX e/ou o 100Base-T4, caso a respectiva placa de rede suporte esta tecnologia e os modos de transmissão em 10Base-T, 100Base-TX e/ou o 100 Base-T4. Isto significa que, caso a NIC do PC 1, por exemplo, suporte ó 100Base-TX ou o 100Base-T4, mas a NIC do PC 2 só suporte o modo 10Base-T. A NIC do PC 1 fará a comutação (ou operará) no modo do 10Base-T, ou seja, operará com taxas de 10 Mb/ps. Observe na tela abaixo do programa Rset8139.exe Setup da placa, na terceira linha (segundo quadro) e na nona linha (terceiro quadro). Os itens Flow Control:... Nway Flow 11

12 Control Enable e Flow control:..tx Disable, RX Disable (Nway), refeentes à tecnologia Nway. Algumas NICs empregam, para este termo NWay --utilizando a sua memória ROM BIOS--, o termo Auto-Negotiation, que significa Auto-configuração. Bus Mastering Além do recurso WOL, muitas NICs modernas operam caso o chipset das mesmas suportem-- com o recurso conhecido por BM (Bus Mastering ou algo como Barramento mestre em anel), é o caso desta placa produzida pela empresa ENCORE. Esta técnica possibilita que o modo DMA (Direct memory Access ou Acesso direto a memória) seja ativado nas transmissões/recepções de dados pela NIC. Isto significa que a transmissão e recepção dos dados, serão realizadas diretamente entre a memória principal do PC e a memória EEPROM da NIC. Com isto, a CPU (processador principal do PC) ficará livre para executar outros processamentos pendentes. Ou seja, dados que estão na fila de espera para serem processados e enviados para a memória principal SDRAM, do PC. Memória EEPROM Citando aqui, como um exemplo de memória EEPROM utilizadas na maioria das NICs. Na parte central do soquete, seta maior (veja a figura abaixo) para a instalação de um pequeno módulo de memória do tipo ROMBIOS, para que a máquina estação possa operar no sistema de boot remoto. No interior deste socket no formato DIP, encontra-se um pequeno chip (veja na figura ao lado, a seta menor) que, no caso da placa de rede NIC ENL832-TX, utiliza uma memória tipo EEPROM, com capacidade de 64 palavras --64 Bytes, sendo que cada palavra opera com largura de 16 bits 2 Bytes. Nesta memória deste pequeno chip (veja figura da placa acima), estão gravadas todas as informações técnicas que a placa ou melhor dizendo-- que o chipset desta, o Realteck8139B, suporta. Como por exemplo: Técnica Nway, Bus Mastering, Auto- Negotiation, entre muitas outras (veja programa Setup Rset8139.exe acima). Esta memória ROMBIOS --que não acompanha a placa, destina-se para o armazenamento de informações relacionadas com o boot remoto da respectiva máquina estação, pendurada na rede. Isto quando a máquina está pendurada numa rede do tipo Diskless Sem disco fixo ou HD. LEDs Geralmente, numa placa de rede como a NIC ENL832-TX, o LED (Light Emitting Diodes ou Diodos emissores de luz) especificado como Link Ligação, indica --quando aceso-- que a máquina estação por exemplo, está recebendo sinais de dados. Já o Act Active ou Ativo, indica que a máquina está transmitindo os sinais de dados. ECC (Error Correction Code) 12

13 Com cada pacote (frame) disparado (ou enviado) pela placa de rede. Seguem ainda informações tais como: o endereçamento MAC endereço de origem e destino; o protocolo utilizado na transmissão das informações; os dados --informações digitais sobre o conteúdo do tráfego que realmente interessam ao usuário); os dados de correção de erros na rede, especificado como ECC (Error Correction Code ou Código de correção de erros), etc. PRO/1000T Algumas empresas --como a Intel, por exemplo --, são doentes por dispositivos velozes nas transferências de dados. Sendo que a estrutura do cabeamento utilizado, continua sendo a do tipo par trançado de cobre na cor azul, com a tecnologia CAT 5 (Nível 5). Veja um modelo na figura ao lado. Um exemplo disso é a mega empresa Intel, que já está disponibilizando no mercado de dispositivos para rede de computadores, modelos de placas para rede, como a PRO/1000T --padronização do IEEE 802.3ad. Ou seja, essas placas suportam transferên-cias de pacotes de dados numa vazão de 1 Gb/ps --mais precisamente, bits por segundo (128 MB/ps). Modo Plug and Play Há alguns anos atrás, para se instalar uma rede LAN, o técnico em rede de PCs era obrigado à ter um bom conhecimento e domínio sobre todo o hardware das máquinas, pois os dispositivos --e também os sistemas operacionais-- não davam suporte ao modo Plug and play. Em informática Plug and play é algo como Conectar (veja na figura ao lado como se conecta um placa de rede num slot PCI), ligar e usar a máquina. Atualmente é tudo muito fácil, tão fácil que muitas placas-mãe já vem com uma adaptadora de rede de 10/100 Mb/ps onboard (embutida na própria placa-mãe) e prontinha para ser usada. Bastando apenas instalar os drivers --caso o sistema operacional não os tenha instalado, ou seja, não possuia os mesmos. Caso a placa de rede não seja do tipo onboard, será preciso abrir o gabinete e conectá-la num Slot ISA de 16 bits ou 2 Bytes --caso esta placa de rede seja do tipo ISA) e, ou então, num Slot PCI de 32 bits ou 4 Bytes. Depois de conectar a adaptadora de rede e ligar o computador, o sistema operacional fará todo o trabalho, mas desde esta adaptadora seja do tipo Plug and play e o sistema operacional --o Windows 95/98, por exemplo-- disponibilize os drivers corretos para habilitar a referida adaptadora de rede. 13

14 Modo Full-Duplex Em redes de computadores, o modo full-duplex refere-se à dois sinais trafegando simultaneamente por um mesmo meio no caso aqui, o fio condutor. Ou seja, sinais elétricos de dados trafegando ao mesmo tempo mas em sentidos contrários e por uma mesma estrada mas de mão dupla pelo fio condutor do cabo, por exemplo. Este recurso full-duplex --disponível em muitas placas de rede de fabricação mais recente (veja na figura mais acima, quinta linha no primeiro quadro). Não é suportado pelos hubs comuns, sendo que apenas os equipamentos denominados de switches (comutadores) é que suportam este modo de transmissão. O modo full-duplex em rede significa que a transmissão e, consequentemente, a recepção dos pacotes de dados, ocorrem sempre ao mesmo tempo. Isto significa performance em dobro na rede, pois o sistema não precisará esperar a chegada dos pacotes de dados para que possa enviar outros. Colisão de dados Dever ser lembrar que as colisões de dados (veja na figura abaixo um exemplo de como ocorrem as colisões de dados na rede) ocorre quando duas máquinas estações (ou mais) fazem transmissões ao mesmo tempo, principalmente nas redes Ethernet comuns, ou seja, as que operam no modo half-duplex. Lembrando que no caso das redes utilizando cabos par trançado, as colisões ocorrem no interior do hub e, no caso das redes utilizando cabos coaxiais, as colisões ocorrem no interior do próprio cabo ou nas NICs. Já nas redes Ethernet que operam no modo full-duplex, este problema --colisões de dados-- não ocorre. Contudo, os hubs comuns (os mais antigos por exemplo), não suportam a técnologia Full-duplex. MAC (Medium Acess Control) Contudo, como o sistema de endereçamento MAC (Medium Acess Control ou Controle de acesso aos meios) e o CSMD/CD não suportam transmissões e nem recepções de pacotes de dados no modo full-duplex --que só suporta o modo simplex e o modo bidirecional half-duplex. 14

15 Caso ocorra uma transmissão e recepção no modo full-duplex ou algum outro tipo de transmissão/recepção ao mesmo tempo. Será interpretado pela técnica MAC-CSMA/CD, como sendo uma colisão de sinais de dados. Neste caso, a rede certamente não funcionará. Negociação Também, no modo full-duplex, cada máquina estação deve fazer uma negociação em linha direta com as outras máquinas estação penduradas na rede. E, devido a isto -- máquinas estações negociando em linha direta com outras máquinas estações--, redes que empregam sinalizações no modo full-duplex, não se pode utilizar os dispositivos hubs. Isto porque --os hubs (como este da figura acima)--, são apenas dispositivos intermediadores de sinalizações nas redes, entre as máquinas sejam elas estações ou não-- penduradas na rede. Ou seja, negociam em linha direta com o hub e, este, em seguida repassa para as outras máquinas-- as informações que acabou de receber. E, na medida do possível, sem erros e na íntegra. Este hub da figura acima é um modelo bem mais avançado. Neste caso, já que não se pode utilizar hubs na rede, deve-se empregar circuitos comutadores de sinais entre as estação. Estes circuitos, só são disponibilizados por dispositivos conhecidos em redes, por Switches. Modo Half-Duplex Observando a figura abaixo, numa ligação tipo cross-over ou cruzar do outro lado, para o padrão Ethernet 100Base-TX e 100Base-T4, e utilizando cabo par transado tipo Cat 3, 4 e 5. Você verá numa ligação cruzada ou simplesmente cross-- que no conector A do Micro A. As vias 1 TX+ e 2 TX- vias estas que operam no modo de transmissão simplex, ou seja, o Micro A. Só fará uma transmissão pelas suas vias 1 TX+ e 2 TX- (fios Brancoverde e Verde), depois de receber a transmissão completa do Micro B, pelas suas vias 3 RX+ e 6 RX-. 10BaseT/100BaseTX CAT B 4 Pares/8 Fios CROSS-O. Conector A < 8 Fios / 8 Vias > Conector B Conector A <8 Fios / 8 Vias > Conector B Fio 1/ Via 1+/P2 < >Fio 1/Via 3+ /P3 1 1 Fio 2/Via 2- /P2 < >Fio 2/Via 6- /P3 2 2 Fio 3/Via 3+ /P3 < >Fio 3/Via 1+./P2 3 3 Fio 4/Via 4+ /P1 < >Fio 4/Via 5- /P1 4 4 Fio 5/Via 5- /P1 < >Fio 5/Via 4+ /P1 5 5 Fio 6/Via 6- /P3 < >Fio 6/Via 2- /P2 6 6 Fio 7/Via 7+/P4 < >Fio 7/Via 8- /P4 7 7 Fio 8/Via 8- /P4 < >Fio 8/Via 7+ /P4 8 8 Isto quer dizer que, enquanto o Micro A estiver recebendo uma transmissão, ele não poderá fazer transmissão. E, enquanto o Micro B estiver transmitindo --pelas suas vias 1 15

16 TX+ e 2 TX--, ele também não poderá receber transmissão alguma, até que se complete a transmissão que está fazendo para o Micro A. Já com as vias 4 BD+ e 7 BD+ vias estas que operam no modo de transmissão halfduplex. Isto é, dados trafegando ao mesmo tempo por dois caminhos diferentes mas em sentidos opostos>. Ou seja, o Micro A não precisará esperar que a transmissão que está sendo feita pelo Micro B seja completada. Para que ele possa fazer uma transmissão pelas suas vias 4 BD1+ e 7 TX2+, para o mesmo Micro B, ou para um outro Micro? qualquer da rede. Aqui, isto quer dizer que o Micro A que está recebendo pelas suas vias 5+ e 8-). Fará a transmissão antes mesmo de completar a transmissão que está sendo feita pelo Micro B, pelas suas vias 4 BD+ e 7 BD-, para o Micro A. Neste caso, a performance na rede é muito superior. E, devido a isto, que as ligações dos fios condutores 4/Azul e 5/Branco-azul e 7/ Branco-marrom e 8/Marrom, do cabo par trançado de sinais elétricos de dados, são feitas de modo diferente. Veja um exemplo na figura ao lado. Outras Ligações Se você ligar o fio Azul no pino 4 do conector A e este mesmo fio Azul no pino 7 do conector B. E ainda, se você ligar o fio Branco/Azul no pino 5 do conector A e este mesmo fio Branco/Azul no pino 8 do conector B. Este tipo de ligação (veja o quadro abaixo) é utilizado como padrão-- nos padrões 10Base-T/100Base-TX/100Base-T4. Isto quando se conecta duas placas, sendo uma 10BaseT e a outra 100BaseTX, e a placa de rede 100BaseTX faz o chaveamento automático para o 10BaseT. Porém, se a placa não suportar este recurso chaveamento automático--, sua rede poderá ter problemas nas transmissões. Principalmente, quando as placas de rede estiverem operando com o padrão Ethernet 100BaseT4. 100BaseTX 100BaseT4 4 Pares/8 fios 568-B Ligações CROSS-OVER. Conector A < 8 Fios / 8 Vias > Conector B Conector A <8 Fios / 8 Vias > Conector B Fio 1/ Via 1+/P2 < >Fio 1/Via 3+ /P3 TX 1 1 Fio 2/Via 2- /P2 < >Fio 2/Via 6- /P3 TX 2 2 Fio 3/Via 3+ /P3 < >Fio 3/Via 1+./P2 RX 3 3 Fio 4/Via 4+ /P1 < >Fio 4/Via 5- /P1 RD 4 4 Fio 5/Via 5- /P1 < >Fio 5/Via 4+ /P1 BD 5 5 Fio 6/Via 6- /P3 < >Fio 6/Via 2- /P2 RX 6 6 Fio 7/Via 7+/P4 < >Fio 7/Via 8- /P4 BD 7 7 Fio 8/Via 8- /P4 < >Fio 8/Via 7+ /P4 BD 8 8 Ligações Diretas Se você observar a figura gráfica abaixo, numa ligação tipo straugh-through --direta e reta, também para o padrão Ethernet 100Base-TX e 100Base-T4. Utilizando cabo par trançado tipo Cat 3, 4 e 5, você notará o seguinte. Nesta figura abaixo você verá que neste 16

17 tipo de ligação (ligação direta), que no conector A (Micro A), as vias 1 TX1+ e 2 TX2- vias estas que operam no modo de transmissão simplex. 100BaseTX 100BaseT4 4 Pares/8 fios 568-B Ligações DIRETAS Conector A < 8 Fios / 8 Vias > Conector B Conector A <8 Fios / 8 Vias > Conector B Fio 1/ Via 1+/P2 < >Fio 1/Via 3+ /P3 TX 1 1 Fio 2/Via 2- /P2 < >Fio 2/Via 6- /P3 TX 2 2 Fio 3/Via 3+ /P3 < >Fio 3/Via 1+./P2 RX 3 3 Fio 4/Via 4+ /P1 < >Fio 4/Via 5- /P1 RD 4 4 Fio 5/Via 5- /P1 < >Fio 5/Via 4+ /P1 BD 5 5 Fio 6/Via 6- /P3 < >Fio 6/Via 2- /P2 RX 6 6 Fio 7/Via 7+/P4 < >Fio 7/Via 8- /P4 BD 7 7 Fio 8/Via 8- /P4 < >Fio 8/Via 7+ /P4 BD 8 8 Ou seja, o Micro A só fará uma transmissão pelas suas vias 1 TX1+ e 2 TX2- depois de receber a transmissão completa (pelas suas vias 3 RX1+ e 6 RX2-. Não do Micro B, mas sim do dispositivo central pendurado na rede. Que, neste caso, este dispositivo central é o Hub. Aqui (numa ligação direta), como pode ser observado pela figura acima, que a via de transmissão 1 TX1+ do Micro A (conector A) e a mesma via 1 TX1+ do Micro B (conector B), só transmitem. Enquanto que a via de recepção 6 RX2- do Micro A e a mesma via 6 RX2- do Micro B, só recebem. Neste caso aqui exemplificado. Quando se faz a ligação de dois (ou mais) micros utilizando este tipo de ligação de cabos par trançado, a rede não funciona. Agora, quando se conecta um Hub (veja na figura ao lado um modelo de hub) fazendo a ponte --ou seja, convertendo e direcionando os sinais para as portas de saída-- entre as máquinas penduradas na rede, não haverá conflitos. Sendo que o Hub converte o sinal (TX+) transmitido pela via 1 TX1+ do Micro A, para o sinal (RX+), já na sua via de entrada, a via 3 RX1+ --como se ele (o Hub) fosse o Micro B. Já no interior do Hub (veja nesta figura ao lado), este sinal RX+ é novamente convertido para o sinal TX+ e, em seguida, o hub dispara este sinal para a via da placa de rede 3 TX+ do Micro B. Portanto no interior do hub--, houve uma ligação do tipo cross ou cruzada. Como pode-se notar, o hub deve ser de boa qualidade para não haver falhas nas conversões ou cruzamentos dos sinais no interior do mesmo. Sendo que, pelo padrão Ethernet mais recente --em um segundo de tempo--, o hub deve operar com taxas de recepção de dados dos micros à 100 Megabits e, neste mesmo segundo de tempo, converter os sinais e fazer a transmissão para os micros pendurados na rede. 56 Placas de Redes 17

18 Com um hub de oito portas, por exemplo, você consegue conectar até oito micros utilizando uma placa de rede para cada micro, ou seja, um total de 8 placas. Porém, para conectar estes mesmos oito micros sem um hub, você necessitaria caso a máquina suportasse-- de 7 placas de rede para cada micro. Num total de 56 placas de rede (8 micros x 7 placas=56). Neste caso, o Micro 1 precisaria de 7 placas para se conectar com os outros 7 micros da rede. Ou seja, com os Micros 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8; o Micro 2 também precisaria de 7 placas, para se conectar com os outros 7 micros, com os Micros 1, 3, 4, 5, 6, 7 e 8; e assim por diante... Sistemas Operacionais Um sistema operacional é um software (programa) que terá como função principal, estabelecer a comunicação, gerenciar todos os recursos e todos os dados que trafegam pela rede. Numa rede local simples, as versões de sistemas operacionais mais utilizadas são o Win95, Win95 Plus e, mais recentemente, do Win98 PE (Primary Edition), Win98 SE (Second Edition), do Win98 ME (Millennium Edition veja na figura ao lado um exemplo de um PC rodando com o Windows ME) e do Win XP (experience). Que está predominando nas redes locais atuais e também no microcomputadores modernos. Além dos sistemas operacionais para PCs que operam em redes de computadores citados acima, como o Windows 95 e 98. A Microsoft disponibiliza --para serem utilizados em PCs servidores corporativos-- outros sistemas operacionais pesados que dominam o mercado mundial, como as seguintes versões do poderoso sistema Windows NT e do Windows 2000: WNT 4.0 Workstation Esta versão roda em PCs estações de trabalho em redes de computadores com PCs ser vidores operando com o WNTServer. Suporta até 10 conexões simultâneas e possibilita ainda, compartilhar arquivos e impressoras. WNT 4.0 Server Edition Esta versão possui todas os recursos disponíveis no WNT 4.0 Workstation e outros recursos mais avançados direcionados para rede de computadores de grande porte. É um sistema operacional direcionado para operar com PCs servidores de arquivos rodando com até 4 processadores simultaneamente. Veja na figura ao lado uma máquina com o Windows NT Server instalado). 18

19 WNT 4.0 Enterprise Edition Esta versão é um poderoso servidor de arquivos, com suporte para até 4 GB de memória RAM. Roda em PCs servidores com até 8 processadores da linha Alpha, da Compaq, operando simultaneamente. WNT 4.0 Server Terminal Edition Esta versão é um sistema mais avançado do WNTS, possibilitando que PCs simples rodem programas sem problemas, como um 386 rodando programas como o Word2000. Este sistema permite que se associe terminais numa rede. PC Terminal Um PC terminal (veja um exemplo na figura abaixo) pendurado numa rede de computadores, é aquele que não possui um sistema operacional instalado e dedicado. O PC Terminal roda à partir um programa especial instalado no PC Server Terminal (o Windows NT 4.0 Server Terminal Edition é um exemplo de sistema operacional que possui este recurso). Atualmente este recurso está integrado no próprio Win 2000 Server. Para que o PC Terminal funcione é preciso que o PC Server Terminal esteja ligado pois, ao ligar o PC terminal, um programa especial é carregado na memória e a conexão é realizada. Por meio de configurações feitas no PC Server Terminal, especifica-se qual o sistema operacional que ficará disponível ao PC terminal. Assim, como todo o processamento estará sendo realizado no PC Server Terminal, o PC Terminal mesmo sendo por exemplo um 386 DX-- opera tranquilamente sob um Windows 95/98 e com o MS-Office 95/97. Na verdade o que o usuário manipula na tela de um 386DX de 40 MHz e com 4 MB de memória RAM, são apenas as imagens dos programas que --em tempo real-- estão sendo executados no PC Server Terminal Edition. PC Estação Lembre-se que um PC Estação (PC Cliente) da rede é aquele que opera normalmente, estando ou não pendurado numa rede LAN, por exemplo. Ou seja, ele possui um sistema operacional instalado (Windows 9X) e outros itens que são encontrados nos PCs normais de um escritório. Win 2000 Server O Windows 2000 Server é o sistema operacional substituto do Windows NTS 4.0 Server, totalmente redefinido, com muitas mudanças que serão necessárias reaprendê-las novamente. 19

20 Win 2000 Professional Atualmente o Windows 2000 Professional é o sistema operacional substituto do WNT Workstation, com muito mais e novas tecnologias de programação mais avançada. Win 2000 Advanced Server É o substituto do sistema operacional WNTS 4.0 Enterprise Edition, porém muito mais poderoso, suportando até 64 GB de memória RAM instalada e até 4 processadores operando simetricamente. Win 2000 Datacenter Server É um poderoso sistema operacional que suporta até máquinas com até 32 processadores operando no modo SMP (Symmetric Multiprocessing) e até 64 GB de memória RAM instalada. Foi projetado para rodar em potentes computadores servidores de redes corporativas, como por exemplo, um servidor de consolidação em grande projetos e aplicações direcionadas para a Web e em grande escala. Sistema Novell Os administradores de rede podem contar ainda com mais dois sistemas operacionais para PCs servidores corporativos de redes, como o Novell NetWare 5, e o tão badalado no momento, o Linux. Há referências na mídia que lidam diretamente com sistemas operacionais para PCs servidores, que o Novell NetWare era um dos melhores sistemas disponíveis no mercado, até a chegada do Windows Sistema operacional Linux Quanto ao Linux o famoso Pinguin estável e operacional (veja a figura ao lado)--, é um sistema operacional para PCs servidores de redes, que tem o grande atrativo de ser praticamente grátis, ser muito estável e, estando bem configurado, possui um sistema de segurança quase que no mesmo nível do Windows NT Server e Windows 2000 Server. O único problema, é que o Linux --à nível de usuários de computadores Desktops (PCs rodando com o Windows 95 e 98, por exemplo)-- é um sistema muito complexo, difícil de instalar e configurar, principalmente quando operando em rede. Para início de conversa, será preciso ter bons conhecimentos de como instalar e, principalmente, como configurar um Linux para ser utilizado numa rede LAN de grande porte. 20

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

COMPONENTES BÁSICOS DE

COMPONENTES BÁSICOS DE COMPONENTES BÁSICOS DE REDES 2ºPARTE Prof. Me. Hélio Esperidião SWITCH O SWITCH opera de forma mais inteligente. Ele analisa os pacotes de dados que chegam a ele e descobre os endereços de origem e destino.

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Sistemas Computacionais

Sistemas Computacionais 2 Introdução Barramentos são, basicamente, um conjunto de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o seu exterior, ou seja, com a memória, chips da placa-mãe, periféricos, etc. Há vários

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato Redes Ygor Colen Morato Histórico : Década 50 primeiros computadores, chamados de Mainframes. Processamento em lote ou batch. Década 60 primeiros terminais interativos. Porém sem capacidade de processamento.

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento

Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Organização e arquitetura de computadores Protocolos de barramento Alunos: José Malan, Gustavo Marques, Johnathan Alves, Leonardo Cavalcante. Universal serial bus (USB) O USB é um padrão da indústria que

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Principais Componentes Barramentos Placa Mãe Processadores Armazenamento

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Interfaces Câmera PC Analógica, Firewire, GigE, Camera Link, USB Introdução

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR:

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: 1.0 PROCESSADOR 1.1 Um processador Intel com arquitetura 64 Bits compatível com o equipamento ofertado e tecnologia de 65nm e núcleo duplo E4500; 1.2

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Dispositivos de Interconexão

Dispositivos de Interconexão Dispositivos de Interconexão Esta aula tem por objetivo a apresentação dos diversos dispositivos de interconexão utilizados pelas redes de comunicação. Interconexão de Redes Internetworking, ou mais simplesmente

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais