Título: ANALISANDO OS LIMITES DE TOLERÂNCIA BRASILEIROS. Autoras: Teresa Cristina Nathan Outeiro Pinto* Maria Cristina Espósito Silvério P.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: ANALISANDO OS LIMITES DE TOLERÂNCIA BRASILEIROS. Autoras: Teresa Cristina Nathan Outeiro Pinto* Maria Cristina Espósito Silvério P."

Transcrição

1 Título: ANALISANDO OS LIMITES DE TOLERÂNCIA BRASILEIROS Autoras: Teresa Cristina Nathan Outeiro Pinto* Maria Cristina Espósito Silvério P. da Silva** *Engenheira química e de segurança do trabalho, pesquisadora da Fundacentro, atua na área de segurança e higiene do trabalho há 18 anos, mestranda em sistema integrado de gestão pela FUNDACENTRO/SENAC **Arquiteta e engenheira de segurança do trabalho, pesquisadora da Fundacentro, atua na área de segurança e higiene do trabalho há 27 anos,, mestranda em sistema integrado de gestão pela FUNDACENTRO/SENAC 1. Introdução: Nos dias atuais o termo gestão de saúde e segurança no trabalho vem sendo cada vez mais utilizado. Inseridas nesse conceito, estão todas as ferramentas técnicas e gerenciais de tomada de decisão referentes à manutenção da saúde e da segurança dos trabalhadores, entre elas as relativas à higiene ocupacional. O rol de ferramentas hoje utilizadas por higienistas ocupacionais para, cada vez mais, racionalizar e otimizar a tomada de decisões é tão extenso que seria impossível citá-las aqui. Entretanto, um dos principais parâmetros comparativos da higiene ocupacional ainda continuam sendo os limites de tolerância (LT), principalmente porque esses são fixados pela legislação trabalhista brasileira, por meio da Portaria de 8 de junho de , do Ministério do Trabalho e Emprego em sua Norma Regulamentadora nº 15 (NR-15), denominada Atividades e Operações Insalubres. 1

2 A citada Norma regulamenta a concessão do chamado adicional de insalubridade aos trabalhadores que labutam em condições consideradas de risco à saúde pela legislação. Por outro lado, o Brasil dispõe de uma legislação específica da Previdência Social, que prevê a concessão de aposentadoria especial a trabalhadores expostos a risco de doença ocupacional. Ao contrário do que se espera, entretanto, os parâmetros para concessão de insalubridade e aposentadoria especial nem sempre são os mesmos, ou seja, as legislações previdenciária e trabalhista divergem em alguns pontos. Recentemente, a legislação previdenciária foi alterada, por meio da Instrução Normativa 99 (IN 99) do Ministério da Previdência Social 12, o que vem acarretando algumas dúvidas, principalmente no que se refere ao agente ambiental ruído. Este artigo tem por objetivo analisar a utilização e as limitações de nossos limites de tolerância, esclarecer eventuais dúvidas sobre sua aplicação, propor soluções e tecer recomendações que possibilitem a otimização de seu uso enquanto ferramenta de gestão de segurança e saúde no trabalho. O item 2 deste artigo apresenta um breve histórico do desenvolvimento dos limites de tolerância no Brasil, incluindo as definições mais comuns e a evolução da legislação. O item 3 trás uma discussão sobre as limitações existentes quanto ao uso dos limites de tolerância. Nos itens 4 e 5 são apresentados parâmetros da NR 15 e da IN 99, respectivamente, enquanto o item 6 tece comentários sobre similaridades e diferenças entre elas. O item 7 mostra dados reais de avaliação ambiental de ruído, exemplificando a comparação entre os parâmetros da NR 15 e da IN 99, adotados para esse agente ambiental. As conclusões finais do trabalho são apresentadas no item Antecedentes Os valores dos LTs Os valores dos limites de tolerância da Portaria 3214/78 5 foram estabelecidos com base nas recomendações da ACGIH American Conference of Governmental Industrial Hygiene, que é uma entidade internacional dedicada ao estudo e à proposição de limites para os vários agentes ambientais, os chamados Thresold Limit Value (TLV ), ou limites de exposição. 2

3 Freitas e Arcuri (1977) 7, confirmam: no Brasil, em 1977, cerca de 150 agentes químicos são listados no Anexo 11 da citada Norma (NR 15), com limites de tolerância calculados para exposições semanais de 48 horas. Os valores são ligeiramente inferiores aos da lista da ACGIH de 1977, que serviu de base para a Norma brasileira, porque foram adaptados da jornada de 40 horas daquele país para a nossa de 48 horas à época, usando-se fórmula desenvolvida por BRIEF e SCALA, de A fórmula citada, denominada fórmula de Brief e Scala 6, segue: 40horas / semana det rabalho xhoras / semanasemexp osição xhoras / semansdeexp osição 128horasporsemnadedescanso Figura 1 - Fórmula de Brief e Scala 6 Os TLVs da ACGIH, entretanto, também são questionados. Vasconcelos (1995) 15, conta que em 1988, Castleman & Ziem estudaram o processo de definição dos TLVs de 104 substâncias (químicas), demonstrando que, na grande maioria dos casos estudados, os padrões estavam baseados em poucas evidências científicas, por vezes sem a mínima revisão de literatura. O estudo repercutiu entre pesquisadores da área (Abrams, 1988; Djerassi, 1988; Dror, 1988; Elkins, 1988; Finklea,1988; Frank, 1988; Fraser, 1988; Lerman, 1988; Morton, 1988; Nordberg et al., 1988; Parmeggiani, 1988; Sass, 1988; Silbergeld, 1988; Tsuchiya, 1988; Woitowitz, 1988; Ahiberg, 1989; Frumkin, 1989; Sentes, 1989; Castleman & Ziem, 1990; Coles, 1990), com a maioria dos autores colocando-se numa posição crítica à ACGIH. As críticas a ACGIH e aos métodos de desenvolvimento dos TLVs na verdade não impedem que diversos países, inclusive o Brasil, adotem esses valores como limites de tolerância, embora aplicadas sob conceitos diferenciados de exposição ocupacional, como a "Concentração Máxima no Ambiente de Trabalho" da Republica Federal da Alemanha, a lista de "Padrões de Exposição Ocupacional" da Grã-Bretanha, a lista de "Limites Máximos Permissíveis de Exposição" do Japão e a lista de "Valores de Limites Higiênicos" da Suécia (ROACH e RAPPAPORT, 1990, apud Freitas e Arcuri, 1997). 7 A própria ACGIH faz ressalvas quanto à utilização dos TLVs. Os TLVs são desenvolvidos como guias para auxiliar no controle dos riscos à saúde. Essas recomendações ou guias devem ser utilizadas na prática da Higiene Ocupacional, sendo aplicadas e interpretadas somente por pessoas capacitadas nessa disciplina. Eles não são desenvolvidos para uso como padrões legais e a ACGIH não advoga que sejam utilizados para tal. O profissional que utilizar os 3

4 TLVs deve reconhecer as restrições e limitações inerentes a eles e assumir a responsabilidade por tal uso (ACGIH, 1989). 2 A definição de LT A definição de limite de tolerância constante no item da NR-15 da Portaria 3214/78 5, difere da definição adotada pela ACGIH. Definição legal: Entende-se por Limite de Tolerância, para os fins dessa Norma, a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral. Freitas e Arcuri (1997) 7 comentam sobre a definição legal, afirmando que a mesma repete a prática de diversos países, de atribuir ao LT uma suposta idéia de proteção à saúde, segundo a qual exposição crônica a concentração ambiental abaixo deste valor não causaria riscos à saúde. Definição da ACGIH: Os TLV, são níveis ou concentrações a que se acredita que a maioria dos trabalhadores possa estar exposta, dia após dia, sem sofrer efeitos adversos à saúde. (ACGIH, 1958). 1 Essa definição diz claramente que os TLVs se referem à maioria da população exposta, indicando que os limites não são linhas divisórias fixas entre garantia de saúde e possibilidade de doenças. Isso se deve ao fato de que existem pessoas mais susceptíveis a ação de determinado agente nocivo, por motivos diversos. (ACGIH, 2003) 3. Gruenzner (2003) 9, explica: A diferença entre a definição técnica dos TLVs e a definição legal dos LTs é que a lei não pode fazer distinção entre pessoas, e os LTs se aplicam igualmente a todos os trabalhadores, devendo garantir que se a exposição ao agente estiver abaixo do LT, não haverá dano à saúde do trabalhador. Por outro lado, a definição técnica não é tão rígida, permitindo que os limites de exposição não sejam aplicados a todos os trabalhadores, devido à variação da susceptibilidade individual, em que uma parcela poderá apresentar até uma determinada doença em concentrações iguais ou inferiores ao LT. A evolução da legislação 4

5 Os higienistas ocupacionais, cientes da necessidade de mudanças, que minimizassem as críticas e dificuldades anteriormente comentadas, iniciam um processo de divulgação de novos conceitos, que culmina, em 1994, com a publicação da nova redação da Norma Regulamentadora nº 9 (NR-9) da Portaria 3.214/78, na qual se utiliza o termo limite de exposição, ao invés de limite de tolerância, e se introduz o conceito de nível de ação, como o valor acima do qual devem ser iniciadas ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposição. As ações devem incluir o monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico. Não se pode mais comentar limites de tolerância sem se referir ao conceito de nível de ação, já que ele inclui a adoção de ações preventivas a 50% dos valores de limite de exposição, no caso dos agentes químicos e de valor de dose superior a 50%, no caso do ruído, o que garantiria, no mínimo, a manutenção das condições, de forma a não se permitirem degenerações próprias de qualquer processo dinâmico, evitando que o limite de exposição fosse alcançado ou ultrapassado (Saad, Giampaoli, 1999). 14 A introdução desses conceitos, na legislação brasileira, pode ser considerada um avanço, mas ainda está longe do ideal, uma vez que os limites de nossa legislação encontram-se defasados em 26 anos. A FUNDACENTRO, cumprindo seu papel de instituição de pesquisa na área de segurança e saúde do trabalho, dá início a um processo de revisão das Normas de Higiene do Trabalho NHTs, que deram origem às, hoje conhecidas, Normas de Higiene Ocupacional ou NHOs, cujo objetivo é ser uma recomendação técnica para padronização de procedimentos de avaliação ambiental, incluindo coleta e análise de amostras, medição de intensidades e preparação de equipamentos. Em 12 de dezembro de 2003, o Ministério da Previdência Social publicou a Instrução Normativa 99, que dá às Normas de Higiene Ocupacional (NHOs) da FUNDACENTRO uma importância diferenciada, ao menos no que se refere à legislação previdenciária. Esse assunto será esmiuçado no item 5 deste artigo. 3. Limitações dos limites de exposição 5

6 A defasagem dos limites de tolerância da NR-15 em relação aos TLVs da ACGIH é um dos motivos que deve levar os profissionais a analisar cuidadosamente a aplicação desse parâmetro em higiene ocupacional. Pode-se citar como exemplo de defasagem o cloreto de vinila, utilizado no processo de polimerização para a produção de cloreto de polivinila (PVC), cujo limite fixado pela Portaria 3.214/78, Anexo 11, é de 156 partes de contaminante por milhões de partes de ar contaminado (ppm). O nível de ação, nesse caso, seria de 78 ppm, muito acima do TLV recomendado pela ACGIH, que é 1 ppm para esse agente, também classificado como carcinogênico humano confirmado, causador de câncer de fígado (ACGIH, 2003) 3. Isso nos leva a outro importante questionamento sobre os limites de tolerância, que se refere aos agentes cancerígenos. Afinal, é aceitável que um agente cancerígeno tenha limite de tolerância? Essa pergunta vem sendo feita repetidamente, sem que a resposta adequada seja encontrada. A ACGIH (2003) 3 recomenda que a exposição a carcinogênicos seja mantida no mínimo possível e cuidadosamente controlada, para minimizar os riscos à saúde dos trabalhadores expostos. Segundo a IARC (1987) 10, mesmo exposições a baixas concentrações de asbesto podem causar um câncer grave, denominado mesotelioma de pleura, tendo sido encontrados vários casos deste tipo de câncer em mulheres e crianças expostas às fibras vindas dos uniformes contaminados de trabalhadores e entre as populações vizinhas das minerações. O Anexo 12, da NR-15 da Portaria 3214/78, entretanto, estabelece um limite de 2 fibras respiráveis por centímetro cúbico de ar, para esse agente, o que talvez não garanta a integridade dos trabalhadores ao longo do tempo. Substâncias que podem ser absorvidas pela pele intacta também merecem especial atenção, uma vez que pode ocorrer absorção do contaminante por outra via, além da respiratória, aumentando a quantidade do agente agressivo no organismo. Nesses casos, além da avaliação ambiental do agente químico, é necessário realizar um estudo da função do trabalhador exposto, de forma a certificar que não existe contato da substância com a pele, complementando os estudos com dados de exames físicos e biológicos. Os limites de exposição são calculados com base em jornadas de trabalho específicas, como até 48 horas de trabalho semanal, no caso dos agentes químicos, e 8 horas diárias no caso do ruído. Isso pressupõe que o restante do tempo seja despendido em locais livres dos agentes 6

7 agressivos presentes nos locais de trabalho. Por isso, para jornadas de trabalho diferenciadas os valores dos limites devem ser adaptados ao tempo real de exposição e descanso. As limitações citadas não são as únicas que influenciam na utilização dos limites de exposição. É sempre necessário pesquisar sobre o agente em questão, o ambiente de trabalho e o processo produtivo, de forma a construir um quadro global sobre a exposição dos trabalhadores, levando em conta possíveis misturas de contaminantes, efeitos sinergéticos ou potencializadores e outros que possam interferir na simples aplicação dos limites. 4. A Norma Regulamentadora nº 15 Ruído Antes de tudo, o conceito de limite de tolerância para ruído deve ser bem compreendido. Conforme o Quadro, do Anexo 1 da NR-15, da Portaria 3214/78, o nível máximo permitido para 8 horas de jornada diária é de 85 db(a), o que absolutamente não significa que o limite de exposição para ruído seja 85 db(a). Na verdade, o limite de tolerância para ruído varia de acordo com o tempo de exposição. Para entender melhor, basta analisar o Quadro do Anexo 1. O nível de pressão sonora permitido depende do tempo de exposição, assim, para um nível de 90 db(a) o tempo máximo permitido de exposição será de 4 horas. Mas, é claro, os níveis de ruído nos locais de trabalho nem sempre são constantes e, nesses casos, o mais correto é utilizar a dose diária a que o trabalhador está exposto. O parâmetro dose pode ser obtido por meio de dosímetros de ruído, ou da fórmula: D = C1 C2 C T1 T 2 T3 Cn Tn Na equação anterior, Cn indica o tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico, e Tn indica a máxima exposição diária permissível a este nível, segundo o Quadro do Anexo 1. A dose diária não deve ultrapassar a unidade, ou o limite de tolerância terá sido excedido. No item 7 estarão sendo comentados os parâmetros para cálculo da dose por meio de dosímetros de ruído. Vibração 7

8 O Anexo 8 da NR-15, que trata do LT para vibrações diz: A perícia, visando à comprovação ou não da exposição, deve tomar por base os limites de tolerância definidos pela Organização Internacional para a Normalização - ISO, em suas normas ISO 2631 e ISO/DIS 5349 ou suas substitutas. Agentes químicos Os LTs para agentes químicos estão listados nos Anexos 11 e 12 da NR-15. A nova redação da NR-9 complementa essa lista, recomendando que sejam adotados os TLVs da ACGIH para aquelas substâncias não listadas nos citados Anexos. No caso dos agentes químicos, é necessário que sejam compreendidos, também, alguns conceitos importantes para utilização adequada dos LTs. Limite de exposição média ponderada: a concentração média ponderada pelo tempo para uma jornada normal de 8 horas diárias e 40 horas semanais, à qual a maioria dos trabalhadores pode ficar exposta, dia após dia, sem sofrer danos adversos à saúde. (ACGIH, 2003) 3. Limite de exposição de curta duração: concentração a que os trabalhadores podem estar expostos continuamente por um período curto, contanto que a concentração média ponderada não seja ultrapassada. (ACGIH, 2003) 3. A NR-15 não define limite de exposição média ponderada ou limite de exposição de curta duração, mas pode-se considerar essas definições, nesse caso, uma vez que a NR-9 recomenda a utilização dos TLVs, quando a substância não possuir limite fixado nos Anexo 11 e 12. Limite de tolerância valor teto: concentração que não podem ser ultrapassados em momento algum da jornada de trabalho, segundo o Anexo 11 da NR-15. Limite de tolerância valor máximo: valor do LT multiplicado por um fator de desvio, apresentado no Anexo 11, que não pode ser ultrapassado em nenhum momento da jornada de trabalho. Notação absorção pela pele : substâncias que podem ser absorvidas pela pele intacta requerem cuidados especiais para evitar contato com a pele. Todas essas definições são essenciais para as boas práticas na aplicação dos limites de exposição, já que a avaliação ambiental do agente químico deve ser adequada ao limite. Substâncias que possuem limite de exposição valor teto, valor máximo ou de curta duração, como os gases ou vapores, requerem amostragens instantâneas, mesmo que combinadas com 8

9 amostragens de longo termo, enquanto aquelas que somente possuem limite de exposição média ponderada, como a maioria dos aerodispersóides (poeiras, fumos, fibras, névoas e neblinas) permite que se tome apenas amostras de longo termo. Radiação ionizante A NR-15 não trás LT para radiação ionizante, sendo as operações que envolvem risco no contato com esse agente, especificadas na NR-16, da mesma Portaria. 5. A Instrução Normativa 99 (IN 99) O DECRETO N O de 28 de novembro de 2003 altera dispositivo do Regulamento da Previdência Social 11, aprovado pelo Decreto no , de 6 de maio de , e diz, em seu Art 68, Parágrafo 11: As avaliações ambientais deverão considerar a classificação dos agentes nocivos e os limites de tolerância estabelecidos pela legislação trabalhista, bem como a metodologia e os procedimentos de avaliação estabelecidos pela Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho. Em seu Art. 170: Os procedimentos técnicos de levantamento ambiental, ressalvada disposição em contrário, deverão considerar : I a metodologia e os procedimentos de avaliação dos agentes nocivos estabelecidos pelas Normas de Higiene Ocupacional NHO, da Fundacentro; II os limites de tolerância estabelecidos pela NR-15 do MTE. A IN 99 referencia, ainda, outras normas e procedimentos nacionais e internacionais, complementando os parâmetros da Portaria 3214/78 do MTB e NHOs da FUNDACENTRO. São eles: A ACGIH para agentes químicos quantitativos que não possuem limites de tolerância estabelecidos pela NR-15 do MTB ou aqueles que venham a ser estabelecidos por negociação coletiva de trabalho (artigo 170, parágrafo 3); A Resolução CNEN NE-3.01, com exceção para a utilização dos procedimentos da NHO 05 na exposição a Raio X em serviços de radiologia, para radiação ionizante - (artigo 173, parágrafo único); 9

10 As Normas ISO nº e ISO/DIS no , para vibração (artigo 174). Mas, na verdade, a grande inovação da IN 99 foi a adoção das NHOs da FUNDACENTRO como parâmetros legais. No caso especial do ruído, dispõe, em seu artigo 171: III - a partir de 19 de novembro de 2003, será efetuado o enquadramento quando o NEN se situar acima de oitenta e cinco db (A) ou for ultrapassada a dose diária, aplicando-se a NHO- 01 da FUNDACENTRO (2001) 8, que define as metodologias e os procedimentos. 6. Comentários A maior inovação da IN 99, em relação à NR-15, está na adoção das NHOs da FUNDACENTRO como parâmetro legal. A FUNDACENTRO hoje dispõe de sete NHOs, entre elas a NHO 01, que versa sobre exposição ao ruído, a NHO 05, sobre exposição à radiação ionizante e a NHO 06, sobre exposição ao calor. Essas normas trazem procedimentos para avaliação ambiental desses agentes, com a finalidade de padronizar procedimentos e orientar os profissionais da área. O impacto mais significativo, entretanto, se refere ao ruído, uma vez que são propostos nessa norma novos parâmetros de limite de tolerância, como será explicado mais detalhadamente a seguir. É opinião das autoras que, no momento em que a IN 99 se refere ao NEN, ela automaticamente se reporta a NHO 01, da FUNDACENTRO, uma vez que o conceito de Nível Exposição Normalizado não existe em nossa legislação, indicando que a referida Norma deve ser utilizada inclusive como parâmetro de limite de exposição para ruído. Isso implica em um fator de incremento de dose igual a três e todas as conseqüências inerentes a essa alteração, impactando, ao menos, a legislação previdenciária e fortalecendo a tendência de modificação e atualização dos limites da legislação trabalhista. 7. Comparação entre critérios NHO-01 x NR-15 exposição ao ruído 10

11 A título de exemplo, apresentam-se, na Tabela 2, os diferentes parâmetros adotados, por diversos organismos, tanto nacionais como internacionais, a serem utilizados no cálculo da dose de ruído ao qual o trabalhador está exposto. Tabela 2 Parâmetros para calculo da dose de ruído PARÂMETRO Portaria 3214/78 do MTE 5 FUNDACENTRO NHO 01 8 ACGIH 2 OSHA 13 Critério de Referência - CR DOSE 100% 8 hs/dia 85 db (A) DOSE 100% 8 hs/dia 85 db (A) DOSE 100% 8 hs/dia 85 db (A) DOSE 100% 8 hs/dia 90 db (A) Incremento de duplicação de dose -q Nível limiar de integração db (A) 80 db (A) 80 db (A) 90 db (A) Segundo o Anexo 1, da NR 15 da Portaria 3214/78, a exposição diária pode ser apresentada em decibéis ou em porcentagem, sendo que temos como referência de limite de tolerância, para a jornada de um dia de trabalho, a exposição de 8 horas a 85 db(a), o que corresponde a uma dose de exposição de 100%. Se a dose exceder 100%, será ultrapassado o limite de exposição permitido. 11

12 O critério de referência de 8 horas de jornada diária a 85 db(a), também é adotado pela NHO-01 e pela ACGIH. Já a OSHA, permite a exposição diária a 90 db(a), por um período de 8 horas. A diferença de parâmetros não fica apenas no critério de referência, temos que considerar também o fator de incremento de dose q. É adotada pela Portaria 3214/78 o incremento q igual a 5, ou seja, a cada 5 db, o limite de tempo de exposição diária reduz pela metade, assim teremos para uma exposição de 8 horas, 85 db e para 4 hortas, 90 db. Segundo a NHO 01 da FUNDACENTRO, é utilizado o incremento q, de 3, ou seja, a exposição a 85 db para 8 horas e 88 db para 4 horas. Para ilustrar, o que acontece na prática, será mostrado um estudo da exposição ao ruído, de cinco trabalhadores de uma usina de reciclagem de entulho da construção civil. Tabela 3 - Atividade dos Trabalhadores Analisados FUNÇÃO TRABALHADOR Operador de botoeira Separador na esteira próximo ao britador Motorista da pá carregadeira Separador de material na frente da esteira Ajudante geral na separação de material A B C D E A avaliação ambiental foi realizada com dosímetros de ruído que permitiam a colocação de mais de um critério de referência. Para a avaliação da exposição dos trabalhadores ao ruído, foram adotados os critérios de referência da Portaria 3214/78 (MTb), NR 15, Anexo 1 e da NHO 01 (FUNDACENTRO), Tabela 4 - Parâmetros de dosimetria utilizados Parâmetro Dosímetro 1 Portaria Anexo 1 Dosímetro 2 NHO

13 Critério de referencia 85 db(a) para 8 horas 85 db(a) para 8 horas Incremento - q 5 3 Nível limiar de integração Como os parâmetros utilizados eram diferentes, as doses de exposição obtidas também foram diferenciadas, conforme demonstrado no Gráfico 1. Gráfico 1 - Resultados Obtidos ,23 Dose (%) ,31 100,11 213,78 160,96 75,76 0 A B C D E NR ,17 100,11 869,31 151,74 75,76 NHO ,3 213, ,23 435,74 160,96 Trabalhador Pode-se observar que o trabalhador C motorista da pá carregadeira, ficou exposto a uma dose tão elevada que não conseguimos identificar no Gráfico 1, o limite de exposição recomendado de dose igual a 100%. Para melhor visualização, excluímos o trabalhador C e em seu lugar colocamos uma referência de dose de 100%, conforme Gráfico 2. 13

14 Gráfico 2 - Dose de Exposição dos Trabalhadores , Dose (%) ,11 213,78 Parâmetro 151,74 100% 75,76 160,96 0 NR 15 NHO-01 Dose/dia A B C D E Trabalhador A análise dos dados obtidos no Trabalhador B mostra que, utilizados os parâmetros da Portaria 3214/78, a dose diária de exposição é de 100%, enquanto que pelos parâmetros da NHO-01, a dose obtida foi de 213,78%, denotando uma significativa diferença, principalmente no caso de uma tomada de decisão. Já no caso do trabalhador E, a dose obtida utilizando-se os parâmetros da Portaria 3214/78 foi de 75,76%, valor abaixo do limite estabelecido, enquanto que com os parâmetros da NHO- 01 a dose passou para 160,96%, superando o máximo permitido. Seguramente, os parâmetros da NHO-01, (os mesmos recomendados pela ACGIH) são mais rígidos, favorecendo a proteção da integridade dos trabalhadores. Mas o fator de incremento igual a 3 não é a única inovação da NHO-01. Foi introduzido também o conceito de Nível de Exposição Normalizado (NEN), que é o Nível Equivalente a que um trabalhador está exposto, corrigido para oito horas de trabalho diário, qualquer que seja sua jornada de trabalho. Esta adequação é feita utilizando-se a seguinte fórmula: NEN = NE + 10 log TE [db] 480 Onde: NE = nível médio representativo da exposição ocupacional diária TE = tempo de duração, em minutos, da jornada diária de trabalho. 14

15 8. Conclusões A interpretação dos dados obtidos em avaliações ambientais não é a simples comparação entre esses dados e os limites de tolerância, ou exposição. Vários outros fatores devem ser levados em conta. É necessário pensar no significado dos parâmetros apresentados, tanto nas referências legais como nas referencias técnicas, considerando e analisando vários aspectos, entre eles, os seguintes: Reconhecer o local de trabalho e o processo produtivo como um todo, identificando todos os agentes ambientais presentes, estudando-os quanto aos efeitos prováveis à saúde e a possíveis efeitos sinergéticos. Substâncias que podem ser absorvidas pela pele intacta, por exemplo, merecem especial cuidado para que o contato com a pele seja o menor possível. Compostos comprovadamente carcinogênicos, ou suspeitos, devem ser tratados de forma especial e a exposição minimizada tanto quanto possível. Considerar as características e hábitos individuais de cada trabalhador, considerando-o como indivíduo único e mutável, uma vez que idade, estado geral de saúde, doenças e gravidez também são fatores que modificam a distribuição, o metabolismo e a eliminação de substâncias químicas.(bigelow e Acosta, 2004) 4. Dar atenção a jornadas de trabalho diferenciadas, adequando a elas os valores de limites de exposição. Utilizar sempre equipamentos de avaliação ambiental, adequados ao agente avaliado e aos parâmetros e metodologia de avaliação adotada. Estabelecer como meta a ser atingida a menor exposição possível e não apenas concentrações ou intensidades abaixo dos limites. Levar em conta os conceitos básicos de gestão e de melhoria contínua, reavaliando periodicamente a eficácia do sistema adotado, por meio de indicadores específicos. Atentar para eventuais mudanças no processo, no ambiente de trabalho, nas condições dos trabalhadores e estar sempre direcionado para o aparecimento de novas tecnologias e descobertas científicas. Promover e realizar o trabalho integrado entre as áreas de conhecimento. 15

16 Os limites de exposição não são linhas divisórias entre a certeza de saúde e a possibilidade de doença, mas ainda assim são ferramentas importantes para auxiliar na tomada de decisões de um sistema de gestão de segurança e saúde do trabalho, desde que sejam devidamente utilizados e aplicados. Como diz Vasconcelos (1995) 15 : Ao invés de abolir os limites, devemos defender que sejam utilizados enquanto guias e se realize uma ampla revisão de todos os valores hoje praticados no país, com base em estudos científicos e transparentes, ao que se devem seguir reavaliações periódicas. O mais importante é ter sempre em mente a importância da manutenção da saúde e segurança dos trabalhadores que é o principal objetivo da higiene ocupacional e dos profissionais que nessa área atuam. 9. Referências Bibliográficas 1 ACGIH (American Conference of Governamental Industrial Hygiene). Limites de Exposição (TLVs) para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição (BELs). Tradução ABHO Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais. Cincinnati, ACGIH (American Conference of Governamental Industrial Hygiene). Limites de Exposição (TLVs) para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição (BELs). Tradução ABHO Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais. Cincinnati, ACGIH (American Conference of Governamental Industrial Hygiene). Limites de Exposição (TLVs) para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição (BELs). Tradução ABHO Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais. Cincinnati, BIGELOW, P. L., ACOSTA. M.S.V..Questões sobre o desenvolvimento e aplicação dos limites de exposição ocupacional. Revista de Higiene Ocupacional, São Paulo: ABHO, n.6,p BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria nº de 8 de junho de 1978: Normas Regulamentadoras relativas à segurança e medicina do trabalho. In: Manual de Legislação Atlas de Segurança e Medicina do Trabalho, 33ª ed., São Paulo: Atlas, p. 16

17 6 DEPARTMENT OF ECOLOGY AIR QUALITY PROGRAM - Brief & Scala Model. Disponível em: < Acesso em: 15 mar FREITAS, N. B.: ARCURI, A. S A. Valor de Referência Tecnológico (VRT) a nova abordagem do controle da concentração de benzeno nos ambientes de trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, p :71-85, FUNDACENTRO, São Paulo. NHO/01 - Avaliação da exposição ocupacional ao ruído. São Paulo, p. 9 GRUENZNER, G., Avaliação da poeira de sílica: um estudo de caso em uma pedreira na Região Metropolitana de São Paulo. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 10 IARC - ASBESTOS (Actinolite, amosite, anthophyllite, chrysotile, crocidolite, tremolite) (Group 1). Supplement 7, 1987 (p. 106), disponível em < Acesso em 02/04/ INSS - (Instituto Nacional de Seguridade Social) DECRETO Nº de 28 de novembro de Altera dispositivo do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto no , de 6 de maio de 1999.(DOU de 19/11/2003) 12 INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 99. Estabelece critérios a serem adotados pelas áreas de Benefícios e da Receita Previdenciária. (DOU de 19/11/2003) 13 OSHA, disponível em < 9735>, acesso em 02/04/ SAAD, I.F.S.D., GIAMPAOLI, E. Programa de prevenção de riscos ambientais NR-9 comentada. Campinas. Digital Graph, p. 15 VASCONCELOS F. D. Uma Visão Crítica do Uso de Padrões de Exposição na Vigilância da Saúde do Trabalhador. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 11 (4): , out/dez,

18 10. Bibliografia consultada ARCURI, A. S. A.; CARDOSO, L. M. N. Limite de Tolerância? Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 1991; p 19: ATLAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Editora Atlas S.A., São Paulo, EKEL, G. J., TEICHNER, W. H. An analysis and critique of behavioral toxicology in the USSR. National Institute for Occupational Safety and Health NIOSH, Cincinnati, 1976, 130p. ACGIH (American Conference of Governamental Industrial Hygiene), Documentation of the Threshold Limit Values and Biological Exposure Indices, 1991, v. 1 : p ; v. 2 : p ; v. 3 :

NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES NR-15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.ºs 1, 2, 3, 5, 11 e

Leia mais

15.1.4. Comprovadas através de laudo de inspeção do local de trabalho, constantes dos Anexos nºs 7,

15.1.4. Comprovadas através de laudo de inspeção do local de trabalho, constantes dos Anexos nºs 7, NORMA REGULAMENTADORA 15 NR 15 - Atividades e Operações Insalubres (115.000-6) 15.1. São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1. Acima dos limites de tolerância previstos

Leia mais

A importância da investigação do ambiente de trabalho

A importância da investigação do ambiente de trabalho A importância da investigação do ambiente de trabalho José Roberto Teixeira 26 Junho - 2006 PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional Riscos no ambiente de trabalho Exposição da População

Leia mais

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Regulamentação dos planos Resolução CONSU 10 Art. 2º, 2º Nos contratos de planos coletivos, não é obrigatória a cobertura para os procedimentos relacionados

Leia mais

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Cód.: AIN Nº: 5 Versão: 8 Data: 16/02/2016 DEFINIÇÃO É uma vantagem pecuniária, de caráter transitório, concedida como uma forma de compensação ao servidor que trabalhe permanente

Leia mais

A comprovação será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo INSS, que deverá ser preenchido pela empresa ou seu preposto.

A comprovação será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo INSS, que deverá ser preenchido pela empresa ou seu preposto. Laudo Técnico Ambiental De acordo com art. 58 e seus, da Lei nº 8.213, de 24/07/91, com alterações introduzidas pela Lei nº 9.528, de 10/12/97, DOU de 11/12/97, as empresas estão obrigadas a manter laudo

Leia mais

Laudo ergonômico de um posto de trabalho

Laudo ergonômico de um posto de trabalho Laudo ergonômico de um posto de trabalho Norival Agnelli (Unesp) agnelli@feb.unesp.br Antonio Luiz Soriano (Unesp) tunico@sendi.com.br Layre Colino Júnior (Unesp) layre@sabesp.com.br Marcelo de Marchi

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL (enquadramento tempo de serviço)

APOSENTADORIA ESPECIAL (enquadramento tempo de serviço) (enquadramento tempo de serviço) LEI 9.032 28/04/95 MP 1523/96 (Dec. 2172, 05/03/97) 01/01/2004 * ATIVIDADE: (penosa, perigosa ou insalubre) formulário SB-40 * AGENTE NOCIVO: formulário SB-40 + laudo (ruído)

Leia mais

Manutenção total aplicada em ferramentarias

Manutenção total aplicada em ferramentarias Manutenção total aplicada em ferramentarias Por: Sérgio Borcato Roberto Mariotti A medição da eficiência dos equipamentos de manufatura vem se tornando essencial para a resolução de problemas e para melhoria

Leia mais

Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar. GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009

Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar. GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009 Gestão de Tecnologias em Saúde na Saúde Suplementar GRUPO TÉCNICO REVISÃO DO ROL Karla Santa Cruz Coelho Fevereiro/2009 Tecnologias em saúde: considerações iniciais O que é tecnologia em saúde? Medicamentos,

Leia mais

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE OBJETIVO: 1 - Este formulário tem o objetivo de uniformizar os encaminhamentos de solicitações de Laudo de Insalubridade

Leia mais

LAUDO DE EXAME TÉCNICO DE ANÁLISE ERGONÔMICO DE TRABALHO NR-17

LAUDO DE EXAME TÉCNICO DE ANÁLISE ERGONÔMICO DE TRABALHO NR-17 LAUDO DE EXAME TÉCNICO DE ANÁLISE ERGONÔMICO DE TRABALHO NR-17 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Secretaria da Segurança Pública (SSP/TO) IML de Palmas Endereço: Quadra 304 Sul Av. NS 4

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

CURSO ONLINE: NR 9 BÁSICO

CURSO ONLINE: NR 9 BÁSICO CURSO ONLINE: NR 9 BÁSICO 1 A norma NR 9 foi criada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para estabelecer uma metodologia de ação que garanta a preservação da saúde dos trabalhadores frente aos

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Saúde, Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Segurança

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 1. Do fato Assunto: Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Solicitado parecer por enfermeiro sobre a realização de cálculo de dimensionamento

Leia mais

Toxicologia Ocupacional

Toxicologia Ocupacional Introdução Saúde Ocupacional Toxicologia Ocupacional Higiene Medicina do Toxicologia Industrial Trabalho Ocupacional Maria Elisa Pereira Bastos de Siqueira UNIFAL-MG Danielle Palma de Oliveira USP/RP Eduardo

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 Regulamenta o pagamento de adicional de insalubridade e a concessão de aposentadoria especial ao trabalhador que exerça as atividades de coleta de

Leia mais

Faculdade de Odontologia Mestrado em Odontologia - Ortodontia. Projeto de Pesquisa. Titulo. Pesquisador:

Faculdade de Odontologia Mestrado em Odontologia - Ortodontia. Projeto de Pesquisa. Titulo. Pesquisador: Faculdade de Odontologia Mestrado em Odontologia - Ortodontia Projeto de Pesquisa Titulo Pesquisador: Niterói 2014 1 PROJETO DE PESQUISA 1-Titulo: 2- Resumo Objetivos: Aquilo que se quer descobrir com

Leia mais

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES A estabilidade de produtos saneantes depende de fatores ambientais como temperatura, umidade e luz, e de outros inerentes ao produto

Leia mais

Manual de Segurança a e Saúde no Trabalho para a Indústria da Construção

Manual de Segurança a e Saúde no Trabalho para a Indústria da Construção Manual de Segurança a e Saúde no Trabalho para a Indústria da Construção Civil - Edificações Apresentação na 4ª Reunião da Comissão Tripartite de Saúde e Segurança no Trabalho (CT-SST) São Paulo, 19 de

Leia mais

Art. 1º Este Decreto dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho - PNSST, na forma do Anexo.

Art. 1º Este Decreto dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho - PNSST, na forma do Anexo. Diário Oficial da União, nº 214, Seção I, p. 9, 08.11.2011 Decreto nº 7.602,de 07.11.2011 - Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho - PNSST. A Presidenta da República, no uso

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. Metodologia Científica. Graduação Tecnológica. Prof. Éder Clementino dos Santos. Prof. Éder Clementino dos Santos

ARTIGO CIENTÍFICO. Metodologia Científica. Graduação Tecnológica. Prof. Éder Clementino dos Santos. Prof. Éder Clementino dos Santos ARTIGO CIENTÍFICO Metodologia Científica Graduação Tecnológica O conhecimento é público Uma grande descoberta científica não passa a existir apenas por força da autoridade moral ou do talento literário

Leia mais

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Ergonomia na Construção Civil Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Introdução A construção civil exerce um importante papel social no país por absorver uma boa percentagem da mão-de-obra nacional.

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMENTADORA N. 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

NOVA NORMA REGULAMENTADORA N. 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NOVA NORMA REGULAMENTADORA N. 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Histórico, desdobramentos e impactos. Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular e membro do GT-NR 01 FUNDACENTRO AUDIÊNCIA

Leia mais

CAPÍTULO V - CARACTERIZAÇÃO DE RISCO

CAPÍTULO V - CARACTERIZAÇÃO DE RISCO CAPÍTULO V - CARACTERIZAÇÃO DE RISCO V.1. Introdução O processo de caracterização do risco inclui uma análise integrada dos resultados mais importantes da avaliação de risco. A análise integrada reúne

Leia mais

Livros Espaços Confinados

Livros Espaços Confinados Livros Espaços Confinados Bibliografia http://www.jfrekus.com/ http://www.amazon.com/complete-confined-spaces-handbook-rekus/dp/0873714873 http://www.nwohs.com/index.htm Segurança e Saúde em espaços confinados

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - PGA Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. A Fundação Itaipu BR de Previdência e Assistência Social... 1 1.2. Objetivo da Política de Investimentos do PGA... 1 1.3. Revisão da Política de Investimentos do PGA...

Leia mais

Trabalhador direitos e deveres

Trabalhador direitos e deveres Trabalhador direitos e deveres Carteira de trabalho Garantia de benefícios da Previdência Social Do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Seguro-Desemprego 13º salário Tem direito à gratificação

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE GRANDES NÚMEROS DO INSS 1.501 Agências da Previdência Social 39.392 servidores (4.730 peritos médicos) 198.000 pessoas atendidas diariamente.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 229/COGTL/SEAE/MF Brasília, 28 de agosto de 2015.

Leia mais

NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSST n.º 25, de 29 de dezembro de 1994

Leia mais

FERNANDO YOSHIO ARAKAWA FLÁVIO HENRIQUE RIBEIRO AVALIAÇÃO DOS RISCOS FÍSICOS DE UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS DE ARAPONGAS-PR

FERNANDO YOSHIO ARAKAWA FLÁVIO HENRIQUE RIBEIRO AVALIAÇÃO DOS RISCOS FÍSICOS DE UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS DE ARAPONGAS-PR FERNANDO YOSHIO ARAKAWA FLÁVIO HENRIQUE RIBEIRO AVALIAÇÃO DOS RISCOS FÍSICOS DE UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS DE ARAPONGAS-PR Londrina 2005 FERNANDO YOSHIO ARAKAWA FLÁVIO HENRIQUE RIBEIRO AVALIAÇÃO DOS RISCOS

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO 2003 PROCESSO DE PREENCHIMENTO DO PPP - PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO De acordo com a Instrução Normativa INSS/DC nº

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS MAIO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 1.1. Objetivo... 3 1.2. Princípios Gerais... 3 1.3. Metodologia... 3 1.4. Diretor e Organograma da Área de Risco... 6

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS.

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS. CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS Maio/2010 1º Dia PROGRAMAÇÃO 08h00 às 09h00 - Credenciamento 09h00 às 09h30 Abertura Boas vindas! 09h30 às 10h15 Exposição dialogada: Retrospectiva Luta por Direitos

Leia mais

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE SÍLICA CRISTALINA

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE SÍLICA CRISTALINA Actualmente existe um alarme crescente em diferentes Comunidades Autónomas sobre os materiais que contêm sílica cristalina e a produção de poeiras inerentes à sua elaboração. O surgimento de casos de silicose

Leia mais

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos IV Reunião para o Desenvolvimento Institucional dos Orgãos Gestores de Saúde Ambiental dos Ministérios de Saúde e Primeiro Fórum de Saúde e Ambiente das Américas Brasil Sonia Maria José Bombardi Assessora

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS QUÍMICOS DE UMA

AVALIAÇÃO DOS RISCOS QUÍMICOS DE UMA CELSO PAES ARAUJO FAUZI GERAIX FILHO AVALIAÇÃO DOS RISCOS QUÍMICOS DE UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS DE ARAPONGAS-PR Londrina 2005 CELSO PAES ARAUJO FAUZI GERAIX FILHO AVALIAÇÃO DOS RISCOS QUÍMICOS DE UMA

Leia mais

TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DOS CARGOS DO QUADRO DE PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO INTRODUÇAO Carlos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT/APSEI/IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI 26 e 27 de Novembro Fonte: APSEI Diretiva do Conselho 89/391/CEE de 12.06 Aplicação

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DA DEFINIÇÃO DE SERVIÇO ADEQUADO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DA DEFINIÇÃO DE SERVIÇO ADEQUADO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DA DEFINIÇÃO DE SERVIÇO ADEQUADO Walysson Tangrins Martins Paulo Cesar Marques da Silva AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DA DEFINIÇÃO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 2.270, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Institui vantagens e altera a Lei Complementar n. 84, de 28 de fevereiro de 2000, que trata do Plano de Carreira, Cargos e Remuneração para os servidores públicos da

Leia mais

Política Anual de Investimentos

Política Anual de Investimentos Política Anual de Investimentos 2009 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 4 3. Modelo de Gestão:... 5 3.1. Acompanhamento da Gestão de Ente Credenciado:... 5 4. Estratégia de Alocação de Recursos:... 6 4.1.

Leia mais

PROGRAMA. (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Segurança e Higiene no Trabalho

PROGRAMA. (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Segurança e Higiene no Trabalho PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Dr. Paulo Laranjeira Segurança e Higiene no Trabalho 3. Razões Justificativas da Ação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015 Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015 Prova 02 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

Proposta para: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.ABFT

Proposta para: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.ABFT Proposta para: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.ABFT Orientações de parâmetros e procedimentos para a realização de Perícia Judicial Trabalhista e Previdenciária realizada por Fisioterapeuta do Trabalho

Leia mais

Bloco Recursos Humanos

Bloco Recursos Humanos Bloco Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Ponto Eletrônico, que se encontra no Bloco Recursos Humanos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Tribunal de Justiça MATO GROSSO

Tribunal de Justiça MATO GROSSO Bom Tarde. RESPOSTA 01 SESI MT Por Gentileza favor publicar este questionamento do PE 36/2016. Wilson Lobo De: "Wilson Lobo Moreira" wilson.lobo@tjmt.jus.br Para: "unerem" unerem@sesimt.com.br Enviadas:

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco?

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Dentro de várias opções, selecionar ações para chegar a um objetivo, tendo em mente que existem - diferenças nos objetivos - escassez de recursos

Leia mais

Controle Estátistico de Processo.

Controle Estátistico de Processo. Relatório de estudo dos fios. Controle Estátistico de Processo. Indice Item Assunto. Pág. Análise estatística C.E.P. 04 1 Introdução. 04 2 Controle estatístico do processo. 04 2.1 Definição. 04 2.3 Objetivo

Leia mais

A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE, ESTADO DE PERNAMBUCO

A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE, ESTADO DE PERNAMBUCO LEI Nº 1.930/2011. EMENTA: Dispõe sobre o pagamento do Adicional de Insalubridade e de Periculosidade ou Risco de Vida e de adicional Noturno aos servidores do Município de Santa Cruz do Capibaribe-PE,

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Regulamentar a actividade do Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 2. Aplicação Gabinete de Auditoria Interna do Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE. 3. Definições

Leia mais

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta:

A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: PROJETO DE LEI N 18/09 Dispõe sobre a instituição do Programa de Inspeção Ambiental Veicular no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Administrativo

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Administrativo .. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO Certificações O MPF passa por um processo de certificação de qualidade em suas várias instâncias. A certificação pode ser: Por exemplo, Certificação

Leia mais

O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Triângulo: Saúde das populações Financiamento

Leia mais

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul.

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DOS HOMENS COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERGUNTAS & RESPOSTAS (Versão 1.2 novembro - 2003)

VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERGUNTAS & RESPOSTAS (Versão 1.2 novembro - 2003) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERGUNTAS & RESPOSTAS (Versão

Leia mais

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP SIMILARIDADES E DIFERENÇAS ENTRE HACCP E ANÁLISE DE RISCOS BERNADETTE DGM FRANCO FCF / USP PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP Conceitos Fundamentos da Análise

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

Produtividade e investimento

Produtividade e investimento BOLETIM: Março/2016 Produtividade e investimento PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira Braga Tadeu

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 2 (A) Aplicação e Objeto... 2 (B) Princípios... 2 (C) Metodologia... 3 (D) Organograma

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta.

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. JULHO DE 2006 Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira

Leia mais

Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso

Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso por Ronaldo Favero em RevistaRH.com.br Escolha Da mesma forma que no cotidiano das pessoas as medições estão presentes (velocidade dos veículos,

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

Avaliação da eficiência mínima dos equipamentos de proteção respiratória.

Avaliação da eficiência mínima dos equipamentos de proteção respiratória. Avaliação da eficiência mínima dos equipamentos de proteção respiratória. A norma NBR 13698 e a NBR 13697 tem como objetivo fixar condições mínimas exigidas para as Peças Semifaciais Filtrantes (PFF) e

Leia mais

GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL.

GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL. GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL. O QUE É A APOSENTADORIA ESPECIAL? A aposentadoria especial é um benefício previdenciário concedido ao segurado exposto permanentemente a

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PPGCol

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PPGCol OFERTA CURRICULAR 2014/1 Professor Responsável: Paulo Antônio Barros de Oliveira 1. Atividade de Ensino: Seminário Avançado Título: Saúde do trabalhador na atenção básica Nº Créditos: 02 Código da Respectiva

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 (Nº 3.575/2012, NA CASA DE ORIGEM) Altera os arts. 3º, 15 e 71 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

Instruções para elaboração de Artigo Científico

Instruções para elaboração de Artigo Científico MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA Instruções para elaboração de Artigo Científico 1. Definição da temática O aluno deverá definir a temática do TCC do CSTG

Leia mais

Qual é o estoque mínimo que irá garantir o nível de serviço ao cliente desejado pela empresa?

Qual é o estoque mínimo que irá garantir o nível de serviço ao cliente desejado pela empresa? O estoque de segurança remete a erros de previsão de demanda; Falta de confiança nas entregas devido a atrasos no ressuprimento de materiais; Rendimento da produção abaixo do esperado. Qual é o estoque

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Informação Voluntária do Produto baseada no formato da ficha de dados de segurança para abrasivos flexíveis

Informação Voluntária do Produto baseada no formato da ficha de dados de segurança para abrasivos flexíveis Página 1 de 6 Informação Voluntária do Produto baseada no formato da ficha de dados de segurança para abrasivos flexíveis 1. Identificação do produto e da sociedade/empresa: 1.1 Identificação do Produto:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔICA Introdução Entende-se que a Proposta Técnica e Econômica é a demonstração do conjunto dos elementos necessários e suficientes, com nível

Leia mais

Organização Internacional do Trabalho. Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006

Organização Internacional do Trabalho. Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006 Organização Internacional do Trabalho Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006 A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Classificação Nível de Criticidade para Equipamentos S Q W Itens para avaliação Segurança cliente interno cliente externo meio-ambiente Qualidade Condição de trabalho Status Equipamento A B D P M Perdas

Leia mais

Aposentadoria especial e o direito adquirido ao DIRBEN 8030 (antigo SB 40), hoje conhecido como PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário)

Aposentadoria especial e o direito adquirido ao DIRBEN 8030 (antigo SB 40), hoje conhecido como PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário) Aposentadoria especial e o direito adquirido ao DIRBEN 8030 (antigo SB 40), hoje conhecido como PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário) 1. Introdução A aposentadoria especial é um benefício concedido

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO. Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO. Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda. Versão 1.0 Junho / 2016 INTRODUÇÃO A Política de Gestão de Risco tem como objetivo definir os procedimentos

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro Agenda Como era o FAP até 2015 Como ficou o FAP a partir de 2016 Principais Impactos na

Leia mais

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Em vigor a partir de 01 de abril 2012 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel. +39 01053851 Fax: +39 0105351000

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.03.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.03.01.pdf Data: 31/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental Notas de da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental SUMÁRIO Introdução às Notas de i Atualizações das Notas de de 2007 Modificar Matriz ii Nota

Leia mais

A certificação de Belts do Seis Sigma

A certificação de Belts do Seis Sigma A certificação de Belts do Seis Sigma Muitas vezes, os profissionais treinados no programa Seis Sigma têm dúvidas sobre a forma de certificação dos Green Belts, Black Belts e Master Black Belts. Conheça

Leia mais

ISO 14001 - Sistemas de Gestão Ambiental. Sumário

ISO 14001 - Sistemas de Gestão Ambiental. Sumário Sumário Processo de Normalização Histórico da Revisão Sistema de Gestão Ambiental NBR ISO 14001: 2015 - Principais Alterações - Como se preparar para as mudanças? Whitepaper Processo de Normalização Processo

Leia mais