Experiência de implementação de Planos de Segurança da Água em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiência de implementação de Planos de Segurança da Água em Portugal"

Transcrição

1 Experiência de implementação de Planos de Segurança da Água em Portugal Implementação de Planos de Segurança da Água. Experiências Internacionais Brasília, 16 a 18 de março de 2015 Carla Morais Os planos de segurança da água e os novos perigos Aspetos na fonte. práticos A monitorização do controlo da de qualidade poluentes da emergentes. água para abastecimento Tentúgal através Valente do PSA José Carlos Tentúgal Valente

2 Índice A Águas do Noroeste Planos de Segurança da Água Novos desafios PSA em Portugal Considerações finais

3 A Águas do Noroeste, SA Sistema Multimunicipal que surge da fusão de 3 empresas, em 2010: Águas do Ave, SA Águas do Cávado, SA Águas do Minho e Lima, SA 32 Municípios e cerca de Km 2 de área de intervenção Abastecimento de água 63,9 milhões m3/ano Tratamento de águas residuais 72,2 milhões m3/ano

4 anos de experiência Pioneira em Portugal na implementação de PSA (metodologia desenvolvida na Empresa em colaboração com a Universidade do Minho) 2011 Atualmente tem todos os grandes subsistemas de abastecimento de água (acima dos habitantes) com um PSA implementado Tratamento Fonte Distribuição

5 ABASTECIMENTO DE ÁGUA 4 Centros Operacionais PSA SAA S. Jorge População servida: Captações de água: 8 Estações de tratamento de água: 7 Reservatórios de entrega: 170 Estações elevatórias: 45 Condutas: 985 km PSA SAA Areias de Vilar PSA SAA Andorinhas PSA SAA Queimadela

6 Gestão do Plano de Segurança da Água para consumo humano Gestão em condições de rotina Gestão em condições excepcionais Verificação do PSA para aferir se está de acordo com os objetivos de qualidade e de quantidade de água para consumo humano Promoção da melhoria contínua de forma a garantir água com qualidade e em quantidade nos clientes Revisão periódica do PSA para atualizar toda a informação essencial ao seu bom funcionamento

7 Instruções Planos Procedimentos Planos de segurança da água Classificação de Riscos Medidas de Controlo Parâmetros de monitoramento Frequência de monitoramento Responsabilidades Limites críticos Limites de alerta GESTÃO DE ROTINA

8 Rondas periódicas Higienização de reservatórios

9 Limpeza dos reservatórios de água bruta

10 Remodelação das estações de recloragem Antes Depois

11 Substituição de respiros de fibrocimento por inox

12 Televigilância nas infraestruturas do Sistema Adutor 100% do Sistema Adutor do SAA de Areais de Vilar com sistemas de televigilância Alarmes por comparação de imagens Ajuda substancial para despistar falsos alarmes Sempre que justificável, equipa de prevenção desloca-se ao local

13 Telegestão nas infraestruturas do Sistema Adutor Alarme intrusão Alarme inundação Alarme incêndio Alarme falha energia Níveis de água Funcionamento hidráulico

14 Procedimentos Plano emergência Simulacros Planos de segurança da água Classificação de Riscos Incidentes Acidentes Emergência Severidade Catastrófica GESTÃO EXCEPCIONAL

15 Cheias no rio Cávado, 2001 (Antes) Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Processo de tratamento Reservatórios de água bruta Ponto de captação

16 Cheias no rio Cávado, 2001 Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Chuvas intensas Gestão inadequada das barragens a montante da captação Elevados danos em equipamentos e infraestruturas Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

17 Derrames de hidrocarbonetos, 2005 e 2007 Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Derrames de hidrocarbonetos no rio Cávado Interrupção da captação de água bruta Proteção da captação através de mangas absorventes de hidrocarbonetos Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

18 Eutrofização do rio Cávado, 2008 Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Elevadas cargas de N e P Algal blooms Foi colocado em funcionamento o carvão ativado em pó Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

19 Derrubamento de terras no rio Âncora, 2008 Estação de Tratamento de Água de Valada Elevada turvação no rio Âncora Valor máximo de turvação: 1000 NTU Limpeza e higienização dos reservatórios Valor máximo de turvação : 100 NTU Interrupção do sistema de abastecimento de água

20 Descargas no rio Cávado, 2009 Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Descargas de águas residuais Espumas na água bruta Foi colocado em funcionamento o carvão ativado em pó Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

21 Redução brusca do caudal do rio Cávado, 2009 e 2011 (Antes) Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar

22 Redução brusca do caudal do rio Cávado, 2009 e 2011 Estação de Tratamento de Água de Areias de Vilar Falta de água no ponto de captação de água bruta Gestão inadequada das barragens a montante Falta de água bruta para o processo de tratamento Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

23 Redução dos níveis de água bruta na albufeira de Venda Nova, 2014 Estação de Tratamento de Água de Rabagão Falta de água bruta no ponto de captação Gestão inadequada das barragens a montante Falta de água bruta para o processo de tratamento Sem interrupção do sistema de abastecimento de água

24 Exemplos Simulacros Sabotagem de um reservatório de entrega

25 Novos desafios Melhoria contínua e upgrade dos PSA Análise de novos perigos na fonte de água (novos poluentes) POLUENTES EMERGENTES

26 Novos desafios Estriol B-estradiol 17-(B-D-glucoronido) Noretindrona Isoborneol Omeprazol Diclofenac Metilisoborneol Diazepam Etinilestradiol Dietilstilbestrol Estrona B-estradiol Musk xileno Ibuprofeno Gemfibrozil Zolpidem Musk cetona Lorazepam D-norgestrel Estrona-3-sulfato Galaxolide Ciproterona acetato Tricloroanisol B-estradiol-3,17-diacetato Geosmina Ketoprofeno Progesterona Nimesulide Fluoxetina Amoxicilina Simvastatina Ciprofloxacina Bromazepam Paracetamol Paroxetina Tonalide Azitromicina Hidroclorotiazida Furosemida Bisoprolol Naproxeno Indapamida Alprazolam Bezafibrato fármacos, hormonas e fragâncias

27 Novos desafios Planos de segurança de águas residuais Metodologia a desenvolver na Empresa em colaboração com a Universidade do Minho Conhecimento holístico do Sistema de drenagem de águas residuais Avaliação de riscos desde a receção de águas residuais, tratamento nas ETAR e descarga de efluente tratado nos Meios Hídricos Análise do impacto da ETAR em possíveis captações de água para consumo humano a jusante do local de descarga e no meio hídrico

28 Considerações finais Um PSA é uma forma de organização, orientada para o controlo da qualidade e quantidade de água, baseado em princípios de barreiras múltiplas, pró-ativo e que, de um modo claro, simples, prático e dinâmico, permite acompanhar toda a evolução do circuito da água, no seu conjunto e envolvência, prevendo ou alertando para qualquer constatação susceptível de ser corrigida ou minimizada, permitindo abastecer uma ÁGUA SEGURA

29 A água é o melhor de todas as coisas Píndaro (século V a.c.)

Planos de Segurança da Água para consumo humano

Planos de Segurança da Água para consumo humano Planos de Segurança da Água para consumo humano Universidade de Aveiro 26 de março de 2014 Carla Morais Pedro Bastos Tentúgal Valente Índice A Águas do Noroeste Enquadramento Planos de Segurança da Água

Leia mais

Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático

Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático Sessão Temática AdP Planos de Segurança da Água em Portugal: Onde estamos, para onde vamos Plano de Segurança da Água: gestão do risco e emergências Um caso prático Inês Freitas Responsável pelo Sistema

Leia mais

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste Liliana

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO A aplicação de princípios de avaliação e de gestão de riscos, complementa o controlo realizado através da monitorização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL

A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste Liliana

Leia mais

DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE

DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE OBSERVATÓRIO DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE 1. MERCADO TOTAL DE MEDICAMENTOS Fonte: IMS 1.1 - Mercado Total 23 2.733.558.9-229.723.613-24 2.979.4.479

Leia mais

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe.

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Case Study Boavista Golf Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Introdução Portugal é considerado, por muitos especialistas, um dos melhores lugares para

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [416] Com o intuito de definir uma base de referência para avaliação futura da evolução da situação do sistema de saneamento no município, recomenda-se

Leia mais

Como chega a água às nossas casas?

Como chega a água às nossas casas? AgdA Águas Públicas do Alentejo, S.A. Como chega a água às nossas casas? Água de Todos para Todos Quem é? Em 13 de Agosto de 2009, foi celebrado um Contrato de Parceria Pública entre o Estado Português

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

MINISTةRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA SAعDE

MINISTةRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA SAعDE Diلrio da Rep blica, 2.ھ série N. 62 27 de março de 2012 10943 de 13 de maio, estarل patente na Secretaria do municيpio de Olhمo e nesta Direçمo Regional, sita em Rua Prof. Ant nio Pinheiro e Rosa, 8005-546

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Dezembro, 2014 Agenda O incêndio cronologia Cuidados ambientais adotados durante o sinistro Possíveis causa(s) do incêndio Melhorias

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos.

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos. APLICAÇÃO DE UM MODELO DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CÁVADO AO ESTUDO DO IMPACTO DA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR José M. P. VIEIRA 1 ; António A L. S. DUARTE 2 ; José L. S. PINHO 3 RESUMO A construção

Leia mais

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Página 1 Complexo de Lever é responsável pelo abastecimento de água a mais de 1,4 O milhões de habitantes de 13 municípios Accionistas da

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios em Terminais de Movimentação de Produto a Granel. Dezembro/14

Prevenção e Combate a Incêndios em Terminais de Movimentação de Produto a Granel. Dezembro/14 Prevenção e Combate a Incêndios em Terminais de Movimentação de Produto a Granel Dezembro/14 Agenda Descrição do Incêndio Combate Ações Ambientais Proteção Contra Incêndio e Melhorias Presença de pó na

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Vigilância em Saúde Ambiental Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS CASO DE ESTUDO: SUB-SISTEMA DA PÓVOA/VILA DO CONDE Catarina Sousa 1 ; Dídia Covas 2 ; Helena Ramos 3 ; Susana

Leia mais

ANEXO II. Análise Preliminar de Perigos APP

ANEXO II. Análise Preliminar de Perigos APP ANEXO II Análise Preliminar de Perigos APP Sistema: Torre Subsistema: Top Drive Data: 05/05/5 Perigo Causas Mo de Corrosão da torre Desgaste por exposição tempo de operabilidade (corrosão) -Desabamento

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Curso de treinamento do PAE

Curso de treinamento do PAE Curso de treinamento do PAE Conteúdo do PAE Maria Teresa Viseu LNEC 1 Curso de Treinamento do PAE > ÍNDICE > Enquadramento legal > Introdução à Lei 12.334 e resoluções relacionadas > Implicações da legislação

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais

Check-list Adequação e Conforto das Instalações

Check-list Adequação e Conforto das Instalações 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES Garante rampas de acesso, ou meios equivalentes, para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém actualizada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva Aplicação do Regime de Responsabilidade Ambiental Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos Marisa Silva Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Aplicação do Regime de Responsabilidade

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015 CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Diálogos do Saneamento 02/12/2015 DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais da CORSAN em 2015 Universalização de Serviços DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO. Tipos, função e localização

ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO. Tipos, função e localização ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização Órgãos de manobra e controlo de um sistema adutor Principais tipos de órgãos Válvulas de manobra e segurança (manuais ou de funcionamento autónomo)

Leia mais

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017 Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de a Projeto/Atividade: 2165 - MANUTENÇÃO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Função Programática: 17.122.0052 MANUTENÇÃO DOS PROCESSOS CONTÍNUOS DE MELHORIA

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A.

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A. Levantamento e Cadastro de Infra-estruturas associadas aos Sistemas de Abastecimento de Água e de Tratamento e Drenagem de Águas Residuais e Pluviais Ricardo Freitas 3 Objectivos Elaboração do cadastro

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR. Octávio PASCOAL PEREIRA (1)

ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR. Octávio PASCOAL PEREIRA (1) ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR Octávio PASCOAL PEREIRA (1) RESUMO A Estação de Tratamento de Água (ETA) de Areias de Vilar e as infraestruturas de captação e da

Leia mais

A GSMk é uma empresa vocacionada para o projecto, licenciamento, instalação e manutenção de:

A GSMk é uma empresa vocacionada para o projecto, licenciamento, instalação e manutenção de: A Empresa A empresa GSMk Gestão Energia, S.A, foi fundada no ano 2000 com o objectivo de colaborar com médias e grandes empresas na execução de obras nas áreas de Sistemas de Energia, Automação e Controlo,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos

Leia mais

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul.

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia A como Recurso Recursos hídricos água nos seus diferentes estados e reservatórios, disponível ou potencialmente disponível, susceptível de satisfazer, em quantidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Seminário A Gestão da Água no Sector Público e Residencial Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Coruche, 21 março 2014 AGENDA 1. CONTEXTO DO PAÍS 2. SITUAÇÃO DA EPAL E ESTRATÉGIA ADOTADA

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil

O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil Marcos Thadeu Abicalil Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial Impatos Gerais das Mudanças Climáticas Enfoque

Leia mais

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água IV Diálogos de Saneamento Plano de Segurança da Água Painel: Os Municípios e os Planos de Segurança da Água Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água Dieter Wartchow dieterw@iph.ufrgs.br

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

SISTEMA REGIONAL DO CARVOEIRO - O ARRANQUE. Fausto M. M. de OLIVEIRA (1)

SISTEMA REGIONAL DO CARVOEIRO - O ARRANQUE. Fausto M. M. de OLIVEIRA (1) SISTEMA REGIONAL DO CARVOEIRO - O ARRANQUE Fausto M. M. de OLIVEIRA (1) RESUMO Criado para abastecer de água em alta seis municípios, Agueda, Albergaria-a-Velha, Aveiro, Estarreja, Ilhavo e Murtosa, o

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais

AIM Produto PVF 5899281 AcetilcisteÝna 600 Mg 20 Comp. 20,00% 5816988 cido Alendr¾nico 70 Mg, 4 Comp. 20,00% 5325725 cido Ibandr¾nico 150 Mg, 1 Comp.

AIM Produto PVF 5899281 AcetilcisteÝna 600 Mg 20 Comp. 20,00% 5816988 cido Alendr¾nico 70 Mg, 4 Comp. 20,00% 5325725 cido Ibandr¾nico 150 Mg, 1 Comp. AIM Produto PVF 5899281 AcetilcisteÝna 600 Mg 20 Comp. 20,00% 5816988 cido Alendr¾nico 70 Mg, 4 Comp. 20,00% 5325725 cido Ibandr¾nico 150 Mg, 1 Comp. 20,00% 5226485 cido Valpr¾ico 300 Mg 60 Comp. Lib.

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA 01. Objeto TERMO DE REFERÊNCIA O presente PMI visa orientar a apresentação de interessados na estruturação de Projetos de Implantação, Expansão, Restauração e Operação do Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO. de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035

PLANO ESTRATÉGICO. de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035 PLANO ESTRATÉGICO de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035 PLANO ESTRATÉGICO DE GESTÃO PATRIMONIAL DE INFRAESTRUTURAS ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS

Leia mais

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água CONTEXTO DO PAÍS As fugas de água nos sistemas de abastecimento são um problema, mas têm de deixar

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP Laudicéia Gicometti Lopes (1) Química com atribuições tecnológicas (FFCLRP-USP), Mestre em Microbiologia (FCAV-UNESP), Especialista em Engenharia

Leia mais

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM Zuleika Stela Chiacchio Torquetti Presidente Novembro, 2014 Contextualização

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO José Saldanha Matos (DECivil)

Leia mais

PROJECTO PORTO GRAVÍTICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO PORTO POR GRAVIDADE

PROJECTO PORTO GRAVÍTICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO PORTO POR GRAVIDADE PROJECTO PORTO GRAVÍTICO ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO PORTO POR GRAVIDADE JOAQUIM POÇAS MARTINS EM ENTREVISTA O Projecto Porto Gravítico começou a ser implementado em 2007 pela Águas do Porto. Consiste no

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB Elisângela do Rego Lima INTRODUÇÃO As inundações (freqüência e magnitude); Alagoa Grande (332,6 km²); Maior enchente

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES ESTUDO DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E PRINCIPAIS ATIVIDADES POLUIDORAS NA BACIA DO ALTO RIO MÃE LUZIA EM SANTA CATARINA RELATÓRIO FINAL DATA DE ELABORAÇÃO OUT/1981 MÓDULO

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos -

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - Raquel N. FIGUEIREDO Eng.ª Ambiente, Águas do Cávado, SA, Lugar

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Abastecimento de Água de Lisboa EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres S/A ETA ASSEICEIRA Fotos opcionais Lisboa Quinta feira, 12 Dez 2013 Grupo 4 Nome Empresa

Leia mais