Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S. por Helcio Wagner da Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S. por Helcio Wagner da Silva"

Transcrição

1 Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S por Helcio Wagner da Silva

2 Modelo Geral de um Módulo de E/S Barramento de Endereço Barramento de Dados Barramento de Controle Módulo de E/S Conexões com Dispositivos periféricos 2

3 Por que usar Módulos de E/S? Há uma grande variedade de periféricos, com diferentes mecanismos de operação É impraticável incorporar ao µp a lógica necessária para controlar vários dispositivos diferentes A taxa de transferência de dados dos periféricos é relativamente baixa Não faz sentido usar barramentos de alta velocidade para comunicação direta com um periférico Os periféricos usam freqüentemente formatos de dados e tamanhos de palavras diferentes dos usados internamente à máquina 3

4 Funções de um Módulo de E/S Controle e Temporização Comunicação com o µp Comunicação com dispositivos Área de armazenamento temporário de dados Detecção de erros 4

5 Exemplo da Função Controle e Temporização 1. O µp interroga o módulo de E/S para verificar o estado do dispositivo 2. O módulo retorna o estado do dispositivo 3. Se o dispositivo estiver em operação e pronto para transmitir dados, o µp requisitará a transferência enviando um comando para o módulo de E/S 4. O módulo de E/S obtém uma unidade de dados (p.ex., 8 ou 16 bits) do dispositivo 5. Os dados são transferidos do módulo de E/S para o µp 5

6 Tópicos Envolvidos na Função Comunicação com o µp Decodificação de comandos Conversão entre sinais transmitidos através do barramento de controle e comandos usados pelos dispositivos Dados São transferidos entre o µp e o módulo de E/S através do barramento de dados Informação de estado Lentidão dos periféricos faz com que seja importante conhecer o estado do módulo de E/S Reconhecimento de endereço O módulo de E/S deve reconhecer um endereço distinto para cada periférico controlado 6

7 A Função Comunicação com Dispositivos Sinais de controle Do módulo de E/S (READ/WRITE) Sinais de estado p/ o módulo de E/S (READY/NOT READY) Sinais de dados (bits) de e para o módulo de E/S Lógica De Controle Área de armazenamento temporário Transdutor Dados de e para o ambiente 7

8 A Função Armazenamento Temporário de Dados A transferência de dados da memória principal para o módulo de E/S é feita rapidamente Esses dados são temporariamente armazenados no módulo de E/S e então enviados para o dispositivo numa taxa adequada No caminho oposto, os dados são também armazenados temporariamente no módulo de E/S para não reter a memória numa transferência de dados a baixa velocidade O módulo de E/S deve ser capaz de realizar operações tanto à velocidade da memória quanto à do dispositivo externo 8

9 A Função Detecção de Erros Erros possíveis: Mau funcionamento elétrico ou mecânico Falha de alimentação de papel Trilha de disco defeituosa etc Alterações no padrão de bits transmitidos por um dispositivo para o módulo de E/S Bits de paridade (p.ex., 8º bit em 1 Byte contendo um caractere ASCII) 9

10 Estrutura Interna de um Módulo de E/S Interface com o barramento do sistema Interface com Dispositivos externos Linhas de dados Registradores de dados Registradores de estado/controle Lógica de interface com dispositivo externo Dados Estado Controle Linhas de endereço Linhas de controle Lógica De E/S Lógica de interface com dispositivo externo Dados Estado Controle 10

11 Técnicas Usadas para E/S Transferência entre memória e E/S por meio do µp Transferência direta entre memória e E/S Sem Interrupções E/S programada Com Interrupções E/S dirigida por interrupção - Acesso Direto à Memória (DMA) 11

12 E/S Programada Em um programa, a execução de uma instrução relacionada a E/S faz com que um comando seja enviado para o módulo de E/S O módulo de E/S executa a operação requisitada e sinaliza o seu término carregando um valor no registrador de estado Nenhuma ação é executada pelo módulo para alertar o µp sobre o término da operação É responsabilidade do µp verificar periodicamente o estado do módulo, para ver se a operação foi completada 12

13 Envia cmd de leitura para o módulo de E/S µp módulo de E/S Não pronto Lê o estado do módulo de E/S Verifica estado Pronto Lê uma palavra do módulo de E/S Escreve uma palavra na memória módulo de E/S µp Condição de erro módulo de E/S µp µp memória Não Terminou? E/S Programada Sim 13 Próxima instrução

14 Endereçamento de dispositivos de E/S E/S mapeada na memória Há um único espaço de endereçamento para posições de memória e dispositivos de E/S Exemplo: Endereçamento de Byte Endereços de 10 bits 1024 Bytes Endereços 0-511: memória principal Endereços : dispositivos de E/S E/S independente Espaço de endereçamento de E/S é independente do espaço de endereçamento da memória 14

15 E/S Mapeada na Memória pronto 0 ocupado Registrador de dados de entrada do teclado Registrador de controle e de estado de entrada do teclado Atribuir 1 para iniciar a leitura ENDEREÇO INSTRUÇÃO OPERANDO COMENTÁRIO 200 Carregar acumulador Armazenar acumulador 517 Iniciar leitura do teclado 202 Carregar acumulador 517 Obter byte de estado 203 Desviar se sinal = Repetir até que esteja pronto 204 Carregar o acumulador 516 Carregar byte de dados 15

16 E/S Independente ENDEREÇO INSTRUÇÃO OPERANDO COMENTÁRIO 200 Iniciar E/S 5 Iniciar leitura do teclado 201 Testar E/S 5 Testar se a operação foi completada 202 Desviar se não pronto 201 Repetir até que seja completada 203 Leitura 5 Carregar byte de dados Acesso aos dispositivos de E/S é feito através de instruções especiais (comandos) 16

17 E/S Dirigida por Interrupção μp envia um comando de E/S para o módulo e continua a executar outras instruções O módulo de E/S interrompe o μp quando ele (módulo) estiver pronto para trocar dados μp efetua a transferência de dados e depois retorna ao seu processamento original É mais eficiente que a E/S programada, pois elimina ciclos de espera desnecessários 17

18 Envia cmd de leitura para o módulo de E/S Lê o estado do módulo de E/S µp módulo de E/S Executa outras instruções módulo de E/S µp Interrupção Verifica estado Pronto Lê uma palavra do módulo de E/S Condição de erro módulo de E/S µp E/S Dirigida por Interrupção Não Escreve uma palavra na memória Terminou? Sim µp memória Próxima instrução 18

19 Processamento da Interrupção Módulo de E/S envia uma interrupção μp termina execução da instrução corrente μp reconhece a interrupção μp armazena PSW e PC na pilha de controle μp carrega novo valor no PC, conforme interrupção Demais informações de estado são armazenadas Processamento da interrupção Informações de estado do processo são restauradas Antigos valores de PSW e PC são restaurados Hardware Software 19

20 Processamento da Interrupção Y PC T R Topo Y Início N N+1 T N+1 Programa de usuário Y+L Retorno Rotina de tratamento de interrupção Pilha de controle 20

21 Processamento da Interrupção Y PC... Registradores T-M R Topo Y Início N N+1 T-M T-1 T N+1 Programa de usuário Y+L Retorno Rotina de tratamento de interrupção Pilha de controle 21

22 Processamento da Interrupção Y+L PC... Registradores T R Topo Y Início N N+1 T-M T-1 T N+1 Programa de usuário Y+L Retorno Rotina de tratamento de interrupção Pilha de controle 22

23 Processamento da Interrupção N+1 PC Y Início N N+1 T N+1 Programa de usuário Y+L Retorno Rotina de tratamento de interrupção Pilha de controle 23

24 Identificação de Dispositivos Técnicas utilizadas: Múltiplas linhas de interrupção Na prática, poucas linhas de μp são usadas para solicitação de interrupções Identificação por software Consome muito tempo Identificação por hardware (vetorada) Consome menos tempo que a identificação por SW Arbitração do barramento (vetorada) Consome menos tempo que a identificação por SW 24

25 Identificação de Dispositivos múltiplas linhas de interrupção Módulo de E/S Dispositivo μp INTR#0 INTR#1 INTR#N... Módulo de E/S Dispositivo... Módulo de E/S Dispositivo 25

26 Identificação de Dispositivos identificação por software Quando o μp detecta uma interrupção, ele desvia a execução para uma rotina de tratamento de interrupções Esta rotina interroga cada módulo de E/S, para determinar qual deles causou a interrupção Metodologias de interrogação: Linha de teste especial (TEST I/O) + colocação de endereços dos módulos no barramento de endereços Leitura de registradores de estado Identificado o módulo, sua rotina de tratamento de interrupção específica é chamada 26

27 Identificação de Dispositivos identificação por hardware μp Módulo de E/S Módulo de E/S Módulo de E/S Módulo de E/S O sinal de reconhecimento de interrupção se propaga pelos módulos de E/S, até chegar àquele que originou a interrupção Esse módulo responde colocando uma palavra de dados, chamada vetor de interrupção, nas linhas de dados O vetor de interrupção contém o endereço do módulo de E/S, e serve para que o μp acione a rotina de tratamento de interrupção adequada ao dispositivo 27

28 Identificação de Dispositivos - arbitração do barramento Para enviar um sinal de interrupção, o módulo de E/S precisa inicialmente obter o controle do barramento Quando o μp detecta a interrupção, ele responde por meio da linha de reconhecimento de interrupção O módulo de E/S que causou a interrupção coloca seu vetor na linha de dados 28

29 O Controlador Intel 82C59A O Intel possui: Uma única linha de requisição de interrupção (INTR) Uma única linha de reconhecimento de interrupção (INTA) Para manipular vários dispositivos e estruturas de prioridade, ele é normalmente configurado com um controlador de interrupções externo, o Intel 82C59A Os módulos de E/S são conectados ao 82C59A, que por sua vez é conectado ao

30 O Controlador Intel 82C59A INTR INTR IR0 IR1 Módulo de E/S 00 Módulo de E/S 01 IR2 Módulo de E/S INTA INTA IR7 Módulo de E/S 07 Caso seja preciso controlar mais de oito módulos, pode ser usado um arranjo em cascata possibilitando controlar até 64 módulos 30

31 O Controlador Intel 82C59A O 82C59A é programável Modos de programação possíveis: Totalmente aninhado As requisições de interrupção são ordenadas de acordo com as prioridades de 0 (IR0) a 7 (IR7) Circular Num mesmo grupo de dispositivos, aquele que foi mais recentemente atendido recebe a prioridade mais baixa Máscara especial Possibilita ao μp inibir interrupções de determinados dispositivos 31

32 O Módulo de E/S Intel 82C55A Pode ser programado para E/S programada ou E/S dirigida por interrupção Como interface externa para dispositivos, possui 3 grupos de linhas de 8 bits (A, B e C) Em um modo de operação específico, os 3 grupos funcionam como 3 portas de E/S Nos demais modos, as linhas dos grupos A e B funcionam como portas de E/S e as do grupo C como linhas de controle para os grupos A e B 32

33 O Módulo de E/S Intel 82C55A Registrador de Dados Barramento de 8 bits Barramento de dados do A Alimentação +5V Terra 4 C A Linhas de endereço A 0 A 1 Read Write Reset CS Lógica De Controle 8 Registrador de Controle 4 8 C B B buffers 33

34 34 R0 R1 R2 R3 R4 R5 Shift Control Data Ready Acknowledge Teclado S0 S1 S2 S3 S4 S5 Backspace Clear Data Ready Acknowledge Blanking Clear Line Monitor de Vídeo 82C55A A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 C4 C5 B0 B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 C1 C2 C6 C7 Porta de entrada Porta de saída Requisição de interrupção C3 Requisição de interrupção C0

35 Acesso Direto à Memória (DMA) Envolve um módulo adicional no barramento do sistema Esse módulo, denominado controlador de DMA, imita o μp nas funções de E/S de dados O controlador de DMA pode operar das seguintes maneiras: Usando o barramento apenas quando o μp não o utiliza Forçando o μp a suspender temporariamente sua operação técnica conhecida como roubo de ciclo 35

36 Roubo de Ciclo Tempo Ciclo de instrução Ciclo do μp Ciclo do μp Ciclo do μp Ciclo do μp Ciclo do μp Ciclo do μp Busca de instrução Decod. de instrução Busca de operando Execução de instrução Armazenam. de resultado Proc. de interrupção Pontos de suspensão de DMA Pontos de suspensão de interrupção 36

37 Acesso Direto à Memória (DMA) Envia cmd de leitura para o módulo de E/S µp controlador DMA Executa outras instruções Lê o estado do controlador DMA Controlador DMA µp Interrupção Próxima instrução 37

38 Estrutura Interna de Um Módulo DMA Contador de dados Linhas de dados Linhas de endereço DMA Request DMA Acknowledgement Interrupt Read Write Registrador de dados Registrador de endereços Lógica de Controle 38

39 Configurações de DMA Algumas possibilidades: Barramento único, DMA separado Barramento único, DMA-E/S integrados Barramento específico de E/S 39

40 Configurações de DMA Barramento Único, DMA separado μp DMA E/S... E/S Memória Barata Ineficiente a transferência de cada palavra consome vários ciclos de barramento 40

41 Configurações de DMA - Barramento Único, DMA-E/S Integrados μp DMA DMA Memória E/S E/S E/S Custosa Eficiente 41

42 Configurações de DMA - Barramento Específico de E/S Barramento do sistema μp DMA Memória Barramento de E/S Custosa Eficiente E/S E/S E/S 42

43 Evolução: canais e processadores de E/S 1. μp controla diretamente dispositivos 2. Módulos de E/S são adicionados 3. Interrupções são utilizadas 4. É introduzido o módulo de DMA 5. O módulo de E/S evolui para um canal, e executa programas de E/S carregados da memória principal 6. O canal evolui para um processador, possuindo sua própria memória local 43

44 Tipos de Canais Seletores Dedicam-se à transferência de dados apenas com um único dispositivo por vez Multiplexadores Transferem dados de/para vários dispositivos simultaneamente 44

45 Canal Seletor Memória principal μp Canal Seletor Módulo de E/S Módulo de E/S dispositivo dispositivo dispositivo 45

46 Canal Multiplexador Memória principal μp Canal Multiplexador Módulo de E/S dispositivo Módulo de E/S dispositivo dispositivo Módulo de E/S dispositivo 46

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Módulos de E/S Prof. Sílvio Fernandes Introdução

Leia mais

Entrada e Saída (E/S)

Entrada e Saída (E/S) Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e Saída (E/S) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado no material do prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Dois conceitos fundamentais no estudo dos sistemas de computação são o de Arquitetura e Organização de computadores. O termo arquitetura refere-se

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Entrada e Saída Slide 1 Entrada e Saída Dispositivos Externos E/S Programada Organização e Arquitetura de Computadores I Sumário E/S Dirigida por Interrupção

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Interconexão do Computador Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes -

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Evolução e Desempenho dos Computadores Slide 1 Conceitos Arquitetura do Computador Refere-se aos atributos que são visíveis para o programador. Ex: conjunto

Leia mais

Problemas com Entrada e Saída

Problemas com Entrada e Saída Problemas com Entrada e Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 6ª Aula Entrada e Saída Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Estrutura da máquina de von Neumann Dispositivos Periféricos Interface com o mundo exterior

Leia mais

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 23 Entrada e Saída (I/O) Rodrigo Hausen 03 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/62 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores... 2.3. Estruturas

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle por Helcio Wagner da Silva Microoperações Execução de programa... Ciclo de instrução Ciclo de instrução Ciclo de instrução Busca Indireto Execução

Leia mais

Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela

Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela Infra-Estrutura de Hardware Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Introdução Transmissões Serial (síncrona e assíncrona) e Paralela

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu.

Introdução. Hardware (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte III) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br Carga

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

Oganização e Arquitetura de Computadores

Oganização e Arquitetura de Computadores Oganização e Arquitetura de Computadores Capítulo 14 e 15 Unidade de Controle Parte I Operação da Unidade de Controle 1 Micro-Operações Um computador executa um programa Ciclo: Busca/Executa Cada ciclo

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.4 SISTEMA DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann: Computadores atuais Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Aula 1 Introdução Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Departamento de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal Rural do Semi-Árido Introdução Informática informação aplicada; Pressupõe

Leia mais

Arquitectura interna de um computador

Arquitectura interna de um computador Arquitectura interna de um computador Trabalho elaborado por: Carla Ventura e Sandra Jacinto 1 Descrição de uma tarefa Fases de execução de uma tarefa Unidades de execução de uma tarefa Computador como

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Sistemas Operacionais. Entrada e Saída. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Operacionais. Entrada e Saída. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Entrada e Saída Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Entrada e Saída Princípios Classificação Controladores DMA Software de E/S Drivers 2 Estrutura Típica de Barramento

Leia mais

Figura 8: modelo de Von Neumann

Figura 8: modelo de Von Neumann 3. ORGANIZAÇÃO DE SISTEMA DE COMPUTADORES Olá, caro aluno! Neste capítulo vamos ver como são organizados os componentes que formam um sistema computacional. O conceito é histórico, mas é aplicado até os

Leia mais

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Explicitar aos alunos os modelos de entrada e saída em um computador e quais barramentos se aplicam a cada componente: memória,

Leia mais

Memórias. Barramentos. Prof. Demétrios Coutinho

Memórias. Barramentos. Prof. Demétrios Coutinho Memórias Barramentos Prof. Demétrios Coutinho Barramento Organização Básica de Computadores Um caminho de comunicação entre duas ou mais unidades Compartilhado um usuário por vez A comunicação é do tipo

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis!

http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis! http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! 1 Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis! Unidade central de Processamento realiza operações básicas codificadas em 0s e 1s instrução contém código

Leia mais

Interface com Displays de 7 Segmentos. Interface com Displays

Interface com Displays de 7 Segmentos. Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos Interface com Displays Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas maneiras: f e a g b c

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays Prof. Adilson Gonzaga Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos 2 Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

Microprocessadores e Aplicações

Microprocessadores e Aplicações Microprocessadores e Aplicações Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2005/ 2006 Aula 1 Semana 26 a 30 de Setembro - Apresentação 1. Apresentação da disciplina aos alunos: a. Programa

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 03

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 03 Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 03 Conceitos básicos de Sistemas Operacionais Hardware Software Concorrência

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção Sistemas Operacionais Interrupção e Exceção Interrupção e Exceção Durante a execução de um programa podem ocorrer alguns eventos inesperados, ocasionando um desvio forçado no seu fluxo de execução. Estes

Leia mais

Histórico e Evolução da Computação

Histórico e Evolução da Computação Lista de Exercícios Introdução à Informática Professor: Sérgio Salazar Histórico e Evolução da Computação O 1º computador foi o ENIAC, utilizado para montar tabelas para o cálculo de projéteis na 2ª Guerra

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais

Introdução Informática e TIC. Prof. Ivo Júnior

Introdução Informática e TIC. Prof. Ivo Júnior Introdução Informática e TIC Prof. Ivo Júnior O que é informática?? É o ramo do conhecimento que cuida dos conceitos, procedimentos e técnicas referentes ao processamento ou tratamento de conjuntos de

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

O que é a memória? Analogia: Biblioteca. Para que serve a biblioteca / bibliotecária?

O que é a memória? Analogia: Biblioteca. Para que serve a biblioteca / bibliotecária? O QUE É A MEMÓRIA? O que é a memória? Analogia: Biblioteca Para que serve a biblioteca / bibliotecária? O que é a memória? Simples: armazena/recupera dados numéricos Para uso posterior! Na prática... Dispositivo

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.1 CPU: Unidade de Processamento Central Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Unidade de Processamento Central (CPU): Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Data Path / Control Path Controle do MIPS

Data Path / Control Path Controle do MIPS Organização e Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Uniciclo A unidade de controle deve, a partir do código da instrução, fornecer os sinais que realizam as instruções na unidade operativa. Sequência

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Aula Passada Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Aula de hoje Chamada de Procedimento Remoto - RPC Fundamentos 1 Chamada de Procedimento

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação O Sistema de Computação Professor: Alex Sandro Forghieri alex.forghieri@ifsc.edu.br O Sistema de Computação INTRODUÇÃO Introdução Sistemas Computacionais podem ser divididos em camadas: Aplicativos Sistema

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Barramento Para falarmos de barramento precisamos comentar sobre a placa mãe: Antes

Leia mais

MATA49 Programação de Software Básico

MATA49 Programação de Software Básico MATA49 Programação de Software Básico Leandro Andrade leandrojsadcc.ufba.br PROF. LEANDRO ANDRADE 1 Arquitetura dos processadores Intel PROF. LEANDRO ANDRADE 2 Um pouco de história... Como sabemos

Leia mais

INTERFACE PARALELA. Área: Eletrônica Nível de conhecimento necessário: básico. Autor:

INTERFACE PARALELA. Área: Eletrônica Nível de conhecimento necessário: básico. Autor: INTERFACE PARALELA Área: Eletrônica Nível de conhecimento necessário: básico Tópicos abordados: O que é a interface paralela? Quantas entradas e saídas ela possui? Construindo a interface Manipulando no

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto BARRAMENTO DO SISTEMA Adão de Melo Neto 1 BARRAMENTOS DO SISTEMA O mecanismo mais comum de interconexão dos componentes de um computador (processador, memória principal e módulos de E/S) usa um barramento

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos.

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. Outubro 2010 DOMÓTICA TELEGRAMA Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro 2010 2/26 TELEGRAMA Estrutura da Apresentação FormatodeDadosKNX Sinal no Barramento AcessoaoMeio Características

Leia mais

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma Controlador de DMA Gustavo G. Parma Controlador de DMA Transferência de um dado de um dispositivo I/O para a memória Iniciada pela CPU Transferência efetuada e terminada pelo controlador de DMA CPU pode

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Índice. 1. Descrição Geral do Módulo. Módulo Processador CPU209-R1 V1.00-22/07/05

Índice. 1. Descrição Geral do Módulo. Módulo Processador CPU209-R1 V1.00-22/07/05 Módulo Processador CPU209-R V.00-22/07/05 Índice. Descrição Geral do Módulo... 2.EspecificaçõesTécnicas...2 3. Configuração do Módulo...2 3. Configuração de Memória...2 3.2 Strap de Inicialização do Módulo...3

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 1. Descreva as funções desempenhadas pelos escalonadores de curto, médio e longo prazo em um SO. 2. Cite três motivos pelos quais o controle do processador

Leia mais

HARDWARE INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br

HARDWARE INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br HARDWARE O COMPUTADOR, INDEPENDENTE DO TIPO: PARA QUE ISTO POSSA OCORRER TEMOS QUE ALIMENTÁLO COM DADOS E AGUARDAR O RETORNO DESTE PROCESSAMENTO.

Leia mais

4 Sistema Computacional:

4 Sistema Computacional: 4 Sistema Computacional: Hardware: são os componentes e dispositivos eletrônicos que operando em conjunto com outros componentes ou mesmo individualmente realizam uma das funções de um sistema de computação.

Leia mais

Projetando um Computador Parte II Arquitetura do Processador BIP

Projetando um Computador Parte II Arquitetura do Processador BIP Projetando um Computador Parte II Arquitetura do Processador BIP Prof. Dr. Cesar Albenes Zeferino (zeferino@univali.br) Objetivo Projetando um Computador Parte II (2) Apresentar as noções do funcionamento

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

TOKEN RING & TOKEN BUS

TOKEN RING & TOKEN BUS TOKEN RING & TOKEN BUS Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Diogo Martins Rodrigues Ferreira 2013/2014 ÍNDICE Introdução...2 Token

Leia mais

FIQUE POR DENTRO DA INTERNET

FIQUE POR DENTRO DA INTERNET Instituto de Educação infantil e juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XX MMXIII Fase 3 Grupo A FIQUE POR DENTRO DA INTERNET Um em cada dez consumidores

Leia mais

Objetivos da aula. Recursos de Sistemas de Informação

Objetivos da aula. Recursos de Sistemas de Informação Recursos de Sistemas de Informação Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Luiz Antonio do Nascimento Anhanguera Taboão da Serra Objetivos da aula Fornecer exemplos de componentes de Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Mecânica Curso Lato Sensu MECATRÔNICA Módulo Robótica - AULA 6: Exercício Prático Prof. Vitor Ferreira Romano 1. ASPECTOS

Leia mais

Componentes do Computador

Componentes do Computador Computador Um computador é uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas, com capacidade de coletar, armazenar e manipular dados, além de fornecer informações, tudo isso de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano e nas

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Código BCD; Comparação entre BCD e Binário; Circuitos Digitais para BCD; Código Gray; Código ASCII; Detecção de erros pelo método de Paridade O que é um Código?

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Com o conceito de múltiplos threads (multithread) é possível

Leia mais

DATA Shield VISÃO GERAL

DATA Shield VISÃO GERAL DATA Shield VISÃO GERAL O desenvolvimento deste Shield se deve ao fato de não existir no mercado um shield para o Arduino que forneça recursos semelhantes. É possível encontrar Shields que trazem separadamente

Leia mais

INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP

INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP INTERNET GROUP MANAGEMENT PROTOCOL - IGMP O IGMP é um mecanismo para troca de informações entre um dispositivo e o roteador multicast mais próximo, permitindo determinar se um pacote multicast deve ser

Leia mais

Dispositivos Externos

Dispositivos Externos Dispositivos Externos Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Arquitetura de Computadores EL66C 1a. Prova - Gabarito 26/04/10

Arquitetura de Computadores EL66C 1a. Prova - Gabarito 26/04/10 1. Questão [2,0] Com respeito a operação em modo protegido, da arquitetura IA-32, pede-se: a) [1,0] Qual a finalidade do campo word count' em um descritor tipo call gate? Forneça um exemplo de sua utilização.

Leia mais

BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES

BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Um sistema baseado em microcomputador utiliza os barramentos de endereços, dados e controle para efetuar a comunicação entre o microprocessador e os dispositivos

Leia mais

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Sistemas Digitais II Interface com o mundo analógico Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Objetivos Compreender a teoria de funcionamento e as limitações dos circuitos de diversos tipos de conversores

Leia mais

INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES

INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES Métodos de transferência de dados: Conversores compatíveis com os microprocessadores. Conectam-se diretamente ao barramento. Conversores não-compatíveis com

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

Entrada e Saída e Dispositivos

Entrada e Saída e Dispositivos Entrada e Saída e Dispositivos Uma das funções do Sistema Operacional é: - Gerência de dispositivos de E/S. Operações: - Tratamento de interrupções - Tratamento erros - Interfaceamento entre os dispositivos

Leia mais

Introdução. Software Básico Aula 3. Prof. Dr. Rogério Vargas.

Introdução. Software Básico Aula 3. Prof. Dr. Rogério Vargas. Introdução Software Básico Aula 3 Prof. Dr. Rogério Vargas http://rogerio.in Provocação Você já se perguntou como é que os programas que você escreve são traduzidos em instruções executáveis pelas estruturas

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. M.e Helber Wagner da Silva helber.silva@ifrn.edu.br Maio de 2014 Roteiro Introdução Estrutura e Funções do Sistema Operacional Sistemas Operacionais existentes

Leia mais

Projetando um Computador

Projetando um Computador Objetivo Projetando um Computador Parte II (2) Projetando um Computador Parte II Arquitetura do Processador BIP Apresentar as noções do funcionamento de um computador através da descrição da arquitetura

Leia mais

Backup e Recuperação Guia do Usuário

Backup e Recuperação Guia do Usuário Backup e Recuperação Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

Objetivos. Arquitetura x86. Evolução dos Microprocessadores com arquitetura x86. Universidade São Judas Tadeu. Introdução à Computação

Objetivos. Arquitetura x86. Evolução dos Microprocessadores com arquitetura x86. Universidade São Judas Tadeu. Introdução à Computação Universidade São Judas Tadeu Prof. André Luiz Ribeiro Prof. Jorge Luis Pirolla Introdução à Computação Microprocessadores e Arquitetura (2) - FEDELI, Ricardo D.; POLLONI, Enrico G.; PERES, Fernando E.

Leia mais

Estrutura de Sistemas Operacionais. Capítulo 1: Introdução

Estrutura de Sistemas Operacionais. Capítulo 1: Introdução Estrutura de Sistemas Operacionais 1.1 Silberschatz, Galvin and Gagne 2005 Capítulo 1: Introdução O que faz um sistema operacional? Revisão da organização de um computador Revisão de alguns conceitos de

Leia mais

Voltar. Voltar. Voltar

Voltar. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 1 Computadores: Ferramentas para a Era da Informação Objetivos Descrever as características fundamentais dos computadores. Identificar os componentes básicos de um sistema

Leia mais

Interrupções e DMA. Mecanismos de I/O

Interrupções e DMA. Mecanismos de I/O Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Interrupções e DMA 1 Mecanismos de I/O Programmed

Leia mais

Caminho de Dados e Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Caminho de Dados e Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Caminho de Dados e Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Convenções Lógicas de Projeto; Construindo um Caminho de Dados; O Controle da ULA; Projeto da Unidade de Controle Principal;

Leia mais

INFORMÁTICA. www.fatodigital.com.br. Introdução à Informática Hardware CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA

INFORMÁTICA. www.fatodigital.com.br. Introdução à Informática Hardware CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA Introdução à Informática Hardware 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA Hardware - parte física do equipamento, ou seja, tudo aquilo que é palpável. Software - programas. Peopleware - parte humana do

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas

Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) E/S: Controladores, Mapeamentos e Técnicas

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

Nosso Site. http://www.cintegrado.com.br/anapolis/

Nosso Site. http://www.cintegrado.com.br/anapolis/ Nosso Site http://www.cintegrado.com.br/anapolis/ MÓDULO I INFORMÁTICA BÁSICA Endereço do grupo Endereço da web atual: http://douglasddp.wordpress.com.br Endereço de e-mail atual: douglas.ddp@gmail.com

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Semestre - Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Classificação de computadores Grande porte: Supercomputadores e Mainframes Médio porte: Minicomputadores

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Use o para alterar as configurações da impressora que afetam os trabalhos enviados à impressora por uma porta serial (Serial Padrão ou Opção Serial ). Selecione um item de menu para obter mais detalhes:

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 770 Dispositivos e periféricos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar dispositivos internos e externos no computador. Identificar

Leia mais

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA ACADÊMICA DE GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Construção

Leia mais

Introdução a Programação Aula 01

Introdução a Programação Aula 01 Introdução a Programação Aula 01 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Sistemas de Informação ELC1064 Lógica e Algoritmo 1 O que é um computador? Máquina programável genérica Constituído por: Processador

Leia mais

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba, é uma

Leia mais

Componentes básicos de um computador

Componentes básicos de um computador Organização e Arquitetura de Computadores Prof.: Adriano Maranhão Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento O processador (ou microprocessador) é responsável pelo

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Introdução Acesso ao Subsistema de E/S Subsistema de E/S Device Drivers Controladores Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho,

Leia mais

Sistema Operacional. Implementação de Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Implementação de Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Implementação de Processo e Threads O mecanismo básico para a criação de processos no UNIX é a chamada de sistema Fork(). A Figura a seguir ilustra como que o processo e implementado.

Leia mais