Pré-sal: o futuro é logo ali

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pré-sal: o futuro é logo ali"

Transcrição

1 Revista Brasileira do Aço - Ano 18 - Edição Novembro de As reservas do pré-sal prometem alavancar o crescimento de diversos setores consumidores de aço. O problema é saber quando esses setores poderão contar efetivamente com a extração do óleo como mais uma fonte de elevação de receitas e catalisador de resultados. A indústria naval, por exemplo, tem muito a ganhar com o pré-sal, a menina dos olhos do governo federal, e se diz bastante preparada para isso. De acordo com Ariovaldo Rocha, presidente do SINAVAL (Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore), os estaleiros brasileiros estão preparados para o desafio de produzir navios-sonda, plataformas de produção, navios de apoio marítimo, petroleiros e todos os equipamentos necessários para essa nova fase do Brasil na produção de petróleo nas camadas profundas do subsolo marinho, conhecidas como o pré-sal. De acordo com o SINAVAL, o se- tor emprega diretamente 46.5 pessoas. O intuito da indústria da construção naval é empregar cerca de mais 15 mil pessoas em um prazo de quatro anos, e o pré-sal é o catalisador perfeito para o alcance desta meta. Mesmo antes do início das atividades, a Petrobras já tem sido a responsável por grande parte dos pedidos da indústria de bens de capital, segundo informa a ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos). A associação acredita que os pedidos aumentariam significativamente com o início da extração do óleo e defende ampla participação da indústria nacional no processo. No mês de outubro, a Abimaq apresentou duas emendas parlamentares ao projeto que trata da partilha do présal, que têm o objetivo de assegurar a soberania do setor de bens de capital brasileiro, além de criar reais oportunidades para o setor ser competitivo na exploração do pré-sal, estimulando a aquisição de equipamentos nacionais. As emendas pleiteiam ainda um regime tributário especial de produção e desoneração da produção e comercialização de bens e serviços e linhas especiais de financiamento no âmbito do BNDES. Em agosto, os índices do setor foram alavancados por medidas especiais anunciadas pelo BNDES, que atendeu pedidos da entidade. Portanto, uma nova concessão do governo não está descartada. Mais importante que as perspectivas dos setores consumidores em relação ao pré-sal é o uso que se fará com as riquezas por ele geradas. Especialistas, políticos e consumidores divergem quanto à importância dada ao pré-sal. O senador Tasso Jereissati afirmou, em debate sobre o assunto, que nenhum país desenvolvido tirou suas riquezas do petróleo. O Brasil surpreendeu ao entrar na crise por último e sair primeiro. A caminho do desenvolvimento, podemos surpreender novamente, inovar. A conferir. Pré-sal: o futuro é logo ali O que dois dos principais setores afetados pelos investimentos do pré-sal esperam de uma das mais recentes e mais promissoras descobertas do país RevistaACO_117.indd 1 11/18/9 2:28:9 PM

2 EStatÍStiCaS Distribuição Setorial das Vendas Janeiro a Setembro de Na variação versus, podemos notar que os setores Agrícola/Rodoviário e Tubos de Pequeno Diâmetro foram os que mais apresentaram queda em suas vendas. Já no setor Automobilístico e Utilidades domésticas houve um crescimento se compararmos com o mesmo período de, fato diretamente relacionado com um aumento das vendas de produtos industrializados, benefi ciadas devido à redução de IPI promovida pelo governo federal. Distribuição Setorial das Vendas Janeiro a Setembro de Outros 44% Automobilístico 9% Agrícola/ rodoviário 7% Desempenho Setorial das Vendas Janeiro a Setembro de Unid: 1 ton Tubos de pequeno diâmetro 3% Utilidades domésticas e comerciais 8% Construção civil 9% Máquinas e equipamentos industriais 2% ,7% Automobilístico ,9% Agrícola/ Rodoviário ,6% -17,8% 18,2% ,7% Máquinas e Equipamentos Industriais Construção Civil Utilidades Domésticas e Comerciais Tubos de Pequeno Diâmetro Em relação a par ticipação da distribuição entre os setores consumidores, constatamos um aumento na participação no segmento de utilidades domésticas, que passou de 5,9% em Janeiro a Setembro de para 8,5% no mesmo período de. São Paulo 48.1% Distribuição Regional das Vendas Janeiro a Setembro de Paraná 1.6% Santa Catarina 6.1% Rio Grande do Sul 8.6% Norte 3.8% Nordeste 5.5% Desempenho Regional das Vendas Janeiro a Setembro de Unid: 1 ton 1,968 1,52-22,8% -18,9% -27,4% -8,3% -3,6% -4,6% -14,3% Rio de Janeiro 3.3% Minas Gerais e Espírito Santo 9.6% Centro-oeste 4.5% NORTE NORDESTE CENTRO-OESTE SUDESTE PARANÁ SANTA CATARINA RIO GRANDE DO SUL Na divisão Regional, São Paulo continua como principal polo de distribuição, respondendo por 48,8% da demanda - um pouco menor que no mesmo período de, quando o percentual era de 51%. Já a participação de Santa Catarina passou de 4,8% entre janeiro e setembro de para 6,1% no mesmo intervalo de. O movimento de alta também é observado na variação do volume de vendas do estado, que passou de 146 mil toneladas vendidas entre janeiro e setembro do ano passado para 152 mil toneladas de aço no mesmo período deste ano. Expediente Diretoria Executiva Presidente: Carlos Jorge Loureiro Vice-presidente: José Eustáquio de Lima Diretor Administrativo e Financeiro: Miguel Jorge Locatelli Diretor para Assuntos Extraordinários: Nuno Francisco Bruno Saramago. Conselho Diretor: Alberto Piñera Graña; Carlos Henrique Stella Rotella; Heuler de Almeida; Luiz Ernesto Migliora; Newton Roberto Longo. Superintendente: Gilson Santos Bertozzo. 2 Revista Brasileira do Aço Revista Brasileira do Aço Fone: Jornalista Responsável: Zilda de Assis (Mtb: MG /JP) Pautas, redação e edição: Luana Ribeiro Sistemas de Informação/Estatísticas: Oberdan Neves Oliveira e Camilla Reis Diagramação: Conceito Comunicação e Design Impressão: HRosa. Distribuição exclusiva para Associados ao Inda. Os artigos e opiniões publicados não refl etem necessariamente a opinião da Revista Brasileira do Aço e são de inteira responsabilidade de seus autores. RevistaACO_117.indd 2 11/18/9 2:28:1 PM

3 EStatÍStiCaS Distribuição mantém recuperação Por Oberdan Neves Oliveira Como já era esperado, no mês de setembro as vendas caíram 5,4% em relação a agosto, totalizando 316,6 mil toneladas. Em movimento inverso, as compras subiram 7,6% na comparação com o mês anterior, totalizando 313 mil. Assim, os estoques da distribuição fecharam setembro com ligeira queda de,5% em relação a agosto, totalizando 758,2 mil toneladas e mantendo seu nível em 2,4 meses de estoque. Embora as perspectivas de demanda doméstica continuem crescentes para os próximos dois meses, mantemos nossa sugestão de atenção aos estoques, pois tanto o câmbio do dólar quanto os preços internacionais continuam exercendo pressão de baixa sobre o mercado interno. PRODUÇÃO MUNDIAL AGOSTO Var.% 16,87 112, % ESTOQUE¹ JUNHO Var.% % PANORÂMICA DO AÇO PRODUÇÃO AMÉRICA LATINA AGOSTO Var.% 4,892 6,15-2.5% DESEMPENHO DOS ASSOCIADOS COMPRAS² SETEMBRO Var.% % Unid.: 1 ton. PRODUÇÃO BRASIL SETEMBRO Var.% 2,717 3,14-9,9% Unid.: 1 ton. VENDAS SETEMBRO Var.% % COMPRAS VENDAS ESTOQUES MESES EM ESTOQUE Importações de Aços Planos 3 TOTAL CHAPA GROSSA BOBINA QUENTE ¹ incluem importações informadas pelos associados ² incluem os embarques das usinas para outros setores via distribuição. ³ Produtos: LCG, BQ, BF, CZ, CPP, CAZ e EGV BOBINA A FRIO INDA - Instituto Nacional dos Distribuidores do Aço 3 RevistaACO_117.indd 3 11/18/9 2:28:12 PM

4 SEtoriaL Setor automobilístico tem o melhor mês de outubro da história Fator IPI gerou antecipação da demanda e impulsionou as vendas, colaborando para um resultado recorde Os números apresentados pela ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) no início de novembro mostram uma melhora nas vendas de veículos, apesar da queda que se verifi cou no mês de outubro na comparação com setembro. O mês de outubro, aliás, foi avaliado pela entidade como o terceiro melhor outubro da história. Para o presidente da associação, o bom resultado deve ser atribuído principalmente à antecipação da demanda em setembro, que ocorreu devido ao fi m do desconto do IPI. Setembro já era recorde e, mesmo assim, outubro foi o melhor da história, afi rmou o presidente da entidade, Jackson Schneider. A indústria automobilística vem comemorando os bons resultados desde o início do ano, quando já destoava dos outros setores consumidores de aço, ainda que houvesse perdas nos índices na comparação com - que também foi um ano recorde para os fabricantes de veículos. Ao que tudo indica, a festa do setor tende a continuar, para a alegria da indústria automobilística. Devemos fechar o ano melhor do que esperávamos, com um recorde no mercado interno em, disse Schneider durante entrevista concedida à imprensa no início do mês. Dados da ANFAVEA revelam alta de 6,1% nas vendas para o mercado interno no acumulado de janeiro a outubro em relação ao mesmo período do ano passado. A alta de crédito, juros em queda e redução da inadimplência pelo terceiro mês consecutivo (outubro fechou com -4,9%), foram fatores que contribuíram para o bom desempenho das vendas no período. Para o presidente da ANFAVEA, isso é extremamente positivo, pois retoma a certeza e a confi ança na economia. O licenciamento de caminhões também esboçou recuperação, com crescimento de 12,2% na comparação com setembro. No acumulado do ano, entretanto, houve queda de 18% em relação ao mesmo período do ano passado. Isso se deve à queda nas exportações, uma vez que mais que 5% Há uma demanda reprimida no Brasil que ainda não foi atingida Jackson Schneider, presidente da ANFAVEA OS NÚMEROS DO SETOR EM OUTUBRO 563 postos de trabalho a mais em relação a setembro VENDAS INTERNAS Máquinas agrícolas -4,2% Jan-Set 9 X Jan-Set 8 Tratores de rodas +9,7% em relação a setembro e +18% em relação a out/8. Exportação -27 mil veículos exportados de janeiro a outubro na comparação com o mesmo período de. das empresas associadas à ANFAVEA direcionam sua produção à exportação. Este ano a diferença [das exportações] foi bem sentida na produção, lamentou o presidente. As exportações de outubro tiveram queda de quase 4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Foram cerca de 27 mil veículos a menos exportados de janeiro a outubro na comparação com o mesmo período de. Isso dá uma grande fábrica ou duas boas fabricas- isso sem contar novembro e dezembro, pois ainda não sabemos o que vai ser, disse Schneider. Foram quase U$D 6 bi a menos que o realizado ano passado, completou. Entre perdas e ganhos, o setor automobilístico sai vitorioso e anuncia que mais contratações estão a caminho. O nível de empregos apresentou recuperação, com um aumento de 563 postos de trabalho em relação a setembro. Foi o quarto mês de melhora consecutiva, segundo informou a entidade. O fi m da redução do IPI não desanima a indústria automobilística, que acredita no potencial do mercado interno para manter a demanda aquecida. Há uma demanda reprimida no Brasil que ainda não foi atingida; há a venda do primeiro veiculo zero, que espelha a ascensão de uma classe D e E, disparou Schneider, que disse estar atento à taxa de câmbio. O Real valorizado desestimula exportação e estimula importação, temos que olhar isso com cautela. Vemos a lógica, defendemos isso, mas tememos os efeitos que um real valorizado pode causar, especialmente para os setores que têm um processo de produção mais complexo, fi nalizou. ESTOQUES Apesar de os estoques, tanto da indústria quanto das concessionárias, estarem se recuperando, ainda estão abaixo do esperado. O estoque não é de conforto, o mercado absorveu bem a produção em outubro e agora ele começa a se a recompor, mas ainda está 3 a 4 dias abaixo do que seria o ideal, afi rmou o dirigente da entidade. INDA amplia o quadro de associados A MBA Mercantil Brasileira do Aço é a mais nova empresa associada ao INDA. Admitida no mês de outubro, a MBA distribui chapas e bobinas para os setores automobilístico, de caldeiraria e indústria mecânica em geral e tem como principais fornecedores Usiminas e CSN. Fundada em 23, a empresa fi ca localizada no bairro da Penha, em São Paulo. Para mais informações acesse 4 Revista Brasileira do Aço RevistaACO_117.indd 4 11/18/9 2:28:15 PM

5 Suziane Fonseca/ Divulgação USo Do aço 35 TONELADAS DE AÇO Inaugurado em maio deste ano, o Memorial da Imigração Japonesa é uma ponte suspensa sobre um imenso espelho d água que divide de forma simbólica o Japão e o Brasil, em cuja construção foram utilizadas 35 toneladas de aço. O monumento, erguido no Parque Ecológico da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais, é uma homena- gem aos 1 anos da imigração japonesa no país. A concepção moderna do Memorial chama a atenção para o vínculo que se estabeleceu entre os dois povos, mas também para a grande possibilidade que se abre para a nossa cidade tornar-se cada vez mais referência nas questões arquitetônicas, como, aliás, já é uma marca registrada da região da Pampulha, destaca. A força do consumidor de baixa renda Consumidores que têm uma renda familiar entre um e três salários mínimos já representam mais de 6% da população do País, mas muitas empresas não sabem como chegar a esta classe O livro aborda desde o surgimento do mercado de baixa renda, seu comportamento ao longo do tempo até a relação e reação do mercado perante os efeitos da crise mundial. Com prefácio de Marcelo Rosenbaum e participação do senador Cristovam Buarque, o título também traz a análise do consumidor de baixa renda sob a ótica de empresários de diversos setores do mercado, como varejo, alimentício, calçadista, farmacêutico, entre outros. O autor, certificado pelo INDA como Operador do Mercado do Aço (OMA), reuniu pesquisas e análises feitas desde 22, fornecendo aos profissionais de mercado uma visão geral a respeito do consumidor de baixo poder aquisitivo, disponibilizando dados que os posicionam dentro do cenário de consumo nacional. A Nova Era do Consumo de Baixa Renda Autor: Sérgio Nardi Editora: Novo Século Preço médio: R$34,9 Memorial da Imigração Japonesa, localizado no Parque da Pampulha, em Belo Horizonte Presidente do INDA participa de Congresso do ILAFA O presidente do INDA, Carlos Loureiro, esteve em Quito, no Equador, para participar do ILAFA-5 Congress, realizado entre os dias 25 e 27 de outubro. Um dos maiores eventos da siderurgia da América Latina, o Congresso do ILAFA é realizado anualmente e reúne os maiores nomes da indústria siderúrgica mundial. Na edição deste ano, o evento contou com painéis que abordaram os efeitos da crise no setor, o futuro da indústria siderúrgica, economia mundial e construção sustentável. INDA - Instituto Nacional dos Distribuidores do Aço 5 RevistaACO_117.indd 5 11/18/9 2:28:17 PM

6 artigo O alto preço da falta de foco Por Frederico Porto Você certamente já viu, ou melhor, provavelmente já viveu a seguinte cena: sentado em uma mesa de trabalho em frente a um computador, o celular toca, ao mesmo tempo em que você está lendo um documento e recebendo e- mails, e, para completar, tem um colaborador querendo falar contigo. Qual o impacto dessa correria na produtividade de um homem moderno? Segundo o headhunter Claudio Fernandez-Araoz, pesquisas mostram que a diferença de produtividade entre uma pessoa mediana e uma que se destaca é enorme. No caso de um trabalhador manual em uma linha de produção, é de 4%; no de um trabalhador do conhecimento, 24%; e no de um profissional de criação, como um desenvolvedor de software ou consultor, chega a 14%. Por isso, um dos grandes desafios de nossa era é conseguir aumentar a produtividade desses trabalhadores do conhecimento e de criação. Para tal, provavelmente, teremos de ter uma visão integral do ser humano e não tratá-lo como uma máquina, como era feito na época de Taylor. Eu acredito que um dos aspectos atuais que mais contribui para que um trabalhador não expresse todo o seu potencial é o fato de ter de cuidar de diversas tarefas ao mesmo tempo, pois o nosso cérebro não foi selecionado para isso. Somos capazes de lidar com 5 a 9 unidades de informação ao mesmo tempo, uma média de 7; por isso, teríamos 7 cores, 7 notas musicais e, originalmente, 7 algarismos em um número de telefone. A excelência somente existe quando há foco Devido a esse excesso de estímulos, passamos a desenvolver o que o psiquiatra norte-americano Edward Hallowell chama de Traço de Déficit de Atenção (TDA), para diferenciar da doença Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. O traço seria induzido pelo meio ambiente enquanto o transtorno tem um componente mais genético e, por isso, deveria ser tratado com medicamentos. Ele fala que o TDA é epidêmico no mundo corporativo, sendo os sintomas distração, impaciência e inquietação interna. As pessoas com esse traço têm dificuldade de se manter organizadas, de determinar prioridades e de gerenciar o tempo. Segundo esse autor, uma das dificuldades de perceber o impacto desse excesso de atividades é devido ao fato de não considerarmos o tempo de voltar a pensar com agilidade quando se retorna à tarefa após ser interrompido. Um estudo de 21 mostrou que a interrupção constante aumentava o tempo para a conclusão de tarefas rotineiras complexas entre 2 e 4%. Uma pessoa leva 64 segundos em média para que uma linha de pensamento volte aos trilhos. Se você checa seus s a cada 5 minutos, por exemplo, em uma semana você perde um dia de trabalho. Eu sempre me pergunto quão contraprodutivo são smart phones que avisam sobre todo que entra em sua caixa postal. Ainda segundo um outro estudo, relatado por Thomas W. Jackson, pesquisador da universidade inglesa de Loughborough, um trabalhador gasta de 15 a 2% do seu tempo cuidando de interrupções, entendendo por interrupções qualquer atividade que leva a pessoa a parar a atividade planejada. Eles identificaram três principais tipos de interrupção: visitas pessoais, ligações telefônicas e s. Apesar de Uma pessoa leva 64 segundos em média para que uma linha de pensamento volte aos trilhos. Se você checa seus s a cada 5 minutos, por exemplo, em uma semana você perde um dia de trabalho 9% das interrupções serem de visitas pessoais e ligações, a questão dos e- mails chama atenção, porque as pessoas, nesse estudo, respondiam ao em 6 segundos, o que é mais rápido do que se o telefone tocar três vezes. Como recebemos dezenas ou centenas de s por dia, imagine o custo de ser interrompido praticamente a cada minuto! Esse é um grande paradoxo, pois vivemos em um mundo extremamente complexo, que requer muitas vezes não o pensar rápido, mas pensar de maneira profunda e sistêmica. Para tal, temos de usar a parte frontal de nosso cérebro, onde estão as chamadas funções executivas, que são aquelas que nos fazem humanos, como a capacidade de antecipar, de planejar, de priorizar. Como somos sobrecarregados de informações, os lobos frontais chegam ao seu limite e, por isso, enviam mensagens de medo e ansiedade para as regiões mais primitivas do cérebro, que, ao serem ativadas, reduzem a atividade das regiões frontais, exatamente aquelas que teriam condições de resolver os problemas apresentados. Não há receita mágica; a solução é você fazer um esforço consciente para se concentrar naquilo que está fazendo, reduzindo ao máximo o número de interrupções, especialmente se estiver lidando com uma atividade complexa. Como líder, você pode criar normas sobre o envio de s dentro do seu grupo de trabalho e, acima de tudo, gerar um clima de confiança no qual as pessoas tenham a liberdade de dizer não quando recebem um pedido, pois, em um ambiente em que não se pode dizer não, o sim não tem nenhum valor. 1 Frederico Porto é médico psiquiatra, consultor associado à DBM Brasil e professor convidado da Fundação Getúlio Vargas / São Paulo. 6 Revista Brasileira do Aço RevistaACO_117.indd 6 11/18/9 2:28:18 PM

7 PrEViDÊNCia Governo altera Regulamento da Previdência Social Com alteração, empresas devem verificar alíquota do SAT de acordo com valor estabelecido pelo INSS a título de Fator Acidentário de Prevenção. Conforme estabelecido pelo Decreto nº 6.957, de 9 de setembro de, a partir de 1º de janeiro de 21, as empresas deverão levar em consideração para fi ns de verifi cação de sua efetiva alíquota do SAT (Seguro Acidente de Trabalho), o valor a elas atribuído pelo INSS a título de FAP (Fator Acidentário de Prevenção). O FAP, criado pela Lei nº 1.666/23, nada mais é que um fator que, apurado com base em critérios de frequência, gravidade e custo relativos à concessão de acidentes de trabalho, implicará diretamente numa redução ou aumento da alíquota do SAT. Isto porque, considerando que o FAP será um multiplicador variável entre,5 (cinco décimos) e 2, (dois inteiros), o SAT das empresas poderá ser reduzido para, no mínimo,,5% ou então majorado para, no máximo, 6%. (Essa majoração de forma integral não vale para 21, pois será aplicado o benefício dos 25% sobre o que exceder a 1,). O valor relativo ao FAP encontra-se disponível no site da previdência desde o dia 3/9/ e possibilita às empresas tomar conhecimento do multiplicador que deverão aplicar sobre a atual alíquota do SAT. Ocorre que o INSS, apesar de apontar o valor do FAP, não disponibilizou às empresas informações e dados sufi cientes para que seja possível averiguar com exatidão se os dados utilizados pelo INSS para apuração dos índices de frequência, gravidade e custo estão corretos, omitindo assim informações que seriam indispensáveis para análise da empresa, necessárias inclusive para questionar administrativamente este valor, sem qualquer tipo de ofensa ao princípio do contraditório e da ampla defesa. Assim, considerando que existe permissivo legal para questionar a averiguação do FAP tendo em vista que o cálculo elaborado foi simplesmente apresentado, sem qualquer tipo de informação aos contribuintes as empresas poderão, com base nas informações supra citadas, ingressar com recurso administrativo questionando o FAP que lhes foi aplicado. Outrossim, independentemente da questão relativa ao cálculo do FAP, é possível também questionar judicialmente não apenas a metodologia adotada para apuração do referido fator, como também sua própria criação. Nesse caso, caberá às Empresas e às instituições de representação (neste caso, o Sindisider) avaliar e ingressar com o recurso adequado. Mais informações com o assessor jurídico do Sindisider, Dr. Carlos de Freitas Nieuwenhoff. s: INDA - Instituto Nacional dos Distribuidores do Aço 7 RevistaACO_117.indd 7 11/18/9 2:28:19 PM

8 Governo altera o controle de ponto vinculado ao controle de acesso do empregado. Sindisider já estuda meios para recorrer O Ministério de Estado do Trabalho e Emprego aprovou e editou a Portaria nº.1.51, de 21 de agosto de, que disciplina o Registro Eletrônico de Ponto e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto SREP (conjunto de equipamentos e programas informatizados destinado à anotação por meio eletrônico da entrada e saída dos trabalhadores das empresas). As principais alterações em relação aos atuais sistemas são: a) Não pode haver restrição ao horário de registro b) Não pode haver horários predeterminados, a marcação tem que ser a real. c) Não pode ter restrição ou autorização prévia para marcação de sobre jornada. d) O sistema não pode permitir qualquer dispositivo de alteração de dados O novo sistema deverá fornecer automaticamente um extrato do registro que o empregado fi zer, servindo esse de prova do dia e horário registrado. O novo ponto será submetido a uma empresa certifi cadora indicada pelo Ministério e somente depois de auditado e certifi cado é que poderá ser utilizado. A referida portaria estabelece o prazo de um ano para as empresas reformularem seus sistemas de Ponto Eletrônico, mas entende-se que, após 9 dias a contar da data de publicação da portaria, as empresas estariam obrigadas a adotar um novo sistema, diferente ou não do controle de acesso sem restrições, fi cando sob fi s- calização orientativa (conforme prevê o procedimento da fi scalização). Neste caso, há entendimentos que os sistemas de ponto atuais poderão ser aceitos até o dia 2 de novembro de, data em que completam os 9 dias de prazo da exigência prevista. A nova sistemática trará difi culdades no seu uso, visto que os atuais sistemas de acesso estabelecem regras para registro de ponto. Um exemplo é o ingresso do empregado antes do horário de início do trabalho, ou mesmo seu registro após a saída do horário fi nal de trabalho em dias que seu veículo tem restrições na circulação (rodízio). Na nova sistemática, essas horas deverão ser consideradas como trabalhadas. O Sindisider está estudando meios para recorrer desta instrução, uma vez que as empresas serão oneradas com a nova determinação. A recomendação que se faz nesse momento é que as empresas continuem com seu sistema eletrônico de controle de acesso e, em paralelo, voltem a utilizar o registro de ponto feito em car tões ou no registro em planilhas, passando pela aprovação diária de seus superiores. Sindisider fecha acordo coletivo com comerciários de São Paulo. Convenção está em fase de assinatura O Sindisider concluiu com sucesso mais uma negociação coletiva, desta vez com os comerciários da capital paulista. (as negociações com o sindicato dos comerciários de Guarulhos ainda estão em andamento). Encerrada no último dia 1 de novembro, a última rodada de negociações defi niu em 7% o percentual de reajuste salarial dos trabalhadores, e em 7,5% o piso da categoria. A convenção coletiva (documento legal que ofi cializa o acordo) já está em fase de assinatura. As negociações com o sindicato dos metalúrgicos ainda estão pendentes. O Sindisider está trabalhando para fechar mais um acordo e avisará as empresas associadas e fi liadas tão logo isso ocorra. Mais informações por 8 Revista Brasileira do Aço RevistaACO_117.indd 8 11/18/9 2:28:22 PM

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Ter, 02 de Agosto de 2011 07:13 Com base nos movimentos de mercado e da companhia alinhados ao aquecimento da indústria e economia brasileiras,

Leia mais

Estatísticas Importações despencam! Entrevista com o Professor Lino. Relatório IC análise feita pelo comitê

Estatísticas Importações despencam! Entrevista com o Professor Lino. Relatório IC análise feita pelo comitê Revista Brasileira do Aço - Ano 17 n 101-15 maio/15 junho 2008 Editorial Novas parcerias Depois da edição número 100, começamos um novo centenário com muitas novidades! A revista 101 vem com tudo! Marca

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 29 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO Um dos destaques desta semana é a reportagem do UOL sobre o recuo de 1% na produção industrial brasileira, entre setembro

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

2.1 Respeito ao Cliente

2.1 Respeito ao Cliente REGULAMENTO PRÊMIO SMART 1. O PRÊMIO O PRÊMIO SMART, regido por este regulamento, tem como objetivo distinguir e reconhecer as melhores práticas de relacionamento com o cliente em Utilities e Telecom:

Leia mais

A FÓRMULA DA RETOMADA:

A FÓRMULA DA RETOMADA: Revista Brasileira do Aço - Ano 18 - Edição 114 - Agosto de A FÓRMULA DA RETOMADA: Setor de bens de capital aposta nas medidas do BNDES para crescer no segundo semestre e manter acesa a confiança dos empresários

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Julho de 2006.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Julho de 2006. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Julho de 6. CONFIANÇA DO INDUSTRIAL GAÚCHO FICA ESTÁVEL EM JULHO Os índices

Leia mais

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE Aço AÇO BRASIL ABRIL I N F O R M A 28ª 28EDIÇÃO ABRIL 2015 CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE 2007 O consumo aparente de aço no País deve fechar o ano de 2015 com queda de 7,8%

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014

ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014 ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014 CONSÓRCIOS EM OUTUBRO CONTEMPLAÇÕES BATEM RECORDE, VENDAS MENSAIS CRESCEM MAIS DE 35% E PARTICIPANTES

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 61, ANO VI JANEIRO DE 2014 I DEFINIÇÃO SOBRE A ALÍQUOTA REDUZIDA DO ICMS SOBRE BENS DE CAPITAL EM SÃO PAULO Após muitos anos, o Fisco

Leia mais

Região fornece para o setor naval 5º Seminário de Petróleo e Gás aponta oportunidades para empresários locais

Região fornece para o setor naval 5º Seminário de Petróleo e Gás aponta oportunidades para empresários locais Região fornece para o setor naval 5º Seminário de Petróleo e Gás aponta oportunidades para empresários locais Wôlmer Ezequiel Jéferson Bachour falou sobre as demandas do mercado de construção naval Atualmente,

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

grandes profissionais.

grandes profissionais. Soluções e Equipamentos para Controle Térmico Negócios empresariais, o resultado dos grandes profissionais. Relação entre pessoas geram negócios empresariais O termo (B2B - business to business em inglês)

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas.

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. 12ª Navalshore Maritech South America Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. Enseada Indústria Naval S.A. Humberto Rangel - Diretor de Relações Institucionais e de Sustentabilidade

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 21.09.2015

C L I P P I N G DATA: 21.09.2015 C L I P P I N G DATA: 21.09.2015 Um dia de cidadania para deixar o mundo melhor As empresas do segmento de serviços do Distrito Federal realizaram no último sábado, 19 de setembro, o Dia de Cidadania.

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis. Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac

Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis. Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac NOTA TÉCNICA IPEA Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias:

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias: REGULAMENTO 1. O PRÊMIO O PRÊMIO SMART, regido por este regulamento, tem como objetivo distinguir e reconhecer as melhores práticas de relacionamento com o cliente em Utilities e Telecom: Energia Elétrica,

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). RESOLUÇÃO Nº 3828 Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 Em

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais m³ ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 6 - JULHO DE 2013 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011 - Quadro de Horário Segundo a Art 74 da CLT a empresa deve afixar em lugar visível o quadro de horário. - Sistema alternativo de Controle de Jornada O Ministério aprovou através da portaria nº 1120, este

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores Concessionários O setor se expandiu a partir dos anos 50, em resposta ao início da produção automobilística no Brasil. 80 harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

O consumo, a crise, os comportamentos de compra e as estratégias empresariais

O consumo, a crise, os comportamentos de compra e as estratégias empresariais O consumo, a crise, os comportamentos de compra e as estratégias empresariais Prof. Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi celsogrisi@fractalconsult.com.br 1 - Se, no primeiro momento, o consumo caiu de forma

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Período de pesquisa: 03/11/2004 a 30/12/2004 Abril 2005 1/13 Índice Página 1.0 INTRODUÇÃO...03 2.0 Análise das respostas de múltipla escolha...04 3.0

Leia mais

Pelo menor, quer estar na melhor?

Pelo menor, quer estar na melhor? Pelo menor, quer estar na melhor? Plásticos em Revista está oferecendo um espaço para seu produto entrar no time de empresas vencedoras: Menor preço: você pode optar pelo formato ideal para o seu bolso.

Leia mais

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Confira a incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Nesta Orientação examinamos a incidência do PIS/Pasep e da Cofins na comercialização por pessoas jurídicas industriais das bebidas

Leia mais

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Cálculo do Seguro de Acidente de Trabalho até 2009 Valor do Seguro = Folha de Pagamentos X Alíquota SAT SAT - Seguro de Acidente de Trabalho -

Leia mais

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Cálculo do Seguro de Acidente de Trabalho até 2009 Para 2010 Surge o FAP! "! #$% &!'( )*+,-./, Previdência divulgou que 92% das empresas serão

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 Boa notícia para o mercado: Rollemberg reduz para 30 meses prazo para pagamento de dívidas O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) decidiu encurtar de 60 para 30 meses o

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

Revista Brasileira do Aço - Ano 17 n 103-15 agosto /15 setembro 2008

Revista Brasileira do Aço - Ano 17 n 103-15 agosto /15 setembro 2008 Revista Brasileira do Aço - Ano 17 n 103-15 agosto /15 setembro 2008 Editorial Em sua quarta edição, acaba de ser lançado oficialmente o Roteiro Orientativo para as empresas do setor da produção e distribuição

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

INFORMATIVO VSM. Abril/2015 1

INFORMATIVO VSM. Abril/2015 1 1 NF-e 3.10 Reforçamos a importância da atualização do OuroFarma / FrontFarma para a versão 2.8 ou superior, visto que a mesma possui suporte para a versão 3.10 de NF-e que se tornou obrigatória desde

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais