Ambientalismo, Marketing Verde e o Consumidor Pós-Moderno 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ambientalismo, Marketing Verde e o Consumidor Pós-Moderno 1"

Transcrição

1 Ambientalismo, Marketing Verde e o Consumidor Pós-Moderno 1 Brenda Luciana FERNANDES 2 Juliana Fernanda SORATI 3 Marcela da Silva MEGDA 4 Tarcísio Torres SILVA 5 Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP Resumo Com o passar dos anos o indivíduo foi denominado como pós-moderno, onde a identidade está desvinculada e a cada dia somos confrontados por uma gama de diferentes identidades, o marketing evoluiu do 1.0 para 3.0, onde o desejo e a satisfação do consumidor vem em primeiro lugar. Com isso, novas necessidades estão sendo criadas e novas tendências de consumo também. É nesse cenário que surgem os produtos ecológicos e empresas denominadas sustentáveis, que demonstram o cuidado para com o meio ambiente. A maneira que as empresas sustentáveis estão divulgando o ambientalismo, também é importante para criar ou preservar uma boa imagem da marca. Palavras-chave: Consumo; ambientalismo; marketing 3.0; empresas sustentáveis. 1 Trabalho apresentado para a disciplina de Projeto Pesquisa Científica Comunicação Mercadológica, na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) 2 Estudante de Graduação, 7º semestre do Curso de Publicidade e Propaganda da PUC Campinas, 3 Estudante de Graduação, 7º semestre do Curso de Publicidade e Propaganda da PUC Campinas, 4 Estudante de Graduação, 7º semestre do Curso de Publicidade e Propaganda da PUC Campinas, 5 Orientador do Trabalho. Professor Doutor do Curso de Publicidade e Propaganda da PUC Campinas,

2 Introdução As relações humanas são tema de uma ciência própria, destinada a desvendar as complexas redes de comportamento que formam a história da sociedade: a sociologia. Mas evidentemente, estes comportamentos podem ser observados em todos os campos do conhecimento, e diversas áreas podem contribuir para um melhor entendimento do mundo em que vivemos. As teorias de marketing, que são tratadas com certo preconceito pelas ciências humanas devido a seu caráter mercadológico, também podem ser ferramentas essenciais para auxiliar a compreender fenômenos sociais, uma vez que o pilar do marketing é justamente perceber o meio e usar este conhecimento para retorno financeiro. Muito antes de conhecermos a importância do marketing, conhecemos a importância da necessidade humana de comunicar. Esse ato sofisticou-se como tempo e, depois da Revolução Industrial, refinou-se para levar pessoas a produtos que elas possam estar interessadas. Essas evoluções foram teorizadas por estudiosos da área como Philip Kotler, ao explicar o que chama de marketing 1.0, surgido no período pós-guerra da década de 1950: Os produtos eram relativamente básicos, concebidos para servir ao mercado de massa. O objetivo era padronizar e ganhar em escala, a fim de reduzir ao máximo os custos de produção, para que essas mercadorias pudessem ter um preço mais baixo e ser adquiridas por um número maior de compradores. (KOTLER, 2010, p.03). Na década de 80, com o chamado Marketing 2.0, o objetivo passou a ser outro: a satisfação dos consumidores entrou em foco, e o conceito chave era a diferenciação. Na era da informação, Kotler dizia que os consumidores de hoje são bem informados e podem facilmente comparar várias ofertas de produtos semelhantes (KOTLER, 2010, p.03). O novo milênio marcou reestruturações nos processos de marketing e após o ano de 2000 foi inaugurado o Marketing 3.0 nesta fase há uma mudança de valores, onde a necessidade e o sentimento do cliente passam a ser prioridade. Kotler explica a diferença: os profissionais de marketing as tratam como seres humanos plenos: com mente, coração e espírito. Cada vez mais, os consumidores estão em busca de

3 soluções para satisfazer seu anseio de transformar o mundo globalizado num mundo melhor (KOTLER, 2010, p.04). Esta nova tendência mercadológica considera os consumidores de uma maneira nova e ampla: o Marketing 3.0 acredita que os consumidores são seres humanos completos, cujas outras necessidades e esperanças jamais devem ser negligenciadas (KOTLER, 2010, p.05). Todas estas mudanças de perfil de marketing foram impulsionadas por algo bastante óbvio: o ser humano está em constante mudança, e principalmente, em constante ruptura de si mesmo. O marketing apenas se adapta a uma sociedade cada vez mais complexa. Sabendo destas transformações no modo de comunicar, servir e vender para clientes cada vez mais exigentes, podemos também enxergar este mesmo processo de outro ponto de vista: a partir das mudanças sociais e a relação da sociedade com estas mudanças. Devemos notar que os processo de mudanças sociais e de mudanças no marketing são simultâneos e causa consequência entre si. Para isso, analisaremos a questão de identidade e, mais especificamente, as múltiplas identidades do período pós-moderno. No estudo das identidades, o inglês Stuart Hall é referência e, segundo ele, a identidade do sujeito é construída ao longo da sua vivência: as identidades nacionais não são coisas com as quais nós nascemos, mas são formadas e transformadas no interior da representação (HALL, 2006, p.13). Para ele, aprendemos que a identidade sempre foi um fator crucial na formação da sociedade, uma vez que tinha o papel de estabilizar e regular o meio. As diversas mutações sócio-políticas levaram o homem a reposicionar sua identidade ao longo da história, que foi alterada e fragmentada em um processo natural, ao passo em que o mundo se torna cada vez mais interligado e globalizado é praticamente impossível preservar identidades culturais ilesas. Sobre isso, Hall fala: Os fluxos culturais, entre as nações, e o consumismo global criam possibilidades de "identidades partilhadas" como "consumidores" para os mesmos bens, "clientes" para os mesmos serviços, "públicos" para as mesmas mensagens e imagens entre pessoas que estão bastantes distantes umas das outras no espaço e no tempo. À medida que as culturas nacionais tornam-se mais expostas a influências externas, é difícil conservar as identidades culturais

4 intactas ou impedir que elas se tornem enfraquecidas através do bombardeamento e da infiltração cultural. (HALL, 2006, p.20). Essas fragmentações levaram ao que Hall define como sujeito pós-moderno, onde a identidade está desvinculada e a cada dia somos confrontados por uma gama de diferentes identidades (cada qual nos fazendo apelos, ou melhor, fazendo apelos a diferentes partes de nós), dentre as quais parece possível fazer uma escolha. (HALL, 2006, p.20). A partir daqui, começamos a entender por que o Marketing 3.0 é a tendência de abraçar o indivíduo como um todo: o sujeito pós-moderno é tão fragmentado em sua identidade que, se não incluirmos todas as suas faces, simplesmente não conseguimos impacta-lo. Este fenômeno faz com que as pessoas passem a procurar identidades com as quais se identificam e que possam adotar, para somar a sua enorme gama de outras identidades. Por exemplo: um ferreiro na idade média era tudo que um homem poderia ser. Sua identidade, sua função social e seus interesses giram em torno de ser ferreiro. A partir do pós-modernismo, a identidade de ferreiro já não faria tanto sentido sozinha quanto também ser ambientalista, artista plástico e colecionador de selos, tudo ao mesmo tempo. Uma identidade em particular tem crescido muito recentemente: a afinidade por causas ambientalistas. Passamos a ter consciência do impacto que deixamos na natureza e a nos preocupar com isso, gerando uma onda de ambientalistas engajados e de pessoas eventualmente preocupadas com a natureza e um dos temas de estudo desse artigo: o novo ambientalismo e sua relação com sujeito pós-moderno enquanto consumidor.

5 O novo ambientalismo É no contexto do marketing 3.0 que surgem as empresas ecologicamente corretas e que apoiam causas ambientalistas, junto com o marketing verde. A visão de sustentabilidade está presente no marketing 3.0, como explica Kotler: A sustentabilidade é um desafio de grande relevância para as corporações na criação de valor para o acionista no longo prazo. No entanto, sustentabilidade tem duas definições. De acordo com Kunreuther, as empresas veem a sustentabilidade como sobrevivência da empresa no mundo dos negócios no longo prazo. A sociedade, por outro lado, vê a sustentabilidade como sobrevivência do ambiente e do bem-estar social no longo prazo. (KOTLER, 2010, p.118). Os recursos naturais estão cada vez mais escassos e as empresas que conseguirem lidar com esse problema e encontrar soluções estarão em vantagem competitiva. A cultura onde as empresas procuram ser sustentáveis vem evoluindo ao longo dos anos, o que é muito positivo, pois agrada os clientes e ajuda na lucratividade dos negócios. Neste cenário, Cavalcante (2013) mostra uma divisão da identidade ambientalista em duas castas: os ambientalistas radicais e os renovados. O ambientalista radical defende que a produção cientifica deve colocar o meio ambiente no centro de tudo, estimulando o trabalho artesanal, e defende a redução de interferência humano no meio ambiente, quem governaria o sistema seria a natureza. Já o ambientalista renovado defende que o ser humano deve mudar sua forma de ver a degradação do meio ambiente e mudar de atitude, tudo adaptando a forma como já vivem com meios que não afetem tanto o meio ambiente. Com a gama de produção de produtos ecológicos maiores, o marketing verde aparece desenvolver estratégias especificas para esse tipo de produto, seguindo o marketing 3.0 aonde as necessidades do consumidor vêm em primeiro lugar, o marketing verde surge como apoio as práticas ambientalmente corretas. Nesse ponto, encontramos mais uma maneira de consumo: a de produtos ecologicamente corretos através dos consumidores que estão na fase pós-moderna.

6 Com isso, qual a relação que os consumidores pós-moderno, radicais e renovados, tem com esse tipo de consumo? Há uma forma diferente de consumo do radical e do renovado? Para entendermos melhor o consumo ecológico, vamos observar o cenário do mercado atual. Mercado de produtos ecológicos Produtos ecológicos são artigos artesanais ou empresarias que são produzidos com matérias primas naturais ou que em sua produção não agridam o meio ambiente ajudando assim o desenvolvimento econômico social e sustentável. Um dos mercados de maior potencial neste século é o de produtos ecológicos voltados ao consumidor final. Segundo uma pesquisa realizada pela Mintel no ano de 2013 descobriu que 73% dos consumidores brasileiros acreditam que sua atitude pode afetar o meio ambiente do mundo; 74% diz que deve considerar fatores verdes na próxima vez que comprar um eletrodoméstico de grande dimensão. E ainda, 69% considerarão motivos ambientais quando adquirirem um eletroeletrônico (CRESCE, 2013). Com base nesses dados, é possível afirmar que o consumidor busca produtos que além de satisfazerem suas necessidades, possuam alguma responsabilidade ambiental. Usando estes dados, as empresas estão aumentando sua demanda nos departamentos de Desenvolvimento de Novos Produtos. Isso pode ser comprovado com os números do Banco de Dados de Novos Produtos (Global New Product Database _ GNPD), também da Mintel. Segundo a pesquisa, entre os lançamentos de bens não duráveis em 2012, 24% deles tiveram uma afirmação ética ou ecológica. É uma porcentagem similar à de produtos com posicionamento ético lançado nos Estados Unidos (23%) em 2012, mas abaixo da proporção de novos itens que foram desenvolvidos na mesma categoria no Reino Unido (31%) (CRESCE, 2013). O Reino Unido lidera o mercado de produtos ecológicos, mas nota-se aumento significativo neste índice de mercado no Brasil. Esse aumento é fruto de novas

7 identidades pós-modernas e a evolução do marketing 3.0 tratadas anteriormente. O consumidor renovado se modificou por conta de sua preocupação com o meio ambiente, e isso também o tornou mais crítico como cita o artigo de Guimarães: Para determinados segmentos de mercado, o consumidor se tornou mais crítico na escolha do produto ou serviço, assim como também se tornou mais cético em relação ao teor das mensagens criadas pelos anunciantes para promover os atributos ecológicos de seus produtos, ou ao comprometimento da empresa em relação à preservação do meio ambiente. (GUIMARÃES, 2012). Consumidores Renovados e Radicais: duas visões Considerados os dados de mercado, surge o momento de considerarmos como o consumidor em si tem lidado com essa onda de ambientalismo. O sujeito radical procura no mercado produtos que estejam dentro de sua ideologia. Preferem produtos artesanais e se forem capazes de produzi-los, melhor. A ideologia é fundamentada no conceito do biocentrismo e princípios ecológicos do holismo, considera o ser humano como apenas mais uma entre os milhões de espécies da biosfera terrestre (CAVALCANTE, 2013). O sujeito radical considera o ambiente uma entidade própria. O sujeito renovado não considera o ambiente o centro do universo, mas tem a consciência da importância do consumo sustentável, como cita Cavalcante 2013 as necessidades do presente não devem comprometer a capacidade das gerações futuras. O sujeito renovado como consumidor tem se tornado mais consciente em termos ambientais, e por isso já tende a dar preferência para produtos e empresas que ofereçam serviços e produtos ecologicamente corretos. Citando novamente Cavalcante 2013 faz-se necessário mudança de percepção e principalmente de atitude, para que em conjunto possamos fazer a diferença. Sempre atento a esses consumidores, os profissionais de marketing se empenham para conseguir atrair ainda mais pessoas. Devido a forte ideologia que restringe muitos produtos industrializados, os consumidores radicais acabam por ser

8 um público onde o marketing verde conta com baixa penetração. Os consumidores renovados, por outro lado, são mais suscetíveis a investidas publicitárias no que tange a questão ambiental e, portanto, o principal alvo das estratégias de marketing ecológico. Esta disposição por produtos e serviços de apelo eco-friendly, também não garante um mercado fácil e muito menos permite comunicação desleixada: um dos maiores desafios das empresas que decidiram tornar seus negócios mais sustentáveis é justamente convencer um consumidor cada vez menos impressionado de suas proezas ambientais. Para efeitos ilustrativos, usaremos os casos de duas empresas relacionadas ao meio ambiente. Good Business A Good Business é uma prestadora de consultorias britânica, que atua de modo a ajudar empresas a transformar sua base de operações em uma plataforma de responsabilidade social. Fundada por dois publicitários em 1997, a Good Business 1 busca proporcionar mudanças corporativas de modo a criar empresas mais comprometidas com o futuro e isso inclui, naturalmente, questão da responsabilidade social. Em entrevista de Vanessa Barbosa para a revista Exame, o CEO Gilles Gibbons explica por que muitas empresas falham em convencer o consumidor da real relevância ambiental de seus produtos: Esqueça o verde, pense na informação. A má comunicação cria ceticismo no consumidor. A sustentabilidade não deve ser vista como um canal de comunicação, porque ela não é isso, é sim uma forma de gerir o negócio com responsabilidade. (BARBOSA, 2012, online). Gibbons complementa que o debate a respeito da sustentabilidade no consumo ainda tem um caráter acadêmico e teórico, e que as empresas falham ao reproduzir este discurso diretamente a seus consumidores: Muito do discurso da sustentabilidade acontece no plano acadêmico e teórico e o consumidor não quer saber disso, porque não muda a 1

9 realidade dele. Quando uma empresa me passa uma informação que não me interessa, eu me pergunto por que essa empresa está dizendo isso. A dica é: Não diga às pessoas o que elas não querem ouvir, ache uma forma dizer o que é importante para sua empresa de maneira que interesse o consumidor. Se você só empurra informação, aumenta o comportamento cético. (BARBOSA, 2012, online). O serviço prestado pela Good Business se encaixa perfeitamente no caso aqui estudado, pois denota que a tendência da identidade ambientalista não foi aproveitada apenas pelos bens de consumo, mas também pelo setor terciário. Moleco A Moleco 2 é uma empresa brasileira especializada na confecção de cadernos ecológicos com sede no Rio de Janeiro. Foi fundada no ano de 2008 com o intuito de não ser apenas mais uma empresa do ramo de papelaria. Segundo o blog da empresa a Moleco surgiu para atender a uma demanda crescente do mercado brasileiro por produtos e serviços amigos do meio ambiente. (SOBRE, 2014). O principal diferencial da marca é o fato de serem os únicos no mercado que produzem a partir de materiais 100% reciclados. Carlos Tannure, proprietário e diretor, desenvolveu o papel utilizado no miolo dos cadernos e cita o que o torna seu produto diferenciado. A empresa utiliza somente as aparas de papeis certificados na fabricação de seu papel. Para garantir que o seu produto seja 100% ecologicamente correto em todos os sentidos e que não existam perdas para o meio ambiente durante o processo de fabricação. A reciclagem ocorre dentro da própria empresa junto com o tratamento de água. Com essa prática, ocorre o reaproveitamento da água, um recurso escasso e não há necessidade da utilização do papel comum. 2

10 Com distribuição primariamente via internet e com poucos pontos de venda físicos pelo país, o apelo da marca envolve um público jovem e ligado à artes e design. Tannure acredita que há uma nova geração de consumidores conscientes, e que são eles os principais alvos da Moleco. O case da Moleco também ilustra os objetivos de estudo aqui propostos: a marca trabalha com duas identidades que convivem harmoniosamente no sujeito pós moderno: a identidade artística e a identidade ambientalista. Ao criar um produto voltado para a faceta artística de modo a satisfazer também o lado ambientalista, a empresa atinge uma gama de consumidores muito maior que se atendesse estritamente apenas um lado. Trata-se, portanto, de uma empresa nacional que entende a questão da fragmentação de identidades e consegue atender diversas delas, com o bônus de ter a sustentabilidade como base de gerenciamento e operação como sugere o consultor Gilles Gibbons. Figura 1: Portfólio Moleco. Disponível em: <www.moleco.com.br> Conclusão Ao término deste estudo, observamos que existe uma tendência global de expansão de consumo de produtos e serviços de baixo impacto ambiental e que esta tendência é perfeitamente justificada pelas teorias de pós-modernidade de Stuart Hall. Observamos ainda que o perfil de adeptos a esta nova onda pode ser dividido em dois grupos relativamente homogêneos: os consumidores radicais e renovados, cada qual com suas características de consumo bastante delineadas.

11 Concluímos também que o consumidor radical se impressiona pouco com o marketing verde e que o principal alvo para a publicidade seriam os renovados. Também observamos que o consumidor está cada dia mais informado e difícil de persuadir, tornando mais complexa a comunicação e exigindo formas mais criativas e sutis de abordagem. Analisamos dois exemplos empíricos da aplicabilidade de nossas hipóteses, com os cases da britânica Good Business e da brasileira Moleco. A primeira tem como principal objetivo ajudar empresas a adaptarem seus produtos, serviços e negócios de modo que a produção e comercialização dos mesmos não agridam o meio ambiente, gerando empresas que de fato possuam impacto ambiental positivo e concreto. Os serviços da Good Business vêm de encontro com a tendência mercadológica do marketing verde, que tem sido levada com pouca seriedade mais como um chamariz oportunista do que como uma real consciência ambiental. A Moleco já nasceu entendendo esta gestão que a Good Business propõe: a produção e distribuição dos cadernos é inteiramente organizada de modo a otimizar o impacto ambiental. A empresa é de fato norteada por uma filosofia sustentável, tal qual sugere a consultoria de Gibbons. Este tipo de gestão é importante para o marcado brasileiro, pois pode introduzir uma nova ótica que poderia ser utilizada por companhias maiores, com mais recursos e, consequentemente, com maior impacto ambiental. Por fim, entendemos que a sustentabilidade não deve ser apenas anunciada como medida paliativa dos impactos ambientais que a humanidade tem realizado, mas sim uma nova plataforma de gestão de negócios, de modo a criar empresas mais responsáveis e realmente amigas do meio ambiente.

12 Referências BARBOSA, Vanessa. Por que o Marketing Verde não convence (Entrevista com Giles Gibbons). Exame.com. 17 jan Disponível em <http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/por-que-o-marketing-verde-nao-cola/> Acesso em 23 de Maio de CAVALCANTE, Lívia Poliana Santana. O movimento ambientalista e desenvolvimento sustentável: contributos para uma reflexão crítica. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n.109, Fevereiro Disponível em <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12798> Acesso em 29 de abril de CRESCE a consciência ecológica dos consumidores brasileiros. Max Press Net Disponível em: < Acesso em 10 ago HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora DP&A, KOTLER, Philip. Marketing 3.0: As forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Editora ELSEVIER, SOBRE o blog Moleco. Moleco.com. 13 jun Disponível em < >. Acesso em 23 de maio de 2014.

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br A COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA...... deve ser elaborada a partir do quadro sociocultural do consumidor alvo COMUNICAÇÃO

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO NOVAS LIDERANÇAS Apresentação Atenta aos movimentos do mercado e ao cenário competitivo vivenciado pelas empresas e profissionais, a ADVB/RS atua na área de educação corporativa e oferece conhecimentos alinhado às principais

Leia mais

grandes profissionais.

grandes profissionais. Soluções e Equipamentos para Controle Térmico Negócios empresariais, o resultado dos grandes profissionais. Relação entre pessoas geram negócios empresariais O termo (B2B - business to business em inglês)

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração Geral 7ª Série Sistemas de Informações Gerenciais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF Qualidade na Saúde Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF De acordo com o Dicionário Aurélio, QUALIDADE consiste na: * Maneira de ser, boa

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Como obter excelentes. Resultados. no Marketing Digital. Aprenda a usar 3 metas matadoras. Publicação SEVEN - SPD

Como obter excelentes. Resultados. no Marketing Digital. Aprenda a usar 3 metas matadoras. Publicação SEVEN - SPD Como obter excelentes Resultados no Marketing Digital Aprenda a usar 3 metas matadoras Publicação SEVEN - SPD Sumário Introdução Cápítulo 1 Comprometa-se com o Sonho Pessoal Capítulo 2 Desenvolva sua Estratégia

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

1. Referencial Teórico A importância da Matemática para o Administrador de Empresas

1. Referencial Teórico A importância da Matemática para o Administrador de Empresas Evento: 2º Encontro de Iniciação Científica da Faculdade Apogeu Local: Sala 04 da Faculdade Apogeu Dia: 07/05/2012 Professor Mestre Sidnei Barbosa Ferreira Relatora: Janete Pereira da Silva (aluna do 1º

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Porto Alegre 2008 Aline Camargo Luciane Padilha Aragon

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

Política de SI uma introdução ao tema. Política de SI uma introdução ao tema ARTIGO. Artigo Política, Conformidade, Normativo.

Política de SI uma introdução ao tema. Política de SI uma introdução ao tema ARTIGO. Artigo Política, Conformidade, Normativo. ARTIGO Política de SI uma introdução ao tema Artigo Política, Conformidade, Normativo Artigo 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO UMA INTRODUÇÃO AO TEMA Nas organizações mais estruturadas, é comum que

Leia mais

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice O Que é Gerenciamento da Sua Reputação Online? Como Monitorar Sua Reputação Online O Básico Para Construir

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL www.espm.br/centraldecases A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL Preparado pelos Professores Antonio Carlos Bonassa e Paulo

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

www.dinheiroganharja.com

www.dinheiroganharja.com Sumário Introdução...3 Empreendedorismo Digital...4 Trabalhar em casa ou da Onde quiser...5 Liberdade financeira...5 Como criar um blog...7 Domínio...7 Hospedagem...8 WordPress...9 Instalando a Plataforma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Lustre sem graxa Engenharia de Produção Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Falo sempre com a minha família que não

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Marcelo Bruno de Araújo Lacerda. O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador.

Marcelo Bruno de Araújo Lacerda. O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador. Marcelo Bruno de Araújo Lacerda O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador. Artigo científico apresentado para conclusão do curso

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A EcoAtitude mantém uma linha básica de produtos que podem ser utilizados conforme a necessidade e os critérios dos clientes.

APRESENTAÇÃO. A EcoAtitude mantém uma linha básica de produtos que podem ser utilizados conforme a necessidade e os critérios dos clientes. Relatório Anual 2011 APRESENTAÇÃO Com um toque artesanal e consciência ecológica, a EcoAtitude fabrica produtos personalizados para eventos, papelarias, brindes corporativos, embalagens e outros. A EcoAtitude

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais