FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DANIEL JOSÉ DE ALCANTARA COSTA APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE INVESTIMENTOS EM UMA CAFETERIA Maceó Alagoas 2012

2 DANIEL JOSÉ DE ALCANTARA COSTA APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE INVESTIMENTOS EM UMA CAFETERIA ISNARD MARSHALL JUNIOR, D Sc. Coordenador Acadêmco LUCIANO MIGUEL SALAMACHA, M. SC Professor Orentador Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso MBA em Gestão Empresaral de Pós-Graduação lato sensu, Nível de Especalzação, do Programa FGV Management como pré-requsto para obtenção do título de Especalsta. TURMA: MBA EM GESTAO EMPRESARIAL: GE Maceó Alagoas 2012

3 MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL Coordenador Acadêmco: Isnard Marshall Junor, D Sc. O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE INVESTIMENTOS EM UMA CAFETERIA elaborado por: (Danel José de Alcantara Costa ) e aprovado pela Coordenação Acadêmca fo aceto como pré-requsto para a obtenção do MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL, Curso de Pós-Graduação, lato-sensu, Nível de Especalzação, do programa FGV Management. Data da aprovação: 09 de Feverero de 2012 Lucano Mguel Salamacha, M. Sc

4 TERMO DE COMPROMISSO O aluno Danel José de Alcantara Costa, abaxo-assnado, do Curso de MBA em Gestão Empresaral, do Programa FGV Management, realzado nas dependêncas da nsttução convenada FAN Faculdade Admnstração e Negócos, localzada em Maceó, no período de março de 2010 a março de 2012, declara que o conteúdo do TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO nttulado Aplcação de Concetos da Análse Econômca Fnancera de Investmentos em uma Cafetera, é autêntco, orgnal, e de sua autora exclusva.. Maceó/AL, 09 de Feverero de Danel José de Alcantara Costa

5 v DECLARAÇÃO O aluno Danel José de Alcantara Costa, abaxo-assnado, do Curso de MBA em Gestão Empresaral, do Programa FGV Management, realzado nas dependêncas da nsttução convenada FAN Faculdade Admnstração e Negócos, localzada em Maceó, no período de Março de 2010 a Março de 2012, ( x ) AUTORIZA / ( ) NÃO AUTORIZA a dvulgação de nformações e dados apresentados na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso TCC, nttulado Aplcação de Concetos da Análse Econômca Fnancera de Investmentos em uma Cafetera, com objetvos de publcação e/ou dvulgação em veículos acadêmcos. Maceó/AL, 09 de Feverero de 2012 Danel José de Alcantara Costa

6 v Agradecmentos A Deus, a mnha Mãe, aos Professores Lucano Salamacha, Isnard Marshall, Ilda Sprtzer, Paulette de Melo, Dense Vasconcellos, Dmtr Rocha e Antôno de Olvera. Amanda Pnto, Marcus Vncus, Tereza Maranhão, Lourdes Perera, Pedro Correa, Bruno Tenóro e aos demas colegas da turma Gestão Empresaral 15. Emíla Veras, Vera Gama e Crstna Plech.

7 v Dedcatóra Este trabalho é dedcado a todos os meus famlares e amgos que me apoaram durante este período.

8 v RESUMO O presente trabalho procura trazer uma reflexão e destacar a mportânca da análse econômca fnancera de nvestmentos baseando-se nos referêncas teórcos dos autores: Alexandre Assaf Neto, Masakazu Hoj, Dasy Rebelatto, Evandr Meglorn e Marco Aurélo Vallm, aplcados na cafetera Casa do Café. Dentre os város métodos utlzados para a realzação da análse de nvestmentos, este estudo procurou explanar sobre: Taxa Interna de Retorno (TIR), Valor Presente Líqudo (VPL) e Período de Retorno de Captal (Payback). Palavras chave: Análse de Investmentos. Cafetera

9 v ABSTRACT The present work seeks to brng a reflecton and hghlght the mportance of fnancal analyss of stocks based on the theoretcal references of the authors: Alexandre Assaf Neto, Masakazu Hoj, Dasy Rebelatto, Evandr Meglorn e Marco Aurélo Vallm, appled n the coffee shop Casa do Café. Among the varous methods used to perform the nvestment analyss, ths study sought to expound upon: Internal Rate of Return (IRR), Net Present Value (NPV) and Payback. Keywords: Investment Analyss. Coffee Shop

10 x LISTA DE TABELAS Tabela 1: Fluxo de Caxa: Casa do Café Estmatva Mensal 14 Tabela 2: Fluxo de Caxa: Casa do Café Estmatva Anual 15 Tabela 3: Estmatva dos Investmentos 22 Tabela 4: Estmatva Investmentos Pré-Operaconas 24 Tabela 5: Estmatva Investmento Fnancero 25 Tabela 6: Resumo do Investmento 26 Tabela 7: Indcadores de Resultado 27

11 x LISTA DE ILUSTRAÇÕES Fgura 1: Taxa Interna de Retorno 16 Fgura 2: Valor Presente Líqudo 17 Fgura 3: Período de Retorno de Captal (Payback) 18

12 x SUMÁRIO Introdução 12 1 Análse Econômca Fnancera dos Investmentos Métodos Utlzados para Análse Econômca Fnancera dos Investmentos Taxa Interna de Retorno (TIR) Valor Presente Líqudo (VPL) Período de Retorno de Captal (Payback) 18 2 Estudo de Caso: Casa do Café Descrção do Negóco 19 3 Aplcação do Referencal Teórco no Estudo de Caso: Casa do Café 22 Conclusão 29 Referêncas Bblográfcas 30

13 12 INTRODUÇÃO Investmento é todo o captal desprenddo no desejo de se obter lucro. Dentre as váras nomenclaturas utlzadas para defnr os seus dferentes tpos, procurou-se, neste trabalho, dvd-los da segunte forma: Investmentos Fxos, Investmentos Pré Operaconas e Investmentos Fnanceros. A análse econômca fnancera de nvestmentos é um mportante auxílo aos gestores, pos tende a evdencar os prós e contras de um determnado projeto, tanto no presente, quanto em projeções futuras, ajudando-os nas tomadas de decsões. O prncpal objetvo deste estudo é demonstrar a mportânca da análse econômca fnancera de nvestmentos, aplcando três métodos: TIR (Taxa Interna de Retorno), Valor Presente Líqudo (VPL) e Período de Retorno de Captal (Payback) na cafetera Casa do Café. A Casa do Café, stuada no muncípo de Arapraca, será a prmera da Regão Agreste de Alagoas a ofertar uma dversdade de cafés quentes e fros, sem perder o regonalsmo. Sua concepção fo baseada numa pesqusa de mercado, no muncípo, onde fo possível dentfcar o públco alvo, horáros de maor fluxo, nvestmento em propaganda, projetar os faturamentos, tudo sso para analsar a vabldade do empreendmento. As nformações desta pesqusa foram de vtal mportânca para a elaboração das projeções: fluxos de caxa mensal (prmero ano) e dos quatro anos subsequentes. Para mplantar a Casa do Café faz-se necessáro um montante total de R$ ,52. O saldo fnal de caxa acumulado para os prmeros cnco anos é: R$ ,47. Os índces Margem de Contrbução: 66,69%, Lucratvdade: 11,07% e Rentabldade: 109,88%. O Ponto de Equlíbro de R$ ,55 (anual), um payback de 4,5 (anos) e uma taxa nterna de retorno de 51,17%, com uma taxa mínma de atratvdade de 12% ao ano obtém-se um fluxo de caxa descontado de R$ ,28. Este trabalho apresentará uma fundamentação teórca sobre o tema, refletndo sobre as vantagens e desvantagens de cada método utlzado e destacará como eles foram de grande vala para o êxto da cafetera Casa do Café.

14 13 1 Análse Econômca Fnancera dos Investmentos A análse de nvestmento tem o propósto de estudar todo o captal nvestdo em um determnado projeto e mapear os seus resultados futuros. Segundo Meglorn & Vallm (2009) análse de nvestmento é o modo de antecpar, por meo de estmatvas os resultados oferecdos pelos projetos. Empregar um conjunto de técncas que possbltem comprovar os resultados de dferentes alternatvas e auxlar a tomada de decsões. Hoj (2010) a fnaldade da avalação econômco fnancera de nvestmentos consste em avalar o fluxo futuro, gerado pelo nvestmento realzado. O fluxo de caxa de um projeto de nvestmento nada mas é do que a projeção de geração líquda de caxa, sto é, projeção de lucro líqudo excluído de tens que não afetam o caxa (deprecação e amortzação), acrescentando o desembolso em nvestmentos fxos. Assaf Neto (2009) complementa que os métodos quanttatvos de análse econômca de nvestmentos podem ser classfcados em dos grandes grupos: os que levam em conta o valor do dnhero no tempo e os que consderam essa varação por meo do crtéro do fluxo de caxa descontado. Em razão do maor rgor concetual e da mportânca para as decsões de longo prazo, dá-se atenção preferencal para os métodos que compõem o segundo grupo. Anda para Assaf Neto (2009) a avalação de um atvo é estabelecda pelos benefícos futuros esperados de caxa trazdos a valor presente medante uma taxa de desconto que reflete o rsco de decsão. Exceção é geralmente feta, no entanto ao método do tempo de retorno do nvestmento (período de payback) o qual apesar de ser formalmente enquadrado no prmero grupo, tem grande mportânca decsóra e permte anda seu cálculo em termos de valor atualzado.

15 14 Tabela 1: Fluxo de Caxa: Casa do Café - Estmatva Mensal Para os reajustes nos custos de pessoal fo consderado o percentual de aumento (6%) adotado pela convenção coletva do Sndcato dos Trabalhadores no Comérco Hotelero do Estado de Alagoas. Para os reajustes nos custos de compras e nsumos fo adotado o índce acumulado INPC 6,8705 % dos ultmos 12 meses consderando julho 2011, conforme o banco de dados do portal Brasl, dsponível em <www.portalbrasl.net./npc.htm>. Acesso em 25 Ago

16 15 Tabela 2: Fluxo de Caxa: Casa do Café - Estmatva Anual Para os reajustes nos custos de alugués e condomínos fo utlzado o índce acumulado do IGPM - FGV 8,3581% dos últmos 12 meses consderando julho 2011, conforme o banco de dados do portal Brasl, dsponível em dsponível em <www.portalbrasl.net/gpm.htm>. Acesso em 25 Ago 2011.

17 16 Investmentos Métodos Utlzados para Análse Econômca Fnancera dos - Taxa Interna de Retorno (TIR) - Valor Presente Líqudo (VPL) - Período de Retorno de Captal (Payback) Taxa Interna de Retorno (TIR) Taxa utlzada para gualar o valor nvestdo com os saldos fnas projetados no caxa. Segundo Rebelatto (2004) TIR é a taxa de desconto que torna o valor atual líqudo do nvestmento gual a zero, também chamada de taxa nterna efetva de rentabldade. Rebelatto (2004) complementa que a TIR deve ser comparada com outra taxa denomnada Taxa Mínma de Atratvdade (TMA), para acetação ou não do projeto. Assaf Neto (2009) dz que para avalação de propostas de nvestmento o calculo da TIR, requer bascamente o conhecmento dos montantes de dspêndo de captal e dos fluxos de caxa líqudos ncrementas gerados pela decsão, consderando que esse valores ocorrem dferentes momentos, pode-se dzer que a TIR ao levar em conta o valor do dnhero no tempo representa a rentabldade do projeto expressa em termos de taxa de juros composto equvalente peródca. Fgura 1 Taxa Interna de Retorno

18 17 Fonte: Projeto de Investmento. Dasy Rebelatto. Edtora Manoelle (2004). Legenda: FCo Fluxo de Caxa Incal (Valor nvestdo para nco do projeto) FCj Fluxos prevstos de entradas de caxa J Tempo de vda útl do projeto Valor Presente Líqudo (VPL) Para Meglorn & Vallm (2009) valor presente líqudo ou o NPV (Net Present Value) é a dferença entre o valor descontado do fluxo de caxa para a data do nvestmento ncal e o valor de um nvestmento ncal de um projeto. Anda para Meglorn & Vallm (2009) todos os projetos que apresentarem VPL maor gual a zero podem ser acetos, pos geram retorno gual ou maor que o custo de captal. Quando um projeto apresenta o VPL menor que zero, seu retorno é nferor a seu custo de captal e ele dexa de ser atratvo. Hoj (2010) Valor Presente Líqudo consste em determnar o valor no nstante ncal, descontando o fluxo de caxa líqudo de cada período futuro gerado durante a vda útl do nvestmento, com a taxa mínma de atratvdade e adconando o somatóro dos valores descartados ao fluxo de caxa líqudo do nstante ncal. Hoj (2010) anda salenta que o nvestmento será economcamente atraente se o valor presente líqudo for postvo. Fgura 2 Valor Presente Líqudo NPV n FC t I t 0 t 1 K t 1 K t 1 1 n I t

19 18 Onde: FC t = fluxo (benefíco) de caxa de cada período K = taxa de desconto do projeto, representada pela rentabldade mínma requerda I 0 = nvestmento processado no momento zero I t = valor do nvestmento prevsto em cada período subsequente Fonte: Fnanças Corporatvas e Valor. Alexandre Assaf Neto. Edtora Atlas (2009) Período de Retorno de Captal (Payback) Para Hoj (2010) consste na apuração do tempo necessáro para que a soma dos fluxos de caxa líqudos peródcos seja gual ao fluxo de caxa líqudo do nstante ncal. Este método não consdera os fluxos de caxa gerados durante a vda útl do nvestmento após o período e portando não permte comparar o retorno entre dos nvestmentos. Mas é um método largamente utlzado como um lmte para determnadas tpos de projetos, combnado com os outros. Segundo Assaf Neto (2009) consste na determnação do tempo necessáro para que o dspêndo de captal seja recuperado por meo de fluxos de caxas promovdos pelo nvestmento. É nterpretado como um mportante ndcador do nível de rsco de um projeto de nvestmento. Anda para Assaf Neto (2009) duas mportantes restrções ao método payback. - Não leva em conta as magntudes dos fluxos de caxa e sua dstrbução nos períodos que antecedem ao método payback. - Não leva em consderação os fluxos de caxa que ocorrem após o período de payback. Fgura 3 Período de Retorno de Captal (Payback) Payback = Investmento Incal Fluxo de Caxa Regular

20 19 2 Estudo de Caso: Cafetera Casa do Café Descrção do Negóco O café é a bebda favorta dos brasleros, está presente em nossa cultura desde o fnal do século XIX, quando era o prncpal fator econômco do País. Seu consumo atravessou gerações, rompeu barreras socas, culturas e demográfcas. Em Tendênca de Consumo de Café, pesqusa realzada pela ABIC (Assocação Braslera da Indústra do Café), no ano de 2010, entre 1680 entrevstados, o consumo do café atngu o índce de 95%, gualando ao consumo da água. Comparando as pesqusas de 2003 a 2010, o índce de crescmento e rejeção/abandono, atngram os mesmos 4%. Mesmo assm, para 69% dos entrevstados, não há bebda que substtua o café. De acordo com a Assocação Braslera da Indústra do Café, o setor de cafeteras, em 2010, arrecadou-se em torno de R$ 850 mlhões e o consumo do café fora de casa, cresceu 307%, nos últmos oto anos. É também relevante o número de consumdores que procuram Cafés Especas/ Gourmet. Comparando que no fnal dos anos noventa, aqu no Brasl, a procura por esses tpos de cafés especas era ncpente estes números só vêm engradecer o segmento. As cafeteras também chegaram a Alagoas, especalmente na captal, ncrementando mas aos cafés aqu exstentes. Com o advento dos Shoppng Centers o crescmento fo mas acelerado, surgndo a necessdade de mgrar para cdades do nteror. A escolha do muncípo de Arapraca para nstalação da empresa Casa do Café, deu-se através de uma pesqusa de mercado realzada pela empresa Métodos (2011), onde fo verfcada uma demanda não atendda no muncípo e por ser Arapraca, cdade stuada estado de Alagoas, um grande polo de desenvolvmento da regão Agreste do Estado, agregando uma macrorregão composta por outros dezenove muncípos com uma população total de habtantes, segundo censo IBGE/2010, produto nterno bruto de R$ 2.699,070 (IBGE/2008). O muncípo

21 20 encontra-se a 128 km da captal Maceó e próxma a outras captas da Regão Nordeste como Recfe e Aracajú. Hstorcamente a economa do muncípo baseou-se na cultura do planto e colheta do fumo, hoje o comérco é a prncpal atvdade econômca da cdade. Por conta deste cenáro bastante promssor, será naugurado no muncípo no ano de 2012 o prncpal grande centro de compras da regão o Páto Arapraca Garden Shoppng. O Páto Arapraca Garden Shoppng fcará stuado às margens da AL-220 (prncpal va de acesso ao muncípo), em frente ao Centro Admnstratvo abrangendo uma população estmada de sescentos e quarenta ml pessoas. O empreendmento contará com m², 191 lojas, sendo ses âncoras, sete megalojas, cnco salas de cnema, academa, faculdade e um estaconamento para 2328 vagas. A Casa do Café, stuada em uma das lojas, terá área total de 65.50m², com uma localzação prvlegada próxma a duas lojas âncoras, academa e faculdade. O projeto arqutetônco atende às necessdades dos clentes, proporconando um ambente acolhedor. O espaço contará com uma coznha, onde serão preparados os cafés e alguns almentos, um balcão de atendmento, quatro banquetas para peddos rápdos. O salão prncpal contará oto mesas, cada uma com quatro caderas. No prmero pavmento fcarão localzados o estoque e os vestáros dos funconáros. Dentro da estrutura de gestão de pessoas, a Casa do Café contará com onze colaboradores, sendo ses atendentes, dos caxas, dos auxlares de coznha (estes colaboradores trabalharão em turnos de ses horas e serão egressos do Programa de Oportundade Profssonal do SENAC/AL) e um supervsor, responsável admnstratvo do empreendmento, obrgatoramente com nível superor (preferênca em admnstração). Todos serão capactados através de um programa de trenamentos com o propósto de desenvolver suas aptdões em: atendmento ao clente, relaconamento nterpessoal, prátcas de hgenzação e trato com os almentos. Serão fetas

22 21 avalações constantes entre os colaboradores levando em consderação os crtéros de competênca, habldades e attude. A Casa do Café preservará a qualdade nos seus produtos escolhendo fornecedores que sgam estes prncípos. O café oferecdo terá o selo de qualdade da ABIC, fazendo parte do Programa de Qualdade do Café. Em relação aos servços a avalação e a busca por melhora serão fetas através de questonáros dsponíves no estabelecmento, onde o clente poderá avalar no estabelecmento: o atendmento, ambente, fazer crítcas e sugerr mudanças. O grande dferencal trará ao muncípo de Arapraca dversos tpos de cafés (quentes e fros), sem perder o regonalsmo, por sso farão parte do cardápo comdas típcas como: macaxera acompanhada com carne de sol, charque, galnha gusada e calabresa, pamonha, cuscuz, canjca, mungunzá e tapoca. A dvulgação da Casa do Café será feta através de panfletos, nas estações de rádos locas, tudo sso vsando estar mas próxmo dos clentes, objetvando ser a prncpal referênca do setor, no Estado de Alagoas..

23 22 3 Aplcação do Referencal Teórco no Estudo de Caso: Casa do Café Conforme tabela 3, estmatva dos nvestmentos fxos dvdu-se em aqusção de máqunas, equpamentos, móves, utensílos, desenvolvmento do web ste e a compra da lcença do software ERP (Enterprse Resource Plannng). A empresa optou por adqurr as máqunas, após negocação feta junto aos fornecedores e por consderar que com o volume de vendas da mercadora, é possível ressarcr, em poucos meses, todo o nvestmento (captal) aplcado. E de acordo com dados da Receta Federal, o tempo útl destas máqunas é de dez anos. Tabela 3: Estmatva dos Investmentos Investmento Fxo A) Máqunas Descrção Quantdade Valor Untáro Valor Total Monho para Café 01 R$ 2.550,00 R$ 2.550,00 Máquna de Café Expresso 01 R$ 7.450,00 R$ 7.450,00 Garrafa para Chantly (0,5L) 01 R$ 295,00 R$ 295,00 Chocolatera 5L 01 R$ 2.085,00 R$ 2.085,00 Sub-Total (A) R$ ,00 B) Equpamentos Descrção Quantdade Valor Untáro Valor Total Telefone 1 R$ 79,00 R$ 79,00 Roteador 1 R$ 79,90 R$ 79,90 Computador 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 Forno Mcroondas 1 R$ 259,00 R$ 259,00 Freezer Horzontal - 2 portas 1 R$ 1.599,00 R$ 1.599,00 Balcão Expostor Fro 1 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 Balcão Expostor Quente 1 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 Fogão 2 Bocas 1 R$ 329,00 R$ 329,00 Lqudfcador Industral - 2L 1 R$ 459,00 R$ 459,00 Chapa (Elétrca) 1 R$ 929,00 R$ 929,00 Depurador de Ar 1 R$ 269,00 R$ 269,00 Estufa 1 R$ 199,00 R$ 199,00 Sub-Total (B) R$ 8.201,90

24 23 C) Móves e Utensílos Descrção Quantdade Valor Untáro Valor Total Frgdera e Panquera 02 R$ 17,39 R$ 34,78 Cuscuzera 01 R$ 8,90 R$ 8,90 Espátula 02 R$ 0,99 R$ 1,98 Conjunto de Talheres de Mesa 40 R$ 13,20 R$ 528,00 Conjunto de Talheres de Sobremesa 40 R$ 10,38 R$ 415,20 Conjunto de Recpentes Plástcos 10 R$ 16,00 R$ 160,00 Açucarero 01 R$ 12,78 R$ 12,78 Salero 01 R$ 13,94 R$ 13,94 Porta Guardanapo / Sal e Açucar 10 R$ 16,90 R$ 169,00 Xícaras e Pres (Médo) 25 R$ 5,99 R$ 149,75 Xícaras e Pres (Grande) 25 R$ 10,90 R$ 272,50 Tulpas para Mlk Shake 06 R$ 5,40 R$ 32,40 Pratos de Sobremesa 40 R$ 6,99 R$ 279,60 Mesas 08 R$ 651,00 R$ 5.208,00 Jogo de Caderas (04 peças) 08 R$ 869,00 R$ 6.952,00 Banqueta 04 R$ 151,00 R$ 604,00 Pratos de mesa 40 R$ 8,90 R$ 356,00 Jogo Amercano 40 R$ 1,98 R$ 79,20 Letera 355ml 01 R$ 44,90 R$ 44,90 Prato Fundo 25 R$ 8,90 R$ 222,50 Espremedor de Frutas 01 R$ 39,90 R$ 39,90 Sub-Total (C) R$ ,33 D) Outros Descrção Quantdade Valor Untáro Valor Total Software ERP 01 R$ 6.000,00 R$ 6.000,00 Desenvolvmento Ste 01 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 Câmeras de Segurança 01 R$ 1.700,00 R$ 1.700,00 Copo de água 12 R$ 3,79 R$ 45,48 Copo de whsk 24 R$ 1,58 R$ 37,98 Taça de vnho 12 R$ 3,33 R$ 39,99 Copo de cerveja 24 R$ 1,87 R$ 44,98 Taça de sorvete 12 R$ 3,33 R$ 39,99 Conjunto Panelas 10 R$ 29,90 R$ 299,00 Cardápo 39x28 12 R$ 14,17 R$ 170,04 Calderão 15,3L 01 R$ 43,38 R$ 43,38 Sub-Total (D) R$ ,84 TOTAL DOS INVESTIMENTOS FIXOS (A+B+C+D) R$ ,07

25 24 Os nvestmentos pré-operaconas (tabela 4) demonstram as despesas para: Abertura do empreendmento, com os órgãos: Junta Comercal, Corpo de Bomberos, Vglânca Santára e Prefetura Muncpal de Arapraca. Trenamentos, fardamentos, exames admssonas dos colaboradores, e anda; Propagandas no Muncípo, através da dstrbução de panfletos e comercas nas emssoras de rádo, no período que antecede e por ocasão da abertura da cafetera. O custo de aqusção do espaço no Páto Arapraca Garden Shoppng é de R$ 2.200,00 (dos ml e duzentos reas) o metro quadrado e a Casa do Café ocupará uma área de 66,50m², totalzando R$ ,00 (cento e quarenta e quatro ml e cem reas). A reforma deste espaço e a transformação num ambente propíco para servr o café, custará R$ ,00 (cento e cnquenta ml reas). Tabela 4: Estmatva Investmentos Pré-Operaconas Investmento Pré-Operaconal Descrção Quantdade Valor Untáro Valor Total Custo do Espaço da Loja 1 R$ ,00 R$ ,00 Reforma da Loja 1 R$ ,00 R$ ,00 Taxa DAR (Junta Comercal) 1 R$ 90,00 R$ 90,00 Taxa DARF (Junta Comercal) 1 R$ 21,00 R$ 21,00 Taxa Corpo de Bomberos 1 R$ 20,00 R$ 20,00 Taxa de Fscalzação (Vglânca Santára) 1 R$ 20,00 R$ 20,00 Alvará (Vglânca Santára) 1 R$ 40,00 R$ 40,00 Taxa - Prefetura de Arapraca 1 R$ 174,65 R$ 174,65 Trenamentos 11 R$ 80,00 R$ 880,00 Exames Admssonas 11 R$ 28,00 R$ 308,00 Fardamentos 1 R$ 1.436,90 R$ 1.436,90 Propaganda 1 R$ 2.141,67 R$ 8.566,68 TOTAL DOS INVESTIMENTOS PRÉ-OPERACIONAIS R$ ,23

26 25 A estmatva dos nvestmentos fnanceros (tabela 5) é composta pelo somatóro da projeção do estoque mensal R$ ,17 (dezenove ml qunhentos e trnta e um ml e dezessete centavos) com o caxa mínmo R$ ,05 (trnta e quatro duzentos e sessenta e oto ml e cnco centavos) este formado pelo produto do custo dáro total R$ 1.489,92 (ml quatrocentos e otenta nove reas e noventa e dos centavos) e a necessdade de captal de gro em das, vnte e três. Tabela 5: Estmatva Investmento Fnancero Descrção Valor em R$ Estoque R$ ,17 Caxa Mínmo R$ ,05 Total R$ ,22

27 26 Para vablzar o projeto Casa do Café fo necessáro o montante de R$ ,52 (quatrocentos e ses ml, qunhentos e quarenta e quatro e cnquenta e dos centavos), todo este valor dvddo de forma gualtára entre os sócos. A tabela 6 mostra que os nvestmentos fxos equvalem a 11,58%; os nvestmentos fnanceros a 13,23% e os nvestmentos pré-operaconas a 75,18%, do captal desprenddo. Tabela 6: Resumo do Investmento Descrção dos Investmentos Valor % 1. Investmento Fxo R$ ,07 11,58% 2. Investmento Fnancero R$ ,22 13,23% 3. Investmento Pré-Operaconal R$ ,23 75,18% TOTAL DOS INVESTIMENTOS R$ ,52 100,00% Fontes dos Recursos Valor % 1. Recursos Própros R$ ,52 100,00% 2. Recursos de Terceros R$ - 0,00% 3. Outros R$ - 0,00% TOTAL DOS RECURSOS R$ ,52 100,00%

28 27 Dentre os métodos utlzados para análse dos nvestmentos projetados nos prmeros cnco anos do empreendmento, a uma taxa mínma de atratvdade de doze por cento ao ano, chegaram-se a alguns resultados. - Índce de Margem de Contrbução: 66,66%. - Ponto de Equlíbro: R$ ,55 (anual). - Índce de Lucratvdade: 11,07%. - Rentabldade: A taxa prevsta sobre o captal nvestdo 109,88% - Prazo de Retorno de Investmento (Payback). Retorno total do nvestmento, 4,55 (anos). - VPL (Valor Presente Líqudo). Fluxo de caxa descontado consderando a taxa méda de atratvdade estabelecda R$ ,28. - TIR (Taxa Interna de Retorno) 51,71% ao ano. Tabela 7: Indcadores de Resultado Indcadores Resultados Índce de Margem de Contrbução 66,69% Ponto de Equlíbro (R$) R$ ,55 Índce de Lucratvdade 11,07% Rentabldade 109,88% Prazo de Retorno do Investmento (Payback) 4,55( anos) VPL (Valor Presente Líqudo) R$ ,28 TIR (Taxa Interna de Retorno) 51,71%

29 28 CONCLUSÃO O sucesso do empreendmento Casa do Café fo devdo a fatores como: o planejamento; a pesqusa de mercado; os empreendedores envolvdos, focados no mesmo objetvo; o captal própro; os funconáros escolhdos; mercado novo e bastante atraente; localzação da cafetera; a qualdade dos produtos ofertados; a escolha dos meos de dvulgação; o excelente trato com os stakeholders. A verfcação da análse dos concetos econômcos fnanceros dos nvestmentos, dando ênfase aos métodos utlzados, como: Taxa Interna de Retorno (TIR), Valor Presente Líqudo (VPL), Período de Retorno de Captal (Payback), aplcados a uma Taxa Mínma de Atratvdade (TMA) de 12% a.a. (ao ano), concluse que a Casa do Café é um nvestmento vável. Fundamentado no fluxo de caxa projetado para os prmeros cnco anos observou-se que ao fnal do período corrente o saldo em caxa é superor ao nvestmento ncal. Tendo em vsta que é um empreendmento novo na cdade, sem concorrentes dretos, no qual é precso conqustar e fdelzar os clentes o retorno do captal nvestdo para o período entre quatro a cnco anos é bastante satsfatóro.

30 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Arapraca. Dsponível em: <http://pt.wkpeda.org/wk/arapraca>. Acesso em: 2 Ma ABIC - Assocação Braslera da Indústra de Café. Dsponível em < Acesso em: 20 Ma ABIC Assocação Braslera da Indústra de Café. Tendênca de Consumo de Café VIII Dsponível em: <http://www.abc.com.br/publque/meda/est_pesqtendencasconsumo2010.pdf>. Acesso em: 6 Jul Assaf Neto, Alexandre. Fnanças Corporatvas e Valor. São Paulo: Atlas, Hoj, Masakazu. Admnstração Fnancera e Orçamentára. São Paulo: Atlas, IBGE Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca. Dados Econômcos e Estatístcos do Muncípo de Arapraca. Dsponível em <http://www.bge.gov.br/cdadesat/topwndow.htm?1>. Acesso em: 20 Ma Meglorn, Evandr & Vallm, Marco Aurélo. Admnstração Fnancera Uma Abordagem Braslera, São Paulo: Pearson, Pesqusa de Identfcação de Mercado para a Implantação de Cafetera em Arapraca. Maceó: Métodos, Desenvolvda com exclusvdade para o Projeto Integrado de Negócos Casa do Café. Maceó: FGV, Rebelatto, Dasy. Projeto de Investmento. São Paulo: Manole, Dados da Lcença Creatve Common: O trabalho Aplcação de Concetos da Análse Econômca Fnancera de Investmentos em uma Cafetera de Danel José de Alcantara Costa fo lcencado com uma Lcença Creatve Commons - Atrbução - NãoComercal - SemDervados 3.0 Brasl.

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO 1. INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO 1.1. Para a Área de Irrgação e Drenagem Poderão nscrever-se canddatos formados em Engenhara Agrícola, Agronoma, Meteorologa e demas Engenharas, ou em outras áreas afns a crtéro

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Slva, Dany Rogers; Sousa Rbero, Karem Crstna de; Hua Sheng, Hsa Mensuração da rentabldade do crédto comercal:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DE SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS PARA LATICÍNIOS DO AGRESTE PERNAMBUCANO Djur Tafnes Vera Unversdade Federal de Pernambuco UFPE - CAA Rodova BR-104, Km 59 - Nova Caruaru, Caruaru - PE,

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I Prof. Wllam Morán UFPI PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA II: Prof. Wllam Morán 2 Problema 1: O gráfco PERT fo preparado no níco de um

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Manual do Simulador Empresarial Tangram

Manual do Simulador Empresarial Tangram Manual do Smulador Empresaral Tangram 2008 Sumáro 1 APRESENTA ÇÃO... 5 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS... 5 1.2 DO PROCESSO... 5 2 LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL... 7 2.1 INTRODUÇÃO... 7 2.2 LEITURA

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturdade e desafos da Engenhara de Produção: compettvdade das empresas, condções de trabalho, meo ambente. São Carlos, SP, Brasl, 12 a15 de outubro de 2010.

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs.

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs. Incerteza: o básco Curso de especalzação em Fnanças e Economa Dscplna: Incerteza e Rsco Prof: Sabno da Slva Porto Júnor Sabno@ppge.ufrgs.br Introdução Até agora: conseqüêncas das escolhas dos consumdores

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAISBRASILEIRAS CIRCULAR TÉCNICA ~ 161 AGOSTO 1988

IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAISBRASILEIRAS CIRCULAR TÉCNICA ~ 161 AGOSTO 1988 PEF: FLOSOFA DE TRABALHO DE UMA ELTE DE EMPRESAS FLORESTASBRASLERAS.1 SSN 0100-3453 CRCULAR TÉCNCA ~ 161 AGOSTO 1988 NTRODUÇJlO CENTRO DE CONSERVAÇAo GENÉTCA E MELHORAMENTO DE PNHEROS TROPCAS * P. EDUARDO

Leia mais

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial Modelo de Mensuração da Rentabldade do Crédto Comercal Autora: Dany Rogers, Pablo Rogers, Karem Crstna de Sousa Rbero Resumo A avalação para concessão de crédto, prncpalmente em empresas comercas, é tradconalmente

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Goal Programming como Ferramenta de Gestão

Goal Programming como Ferramenta de Gestão Resumo Goal Programmng como Ferramenta de Gestão Dmtr Pnhero SANTANNA Fláva Zóbol DALMÁCIO Lucene Laurett RANGEL Valcemro NOSSA O objetvo deste artgo é demonstrar como o gestor pode aplcar a técnca do

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LERAS DE RIBEIRÃO PREO DEPARAMENO DE FÍSICA E MAEMÁICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA INERAÇÃO DE ESRAÉGIAS EM UM MERCADO DE OPÇÕES EUROPÉIAS: UMA ABORDAGEM

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE ÁREA: Estrutura Produtvo-Tecnológca avançada e regonalmente artculada: Teora Mcroeconômca, Organzação Industral e Economa Regonal. NOMES DOS AUTORES:

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Marcelo Sucena http://www.sucena.eng.br marcelo@sucena.eng.br sucena@ufrj.br

OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Marcelo Sucena http://www.sucena.eng.br marcelo@sucena.eng.br sucena@ufrj.br OPERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Marcelo Sucena http://www.sucena.eng.br marcelo@sucena.eng.br sucena@ufrj.br LOGÍSTICA Dsponblzar os produtos, ao menor custo possível, no momento e no local adequado para

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma Contratação de Servços de Telecomuncações: Competção entre Provedores, Confgurações de Rede e Custos Modelagem com Dados Imprecsos de Demanda e Tarfa Bruno Qurno De Olvera Departamento de Engenhara ENG,

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

A Criação de Caititus (Tayassu tajacu) como alternativa de diversificação de produção e renda na região Cacaueira da Bahia, Brasil

A Criação de Caititus (Tayassu tajacu) como alternativa de diversificação de produção e renda na região Cacaueira da Bahia, Brasil A Cração de Cattus (Tayassu tajacu) como alternatva de dversfcação de produção e renda na regão Cacauera da Baha, Brasl Dmas Olvera Santos 1, Alcester Mendes 2,Selene Squera da Cunha Noguera 3, Sérgo Luz

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES,

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, RESUMO: 2003 1 Thago Costa Soares 2 Unversdade Federal de Vçosa thago_sofa@hotmal.com

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1 Determnantes da Adoção da Tecnologa de Despolpamento na Cafecultura 1 Edson Zambon Monte* Erly Cardoso Texera** Resumo: Os cafecultores de Venda Nova do Imgrante, ES, que em sua maora são agrcultores famlares,

Leia mais

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica 1 Otmzação do arregamento de Transformadores de Dstrbução de Energa Elétrca E. J. Robba,..B. de Olvera,.A. Penn, R.P. asolar, Unversdade de São Paulo L.N. da Slva, H.R.P.M. de, AES Sul Resumo - O desenvolvmento

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais