NÚMERO DE OURO SUA INCIDÊNCIA NA NATUREZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÚMERO DE OURO SUA INCIDÊNCIA NA NATUREZA"

Transcrição

1 NÚMERO DE OURO SUA INCIDÊNCIA NA NATUREZA Eixo Temático: Formação do Professor GUSMÃO, Lucimar Donizete i Resumo: Este artigo discorre sobre um curso na Formação Continuada de professores de Matemática da Rede Pública Estadual de Ensino, do Estado do Paraná. Visando essa formação, alguns cursos foram elaborados a fim de atender as solicitações de professores que sugeriam atividades de cunho prático. Entre eles, foi organizado um curso intitulado Número de Ouro Sua Incidência na Natureza, que promovia discussões sobre padrões de beleza e tratava de conceitos de Razão, Proporção, Polinômios, Equações, Geometria Plana, Sequências, entre outros conteúdos pertinentes ao currículo de Matemática de nossas escolas Por meio de atividades práticas, esses conceitos são construídos gradativamente, podendo ser abordados tanto no Ensino Fundamental, quanto no Ensino Médio. Palavras-chave: Formação. Matemática. Arte. Interdisciplinaridade Abstract: The present article is about a course that is part of the Ongoing Professional Development of Math teachers of Paraná State System of Education. At this Program, some courses were elaborated in order to consider the teachers' request that suggested practical activities. So, a course entitled Golden Ratio Its incidence on Nature was created and promoted discussions about beauty pattern and dealt with its concepts of Ratio, Proportion Polynomials, Equations, Plane Geometry, Sequences and other relevant Math subjects. Through practical activities, these concepts are built gradually and can be taught as in Elementary School as in High School. Key Words: Professional Development. Math. Art. Interdisciplinarity Introdução: O início de 2003, no Estado do Paraná, ocorreu a retomada das discussões coletivas sobre o currículo, pois entende-se que o mesmo é uma produção social, construído por pessoas que vivem em determinados contextos históricos, temporais e sociais. Sendo assim, os professores de salas de aula, nos diferentes níveis e modalidades de ensino, com técnicos pedagógicos dos Núcleos Regionais e das equipes pedagógicas da Secretaria de Estado da Educação iniciaram uma discussão para pensar, construir e resgatar importantes considerações teórico-metodológicas para o ensino e a aprendizagem da Matemática. Sendo assim, após diversos momentos de discussão que aconteceram em reuniões

2 pedagógicas com professores representantes de seus pares, reuniões e grupos de estudos descentralizados nos municípios, envolvendo os professores das várias instâncias, inclusive de instituições de ensino superior, o texto das Diretrizes Curriculares 2 Estaduais (DCE), para todas as disciplinas foi sistematizado. Porém, à medida que se avançava nas discussões, era necessário modificar as versões preliminares desse texto, a fim de contemplar e explicitar de forma mais coerente o trabalho do professor, afinal, uma diretriz só tem sentido se, na escola, houver alterações nas práticas que elevem o compromisso de toda a comunidade escolar com a educação e especialmente aqui, com o ensino da Matemática. Uma das grandes preocupações dos professores durante as discussões era em relação aos conteúdos básicos, pois não havia unidade no Paraná e, muitas vezes, nem dentro da própria escola. Diante disso, as Diretrizes Curriculares de Matemática, pensando na organização da disciplina, apresenta os Conteúdos Estruturantes a serem trabalhados em âmbito estadual, conteúdos estes, que são resultados das práticas pedagógicas dos professores e da análise histórica da Matemática, tanto como campo de conhecimento e como disciplina. Segundo as DCE de Matemática (2008, p. 49), Conteúdos Estruturantes são conhecimentos de grande amplitude, os conceitos e as práticas que identificam e organizam os campos de estudos de uma disciplina escolar considerado fundamental para a sua compreensão. Constituem-se historicamente e são legitimados nas relações sociais. Os conteúdos estruturantes propostos para as séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio são Números e Álgebra, Grandezas e Medidas, Geometrias, Funções e Tratamento da Informação. Estes conteúdos se desdobram em Conteúdos Básicos e Específicos. Entretanto, eles não devem ser trabalhados de forma isolada, mas sim articulados entre si, pois é na articulação e no trabalho contextualizado que as ideias matemáticas adquirem sentido ao aluno. Machado (1993, p. 28) reforça, afirmando que o significado curricular de cada disciplina não pode resultar de apreciação isolada de seus conteúdos, mas sim do modo como se articulam. A partir de 2007, deu-se início, também, a um trabalho de formação continuada promovido pela Secretaria de Estado da Educação, chamado DEB Itinerante (Departamento de Educação Básica Itinerante), o qual, o DEB, através de seus técnicos-pedagógicos, percorria todo o Estado, discutindo as políticas públicas em cursos para os professores. A 2 O processo de construção das diretrizes curriculares vem se consolidando desde o ano de 2003, através de discussões coletivas com todos os professores da rede pública, que opinaram sobre metodologias, práticas e conteúdos para a disciplina, com o objetivo nortear a prática docente.

3 equipe de Matemática do DEB, sabendo da angústia dos professores, no que tange a metodologia, propôs nos encontros de formação continuada, abordagens diretas para serem utilizadas em sala de aula. Possibilitar a formação continuada, rompendo com os modelos únicos de formação, centrados na reprodução/transmissão de conhecimentos ou pela prática pedagógica já instaurada que desconsidera as reflexões e o diálogo é papel das Secretarias de Educação, das Universidades, entre outros órgãos e cabe-lhes buscar alternativas de ensino que privilegie a formação do professor, fornecendo subsídios para sua prática. Ainda há um descompasso entre os processos de formação continuada e a prática da sala de aula, visto que os professores não conseguem realizar mudanças significativas e muitos continuam a viver sua profissão de forma solitária, buscando individualmente resolver os problemas oriundos do calor da prática pedagógica. Logo, os cursos de formação continuada precisam caracterizar um espaço privilegiado para a aquisição de conhecimentos, onde os professores são preparados para a difusão dos conhecimentos historicamente construídos, como também um lugar de reflexão sobre as práticas, o que permite vislumbrar uma perspectiva dos professores como profissionais produtores de saber e de saber fazer (NÓVOA, 1995, p. 16). Em outro trecho da mesma obra o autor afirma: A formação do professor não se constrói por acumulação de conhecimentos ou técnicas, mas sim através de um trabalho de reflexão crítica sobre as práticas de construção e reconstrução permanente de uma identidade pessoal. Por isso é tão importante investir na pessoa e dar um estatuto ao saber da experiência (p. 25). Mudar essa realidade é a proposta da Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Nesse sentido, visando à formação continuada dos professores, a discussão de conteúdos, reflexão sobre a prática docente através de metodologias diferenciadas, troca de experiências, entre outros objetivos, que os cursos foram organizados pela equipe de Matemática do Departamento da Educação Básica - DEB. Afinal, só quando o trabalho é desenvolvido de forma colaborativa, entre professores da Rede, Núcleos Regionais da Educação, Secretarias de Estado da Educação e Instituições de Ensino Superior é que se pode levar a uma reflexão do currículo e da prática pedagógica. Trabalhar de forma colaborativa, pensar juntos em uma formação continuada que venha a atender os anseios dos professores que estão lá no chão da escola, na sala de aula, é uma maneira de vencer os desafios que a sociedade coloca todos os dias aos professores e à escola. O ensino da Matemática precisa estar inserida nesse contexto de diversos desafios e vencê-los, ou pelo menos amenizá-los, são os objetivos dos cursos. E foi nesse contexto que alguns cursos foram elaborados a fim de atender as

4 solicitações dos professores por atividades de cunho prático. O objeto desse artigo, o curso Número de Ouro e sua Incidência na Natureza, promoveu discussões sobre padrões de beleza e tratava de conceitos de Razão, Proporção, Polinômios, Equações, Geometria Plana, Sequências, entre outros. Por meio de atividades práticas, esses conceitos são construídos gradativamente, podendo ser abordados tanto no Ensino Fundamental, quanto no Ensino Médio. E os professores puderam discutir a relação Arte e Matemática, ou seja, se a Matemática está presente na Arte, será que o oposto também acontece, ou seja, há Arte na Matemática? (SERENATO, 2008, p.16). Mas, por que Arte e Matemática? Segundo Cifuentes (2003, p. 59, grifo do autor), a matemática e a arte caracterizamse, principalmente pela busca da verdade, no primeiro caso, e a busca da beleza, no segundo. Isso nos instiga a refletir sobre a diferença entre ensinar matemática e ensinar a apreciar a matemática (ibidem p. 60, grifo do autor). Ainda defende que, a matemática é uma forma de arte, sendo os fatos e métodos matemáticos obras de arte aos olhos do pensamento (CIFUENTES; NEGRELLI; ESTEPHAN, 2000 apud SERENATO, 2008, p. 65). Dessa forma, entende-se que, propiciando ao aluno momentos de reflexão e apreciação diante de produções das diferentes linguagens artísticas, das descobertas científicas, das invenções matemáticas, suave será o caminho que ele terá a percorrer para sensibilizar-se diante da própria estética da matemática, compreendendo sua gênese. Ao estabelecer uma relação próxima com a disciplina de Arte, as noções matemáticas adquirem outros significados relacionados ao contexto em que são utilizadas, gerando uma aprendizagem situada na Matemática, conforme defendem Tomaz & David (2008). Quando atividades envolvendo duas ou mais disciplinas tornam-se práticas recorrentes em sala de aula, pode-se desenvolver nos alunos uma cultura interdisciplinar. A aproximação entre Matemática e Arte nas suas dimensões criativa, estética e culturais pode favorecer a compreensão de conceitos matemáticos. Mas, para que isso aconteça, é preciso que cada professor, especialista em uma determinada área de conhecimento, rompa com a barreira da disciplinarização. Segundo Souza (2005, p.135), somos aquilo que fazemos porque aquilo é que nos fez, dessa forma, a grande maioria dos professores que saiu recentemente das universidades e outros que estão há tempos atuando em sala reproduzem o modelo do ensino fragmentado, pois foi recebido dessa forma na sua formação. A relação Matemática e Arte é muita antiga e remonta a pré-história. Segundo Serenato (2008, p ) a matemática está presente na arte desde a pré-história até os dias

5 de hoje, sendo utilizada por muitos artistas e como característica de vários movimentos artísticos. Mas, foi a partir do Renascimento que essa relação se fortaleceu, impulsionada por trabalhos de Leonardo da Vinci que utilizava a seção áurea nas suas obras, seguido por Frei Luca Pacioli, um religioso matemático, que escreveu o livro De Divina Proporcione, contribuindo de forma efetiva nessa relação matemática e arte. A descoberta da perspectiva também contribuiu para efetivar essa relação: num esforço em produzir quadros mais realistas, muitos artistas e arquitetos do Renascimento vieram a se interessar profundamente por descobrir as leis formais que regem a construção de projeções de objetos sobre uma tela (EVES, 1992, p. 15). Logo, procurando dar aos quadros que pintavam uma forma realista aos objetos representados, de modo que as pessoas, ao olharem a pintura, os identificassem sem dificuldades, no século XV, esses artistas criaram os elementos de uma teoria geométrica subjacente à perspectiva (ibidem, p. 15). Assim, a relação entre Matemática e Arte se constituiu e está presente no nosso dia a dia. Então, essa relação deve ocorrer também no contexto escolar, pois na medida em que a escola é compreendida socialmente como tendo por principal função ensinar, transmitir conhecimentos e cultura (LOPES, 1999, p.18), torna-se imprescindível integrar conhecimentos a fim de possibilitar um ensino mais significativo aos educandos. Para que ocorra a interdisciplinaridade é necessário estabelecer um diálogo constante entre as disciplinas e os envolvidos no processo de ensino e de aprendizagem. O diálogo deve colocar o universo das pessoas em pauta e fazer dele seu universo temático; dessa forma pode-se ter uma educação que leve à emancipação. Aos educadores cabe a tarefa de romper com a barreira da disciplinarização, a partir de uma reflexão sobre sua prática. A metodologia interdisciplinar irá exigir de nós uma reflexão mais profunda e mais inovadora sobre o próprio conceito de ciência e de filosofia, obrigando-nos a desinstalar-nos de nossas posições acadêmicas tradicionais, das situações adquiridas, e a abrir-nos para perspectivas e caminhos novos. Exigirá de nós que reformulemos nossas estruturas mentais, que desaprendamos muitas coisas, que desconfiemos das cabeças bem arrumadas, pois, em geral, são bastante desarrumadas, tendo necessidade de nova rearrumação (JAPIASSU, 1976, p. 42). Como o modelo vigente nos cursos de formação de professores ainda é segmentado e o mesmo ocorre com o Currículo Escolar, resta-nos propor e oportunizar a formação continuada que trate da interdisciplinaridade e incentivar o interesse dos professores em articular esses conhecimentos em sala de aula. Nesse contexto foi criado o curso em questão, articulando Matemática e Arte. Desenvolvimento: Iniciamos o curso questionando o conceito de Beleza, gerando muita discussão e

6 impasse, afinal é um tema polêmico, subjetivo e é uma questão pessoal, conforme defende Biembengut & Hein (2005). Como era previsto, não chegamos a um consenso, então, sugerimos aos professores que formassem grupos de até três pessoas e realizassem a medição de algumas partes do corpo e anotassem os dados em uma tabela, calculando a razão entre as duas mediadas, conforme tabela abaixo: Tabela 1: Medidas cm Razão entre as medidas cm Medidas A altura do seu corpo e medida do umbigo até o chão O tamanho de um dedo e a medida da ponta desse dedo até a dobra central. A medida do seu quadril ao chão e a medida do seu joelho até o chão. A medida do cotovelo até a ponta do dedo médio e a medida do seu pé Largura da boca e a largura do nariz Altura do seu rosto, desde a ponta do queixo até à raiz dos cabelos e a altura que vai do arco supraciliar (sobre as sobrancelhas) até à ponta do queixo. Após o preenchimento da tabela, identificamos, na história, personalidades que desenvolveram e utilizaram essas proporções, contextualizando a atividade proposta. Um dos primeiros estudiosos sobre as proporções humanas foi Marcus Vitruvius Pollio, arquiteto e escritor romano do século I a.c., que escreveu uma obra com dez volumes, chamada De Architectura, na qual apresentava questões técnicas e estéticas ligadas à arquitetura e à astronomia. No volume III dessa obra, ele descreve as proporções no corpo humano. Vitruvius alegava que um corpo bem formado devia apresentar proporções harmoniosas (SMOLE & DINIZ, 2005). Baseado nesse estudo, Leonardo da Vinci ilustra o Homem Vitruviano, no qual coloca a figura humana com braços e pernas abertas, inserida em um círculo e um quadrado, simultaneamente (formas geométricas consideradas perfeitas). Marcus Vitruvius já havia tentado essa representação, mas suas tentativas ficaram imperfeitas. Foi apenas com Leonardo que o encaixe saiu perfeito dentro dos padrões matemáticos esperados.

7 Figura 1: DA VINCI, Leonardo. Homem Vitruviano, Lápis e tinta, 34x34 cm. Gallerie dell'accademia Veneza. Em seguida, sugerimos outras medições. Verifique algumas das proporções do corpo humano estabelecidas por Da Vinci, baseadas nos estudos de Marcus Vitruvius: - O comprimento dos braços abertos de um homem é igual à sua altura; - Um palmo é a largura de quatro dedos; - Um pé é a largura de quatro palmos; A distância entre o nascimento do cabelo e o queixo é um décimo da altura de um homem; - O pé é um sétimo da altura do homem. Nesse momento uma grande discussão sobre o padrão de beleza dos dias atuais surgiu entre os professores. Era preciso deixar claro que, ao trabalharem com os alunos, levassem em consideração que o padrão de beleza é determinado por épocas e que a beleza é subjetiva (Biembengut & Hein, 2005), ou seja, o que é belo para uma pessoa não é para outra e viceversa. Em seguida, houve um momento de discussão no qual os professores elencaram quais conteúdos matemáticos poderiam ser explorados com essa atividade: surgindo as seguintes sugestões: Números Naturais, Racionais, Irracionais e Reais. Operações com frações, Números Decimais, entre outros. Seguindo com o curso, outra questão foi lançada: dê uma olhada nos valores encontrados na sua tabela: quais as razões encontradas? - Provavelmente, o número encontrado é próximo de 1, Esse número é conhecido como Número de Ouro. Mas, o que é o número de ouro?

8 O número de ouro é um número irracional considerado por muitos como símbolo de harmonia e da beleza. É representado pela letra grega Ö (Fi maiúscula, pronuncia-se fi ) que é a inicial do nome de Fídias, um famoso escultor e arquiteto grego, encarregado pela construção do Parthenon, em Atenas, e por ter usado a proporção de ouro em muitos dos seus trabalhos. Ensinamos a representar, algebricamente, o número de ouro, partindo de um segmento qualquer: Se dividirmos um segmento qualquer em duas partes, há uma infinidade de maneiras de fazê-lo. Há uma, porém, que parece ser a mais agradável como se representasse uma operação harmoniosa para os nossos sentidos é a divisão em média e extrema razão, a seção divina de Luca Pacioli, também denominada secção áurea por Leonardo da Vinci. Apesar de muitos estudiosos pesquisarem sobre isso, até hoje não se descobriu a razão e o por quê dessa beleza representada pela divisão de um segmento qualquer em duas partes desiguais. Veja: - Dado um segmento AB de comprimento igual a x unidades (ou seja, medida qualquer), podemos dividi-lo em dois segmentos delimitado pelo ponto C, de tal forma que: AB AC = AC CB, ou seja, o segmento todo (AB) dividido pelo segmento maior (AC) é igual ao segmento maior (AC) dividido pelo segmento menor (CB). Neste caso, podemos dizer que o ponto C representa a posição áurea desse segmento. Seja o segmento AB, de medida x. Chamemos de a o comprimento AC e de x a o comprimento CB. Veja: Se o número de ouro é dado pela relação: AB AC = AC CB e substituindo a medida de AB por x, AC por a e CB por x a, temos:

9 x a = Aplicando a propriedade da proporção temos que: a x a x( x a) = a.a x 2 xa = a 2 x 2 xa - a 2 = 0 Temos, então, uma equação de 2º grau. Resolvendo essa equação utilizando a Fórmula de Báskara, obteremos: x = a ± a + 4a 2 2 a ± a = 2 5 = a 2 ± ( 1 5) 2 Como estamos trabalhando com medida de comprimento, ignoramos o valor por resultar num valor negativo Dessa forma, teremos o valor 2 que é igual, aproximadamente, a 1,618. Novamente encontramos o valor 1, , ou seja, o Número de Ouro. Ao elaborar esse esquema, os professores relataram quais conteúdos matemáticos poderiam ser explorados, partindo dessa atividade: Geometria Plana, Razão, Proporção, Polinômios, Equações, entre outros. Depois, sugerimos a construção geométrica do Número de Ouro (ou o segmento relativo a ele, o segmento áureo): 1) - Desenhe um segmento AB sobre uma reta (r) qualquer; 2) - Encontre o ponto médio M desse segmento; 3) - Trace uma perpendicular (d) sobre o ponto B; 4) - Com o compasso, ponta seca em B e abertura BM, trace um arco que intercepta (d) em C. Una os pontos AC, formando um triângulo retângulo ABC; 5) - Com o compasso ponta seca em C, abertura CB, trace um arco que intercepta a hipotenusa em D; 6) - Com a ponta seca em A, abertura AD trace um arco que intercepte AB no ponto E. Assim é possível perceber que AB AE = AE AB é ~ 1, Dando prosseguimento ao curso, apresentamos aos professores outra forma de explorar o Número de Ouro, através de um retângulo, cujos lados tenham uma razão entre si que resulta nesse valor. Esse retângulo é denominado de Retângulo Áureo. O Número de Ouro e o Retângulo Áureo são muito utilizados na arquitetura, nas artes e em muitos outros objetos por representar um padrão de beleza, de proporção, de harmonia e

10 equilíbrio aos nossos olhos. O Parthernon, o templo grego construído no século I a.c, é um exemplo disso, pois apresenta, na sua fachada principal, um retângulo, muito próximo do retângulo áureo. Nesse momento foram apresentadas as imagens do Parthernon, da Monalisa e de outros monumentos e obras de artes que apresentam na sua construção a relação com o Numero de Ouro 3. Figura 2: Parthenon, GOMBRICH (2006) Figura 3: DA VINCI, Leonardo. Mona Lisa, Óleo sobre madeira de álamo, 77 x 53. Louvre, Paris. O retângulo áureo, como já foi dito, pode ser encontrado em muitos monumentos arquitetônicos, obras de arte e objetos. É um retângulo cuja razão entre os lados é igual ao número Ö (Fi). Então, de que forma podemos obter essa razão? Já conhecida a relação da medida áurea, os professores sistematizaram a idéia: - Ao dividir a medida do lado maior pela medida do lado menor, obtém-se o número de ouro. Com régua e compasso, os professores construíram um retângulo áureo, partindo das orientações: 1) Desenhar um quadrado (ABCD) (o lado do quadrado será a largura do retângulo de ouro); 2) Marcar os pontos médios (EF) dos lados de cima e de baixo do quadrado; 3) Traçar a reta que passa pelos pontos médios (EF) (verificar que o quadrado fico dividido 3 Todas as salas de aula da rede pública estadual do Paraná possuem uma TV que proporciona a exibição de imagens e vídeos através da inserção de pendrives e cartão de memória de máquinas fotográficas digitais. Esse recurso nos possibilita dinamizar e enriquecer as aulas com imagens e sons.

11 em dois retângulos congruentes); 4) No retângulo (EBCF) traçar uma diagonal (BF); 5) Com o compasso, ponta seca no ponto F e abertura até o ponto B, traçar um arco até o prolongamento da reta CD encontrando o ponto G. O segmento DG é a medida do comprimento do retângulo de ouro; 6) Prolongue o segmento AB, encontrando o ponto H. O segmento AH é a medida do comprimento do retângulo de ouro. Figura 4: slide do curso Número de Ouro Sua Incidência na Natureza Fonte da autora Com o objetivo de enriquecer ainda mais o curso, abordamos a construção da Espiral de Ouro, completando a atividade anterior: - Já delimitamos no retângulo áureo o quadrado ABCD, desenhamos em seguida um quadrado no retângulo BHGC. Na sequência, construir um quadrado de medida de lado IG e assim sucessivamente até chegar no quadrado de medida de lado 1 cm. Com os quadrados obtidos no retângulo áureo, construa 1 4 de arco de circunferência nos quadrados e una esses arcos numa sequência lógica (inicie traçando um arco no quadrado maior, partindo do vértice inferior esquerdo até o vértice superior direito. Continue a linha nesse sentido até chegar ao quadrado de medida de lado 1). Você irá obter a Espiral de Ouro, conforme figura a seguir:

12 Figura 5: slide do curso Número de Ouro Sua Incidência na Natureza Fonte da autora Podemos encontrar esse formato em numerosos fenômenos da Natureza, como por exemplo, na concha do Nautilus, que se forma seguindo uma espiral, na qual o raio da curva aumenta sempre na mesma proporção, determinada pelo número de ouro; nas sementes da flor do girassol e tantos outros. Neste momento foi pedido aos professores que citassem outros exemplos na natureza onde era possível identificar a espiral de ouro. Dentre vários exemplos, um professor citou o célebre problema que caracterizou a série de Fibonacci 4. Como na sequência do curso trabalharíamos esse problema, passamos então a discutilo: Quantos casais de coelhos podem ser produzidos a partir de um único casal, durante um ano se: a) cada casal originar um novo casal e cada mês, o qual se torna fértil a partir do segundo mês; b) não ocorrem mortes? (STRUIK, 1997, p. 139). Tentando resolver o problema, os professores citaram a sequência: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 233, e assim por diante. Em seguida, foi lançada uma questão: mas onde está o número de ouro nessa sequência de números? No primeiro momento os professores não responderam. Então, passamos a discuti-lo: a comparação agora se dá entre os números desse sequência, qualquer número, ao ser dividido pelo seu antecessor (menor), resultará aproximadamente 1,618..., ou seja, novamente o número de ouro. Foram exibidas algumas imagens onde o número e o retângulo de ouro são encontrados: as Pirâmides de Gizé, Catedral de Notre-Dame de Paris, Mona Lisa Leonardo da Vinci, Nascimento de Vênus - Sandro Botticelli, entre outros. Nesse momento, dois vídeos foram exibidos aos professores: Aula de Matemática: Número áureo, disponível em acesso em 10/03/ Leonardo de Pisa ( ), conhecido como Leonardo Fobonacci (filho de Bonacci), o matemático mais talentoso da Idade Média. Em 1202, publicou sua obra famosa intitulada Líber abaci (EVES, 2004).

13 Número de Ouro, disponível em acesso em 10/03/2009. Os vídeos tiveram como objetivo fortalecer a idéia do Número de Ouro e visualizar com mais clareza as idéias que até aqui havíamos trabalhado. Para encerrar o curso, foi pedido aos professores que selecionassem uma imagem qualquer em uma revista. Nessa imagem eles deveriam identificar os elementos que mais se destacam e dividir os lados da imagem em três partes iguais, traçando linhas verticais e horizontais para unir esses pontos. A intersecção dessas linhas nos indica os pontos aonde os objetos irão se destacar harmonicamente. Esse procedimento chama-se Regra dos Terços e é muito utilizado por fotógrafos e decoradores. Qualquer elemento situado em um dos pontos ganha peso visual, dando destaque ao assunto e ajudando a definir a imagem. Foi feito um questionamento aos professores: Os elementos que você havia indicado como principais estão situados nas intersecções das linhas horizontais e verticais? O enquadramento dessa imagem apresenta o número de ouro? Verifique, encontrando a razão entre a medida do lado maior pelo menor. Lembrando que, o retângulo apresentará o número se ouro se a medida maior (comprimento) dividido pela menor (largura) for um número próximo a 1, Outras imagens foram trabalhadas para os professores perceberem que a matemática está em todo lugar, até na arte de fotografar. Atividades como esta permite encontrar um padrão de beleza nas nossas fotografias. Então, quando for fotografar alguém ou um objeto, use as regra dos terços para dar destaque ao seu elemento principal. Sua imagem ficará mais harmônica e, consequentemente, mais bela. E desenvolva o seu olhar: explore as proporções, a harmonia de um prédio arquitetônico, de uma escultura, de uma pintura e comprove que até na arte há matemática. Considerações finais: O enfoque desse curso e de outros ministrados pela equipe de Matemática do DEB SEED/PR trouxe novos e diferentes caminhos para o trabalho em sala de aula com o intuito de tentar vencer os desafios do ensino e da aprendizagem dessa disciplina. Sabemos que os desafios são grandes e que estamos buscando a cada dia, por meio

14 desses encontros, melhorar a prática pedagógica, pois o nosso foco é a formação integral dos alunos. Nesse sentido, a partir desse trabalho, propõe-se criar condições para que o professor saiba recontextualizar o aprendizado e a experiência vivida durante a sua formação para a sua realidade de sala de aula compatibilizando as necessidades de seus alunos e os objetivos pedagógicos que se dispõe a atingir (VALENTE, 1997). Dessa forma, através desses cursos buscou-se estratégias, partindo de discussões e indagações que contribuam para melhorar o trabalho em sala de aula, através da (re)construção de conceitos matemáticos. Só iremos alcançar esse objetivo se buscarmos novas estratégias de ensino, fazer diferente. Ao ter e ser consciente, nos tornamos seres de práxis, de ação e reflexão, pois constatando, refletimos para mudar, não para nos adaptarmos. A mudança implica rupturas, lentas ou bruscas do que parece acabado e pronto (SCHERER, 2005). Referências BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. São Paulo: Contexto, CIFUENTES, J. C. Fundamentos estéticos da Matemática: da habilidade à sensibilidade. In: BICUDO, M. A. Filosofia da Educação Matemática: concepções & Movimento. Brasília: Plano Editora, EVES, H. Tópicos de História da Matemática para uso em sala de aula: Geometria. Tradução: Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: LCT, LOPES, A. R. C. Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de janeiro: EdUERJ, JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, MACHADO, N. J. Interdisciplinaridade e matemática. Revista quadrimestral da Faculdade de educação Unicamp Proposições. Campinas, n. 1 [10], p , mar NÓVOA, Antônio (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretriz Curricular de Matemática para a Educação Básica do Estado do Paraná. Curitiba: SEED, Disponível em: a.pdf. Acesso em: 22 mar SERENATO, L. J. Aproximações Interdisciplinares entre Matemática e Arte: Resgatando o lado humano da Matemática f. Dissertação (Mestrado em Educação: Educação

15 Matemática Universidade Federal do Paraná, Curitiba. SOUZA, A.C. C. O sujeito da paisagem. Teias de poder, táticas e estratégias em Educação Matemática e Educação Ambiental. In: BICUDO, M. A. V. & BORBA, M. C. V. Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, STRUIK, D. J. História concisa das Matemáticas. Lisboa: Gradiva, TOMAZ, V. S.; DAVID, M. M. M. S. Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, SCHERER, Suely. Uma estética possível para a educação bimodal: aprendizagem e comunicação em ambientes presenciais e virtuais. Tese Doutorado Programa de Pós- Graduação em Educação: Currículo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: PUC, p. SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Matemática Ensino Médio. 5. ed. São Paulo: Saraiva, VALENTE, J. A. & ALMEIDA, F. J. Visão Analítica da Informática na Educação no Brasil: a questão da formação do professor. Disponível em: Acesso em: 29 mai i Departamento de Educação Básica DEB/Secretaria de Estado da Educação - SEED/PR

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

NÚMERO DE OURO. Vanessa Alves dos Santos Universidade do Estado da Bahia nessafnv@hotmail.com

NÚMERO DE OURO. Vanessa Alves dos Santos Universidade do Estado da Bahia nessafnv@hotmail.com NÚMERO DE OURO Vanessa Alves dos Santos Universidade do Estado da Bahia nessafnv@hotmail.com Naiara Alves Andrade Universidade do Estado da Bahia luuk_pop@hotmail.com Tiago Santos de Oliveira Universidade

Leia mais

Diferentes padrões para uma mesma medida.

Diferentes padrões para uma mesma medida. Diferentes padrões para uma mesma medida. Antes de iniciarmos o assunto desta atividade, veremos como se deu a evolução das medidas utilizadas pelo homem e depois trataremos das proporções do Homem Vitruviano.

Leia mais

Fibonacci e a Seção Áurea

Fibonacci e a Seção Áurea Na matemática, os Números de Fibonacci são uma seqüência (sucessão, em Portugal) definida como recursiva pela fórmula abaixo: Na prática: você começa com 0 e 1, e então produz o próximo número de Fibonacci

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Ensaio: A divisão áurea por detrás do olhar de Mona Lisa

Ensaio: A divisão áurea por detrás do olhar de Mona Lisa Ensaio: A divisão áurea por detrás do olhar de Mona Lisa O grid oculto de Leonardo Da Vinci Escrito por Prof. Dr. Denis Mandarino São Paulo 27 de agosto de 2011 A estrutura oculta por detrás do olhar de

Leia mais

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Matemática na Vida Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Resumo Com uma câmera nas mãos, o nosso curioso personagem Euclides, procura compreender os mistérios da Matemática por de trás de situações

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Escola Secundária de D. Luísa de Gusmão Trabalho elaborado por: -Andreia Domingos nº 4 -Cátia Santos nº 7 10ºB 1 O que é o Número de Ouro...pág 3, 4 e

Leia mais

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo.

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA SECRETARIA DE ENSINO À DISTÂNCIA O NÚMERO DE OURO Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria.

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria. NÚMERO DE OURO Giuliano Miyaishi Belussi Giu_mb@yahoo.com.br Daniel Aparecido Geraldini Danielgeraldini@gmail.com Enéias de Almeida Prado Neneias13@yahoo.com.br Profª. Ms. Maria Bernadete Barison barison@uel.br

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORANDO QUADRINHOS

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORANDO QUADRINHOS HISTÓRIA DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORANDO QUADRINHOS Sven Glint Universidade Estadual do Centro-Oeste svenglint@live.com Karolina Barone Ribeiro da Silva Universidade Estadual do Centro-Oeste

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

chamados de números racionais.

chamados de números racionais. O Período Pré-Industrial e a Geometria Euclidiana Os números racionais Com o sistema de numeração hindu ficou fácil escrever qualquer número, por maior que ele fosse. 0, 13, 35, 98, 1.024, 3.645.872. Como

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B David nº9 Ricardo Pereira nº15 Sílvia nº19 1 Introdução...3 O que é o número de ouro...4, 5 e 6 Quem foi Leonardo Fibonacci...7 Leonardo Da Vinci...8 O número

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012 A VISÃO DO PROFESSOR QUE ATUA NOS ANOS INCIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE A UNIDADE DE MEDIDA DE SUPERFÍCIE O METRO QUADRADO Marta Burda Schastai 1 ; Sani de Carvalho Rutz de Silva 2 1 SME- Ponta Grossa/Ensino

Leia mais

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II 1 MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II Joseleide dos Santos Sardinha - UEFS (leidejoissi@hotmail.com ) Alex Almeida

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Atividade 7. Figura 1 (1) Figura 2 (2)

Atividade 7. Figura 1 (1) Figura 2 (2) Atividade 7 1) PROBLEMATIZAÇÃO: No dia-a-dia não é difícil nos depararmos com situações em que há o emprego de superfícies curvas refletindo luz. Dentre elas, podem ser citados os espelhos esféricos e

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA 1 - RESUMO DA ATIVIDADE Como exemplo de um método de medida, vamos mostrar como há três séculos antes de Cristo, Eratóstenes mediu o raio da Terra, utilizando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Jardim de Números. Série Matemática na Escola

Jardim de Números. Série Matemática na Escola Jardim de Números Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir plano cartesiano; 2. Marcar pontos e traçar objetos geométricos simples em um plano cartesiano. Jardim de Números Série Matemática na

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70.

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. Ana Célia da Costa Ferreira Resumo: A cada ano, educadores matemáticos tentam encontrar soluções

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS.

A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS. 56 A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS. Antônio Carlos Marangoni 2 (Unifran) Antônio César Geron 2 (Unifran) Lucinda M. de F. Rodrigues

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS. Palavras-chave: resolução de problemas, geometria plana, poliedros convexos.

CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS. Palavras-chave: resolução de problemas, geometria plana, poliedros convexos. 1 CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS Guy Grebot 1, Universidade de Brasília, guy@mat.unb.br Kevin Szczpanski 1, Universidade de Brasília, kevinszczpanski@hotmail.com RESUMO Este minicurso apresenta resultados

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Sérgio Freitas de Carvalho 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este artigo tem por

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR. Contextualização

A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR. Contextualização A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR Maurício Lorenzon - mauriciolorenzon95@gmail.com Italo Gabriel Neide - italo.neide@univates.br

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Matemática Professor:Ms. Darci Martinello darcimartinellocdr@yahoo.com.br Período/ Fase: 8 0 Semestre:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares.

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares. REFORMULAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA/PB: o processo de formulação das políticas BARROS, Maria Cristitna de Oliveira Bezerra 1 AMORIM, Ana Luisa Nogueira

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO ALGÉBRICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO ALGÉBRICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS A IMPORTÂNCIA DO PENSAMENTO ALGÉBRICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Franciele Taís de Oliveira 1 Carla Melli Tambarussi Francieli Cristina Agostinetto Antunes 3 Fabiana Magda Garcia Papani 4 RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana Projeto Novos Talentos Edital CAPES 55/12 Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA Professor Responsável: Ivan José Coser

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais