ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA"

Transcrição

1 i UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA BIGUAÇU 2010

2 i ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado Acadêmico em Administração como requisito para a obtenção do título de Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Superior de Biguaçu, SC. Orientador: Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto BIGUAÇU 2010

3 ii ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA Esta dissertação foi julgada adequada para a obtenção do título de Mestre em Administração e aprovada pelo Curso de Mestrado Acadêmico em Administração, da Universidade do Vale do Itajaí, em Biguaçu. Área de concentração: Organizações e Sociedade Biguaçu, 25 de agosto de Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto Coordenador do Programa Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto UNIVALI Biguaçu Orientador Prof. Dr. Miguel Angel Verdinelli UNIVALI - Biguaçu Prof. Dr. Walter Bataglia MACKENZIE - SP Prof. Dr. Éverton Luís Pellizzaro de Lorenzi Cancellier UDESC

4 iii DEDICATÓRIA Para minha esposa Anastácia, amiga e companheira. Com ela em minha vida tudo se torna possível.

5 iv AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, que me deu saúde e tranquilidade para os desafios; Aos meus pais, Rose e Dorival, que sempre me incentivaram e me tornaram uma pessoa curiosa e inquieta para novos aprendizados; Aos Diretores do Departamento Regional, especialmente ao Diretor Regional, Sr. Rudney Raulino que me proporcionou desenvolvimento profissional e pessoal; A toda equipe da DRH, pelo suporte e apoio durante o curso; Aos Professores, Dr. Carlos Ricardo Rossetto, Dr. Everton Luis P. de Lorenzi Cancellier, Dr. Walter Bataglia e Dr. Miguel Angel Verdinelli, pelas orientações; Aos meus colegas de turma, pela excelente companhia durante o curso; Ao colega Fabiano Battisti Archer, pelo apoio, aprendizado e troca de experiências em cada etapa do trabalho; A minha colega Gisele Coelho Lopes, pelo apoio, pelos trabalhos realizados juntos e convivência durante o curso; Aos grandes amigos de Campinas, Pedro, Aline, Dani, Nivia, Andréia, Lazanha e Carina, que mesmo à distância sempre me enviam energias positivas; Aos gestores da Faculdade SENAC Florianópolis, pela paciência e atenção em cada entrevista; E a minha especial equipe do SENAC Criciúma, que sempre compreendeu e apoiou nos momentos de dificuldades. Obrigado!

6 v RESUMO Este estudo contribuiu para melhor compreensão de como os recursos e o monitoramento ambiental se relacionam nas mudanças organizacionais ocorridas na Faculdade SENAC Florianópolis a partir da Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996). O estudo apresenta uma abordagem transversal à diferentes teorias que foram investigadas à luz dos estudos de Weick e Quinn (1999) para a classificação das mudanças, Pike, Roos e Marr (2005) para a identificação dos recursos, Aguilar (1967) para a classificação do modo de monitoramento, e os estudos de Cancellier (2004) para o processo de monitoramento. A etapa da pesquisa de campo exigiu uma abordagem qualitativa, em que as entrevistas foram realizadas com base em roteiros semi-estruturados, que permitiram o aprofundamento, exploração e compreensão das diferentes teorias envolvidas em cada uma das 20 mudanças organizacionais identificadas no período de 1996 a As entrevistas foram realizadas com os gestores da Faculdade SENAC Florianópolis pelo fato de serem os principais tomadores de decisão na implementação das mudanças. Paralelamente, foi realizada a coleta de dados secundários, utilizando-se a técnica de análise documental, em que foram resgatados os relatórios de gestão anuais da unidade SENAC Florianópolis. Os resultados da pesquisa apresentam 20 mudanças organizacionais, das quais 16 são episódicas e 4 são contínuas, apenas uma mudança apresenta a classificação como Visão Indireta para o modo de monitoramento, 15 mudanças são classificadas como Visão Condicionada, 4 mudanças como Busca informal e nenhuma mudança apresentou o modo Busca Formal. Ao analisar todo o período, 75% dos recursos identificados se classificam como intangíveis e 25% tangíveis. Ao analisar todos os recursos tangíveis e intangíveis, as mudanças apresentam percentuais mais elevados para o envolvimento de recursos, seguido do desenvolvimento e com percentuais menos elevados na aquisição de recursos. Os resultados demonstram em uma análise geral, uma pequena evolução do período I para o período II quanto ao número de mudanças que apresentam busca intencional de informações do ambiente externo, porém, ainda pouco estruturada e com esforço limitado ao monitorar o ambiente. Há predominância de mudanças episódicas e de uma maneira geral, a organização apresenta um olhar com maior atenção para seu ambiente interno, agindo de forma predominantemente reativa aos diversos fatores ambientais internos ou externos. Muito apoiada e dependente da visão, experiência e percepção de seus gestores a organização avança com perceptível crescimento a cada mudança, adaptando-se às frequentes necessidades apontadas pelos clientes, órgãos fiscalizadores, reguladores ou indicadores internos de crescimento, como relatórios de receita/ despesa e número de alunos, e desenvolvendo principalmente recursos intangíveis ao longo do período em estudo, que pode indicar o motivo do crescimento e possíveis diferenciações frente aos concorrentes. Em muitas mudanças episódicas, pode haver exposição de recursos a riscos gerados pelas transformações internas não previamente planejadas, e monitoradas pela visão condicionada, além de poder inibir a visão empreendedora da organização. Os riscos podem se ampliar, ao evidenciar que ao longo dos anos, recursos tangíveis e intangíveis sofrem impactos relevantes em muitas mudanças episódicas e monitoradas pela visão condicionada, em que os processos de monitoramento não são estruturados e dependem principalmente da percepção dos gestores. Duas mudanças são classificadas como contínuas e monitoradas pela Busca Informal, em que ao longo do tempo recursos são envolvidos e desenvolvidos com percentuais mais elevados ao comparar com as demais mudanças, em que pode indicar que a organização apresenta um monitoramento um pouco mais estruturado, em mudanças mais planejadas e com objetivos definidos para longo prazo. Pode-se afirmar que neste estudo, existe relação entre a característica da mudança, com a forma com que o ambiente é monitorado e da forma com que a organização envolve, desenvolve e adquire recursos. Palavras-chave: Monitoramento Ambiental, Recursos, Ambiente e Mudança Organizacional.

7 vi ABSTRACT This study contributes to a better understanding of the relationship between resources and environmental monitoring, in the organizational changes that have taken place within the Faculdade SENAC Florianópolis (SENAC College in Florianópolis), based on the Lei de Diretrizes e Bases (Law of Directives and Bases) (LDB/1996). The study presents a transversal approach to the different theories, which were investigated in light of studies by Weick and Quinn (1999) for the classification of the changes, Pike, Roos and Marr (2005) for the identification of resources, Aguilar (1967) for the classification of the monitoring type, and Cancellier (2004) for the monitoring process. The field research stage required a qualitative approach, in which interviews were carried out based on semi-structured questionnaires, which enabled a deeper exploration and understanding of different theories involved in each of the twenty organizational changes identified in the period 1996 to The interviews were applied to the managers of the Faculdade SENAC Florianópolis, as the main decision-makers in the implementation of the changes. In parallel, secondary data were collected, using the technique of document analysis involving annual management reports of a SENAC unit in Florianópolis. The results of the research show 20 organizational changes, of which 16 were episodic and 4 were continuous. Only one change was classified as Indirect Vision due to the monitoring method used. 15 changes were classified as Conditional Vision, 4 as informal search, and none were classified as Formal Search. Analyzing the entire period, 75% of the resources identified were classified as intangible and 25% as tangible. Analyzing all the tangible and intangible recourses, the changes presented higher percentages of involvement of resources, followed by the development of resources, and lower percentages for the acquisition of resources. Overall, the results show a small evolution from period I to period II in terms of the number of changes in which there was an intentional search for information from the external environment, but these are still lacking in structure, and the efforts to monitor the environment are limited. There was a predominance of episodic changes, and in general, the organization pays more attention to its internal environment, acting in a predominantly reactive way to the various factors of the internal and external environments. Heavily supported by, and dependent on the vision, experience and perception of its managers, the organization shows perceptible growth with every change, adapting to the more frequent needs identified by its clients, regulatory agencies, regulators or internal growth indicators, such as reports of income/expenditure and number of students, and in particular, developing intangible resources throughout the study period, which may indicate the reason for the growth and possible areas of competitive advantage. In many episodic changes, the resources may be exposed to risks generated by internal changes that were not planned in advance, and monitored by the conditional vision, as well as possibility inhibiting the entrepreneurial vision of the organization. The risks may be higher due to the fact that over the years, the tangible and intangible resources have suffered significant impacts in many episodic changes monitored by the conditional vision, in which the monitoring processes were not properly structured and depended mainly on the managers' perception. Two changes are classified as continuous and monitored by informal Searches, in which over time, higher percentages of resources have been involved and developed than for the other changes, which may indicate that the organization presents a monitoring that is a little more structured, in more planned changes with pre-defined long-term goals. It can be affirmed that in this study, there is a connection between the nature of the change, with the way the environment is monitored and the way the organization involves, develops and acquires resources. Key Words: Environment Scanning, Resources, Environment and Organizational Change

8 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Ambiente geral e específico Figura 2: Aquisição de recursos Figura 3: Modelo de Peteraf: Pedra angular da vantagem competitiva Figura 4: Etapas da coleta e análise de dados Figura 5: Delimitação da pesquisa/objeto de pesquisa Figura 6: Mapa da distribuição física das unidades do SENAC/SC... 74

9 viii LISTA DE QUADROS Quadro 1: Contribuições dos autores sobre mudanças Quadro 2: Classificações da mudança organizacional Quadro 3: Síntese das classificações e componentes do ambiente Quadro 4: Avaliação do ambiente Quadro 5: Autores de monitoramento ambiental Quadro 6: Autores e modos de monitoramento Quadro 7: Modos de monitoramento Quadro 8: Autores e as etapas do processo de monitoramento ambiental Quadro 9: Processo de Monitoramento Quadro 10: Classificação dos recursos Quadro 11: Categorias de recursos Quadro 12: Categorias dos recursos Quadro 13: Categorias dos recursos Quadro 14: Atributos dos recursos/vantagem competitiva sustentável Quadro 15: Classificação da mudança organizacional Quadro 16: Modo e processo de monitoramento Quadro 17: Modelo utilizado para classificar os recursos em cada mudança Quadro 18: Grupo de recursos Quadro 19: Identificação das mudanças organizacionais 1996 a Quadro 20: Definição dos períodos Quadro 21: Períodos e mudanças organizacionais Quadro 22: Classificação da mudança organizacional - Mudança 1 - Período I Quadro 23: Modo e processo de monitoramento - Mudança 1 - Período I Quadro 24: Classificação dos recursos - Mudança 1 - Período I Quadro 25: Grupo de recursos - Mudança 1 - período I Quadro 26: Classificação da mudança organizacional - Mudança 2 - Período I Quadro 27: Modo e processo de monitoramento - Mudança 2 Período I Quadro 28: Classificação dos recursos - Mudança 2 - Período I Quadro 29: Grupos de recursos - Mudança 2 - Período I Quadro 30: Classificação da mudança organizacional - Mudança 3 Período I... 94

10 ix Quadro 31: Modo e processo de monitoramento - Mudança 3 Período I Quadro 32: Classificação dos recursos Mudança 3 Período I Quadro 33: Grupo de recursos - Mudança 3 Período I Quadro 34: Classificação da mudança organizacional - Mudança 4 Período I Quadro 35: Modo e processo de monitoramento - Mudança 4 Período I Quadro 36: Classificação dos recursos Mudança 4 Período I Quadro 37: Grupos de recursos - Mudança 4 Período I Quadro 38: Classificação da mudança organizacional - Mudança 5 Período I Quadro 39: Modo e processo de monitoramento - Mudança 5 Período I Quadro 40: Classificação dos recursos Mudança 5 Período I Quadro 41: Grupos de Recursos - Mudança 5 Período I Quadro 42: Classificação da mudança organizacional Mudança 6 Período I Quadro 43: Modo e processo de monitoramento Mudança 6 Período I Quadro 44: Classificação dos recursos Mudança 6 Período I Quadro 45: Grupo de recursos Mudança 6 Período I Quadro 46: Classificação da mudança organizacional Mudança 7 Período I Quadro 47: Modo e processo de monitoramento Mudança 7 Período I Quadro 48: Classificação dos recursos Mudança 7 Período I Quadro 49: Grupo de recursos Mudança 7 Período I Quadro 50: Classificação da mudança organizacional Mudança 8 Período I Quadro 51: Modo e processo de monitoramento Mudança 8 Período I Quadro 52: Classificação dos recursos Mudança 8 Período I Quadro 53: Grupo de recursos Mudança 8 Período I Quadro 54: Classificação da mudança organizacional Mudança 9 Período I Quadro 55: Modo e processo de monitoramento Mudança 9 Período I Quadro 56: Classificação dos recursos Mudança 9 Período I Quadro 57: Grupo de recursos Mudança 9 Período I Quadro 58: Mudança, recursos e monitoramento Período I Quadro 59: Classificação da mudança organizacional Mudança 1 Período II Quadro 60: Modo e processo de monitoramento Mudança 1 Período II Quadro 61: Classificação dos recursos Mudança 1 Período II Quadro 62: Grupo de recursos Mudança 1 Período II Quadro 63: Classificação da mudança organizacional Mudança 2 Período II

11 x Quadro 64: Modo e processo de monitoramento Mudança 2 Período II Quadro 65: Classificação dos recursos Mudança 2 Período II Quadro 66: Grupo de recursos Mudança 2 Período II Quadro 67: Classificação da mudança organizacional Mudança 3 Período II Quadro 68: Modo e processo de monitoramento Mudança 3 Período II Quadro 69: Classificação dos recursos Mudança 3 Período II Quadro 70: Grupo de recursos Mudança 3 Período II Quadro 71: Classificação da mudança organizacional Mudança 4 Período II Quadro 72: Modo e processo de monitoramento Mudança 4 Período II Quadro 73: Classificação dos recursos Mudança 4 Período II Quadro 74: Grupo de recursos Mudança 4 Período II Quadro 75: Classificação da mudança organizacional Mudança 5 Período II Quadro 76: Modo e processo de monitoramento Mudança 5 Período II Quadro 77: Classificação dos recursos Mudança 5 Período II Quadro 78: Grupo de recursos Mudança 5 Período II Quadro 79: Classificação da mudança organizacional Mudança 6 Período II Quadro 80: Modo e processo de monitoramento Mudança 6 Período II Quadro 81: Classificação dos recursos Mudança 6 Período II Quadro 82: Grupo de recursos Mudança 6 Período II Quadro 83: Classificação da mudança organizacional Mudança 7 Período II Quadro 84: Modo e processo de monitoramento Mudança 7 Período II Quadro 85: Classificação dos recursos Mudança 7 Período II Quadro 86: Grupo de recursos Mudança 7 Período II Quadro 87: Classificação da Mudança Organizacional Mudança 8 Período II Quadro 88: Modo e processo de monitoramento Mudança 8 Período II Quadro 89: Classificação dos recursos Mudança 8 Período II Quadro 90: Grupos de recursos Mudança 8 Período II Quadro 91: Classificação da mudança organizacional Mudança 9 Período II Quadro 92: Modo e processo de monitoramento Mudança 9 Período II Quadro 93: Classificação dos recursos Mudança 9 Período II Quadro 94: Grupo de recursos Mudança 9 Período II Quadro 95: Classificação da mudança organizacional Mudança 10 Período II Quadro 96: Modo e Processo de monitoramento Mudança 10 Período II

12 xi Quadro 97: Classificação dos recursos Mudança 10 Período II Quadro 98: Grupo de recursos Mudança 10 Período II Quadro 99: Classificação da mudança organizacional Mudança 11 Período II Quadro 100: Modo e processo de monitoramento Mudança 11 Período II Quadro 101: Classificação dos recursos Mudança 11 Período II Quadro 102: Grupo de recursos Mudança 11 Período II Quadro 103: Mudança, recursos e monitoramento Período II Quadro 104: Processo de Monitoramento Períodos I e II Quadro 105: Mudança, recursos e monitoramento Períodos I e II

13 xii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos - Período I Tabela 2: Grupo de recurso X modo de monitoramento - Período I Tabela 3: Tipo de mudança X modo de monitoramento - Período I Tabela 4: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos Período II Tabela 5: Tipo de mudança X modo de monitoramento Período II Tabela 6: Grupo de recurso X modo de monitoramento Período II Tabela 7: Tipo de mudança episódicas e contínuas Períodos I e II Tabela 8: Grupo de recursos identificados X percentual de mudanças Períodos I e II Tabela 9: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos Períodos I e II Tabela 10: Recursos intangíveis Períodos I e II Tabela 11: Recursos tangíveis Períodos I e II Tabela 12: Modo de Monitoramento Períodos I e II Tabela 13: Tipo de mudança X modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 14: Grupo de recurso X modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 15: Recursos intangíveis identificados por modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 16: Recursos tangíveis identificados por modo de monitoramento Períodos I e II. 235 Tabela 17: Recursos intangíveis identificados por tipo de mudança Períodos I e II Tabela 18: Recursos tangíveis identificados por tipo de mudança Períodos I e II

14 xiii LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AR - Administração Regional do SENAC/SC CEE - Conselho Estadual de Educação CEPU - Centro de Estudo Pré Universitário CNC - Confederação Nacional do Comércio CPA - Comissão Própria de Avaliação DN - Departamento Nacional do SENAC DR - Departamento Regional do SENAC/SC EAD - Educação a Distância ENANPAD - Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas IES - Instituição de Ensino Superior LDB - Lei de Diretrizes e Bases MCE - Movimento Catarinense para Excelência MEC - Ministério da Educação e Cultura MEGS - Modelo de Excelência da Gestão SENAC NES - Núcleo de Educação Superior ONGs - Organizações não Governamentais PPGA - Programa de Pós-Graduação em Administração RBV - Resource Based View SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SESC - Serviço Social do Comércio UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina UNICA - Centro de Educação Superior UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí UO - Unidade Operativa VC - Vantagem Competitiva VCS - Vantagem Competitiva Sustentável

15 xiv SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS ESTRUTURA DA PESQUISA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INTRODUÇÃO O ESTUDO DA MUDANÇA AMBIENTE MONITORAMENTO DO AMBIENTE MODOS DE MONITORAMENTO PROCESSO DE MONITORAMENTO RECURSOS RECURSOS, VANTAGEM COMPETITIVA E CAPACIDADES METODOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS COMO OBJETO DE ESTUDO ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS DA PESQUISA PERÍODO I Mudança 1: Oferta dos Cursos Técnicos em Parceria com o Governo do Estado Análise Teórica da Mudança Mudança 2: Alteração do Regimento da Unidade Operativa/Novos Núcleos Análise Teórica da Mudança Mudança 3: Alteração da Forma de Contratação dos Orientadores Análise Teórica da Mudança Mudança 4: Saída dos Coordenadores para a Administração Regional Análise Teórica da Mudança Mudança 5: Profissionalização da Divulgação dos Cursos com a Contratação de... Profissionais Externos Análise Teórica da Mudança Mudança 6: Oferta dos Primeiros Cursos Técnicos do SENAC em Florianópolis. 114

16 xv Análise Teórica da Mudança Mudança 7: Alteração do modelo pedagógico/competência Análise Teórica da Mudança Mudança 8: Reforma na Estrutura Física da Unidade Análise Teórica da Mudança Mudança 9: Enxugamento da Folha/Corte de salários Análise Teórica da Mudança Análise Teórica - Período I PERÍODO II Mudança 1: Oferta dos Cursos Superiores em Tecnologia em Parceria com a... Única/Udesc Análise Teórica da Mudança Mudança 2: Saída da Área de Saúde e Beleza para a Rua Sete de Setembro Análise Teórica da Mudança Mudança 3: Oferta dos Cursos Superiores em Tecnologia SENAC/SC Análise Teórica da Mudança Mudança 4: Novo Regimento para a Faculdade SENAC Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 5: Saída da Área de Informática/Criação de Nova Unidade Operativa Análise Teórica da Mudança Mudança 6: Adequação ao Catálogo do MEC para os Cursos Superiores Análise Teórica da Mudança Mudança 7: Oferta dos Cursos de Pós-Graduação SENAC Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 8: Oferta dos Cursos de Pós-Graduação EAD Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 9: Desmembramento da Área de Saúde e Beleza/Criação de Nova Unidade Análise Teórica da Mudança Mudança 10: Redução da Oferta da Área de Idiomas Análise Teórica da Mudança Mudança 11: Criação do NES Núcleo de Educação Superior Análise Teórica da Mudança

17 xvi Análise Teórica - Período II ANÁLISE TEÓRICA QUE COMPREENDE O PERÍODO I e II, DE 1996 a CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE A - Roteiro da entrevista APÊNDICE B - Protocolo de pesquisa

18 15 1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA Este estudo buscou contribuir para a melhor compreensão de como os recursos e o monitoramento ambiental se relacionam em cada mudança organizacional ocorrida na Faculdade SENAC Florianópolis a partir da nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996). Para isso, os recursos e o monitoramento ambiental foram as lentes teóricas que subsidiaram as análises. Os motivos da definição por recursos e monitoramento como lentes teóricas, assim como o SENAC Florianópolis como objeto de estudo serão apresentadas no decorrer do trabalho. Buscou-se compreender a relação de diferentes teorias, tendo como base de análise as mudanças organizacionais ocorridas em um determinado período de tempo. Cada mudança organizacional possui características que apenas podem ser observadas com uma profunda investigação e análise de aspectos que não são facilmente percebidos, como compreender a relação de fatores internos e externos ao ampliar a visão sobre os recursos e como cada mudança provoca impacto nos recursos tangíveis e intangíveis da organização. Da mesma forma, a complexidade dos estudos do ambiente externo exige outra minuciosa investigação, pois lida com questões de difícil mensuração, como a forma com que as organizações monitoram o ambiente e a percepção dos gestores sobre os fatores externos. Estas características tornaram os estudos ainda mais desafiadores. A partir do crescente interesse da comunidade científica em compreender melhor como as organizações lidam com o ambiente externo, teorias emergem no campo do monitoramento ambiental e são apresentadas por diversos autores, como: Aguilar (1967), Daft e Weick (1984), Choo (1999), Cancellier (2004) e Kraisch (2006), que serão detalhados neste estudo. Os autores extrapolam as análises dos limites internos organizacionais, muito além dos tradicionais controles de custos, das análises de balanços patrimoniais, da melhoria dos processos produtivos, da implementação de tecnologias ou outros fatores internos à organização. Muitas destas análises citadas, como financeiras ou custos, focavam-se em dados e análises do passado e de fatores internos da organização, mas as constantes mudanças do ambiente passaram a exigir um olhar diferenciado das organizações e de seus gestores, não apenas atentos aos fatores internos, mas focados nas informações do ambiente externo que permita se antecipar aos acontecimentos futuros, agir pró-ativamente na busca de informações

19 16 e sinais do ambiente que permitam aos gestores tomarem decisões com menores riscos aos recursos. Este estudo tem como base a percepção do ambiente na visão dos gestores, ou seja, o estudo se foca na leitura que o gestor faz do ambiente real para tomar decisões e implementar as mudanças. (CHILD E SMITH, 1987) Estudos de monitoramento ambiental não se tratam de tentativas de previsão do futuro, mas de visualizar o futuro como múltiplo e incerto, segundo Godet (1993), e buscar tentativas de auxiliar os gestores na formulação das estratégias e na tomada de decisões pautadas em dados concretos que permitam fazer projeções futuras, e ainda, desenvolver habilidades organizacionais que respondam de forma pró-ativa às diversas variáveis ambientais, minimizando os riscos da mudança. Segundo Cancellier e Alberton (2008), estudos de monitoramento do ambiente são mais desenvolvidos no exterior e ainda incipientes no Brasil, exigindo mais atenção dos pesquisadores. Recursos, como outra lente teórica deste estudo têm sido ao longo das duas últimas décadas, olhar principalmente para dentro da organização e o conceito ganha força a partir dos estudos da Resource Based View (RBV) que enxerga a organização como um conjunto de recursos tangíveis e intangíveis que acumulados geram vantagem competitiva sobre as demais organizações. Autores como Penrose (1959), Barney (1986, 1991), Dierickx & Cool (1989), Wernerfelt (1984) e Pike, Roos e Marr (2005), serão apresentados na fundamentação teórica e defendem a importância dos recursos para o sucesso das firmas. Estudos sobre recursos buscam compreender como as organizações lidam com seus recursos, como desenvolvem, adquirem, como os mantém e como são mensurados. Segundo Helfat e Peteraf (2003), a RBV, está focada nas condições internas e busca analisar como são obtidos, combinados e aplicados os recursos, tangíveis ou intangíveis pertencentes à uma firma. É importante observar que os estudos sobre recursos despertaram interesse recentemente para a ciência, e pode ser observado pelos estudos do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - EnANPAD. Uma quantidade razoável de estudos passa a ser encontrada cerca de quinze anos depois do trabalho seminal de Wernerfelt (1984) e oito anos depois do trabalho fundamental de Barney (1991) (SERRA; FERREIRA e PEREIRA, 2007, p. 11). Mas no EnANPAD, ao comparar a quantidade de trabalhos de RBV e estratégia, apenas a partir de 2001 se observa um número significativo de trabalhos realizados por pesquisadores brasileiros.

20 17 A complexidade das teorias que envolvem recursos, assim como pesquisas sobre recursos terem sido aprofundadas somente nas últimas décadas, colaboram para que os estudos sobre o tema tenham maior interesse da comunidade científica. Muitas perguntas carecem de respostas; há ainda poucos estudos empíricos que avaliem a RBV em uma abordagem dinâmica, integrada aos modelos ambientais de estratégia. Esta carência talvez seja explicada pela maior dificuldade de observação, definição e mensuração de recursos mais complexos e capacidades implicitamente integradas (PEREIRA E FORTE, 2008, p. 05) Nas ciências sociais, muitas teorias emergiram na busca da melhor compreensão de como as organizações se comportam, como se relacionam com outras organizações, como agem seus gestores, como desenvolvem ou adquirem recursos e como monitoram o ambiente, porém, não foi identificada pesquisas ou um modelo aplicado que trata diretamente da relação entre os modos e o processo de monitoramento do ambiente com a obtenção, desenvolvimento e envolvimento dos recursos nas mudanças organizacionais, o que também reforça a relevância do tema escolhido. Neste estudo, identificou-se os recursos desenvolvidos e adquiridos, assim como os recursos foram envolvidos em cada mudança organizacional e desta forma buscou-se compreender como a Faculdade SENAC Florianópolis fez a gestão de seus recursos no período de tempo em estudo. Para Galunic & Rodan (1998), existe um avanço que permite observar não apenas quais recursos são valiosos para a firma, mas como estes recursos podem ser desenvolvidos ou adquiridos. Ao identificar cada um dos recursos e como foram envolvidos, desenvolvidos e adquiridos, relacionou-se com a forma que a organização monitorou o ambiente em cada uma das mudanças, e assim, buscou-se compreender sobre diferentes aspectos como: recursos expostos a riscos em mudanças implementadas sem uma ação estruturada de monitoramento, sinais percebidos no ambiente e oportunidades aproveitadas a partir de ações de monitoramento, possíveis limitações da visão dos gestores em mudanças realizadas com informações limitadas do ambiente, entre outros aspectos que puderam ser observados. Ou seja, o estudo apresentou diversas possibilidades de análises devido a complexidade da pesquisa, tendo em vista a transversalidade dos temas. Mesmo não encontrado estudos diretamente relacionados ao quarto objetivo específico desta pesquisa, que relacionem as diferentes teorias, autores apontam a necessidade de novas investigações que relacionem o ambiente interno ao externo e desta forma, buscouse reforçar a justificativa desta dissertação. Segundo Rossetto (1998), as pesquisas

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial KILMA GALINDO DO NASCIMENTO CULTURA ORGANIZACIONAL E TERCEIRIZAÇÃO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 1-CEPE/UNICENTRO, DE 27 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO.

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Cristina Lyra Couto de Souza Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Departamento de Administração da PUC-Rio como

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais