ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA"

Transcrição

1 i UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA BIGUAÇU 2010

2 i ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado Acadêmico em Administração como requisito para a obtenção do título de Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Superior de Biguaçu, SC. Orientador: Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto BIGUAÇU 2010

3 ii ALEXANDRE BEVILACQUA MENEGUETTI ANÁLISE DOS RECURSOS E DO MONITORAMENTO AMBIENTAL NAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS EM UMA UNIDADE OPERATIVA DO SENAC SANTA CATARINA Esta dissertação foi julgada adequada para a obtenção do título de Mestre em Administração e aprovada pelo Curso de Mestrado Acadêmico em Administração, da Universidade do Vale do Itajaí, em Biguaçu. Área de concentração: Organizações e Sociedade Biguaçu, 25 de agosto de Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto Coordenador do Programa Prof. Dr. Carlos Ricardo Rossetto UNIVALI Biguaçu Orientador Prof. Dr. Miguel Angel Verdinelli UNIVALI - Biguaçu Prof. Dr. Walter Bataglia MACKENZIE - SP Prof. Dr. Éverton Luís Pellizzaro de Lorenzi Cancellier UDESC

4 iii DEDICATÓRIA Para minha esposa Anastácia, amiga e companheira. Com ela em minha vida tudo se torna possível.

5 iv AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, que me deu saúde e tranquilidade para os desafios; Aos meus pais, Rose e Dorival, que sempre me incentivaram e me tornaram uma pessoa curiosa e inquieta para novos aprendizados; Aos Diretores do Departamento Regional, especialmente ao Diretor Regional, Sr. Rudney Raulino que me proporcionou desenvolvimento profissional e pessoal; A toda equipe da DRH, pelo suporte e apoio durante o curso; Aos Professores, Dr. Carlos Ricardo Rossetto, Dr. Everton Luis P. de Lorenzi Cancellier, Dr. Walter Bataglia e Dr. Miguel Angel Verdinelli, pelas orientações; Aos meus colegas de turma, pela excelente companhia durante o curso; Ao colega Fabiano Battisti Archer, pelo apoio, aprendizado e troca de experiências em cada etapa do trabalho; A minha colega Gisele Coelho Lopes, pelo apoio, pelos trabalhos realizados juntos e convivência durante o curso; Aos grandes amigos de Campinas, Pedro, Aline, Dani, Nivia, Andréia, Lazanha e Carina, que mesmo à distância sempre me enviam energias positivas; Aos gestores da Faculdade SENAC Florianópolis, pela paciência e atenção em cada entrevista; E a minha especial equipe do SENAC Criciúma, que sempre compreendeu e apoiou nos momentos de dificuldades. Obrigado!

6 v RESUMO Este estudo contribuiu para melhor compreensão de como os recursos e o monitoramento ambiental se relacionam nas mudanças organizacionais ocorridas na Faculdade SENAC Florianópolis a partir da Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996). O estudo apresenta uma abordagem transversal à diferentes teorias que foram investigadas à luz dos estudos de Weick e Quinn (1999) para a classificação das mudanças, Pike, Roos e Marr (2005) para a identificação dos recursos, Aguilar (1967) para a classificação do modo de monitoramento, e os estudos de Cancellier (2004) para o processo de monitoramento. A etapa da pesquisa de campo exigiu uma abordagem qualitativa, em que as entrevistas foram realizadas com base em roteiros semi-estruturados, que permitiram o aprofundamento, exploração e compreensão das diferentes teorias envolvidas em cada uma das 20 mudanças organizacionais identificadas no período de 1996 a As entrevistas foram realizadas com os gestores da Faculdade SENAC Florianópolis pelo fato de serem os principais tomadores de decisão na implementação das mudanças. Paralelamente, foi realizada a coleta de dados secundários, utilizando-se a técnica de análise documental, em que foram resgatados os relatórios de gestão anuais da unidade SENAC Florianópolis. Os resultados da pesquisa apresentam 20 mudanças organizacionais, das quais 16 são episódicas e 4 são contínuas, apenas uma mudança apresenta a classificação como Visão Indireta para o modo de monitoramento, 15 mudanças são classificadas como Visão Condicionada, 4 mudanças como Busca informal e nenhuma mudança apresentou o modo Busca Formal. Ao analisar todo o período, 75% dos recursos identificados se classificam como intangíveis e 25% tangíveis. Ao analisar todos os recursos tangíveis e intangíveis, as mudanças apresentam percentuais mais elevados para o envolvimento de recursos, seguido do desenvolvimento e com percentuais menos elevados na aquisição de recursos. Os resultados demonstram em uma análise geral, uma pequena evolução do período I para o período II quanto ao número de mudanças que apresentam busca intencional de informações do ambiente externo, porém, ainda pouco estruturada e com esforço limitado ao monitorar o ambiente. Há predominância de mudanças episódicas e de uma maneira geral, a organização apresenta um olhar com maior atenção para seu ambiente interno, agindo de forma predominantemente reativa aos diversos fatores ambientais internos ou externos. Muito apoiada e dependente da visão, experiência e percepção de seus gestores a organização avança com perceptível crescimento a cada mudança, adaptando-se às frequentes necessidades apontadas pelos clientes, órgãos fiscalizadores, reguladores ou indicadores internos de crescimento, como relatórios de receita/ despesa e número de alunos, e desenvolvendo principalmente recursos intangíveis ao longo do período em estudo, que pode indicar o motivo do crescimento e possíveis diferenciações frente aos concorrentes. Em muitas mudanças episódicas, pode haver exposição de recursos a riscos gerados pelas transformações internas não previamente planejadas, e monitoradas pela visão condicionada, além de poder inibir a visão empreendedora da organização. Os riscos podem se ampliar, ao evidenciar que ao longo dos anos, recursos tangíveis e intangíveis sofrem impactos relevantes em muitas mudanças episódicas e monitoradas pela visão condicionada, em que os processos de monitoramento não são estruturados e dependem principalmente da percepção dos gestores. Duas mudanças são classificadas como contínuas e monitoradas pela Busca Informal, em que ao longo do tempo recursos são envolvidos e desenvolvidos com percentuais mais elevados ao comparar com as demais mudanças, em que pode indicar que a organização apresenta um monitoramento um pouco mais estruturado, em mudanças mais planejadas e com objetivos definidos para longo prazo. Pode-se afirmar que neste estudo, existe relação entre a característica da mudança, com a forma com que o ambiente é monitorado e da forma com que a organização envolve, desenvolve e adquire recursos. Palavras-chave: Monitoramento Ambiental, Recursos, Ambiente e Mudança Organizacional.

7 vi ABSTRACT This study contributes to a better understanding of the relationship between resources and environmental monitoring, in the organizational changes that have taken place within the Faculdade SENAC Florianópolis (SENAC College in Florianópolis), based on the Lei de Diretrizes e Bases (Law of Directives and Bases) (LDB/1996). The study presents a transversal approach to the different theories, which were investigated in light of studies by Weick and Quinn (1999) for the classification of the changes, Pike, Roos and Marr (2005) for the identification of resources, Aguilar (1967) for the classification of the monitoring type, and Cancellier (2004) for the monitoring process. The field research stage required a qualitative approach, in which interviews were carried out based on semi-structured questionnaires, which enabled a deeper exploration and understanding of different theories involved in each of the twenty organizational changes identified in the period 1996 to The interviews were applied to the managers of the Faculdade SENAC Florianópolis, as the main decision-makers in the implementation of the changes. In parallel, secondary data were collected, using the technique of document analysis involving annual management reports of a SENAC unit in Florianópolis. The results of the research show 20 organizational changes, of which 16 were episodic and 4 were continuous. Only one change was classified as Indirect Vision due to the monitoring method used. 15 changes were classified as Conditional Vision, 4 as informal search, and none were classified as Formal Search. Analyzing the entire period, 75% of the resources identified were classified as intangible and 25% as tangible. Analyzing all the tangible and intangible recourses, the changes presented higher percentages of involvement of resources, followed by the development of resources, and lower percentages for the acquisition of resources. Overall, the results show a small evolution from period I to period II in terms of the number of changes in which there was an intentional search for information from the external environment, but these are still lacking in structure, and the efforts to monitor the environment are limited. There was a predominance of episodic changes, and in general, the organization pays more attention to its internal environment, acting in a predominantly reactive way to the various factors of the internal and external environments. Heavily supported by, and dependent on the vision, experience and perception of its managers, the organization shows perceptible growth with every change, adapting to the more frequent needs identified by its clients, regulatory agencies, regulators or internal growth indicators, such as reports of income/expenditure and number of students, and in particular, developing intangible resources throughout the study period, which may indicate the reason for the growth and possible areas of competitive advantage. In many episodic changes, the resources may be exposed to risks generated by internal changes that were not planned in advance, and monitored by the conditional vision, as well as possibility inhibiting the entrepreneurial vision of the organization. The risks may be higher due to the fact that over the years, the tangible and intangible resources have suffered significant impacts in many episodic changes monitored by the conditional vision, in which the monitoring processes were not properly structured and depended mainly on the managers' perception. Two changes are classified as continuous and monitored by informal Searches, in which over time, higher percentages of resources have been involved and developed than for the other changes, which may indicate that the organization presents a monitoring that is a little more structured, in more planned changes with pre-defined long-term goals. It can be affirmed that in this study, there is a connection between the nature of the change, with the way the environment is monitored and the way the organization involves, develops and acquires resources. Key Words: Environment Scanning, Resources, Environment and Organizational Change

8 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Ambiente geral e específico Figura 2: Aquisição de recursos Figura 3: Modelo de Peteraf: Pedra angular da vantagem competitiva Figura 4: Etapas da coleta e análise de dados Figura 5: Delimitação da pesquisa/objeto de pesquisa Figura 6: Mapa da distribuição física das unidades do SENAC/SC... 74

9 viii LISTA DE QUADROS Quadro 1: Contribuições dos autores sobre mudanças Quadro 2: Classificações da mudança organizacional Quadro 3: Síntese das classificações e componentes do ambiente Quadro 4: Avaliação do ambiente Quadro 5: Autores de monitoramento ambiental Quadro 6: Autores e modos de monitoramento Quadro 7: Modos de monitoramento Quadro 8: Autores e as etapas do processo de monitoramento ambiental Quadro 9: Processo de Monitoramento Quadro 10: Classificação dos recursos Quadro 11: Categorias de recursos Quadro 12: Categorias dos recursos Quadro 13: Categorias dos recursos Quadro 14: Atributos dos recursos/vantagem competitiva sustentável Quadro 15: Classificação da mudança organizacional Quadro 16: Modo e processo de monitoramento Quadro 17: Modelo utilizado para classificar os recursos em cada mudança Quadro 18: Grupo de recursos Quadro 19: Identificação das mudanças organizacionais 1996 a Quadro 20: Definição dos períodos Quadro 21: Períodos e mudanças organizacionais Quadro 22: Classificação da mudança organizacional - Mudança 1 - Período I Quadro 23: Modo e processo de monitoramento - Mudança 1 - Período I Quadro 24: Classificação dos recursos - Mudança 1 - Período I Quadro 25: Grupo de recursos - Mudança 1 - período I Quadro 26: Classificação da mudança organizacional - Mudança 2 - Período I Quadro 27: Modo e processo de monitoramento - Mudança 2 Período I Quadro 28: Classificação dos recursos - Mudança 2 - Período I Quadro 29: Grupos de recursos - Mudança 2 - Período I Quadro 30: Classificação da mudança organizacional - Mudança 3 Período I... 94

10 ix Quadro 31: Modo e processo de monitoramento - Mudança 3 Período I Quadro 32: Classificação dos recursos Mudança 3 Período I Quadro 33: Grupo de recursos - Mudança 3 Período I Quadro 34: Classificação da mudança organizacional - Mudança 4 Período I Quadro 35: Modo e processo de monitoramento - Mudança 4 Período I Quadro 36: Classificação dos recursos Mudança 4 Período I Quadro 37: Grupos de recursos - Mudança 4 Período I Quadro 38: Classificação da mudança organizacional - Mudança 5 Período I Quadro 39: Modo e processo de monitoramento - Mudança 5 Período I Quadro 40: Classificação dos recursos Mudança 5 Período I Quadro 41: Grupos de Recursos - Mudança 5 Período I Quadro 42: Classificação da mudança organizacional Mudança 6 Período I Quadro 43: Modo e processo de monitoramento Mudança 6 Período I Quadro 44: Classificação dos recursos Mudança 6 Período I Quadro 45: Grupo de recursos Mudança 6 Período I Quadro 46: Classificação da mudança organizacional Mudança 7 Período I Quadro 47: Modo e processo de monitoramento Mudança 7 Período I Quadro 48: Classificação dos recursos Mudança 7 Período I Quadro 49: Grupo de recursos Mudança 7 Período I Quadro 50: Classificação da mudança organizacional Mudança 8 Período I Quadro 51: Modo e processo de monitoramento Mudança 8 Período I Quadro 52: Classificação dos recursos Mudança 8 Período I Quadro 53: Grupo de recursos Mudança 8 Período I Quadro 54: Classificação da mudança organizacional Mudança 9 Período I Quadro 55: Modo e processo de monitoramento Mudança 9 Período I Quadro 56: Classificação dos recursos Mudança 9 Período I Quadro 57: Grupo de recursos Mudança 9 Período I Quadro 58: Mudança, recursos e monitoramento Período I Quadro 59: Classificação da mudança organizacional Mudança 1 Período II Quadro 60: Modo e processo de monitoramento Mudança 1 Período II Quadro 61: Classificação dos recursos Mudança 1 Período II Quadro 62: Grupo de recursos Mudança 1 Período II Quadro 63: Classificação da mudança organizacional Mudança 2 Período II

11 x Quadro 64: Modo e processo de monitoramento Mudança 2 Período II Quadro 65: Classificação dos recursos Mudança 2 Período II Quadro 66: Grupo de recursos Mudança 2 Período II Quadro 67: Classificação da mudança organizacional Mudança 3 Período II Quadro 68: Modo e processo de monitoramento Mudança 3 Período II Quadro 69: Classificação dos recursos Mudança 3 Período II Quadro 70: Grupo de recursos Mudança 3 Período II Quadro 71: Classificação da mudança organizacional Mudança 4 Período II Quadro 72: Modo e processo de monitoramento Mudança 4 Período II Quadro 73: Classificação dos recursos Mudança 4 Período II Quadro 74: Grupo de recursos Mudança 4 Período II Quadro 75: Classificação da mudança organizacional Mudança 5 Período II Quadro 76: Modo e processo de monitoramento Mudança 5 Período II Quadro 77: Classificação dos recursos Mudança 5 Período II Quadro 78: Grupo de recursos Mudança 5 Período II Quadro 79: Classificação da mudança organizacional Mudança 6 Período II Quadro 80: Modo e processo de monitoramento Mudança 6 Período II Quadro 81: Classificação dos recursos Mudança 6 Período II Quadro 82: Grupo de recursos Mudança 6 Período II Quadro 83: Classificação da mudança organizacional Mudança 7 Período II Quadro 84: Modo e processo de monitoramento Mudança 7 Período II Quadro 85: Classificação dos recursos Mudança 7 Período II Quadro 86: Grupo de recursos Mudança 7 Período II Quadro 87: Classificação da Mudança Organizacional Mudança 8 Período II Quadro 88: Modo e processo de monitoramento Mudança 8 Período II Quadro 89: Classificação dos recursos Mudança 8 Período II Quadro 90: Grupos de recursos Mudança 8 Período II Quadro 91: Classificação da mudança organizacional Mudança 9 Período II Quadro 92: Modo e processo de monitoramento Mudança 9 Período II Quadro 93: Classificação dos recursos Mudança 9 Período II Quadro 94: Grupo de recursos Mudança 9 Período II Quadro 95: Classificação da mudança organizacional Mudança 10 Período II Quadro 96: Modo e Processo de monitoramento Mudança 10 Período II

12 xi Quadro 97: Classificação dos recursos Mudança 10 Período II Quadro 98: Grupo de recursos Mudança 10 Período II Quadro 99: Classificação da mudança organizacional Mudança 11 Período II Quadro 100: Modo e processo de monitoramento Mudança 11 Período II Quadro 101: Classificação dos recursos Mudança 11 Período II Quadro 102: Grupo de recursos Mudança 11 Período II Quadro 103: Mudança, recursos e monitoramento Período II Quadro 104: Processo de Monitoramento Períodos I e II Quadro 105: Mudança, recursos e monitoramento Períodos I e II

13 xii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos - Período I Tabela 2: Grupo de recurso X modo de monitoramento - Período I Tabela 3: Tipo de mudança X modo de monitoramento - Período I Tabela 4: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos Período II Tabela 5: Tipo de mudança X modo de monitoramento Período II Tabela 6: Grupo de recurso X modo de monitoramento Período II Tabela 7: Tipo de mudança episódicas e contínuas Períodos I e II Tabela 8: Grupo de recursos identificados X percentual de mudanças Períodos I e II Tabela 9: Grupo de recurso X recursos envolvidos/desenvolvidos/adquiridos Períodos I e II Tabela 10: Recursos intangíveis Períodos I e II Tabela 11: Recursos tangíveis Períodos I e II Tabela 12: Modo de Monitoramento Períodos I e II Tabela 13: Tipo de mudança X modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 14: Grupo de recurso X modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 15: Recursos intangíveis identificados por modo de monitoramento Períodos I e II Tabela 16: Recursos tangíveis identificados por modo de monitoramento Períodos I e II. 235 Tabela 17: Recursos intangíveis identificados por tipo de mudança Períodos I e II Tabela 18: Recursos tangíveis identificados por tipo de mudança Períodos I e II

14 xiii LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AR - Administração Regional do SENAC/SC CEE - Conselho Estadual de Educação CEPU - Centro de Estudo Pré Universitário CNC - Confederação Nacional do Comércio CPA - Comissão Própria de Avaliação DN - Departamento Nacional do SENAC DR - Departamento Regional do SENAC/SC EAD - Educação a Distância ENANPAD - Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas IES - Instituição de Ensino Superior LDB - Lei de Diretrizes e Bases MCE - Movimento Catarinense para Excelência MEC - Ministério da Educação e Cultura MEGS - Modelo de Excelência da Gestão SENAC NES - Núcleo de Educação Superior ONGs - Organizações não Governamentais PPGA - Programa de Pós-Graduação em Administração RBV - Resource Based View SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SESC - Serviço Social do Comércio UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina UNICA - Centro de Educação Superior UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí UO - Unidade Operativa VC - Vantagem Competitiva VCS - Vantagem Competitiva Sustentável

15 xiv SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS ESTRUTURA DA PESQUISA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INTRODUÇÃO O ESTUDO DA MUDANÇA AMBIENTE MONITORAMENTO DO AMBIENTE MODOS DE MONITORAMENTO PROCESSO DE MONITORAMENTO RECURSOS RECURSOS, VANTAGEM COMPETITIVA E CAPACIDADES METODOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS COMO OBJETO DE ESTUDO ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS DA PESQUISA PERÍODO I Mudança 1: Oferta dos Cursos Técnicos em Parceria com o Governo do Estado Análise Teórica da Mudança Mudança 2: Alteração do Regimento da Unidade Operativa/Novos Núcleos Análise Teórica da Mudança Mudança 3: Alteração da Forma de Contratação dos Orientadores Análise Teórica da Mudança Mudança 4: Saída dos Coordenadores para a Administração Regional Análise Teórica da Mudança Mudança 5: Profissionalização da Divulgação dos Cursos com a Contratação de... Profissionais Externos Análise Teórica da Mudança Mudança 6: Oferta dos Primeiros Cursos Técnicos do SENAC em Florianópolis. 114

16 xv Análise Teórica da Mudança Mudança 7: Alteração do modelo pedagógico/competência Análise Teórica da Mudança Mudança 8: Reforma na Estrutura Física da Unidade Análise Teórica da Mudança Mudança 9: Enxugamento da Folha/Corte de salários Análise Teórica da Mudança Análise Teórica - Período I PERÍODO II Mudança 1: Oferta dos Cursos Superiores em Tecnologia em Parceria com a... Única/Udesc Análise Teórica da Mudança Mudança 2: Saída da Área de Saúde e Beleza para a Rua Sete de Setembro Análise Teórica da Mudança Mudança 3: Oferta dos Cursos Superiores em Tecnologia SENAC/SC Análise Teórica da Mudança Mudança 4: Novo Regimento para a Faculdade SENAC Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 5: Saída da Área de Informática/Criação de Nova Unidade Operativa Análise Teórica da Mudança Mudança 6: Adequação ao Catálogo do MEC para os Cursos Superiores Análise Teórica da Mudança Mudança 7: Oferta dos Cursos de Pós-Graduação SENAC Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 8: Oferta dos Cursos de Pós-Graduação EAD Florianópolis Análise Teórica da Mudança Mudança 9: Desmembramento da Área de Saúde e Beleza/Criação de Nova Unidade Análise Teórica da Mudança Mudança 10: Redução da Oferta da Área de Idiomas Análise Teórica da Mudança Mudança 11: Criação do NES Núcleo de Educação Superior Análise Teórica da Mudança

17 xvi Análise Teórica - Período II ANÁLISE TEÓRICA QUE COMPREENDE O PERÍODO I e II, DE 1996 a CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE A - Roteiro da entrevista APÊNDICE B - Protocolo de pesquisa

18 15 1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA Este estudo buscou contribuir para a melhor compreensão de como os recursos e o monitoramento ambiental se relacionam em cada mudança organizacional ocorrida na Faculdade SENAC Florianópolis a partir da nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996). Para isso, os recursos e o monitoramento ambiental foram as lentes teóricas que subsidiaram as análises. Os motivos da definição por recursos e monitoramento como lentes teóricas, assim como o SENAC Florianópolis como objeto de estudo serão apresentadas no decorrer do trabalho. Buscou-se compreender a relação de diferentes teorias, tendo como base de análise as mudanças organizacionais ocorridas em um determinado período de tempo. Cada mudança organizacional possui características que apenas podem ser observadas com uma profunda investigação e análise de aspectos que não são facilmente percebidos, como compreender a relação de fatores internos e externos ao ampliar a visão sobre os recursos e como cada mudança provoca impacto nos recursos tangíveis e intangíveis da organização. Da mesma forma, a complexidade dos estudos do ambiente externo exige outra minuciosa investigação, pois lida com questões de difícil mensuração, como a forma com que as organizações monitoram o ambiente e a percepção dos gestores sobre os fatores externos. Estas características tornaram os estudos ainda mais desafiadores. A partir do crescente interesse da comunidade científica em compreender melhor como as organizações lidam com o ambiente externo, teorias emergem no campo do monitoramento ambiental e são apresentadas por diversos autores, como: Aguilar (1967), Daft e Weick (1984), Choo (1999), Cancellier (2004) e Kraisch (2006), que serão detalhados neste estudo. Os autores extrapolam as análises dos limites internos organizacionais, muito além dos tradicionais controles de custos, das análises de balanços patrimoniais, da melhoria dos processos produtivos, da implementação de tecnologias ou outros fatores internos à organização. Muitas destas análises citadas, como financeiras ou custos, focavam-se em dados e análises do passado e de fatores internos da organização, mas as constantes mudanças do ambiente passaram a exigir um olhar diferenciado das organizações e de seus gestores, não apenas atentos aos fatores internos, mas focados nas informações do ambiente externo que permita se antecipar aos acontecimentos futuros, agir pró-ativamente na busca de informações

19 16 e sinais do ambiente que permitam aos gestores tomarem decisões com menores riscos aos recursos. Este estudo tem como base a percepção do ambiente na visão dos gestores, ou seja, o estudo se foca na leitura que o gestor faz do ambiente real para tomar decisões e implementar as mudanças. (CHILD E SMITH, 1987) Estudos de monitoramento ambiental não se tratam de tentativas de previsão do futuro, mas de visualizar o futuro como múltiplo e incerto, segundo Godet (1993), e buscar tentativas de auxiliar os gestores na formulação das estratégias e na tomada de decisões pautadas em dados concretos que permitam fazer projeções futuras, e ainda, desenvolver habilidades organizacionais que respondam de forma pró-ativa às diversas variáveis ambientais, minimizando os riscos da mudança. Segundo Cancellier e Alberton (2008), estudos de monitoramento do ambiente são mais desenvolvidos no exterior e ainda incipientes no Brasil, exigindo mais atenção dos pesquisadores. Recursos, como outra lente teórica deste estudo têm sido ao longo das duas últimas décadas, olhar principalmente para dentro da organização e o conceito ganha força a partir dos estudos da Resource Based View (RBV) que enxerga a organização como um conjunto de recursos tangíveis e intangíveis que acumulados geram vantagem competitiva sobre as demais organizações. Autores como Penrose (1959), Barney (1986, 1991), Dierickx & Cool (1989), Wernerfelt (1984) e Pike, Roos e Marr (2005), serão apresentados na fundamentação teórica e defendem a importância dos recursos para o sucesso das firmas. Estudos sobre recursos buscam compreender como as organizações lidam com seus recursos, como desenvolvem, adquirem, como os mantém e como são mensurados. Segundo Helfat e Peteraf (2003), a RBV, está focada nas condições internas e busca analisar como são obtidos, combinados e aplicados os recursos, tangíveis ou intangíveis pertencentes à uma firma. É importante observar que os estudos sobre recursos despertaram interesse recentemente para a ciência, e pode ser observado pelos estudos do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - EnANPAD. Uma quantidade razoável de estudos passa a ser encontrada cerca de quinze anos depois do trabalho seminal de Wernerfelt (1984) e oito anos depois do trabalho fundamental de Barney (1991) (SERRA; FERREIRA e PEREIRA, 2007, p. 11). Mas no EnANPAD, ao comparar a quantidade de trabalhos de RBV e estratégia, apenas a partir de 2001 se observa um número significativo de trabalhos realizados por pesquisadores brasileiros.

20 17 A complexidade das teorias que envolvem recursos, assim como pesquisas sobre recursos terem sido aprofundadas somente nas últimas décadas, colaboram para que os estudos sobre o tema tenham maior interesse da comunidade científica. Muitas perguntas carecem de respostas; há ainda poucos estudos empíricos que avaliem a RBV em uma abordagem dinâmica, integrada aos modelos ambientais de estratégia. Esta carência talvez seja explicada pela maior dificuldade de observação, definição e mensuração de recursos mais complexos e capacidades implicitamente integradas (PEREIRA E FORTE, 2008, p. 05) Nas ciências sociais, muitas teorias emergiram na busca da melhor compreensão de como as organizações se comportam, como se relacionam com outras organizações, como agem seus gestores, como desenvolvem ou adquirem recursos e como monitoram o ambiente, porém, não foi identificada pesquisas ou um modelo aplicado que trata diretamente da relação entre os modos e o processo de monitoramento do ambiente com a obtenção, desenvolvimento e envolvimento dos recursos nas mudanças organizacionais, o que também reforça a relevância do tema escolhido. Neste estudo, identificou-se os recursos desenvolvidos e adquiridos, assim como os recursos foram envolvidos em cada mudança organizacional e desta forma buscou-se compreender como a Faculdade SENAC Florianópolis fez a gestão de seus recursos no período de tempo em estudo. Para Galunic & Rodan (1998), existe um avanço que permite observar não apenas quais recursos são valiosos para a firma, mas como estes recursos podem ser desenvolvidos ou adquiridos. Ao identificar cada um dos recursos e como foram envolvidos, desenvolvidos e adquiridos, relacionou-se com a forma que a organização monitorou o ambiente em cada uma das mudanças, e assim, buscou-se compreender sobre diferentes aspectos como: recursos expostos a riscos em mudanças implementadas sem uma ação estruturada de monitoramento, sinais percebidos no ambiente e oportunidades aproveitadas a partir de ações de monitoramento, possíveis limitações da visão dos gestores em mudanças realizadas com informações limitadas do ambiente, entre outros aspectos que puderam ser observados. Ou seja, o estudo apresentou diversas possibilidades de análises devido a complexidade da pesquisa, tendo em vista a transversalidade dos temas. Mesmo não encontrado estudos diretamente relacionados ao quarto objetivo específico desta pesquisa, que relacionem as diferentes teorias, autores apontam a necessidade de novas investigações que relacionem o ambiente interno ao externo e desta forma, buscouse reforçar a justificativa desta dissertação. Segundo Rossetto (1998), as pesquisas

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Cristina Lyra Couto de Souza Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Departamento de Administração da PUC-Rio como

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Andre dos Santos Souza O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social.

Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social. Victor da Silva Tardin Figueiredo Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Impasses e Conflitos na Relação entre TI e Business:

Impasses e Conflitos na Relação entre TI e Business: Selma de Fátima Sampaio de Carvalho Impasses e Conflitos na Relação entre TI e Business: Um Estudo de Caso em Empresas de Telecomunicações no Brasil Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao programa

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial KILMA GALINDO DO NASCIMENTO CULTURA ORGANIZACIONAL E TERCEIRIZAÇÃO:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Terceirização de Serviços de Tecnologia da Informação: Experiência Consultiva de Profissionais de TI

Terceirização de Serviços de Tecnologia da Informação: Experiência Consultiva de Profissionais de TI Silvia Griselda Andueza Terceirização de Serviços de Tecnologia da Informação: Experiência Consultiva de Profissionais de TI Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

A Gestão de Mudanças em Organizações Brasileiras de Interesse Público: Uma Perspectiva dos Consultores

A Gestão de Mudanças em Organizações Brasileiras de Interesse Público: Uma Perspectiva dos Consultores Betania Dumoulin dos Reis A Gestão de Mudanças em Organizações Brasileiras de Interesse Público: Uma Perspectiva dos Consultores Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Floriano Manuel Graúdo Lagarto

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios

O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios Gustavo Leonette de Moura Estevão O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Adriana Lúcia de Escobar Chaves A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Planejamento da gestão do relacionamento com o cliente: o caso de uma empresa de varejo farmacêutico

Planejamento da gestão do relacionamento com o cliente: o caso de uma empresa de varejo farmacêutico Luciana Barata Adler Planejamento da gestão do relacionamento com o cliente: o caso de uma empresa de varejo farmacêutico Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em

Leia mais

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 6 As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP Sérgio Henrique Barszcz (União/UTFPR)

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

AÇÕES DE MARKETING NOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS: UMA PESQUISA NO CENTRO MUNICIPAL DE PEQUENOS NEGÓCIOS EM FORTALEZA

AÇÕES DE MARKETING NOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS: UMA PESQUISA NO CENTRO MUNICIPAL DE PEQUENOS NEGÓCIOS EM FORTALEZA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO WALLISON FELIX LIMA AÇÕES DE MARKETING NOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS: UMA PESQUISA NO CENTRO MUNICIPAL DE PEQUENOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração 11 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração UNIVERSIDADES CORPORATIVAS - DO SONHO DA IMPLANTAÇÃO AO DESAFIO DA

Leia mais

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing.

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes - ECA Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação Planejamento de Comunicação Organizacional:

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS FUCAPE JANYLUCE REZENDE GAMA

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS FUCAPE JANYLUCE REZENDE GAMA FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS FUCAPE JANYLUCE REZENDE GAMA OUTSOURCING DE SERVIÇOS PÚBLICOS HOSPITALARES NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA/ES VITÓRIA 2006 JANYLUCE

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO Alberto Luiz Albertin Professor do Departamento de Informática e de Métodos Quantitativos Aplicados à Administração da EAESP/FGV, Coordenador

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet

A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet Eduardo Vianna Barreto A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA:

ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA: CARLOS AUGUSTO VALENZA DINIZ ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA: POSSIBILIDADE E LIMITES DE APLICAÇÃO NAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PATRONAIS DESTINADAS À SEGURIDADE SOCIAL BRASÍLIA 2003 CARLOS AUGUSTO VALENZA DINIZ ANTECIPAÇÃO

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Thais Pereira Teixeira

Thais Pereira Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Thais Pereira Teixeira ESTRATÉGIA COMPETITIVA E COMÉRCIO ELETRÔNICO: ESTUDOS

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 1-CEPE/UNICENTRO, DE 27 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO.

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Roberta Franco Terziani. Estratégias de Entrada no Mercado Brasileiro de Telefonia Móvel Estudo de Caso da Oi. Dissertação de Mestrado

Roberta Franco Terziani. Estratégias de Entrada no Mercado Brasileiro de Telefonia Móvel Estudo de Caso da Oi. Dissertação de Mestrado Roberta Franco Terziani Estratégias de Entrada no Mercado Brasileiro de Telefonia Móvel Estudo de Caso da Oi Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Thiago Toneli Chagas Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A CONTRIBUIÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES ANDREA FERREIRA DA COSTA rafaela modolo de pinho EDINALVA DELL ARMI MAROTTO ACONTRIBUIÇÃODOSFATORESMOTIVACIONAISPARAOSUCESSODASORGANIZAÇÕES

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS Turma 90 Gerenciamento de riscos Aliado a Gerência do Conhecimento Frederico Ribeiro Nogueira Belo Horizonte, 05/07/2010 IETEC INSTITUTO

Leia mais

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN: 1676-6822 Ano IX Número 16 Junho de 2009 Periódicos Semestral SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES LIMA, Sílvia Aparecida

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil

Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil Rodrigo Telles Pires Hallak Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração

Leia mais

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Fabiano Sannino A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Resumo O presente artigo aborda de forma qualitativa e quantitativa os fatores motivacionais

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU)

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) MODELO DE INDICADORES PARA A BIBLIOTECA FCA/UNICAMP Modalidade da apresentação:

Leia mais

Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil

Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil Márcia de Freitas Vieira 1 1 Faculdade Pitágoras de Ipatinga Rua Jequitibá, 401, Horto - 35.160-306

Leia mais

Andragogia e Pedagogia: uma EaD mais acolhedora

Andragogia e Pedagogia: uma EaD mais acolhedora 1 Andragogia e Pedagogia: uma EaD mais acolhedora Rio de Janeiro RJ - Maio/2015 Mônica Campos Santos Mendes Unigranrio monica.campos@outlook.com.br Classe IC Setor Educacional C Educação Superior Classificação

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Período de realização: 2013/2014 12 de setembro de 2014: Enfim formados! Este foi o brinde dos dez estudantes

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

$ $ $ $ JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva

$ $ $ $ JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva XXVIENANGRAD JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva FOZDOIGUAÇU,2015 ÁreaTemática:EPD%Ensino,PesquisaeCapacitaçãoDocente

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

A ESCOLHA E AS EXPECTATIVAS DOS ACADÊMICOS FORMANDOS DO CURSO DE PEDAGOGIA QUANTO À INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO

A ESCOLHA E AS EXPECTATIVAS DOS ACADÊMICOS FORMANDOS DO CURSO DE PEDAGOGIA QUANTO À INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 A ESCOLHA E AS EXPECTATIVAS DOS ACADÊMICOS FORMANDOS DO CURSO DE PEDAGOGIA QUANTO À INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO METZNER, Cintia de Sousa 1 - UNIVALI- cicametzner@gmail.com OSTROVSKI, Crizieli Silveira

Leia mais

GENILDO JOSÉ DA SILVA

GENILDO JOSÉ DA SILVA GENILDO JOSÉ DA SILVA gestão pública por resultado: uma alternativa para o desenvolvimento de Alagoas? Mestrando em Gestão Pública para Desenvolvimento do Nordeste RESUMO Este artigo faz uma análise das

Leia mais

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Luciana Terra Targino As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Estrutura Organizacional para a Realização de Negócios Eletrônicos em Empresas Tradicionais: Um Estudo de Caso

Estrutura Organizacional para a Realização de Negócios Eletrônicos em Empresas Tradicionais: Um Estudo de Caso Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração Programa de Pós-Graduação em Administração Estrutura Organizacional para a Realização de Negócios

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Profissionalização de Organizações Esportivas:

Profissionalização de Organizações Esportivas: Eduardo de Andrade Pizzolato Profissionalização de Organizações Esportivas: Estudo de caso do Voleibol Brasileiro Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 DALCOL, Charlene Coser 2 ; SILUK, Julio Cezar 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Pós-Graduação em Gestão de Pessoas e Marketing

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 39 de 13 de janeiro de 2012, publicada no DOU em 16 de janeiro de 2012. Diretor da Faculdade: Ivanir Salete Bazzei

Leia mais