MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS ESPECIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS ESPECIAIS"

Transcrição

1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS ESPECIAIS Elaborado por Marcos Laureano CGPE/SE-MC Brasília-DF, Maio de 2009

2 Sumário 1 Características do Sistemas Unix/Linux Usuários Comandos Principais diretórios O diretório HOME Interpretador de Comandos Comandos Básicos Iniciando uma sessão Comando exit Atividades sugeridas Obtendo HELP no Sistema - Páginas de Manual Atividades sugeridas Comando passwd Atividades sugeridas Comando expr Atividades sugeridas Caminho de arquivos Comandos básicos Diretórios Especiais. e Atividades sugeridas Atributos de Arquivos Atividades sugeridas Comandos avançados Informações em arquivos Permissões em arquivos Definições básicas Consultando permissões Comando chmod Modo Simbólico Modo Octal O comando umask Os comandos chown e chgrp O comando newgrp

3 Sumário 3.7 Atividades sugeridas Lista de exercícios - 1a. Lista 35 5 Editor VI Movimentação do Cursor Controle de tela Controle de palavras Comandos de busca Comandos de cancelamento Comandos de inserção Comandos de mudança Comandos gerais Comandos no modo ex Comandos de configuração Sistemas de Arquivos Partições Estratégias de Particionamento Segurança de Arquivos e Sistemas de Arquivos Permissões de Arquivos Integridade de Arquivos Cavalos de Tróia Sistemas de Arquivo Criptografados Criando uma partição - Comando fdisk Partição EXT2 (Linux Native) Criando um sistema de arquivos EXT2 em uma partição Criando um sistema de arquivos EXT2 em um arquivo Journaling Partição EXT3 (Linux Native) Criando um sistema de arquivos EXT3 em uma partição Nomeando uma partição de disco - comando e2label Detalhes de uma Partição - comando dumpe2fs Criando sistema de arquivos Swap em uma partição Pontos de Montagem Identificação de discos e partições em sistemas Linux Montando (acessando) uma partição de disco - Comando mount Arquivo fstab Desmontando uma partição de disco - Comando umount Exercícios sugeridos Gerência de Processos Entradas e saídas padrão

4 Sumário 7.2 Redirecionamento para arquivos Redirecionamento usando pipes Prática Sugerida Filtros Prática sugerida Programas e processos Comandos ps e pstree Mudando prioridade processos - Comandos nice e renice Execução de Comandos em Background e Foreground Caractere & Comando jobs Suspendendo processos Comandos bg e fg Comando nohup Comando kill Os comandos at e batch Agendando programas via crontab Lista de exercícios - 2a. Lista 79 9 Administração de Usuários Verificando informações do usuário Tornando-se outro usuário - Comando su O comando sudo Arquivo passwd e group Adicionando grupos - comando groupadd Eliminando grupos - Comando groupdel Adicionando usuários - Comando useradd Alterando a senha do usuário - comando passwd Eliminando usuários - Comando userdel Modificando o perfil de um usuário - comando usermod Exemplo Script automático Atividades sugeridas Controle de quotas Configuração de cotas para usuários Configuração do BASH-shell Lista de exercícios - 3a. Lista Programação Shell Variáveis Estrutura geral de um script em BASH-Shell Parâmetros de entrada

5 Sumário 11.4 Controle de fluxo Outros Exemplos Operadores lógicos e aritméticos Operadores de teste em arquivos e strings Expansão de variáveis Mais exemplos de script Atividades sugeridas Comandos Básicos Comandos Iniciais Comandos de Administração de Sistemas e Redes

6 Lista de Figuras 1.1 Interpretador de Comandos Exemplo de execução do comando man Saídas do Sistema Saídas do Sistema ligadas ao terminal Redirecionamento com pipes

7 Lista de Tabelas 12.1 Comandos Básicos - Armazenamento Comandos Básicos - Comparações Comandos Básicos - Comunicação Comandos Básicos - Diversos Comandos Básicos - Gerenciamento de arquivos Comandos Básicos - Impressão Comandos Básicos - Manutenção de Programas Comandos Básicos - Pesquisa Comandos Básicos - Processamento de Textos Comandos Básicos - Programação Comandos Básicos - Programação Shell Comandos Básicos - Status do Sistema Comandos de Administração/Redes - Correio Comandos de Administração/Redes - Daemons Comandos de Administração/Redes - Hardware Comandos de Administração/Redes - Informações de host Comandos de Administração/Redes - Instalação Comandos de Administração/Redes - Relógio Comandos de Administração/Redes - Sistema de Arquivos Comandos de Administração/Redes - Gerenciamento de kernel Comandos de Administração/Redes - Interligação em rede Comandos de Administração/Redes - Impressão Comandos de Administração/Redes - Iniciando e parando o sistema Comandos de Administração/Redes - Atividade do Sistema e Gerenciamento de processos Comandos de Administração/Redes - Usuários Comandos de Administração/Redes - Diversos Comandos de Administração/Redes - TCP/IP Comandos de Administração/Redes - TCP/IP

8 1 Características do Sistemas Unix/Linux O sistema operacionaisl Unix/Linux possui as seguintes caracerísticas: Interativo - O usuário requisita os comandos e obtém os resultados de sua execução através do terminal. Multitarefa - Um único usuário pode requisitar que sejam efetuados vários comandos ao mesmo tempo em seu terminal. É responsabilidade do sistema operacional controlar estas execuções paralelas. Quando um usuário executa mais de um comando ao mesmo tempo, geralmente é somente um que necessita a interação com o usuário. Os demais comandos executados são na sua maioria comandos que não exigem a atenção do usuário, sendo tarefas demoradas. Quando isto ocorre, dizemos que os programas que o usuário está executando sem a interação ficam em background. O programa que o usuário está executando e interagindo fica em foreground. Multiusuário - O sistema operacional pode controlar o acesso ao sistema através de vários terminais, virtuais ou reais, cada um pertencendo a um usuário. O Unix/Linux aceita as requisições de comandos de cada um dos usuários e gera as filas de controle e prioridades para que haja uma distribuição correta dos recursos de hardware necessários a cada usuário. Devido a característica de ser um sistema multiusuário, o sistema operacional implementa um sistema de segurança visando impedir o acesso aos arquivos e diretórios de um usuário por outro. No módulo sobre permissões veremos como se pode liberar ou restringir o acesso entre usuários. Alguns termos que serão muito utilizados nas explicações e textos devem ser conhecidos, pois toda a bibliografia e documentação se utilizam deles. Estes termos fazem parte do jargão do Unix e Linux, são eles: Shell - É o termo para definir o interpretador de comandos. O shell nada mais é que um programa que recebe os comandos do usuário e ativa o sistema operacional. Ele faz o controle do terminal, tanto na entrada como na saída. Existem várias opções de shell para o usuário, cada um com determinadas características e facilidades. Dentre os mais conhecidos podemos citar: bash, sh, rsh, csh e ksh. Kernel - É como é chamado o núcleo do sistema Unix e Linux. Este núcleo faz o gerenciamento direto dos dispositivos de E/S (device drivers), gerenciamento de memória e controle do uso da CPU pelos vários processos do sistema. 8

9 CAPÍTULO 1. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMAS UNIX/LINUX Comando - Um comando Unix/Linux nada mais é que um arquivo (programa executável) guardado em um diretório específico do sistema. Portanto quando o usuário executa um comando, ele simplesmente está rodando um programa como qualquer outro do sistema. Processo - É um conceito básico do sistema. Toda vez que se executa um programa/comando é gerado um processo no sistema. Todo gerenciamento é feito sobre este processo. Os processos são, portanto, comandos/programas em execução. Todo processo é identificado por um número chamado process id (PID). Este ID é único no sistema durante a execução do processo, portanto pode e deve ser usado para identificação do processo em caso de necessidade. 1.1 Usuários Dentro do sistema existem dois tipos de usuários: normal e super-usuário. O usuário comum é aquele que tem acesso limitado somente a seus dados e arquivos. Se tentar acessar dados de outro usuário, o sistema, dependendo das permissões configuradas, não deixará, emitindo uma mensagem de erro. O super-usuário ou conta root é uma conta com poderes supremos sobre toda a máquina. Com ela pode-se acessar qualquer arquivo que se encontra na máquina, removê-lo, mudá-lo de lugar, etc. O esquema de permissão e segurança do Unix/Linux não se aplica ao super-usuário. Existem também certos comandos que só podem ser executados quando o usuário tem permissão de super-usuário. Estes comandos geralmente servem para a manutenção do sistema e não devem ser deixados à disposição de usuários comuns devido à complexidade e perigo do mal uso destes comandos. 1.2 Comandos Formato geral de um comando: comando [opções] [argumentos] Comando - Comando ou programa a ser executado. Opções - Modificadores do comando (opcional). Argumentos - Define o objeto a ser afetado pelo comando (opcional). A maioria dos comandos Unix/Linux possuem a sintaxe compatível ao formato acima. Temos o nome do comando, seguido de opções e argumentos. As opções, quando colocadas, devem sempre preceder os argumentos. Observar que os caracteres separadores dos campos da linha de comando são o espaço em branco e o <TAB>. Um outro detalhe, muito importante, é o fato de que o Unix/Linux 9

10 CAPÍTULO 1. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMAS UNIX/LINUX faz distinção entre os caracteres maiúsculos e minúsculos. Portanto, para o Unix/Linux, Ls é diferente de ls. Quase sempre as opções dos comandos são precedidas pelo caractere - (menos) ou + (mais) e podem entrar em qualquer ordem e posição na linha de comando, mas sempre antes dos argumentos (há poucas exceções). Na maioria das vezes as opções são representadas por letras, podendo-se agrupar uma série de letras em uma única opção. Por exemplo, as opções -w -l -c do comando wc podem ser escritas como -wlc. Existem também opções que são mutuamente exclusivas, não podendo aparecer ao mesmo tempo em um comando. O terceiro tipo de opção que pode existir em um comando, é a opção que exige logo após, um argumento específico. Neste caso, quase sempre esta opção é colocada separada, precedida por - ou + e seguida de seu argumento Caso ela seja colocada juntamente com as demais opções, ela deve ser a última da lista. Um detalhe que gera muita confusão para o iniciante do sistema Unix/Linux é o fato de que as opções variam de comando para comando, tornando-se difícil uma memorização das mesmas. Se isto acontecer com você, não se preocupe, pois poucas pessoas sabem todas as opções de todos os comandos. Os argumentos definem os objetos sobre os quais o comando será aplicado. Temos como exemplos de argumentos: arquivos, periféricos, etc. 1.3 Principais diretórios Os diretórios de um sistema de arquivos têm uma estrutura pré-definida, com poucas variações. A seguir ilustramos os principais: /home: raiz dos diretórios home dos usuários. /boot: arquivos de boot (kernel do sistema, etc) /var: arquivos variáveis, áreas de spool (impressão, , news), arquivos de log /etc: arquivos de configuração dos serviços /usr: aplicações voltadas aos usuários /tmp: arquivos temporários /mnt: montagem de diretórios compartilhados temporários /bin: aplicações de base para o sistema /dev: arquivos de acesso aos dispositivos físicos e conexões de rede /lib: bibliotecas básicas do sistema 10

11 CAPÍTULO 1. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMAS UNIX/LINUX 1.4 O diretório HOME Cada usuário possui um diretório especial, chamado diretório home (casa), onde são armazenados: arquivos e diretórios pessoais de trabalho s já lidos (folders pessoais) arquivos de configuração individuais configuração das aplicações usadas O diretório home do usuário é o seu local de início de sessão de trabalho (via shell ou gráfica). O usuário possui plenos poderes de acesso ao seu diretório home (e seus sub-diretórios), e normalmente não pode criar arquivos fora dele. O diretório home de cada usuário é normalmente inacessível aos outros usuários, mas isso pode ser controlado pelo administrador do sistema (root). 1.5 Interpretador de Comandos Também conhecido como shell. É o programa responsável em interpretar as instruções enviadas pelo usuário e seus programas ao sistema operacional (o kernel). Ele que executa comandos lidos do dispositivo de entrada padrão (teclado) ou de um arquivo executável. É a principal ligação entre o usuário, os programas e o kernel. O Unix/Linux possui diversos tipos de interpretadores de comandos, entre eles podemos destacar o bash, ash, csh, tcsh, sh, etc. Entre eles o mais usado é o bash (no Linux). O interpretador de comandos do DOS, por exemplo, é o command.com. Os comandos podem ser enviados de duas maneiras para o interpretador: interativa e nãointerativa: Interativa - Os comandos são digitados no aviso de comando e passados ao interpretador de comandos um a um. Neste modo, o computador depende do usuário para executar uma tarefa, ou próximo comando. Não-interativa - São usados arquivos de comandos criados pelo usuário (scripts) para o computador executar os comandos na ordem encontrada no arquivo. Neste modo, o computador executa os comandos do arquivo um por um e dependendo do término do comando, o script pode checar qual será o próximo comando que será executado e dar continuidade ao processamento. Este sistema é útil quando temos que digitar por várias vezes seguidas um mesmo comando ou para compilar algum programa complexo. O shell bash possui ainda outra característica interessante: A complementação dos nomes. Isto é feito pressionando-se a tecla <TAB>. Por exemplo, se digitar ls tes e pressionar <TAB>, o bash localizará todos os arquivos que iniciam com tes e completará o restante do 11

12 CAPÍTULO 1. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMAS UNIX/LINUX Figura 1.1: Interpretador de Comandos nome. Caso a complementação de nomes encontre mais do que uma expressão que satisfaça a pesquisa, ou nenhuma, é emitido um beep. A complementação de nomes funciona sem problemas para comandos internos. Exemplos: ech (pressione <TAB>) ls /vm(pressione <TAB>) 12

13 2 Comandos Básicos 2.1 Iniciando uma sessão O acesso ao sistema é feito através de uma conta previamente cadastrada no sistema pelo administrador do sistema. Sem esta conta não é possível o acesso ao sistema. Esta conta é chamada user name ou login name. O nome da conta deve ser uma string de até 8 caracteres e deve ser único em cada máquina. Junto com a conta, é atribuída uma senha de acesso. Esta senha é que garante que não se faça nenhum acesso indevido aos dados de determinado usuário. A manutenção desta senha e de sua validade é de responsabilidade única do usuário. Uma vez acertadas a conta e a senha, o sistema apresentará um prompt indicando que ele está apto a receber comandos do usuário. Neste ponto dizemos que estamos com uma sessão aberta. 2.2 Comando exit O comando exit deve ser utilizado para encerrar uma sessão de trabalho, quando utilizado o modo texto, terminando a conexão com o usuário. O sistema volta a pedir uma nova conta. Quando se está utilizando terminal no modo gráfico, o comando exit fecha o terminal mas não finaliza a conexão. Entenda por ambiente gráfico os gerenciadores de tela disponíveis nos sistemas Unix/Linux, tais como: Gnome, KDE, XFCE entre outros. Um fato importante a relatar é que a sessão (dependendo do shell) pode terminar se for digitado um <CTRL> D, pois este caractere significa fim de arquivo ou fim da entrada de dados Atividades sugeridas 1. Verifique se o login ao sistema está correto. 13

14 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS 2.3 Obtendo HELP no Sistema - Páginas de Manual As páginas de manual acompanham todos os sistemas Unix/Linux. Elas trazem uma descrição básica do comando/programa e detalhes sobre o funcionamento de opção. Uma página de manual é visualizada na forma de texto único com rolagem vertical. Também documenta parâmetros usados em alguns arquivos de configuração. A utilização da página de manual é simples, digite: man [opç~oes] [seç~ao] [título] Onde seção indica ao comando qual a seção do manual que será aberta, se omitido, mostra a primeira seção sobre o comando encontrada (em ordem crescente) e título é o nome do comando ou arquivo que se está buscando. Cada seção da página de manual contém explicações sobre uma determinada parte do sistema. As seções são organizadas em diretórios separados e localizadas no diretório /usr/man. Os programas e arquivos são classificados nas seguintes seções: 1. Programas executáveis ou comandos internos (comandos do shell); 2. Chamadas do sistema (funções oferecidas pelo kernel); 3. Chamadas de Bibliotecas (funções dentro de bibliotecas do sistema); 4. Arquivos especiais (normalmente encontrados no diretório /dev); 5. Formatos de arquivos e convenções (/etc/inittab, por exemplo).; 6. Jogos; 7. Pacotes de macros e convenções (por exemplo, man); 8. Comandos de Administração do sistema (normalmente usados pelo root); 9. Rotinas do kernel (não padrões). Na figura 2.1 é visto a execução do comando man ls. Um detalhe deve ser observado, a página de manual é divido em algumas partes comuns: NAME - Nome do comando com breve descrição. SYNOPSIS - Sintaxe do comando com opções e argumentos. DESCRIPTION - Descrição detalhada do comando. SEE ALSO - Na grande maioria dos casos um comando está ligado a execução de diversos outros comandos. Nesta parte do manual são colocados todos os comandos citados no texto acima ou que têm alguma relação com o comando. O manual é composto de outras partes menos importantes. Outro detalhe, o número da seção sempre aparece entre parêntese ( ) logo após o nome do comando. No nosso exemplo, aparece LS(1). 14

15 CAPI TULO 2. COMANDOS BA SICOS Figura 2.1: Exemplo de execuc a o do comando man A documentac a o de um programa tambe m pode ser encontrada em 2 ou mais categorias, como e o caso do comando printf que e documentado na sec a o 1 (comando do shell ) e 3 (func a o de biblioteca). Por este motivo e necessa rio digitar man 3 printf para ler a pa gina sobre o formato do arquivo, porque o comando man procura a pa gina de manual nas sec o es em ordem crescente e a digitac a o do comando man printf abriria a sec a o 1. A opc a o -k faz com que o comando man apresente diversas opc o es de busca em func a o da palavra informada. Por exemplo, o comando man -k bash produz o seguinte resultado: bash (1) bash-builtins (7) bashbug (1) builtins (7) rbash (1) - GNU Bourne-Again SHell bash built-in commands, see bash(1) report a bug in bash bash built-in commands, see bash(1) restricted bash, see bash(1) Atividades sugeridas 1. Qual a func a o do comando wc? Quais sa o suas opc o es e o que representa cada uma delas? Quais argumentos este comando aceita? 2. Qual a func a o da opc a o -u do comando date? 15

16 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS 3. Quais são as informações constantes do arquivo passwd? 4. Qual é o comando correlato ao comando mesg? 2.4 Comando passwd Para se efetuar a troca de senha, inicialmente o comando pede, por medida de segurança, que seja digitada a senha atual da conta. Em seguida pede que seja digitada a nova senha. Por último, pede que seja digitada novamente a nova senha para verificação. Em todas estas etapas as senhas digitadas não são apresentadas na tela por medida de segurança. A senha só será trocada se a senha atual conferir com a cadastrada no sistema e a senha nova for digitada igual na confirmação. Algumas regras para criação de senhas: A senha deve ter no mínimo 6 caracteres. A senha deve ter no mínimo duas letras maiúsculas e/ou duas letras minúsculas e pelo menos um dígito ou caractere especial. São aceitos somente os caracteres ASCII padrão de códigos 0 a 127. A senha deve diferenciar do nome da conta. A nova senha deve diferenciar da senha velha em pelo menos três caracteres Atividades sugeridas 1. Altere a sua senha para cha. O que aconteceu? 2. Altere a sua senha para abacaxi. O que aconteceu? 3. Altere a sua senha para abacaxi#. Tente alterar a senha para abacate#. O que aconteceu? 4. Deixe sua senha alterada para uma outra senha que atenda aos requisitos de segurança vistos. 2.5 Comando expr O uso comum do expr no terminal é para fazer-se cálculos simples de adição, subtração, divisão inteira e multiplicação. Ele apresenta a restrição de que se deve sempre colocar uma barra invertida antes de algumas operações ou parênteses (exceto + e -) para que o shell não interprete estes caracteres. Exemplo: expr 14 + \( 10 \* 4 \) irá produzir o resultado

17 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS Atividades sugeridas 1. Qual é o resultado de ( 30-5 ) * 789? 2. Qual é o resultado de ( 20 / 4 ) * ? 2.6 Caminho de arquivos Sempre que precisamos localizar um arquivo para qualquer operação (ler, gravar, remover, criar, etc.) o sistema operacional deve conhecer em que ponto do sistema de arquivos ele se encontra. Isto é feito através da especificação de um caminho antes do nome do arquivo. Este caminho, chamado de path, pode ser indicado de duas maneiras: Absoluto - O caminho absoluto sempre começa com uma barra ( / ). Este caminho dá a localização do arquivo desde o diretório raiz do sistema. O sistema operacional, começa pela raiz e vai seguindo os diretórios indicados até o último. Relativo - A procura de um arquivo através de um caminho relativo começa no próprio diretório atual da sessão. 2.7 Comandos básicos Os comandos a seguir implementam operações básicas em arquivos: ls: listar o conteúdo do diretório corrente (ou de um diretório dado). ls -l / total 96 drwxr-xr-x 2 root root :52 bin drwxr-xr-x 3 root root :28 boot lrwxrwxrwx 1 root root :18 cdrom -> media/cdrom drwxr-xr-x 12 root root :13 dev drwxr-xr-x 121 root root :06 etc drwxr-xr-x 3 root root :26 home drwxr-xr-x 2 root root :16 initrd lrwxrwxrwx 1 root root :50 initrd.img -> boot/initrd.img drwxr-xr-x 16 root root :00 lib drwxr-xr-x 4 root root :00 lib32 lrwxrwxrwx 1 root root :18 lib64 -> /lib drwx root root :17 lost+found drwxr-xr-x 5 root root :13 media drwxr-xr-x 2 root root :39 mnt drwxr-xr-x 2 root root :16 opt 17

18 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS dr-xr-xr-x 143 root root :28 proc drwxr-xr-x 11 root root :33 root drwxr-xr-x 2 root root :36 sbin drwxr-xr-x 2 root root :16 srv drwxr-xr-x 12 root root :28 sys drwxrwxrwt 13 root root :10 tmp drwxr-xr-x 12 root root :46 usr drwxr-xr-x 16 root root :03 var lrwxrwxrwx 1 root root :50 vmlinuz -> boot/vmlinuz g rm: O comando rm serve para eliminar um arquivo do sistema de arquivos. Ele só fará a remoção de diretórios se for especificada a opção -r. Com esta opção todo o diretório é excluído, inclusive todos os seus subdiretórios, indiferente se o mesmo possui ou não arquivos. mv: O comando mv permite a movimentação de um arquivo ou diretório de um local no sistema para outro. Possui três formas básicas: A primeira forma permite que se mude o nome do arquivo origem para o nome do arquivo destino (mesmo diretório); A segunda forma do comando faz a movimentação de todos os arquivos especificados para o diretório informado como destino e a terceira forma é similar a primeira, mas em vez de arquivo é utilizado diretórios. cp: O comando cp permite a cópia de arquivos e diretórios. Existem três formas básicas do comando: cópia de arquivos para arquivos, cópia de arquivos para diretórios e cópia de diretórios. cat: apresentar o conteúdo de arquivos. more: visualizar o conteúdo de arquivos (paginado). ln: O comando ln faz uma ligação (link) de um arquivo existente com um novo nome. Podemos assumir que com este comando são criados dois nomes para se referenciar ao mesmo conjunto de dados. O mais correto é trabalhar com links simbólicos, através do comando ln -s. A funcionalidade principal do link, ou seja, de se ter mais de um nome para o mesmo conjunto de dados continua a mesma, sendo que o link simbólico difere somente na implementação interna. Em vez de as duas entradas no diretório possuírem o mesmo inode, no link simbólico um arquivo aponta para o outro e este aponta para os dados. Esta implementação permite que se faça links simbólicos para arquivos que residem em sistema de arquivos diferentes (discos diferentes). head: O comando head mostra na tela as primeiras linhas ou caracteres dos arquivos especificados como argumento. head /etc/passwd root:x:0:0:root:/root:/bin/bash daemon:x:1:1:daemon:/usr/sbin:/bin/sh bin:x:2:2:bin:/bin:/bin/sh sys:x:3:3:sys:/dev:/bin/sh 18

19 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS sync:x:4:65534:sync:/bin:/bin/sync games:x:5:60:games:/usr/games:/bin/sh man:x:6:12:man:/var/cache/man:/bin/sh lp:x:7:7:lp:/var/spool/lpd:/bin/sh mail:x:8:8:mail:/var/mail:/bin/sh news:x:9:9:news:/var/spool/news:/bin/sh tail: Este comando mostra a última parte de um arquivo, contado em blocos, caracteres ou linha. Quando não se coloque nenhuma opção, o comando assumirá que se está se pedindo em linhas. tail /etc/passwd dhcp:x:100:101::/nonexistent:/bin/false syslog:x:101:102::/home/syslog:/bin/false klog:x:102:103::/home/klog:/bin/false messagebus:x:103:109::/var/run/dbus:/bin/false hplip:x:104:7:hplip system user,,,:/var/run/hplip:/bin/false avahi-autoipd:x:105:113:avahi autoip daemon,,,:/var/lib/avahi-autoipd:/bin/false avahi:x:106:114:avahi mdns daemon,,,:/var/run/avahi-daemon:/bin/false haldaemon:x:107:116:hardware abstraction layer,,,:/home/haldaemon:/bin/false gdm:x:108:118:gnome Display Manager:/var/lib/gdm:/bin/false marcos:x:1000:1000:marcos Laureano,,,:/home/marcos:/bin/bash wc: O comando wc faz a contagem das linhas, palavras e caracteres de todos os arquivos fornecidos como parâmetros. wc /etc/passwd /etc/passwd Os comandos usados para navegação na árvore de diretórios são similares aos usados em outros sistemas operacionais: pwd : indica qual o diretório corrente do shell. cd : troca de diretório: cd dir : muda para o diretório dir. cd.. : muda para o diretório pai imediatamente superior. cd -: volta para o último diretório visitado. cd : volta ao diretório HOME. mkdir dir: criação do diretório dir. rmdir dir: remoção do diretório dir. 19

20 CAPÍTULO 2. COMANDOS BÁSICOS 2.8 Diretórios Especiais. e.. Toda vez que um diretório é criado, sempre são criadas duas entradas no mesmo. Uma entrada, com o nome de., referencia-se ao próprio diretório criado. A outra entrada, com o nome de.., é uma referência ao diretório anterior, ou diretório pai, na estrutura do sistema de arquivos. Estes dois arquivos podem ser usados para compor qualquer caminho, relativo ou absoluto, dentro dos comandos do Unix/Linux, e visam a facilitar a digitação de comandos. Normalmente eles não aparecem na relação de arquivos pois o sistema esconde todos os arquivos que começam com um ponto em seu nome. Para que se liste estas duas entradas devemos usar a opção -a do comando ls Atividades sugeridas 1. Se posicione no diretório /tmp. 2. O que acontecerá se for digitado neste diretório o comando ls -l..? Explique. 3. Quais as 2 possíveis formas de se posicionar no diretório /etc a partir do diretório /tmp? 2.9 Atributos de Arquivos Qualquer arquivo no sistema operacional nada mais é do que uma seqüência de bytes, armazenados em um dispositivo de acesso direto (disco), que possui certos atributos. Estes atributos são manipulados pelo sistema operacional sempre que for realizado um acesso sobre o arquivo. Os atributos são: Tipo - Indica se um arquivo armazenado no sistema de arquivos é um arquivo propriamente dito ou um diretório. Também é utilizado para diferenciar outros tipos de arquivos dentro do sistema de arquivos. Estes tipos podem ser: d: Um diretório -: Arquivo normal de dados l: Arquivo ligado simbolicamente (simbolic link) c: Arquivo especial de controle de dispositivos orientados a caractere (device file). No sistema estes arquivos ficam debaixo do diretório /dev. b: Arquivo especial de controle de dispositivos orientados a bloco p: Arquivo pipe com nome Permissões - O atributo permissão, também conhecido como mode, ou modo de arquivo, indica qual o tipo de acesso que um usuário pode fazer sobre o arquivo. 20

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

A linha de comando do Unix e GNU/Linux

A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux Michael Opdenacker Free Electrons http://free-electrons.com Traduzido por Klayson Sesana Bonatto Criado com OpenOffice.org

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Permissões no GNU/Linux

Permissões no GNU/Linux Permissões no GNU/Linux Sistemas operacionais multi-usuário têm de zelar pela segurança e privacidade dos dados individuais de cada usuário, bem como prezar pela integridade do sistema. Para isso existe

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

O Comando find em Unix (breve resumo)

O Comando find em Unix (breve resumo) O Comando find em Unix (breve resumo) Aviso: existem versões do find para outros sistemas operativos, o texto refere-se ao find da GNU versão 4.1, outras versões do comando find podem não possuir as mesmas

Leia mais

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs Simulado LPI 101 1. Quais comandos exibem os processos no Linux? Escolha uma. a. ls e df b. ps e top c. ps e df d. df e top e. du e df 2. O que representa o dispositivo /dev/hdb6? Escolha uma. a. Um partição

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Introdução ao Linux Comandos Ubuntu/Linux Michelle Nery Agenda Comandos do Sistema Comandos para Processos

Leia mais

Comandos básicos do Linux

Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Introdução Alguns comandos que você verá nesta página, equivalem aos utilizados no DOS. No entanto, saiba que conhecendo ou não o DOS, você poderá estranhar

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Principais Comandos Linux. Hélder Nunes haanunes@gmail.com

Principais Comandos Linux. Hélder Nunes haanunes@gmail.com Principais Comandos Linux Hélder Nunes haanunes@gmail.com Shell ou Terminal Mais conhecido como interpretador de comando, é o programa responsável por decifrar as instruções enviadas pelos usuários e os

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7).

Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante a prática (para os itens 1, 3, 4, 5, 6 e 7). EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais e Linux-TCP/IP Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações feitas durante

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Agenda Manipulação de arquivos Comandos: cat, cut, expand,fmt, head, join, nl, od, paste, pr, split, tac, tail, tr,

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Pratique o seu conhecimento

Pratique o seu conhecimento Pratique o seu conhecimento QUESTÕES DO CAPÍTULO 1 (A HISTÓRIA ) 1) Explique com suas palavras qual a importância de Richard Stallman para o software livre e o que é o projeto GNU. R.: Richard Stallman

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática 2 Certificados digitais Permissões Comandos Password cracker Entregar um relatório respondendo as questões propostas e principais observações

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Prova de Pré requisito para o curso Linix System Administration (451)

Prova de Pré requisito para o curso Linix System Administration (451) 1 No editor de textos VIM (Vi Improved) qual comando copia o conteúdo de uma linha? Escolha todas que se aplicam. a) ctrl + c b) :cp c) :y d) :yy e) yy f) :copy g) cp 2 No editor de textos VIM (Vi Improved)

Leia mais

Planeamento. Introdução ao Sistema Operativo UNIX. Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções. Threads e Semáforos. Problemas de Sincronização

Planeamento. Introdução ao Sistema Operativo UNIX. Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções. Threads e Semáforos. Problemas de Sincronização Planeamento Introdução ao Sistema Operativo UNIX Java: Ferramentas, Entradas/Saídas, Excepções Threads e Semáforos Problemas de Sincronização Jantar dos Filósofos, Leitores/Escritores,... Sockets Stream

Leia mais

Aprendendo. Unix no OS X. Mountain Lion. Mergulhando no Terminal e no Shell. Dave Taylor. Novatec

Aprendendo. Unix no OS X. Mountain Lion. Mergulhando no Terminal e no Shell. Dave Taylor. Novatec Aprendendo Unix no OS X Mountain Lion Mergulhando no Terminal e no Shell Dave Taylor Novatec Authorized Portuguese translation of the English edition of titled Learning Unix for OS X Mountain Lion, ISBN

Leia mais

Fundamentos e Prática em Informática LINUX Gerenciamento de Usuários e Grupos

Fundamentos e Prática em Informática LINUX Gerenciamento de Usuários e Grupos Fundamentos e Prática em Informática LINUX Gerenciamento de Usuários e Grupos lara.popov@ifsc.edu.br Gerenciamento Como qualquer sistema operacional multitarefa e multiusuário, o administrador do sistema

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 1. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 1. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 1 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Leia mais

Visão Geral. Funções básicas. Tipos de sistemas operacionais. Facilidade de acesso aos recursos

Visão Geral. Funções básicas. Tipos de sistemas operacionais. Facilidade de acesso aos recursos 1 Conceitos Básicos "Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável, mas não uma personalidade. É necessário que adquira sentimento, um senso prático daquilo

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Gerenciamento de usuários e grupos

Gerenciamento de usuários e grupos Gerenciamento de usuários e grupos Todo sistema de gerência de usuário possui um id registrado no sistema. Com as informações de registro o Linux pode gerenciar o acesso aos usuários e as suas permissões

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Adelman Wallyson de Sousa Benigno

Adelman Wallyson de Sousa Benigno Laboratory of Software Engineering and Computer Network Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica Engineering for a better life LINUX Trabalho apresentado ao Prof. Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Práticas de Desenvolvimento de Software

Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 1. 23/02/2015. Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 1 Unix, Linux e a linha de comando Oferecimento Ambiente de desenvolvimento Computador (hardware) Sistema operacional Idealmente: iguais

Leia mais

Comandos Básicos do Linux/Unix

Comandos Básicos do Linux/Unix Comandos Básicos do Linux/Unix Vou partir do pressuposto que você sabe o básico de um sistema Linux/Unix. É importante para qualquer usuário de sistemas baseados em Unix aprender a trabalhar no modo texto

Leia mais

https://help.ubuntu.com/6.10/ubuntu/ about-ubuntu/pt_br/

https://help.ubuntu.com/6.10/ubuntu/ about-ubuntu/pt_br/ ! 1 LINUX Sistema operacional de livre distribuição, semelhante ao UNIX, constituído por um kernel, ferramentas de sistema, aplicativos e completo ambiente de desenvolvimento. Nos anos 90 com o crescimento

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Adicionando Usuários Fabricio Breve Introdução Administradores precisam ter um entendimento completo de como funcionam contas Linux Contas

Leia mais

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Redes Sem fio Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux OBJETIVOS Rever os principais comandos do sistema

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Serviços de Redes. Tecnico em Redes de Computadores. Gustavo Henrique da Rocha Reis

Serviços de Redes. Tecnico em Redes de Computadores. Gustavo Henrique da Rocha Reis Serviços de Redes Gustavo Henrique da Rocha Reis Tecnico em Redes de Computadores Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD) Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Rio Pomba Av. Dr.

Leia mais

LSOF - LiSt Open Files

LSOF - LiSt Open Files LSOF - LiSt Open Files Descrição Como o nome indica, LSOF lida com arquivos abertos em um sistema UNIX. Um arquivo aberto pode ser um arquivo comum, um diretório, uma biblioteca, um stream, ou um soquete

Leia mais

comandos básicos linux.

comandos básicos linux. comandos básicos linux. clear: Limpa a tela e posiciona o cursor no canto superior esquerdo do vídeo. df: Mostra o espaço livre/ocupado de cada partição. df [opções] a Inclui sistemas de arquivos com 0

Leia mais

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I Sumário Introdução ao Universo Linux... 1 Conhecendo o Linux... 2 Sua História... 2 Conhecendo o Unix... 3 As Variações do Unix... 4 Parte I 1 O Manual de Referências... 9 1.1 Sintaxe do Manual On-line...11

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com)

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) GUI CLI Tópicos História da Linha de Comando Shells mais comuns Interpretação e transformações da linha digitada

Leia mais

LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS

LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE GNU/Linux... 1 Distribuições LINUX... 1 Iniciando o Linux... 1 Gerenciadores de Janelas... 1 Shell (Modo Texto)... 2 KDE e Gnome... 2 Inicialização do Sistema Linux

Leia mais

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com Introdução a Shell Script Clésio Matos clesior.matos@gmail.com 1 Plano de apresentação O que são shell scripts Comandos básicos Estruturas básicas do BASH - Comandos condicionais - Comandos de repetição

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso superior de Tecnologia em Redes De Computador UC: Introdução a Informática I Componentes: Everton Perleberg, Arthur Felippe Knapp Madruga, Maicon de Vargas Pereira Atividade 2: Documentação de recursos

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual Curso: Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Disciplina: Administração de Sistemas Operacionais Professor: João Medeiros de Araújo Atividade Prática: Formatação e montagem de partições no Linux

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse?

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse? Simulado Linux 1 Qual dos diretórios abaixo é responsável pelos dados e serviços oferecidos pelo equipamento com o Linux rodando? A) srv B) sbin C) opt D) dev E) mnt 2 Posso considerar o diretório bin

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Yoshimi Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Apresentação Carga horária: 2 horas-aula/semana 2/11 Objetivos Possibilitar ao aluno: Entendimento

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO 3. Controle de Acesso Permissões de Compartilhamento e Permissões NTFS Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse capitulo vamos estudar algumas opções do

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos

Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1.

Leia mais