Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras"

Transcrição

1 Indicadores de Risco Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras

2 Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação Principais Benefícios Esperados

3 Ambiente Atual de Negócios Linha do Tempo Normas e Regulamentações Basiléia I BACEN 2804 BACEN 3380 CVM BACEN 2554 Solvência SOX Basiléia II Solvência II Basiléia BACEN 2554/98 SOX BACEN Solvência 2804/00 e 3380/06 Acordo com o objetivo de criar exigências mínimas de capital como precaução contra o risco de crédito. Define mecanismos de mensuração de risco de crédito. Em sua segunda edição, apresenta uma evolução continuada de seus princípios Resolução que define a finalidade dos Controles Internos e Compliance para as instituições financeiras. Abrange o acompanhamento dos objetivos de negócio e cumprimento das leis e regulamentações vigentes. Lei que define o papel fundamental da aplicação dos controles internos nas organizações. Atribuição de responsabilidade aos executivos pelos controles internos e sobre os reportes financeiros. Regulações baseadas em risco de capital. Gera necessidade de aportes financeiros destinados à reservas. Possui no escopo a abrangência de gestão de riscos. Gera impactos nos sistemas de governança. 2804/00 Resolução que dispõe sobre o gerenciamento do risco de liquidez de instituições financeiras. 3380/06 - Resolução que dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de risco operacional.

4 Ambiente Atual de Negócios Complexidade para acompanhamento do ambiente de governaça Governança corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre Acionista, Diretoria, Auditoria e Órgãos regulamentares. Governança Corporativa Agências de Rating O objetivo das práticas de governança corporativa é a criação e operacionalização de um conjunto de mecanismos que visam a fazer com que as decisões sejam tomadas de forma a otimizar o desempenho de longo prazo das empresas. É o sistema que assegura aos sócios-proprietários, governo estratégico da empresa e a efetiva monitoração da diretoria executiva. Reguladores Conselho de Administração Auditorias Independentes (Externa e Interna) Sustentabilidade Inteligência em Riscos Conselho Fiscal Controles Internos Comitê de Auditoria Investidores Fonte:IBGC

5 Ambiente Atual de Negócios Tendências e Perspectiva O que o investidor considera importante na tomada de decisão de investimento em uma empresa? (%) Política de controle e avaliação de risco 83 A pesquisa detectou aumento da importância da Gestão de Riscos e Governança Corporativa, como ferramentas para alinhar a gestão Abrangência de governança corporativa Facilidade de acesso às informações Diversidade das ferramentas de comunicação das empresas com os interesses dos investidores, dos acionistas e dos mercados Estrutura de propriedade e controle Estrutura do Conselho de Administração Adoção de normas de responsabilidade social 48 Adoção de normas de responsabilidade social Adoção de ações relativas à gestão ambiental Fonte: Pesquisa Confiança em um cenário de riscos, realizada pela Deloitte em parceria com o IBRI. Pesquisa Deloitte IBRI 2009

6 Ambiente Atual de Negócios Tendências e Perspectiva Objetivos da política de gestão de riscos adotada pelas empresas (%) Atender às melhores práticas de governança 54 Alinhamento às tendências do setor Avaliação de riscos à imagem da empresa Desenvolvimento de vantagem competitiva Prevenção de fraudes Adequação às regulamentações Atração de investimentos Favorecimento de Novos Negócios Acesso ao crédito Reação a situações de perdas passadas 20 Fonte: Pesquisa Confiança em um cenário de riscos, realizada pela Deloitte em parceria com o IBRI. Pesquisa Deloitte IBRI 2009

7 Ambiente Atual de Negócios Governança Corporativa Monitoramento sem indicadores bem estruturados Processos complexos ou com regulamentação própria/rígida Grau de exposição do risco é mensurado pontualmente Dados do negócio descentralizados Os impactos de mudanças de processo, estruturais ou estratégicas não são avaliados rapidamente. Impactos financeiros não esperados. Tomada de decisão reativa e não preditiva. Alto custo no gerenciamento dos riscos e na sua remediação. Perda de oportunidade Decisão sobre a relação risco e retorno são tomadas utilizando informações não tempestivas ou incorretas.

8 Ambiente Atual de Negócios Práticas e Tendências do Mercado Gestão Consciente de Riscos Equilíbrio do apetite ao risco Práticas e Tendências Gestão simultânea dos KPIs e dos KRIs Desenvolvimento de indicadores conforme hierarquia e atividades Apresentação de informações considerando tendências de impacto ao longo do tempo: curto, médio e longo prazo Indicadores de fácil compreensão e interpretação

9 Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação Principais Benefícios Esperados

10 Indicadores de Riscos Objetivos Objetivos Aplicabilidade Detecção e controle oportuno de potenciais situações de fraude, desvio ou perdas financeiras Pluralidade Acompanhamento de falhas recorrentes e estabelecimento de ações corretivas Demonstração da evolução dos riscos de maneira contínua para a alta administração Estabelecimento de índices de performance comuns utilizados como Benchmarking de desempenho entre localidades e Unidades de Negócios, quando aplicável Identificação de tendências relacionadas a erros ou irregularidades, considerando tempo, unidade de negócio, localidade, processo e sub-processo Seletividade Representatividade Estabilidade Rastreabilidade Simplicidade Baixo Custo

11 Indicadores de Riscos Business Intelligence vs. Risk Intelligence Business Intelligence Risk Intelligence Ferramentas Balance Scorecard / KPIs) Risk Continuous Monitoring / KRIs Drivers Performance Orçamento / Budget Indicadores Financeiros Foco no Passado Variações, Desvios, Concentrações Nível de Exposição aos Riscos (Apetite) Exceções ( non-compliance ) Associados a Riscos Operacionais Foco nas exceções futuras Objetivos Acompanhar as metas do negócio Identificar erros, falhas e contingências Monitorar a exposição a riscos acima do tolerável

12 Indicadores de Riscos Abordagem Avaliação das Informações Mapeamento e Seleção Elaboração dos Painéis Estruturação dos Indicadores

13 Indicadores de Riscos Abordagem Avaliação das Informações Fontes Humanas Fontes Técnicas Fontes de Dados Informações Disponíveis Áreas e Processos Interface com outros departamentos (unidades operacionais, corretores, jurídico, auditoria, etc.) Planos de Ação em Desenvolvimento Sistemas Corporativos Dados Disponíveis Periodicidade Procedimentos para atualização Outras informações requeridas

14 Indicadores de Riscos Abordagem Mapeamento e Seleção Consolidação das informações disponíveis Tratamento e avaliação das que deverão ser utilizadas Mapeamento das possibilidades e Priorização Avaliar Fatores de Risco Identificar indicadores nos processos de negócio Priorizar os Riscos de Identificados

15 Indicadores de Riscos Abordagem Estruturação dos Indicadores Avaliação dos Principais Indicadores Modelagem das Informações e Objetivos Seleção das Visões por: Nívei hierárquivo, produto, tipo, região e etc Mapeamento da Origem das informações Disponibilização das Informações dos Indicadores EXECUTIVO GERENCIAL OPERACIONAL VISÕES INFORMAÇÕES Região Área/Processo Impacto Inadimplência Avaliação Histórica Status do Controle Retorno Financeiro Vulnerabilidade Controles Selecionados Follow up Status do Risco Eficácia Indicadores de Risco Resultado dos Testes Faturamento Nível do Risco

16 Indicadores de Riscos Abordagem Elaboração dos Painéis Validação das informações e do modelo de visualização Mapeamento e unificação dos critérios de análise e observação Seleção da Aplicação para Implementação do Dashboard Implementação do Painel de Indicadores Elaboração do Plano de Implementação, acompanhamento e Comunicação das Observações Logo Cliente Demonstrações Gráficas Elaboração dos Cálculos Seleção dos Formatos de Apresentação

17 Indicadores de Riscos Insucessos na implementação de indicadores Ao menos 50% das 1000 maiores empresas investiram em indicadores de desempenho. De acordo com Paul McCunn, 70% das tentativas de implementação de indicadores de performance falharam. Abaixo seguem os principais motivos identificados: Ignorar a Cultura Organizacional Ausência de Gerenciamento de Melhorias Ausência de ferramentas de medição adequadas Sistema de recompensa confuso Fracasso Ausência de gerenciamento participativo Informações e Visualizações Precárias

18 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação A implementação de indicadores e métricas de gestão de desempenho requer fatores chave para mitigar o risco de falha. Os fatores chave dependem dos valores e cultura de cada organização: Planejamento Constante Comunicação Melhoria Contínua Apoio da Gerência e Alta Administração Indicadores Alinhamento Estratégico

19 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação Constante Comunicação Planejamento Melhoria Contínua Apoio da Gerência e Compromisso com o esforço para implementação e continuidade da utilização dos indicadores pele Companhia Apoio da Gerência e Alta Administração Indicadores Alinhamento Estratégico Alta Administração Comunicação aberta com os colaboradores envolvidos, esclarecendo o objetivo dos indicadores

20 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação Constante Comunicação Apoio da Gerência e Alta Administração Planejamento Indicadores Melhoria Contínua Alinhamento Estratégico Constante Comunicação Comunicação entre os colaboradores para melhoria dos processos e atividades Mitigação da imagem negativa quanto aos indicadores (monitoramento das atividades) Mitigação das preocupações e objeções quanto à implementação das ferramentas e monitoramento das atividades

21 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação Constante Comunicação Planejamento Melhoria Contínua Planejamento Apresentação de informações alinhadas aos riscos identificados Inclusão dos stakeholders para planejamento e identificação de preocupações e resultados esperados Apoio da Gerência e Alta Administração Indicadores Alinhamento Estratégico Desenvolvimento de estratégias para minimizar o impacto sobre os colaboradores envolvidos nas atividades monitoradas

22 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação Constante Comunicação Apoio da Gerência e Alta Administração Planejamento Indicadores Melhoria Contínua Alinhamento Estratégico Melhoria Contínua Desenvolvimento de métricas que refletem o ambiente da Companhia Elaboração de planos para gerenciamento de mudanças Avaliação constante das ferramentas, métricas definidas e estratégias aplicadas

23 Indicadores de Riscos Fatores de sucesso para implementação Planejamento Constante Comunicação Apoio da Gerência e Alta Administração Indicadores Melhoria Contínua Alinhamento Estratégico Alinhamento Estratégico Os indicadores devem prover informações precisas quanto à eficiência, eficácia e empenho das atividades realizadas Os resultados devem ser apresentados em relação ao passado, presente e futuro

24 Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação Principais Benefícios Esperados

25 Inteligência em Riscos Maturidade 1. Quão capaz é a Organização de gerir o seu perfil de riscos? Valor para o Acionista 2. Quanto capaz ela precisa ser? 3. Como ela pode atingir o estágio desejado? Qual o prazo? 4. Como podemos aproveitar as práticas existentes de gestão de risco? Inicial Fragmentada Top Down Integrada Inteligência em Risco Estágio de Maturidade em Gestão de Riscos Atributos Ad hoc/caótico Depende do individualismo Descentralização da Gestão de Risco Foco limitado na relação entre riscos Alinhamento limitado entre estratégia e riscos Monitoramento e reporte separados Identifica universo de risco Enfoque comum para avaliação aos riscos Planos de ação implementados para riscos de alta prioridade Comunicação dos riscos estratégicos para a Alta Administração Ferramentas de análise de risco Monitoramento e reporte do risco por toda a Organização Planejamento e simulação de cenários Riscos de oportunidade identificados e explorados Avaliação de riscos contínua Discussão sobre risco no planejamento estratégico Sistema preventivo para notificar os riscos acima dos limites (apetite e tolerância) Relação com os indicadores de desempenho e incentivos Modelagem de riscos

26 Inteligência em Riscos Empresa com Inteligência em Riscos Tomada de decisão estratégica e supervisão de risco Governança em Riscos Supervisão Conselho de Diretores Conselho de Administração Concepção, implementação e manutenção de um eficaz programa de riscos Infraestrutura e Gerenciamento em Riscos Desenvolver e Implantar Estratégias Infraestrutura Comum de Riscos Pessoas Processos Tecnologia Sustentar e Melhorar Continuamente Gerência Executiva Processo de Gestão de Riscos Identificação, mensuração, monitoramento e reporte de riscos Responsabilidade dos Riscos Identificar Riscos Testar Riscos Desenhar, Integrar Responder aos Implementar e Riscos Riscos Testar os Controles Classes de Riscos Monitorar, Assegurar, e Escalar Áreas de Negócio e de Suporte Governança Estratégia e Planejamento Operação e Infraestrutura Conformidade Reportes

27 Inteligência em Riscos Papel do Conselho Administrativo Governança em Risco Governança em Riscos Conselho de Administração Princípio 1: Diretrizes gerais Supervisão Conselho de Diretores Infraestrutura e Gerenciamento em Riscos Gerência Executiva Princípio 2: Definição de estrutura comprovada (ex: COSO ERM) Responsabilidade dos Riscos Áreas de Negócio e de Suporte Princípio 3: Regras chaves, responsabilidades e autoridades Princípio 4: Governanças são transparentes, visíveis e com ferramentas adequadas

28 Inteligência em Riscos Papel da Gerência Executiva Infraestrutura e Gerenciamento de Riscos Governança em Riscos Conselho de Administração Princípio 5: Executivo responsável pelo desenho, implementação e manutenção Infraestrutura e Gerenciamento em Riscos Infraestrutura comum de risco Pessoas Processos Tecnologia Gerência Executiva Princípio 6: Infraestrutura comum de gerenciamento de risco, ferramentas e indicadores mensuráveis Responsabilidade dos Riscos Áreas de Negócio e de Suporte Princípio 7: Assegurar, monitorar e reportar informações

29 Inteligência em Riscos Papel da Área de Negócios Responsabilidade pelo Risco Governança em Riscos Conselho de Administração Princípio 8: Áreas de negócio responsáveis pelo desempenho e execução de controles Infraestrutura e Gerenciamento em Riscos Gerência Executiva Princípio 9: Atividades de Suporte as Operações Associadas ao Programa Responsabilidade dos Riscos Processos de Gestão de Riscos Classe de Riscos Áreas de Negócio e de Suporte Governança Estratégia e Planejamento Operação e Infraestrutura Conformidade Reportes

30 Inteligência em Riscos Abordagem Alinha os objetivos da Gestão de Riscos com os Objetivos de Negócio e Estratégia das Organizações Incorpora o conceito de tolerância a riscos nas Organizações, seus objetivos de negócio e estratégias, considerando sua capacidade financeira, habilidade de captar recursos e a própria capacidade de gerenciar os seus riscos. Trata o risco como oportunidade. Auxilia as Organizações a entenderem, avaliarem e explorarem as oportunidades associadas aos seus riscos. Otimizar o valor aos acionistas

31 Inteligência em Riscos Indicadores A inteligência em riscos utiliza os indicadores como direcionador para tomada de decisão e monitorador da eficiência dos controles. Os indicadores monitoram os riscos tornando a auditoria mais ativa do que reativa O monitoramento dos indicadores permite avaliar em tempo real A implementação é focada nos possíveis problemas futuros A preparação é criada com fundamentos sólidos das informações dos indicadores

32 Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação Principais Benefícios Esperados

33 Abordagem de Implementação Metodologia 1 Definindo os KRIs 2. Mapeamento dos BDs 3. Extração de Dados 4. Cálculo dos Indicadores e Repositório de Dados 5. Dashboard - Priorização dos Resultados Análise Geral de Riscos Revisões de Processo com Foco em Riscos e Controles Sistema 1 Sistema 3 Sistema 2 Sistema 4 Extrator de Dados Software Data Mining / BI Planejamento Estratégico Avaliar o Nível de Automação dos Processos Relacionados aos Riscos Identificados e Priorizados. Definir os KRIs e os Agentes que o Afetam Sistema 5 Sistema 8 Sistema 6 Sistema 7 Repositório Único de Dados

34 Abordagem de Implementação Exemplo Prático VALOR AOS ACIONISTAS Criação e Preservação de Valor Governança Corporativa PROCESSOS DE NEGÓCIO Definição de Estratégias Gestão de Riscos Informação e Comunicação Monitoramento RISCOS CORPORATIVOS Vantagem Competitiva Aumento da Receita Otimização dos Custos Operacionais Processos de Negócio Crédito Atacado Tesouraria - Derivativos ALM Crédito Varejo Tesouraria - Money Market Captação Internacional Crédito Consignado Câmbio Trade Finance Recursos Humanos/ Folha de Pagamento Tecnologia da Informação Captação Cartões de Crédito Depósitos / Meios de Pagamento Estratégicos Operacionais Eficiência dos Ativos Processos de Apoio Jurídico e Legal Informações Gerenciais e Financeiras Serviços Administrativos Fiscal Financeiros Atendimento das Expectativas Contábil Marketing e Produtos Regulamentares 1.Negociação 2. Suporte à Negociação 3. Suporte e Controle Operacional 4. Geração de Informação 5. Gestão de Riscos 6. Compliance

35 Abordagem de Implementação Exemplo Prático 1.Negociação 2. Suporte à Negociação 3. Suporte e Controle Operacional 4. Geração de Informação 5. Gestão de Riscos 6. Compliance Riscos Específicos do Processo Posições assumidas sem autorização formal ou em desacordo com as estratégias do banco. Realização de operações acima dos limites estabelecidos pelo Banco Contratação de operações desfavoráveis ao Banco em função de busca por benefício próprio. Venda de ativos que o Banco não possui em carteira ou que estejam bloqueados como lastro/garantia. VALOR AOS ACIONISTAS RISCOS CORPORATIVOS Aumento de Receita Risco Operacional Conduta Antiética/Fraude Governança Estratégicos Otimização dos Custos Operacionais Eficiência dos Ativos Recebimentos e Pagamentos Estoques Aderência as Regras Modelo de Negócio Operacionais Financeiros Atendimento das Expectativas Propriedades, Plantas e Equipamentos Integridade Político e Econômico Regulamentares

36 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Riscos Específicos do Processo Posições assumidas sem autorização formal ou em desacordo com as estratégias do banco. Realização de operações acima dos limites estabelecidos pelo Banco Contratação de operações desfavoráveis ao Banco em função de busca por benefício próprio. Venda de ativos que o Banco não possui em carteira ou que estejam bloqueados como lastro/garantia. Exemplos de KRIs Relacionado ao Risco Específico Quebra de alçada para realização de operações financeiras Variações nos limites individuais das operações Volume de transações realizadas acima dos limites estabelecidos

37 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Fórmula Se(Alçada>Operação Realizada) Resultado Quebra de alçada para realização de operações financeiras Meta Estipulada Operações financeiras são aprovadas de acordo com alçada definida Níveis de Aceitação Operações realizadas acima da alçada definida Operações realizadas dentro da alçada definida

38 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Tesouraria

39 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Fórmula Se(Operação>DesvioPadrão(Operações)+Média(Operações)) Resultado Variações nos limites individuais das operações Meta Estipulada As operações não possuem variações bruscas Acima do desvio padrão das operações Níveis de Aceitação De 70% até o desvio padrão das operações Abaixo de 70% do desvio padrão das operações

40 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Tesouraria

41 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Fórmula Se(Volume>Limite) Resultado Volume de transações realizadas acima dos limites estabelecidos Meta Estipulada O volume de transações não ultrapassa os limites estabelecidos Acima do limites estabelecido Níveis de Aceitação De 70% até o limite estabelecido Abaixo de 70% do limite estabelecido

42 Abordagem de Implementação Exemplo Prático Tesouraria

43 Abordagem de Implementação Exemplo Painel de Indicadores Contas a pagar Logo Cliente Logo Cliente

44 Abordagem de Implementação Exemplo Painel de Indicadores Monitoramento da Formalização

45 Abordagem de Implementação Exemplo Painel de Indicadores Gestão de Projetos

46 Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação Principais Benefícios Esperados

47 Indicadores de Risco Principais Benefícios Avaliação Conjunta de Fatos Agilidade no Acompanhamento e Identificação Monitoramento Focado e Priorizado Precisão e Acompanhamento das Ações Mitigatórias Indicadores de Risco Agilidade na Tomada de Decisões Atendimento a Requisitos de Governança Benchmarking por Operação / Região Qualidade e Transparência nas Informações

48 Elias Zoghbi CISA, CGEIT, CRISC Gestão de Riscos Empresariais Deloitte Touche Tohmatsu Av. Presidente Wilson º andar Rio de Janeiro - RJ Brasil Tel: + 55 (21) Direto: + 55 (21) Fax: + 55 ((21) Celular: + 55 (21) A Deloitte oferece serviços nas áreas de Auditoria, Consultoria Tributária, Consultoria em Gestão de Riscos Empresariais, Corporate Finance, Consultoria Empresarial, Outsourcing, Consultoria em Capital Humano e Consultoria Atuarial para clientes dos mais diversos setores. Com uma rede global de firmas-membro em mais de 140 países, a Deloitte reúne habilidades excepcionais e um profundo conhecimento local para ajudar seus clientes a alcançar o melhor desempenho, qualquer que seja o seu segmento ou região de atuação. Os 165 mil profissionais da Deloitte estão comprometidos a tornarem-se o padrão de excelência do mercado e estão unidos por uma cultura colaborativa, que encoraja a integridade, o comprometimento, a força da diversidade e a geração de valor aos clientes. Eles vivenciam um ambiente de aprendizado contínuo, experiências desafiadoras e oportunidades de carreira enriquecedoras, dedicando-se ao fortalecimento da responsabilidade corporativa, à conquista da confiança do público e à geração de impactos positivos em suas comunidades. No Brasil, onde atua desde 1911, a Deloitte é uma das líderes de mercado e seus cerca de profissionais são reconhecidos pela integridade, competência e habilidade em transformar seus conhecimentos em soluções para seus clientes. Suas operações cobrem todo o território nacional, com escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Joinville, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife e Salvador. A Deloitte refere-se a uma ou mais Deloitte Touche Tohmatsu, uma verein (associação) estabelecida na Suíça, e sua rede de firmas-membro, sendo cada uma delas uma entidade independente e legalmente separada. Acesse para a descrição detalhada da estrutura legal da Deloitte Touche Tohmatsu e de suas firmas-membro.

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas José Paulo Rocha 9 de dezembro de 2008 Resultados referentes à terceira edição da pesquisa As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil

Leia mais

Resiliência...dos desafios às oportunidades

Resiliência...dos desafios às oportunidades Resiliência...dos desafios às oportunidades Seminário FEBRABAN sobre Gestão de Continuidade de Negócios Abril de 2010 Agenda... Contextualização Desafios Tratamento abrangente Oportunidades Aprimoramento

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

24 de abril de 2008 Ed Ruiz

24 de abril de 2008 Ed Ruiz IFRS Principais impactos nos balanços das companhias 24 de abril de 2008 Ed Ruiz Ambiente regulatório brasileiro BACEN Comunicado 14.259 de 10 de março de 2006 Requer que as demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Como uma das empresas líderes em serviços profissionais no Brasil, a Deloitte entende de maneira única os desafios enfrentados

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance 7º CONSEGURO Setembro de 2015 Índice Planejamento para o Evento Painel de Notícias

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência

Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência Desafios para os próximos anos Eventos de fraudes, irregularidades, comportamento antiético e má conduta corporativa

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

Assembleia Geral Extraordinária da Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. convocada para o dia. 31 de janeiro de 2013

Assembleia Geral Extraordinária da Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. convocada para o dia. 31 de janeiro de 2013 Assembleia Geral Extraordinária da Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. convocada para o dia 31 de janeiro de 2013 Informação Sobre Avaliadores - Anexo 21 ICVM 481 Anexo I - Proposta de trabalho

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Referências Gerenciamento Estratégico da Informação. Aumente a Competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como ferramenta

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio

Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio Marcio Tangerini, CISA, CRISC Gerente Setorial de Controle e Conformidade Tecnologia e Infraestrutura de Sistemas de Informação e Automação

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC de Serviços em Agribusiness Outubro de 2013 Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura de relacionamento entre usina

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Casos de Sucesso Cliente Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Perfil da empresa A Deloitte é uma das maiores empresas do mundo na prestação de serviços profissionais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS

CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS Segmento VAREJO CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS No subsegmento de concessionárias de veículos, contar com as soluções de software de gestão para o segmento de varejo da TOTVS é o melhor negócio. São diversas

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez 5. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez assume duas formas distintas, porém intimamente relacionadas: risco de liquidez de ativos ou de mercado e risco de liquidez

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC {aula #1} com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11) 9962-4260 http://rildosan.blogspot.com/

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim.

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Wagner Roberto Pugliese - Certified Internal Auditor (CIA ) Certification in Control Self-Assessment (CCSA ) Banco Votorantim Diretor de

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Continuous Auditing & Continuous Monitoring

Continuous Auditing & Continuous Monitoring 01 de outubro de 2010 Continuous Auditing & Continuous Monitoring André Rangel Gerente Sênior KPMG Risk Advisory Services Conteúdo Contexto Definições e objetivos Dimensões Enterprise Risk Management Ambiente

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais