Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Cidade do Recife

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Cidade do Recife"

Transcrição

1 Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Cidade do Recife

2 PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA Aguinaldo Fenelon de Barros SUBPROCURADOR-GERAL EM ASSUNTOS INSTITUCIONAIS Fernando Barros de Lima SUBPROCURADORA-GERAL EM ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Lais Coelho Teixeira Cavalcanti SUBPROCURADORA-GERAL EM ASSUNTOS JURÍDICOS Maria Helena Nunes Lyra CORREGEDOR-GERAL Renato da Silva Filho CORREGEDOR-GERAL SUBSTITUTO Paulo Roberto Lapenda Figueiroa OUVIDOR Mário Germano Palha Ramos SECRETÁRIO-GERAL Carlos Augusto Guerra de Holanda CHEFE DE GABINETE José Bispo de Melo COORDENADOR DO NÚCLEO DE APOIO À MULHER João Maria Rodrigues Filho ASSESSOR MINISTERIAL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Jaques Cerqueira MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO Núcleo de Apoio à Mulher Maria Aparecida Clemente Avenida Visconde de Suassuna, 99, Boa Vista, Salas B 04/05, Recife, PE, CEP Tel.: (81) /

3 Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Cidade do Recife Recife, maio de 2014

4 Copyright 2014 by MPPE É permitida a reprodução parcial desta obra, desde que citada a fonte. SISTEMATIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO Núcleo de Apoio à Mulher Karla Pereira dos Santos REVISÃO TÉCNICA João Maria Rodrigues Filho REVISÃO ORTOGRÁFICA Maria Alice Coutinho PRODUÇÃO EXECUTIVA Evângela Azevedo de Andrade EDITORAÇÃO Adélia Andrade COLABORAÇÃO Andréa Corradini do Rego Costa Nadnajna Maria Chaves de Oliveira APOIO ADMINISTRATIVO Jacilene Monteiro Martins - Ténica administrativa Michael de Siqueira Albuquerque Fernandes - Estagiário Mônica Maria Coelho Gonçalves de Alcântara Rosendo - Técnica Ministerial Naielly Ferreira Gomes da Cruz - Estagiária Tawane Alves Pereira - Estagiária Viviane Barbosa de Araújo - Estagiária Wesley Carlos Meneses da Costa Estagiário P452l PERNAMBUCO. Ministério Público do Estado. Núcleo de apoio à mulher Rede de enfrentamento à violência doméstica contra mulher da cidade do Recife / Sistematização e Organização Karla Pereira dos Santos ; Revisão Técnica João Maria Rodrigues Filho. -- Recife : Procuradoria Geral de Justiça, p. ; il. 1. Violência doméstica, rede assistencial. 2. Violência doméstica, Ógãos de apoio. 3. Violência contra mulher. 4. Violência familiar. I. Núcleo de Apoio à Mulher. II. Santos, Karla Pereira dos. III.Título. MPPE-BIB DDIR Bibliotecária: Rosa Dalva Rivera de Azevedo CRB-4/931

5 Sumário Apresentação...6 Serviços de Denúncia, Informação e Orientação à Mulher Vítima de Violência...7 Conheça os serviços e órgãos da rede de enfrentamento...8 Região Político-Administrativa - RPA I...20 Região Político-Administrativa - RPA II...41 Região Político-Administrativa - RPA III...51 Região Político-Administrativa - RPA IV...66 Região Político-Administrativa - RPA V...79 Região Político-Administrativa - RPA VI...90 Mapa do Recife por RPA Mapa das RPAs (Regiões Político-Administrativas)...108

6 Apresentação O Ministério Público de Pernambuco MPPE, por intermédio dessa e de outras publicações, vem cumprindo desde o ano de 2010 o seu dever de divulgar às mulheres e homens de Pernambuco os direitos e garantias constantes na Lei Maria da Penha, destinados às vítimas de violência nos âmbitos domésticos e familiar. Agora, com este novo Manual, o MPPE, depois de realizar uma minuciosa pesquisa sobre o tema, apresenta a Rede de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher da Cidade do Recife, colocando à disposição de todos os profissionais que atuam na área o nome, endereço e área de atuação das instituições que, diretamente ou indiretamente, auxiliam na prevenção e repressão dessa verdadeira epidemia. O mapeamento das instituições foi realizado considerando a Cidade do Recife dividida geograficamente em 06 Regiões Político Administrativas RPAs, permitindo ao leitor uma visão dinâmica dos equipamentos existentes no município, partindo da localização de creches, passando por hospitais, delegacias de polícia e varas especializadas no combate à violência de gênero. Para tanto, o Manual explica as competências administrativas dos serviços e órgãos da Rede de Enfrentamento (páginas 7 à 19), depois divide-os por RPA s, finalizando com a inserção de sete mapas (páginas 106 à 119). 6

7 Serviços de Denúncia, Informação e Orientação à Mulher Vítima de Violência Polícia: Disque 190 (quando o crime está acontecendo) Disque Denúncia: (81) (para outras situações) Disque Denúncia - Ligue 180 É um serviço da Secretaria de Política para as Mulheres da Presidência da República que auxilia e orienta as mulheres em situação de violência, por meio do número de utilidade pública 180. As ligações podem ser feitas, gratuitamente, de qualquer parte do território nacional. Cabe à Central o encaminhamento da mulher para os serviços da rede de atendimento mais próxima, assim como prestar informações sobre os demais serviços disponíveis para o enfrentamento à violência. Ouvidoria da Mulher do Estado de Pernambuco: A Ouvidoria tem por atribuição prestar orientação / informação referentes às ações e políticas da SPM, legislação, direitos das mulheres, serviços da rede, dentre outros; receber manifestações sobre a temática de gênero ou assuntos em discussão nacional; denúncia de ocorrência de crime; reclamação a respeito da falta ou atendimento inadequado de um serviço da própria rede de atendimento; sugestão para a implantação e melhoria das políticas e ações da SPM na temática de gênero e elogio das ações e/ ou prestação de serviços. Avenida Cais do Apolo, nº 222, 3º andar, Centro, Recife, PE, CEP Tel.: (81) Horário de atendimento: das 8h às 18h, dias úteis. Atendimento virtual: Central de Teleatendimento à Cidadã Pernambucana 24h (ligação gratuita e atende mulheres do Estado de Pernambuco). 7 Disque Denúncia do MPPE: (de segunda a sexta- feira, das 12h às 18h) Tem como objetivo receber denúncias acerca de assuntos diversos referentes às áreas criminal, civil e de cidadania, bem como realizar o seu acompanhamento.

8 Disque 100: para denunciar maus tratos e exploração sexual contra criança e adolescente. Plantão do Conselho Tutelar (para urgência): horário noturno, fim de semana e feriado. Tel.: (81) / Conheça os Serviços e Órgãos da Rede de Enfrentamento Serviços de Atendimento Geral São serviços de atendimento ao público em geral, não sendo, portanto, especializados e exclusivos no atendimento à mulher; todavia, funcionam como portas de entrada para a rede de atendimento. São estes: Centro de Referência em Assistência Social - CRAS: São unidades públicas estatais responsáveis pela organização e oferta de serviços de proteção social básica do Sistema Único de Assistência Social - SUAS, sendo o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF o principal serviço desenvolvido pelo CRAS. 8 Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS: Deve oferecer o Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos - PAEFI, responsável pelo apoio, orientação e acompanhamento a famílias com um ou mais de seus membros em situação de ameaça ou violação de seus direitos. Nos CREAS deve ser ofertado o atendimento especializado e realizados os encaminhamentos para rede de serviços locais. Centro POP: Unidade pública estadual de referência no atendimento especializado à população adulta em situação de rua, no âmbito da proteção social de média complexidade do SUAS. Centro de Apoio Psicossocial - CAPS: São serviços substitutivos ao internamento hospitalar que prestam atendimento ao usuário portador de transtorno mental ou ao usuário de álcool, cigarro ou outras drogas. Oferece uma assistência médica psiquiátrica, de enfermagem, de terapia ocupacional, de educação física e psicossocial mais humana e voltada para reinserção social.

9 Programa de Saúde da Família: Tem o propósito de reorganizar a prática da atenção à saúde em novas bases e substituir o modelo tradicional, levando-a para mais perto da família e, com isto, melhorando a qualidade de vida dos brasileiros. Policlínica: É uma unidade de saúde para prestação de atendimento ambulatorial em várias especialidades, incluindo ou não as especialidades básicas e outras não médicas. Podem, ainda, oferecer Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia (SADT) e pronto atendimento 24h. Hospital Geral: Hospital destinado à prestação de atendimento nas especialidades básicas, por especialista e/ou outras especialidades médicas. Pode dispor de serviço de urgência/ emergência. Deve dispor também de SADT de média complexidade. Unidade de Pronto Atendimento - UPA: As Unidades de Pronto Atendimento - UPA 24h são estruturas de complexidade intermediária entre as unidades básicas de saúde e as portas de urgência hospitalares, onde, em conjunto com estas, compõe uma rede organizada de atenção às urgências. São integrantes do componente pré-hospitalar fixo e devem ser implantadas em locais/ unidades estratégicos, para a configuração das redes de atenção à urgência, com acolhimento e classificação de risco em todas as unidades, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Creches / CMEIs: De acordo com a Lei de Diretrizes Básicas da Educação, no capítulo sobre a Educação Básica, Seção II, art. 29: a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até os cinco anos de idade em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. Conforme o art. 30, a educação infantil será oferecida em: I creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade; II - pré-escolas, para crianças de quatro a cinco anos de idade. Conforme a deliberação 003/99, art. 3º, parágrafo 2º do CEE, as instituições que ofertarem simultaneamente atendimento a crianças, de zero a três anos, em creche e, de quatro a cinco anos, em pré-escola, constituirão Centros de Educação Infantil com denominação própria. 9 Centro de Referência em Direitos Humanos Margarida Alves: É uma unidade da Secretaria de Direitos Humanos e Segurança Cidadã da Prefeitura do Recife criada em parecria com a Secretaria da de

10 Direitos Humanos da Presidência da República, que atende à população do Recife, consolidando a promoção, proteção e efetivação dos direitos humanos. Oferece serviços especializados de orientação jurídica e psicossocial às pessoas com seus direitos violados ou em risco. Centro Estadual de Apoio às Vítimas de Violência: O Centro Estadual de Apoio às Vítimas de Violência de Pernambuco - CEAV/PE, programa que integra o Sistema Estadual de Proteção à Pessoa - SEPP da Secretaria Executiva de Justiça de Direitos Humanos - SEJUDH da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos - SEDSDH. O CEAV/PE se configura em espaço de cidadania especializado em assegurar o exercício de direitos das vítimas de crimes e seus familiares, constituindo-se como instrumento eficaz na prevenção da violência, da impunidade e para a promoção da cidadania. Serviços Jurídicos Não Especializados no Atendimento à Mulher São serviços que não atendem, exclusivamente, a mulher, mas que podem receber as vítimas de violência doméstica e familiar, quando não existirem serviços especializados na localidade. 10 Defensoria Pública do Estado: É uma instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindolhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5º, LXXIV, da Constituição Federal. Central de Flagrante: Tem como objetivo assegurar o pronto atendimento ao sujeito detido em flagrante, cuja situação econômica não lhe permita pagar os honorários advocatícios, sem prejuízo do sustento próprio ou da sua família e que esteja necessitando de imediata postulação, visando à liberdade provisória, ao relaxamento de prisão, à revogação de prisão preventiva e ao habeas corpus, entre outras medidas. Núcleo do Judiciário: Presta serviços no âmbito jurídico à população. Casa de Justiça e Cidadania do TJPE: A Casa de Justiça é uma unidade multifuncional que visa promover o desenvolvimento de ações voltadas à efetiva participação do cidadão e da comunidade na solução de seus problemas, além de aproximar o Poder Judiciário da sociedade. As atividades promovidas nesta casa são: mediação individual e comunitária, educação básica em Direito

11 (esclarecendo dúvidas a respeito dos direitos e deveres do cidadão) e fortalecimento de redes sociais (fazendo cooperações entre as associações já atuantes na comunidade e o TJPE). Centro de Apoio Psicossocial do TJPE - CAP: O CAP realiza estudo psicossocial das partes envolvidas nos processos oriundos das Varas de Família e Órfãos e Interditados, mediante solicitação judicial, com o objetivo de traçar o perfil psicossocial das famílias, fazendo o diagnóstico da realidade vivida, contextualizando a problemática apresentada, com a finalidade de confeccionar parecer para subsidiar a decisão judicial. Central de Inquéritos: Tem como objetivo receber os procedimentos de investigação, dentre eles os inquéritos encaminhados pela polícia referentes a crimes ocorridos na capital, e encaminhá-los ao Ministério Público. Núcleo do MPPE de Justiça Comunitária: O Núcleo de Justiça Comunitária existe para que conflitos leves sejam resolvidos na própria comunidade, sem necessidade de que as partes procurem a polícia ou ingressem com ações judiciais. São atendidos conflitos de vizinhança, disputas de posse, propriedades de imóveis, questões de direito da família, como pensão alimentícia e reconhecimento de paternidade, e até problemas que envolvam a comunidade como esgoto a céu aberto, falta de água e falha no horário do transporte público. Serviços Especializados de Atendimento à Mulher 11 Serviços que atendem, exclusivamente, às mulheres e que possuem expertise no tema da violência contra essas. São eles: Defensoria Especializada: Tem como objetivo prestar serviços de assistência jurídica, orientar e encaminhar as mulheres vítimas de violência. É um órgão do Estado, responsável pela defesa das cidadãs que não possuem condições econômicas de ter advogado contratado por seu próprio meio. Varas Especializadas na Mulher: As Varas de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher são órgãos da Justiça Ordinária com competência cível e criminal, que poderão ser

12 criadas pela União (no Distrito Federal e nos Territórios) e pelos Estados para o processo, julgamento e a execução das causas decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a mulher. Projeto Mãe Legal da II Vara da Infância e Juventude da Comarca da Capital do TJPE: Tem como objetivo acolher as mulheres gestantes e parturientes que manifestam a intenção de entregar seus filhos para adoção, de acordo com a Lei /09. Promotoria de Justiça Especializada: Tem como objetivo atuar nos processos cíveis e criminais que tramitam nas Varas de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Núcleo de Gênero do MPPE: Tem como objetivo possibilitar o desenvolvimento de um processo cultural e de gestão de conhecimento que permita aos promotores de Justiça realizarem intervenções judiciais e extrajudiciais em defesa da mulher, fazendo com que a sociedade se torne mais consciente dos seus direitos. 12 Delegacias Especializadas: São unidades especializadas da Polícia Civil para atendimento às mulheres em situação de violência. As atividades das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher - DEAMs têm caráter preventivo e repressivo, devendo realizar ações de prevenção, apuração, investigação e enquadramento legal, as quais devem estar pautadas no respeito aos direitos humanos e aos princípios do Estado Democrático de Direitos (Norma Técnica de Padronização das DEAMs, SPM: 2006). Núcleo de Prevenção aos Crimes contra a Mulher: O NUPREM desenvolve um trabalho preventivo, mediante a apresentação de palestras para mulheres e homens sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher e divulgação da Lei Maria da Penha. Centros de Referência de Atendimento à Mulher: São espaços de acolhimento, atendimento psicossocial, orientação e encaminhamento jurídico à mulher em situação de violência, que devem proporcionar o suporte necessário à superação dessa situação de vulnerabilidade, contribuindo para o seu fortalecimento e o resgate de sua cidadania (Norma Técnica de Padronização - Centro de Referência de Atendimento à Mulher, SPM: 2006).

13 Centro da Mulher Metropolitana: Faz o atendimento/acolhimento às mulheres vítimas de violência doméstica ou àquelas que precisam ser inseridas em programas sociais ou que tenham filhos usuários de drogas, fazendo o encaminhamento para a rede de acordo com a necessidade do caso. Em breve, vão oferecer cursos de formação e qualificação profissional para o público feminino. Núcleo de Abrigamento do Estado de Pernambuco: O Núcleo de Abrigamento, que faz parte da Diretoria Geral de Enfrentamento da Violência de Gênero - DGEVG, da Secretaria Estadual da Mulher, atua de forma a proteger as mulheres em situação de violência doméstica e com risco de morte, realizando o abrigamento nas 06 (seis) casas-abrigo implantadas e distribuídas no Estado. Oferece também para aquelas mulheres que desejam reconstruir suas vidas longe do local onde ocorreram as situações de violência as condições necessárias para a transferência de domicílio para outros bairros, muncípios, estados ou até mesmo países. Serviços de Saúde Voltados para o Atendimento dos Casos de Violência Sexual e Doméstica A área de saúde, por meio da Norma Técnica de Prevenção e Tratamento dos Agravos resultantes da Violência Sexual Contra a Mulher e Adolescentes, tem prestado assistência médica, de enfermagem, psicológica e social às mulheres vítimas de violência sexual, inclusive quanto à interrupção da gravidez - prevista em lei - nos casos de estupro. 13 Serviços de Segurança Pública e de Defesa Social Inclui serviços de segurança pública e de garantias dos direitos, tais como: Delegacias Comuns - Polícia Civil e Militar: A delegacia comum também deve registrar toda e qualquer ocorrência oriunda de uma mulher em situação de violência. São os profissionais da Polícia Militar que, muitas vezes, fazem o primeiro atendimento

14 ainda na residência da vítima ou em via pública e realizam o seu encaminhamento para outros serviços especializados da rede. Núcleos de Combate à Discriminação no Trabalho: Os Núcleos têm como principal objetivo desenvolver ações para eliminar as desigualdades, combatendo as distintas formas de discriminação no mercado de trabalho e buscar articulação com os diversos atores sociais para realização de ações de promoção da igualdade de oportunidade. Grupo de Operações Especiais: É uma unidade de recursos especiais e tem por atribuição básica prestar auxílio às autoridades policiais e seus agentes no desempenho das missões de polícia judiciária afetas à Policia Civil. Esse auxilio, normalmente, se dá quando essas autoridades e agentes desenvolvem atividades que, por sua complexidade, não dispõem de recursos materiais adequados para realizar. Gerência Geral da Polícia Científica: A GGPOC é um órgão de direção geral responsável pelas perícias forenses inerentes às atividades fins da Secretaria de Defesa Social. Instituto Médico Legal: Tem como objetivo realizar perícias técnico-científicas de pessoas vivas (traumatológicas, sexológicas etc.), cadáveres (tanatoscópicas), toxicológicas (material orgânico). 14 Secretaria de Defesa Social: É um órgão da administração centralizada, integrante do Núcleo Estratégico da Administração, por força do contido na Lei Complementar nº 49 de 31 de janeiro de A SDS tem como missão institucional promover a defesa dos direitos do cidadão e da normalidade social, através dos órgão de segurança pública, integrando as ações do governo. Promotoria de Justiça Criminal do Idoso: Recebe os informes de violência contra o idoso, através do disquedenúncia (81) da ONG Movimento Pernambuco contra o Crime ou das delegacias de bairro, além da própria Promotoria de Justiça do Idoso. Com o apoio da equipe psicossocial, a Promotoria avalia o ambiente doméstico e os aspectos socioculturais e econômicos das vítimas e agressores, além de encaminhá-los para serviços de

15 assistência, a fim de cuidar deles ou recuperá-los. A promotoria ainda oferece apoio psicológico ao idoso e aos seus familiares. Ação Estratégica Caravana da Pessoa Idosa: É uma iniciativa do MPPE que visa à capacitação e implementação dos conselhos municipais do idoso e a criação do Protocolo de Enfrentamento à Violência ao Idoso - PEVI -, a fim de centralizar as informações sobre este tipo de violência em um cadastro único, além de atuar na criação de políticas públicas voltadas para o direito da pessoa idosa. Promotoria de Justiça Cível do Idoso: Tem como atribuições, além das já previstas na Lei nº , de 1º de outubro de 2003, conhecida como Estatuto do Idoso, zelar pela correta aplicação das políticas públicas relativas à pessoa idosa, garantindo o seu bem estar, a sua integração social e a não ocorrência de ameaças e violações de seus direitos. Tem ainda que inspecionar, mensalmente, entidades públicas e particulares que prestam serviços de atendimento ao público supracitado, adotando as providências cabíveis. Promotoria de Justiça da Infância e Juventude: Tem por objetivo atuar na defesa judicial e extrajudicial dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes (pessoas de até 18 anos incompletos) no âmbito individual e coletivo, previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e Adolescente, como, por exemplo, vida, saúde, alimentação, educação, convivência familiar e comunitária, lazer, profissionalização, cultura, dignidade e respeito, liberdade. Para tanto, o promotor de Justiça pode propor ações: de destituição ou suspensão do poder familiar; pedidos de guarda, tutela ou adoção; investigação de paternidade; para obter vaga em creche, pré-escola e ensino fundamental; para obter remédios, tratamento de saúde; colocação em programas de apoio à criança e sua família - complementação de renda, apoio social e psicológico, tratamento do alcoolismo e drogadição. 15 Promotoria de Justiça da Educação: Fiscaliza a estrutura física e o projeto pedagógico das escolas públicas estaduais, municipais e particulares do Estado, além da Universidade Federal de Pernambuco UFPE. Recebe denúncias sobre falta de vagas para matrícula, falta de merenda, não cumprimento da carga horária, a não inclusão do portador de necessidade especial na instituição de ensino, entre outros.

16 Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania, Promoção e Defesa dos Direitos Humanos: Recebe as denúncias referentes a maus tratos e discriminação de pessoas com deficiência, assim como discriminação racial e sexual. Promotoria de Justiça da Saúde: Fiscaliza os serviços de saúde da rede municipal e estadual oferecidos pelo SUS (policlínicas, hospitais, UPAS, CAPS, CRAS, CREAS, USF) referentes à falta de medicamento, demora na marcação de consultas, entre outros. Serviços de Organismos Não Governamentais ONGs em Defesa da Mulher Representam uma grande expressão da sociedade civil organizada no apoio à rede de atendimento à mulher. Em geral, exercem papel mobilizador, reivindicativo, informativo e educativo referente ao direito da mulher. Orgãos de Informação, Orientação e Políticas Públicas 16 São os órgãos responsáveis pela formulação, execução e controle de políticas públicas para as mulheres e serviço de orientação e informação para aquelas em situação de violência. Departamento de Polícia da Mulher: Tem como objetivo oferecer serviços policiais, abertura e andamento de inquéritos que investigam casos de violência doméstica. Coordenadoria da Mulher do TJPE: A Coordenadoria funciona como um órgão colegiado não jurisdicional de assessoria à Presidência do TJPE e tem por objetivos: elaborar sugestões para o aprimoramento da estrutura do Tribunal visando garantir um melhor atendimento no que diz respeito ao tema; dar suporte aos magistrados, aos servidores e às equipes multidisciplinares; promover articulação interna e externa do Poder Judiciário com outros órgãos governamentais e não governamentais; recepcionar dados,

17 sugestões e reclamações referentes aos serviços de atendimento à mulher em situação de violência, promovendo os encaminhamentos e divulgações pertinentes, entre outros. Secretaria Estadual da Mulher: Tem como objetivo formular, desenvolver, articular, coordenar, apoiar e monitorar políticas públicas para promover a melhoria das condições de vida das mulheres pernambucanas. Secretaria Municipal da Mulher: Tem como objetivo implementar e coordenar as políticas de combate às desigualdades de gênero, raça/etnia, enfrentando a violência e possibilitando a participação das mulheres nos espaços de decisões da política na cidade do Recife. Secretaria Municipal de Educação: É responsável pela educação do município e pelo padrão do ensino. A ela compete: ofertar educação infantil em creches, pré- escolas e no ensino fundamental; prestar atendimento aos alunos com necessidades especiais; atender alunos com programas de alimentação e material didático-escolar; promover cursos de capacitação profissional e realizar programas de ações culturais. Secretaria Estadual de Educação: Tem a finalidade de garantir o acesso da população ao ensino básico de qualidade em todos os níveis e promover ações articuladas com a rede pública municipal de ensino, assim como supervisionar instituições públicas e privadas de ensino do Sistema Estadual de Educação e desenvolver programas permanentes de capacitação do quadro de educação do Estado. 17 Secretaria Municipal de Saúde: É responsável pela elaboração de políticas, programas e projetos que visem promover, proteger e recuperar a saúde da população. Como gestora do Sistema Único de Saúde (SUS) na capital, também fica sob sua responsabilidade a articulação e o planejamento de ações desenvolvidas na rede de policlínicas, maternidades, unidades do Programa de Saúde da Família (PSF) e centros médicos espalhados em seis Distritos Sanitários.

18 Secretaria Estadual de Saúde: Tem como objetivos planejar, desenvolver e executar a política sanitária do Estado; orientar e controlar as ações que visem ao atendimento integral e equânime das necessidades de saúde da população; exercer as atividades de fiscalização e poder de polícia de vigilância sanitária; coordenar e acompanhar o processo de municipalização do Sistema Único de Saúde (SUS). Conselho Estadual de Direitos da Mulher: O CEDIM-PE é um órgão colegiado vinculado à Secretaria Estadual da Mulher, que tem por finalidade contribuir para formular e propor diretrizes das ações governamentais voltadas à promoção dos direitos das mulheres e atuar no controle social de políticas de igualdade de gênero. Conselho Municipal da Mulher: O Conselho Municipal é um órgão permanente da Prefeitura de caráter deliberativo, fiscalizador, autônomo, formulador de diretrizes e monitorador de execução das políticas dirigidas às mulheres, para o enfrentamento de qualquer forma de discriminação e para a promoção de igualdade de gênero, raça e orientação sexual. 18 Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa do Recife: O COMDIR tem por finalidade a implantação e implementação da política pública municipal de inclusão social, promoção e defesa dos direitos da pessoa idosa. Também formulará as diretrizes e supervisionará a execução de políticas públicas dirigidas a essa população em defesa da inclusão social e no enfrentamento a qualquer forma de violência e discriminação no âmbito do município do Recife. Conselho Estadual dos Direitos dos Idosos de Pernambuco: O CEDI/ PE tem por objetivo orientar e coordenar a ampliação das políticas estaduais e municipais dos direitos do idoso, estimular e acompanhar a criação e funcionamento dos Conselhos Municipais dos Direitos dos Idosos, assim como propiciar apoio técnico a estes, além de promover atividades e campanhas de divulgação, formação de opinião pública e esclarecimento sobre proteção e direitos assegurados à população idosa, entre outros.

19 Secretaria de Desenvolvimento Social e de Direitos Humanos - SEDSDH: Planejar, executar, coordenar e controlar as políticas públicas nas áreas de justiça, dos Direitos Humanos e da Assistência Social, com vistas à promoção do desenvolvimento social e da autonomia dos cidadãos e das cidadãs; planejar e apoiar a execução da política estadual de amparo às pessoas idosas e com dficiência; fortalecer a prevenção ao uso de drogas e prestar serviços de atendimento a usuários e familiares; desenvolver políticas de inclusão social e produtivas; atuar em articulação com a União e os municípios, consolidando o Sistema Único de Assistência Social - SUAS; controlar e manter em funcionamento o sistema penitenciário, mediante a guarda e gestão das unidades prisionais, buscando a ressocialização do reeducando; prestar assitência jurídica a egressos e liberados do sistema prisional, bem como à população em vulnerabilidade social e às entidades sociais e comunitárias; velar pelos direitos dos cidadãos e promover as proteção ao consumidor. Conselho Tutelar: Tem como objetivo zelar pelo cumprimento dos direitos relacionados à infância e à adolescência e manter contato com as suas famílias, promotores de Justiça e juízes, entre outras autoridades, para proteger a cidadania das crianças e adolescentes. Público atendido: adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto encaminhados pela Justiça. Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. 19

20 Região Político-Administrativa - RPA I RPA I Distrito Sanitário I: Rua Mário Domingues, nº 70, Boa Vista, Recife, PE, CEP Tel.: / / Bairros: Micro Recife e Santo Amaro. Micro Boa Vista, Cabanga, Ilha do Leite, Paissandu, Santo Antônio, São José e Soledade. Micro Coelhos e Ilha Joana Bezerra. Serviços de Atendimento Geral - Centro de Referência em Assistência Social - CRAS: 20 Centro de Referência em Assistência Social l CRAS - da RPA I Av. Norte, nº 869, Santo Amaro, Recife, PE, CEP (ponto de referência: por trás do IMIP). Tel.: (81) / Equipe técnica: 2 psicólogos e 1 assistente social. Serviços oferecidos: atendimento psicossocial e acompanhamento das famílias em situação de vulnerabilidade, mas que não sofreram violação de direitos, que procuram o serviço por demanda espontânea ou por encaminhamento; benefícios eventuais (cesta básica, auxílio-funeral); inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais (bolsa-família, carteira de livre acesso para pessoa com deficiência, pré-matrícula no PRONATEC - cursos de qualificação profissional - com carta de encaminhamento para matrícula em cursos do SESC, SENAI e ISPE). Horário de atendimento: segunda e quarta-feira, das 8h às 17h, ambos os sexos; às terças, quintas e sextas-feiras, são realizadas visitas ou serviço interno, com exceção de atendimentos de urgência. - Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS: Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS Rua Dom Manoel Pereira, nº 75, Boa Vista, Recife, PE, CEP Tel.: (81) Fax: (81) Equipe técnica: 5 psicólogos, 2 assistentes sociais, 2 pedagogos e 1 sociólogo.

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário /CJI Período 1 º de janeiro a 30 de junho/2013 Estrutura de Pessoal Servidores efetivos do TJDFT * Em tramitação pela SUGIP:

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços instituídos pelo poder público, organizados de acordo com a parte do Estatuto do Idoso à qual estão relacionados. Serviços relacionados

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA 01 Projetos Comunitários da ULBRA Sob a égide do Programa Violência e Direitos Humanos, projetos comunitários, ações extensionistas e estágios

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526.

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526. NORMAS DE ATENDIMENTO AO PACIENTE SOB SUSPEITA DE NEGLIGÊNCIA, MAUS TRATOS OU VIOLÊNCIA DE QUALQUER NATUREZA. 1. AMBITO DE APLICAÇÃO: Todas as Unidades do HGWA. 2. OBJETIVO: Garantir a notificação compulsória

Leia mais

Caderno de Prova Serviço Social

Caderno de Prova Serviço Social Caderno de Prova Serviço Social 1- Nas décadas de 60/70 iniciaram-se a ampliação da rede de serviços sociais como também a demanda do trabalho do Assistente Social. Nesse contexto, a intervenção do Serviço

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA EXTRATO DA ATA DA SÉTIMA SESSÃO ORDINÁRIA DO EGRÉGIO COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RORAIMA 2014. Data: 24/11/2014 Horário: 9h Local: Sala de reuniões dos Órgãos

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 15/01/2014 (nº 10, Seção 1, pág. 37) Institui o serviço de avaliação e

Leia mais

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local MANUAL do sistema SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local 1 Observação: Recomenda-se a leitura prévia da cartilha do programa Crack, É Possível Vencer, disponível no endereço http://www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer/home/publicacoes/materialinformativo/destaques/cartilha-crack-e-possivel-vencer-compromisso-detodos-1

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL: PERNAMBUCO PELOS DIREITOS HUMANOS.

SEMINÁRIO REGIONAL: PERNAMBUCO PELOS DIREITOS HUMANOS. SEMINÁRIO REGIONAL: PERNAMBUCO PELOS DIREITOS HUMANOS. O GOVERNO DE PERNAMBUCO REALIZARÁ NAS 12 REGIÕES DE DESENVOLVIMENTO DO NOSSO ESTADO AS SEMANAS DE DIREITOS HUMANOS. A INICIATIVA FORTALECE A DEFESA

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DAS Norte Campinas/SP ASSISTÊNCIA SOCIAL Constituição de 1988 e LOAS Assistência Social inserida como política da Seguridade Social

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência O que é a Defensoria Pública? A Defensoria Pública do Estado é uma Instituição permanente

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. GRUPO 1 - SERVIÇO SOCIAL I (5 trabalhos)

GRUPOS TEMÁTICOS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. GRUPO 1 - SERVIÇO SOCIAL I (5 trabalhos) GRUPOS TEMÁTICOS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS GRUPO 1 - SERVIÇO SOCIAL I (5 trabalhos) AUTORES TÍTULO DO TRABALHO TC ou RE INSTIUIÇÃO Charles Toniolo A dimensão política da inserção do serviço social

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP. Circunscrição Centro. Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012

Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP. Circunscrição Centro. Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012 Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP Circunscrição Centro Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012 Conselheiros Tutelares Eleitos: Mandato do Triênio 2010/2013 * Daniella Magalhães Itacarambi

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

ÍNDICE: ESPECIALIDADES:

ÍNDICE: ESPECIALIDADES: ÍNDICE: ESPECIALIDADES: ACUPUNTURA... ANGIOLOGIA... CARDIOLOGIA... CLÍNICA MÉDICA... DERMATOLOGIA... ENDOCRINOLOGIA... FONOAUDIOLOGIA... GASTROENTEROLOGIA... GERIATRIA... GINECOLOGIA... INFECTOLOGIA...

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica NPJ - Núcleo de Prática Jurídica O Núcleo de Prática Jurídica - NPJ da FSG constitui-se como o espaço que promove a articulação entre o ensino, a pesquisa e a extensão e é voltado para a formação prática

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

- 2015. REDE DE PROTEÇÃO A MULHER - Vitória da Conquista - Bahia PROGRAMAÇÃO

- 2015. REDE DE PROTEÇÃO A MULHER - Vitória da Conquista - Bahia PROGRAMAÇÃO - 2015 REDE DE PROTEÇÃO A MULHER - Vitória da Conquista - Bahia PROGRAMAÇÃO DATA HORÁRIO ATIVIDADE / OBJETIVO RESPONSÁVEL LOCAL 02 /03/15 (segunda - feira) 16:00h Solenidade de Instalação da Vara de Violência

Leia mais

Rede Solidária Anjos do Amanhã

Rede Solidária Anjos do Amanhã Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Rede Solidária Anjos do Amanhã Voluntariado Beneficiando crianças e adolescentes com direitos violados Como funciona a Rede Solidária Como se tornar

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE..., representado, neste ato, pelos(as) Promotores(as) de Justiça das Comarcas de (NOMES),

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios CENTRAL DE APOIO JUDICIAL AOS IDOSOS

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios CENTRAL DE APOIO JUDICIAL AOS IDOSOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário Central de Apoio Judicial aos Idosos/CAJI Período 1º de janeiro

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais