AGENDA. Pró-PETROLINA FIEPE / CNI / PREFEITURA DE PETROLINA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE PETROLINA CDL SEBRAE SENAI VALEXPORT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENDA. Pró-PETROLINA FIEPE / CNI / PREFEITURA DE PETROLINA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE PETROLINA CDL SEBRAE SENAI VALEXPORT"

Transcrição

1 Pró-PETROLINA FIEPE / CNI / PREFEITURA DE PETROLINA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE PETROLINA CDL SEBRAE SENAI VALEXPORT câmara de fruticultura sindlojas sindicato rural de petrolina senac

2 Apresentação Pró-PETROLINA Este documento, denominado PRÓ-PETROLINA, consolida os resultados de uma memorável e fecunda jornada de debates à qual acorreram os principais agentes produtivos e, também, as mais legítimas representações dos outros segmentos da sociedade. Vieram das micros, pequenas e grandes empresas, da área urbana e do meio rural, das entidades educacionais, compreendendo escolas e universidades, dos órgãos da imprensa, das instituições de pesquisas, das unidades de saúde, dos setores tradicionais, e, bem assim, daqueles mais modernos e dinâmicos da sociedade local, entre outros. Num ambiente de coesão e de forte intercambio, discutiram-se idéias, geraram-se proposições e diretrizes destinadas a orientar um vigoroso movimento de reação social que se manifestará em iniciativas dos próprios atores locais, articuladas no seio da comunidade, para enfrentar desafios e aproveitar oportunidades que mantenham e ampliem o processo de desenvolvimento que aquela economia experimenta há várias décadas. O programa de interiorização das ações da FIEPE, através da elaboração das S REGIONAIS, encontrou ressonância no espírito inquieto e inovador das jovens lideranças de Petrolina, as quais vêm o ensejo de combinar o poder transformador da extraordinária dotação de capital social, existente no Município, com a dinâmica das mudanças em marcha na economia estadual, tanto pela implantação de vários investimentos estruturadores, como pela visão modernizadora do governo do Estado, traduzida em um novo e eficiente modelo de gestão pública. Essa combinação é particularmente favorável à potencialização dos efeitos da luta da sociedade pelo desenvolvimento naquele Município. A partir de agora, mantidos o compromisso e o engajamento com os objetivos traçados, o processo de mobilização será a fonte perene das forças que viabilizarão e orientarão as mudanças desejadas. O documento, por outro lado, será o registro permanente a lembrar, não apenas as ações estratégicas a serem efetivadas, mas, sobretudo, a visão convergente e a unidade de propósitos que animaram a comunidade durante os trabalhos de sua elaboração. A tarefa de implementação deverá ser grandemente facilitada, posto que, pela sua história de lutas, de pioneirismo e de realizações, essa brava gente já se instrumentalizou com as forças políticas e sociais necessárias ao alcance dos seus objetivos mais elevados. O conteúdo deste documento, em várias fases de sua construção, foi submetido a exame da sociedade, representada pela diversidade dos atores participantes, já citados anteriormente, discutido com as principais lideranças e ajustado para representar o pensamento e os anseios da população em geral. Mesmo assim, nunca se deve perder de vista o fato de que todo o esforço despendido até agora significa nada mais que o embrionário processo de tudo que há por fazer na longa caminhada para a frente. A sociedade petrolinense, pelo seu passado de conquistas, é consciente da necessidade de uma postura proativa, sem esperar apenas por iniciativas de governos que são entes meramente reativos. 2

3 A CNI e a FIEPE, instituições patrocinadoras deste trabalho, sentem-se, por suas diretorias, gratificadas com os resultados alcançados, os quais representam contribuições concretas e estruturadoras para o futuro de Petrolina. Agradecem as participações de todas as entidades e pessoas envolvidas, destacando em particular a fecunda parceria com a prefeitura nas pessoas dos excelentíssimos senhores Prefeito Júlio Lóssio e Vice-Prefeito Domingos Sávio Guimarães que disponibilizaram toda a assistência à equipe técnica. Por fim, formulam os melhores votos de que, implementando o conteúdo desta, a sociedade local continue alcançando patamares cada vez mais elevados na sua histórica trajetória de progresso. MENSAGEM DO GOVERNO MUNICIPAL Petrolina credita a fortaleza da sua prosperidade a vários fatores, com destaque para saber pensar grande, andar na vanguarda do tempo e aderir aos benefícios úteis da modernidade. Confiamos que nada é mais sábio quanto imprescindível que a formação democrática de uma agenda, para que a nossa administração possa ter a dignidade de trabalhar com legitimidade. Uma agenda como um farol para balizar todas as ações do governo, no sentido de que os acertos superem as falhas. Senador Armando de Queiroz Monteiro Neto Ex Presidente da CNI Deputado Federal Jorge Wicks Côrte Real Presidente da FIEPE Assim, com a crença de que ouvindo o povo se erra menos, num processo de parceria abrangente, consistente e produtiva a zona urbana, a área irrigada, a zona de sequeiro e todos os segmentos que representam a força motriz do município, manifestaram suas nescessidades mais prementes, bem como as formas que podem potencializar soluções. Com um capital humano afeito à condição moral do saber e do trabalho, modernamente amparado pela seriedade e responsabilidade das esferas governamentais, os petrolinenses esperam continuar aproveitando mais e melhor as oportunidades e não permitir que os avanços recuem. A solidez e o espírito de rumo certo que a agenda congrega é um convite divino e humano, para que ninguém se dispense de cumprir a sua parte, para que todos os objetivos e ações acordadas e propostas tornem-se realidade da melhor maneira possível, com a alegria e a qualidade que tanto se parecem com Deus. Vamos guiados pela agenda em frente e à frente, motivados pelo amor de mãe e filhos, trasformar o embrionário de contéudo numa realidade que faça o futuro que começa no presente, se estruturado de forma irresversível para tudo que signifique mudança com qualidade de vida próxima do ideal. A Agenda não é obra do acaso. É mais um gesto de grandeza dos petrolinenses, quando entendem que tudo que passa pela participação coletiva è fadado ao sucesso. Finalizamos sendo gratos a FIEPE, a CNI, a todas as entidades envolvidas, e com uma consideração de orgulho e amizade ao POVO, com quem continuaremos lutando de coração e mãos dadas, pela implementação da agenda na sua totalidade. Prefeito Júlio Lossio. Vice-Prefeito Domingos Sávio 3 4

4 I. O PERFIL ATUAL DA ECONOMIA DO MUNICÍPIO De acordo com os últimos dados dos PIBs municipais de Pernambuco, coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas IBGE, para 2008, o Município de Petrolina se situa em sexto lugar, em ordem de grandeza do seu produto interno Bruto, cerca de R$2,62 bilhões, a preços de 2010, ficando abaixo da Capital, Jaboatão, Ipojuca, Cabo e, basicamente, empatado com Olinda (R$2,63 bilhões). Os setores dinâmicos da economia petrolinense são os serviços, 53% do PIB, seguidos da agropecuária, 28% e da indústria, 11%. Note-se que à exceção de Ipojuca, sede dos investimentos estruturadores que ora se implantam em Pernambuco, a taxa de crescimento anual de Petrolina no período 1999/2008, da ordem de 4,5% ao ano, ultrapassa às dos demais Municípios citados acima, de modo que, a permanecer nessa marcha, em breve deverá subir de posição no ranking dos maiores Municípios do Estado. Petrolina se constitui em pólo de atração para cerca de 60 municípios situados nos Estados do Piauí, Bahia e Pernambuco, com uma população de 2,1 milhões de habitantes e PIB total da ordem de R$ 8,0 bilhões. Enquanto constitui uma expressiva fonte de demanda a estimular a economia do Município pólo, a renda per capita média dessa região de influencia é apenas cerca de metade da renda per capita de Pernambuco e cresceu à taxa anual pouco expressiva de 1,8%, no período 2001/2008, o que, a continuar nesse ritmo, demorará 42 anos para atingir o atual valor da renda per capita do nosso Estado. É importante, no entanto, destacar outras fontes de dinamismo da economia local, a exemplo do boom imobiliário, o que se traduz em lançamentos, contratos e convênios do setor público que ultrapassam a construção de unidades habitacionais, nos mais variados segmentos de classe e renda, alcançando investimentos da ordem de R$ 200 milhões de reais no segmento da construção civil. Por outro lado, Petrolina a cada dia se consolida mais como pólo de formação de recursos humanos, juntando-se, agora, aos fortes segmentos de educação média e de nível técnico, a Universidade do Vale do São Francisco, UNIVASF, cuja presença e atuação em muito contribuirá para a construção de uma área de ciência e tecnologia, impulsionando o desenvolvimento de toda a região. 6

5 II. A VISÃO PROSPECTIVA. Nesse ambiente de dinamismo e de progresso as novas gerações que constituem as lideranças políticas e empresariais de Petrolina se dispõem a comandar o debate para construção do futuro, conscientes de que a trajetória do desenvolvimento requer a concepção de idéias transformadoras as quais precisam ser convertidas em ações através de um processo de mobilização que engaje e empolgue todos os segmentos da população. São muitos os desafios e oportunidades disponíveis ao povo petrolinense. Com relação aos primeiros, destacam-se, entre outros, a tarefa de desenvolver, ainda mais, a vocação para a produção de serviços, sobretudo nas áreas de turismo e saúde, para a ampliação da agricultura irrigada, a qual se constituiu a primeira força a mover a economia local e que ainda tem potencial de contribuir para a elevação da produtividade e da geração de empregos. Nesse caso, novos projetos de irrigação precisam ser implantados, a exemplo do projeto pontal e do canal do Sertão Pernambuco. Colocam-se, ainda, entre os desafios, a modernização da caprinoovinocultura, tanto no que diz respeito ao manejo da atividade, e ao processamento do seus produtos, como no que se relaciona aos equipamentos de operação e aos processos de comercialização. As oportunidades incluem as transformações socioeconômicas em marcha na economia brasileira de modo geral e na economia nordestina em particular, traduzidas na elevação da renda e do emprego, no aparecimento de novas classes sociais que se adicionam como fontes de demanda, além das profundas mudanças que se iniciam na economia pernambucana, das quais se esperam a multiplicação do valor PIB, a modernização das atividades e a introdução de novos padrões tecnológicos. A Agenda Pró Petrolina, consubstanciada neste documento, fundamentada no produto de uma longa jornada de debates, envolvendo os mais diversos segmentos da sociedade local, apresenta diretrizes e prioridades, classificadas, segundo a urgência, em medidas de curto, médio e longo prazos, refletindo as idéias e incorporando o compromisso das lideranças no sentido de construir uma nova economia a partir de uma nova visão prospectiva para o Município. As ações propostas estão divididas em dois grandes blocos, a saber: 1. Ações Estruturadoras, capazes de, no médio e longo prazos, mudarem o perfil da economia e da sociedade do Município. 2. Prioridades Setoriais - Significando o Apoio às Atividades Tradicionais e o Estimulo às Atividades Emergentes Apoio aos Setores Tradicionais Comércio e Serviços Turismo Indústria Fruticultura Irrigada 2.2. Atividades Emergentes Caprino/ovinocultura Apicultura Piscicultura O Polo Médico III. AÇÕES ESTRUTURADORAS III.1. O MEIO AMBIENTE A questão do meio ambiente em Petrolina envolve pelo menos três pontos, entre outros, de elevada sensibilidade, a saber: primeiro, a agricultura irrigada, cuja influencia sobre o meio ambiente se faz sentir, sobretudo pelo uso de agrotóxicos. Essa prática tem o potencial de contaminar mananciais e gerar resíduos de difícil controle quanto aos seus efeitos sobre áreas além daquelas onde se cultiva a fruticultura; em segundo lugar, a Caatinga, cuja inadequação do manejo contribui para a destruição desse frágil ecossistema, prejudicando, ao mesmo tempo, as populações que tiram desse ambiente a sua subsistência; em terceiro lugar, a existência do rio que corta a cidade e para o qual se destina um volume substancial de efluentes de toda ordem ameaçando a vida fluvial. Além disso, nas últimas décadas o município tem sido alvo preferencial de movimentos migratórias, implicando uma taxa de crescimento populacional que representa o dobro daquela observada para o Estado e para a Região, gerando grandes pressões sobre o uso do solo, e sobre a demanda de infra-estrutura, e contribuindo para a geração de mais resíduos. III.1.1. Porque é Importante Preservar o Meio Ambiente Meio Ambiente 1.2 Infraestrutura 1.3 Formação de Recursos Humanos 1.4 Ciência e Tecnologia De modo geral, existe uma conscientização crescente por parte das sociedades, sobretudo das mais organizadas, de que o modelo de crescimento vigente afeta adversamente o nosso planeta numa medida superior ao que desejamos. Essa conscientização deve ser difundida para todas as pessoas em todos os lugares, porque da sustentabilidade ambiental dependem, criticamente, o crescimento econômico e a qualidade de 8

6 vida no futuro. No caso específico de Petrolina, os fatores citados anteriormente contribuem para que as necessidades do Municipio, em termos de meio ambiente, sejam diferenciadas de grande parte da Região Nordeste e mais difíceis de serem enfrentadas A preservação do meio ambiente também conta para a inserção de qualquer sistema produtivo no processo de globalização, na medida em que os mercados estão cada vez mais exigentes sobre as origens limpas dos produtos que consomem. Isto chama atenção, de forma importante, para o fato de que Petrolina é um importante polo de exportação de frutas. III.1.2. Entraves à Preservação do Meio Ambiente Crescimento demográfico acima das médias mundial (1.6%a/a), do Nordeste e Pernambuco ( 1,4 %a/a), enquanto a média local é de aproximadamente (3.4%a/a). Isso tem dificultado aos administradores municipais atender adequadamente com saneamento básico (tratamento de esgoto, gestão de resíduos sólidos, tratamento de água potável, rede de drenagem, arborização), arborização urbana, etc. Ausência de tecnologias aplicadas aos projetos de irrigação, quanto ao uso da água em excesso, que aumenta o nível dos lençóis freáticos e consequentemente salinizando os solos locais e adjacentes dos lotes. Ausência de política social voltada para o homem da zona rural que vive da extração madeira da para diversas finalidades, lenha para produção de carvão vegetal, produção de cerâmica, fornos de padarias e fabricas de doces, impossibilitando medidas de coibição à devastação da caatinga. Uma vez que para proibir este tipo de extração é preciso que se criem outros mecanismos de sobrevivência para eles. Dificuldade para conseguir liberação dos proprietários das áreas de mata ciliar do rio São Francisco para fazer reflorestamento, mesmo havendo a lei que determina uma faixa lindeira de 500 metros a maioria deles desconhece e não aceito a intervenção publica no sentido de reflorestar. Baixo nível de consciência ecológica/ambiental de grande parte da população quanto ao destino do lixo gerado em suas residências, comércios etc. Pois uma parte significativa desses resíduos, ainda é jogada nos terrenos baldios. Consolidação da Agência Municipal de Meio Ambiente AMMA, sincronizando as ações do sistema municipal de meio ambiente e as politicas estadual e federal do setor. Implementação da Agenda 21 Local e a A3P conforme prevê o Plano Diretor em vigência. Deficiência dos órgãos fiscalizadores para o combate a extração irregular de produtos minerais para a construção civil (areia, argila, pedra, madeira etc.). A cidade de Petrolina se encontra ilhada por crateras intermináveis no seu entorno por causa da retirada de areia sem o menor critério ambiental. Contradições entre as leis ambientais do Município, do estado e da União, mais precisamente no que se refere à Área de Preservação Permanente-APP. Aumentar o número de profissionais da Agência Municipal de Meio Ambiente AMMA envolvidos nos processo de licenciamento, fiscalização e educação ambiental. Falta de obrigatoriedade para as escolas apresentarem resultados concretos das ações ambientais promovidas por elas. Uma vez que várias ações são realizadas, porém, poucos resultados palpáveis aparecem de fato. (é falta de ensino / disciplina) Deficiência no sistema de arborização das zonas urbanas do município devido à ausência de viveiros, equipamentos e apoio técnico, para a produção de mudas de plantas nativas da caatinga e exóticas adaptáveis a nossa região nas áreas de: sequeiro, ribeirinhas, irrigadas e sede do município. Uso irracional dos recursos naturais com a ausência de manejo adequado, da vegetação, solos e água, causando poluição, salinização e gerando gradativamente o processo de desertificação. III.1.3. AÇÕES ESSENCIAIS PARA A CONSERVAÇÃO, PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL. Excesso de exigências burocráticas por parte dos órgãos financiadores de projetos ambientais. (DE CURTO PRAZO) 9 Falta de uma relação mais estreita entre os setores da prefeitura que elaboram projetos para as diversas áreas municipais e o órgão gestor de meio ambiente, como orientador. Carência de recursos humanos e financeiros para a implantação das agendas: ambiental na escola e ambiental na administração publica a3p. Ambas previstas no plano diretor. Fazer um diagnóstico para identificar, em termos quantitativos e qualitativos, a situação atual do tratamento de água potável, esgoto, resíduos sólidos e drenagem de águas pluviais para atendimento das comunidades urbanas e rurais. Uma vez identificados e quantificados o que precisa ser feito nessas áreas, devem ser implementadas ações para ampliar esses serviços, com objetivo de melhorar a qualidade ambiental nessas áreas e consequentemente a qualidade de vida das pessoas. 10

7 Destinar recursos municipais, ou alocar junto aos órgãos financiadores de projetos ambientais, com a finalidade de estruturar o Sistema de Gestão Ambiental do Município (Órgão Gestor, Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente COMDEMA, Fundo Municipal de Meio Ambiente e implementação das ações previstas na Agenda 21 Local e Plano Diretor). Capacitar professores, estudantes, lideres comunitários para serem agentes ambientais multiplicadores. Determinar a todos os setores do município que elaboram projetos para qualquer finalidade que solicitem a apreciação do órgão de gestão ambiental para apreciação e recomendações necessárias à adequação aos ditames da Agenda 21 e à Política Ambiental do Município de Petrolina, bem como cumprimento da legislação estadual e federal pertinente. Fazer gestão junto a CODEVASF, EMBRAPA e UNIVASF e demais órgãos estaduais e federais afins, no sentido de buscar tecnologias para a correção dos solos em processo de salinização e desertificação em nosso município, bem como viabilizar sistemas modernos de irrigação para diminuir o consumo desnecessário de água na produção agrícola. Fazer gestão junto aos governos estadual e federal, no sentido de aparelhar os escritórios da CPRH e IBAMA em Petrolina, com a finalidade de prestar uma melhor fiscalização neste setor. Buscar junto a Agência Municipal de Meio Ambiente-AMMA a legalização ambiental das áreas que podem ser destinadas ao extrativismo vegetal das comunidades que sobrevivem dessas atividades. Realizar um maior controle da qualidade das Estações de Tratamento de Esgoto - ETE, minimizando os impactos ambientais. (DE MÉDIO PRAZO) a) os materiais recicláveis coletados devem ser vendidos e revertidos em material de consumo para as escolas municipais. b) deve ser implantado o sistema de reciclagem do óleo de cozinha, onde será feito parceria com associações de moradores e outras entidades para o fabrico de sabão caseiro, cujo resultado será dividido entre a entidade parceira e a unidade municipal que fez a coleta. Fazer gestão junto aos parlamentares da região, no sentido de propor mudanças na legislação estadual e federal, com o objetivo de melhorar o acesso das instituições aos recursos para projetos ambientais, inclusive desburocratizar os formulários apresentados pelos órgãos financiadores para a captação de recursos. Firmar parceria da AMMA, CPRH e IBAMA para fazer um trabalho de conscientização com os ribeirinhos, quanto à obrigação de cada proprietário com a proteção, conservação e preservação do rio São Francisco. Feito isso, elaborar projeto de reflorestamento sustentável, sendo de 50 a 100 metros com plantas nativas e o restante com frutíferas arbóreas para a proteção do rio e geração de renda para o dono de cada área. Firmar parcerias com órgãos ambientais que capacitam produtores rurais e entidades envolvidas com educação ambiental, nos mais diversos níveis, em cursos de coleta seletiva de sementes de árvores nativas da caatinga: como selecionar as árvores (por espécie), a época certa da colheita dos frutos e o devido cuidado com as sementes no momento de produzir as mudas. III.2. INFRAESTRUTURA A situação da infraestrutura no Município, pode ser resumida da seguinte forma: Parcela considerável de obras de saneamento, que envolvem não só a parte urbana, como a parte rural, inclusive Distritos, encontra-se construída. Capacitar funcionários de carreira (administrativos, guardas municipais, agentes de trânsito, agentes de saúde e fiscais de postura), para exercerem a função de agentes educadores, monitoradores e fiscalizadores ambientais, como previsto no Plano Diretor e no Código Municipal de Meio Ambiente. Alocar recursos para a implantação da Agenda Ambiental na Escola em toda a rede municipal. (DE LONGO PRAZO) Na atual gestão municipal foi concluída a pavimentação de 39 ruas, encontrando-se em andamento as obras de pavimentação de 9 outras ruas, prevendo-se, ainda, o início da pavimentação de mais 50 ruas. Existe um Convênio celebrado com o Governo Federal, através do PAC, destacando R$ 12 milhões para projetos de saneamento em Petrolina. Hoje a cidade deve ter, em relação há 5 anos atrás, 80 a 90% do município saneado. Com relação à infraestrutura de estradas, olhando-se as necessidades decorrentes da Capacitar servidores em todas as unidades administrativas para implementação da Agenda movimentação das saídas e entradas, são muito boas as estradas, federais e estaduais, Ambiental na Administração Pública, visando implantar o sistema de coleta seletiva funcional, necessitando-se melhorar estradas de terra. criando possibilidade de geração de renda: 11 12

8 Há necessidade de obras de macrodrenagens. No período de chuvas pesadas a falta ou deficiência de drenagem gera grandes alagamentos, prejudicando atividades produtivas, e até mesmo a locomoção de operários e empregados às empresas onde trabalham. Estão sendo feitos estudos para permitir a elaboração de projeto de instalação de rede de macro drenagem. Inexistência de infraestrutura de abastecimento de água e esgoto tratados nas agrovilas dos perímetros irrigados. Reestruturação do Sistema de Transporte Público de Passageiros com implantação de um sistema integrado. Implantação da 1ª etapa do Veículo Leve sobre Trilho-VLT iniciando nas imediações do SAF na Avenida das Nações e tendo como ponto final o futuro Terminal CEAPE. Aumentar em 25% o Saneamento Básico até o final da atual gestão. Inexistência de padrões urbanísticos de uso e ocupação do solo nas agrovilas. III.2.1. PORQUE É IMPORTANTE A INFRAESTRUTURA Atualmente, infraestrutura é sinônimo de competitividade. Ajuda a baixar os custos de transporte, facilita a circulação das riquezas e viabiliza o alcance de novos mercados. Aumentar o nível de eficiência do sistema de abastecimento d água reduzindo as perdas em 20% nos dois primeiros anos. Premiar empresas pela preservação ambiental: Definir parâmetros a nível urbano e rural, objetivando destacar as empresas que contribuem de forma mais efetiva para a preservação ambiental. O chamado custo Brasil é causado, em grande parte, pela precariedade da infraestrutura. Implementação de obras de saneamento e abastecimento d água em 20 comunidades rurais. No caso de Petrolina, em Particular, destaca-se o fato de ser pólo de atração de 60 municípios, o que põe em relevância as facilidades de suas comunicações terrestres com essas áreas. Implantação de pavimentação nas comunidades Izacolândia, Rajada, Simpatia, Baixa Alegre, Caruá e Uruáis. Por outro lado, as pressões derivadas dos constantes aumentos populacionais, tornam a infraestrutura, em Petrolina, uma questão que tem implicações sobre a saúde da população. III.2.2. Entraves a Uma Melhor Dotação de Infraestrutura Insuficiência de recursos financeiros para obras de pavimentação e saneamento. Dificuldades no processo licitatório para a contratação de obras de infraestrutura, para pavimentação, saneamento e construção de moradias. Inexistência de um cadastro completo de ruas pavimentadas e saneadas. Falta de pavimentação e de saneamento em considerável área do Município. Bairros cujos sistemas de saneamento instalados não estão devidamente interligados à rede principal, vendo-se esgoto nas ruas pela falta inclusive de pavimentação. Deficiência e inexistência, em algumas partes do Município, de obras de macro drenagem. Implantação de 30 quadras esportivas nos bairros e áreas rurais. Implantar um programa para a instalação de uma biblioteca em cada escola municipal. Implantação do Projeto de Urbanização da Orla I e II de Petrolina. Implantar o Projeto da Orla III de Petrolina fazendo a interligação com o anel viário da Avenida da Integração. (DE MÉDIO PRAZO) Implantação da 2ª etapa do Veículo Leve sobre Trilho-VLT iniciando nas imediações do CEAPE tendo continuidade pela Estrada da Banana terminando na futura Estação do Pedra Linda. Implantação da Nova Estação Rodoviária de Passageiros Intermunicipal e Interestadual nas imediações do Pedra Linda. Implantação de uma nova Avenida para fazer binário com a Estrada da Banana no intervalo da Av. Sete de Setembro à 3ª Perimetral (Pedra Linda). III.2.3. Ações Essenciais para melhor dotação de infraestrutura Revitalização da hidrovia do Rio São Francisco. 13 (DE CURTO PRAZO) Implantação de um novo Shopping Center em Petrolina. 14

9 Buscar junto ao Governo Federal recursos para duplicação da Av. Honorato Viana, Av. Cardoso de Sá, Estrada da Banana (trecho que falta) e a 3ª Perimetral (do Posto Asa Branca ao N10). Implantar um Centro Administrativo Municipal. Implementar planos agro-ecológicos e socioeconômicos para o sub-médio São Francisco e para as áreas de caatingas, em parcerias com outros Municípios da região. Melhoria das estradas de terras existentes em alguns Distritos e Áreas Irrigadas. III.3. A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Petrolina é um dos maiores centros de formação de recursos humanos de Pernambuco e do Nordeste. De acordo com dados do IBGE referentes a 2009, o Município registrou 56 mil matriculas no ensino fundamental, 16 mil no ensino médio e 9 mil no ensino pré-escolar. Estimular a economia de energia, usando-a de forma mais eficiente, promovendo programas de conscientização dos consumidores e a busca de processos industriais e equipamentos mais econômicos. (DE LONGO PRAZO) Implantar uma nova ponte sobre o Rio São Francisco para viabilizar uma maior interligação entre Petrolina e Juazeiro, principalmente para atender ao transporte de cargas. Implantar viaduto no cruzamento da Avenida da Integração com Avenida das Nações. Segundo dados do MEC/INEP, em 2009, Petrolina ultrapassou as metas do IDEB tanto no ensino até a 4ª. Série, como no da 5ª. à 8ª. séries, com notas, respectivamente, 4,0 e 3,5. Com relação ao ensino superior, o município de Petrolina conta com 04 unidades, sendo 02 federais (UNIVASF - universidade federal do vale do São Francisco) e (CEFET centro federal de educação tecnológica de Petrolina), 01 estadual (FFPP faculdade de formação de professores de Petrolina) incorporada à UPE Universidade Pernambuco, e 01 unidade municipal (FACAPE faculdade de ciências sociais aplicadas de Pernambuco), mantida pela AEVSF autarquia educacional do vale do São Francisco. O ensino técnico conta com unidades do SENAI, Sesc, Sesi, Senac, Embrapa e Sebrae. Implantar viaduto no cruzamento da Avenida Sete de Setembro com Avenida das Nações/ Estrada da Banana. Implantar um túnel na rotatória do viaduto Barranqueiro para facilitar a ligação com a cidade de Juazeiro-BA. III.3.1. Porque é Importante a Formação de recursos Humanos É fato notório que a qualidade da educação pública no Brasil é muito baixa, sendo ainda pior no interior do Nordeste, o que reclama um esforço permanente e organizado da sociedade em todos os níveis. Revitalizar o sub-médio São Francisco em parcerias com municípios a jusante e a montante de Petrolina. Ramal. Em virtude das características fisiográficas do interior do Nordeste, o conteúdo da formação de recursos humanos deveria contemplar ensinamentos para enfrentamento da realidade local, o que inclui o aprendizado de técnicas de convivência com as secas, desafio importante também para Petrolina, por causa da extensa área de Caatingas existente no Município. Conclusão das obras de saneamento iniciados no Distrito de Nova Descoberta. Início e conclusão das obras de saneamento de mais 2 ou 3 Distritos, até o final da atual gestão municipal. Pavimentação e saneamento das ruas no Município. Complementação das obras necessárias para o fornecimento de água encanada e para o sistema de saneamento de todo o Município. É através de uma formação qualificada dos recursos humanos que se dota a sociedade de indivíduos criativos, abertos à inovação, capazes de exercerem a cidadania e de alcançarem sucesso em vários ramos da atividade produtiva. Finalmente, a formação de recursos humanos é condição necessária à formação do capital social como fator endógeno às comunidades e grupos sociais e como elemento decisivo para o desenvolvimento sustentável em ambientes de manifestas desigualdades socioeconômicas. III.3.2. Entraves à Formação de Recursos Humanos 15 Interligação de todo o sistema de saneamento existente nos Bairros e nos Distritos à rede principal do Município. Herança histórica, traduzida no lento desenvolvimento da educação no país e seus efeitos na região; 16

10 Tradicionais limitações do setor público no que diz respeito à oferta de condições de trabalho, salário e qualificação do corpo docente. O perfil da clientela que inclui alunos carentes do contexto sócio-econômico e familiar adequado ao desenvolvimento intelectual e à valorização do saber como instrumento de desenvolvimento humano. Inexistência e/ou deficiência de funcionamento de laboratórios em algumas escolas. Inexistência de bibliotecas e/ou deficiência de acervo. III.3.3 Ações Essenciais Para a Formação de Recursos Humanos (DE CURTO PRAZO) Oferecer treinamento em empreendedorismo para pessoas de baixa renda, acompanhando-as com ações de microcrédito a partir do Fundo Municipal de Apoio aos Pequenos Negócios. Efetuar a contratação de mais professores. (DE MÉDIO PRAZO) Construir e aparelhar/re-aparelhar refeitórios em todas as escolas, dentro dos padrões do modelo estadual estabelecido. Proporcionar treinamento continuado para atualização, aperfeiçoamento e formação do corpo docente, inclusive a formação acadêmica específica para as matérias que ministram. Criar programas/projetos de qualificação de pessoal técnico e administrativo para o exercício de atividades necessárias ao desenvolvimento do setor de exportação, incluindo a formação em línguas estrangeiras, principalmente o inglês e o espanhol. (DE LONGO PRAZO) Compra, por parte do Estado, de prédios e instalações de escolas prontas, hoje de propriedade do município e cedidas à rede estadual. Implementar a municipalização da Politica Municipal de Emprego e Qualificação de Mão de obra. Implementar um choque de meritocracia na educação, premiando os professores cujas escolas apresentarem maior rendimento na qualidade de formação dos alunos. Promover campanha de conscientização junto aos pais, para que participem mais ativamente do esforço de educação realizado pelas escolas. Impor eficácia no processo de ensino/aprendizagem: operar processo educacional estimulante para os alunos e professores, orientado para resultados, com avaliação permanente em conformidade com os requisitos de qualidade. Fomentar a competição entre as escolas: estabelecer parâmetros, nos níveis básico e médio, para anualmente efetuar comparativo entre as escolas, premiando por mérito aquelas que apresentarem melhores resultados. Utilizar a infra-estrutura local, estadual e nacional no esforço de melhor capacitar os professores, em todos os níveis, com prioridade para o básico e o médio. Aquisição de terrenos para a construção de novas escolas e áreas para práticas esportivas. III.4. CIÊNCIA E TECNOLOGIA Atualmente, com acervo de centros de ensino superior e de pesquisa, a exemplo das Universidades e Institutos de educação, e da Embrapa, o Município de Petrolina apresentase como o mais forte candidato a desenvolver um pólo de ciência e tecnologia voltado para o aproveitamento das potencialidades do Semi Árido. A Embrapa já vem, há muito tempo, desenvolvendo pesquisas para elevar a produtividade da agropecuária, sendo hoje detentora de inestimável conhecimento nessa área com aplicação direta às necessidades regionais. A UNIVASF dispõe de uma lista substancial de trabalhos científicos, principalmente na área de farmácia, mas também em outros campos, com grande potencial de aproveitamento da flora da Caatinga. Existe, ainda, um curso de informática, ligado ao Instituto Federal de Educação, com uma equipe já bem desenvolvida de técnicos envolvidos em trabalhos de pesquisas. O que parece estar faltando é uma maior articulação entre essas e outras instituições de importância científica, localizadas na Região, para compor o embrião de um centro de ciência e tecnologia. Em geral, a missão dos parques tecnológicos é criar um ambiente de alta qualidade para as atividades de pesquisa e desenvolvimento e de trabalho, capaz de atrair empresas de alta tecnologia, introduzir tecnologias avançadas e ser uma base para novas indústrias de base Prover todas as escolas de laboratórios e bibliotecas modernos, re-aparelhando e modernizando os existentes. tecnológica. Parques tecnológicos estimulam e administram o fluxo de conhecimento e 17 18

11 tecnologia entre universidades, instituições de P&D, empresas e mercados; facilitam a criação e crescimento das empresas baseadas em inovação através de processos de incubação e instalação. III Porque é Importante apoiar a Ciência e a Tecnologia A ciência, e a sua aplicação nas descobertas das melhores formas de produzir, o que se denomina de tecnologia, constituem, junto com o capital humano, pilares fundamentais do desenvolvimento, sendo que as distancias entre regiões pobres e regiões ricas se medem em termos das suas diferenças em termos de progresso cientifico e tecnológico. O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) do Brasil, implementa o Programa Nacional de Apoio às Incubadoras e Parques Tecnológicos (PNI), que visa a congregar, articular, aprimorar e divulgar os esforços institucionais e financeiros de suporte a empreendimentos residentes nas incubadoras de empresas e parques tecnológicos, a fim de ampliar e otimizar a maior parte dos recursos que deverão ser canalizados para a geração e consolidação de um crescente número de micro e pequenas empresas inovadoras. Como dito anteriormente, há muitas oportunidades disponíveis para Petrolina e este setor é, sem dúvida, um dos mais importantes, tendo em vista a infraestrutura de ciência e tecnologia existente no Município, ele é sem dúvida o mais instrumentalizado para obter o apoio do MCT e de outras instituições de fomento do país. III.4.2. Entraves ao Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia Dificuldades das instituições de nível superior elevarem o potencial de cooperação na formação de recursos humanos e na realização de pesquisas. Distancia entre Petrolina e os grandes centros urbanos do estado onde se encontram os centros de ciência e tecnologia. III.4.3. Ações Essenciais para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia (DE CURTO PRAZO) Providenciar a transferência da Embrapa Semiárido para a região urbana de Petrolina. Incluir o projeto do parque cientifico/tecnológico de Petrolina no programa nacional de apoio às incubadoras e parques tecnológicos, do MCT. Realizar convênio com as Instituições de ensino e pesquisa para absorção de conhecimentos e trocas de experiências com a administração municipal. Criar o Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia como instrumento de elaboração da política setorial e troca de experiência das mais variadas instituições como UNIVASF, FACAPE, UPE, EMBRAPA, IFET. (DE MÉDIO PRAZO) Implementar uma política de aproximação espacial das principais instituições cientificas e de atividades tecnológicas situadas em Petrolina. Para isso, determinar área específica onde possam se aglomerar essas entidades. Como ação complementar, incentivar a formação de um polo de ciência e tecnologia, à semelhança do polo digital do Recife. Criar um ambiente de comprometimento do setor público, nos três níveis, e das entidades cientificas e tecnológicas, com o estudo e desenvolvimento das potencialidades econômicas locais. Localização da embrapa semiárido na zona rural de Petrolina, distando 45 km da área urbana. Este fato, reduz as possibilidades de interação da Embrapa com UNIVASF, if-sertão pernambucano, SESC SESI, SENAI, FFPP-UPE, FACAPE e UNEB. A dificuldade de acesso também limita o número de estudantes que interagem com a EMBRAPA para estágios, e experimentos destinados à elaboração de monografias, dissertações e teses. A interação entre cientistas e a realização de trabalhos em equipes multidisciplinares é dificultada por esse motivo. Criar um ambiente de incentivo às parcerias com o setor privado para assegurar sustentabilidade econômico financeira. Instituir prêmios em nível regional para incentivar a criação e inovação tecnológica tanto de estudantes e pesquisadores de instituições de ensino como de inventores independentes. Criar incentivos fiscais para empresas de base tecnológica que investem em pesquisa, desenvolvimento e inovação. (DE LONGO PRAZO) 19 A biblioteca da instituição, referencia de acervo científico, é subutilizada. Iniciar esforços para, aproveitando as vocações de liderança e de pioneirismo do povo de 20

12 Petrolina, transformá-la no centro de inovações do interior do Nordeste. Incentivar, nesse contexto, ações de inovação para o desenvolvimento sustentado, sobretudo através da produção de fármacos utilizando insumos regionais. IV. PRIORIDADES SETORIAIS IV.1. COMÉRCIO E SERVIÇOS IV.1.2. Entraves ao Maior Dinamismo do Comércio e dos Serviços Insuficiente mão-de-obra qualificada para serviços técnicos e especializados. Inadequação entre demanda e oferta de cursos técnicos profissionalizantes. Insuficiente qualificação técnica e empresarial dos empreendedores locais. Baixo associativismo empresarial e dificuldade de articulação e organização entre setor público e iniciativa privada. Promover campanhas sistemáticas para que os consumidores comprem na região e valorizem o comércio local. Assegurar uma maior assistência aos comerciantes, a exemplo do que é praticado com os produtores rurais, através da estruturação de um programa de capacitação e desenvolvimento das pequenas e médias empresas locais. O programa deve incluir conteúdos como: elaboração de plano de negócios, avaliação de mercado e identificação de oportunidades, gestão financeira (custos, fluxo de caixa, orçamento...), gestão de recursos humanos, precificação, técnicas de venda e qualidade do atendimento. Realizar levantamento sobre as qualificações demandadas pelas atividades econômicas do município e firmar convênios com instituições de desenvolvimento empresarial e profissional (como o Senac e Sebrae) para a qualificação profissional dos empresários e melhoria da oferta de mão-de-obra especializada e profissionalizante (a exemplo de técnicas de vendas, empacotamento e montagem de vitrines e cursos tecnológicos). Realizar estudo para dimensionamento e caracterização dos empreendimentos comerciais do município e definir uma estratégia de inclusão na cadeia formal de serviços, envolvendo o poder público, entidades associativas locais e o Sebrae. Dificuldade no acesso a crédito para realização de investimentos de estruturação e fomento da atividade comercial tradicional. Apoiar a informatização dos empreendimentos comerciais, através de capacitação profissional e apoio a financiamento de equipamentos de informática. Alta carga tributária, estimulando a informalidade dos empreendimentos, a exemplo do que acontece de modo geral em Pernambuco e no Brasil. Elaborar e divulgar um guia comercial municipal, contendo dados e informações dos empreendimentos petrolinenses. Forte concorrência com a entrada no município de grandes redes de lojas varejistas e atacadistas vindas de fora. Fortalecer e incentivar atividades comerciais e prestação de serviços voltados ao sistema educacional (livrarias, papelarias, transporte escolar, acomodação estudantil, etc.). 21 O dinamismo de Petrolina e da região Nordeste parece ser uma grande oportunidade e, ao mesmo tempo, certo risco ou ameaça (para os comerciantes tradicionais/individuais), já que atrai os investidores de fora para usufruir desse dinamismo. Tendência do consumo fora do município, noutros centros maiores, e a falta de campanhas de sensibilização para o consumo local. Problema tributário em função da diferença de tratamento das fazendas estaduais de Pernambuco e da Bahia. IV.1.3. Ações Essenciais para o Desenvolvimento do Comércio e serviços (DE CURTO PRAZO) Incentivar a participação das empresas locais em compras públicas. Realizar ações de requalificação de avenidas e corredores viários, visando fortalecer o comércio local existente. Realizar ações de melhoria, ordenamento e requalificação das feiras municipais, a exemplo da feira de João de Deus, feira livre no bairro José e Maria, feira Cohab Massangano e feiras livres do jardim Maravilha e da Ceape. (DE MÉDIO E LONGO PRAZOS) Convergir as iniciativas públicas e privadas, cooperadas ou não, em andamento ou previstas, em torno de um programa unificado de desenvolvimento comercial de Petrolina, que deve ser 22

13 acompanhado e gerido por um comitê gestor misto, composto por representantes do poder público e da iniciativa privada. Profissionalizar e tornar eficiente a gestão pública para alinhar-se à dinâmica e à modernidade da atividade privada. Fortalecer Petrolina como polo de serviços educacionais, reforçando sua tradição de iniciativas público-privadas, através de um programa de incentivo a empreendimentos educacionais, que complementem a ação das entidades públicas existentes e assegurem um fluxo ativo de mão-de- -obra altamente qualificada para atender às necessidades presentes e futuras. Investir no associativismo e fortalecer o local, promovendo a implantação de cooperativas e associações, com finalidades específicas de geração e desenvolvimento de negócios, através do compartilhamento de ações referentes à comercialização, marketing e compras. Instalar centros de capacitação e treinamento empresarial e unidades profissionalizantes que atendam às demandas de crescimento do município. Implantar programas de geração de trabalho, emprego e renda, articulando parcerias entre o poder público e entidades privadas. Planejar o crescimento da cidade, controlando com rigor as ações de ocupação do solo. Racionalizar e modernizar as modalidades de transporte público, e o uso do transporte privado, facilitando o acesso das pessoas aos centros de compras. IV.2. TURISMO IV.2.1. Porque é importante apoiar o turismo O turismo é reconhecido como uma das mais importantes atividades econômicas do mundo, tendo movimentado ao longo de 2009, segundo dados da Organização Mundial do Turismo, em que pese a crise econômica global, um fluxo de viajantes internacionais da ordem de 880 milhões de pessoas, responsáveis por um dispêndio direto de 852 bilhões de dólares americanos. O ano de 2010, segundo aquela entidade internacional, já apresenta um crescimento no primeiro quadrimestre, sobre igual período do ano anterior, da ordem de 7% nos fluxos de viajantes internacionais e em que pese os problemas decorrentes da erupção vulcânica que comprometeu o tráfego aéreo no norte da Europa, prenunciando a recuperação do setor nesse período pós crise, que deve chegar a um crescimento entre 3% e 4% no ano em curso. internacionais em seu território, saindo de 5,3 milhões de visitantes em 2000 para 4,8 milhões em 2009, não vem conseguindo manter ao logo desses anos um desempenho que acompanhe o ritmo de crescimento do turismo mundial, em que pese os esforços promocionais e de formatação de produto que vem sendo desenvolvido, tendo registrado uma queda de 10,4% no período, mantendo-se estabilizado nesses dez anos em torno dos cinco milhões de entradas no país. Registre-se que, mesmo com esse fraco desempenho, o país, em função certamente da sua dimensão territorial e diversidade natural e cultural de que é possuidor, ainda se mantém na liderança da América do Sul, seguido pela Argentina que em 2009 recebeu 4,3 milhões de viajantes internacionais. Registre-se, no entanto, que esse país, de dimensões mais reduzidas que o Brasil, evoluiu nos últimos dez anos de 2,9 milhões (2000) para 4,3 milhões (2009) de chegadas internacionais, o que corresponde a um crescimento de 48,2%. Tal fato poderia ser explicado em parte talvez pela proximidade com o mercado brasileiro e os efeitos da valorização do real frente à sua moeda. A valorização da moeda brasileira, tornando seu produto mais caro a nível internacional, pode explicar, junto a outros fatores a serem ainda objetivamente identificados (distância dos grandes mercados turísticos, problemas de imagem, etc.), o fraco desempenho do turismo receptivo nacional nos últimos dez anos. Petrolina é o segundo portão de entrada por via aérea do Estado de Pernambuco, possuindo o Aeroporto Senador Nilo Coelho, com a segunda maior pista de pouso e decolagem do Nordeste metros de extensão apta a receber grandes aviões cargueiros e de passageiros com capacidade de até 110 toneladas e pátio de aeronaves com cinco posições de estacionamento. Seu terminal de cargas, preparado para atender a demanda de exportação de frutas da região, possui dois mil metros quadrados e é dotado de seis câmeras frigoríficas com capacidade de armazenamento de caixas de produtos perecíveis e dois túneis de resfriamento. Possui um terminal de passageiros totalmente climatizado, com equipamentos de segurança e de informação aos viajantes, tendo sido concebido dentro do conceito de Aeroshopping, abrigando dezenove pontos comerciais. Possui um Posto de Informações Turísticas da EMPETUR, que atendeu nos últimos dez meses de 2009 a visitantes que chegaram ao destino. A EMPETUR incluiu o Município na Rota do Vinho Vale do São Francisco em função da importância de sua produção vinícola, internacionalmente reconhecida por possibilitar mais de duas safras de uva ao ano e pelo nível de qualidade que os seus vinhos vêm obtendo ao longo do desenvolvimento da atividade nos últimos anos. Petrolina desempenha, em função de sua posição geográfica, facilidade de acesso e oferta hoteleira e de serviços turísticos que possui, o papel de polo indutor da atividade turística nessa rota, que engloba, em Pernambuco, também os Municípios de Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande, integrando, ainda com o mesmo papel, o roteiro interestadual com os Municípios Baianos de Casa Nova, Sobradinho, Juazeiro (cidade com a qual se conurba) e Curaçá. Petrolina tem os seguintes atributos: 23 O Brasil, que nos últimos dez anos apresenta uma redução nas chegadas de viajantes Em função de sua posição geográfica, facilidade de acesso e fixação do visitante apropria outros 24

14 atrativos da região, enriquecendo os circuitos turísticos a serem explorados a partir de seu território, tais como, entre outros, as vinícolas existentes na região, seja em Pernambuco ou na Bahia e a Barragem de Sobradinho, com sua eclusagem. IV.2.3. Ações Essenciais ao Desenvolvimento do Turismo (DE CURTO PRAZO) Recebe espontaneamente, ainda que não existam registros estatísticos quanto a essa movimentação, importante fluxo de visitantes (estimado, segundo informações colhidas na comunidade em cerca /dia), atraídos para os negócios pela atividade da agricultura irrigada, pelo seu pujante comércio e polo médico, que atendem diariamente a milhares de pessoas residentes nos demais municípios da região, ou para o lazer, em função dos atrativos naturais e culturais que possui. Possui um Centro de Convenções, com capacidade para receber seminários, congressos e feiras, mas cuja utilização vem fugindo à sua destinação original. IV.2.2. Entraves ao Desenvolvimento do Turismo Limitação da exploração da atividade turística, voltada, predominantemente para o turismo de negócios, responsável pela expressiva ocupação da rede hoteleira local e concentração do foco promocional na construção do produto enoturismo, de âmbito regional, de reconhecida potencialidade e importância, porém de mais longa maturação. Ações voltadas para a conscientização sobre a importância do turismo, o desenvolvimento do associativismo e a capacitação de recursos humanos: Desenvolver programas de capacitação objetivando a melhoria da qualidade dos serviços e mão-de-obra nos empreendimentos turísticos, notadamente voltados para garçons, taxistas, recepcionistas e demais trabalhadores dos hotéis, frentistas, guias de turismo, moto-táxis e seguranças. Promover uma maior integração entre os empresários do setor de turismo e entre esses e os demais segmentos econômicos do Município, considerando, principalmente, a característica de transversalidade do turismo cuja operação e benefícios perpassam todas as atividades empresariais e comunitárias dos destinos que o exploram. Estimular a integração das instituições de ensino com o setor empresarial, adequando a formação dos estudantes às necessidades do mercado e estimulado a prática da concessão de estágios pelas empresas para complementação da formação profissional. Ausência de um planejamento estratégico e mercadológico que conceitue o produto Petrolina valorizando seus atrativos locais e considerando suas singularidades próprias, independentemente do relevante papel que desfruta na condição de polo indutor de uma região, obtida em função de seu estágio de desenvolvimento e pela infraestrutura de serviços turísticos que dispõe. Ausência de um sentimento associativo entre os empresários do setor capaz de propor e viabilizar ações que organizem a oferta turística do Município, ampliando o leque de segmentos de mercado que atualmente demandam o destino. Conscientizar a população para a importância da atividade turística, estimulando as boas práticas de cidadania e convivência social, como forma de melhoria da qualidade de vida e consequentemente das experiências proporcionadas aos visitantes, sejam excursionistas (visitantes de um dia) ou turistas (visitantes que pernoitam no município), que buscam o destino para efetivar negócios, inclusive compras no mercado local, realizar tratamento médico ou usufruir das opções de lazer oferecidas, incentivando uma maior permanência ou o retorno em outras oportunidades. Ações voltadas para o Marketing Turístico: Dificuldade de operacionalização das medidas propostas nas oficinas e reuniões promovidas notadamente pela Unidade local do SEBRAE, com o apoio da ASSITUR, que detém inclusive um assento no Conselho Estadual de Turismo, e da Prefeitura local. Desenvolver um plano de marketing para o turismo que pela adequação de seu produto possa ofertá-lo permanentemente nos mercados regional, nacional e internacional, criando uma identidade própria para o Município. 25 Ausência de um sistema de acompanhamento estatístico do desempenho do setor que forneça as informações necessárias à orientação das políticas e ações de fomento do turismo. Baixo nível de divulgação integral dos atrativos turísticos do Município, reduzindo, assim, o leque de segmentos a serem explorados, inclusive no que diz respeito à quase inexistente oferta de informação sobre alternativas de passeios turísticos aos hóspedes da rede hoteleira, mesmo através das próprias agências locais de turismo receptivo. Ampliar o foco na exploração da atividade turística, hoje preponderantemente voltada, na operação, para o turismo de negócios, e na promoção, para o enoturismo, aproveitando as potencialidades locais para os segmentos de ecoturismo (caatinga), turismo náutico e de lazer fluvial, turismo de eventos, turismo pedagógico e científico entre outros. Desenvolver um sistema de acompanhamento estatístico do desempenho do setor no Município, de forma a conhecer a intensidade, composição, origem e sazonalidade dos fluxos de visitantes ao Município, provendo o setor de informações objetivas que orientem as ações de 26

15 desenvolvimento do setor. Manter atualizado o inventário da oferta turística do Município, como forma de ordenar e melhor aproveitar seus atrativos. Inserir nos roteiros turísticos do Município a visitação ao Parque Zoobotânico Flora e Fauna da Caatinga do 72º Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército e à Trilha Ecológica do Embrapa Semiárido. Ações voltadas para melhoria e ampliação da infraestrutura turística: Agilizar os procedimentos do Projeto da Ilha do Vinho, de responsabilidade da Prefeitura, para que seja implantado o mais rápido possível na Ilha do Massangano. Dar continuidade ao projeto do Mercado do Turista. Realizar as obras do parque fluvial localizado na Orla I, para que as atividades das barquinhas possam proporcionar um apoio com mais estrutura para os turistas. Atuar junto ao Governo Estadual no sentido da concretização dos quatro projetos indicados para inclusão no PRODETUR Nacional, em fase de negociação, e a seguir relacionados: Reforma geral, com a construção de um auditório para pessoas, do Centro de Convenções Senador Nilo Coelho de Petrolina. Conceituar a identidade cultural de Petrolina, através da realização de ampla pesquisa sociológica, inserindo a Universidade nesse processo. Regulamentar o funcionamento do Conselho e do Fundo de Cultura, fortalecendo a preservação e desenvolvimento da cultura local através da ampla participação de seus representantes na formulação das políticas públicas e definição das ações a serem adotadas. Realizar o inventário cultural do Município, disponibilizando-o através da internet. Realizar programas de capacitação e aperfeiçoamento na área cultural. Criar incentivos para o desenvolvimento de projetos independentes no setor. Inserir a cultura local na matriz curricular das IES dentro do Município. Sensibilizar a população dos valores da cultura local e de suas manifestações, disseminando-a na comunidade através de projetos continuados. Requalificar o espaço físico de equipamentos urbanos para atividades culturais e esportes. Instalar um Centro Cultural no prédio da antiga Estação Ferroviária. Criar um Centro Cultural para o Samba de Véio na Ilha do Massangano, fortalecendo a iniciativa do Ponto de Cultura do Samba de Véio. Revitalização com urbanização da orla fluvial da cidade. Implantação da Rota Turística da Tapera, que acompanha parte da orla fluvial, com a construção de cinco terminais de apoio ao turista. Tematização da cidade de Petrolina, utilizando frutas e vinhos como motivos. Ações voltadas para o fortalecimento da cultura e sua maior integração ao turismo: Promover uma maior integração do setor cultural com a promoção turística do Município, considerando sua importância para o desenvolvimento do turismo, que explora fundamentalmente a diversidade natural e cultural dos destinos. Construção de um Centro Cultural Municipal onde estaria incluso um Teatro Municipal, salas para exposições, ensaios, oficinas, exibição de audiovisual, dentre outros. Fortalecer a presença das atividades culturais no calendário turístico do Município, em função da importância de cada um e da possibilidade de atração de fluxos de visitantes para o destino. Elaborar um Plano Municipal de Cultura. Ações voltadas para o fortalecimento do esporte e sua maior integração ao turismo: Promover uma maior integração das atividades esportivas municipais com a promoção turística, como fator de atração de visitantes para o destino, para tanto fortalecendo o setor a partir da realização de um planejamento que tenha como ponto de partida as conclusões da Oficina realizada pelo SEBRAE para colher sugestões a serem inseridas nesse documento e que se encontram a seguir elencadas, na forma apresentada em seu relatório final: Para tanto se torna necessário fortalecer a cultura local, adotando-se, entre outras, através da realização de um planejamento integrado, as seguintes providências sugeridas em dimensões de tempo diversas de acordo com a especificidade de cada uma. Eixo 1 - Gestão Esportiva e Eventos 27 28

16 Ações propostas: Ações propostas: Planejar e captar recursos públicos e privados para o esporte. Criar associação dos profissionais em atividade física do município de Petrolina. Elaborar e executar Lei de Incentivo ao Esporte Municipal, que garanta recursos à Secretaria de Esportes, Clubes Amadores e Profissionais, Ligas esportivas e Esporte Escolar. Elaborar Calendário Esportivo Municipal, em consonância com Instituições públicas e privadas que desenvolvam Eventos Esportivos. Criar entidade para promover e desenvolver o esporte amador (associação ou liga desportiva). Promover curso de atualização profissional. Promover e realizar Cursos de Formação de árbitros nas modalidades Coletivas e Individuais. Desenvolver eventos esportivos nas suas diversas formas de manifestação, que possam atender a jovens e adultos. Elaborar e executar em parceria com a Secretaria de Educação Programa de Formação Continuada para os Profissionais de educação física do Município. Elaborar e desenvolver projetos esportivos que valorizem o Rio São Francisco. Criar um Organograma na Secretaria de Esportes que atenda à diversidade Esportiva Cultural de Petrolina e sua dimensão Geográfica. Elaborar projeto de parceria com as universidades públicas e particulares para desenvolver cursos de especialização e mestrado na área de Saúde Esportiva. Implantar e garantir a Educação Física em todo ensino fundamental e médio do Município. Oferecer Cursos de Capacitação em Gestão Esportiva. Implementar na Biblioteca Municipal um acervo Literário que atenda aos profissionais de Atividades Físicas. Promover o intercambio entre profissionais de atividades físicas, através da realização de seminários e congressos. Eixo 3 - Rio 2016 Petrolina e as Olimpíadas Trabalhar junto às Associações dos Bairros a reativação das ligas e a criação de novas onde ainda não tenha. Promover fórum de debate nas modalidades esportivas populares. Elaborar e apresentar projeto de reforma e ampliação de 15 quadras poliesportivas na Sede e Interior do Município. Elaborar e apresentar projeto de reforma e ampliação do Ginásio Municipal Osvaldo de Carvalho. Ações propostas: Construção de Vila Olímpica em Petrolina. Incentivo financeiro para os profissionais de atividade física que trabalhem e revelem atletas com potencial olímpico. Criar a Bolsa Atleta Municipal, para incentivar a descoberta de novos talentos. Promover a integração das comunidades através do esporte. Elaborar e apresentar projeto de construção de 5 novas Arenas Esportivas na Sede e Interior do Município. Implantar e desenvolver projetos de escolinhas de modalidades esportivas diversas nas comunidades da sede e do Interior. 29 Sediar a fase final dos Jogos Comunitários do Interior de Pernambuco, JOCIPE Reformar e Ampliar o Estádio Municipal Paulo de Souza Coelho. Eixo 2 Formação e Valorização do Profissional de Educação Física Criar e estruturar clube de esportes amadores, que represente Petrolina em competições regionais, estaduais e nacionais. Criar um programa para descoberta de atletas olímpicos: Garimpando Talentos. 30

17 (De Médio Prazo) Ações voltadas para o Marketing Turístico: Definir um calendário turístico anual, integrado pelos eventos de maior capacidade de atração de fluxos de visitantes, organizando-os e promovendo-os adequadamente junto aos mercados regional, nacional e internacional (quando for o caso). Promover uma maior integração do Município com o vizinho Juazeiro, em função da conurbação de suas sedes, e com aqueles destinos cuja oferta complementa a de Petrolina, fortalecendo sua presença turística como polo da região. Transformar o Festival de Vinhos do Vale do São Francisco num grande evento de Petrolina. Criar um Convention Bureau que possa desenvolver ações de captação de eventos para a cidade, aproveitando a capacidade instalada para sediá-los e a futura revitalização do Centro de Convenções. Ações voltadas para melhoria e ampliação da infraestrutura turística. Instalar e/ou revitalizar os Postos de Informação Turística em pontos estratégicos de visitação da cidade, dotando-os de material informativo sobre os atrativos locais, inclusive utilizando a rede hoteleira nessa divulgação informativa. Colocar em prática os projetos das Feiras Livres dos bairros de Ouro Preto, São Gonçalo e do João de Deus. Elaborar um planejamento de restauração detalhado, a partir da situação atual, dos atrativos turísticos de Petrolina. Criar o Terminal Hidroviário na Orla I. Ações voltadas para melhoria e ampliação da infraestrutura urbana. Viabilizar o projeto de Requalificação Urbana do Complexo Gastronômico do Bodódromo. Melhorar a infraestrutura urbana da cidade (saneamento básico, abastecimento d água, iluminação, limpeza pública, conservação de praças e jardins, segurança, etc.), inclusive disciplinando o mercado informal. Ações voltadas para captação e apoio a investimentos na área do turismo: Regulamentar o FUNDETUR Fundo Municipal de Desenvolvimento do Turismo. Estimular a instalação de empresas vinícolas para produção de vinhos de qualidade no território do Município. Estimular a implantação de novas unidades hoteleiras voltadas para o atendimento aos segmentos tradicionais de turistas que visitam o Município e para outros segmentos de potencialidade reconhecida, como o de lazer fluvial, aproveitando suas praias e ilhas. Estimular investimentos voltados para a exploração de passeios fluviais no Rio São Francisco. (DE LONGO PRAZO) Ações voltadas para melhoria e ampliação da infraestrutura turística: Implantação do Memorial da Caatinga, aproveitando a importância desse bioma, único no mundo e só existente na região, e os equipamentos já existentes no Parque Zôobotânico Flora e Fauna da Caatinga do 72º Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército e na Trilha Ecológica construída pela Embrapa Semi-árido em uma reserva ecológica de 11 hectares preservada pela instituição. Aproveitamento do potencial ecológico do Serrote do Urubu, como destino turístico de pesquisa e lazer. Ações voltadas para a conscientização sobre a importância do turismo, o desenvolvimento do associativismo e a capacitação de recursos humanos. Obter junto ao SENAC a instalação de um restaurante e/ou hotel escola no Município, dentro de uma política de promoção e qualificação da gastronomia local e de irradiação regional de benefícios. IV.3. INDÚSTRIA IV.3.1. Porque é Importante Apoiar a Indústria A Indústria formal de Petrolina é representada por 426 estabelecimentos (2008), empregando 14,1% da mão-de-obra local. Responde por 12% do PIB municipal e teve uma queda de 34%, entre 2004 e 2007, em relação ao valor adicionado do setor. Segundo o Cadastro Industrial elaborado pela FIEPE, a indústria de alimentos 31 32

18 e bebidas corresponde a aproximadamente 32,3% da indústria de Petrolina, seguida pela construção civil (13,2%), têxtil (11,4%), fabricação de madeiras e móveis em geral (8,2%), metal mecânica (5,9%), couro e calçados (0,9%), gema e jóias (0,5%). A participação da indústria na cadeia da agricultura irrigada é incipiente e apresenta deficiências relacionadas à industrialização e beneficiamento da produção agrícola do Município, que acaba por se tornar um fator limitante ao crescimento econômico da região. Especificamente em relação à Construção Civil, observa-se uma forte expansão do segmento, a exemplo do que ocorre com o Estado e o País (em que foram registradas taxas de crescimento do emprego formal acima de 9% entre janeiro e maio/2010, segundo dados do MTE/SINDUSCON- PE). IV.3.2. Entraves ao Desenvolvimento da Indústria Iniciativas ainda incipientes de articulação e organização para produção e comercialização de produtos agrícolas, dificultando especialmente o desenvolvimento do negócio de pequenos produtores. Falta de crédito para realização de investimentos de estruturação e fomento da atividade industrial existente. Ambiente de baixa atratividade para instalação de novas indústrias. Carência de formação profissional da mão-de-obra. Insuficiente qualificação técnica e empresarial dos empreendedores locais. Investimentos públicos estruturadores fora do território de Petrolina, a exemplo da Ferrovia Transnordestina, Transposição do Rio São Francisco, Fábrica de Dormentes, Polos de Informática, dentre outros. IV.3.3. Ações Essenciais para o Desenvolvimento da Indústria (DE CURTO PRAZO) Criar estímulos para a instalação de agroindústrias voltadas ao beneficiamento da produção agrícola. Elaborar projeto de atração de novas indústrias para o Município, com potencial para agregar à cadeia da fruticultura irrigada, a exemplo de uma indústria de sucos. Realizar estudo para dimensionamento e caracterização dos empreendimentos industriais informais do município e definir uma estratégia de inclusão na cadeia formal de produção, envolvendo o poder público, entidades associativas locais e o SEBRAE. Realizar levantamento sobre as qualificações demandadas pelas indústrias do Município e firmar convênios com instituições de desenvolvimento empresarial e profissional (como o SENAI e SEBRAE) para a qualificação profissional dos empresários e melhoria da oferta de mão- -de-obra especializada (a exemplo de mecânica de motos, construção civil, eletricista, pedreiro, encanador). Viabilizar a inserção do Município no projeto da Transnordestina e do Canal do Sertão, de modo a viabilizar o transporte multimodal através de Petrolina. Viabilizar, junto ao governo do Estado, uma tarifa de energia elétrica mais baixa, como instrumento para a atração de investimentos industriais. Isto se justifica, em virtude do grande diferencial de custo de transmissão de energia elétrica para o Município em virtude de sua proximidade das fontes de geração. (DE MÉDIO/LONGO PRAZO) Convergir as iniciativas públicas e privadas, cooperadas ou não, em andamento ou previstas, em torno de um Programa Unificado de Desenvolvimento Industrial de Petrolina, que deve ser acompanhado e gerido por um Comitê Gestor misto, composto por representantes do poder público e da iniciativa privada. Realizar estudo de viabilidade para diversificação da base industrial do município, identificando especialmente atividades com potencial de agregar valor à dinâmica da indústria petrolinense. Promover a implantação de cooperativas e associações, com finalidades específicas de geração e desenvolvimento de negócios, através do compartilhamento de ações referentes à produção, comercialização e compras. Realizar um estudo para dimensionamento e implantação de um distrito industrial do Município. Instalar centros de capacitação e treinamento empresarial e unidades profissionalizantes que atendam às demandas das indústrias do Município. Implantar uma instituição incubadora de micro e pequenas indústrias, em parceria com o Governo do Estado, para apoiar técnica e financeiramente o início de desenvolvimento de novos negócios

19 IV.4 FRUTICULTURA IRRIGADA IV.4.1. Porque é Importante Apoiar a Fruticultura Irrigada A fruticultura irrigada, sobretudo no que se refere às culturas da manga e da uva, é a principal fonte de geração de emprego e renda de Petrolina. Condições de clima predominantes em Petrolina possibilitam o planejamento das colheitas de uva e manga para que a produção seja comercializada na Europa e nos Estados Unidos nas chamadas janelas, que são períodos em que países concorrentes não produzem ou produzem em escala relativamente pequena. Temperatura média anual (entre 23 e 34 Celsius) de Petrolina, número de dias de sol por ano (da ordem de 300) e número de horas de sol por ano (3.000 mil) favorecem o desenvolvimento das culturas e a qualidade das colheitas, que podem ocorrer durante todos os meses do ano. Disponibilidade de solos e água de boa qualidade. Ciclo produtivo das culturas mais precoce do que o dos concorrentes dos estados do Sul e do Sudeste brasileiros e de outros países. Maior proximidade média dos principais mercados europeus e americano, se comparada à dos estados do Sul e do Sudeste do Brasil. Disponibilidade de mão-de-obra. Presença de instituições de apoio técnico, de instituições de ensino, pesquisa e extensão e de centros de desenvolvimento tecnológico, como Univasf, UPE, Ifes, Codevasf, Embrapa, IPA e Sebrae. Existência de entidades de classes dos produtores, como a Valexport, mais direcionada para a fruticultura e a Ascoper, dos criadores de caprinos e ovinos. Capacidade instalada de infraestrutura de irrigação. Presença de grande número de empresas exportadoras de frutas (54 no ano de 2009). Potencial para atender à demanda por alimentos saudáveis, de baixo teor de gorduras e colesterol e de alta concentração de vitaminas e sais minerais. Potencial para diversificação da produção de frutas em larga escala. IV.4.2. Ações Essenciais para o desenvolvimento da fruticultura Irrigada. (De curto prazo) Revisão dos instrumentos que regulamentam a renegociação de dívidas de produtores do Vale do São Francisco quanto aos encargos financeiros, prazos de pagamento e que concedam novos financiamentos àqueles que renegociarem seus passivos. Realização de cursos destinados à capacitação em gestão para os produtores, principalmente, os de pequeno porte. Elaboração e execução de um programa de validação de tecnologia em meio real, sob responsabilidade da Embrapa, com o objetivo de levar às propriedades as inovações resultantes de trabalhos experimentais. Concepção e execução de um programa de conservação e manutenção de estradas rurais, sob responsabilidade da Prefeitura Municipal de Petrolina e do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, conforme a estrada seja de responsabilidade municipal ou estadual. Intensificação dos programas de pesquisa da Embrapa sobre diversificação da fruticultura irrigada. Intensificação de programas de pesquisa da Embrapa com vistas à obtenção de variedades de uva e manga mais tolerantes a chuvas e com maior tempo de conservação em prateleira. Realização de campanha, em nível nacional, para aumento do consumo de vinho, com marketing que destaque o Vale do São Francisco como região produtora, sob responsabilidade da Valexport, Sebrae-PE e Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco. Revisão dos instrumentos que regulamentam as tarifas de energia elétrica e de água para uso em irrigação, de modo a adequar os preços à realidade dos empreendimentos. Revisão dos tributos incidentes sobre o frete rodoviário, de modo a serem estabelecidas tarifas que não comprometam a competitividade da comercialização de frutas, com negociações envolvendo a Valexport, a Secretaria do Tesouro Nacional e a Secretaria da Fazenda de Pernambuco. Inclusão da fruticultura do Vale do São Francisco no Fundo de Aval do governo federal. Organizar seminário, com a participação de todos os agentes da cadeia produtiva da fruticultura irrigada, para debater questões relativas a: tecnologia da produção, financiamento, assistência técnica a pequenos agricultores e comercialização da produção

20 (De médio prazo) Metropolitana do Recife, conforme constatou pesquisa de mercado realizada pelo Sebrae-PE. Criação de linhas de crédito especificas para irrigação, com juros diferenciados e com prazos de carência e de amortização adequados ao ciclo das culturas e à capacidade de pagamento dos empreendimentos. Quanto à infraestrutura viária, Petrolina conta com estradas federais e estaduais que interligam o município aos principais centros consumidores da região: regiões metropolitanas do Recife, de Salvador e de Fortaleza. Realização de campanhas destinadas ao aumento do consumo nacional de frutas produzidas no Vale do São Francisco. Crescente procura e aceitação dos produtos originados da caprino-ovinocultura (carne, leite e pele). Revisão da Medida Provisória nº 470, com a transferência de todos os contratos em carteira para a alçada do FNE, de modo a permitir a renegociação de dívidas com prazos de amortização mais longos bem como com a abertura de novos créditos para aqueles que negociarem seus passivos. Mobilização dos produtores, por meio da Valexport e do Sebrae-PE, com vistas à criação de um sistema de padronização do produto para o mercado interno, tendo em conta que historicamente esse mercado é abastecido com frutas cujas características não atendem a determinados requisitos de qualidade. Fortalecimento das equipes da Embrapa Semiárido nas áreas de fruticultura e vitivinicultura, V ATIVIDADES EMERGENTES Aptidão da região semiárida, da qual Petrolina faz parte, para a criação de caprinos e ovinos. A carne de caprinos e ovinos pode ser obtida em menor tempo do que a de bovinos e a custos mais competitivos. A pele de caprinos é muito demandada para múltiplos fins. A existência de uma associação de criadores em Petrolina, a Ascoper que, embora careça de apoio para melhor desempenho, constitui um ponto forte. Há potencial para crescimento do mercado da genética, por meio do qual são comercializados os animais de melhor padrão zootécnico. V.1. CAPRINO-OVINOCULTURA V.1.1. Porque é Importante Apoiar a caprino-ovinocultura Principal atividade pecuária de Petrolina. Petrolina, em conjunto com o município vizinho, Dormentes, compõe o maior rebanho caprino de Pernambuco. Genética dos caprinos de bom nível, o que leva a ter animais de boa performance zootécnica. V.1.2. Principais Obstáculos ao Desenvolvimento da Caprino-Ovinocultura no Município de Petrolina e Região. Inexistência de matadouro para médios e pequenos animais, com equipamentos para processamento da carcaça que permitam a obtenção de cortes especiais e de preparo desses cortes para a frigorificação, transporte e comercialização. Limitação à comercialização de animais e de carnes de caprinos e ovinos além dos limites do município de Petrolina, em função de falta de atendimento às normas sanitárias que regem o assunto. Abate mensal, no matadouro municipal, de cerca de (cinco mil) caprinos e ovinos o abate clandestino supostamente é muito maior. Quantidade elevada de abates clandestinos de caprinos e ovinos, o que compromete a qualidade da carne, deprime os preços e gera uma competição desleal. Há potencial de crescimento da caprino-ovinocultura de Petrolina por meio de aumento da produtividade, da melhoria da alimentação, da melhoria do uso de técnicas de reprodução, da melhoria de práticas de defesa sanitária do rebanho e de instalações, da melhoria da assistência técnica pública aos pequenos criadores e da melhoria da gestão dos empreendimentos. Baixa produtividade prática de sistemas de produção pouco intensivos em tecnologia. Linhas de financiamento para aquisição de matrizes e reprodutores com tetos, prazos de carência e amortização inadequados. 37 Demanda insatisfeita de carnes de caprinos e ovinos em grandes centros, como a Região Falta de melhor organização dos produtores, sobretudo dos pequenos e médios, o que 38

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX PROGRAMA: 0910 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5850 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5851 ADEQUAÇÃO DE TRECHOS RODOVIÁRIOS NA REGIÃO SUDESTE 5868 ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE CAPACIDADE DE RODOVIAS PROGRAMA:

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

CADERNO DE PROPOSTAS PARA PLANO DE GOVERNO

CADERNO DE PROPOSTAS PARA PLANO DE GOVERNO ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012 PREFEITO JORGE LANGE VICE-PREFEITA MARLISE DA CRUZ CADERNO DE PROPOSTAS PARA PLANO DE GOVERNO CASCAVEL 2012 COLIGAÇÃO PSD PV PSB PSC - DEM ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012 PREFEITO JORGE

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Programa de Governo. Chiara Prefeita. Bauru 2013-2016. Vice Gilson. Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB

Programa de Governo. Chiara Prefeita. Bauru 2013-2016. Vice Gilson. Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB Programa de Governo Bauru 2013-2016 Chiara Prefeita Vice Gilson Coligação BAURU MERECE MUITO MAIS DEM-PSDB APRESENTAÇÃO As eleições de 2012 vão definir o dia a dia de cada um dos eleitores bauruenses pelos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 Tecnologias Agrícolas: Água e Produção de Alimentos na Agricultura Familiar. De 22 a 25 de agosto de 2011 Local: Embrapa Transferência de Tecnologia BR 122 Km 50 (BR 428 Km 148)

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL (PROPOSTA DE AGENDA MÍNIMA PACTUADA ENTRE MEC/SETEC CONCEFET - CONDAF CONDETUF SINASEFE) Contexto As

Leia mais

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro

Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro Pira 21 Piracicaba Realizando o Futuro AGENDA 21 DE PIRACICABA E SUA RELAÇÃO COM O PLANO DIRETOR Revisão dos Planos Diretores - 09/10/2013 Pauta: Apresentação da Oscip Pira 21 O que é a OSCIP Pira 21?

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Grupo 1. Oportunidades

Grupo 1. Oportunidades Grupo Todos nós, de forma direta ou indireta, possuímos relação com atividades, fornecendo produtos e/ou serviços a elas Aumento da carteira de clientes; Possibilidade de oferecer novos serviços/produtos

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas Página: 1 0000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 101 Restituição de Recursos 4.000,00 5.000,00 6.000,00 201 Contribuição PASEP 290.000,00 300.000,00 310.000,00 301 Sentenças Judiciais e Precatórios 6.000,00 8.000,00

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES 1 Quais são as possíveis estratégias pedagógicas que podem proporcionar uma formação emancipatória? Apontar

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 9º Encontro - 16/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS O fator globalização

Leia mais

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se nas dependências do Complexo Poli Esportivo Gothard Kaesemodel Junior Ferraz de Vasconcelos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Pública Região Sudeste Oficinas 274 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Natividade. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar:

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar: Professor: Muitas razões para votar em Scolforo e Édila O QUE FOI FEITO! Quando um membro de sua comunidade seja professor (a), técnico (a) administrativo ou estudante - apresentar uma crítica sobre algo

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Pública Região Nordeste Oficinas 334 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Pedro Afonso. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL II - OBJETIVO ESSENCIAL - MICROCRÉDITO COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL III - FUNDAMENTOS, NORMATIZAÇÃO E OPERACIONALIDADE DO PROGRAMA MUNICIPAL

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ELABORAÇÃO LDO 2016 AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO

AUDIÊNCIA PÚBLICA ELABORAÇÃO LDO 2016 AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO Visando fazer gestão pública em sintonia com a sociedade, de modo democrático, a Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho, através da Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente, submete

Leia mais

Sul da Bahia. Inspiração, atuação e compromisso

Sul da Bahia. Inspiração, atuação e compromisso Sul da Bahia Inspiração, atuação e compromisso 2 3 O Arapyaú no sul da Bahia O sul da Bahia é um território de grande significado histórico para o Brasil, além de abrigar uma das áreas mais ricas em biodiversidade

Leia mais

Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu

Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu Economia Objetivos - elevar o patamar de mobilização popular, não apenas para denunciar as mazelas da política econômica nacional,

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PREFEITURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ Conselho Municipal do Plano Diretor Lei Complementar nº 154, de 27 de setembro de 2011

PREFEITURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ Conselho Municipal do Plano Diretor Lei Complementar nº 154, de 27 de setembro de 2011 RESOLUÇAO CMPD N.º 51/2012 Dispõe sobre a aprovação do Plano Setorial de Turismo O, usando as atribuições que lhe confere o artigo 143 da Lei Complementar n.º 154/2011, em consonância com o aprovado na

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Inclusão Socioeconômica

Inclusão Socioeconômica PPA 2004-2007 Bahia que Faz SECRETARIAS ENVOLVIDAS OBJETIVO RECURSOS SEAGRI, SEC, SEFAZ, SICM, SEPLAN, SETRAS, SCT, SEINFRA, SECOMP, EGERAIS Desenvolver políticas de incentivo à inserção econômica das

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Cidades e Biodiversidade

Cidades e Biodiversidade Cidades e Biodiversidade Curitiba, 26 a 28 de março Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é uma das maiores cidade do Brasil. BH Fica a 585 Km de

Leia mais