Jaboatão anuncia novos investimentos na educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jaboatão anuncia novos investimentos na educação"

Transcrição

1 Diário Ano XXIV - N 46 Márcio Santana O Prefeitura do JABOATÃO DOS GUARARAPES PODER EXECUTIVO Oficial Jaboatão dos Guararapes, Quarta-feira 12 de Março de 2014 Jaboatão anuncia novos investimentos na educação prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes, anunciou, na tarde desta terça-feira (11/03), na sede do Governo Municipal, em Prazeres, uma nova etapa de investimentos na área de Educação. Este ano, serão aplicadas, apenas na área educacional do município um total de R$ 92 milhões, equivalente à construção de novas unidades de ensino, distribuição de fardamento e mobiliaria escolar, construção de quadras esportivas, reforma e ampliação de escolas, capacitação de professores, dentre outros itens. Jaboatão é o município que mais avançou, reconhecidamente, na área de educação em toda Região Até o final do ano, serão construídas 18 novas escolas na Cidade Metropolitana, considerando o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Só no primeiro semestre deste ano, entregaremos a população quatro novas escolas. Até o final de 2014, serão 18. Além disso, estamos identificando novos terrenos e áreas para que de forma célere, possamos substituir as escolas e prédios alugados por próprios. Portanto, poucas cidades do Brasil estão investindo tanto na educação quanto estamos em Jaboatão, destacou o prefeito Elias Gomes. Nesses quase cinco anos de gestão, investimos mais de R$ 40 milhões na área educacional. Quando assumimos a Prefeitura, pegamos 109 escolas, hoje temos 128. Tínhamos 75 escolas alugadas, hoje são 54. A meta é chegarmos em 2016 com a construção de 50 novas escolas, ressaltou o secretário executivo de Educação de Jaboatão, Francisco Amorim. Reunião debate requalificação do Monte dos Guararapes O projeto está em processo de captação de recursos e de investidores Tiago Brito Valter Andrade As belezas naturais de Jaboatão dos Guararapes não se resumem apenas nas praias. O Monte dos Guararapes também é outro atrativo turístico que impressiona com seus encantos, local onde foram travadas duas importantes batalhas, que culminaram na expulsão dos holandeses e na criação do Exército Brasileiro. Essa área faz parte do Parque Histórico Nacional dos Guararapes (PHNG) desde 1977, por meio do Decreto nº Com a perspectiva de explorar as potencialidades dessa região, promovendo o desenvolvimento socioeconômico dos moradores, bem como estimular o turismo, o Governo Municipal promoveu nesta terça-feira (11/03), uma reunião com empresários e representantes de instituições envolvidas com o PHNG, a respeito da elaboração de um projeto de requalificação para a localidade. O encontro aconteceu no auditório do Hotel Barramares, em Piedade. Em processo de captação de recursos e de investidores, o projeto, intitulado inicialmente de Esforço Plataforma Montes Guararapes, foi elaborado pelo Instituto de Assessoria para o Desenvolvimento Humano (IADH). De acordo com a coordenadora do órgão, Tânia Zapata, o momento foi para que os participantes tivessem o primeiro contato com o projeto, para que sejam parceiros. Segundo ela, o projeto contará com um conjunto de ações nas áreas de cidadania, turismo, educação ambientação e comunicação comunitária. O mais importante não é apenas recuperar o parque e, sim, trazer de volta a auto-estima das pessoas, para que tenham o desejo de pertencimento. Com isso, eles irão valorizar o bairro e contribuir para o seu crescimento. Uma parceria que vai, principalmente, trabalhar o social, completou. O secretario Executivo de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Luiz Carlos Mattos, ressaltou o Monte dos Guararapes como um potencial atrativo a ser explorado ainda mais e um espaço de grande valor para a história do Brasil. A proposta é ampliar a interação com a comunidade e fazer com que eles sejam os protagonistas desse projeto, que tem como foco a inserção social, disse Luis Carlos.

2 2 ATOS DO DIA 27 DE FEVEREIRO DE GABINETE DO PREFEITO O Prefeito do Município de Jaboatão dos Guararapes, no uso de suas atribuições, conferidas pela Lei Complementar, e de acordo com a estrutura administrativa definida na Lei Complementar nº 015 de 14 de maio de 2013 e a Lei Complementar n.º 016 de 22 de novembro de RESOLVE: Ato n.º3385/2014 Exonerar Maria Cristina da Silva, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Gerente de Administração de Pessoas, símbolo CDG-3, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3386/2014 Exonerar Gleide de Fátima Gonçalves Guerra, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Gerente de Capacitação e Avaliação de Desempenho, símbolo CDG-3, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3387/2014 Exonerar Mônica Regina da Silva Ribeiro, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Coordenador de Cadastro e Movimentação de Pessoas, símbolo CDG-4A, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3388/2014 Exonerar Anita dos Santos Silva, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Coordenador de Remuneração e Encargos de Pessoas, símbolo CDG-4A, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3389/2014 Exonerar Ricardo Pereira de Lima, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 1 de Processos da Folha de Pagamento, símbolo CDG-4B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3390/2014 Exonerar Lidia Ariane de Souza, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Cursos e Eventos, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3391/2014 Exonerar Sandra Lúcia de Freitas, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Encargos de Pessoal, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3392/2014 Exonerar Alda Maria de Almeida, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Processamento da FOPAG, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3393/2014 Exonerar Maria do Rosário Gouveia de Carvalho, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Cadastro Funcional, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3394/2014 Exonerar Eduardo Rodrigues de Melo, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3395/2014 Exonerar Elizabeth Pontes de Gusmão Sá Medeiros, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3396/2014 Exonerar Patrícia Torres Bezerra, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Registro de Pessoas, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3397/2014 Exonerar Gizelma Gonçalves de Oliveira, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 3, símbolo CAA-5, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3398/2014 Exonerar Amanda Kerly Pires Pereira, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Movimentação de Pessoas, símbolo CDG-5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3399/2014 Exonerar Maria Eugênia Braga Botelho, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3400/2014 Exonerar Severina Olga Emidio Amorim, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3401/2014 Exonerar Ítalo Figueira Rezende, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2, símbolo CDG -5B, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3402/2014- Nomear Maria Cristina da Silva, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Gerente de Administração de Pessoas, símbolo CDG-3, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3403/2014 Nomear Gleide de Fátima Gonçalves Guerra, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Gerente de Capacitação e Avaliação de Desempenho, símbolo CDG-3, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de 2014.

3 3 Ato n.º3404/2014 Nomear Mônica Regina da Silva Ribeiro, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Coordenador de Cadastro e Movimentação de Pessoas, símbolo CDG-4A, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3405/2014 Nomear Anita dos Santos Silva, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Coordenador de Remuneração e Encargos de Pessoas, símbolo CDG-4A, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3406/2014 Nomear Ricardo Pereira de Lima, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 1 de Processos da Folha de Pagamento, símbolo CDG-4B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3407/2014 Nomear Lidia Ariane de Souza, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Cursos e Eventos, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3408/2014 Nomear Sandra Lúcia de Freitas, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Encargos de Pessoal, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3409/2014 Nomear Alda Maria de Almeida, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Processamento da FOPAG, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3410/2014 Nomear Maria do Rosário Gouveia de Carvalho, do Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Cadastro Funcional, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3411/2014 Nomear Eduardo Rodrigues de Melo, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3412/2014 Nomear Elizabeth Pontes de Gusmão Sá Medeiros, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3413/2014 Nomear Patrícia Torres Bezerra, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Registro de Pessoas, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3414/2014 Nomear Gizelma Gonçalves de Oliveira, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 3, símbolo CAA-5, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3415/2014 Nomear Amanda Kerly Pires Pereira, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2 de Movimentação de Pessoas, símbolo CDG-5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3416/2014 Nomear Maria Eugênia Braga Botelho, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3417/2014 Nomear Severina Olga Emidio Amorim, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 4, símbolo CAA-6, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3418/2014 Nomear Ítalo Figueira Rezende, no Cargo de Direção e Gerenciamento de Assistente Técnico 2, símbolo CDG -5B, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3419/2014 Exonerar Gilvan Loureiro de Souza Filho, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assessor Técnico, símbolo CAA-4A, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º3420/2014 Nomear Gilvan Loureiro de Souza Filho, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assessor Técnico, símbolo CAA-4A, da Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3421/2014 Exonerar Eduardo Câmara de Souza, do Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 3, símbolo CAA-5, da Secretaria Executiva de Administração, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Ato n.º 3422/2014 Nomear Eduardo Câmara de Souza, no Cargo de Assessoria e Assistência de Assistente 3, símbolo CAA-5, na Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas, com efeito, a partir de 1º de fevereiro de Nos Atos 3120/2013,3085/2013,2859/2013,3092/2013,3086/2013,3087/2013,3115/2013. Onde se lê: Secretaria Executiva de Administração. Lê-se: Secretaria Executiva de Formação e Gestão de Pessoas.

4 4 Jaboatão dos Guararapes, 27 de fevereiro de Elias Gomes da Silva. Prefeito DECRETO MUNICIPAL Nº 31 /2014 DECLARA DE UTILIDADE PÚBLICA, PARA FINS DE DESAPROPRIAÇÃO, O IMÓVEL QUE INDICA, SITUADO NO MU- NICÍPIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES, no uso das atribuições que lhe confere o art. 65, incisos V e XII, da Lei Orgânica do Município, bem como, considerando os termos dos artigos 2º, 5º, alínea m e 10, do Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de 1941, com alterações posteriores, DECRETA: Art. 1º - Fica declarado de utilidade pública, para fins de desapropriação, o imóvel territorial situado na Rua 8 de Outubro, n.º 52, bairro de Jardim Jordão, neste Município, com a benfeitoria nele edificada, inscrito no cadastro imobiliário municipal sob o n.º (Sequencial ), com área territorial medindo 2.340,00 m², com áreas construídas de 903,47 m² (área do galpão) e 173,25 m² (área da residência). Art. 2º - O imóvel de que trata o artigo precedente destina-se à construção de novas unidades escolares na Comunidade de Jardim Jordão, neste Município e ao funcionamento de uma unidade de ensino denominada PRÓINFÂNCIA Tipo B. Art. 3º - Em caso de desapropriação judicial, caberá à Procuradoria Geral do Município de Jaboatão dos Guararapes, nos termos do art. 70 da Lei Orgânica, promover a presente desapropriação, na forma permitida pelo Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de Art. 4º - Nos termos do art. 15 do Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de 1941, alterado pela Lei n.º 2.786, de 21 de maio de 1956, fica o expropriante autorizado a alegar o caráter de urgência, para o fim de imissão provisória na posse da área desapropriada. Art. 5 - O levantamento do preço referente à desapropriação a que se refere este Decreto dependerá, nos termos da lei, de prova de quitação de dívidas fiscais que recaiam sobre o bem expropriado, nos termos do art. 34 do Decreto-Lei n.º 3.365/41. Art. 6 - Os recursos para pagamento da indenização proveniente da desapropriação relacionada ao presente Decreto correrão à conta de Dotação Orçamentária específica, constante da Lei Orçamentária vigente. Art. 7º O presente Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 8º Revogam-se as disposições em contrário. Jaboatão dos Guararapes, em 10 de março de ELIAS GOMES DA SILVA Prefeito Municipal DECRETO nº 32 /2014 EMENTA: MODIFICA A ESTRUTURA DO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA MUNICIPAL (GGIM), NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DO JABOATÃO DOS GUARARAPES E ADOTA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município do Jaboatão dos Guararapes, Estado de Pernambuco, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo Art. 65 da Lei Orgânica do município: Considerando a necessidade de adequação das disposições contidas do Decreto Municipal 578/2008 relativo à reestruturação organizacional da administração direta e indireta do município do Jaboatão dos Guararapes, promovida pela Lei Complementar 15/2013, principalmente quanto à criação de secretarias municipais e seus órgãos; Considerando o constante da Portaria Nº 001 de 16 de janeiro de 2014 da Secretaria Nacional de Segurança Pública, publicada do diário Oficial da União de 20 de janeiro de 2014, que institui as diretrizes nacionais orientadoras dos Gabinetes de Gestão Integrada em Segurança Pública: DECRETA: Art. 1º Fica modificado o Decreto Nº 256 de 28 de outubro de 2010, o qual criou o Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), vinculado ao Gabinete do Prefeito, instância colegiada de deliberação executiva e de coordenação, no âmbito do Município de Jaboatão dos Guararapes, nas questões inerentes à área da Segurança Pública, instituído pela Lei Federal Nº /24/10/2007 combinada com a Lei Federal Nº /2008, obedecendo ainda às diretrizes da Portaria Nº 001 de 16 de janeiro de 2014 da Se-

5 5 cretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Parágrafo Único: O GGIM deverá nortear seu funcionamento naquilo que lhe couber pela Portaria da Secretaria Nacional de Segurança Pública N 001 de 16 de janeiro de Art. 2 Definição: O GGIM é um fórum deliberativo e executivo composto por representantes do poder público das diversas esferas e por representantes das diferentes forças com atuação na área da segurança pública, que opera por consenso, em regime de mútua cooperação e sem hierarquia, não cabendo a nenhum de seus integrantes a função de determinar ou decidir qualquer medida, devendo haver respeito às autonomias de cada uma das instituições que o compõem. 1º O GGIM por se tratar de uma ferramenta de gestão que reúne o conjunto de instituições que incide sobre a política de segurança local, promove ações conjuntas e sistêmicas, tendo como objetivo, discutir, deliberar e executar as políticas públicas com vistas à diminuição da criminalidade, prevenção às violências, à manutenção da paz social e a promoção dos direitos humanos fundamentais, do exercício da cidadania e das liberdades públicas. 2º O GGIM constituído têm como premissa integrar sistematicamente os órgãos e instituições federais, estaduais e municipais atuantes na área de segurança pública, justiça criminal e sistema prisional existentes em suas respectivas áreas de atuação. Art. 3º São diretrizes dos GGIM: I - a promoção da integração, em sua respectiva área de atuação, dos órgãos de segurança pública federais, estaduais, bem como os que operam outras políticas públicas que contribuem com a segurança pública; II - o compartilhamento das ações dos órgãos envolvidos com a segurança pública; III - a contribuição para a integração e harmonização dos órgãos do sistema de justiça criminal, na execução de diagnósticos, planejamentos, implementação e monitoramento de Políticas de Segurança Pública; IV - a interação com os demais órgãos públicos estabelecendo uma permanente e sistemática articulação com entidades e instituições que operam as políticas sociais básicas, visando expandir a participação de outros atores no desenvolvimento e execução de programas e ações de prevenção à violência; V - o respeito às autonomias institucionais de cada órgão integrante do GGIM; VI - a atuação em rede com outros Gabinetes de Gestão Integrada (GGIs) municipais e estaduais; VII - a publicidade das informações relativas às políticas desenvolvidas no âmbito do GGIM, sempre que possível, e desde que não comprometa o sigilo necessário às operações de segurança pública. Art. 4º São atribuições dos GGIM: I - planejar, coordenar e acompanhar ações integradas de prevenção à violência, repressão à criminalidade e fiscalização afetas ao poder de polícia da Administração Pública, nas áreas de atuação definida no Município, em função dos indicadores de violência e vulnerabilidade, priorizando as medidas de maior impacto para reversão das estatísticas negativas; II - propor estratégias e metodologias de monitoramento dos resultados de ações a eles relativas, com a participação de outras instituições, se necessário e conveniente, respeitadas as diretrizes do Ministério da Justiça; III - elaborar um planejamento estratégico das ações integradas a serem implementadas e monitorar o cumprimento das metas estabelecidas; IV - tornar mais ágil e eficaz a comunicação entre os órgãos que o integram; V - acompanhar a implementação dos projetos e políticas pertinentes a ele, promovendo a avaliação quantitativa e qualitativa dos resultados obtidos e indicando, se for o caso, mecanismos para revisão das políticas públicas adotadas; VI - monitorar e avaliar a execução dos planos de segurança pública das respectivas áreas de atuação; VII - acompanhar os programas estruturantes e de logística em desenvolvimento, observando as diretrizes de integração dos diferentes níveis de governo e de políticas sociais afins, bem como a priorização para as medidas que tragam maior impacto no desempenho dos programas de segurança pública; VIII - fomentar encontros e fóruns, periodicamente, objetivando a maior integração das ações de política de segurança pública; IX - mediar os planejamentos operacional, tático e estratégico entre os órgãos que o compõe; X - identificar demandas e eleger prioridades, com base em diagnósticos locais; XI - contribuir para a garantia de um sistema no qual a inteligência e as estatísticas trabalhem de forma integrada; XII - difundir a filosofia de gestão integrada em segurança pública; XIII - realizar os encaminhamentos necessários ao cumprimento das suas deliberações; XIV - fomentar a alimentação do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e Sobre Drogas, nos termos da Lei; XV - alimentar o Sistema Nacional de Monitoramento dos GGIs - InfoGGI, no âmbito do Portal SINESP, quando disponibilizado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública do MJ; XVI - contribuir para reformulação e criação legislativa no campo da segurança pública local, no que couber; XVII - instituir as Câmaras Técnicas e/ou Temáticas e garantir seu regular funcionamento; XVIII - analisar as informações coletadas e armazenadas pelas instituições de Segurança Pública, assim como, receber e analisar as demandas provenientes de outras instâncias governamentais e da sociedade civil organizada. XIX - envolver as Instituições de Ensino Superior para produção qualificada do conhecimento em assuntos referentes à Segurança Pública; XX - propor prioridades para o Plano de formação e qualificação dos profissionais de segurança pública. Art. 5º Integram o GGIM: I - o Colegiado Pleno; II - a Secretaria Executiva e III - as Câmaras Técnicas Art. 6º Além das estruturas indicadas no art. 5º, o GGIM, sempre que possível e necessário, constituirá Câmaras Temáticas, podendo

6 6 ainda ter outros espaços necessários à plena consecução dos objetivos gerais do órgão colegiado, nos termos do art.3º. Art. 7º O GGIM, será estruturado da seguinte forma: I - Sala do Pleno, onde se reunirá o Colegiado Pleno e II - Sala da Secretaria Executiva. Parágrafo único. As Câmaras Técnicas e Câmaras Temáticas não envolvem estruturas físicas, sendo somente espaços de debate e discussão. Art. 8º Incumbe ao Colegiado Pleno do GGIM, instância superior e colegiada, as funções de coordenação e deliberação. Parágrafo único. Compete ao Presidente do GGIM indicar o Secretário Executivo por meio de ato específico. Art. 9º Incumbe à Secretaria Executiva as atribuições de articulação, organização, planejamento, gestão e execução das deliberações e atividades desenvolvidas pelo GGIM, de forma contínua e permanente, no âmbito de sua competência e de acordo com as atribuições previstas no regimento interno do GGIM. Art. 10º As Câmaras Técnicas são espaços permanentes de discussão acerca de assuntos relevantes na seara da segurança pública abrangidos pelo GGIM. 1º As Câmaras Técnicas serão criadas mediante deliberação e aprovação do Colegiado Pleno e serão compostas por profissionais de notável saber técnico de qualquer dos órgãos que integram o GGIM, tendo como atribuição o aprofundamento na análise de temas específicos, programas de prevenção e repressão ao crime. 2º Será obrigatória à existência de pelo menos uma Câmara Técnica que se denominará Câmara Técnica de Prevenção e irá pautar a articulação e integração de todos os assuntos afetos a segurança pública na perspectiva da prevenção à violência e criminalidade. Art. 11 As Câmaras Temáticas se configuram em espaços temporários de escuta popular e de interlocução entre o GGIM e a sociedade civil sobre um determinado tema. 1º As Câmaras Temáticas serão criadas mediante deliberação e aprovação do Colegiado Pleno para análise de temas específicos, que demandem a oitiva da sociedade civil e a participação popular, tendo por objetivo o encaminhamento de proposições a respeito da prevenção à violência e às condutas criminosas. Art. 12 As decisões do GGIM serão sempre tomadas por consenso, sem hierarquia e subordinação entre seus membros e respeitando as autonomias institucionais, visando à cooperação mútua, a integração sistêmica e a interlocução permanente entre as instituições do sistema de justiça criminal e as instâncias promotoras da segurança pública. Art. 13 Incumbe ao Colegiado Pleno, quando da instituição do GGIM, a elaboração de Regimento Interno, com vistas à definição, objetivos e organização do Gabinete. Art. 14 O Regimento Interno deverá estabelecer a periodicidade das reuniões ordinárias do GGIM, que deverão ser, no mínimo, mensais. Parágrafo único - Poderão ocorrer reuniões extraordinárias mediante provocação de qualquer um dos membros do Colegiado Pleno, levando-se em conta a relevância ou urgência do tema, cabendo à convocação ao Secretário Executivo. Art. 15 Caberá ao Colegiado Pleno propor normativas administrativas que viabilizem as ações integradas entre os órgãos envolvidos com a segurança pública que compõem o GGIM. Art. 16 O GGIM será constituído de acordo com o interesse público, respeitadas as suas competências e atribuições, atuando nos termos do art. 3º e será composto, no mínimo, pelos representantes dos seguintes órgãos: I - Prefeito do Município (Presidente); II - Titular da Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos; III - Titular da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade; IV - Titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Humana; V - Titular da Secretaria Municipal de Gestão Integrada, Fazenda e Administração; VI - Titular da Secretaria Municipal de Governo; VII - Titular da Secretaria Municipal de Ordem Pública e Segurança Cidadã; VIII - Titular da Secretaria Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Econômico; IX - Titular da Secretaria Municipal de Políticas Sociais Integradas e X - Chefe de Gabinete do Prefeito. Art. 17 Deverão ser convidados para participar do GGIM gestores representantes dos seguintes órgãos (ou equivalentes), com atuação no município: I - Polícia Militar; II - Corpo de Bombeiros Militar; III - Polícia Civil; IV - Polícia Científica; V - Receita Federal do Brasil; VI - Polícia Federal e VII - Polícia Rodoviária Federal. 1 Deverão ser convidados para participar do GGIM representantes dos seguintes órgãos, sediados no município: I - Poder Judiciário Estadual;

7 7 II - Ministério Público Estadual; III - Defensoria Pública Estadual e IV - Câmara Legislativa Municipal. 2º É assegurada ainda a participação de um representante indicado por cada um dos seguintes órgãos: I - Secretaria Nacional de Segurança Pública/MJ e II Gabinete de Gestão Integrada Estadual (GGIE) ou Equivalente. 3º O GGIM poderá ser compostos por representantes convidados de outras Secretarias ou órgãos governamentais, conforme a necessidade e pertinência temática, desde que respeitados os limites de sua atribuição e atendidas às diretrizes gerais deste Decreto. Art. 18 O Prefeito do Município Presidente do GGIM nomeará, através de ato administrativo, o Titular da Secretaria Municipal de Ordem Pública e Segurança Cidadã (SEOPSC), como Secretário Executivo do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), cabendo a ele a execução do disposto no presente decreto, respeitada as atribuições previstas no art. 144 da Constituição Federal. Parágrafo Único: Cabe ainda a Secretaria Municipal de Ordem Pública e Segurança Cidadã (SEOPSC) a gestão orçamentaria e financeira para o funcionamento do Gabinete de Gestão Integrada do Município de Jaboatão dos Guararapes. Art. 19 É de responsabilidade do GGIM e suas respectivas secretarias envolvidas, a capacitação e treinamento dos profissionais que executarão as tarefas dispostas neste Decreto. Art. 20 Caberá ao GGIM, criar mecanismos de interlocução e integração sistêmica entre si, levando-se em conta àquela que tenham atuação geográfica coincidente, segundo os parâmetros deste Decreto. Art. 21 O Colegiado Pleno do GGIM deverá produzir documentação comprobatória de suas ações e encaminhá-la regularmente à SENASP/MJ, através dos mecanismos disponibilizados pela citada Secretaria, em especial pela alimentação do InfoGGI. Art. 22 O Prefeito formalizará, através de ato administrativo, a designação dos agentes públicos que irão compor o Gabinete de Gestão Integrada do Município de Jaboatão dos Guararapes, inclusive dos indicados como representantes de todos os órgãos referidos no presente decreto, na condição de titulares e dos respectivos suplentes. Art. 23 Revogam-se as disposições em contrário, especialmente as do Decreto Municipal nº 256 de 28 de outubro de Art. 24 Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Jaboatão dos Guararapes, 10 de março de ELIAS GOMES DA SILVA Prefeito DECRETO MUNICIPAL Nº 33 /2014 DECLARA DE UTILIDADE PÚBLICA, PARA FINS DE DESAPROPRIAÇÃO, OS IMÓVEIS QUE INDICA, SITUADOS NO MUNICÍ- PIO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE JABOATÃO DOS GUARARAPES, no uso das atribuições que lhe confere o art. 65, incisos V e XII, da Lei Orgânica do Município, bem como, considerando os termos dos artigos 2º, 5º, alínea m, e 10, do Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de 1941, com alterações posteriores, DECRETA: Art. 1º - Ficam declarados de utilidade pública, para fins de desapropriação, os imóveis territoriais denominados Lotes 14 e 15, da Quadra 133, integrantes do Loteamento Sítio Floresta, situados na 3ª Travessa da Rua São Sebastião, s/n, no bairro de Piedade, neste Município, regularmente inscritos no cadastro imobiliário municipal sob os números (Sequencial ) e (Sequencial ), respectivamente, perfazendo uma área total de 786,00 m². Art. 2º - Os imóveis de que trata o artigo precedente destinam-se à construção e ao funcionamento de uma Unidade de Saúde da Família (USF) na comunidade de Vietnã, neste Município. Art. 3º - Em caso de desapropriação judicial, caberá à Procuradoria Geral do Município de Jaboatão dos Guararapes, nos termos do art. 70 da Lei Orgânica, promover a presente desapropriação, na forma permitida pelo Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de Art. 4º - Nos termos do art. 15 do Decreto-Lei n.º 3.365, de 21 de junho de 1941, alterado pela Lei n.º 2.786, de 21 de maio de 1956, fica o expropriante autorizado a alegar o caráter de urgência, para o fim de imissão provisória na posse das áreas desapropriadas. Art. 5 - O levantamento do preço referente à desapropriação a que se refere este Decreto dependerá, nos termos da lei, de prova de propriedade e de quitação de dívidas fiscais que recaiam sobre os bens expropriados, nos termos do art. 34 do Decreto-Lei n.º 3.365/41.

8 8 Art. 6 - Os recursos para pagamento da indenização proveniente da desapropriação relacionada ao presente Decreto correrão à conta de Dotação Orçamentária específica, constante da Lei Orçamentária vigente. Art. 7º O presente Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 8º Revogam-se as disposições em contrário. Jaboatão dos Guararapes, em 10 de março de ELIAS GOMES DA SILVA Prefeito Municipal DECRETO Nº. 34/2014, de 10 de março de 2014 EMENTA: Dispõe sobre abertura de Crédito Suplementar O Prefeito do Município do Jaboatão dos Guararapes, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o artigo 30 da Lei 927/2013 de 16 de outubro de 2013 e o artigo 6º, inciso I da Lei nº 975/2013, de 18 de dezembro de DECRETA: Art. 1º. : Fica aberto Crédito Suplementar em favor da SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO URBANA, no valor de R$ ,00 (hum milhão, trezentos e trinta e quatro mil, duzentos e oitenta reais) para atender a seguinte dotação orçamentária: SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO URBANA RECURSOS DO TESOURO R$ 1, ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PLANOS E PROJETOS DE ORDENAMENTO TERRITO- RIAL Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES SUPLEMENTAÇÃO TOTAL R$ Art. 2º. : Para abertura do Crédito Suplementar de que trata o artigo anterior, serão utilizados os recursos da Anulação Parcial das seguintes dotações orçamentárias: RECURSOS DO TESOURO R$ 1, SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE PLANOS E PROJETOS DE INTERVENÇÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE OPORTUNIDADE Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES IMPLEMENTAÇÃO DE PLANOS DE INTERVENÇÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE OPORTUNIDADE Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Art. 3º : Este Decreto entra em vigor na data de sua assinatura. Jaboatão dos Guararapes, 10 de março de ELIAS GOMES DA SILVA PREFEITO JÚLIO CESAR CASIMIRO CORRÊA Secretário Municipal de Assuntos Jurídicos Mat MIRTES CORDEIRO Secretária Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Econômico Mat ANULAÇÃO TOTAL R$

9 9 DECRETO Nº. 35/2014, de 10 de março de 2014 EMENTA: Dispõe sobre Abertura de Crédito Especial e dá outras providências O Prefeito do Município do Jaboatão dos Guararapes, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o que dispõem os artigos 68 da Lei nº 927-LDO/2014, de 16 de outubro de 2013, os artigos 8º e 13 da Lei Municipal nº 975-LOA/2014, de 18 de dezembro de 2013 e Lei nº 1018/2014 de 19 de fevereiro de DECRETA: Art. 1º. Fica o chefe do Poder Executivo autorizado a abrir Crédito Especial no valor de R$ ,00 (Doze milhões, quatrocentos e trinta e seis mil e seiscentos reais) para as UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS, abaixo discriminadas: SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO, COORDENAÇÃO E AVALIAÇÃO RECURSOS DO TESOURO EM R$ 1, GESTÃO ESTRATÉGICA DOS SISTEMAS DE GOVERNANÇA E DA TECNOLOGIA DA INFORMA- ÇÃO E COMUNICAÇÃO Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE ADMINISTRAÇÃO MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO Red F NT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Red FNT INVESTIMENTOS SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE HUMANA-SEINFRA SECRETARIA EXECUTIVA DE PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA VIÁRIA LOCAL Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES TOTAL SUPLEMENTAÇÃO R$ Art.2º. Para Abertura do Crédito Especial de que trata o artigo anterior, serão utilizados os recursos da Anulação Total das seguintes dotações orçamentárias SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO, COORDENAÇÃO E AVALIAÇÃO RECURSOS DO TESOURO EM R$ 1, DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DE GESTÃO ESTRATÉGICA E ASSESSORAMENTO GO- VERNAMENTAL Red 0098 FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE FORMAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO Red 0158 FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Red 0159 FNT INVESTIMENTOS SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE HUMANA-SEINFRA SECRETARIA EXECUTIVA DE SERVIÇOS URBANOS MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA VIÁRIA LOCAL Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES TOTAL DE ANULAÇÃO R$ Art.3º. O Programa de Trabalho da Operação Especial e da Atividades descritas no artigo 2º, ficam transferidos para

10 10 as Unidades Orçamentárias e respectivamente especificadas no artigo 1º e no Programa de Trabalho da Secretaria Executiva de Planejamento, Coordenação e Avaliação fica acrescida a atividade e Subação abaixo discriminadas. Atividade GESTÃO ESTRATÉGICA DOS SISTEMAS DE GOVERNANÇA E DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subação : Prover soluções com ações voltadas para a tecnologia da informação e comunicação Art. 4º. Este Decreto entrará em vigor na data de sua assinatura, retroagindo seus efeitos orçamentário-financeiros a partir de 1º de janeiro de Jaboatão dos Guararapes, 10 de março ELIAS GOMES DA SILVA PREFEITO JÚLIO CESAR CASIMIRO CORRÊA Secretário Municipal de Assuntos Jurídicos Mat MIRTES CORDEIRO Secretária Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Econômico Mat DECRETO Nº. 36 /2014, de 11 de março de 2014 EMENTA: Dispõe sobre abertura de Crédito Suplementar O Prefeito do Município do Jaboatão dos Guararapes, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o artigo 30 da Lei 927/2013 de 16 de outubro de 2013 e o artigo 6º, inciso I da Lei nº 975/2013, de 18 de dezembro de DECRETA: Art. 1º. : Fica aberto Crédito Suplementar em favor da SECRETARIA EXECUTIVA DE TRABALHO, QUALIFICAÇÃO E EMPRE- ENDEDORISMO, no valor de R$ ,00 (trezentos e setenta e oito mil reais) para atender a seguinte dotação orçamentária: SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE TRABALHO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO JABOATÃO TRABALHO E RENDA Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Red FNT INVESTIMENTOS RECURSOS DO TESOURO R$ 1,00 SUPLEMENTAÇÃO TOTAL R$ Art. 2º. : Para abertura do Crédito Suplementar de que trata o artigo anterior, serão utilizados os recursos da Anulação Parcial das seguintes dotações orçamentárias: RECURSOS DO TESOURO R$ 1, SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE TRABALHO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PLANO MUNICIPAL DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL Red FNT OUTRAS DESPESAS CORRENTES Art. 3º : Este Decreto entra em vigor na data de sua assinatura. ANULAÇÃO TOTAL R$

11 11 Jaboatão dos Guararapes, 11 de março de ELIAS GOMES DA SILVA PREFEITO JÚLIO CESAR CASIMIRO CORRÊA Secretário Municipal de Assuntos Jurídicos Mat MIRTES CORDEIRO Secretária Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Econômico Mat SECRETARIA EXECUTIVA DA MULHER Portaria nº 001/2014 O PREFEITO DO MUNICÍPIO DO JABOATÃO DOS GUARARAPES, no uso de suas atribuições que lhes foram delegadas no Art. 65, inciso V, da Lei Orgânica do Município e, Considerando a Lei nº 362/2009, que dispõe sobre a criação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher do Jaboatão dos Guararapes CMDMJG. Considerando o Edital nº 001/2013, da Secretaria Executiva da Mulher, que convoca as Entidades Representativas de Mulheres para Eleição do Conselho Municipal de Direitos da Mulher do Jaboatão dos Guararapes. Considerando a Eleição das Entidades Representativas de Mulheres, ocorrida no dia 19 de fevereiro de R E S O L V E: Art.1º - Nomear as Conselheiras representantes do segmento governamental e não governamental para compor o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher do Jaboatão dos Guararapes, para o triênio de 2014 / I - SEGMENTO GOVERNAMENTAL a) Secretaria Executiva da Mulher Titular: Ana Selma dos Santos Suplente: Bianca Freire da Rocha b) Secretaria de Saúde Titular: Roberta Lisandra Durant da Silva Suplente: Amanda Cristina Rodrigues Cavalcante c) Secretaria de Educação Titular: Maximina Magda de França Suplente: Juliana de Lima Barros d) Secretaria Executiva de Assistência Social Titular: Astanislsen Duarte de Lima Machado Suplente: Maria José da Silva e) Secretaria Executiva de Mobilização e Regionalização da Gestão Titular: Adijane da Silva Morais Suplente: Maria de Lourdes Silva Teles f) Secretaria Executiva de Direitos Humanos, Políticas sobre Drogas e Juventude Titular: Maria Julia Galindo Rocha Suplente: Gisela Naiara dos Santos II SEGMENTO NÃO GOVERNAMENTAL Titulares a) UBM União Brasileira de Mulheres Nome: Edilene Maria da Silva b) ASMUJG - Associação Municipal das Mulheres do Jaboatão dos Guararapes Nome: Liete Maciel Chaves Lucena c) Associação das Mulheres de Cavaleiro

12 12 Nome: Sílvia Maria da Silva d) ASMORETO - Associação dos Moradores do Loreto Nome: Marusca Matos Barbosa de Lima e) Clube de Mães de Muribeca Nome: Albenise Ferreira Soares f) Colônia de Pescadores e Pescadoras Z25 Nome: Josiane Maria do Nascimento Suplentes a) Associação dos Moradores de Buenos Aires Nome: Cicera Maria da Silva b) Fundação Giácomo e Lúcia Perrone Nome: Jussara Guimarães dos Santos Pellegrino c) Coletivo de Mulheres de Jaboatão Nome: Alcione Nunes da Silva d) Associação dos Moradores da Vila Boa Esperança e Adjacências Nome: Rosineide Maria Silva de Andrade e) Associação dos Moradores do Alto Nova Vida Nome: Selma Maria Reis f) Lar de Cáritas Nome: Michelane Rochelle Silva de Azevedo Santos Art. 2º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Revogam-se as disposições em contrário. Art. 4º - Publique-se no Diário Oficial do Município Jaboatão dos Guararapes, 10 de março de Elias Gomes da Silva Prefeito do Município RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 O CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES - COMDDIJ, em 1ª Reunião Extraordinária realizada no dia 21 de Fevereiro de 2014, no ato de suas competências e atribuições que lhe conferem as Leis Municipais nº828/2012 e Lei nº837/2012. RESOLVE: Art. 1º Aprovar a Reformulação do Regimento Interno do COMDDIJ na forma que segue anexo. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Revogam-se as disposições em contrário. Jaboatão dos Guararapes, 10 de março de 2014 Cristiane Pereira de Melo PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA COMDDIJ ANEXO ÚNICO REFORMULAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DO O CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES - COMDDIJ CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADES

13 13 Art. 1º - O Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa - COMDDIJ, instância superior de deliberação colegiada, de natureza permanente, de composição paritária para o controle social e atuação no âmbito do município do Jaboatão dos Guararapes, vinculado administrativamente à Secretaria Municipal de Políticas Sociais Integradas - SEPSI, através da Secretaria Executiva de Direitos Humanos, Políticas sobre Drogas e Juventude - SEDHJUV, criado pela Lei nº 828/2012, alterada pela Lei nº 837/2012, tem como finalidade acompanhar a implantação e implementação da política pública municipal de inclusão social, promoção e defesa dos direitos da pessoa idosa. Art. 2º - O COMDDIJ terá caráter deliberativo e fiscalizador, será autônomo, formulador de diretrizes e monitorador da execução das políticas públicas dirigidas às pessoas idosas, em defesa da inclusão social e no combate a qualquer forma de discriminação. Art. 3º - São consideradas pessoas idosas, aquelas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. Art. 4º - Compete ao Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa: I - formular diretrizes, elaborar planos e propor Políticas no âmbito da administração municipal, visando a garantia dos direitos e a inclusão social da pessoa idosa; II - acompanhar o planejamento e realizar o controle social da execução das políticas públicas setoriais de educação, saúde, trabalho, assistência social, trânsito, transporte, cultura, turismo, desporto, lazer, urbanismo, direitos humanos, desenvolvimento econômico, ciência e tecnologia, dentre outras que objetivem a inclusão social da pessoa idosa, mediante a elaboração de estudos, planos, projetos, programas e relatórios de gestão; III - acompanhar e/ou subsidiar a elaboração e a tramitação de projetos de lei municipal, estadual e federal concernentes aos direitos da pessoa idosa, emitindo parecer, sobre projetos, programas, planos e políticas municipais, quando se fizer necessário; IV - recomendar o cumprimento e a divulgação das leis municipais, estaduais e federais, ou quaisquer normas pertinentes aos direitos da pessoa idosa; V - incentivar e apoiar a realização de eventos, estudos e pesquisas voltados para promoção, proteção, defesa de direitos e qualidade de vida da pessoa idosa, inclusive as questões relativas a velhice e ao envelhecimento; VI - receber e encaminhar aos órgãos competentes petições, notícias e reclamações formuladas por qualquer cidadão ou entidade, da ocorrência de ameaça ou violação dos direitos da pessoa idosa, exigindo a adoção de medidas efetivas de proteção ou reparação; VII - cadastrar os programas e as entidades não governamentais que desenvolvam atividades com a pessoa idosa; VIII - promover articulação com outros conselhos setoriais e instituições públicas e privadas para discussão da política municipal da pessoa idosa; IX - supervisionar, avaliar e fiscalizar a execução das políticas públicas e a gestão dos recursos recebidos por entidades governamentais e não governamentais, de assistência à pessoa idosa sediadas no município, assegurando assim, que os recursos recebidos sejam aplicados no atendimento efetivo a estas pessoas; X - acompanhar e avaliar a gestão dos recursos oriundos dos repasses ao Fundo Municipal do Idoso conforme Lei nº 468/2010, Art. 2º; XI - aprovar critérios para celebração de contratos ou convênios entre o setor público e as entidades privadas que prestam serviço de atenção à pessoa idosa no âmbito do município, apreciando-os previamente. XII elaborar, alterar e aprovar o Regimento Interno do COMDDIJ; XIII - articular parcerias com organismos nacionais, internacionais e estrangeiros, públicos e privados, com o objetivo de fortalecer as ações do COMDDIJ; XIV - realizar a Conferência Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa a cada 02 (dois) anos; XV - organizar e realizar as eleições dos (as) conselheiros (as) a cada 02 (dois) anos; XVI - promover, apoiar e incentivar a criação de organizações destinadas ao atendimento à Pessoa Idosa no município do Jaboatão dos Guararapes; XVII solicitar da Gestão, quando necessário, apoio técnico para às organizações governamentais e não governamentais de atendimento à pessoa idosa, no sentido de tornar efetivas as políticas públicas voltadas à estas pessoas; XVIII - promover formação de recursos humanos para atendimento à pessoa idosa; XIX - coordenar e apoiar estudos, levantamentos, pesquisas e publicações sobre a situação da pessoa idosa, diretamente ou em parceria com outros órgãos; XX - convidar técnicos (as) e entidades, governamentais e não governamentais, para participar de suas reuniões, com vistas a contribuir e opinar sobre assuntos ligados à política da pessoa idosa; e XXI - exercer outras atividades regulares que objetivem a promoção, proteção e defesa dos direitos da pessoa idosa. CAPÍTULO II: DA COMPOSIÇÃO Art. 5º - O COMDDIJ tem representação paritária entre governo e sociedade civil e será composto por 12 (doze) membros e respectivos suplentes, de acordo com a constituição a seguir: I - 06 (seis) representantes governamentais das seguintes áreas: a) Direitos Humanos; b) Saúde; c) Educação; d) Assistência Social; e) Mulher; f) Fazenda, Gestão e Previdência. II - 06 (seis) representantes da sociedade civil, assim distribuídos: a) 05 (cinco) representantes de entidades que desenvolvam ações nas diversas áreas de atendimento a pessoa idosa, sendo preferencialmente distribuídos por regional; b) 01 (um) representante de Instituições de Longa Permanência -ILPI s;

14 14 1º- As entidades da sociedade civil serão escolhidas através de eleição especialmente convocada para esse fim. 2º - Os (as) representantes governamentais, titulares e suplentes, indicados (as) pelos (as) secretários (as), responsáveis das áreas indicadas no inciso I, alíneas de a) a f), e as entidades da sociedade civil, titulares e suplentes, eleitas por segmento, conforme o disposto no inciso II, alíneas a) e b), serão designados (as) pelo (a) Chefe do Poder Executivo. 3º - Em caso de substituição, as eleitas e/ou indicados (as) deverão completar o período de seus antecessores. Art. 6º - Cada entidade eleita e seu (sua) respectivo (a) representante, titular e suplente, terão mandato de 02 (dois) anos, permitida uma única recondução por igual período. CAPÍTULO III: DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 7º - O Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa terá a seguinte estrutura organizacional: I - Plenário, como órgão de deliberação máxima; II - Presidência, como órgão de coordenação, representação e articulação institucional; III - Secretaria Executiva, como órgão de apoio e assessoramento técnico-administrativo; IV - Comissões temáticas e permanentes e Grupos de Trabalho, como órgãos de estudo, análise, recomendações e articulação intersetorial sobre assuntos ligados direta ou indiretamente à área da pessoa idosa. CAPÍTULO IV: DO PLENÁRIO Art. 8º - O Plenário do COMDDIJ é o fórum superior de deliberação conclusiva, configurado por reuniões ordinárias e extraordinárias. 1º - O COMDDIJ se reunirá ordinariamente, quando convocado pelo (a) Presidente (a) ou pela maioria dos seus membros; 2º - As convocações ordinárias e extraordinárias serão feitas por escrito, devendo conter o horário, local e pauta do dia. Art. 9º - As Sessões Plenárias serão abertas, em primeira convocação com a presença de metade mais 1 (um) do total dos (as) conselheiros (as), e, em segunda e última convocação, 30 (trinta) minutos após, com qualquer número dos (as) conselheiros (as) titulares ou no exercício da titularidade, exigindo-se maioria de votos dos (as) presentes para aprovação das deliberações. 1º - o quorum será apurado pela assinatura dos (as) conselheiros (as) no livro de presença; 2º - Quanto aos (às) faltosos (as), a secretaria Executiva informará às entidades e órgãos o não comparecimento do (a) seu (sua) representante, para que tomem as providências cabíveis. Art Havendo número legal e declarada aberta a sessão, os trabalhos obedecerão à seguinte ordem; I - leitura, discussão e aprovação da ata da reunião anterior; II - pauta, com a seguinte sequência: a) deliberação para constituição de grupos de trabalho que emitirão pareceres sobre propostas já apresentadas; b) deliberação a respeito de pareceres já estudados e emitidos pelas Comissões Temáticas e permanentes; c) aprovação do cadastramento de entidades de defesa dos direitos da pessoa idosa, já requerido e colocado em pauta; d) deliberações outras e resoluções. III - expediente, que compreenderá: a) comunicações da Presidência; b) leitura ou comunicação resumida da correspondência recebida e expedida; c) comunicações, registros e apresentação de propostas por parte dos (as) conselheiros (as) inscritos (as), que terão uso da palavra, uma única vez, por período que não excederá 05 (cinco) minutos, podendo ser prorrogado a critério do (a) Presidente (a). CAPÍTULO V: DOS (AS) CONSELHEIROS (AS) Art Compete aos (as) Conselheiros (as): I - comparecer às sessões ordinárias, conforme calendário previamente estabelecido e às sessões extraordinárias, quando convocados (as) nos termos deste Regimento; II - zelar pelo pleno e total desenvolvimento das atribuições do COMDDIJ; III - estudar e relatar, no prazo pré-estabelecido, matérias que lhes forem distribuídas, podendo valer-se de assessoramento técnico e administrativo; IV - apreciar e deliberar sobre matéria submetida ao Conselho para votação; V - apresentar moções ou proposições sobre assuntos de interesse da pessoa idosa; VI - requerer votação de matéria em regime de urgência; VII - acompanhar e verificar o funcionamento dos serviços de atendimento a pessoa idosa no município, dando ciência ao Plenário; VIII - convidar para participar das sessões, sem direito a voto, pessoas consideradas capazes de contribuir com a elucidação de questões tratadas pelo conselho com prévia aprovação do plenário; IX - propor a criação ou extinção de grupo de trabalho; X requerer, justificadamente, que conste da pauta assunto para apreciação e deliberação do Plenário para reunião seguinte, bem como solicitar preferência para matéria urgente; XI - requerer convocação de reunião extraordinária para discussão de determinada matéria, justificando sua proposição; XII - desempenhar outras atividades necessárias ao cumprimento do seu papel e funcionamento do COMDDIJ. Art O COMDDIJ reger-se-á pelas seguintes disposições, no que se refere aos seus membros: 1º- a Função de membro do Conselho não será remunerada a qualquer título, sendo considerado relevante serviço prestado à sociedade, salvo para cobertura de despesas com viagens, estadia e alimentação necessárias para as ações conferidas ao Conselho. 2º- o mandato das entidades eleitas e seus respectivos representantes será de 02 (dois) anos, ficando a critério do Pleno sua

15 15 substituição; 3º - os membros do COMDDIJ serão substituídos, caso faltem sem motivo justificado a 03 (três) reuniões ordinárias consecutivas ou a 06 (seis) intercaladas no período de 01 (um) ano. 4º - em caso de reincidência de faltas sem motivo justificado de seu representante, a entidade perderá o mandato vigente no COMDDIJ, assumindo a titularidade a mais votada e que não conseguiu voto suficiente para eleger-se, cabendo ao (a) Presidente do COMDDIJ a comunicação oficial a esta. 5º - as justificativas de ausência deverão ser apresentadas por escrito, na Secretaria Executiva do COMDDIJ, até 24 (vinte e quatro) horas antes da reunião subsequente à falta. CAPÍTULO VI: DO FUNCIONAMENTO Art O COMDDIJ reunir-se-á regularmente uma vez por mês, obedecendo a calendário previamente distribuído, ou extraordinariamente, por convocação de seu (sua) Presidente (a) ou pela maioria simples dos seus membros titulares. Art As sessões do COMDDIJ serão públicas, sendo assegurado o acesso de qualquer pessoa que dela queira participar, com direito a voz. Art As reuniões do COMDDIJ serão dirigidas pelo (a) Presidente (a) ou pelo (a) Vice-Presidente (a). Parágrafo único. No impedimento do (a) Presidente (a) ou do (a) Vice-Presidente (a), o Pleno designará um (uma) conselheiro (a) para presidir a sessão. Art A votação será nominal e cada membro terá direito a um único voto; 1º - Na hipótese da presença do titular e do suplente, este último terá direito somente a voz; 2º - Em caso de empate o (a) presidente (a) do COMDDIJ terá direito ao voto de qualidade. Art As reuniões do COMDDIJ, observada a legislação vigente, terão as seguintes rotinas para ordenamento de seus trabalhos: I - as matérias pautadas após o processo de exame prévio preparatório serão apresentadas por escrito, destacando-se os pontos essenciais, seguindo-se a discussão, e, quando for o caso, a deliberação; II - ao início da discussão poderá ser pedido vista, devendo o assunto retornar impreterivelmente na reunião ordinária seguinte para apreciação e votação, mesmo que esse direito seja exercido por mais de 01 (um/a) Conselheiro (a). O (A) Conselheiro (a) que pediu vista será o relator (a), e no caso de mais de 01 (um/a) Conselheiro (a) pedir vista haverá tantos relatores (as) quantos forem os pedidos de vista; III - Os resultados devem ser apurados pela contagem dos votos a favor, contra e abstenções, mediante manifestação expressa de cada Conselheiro (a), ficando excluída a possibilidade de votação secreta; IV - a recontagem dos votos deve ser realizada quando o pleno julgar necessário ou quando solicitada por um (a) ou mais Conselheiros (as); V - na impossibilidade de apreciação de todas as matérias em pauta, aquelas não apreciadas serão automaticamente incluídas na pauta da sessão ordinária seguinte; VI - após entrar na pauta de uma sessão, a matéria deve ser, obrigatoriamente, votada no prazo máximo de 3 (três) sessões; VII - não será discutida e votada a matéria não constante da pauta, salvo requerimento justificado e aprovado pelo plenário por maioria dos (as) Conselheiros (as) presentes. Art As reuniões Plenárias serão gravadas e das atas devem constar: I - relação dos (as) participantes, seguida do nome de cada membro, com a menção do (a) titular ou suplente e do órgão ou entidade que representa; II - resumo de cada informe onde conste, de forma sucinta, o nome do (a) Conselheiro (a) e o assunto ou sugestão apresentada; III - relação dos temas abordados na pauta, com indicação do (a) responsável pela apresentação e a inclusão de alguma observação, quando expressamente solicitada por algum Conselheiro (a); IV - as deliberações tomadas, inclusive quanto a aprovação da ata da reunião anterior e aos temas a serem incluídos na pauta da reunião seguinte, registrando o número de votos contra, a favor e abstenções. 1º - O teor integral das matérias tratadas nas reuniões do Conselho estará disponível na Secretaria Executiva em cópias de documentos e/ou em gravações; 2º- A Secretaria Executiva disponibilizará cópia da ata, de modo que cada Conselheiro (a) possa recebê-la; 3º - As emendas e correções à ata deverão ser apresentadas pelos (as) Conselheiros (as) no momento de sua apreciação. Art O Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa pode fazer-se representar perante instâncias e fóruns da sociedade e do governo através de um (a) ou mais Conselheiros (as) designados (as) pelo Plenário e/ou pela Presidência, com delegação específica. Art Os (as) integrantes do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa serão empossados (as) em ato presidido pelo (a) Chefe do Poder Executivo, ou outra autoridade municipal por ele (ela) designada. CAPÍTULO VII: DA MESA DIRETORA Art A Mesa Diretora do COMDDIJ será composta por Presidente (a) e Vice-Presidente (a), assessorados (as) pelo Secretário Executivo. Art O (a) Presidente (a) e o (a) Vice-Presidente (a) do COMDDIJ serão eleitos (as) através do voto direto dos (as) seus (suas)

16 16 integrantes, que estiverem na titularidade, com mandato de dois anos, devendo se observar a alternância nos cargos, entre os (as) representantes governamentais e da sociedade civil; Art O (a) Presidente (a) e o (a) Vice-Presidente (a) serão escolhidos (as) em sessão prevista para essa finalidade, considerando-se empossados (as) na mesma sessão em que se realizar a escolha. Art Compete ao (à) Presidente (a): I - convocar e presidir as reuniões, submetendo as questões à discussão e votação, proclamando os resultados; II - elaborar o calendário anual das sessões ordinárias e convocar as sessões extraordinárias; III - distribuir os processos aos (as) Conselheiros (as) ou Comissões Temáticas, para relato, podendo em caso de urgência avocar para si o relato verbal de qualquer processo; IV - manter a ordem nos debates, podendo propor a suspensão da sessão quando as circunstâncias exigirem; V - assinar as Resoluções do Conselho; VI - dar cumprimento às deliberações do Conselho e, ad referendum deste, nos casos de urgência, deliberar sobre matéria de sua competência, ou encaminhá-la a quem de direito; VII - conceder vista de processo em discussão; VIII - assinar a correspondência oficial, baixar Portarias, resoluções e outros atos necessários à organização e execução administrativa interna do COMDDIJ; IX - convidar para participar das sessões, pessoas que julgar capazes de contribuir para elucidação das questões tratadas pelo COMDDIJ; X - participar das discussões e votações e, quando for o caso, exercer o voto de desempate; e XI - representar o Conselho nos atos que forem necessários, ou delegar representação a outro (a) conselheiro (a). Parágrafo Único - Compete ao (à) Vice-Presidente (a), além de substituir o (a) Presidente (a), em suas falta e impedimentos, auxiliá-lo (a) no desempenho de suas funções. Art O (a) Presidente (a) do COMDDIJ será substituído (a) em suas ausências ou impedimentos pelo (a) Vice-Presidente (a), a que cumprirá o exercício de suas funções, e, na falta destes (as), o pleno elegerá um (a) novo (a) Presidente (a) e Vice-Presidente (a) para o término do mandato. Parágrafo único. O impedimento do (a) Presidente (a) e do (a) Vice-Presidente (a) de que trata o caput, será de 60 (sessenta) dias. CAPÍTULO VIII: DA SECRETARIA EXECUTIVA Art O COMDDIJ contará com uma Secretaria Executiva e seu órgão de apoio operacional e administrativo, subordinado à Presidência e ao Pleno. 1º - A Secretaria Executiva é órgão vinculado à Secretaria responsável pela Política Municipal da Pessoa Idosa, tendo por finalidade a promoção do necessário apoio técnico-administrativo ao Conselho, suas Comissões e Grupos de Trabalho, fornecendo as condições para o cumprimento das competências legais expressas nos capítulos I e II deste Regimento. 2º - A Secretaria Executiva é apoiada administrativa e tecnicamente por servidores (as) da Secretaria responsável pela Política Municipal da Pessoa Idosa e de seus órgãos, de outras Secretarias e Instituições Públicas dos 03 (três) níveis de governo, colocados à disposição ou contratados (as) especificamente para esse fim. Art Compete à Secretaria Executiva: I. executar atividades técnico-administrativas de apoio ao COMDDIJ; II. expedir atos de convocação de reuniões, por determinação da presidência; III. auxiliar a presidência na preparação das pautas, classificando as matérias por ordem cronológica de entrada no protocolo, distribuindo-as aos membros das comissões temáticas e permanentes ou aos grupos de trabalho para conhecimento e emissão de parecer; IV. acompanhar as reuniões do Plenárias, assistir ao (à) Presidente (a) da mesa e anotar os pontos mais relevantes, visando à checagem da redação final da ata, bem como proceder a redação das deliberações e resoluções aprovadas no Plenário; V. preparar e controlar a publicação no Diário Oficial do Município de todas as resoluções proferidas pelo COMDDIJ; VI. registrar as correspondências dirigidas ao Conselho e respondê-las, obrigatoriamente em articulação com o (a) Presidente (a); VII. manter sob sua responsabilidade a correspondência, os livros e outros documentos do Conselho; VIII. informar nas reuniões do COMDDIJ acerca das correspondências recebidas, expedidas e encaminhamentos que a elas digam respeito; IX. receber denúncias e encaminhá-las ao (à) Presidente (a) do COMDDIJ para que dê ciência ao Plenário, comunicando as providências adotadas; X. apoiar as atividades da Presidência e auxiliá-la na elaboração do Relatório Anual de Atividades; XI. preparar antecipadamente as reuniões do Pleno do Conselho, incluindo convites a expositores (as) de temas previamente aprovados, elaboração de informes, remessa de material aos (às) Conselheiros (as) e outras providências; XII. dar encaminhamento às conclusões do Plenário, inclusive revendo a cada mês a implementação de conclusões de reuniões anteriores; XIII. despachar os processos e expediente de rotina; e XIV. executar outras atividades que lhe sejam atribuídas pela Presidência ou pelo Plenário. Parágrafo Único - A substituição do (a) profissional que ocupar a Secretaria Executiva poderá ser proposta pelo Plenário ao (à) Secretário (a) da pasta ao qual o COMDDIJ esteja vinculado, no caso de descumprimento do presente Regimento ou de inoperância em suas funções.

17 17 CAPÍTULO X: DAS COMISSÕES TEMÁTICAS E PERMANENTES E GRUPOS DE TRABALHO Art Com o objetivo de apoiar, assessorar tecnicamente e agilizar as ações do COMDDIJ, ficam constituídas as seguintes Comissões Temáticas e Permanentes; I - Comissão de Apoio à Secretaria Executiva e Comunicação Social- CASECS; II - Comissão de Legislação e Normas - CLN; III - Comissão de Orçamento e Finanças - COF; IV - Comissão de Acompanhamento e Fiscalização - CAF. Parágrafo Único - As Comissões de que trata o caput serão constituídas exclusivamente por membros do COMDDIJ, titulares ou Suplentes, com o número mínimo de 03 (três) membros e mandato de 02 (dois) anos. Art Compete a CASECS: I - acompanhar, de um modo geral, as atividades da Secretaria Executiva do COMDDIJ; II - apoiar os trabalhos das comissões temáticas e permanentes e grupos de trabalho, inclusive quanto ao cumprimento dos prazos de apresentação de relatórios e pareceres ao Plenário; III - acompanhar o encaminhamento/tramitação das resoluções, recomendações e moções aprovadas pelo COMDDIJ e oferecer informações atualizadas ao Plenário; IV - divulgar as ações do COMDDIJ junto aos conselhos setoriais e à sociedade civil em geral; V- articular a divulgação das ações do COMDDIJ nos órgãos de imprensa (escrita, falada e televisada); VI - promover campanhas de formação da opinião pública sobre os direitos assegurados à pessoa idosa; VII - elaborar o material de divulgação a ser veiculado nos meios de comunicação, com a finalidade de difundir o trabalho realizado com a pessoa idosa; VIII - elaborar programas educativos e coordená-los, objetivando esclarecer a população sobre o processo de envelhecimento; e IX. representar o COMDDIJ em eventos e reuniões, por delegação da Mesa Diretora. Art Compete à CLN: I - elaborar propostas de políticas de promoção e defesa dos direitos da pessoa idosa; II - incentivar e apoiar a realização de eventos, estudos e pesquisas de campo, de promoção, proteção e defesa da pessoa idosa; III - oferecer subsídios ou fazer proposições ao governo, objetivando aperfeiçoar a legislação pertinente à política de atendimento aos direitos da pessoa idosa; IV. promover articulação entre o COMDDIJ e os demais conselhos setoriais municipais, objetivando o acompanhamento da execução das políticas públicas pertinentes à pessoa idosa; V. estudar, analisar, opinar e emitir parecer sobre matéria que lhe for atribuída e assessorar as reuniões plenárias na área de sua competência; VI - analisar e emitir parecer acerca de projetos de lei de interesse das pessoas idosas em tramitação na Câmara Municipal do Jaboatão dos Guararapes; VII - propor a criação ou alteração de projetos de lei e atos normativos para garantir os direitos das pessoas idosas; VIII - acompanhar os projetos de lei de interesse das pessoas idosas em tramitação na Câmara Municipal do Jaboatão dos Guararapes e na Assembleia Legislativa de Pernambuco; IX. elaborar os atos normativos referentes às matérias de sua competência, com vistas à aprovação final pelo Plenário; X. representar o COMDDIJ em eventos e reuniões na área de sua competência, por delegação da Mesa Diretora; e XI. propor a realização de eventos envolvendo as entidades cadastradas no COMDDIJ, promovendo formação e disseminando informações sobre controle social e políticas públicas. Art. 31 -Compete a COF: I propor prioridade de atuação e critérios para utilização dos recursos, programas e ações de assistência à pessoa idosa; II - monitorar os planos, programas e projetos elaborados pela Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, relacionados às pessoas idosas, formulando parecer, quando necessário; III - acompanhar a execução orçamentária da Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, no que for referente a ações da Política Municipal da Pessoa Idosa; IV - acompanhar a execução dos Convênios firmados pela Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, relacionados às pessoas idosas; V. solicitar, sempre que necessário, parecer e/ou assessoria técnica de profissionais com reconhecida competência na área de planejamento e orçamento; VI. monitorar as entidades prestadoras de serviço às pessoas idosas, sob gestão municipal, no tocante a qualidade do serviço prestado, atendimento, execução orçamentária e infraestrutura; VII - acompanhar e avaliar a proposta orçamentária no que se refere ao atendimento dos direitos da pessoa idosa, sugerindo modificações necessárias à consecução da respectiva política, em conjunto com a Secretaria responsável pela Política Municipal da pessoa idosa; VIII. estudar, analisar, opinar e emitir parecer sobre matéria que lhe for atribuída e assessorar as reuniões plenárias na área de sua competência; e IX. representar o COMDDIJ em eventos e reuniões na área de sua competência, por delegação da Mesa Diretora. Art Compete a CAF: I - controlar e fiscalizar a execução da Política de Promoção e Proteção dos Direitos da pessoa idosa; II - fiscalizar a utilização dos recursos nos programas e ações de assistência à pessoa idosa no âmbito governamental e não governamental, visando à adequada utilização dos recursos concedidos; III elaborar critérios para o cadastramento de entidades de defesa e/ou atendimento aos direitos da pessoa idosa;

18 18 IV analisar, de acordo com os critérios estabelecidos, o cadastramento de entidades de defesa ou atendimento aos direitos da pessoa idosa, resguardando a aprovação do Pleno do Conselho; V. estudar, analisar, opinar e emitir parecer sobre matéria que lhe for atribuída e assessorar as reuniões plenárias na área de sua competência; e VI. representar o COMDDIJ em eventos e reuniões na área de sua competência, por delegação da Mesa Diretora. Art. 33. A critério do Plenário, poderão ser criados Grupos de Trabalho, que terão essencialmente a responsabilidade de complementar a atuação do COMDDIJ, articulando e integrando os órgãos, instituições e entidades que gerenciam os programas, suas execuções e os conhecimentos e tecnologias afins, recolhendo-os e processando-os, visando à produção de subsídios, propostas e recomendações ao Plenário do COMDDIJ. Parágrafo único - Em função das suas finalidades, as Comissões temáticas e permanentes e Grupos de Trabalho têm como clientela exclusiva o Plenário do COMDDIJ, que lhes encomendou objetivos, planos de trabalho e produtos e que poderá delegar-lhes a faculdade para trabalhar com outras entidades. Art Os Grupos de Trabalho, instituídos pelo Plenário do COMDDIJ têm a finalidade de fornecer subsídios de ordem técnica, administrativa, econômico-financeira e jurídica, com prazo determinado de funcionamento. Art A constituição e o funcionamento de cada Comissão Temática e Permanente e Grupo de Trabalho serão estabelecidos em resolução específica e deverão estar embasados na explicitação de suas finalidades, objetivos, produtos, prazos e demais aspectos que identifiquem claramente a sua natureza. 1º - As Comissões Temáticas e Permanentes e Grupos de Trabalho serão dirigidos por um (a) Coordenador (a), designado (a) por seus membros. 2º - Nenhum (a) conselheiro (a) poderá participar simultaneamente de mais de duas Comissões ou grupos de trabalho. 3º - Será substituído o membro da Comissão ou Grupo de Trabalho que faltar, sem justificativa apresentada até 48 (quarenta e oito) horas após a reunião, a duas reuniões consecutivas ou quatro intercaladas no período de um ano, contadas a partir da primeira falta. A Secretaria Executiva comunicará ao Plenário para providenciar a sua substituição. CAPÍTULO XI: DOS (AS) COORDENADORES (AS) E MEMBROS DAS COMISSÕES TEMÁTICAS E PERMANENTES E GRU- POS DE TRABALHO Art Os (as) coordenadores (as) das Comissões terão as seguintes atribuições: I - dirigir os trabalhos; II - promover as condições necessárias para que a Comissão ou Grupo de Trabalho atinja a sua finalidade, incluindo a articulação com os órgãos e entidades geradores de estudos, propostas, normas e tecnologias; e III - apresentar à Secretaria Executiva do COMDDIJ, relatório e frequência da reunião realizada. Art Os membros das Comissões ou Grupos de Trabalho terão as seguintes atribuições: I - realizar estudos, apresentar proposições, apreciar e relatar as matérias que lhes forem distribuídas; II - requerer esclarecimentos que lhes forem úteis, para melhor apreciação da matéria; e III - elaborar documentos que subsidiem as Comissões ou Grupos de Trabalho. CAPÍTULO XII: DAS ELEIÇÕES Art As eleições do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa - COMDDIJ deverão processar-se 30 (trinta) dias antes do término do mandato do Conselho em exercício, feita a convocação através de ampla divulgação, por Editais no Diário Oficial do Município e/ou em jornais. Art As normas de organização das eleições do COMDDIJ serão definidas através de Resolução própria aprovada pelo Plenário, de conformidade com a legislação vigente e os dispositivos deste Regimento. Art. 40 Cabe ao (a) Chefe do Poder Executivo ou autoridade por ele designada, dar posse aos (as) Conselheiros (as) eleitos (as) e nomeados (as). Art A eleição para Presidente (a) e Vice-Presidente (a), que só poderá ocorrer após o Ato de Posse dos (as) Conselheiros (as), dar-se-á entre os (as) componentes do COMDDIJ, devendo ter direito a voto apenas os (as) titulares ou no exercício da titularidade. CAPÍTULO XIII: DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art Caberá ao Poder Executivo, através da Secretaria responsável pela Política Municipal da pessoa idosa, garantir ao COM- DDIJ todo o apoio administrativo, operacional, econômico-financeiro e de recursos humanos e materiais necessários a seu pleno e regular funcionamento. Art O COMDDIJ poderá organizar fóruns regionais e municipais, mesas redondas, oficinas de trabalho e outros eventos que congreguem áreas do conhecimento e tecnologia, visando subsidiar o exercício das suas competências e o controle social. Art As propostas de alteração parcial ou total deste Regimento deverão ser apreciadas em Reunião Extraordinária, convocada especialmente para este fim e aprovada por maioria simples dos votos dos seus membros.

19 19 Art Os casos omissos e as dúvidas surgidas na aplicação do presente Regimento Interno serão dirimidos pelo Plenário do COMDDIJ. Art Este Regimento Interno entra em vigor na data de sua publicação. Art Ficam revogadas as disposições em contrário. Cristiane Pereira de Melo PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA COMDDIJ JABOATÃO PREV PORTARIA Nº 054, de 06 de março de O Gerente de Previdência e Atuária do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município do Jaboatão dos Guararapes, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do art. 55, da Lei Municipal nº. 108/01, RESOLVE: Conceder aposentadoria voluntária por idade e tempo de contribuição a JOSÉ EVANDRO DE SANTANA, no cargo de Guarda Municipal, Classe Guarda Municipal I, Padrão de Vencimento 2, matrícula n , lotado na Secretaria Executiva de Segurança Cidadã, nos termos do art. 3º, incisos I a III, da EC n 47/05. Esta portaria entra em vigor na data da sua publicação. LEONARDO ALEXANDRE DE LUNA Gerente de Previdência e Atuária ADRIANA ALVES DE ARAÚJO Presidente PORTARIA Nº 055, de 07 de março de O Gerente de Previdência e Atuária do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município do Jaboatão dos Guararapes, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I, do art. 55, da Lei Municipal nº. 108/01, RESOLVE: Conceder aposentadoria especial do magistério a ANTONIO GOMES BESERRA, no cargo de Professor 2, Classe II, Nível 8, Referência P, matrícula n , lotado na Secretaria Executiva de Educação, nos termos do art. 6º, incisos I a IV, da EC n 41/03. Esta portaria entra em vigor na data da sua publicação. LEONARDO ALEXANDRE DE LUNA Gerente de Previdência e Atuária ADRIANA ALVES DE ARAÚJO Presidente SECRETARIA EXECUTIVA DE PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS COMUNICADO URGENTE MUDANÇA DE ENDEREÇO A Comissão de Licitação de Infraestrutura comunica aos interessados que o PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 001/ TOMADA DE PREÇOS Nº001/2014, OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MELHORIA NAS ESCADARIAS E CONTENÇÃO DAS RUAS ANTÔNIO DE MEDEIROS (SANTO ALEIXO), DOM JOÃO VI (SANTO ALEIXO), 1ª TRAVESSA DA 01 (UR 11), RUA DO MARCO (PACHECO), GASPAR UCHOA (SUCUPIRA) E AUGUSTO SOUZA LEÃO (SUCUPI- RA), NO MUNICÍPIO DO JABOATÃO DOS GUARARAPES, com data designada para a sessão de abertura de Proposta Financeira no dia 14/03/14 às 11h:00min será realizada no seguinte endereço: Av. Almirante Dias Fernandes, nº271, Prazeres, Jaboatão dos Guararapes/PE. Carla Cunha - Presidente da Comissão de Licitação de Infraestrutura.

20 20 SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA EXECUTIVA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO DE LICITAÇÃO DE ATENDIMENTO ÀS DEMAIS SECRETARIAS E ENTIDADES AVISO DE LICITAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 016/ PREGÃO ELETRÔNICO Nº 011/2014 OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA EVEN- TUAL AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS, A FIM DE ATENDER AS NECESSIDADES DAS DIVERSAS SECRETA- RIAS DA PREFEITURA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES. RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS ATÉ: 26/03/2014 às 09:00h. ABERTURA DAS PROPOSTAS: 26/03/2014 às 09:15h. INÍCIO DA DISPUTA: 26/03/2014 às 14:30h. O Edital na íntegra poderá ser retirado no endereço eletrônico: (BANCO DO BRASIL). Código: Outras informações: fone/fax: (81) , segunda à sexta-feira das 8h às 13h. Jaboatão dos Guararapes, 11 de março de Marise Cavalcanti de Melo Pregoeira. Prefeitura Municipal do Jaboatão dos Guararapes PODER EXECUTIVO DIÁRIO OFICIAL Prefeito ELIAS GOMES DA SILVA Vice-prefeito HERALDO DE ALBUQUERQUE SELVA NETO Chefe de Gabinete JOSÉ AMBRÓSIO DOS SANTOS Controlador Geral do Município EDIR PINTO PERES Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos JÚLIO CÉSAR CASIMIRO CORREIA Secretaria Municipal do Governo MARIA DA CONCEIÇÃO DE OLIVEIRA NASCIMENTO Secretaria Municipal de Gestão Integrada Fazenda e Administração JACKSON ANTÔNIO DA TRINDADE ROCHA Secretaria Municipal de Políticas Sociais Integradas KARLA MAGDA DE MELO MENEZES Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Humana EVANDRO JOSÉ MOREIRA DE AVELAR Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade MARIA DE FÁTIMA RAMOS LACERDA Secretaria Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Econômico MARIA MIRTES CORDEIRO RODRIGUES Secretaria Municipal de Ordem Pública e Segurança Cidadã ELMO JOSÉ DE FREITAS Procurador Geral do Município HENRIQUE DE ANDRADE LEITE EDIÇÃO - Secretaria Executiva de Comunicação Social e Desenvolvimento Digital Secretário - JORGE AUGUSTO PEREIRA LEMOS Assessor Especial - HAMILTON ROCHA Gerente de Imprensa: CEÇA BRITTO Assessor Técnico: ANA LUÍSA ERTHAL Redação: FELIPE LEITE - MÁRCIO SANTANA - RENAN SOUZA - ROSIMERE ALBUQUERQUE - TIAGO BRITO Fotógrafos: MARCELO FERREIRA e VALTER ANDRADE Diagramação: LUCIANA LOBO

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI (Extrato) REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal do Idoso de Feira

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM.

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAVEL, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU, DE AUTORIA DO ILUSTRE VEREADOR BENTO TOLENTINO, COM EMENDAS DOS

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012.

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Reserva Biológica Mata Paludosa. A SECRETÁRIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINUTA DE LEI LEI N Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piraí, aprova e eu sanciono a seguinte Lei, TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas COMPOD. O(A) Prefeito(a)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Música do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso das atribuições que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE CMS - BARRA MANSA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE CMS - BARRA MANSA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE CMS - BARRA MANSA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O Presente Regimento Interno Dispõe sobre a natureza, finalidade, competência, definir

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 040/2015, de 22 de setembro de 2015. CAPITULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº 040/2015, de 22 de setembro de 2015. CAPITULO I Das Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº 040/2015, de 22 de setembro de 2015. DISPOE SOBRE A POLITICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICPAL DO IDOSO-CMI E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE PIRATUBA, Estado

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE DE GOIÁS.

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE DE GOIÁS. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE DE GOIÁS. Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O presente Regimento Interno dispõe sobre a natureza, finalidade, competência, organização do

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Lei nº 407/2014, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Abaetetuba e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE Projeto de Lei n..., de de de 2012. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de e dá outras providências. A Câmara Municipal de (nome

Leia mais

ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ IAP

ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ IAP ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ IAP PORTARIA EEC Nº 01 de 14 de Maio de 2008. CAPÍTULO I Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Unidade de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO TÍTULO I DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão Nacional

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade MINISTÉRIO DA FAZENDA REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º O Grupo Técnico de Padronização de Relatórios, instituído pela Portaria

Leia mais

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO)

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) Goiânia-2010 REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS

Leia mais

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI Nº 7213/2006 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPD - CMDPD

CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPD - CMDPD CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPD - CMDPD REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência-CMDPD, instituído pela

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES CAPÍTULO I - Da Natureza Art. 1º. O Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno,órgão colegiado de deliberação

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Os Conselhos Tutelares, órgãos permanentes e autônomos, não-jurisdicionais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Of/GP/CM/069/09 Canoas, 22 de abril de 2009. Senhor Presidente: Vimos respeitosamente apresentar para apreciação desta Casa Legislativa o Projeto de Lei 24/09, que Cria o Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAUSC CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Artigo 1 O presente regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho da Comunidade da

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO II DA NATUREZA E DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO II DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal de Educação de Teresina, instituído em 19 de dezembro de 2001, pela Lei

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI PROPOSTA DE PROJETO DE LEI Institui o Conselho Estadual de Comunicação Social e dá outras providências. Art. 1º. É instituído o Conselho Estadual de Comunicação Social, instância pública de caráter independente,

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Lei nº 006, de 04 de Abril de 2014. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO CMS - CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito de Santa Inês, município do Estado do Maranhão, no uso de suas

Leia mais

KIT de Criação do Conselho Municipal do Idoso. Conselho Municipal do Idoso

KIT de Criação do Conselho Municipal do Idoso. Conselho Municipal do Idoso KIT de Criação do Conselho Municipal do Idoso Este KIT de Criação do Conselho Municipal do Idoso CMI, é um conjunto de documentos necessários para a criação de um Conselho Municipal do Idoso, nasceu da

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Natureza e finalidade Artigo 1º O Conselho Municipal de Assistência Social instituído pela Lei Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e administrativa, e nos órgãos suplementares da administração

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE LEI 2510 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE JUNHO DE. DOWNLOAD PARA IMPRESSÃO Lei 2510 ***** TEXTO COMPLETO *****

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais