Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento. Enio Marcos Barcelos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento. Enio Marcos Barcelos. comercial@lactec.org.br"

Transcrição

1 Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento Enio Marcos Barcelos

2 A INSTITUIÇÃO Associação civil, de direito privado, auto-sustentável e sem fins lucrativos. Provê seus recursos por meio da venda de projetos de P&D de outros serviços tecnológicos. Certificações: OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Ministério da Justiça); CATI Comitê da Área de Tecnologia da Informação (Ministério da Ciência e Tecnologia). Associados

3 INSTALAÇÕES CEHPAR Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza 1959 LAC Laboratório Central de P&D 1982 LAME Laboratório de Materiais e Estruturas 1994 LEME Laboratório de Emissões Veiculares 2000 LACTEC - SEDE 2001

4 PRODUTOS E SERVIÇOS Pesquisa e Desenvolvimento Conjunto de atividades que compreende os projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento experimental e engenharia do produto, além do desenvolvimento de protótipos, processos e sistemas de base tecnológica. Ensaios e Análises Qualificados Caracterização, diagnóstico e certificação de produtos, componentes, processos e sistemas. Ações Educacionais Compreende atividades de treinamento e qualificação de recursos humanos. Elaboração e execução de programas em vários níveis de formação e outras ações para capacitação tecnológica. Serviços Tecnológicos Estudos sobre fomento, demanda, aplicação, especificação e oferta de tecnologia. Estudos, engenharia básica e serviços técnicos especializados. Geração e transferência de tecnologia. Assessoria e consultoria técnica em suas as áreas de conhecimento.

5 ABRANGÊNCIA Concessionárias de Energia Outros Países Equador, Paraguai, EUA, Iraque, Malásia, China, dentre outros

6 DESTAQUES Está entre os 3 maiores geradores de patentes do setor elétrico nacional - 75 Nacionais (nos últimos 5 anos: 20) - 3 Internacionais 1999 Prêmio Finep Produto Região Sul 2000 Troféu Expressão de Excelência Tecnológica Centro de Pesquisa 2003 PRÊMIO FINEP INSTITUIÇÃO DE PESQUISA NACIONAL 2006 Troféu Expressão de Ecologia Instituição de Pesquisa 2006 Prêmio Selo Procel de Economia de Energia 2007 Prêmio Selo Procel de Economia de Energia 2008 Prêmio Selo Procel de Economia de Energia

7 RECURSOS HUMANOS Funcionários (CLT) 522 Doutores 27 Doutorandos 7 Mestres 52 Mestrandos 17 Pós-Graduados 33 Pós-Graduandos 2 Superior 146 Outros 238 Estagiários (Graduação) 104 Bolsistas (Mestrado e Doutorado) 99 TOTAL 725 Consultores Técnicos 36

8 ÁREAS DE ATUAÇÃO Estruturas Civis Sistemas Elétricos Sistemas Eletrônicos Sistemas Mecânicos Hidráulica e Hidrologia Meio Ambiente Geoprocessamento Tecnologia em Materiais Tecnologia da Informação

9 ESTRUTURAS CIVIS Ensaios e controle de concreto e solos para aplicação em construções civis Novas tecnologias de instrumentação, monitoramento de obras e segurança de barragens Durabilidade de estruturas civis Laboratório de Concreto Laboratório de Solos

10 SISTEMAS ELÉTRICOS Metrologia Qualidade de Energia e Compatibilidade eletromagnética Luminotécnica (iluminação pública) Eficiência energética Desempenho de Equipamentos Elétricos Planejamento e Operação de Sistemas Elétricos Geração Distribuída Lab. de Luminotécnica Laboratório de Alta Tensão

11 SISTEMAS ELETRÔNICOS Eletrônica de potência Eletrônica embarcada Sensor de Bucha Medição e qualidade de energia Dispositivos de combate a perdas de energia Automação e controle Medidor Pré-pago Sistemas de rastreamento Processamento digital de sinais Laboratório de Eletrônica

12 SISTEMAS MECÂNICOS Turbinas Hidráulicas Energias Alternativas Novas tecnologias de soldagem Teste de veículos Testes em motores a combustão Controle de emissões veiculares Teste de motores Ensaios em cabos

13 HIDRÁULICA E HIDROLOGIA ESTRUTURA E ATIVIDADES Modelos reduzidos de aproveitamentos hidrelétricos Transporte de sedimentos e assoreamento de reservatórios, rios e portos Hidráulica ambiental, transposição de peixes e recuperação de rios Operação e dimensionamento de sistemas de reservatórios Planos Emergenciais (enchentes urbanas, ruptura de barragens, etc.) União da Vitória/PR enchente de 1983 Modelos reduzidos

14 MEIO AMBIENTE Estudos qualitativos e quantitativos de águas costeiras e continentais Monitoramento da qualidade do ar e de emissões atmosféricas Monitoramento, controle e gerenciamento de espécies invasoras aquáticas Corredores de biodiversidade Mexilhão Dourado Monitoramento da qualidade do ar Estação Ouvidor Pardinho Curitiba/PR Emissão industrial

15 GEOPROCESSAMENTO Sistemas de Informações Geográficas SIG Mapeamento digital a laser Sensoriamento remoto (GPS, radar e imagem de satélite) Centro Politécnico UFPR Jardim Botânico Curitiba/PR

16 TECNOLOGIA EM MATERIAIS Qualificação e avaliação no desenvolvimento de novos materiais Controle químico e desenvolvimento de processos industriais Laboratório de Química Ensaios normatizados na área de química e materiais (Ex. Transformadores isolados a óleo) Recuperação ambiental por meio de processos de biorremediação Microscópio Eletrônico

17 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTRUTURA E ATIVIDADES Sistemas de Engenharia Sistemas de Gestão Credenciado pelo MCT Lei de Informática Laboratório de TI

18 ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NO LACTEC Departamentos: Linhas de pesquisa Grupos de pesquisa

19 LINHAS DE PESQUISA ESTRUTURA E ATIVIDADES Sistemas Elétricos de Potência Eletrônica de Potência Automação de Sistemas Elétricos Inteligência Computacional Aplicada Mercado de Energia Elétrica e Planejamento Energético Qualidade da Energia Elétrica (QEE) e Compatibilidade Eletromagnética (EMC) Geração Distribuída (GD) Eficiência Energética Isolamentos Elétricos e Fluidos Isolantes

20 LINHAS DE PESQUISA ESTRUTURA E ATIVIDADES Desenvolvimento de Materiais e Estudos de Degradação Sistemas Construtivos Integridade Estrutural Durabilidade e Segurança de Estruturas Geotecnia Aplicada Instrumentação e Monitoramento Modelagem Física e Mecânica Computacional Aplicada Estruturas Hidráulicas

21 LINHAS DE PESQUISA ESTRUTURA E ATIVIDADES Hidráulica Costeira e Ambiental Geoprocessamento Realidade Virtual e Simulação de Operação de Sistemas Bacias Hidrográficas Bioinvasões Aquáticas Planejamento Ambiental Mecanismos de Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento de Sistemas Mecânicos Fontes Alternativas de Energia

22 PARTICIPAÇÃO EM REDES NACIONAIS DE INSTITUTOS DE PESQUISA Redes temáticas - PETROBRAS Desenvolvimento veicular Projetos: Banco de teste de motores diesel Euro IV e V Banco para testes de emissões em motocicletas. Análise de emissões em biodiesel via FTIR.

23 PARTICIPAÇÃO EM REDES NACIONAIS DE INSTITUTOS DE PESQUISA Redes temáticas SIBRATEC/MCT Inovação em Tecnologias para Veículos Elétricos (coordenação nacional); Inovação em Eletrônica para Produtos; Rede de Centros de Inovação em Tecnologias para Energia Solar Fotovoltaica.

24 PARTICIPAÇÃO EM REDES NACIONAIS DE INSTITUTOS DE PESQUISA Redes temáticas SIBRATEC/MCT Serviços Tecnológicos: Gravimetria, orientação magnética, intensidade de campo magnético e meteorologia, compatibilidade eletromagnética; Biocombustíveis; Instalações prediais e iluminação pública; Monitoramento ambiental.

25 MESTRADO PROFISSIONAL Mestrado em Desenvolvimento de Tecnologia Início 2005 Conceito 4 CAPES/MEC Área de concentração em Tecnologias Energéticas 30 mestres formados 70 mestrandos GVT, COPEL, COMPAGÁS, CAVO, CAMARGO CORREA, CSN, SCHNEIDER, SIEMENS, BEMATECH, OPET, FORD

26 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL Copel 50 cursos/ano Outras concessionárias de energia 24 cursos/ano

27 SERVIÇOS E PARCERIAS TECNOLÓGICAS Mapeamento digital a laser. Copel Cemig Ensaios em veículos e motores para medição de gases poluentes, regulamentados conforme o CONAMA, dando suporte às engenharias das montadoras no desenvolvimento e homologação de veículos e motores. Mitsubishi Johnson Matthey Brasil Bosh Petrobrás Renault Peugeot Citroen Cetesb Ford General Motors MWM/International Nissan Daimler Chrysler Kia Hyunday Tecpar Copel

28 SERVIÇOS E PARCERIAS TECNOLÓGICAS Modelagem física e matemática de aproveitamentos hidrelétricos de estruturas e equipamentos. Intertechne Camargo Correa Leme Engevix Copel Controle tecnológico da qualidade dos materiais de construção utilizados em grandes obras, como usinas hidrelétricas e linhas de transmissão de energia elétrica. Camargo Correa DM Construtora de Obras Grupo Brennand Construtora Queiroz Galvão Construtora Gomes Lourenço Consórcio Cruzeiro do Sul

29 SERVIÇOS E PARCERIAS TECNOLÓGICAS Programa Qualicert Certificação da qualidade de empresas fornecedoras das concessionárias de energia elétricas, por meio do enquadramento de seus produtos, materiais e/ou equipamentos em padrões de qualidade de manufatura e atendimento integral às especificações de uso final. Copel Certificação, desenvolvimento e homologação de produtos Laboratórios acreditados pelo INMETRO: Laboratório de Metrologia, Laboratório de Materiais e Estruturas LAME, Laboratório de Pilhas e Baterias LBAT, Laboratório de Luminotécnica e Laboratório de Emissões Veiculares LEME Empresas do Setor Eletro-eletrônico

30 SERVIÇOS E PARCERIAS TECNOLÓGICAS Desenvolvimento de novas tecnologias e capacitação profissional amparadas nos incentivos da Lei da Informática. Bematech Genco Furukawa Siemens Nokia Microsoft Instrumentação de estruturas e componentes mecânicos com sensores resistivos, acústicos e de fibras óticas monitoramento de temperaturas, deformações, deslocamentos e vibrações. Indústria da construção civil e metal-mecânica

31 SERVIÇOS E PARCERIAS TECNOLÓGICAS Recuperação ambiental por meio de processos de biorremediação; Degradação de materiais de redes de distribuição e transmissão de energia; Avaliação de corrosão e desenvolvimento de sistemas de proteção de estruturas metálicas; Desenvolvimento de sistemas de radiografia e tomografia de raios X; Desenvolvimento de materiais poliméricos e compósitos; Desenvolvimento em baterias - chumbo-ácido; Estudos sobre células a combustível. Copel Coelba Eletronorte RGE

32 PRODUTOS E PATENTES LACRE ELETRÔNICO RASTREAMENTO DE PRESOS CHIP DO BOI SENSORES PARA MÉDIA TENSÃO VERIFICADOR DE MEDIDORES SENSOR DE BUCHAS MEDIDOR PRÉ-PAGO CAÇA-GATOS SOE IDENTIFICADOR DE FASES PC DE GRELHAS MONITORADOR DE FALTA DE ENERGIA ELETROPOSTO PARA VEÍCULOS ELÉTRICOS

33 Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho de 2012 UFRJ Ilha da Cidade Universitária Campus da Universidade

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PFRH Objetivo Ampliar e fortalecer a formação de recursos

Leia mais

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida.

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. HYDAC Matriz na Alemanha Seu parceiro competente para acumuladores hidráulicos inovadores e sistemas híbridos. Todos os requerimentos para eficientes soluções

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 www.cresesb.cepel.br Hamilton Moss de Souza Célia Regina S. H. Lourenço Sérgio

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO. A Hélice Tripla do RN

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO. A Hélice Tripla do RN GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO A Hélice Tripla do RN Incentivos da Lei do Petróleo para P&D SUPORTE PARA P&D NO SETOR PETRÓLEO P&D INVESTIR 1% DA RECEITA BRUTA EM P&D (Concessionário) PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático 16

Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

UFSC - FLORIANÓPOLIS. Instituto do Petróleo, Gás e Energia Universidade Federal de Santa Catarina. Recife

UFSC - FLORIANÓPOLIS. Instituto do Petróleo, Gás e Energia Universidade Federal de Santa Catarina. Recife UFSC - FLORIANÓPOLIS Instituto do Petróleo, Gás e Energia Universidade Federal de Santa Catarina Recife 17-18/11/2011 Tópicos da Apresentação 1. O Depto de Eng. Mecânica UFSC - FLORIANÓPOLIS 2. O INPetro

Leia mais

Vistas do Laboratório de Vibrações e Acústica, ao qual foram anexadas as novas instalações do Laboratório de Ruído Industrial.

Vistas do Laboratório de Vibrações e Acústica, ao qual foram anexadas as novas instalações do Laboratório de Ruído Industrial. Grupo de Vibrações e Acústica (GVA), que opera junto ao Laboratório de Vibrações e Acústica, foi formado em 1979 e compreende uma equipe permanente de professores da Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

SENAI BAHIA Parceria e desenvolvimento em Tecnologia e Educação

SENAI BAHIA Parceria e desenvolvimento em Tecnologia e Educação SENAI BAHIA Parceria e desenvolvimento em Tecnologia e Educação Novembro 2012 Sumário SENAI Educação EAD Tecnologia Tecnologia da Informação Microeletrônica e Eletrônica Embarcada Possibilidades de Parceria

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009 Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD O CPqD Instituição, focada na inovação com base nas tecnologias

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Aterramento e Blindagem para o Controle de Interferência em Sistemas de Automação

Aterramento e Blindagem para o Controle de Interferência em Sistemas de Automação Curso de Formação: Aterramento e Blindagem para o Controle de Interferência em Sistemas de Automação Objetivo: Aplicação das técnicas EMC (Aterramento, Blindagem, Cablagem e Proteção contra Surtos/Raios)

Leia mais

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE www.grupotse.com.br I. A EMPRESA II. SERVIÇOS III. CLIENTES IV. CERTIFICAÇÕES V. CASES www.grupotse.com.br A Empresa Com Matriz em São

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Norma Interna: Ajuste Curricular

Norma Interna: Ajuste Curricular Norma Interna: Ajuste Curricular A RESOLUÇÃO Nº 61/08-CEPE fixa o currículo do MESTRADO e DOUTORADO acadêmico em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental da Universidade Federal do Paraná. Este currículo

Leia mais

Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul

Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul Conteúdo O mercado automotivo de 1980 à 2015 O perfil atual do consumidor brasileiro A evolução dos sistemas automotivos

Leia mais

A Experiência do LIT / INPE

A Experiência do LIT / INPE A Experiência do LIT / INPE Elaborado por Heyder Hey & Geilson Loureiro 1 O INPE e o MCT MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Órgãos da Assistência Direta (Secretaria Executiva, Gabinete, Assessoria

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II FPSO Workshop Tecnológico Campinas, 24-25 de abril de 2012 APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Carlos Daher Padovezi Instituto de Pesquisas

Leia mais

Serviços. Técnicos e Tecnológicos

Serviços. Técnicos e Tecnológicos Serviços Técnicos e Tecnológicos Serviços Técnicos e Tecnológicos Pas Psati Meio Ambiente Segurança do Trabalho Design de moda, calçados e Artesanato Design Moveleiro Gestão Haverá Título?! Sumário A exigência

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2013/11/1,29083/senai-educacao-profissional.html 21 de Novembro de 2013 SENAI - Educação profissional As possibilidades

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

LISTA DOS CONTEMPLADOS COM BOLSAS PIBIC E PIBITI/CNPq 2012/2013

LISTA DOS CONTEMPLADOS COM BOLSAS PIBIC E PIBITI/CNPq 2012/2013 LISTA DOS CONTEMPLADOS COM BOLSAS PIBIC E PIBITI/CNPq 2012/2013 Solicita-se aos orientadores que enviem o mais breve possível ao coordenador de pesquisa de seu campus os dados do aluno bolsista para cadastramento

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores. Roberto Barbieri Assessor da área de GTD. www.abinee.org.br

Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores. Roberto Barbieri Assessor da área de GTD. www.abinee.org.br Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores Roberto Barbieri Assessor da área de GTD www.abinee.org.br Entidade representativa do setor eletroeletrônico do Brasil, fundada em setembro de

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

Caminhos para a Inovação O Caso UFCG Wellington Santos Mota

Caminhos para a Inovação O Caso UFCG Wellington Santos Mota Caminhos para a Inovação O Caso UFCG Wellington Santos Mota CAMPUS DE CAMPINA GRANDE Dados Históricos da UFCG Em 1955, entrou em funcionamento em Campina Grande a Escola Politécnica da Paraíba, pertencente

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

SENAI Paraná Alimentos e Bebidas. Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo

SENAI Paraná Alimentos e Bebidas. Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo SENAI Paraná Alimentos e Bebidas Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo Áreas de atuação Automação Alimentos e Bebidas Celulose e Papel Gestão Mineração / Minerais

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2015/07/1,29083/cursos-para-docentes-do-senai.html Cursos para Docentes do SENAI É de interesse do SENAI que os

Leia mais

Sistemas embarcados. Paulo Urbano paulo.urbano@cesar.org.br

Sistemas embarcados. Paulo Urbano paulo.urbano@cesar.org.br Sistemas embarcados Paulo Urbano paulo.urbano@cesar.org.br Sobre o palestrante... Ciência da Computação, Departamento de Informática, UFPE, 1998 Mestrado em Tecnologia da Informação, Universität Stuttgart,

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações )

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações ) Solicite os livros por e-mail : viviane@tratamentodeagua.com.br ou pelo telefone: 11-55818170 ITEM LIVROS VALOR 1 A BOTANICA NO ENSINO BASICO R$ 73,80 2 A COBRANÇA PELO USO DA AGUA R$ 30,00 3 A COBRANÇA

Leia mais

Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV. Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável

Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV. Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável Potência para os negócios no mundo todo Automotivo A Eaton fornece energia para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria SEMINÁRIO BRASIL-ALEMANHA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Junho 2015 Departamento de Infraestrutura Deinfra/Ruy Bottesi A Federação das Indústrias

Leia mais

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore

A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore A estrutura da Indústria do Rio Grande do Sul para o segmento de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore CCPGE 28 de maio de 2014 Atuação FIERGS CCPGE

Leia mais

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014.

Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 255, de 29 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

Apresentação das Áreas do DEE ENERGIA

Apresentação das Áreas do DEE ENERGIA Apresentação das Áreas do DEE ENERGIA 9 de abril de 2014 1 Área de ENERGIA Prof. Ventim Neves Prof. Stan Valtchev Prof. João Martins Profª Anabela Pronto Prof. João Murta Pina Engº Pedro Pereira Prof.

Leia mais

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES!

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! Fundado em 2010, o Grupo Vikon, hoje é a mais completa prestadora de serviços de consultoria técnica, inspeção e manutenção do mercado. Nossa equipe especializada e eficientemente

Leia mais

28 de Maio 2015 www.abinee.org.br

28 de Maio 2015 www.abinee.org.br POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR E OS INCENTIVOS PARA SEU DESENVOLVIMENTO NO BRASIL Ildo Bet Diretor do GS Sistemas Fotovoltaicos 28 de Maio 2015 www.abinee.org.br Entidade representativa do setor eletroeletrônico

Leia mais