Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do NUTEC: Experiência no Estímulo, Proteção e Transferência de Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do NUTEC: Experiência no Estímulo, Proteção e Transferência de Tecnologia"

Transcrição

1 Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do NUTEC: Experiência no Estímulo, Proteção e Transferência de Tecnologia Mendes, Ricardo de Albuquerque, Diretor de Inovação Tecnológica, Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), Silva, Maria Suêly F. Oliveira, Analista de Propriedade Industrial, Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), Oliveira, Francisco Arnaldo, Analista de Propriedade Industrial, Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), Diniz, Camila Austregésilo, Advogada na área de Propriedade Industrial, Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), Subtema de Enquadramento: Contribuição das EPDI's para o Brasil Inovador e Competitivo. Palavras-chaves: inovação, NIT, propriedade industrial, sistema da qualidade. Resumo: O presente trabalho descreve a experiência da Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), no âmbito da inovação tecnológica - principalmente, na disseminação da cultura da inovação, na proteção dos ativos intangíveis, na normatização dos documentos para atender a ISO 9001:2008 e na transferência de tecnologia - após dois anos e meio da criação e implantação do seu Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) e da publicação da sua Política de Inovação Tecnológica do Nutec (PITN). Destaca que o sucesso obtido pelo NIT deve-se também às parcerias estabelecidas com outras Instituições Científicas e Tenológicas (ICT) através da Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Ceará (REDENIT-CE), que atualmente é composta por 17 instituições. Apresenta as boas práticas adotadas na gestão do NIT, confirmada pela obtenção da certificação dos seus procedimentos, em 2010, pela ISO 9001:2008, os quais passaram a integrar o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) do NUTEC. Mostra como o NIT contribuiu para incluir a a atividade inovativa no NUTEC - tendo em vista que a Instituição prioriza a prestação de serviços técnicos especializados - promovendo palestras, cursos, reuniões e participando de projetos, tais como Projeto Estruturante para Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará. Informa que o NIT após a identificação de tecnologias promissoras para a efetivação do depósito de patentes, direcionou suas ações para a realização dos procedimentos administrativos para efetivação da proteção patentária, bem como alimentação de base de patentes próprias, acompanhamento do desenvolvimento de parcerias e contratos, e elaboração dos trâmites necessários ao licenciamento da PI. Como conclusão, são apresentados os resultados obtidos. 1. Introdução A Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), objetivando valorizar a atividade criativa desenvolvida na instituição, por meio da proteção das criações (propriedade intelectual), da transferência de tecnologia e da inovação tecnológica em prol do desenvolvimento econômico, tecnológico e social do estado do Ceará criou, através de uma Portaria publicada no Diário Oficial do Estado em 1

2 24/11/2008, a sua Política de Inovação tecnológica (PITN), bem como, o seu Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), com base na Lei de Inovação nº /2004. O NIT, inaugurado no final de 2009, tem como objetivo articular, promover e valorizar as atividades desenvolvidas no âmbito do NUTEC, por meio da proteção intelectual, da transferência e da comercialização de tecnologias. Além disso, atende também inventores externos, recepcionando suas ideias, analisando criações em protótipos com oportunidades de inovação tecnológica, absorvendo-as de acordo com as capacidades do NUTEC. Atualmente, o NIT faz parte do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC), do Formulário para Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil (FORMICT), do Portal de Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e da Rede de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará (REDENIT-CE), atualmente composta por 17 instituições e coordenada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Juntamente com os demais NITs do estado do Ceará, contribuiu na elaboração da Lei Estadual de Inovação e dissemina a cultura de inovação, atendendo processos passíveis de proteção, orientando os inventores, realizando busca de anterioridade e registros de marcas e monitorando os pedidos junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). As boas práticas de gestão do NIT integram o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) do NUTEC, o qual foi certificado pela ISO 9001:2008, no ano de 2010, que define os procedimentos das atividades desenvolvidas, dando origem a um documento composto por referências, instruções e formulários devidamente formatados no Sistema de Gestão da Qualidade. O presente artigo descreve as experiências adquiridas pelo NIT, no decorrer desses dois anos e meio de existência, no âmbito da inovação tecnológica, principalmente, na disseminação da cultura da inovação, na proteção dos ativos intangíveis, na normatização dos documentos para atender a ISO 9001:2008 e na transferência de tecnologia. 2

3 2. Atuação do NUTEC NIT no Estímulo à Inovação A Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC), até meados dos anos de 2000, priorizava a prestação de serviços tecnológicos especializados e a transferência de tecnologia às empresas, ou seja, focava na prestação de serviços de análises, certificações, ensaios, inspeções, aferições, pareceres, perícias e laudos técnicos, deixando em segundo plano a pesquisa aplicada, o desenvolvimento de tecnologias e a transferência de tecnologia às empresas através de consultorias ou do processo de incubação. Com a criação da Diretoria de Inovação Tecnológica, em substituição à Diretoria de Pesquisa e Operações, o NUTEC iniciou o alinhamento da organização com à inovação tecnológica desenvolvida no âmbito estadual e nacional. Desde então, o NUTEC vem trabalhando na disseminação da cultura da inovação dentro da instituição, firmando parcerias estratégicas com empresas e ICTs, buscando atingir todo o Estado do Ceará. Inicialmente, foi criado e estruturado o núcleo de inovação tecnológica (NIT), conforme disposto no art. 17 da Lei de Inovação nº /2004 e do seu decreto regulamentador nº de 11/10/2005, que diz: A ICT deverá dispor de Núcleo de Inovação Tecnológica, próprio ou em associação com outras ICT, com a finalidade de gerir sua política de inovação. 1 Essa ação foi concretizada através da publicação da Política de Inovação Tecnológica do Nutec (PITN), que contém seu objetivo, vinculação, estrutura, competências, funcionamento e estabelece regras sobre patente, registro, certificação e demais aspectos inerentes à proteção da propriedade intelectual, como também, para a transferência e a comercialização da tecnologia desenvolvida no âmbito do Nutec. Após sua criação, o NIT direcionou, à priori, suas ações ao estímulo à inovação no âmbito interno da instituição, visto que durante diversos anos seus pesquisadores e técnicos estavam focados na prestação de serviços, e não priorizavam a pesquisa e o desenvolvimento de novas tecnologias. Segundo Bocchino (2010, p. 15), a pesquisa e o desenvolvimento (P&D) devem ser direcionados para atender às necessidades humanas e desta forma cumprir um importante papel no 1 Decreto de 11/10/2005, art. 17 3

4 desenvolvimento social e tecnológico do país 2. E, pensando nisso, o NIT vem realizando ações que visam incentivar o pesquisador a desenvolver produtos e/ou processos que possam causar um impacto significativo no mercado, contribuindo, desta forma, com o desenvolvimento industrial e tecnológico do Ceará e demais estados brasileiros. Dentre as ações desenvolvidas pelo NIT, destacam-se a realização de palestras, cursos e reuniões voltadas à difusão da proteção de tecnologias inovadoras e visitas aos laboratórios para estimular os pesquisadores a desenvolverem pesquisas voltadas a solucionar os gargalos tecnológicos existentes na indústria e mostrar a importância da inovação, para a ICT e para eles mesmos. Em paralelo a essas ações, o NIT buscou alternativas para a disseminação da inovação em ICTs do estado, ação esta que tornou-se possível através do Projeto Estruturante para Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará apoiado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado do Ceará (SECITECE) e elaborado com a participação de 6 (seis) ICTs do estado, a saber: NUTEC, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fundação Cearense de Metrologia e Recurso Hídricos (FUNCEME), Instituto Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC), Universidade Regional do Cariri (URCA), Universidade do Vale do Acaraú (UVA), apoiado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado do Ceará (SECITECE). Este projeto teve o objetivo de implantar e estruturar o arranjo nomeado Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Ceará (REDENIT- CE), para fortalecer os NITs já implementados ou em fase de implementação, e induzir o surgimento de novos NITs no estado, através de ações coordenadas voltadas para a capacitação de recursos humanos, à difusão de boas práticas de Proteção à Propriedade Intelectual e de Transferência de Tecnologia, e à execução de todas as competências normatizadas na Leis de Inovação Federal e Estadual, que devem ser exercidas pelos NITs das ICTs, para promoverem o aumento de proteção de criações e suas transferências para o mercado. 2 BOCCHINO, Leslie. Publicações da AGU: Propriedade Intelectual conceitos e procedimentos, Brasília, 2012, p. 15 4

5 3. O Sistema de Gestão da Qualidade no NIT A Organização Internacional para Normalização (ISO) é uma organização não governamental que, atualmente, está presente em cerca de 120 (cento e vinte) países, onde sua função é promover a normalização de produtos e serviços utilizando determinadas normas, para que a qualidade dos produtos e serviços seja sempre melhorada 3. No Brasil, o órgão que representa a ISO é a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Já a ABNT NBR ISO 9001, trata dos requisitos que a organização deve preencher para ter seu Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ) certificado pela ISO e comprovar a qualidade dos seus produtos e serviços. Ressalta-se que um SGQ eficaz permite às organizações verificarem a consistência de seus processos e orienta o seu monitoramento, objetivando aumentar a sua competitividade e, com isso, assegurar a satisfação de seus clientes 4. Dentre os requisitos trazidos pela ISO 9001, estão os seguintes: padronização de todos os processos chaves do negócio, processos que afetam o produto/serviço e consequentemente o cliente; monitoramento e medição dos processos de fabricação para assegurar a qualidade do produto/serviço através de indicadores de performance e desvios; a implementação e manutenção dos registros adequados e necessários para garantir a rastreabilidade do processo; inspeção de qualidade e meios apropriados de ações corretivas quando necessário, assim como, a revisão sistemática dos processos e do sistema da qualidade, para garantir sua atualização e eficácia. O NUTEC obteve a certificação do seu SGQ, que inclui algumas de suas suas áreas, dentre elas o NIT, pela ISO 9001: 2008 no ano de O NIT, ao realizar suas atividades (proteção da propriedade intelectual; apoio à elaboração de projetos inovadores; controle dos indicadores de inovação; disseminação da inovação; pedido de registro de marca, acompanhamento técnico e jurídico para elaboração, depósito e administração de pedido de patente) efetiva seus procedimentos em conformidade com o SGQ do NUTEC (devidamente 3 OFICNA DA NET. ISO 9000 Conceitos, disponível em 4 TEMPLUM ISO ONLINE. ISO 9000 e a Norma ISO 9001, disponível em 5

6 certificado pela ISO 9001:2008, como dito anteriormente). Tais procedimentos trazem em seu bojo todas as atividades a serem realizadas pelo NIT e a maneira que devem ser realizadas, através de documentos de referência, baseados na Lei de Inovação nº /04, quais sejam, 5 (cinco) documentos de referências (DR), 8 (oito) instruções (I) e 21 (vinte e um) formulários (F). No intuito de proteger as tecnologias desenvolvidas no âmbito do NUTEC e nas demais empresas parceiras e/ou instituições públicas e privadas, e com inventores independentes, o NIT estimula e formaliza o patenteamento, o registro das criações e acompanha o processo de proteção, utilizando as diretrizes previstas no documento I8D16 Análise de Viabilidade da Invenção, que objetiva descrever detalhadamente os passos a serem seguidos durante as providências preliminares a fim de verificar a viabilidade ou não da proteção. Oriundas desta instrução surgiram duas novas instruções: I2D16 e I3D16 que orientam na execução de dois processos imprescindíveis à efetivação da proteção da patente, quais sejam: a busca de anterioridade (identificação e avaliação do estado da técnica da tecnologia a ser protegida) realizada pelo NIT e o depósito de pedido de patente (elaboração do relatório técnico de patente e preparação da documentação pertinente ao pedido de patente) que será feito junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), respectivamente. Além destas atividades, o NIT presta também serviços de, acompanhamento técnico e jurídico quando da elaboração, depósito e administração de um pedido de patente, conforme descrito no F7D16 Contrato de Prestação de Serviço Técnicos em Propriedade Intelectual. Objetivando levar para o mercado a criação intelectual desenvolvida na instituição, o NIT promove ações para a transferência da tecnologia inovadora, através da celebração de contratos e congêneres, e diligencia toda e qualquer iniciativa que vise a este propósito, conforme descrito no documento I5D16 - Transferência de Tecnologia, que prevê, de forma pormenorizada, todos os trâmites necessários para celebração de um contrato de transferência de tecnologia, desde a fase de divulgação da invenção protegida (ocorrerá por meio de edital publicado nos diversos meios de comunicação, assim como o contato direto do NIT para com as empresas que atuam na área específica da invenção) até a formalização das 6

7 negociações, mediante o contrato de transferência de tecnologia, que posteriormente será averbado junto ao INPI. Com relação ao apoio dado pelo NIT na elaboração de projetos inovadores, o NIT auxilia no desenvolvimento de novas tecnologias, através da captação de recursos financeiros de instituições de fomento para melhorar a infraestrutura dos laboratórios, com relação a equipamentos, mão de obra qualificada e insumos necessários a realização das pesquisas. Neste contexto, o NIT seleciona e divulga editais de fomento à pesquisa sobre inovação que se enquadrem nas áreas de atuação do NUTEC e auxilia os técnicos interessados na elaboração de seus projetos. Durante a execução do projeto aprovado, o NIT permanece mantendo contato com os coordenadores para identificar possíveis criações tecnológicas com potencial de patenteamento, e realizar busca de anterioridade conforme descrito no documento I2D16 - Busca de Anterioridade para, em seguida, proceder o patenteamento da tecnologia. O controle dos indicadores de inovação é realizado mensalmente pela equipe do NIT, através do formulário F1D16 - Coleta de Indicadores de Inovação. Os técnicos do NIT coletam informações nas áreas técnicas da Instituição e preenchem o formulário descrito acima. Em seguida, eles avaliam e classificam os resultados decorrentes de atividades e projetos de P&D para o atendimento das disposições da lei de Inovação. O NIT desenvolve ações e projetos com o escopo de divulgar seus serviços e disseminar o empreendedorismo em diversos tipos de organizações, tais como, Instituições de Ensino Superior, Organizações Não Governamentais e Governamentais, Associações, dentre outras, mediante o estímulo às parcerias estratégicas, por meio de convênios do NUTEC com empresas e entidades públicas e privadas, intensivas em inovação e conhecimento, de acordo com a legislação vigente e as normas internas dispostas na I9D16 (Formalização de Contrato de Parceria). No intuito de garantir o direito de uso exclusivo de uma marca em todo território nacional num determinado ramo de atividade econômica, o NIT desenvolve atividades para a realização do registro de marcas junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), conforme a instrução I7D16 - Pedido de Registro de 7

8 Marcas. Esta instrução contém todos os procedimentos necessários para lograr êxito junto ao INPI, quando do requerimento de registro de determinada marca, incluindo a realização de uma busca de anterioridade (conforme I2D16) na base de dados do INPI, para verificar a viabilidade do pedido do registro da marca pretendida pelo cliente. No entanto, se o NIT por ocasião da busca de anterioridade, encontrar algum impedimento referente a marca pretendida, orienta o cliente para solucionar o problema. Além destes procedimentos, tal instrução também prevê o serviço de acompanhamento do pedido de registro de marca. Essa atividade é ofertada, tanto para os laboratórios da instituição como para empresas parceiras e/ou instituições públicas e privadas, bem como, para as empresas incubadas, micro e pequenas empresas que desejam proteger a sua marca e agregar valor aos seus produtos e serviços. 4. A Proteção e a Transferência da Propriedade Intelectual (PI) realizada pelo NIT A proteção dos ativos intangíveis resultantes, geralmente, da pesquisa científica básica, da pesquisa aplicada e do desenvolvimento tecnológico foram alcançados no NUTEC a partir da implantação da sua Política de Inovação Tecnológica do NIT (PITN) e das ações voltadas à disseminação da cultura de inovação, pois, através delas, a PI passou a ser compreendida pelos pesquisadores e inventores de novas tecnologias como um agregador de valor e capital intelectual. Jungmann (2012, p. 22), com muita propriedade, diz: A propriedade industrial tem o seu foco de interesse voltado para a atividade empresarial. Tem por objeto, patente de invenção e de modelo de utilidade, marca, desenho industrial, indicação geográfica, segredo industrial e repressão a concorrência desleal, sendo regulamentada pela Lei no 9.279/96. A propriedade industrial engloba um conjunto de direitos e obrigações relacionados a bens intelectuais, objeto de atividade industrial de empresas ou indivíduos. Assegura a seu proprietário (titular do direito) a exclusividade de: fabricação, 8

9 comercialização, importação, uso, venda e cessão 5. (JUNGMANN, 2010, p. 22) Primeiramente, o NIT construiu mecanismos para o monitoramento da criação intelectual, desde sua origem no laboratório até sua inserção no mercado através de contratos e acordos de parcerias, assim como mecanismos de captura de demanda e disseminação de ofertas tecnológicas. Após a identificação de tecnologias promissoras para a efetivação do depósito de patentes, o NIT direcionou suas ações para a gestão da PI, a saber: prospecção de informações tecnológicas, busca de anterioridade, desenvolvimento de relatórios técnicos que suportem o processo de registro ou depósito da PI, acompanhamento do processo, alimentação de base de patentes próprias, acompanhamento do desenvolvimento de parcerias e contratos, e elaboração dos trâmites necessários ao licenciamento da PI. Com isso, a instituição conseguiu, no ano de 2011 e início de 2012, contribuir com o avanço tecnológico local e estadual, através do depósito de pedido de patente de 7 (sete) tecnologias nas áreas de biocombustível, automação e robótica, eletrônica aplicada e química orgânica e inorgânica. As ações voltadas para o licenciamento das tecnologias estão em estágio inicial, e sendo desenvolvidas com o apoio da REDENIT-CE e da empresa INVENTTA. 5. Resultados Obtidos Apesar das problemáticas enfrentadas pelo NIT, no que diz respeito a renovação constante do quadro de pessoal, o núcleo conseguiu obter resultados bastante satisfatórios até o momento, principalmente, pelo fato de ser o único NIT conhecido por ter seus serviços normalizados de acordo com a ISO 9001:2008 demostrando assim a qualidade do serviço e, com isso, assegurando a satisfação 5 JUNGMANN, D. M. A Caminho da Inovação: Proteção e Negócios como Bens de Propriedade Intelectual, Brasília: IEL, 2010, p. 22 9

10 dos clientes e pesquisadores. Além da certificação, o NIT possui também como resultado da aplicação do SGQ os diversos documentos que otimizam a execução das atividades e o monitoramento de seus processos. Esses documentos estão descritos na tabela 1 abaixo. No que tange a proteção de tecnologias, também foram alcançados bons resultados, pois após dois anos e meio de implementação, o núcleo já conseguiu depositar, junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), 12 (doze) pedidos de registro de marcas e 07 (sete) pedidos de patentes, abaixo relacionados, dos quais 03 (três) dessas tecnologias decorreram da interação existente entre o NIT e a incubadora do NUTEC (PARTEC): Processo de Produção de Biocombustível e Biocombustível Obtido; Aparato Monitorador de Parâmetros e Condições de um Veículo, e Método de Monitoramento de Acidentes de Trânsito; Robô Autônomo para Vigilância e Processo de Produção de Robô Autônomo para Vigilância; Dispositivo para Produção de Óleo a partir de Resíduos Animais, Óleo obtido e Uso de Óleo obtido de Resíduos Animais como Biodiesel; Processo de Produção da Zeólita 4A a partir de Caulim Calcinado; Processo de Produção de Adsorvente de Mercúrio e Adsorvente Obtido; e Processo de Produção de Zeólita NaX e Zeólita NaX obtida. Com relação a transferência destas tecnologias, o NIT, até o presente momento, não conseguiu efetivar o licenciamento ou cessão delas, embora uma já tenha sido negociada mas não foi obtido sucesso na sua transferência. Atualmente, como resultado positivo tem-se a aprovação das 07 (sete) tecnologias na 2ª fase de seleção do "Projeto de Avaliação e Comercialização de Tecnologias", coordenado pela REDENIT-CE. Por meio deste projeto, as tecnologias serão qualificadas e acompanhadas pela equipe da REDENIT-CE, da empresa INVENTTA e do NIT para realização de provas de conceito e estudo de mercado, visando a comercialização com empresas interessadas em produzi-las industrialmente. 10

11 Tabela 1 Relação dos documentos do SGQ utilizados pelo NIT, Código Descrição D16 DR1D16 DR2D16 DR3D16 DR4D16 DR5D16 I2D16 I3D16 Procedimento do NUTEC NIT Estímulo do NUTEC no Processo de Inovação Da Prestação de Serviços Parcerias e Bolsa de Estímulo a Inovação Tecnológica Ganhos Econômicos Auferidos pelo NUTEC Propriedade Intelectual Inventor Independente e Confidencialidade Busca de Anterioridade Depósito de Pedido de Patente I4D16 Apoio a Elaboração de Projetos sobre Inovação I5D16 I6D16 I7D16 I8D16 I9D16 F1D16 F2D16 F3D16 F4D16 F5D16 F6D16 F7D16 F1I3D16 F2I3D16 F3I3D16 F1I4D16 F2I4D16 F1I5D16 F1I6D16 F1I7D16 F1I8D16 F2I8D16 F3I8D16 F4I8D16 F5I8D16 F1I9D16 Fonte: NUTEC Transferência de Tecnologia Cadastro da Demanda por Inovação Tecnológica Pedido de Registro de Marcas (PRM) Análise de Viabilidade da Invenção Formalização de Contrato de Parceria Coleta de Indicadores de Inovação Relatório de Atividades do NUTEC NIT (RA) Formulário de Cadastro de Eventos (FCE) Cadastro do Inventor Listas de Frequência de Eventos do NIT Controle de Atendimento à Clientes Contrato de Prestação de Serviço Técnicos em PI Relatório para Depósito de Pedido de Patente (RDPP) Depósito de Pedido de Patente (DPP) Anexo Depositante (AD) Comunicação do Projeto de Pesquisa (CPP) Controle de Projetos de Inovação Submetidos (CPIS) Declaração Não Confidencial de Invenção (DNCI) Cadastro da Demanda por Inovação Tecnológica (CDIT) Registro de Marcas (RM) Declaração de Revelação da Criação (DRC) Termo de Confidencialidade (TC) Análise de Criação (AC) Controle de Análise da Invenção (CAI) Anexo do Inventor (AI) Convênio de Cooperação Científica e Tecnológica (CCCT) 11

12 6. Conclusões Conclui-se, após ser realizado a análise do desempenho do NIT no NUTEC, que: foi realizado expressivo número de depósito de patentes e registro de marcas; adotou-se boas práticas de gestão com a elaboração e a certificação dos procedimentos pela ISO 9001:2008; obteve-se alto nível de capacitação da equipe de analistas em PI; contribui-se para o intercâmbio entre ICTs através da criação da REDENIT- CE; foi despertado o interesse dos pesquisadores pelo desenvolvimento da inovação; e contribui-se na captação de recursos para P,D&I. Desta forma, considera-se que o NIT do NUTEC tem tido um ótimo desempenho comparado aos demais NITs estaduais. 7. Referências Bibliográficas BOCCHINO, L. O., Publicações da Escola da AGU: Propriedade Intelectual conceitos e procedimentos. Brasília: Advocacia-Geral da União, Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; organização Pimentel, L.O. 3. ed. rev. e atual. Brasília : MAPA ; Florianópolis : EaD/UFSC, Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/decreto/d5563.htm >. Acesso: 01 jun JUNGMANN, D. M. A Caminho da Inovação: Proteção e Negócios como Bens de Propriedade Intelectual. Brasília: IEL, Lei nº , de 02 de dezembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2004/lei/l htm >. Acesso em: 01 jun

13 NORMA BRASILEIRA. ABNT NBR ISO 9001:2008. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/ /abnt-iso >. Acesso em: 01 jun OFICINA DA NET. ISO Conceitos. Disponível em: <http://www.oficinadanet.com.br/artigo/491/uso_9000_-_conceitos>. Acesso em: 01 jun SANTOS, M. E. R.; TOLEDO, P. T. M.; LOTUFO, R. A. Transferência de Tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi, TEMPLUM ISO ONLINE. ISO 9000 e a Norma ISO Disponível em: <http://www.certificacaoiso.com.br/iso-9001/>. Acesso em: 01 jun

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará (Redenit-CE)

Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará (Redenit-CE) Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Ceará (Redenit-CE) Leis de Inovação As Leis de Inovação Federal (10.973/2004) e Estadual (14.200/2010), criaram competências para os Núcleos de Inovação

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

Busca do equilíbrio ACADEMIA

Busca do equilíbrio ACADEMIA Busca do equilíbrio Conquistar sustentabilidade financeira e qualificar recursos humanos são alguns dos principais objetivos dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) no Brasil POR CAMILA AUGUSTO Ilustrações:

Leia mais

POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ O REITOR da Universidade Estadual do Ceará, no uso das atribuições que lhe são conferidas, Resolve, Regulamentar a atribuição de direitos

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica

Núcleo de Inovação Tecnológica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Fepagro em Foco Estruturação de NITs Porto Alegre, 07 de novembro de 2012 Núcleo de Inovação Tecnológica É o orgão integrante da estrutura da ICT com a finalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA APRESENTAÇÃO À CCT&I - SAÚDE 17.09.2014 IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA APRESENTAÇÃO À SES 29.05.2014 Apoio técnico

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

Parceria ANPEI e REDETEC

Parceria ANPEI e REDETEC Parceria ANPEI e REDETEC Mecanismos de Apoio para Obtenção de Financiamento para o Desenvolvimento da Propriedade Intelectual no Brasil: Recursos para Inovação Apresentação na REPICT 2013. A Origem do

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO PROGRAMA DE ADESÃO ESPECIALISTAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO INSTITUTO EUVALDO LODI / IEL

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 ACESSO AO SISTEMA 4 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO: DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DOS NITS

LEI DE INOVAÇÃO: DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DOS NITS LEI DE INOVAÇÃO: DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DOS NITS Ciclo de debates "Universidade e Lei de Inovação: um olhar para o futuro" Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho /UNESP 06/04/06 São

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se.

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se. RESOLUÇÃO Nº 034-CONSUP/IFAM, 22 de setembro de 2014. Que aprova o Regimento do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O Reitor Substituto

Leia mais

DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA LEI Nº14.220, de 16 de outubro de 2008. DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO ESTADO DO CEARÁ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. Faço saber

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INGRESSO NA ITSM/UFSM INCUBADORA DE EMPRESAS,

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09 Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação 18 de agosto de 09 Quem Somos O Grande Vale O Instituto Inovação surgiu com o objetivo de promover

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL RN-034/2014 Regulamenta os direitos sobre criações intelectuais resultantes de pesquisas apoiadas por instrumentos de fomento - auxílios e bolsas - disponibilizados pelo CNPq, a

Leia mais

Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG

Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG Diretoria Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia NITTEC IF

Leia mais

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal São Luis, 09 de julho de 2010 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Processo de aprendizagem contínuo

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

COMO VENCER ESSES DESAFIOS?

COMO VENCER ESSES DESAFIOS? ONDE ESTÃO NOSSOS RECURSOS HUMANOS PARA INOVAÇÃO Apenas 30% dos pesquisadores estão na iniciativa privada Alocação dos Pesquisadores por setor - 2009 e 2010 (%) 100% 0% Empresas Governo Academia Setor

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação)

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) Dante Martinelli Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo A Lei

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA Art. 1 O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de inovação adotada pelo Instituto Federal

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Seminário: Um decênio de história na gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria RESOLUÇÃO Nº 064 CONSUPER/2014 Dispõe sobre as normas reguladoras de prestação de serviços tecnológicos do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal Catarinense

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO.

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO. TL 023 DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL NO CONTEXTO DOS ENSINOS MÉDIO E TÉCNICO EM UMA ISNTITUIÇÂO DE ENSINO. DJANE SANTIAGO DE JESUS;CARLA RENATA SANTOS DOS SANTOS; GENICE

Leia mais

Soluções Inovadoras em Polímeros

Soluções Inovadoras em Polímeros Soluções Inovadoras em Polímeros Credenciamento na ANP N 562/2015 Credenciado Centro Tecnológico de Polímeros Evolução para Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros 1992 a 2011 2000 a 2011

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL Gestão de Projetos e as Boas Práticas: aplicadas à CIT contribuem em suas atividades e fortalecem a Política de Inovação do CEFET-MG

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

2011-2012 Planejamento Estratégico Núcleo de Inovação Tecnológica NIT IF SERTÃO-PE

2011-2012 Planejamento Estratégico Núcleo de Inovação Tecnológica NIT IF SERTÃO-PE 2011-2012 Planejamento Estratégico Núcleo de Inovação Tecnológica NIT IF SERTÃO-PE PETROLINA Outubro/2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO Sebastião Rildo Fernandes

Leia mais

FUNDAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL DO CEARÁ - NUTEC

FUNDAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL DO CEARÁ - NUTEC Número do documento livre: 667210 - NUTEC FUNDAÇÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL DO CEARÁ - NUTEC Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica do NUTEC - NIT O presidente da Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

A gestão da propriedade intelectual em um cenário de inovação aberta

A gestão da propriedade intelectual em um cenário de inovação aberta A gestão da propriedade intelectual em um cenário de inovação aberta Araken Alves de Lima Coordenador-Geral da Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento (ACAD/INPI) Roteiro Apresentação

Leia mais

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP WORKSHOP Extensão Universitária, Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Regional AUIN, CONSTRUINDO AS BASES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNESP VANDERLAN DA S. BOLZANI Instituto de Química, Araraquara

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. Manaus, 29 de Maio de 2012

Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. Manaus, 29 de Maio de 2012 Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento Manaus, 29 de Maio de 2012 Propriedade Intelectual= direito, outorgado pelo Estado por meio de leis específicas, por um prazo

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.196, DE 13 DE JULHO DE 2009. (publicada no DOE nº 132, de 14 de julho de 2009) Estabelece medidas de incentivo

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Estratégias Produtivas

Estratégias Produtivas Estratégias Produtivas Seminário Internacional Desenvolvimento Econômico Regional para a Redução da Pobreza e Desigualdade: o Modelo do Ceará Prof. Jair do Amaral Filho Evolução das estratégias produtivas-ceará

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos DE E DE Elaboração de Projetos PROGRAMAÇÃO DA AULA Estrutura de projetos de inovação Avaliação de projetos de inovação DE E DE Características dos Projetos de P&D DE E DE OPORTUNIDADES Parceiros Recursos

Leia mais

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc;

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc; RESOLUÇÃO Nº 213/CONSUN/2009. Define política e diretrizes para a gestão da Propriedade Intelectual no âmbito da Unoesc. O Conselho Universitário da Universidade do Oeste de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais