Instituto de Informática, UFRGS Departamento de Engenharia Elétrica, UnB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Informática, UFRGS Departamento de Engenharia Elétrica, UnB E-mail: edisonpignaton@unb.br"

Transcrição

1 Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA INTEGRAÇÃO ENTRE DISPOSITIVOS MÓVEIS E ESTÁTICOS DE REDES DE SENSORES SEM FIO PARA MONITORAMENTO ANIMAL ATRAVÉS DE ALGORITMO BIO INSPIRADO EDISON PIGNATON DE FREITAS Instituto de Informática, UFRGS Departamento de Engenharia Elétrica, UnB IVAN MÜLLER, CARLOS EDUARDO PEREIRA Departamento de Engenharia Elétrica, UFRGS s: NAYLOR BASTIANI PEREZ Embrapa Pecuária Sul LEONARDO BIDESE DE PINHO Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé Abstract Increase the efficiency of farming practices is a fundamental need in times of globalization, and strategic part of governmental actions at the national and state levels. To this end, automated management technologies have been proposed and incorporated in commercial production environments. One of the technologies employable in this context is wireless sensor networks, using static and mobile sensors. A major obstacle has been the technological autonomy of these systems, dependent on conventional batteries to meet power demands. In order to make these systems feasible, it is necessary to employ strategies to reduce consumption, especially those related to communication requirements. In this work, a bio-inspired communication algorithm, developed for effective communication between mobile and fixed nodes is presented. The system is simulated and the results showed to be feasible in practice. Keywords Wireless sensor networks, Routing algorithms, Bio inspired algorithms, Unmanned aerial vehicles. Resumo Aumentar a eficiência das práticas agropecuárias é uma necessidade fundamental em tempos de globalização e, desta forma, faz parte das ações estratégicas governamentais em âmbito nacional e estadual. Para tanto, tecnologias automatizadas de manejo têm sido propostas e inseridas comercialmente nos ambientes de produção. Uma das tecnologias empregáveis neste contexto são as redes de sensores sem fio, empregando sensores estáticos e móveis. Um grande entrave tecnológico tem sido a autonomia destes sistemas, dependente de baterias convencionais para suprir as demandas de energia. Com o objetivo de tornar factíveis estes sistemas, faz-se necessário o emprego de estratégias de redução de consumo, especialmente no que se refere aos requisitos de comunicação. Neste trabalho, um algoritmo de comunicação bio inspirado, desenvolvido para tornar eficaz a comunicação entre nós fixos e móveis é apresentado. A simulação do sistema desenvolvido apresenta resultados factíveis para uso na prática. Palavras-chave Redes de sensores sem fio, Algoritmos de roteamento, Algoritmos bio inspirados, Veículos aéreos não tripulados. 1 Introdução Aumentar a eficiência das práticas agropecuárias é uma necessidade fundamental em tempos de globalização, e faz parte das ações estratégicas governamentais em âmbito nacional e estadual. Para tanto, tecnologias automatizadas de manejo têm sido propostas e inseridas comercialmente nos ambientes de produção. Uma das tecnologias empregáveis neste contexto são as redes de sensores sem fio (RSSF), apontada como uma das mais promissoras tecnologias para o século 21 (Business Week, 1999). As RSSF apresentam-se como uma ferramenta para sensoriamento distribuído de fenômenos ambientais, processamento de dados e disseminação de informações. São sistemas capazes de capturar e processar dados, os quais usam enlaces de rádio para transmitir dados entre os sensores e um servidor. Soluções baseadas em tais sistemas têm sido viabilizadas em função do crescente e rápido avanço tecnológico da eletrônica, em termos de semicondutores, circuitos integrados e de MEMS (micro electricalmechanical systems). Sensores autônomos são dispostos em ambientes externos e se comunicam com um nó sorvedouro. O processamento dos dados coletados pode ser feito em um computador pessoal, com 1932

2 Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA um programa específico para a aplicação necessária. Os nós sensores podem ser estáticos ou móveis, como no caso destes estarem presos a elementos a serem monitorados (animais de um rebanho), que tenham capacidade de movimentação própria (um veículo sob controle da administração da rede) ou por ação de terceiros (um sensor em uma roupa). São inúmeros os exemplos de utilização de uma RSSF: aplicações militares (monitoramento de inimigos); agricultura (controle de irrigação); pecuária (rastreamento de animais); ambiental: (monitoramento de locais de difícil acesso e grandes extensões como florestas, vulcões e oceanos); residências inteligentes com controles de temperatura e iluminação (CHRISTIN et al., 2009). Particularmente, a utilização combinada de nós sensores estáticos e móveis é uma abordagem muito útil, que proporciona flexibilidade e pode melhorar os resultados fornecidos por uma RSSF. Um campo de interesse para o emprego de RSSF composta por nós sensores móveis e estáticos reside na área de vigilância, que tem aplicação em diferentes domínios, tanto militares quanto civis. Dentre as aplicações importantes, o rastreamento e monitoramento de animais, tais como rebanhos ovinos e bovinos, é especialmente interessante para o país. Neste trabalho, é proposto o desenvolvimento de uma solução inovadora baseada no uso integrado de tecnologias de VANT (veículos aéreos não tripulados) e RSSF aplicado ao manejo extensivo em contexto de integração lavoura-pecuária. Como foco de estudo de caso inicial, o protótipo desenvolvido será avaliado como suporte ao manejo integrado de forrageiras e rastreamento bovino/ovino em tempo real, visando identificação comportamental dos animais e o combate ao abigeato (roubo de gado). Esta solução, combinada com o desenvolvimento de sensores avançados baseados em MEMS, permitirá adicionalmente viabilizar o monitoramento de processos fisiológicos que, associados ao comportamento dos animais, permitirão um maior bem estar aos animais já que agregará às práticas extensivas, aspectos usuais do manejo intensivo sem o estresse causado pelo confinamento. Com base neste contexto, este trabalho apresenta a proposta do uso de RSSF composta de nós sensores estáticos (estações rádio-base) e móveis (animais monitorados e VANTs). Com o intuito de produzir uma solução de baixo consumo de energia, propõe-se uma abordagem biologicamente inspirada, para apoiar a interoperação entre os nós sensores (FREITAS, 2011). Esta solução viabilizará o estudo futuro, que levará ao desenvolvimento de um sistema factível, em que o consumo de energia de uma bateria deverá ser equivalente ao tempo de vida do animal. (MOLIN, 2012). Em um exemplo recente, os VANTs são responsáveis pela aplicação de defensivos químicos em lavouras (COSTA et al., 2011). Outra forma de aplicar VANTs neste contexto é o uso de registros fotográficos do solo para identificação de microrregiões que demandam manejo diferenciado no que se refere ao plantio de forrageiras e outras culturas, em especial nos ambientes de integração lavourapecuária. Um ponto de interesse em especial, é o uso de VANTs para a captação e posterior processamento offline de imagens. Estas, obtidas com o uso de termocâmeras capazes de captar radiações além da faixa de espectro de luz visível, permitem a obtenção de dados sobre características do solo relacionadas à produção de grãos e pasto, como fertilidade e textura, além de características da vegetação. Desta forma, é possível realizar a caracterização adequada de locais que devem receber tratamento diferenciado no plantio e na irrigação. No que se refere ao rastreamento de animais, cabe destacar que este é atualmente utilizado para garantia de procedência da carne após o abate, verificação de dados zootécnicos e inspeção sanitária. Por outro lado, existe o desafio de ampliar o aproveitamento das funcionalidades viabilizadas pelo uso de redes de sensores para a pecuária, implementando de forma eficiente (relação custo-desempenho que viabilize economicamente a solução), o monitoramento em tempo real do posicionamento dos animais em relação aos limites geográficos de uma propriedade rural. Com este mapeamento, será possível identificar o animal imediatamente e assim coibir crimes de abigeato que são recorrentes no Brasil. Além desta aplicação, também é possível melhorar outros aspectos de manejo por meio do acompanhamento em tempo real dos sinais vitais dos animais (temperatura, frequência cardíaca, etc.). Isto viabiliza o acompanhamento clínico sem a necessidade de separar o animal do rebanho e, principalmente, possibilita a detecção dos primeiros sintomas de problemas de saúde que, no futuro, possam afetar não apenas o animal doente, mas também contaminar o restante do rebanho. A Figura 1 ilustra um sistema de monitoramento de animais, integrando nós sensores móveis e estáticos. Neste tipo de monitoramento, os sensores móveis são os próprios animais e o VANT. Os sensores fixos são estações rádio base de baixo consumo (não são estações de telefonia celular), que atuam como pontos fixos de referência geográfica e de coleta de dados. 2 Motivação Veículos aéreos não tripulados já vêm sendo estudados como solução para algumas atividades relacionadas à agricultura de precisão há algum tempo Figura 1. Sistema de rastreamento e monitoramento de animais utilizando RSSF com nós fixos e móveis. 1933

3 Tomando como exemplo a produção ovina no Rio Grande do Sul, verifica-se que o esquema de manejo segue o tradicional, baseado no conhecimento prático dos produtores, adquirido através dos anos, com deficiente controle efetivo do rebanho e pouca aplicação de tecnologias, o que acarreta em baixa produtividade. Uma produção eficiente está baseada na aplicação de critérios técnicos, alguns considerados básicos e outros avançados. Os critérios básicos de produção podem ser agrupados em: (i) Tipo de produto a ser produzido, pela definição dos objetivos, raça a ser criada e número de animais em função do tamanho da área (o que se quer produzir, com qual raça e em que espaço); e (ii) Práticas de manejo adequadas ao sistema de produção escolhido pelo produtor, avaliando sempre, as características de clima e mercado de cada região. No que se refere às práticas de manejo, cabe destacar que o esquema básico de produção ovina no Brasil é extensivo, com algumas variações entre as diferentes regiões do país, decorrentes das adaptações ao clima e mercado de cada região. Além de ser extensiva, a criação ovina é realizada com outras espécies animais, por exemplo, com bovinos e ou caprinos. Além disto, também é explorada com a agricultura e a fruticultura. Esta situação faz com que as técnicas empregadas na produção ovina sejam reduzidas e orientadas fundamentalmente a aspectos de manejo (VAZ et al., 2008). Baseando-se na motivação apresentada, o presente trabalho versa sobre técnicas de disseminação de dados em RSSF composta por nós móveis e estáticos. Um dos grandes entraves tecnológicos do momento para uma maior adoção de soluções baseadas em RSSF é a questão do consumo de energia. Esta questão se estende desde o nó móvel, aplicado no animal, ao nó móvel voador, o VANT. Almejando manter o consumo de energia o mais baixo possível, é necessário pesquisar e desenvolver algoritmos que maximizem o tempo de vida destes nós, caso contrário, o sistema não é factível. Para atingir este objetivo, propõe se neste trabalho uma técnica biologicamente inspirada para controle do fluxo de comunicação entre os nós móveis e estáticos, com o intuito de minimizar os custos de energia devidos à disseminação de dados pela rede. Uma vez desenvolvidos os algoritmos de comunicação, estes serão empregados em uma RSSF mista, utilizada para rastreamento e monitoramento de animais. 3 Roteamento bio inspirado de mensagens. O fluxo de comunicações entre os diversos nós de uma RSSF pode ser coordenado de diversas formas. Neste trabalho, faz-se uso de diferentes tipos de nós que cooperam em uma abordagem biologicamente inspirada, que explora o comportamento das formigas seguindo trilhas. A justificativa para essa a- bordagem é evitar a comunicação desnecessária entre os nós sensores de uma rede, em uma tentativa de salvar seus recursos de energia de modo que o tempo de vida de toda a rede pode ser maximizado. Alimentados por baterias, os nós sensores têm energia limitada, que deve ser poupada da melhor forma. Não é realista pensar que as baterias dos nós sensores devam ser substituídas com frequência, especialmente em aplicações em campo. Assim, é importante que elas durem tanto quanto o necessário, como o tempo de vida do animal, neste caso. Mas como este período de tempo não é determinístico é desejável que durem tanto tempo quanto possível. Considerando a operação usual dos nós sensores de uma RSSF, grande parte da energia é gasta no processo de comunicação. Esta é, portanto, uma das atividades de maior consumo de energia (MINI, 2009). A fim de prolongar o tempo de vida útil da bateria, a comunicação tem de ser usada com cautela, ou seja, de forma a mais reduzida (eficiente) possível. Uma possibilidade é reduzir o número de mensagens trocadas entre os nós da rede. Neste trabalho, o problema específico a ser analisado diz respeito à forma como uma mensagem de alarme trafega na rede. Mensagens de alarmes podem indicar diversos eventos de interesse, como um evento de abigeato, ou elevação de temperatura corporal do animal, por e- xemplo. As mensagens são enviadas pelos nós sensores da rede, a fim de alcançar os nós estáticos sorvedouros ou os nós móveis monitoradores (os VANTs), o que chamamos de entrega de alarme. Soluções convencionais empregam alguma variação de inundação de dados (flooding), na ocasião em que um nó sensor detecta algum evento de interesse. Neste tipo de solução, uma mensagem de alarme é emitida e repetida por todos os nós sensores vizinhos até atingir um nó de interesse, uma estação base ou um VANT, por exemplo. Este tipo de solução é trivial, mas não é eficiente, devido a grande redundância de mensagens enviadas na rede, que leva ao fim prematuro dos recursos de energia dos nós sensores. Para fazer nós sensores estáticos e móveis cooperarem de forma energeticamente eficiente, é necessário desenvolver uma solução de comunicação não trivial como as baseadas em inundação. 3.1 Entrega de alarme baseada em feromônios. Para resolver o problema do consumo de energia da entrega de alarme, a abordagem proposta utiliza um mecanismo descentralizado, que emprega feromônios artificiais, inspirada no mecanismo biológico utilizado pelas formigas para localizar e transportar comida na natureza (DORIGO 1999). Feromônios artificiais são geralmente aplicados à coordenação e distribuídas por meio de um conceito conhecido como stigmergy, a comunicação indireta com o meio ambiente através de pistas ou rastros (BONABEAU, 1999). Marcas de feromônios são depositadas no meio ambiente formando um rastro enquanto entidades biológicas, tais como as formigas, estão se movendo. O feromônio fornece informações para outras entidades quando estas passam sobre ele. Assim como os naturais, os feromônios artificiais também per- 1934

4 dem a sua força ao longo do tempo, seguindo o modelo de evaporação real. Neste trabalho, os feromônios são utilizados para orientar as mensagens de alarme emitidas por um nó sensor da rede até que o alarme seja entregue à estação base. Quando um e- vento é detectado e uma mensagem de alarme é emitida, esta mensagem tem de chegar a um ponto de interesse na rede, para que se possa responder ao alarme. Isto é realizado através do encaminhamento da mensagem para o sensor móvel (animais) que tem a marca de feromônio mais forte sobre a área. Em seguida, a mensagem de alarme é entregue para os nós sensores móveis (VANTs), que irão se mover para a área onde o alarme foi gerado, para posterior coleta de dados tais como imagens. Esta estratégia é denominada heurística-p. Seguindo os princípios anteriormente descritos, os nós sensores móveis guardam a informação do feromônio que é difundido como um balizador para o nó de referência. Este nó de referência pode ser uma estação rádio base ou um VANT, que realiza patrulhas rotineiras na área de interesse. As marcas de feromônios são recolhidas pelos nós sensores móveis ou estáticos implantados na área. Quando um evento é detectado por um sensor, este emite um alarme que é encaminhado através da rede. A mensagem de a- larme funciona como uma formiga que se move na direção da fonte de alimento, i.e. que aponta para os outros nós que têm a marca de feromônio mais forte na redondeza. Isto significa que a mensagem se move entre os nós através de uma trilha de feromônio na direção que aponta para o nó que mais recentemente recebeu a baliza. O algoritmo heurístico-p apresenta uma estratégia semelhante a migração de serviços entre sensores de uma rede apresentada em (HEIMFARTH, 2008). A concentração de feromônios determina os locais onde os serviços são necessários, e estes por sua vez realizam movimentos na direção indicada por estas concentrações. A Figura 2 ilustra um exemplo de como uma mensagem de alarme emitida por um nó sensor (Figura 2a) é encaminhada através da rede seguindo a trilha de feromônio (Figuras 2b a 2d), até que atinja um nó sensor móvel (Figura 2e). Este processo é chamado acompanhamento ou seguimento de trilha. As marcas de feromônios nos nós são ilustradas por números colocados no centro dos círculos. Quanto maior o número, mais forte a marca do feromônio. Neste exemplo, o número 10 representa o nível de feromônio mais alto. Um número zero representa a situação oposta, em que o nó sensor não tem nenhuma marca de feromônio. Com o objetivo de conferir robustez à proposta, no caso de um alarme emitido por um nó que tem traço de feromônio (marca de feromônio sobre ele), a direção é aleatoriamente escolhida e a mensagem de alarme segue nesta direção até encontrar uma trilha de feromônio. Quando uma marca de feromônio é encontrada em um nó, ele segue a respectiva trilha, conforme explicado anteriormente. Esta situação é mais provável de ocorrer durante a inicialização do sistema e, em casos em que o número de nós de sensores móveis implantados no sistema é muito baixo e/ou o tamanho da trilha é pequeno em relação ao tamanho da área. Figura 2. Exemplo de alarme enviado pela rede através de marcas de feromônios (FREITAS, 2011). 4 Estudo de caso Com o intuito de validar o algoritmo de comunicação bio inspirado e aplicá-lo futuramente no sistema de rastreamento e monitoramento de animais, foram realizados diversos experimentos simulados. Os experimentos foram conduzidos por meio de simulações utilizando simulador GrubiX para redes sem fio (HEIMFARTH, 2011). O objetivo destes experimentos foi avaliar o mecanismo proposto para 1935

5 entregar mensagens entre os nós sensores, em comparação com soluções de referência, ótima e baseada em inundações. A solução ideal (ótima) considera o caminho mais curto para encaminhar mensagens a partir do nó sensor de alarme emissor para o próximo nó sensor, enquanto que a transmissão por inundação parte do nó emissor de alarme para todos nodos vizinhos até que o alarme seja entregue ao nó de interesse. Os principais parâmetros utilizados nas simulações são apresentados na Tabela 1. Parâmetro Valor Área 10 km x 10 km Densidade de nós 50 nós por km 2 Número de nós móveis 4 Faixa de comunicação m Número de eventos 1, 3, 5 e 7 Tabela 1. Parâmetros de simulação utilizados. Na Figura 3 é possível observar que, através do uso de heurística-p, um número consideravelmente menor de mensagens são enviadas na rede quando comparado à solução baseada em inundações. Quando comparado com um ótimo, é possível observar que o resultado obtido pela abordagem proposta não está muito longe do ideal. É importante mencionar que este é um ótimo teórico, uma vez que não é viável na prática. Uma solução deste tipo exigiria as tabelas de roteamento sendo atualizadas a cada vez que a topologia da rede fosse alterada devido ao movimento dos nós móveis. Esta solução de referência ideal utiliza uma visão da rede do tipo "oráculo", pois deve consultar as variáveis de estado internas da simulação. Figura 3. Gráfico do resultado do custo em função do número de mensagens enviadas (FREITAS, 2011). 5 Conclusões Este trabalho propõe o uso de sensores estáticos e móveis para redes de sensores sem fio em aplicação de rastreamento e monitoramento de animais. Com o objetivo de reduzir ao máximo o consumo de energia devido à comunicação, um algoritmo bio inspirado é apresentado e simulado extensivamente. Os resultados denotam a viabilidade da proposta, tendo em vista a comparação entre o algoritmo proposto, o algoritmo mais utilizado em RSSF (flooding) e a solução de referência ótima (que não é factível). Os próximos trabalhos são relativos à aplicação destes algoritmos na aplicação prática de monitoramento e rastreamento animal, em um projeto já em andamento. Consideramos esta motivação nobre, uma vez que eleva a qualidade do produto e reduz desperdícios de alimentos. Agradecimentos Agradecemos ao CNPq e a CAPES pela provisão de bolsas de estudo, sem as quais não seria possível a realização deste trabalho. Também agradecemos ao INCT Namitec e em particular à subárea A1-6 (Monitoramento e rastreamento animal). Referências Bibliográficas Business Week: 21 ideas for the 21st century, pages , Aug. 30, Christin, D., Reinhardt, A., Mogre P.S., and Steinmetz, R. Wireless Sensor Networks and the Internet of Things: Selected Challenges. In Proceedings of the 8th GI/ITG KuVS Fachgespräch "Drahtlose Sensornetze", Hamburg, Germany, August 2009, p Freitas, E.P. Cooperative Context-Aware Setup and Performance of Surveillance Missions using Static and Mobile Wireless Sensor Networks p. Ph.D. Thesis - Informatics Institute, Federal University of Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brazil, Costa, F., Torsten, B., Ueyama, J. Pessin, G., Osório, F. S.., Arquitetura baseada em veículos aéreos não tripulados e redes de sensores sem fio para aplicações agrícolas. VIII Congresso Brasileiro de Agroinformática (SBIAgro 2011), Outubro Molim, José Paulo, Agricultura de Precisão, Abril 2012, Vaz, Clara et al., Sistema de criação de ovinos nos ambientes ecológicos do sul do Rio Grande do Sul, Embrapa Pecuária Sul, Sistema de Produção, 2, Agosto 2008, ISSN Mini, R. A. F., Loureiro, A. A. F. Energy in Wireless Sensor Networks. Middleware for Network Eccentric and Mobile Applications. B.Garbinato, H. Miranda, L. Rodrigues, Eds., Springer, 2009, p Dorigo M. and Di, C.G. Ant Colony Optimization: A New Meta-Heuristic. In Proceedings of 1999 Congress on Evolutionary Computation, Washington DC, USA, July 1999, p

6 Bonabeau, E., Dorigo, M., Theraulaz, G. Swarm Intelligence: From Natural to Artificial Systems. Oxford University Press, Santa Fe Institute Studies in the Sciences of Complexity, NY, Heimfarth, T. and Janacik, P. Experiments with Biologically-Inspired Methods fo Service Assignment in Wireless Sensor Networks. In M. Hinchey, A. Pagnoni, F. J. Rammig, and H. Schmeck, editors, Proceedings of IFIP International Federation for Information Processing; Biologically-Inspired Collaborative Computing; Boston: Springer, 2008, p Heimfarth, T., Freitas, E.P. GrubiX Simulator Statup Manual. Technical Report, Federal University of Lavras, Brazil,

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4:

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4: Skydrones, nova empresa gaucha de aviônica, que atua no desenvolvimento de microvants veículos aéreos não tripulados, testa seu protótipo SIRIUS SD4, com novo sistema de telemetria. O produto estará pronto

Leia mais

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Igo Romero Costa de Souza 1, Icaro Ramires Costa de Souza 1, Mailson Sousa Couto 1 1 Instituto Federal da Bahia (IFBA) - Campus

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 comunicaçõesasseguradas Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 Melhore os seus sentidos. Falcon Watch Vigilância Remota. Todo o dia. Toda a noite. A Harris sabe da necessidade de ter sistemas

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES 1 EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1. Conceito de Edifíco Inteligente Um edifício inteligente pode ser definido como aquele

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de O que é? Swarm Intelligence (Inteligência oletiva) Prof. Luis Otavio lvares Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de problemas inspirada pelo comportamento coletivo

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices 2P2

Framework de comunicação para Webservices 2P2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices 2P2 Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel MobiCS CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel Daniel de Angelis Cordeiro Rodrigo Moreira Barbosa {danielc,rodbar}@ime.usp.br 7 de outubro de 2004 Motivação O desenvolvimento de aplicações

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

VANT O Uso na Agricultura de Precisão

VANT O Uso na Agricultura de Precisão VANT O Uso na Agricultura de Precisão Conceituação De acordo com acircular de Informações Aeronáuticas AIC N21/10, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), define que: É um veículo aéreo projetado

Leia mais

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS Caren Rayane Ribeiro da Silva (1); David Domingos Soares da Silva (2) (1) FPB FACULDADE INTENACIONAL DA

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Nomeação Aula de Hoje Introdução ao problema de sincronização Relógios Físicos Algoritmos de Sincronização Sincronização de Relógios em Redes sem

Leia mais

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão matéria da capa sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão Texto: Sandra G. Coelho Marcelo Ribas Fernanda S. Machado Baltazar R. O. Júnior Fotos: Marcelo Ribas O avanço tecnológico

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Computação Móvel: Redes de Sensores Sem Fio Visão Geral

Computação Móvel: Redes de Sensores Sem Fio Visão Geral Computação Móvel: Redes de Sensores Sem Fio Visão Geral Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 MANETs Mobile Ad-hoc Networks Ad-hoc Wi-Fi (802.11x) Wireless Mesh Networks (nodos não móveis) VANET (Vehicular Ad Hoc

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Márcio José Mantau, Carla Diacui Medeiros Berkenbrock PPGCA - Programa de Pós-Graduação em Computação

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Campo Grande - MS 1 Resumo A aplicação $uplementa Certo é fruto da parceria EMBRAPA Gado Corte e Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes Técnico em Informática 4º Int. Redes de Computadores Fabricio A. Steinmacher Sumário Topologias Físicas e Lógicas; Equipamentos para LAN Modelo OSI Introdução as Redes Topologia física Topologias de rede

Leia mais

CDE Agências Bancárias

CDE Agências Bancárias CDE Agências Bancárias Andreia Carreiro Innovation Project Manager acarreiro@isa.pt Agenda 1. ISA Intelligent Sensing Anywhere S.A. ; 2. CDE BES Banco Espirito Santo; 1. Motivação; 2. Objetivos; 3. Dados

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Aplicativos de análise de vídeo

Aplicativos de análise de vídeo Aimetis Symphony Aplicativos de análise de vídeo Educação Industrial Governamental Transporte e viagem Saúde e ciências biológicas Varejo Vídeo inteligente Resolvendo problemas de negócios reais www.aimetis.com

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

FlightRoutes: aplicativo para geração de rotas georreferenciadas para VANTs

FlightRoutes: aplicativo para geração de rotas georreferenciadas para VANTs FlightRoutes: aplicativo para geração de rotas georreferenciadas para VANTs Jaqson Dalbosco 1, Willingthon Pavan 1, José Maurício Fernandes 2, Isaías Santoro Moretto 1, Vinícius Andrei Cerbaro 1, Rafael

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO

OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO RODRIGO C. DA SILVA, ANELISE MUNARETTO, MYRIAM R. DELGADO. Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Instituto de Informática - UFRGS XVII Seminário de Computação (SEMINCO) 04/11/2008 Roteiro Introdução O Simulador ITSUMO Simulação de Caso Real:

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Prof. Rafael Stubs Parpinelli DCC / UDESC-Joinville parpinelli@joinville.udesc.br www.joinville.udesc.br/portal/professores/parpinelli www2.joinville.udesc.br/~coca/ Agentes Inteligentes:

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Redes de Sensores Sem Fio

Redes de Sensores Sem Fio Disciplina 2º.semestre/2004 aula2 Redes de Sensores Sem Fio Antônio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Depto. Ciência da Computação UFMG Linnyer Beatrys Ruiz linnyer@dcc.ufmg.br Depto. Engenharia

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto Boletim Técnico de Produto InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento As aplicações de água e processo geram ou afetam diretamente grandes quantidades de dados operacionais, que podem ser de natureza

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO MÁQUINAS DE COMITÊ APLICADAS À FILTRAGEM DE SPAM Monografia submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA para a obtenção do grau de BACHAREL

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTELIGENTES ORIENTADOR:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais