ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS"

Transcrição

1 ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS - Redundância e inconsistência - Problema de integração - Associação a aplicações - Dificuldade de acesso ( solicitações não usuais ) - Isolamento dos dados - Múltiplos usuários ( atualização simultâneas ) - Segurança de acesso usuário usuário PROGRAMA PROGRAMA SGBD BANCO DE DADOS 2- BANCO DE DADOS - CONCEITUAÇÃO Date : Sistemas de armazenamento de dados baseado em computador 4- ABSTRAÇÃO DE DADOS VISÃO 1 VISÃO 2 VISÃO 3 Korth : Coleção de dados que contém informação sobre um empreendimento particular DADO : Valor fisicamente registrado INFORMAÇÃO : Significado de um valor para um usuário 3- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS ( SGBD ) DATA BASE MANAGEMENT SYSTEM ( DBMS ) Coleção de arquivos interrelacionados e um conjunto de programas, que permitem a diversos usuários acessar e modificar esses arquivos. Nível Interno Ou Nível físico NÍVEL CONCEITUAL ou nível lógico comunitárioo Nível Externo Ou Nível Lógico do usuário É o mais próximo do armazenamento físico, ou seja, é aquele que ocupa do modo como os dados são fisicamente armazenados É um nível de simulação entre os dois níveis É o mais próximo dos usuários, ou seja, aquele que se ocupa do modo de como os dados são vistos pelos usuários

2 Exemplo :

3 5- MODELOS DE DADOS Coleção de ferramentas conceituais para descrição, relacionamento, semântica e restrições dos dados GRUPOS DE MODELOS DE DADOS: a) MODELOS LÓGICOS BASEADOS EM OBJETOS: Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Binário Modelo Semântico de Dados Modelo Infológico E vários outros... b) MODELOS DE DADOS BASEADOS EM REGISTROS Modelo Relacional Modelo de Rede Modelo Hierárquico c) MODELOS DE DADOS FÍSICOS Modelo unificador Memória em "Frames" - dicionário de Dados ( ou Diretório ) 8- LINGUAGEM DE MANIPULAÇÃO DE DADOS ( LMD ) DATA MANIPULATION LANGUAGE ( DML ) - PROCEDIMENTAL: Específica quais dados são desejados e como chegar a eles - NÃO PROCEDIMENTAL: Especifica quais dados são desejados, sem especificar como chegar a eles 9- USUÁRIOS DO BANCO DE DADOS - Programadores de aplicação - Usuários simples - Usuários ocasionais - Usuários especializados - Data Base Administrador ( DBA ) 6- INDEPENDÊNCIA DE DADOS - INDEPENDÊNCIA FÍSICA: Capacidade de se modificar o esquema físico sem alterar os programas de aplicação USUÁRIOS PROGRAMADORES DE APLICAÇÃO Programas de Aplicação Chamadas de Rotina - INDEPENDÊNCIA LÓGICA: Capacidade de se modificar o esquema conceitual sem alterar os programas de aplicação 7- LINGUAGEM DE DEFINIÇÃO DE DADOS ( LDD) DATA DEFINITION ( DDL ) 10- FUNÇÕES DO DBA

4 - Definição do esquema - Definição da estrutura de armazenamento e do método de acesso - Modificação da organização física e do esquema - Concessão de autorização para acesso - Especificação de restrições de integridade 11- SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS OBJETIVO: Proporcionar um ambiente que seja conveniente e eficiente na inserção e na recuparação de informações do banco de dados. TAREFAS EXECUTADAS: - Integração com o gerenciados de arquivos. - Garantia de integridade. - Garantia de segurança de acesso. - Garantia de recuperação. - Controle de concorrência. 12- GERENCIAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÃO Gerenciamento de dados é a forma de gerenciar os dados no computador. Sem os dados e a capacidade de processá-los uma organização não teria condições de completar com sucesso a maioria de suas atividades empresariais. Os dados consistem em fatos brutos, ex. número de empregados e cifras de vendas. Para que os dados sejam transformados em informações úteis, eles devem ser primeiramente organizados de forma significativa. 13.A HIERARQUIA DOS DADOS Os dados são geralmente organizados em uma hierarquia que começa com o menor dado usado pelos computadores (um bit) e vai progredindo na hierarquia até o banco de dados. Um bit corresponde a um dígito binário, representa um circuito que pode estar ligado ou desligado. Os bits podem ser organizados em unidades chamadas bytes. Um byte corresponde a oito bits. Cada byte representa a um caracter. Caracter: bloco básico de construção de informação. Campo: é tipicamente um nome, número ou uma combinação de caracteres. Registro: combina descrições de vários aspectos de um objeto ou atividade. No nível mais alto da hierarquia, está o banco de dados (coleção de arquivos integrados e relacionados). Juntos, bits, caracteres, campos, registros, arquivos e bancos de dados formam a hierarquia dos dados. Os caracteres são combinados para formarem um campo, campos são combinados para formarem um registro. Registros são combinados para formarem um banco de dados. É importante lembrar que um banco de dados comporta não só todos estes níveis de dados como também as relações entre eles.

5 14.A ABORDAGEM TRADICIONAL AO GERENCIAMENTO DE DADOS As organizações são sistemas adaptáveis com necessidades de constantes mudanças de dados e de informações. Um dos meios mais básicos é através de arquivos. Antigamente a maioria das organizações tinha inúmeros arquivos de dados de aplicação específica, ex. : registros de clientes, freqüentemente eram mantidos em arquivos separados, cada arquivo se relacionando a um processo específico ex.: cobrança. Esta abordagem de gerenciamento de dados na qual arquivos de dados separados são criados e armazenados para cada problema de aplicação, é chamada de abordagem tradicional. Para cada aplicação em particular, um ou mais arquivos são criados. Esta duplicação de dados em arquivos separados é conhecida como redundância de dados: é a duplicação de dados em arquivos separados. O problema com a redundância de dados é que as mudanças dos dados poderiam ser feitas num arquivo e não no outro, ex.: o novo endereço de um cliente. A redundância de dados conflita assim com a integridade dos dados. A confiabilidade dos dados de qualquer arquivo serão os mesmos nos demais. A integridade dos dados é uma decorrência do controle ou eliminação da redundância de dados. 15.ABORDAGEM DE BANCOS DE DADOS AO GERENCIAMENTO DE DADOS Devido aos problemas associados com a abordagem tradicional do gerenciamento de dados, havia um desejo de desenvolver meios mais eficientes e eficazes de organização de dados. O resultado foi a abordagem de banco de dados do gerenciamento de dados. Esta abordagem é aquela em que em um conjunto de dados relacionados é compartilhado por múltiplos programas aplicativos. Em vez de utilizarem arquivos de dados separados, cada aplicativo usa uma coleção de arquivos de dados que se juntaram ou se inter relacionaram no banco de dados, podendo oferecer vantagens significativas em relação ao enfoque tradicional baseado em arquivos..poder usar o espaço de armazenamento mais eficiente e aumentar a integridade dos dados, podendo também dar a uma organização uma maior flexibilidade no uso dos dados. Uma vez agora que os dois arquivos estão localizados no mesmo banco de dados torna se mais fácil localizar e solicitar os dados a serem processados de inúmeras formas, também oferece a capacidade de compartilhar as fontes dos dados e informações. A fim de usar uma abordagem de banco de dados para o gerenciamento de dados, é necessário um software adicional DBMS; consiste em um grupo de programas que pode ser usado como uma interface entre um banco de dados e um usuário ou um banco de dados e os programas aplicativos. O uso da abordagem de banco de dados continuará sendo importante, pois as organizações confiam mais nos dados e informações para ganharem vantagens competitivas. 16.ORGANIZANDO OS DADOS EM UM BANCO DE DADOS

6 Um banco de dados deve ser projetado para armazenar todos os dados relevantes para a empresa e fornecer acesso rápido e modificações fáceis. Além disso, ele deve ser criado de forma a refletir os processos empresariais da organização. Na construção de um banco de dados, deve-se dar cuidadosas considerações a estas questões. Conteúdo: São os dados que devem ser coletados e a que custo. Acesso: São os dados que devem ser fornecidos a qual usuário quando apropriado. Estrutura Lógica: Como os dados devem ser arrumados de forma que façam sentido para um determinado usuário. Organização Física: Onde os dados devem estar fisicamente localizados. 17.MODELAGEM DOS DADOS E DIAGRAMAS DE RELACIONAMENTO ENTRE ENTIDADES Modelagem de Dados e Diagramas de Relacionamento entre Entradas no banco de dados e quem terá acesso a eles. Após as conclusões acima decididas, podemos iniciar o bando de dados. O banco de dados exige dois projetos: o lógico e o físico. Projeto lógico envolve identificação, detalhamento e agrupamento em uma forma ordenada. O Projeto Físico é o modelo de como serão organizados e localizados os dados dentro do banco de dados. A ferramenta usada para mostrar a relação lógica entre os dados é o modelo de dado. O modelo de dados é um mapa de entidade e suas relações. A modelagem de dados significa, havendo problemas ou necessidades de se fazer mudanças no banco de dados, os diagramas de Relação de Entidade (RE) podem ajudar a descobrir os problemas e a fazer mudança nos bancos de dados. Na maioria dos casos, são usadas caixas no diagramas RE para indicar os itens de dados ou entidades, e losangos para mostrar as relações entre os itens de dados e as entidades. 18.MODELOS DE BANCOS DE DADOS A estrutura das relações na maioria dos bancos de dados segue um dos três modelos lógicos de bancos de dados: hierárquico, em rede e relacional. Modelos hierárquicos ou de árvore: é aquele no qual os dados estão organizados de cima para baixo ou em estrutura de árvore invertida. Exemplo: os elementos dos dados em cada nível subordinado subseqüente estão ligados a apenas um elemento acima, mas eles podem estar ligados a mais de um elemento abaixo. Este método de ligação é semelhante à relação entre pais e filhos: a criança não existiria sem os pais. Os elementos em cada nível são os pais, dos elementos ligados a eles abaixo, filhos daqueles os quais estão ligados acima. Modelos em rede: é uma relação membro proprietário (um pai para muitos filhos), na qual um membro pode ter vários proprietários. Exemplo: consideramos dois projetos que exigem o trabalho de três departamentos. Os projetos 1 e 2 estão ligados no alto da rede. Abaixo deles, os vários departamentos (A, B, C) necessários para trabalhar nos projetos estariam listados. Então, poderiam ser traçadas linhas que

7 ressaltassem quais departamentos trabalham em quais projetos. Podemos ver no gráfico abaixo que o departamento B executa trabalhos no Projeto 1 como no Projeto 2, daí ele é um membro que é propriedade dos Projetos 1 e 2. Existe mais de um caminho pelo qual um determinado elemento de dados pode ser acessado. O elemento de dado do Departamento B pode ser acessado através do Projeto 1 ou do Projeto 2 de maneira semelhante, o elemento de dado do departamento C, pode ser acessado através do Projeto 1 ou do Projeto 2. Ambos departamentos B e C tem dois pais (Projeto 1 e Projeto 2). Obs. Os bancos de dados estruturados no modo Hierárquico ou em Rede, uma vez estabelecidas às relações entre os elementos de dados, é difícil modifica-los ou criar novas relações. Modelo Relacional: a finalidade global do modelo relacional é descrever o dado usando um formato tabular padrão. No Modelo Relacional os dados são localizados em tabelas bidimensionais, chamadas relações, que são o equivalente lógico dos arquivos. As tabelas nos bancos de dados relacionais organizam os dados em linhas e colunas, simplificando o acesso e manipulação dos dados. 19. COMPARANDO MODELOS DE BANCOS DE DADOS A principal vantagem do Modelo Hierárquico é a eficiência do processamento, ele pode tomar menos temo para ser manifestado do que os outros modelos de bancos de dados, porque as relações dos dados são menos complexas, como cada filho tendo apenas um pai. Eles são mais difíceis de modificar enquanto outros são mais difíceis de instalar. Mas mesmo com as desvantagens as organizações usam o modelo hierárquico devido sua eficiência do processamento ou aos grandes investimentos nos sistemas de banco de dados hierárquicos já existentes. Modelos em Rede: tem mais flexibilidade do que os modelos hierárquicos são mais difíceis de desenvolver e usar, devido à complexidade das relações dos dados. Ele não tem sido usado pelas organizações e não são populares entre os usuários de microcomputadores. Modelo Relacional: é o mais amplamente usado, fácil de controlar, mais flexibilidade e mais intuitivo do que os outros, pois organiza os dados em tabelas. Por suas muitas vantagens, muitas empresas usam o Modelo Relacional. 20.CARACTERÍSTICAS DE BANCO DE DADOS O tamanho ou quantidade. O tamanho determina a necessidade global de armazenamento para o bando de dados. A votabilidade dos dados e a medida das mudanças, tais como adições, deleções ou modificações tipicamente exigidas em um determinado período de tempo.

8 A imediação é a medida de rapidez com que as mudanças devem ser feitas nos dados. Se um aplicativo demanda imediação, ele também demanda rapidez de restauração das instalações, no caso de o sistema do computador cair temporariamente. 21.SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCOS DE DADOS O que é sistema de gerenciamento de banco de dados? É um grupo de programas usado como uma interface entre um banco de dados e os programas aplicativos ou entre um banco de dados e o usuário. Sua criação e implementação dão suporte às atividades e metas empresariais, e estão classificados pelo tipo de modelo de banco de dados que apóiam. Armazenamento e Recuperação de Dados Quando um programa aplicativo necessita de uma informação do banco de dados, ele vai procurar no DBMS. Fazendo isso, o programa aplicativo segue dois caminhos, chamados de : caminho de acesso lógico (CAL), e caminho de acesso físico (CAF). Esses caminhos servem para trazer as informações ao usuário do aplicativo. De modo similar, existem então registros lógicos e físicos. Registro Lógico é o que o registro contém, as informações necessárias de como o banco de dados deve ser estruturado e arrumado. Ex: um registro lógico pode conter um nome, número ou preço de peças específicas, etc. Registro Físico é onde as informações serão organizadas e localizadas dentro de um banco de dados. Ex: número de empregados que serão armazenados no disco rígido. As informações em um registro lógico estão logicamente relacionadas, mas as informações em um registro físico nem sempre estão armazenada juntas. Um dos primeiros passos para instalar e usar um banco de dados é informar ao DBMS a estrutura lógica e física das informações e as relações entre as informações em um banco de dados. Esta descrição é chamada de esquema. Esquema é uma parte de um banco de dados ou um arquivo de esquema separado. 22.FORNECENDO UMA VISÃO AO USUÁRIO O que é a Visão do Usuário? É a porção do banco de dados que o usuário pode acessar. Para criar diferentes visões do usuário, são desenvolvidos subesquemas, que nada mais é do que um arquivo que contém uma descrição de um subconjunto do banco de dados e identifica quais usuários podem efetuar modificações em itens do subconjunto. Subesquemas é um arquivo que contém uma descrição de um subconjunto do banco de dados. Enquanto um esquema é uma descrição de todo banco de dados, um subesquema mostra apenas alguns dos registros e seus relacionamentos no banco de dados.

9 23.CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO DE BANCO DE DADOS Os esquemas e subesquemas entram no computador através de uma ferramenta chamado linguagem de definição de dados (LDD). Linguagem de definição de dados é uma série de instruções e comandos usados para definir e descrever as informações e as relações dentro de um banco de dados, que deverão estar contidos nos esquemas e subesquemas. Em geral uma LDD, descreve o caminho de acesso lógico e os registros lógicos em um banco de dados. Uma outra ferramenta usada no gerenciamento de um banco de dados é o dicionário de dados, que é uma descrição detalhada de todas as informações em um banco de dados. O dicionário de dados pode conter, nome do item de informação, nomes alternativos e outros nomes que podem ser usados para descrever o item, a escala de valores, o tipo de informação, a quantidade de armazenamento, notações do nome do responsável por sua atualização. Um dicionário de dados é utilizado para: Fornecer uma definição padronizada de termos e elementos de dados ajuda no processo de programação, fornecendo termos coerentes e variáveis para serem usados nos programas. Assistir os programadores nos projetos e redação dos programas os programadores podem utiliza-lo para ver que programas já usam as informações e, se apropriado, copiar a seção relevante do código do programa dentro do seu novo programa, eliminando os esforços duplicados de programação. Simplificar a modificação do banco de dados se um elemento da informação precisar ser mudado ou deletado, o dicionário de dados aponta os programas que utilizam o elemento da informação que precisa ser modificada. Um dicionário de dados ajuda a atingir as vantagens da abordagem do banco de dados da seguinte forma: Redundância de dados reduzida reduziria a probabilidade de que o mesmo número da peça fosse armazenado como dois itens diferentes; Maior confiabilidade de dados reduzir a chance das informações serem destruídos ou perdidos; Desenvolvimento mais rápido de programas desenvolver programas mais rápido e não precisar desenvolver nome para itens, pois o dicionário de dados é que faz esse trabalho; Modificação de dados e informação mais fácil mais facilidade em modificar as informações, pois o usuário não necessita saber onde as informações estão armazenadas; 24. MANIPULAÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE RALATÓRIOS Uma vez instalado o DBMS, o banco de dados pode ser acessado, modificado e consultado através da linguagem de manipulação de dados (LMD). Esta linguagem permite, acessar, modificar e fazer perguntas sobre as informações contidas no banco de dados para gerarem relatórios.a linguagem mais especializada é a linguagem de consulta, e a mais comum é a linguagem de consulta estruturada (SQL).

10 A SQL é usada em diversos pacotes populares de banco de dados, e pode ser instalada em microcomputadores e em computadores de grande porte, essa linguagem usa procedimentos padronizados e simplificados para recuperar, armazenar e manipular as informações de um sistema de banco de dados. 25.TENDÊNCIAS EMERGENTES PARA BANCOS DE DADOS Sendo os dados e as informações vitais para a gerência administrativa, as inúmeras tendências de desenvolvimento e uso de banco de dados e sistemas de gerenciamento se fazem necessárias para atender as necessidades das organizações. Algumas dessas tendências é a colocação de dados em diferentes locais, o uso da abordagem orientada para o objeto no desenvolvimento e uso de sistemas de gerenciamento de bancos de dados e a procura de dados não estruturados, como gráficos e vídeos. 26.BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS São bancos no qual o dado real pode ser espalhado por vários bancos de dados menores, conectados por dispositivos de telecomunicações. VANTAGENS Maior flexibilidade na forma como os banco de dados são organizados e usados Escritórios locais podem criar, gerenciar e usar seu próprio banco de dados, Acesso e compartilhamento dos dados por pessoas de outros escritórios Dar aos escritórios locais meios mais diretos de acessar dados mais usados, proporcionando mais eficácia e eficiência nas organizações. DESAFIOS ADICIONAIS Segurança Exatidão Pontualidade Conformidade dos dados dentro do padrão Lentidão em relação ao transporte e acesso dos dados ( Linhas de Telecomunicação ) Integração de vários bancos de dados 27.BANCO DE DADOS REPLICADO Um banco de dados replicado é aquele que contêm um conjunto duplicado de dados usados freqüentemente. No início do dia, são enviadas cópias de dados importantes para cada local de processamento distribuído, sendo enviado de volta já modificados ao final do dia, para serem armazenados no bando de dados principal. 28.ARMAZENAMENTO DE DADOS (DATA WAREHOUSING) Técnica que envolve a tomada dos dados do mainframe e o seu armazenamento em outro banco de dados, de modo que ele possa ser analisado para descobrir novas tendências ou sugerir novas estratégias, sem diminuir a

11 velocidade do input do banco de dados principal da organização. 29.CONECTIVIDADE ABERTA DE BANCO DE DADOS (ODBC) Muitas empresas recorrem aos padrões ODBC para ajudar na integração dos bancos de dados, já que esses padrões asseguram que o software desenvolvido possa ser usado como qualquer banco de dados aberto, tornando mais fáceis a transferência e o acesso aos dados entre diferentes bancos de dados. Muitas organizações estão usando tais ferramentas para permitir que seus funcionários e gerentes tenham acesso mais fácil a uma variedade de bancos e fontes de dados. 30.BANCO DE DADOS ORIENTADOS PARA OBJETOS Os dados são armazenados como objetos, que contêm os dados e as instruções de processamento necessárias para completar a transação dos bancos de dados. Os objetos podem ser recuperados e relacionados por um sistema de gerenciamento de banco de dados orientados para objetos (OODBMS). Os OODBMS também oferecem a capacidade de reutilizar e modificar os objetos existentes para desenvolver novas aplicações. 31.BANCOS DE DADOS DE IMAGEM, DE HIPERTEXTO E DE HIPERMIDIA. BANCO DE DADOS DE IMAGEM São bancos onde todos os dados das organizações são armazenados em forma de imagem. Esse tipo de banco de dados é muito utilizado pelas empresas de cartões de crédito, médicos, serviços financeiros e companhias de seguros. Existem algumas desvantagens no banco de dados de imagem, sendo uma delas o aumento das exigências de armazenamento secundário, embora alguns administradores acham que o armazenamento em disco ótico ajudaria a aliviar esse problema. 32.BANCOS DE DADOS DE HIPERTEXTO São bancos onde os dados são colocados em pedaços chamados nós, onde o usuário estabelece ligações entre os nós, podendo dessa maneira procurar e manipular dados alfanuméricos de forma não estruturada. Ex.: Três pacientes tratados por um mesmo médico e com o mesmo sintoma de doença. BANCO DE DADOS DE HIPERMÍDIA São considerada uma extensão dos bancos de dados de hipertexto, que permitem as organizações procurar e manipular formas de dados de multimídia, dados gráficos, sonoros, de vídeos e alfanuméricos. Com a abordagem de banco de dados de hipermídia, muitos tipos de dados podem ser organizados em uma rede de nós conectados por ligações estabelecidas pelo usuário. 33.GERENCIAMENTO DE BANCOS DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Devido a sua complexidade, alguns fatores são de suma importância para se gerenciar bancos de dados dentre os quais podemos destacar: Bons profissionais para administrar os bancos de dados, Concentração em aspectos importantes e estratégicos dos bancos de dados, Treinamentos dos usuários de bancos de dados Desenvolvimento de procedimentos para seu bom uso. O profissional responsável pelo gerenciamento dos bancos de dados é o ADMINISTRADOR DE BANCOS DE DADOS, e envolve uma das mais valiosas fontes da organização: os seus dados. Fazem parte da área da administração dos Bancos de Dados: Implementação do DBMS, Documentação do sistema e dos usuários, Apoio e treinamento ao usuário, Operações globais de DBMS, Testes e manutenção do DBMS, Estabelecimento de procedimentos de emergência e de recuperação em caso de falha.

12 Um administrador de bancos de dados deve trabalhar tão bem com os programadores que desenvolvem programas aos usuários que necessitam de acesso aos bancos de dados para a execução de tarefas no seu dia a dia, quanto aos usuários não programadores que muitas vezes não fornecem tanta confiança na exatidão dos dados fornecidos ao gerente, fazendo-o agir como guardião e monitorador do uso de bancos de dados. 34.USO, POLÍTICAS E SEGURANÇA DE BANCOS DE DADOS Devido ao surgimento de hardwares de baixo custo e dos bancos de dados padronizados e outros pacotes de software, combinados com administradores mais sofisticados, alguns sistemas de informações estão sendo desenvolvidos pelos próprios usuários finais para resolver seus problemas. A computação de usuário final é definida com o desenvolvimento e uso de programas aplicativos e sistemas de informação por profissionais de fora da área de S.I. Embora aceita, esse desenvolvimento tem causado grandes controvérsias dentro das organizações, principalmente em relação a assuntos como controle e treinamento, pois devem ser tratados em termos de políticas e uso de bancos de dados, pois as informações são vitais e de natureza proprietária, confidencial e importância estratégica. A quais dados os usuários devem ter acesso direto? Sob quais circunstâncias podem os dados ser transferidos de um microcomputador ou sistema pequeno de computador para sistema mainframe? (Esta transferência de dados é chamada uploading). Sob quais circunstâncias podem os dados ser transferidos do sistema de mainframe de grande porte para microcomputadores ou sistema pequeno de computador? (Este tipo de transferência de dados é chamada downloading). Que procedimentos são necessários para garantir o uso apropriado do banco de dados? informações confidenciais estarem contidas nos bancos de dados. Além disso, todas as solicitações relativas a ver, modificar, fazer upload e download devem ser escritas. Em razão do grande nº de usuários do mainframe, as alterações de seus dados precisam ser especificadas, obedecendo aos procedimentos das organizações. Programas de suporte e treinamento são necessários a todos os níveis de empregados, inclusive os gerentes e tomadores de decisão sobre as políticas adotadas. Quando do processo de instalação de um banco de dados e de um DBMS, uma das primeiras questões a ser tratada, é o problema da invasão de privacidade, sendo imprescindível a adoção de sistemas e técnicas para a proteção da privacidade individual e a manutenção da segurança. Independentes de algumas falhas, não podemos deixar de maximizar o potencial da abordagem de bancos de dados, pois eles servem como entradas para um sistema de informação global da empresa; os bancos de dados são usados para organizar os dados para uso seu eficiente. O projeto e uso de um banco de dados, assim, têm um papel crucial no apoio dos negócios. Estabelecimento de procedimentos de emergência e de recuperação em caso de falha; REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA STAIR, RALPH M. PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DATE, C.J. Introdução a sustremas de Banco de Dados, Editora campus Todas as organizações devem adotar políticas, em relação a quais dados os usuários podem ter acesso, em razão de

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere 1. Binário: LISTA DE EXERCÍCIOS Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere Campo: Grupo de palavras ou um número completo Registro: Grupo de

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Banco de Dados. Tópicos. CIn/UFPE. Conceitos Básicos

Banco de Dados. Tópicos. CIn/UFPE. Conceitos Básicos Banco de Dados CIn/UFPE Ana Carolina Salgado Fernando Fonseca Valéria Times Conceitos Básicos Modelagem Conceitual Modelo Relacional Mapeamento ER/Relacional SQL / Aplicações Modelos Orientados a Objetos

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994.

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994. Faculdade Pitágoras Unidade 1 Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Imagem: BARBIERI, Carlos. Material usado na montagem dos Slides INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Luiz Vivacqua (lavcm@terra.com.br) http://geocities.yahoo.com.br/lavcm 1 Ementa 1. Introdução (1) 2. Modelo Conceitual Diagrama de classes 3. Modelo Lógico Relacional Características Chaves Restrições

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 2 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 3 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 4 2 Exemplo de

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Sistemas de Informação 2 1. Fundamentos dos Sistemas de Informação Antes de começar a discutir os sistemas de informação precisamos definir e entender

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes:

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: SGBD Características do Emprego de Bancos de Dados As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: Natureza autodescritiva

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD ITB SGBD Aurélio Candido Jr 1 1.INTRODUÇÃO 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados Um SGBD é uma coleção de programas que permitem ao usuário definir, construir e manipular Bases de Dados

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Capítulo I -Introdução a Banco de Dados

Capítulo I -Introdução a Banco de Dados Capítulo I -Introdução a Banco de Dados Emerson Cordeiro Morais ( emersoncm@estacio.br) Doutorando em Bioinformática Mestre em Banco de Dados Agenda Dados, Banco de Dados e SGBD Evolução Histórica dos

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #1 Arquitetura de Banco de Dados Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas,

Leia mais

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza Motivação Operações bancárias; Compras

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Banco de Dados Relacional

Banco de Dados Relacional Banco de Dados Relacional Banco de Dados 1 A tecnologia de banco de dados tem evoluído rapidamente nas últimas três décadas desde a ascensão e eventual domínio dos sistemas de banco de dados relacionais

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais