Portfólio 2014 de Propriedade Industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portfólio 2014 de Propriedade Industrial"

Transcrição

1 Portfólio 2014 de Propriedade Industrial 1/60 Rede NIT-NE & RENORBIO & Associados

2 2/60 Ficha Técnica Editora: Cristina M. Quintella Capa PI Consulting Lais Brugne Imagens I9tec

3 3/60 CONTEÚDO PREÂMBULO... 4 REDE NIT-NE... 5 RENORBIO... 7 RODADAS DE NEGOCIAÇÃO... 8 TIPOS DE NEGOCIAÇÃO DE PI & TT... 9 PORTFÓLIO DE PIS POR SETORES EMPRESARIAIS AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E CULTIVARES BIOCOMBUSTÍVEIS E ENERGIAS RENOVÁVEIS EMISSÕES, EFLUENTES, APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS, ÁREAS IMPACTADAS E QUALIDADE DE ÁGUA GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA, EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INSPEÇÃO, CONTRÔLE, MANUTENÇÃO, MONTAGEM, LIMPEZA, ANÁLISE E CONTROLE DE QUALIDADE MATERIAIS, CERÂMICAS E CONSTRUÇÃO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E COMBUSTÍVEIS PETROQUÍMICA, QUÍMICA E CATÁLISE SAÚDE, ODONTOLOGIA, HOSPITALAR, FÁRMACOS, COSMÉTICOS, VETERINÁRIA, PISCICULTURA E CARCINOCULTURA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS E PRODUTOS NATURAIS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS E ENSINO TELECOMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO, SEGURANÇA E AUTOMAÇÃO RESPONSÁVEIS PELAS PIS... 57

4 4/60 PREÂMBULO A Rede NIT-NE traz anualmente a público, em associação com a RENORBIO e outros parceiros, o portfólio de propriedade intelectual (PI), visando seu objetivo maior de transferir tecnologia (TT) e gerar inovação tecnológica, contribuindo com a melhoria da sociedade. São mais de mil PIs distribuídas em Setores Industriais para facilitar a consulta pelos campos tecnológicos aos interessados dos setores empresarial, governamental e acadêmico. As PIs compreendem patentes de invenção, patentes modelo de utilidade, softwares, desenhos industriais e cultivares. Com este portfólio pretende-se estimular parcerias para os diversos aspectos de negociação das PIs. Mais detalhes de cada PI podem ser obtidos no Portal da Inovação da Rede NIT-NE (http://www.portaldainovacao.org) na aba Produtos em Propriedade Intelectual. Neste texto estão listados apenas os títulos e os responsáveis pela negociação de cada PI. A opção de divulgar apenas os títulos permite que alguns dos produtos ainda em apropriação possam ser desde já veiculados sem que se comprometa a sua novidade, mas intensificando as ações de transferência das tecnologias desenvolvidas para a sociedade. Dentro da Rede NIT-NE se priorizam contratos de partilha de PI onde apenas um dos titulares negocia, deste modo facilitando a transferência de tecnologia para a sociedade. Informações dobre os cotitulares das PIs, seus estágios de desenvolvimento, e regras contratuais de transferência tecnológica devem ser conversados com os responsáveis por cada PI. As rodadas de negociação terão lugar no dia 12 de setembro de 2014, no Hotel Fiesta, Salvador, BA, durante o IV ProspeCT&I IV Congresso Brasileiro de Prospecção Tecnológica que decorrerá de 8 a 12 de setembro de A programação atualizada e mais detalhes podem ser vistos no Portal da Inovação da Rede NIT-NE (http://www.portaldainovacao.org/noticia/ver/57/1). O Evento visa promover a inovação de base tecnológica através da propriedade intelectual (PI) e da transferência de tecnologia (TT) que leva ao desenvolvimento e ao empreendedorismo, nos âmbito local, regional, nacional e internacional, nas diversas áreas do conhecimento. Impacta diretamente nas Metas Estratégicas do PAC CTI, Brasil Maior e suas Estratégias. Em 2014, excepcionalmente, serão realizados conjuntamente 2 eventos nacionais: VII ENAPID 2014 da Academia do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e IV ProspeCT&I 2014 da Rede NIT-NE. Além disso, teremos: o I Encontro dos Programas de Pós-Graduação em PI&TT para a Inovação Tecnológica e o Desenvolvimento; II WPI 2014 do PPG em Ciência da Propriedade Intelectual (UFS); o I Fórum Brasileiro da Ciência dos dados, Tech Mining e Inovação); e o Planejamento de Sistemas Locais de Inovação. Esta ação visa partilhar o público, aumentar a sinergia, juntar os esforços, reduzir os custos financeiros, e evitar os transtornos deste ano atípico devido à Copa do Mundo no Brasil e eleições.

5 5/60 REDE NIT-NE A Rede NIT-NE foi criada em 2005, sendo oriunda da região NE do Brasil e atuando não só na região NE do Brasil como também em estreita colaboração com as outras regiões e até outros países. Consistindo de uma de Propriedade Intelectual e de Transferência de Tecnologia (PI&TT) centrada em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). A adesão à Rede NIT-NE ocorre através de solicitação do gestor de cada instituição e implica em partilha do ferramental e das ações em PI&TT, exceto o que concerne ao ativo intangível. Compreende os setores acadêmico, governamental e empresarial. Apesar de oriunda da região NE do Brasil, atua em estreita colaboração com as outras regiões e até outros países. Segue o lema de: => "Caminhando juntos para crescermos TODOS" <= O Portal da Inovação da Rede NIT-NE (www.portaldainovação.org) é hoje um instrumento de referência na região Nordeste do Brasil para gestão de ativo intangível de PI&TT e capacitação. Em 22/Ago/14 tinha usuários que foram sua REDE SOCIAL, inventores cadastrados; 56 organizações de todo o Brasil (academia, governo, empresas e da sociedade civil); 789 PI cadastradas em diversos e múltiplos setores empresariais. Tem diversas funcionalidades com fluxo de procedimentos normatizado: Demandas e Ofertas de Produtos; Gestão financeira e técnica de projetos de modo transparente, online e em tempo real, integrado com os financiadores, os consultores e as fundações de apoio, como a FAPEX; Acervo de PI&TT (sigilosa & cenários de gastos & relatórios de gestão); Material didático com acesso comum ou restrito (KIT-NIT Didático e KIT-NIT Gestão); Sistema básico de gestão das PI pelos NIT com datas de vencimento de taxas de INPI; Destaques, calendário de eventos, sistema de s para o acompanhamento publicizado da gestão dos NIT, das PI e das TT; Atas de COMPITEC de apropriação e transferência de tecnologia. Na Figura a seguir podem ser vistos os diversos Setores Empresariais de cada PI e seus relacionamentos, numa vasta área de necessidades da sociedade (cada bolinha amarela é uma PI).

6 6/60

7 7/60 RENORBIO A necessidade de formação de pessoal na área de Biotecnologia, bem como a importância da conversão do conhecimento produzido pelos grupos de pesquisa em tecnologia, identificados a partir do Fórum da Competitividade em Biotecnologia em 2004, foram os elementos motivadores da criação de um programa de pós-graduação em Biotecnologia no âmbito da Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO). Com este propósito, foi definido pelo programa RENORBIO um arcabouço conceitual que possibilitou o recebimento de recursos do Ministério de Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI) para financiamento dos seus primeiros projetos de pesquisa a partir do ano A Portaria MCTI nº 598, de (Publicada no D.O.U. de , Seção I, pág. 16) criou formalmente a RENORBIO e definiu sua estrutura e mecanismo de operacionalização no âmbito do MCTI. A partir da formalização da Rede pode-se conceber a sua estrutura operacional e suas finalidades. Apesar de ter sido criada em 2004, a RENORBIO selecionou e formou sua primeira turma de doutorandos no ano de 2006, quando foi implementado o doutorado pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Em 2008, com a criação da área de Biotecnologia pela CAPES a rede, juntamente com outros 20 programas de pós-graduação, passou a integrar esta área de concentração. Em 2012 tem 148 docentes permanentes sendo 104 bolsistas de produtividade do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e 56 colaboradores dos quais 29 são também bolsistas de produtividade do CNPq, tem 15 pósdoutorandos e 485 doutorandos. O doutorado da RENORBIO teve impacto em diversas instituições onde foram criados mestrados em Biotecnologia entre outras em gestação que constituem pelo menos 6 em 38 existentes no Brasil (16%) e pelo menos 6 em 9 existentes no Nordeste (67%). Adicionalmente potencializou o aumento do pipeline de formandos de outros mestrados existentes anteriormente. Atualmente a RENORBIO tem como objetivos principais a formação de pessoal qualificado para o exercício da pesquisa e do magistério superior no campo da Biotecnologia, o incentivo às pesquisas na área da Biotecnologia, sob perspectiva multi e interdisciplinar e por fim a produção, difusão e aplicação do conhecimento da Biotecnologia na realidade econômica e cultural do Nordeste. Para tanto compreende 34 ICTs dos nove estados do Nordeste e 2 ICTs do Espírito Santo. A RENORBIO incentiva a pesquisa na área da Biotecnologia em quatro áreas de concentração onde a Biotecnologia oferece suas mais importantes aplicações: Saúde (Desenvolvimento de Agentes Profiláticos, Terapêuticos e Testes Diagnósticos), Agropecuária (Genética e Transgênese; Sanidade, Conservação e Multiplicação de Germoplasma), Recursos Naturais (Bioprospecção, Biodiversidade e Conservação Purificação, Caracterização e Produção de Insumos Biotecnológicos em Sistemas Heterólogos) e Biotecnologia Industrial (Bioprocessos).

8 8/60 RODADAS DE NEGOCIAÇÃO As rodadas de negociação foram iniciadas em 2012, durante o II ProspeCT&I II Congresso Brasileiro de Prospecção Tecnológica, de 19 a 23 de novembro de 2012, no Hotel Fiesta, Salvador, BA ((http://www.portaldainovacao.org/noticia/ver/39/1). Os dados das PIs são carregados no Portal da Inovação da rede NIT-NE (www.portaldainovacao.org) através da internet por cada Instituição através de seus Coordenadores dos NITs titulares das PI. Mais de 500 produtos foram negociados. Estiveram presentes 44 empresários inscritos de 34 empresas e 38 participantes de 13 organizações governamentais do Estado Brasileiro (que se fez presente a nível estadual e nacional), alem do setor acadêmico. Foi um evento "tripla hélice" que associou Prospecção Tecnológica e Negociação, contribuindo para a Transferência de Tecnologias gerando inovação, sendo utilizadas pela sociedade e melhorando o Produto Interno Bruto (PIB) e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). - O que são rodadas de negociação? São pequenas reuniões onde se conversa e se define como se dará a cooperação entre os parceiros, podendo ser nas etapas de desenvolvimento futuro da tecnologia, por exemplo, como serão partilhados e/ou utilizados os produtos, instalações, etc. relacionados ao desenvolvimento tecnológico e à inovação, enfim, os diversos aspectos da PI&TT para a inovação e o desenvolvimento. Em todas as rodadas de negociação estará presente para ajudar pelo menos um negociador treinado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI / WIPO) e pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) do Brasil nos cursos Successful Technology Licensing (STL), - Para que servem rodadas de negociação? Servem para que parceiros possam ter parcerias de sucesso e de longo termo, gerando bons resultados para a sociedade. - Quem pode participar? Os responsáveis pelas organizações, coordenadores de NITs, gestores de carteiras tecnológicas, empresários, gestores governamentais, inventores, seus colaboradores e convidados, entre outros. Caso necessário, será assinado Termo de Sigilo e Confidencialidade. - Até quando posso marcar a Rodada de Negociação? Até 4ª feira, dia 10 de setembro de Como marco a Rodada de Negociação? Envie para ou telefone para e fale com Cristina.

9 9/60 TIPOS DE NEGOCIAÇÃO DE PI & TT Uma empresa, nascente ou não, quer começar a atuar em um ambiente de inovação como acelerados, pré-incubadora, incubadora, parque tecnológico, e quer definir quais os deveres e direitos dessa parceria. Uma empresa descobre que uma organização tem algumas PIs em temas de seu interesse e quer desenvolver um projeto de desenvolvimento tecnológico conjunto mais adequado às suas necessidades específicas e quer definir como será a partilha do que for gerado. Uma patente está licenciada para uma empresa, mas é necessário incluir uma segunda empresa que tem uma rede de distribuição mais ampla e todos querem definir como ficará a nova partilha das vantagens econômicas. Várias instituições querem enviar um projeto conjunto para um Edital e querem definir como será a partilha do que for gerado. Uma empresa quer utilizar um laboratório de uma instituição pública de modo seguro através de um Instrumento Contratual. Uma empresa quer ser incubada por uma instituição ou operar num Parque Tecnológico. Uma empresa quer utilizar uma patente que outra organização desenvolveu. Uma patente foi ou será desenvolvida por mais de uma organização e cada uma quer definir como será a partilha. Um aluno foi orientado por mais de uma instituição e foi ou será inventor de uma patente e as instituições querem definir titularidade e vantagens econômicas. Um professor de uma instituição está fazendo uma pós-graduação, pós-doutorado, estágio etc. em outra instituição e foi ou será inventor de um registro de software ou uma patente e as instituições querem definir a partilha da titularidade e das vantagens econômicas. Uma instituição protocolou no INPI uma patente que devia ter outros titulares e todos querem regularizar a situação. Vários inventores de uma mesma patente querem definir quanto será a participação de cada um deles. Existem muitas outras possibilidades que dependem de cada caso concreto.

10 10/60 PORTFÓLIO DE PIS POR SETORES EMPRESARIAIS

11 11/60 AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E CULTIVARES 1 Célula para obtenção do coeficiente de empuxo no repouso (Ko) em solos 13 Processo de descoloração corante reativo pelo fungo pleurotus ((fr.) Qué1.) Construção de árvores filogênicas UESC - Rede NIT-NE Cultivar maria bonita de manjericão (ocimum basilicum l.) Disposição construtiva aplicada em pulverizador Disposição Construtiva Aplicada em Pulverizador Equipamento para Monitoramento Iônico da Solução do Solo Fotobiorreator tubular vertical giratório, utilizável na produção de microalgas ; RENORBIO Medidor de umidade de grãos por análise de sinais acústicos. Planilhas eletrônicas que auxiliam a construção de um aríete hidráulico para sistema de irrigação IFSertão - Rede NIT-NE Processo de obtenção de bromelina por indução in vitro de mudas de abacaxi em meio líquido com ponte Processo de pré-tratamento de vinhoto pelo uso de argila montmoriloníticas ativadas por via sódica Processo para diferenciar soja convencional de soja resistente ao glifosato Produto e processo de produção de mudas por microbiolização UEPB - Rede NIT-NE Produto organomineral para nutrição de plantas IFSertão - Rede NIT-NE Sensor de umidade com fibra vegetal UESC - Rede NIT-NE Sistema de irrigação por aeração utilizando aspersores microperfurados (garrafas pet) atrelados á rede de distribuição interligada à bomba hidro-pneumática conectada a manancial perene 10 Plantadora automática de cana picada 21 Substrato agrícola para produção de mudas e implantação de jardins IFSE - Rede NIT-NE 11 Ponteira para perfuratriz horizontal de solo. 22 Uma nova cultivar de manjericão (ocimum basilicum l.): 'mara' 12 Processo de desaguagem da turfa in natura

12 12/60 BIOCOMBUSTÍVEIS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Algoritmo para redução de erros de medidas em poços de petróleo Analisador de qualidade de combustíveis Aplicação de moléculas derivadas de 2hfuro[3,2-b]benzopiran-2-onas, fluorescentes, como marcadores de combustíveis para identificação de adulteração Aproveitamento de Resíduo Sólido proveniente do processamento industrial do óleo de mamona Aquecedor solar de água de fibra de vidro Biodiesel utilizando o politereftalato de potássio como fonte de catálise Biogestor com gasômetro de volume variável integrado e selo hidráulico Catalisador baseado em perovskita para a produção de hidrogênio através da reforma do glicerol Célula de fluxo para estudo de sistemas dinâmicos por despolarização da fluorescência induzida por luz polarizada. ; RENORBIO Componentes de pilhas a combustível de óxido sólido Composição liquida de biocombustível utilizando biodiesel de vegetais, álcool de cadeia curta e aditivos corretores de acidez e de cetano ; RENORBIO Desidratação do gás natural por absorção utilizando microemulsão como líquido dessecante Dispositivo de extração de fluidos para fins alimentares e energéticos Dispositivo eletrônico para medida e indicação de proporção da mistura e qualidade de combustíveis em tempo real IFMA - Rede NIT-NE Dispositivo para caracterização de pilhas a combustível de óxido sólido Dispositivo sensor e método de identificação de amostras de óleos vegetais, animais, minerais ou sintéticos através de análise espectral e quimiometria Dispositivo sensor e método de identificação de substâncias, puras ou em formulações, através de análise espectral e quimiometria Eletrodo tipo wafer reativo quimicamente de alumínio e gálio e método de fabricação do mesmo UNEB - Rede NIT-NE Etilômetro eletrônico. Fogão solar alternativo por reflexão de raios solares UESC - Rede NIT-NE Formulação da mistura dos extratos hidroalcoólicos liofilizados das folhas de averrhoa carambola e de syzygium cumini, suas composições farmacêuticas e seu uso na prevenção e no tratamento UFMA - Rede NIT-NE FORMULAÇÃO DE ADITIVOS ANTIOXIDANTES PARA USO EM BIODIESEL

13 13/ Formulação de aditivos e de combustíveis de álcool carburante aditivado para uso em motores diesel ; RENORBIO Formulação líquida de álcool combustível aditivado para motores do ciclodiesel. Fotobiorreator tubular vertical giratório, utilizável na produção de microalgas ; RENORBIO Fotodetector utilizando filmes de dióxido de estanho nano estruturado e seu método de fabricação Módulo de refrigeração termoelétrico frostfree-green Procedimentos de preparação de aditivos organofosforados obtidos da modificação química do 5-n-pentadecilresorcinol para aplicação nos setores industriais Processo de eterificação da glicerina bruta para geração de aditivos verdes oxigenados SENAI-BA - Rede NIT-NE Processo de neutralização a seco para biodiesel usando ácido tereftálico como trocador iônico ; RENORBIO Instrumento para classificação de biodiesel UEPB - Rede NIT-NE Método de identificação de amostras de óleos através de análise espectral e quimiometria Método de identificação de substâncias, puras ou em formulações, através de análise espectral e quimiometria ; RENORBIO Método de quantificação de glicerina, oriunda do processo de obtenção do biodiesel, por cromatografia em fase gasosa IFBA; Método para monitorar qualidade em processos de obtenção de combustíveis e dispositivo sensor para sua operação Método para predizer estabilidade oxidativa de óleos, biodieseis e amostras oleosas através de análise multivariada associada com espectroscopia no infravermelho (FTIR) - Método para predizer propriedades químicas e físico-químicas de óleos através de análise multivariada associada com espectrofluorimetria ; RENORBIO Modelo de um bioprocesso tecnológico, para geração de biogás a partir do bagaço de canade-acúçar Processo de obtenção de antioxidante natural a partir do resíduo de caju aplicado a produtos carneos Processo de obtenção de extrato vegetal da semente da nhandiroba e biodiesel Processo de produção de aditivo de lubricidade, obtido a partir de óleo de mamona aplicável em combustíveis e lubrificantes Processo de produção de antioxidante aminado, obtido a partir do cardanol hidrogenado alquilado e nitrado, 3-pentadecilfenol (3-pdpnitrado) aplicável na indústria do petróleo. Processo de produção de biodiesel catalisado por lipase. Processo de produção de ésteres alcoólicos de ácidos graxos (biodisel) por aplicação de ultrassom UFC - Rede NIT-NE Processo de transformação de triglicerídeos em ésteres de ácidos graxos por catálise heterogênea a base de compostos clorados SENAI-BA - Rede NIT-NE Processo para a obtenção de biodiesel utilizando o politereftalato de potássio como fonte de catálise

14 14/ Processo para determinação de benzoato de denatônio em álcool etílico comercial por espectrofotometria derivativa UFPI - Rede NIT-NE Processo para obtenção de Biodiesel utilizando o politereftalato de potássio como fonte de catálise. Processo para produção de biodiesel a partir de ácidos graxos livres por catalise por lípase em sistema livre de solventes. Processo para produção de extrato etanóloico de milona com concentração padronizada de marcadores, extrato obtido, composições farmacêuticas e uso de composições obtidas. Processo para purificação de biodiesel sem uso de água. Processo para purificar glicerina bruta oriunda da produção de biodiesel. Processo para recuperação avançada de petróleo pelo uso de solução de coprodutos da fabricação de biodiesel Produção de xantana para aplicação na indústria Petrobrás Proteíncas de choque térmico (HSP)s como marcadoras de leveduras starters de Saccharomyces cerevisiae mais resistente s ao estresse em processos fermentativos Protótipo de fluorímetro de led associado a um software estatístico embarcado para classificação de amostras e predição de propriedades químicas e físico-químicas Quality control method and device for fuel production processes ; RENORBIO Reator de cilindro rotativo para pirólise rápida de biomassa seca triturada Secador solar móvel para palhas de carnaúba UFPI - Rede NIT-NE Secador solar vertical UESC - Rede NIT-NE Sistema de produção de microalgas para biocombustíveis Sol-ar UESC - Rede NIT-NE Uso da amêndoa de bombacopis retusa, como potencial matéria prima pra fins alimentício, cosmético, farmacêutico e de obtenção de biodiesel Utah - unidade de tancagem de hidrogênio

15 15/60 EMISSÕES, EFLUENTES, APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS, ÁREAS IMPACTADAS E QUALIDADE DE ÁGUA Amostrador de água para análise de qualidade em rios e reservatórios AMOSTRADOR INOXIDÁVEL DE SEDIMENTOS DE MANGUEZAL PARA ANÁLISE BIOGEOQUÍMICAS Aparato Para Simulação De Remediação Em Sedimentos De Manguezal Contaminados Por Petróleo Aproveitamento do resíduo sólido proveniente do processamento industrial do óleo de mamona Aquômetro eletrônico. Blocos cerâmicos acústicos (ressoadores) elemento estrutural obtido com adição de lodo industrial Booster hidrodinâmico para sistemas de abastecimento indireto de água fria UESC - Rede NIT-NE Carvão ativado impregnado com prata e cobre para eliminação de microorganismo da água Célula para obtenção do coeficiente de empuxo no repouso (Ko) em solos Dispositivo de permeação/reação e detecção para acoplamento em sistemas de análise por injeção em fluxo para determinação de analitos voláteis empregando reagente cromogênico UFRB - Rede NIT-NE Dispositivo para combustão de gás natural com oxigênio enriquecido e com controle das relações entre radiação térmica, formação da fuligem e NOx Economizador psicológico de água UESC - Rede NIT-NE Equipamento Gerador de Transitórios Hidráulicos e Sistema de Funcionamento do dito equipamento UEPB - Rede NIT-NE Estação de Simulação de Procedimentos de Biorremediação Estação de tratamento subterrânea para derrames de petróleo e outras substâncias ou esgotos com aplicação de mistura microbiológica e método de funcionamento Filmes, membranas e microesferas de quitosana contendo células mortas da bactéria staphylococcus saprophyticus lami001 para uso como bioemulsificante, biocoagulante de óleo e na remoção de metais traços em ambientes naturais, domésticos e industriais Coletor automático de amostra de água em corpos hídricos Concreto polimérico a partir da reciclagem de embalagens pet, resíduos solidos finos e óleo vegetal usado Destoxificação de resíduo de mamona Filtro desfluoretador regenerável Lodo de ETA como matéria prima na confecção de blocos para a construção civil Máquina obturadora de papéis

16 16/ Meio filtrante a base de morinda oleífera lam Método para dosagem de amônia em águas do mar e águas naturais Microesferas de quitosana com células de bacillus pumilus ufpeda831imobilizadas pra uso na biodegradação de efluentes industriais e domésticos e na biorremediação de ambientes naturais contaminados com petróleo e derivados Microesferas de quitosana com esporos de bacillus subtilis lami007 não patogênicos imobilizados para uso na biodegradação de hidrocarbonetos, biofertilização, biotratamento de efluentes industriais e domésticos e produção de biossurfactantes O túnel de diluição para amostragem a volume constante de produtos de combustão incompleta emitidos na exaustão de motores veiculares Process for treatment of water/oil emulsions Processo ativação sódica de argilas montmoriloníticas pelo uso de um reator de extrusão, com teores variados do agente de ativante em solução aquosa ou no estado sólido, na presença de vapor de água úmida ou saturado Processo biotecnológico de aceleração de compostagem de resíduos de podas de árvores Processo de ativação da turfa para transformala em um eficiente solvente de metais pesados nas condições ótimas de processo Processo de biocompostagem acelerada de resíduos sólidos orgânicos para obtenção de ração animal. Processo de dessanilização de água salobra para dessendentação humana a partir de sementes de umbu (spondias tuberosa cheg. Cam) Processo de obtenção de coagulante para tratamento de água com semente de moringa oleifera Processo de obtenção de núcleos via colcinação de osso de peixe Processo de obtenção de produto biodegradável para aplicação na remediação de solos, águas e ambientes impactados e método de funcionamento Processo de purificação de carbono mineral em cristais de halita sintetizado em biorremediação de manguezal com aplicação em biotecnologia - Processo de reação com cristalização salina da proteína amida obtida de contaminantes voláteis da biorremediação de manguezais para aplicação em biossensores Processo de reciclagem de embalagens pet pósconsumo através de despolimerização utilizando condições supercríticas e dispositivo para efetuar o processo Processo de tratamento de efluente químico de laboratório por oxidação pelo reagente fenton seguida de precipitação do sulfato Processo de Tratamento de Efluente Químico de Laboratório por Oxidação pelo Reagente Fenton seguida de Precipitação do Sulfato Processo de utilização da quitosana do bichoda-seda (Bombyx mori) na remoção de corantes têxteis de efluentes industriais Processo fúngico para remediação de solos, águas e outras substâncias e ambientes impactados, e produto para o mesmo Processo para obtenção de biossensores e biossensores

17 17/ Processo para remoção de metais pesados a partir de efluentes das indústrias de bateria para veículos: uso da quitosana obtida a partir das crisálidas do bicho da seda como adsorvente de baixo custo Reciclagem mecânica de embalagens multicamadas Remediação de solo arenoso contaminado com óleo diesel através da lavagem ex situ utilizando a glicerina, co-produto da produção do biodiesel - Remoção de Hidrocarbonetos e Metais Dissolvidos e Dispersos em Efluentes Industriais Sistema Aguapura VIANET Sistema de biorremediação para aplicação na biodegradaçãode hidrocarbonetosderivados do petróleo em sedimentos e solos. Sistema de combustão de gás natural para o controle das correlações entre radiação térmica formação da fuligem e NOx com a utilização da combustão enriquecida com oxigênio SENAI-BA - Rede NIT-NE Sistema de fitorremediação para remoção de metais e biodegradação de hidrocarbonetos do petróleo em sedimentos, solos e água. Sistema de purificação de água por uso de filmes poliméricos com nano partículas de prata Unidade móvel de medição de água 136 Sistema de análise por injeção em fluxo para determinação semi-contínua de formaldeído utilizando fluoral p

18 18/60 GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA, EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Acoplador indutivo de banda estreita para comunicação de dados via rede elétrica sob correntes elevadas em média e alta tensão ANALISADOR DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS PELA HARMÔNICAS PURA, COM A INCLUSÃO DA CONTÍNUA Aparelho e Método para determinação de acetileno em óleos por Calibração Multivariada Biogestor com gasômetro de volume variável integrado e selo hidráulico Dispositivo eletrônico para o controle de uma fonte de alimentação ininterrupta Dispositivo para geração de altas pressões e altas temperaturas Dispositivo robótico para superação de obstáculos em inspeção de linha de transmissão de alta tensão SENAI-BA - Rede NIT-NE Dispositivo sensor e processo para determinar a soma das concentrações dos gases combustíveis em óleos isolantes 146 Catalisador baseado em perovskita para a produção de hidrogênio através da reforma do glicerol 157 Equipamento Gerador de Transitórios Hidráulicos e Sistema de Funcionamento do dito equipamento UEPB - Rede NIT-NE Componentes de pilhas a combustível de óxido sólido Controle do balanceamento de unidade de bombeio mecânico usando inversor de frequência e fator de carga cíclica Conversor analógico-digital sigma-delta baseado em contador Cruzetas de face superior curva de eucalipto tratado e processo de sua produção para uso em rede de distribuição de energia rural e urbana ou outros Equipamento industrial para determinar e monitorar grandezas mecânicas e elétricas de motores de indução trifásicos estacionários e métodos de funcionamento SENAI-BA - Rede NIT-NE etrim Equipamento para transmissão remota de imagens de subestações de energia UFCG; COELBA; ATI - Associada Gerador de funções térmicas Instrumento de transdução eletrônica resistiva múltipla com compensação da deriva térmica e ruído de baixa frequência Desenvolvimento de uma bobinadeira programável para transdutores eletromagnéticos(captadores) de guitarra e contrabaixo IFSE - Rede NIT-NE Detectores de defeitos autonômicos para sistemas distribuídos Método e Aparelho para avaliar a degradação de papel isolante em transformadores de potência Moinho de alta energia com eixo aletado do tipo horizontal IFBA - Rede NIT-NE

19 19/ Postes e acessórios de redes de distribuição de energia para atendimentos emergenciais UFPR; COELBA - Associada Postes ecológicos de concreto com adição de fibra de sisal UFPR; COELBA - Associada Processo de produção de fluido dielétrico obtido a partir de óleos vegetais, e formulação de fluido dielétrico obtido a partir de óleos vegetais Processo e dispositivo para determinar a rigidez dielétrica de óleos minerais Produção de energia elétrica a partir da habilidade de alguns cristais IFSE - Rede NIT-NE Reator de cilindro rotativo para pirólise rápida de biomassa seca triturada Sistema eólico com turbina horizontal de direção regulável automaticamente e geradores fixados na base Sistema gerador de ozônio modular em alta freqüência, automático, operando com controlador digital de sinais (DSC) e controlador PID. Software de conversão de sistemas térmicos e empresas do segmento cerâmico - ceramus Software de simulação energética e exergética de sistemas de co-geração para o setor terciário energético. Software para análise de viabilidade energética e econômica de instalações para gás natural na construção civil- edifica 170 Religador de baixa tensão IFCE - Rede NIT-NE 171 Secador Térmico por fuso aquecido

20 20/60 INSPEÇÃO, CONTRÔLE, MANUTENÇÃO, MONTAGEM, LIMPEZA, ANÁLISE E CONTROLE DE QUALIDADE 177 Amostrador de água para análise de qualidade em rios e reservatórios 188 Dispositivo Amplificador de Sinais Eletrofisiológicos 178 Amostrador passivo para formaldeído utilizando fluoral p 189 Dispositivo auto centrante para abrir roscas manuais SENAI-BA - Rede NIT-NE 179 Analisador de qualidade de combustíveis 190 Dispositivo auto centrante para abrir roscas manuais SENAI-BA - Rede NIT-NE 180 Aparelho e Método para determinação de acetileno em óleos por Calibração Multivariada 191 Dispositivo de medição alimentado por indução magnética dispersa em condutores elétricos Aplicação de moléculas derivadas de 2hfuro[3,2-b]benzopiran-2-onas, fluorescentes, como marcadores de combustíveis para identificação de adulteração Aquômetro eletrônico. Célula de fluxo para estudo de sistemas dinâmicos por despolarização da fluorescência induzida por luz polarizada. ; RENORBIO Composição a base de quitosana como inibidor de corrosão em aço UFAL - Rede NIT-NE; RENORBIO Dispositivo de tração para medição do comportamento elástico de material têxtil laminado SENAI-BA - Rede NIT-NE Dispositivo e processo de monitoramento da corrosão em equipamentos industriais IFCE - Rede NIT-NE Dispositivo eletrônico para medida e indicação de proporção da mistura e qualidade de combustíveis em tempo real IFMA - Rede NIT-NE Dispositivo medidor e monitorador de sinais de vibração on-line e processo de detecção e interpretação de sinais de vibração IFCE - Rede NIT-NE Controle do balanceamento de unidade de bombeio mecânico usando inversor de frequência e fator de carga cíclica Conversor analógico-digital sigma-delta baseado em contador Detectores de defeitos autonômicos para sistemas distribuídos Dispositivo para ensaio de fluência em madeira Dispositivo sensor de monitoramento de instabilidade de solos e estruturas por meio de sensores multiparamétrico com redundância modular IFPE - Rede NIT-NE Dispositivo sensor e método de identificação de amostras de óleos vegetais, animais, minerais ou sintéticos através de análise espectral e quimiometria

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL José Valdemar Gonzalez Maziero; Ila Maria Corrêa Centro APTA de Engenharia e Automação A retomada de estudos sobre o uso de óleos vegetais como combustível,

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2.

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. 1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. Otimizar processos que utilizam qualquer tipo de líquido.

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose.

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Problemas com o fluido podem causar elevados custos. Envelhecimento do óleo Água em óleo Nos lhe ajudaremos em achar a solução.

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

Aprender Ciências a Brincar

Aprender Ciências a Brincar Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

CALDEIRAS. TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng.

CALDEIRAS. TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng. CALDEIRAS TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng. DEFINIÇÃO NR-13: Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO. A Hélice Tripla do RN

GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO. A Hélice Tripla do RN GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PETRÓLEO A Hélice Tripla do RN Incentivos da Lei do Petróleo para P&D SUPORTE PARA P&D NO SETOR PETRÓLEO P&D INVESTIR 1% DA RECEITA BRUTA EM P&D (Concessionário) PARTICIPAÇÃO

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

1986 2000 2013 VALORES

1986 2000 2013 VALORES HISTÓRIA Motivado pelo espírito empreendedor e acreditando num futuro de oportunidades, em 1986 o fundador da JDF deu início a suas atividades como uma pequena oficina de manutenção de máquinas. No início

Leia mais

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

Rodada de negócios com empresários de Rheinland-Pfalz Rio Grande do Sul e Natal 20-27 de outubro

Rodada de negócios com empresários de Rheinland-Pfalz Rio Grande do Sul e Natal 20-27 de outubro 1 Segurança / POLÍCIA / MILITAR Equipamentos de proteção individual para a polícia e militares: Tonfas Sistemas de algemas Aparelhos de busca e localização Proteção para o corpo (especial) Equipamento

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Secadores com Torres Dessecantes O ar seco é gerado em uma torre de peneira

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ DNP CEN ISO/TS 15875-7:2014 Sistemas de tubagens de plástico para instalações de água quente e fria Polietileno reticulado

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial.

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. A trabalha dentro de normas. Como: NBR, ASME, DIN, API e etc. Nosso galpão industrial comporta

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Portfólio Tecnológico - 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Portfólio Tecnológico - 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Portfólio Tecnológico - 2013 Título: SISTEMA DE RENOVAÇÃO DE AR APLICÁVEL EM APARELHOS DE AR- CONDICIONADO TIPO SPLIT. Número:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES Luis Thiago Panage Conelheiro 1, Arquimedes Luciano 2 RESUMO: Uma grande

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

Soluções em Equipamentos Industriais

Soluções em Equipamentos Industriais Soluções em Equipamentos Industriais QUEM SOMOS Com atuação a nível nacional e internacional, a Jemp Equipamentos é a maior empresa brasileira na área de equipamentos industriais, acumulando uma experiência

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido 13092 28 2015 7 15 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA 通 告 Aviso 商 標 之 保 護 Protecção de Marca 申 請

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas TECNOLOGIA EM ENERGIA RENOVÁVEL Edital Nº. 04/009-DIGPE 0 de maio de 009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais