MULHER NEGRA E SUBMISSÃO na obra Um Defeito de Cor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULHER NEGRA E SUBMISSÃO na obra Um Defeito de Cor"

Transcrição

1 MULHER NEGRA E SUBMISSÃO na obra Um Defeito de Cor Anderson Silveira de França Universidade de Brasília - UnB RESUMO: A obra Um Defeito de Cor mostra a narradora negra Kehinde, a qual rompe com os paradigmas da época da colonização; a história se passa ao longo de quase todo o século XIX, onde o negro é visto como mercadoria de troca e objeto. Ela é representada como o outro na obra, na condição de escrava. O que dá lhe suporte para que este rompimento aconteça é o conhecimento da escrita, bem como a crença nos orixás - símbolos religiosos - os quais foram mantidos duramente pelos negros. Esta crença é aprendida na infância e solidificada ao longo da vida e funciona como memória ancestral, na medida em que assimila dissimuladamente aspectos da cultura dos brancos que contrastam com a africana nela dilacerada. PALAVRAS-CHAVE: mulher negra; representação; submissão; orixás e crenças. ABSTRACT : The work Um Defeito de Cor shows the narrator Kehinde, which breaks with the paradigms of time of the colonization; this narration pass at laugh goes over almost the whole Nineteenth century, where the black seen as a commodity exchange and object. She is represented as other in the work, in conditions of the slave. What give support for this disruption is the knowledge of writing and the beliefe in african orishas, religious symbols - which were kept hard by blacks. This belief learned in the childhood and solidified over the life and works as memory laugh ancestor, as it slyly assimilates aspects of white culture that contrasts with her torn Africa. KEY-WORDS: Black woman: representation, submission; orishas and belief.

2 Intodrução Durante muitos séculos, no caso do Brasil, desde o descobrimento no século XVI até quase o final do século XX, a mulher foi vista como um objeto a ser moldado, manuseado pelo homem, bem como pela igreja também, instituição que não via a mulher mais do que uma reprodutora e mãe de filhos, subordinada aos mandos e desmandos do homem. Este determinava como aquela deveria proceder em sua vida. Na literatura, a mulher foi representada de maneira submissa devido a uma sociedade patriarcal que controla a vida e os desejos da mulher. A figura masculina era exaltada em detrimento da feminina, dando ao homem poder e autoridade. Se a mulher branca não tinha voz dentro da sociedade e era vista apenas como dona de casa, já a mulher negra estava em uma condição ainda mais inferiorizada, a qual se encontrava na época da escravidão no Brasil até bem pouco tempo: final da década de 70 e início da de 80 do século XX, como subalterna, como um outro diferenciado. A mulher negra especificamente teve menos oportunidades de espaço, de trabalho, de ascensão social do que a mulher branca. A voz do negro foi minimamente representada na literatura, seja homem ou mulher, ao longo da formação da literatura brasileira devido à imposição do regime escravocrata e a sua condição periférica, bem como as consequências sociais após a libertação em Quando se falava em mulher negra, supunha-se que ela deveria estar na cozinha ou atendendo sua sinhá. Os negros, por questões históricas, foram vistos como objetos, tanto de uso como de troca, uma peça a ser comprada e vendida, que fazia parte do patrimônio do senhor e das relações econômicas. Eles deveriam ser subservientes a um dono hostil e desumano. A dominação do branco foi impositiva para os escravizados na História do Brasil inclusive índios - no entanto, a figura representada da personagem Kehinde em sua fase de escrava foco deste ensaio padecia às ações dos seus senhores, pelo fato dela estar no último grau na hierarquia social. Primeiros vinham os homens e as mulheres brancas, depois os mestiços Em penúltimo lugar os homens negros e por fim, as mulheres negras.

3 O romance corpus é de matiz historiográfica, tendo como protagonista e narradora a personagem Kehinde, nascida em África, Savalu, região de Costa da Mina (atualmente Reino do Benin) e de onde vieram uma leva significativa de escravos para as Américas, se muda para cidade portuária de Uidá com a irmã gêmea Taiwo na cultura africana gêmeos são chamados ibêjis e com a avó após os assassinatos da mãe e do irmão mais velho Kokumo por guerreiros nativos. Nesta cidade, ela vai juntamente com a irmã, visitar o porto, onde são capturadas por escravos de dois brancos e trancafiadas em um barracão onde os capturados aguardavam o embarque em um tumbeiro, para depois serem levados a terras distantes, tais como Estados Unidos, Cuba e Brasil. No entanto, após a saída das gêmeas para visita ao porto, a avó sente falta das netas e vai procurá-las, sabendo delas na fila do barracão. Oferece-se para ir junto delas na viagem de translado. São embarcadas juntamente com centenas de outros negros. A avó e a irmã gêmea de Kehinde morrem no começo da travessia. O que é relevante na trajetória da protagonista é o fato dela acreditar, desde o início de seu cativeiro, que sua vida iria tomar outro rumo, apesar de todas as dificuldades impostas pelo contexto dos traficantes e dos que comandavam a situação. eu não sabia o motivo, mas tinha absoluta certeza de que não teria o mesmo destino que aquelas crianças, que alguém me escolheria logo e não seria tão ruim assim 1 (GONÇALVES, 2008, p.69). Kehinde, com a crença e a fé em seus orixás e em si mesma, consegue comprar sua alforria, depois de ter um filho do seu dono, senhor José Carlos. Conhece Alberto, um português, encanta-se com ele e tem o segundo filho. O primeiro morre, Banjokô, ainda criança e o segundo, Omotunde, é vendido pelo pai por dificuldades financeiras. Após um longo período no Brasil, ela volta para África e casa-se com Jhon, um negro de Serra Leoa. Eles tem dois filhos e constroem um patrimônio considerável. Em contrapartida, no Brasil Kehinde como negra e mulher - é vista com um outro. Neste sentido, há diferenças no que se refere à alteridade dos submissos, que devem ser pensadas pelas pessoas contemporâneas, uma vez que atualmente há a possibilidade de confrontar os desiguais, pois as discussões se afloram e assunto é tema de muitos estudos científicos. A 1 GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: 2008.

4 sociedade da época da escravidão instituiu um simbolismo de dor e sofrimento para os escravos. Na obra Representando a alteridade, organização de Ãngela Arruda o advento da colonização representou um fato crucial para história da civilização, ao abrir a fenda da unidade essencial do gênero humano (...) 2 (1998, ARRUDA, p.15). Pensando desta forma, percebe-se que Kehinde manteve sua a fé e crença religiosa desde a África até quando chega no Brasil. Ela procurou manter a ligação com os orixás, apesar das dificuldades. Na Bahia, eram louvados os orixás dos nagôs e dos iorubas, os voduns dos fons e de todos os povos do Daomé, e os nikisis (força mágica divindade na língua do quicongo) dos bantos do Congo e de Angola (GONÇALVES, 2008, pp ) 3. O seu trabalho a princípio não foi árduo como a maioria dos escravos. De certo modo, ela teve sorte. A primeira tarefa, por ser ainda pequena, era acompanhar a filha do senhor José Carlos, o dono da fazenda que a comprou. O aparecimento da mulher como sujeito é lento, à medida que a narrativa vai se desenvolvendo; as ações praticadas por ela, introduzem ao leitor, uma ideia de uma mulher diferenciada, no imaginário, como um símbolo de servilismo sem voz. Desta forma, em se tratando de representação da mulher negra na literatura brasileira de afro-descendentes no decorrer da história, principalmente no período colonial, a voz feminina era praticamente ausente. Segundo o ensaísta Eduardo Assis Duarte vê-se: Desde o período colonial, o trabalho dos afro-descendentes se faz praticamente em todos os campos de atividade artística, mas nem sempre obtendo o reconhecimento devido. No caso da literatura, essa produção sofre, ao longo do tempo, impedimentos vários à sua divulgação, a começar pela própria materialização do livro (...). Em 2 ARRUDA, Angela (ORG). Representando a alteridade. Petrópolis-RJ: VOZES, 1998; 3 GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: 2008;

5 outros casos, existe o apagamento deliberado dos vínculos autorais e, mesmo, textuais com a etnicidade africana, ou com os modos e condições de existência dos afrodescendentes, em função da miscigenação branqueadora que perpassa a trajetória desta população 4. (DUARTE, 2005, pp ). No século XIX, época em que a escravidão era forte no início e vai enfraquecendo em virtude da interferência da Inglaterra, algumas leis, como Bill Aberdeen (1845) e Lei do Ventre Livre foram assinadas a favor dos escravos, mas mesmo assim, o engajamento na sociedade ainda demorou bastante. Não se pensava em negros ou negras representados como figuras de destaque, pois esta condição era comum a homens brancos. O negro na condição de escravo não tinha o direito nem condições de se igualar socialmente como um branco. Certamente, sua inserção na literatura não foi um trabalho simples, pois além de ter de fissurar os estigmas sociais, para galgar um pequeno espaço, só seria possível a ferro e fogo. Muitas vezes, a figura de um padrinho era fundamental. Representação da mulher negra Em referência a grupos minoritários representados na literatura, os escravos tinham uma consciência mínima ao que se refere à condição de humano e ser social. O processo de dominação do branco impunha uma carga simbólica negativa, e por sua vez, a ruptura com a busca pela identidade e pela autonomia era reprimida e, enlaçando a representação entre as raças brancas e negras, observa-se que o olhar é de dominação e imposição aos diferenciados. As evidências são claras quando se lê o texto e observa-se o tratamento de natureza preconceituosa e distinta, favorecendo aos homens brancos e segregando a mulher, principalmente a negra. Cada um tinha seu papel definido dentro da sociedade escravista, a qual criava divisionismos, a partir do poder de mando do branco. A mulher negra, indiscutivelmente, 4 DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura Política Identidades. Belo Horizonte: UFMG: 2006

6 não possuía quase nenhum valor, somente servia para o trabalho e para concretização dos desejos sexuais dos seus senhores. A deterioração da identidade postula um pensamento reflexivo capaz de denunciar um tolhimento à potencialidade feminina, bem como a desmoralização, como uma maneira de anular sua feminilidade, sua vontade e não lhe dar voz. No entanto, a narrativa de Um defeito de cor revela que Kehinde consegue suportar a opressão causada pela escravidão, o sofrimento aos maus tratos, possivelmente pela crença em seus orixás africanos e pela ligação com a família, que mesmo com alguns mortos, ainda assim estavam vivos na memória e na subjetividade, de modo a ser uma força, que foi deixada como herança pela avó: Então, mesmo que não fosse através dos voduns, ela (a avó) me disse para eu nunca esquecer da nossa África, da nossa mãe, de Nanã, de Xangô, dos Ibêjis, de Oxum, do poder dos pássaros e das plantas, da obediência e respeito aos mais velhos, do culto e agradecimentos. A minha avó morreu poucas horas depois de terminar de dizer o que podia ser dito, virando comida de peixe junto com a Taiwo 5 (GONÇALVES, 2008, p.61). Após a conquista da liberdade as cartas (de alforria de Kehinde e do filho Banjokô) precisavam ser assinadas logo (...) e dei um tapa no rosto dela (a Sinhá Ana Felipa), dizendo que ia apanhar muito se não assinasse logo (...). O Francisco levou até lá e, ainda um pouco atordoada, ela assinou 6 (GONÇALVES, 2008, p. 348). Para que houvesse dinheiro suficiente para a compra da liberdade, a ajuda dos deuses foi crucial. A protagonista se sentia impossibilitada e desesperada, pelo fato de que sua sinhá, após a morte do marido, Senhor José Carlos, ter saído da ilha de Itaparica na Bahia para a capital Salvador. Após ter decidido ir embora para Lisboa, a sinhá resolveu se desfazer de quase todos os seus escravos e vendê-los. Neste meio tempo, Kehinde não encontra condições materiais para comprar sua 5 GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: 2008

7 liberdade e apela para Oxum, a deusa das águas doces: Voltei para o quarto, armei um altar e chorei e rezei por um bom tempo, pedindo que os orixás me mostrassem uma solução ou me fizessem conformada com o destino. Quando consegui dormir, sonhei novamente com minha avó balbuciando o nome do Francisco, o que me deixou ainda mais aflita (...) e estava indo pegar a Oxum e levar até o canto, para entregar a prenda à vencedora (...) 7 (GONÇALVES, 2008, p. 343). A passagem da narrativa demonstra como a fé nos orixás levou a resolver um problema que aparentemente não tinha solução. O ouro recolhido do chão e da imagem de Oxum deu condições à Kehinde para que pudesse comprar a sua alforria e a de seu filho. A leitura e a escrita também auxiliaram para que pudesse romper com as imposições da escravidão e tornar-se livre, não só a liberdade de ir e vir, mas de poder construir e resgatar sua própria vida, e passar de objeto a sujeito de enunciação. Neste sentido, gradativamente, ela vai conquistando seu próprio patrimônio, ganhando seu próprio dinheiro, tanto no Brasil, quando do retorno à África. Após a descoberta do ouro dentro da estátua Oxum e do pagamento a sua alforria e a do filho, Kehinde monta seu próprio negócio em sociedade com o pai do seu segundo filho e passa a ter uma condição financeira um pouco melhor. É interessante como algumas coisas aparecem na vida da gente na hora em que mais precisamos, e aquele vestido me remeteu à promessa que eu tinha feito quando o vi, de um dia ter muito dinheiro para andar vestida como as sinhás 8 (GONÇALVES, 2008, p.362). De certo modo, seu destino, como ela desejava, foi cumprido e a representação dada na narrativa, revela-nos que a personagem supera as expectativas dos brancos dadas a um negro, em especial a mulher negra e torna-se, a meu ver, um símbolo feminino de luta e persistência. Segundo 7 GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: 2008

8 Leonardo Boff e Rose Marie Muraro, na obra Feminino e masculino, o gênero possui um função analítica semelhante àquela de classe social(...) 9 O desafio atual consiste em vermos como devem ser redefinidas as relações de gênero (...) (MURARO&BOFF, 2002, p.18). As relações tensas entre homens brancos e mulheres negras no período colonial são despossuídas de flexibilidade e carregadas de caráter hostil. No entanto, a protagonista sobreleva-se, vencendo a resistência patriarcal e destaca-se como uma mulher, intervindo na sociedade ativamente. Conclusão A obra Um defeito de cor é uma narrativa de matiz historiográfica que intensifica e realça a história de uma mulher negra, Kehinde, que é escravizada em uma época que a desumanização era parte da economia e da política de muitos países. Mesmo ela se destacando na sociedade da época e conseguindo sair da condição de dominada para sujeito de enunciação, pelo conhecimento da escrita e pela força nos arquétipos religiosos, formas simbólicas, a sua condição não insurreta é evidenciada a partir do momento que há um olhar nas relações humanas que são representadas a partir dos grupos que compõe a sociedade da época colonial. Esta perspectiva dada pela autora é um modo de mostrar, de modo inverso, a trajetória de uma personagem marginalizada que consegue vencer barreiras duramente construídas por uma sociedade patriarcal, que mantém o poder de mando, o poder de exclusão, tanto pelas relações econômicas como pela relação de hierarquização dos membros desta sociedade, imputando impositivamente um lugar a cada um. O discurso feminino da mulher negra foi tolhido pelos homens brancos dominadores, mas, no entanto, Kehinde consegue às duras penas, fissurar minimamente, a esfera social e torna-se um exemplo de mulher lutadora, tanto para as mulheres negras quanto para qualquer outra mulher. Esta representação na narrativa é notória e diferenciada, haja vista que quebra a expectativa do leitor ao que se espera da construção de uma personagem escrava. 9 MURARO, Rose Marie e BOFF, Leonardo. Feminino e masculino: Uma consciência para o encontro das diferenças. Rio de Janeiro: SEXTANTE: 2002.

9 Bibliografia REFERENCIAL LITERÁRIO: GONÇALVES, Ana Maria. Um Defeito de Cor. Rio de Janeiro: RECORD: 2008; REFERENCIAL TEÓRICO: ARRUDA, Angela (ORG). Representando a alteridade. Petrópolis-RJ: VOZES, 1998; BORDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil 1989; BRANDÃO, Ruth Silviano. A mulher ao pé da letra. Belo Horizonte: Humanitas: 2006; DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura Política Identidades. Belo Horizonte: UFMG: 2006; FRANCHINI, A.S e SEGANGREDO, Carmem. As melhores histórias da mitologia Africana. Porto Alegre: ARTES e Ofícios FREIRE, Gilberto. Casa-Grande & Sezala. São Paulo: Global Editora: 2003; MURARO, Rose Marie e BOFF, Leonardo. Feminino e masculino: Uma consciência para o encontro das diferenças. Rio de Janeiro: SEXTANTE: 2002.

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA O sucesso da lavoura canavieira passou a exigir cada vez mais mão-de-obra, assim, os Senhores de Engenho começaram a importar escravos negros da África

Leia mais

AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL...

AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL... AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL... Refletir: Após as discussões vamos analisar a música de Elza Soares http://www.youtube.com/watch?v=okeg7x PxLU4 O que você entendeu? A Carne Elza Soares A carne

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé Élida Regina Silva de Lima* 1 RESUMO Diante da opressão histórica sofrida pelas mulheres, as mulheres negras sofrem uma opressão ainda maior

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871.

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871. A África no Brasil A África aparece nas narrativas primeiramente como referência de ancestralidade. Neste sentido, nas narrativas selecionadas, a memória da África e do africano aparecem associadas à noção

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o "lugar" das mulheres negras no pós- abolição.

De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o lugar das mulheres negras no pós- abolição. De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o "lugar" das mulheres negras no pós- abolição. Bergman de Paula Pereira 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PucSP Resumo: Este artigo

Leia mais

Time Code. Sugestão (conexões externas)

Time Code. Sugestão (conexões externas) Número da fita: 0047 Título: Entrevista com Geraldo Abel Mídia: Mini DV Time Code in out 00 20 00 06 11 S. Abel e esposa sentados, rodeados pelos instrumentos da folia e pela bandeira. S. Abel mostra passo

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU. Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail.

A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU. Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail. A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail.com Palavras-Chave resistência Candomblé - Iorubá INTRODUÇÃO

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II)

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) CENTRO EDUCACIONAL UNIÃO DE PROFESSORES 3º ano/prévest Ano 2014 Profº. Abdulah ESCRAVIDÃO: o trabalho compulsório Por que a escravidão? Ø

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA Gisela Cavalcanti João Maciel UMA TEORIA PÓS-COLONIALISTA DO CURRÍCULO O objetivo dessa teoria é analisar as relações de poder entre as nações que compõem

Leia mais

Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo

Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo LITERAFRO - www.letras.ufmg.br/literafro Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo * Margarete Aparecida de Oliveira Pedro Henrique

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

DA LIBERDADE PARA PRISÃO: A MULHER E A SEXUALIDADE NO CONTO MAS VAI CHOVER (1993) DE CLARICE LISPECTOR

DA LIBERDADE PARA PRISÃO: A MULHER E A SEXUALIDADE NO CONTO MAS VAI CHOVER (1993) DE CLARICE LISPECTOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA LIBERDADE PARA PRISÃO: A MULHER E A SEXUALIDADE NO CONTO MAS VAI CHOVER (1993) DE CLARICE LISPECTOR Karine Passeri 1 RESUMO: Em 1970, surgiu a crítica

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

A diáspora africana na América do Sul por imagens

A diáspora africana na América do Sul por imagens A diáspora africana na América do Sul por imagens Marcos Rodrigues 1 jmbr@bol.com.br TAVARES. Julio Cesar de. Diásporas Africanas na América do Sul: uma ponte sobre o Atlântico. GARCIA, Januário (fotografia

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos:

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1 O Evangelho de Lucas Bruno Glaab 0 - Introdução O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1) Ministério de Jesus em Jerusalém, paixão, morte e ressurreição (19,29-24,57).

Leia mais

Gênero e apartheid: representações em movimento

Gênero e apartheid: representações em movimento Gênero e apartheid: representações em movimento Valdene Costa Rocha 1 Resumo: Este artigo busca compreender os lugares femininos no período pósapartheid na África do Sul, tendo como objeto de análise o

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA LEI 10.639/03 E A EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE ÉTNICORRACIAL

IMPLICAÇÕES DA LEI 10.639/03 E A EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE ÉTNICORRACIAL IMPLICAÇÕES DA LEI 10.639/03 E A EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE ÉTNICORRACIAL Marivania Xavier Cavalcanti Costa marivaniacavalcanti@yahoo.com.br Renata Costa Silva Oliveira Renatacosta.educacao@hotmail.com

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES Renan Figueiredo Menezes Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

por julgarem-se aptos ao fortalecimento desta nova nação que irá tornar-se civilizada com auxílio destes europeus. Uma terceira esfera social é

por julgarem-se aptos ao fortalecimento desta nova nação que irá tornar-se civilizada com auxílio destes europeus. Uma terceira esfera social é Estudos feministas e pós-coloniais ST 10 Márcio André Senem UFSC Palavras-chave: Literatura; Mulher; pós-colonial. A inserção da mulher na literatura pós-colonial. As mulheres na literatura, bem como em

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Gênero e Violência contra a Mulher

Gênero e Violência contra a Mulher A essência dos Direitos Humanos é o direito a ter direitos" Hannah Arendt Gênero e Violência contra a Mulher Não há como falar de violência contra a mulher se não falarmos antes da questão de gênero que

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

Religiões Afro-Brasileiras

Religiões Afro-Brasileiras Religiões Afro-Brasileiras Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

NGUNGA E NDALU, DOIS OLHARES INFANTIS SOBRE ANGOLA ROBERTA GUIMARÃES FRANCO

NGUNGA E NDALU, DOIS OLHARES INFANTIS SOBRE ANGOLA ROBERTA GUIMARÃES FRANCO NGUNGA E NDALU, DOIS OLHARES INFANTIS SOBRE ANGOLA ROBERTA GUIMARÃES FRANCO Muitos são os romances angolanos que pretendem através de sua narrativa contar, recontar e conservar a história de seu povo,

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA COMUNIDADE INDÍGENA TRUKÁ PE

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA COMUNIDADE INDÍGENA TRUKÁ PE PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA COMUNIDADE INDÍGENA TRUKÁ PE Katia Maria Rodrigues Gomes (UNEB) Resumo O presente trabalho analisa a apropriação da escrita do livro pelas professoras indígenas Truká, da Ilha

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1].

A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1]. A FORMAÇÃO DOCENTE E A IMPLEMENTAÇÃO DOS ESTUDOS DE HISTÓRIA E CULTURA DA ÁFRICA E AFRO-BRASILEIRA[1]. Benjamin Xavier de PAULA benjaminx@usp.br Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais