Os orixás não são lentos, eles são caprichosos : o projeto de criação do Espaço Sagrado da Curva do S (Parque Nacional da Tijuca/Rio de Janeiro)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os orixás não são lentos, eles são caprichosos : o projeto de criação do Espaço Sagrado da Curva do S (Parque Nacional da Tijuca/Rio de Janeiro)"

Transcrição

1 Os orixás não são lentos, eles são caprichosos : o projeto de criação do Espaço Sagrado da Curva do S (Parque Nacional da Tijuca/Rio de Janeiro) Roberta Machado Boniolo 1 Resumo: A partir da etnografia dos eventos e reuniões dos integrantes do Elos da Diversidade/Secretaria do Estado do Ambiente do Estado do Rio de Janeiro busco demonstrar como estes atores traçavam estratégias para implementarem o Espaço Sagrado da Curva do S, visando dar visibilidade à relação das deidades afro-brasileiras com os elementos da natureza. O Espaço Sagrado foi pensando como um meio de diminuir os conflitos entre funcionários do Parque Nacional da Tijuca (Rio de Janeiro) e religiosos de matriz afro-brasileira motivados pelas práticas rituais com alimentos e bebidas, conhecidas como oferendas dentro do Parque. Tomo como objeto demonstrar que magia-técnica, numa inversão ao desencantamento do mundo proposto por Weber, interagia e atuava de forma complementar e relacional na consolidação do Espaço Sagrado da Curva do S por meio de diferentes actantes. Palavras-chaves: conflito, espaço sagrado, produção de visibilidade O Elos da Diversidade foi criado pela Secretaria do Estado de Ambiente/ Superintendência de Educação Ambiental com o objetivo de regulamentar uma área limítrofe ao Parque Nacional da Tijuca (PNT), conhecida como Curva do S, usada pelos religiosos de matriz afro-brasileira para a prática de rituais com alimentos e bebidas, conhecidas como oferendas. Os religiosos de matriz afro-brasileira utilizavam os espaços do Parque para a realização de oferendas, mas eram impedidos, muitas vezes de forma truculenta, pelos funcionários do PNT, que consideravam as oferendas impactantes àquele ambiente. Por outro lado, os religiosos sentiam-se discriminados, já que o Parque abrigava outras religiões e atividades de lazer, considerando um cerceamento ao direito à 1 Doutoranda em Antropologia pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense (PPGA/UFF). Pesquisadora do Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional da Conflitos (INCT-InEAC) e do Núcleo Fluminense de Estudos e Pesquisas (NUFEP). 1

2 liberdade religiosa, na medida em que o contato com a natureza é considerado fundamental à expressão de suas crenças. O Elos foi considerado, por seus integrantes, o resultado de uma conjunção de pessoas que participaram das discussões sobre as oferendas no Parque, iniciadas no final da década de 90. Busco analisar, a partir das reuniões e eventos promovidos pelos Elos, como os atores traçavam estratégias para implementarem o Espaço Sagrado da Curva do S, reivindicando o direito de religiosos de matriz afro-brasileira realizarem suas práticas religiosas na natureza, visando dar visibilidade à relação das deidades com os elementos da natureza. Neste artigo, proponho demonstrar como essas estratégias eram pautadas em dois atributos que perpassavam e justificavam as ações dos atores responsáveis pela sua implementação: o conhecimento religioso/religiosidade e o conhecimento práticometodológico. O primeiro, eu chamei de magia, numa inversão à perspectiva do desencantamento do mundo proposta por Weber (2004); o segundo de técnica, pensando nas características de um modelo de administração racionalizada do Estado (Weber, 2010). Nesse sentido, tomo como objeto demonstrar como magia-técnica interagia e atuava de forma complementar na consolidação do Espaço Sagrado da Curva do S por meio de diferentes atores e actantes (Latour, 1994;1997). Se a construção de uma política pública supõe a racionalização com vistas à promoção de uma maior eficiência das instituições, bem como a subordinação dos indivíduos à realidade, a constante referência às deidades revelaria o encantamento do mundo ao incorporar ao discurso racional os elementos rituais religiosos. Se a racionalização produzida pelo Estado deveria produzir esferas separadas na vida social, o encantamento produziria o efeito contrário. Embora esse processo possa ser considerado contraditório por aqueles que tomam como referência o modelo burocrático-racional como algo que deveria modelar as práticas dos agentes públicos, há de se considerar que toda burocratização pressupõe aspectos formais, mas também valores, o que significa que a presença de discursos religiosos na formulação de políticas públicas não seria algo desprovido de sentido, na medida em que a relação entre religião e política possa ser de interação e complementaridade, como analisa Weber (2004). Apesar de Weber estar interpretando e analisando o processo de secularização na Alemanha, é comum quando se trata de política pública utilizar o autor para pensar a secularização (e/ou laicização) em outros contextos, sem questionar como essas noções foram historicamente desenvolvidas em cada lugar (Montero, 2009). Dessa forma, a 2

3 separação é tomada como modelo de democracia moderna ocidental (Miranda, 2010). Por isso, eu parto dessa concepção para mostrar que, na cidade do Rio de Janeiro, a relação entre religião e política ganha outros contornos, buscando demonstrar como magia e técnica se faziam presente no plano prático e teórico das ações dos membros do Elos da Diversidade, atuando conjuntamente. A relação entre magia e técnica já foi explorada por outros autores na Antropologia. Malinowski (1978 [1922]), por exemplo, demonstrou como era impossível pensar a separação da técnica e da magia na construção de canoas, nas ilhas Trobriand. Havia a necessidade da técnica para que as canoas fossem construídas e da magia para garantir que as mesmas fossem colocadas no mar, para que as vidas dos homens que saíssem nas expedições fossem preservadas e que obtivessem sucesso nos seus empreendimentos comerciais marítimos. Mauss (2008[1904]) observou que a magia não só acompanhava a técnica auxiliando nas atividades pesqueiras, agrícolas e de caça, como também era um elemento dominante em outras ações. Na medicina, o autor destacou que a prática médica permaneceu durante muitos anos envolvida e dependente da magia, cercada pelos encantamentos, precauções, preces, passes e dietas mágicas. Desse modo, Mauss enfatizava que a relação entre esses domínios não deveria ser pensada isoladamente, mas em conjunto. Nessa direção, não busquei traçar os limites entre magia e técnica, mas compreender a partir de uma perspectiva antropológica como os atores as incorporavam na legitimação da construção da política pública, tanto para os favoráveis como para os contrários à implementação do Espaço Sagrado. A análise antropológica, nesse sentido, possibilitou pensar a construção desta política por meio da etnografia, favorecendo o entendimento e o questionamento das práticas dos atores que são responsáveis pela elaboração, implementação e execução da mesma, levando em consideração as dimensões subjetivas e objetivas das ações (Miranda, Paes e Oliveira, 2007) e dos discursos. A fim de evitar levar a discussão para um plano jurídico ou religioso e também como veremos no decorrer do texto, ambiental tomei como referência os trabalhos de Bruno Latour (1994) para pensar que as grandes divisões nas quais acostumamos a pensar o mundo já não dariam conta de explicar fenômenos que não pertenceriam somente às ciências naturais ou às ciências sociais, nem à natureza nem à cultura, mas estariam contidas nesses domínios, isto é, seriam híbridos, o que levaria ao questionamento dessas separações. Nesse sentido, ao invés de pensar quais seriam os domínios da magia e da 3

4 técnica na construção do Espaço Sagrado da Curva do S, foquei como magia-técnica atuava de forma complementar e relacional nos entendimentos e nas ações dos atores. Todos os dados apresentados foram construídos no decorrer de 17 meses de trabalho de campo para a escrita da minha dissertação (Boniolo, 2014), entre os anos de 2012 e 2014, acompanhando principalmente os eventos e as reuniões do Elos. Além da observação dessas atividades, analisei o material produzido pelos atores que participaram das discussões da temática das oferendas dentro do Parque Nacional da Tijuca. Espaço Sagrado da Curva do S Para ficar claro o que é/foi o Espaço Sagrado da Curva do S, proponho pensá-lo a partir de três pontos inter-relacionados: como um projeto, como um lugar e como uma política pública. Baseada na teoria ator-rede (Latour, 1994; 1997), descrevo brevemente como os múltiplos actantes que participaram do processo foram se associando para mostrar as estratégias de reivindicações de direitos pelo uso do Parque pelos integrantes do Elos da Diversidade. O Elos fazia parte de um dos componentes do Programa Ambiente em Ação da SEAM/SEA, em parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), por meio de uma ação de extensão. O Programa tinha por finalidade apoiar a construção da sustentabilidade ambiental através da articulação, fortalecimento e implementação de políticas públicas voltadas para questões sociais, culturais e ambientais 2, sendo constituído por três componentes: Elos da Diversidade, Ambiente saudável é ambiente sem homofobia e Eixo Campanhas. O foco, porém, do Programa sempre foi o Elos da Diversidade, como afirmou um dos seus membros, já que os demais seriam apoio a outras Secretarias. O projeto de construção de um espaço destinado aos religiosos de matriz afrobrasileira surgiu devido aos impedimentos por parte dos funcionários do Parque do uso das florestas e cachoeiras feita pelos religiosos. Diante das restrições de acesso dos espaços PNT, representantes de ONGs, professores acadêmicos, religiosos de matriz afrobrasileira e funcionários do Parque passaram a discutir a temática da oferenda com o objetivo de encontrar maneiras de garantir que os direitos constitucionais dos religiosos fossem assegurados, e que, ao mesmo tempo, os direitos de proteção do Parque fossem 2 Relatório de Atividades do Elos da Diversidade (2011). 4

5 mantidos 3. Após as mobilizações iniciais para garantir acesso dos religiosos ao Parque, foi criado pelas coordenações de educação ambiental e de cultura do PNT, o projeto Meio Ambiente e Espaço Sagrado 4. Em um primeiro momento, as coordenadoras buscaram compreender como as diversas religiões que usavam o Parque se relacionavam com o meio ambiente. Em seguida, foram realizados seminários para debater o tema das oferendas. No primeiro seminário foi idealizado a criação de um espaço, fora do Parque, destinado a realização das oferendas. A construção desse espaço foi vista como uma possibilidade de diminuir os conflitos motivados pelas oferendas (Nascimento, 2006). A Curva do S não foi a primeira opção dos atores dessas discussões, mas acabou sendo escolhido por abrigar os elementos naturais indispensáveis aos rituais religiosos, como pedra, água, árvores e, principalmente, pela privacidade. Ainda que às margens de uma avenida, o lugar fica protegido do olhar de quem passa pela estrada. Assim, a Curva do S foi escolhida para sediar o primeiro espaço sagrado público da cidade do Rio de Janeiro. O lugar, já frequentado pelos religiosos, ganharia uma infraestrutura que permitiria aos frequentadores mais conforto e dignidade. De um local cogerido pelo Parque, a Curva do S passou a ser um dos pontos centrais do projeto de criação do espaço sagrado. O projeto consistia/consiste em reformular o interior da Curva do S para melhorar as condições das práticas rituais. Desde o primeiro croqui até a maquete apresentada pelo Elos, em 2013, foram planejados banheiros, telefone público, composteira 5, vestiários, bancos, construção de rampas para facilitar o acesso de deficientes físicos e idosos, coleta regular de lixo e um espaço em que pudesse ser realizado cerimônias, eventos e até oficinais de reformulação das oferendas. Paralelamente às tentativas de criação da infraestrutura, os atores que participaram desse processo buscavam incentivar o uso de materiais biodegradáveis nas oferendas, quando fosse possível. Para isso percorriam casas e terreiros buscando conversar com os religiosos e com as entidades sobre as possibilidades de alteração dos procedimentos adotados nas oferendas. Nessas ocasiões eram distribuídos os materiais produzidos pelas 3 Para o conhecimento de todas as instituições e pessoas que participaram desse processo, ver Nascimento (2006). 4 Para um aprofundamento desse processo, ver Nascimento (2006) e Costa (2008). 5 A composteira seria usada para transformar os elementos que poderiam ser reaproveitados das oferendas em adubo. 5

6 pessoas e instituições que faziam parte dos grupos de discussões sobre as oferendas no Parque, como a cartilha OKU ABO - Decálogo das Oferendas. O Decálogo foi escrito por integrantes da ONG Defensores da Terra e o templo Ilê Omi Oju Arô, com apoio da Comissão de Defesa do Meio Ambiente da ALERJ. O Décalago pontua os cuidados que devem ser tomados na escolha do local para a realização da oferenda, os 5 R s das oferendas: reduzir, reaproveitar, reciclar, responsabilizar e recolher, o uso de materiais biodegradáveis nas oferendas, e ainda pontos polêmicos entre os próprios religiosos como o uso, ou não, de velas e o tempo mínimo que a oferenda precisa ficar na natureza. Desse modo, seus criadores focaram a necessidade de se discutir as práticas adotadas nos rituais, levando em conta a importância de se admitir novas atitudes que dialoguem entre os saberes trazidos pelos religiosos e a proteção dos recursos naturais, ressaltando que a destruição da natureza seria resultado desse desconhecimento e não da religião em si. Nessa direção, os integrantes dos grupos de discussões dos seminários construíam vínculos entre os conhecimentos dos religiosos mais velhos na busca de elementos que pudessem reformular as práticas das oferendas, entendidas como uma volta às origens a partir dos conhecimentos técnico-científicos dos ambientalistas. Além disso, argumentava-se o uso da floresta dentro de um discurso ressignificado sobre a relação dos ancestrais dos religiosos com a própria formação do Parque 6, bem como a diferenciação dos religiosos dos simpatizantes, demarcando aqueles a quem deveriam ser atribuídos os impactos da natureza daqueles que desejavam a sua proteção. Por outro lado, aqueles contrários à presença dos religiosos dentro do PNT discutiam os danos que as práticas religiosas causavam àquele ambiente, em defesa da proteção da floresta. Quando um dos atores, que sempre participou ativamente desse processo, foi escolhido para um cargo na Superintendência de Educação Ambiental da Secretaria de Estado do Ambiente (SEAM/SEA), as pessoas favoráveis à criação do espaço sagrado ficaram mais otimistas, passando a ver o momento como o mais favorável para a concretização dos planejamentos arquitetônicos da Curva do S, já que o projeto havia tornado uma pauta do próprio governo. Nesse momento foi criado o Elos da Diversidade. 6 Devido às crises de abastecimento de água na cidade do Rio de Janeiro, durante o período imperial, a área atualmente pertencente ao Parque passou por um processo de reflorestamento. O projeto foi elaborado pela administração da cidade, mas executado por escravos. 6

7 O Elos da Diversidade pode ser entendido como uma política pública que tinha três metas: a construção da infraestrutura do Espaço Sagrado, a regulamentação do seu uso por meio de regras construídas em conjunto com os religiosos e atividades de educação ambiental, que consistiam em oficinas com a finalidade de discutir a reformulação das práticas religiosas e incentivar o uso de elementos biodegradáveis, situando os grupos religiosos dentro de um contexto mais amplo dos discursos ambientalistas de preservação da natureza. Além do mais, podia ser entendido como um grupo formado por religiosos de matriz afro-brasileira (umbanda e candomblé), por professores acadêmicos, por uma equipe de apoio administrativa e de eventos e, ainda, por funcionários da SEAM/SEA 7. Um conjunto de dez religiosos mais velhos considerados pelos membros do Elos, os mais tradicionais da cidade, tanto do candomblé como da umbanda, chamados de Guardiões do Sagrado e da Natureza finalizava a lista dos integrantes. Embora, a participação dos mais velhos ficassem restritas aos eventos, a influência deles era a garantia de credibilidade perante os religiosos de fora do projeto, como veremos a seguir. A magia-técnica na implementação do Espaço Sagrado da Curva do S Uma das formas de entender a especificidade da política pública Espaço Sagrado da Curva do S é a partir da relação entre os membros do projeto e as deidades afrobrasileiras, ou melhor, a partir das características pessoais dos componentes do Elos com as características dos guias e orixás. De certa forma, essa relação com as divindades auxilia na compreensão de como os próprios integrantes do Elos viam o papel de cada um dentro do grupo e como eram construídas as respectivas relações. As qualidades e os defeitos, bem como as funções que as pessoas desempenhavam dentro da própria religião, eram acentuadas por meio de relações jocosas (Radcliffe- Brown, 1974), isto é, relações obrigatórias de brincadeira que podiam ser percebidas como uma forma de interação entre pessoas de um mesmo grupo em que algumas destas 7 Os integrantes do Programa Ambiente em Ação Elos da Diversidade dividem-se de acordo com os seguintes cargos: 1)Secretário de Estado do Ambiente; 2) superintendente de educação ambiental e coordenadora geral do Programa Ambiente em Ação; 3)coordenadora acadêmica do Programa Ambiente em Ação; 4) coordenador do componente Elos da Diversidade; 5) coordenadora adjunta do componente Elos da Diversidade; 6) coordenadora administrativa; 7) coordenador de logística; 8) coordenador do plano integrado de comunicação; 9) moderadora; 10) articuladores e consultores de comunidades e povos de terreiros; 11) assessor técnico religioso; 12) secretária e 13) equipe de produção. Para ver a função de cada cargo, ver Boniolo (2014). 7

8 estariam autorizadas a fazer brincadeiras e zombarias, sem que a outra parte se sentisse ofendida, nem que gerasse hostilidade. A análise empreendida por Radcliffe-Brown, sobre as relações de parentesco, mostrou que esse tipo de brincadeira não podia ser pensada isoladamente. Quando acontecia uma relação caracterizada pela jocosidade, ocorria ainda uma relação de evitação (Radcliffe-Brown, 1974). Desse modo, as brincadeiras marcavam as interações dentro desse grupo, mas ao mesmo tempo em que aproximavam as pessoas, produzia uma distância ao explicitar que existiam outras hierarquias em disputa naquele ambiente. Em uma religião como o candomblé, por exemplo, que é marcada pelos ritos de iniciação, esse tipo de relação é importante para compreender não somente o lugar de cada um dentro do grupo, mas também a maneira como eram construídas as relações, pautadas nos atributos místicos de suas divindades (Silva, 2006, p.90). A constituição dos membros do projeto privilegiou as pessoas que já participavam das discussões sobre as oferendas desde o início, no PNT. Quando a incorporação de outras pessoas era feita ao projeto, estas tendiam a ser indicadas pelos próprios membros. Embora esse tipo de indicação possa conflitar com os princípios da burocracia-racional, nas religiões de matriz afro-brasileira, os relacionamentos são efetivados por laços sociais e de sangue, por isso, não seria contraditório que os nomes sugeridos fossem de pessoas conhecidas. Mesmo o projeto seguindo uma estrutura hierárquica e a função de cada um dentro do grupo estivesse definida previamente, a seleção de pessoas para ocuparem os cargos ia além de suas qualificações técnicas, era compreendida igualmente em relação às designações das deidades. Se num primeiro momento essa indicação fugia a uma racionalidade burocrática, por outro lado, garantia um diálogo mais próximo com os membros dos cultos afro-brasileiros e as especificidades destas religiões. Não significava dizer, no entanto, que as relações não fossem conflituosas entre os próprios membros do Elos e destes com outros religiosos. A articulação entre a Secretaria do Ambiente do Estado e a Universidade (UERJ) atribuía um tom técnico ao programa, tornando para um dos membros do Elos um fator positivo para que estes mobilizassem outros religiosos, de fora do projeto. Assim, a universidade, formuladora de um conhecimento científico, garantiria uma visão de seriedade junto aos religiosos. Isso aconteceria do mesmo modo com os funcionários do Parque que compartilhavam com a academia o valor pelo conhecimento científico. 8

9 Os membros do Elos procuravam articular o saber religioso ao saber científico, valorizando-o dentro de um discurso vinculado aos discursos sobre a preservação ambiental. Dessa forma, o conhecimento técnico e o conhecimento religioso se faziam presentes o tempo todo nas reuniões e eventos do projeto. Como explicou um dos membros: O discurso não é tão cartesiano, não é tão objetivo; tem as coisas objetivas das organizações dos eventos e do conhecimento; mas ao mesmo tempo tem uma ligação direta com o sagrado: isso é coisa de exu, o orixá quer (...) (Membro do Elos da Diversidade durante uma reunião semanal). Se a universidade e a trajetória profissional dos seus membros garantiam um caráter técnico-científico ao discurso, por outro lado, o pertencimento às religiões afrobrasileira pelos mesmos, sem dúvida, fazia muita diferença nos esforços de concretização do projeto ao longo dos anos, tanto por parte dos membros do Elos como dos funcionários do PNT. A forma como o grupo desenvolvia suas ações tentando conciliar diferentes discursos (religiosos e científicos) possibilita pensarmos o conflito entre o modelo racional da burocracia e a forma como as políticas públicas são implementadas. Embora houvesse um movimento por parte dos membros do Elos de valorizar o conhecimento dos religiosos para a reformulação das práticas religiosas, as mudanças tomariam por base os saberes técnicos das ciências da natureza: primeiro porque esta é a linguagem característica da política pública; e segundo porque precisavam se posicionar diante dos possíveis impedimentos dos funcionários do Parque usando as próprias categorias da conservação. Além disso, era a linguagem que os coordenadores do Elos também dominavam. A ressignificação das práticas a partir de um discurso ecológico incidia em um dos pontos principais da criação do Espaço Sagrado da Curva do S : a construção de normas para o uso religiosos do espaço. Como política pública objetiva-se padronizar o acesso e o uso do espaço a todos que procurarem o lugar para realizar seus ritos religiosos. Se alguns membros do Elos diziam que era fundamental estabelecer regras de uso, uma vez que trata de uma área que integra uma unidade de conservação, outros diziam que, ao criá-las, o Estado estaria interferindo nas práticas dos cultos. 9

10 A controvérsia (Latour, 2000) em torno das regras era pautada em duas ideias que os membros do Elos tentavam articular: a ideia do que seria tradição representando os valores dos religiosos e da modernidade representando as mudanças das práticas orientadas pelo saber científico sobre a natureza. Ora estes dois termos se articulavam e se faziam presentes na interação entre os religiosos e as divindades, ora havia uma tentativa em demarcar e separar os limites entre ambos. De acordo com um dos membros, a mudança nas práticas era necessária porque ao colocar uma oferenda em uma área de unidade de conservação, o religioso cometeria um crime, podendo ser punido. No entanto, as mudanças não deveriam ser impostas de forma arbitrária, mas feitas conjuntamente pelos religiosos e outros atores, como afirmou um dos membros do Elos. Por isso, a presença dos guardiões, mesmo que apenas nos eventos, ia além da legitimação das ações dos seus membros, mas também na tentativa, por meio de suas experiências e de seus conhecimentos, de considerar os valores presentes nessas religiões na construção das regras de uso do Espaço Sagrado. A mudança sem perder o fundamento aparecia na análise feita por Mariana Silva (2012) sobre a articulação dos religiosos de cultos afro-brasileiros, conhecidos como batuqueiros, na região de Porto Alegre (RS), diante dos ataques de grupos neopentecostais e de polêmicas sobre o uso de animais em rituais pela associação dos defensores dos direitos dos animais, ressaltando a relação de suas divindades com a natureza. No trabalho, Silva demonstrou como ocorria a depreciação destes religiosos na sociedade, principalmente, pelo uso de sangue de animais nas oferendas que eram muitas vezes associados às práticas macabras e de magia negra, e como os batuqueiros buscavam dar soluções práticas para os elementos usados nos rituais dentro de um discurso ambiental a partir da ideia de oferenda ecológica e da sacralização dos animais. Para Silva, as religiões e suas tradições estão sempre se reinventando, se repensando, dialogando com outros valores éticos e morais de acordo com a mudança na sociedade brasileira (2012, p.125). Dessa forma, os batuqueiros e umbandistas da cidade de Porto Alegre reinterpretavam a religião como ecológica. E ser ecológico, segundo a autora, não é apenas um novo modo de fazer seus rituais, mas também é compreendido como voltar às origens, à prática antiga do batuque, no tempo em que os ebós possuíam até mais força mágica, quando eram feitos em cima da folha de bananeira (2012, p ). 10

11 As tentativas de adaptação a um contexto local e como os religiosos encontravam soluções para essas dificuldades impostas fizeram parte da etnografia escrita por Halloy sobre a instalação e fixação de um terreiro na cidade de Carnières Bélgica. O autor demonstrou as dificuldades que o chefe do culto encontrava na tentativa de adaptar o culto aos recursos humanos e aos materiais disponíveis para a realização dos rituais. No primeiro caso, a dificuldade estava relacionada em encontrar tocadores para acompanhar os rituais de saída do santo, seja por estes não acreditarem na legitimidade de um culto conduzido por um belga e branco; seja pelos percussionistas desconhecerem os toques específicos das cerimônias, o que atrapalhava a condução do culto, pelo consumo de bebidas ou drogas antes das cerimônias pelos músicos, e ainda, de encontrar as plantas que pudessem ser trocadas para a realização dos rituais. Pensando a construção do Espaço Sagrado como uma política pública, o primeiro desafio que os membros do Elos precisaram lidar foi com o tempo. O tempo da política pública era marcado por cronogramas de atividades e cumprimento da programação dentro dos prazos estipulados. Assim, era preciso que todos aqueles que estavam empenhados em sua implementação trabalhassem conjuntamente e realizassem dentro do tempo determinado o que cada um ficou incumbido de executar. Constantemente eram verificadas as datas finais de cada etapa do projeto nas reuniões. Quando estas estavam próximas, os coordenadores cobravam as ações de seus responsáveis. Essa temporalidade definida por meio de um calendário precisava lidar com outra temporalidade: o tempo dos orixás e das entidades, que era apreendido pelos religiosos a partir das narrativas dos mais velhos. Nesse sentido, os encontros com os pais e mães de santo tradicionais da cidade era uma forma de os membros do Elos compreenderem os valores da religião apresentados em formas de mitos e lembranças de tempo pretéritos a fim de serem traduzidos (Latour, 2000) em uma linguagem do direito. Desse modo, os membros do Elos atuariam como porta-vozes das deidades na consolidação do Espaço Sagrado da Curva do S a partir dos saberes técnico-científicos da conservação. A aparente falta de objetividade dos encontros para uma pessoa de fora da religião demonstrava claramente como o conhecimento é transmitido nas religiões afrobrasileiras. Em muitas ocasiões tive dificuldade para entender o objetivo desses encontros que eram marcados pela narração de histórias. Segundo Vagner Silva, o conhecimento no candomblé é apresentado em forma de parábolas, de mitos, de casos aparentemente sem sentido imediato (...). Um conhecimento que o ouvinte só lentamente vai juntando para constituir sua compreensão da religião (2006, p.45). Dessa maneira, nos encontros com 11

12 os guardiões, ao incentivar que estes contassem como deveria ser o comportamento dos filhos no terreiro, a ex-superintendente que também era do candomblé pretendia que, a partir das histórias contadas, os valores centrais da religião aparecessem para nortear as regras do Espaço Sagrado da Curva do S. Tal forma é diferente do que se espera num documento técnico oficial. Construir política públicas em conjunto com os povos de santo demandava, portanto, uma preocupação em entender esse tempo não linear, esse tempo que é experimentado na vivência do terreiro e nas falas dos mais velhos. Assim, se a veiculação dos membros do Elos com as religiões afro-brasileiras era vista com desconfiança para quem estava de fora do projeto e desqualificado por fugir à lógica da burocracia racional, permitia aos membros avançar em determinadas discussões por conhecerem os valores da religião. Os valores que marcavam a tradição apareciam nas narrativas de forma saudosista e iam além de um tempo passado, consolidando-se nos aspectos que os mais velhos consideravam centrais na prática religiosa, como a oralidade e a hierarquia, ambas refletidas na ação de ouvir atentamente os ensinamentos dos mais velhos. Se considerarmos que o sucesso do projeto dependia, com ou sem a sua implementação, de que os religiosos e frequentadores da Curva do S se sensibilizassem sobre a reformulação de suas práticas, não bastava que alguns elementos fossem trocados durante o ritual por outros, era preciso focar nas diferenças e necessidades presentes dentro de cada culto, por isso os encontros com os guardiões. Em relação ao projeto Espaço Sagrado da Curva do S, a questão principal quando se pensa a reformulação das práticas rituais, mais do que articular os saberes da conservação com os saberes da tradição, ou uma volta às origens, é saber se os actantes estão de acordo com as mudanças. Como explicaram dois religiosos mais velhos, na umbanda quem determina os elementos que serão utilizados são as entidades. Logo, as mudanças nas práticas passariam pelos mesmos. Nesse caso, a agência dos não humanos se sobressaía a dos humanos. Já no candomblé, as mães e os pais de santo além de serem sensibilizados, precisavam de meios para que estas mudanças se concretizassem durante o ritual e para que possam negociá-las com as entidades. Apesar de ser uma religião fundamentada na natureza, a maior parte dos terreiros se localizam no espaço urbano. Dessa maneira, não bastaria trocar, por exemplo, o alguidar por uma determinada folha, uma vez que não tendo acesso a esta ou o alto custo de alguns materiais, comprados em locais específicos, tornaria o ritual inviável de ser concretizado. 12

13 Assim, era preciso envolver os não humanos na formulação da política pública, tendo em vista que nenhuma mudança ou reformulação seria possível se os mesmos não estiverem de acordo. Embora não fossem explicitados nas reuniões, os não humanos participaram ativamente do projeto, já que eram consultados para saber os rumos a serem tomados, através dos trabalhos individuais que seus membros faziam e nas consultas 8 nos dias de festa. Por isso, o pertencimento dos membros do Elos às religiões afro-brasileiras não deve ser visto como um empecilho à construção da política pública, mas sim como uma forma possível de direcionar as ações de forma específica devido ao compartilhamento das mesmas cosmologias. Ao pensarmos o projeto Espaço Sagrado da Curva do S o sagrado perpassava todas as ações de seus integrantes. Entretanto, a objetividade, caracterizada pela técnica, também estava presente entre os membros do Elos. Podia ser vista na forma como o texto do projeto foi escrito; nas ações a serem executadas, descritas por meio do uso de verbos no infinitivo, marcando a impessoalidade dos sujeitos a quem a mesma era destinada; na padronização das ofertas e serviços aos religiosos de matriz afro-brasileira; na participação dos especialistas; na construção de um relatório de atividades; na prestação de contas e nas demais ações. Magia e técnica, portanto, compunham um conjunto, muitas vezes não harmônico, em que uma se sobrepunha à outra de acordo com o contexto em que seus usos precisavam ser acionados. Assim sendo, o desencantamento do mundo que abriu portas para a técnica e para a ciência, como vimos, não excluía a magia da política, nem das ações dos atores envolvidos na implementação das políticas públicas Cabe sublinhar que essa relação não é uma característica apenas dos religiosos de matriz afro-brasileira. De acordo com Vital da Cunha e Lopes, quando os pentecostais se organizaram com o temor de que a Igreja Católica ampliasse seus privilégios na formulação da Constituição de 1988, consideravam como justificativa para ocupar o campo político a defesa dos valores da família, por isso (...) precisavam se organizar para atuar contra ativistas homossexuais e feministas, bem como contra os defensores da umbanda e do candomblé. Como consequência, os católicos que atuavam até a Constituinte por meio de lobby e de acesso privilegiado de religiosos do CNBB ao governo e aos políticos (VITAL DA CUNHA e LOPES, 2012, p. 41), posteriormente, passaram a se organizar em frentes parlamentares. 8 Consulta é o momento do rito de umbanda no qual o médium, incorporando seus guias espirituais, fornece conselhos, orientações em relação a um problema ou dificuldade que o consulente esteja passando. 13

14 Na implementação da política pública Espaço Sagrado da Curva do S, técnica e magia se faziam presentes em todos os domínios e em todas as ações dos integrantes do Elos da Diversidade. Não pretendi classificar as ações do Elos enquadrando-as como fundamentadas na magia ou na técnica, mas mostrar que estes termos fazem parte de um conjunto, e que, portanto, não podem ser pensados isoladamente, mas de forma relacional e dinâmica (Dumont, 2008). Eram essas duas ideias, acionadas em contextos diferentes, que legitimavam as ações do Elos para os demais religiosos e para os representantes do Estado, funcionários do PNT e aqueles contrários à presença dos religiosos nas áreas do Parque. Considerações Finais Ao dizer que a técnica e a magia estavam presentes nas ações dos integrantes do Elos da Diversidade, atuando conjuntamente e de forma relacional, pretendi demonstrar que esses dois termos não são contraditórios quando se pensa a implementação de políticas públicas, mas complementares e que, portanto, não podem ser isolados na análise. A todo o momento eram feitas referências às divindades para justificar a construção da política pública, de cujo sucesso dependia de que as práticas reformuladas fossem aprovadas por elas. A presença constante dos não humanos nos discursos era uma forma de legitimar as ações dos membros do Elos perante os religiosos, dentro e fora do projeto. Às deidades também eram atribuídos os encontros que marcavam as associações nas redes tecidas pelos atores durante o longo processo de criação do projeto de construção do Espaço Sagrado. Da mesma forma que a elas se dirigiam os pedidos para que o projeto de criação do Espaço Sagrado fosse concretizado. Por outro lado, havia a necessidade de construir as ações pautadas em argumentos técnico-científicos para justificar e legitimar a própria política pública para aqueles de fora da religião ou contrários à criação do Espaço Sagrado. As duas ações, no entanto, aconteciam de forma conjunta: ao mesmo tempo em que era discutida a planilha de gastos dos materiais que seriam usados nos eventos, pedia-se à divindade que não chovesse no dia marcado. Assim, ao mapear como as redes foram tecidas pelos atores até chegarem ao Elos da Diversidade busquei demonstrar, mesmo que brevemente, as estratégias argumentativas e práticas que foram utilizadas para a criação de um espaço visto pelos atores que participam das discussões sobre as práticas religiosas dentro do PNT como uma solução para o conflito entre os rituais com oferendas e as leis de proteção ambiental 14

15 dentro de uma unidade de conservação. A criação deste espaço para os membros do Elos, no entanto, não estava ligada apenas às garantias das práticas rituais das oferendas, mas, principalmente, a um ato de respeito às religiões que durante muitos anos foram perseguidas e criminalizadas pelos agentes do Estado. A argumentação para defender os interesses dos membros do Elos, na busca por acesso ao espaço público e no reconhecimento dos direitos dos religiosos pelos agentes do Estado fazia com que a técnica e a magia, agindo conjuntamente, perpassassem outras áreas do conhecimento, ou ainda, que acionassem novas redes. Em vista disso, mesmo que o tempo da política pública fosse ditado pelas eleições e o Elos tenha chegado ao fim sem ter conseguido executar a implementação da infraestrutura e das regras de uso do Espaço Sagrado, o projeto continuava. O projeto iniciado em 1996/1997 está longe de ser concretizado, mas isso não desanimava aqueles que participaram/participam desse processo: os orixás não são lentos, eles são caprichosos, afirmou um dos membros do Elos. Em um tom confiante, outro respondeu: o que são 17 anos para eles? Nada!. A dúvida e a incerteza dos novos rumos são constantes, a única certeza é de que para seguir em frente com a luta é preciso articular e restabelecer alianças e/ou traçar novas estratégias. Referências Bibliográficas BONIOLO, Roberta Machado. Um tempo que se faz novo : o encantamento de uma política pública voltada à regulamentação dos rituais de religiões afro-brasileiras. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, COSTA, Lara Moutinho. A Floresta Sagrada da Tijuca: Estudo de Caso de conflito envolvendo uso publico religioso de Parque Nacional. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Instituto de Psicologia Programa de Estudos Interdisciplinares de Comunidades e Ecologia Social EICOS, Rio de Janeiro, DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: EdUSP, HALLOY, Arnaud. Um candomblé na Bélgica: traços etnográficos de tentativa de instalação e suas dificuldades. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2004, v.47, n.2. 15

16 LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1978 [922]. MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. In.: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2008 [1904]. MIRANDA, Ana Paula M. Entre o privado e o público: considerações sobre a (in)criminação da intolerância religiosa no Rio de Janeiro. In: Anuário Antropológico, MIRANDA, Ana Paula Mendes de; PAES, Vívian Ferreira; OLIVEIRA, Marcella Beraldo. Antropologia e Políticas Públicas. Cuadernos de Antropología Social, v. 25, p , MONTERO, Paula. Secularização e espaço público: a reinvenção do pluralismo religioso no Brasil. Etnográfica (Lisboa), v. 13, p. 7-16, NASCIMENTO, Graça. Projeto Religião e Meio Ambiente. In.: I Seminário de Educação, Cultura e Justiça Ambiental: Meio Ambiente e espaços sagrados no contexto das unidades de conservação. Rio de Janeiro: RADCLIFFE-BROWN & FORDE, Daryll (orgs.) [1950]. Sistemas políticos africanos de parentesco e casamento. Lisboa: Calouste Gulbenkian, SILVA, Mariana Barbosa e. Orixás, guardiões da ecologia : um estudo sobre conflito e legitimação das práticas religiosas afro-brasileiras em Porto Alegre. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo, São Paulo, SILVA, Vagner Gonçalves da. O antropólogo e sua magia: trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. 1.ed., São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, VITAL DA CUNHA, Christina; LOPES, Paulo Victor Leite. Religião e Política: uma análise de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich,

17 WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. PIERUCCI, Antonio Flávio (org.). São Paulo: Companhia das Letras, WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. 5.ed., Rio de Janeiro: LTC,

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros.

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Resumo: Este presente trabalho constitui-se de um relato

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO - FORMAL Definições: Educação Ambiental não - formal: pode ser definida como as ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES

CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES Ambiente em Ação CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES Orientações para práticas culturais/religiosas em unidades de conservação e áreas naturais protegidas por lei. Bem vindo(a)! componente

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Ana Paula Grether Consultora da Gerência de Orientações e Práticas de Responsabilidade Social Gerência Executiva de

Leia mais