SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br"

Transcrição

1 - Módulo 5 - GERÊNCIA DE SISTEMA Linux é um sistema operacional tipo Unix que foi desenvolvido por Linus Torvalds inspirado no sistema Minix, que é uma versão simplificada do Unix, e que por fim veio do sistema Multics. O Linux é um exemplo de desenvolvimento com código aberto e de software livre. O seu código fonte está disponível sob licença GPL para qualquer pessoa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente. Um sistema Linux é capaz de funcionar em um grande número de arquiteturas computacionais. É utilizado em supercomputadores, computadores pessoais e até em aparelhos celulares. O sistema operacional linux não amarra ambiente ou contexto a condições prefixadas de fábrica pelos seus fornecedores. A idéia de uso de um software livre e a de customizar e configurar as necessidades do seu usuário. Alguns sistemas operacionais têm seu Kernel prefixado de fábrica, exigindo o upgrade ou até troca de sistema a cada bug corrigido pelo fornecedor. Nesse contexto o linux permite que possa ser feito um estudo e compilação de recursos segundo as necessidades de uso. Inicialmente um sistema linux tem um nível de segurança considerável. Todo usuário tem uma identificação personalizada tendo roles de acesso às funcionalidades. Por questões de operacionalidade é criado um usuário denominado como root (raiz) que não possui limitações operacionais. Diante do poder do superusuário, a NSA (National Security Agency) dos estados unidos determinou que os sistemas linux não deverão possuir a funcionalidade de identificação de usuário como root diretamente. Quando necessário, um super usuário pode ser invocado para executar uma atividade a partir do comando sudo, onde emula a identificação de superusuário na hora de executar atividades: #sudo ls-la /etc Assim, gerenciar o sistema operacional Linux bem como manipulá-lo passa pela correta compreensão dos comandos no prompt de comandos. 1. GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Comandos no Linux para administração de processos: a) top Permite que sejam visualizadas as informações dos processos e estados de memórias e processadores. É uma ferramenta de tempo real e, portanto não precisa ser atualizada para ver os diferentes momentos de leitura. Permite a verificação de trabalho de cada um dos processadores em forma opcional. Os parâmetros mais importantes são: -p id só visualiza os dados desse processo 1

2 -H mostra as threads vinculadas com tal processo b) htop Possui recursos similares aos do comando top. O comando htop pode não estar disponível nas instalações padrão do Linux. O uso de aplicativos como apt-get (para distribuições Debian e derivadas) ou yum (para Red-hat ou derivadas) podem fazer a instalação do item em questão de poucos minutos. c) ps Permite a visualização de um ou todos os processos em andamento. A variedade de parâmetros faz impossível a reprodução dos mesmos aqui. Destacam-se: -e para a visualização de todos os parâmetros; -H para a visualização em forma de árvore hierárquica de processos; -F para visualização de threads d) kill e killall São comandos que acabam com processos em andamento. O comando kill mata um único processo informado pelo id. O comando killall matará todos os comandos que obedeçam a um nome determinado. e) renice Altera a prioridade de funcionamento de um determinado processo. Os processos podem ser individuais, de um usuário ou de um grupo. f) strace Este comando realiza o trace (roteamento) de todas as chamadas de sistema que são feitas num determinado comando. A saída deste comando pode ser realizada a um arquivo. Os dados resultantes são a seqüência de chamadas de threads, com sua posição de memória, id de processos e um conjunto de dados vinculados. 2. GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA Os comandos abaixo permitem a visualização e gerenciamento da memória: a) free Mostra espaços livres e ocupados da memória RAM e SWAP. Parâmetros: -b Visualiza os dados em bytes -k Visualiza os dados em kilobytes -m Visualiza os dados em megabytes -g Visualiza os dados em gigabytes 2

3 Como se vê na figura abaixo há 249 Mb livres de memória RAM e, portanto não há uso de memória SWAP. Figura 1 - Comando Free Na linha Mem é mostrada a memória física, em -/+ buffers/cache são mostrados somente os processos que estão em execução e quanto tem disponível, ignorando os resíduos de outros processos e em SWAP é mostrada a área de troca usada. b) memstat Lista todos os processos, executáveis e Libraries partilhadas que usam memória virtual. Identifica quem está usando a memória virtual alta. De acordo com o manual do Linux, este comando tem as seguintes opções de visualização: -w Mostra os resultados estendidos sem truncar informações em 80 colunas A desvantagem experimentada com o comando memstat é a quantidade de informações que ele retorna. Por este motivo pode ser avaliada a praticidade de concatenar comandos com filtros específicos. memstat -w grep /var/cache O resultado obtido mostra o consumo de memória por módulo, o nome de cada um deles e os processos ao qual está vinculado. c) pmap Reporta o mapa de memória de um determinado processo. Este comando é específico de um processo em particular. Ele poderá mostrar os módulos que são carregados nesse processo. Para obter as informações deverá ser usado o comando ps para que seja visualizado o id do processo para depois fornecê-lo como atributo do pmap. 3. GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA VIRTUAL Um comando útil para verificação da memória virtual no Linux é o vmstat. Como seu nome sugere, são relatórios de estatísticas de memória virtual. Isso mostra o quanto de memória virtual existe, quanto é livre e atividade de paginação. É possível ainda observar Page-ins e Pageouts. 3

4 Para monitorar a atividade de memória virtual em seu sistema, é melhor usar o vmstat com um atraso. Um atraso é o número de segundos entre as atualizações. Se não for fornecido um atraso, o relatório constará as médias desde a última inicialização. Dessa forma, cinco segundos é o intervalo de atraso recomendado. A sintaxe do comando é: vmstat [intervalo] [contagem] Para executar vmstat com um atraso de cinco segundos, digite: vmstat 5 Ainda é possível especificar uma contagem, que indica quantas atualizações deseja-se visualizar antes do comando ser encerrado. Para executar vmstat com dez atualizações, cinco segundos de diferença, o comando é o seguinte: vmstat 5 10 Se não for especificado nenhum parâmetro, o vmstat mostra o status da memória virtual e volta imediatamente para a linha de comando. A descrição dos campos do vmstat são as seguintes: Processos r - Número de processos aguardando execução. b - Número de processos em espera não interrompíveis. w - Número de processos extraí-dos do arquivo de troca ou caso contrário em execução. Memória swpd - A quantidade de memória virtual usada em Kb. free - Quantidade de memória livre em Kb. buff - Quantidade de memória usada como buffer em Kb. Memória Virtual si - Quantidade de memória gravada para o disco Kb/s. so - Quantidade de memória retirada do disco em Kb/s. Entrada/Saída bi - Blocos enviados para um dispositivo de bloco (medido em blocos por segundo). bo - Blocos recebidos de um dispositivo de bloco (em blocos por segundo). Sistema in - Número de interrupções por segundo, incluindo o clock. cs - Número de mudanças de contexto por segundo. Porcentagem do total de tempo da CPU us - Tempo do usuário sy - Tempo do sistema id - Tempo ocioso Pode-se também usar o comando top para mostrar memória e estatísticas swap como vimos no módulo anterior. 4

5 4. GERENCIAMENTO DE SISTEMA Durante a utilização cotidiana do Linux é necessário acessar a algumas informações do sistema, bem como alterar configurações. Para o administrador Linux bem desempenhar suas funções é essencial poder identificar espaços livres, verificar os comandos, hora do sistema, partições, etc. a) df O comando df mostra o espaço livre/ocupado de cada partição. Pode ser utilizado junto com várias opções, se for utilizado sozinho, mostrará o espaço usado e disponível de todos os sistemas de arquivos atualmente montados. A sintaxe é: df [opções] -a - inclui sistema de arquivos com 0 blocos -h - mostra o espaço livre/ocupado em MB, KB, GB em vez de bloco. -k - lista em Kbytes -l - somente lista sistema de arquivos locais -m - lista em Mbytes -T - lista o tipo de sistema de arquivos de cada partição. # df -a b) du O comando du é utilizado para saber o espaço utilizado em disco, por pastas ou arquivos, de maneira rápida e fácil, diretamente no terminal. A sintaxe é: du [opções] [arquivo diretório] -a - Mostra todos os arquivos e não somente os diretórios. -c - Mostra um total no final da listagem. -h - Mostra as informações de maneira mais amigável. -s - Mostra um sumário do diretório especificado e não o total de cada subdiretório. -S - Exclui os subdiretórios da contagem. # du h /home c) durep Cria relatórios de uso de disco com gráficos de barras, permitindo que se possa deduzir facilmente que os diretórios estão usando mais espaço. Embora durep pode produzir saída de texto semelhante ao du, o seu poder real reside na capacidade de armazenar relatórios em um arquivo, que pode então ser visto como uma página web com o script fornecido cgi. Necessita ser instalado. d) last Mostra a listagem dos últimos usuários logados. 5

6 A sintaxe é: last [opções] -n [num] - Mostra [num] linhas. Caso não seja usada, todas as linhas são mostradas. -R - Não mostra o campo HostName. -a - Mostra o hostname na última coluna. Será muito útil se combinada com a opção -d. -d - Usa o DNS para resolver o IP de sistemas remotos para nomes DNS. -x - Mostra as entradas de desligamento do sistema e alterações do nível de execução do sistema. Exemplos: # last - Mostra a listagem geral # last -a - Mostra a listagem geral incluindo o nome da máquina # last aluno - Mostra somente atividades do usuário aluno # last reboot - Mostra as reinicializações do sistema # last tty1 - Mostra todas as atividades no tty1 e) history O comando history (histórico) mostra a lista dos últimos comandos executados pelo usuário corrente. Isso é útil quando há a necessidade de executar um comando extenso, com muitos parâmetros, do qual não consigamos nos lembrar, ou para fazer auditoria. A sintaxe é: history [opções] -c Limpa os últimos comandos digitados. -r Recupera os últimos comandos digitados. # history # history -c # history -r f) dmesg O comando dmesg reapresenta as mensagens explicitadas pelo kernel durante a inicialização do sistema, permitindo examiná-las já com o sistema iniciado. A sintaxe é: dmesg [opções] -n num - mostra apenas mensagens de inicialização do nível num. -c - apaga as mensagens após exibi-las (apenas o root pode usar este parâmetro). # dmesg -n1 g) arch Exibe a arquitetura do computador. Equivale ao comando uname m # arch 6

7 h) date Mostrar a hora atual no formato dado, ou definir a data do sistema. A sintaxe é: date [opção]... [ +format] [format +] date [ -u --utc --universal ] [ MMDDhhmm [[ CC ] YY ][.ss ]] data [-u - utc - universal] [. MMDDhhmm [[CC] YY] [ss]] -D, - date - tempo de exibição descrito por STRING. -r, --reference - exibir a última modificação de ARQUIVO -R, --rfc tempo definido descrito por STRING -u, --utc, --universal - imprimir ou conjunto de Tempo Universal Coordenado Parâmetros: %A - dia da semana (domingo,..., sábado). %B - nome do mês (janeiro,..., dezembro). %H - hora do dia (0 a 23). %M - minuto (0 a 59). %S - segundos (0 a 61). %T - hora no formato hh:mm:ss. %Y - ano. %a - dia da semana abreviado (dom,..., sab). %b - nome do mês abreviado (jan,..., dez). %c - dia da semana, data e hora. %d - dia do mês (00-31). %j - dia ano (1 a 366). %m - mês (1 a 12). %s - número de segundos desde das zero horas de 01/01/1970. %w - dia da semana, onde 0 = domingo, 1 = segunda,..., 6 = sábado. %x - representação da data local. %y - os dois últimos dígitos do ano. %r - formato de 12 horas completo (hh:mm:ss AM/PM) Exemplos: # date +%d/%m/%y # date "+%d %B %Y" # date mmddhhmmyyyy # date Para definir e sincronizar com o relógio do hardware: # date hwclock -w i) hwclock Consulta ou define o relógio do hardware. A sintaxe é hwclock [Opção] -a Adiciona ou subtrai tempo ao relógio. 7

8 --date=data Data e a hora que dever atribuída ao relógio. Serve como argumento para o comando date. - r Consulta o relógio do hardware. - w Atribui ao hardware a data/hora atuais do sistema. Exemplos: # date # hwclock -w j) fdisk/sfdisk Os comandos fdisk e sfdisk na verdade são utilitários completos para criar/remover/alterar partições de um ou mais discos. Enquanto o fdisk, mais popular, lida com o usuário de forma interativa, o sfdisk aceita somente linhas de comandos e parâmetros. O parâmetro -l destes dois comandos mostram informações sobre um disco e sua lista de partições com detalhes. Por isso, estes comandos são extremamente úteis para saber qual o atual esquema de particionamento de um computador. A sintaxe é: fdisk [Opção] [disco partição] -v - Mostra o número da versão do fdisk -l - Lista a tabela de partições -b - Na listagem de tabelas de partições, imprime uma coluna de início. -u - Na listagem de tabelas de partições, mostra os tamanhos em setores ao invés de cilindros. -s partição - O tamanho da partição (em blocos) Exemplos: # fdisk l # fdisk /dev/hda k) tty Imprimir o nome do arquivo do terminal conectado à entrada padrão. A sintaxe é: tty [Opções] --help - Mostra mensagem de ajuda e sai. -s ou --silent ou quiet - Não mostra nada na saída padrão, mas retorna um estado de saída. --version - Mostra informações sobre a versão e sai. # tty l) runlevel Mostra o runlevel anterior e o atual. Seguindo o padrão anterior atual. Se o anterior for "N" é porque não houve alteração. Para altetar o runlevel utiliza-se o comando init. A sintaxe é: runlevel 8

9 #runlevel #init 0 (Desliga a máquina) m) rcconf Utilitário usado para gerenciar os serviços do seu servidor. Necessita ser instalado. Depois de instalado abrirá uma tela azul. Marque para ativar a inicialização e desmarque para desativar a inicialização Parar e inicializar serviços Primeiramente é necessário diferenciar service, daemon e process. - Service (serviço), como a própria tradução para português diz, tem a função de oferecer serviços à outros programas. Ele geralmente é iniciado/controlado por um shell script (arquivo executável que contém várias linhas de comandos em shell). Exemplo, para colocar o serviço SSH no ar, utilizamos o comando "/etc/init.d/ssh start". Esse arquivo "/etc/init.d/ssh" nada mais é do que um shell script que, dentre suas várias linhas, executa o daemon "sshd" que fica em background oferecendo serviços à quem precisar (por exemplo, um cliente ssh). - Daemon (tarefa) é um arquivo binário executável que quando chamado pelo serviço correspondente (ex: /etc/init.d/ssh) se torna um processo em background. Um exemplo é o "/usr/sbin/sshd" que é um daemon do SSH que abre a porta 22 TCP, oferecendo serviços de conexão remota segura. - Process (processo) é um binário executável que está na memória. Esse binário executável pode ser um daemon ou qualquer outro tipo binário executável. Além disso, ele pode está background ou não ou pode está oferecendo serviços ou não. O daemon "/usr/sbin/sshd" quando executado é enviado para a memória do computador, virando um processo do sistema. Numa outra mão, temos os binários que não são daemons, como o soffice.bin (OpenOffice) que são processos que ficam em foreground, ou seja, é possível vê-los na tela do meu computador e geralmente não oferecem serviços à outros programas. Exemplos: # /etc/init.d/ssh start # /etc/init.d/ssh stop # /etc/init.d/ssh restart # /etc/init.d/ssh reload 5. GERENCIAMENTO DE HARDWARE A forma como o sistema operacional trabalha com o hardware é fator decisivo no desempenho e estabilidade do sistema. Um processador pode ser muito rápido por possuir diversos recursos, mas se o sistema operacional não tiver suporte a esses recursos, não será possível extrair o máximo de desempenho do processador. 9

10 Da mesma forma, um sistema pode ter muita memória RAM disponível, mas se o gerenciamento de memória do sistema operacional for ineficaz, inevitavelmente teremos problemas de lentidão e até mesmo travamentos. Uma grande vantagem do GNU/Linux sobre outros sistemas operacionais está na quantidade de itens de hardware que são suportados nativamente, ou seja, que não requerem a instalação de drives externos. Geralmente, ao término da instalação de um sistema GNU/Linux todos os itens já estão instalados, configurados e funcionando, isso porque, quando se desenvolve o suporte a um novo item de hardware, ele é adicionado ao kernel Linux, tornando-se nativo. Entre o sistema operacional e o sistema computacional existem diversas camadas que conversam umas com as outras permitindo uma resposta em conjunto. Quando instalado um hardware podem existir atualizações de determinadas camadas para aproveitamento maior dos recursos produzidos. No ambiente UNIX/Linux estas camadas são denominadas de Hardware Abstraction Layer ou HAL. O HAL permite que aplicações desktop façam a descoberta e uso do hardware dos sistemas computacionais a traves de simples, portáveis e abstratas API s. Figura 2 - Hardware Abstraction Layer O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de dispositivo ficam no diretório /dev/. Dentro desse diretório existem vários arquivos, um para cada dispositivo, além de subdiretórios que agrupam dispositivos de mesmo tipo. Veja abaixo alguns exemplos de arquivos de dispositivo: /dev/fd0: Primeira unidade de disquete; /dev/hda1: Primeira partição do primeiro disco rígido IDE; /dev/psaux: Mouse PS/2; /dev/dsp: Placa de som; /dev/ttys0: Primeira porta serial de comunicações, geralmente aquela utilizada pelo mouse serial (COM1); /dev/usb/lp0: Primeira impressora ligada USB; /dev/video0: Primeira placa de captura de vídeo; /dev/lp0: Primeira porta paralela, geralmente usada por impressoras; /dev/null: Dispositivo nulo, usado para descartar saídas de programas; 10

11 5.1. Criando novos dispositivos As distribuições GNU/Linux atuais possuem sistemas que criam automaticamente os arquivos de dispositivos para os novos itens de hardware que são instalados. Entretanto, como já dito, isso só é válido para o hardware que possui suporte nativo no kernel Linux. Os demais vão requerer uma instalação manual, incluindo, eventualmente, a criação do arquivo de dispositivo correspondente no diretório /dev/. Para isso, vamos utilizar duas ferramentas: a) MAKEDEV O MAKEDEV fica localizado em /sbin/, possuindo um link simbólico dentro do diretório /dev/. Ele é utilizado para criar, remover e atualizar novos arquivos de dispositivo no diretório /dev/. b) mknod O mknod é usado para criar manualmente um arquivo de dispositivo dos tipos caracter ou bloco. Os dispositivos de bloco são os que trabalham com armazenamento de dados, como unidades de disco rígido, CD-R/RW, disquete, etc., e utilizam buffer. Para MAKEDEV, basta acessar o diretório /dev/ e executá-lo com os devidos parâmetros. # cd /dev #./MAKEDEV [opções] [parâmetros] As opções do MAKEDEV são: -n: Não atualiza os arquivos de dispositivo, apenas exibe as ações que seriam feitas; -d: Apaga os dispositivos existentes; -v: Exibe mensagens informando o que está sendo feito durante a execução do MAKEDEV. Os principais parâmetros são: update: Atualiza os dispositivos, criando arquivos para os novos e apagando os que não existem mais; generic: Cria uma lista genérica de dispositivos, o básico para o uso do sistema; ram: Cria os dispositivos de ramdisk; initrd: Cria a ramdisk que será carregada pelo sistema operacional durante a inicialização; cpu ou microcode: Cria os dispositivos da interface de atualização do microcódigo do processador no diretório /dev/cpu/; rom: Cria os dispositivos de memória ROM (somente leitura); console: Cria novos consoles virtuais (terminais); std: Cria os dispositivos do tipo mem, kmem, port, core, full, random, urandom, tty e loop. Para criar um novo dispositivo, acesse o diretório /dev/, e utilize o mknod seguido dos parâmetros adequados. # cd /dev # mknod [opções] [nome] [tipo] [maior] [menor] 11

12 As principais opções são: -m: Determina as permissões do arquivo gerado; --help: Exibe os principais parâmetros do mknod; --version: Exibe a versão do mknod. Em [nome], coloque o nome do arquivo de saída. Pode ser qualquer nome formado de apenas uma palavra, sem espaços ou caracteres especiais, e de preferência todo em minúsculas. Os tipos que podem ser usados são: b: Cria um dispositivo de bloco; c ou u: Cria um dispositivo de caracter; p: Cria um FIFO, que possibilita monitorar o tráfego de informações através de um determinado dispositivo. Depois, temos que colocar o número maior e o menor do dispositivo. Para isso, veja o arquivo /proc/devices, procure o dispositivo que você criar, e anote o número que aparece na primeira coluna Ferramentas para visualização e alteração do ambiente computacional Algumas das funcionalidades mais práticas que os ambientes operacionais abertos oferecem de forma transparente é que o administrador do ambiente operacional, seja ele um usuário de um único equipamento ou de uma vasta rede de computadores, tem comandos que lhe permitem realizar verdadeiras fotografias do sistema computacional que se encontra em suas mãos. A seguir são apresentadas algumas ferramentas que permitem a visualização e alteração do ambiente computacional: a) lspci Identificar o hardware de um computador. Obtém onde (qual barramento PCI) o hardware está localizado, o tipo de hardware, sua marca e modelo. A sintaxe é: lspci[opções] -b Exibe os IRQ s e os endereços conforme são vistos pelas placas no barramento PCI. -d[fabricante]:[id] Exibe apenas os dispositivos com o fabricante e o ID de dispositivo especificados. -M Aciona o mapeamento do barramento PCI, para localizar todos os dispositivos. -t Exibe os barramentos PCI em formato de árvore. -v Exibe informações detalhadas sobre os dispositivos. # lspci -v b) lsusb Exibe informações sobre os barramentos USB do computador e sobre os dispositivos a eles conectados. 12

13 A sintaxe é lsusb[opções] -D Exibe informações sobre um dispositivo. -t Exibe os barramentos USB em um formato de árvore. -v Exibe informações detalhadas sobre os dispositivos. # lsusb t c) disktype Exibe qual sistema de arquivos está sendo utilizado. Necessita ser instalado. A sintaxe é disktype[opções] # disktype /dev/hda1 d) lshw Fornece informações detalhadas da configuração do hardware de uma máquina. Ele pode relatar a exata configuração da memória, versão do firmware, configuração da placa mãe, versão e velocidade da CPU, configuração da memória cache, velocidade do barramento, etc. A sintaxe é lshw[opções] -short - Lista o hardware de forma resumida. -businfo - Mostra as informações do barramento. -C xxxxx - Lista apenas os dispositivos de uma determinada classe, exemplo: -C disk -C storage - Essas classes estão explicadas no arquivo gerado pelo meu hardware e disponível no artigo. -enable xxx - Habilita o modo de detecção de hardware, exemplo: lshw -enable dmi -disable xxx - Habilita e desabilita os modos de detecção de hardware, exemplo:lshw - disable dmi -html - Gera um relatório em html. -xml - Gera um arquivo em xml. Para gerar os relatórios basta redirecionar a saída do lshw para um arquivo, exemplo: # lshw -html >> hardware.html # lshw -short >> hardware_short.txt # lshw -xml -C system >> hardware.xml # lshw >> hardware.txt e) hwinfo Exibe informações sobre todos, ou um hardware em específico. A sintaxe é hwinfo[opções] --short Exibe uma pequena lista. --hw_item Exibe informações de um hardware em específico. 13

14 hw_item pode ser all, bios, block, bluetooth, braille, bridge, camera, cdrom, chipcard, cpu, disk, dsl, dvb, fingerprint, floppy, framebuffer, gfxcard, hub, ide, isapnp, isdn, joystick, keyboard, memory, modem, monitor, mouse, netcard, network, partition, pci, pcmcia, pcmcia-ctrl, pppoe, printer, scanner, scsi, smp, sound, storage-ctrl, sys, tape, tv, usb, usb-ctrl, vbe, wlan, zip Dentro do diretório /proc/ estão diversos arquivos que contém informações avançadas sobre o sistema. Para ver essas informações, basta usar o cat. f) cat /proc/interrupts Exibe os IRQ s em uso no sistema. # cat /proc/interrupts g) cat /proc/dma Exibe os canais de DMA em uso no sistema. # cat /proc/dma h) cat /proc/ioports Exibe os endereços de I/O, em uso no sistema. # cat /proc/ioports i) cat /proc/iomem Mostra o mapa de memória de sistema para cada periférico físico instalado. Na coluna da esquerda tem os endereços de memória ocupados e na coluna da direita tem o recurso que a ocupa. # cat /proc/iomem j) cat /proc/cpuinfo Exibe informações sobre o processador. Apresenta um relatório de cada um dos núcleos de processamento do sistema computacional. # cat /proc/cpuinfo k) cat /proc/swaps Mensura o tamanho da memória swap em uso e a sua localização. # cat /proc/swaps l) cat /proc/meminfo Exibe informações sobre o total da memória e seu uso por outros aplicativos. 14

15 # cat /proc/meminfo m) cat /proc/partitions Exibe informações as partições do disco rígido. # cat /proc/partitions n) memtest86+ Memtest86 e Memtest86+ são softwares de código aberto que permitem o teste físico e de stress de memórias RAM nos sistemas computacionais. Figura 3 - Memtest GERENCIAMENTO DE KERNEL Para o gerenciamento e inserção de alguns recursos no sistema operacional, em alguns casos é necessária a recompilação do kernel. Para poder realizar esta tarefa são apresentados conceitos e comandos que venham contribuir com o melhoramento da performance de recursos do sistema computacional. Uma distribuição Linux como Debian, Red Hat, SuSE, Slackware, dentre outras, utiliza um kernel que foi compilado pelos desenvolvedores da distribuição. Esse kernel deve ser capaz de rodar em praticamente qualquer computador e dar suporte a qualquer tipo de recurso que o usuário pretenda utilizar. O desenvolvedor compila um kernel que fornece todas as funcionalidades básicas e, em separado, compila pedaços de código que dão suporte a funcionalidades mais específicas denominadas módulos. Dessa forma, quando o sistema é carregado, um kernel básico se coloca na memória e passa a controlar a máquina. 15

16 Neste ponto são verificadas outras funcionalidades como as que permitem ao kernel dar suporte a uma partição XFS. Se o kernel não possuir suporte nativo a esse sistema de arquivos, é necessário que tal módulo seja compilado e instalado. Se esse módulo for encontrado, ele será carregado expandindo as funcionalidades do kernel Comandos para Gerenciamento do Kernel a) lsmod Lista os módulos que estão carregados em memória. Cada módulo não chega a ser um device, porem são libraries que contribuem com o melhoramento de serviço de recursos. Na imagem ao lado podem ser vistos módulos como ip_tables (segurança) e usb_storage (para manuseio de armazenamentos em usb) convivendo no sistema operacional. Figura 4 lsmod b) insmod Programa que permite inserir módulos no kernel para posterior compilação. A sintaxe é insmod [filename] [module options...] -f force - Força a remoção -v verbose - mostra o andamento -s syslog - manda log ao sistema -V version - mostra a versão c) rmmod Programa que permite remover módulos no kernel para posterior compilação. A sintaxe é rmmod [-f] [-w] [-s] [-v] [modulename] 16

17 d) modprobe Programa que permite adicionar e remover módulos no kernel. O modprobe verifica no diretório /lib/modules/'uname -r' por todos os módulos e arquivos que estão disponíveis, exceto pelos opcionais que se encontram na configuração do arquivo /etc/modprobe.conf e do diretório /etc/modprobe.d Figura 5 - modprobe.d e) depmod Os utilitários depmod e modprobe são orientados a fazer um kernel modular e manipulável pelos usuários autorizados para tal fim. depmod cria um arquivo de dependências similar ao "Makefile", baseado em símbolos que procuram um conjunto de módulos mencionados na linha de comando ou dos diretórios especificados no arquivo de configurações. Este arquivo de dependências será usado pelo modprobe para ser carregar automaticamente no módulo certo da pilha de módulos. f) /etc/modules A função deste arquivo é carregar módulos especificados na inicialização do sistema e mantê-los carregado todo o tempo. É útil para módulos de placas de rede que precisam ser carregados antes da configuração de rede feita pela distribuição e não podem ser removidos quando a placa de rede estiver sem uso. Seu conteúdo é uma lista de módulos (um por linha) que serão carregados na inicialização do sistema. Os módulos carregados pelo arquivo /etc/modules pode ser listados usando o comando lsmod. Se o parâmetro auto estiver especificado como um módulo, o kmod será ativado e carregará os módulos somente em demanda, caso seja especificado noauto o programa kmod será desativado. O kmod é ativado por padrão nos níveis de execução 2 ao 5. Ele pode ser editado em qualquer editor de textos comum ou modificado automaticamente através do utilitário modconf Atualização de kernel/aplicando patches no kernel Patches são modificações geradas pelo programa diff em que servem para atualizar um programa ou texto. Este recurso é muito útil para os desenvolvedores, pois podem gerar um arquivo contendo as diferenças entre um programa antigo e um novo (usando o comando diff) e enviar o arquivo contendo as diferenças para outras pessoas. As pessoas interessadas em atualizar o programa antigo, podem simplesmente pegar o arquivo contendo as diferenças e atualizar o programa usando o patch. 17

18 Isto é muito usado no desenvolvimento do kernel do GNU/Linux em que novas versões são lançadas freqüentemente e o tamanho kernel completo compactado ocupa cerca de 18MB. Para atualizar o kernel é possível fazê-lo baixando um patch em ftp://ftp.kernel.org/. Para aplicar um patch que atualizará o kernel para a versão o procedimento será o seguinte: - Descompactar o código fonte do kernel em /usr/src/linux ou certificar-se que existe um link simbólico do código fonte do kernel para /usr/src/linux. - Copiar o arquivo patch gz de ftp://ftp.kernel.org/ para /usr/src. - Usar o comando gzip -dc patch patch -p0 -N -E para atualizar o código fonte em /usr/src/linux para a versão Alternativamente pode-se primeiro descompactar o arquivo patch gz com o gzip e usar o comando patch -p0 -N -E <patch para atualizar o código fonte do kernel. O GNU/Linux permite que se obtenha o mesmo resultado através de diferentes métodos. Para a atualização em questão é necessário aplicar os patches em seqüência (do patch ao ). Vale a pena observar se o tamanho total dos patches ultrapassa ou chega perto o tamanho do kernel completo, pois dependendo da quantidade de alterações pode ser mais viável baixar diretamente a nova versão. 7. COMPACTAÇÃO DE ARQUIVOS Os compactadores são programas que diminuem o tamanho de um arquivo (ou arquivos) através da substituição de caracteres repetidos. Para entender melhor como eles funcionam, veja o próximo exemplo: A frase compactadores compactam e deixam arquivos compactados. após a compactação seria vista da seguinte forma: %dores %m e deixam arquivos %dos Para controle dos caracteres que são usados nas substituições, os programas de compactação mantêm cabeçalhos com todas as substituições usadas durante a compactação. O tamanho do cabeçalho pode ser fixo ou definido pelo usuário, depende do programa usado na compactação. Este é um exemplo bem simples para entender o que acontece durante a compactação, os programas de compactação executam instruções muito avançadas e códigos complexos para atingir uma alta taxa de compactação. Observações: - Não é possível trabalhar diretamente com arquivos compactados! É necessário descompactar o arquivo para usá-lo. Note que alguns programas atualmente suportam a abertura de arquivos compactados, mas na realidade eles apenas simplificam a tarefa descompactando o arquivo, abrindo e o recompactando assim que o trabalho estiver concluído. - Arquivos de texto têm uma taxa de compactação muito melhor que arquivos binários, porque possuem mais caracteres repetidos. É normal atingir taxas de compactação de 10 para 1 ou mais quando se compacta um arquivo texto. Arquivos binários, como programas, possuem uma taxa de compactação média de 2:1. 18

19 - Note que também existem programas compactadores especialmente desenvolvidos para compactação de músicas, arquivos binários, imagens, textos Extensões de arquivos compactados As extensões identificam o tipo de um arquivo e assim o programa o programa necessário para trabalhar com aquele tipo de arquivo. Existem dezenas de extensões que identificam arquivos compactados. Quando um arquivo (ou arquivos) é compactado, uma extensão correspondente ao programa usado é adicionada ao nome do arquivo (caso o arquivo seja compactado pelo gzip receberá a extensão.gz, por exemplo). Ao descompactar acontece o contrário: a extensão é retirada do arquivo. Abaixo segue uma listagem de extensões mais usadas e os programas correspondentes: a).gz Arquivo compactado pelo gzip. Use o programa gzip para descompactá-lo. b).bz2 Arquivo compactado pelo bzip2. Use o programa bzip2 para descompactá-lo. b).z Arquivo compactado pelo programa compress. Use o programa uncompress para descompactá-lo. c).zip Arquivo compactado pelo programa zip. Use o programa unzip para descompactá-lo. d).rar Arquivo compactado pelo programa rar. Use o programa rar para descompactá-lo. e).tar.gz Arquivo compactado pelo programa gzip no utilitário de arquivamento tar. Para descompactá-lo, pode-se usar o gzip e depois o tar ou somente o programa tar usando a opção -z. f).tgz Abreviação de.tar.gz. g).tar.bz2 Arquivo compactado pelo programa bzip2 no utilitário de arquivamento tar. Para descompactá-lo, pode-se usar o bzip2 e depois o tar ou somente o programa tar usando a opção - j. 19

20 h).tar.z Arquivo compactado pelo programa compress no utilitário de arquivamento tar. Para descompactá-lo, pode-se usar o uncompress e depois o tar ou somente o programa tar usando a opção -Z Ferramentas para compactação/descompactação A seguir algumas das ferramentas mais comumente utilizadas na compactação de arquivos: a) gzip É praticamente o compactador padrão do GNU/Linux, possui uma ótima taxa de compactação e velocidade. A extensão dos arquivos compactados pelo gzip é a.gz, na versão para DOS, Windows NT é usada a extensão.z. A sintaxe é gzip [opções] [arquivos] Onde: Arquivos Especifica quais arquivos serão compactados pelo gzip. Caso seja usado um -, será assumido a entrada padrão. Curingas podem ser usados para especificar vários arquivos de uma só vez. Opções -d, --decompress [arquivo] - Descompacta um arquivo. -f - Força a compactação, compactando até mesmo links. -l [arquivo] - Lista o conteúdo de um arquivo compactado pelo gzip. -r - Compacta diretórios e sub-diretórios. -c [arquivo] - Descompacta o arquivo para a saída padrão. -t [arquivo] - Testa o arquivo compactado pelo gzip. -[num], --fast, --best - Ajustam a taxa de compactação/velocidade da compactação. Quanto melhor a taxa menor é a velocidade de compactação e vice versa. A opção --fast permite uma compactação rápida e tamanho do arquivo maior. A opção --best permite uma melhor compactação e uma velocidade menor. O uso da opção -[número] permite especificar uma compactação individualmente usando números entre 1 (menor compactação) e 9 (melhor compactação). É útil para buscar um bom equilibro entre taxa de compactação/velocidade (especialmente em computadores muito lentos). Quando um arquivo é compactado pelo gzip, é automaticamente acrescentada a extensão.gz ao seu nome. O gzip também reconhece arquivos compactados pelos programas zip, compress, compress -H e pack. As permissões de acesso dos arquivos são também armazenadas no arquivo compactado. 20

21 Exemplos: gzip -9 texto.txt - Compacta o arquivo texto.txt usando a compactação máxima (compare o tamanho do arquivo compactado usando o comando ls -la). gzip -d texto.txt.gz - Descompacta o arquivo texto.txt gzip -c texto.txt.gz - Descompacta o arquivo texto.txt para a tela gzip -9 *.txt - Compacta todos os arquivos que terminam com.txt gzip -t texto.txt.gz - Verifica o arquivo texto.txt.gz. b) tar Na verdade o tar não é um compactador e sim um "arquivador" (ele junta vários arquivos em um só), mas pode ser usado em conjunto com um compactar (como o gzip ou zip) para armazená-los compactados. O tar também é muito usado para cópias de arquivos especiais ou dispositivos do sistema. É comum encontrar arquivos com a extensão.tar,.tar.gz,.tgz,.tar.bz2,.tar.z,.tgz, o primeiro é um arquivo normal gerado pelo tar e todos os outros são arquivos gerados através tar junto com um programa de compactação (gzip (.gz), bzip2 (.bz2) e compress (.Z). A sintaxe é tar [opções] [arquivo-destino] [arquivos-origem] Onde: Arquivo-destino É o nome do arquivo de destino. Normalmente especificado com a extensão.tar caso seja usado somente o arquivamento ou.tar.gz/.tgz caso seja usada a compactação (usando a opção - z). Arquivos-origem Especifica quais arquivos/diretórios serão compactados. Opções -c, --create - Cria um novo arquivo.tar -t, --list - Lista o conteúdo de um arquivo.tar -u, --update - Atualiza arquivos compactados no arquivo.tar -f, --file [HOST:]F - Usa o arquivo especificado para gravação ou o dispositivo /dev/rmt0. -j, --bzip2 - Usa o programa bzip2 para processar os arquivos do tar -l, --one-file-system - Não processa arquivos em um sistema de arquivos diferentes de onde o tar foi executado. -M, --multi-volume - Cria/lista/descompacta arquivos em múltiplos volumes. O uso de arquivos em múltiplos volumes permite que uma grande cópia de arquivos que não cabe em um disquete, por exemplo, seja feita em mais de um disquete. -o - Grava o arquivo no formato VT7 ao invés do ANSI. -O, --to-stdout - Descompacta arquivos para a saída padrão ao invés de gravar em um arquivo. --remove-files - Apaga os arquivos de origem após serem processados pelo tar. -R, --record-number - Mostra o número de registros dentro de um arquivo tar em cada mensagem. --totals - Mostra o total de bytes gravados com a opção --create. 21

22 -v - Mostra os nomes dos arquivos enquanto são processados. -V [NOME] - Inclui um [NOME] no arquivo tar. -W, --verify - Tenta verificar o arquivo gerado pelo tar após gravá-lo. -X - Extrai arquivos gerados pelo tar -X [ARQUIVO] - Tenta apagar o [ARQUIVO] dentro de um arquivo compactado.tar. -Z - Usa o programa compress durante o processamento dos arquivos. -z - Usa o programa gzip durante o processamento dos arquivos. --use-compress-program [PROGRAMA] - Usa o [PROGRAMA] durante o processamento dos arquivos. Ele deve aceitar a opção -d. -[0-7][lmh] - Especifica a unidade e sua densidade. A extensão precisa ser especificada no arquivo de destino para a identificação correta: - Arquivos gerados pelo tar precisam ter a extensão.tar - Caso seja usada a opção -j para compactação, a extensão deverá ser.tar.bz2 - Caso seja usada a opção -z para compactação, a extensão deverá ser.tar.gz ou.tgz - Caso seja usada a opção -Z para a compactação, a extensão deverá ser.tar.z ou.tgz É importante saber qual o tipo de compactador usado durante a geração do arquivo.tar pois será necessário especificar a opção apropriada para descompactá-lo. Exemplos: tar -cf index.txt.tar index.txt - Cria um arquivo chamado index.txt.tar que armazenará o arquivo index.txt. Pode-se notar digitando ls -la que o arquivo index.txt foi somente arquivado (sem compactação), isto é útil para juntar diversos arquivos em um só. tar -xf index.txt.tar - Desarquiva o arquivo index.txt criado pelo comando acima. tar -czf index.txt.tar.gz index.txt - O mesmo que o exemplo de arquivamento anterior, só que agora é usado a opção -z (compactação através do programa gzip). Você agora pode notar digitando ls -la que o arquivo index.txt foi compactado e depois arquivado no arquivo index.txt.tar.gz (você também pode chamá-lo de index.txt.tgz que também identifica um arquivo.tar compactado pelo gzip) tar -xzf index.txt.tar.gz - Descompacta e desarquiva o arquivo index.txt.tar.gz criado com o comando acima. gzip -dc index.tar.gz tar -xf - Faz o mesmo que o comando acima só que de uma forma diferente: Primeiro descompacta o arquivo index.txt.tar.gz e envia a saída do arquivo descompactado para o tar que desarquivará o arquivo index.txt. tar -cjf index.txt.tar.bz2 index.txt - Arquiva o arquivo index.txt em index.txt.tar.bz2 compactando através do bzip2 (opção -j). tar -xjf index.txt.tar.bz2 - Descompacta e desarquiva o arquivo index.txt.tar.bz2 criado com o comando acima. bzip2 -dc index.txt.tar.bz2 tar -xf - Faz o mesmo que o comando acima só que de uma forma diferente: Primeiro descompacta o arquivo index.txt.tar.bz2 e envia a saída do arquivo descompactado para o tar que desarquivará o arquivo index.txt. tar -t index.txt.tar - Lista o conteúdo de um arquivo.tar. 22

23 tar -tz index.txt.tar.gz - Lista o conteúdo de um arquivo.tar.gz. c) bzip2 É um novo compactador que vem sendo cada vez mais usado porque consegue atingir a melhor compactação em arquivos texto se comparado aos já existentes (em conseqüência sua velocidade de compactação também é menor; quase duas vezes mais lento que o gzip). Suas opções são praticamente as mesmas usadas no gzip e também pode-se usá-lo da mesma forma. A extensão dos arquivos compactados pelo bzip2 é a.bz2 A sintaxe é bzip2 [opções] [arquivos] Onde: Arquivos Especifica quais arquivos serão compactados pelo bzip2. Caso seja usado um -, será assumida a entrada padrão. Curingas podem ser usados para especificar vários arquivos de uma só vez (veja Curingas, Seção 2.3). Opções -d, --decompress [arquivo] - Descompacta um arquivo. -f - Força a compactação, compactando até mesmo links. -l [arquivo] - Lista o conteúdo de um arquivo compactado pelo bzip2. -r - Compacta diretórios e sub-diretórios. -c [arquivo] - Descompacta o arquivo para a saída padrão. -t [arquivo] - Testa o arquivo compactado pelo bzip2. -[num], --fast, --best - Ajustam a taxa de compactação/velocidade da compactação. Quanto melhor a taxa menor é a velocidade de compactação e vice versa. A opção --fast permite uma compactação rápida e tamanho do arquivo maior. A opção --best permite uma melhor compactação e uma velocidade menor. O uso da opção -[número] permite especificar uma compactação individualmente usando números entre 1 (menor compactação) e 9 (melhor compactação). É útil para buscar um bom equilibro entre taxa de compactação/velocidade (especialmente em computadores muito lentos). Quando um arquivo é compactado pelo bzip2, é automaticamente acrescentada a extensão.bz2 ao seu nome. As permissões de acesso dos arquivos são também armazenadas no arquivo compactado. Exemplos: bzip2-9 texto.txt - Compacta o arquivo texto.txt usando a compactação máxima (compare o tamanho do arquivo compactado usando o comando ls -la). bzip2 -d texto.txt.bz2 - Descompacta o arquivo texto.txt bzip2 -c texto.txt.bz2 - Descompacta o arquivo texto.txt para a saída padrão (tela) bzip2-9 *.txt - Compacta todos os arquivos que terminam com.txt bzip2 -t texto.txt.bz2 - Verifica o arquivo texto.txt.bz2. 23

24 8. COMPILAÇÃO DE PROGRAMAS A compilação é a transformação de um programa em código fonte (programa escrito pelo programador) em linguagem de máquina (programa executável). Existem centenas de linguagens de programação diferentes umas das outras, cada uma oferece recursos específicos para atender melhor uma necessidade ou características particulares, algumas são voltadas para bancos de dados, outras somente para a criação de interfaces comunicação (front-ends), aprendizado, etc. Cada linguagem de programação possui comandos específicos que desempenham alguma função, mas todas trabalham com variáveis de memória para a manipulação de dados de entrada/processamento. A compilação de programas é uma tarefa necessária quando se deseja instalar um programa na qual só se tem os fontes. Assim sendo o que deve fazer é descompactar, compilar e instalar o programa. Para essa tarefa é necessário ter acesso root ao sistema assim como possuir o(os) arquivo(os) fontes já descompactados. No exemplo abaixo adotamos a instalação de uma calculadora científica que pode ser encontrada em ftp.gnu.org/gnu/bc/. Como regra geral entre no diretório onde os fontes foram descompactados e leia o arquivo README e INSTALL, pois neles contém informações sobre o programa e a instalação. A sequência de comandos é a seguinte: #./configure #make #make install O comando./configure é na verdade um script, uma série de instruções gravadas em um arquivo texto que são entendidas pelo Linux como comandos. O que estes comandos fazem basicamente é verificar a existência de uma série de arquivos do sistema operacional, imprescindíveis para que se possa gerar o arquivo executável. O produto final do comando é um arquivo chamado Makefile que contém parâmetros que serão lidos pelo comando make, detalhado a seguir. O comando make gera o programa final através da checagem de diversas dependências e da execução de programas de compilação e link-edição. A grande maioria dos programas para o ambiente Linux é codificada nas linguagens C e C++. Por exemplo, dois módulos que compõem o bc são o numeric.c e o string.c, cada um contendo funções que executam tarefas específicas: o numeric.c faz todo o tratamento de operações aritméticas, enquanto o string.c trata as cadeias de caracteres digitadas. O comando make checa ainda os módulos e os includes dos quais os módulos dependem, para verificar se não houve nenhuma mudança, comparando as datas de criação de cada um. O comando make é bastante poderoso e genérico. Ele é um dos integrantes da caixa de ferramentas do Linux. Seu principal objetivo é o de automatizar as tarefas relativas à geração de programas, desde a compilação até a instalação dos programas no sistema. O make não serve apenas para programas escritos em linguagem C/C++, mas para virtualmente qualquer linguagem. Com o make install está literalmente instalando o programa bc em seu sistema. 24

25 9. LOGS Muitas são as vezes que em é necessário avaliar o acontecido diante de um fato indesejado. O acesso indevido a uma parte de informações por um usuário ou um deadlock produzido pela exclusão mútua de uma ação sempre requer uma avaliação do acontecido para prevenir futuras repetições do fato. Para isso o registro de eventos em arquivos, geralmente de texto, torna-se uma ferramenta muito útil. Estes arquivos recebem o nome de log. Em linux existem alguns logs específicos que são incluídos nas distribuições como procedimento natural, podendo o administrados inibir a existência deles. No geral os logs que estão vinculados a um sistema operacional Linux são armazenados no diretório /var/log. Os sistemas Unix-like possuem um serviço exclusivo de manutenção de logs que pode ser utilizado por qualquer aplicação. Na maioria das vezes esse mecanismo é utilizado pelo kernel e pelos serviços conhecidos como deamons, pois eles não têm o terminal como saída para suas mensagens, uma vez que são executados em background. Os daemons de log do sistema registram as mensagens de saída do kernel (klogd) e sistema (syslogd) nos arquivos em /var/log. A classificação de qual arquivo em /var/log receberá qual tipo de mensagem é controlado pelo arquivo de configuração /etc/syslog.conf através de facilidades e níveis. Assim como todo servidor o syslog é iniciado como um daemon, ou seja, inicia automaticamente durante o boot. Sendo um daemon, normalmente, será inicializado com as rotinas que são incluídas em /etc/init.d. Para o caso do syslog será iniciado com o daemon de /etc/init.d/syslog O sistema de Logs do Linux SYSLOGD O syslog é um daemon simples porém de utilidade incomparável, que fornece a ambientes Unix a opção comum de gravação de registros para programas mais diferentes, ele por si só determina o que fazer com qual registro, estes registros são muito importantes, para analises de problemas, ocorrências e segurança da maquina. Todas as mensagens gravadas pelo syslog por um recurso e também por um nível específico. Todas as regras do programa syslog são definidas no arquivo /etc/syslog.conf conforme os parâmetros definidos a seguir. Os recursos de syslog é a definição para que um programa relate em que grupo de registros se enquadra. Os recursos são: - auth - Mensagens de segurança/autorização (é recomendável usar authpriv ao invés deste). - authpriv - Mensagens de segurança/autorização (privativas). - cron - Daemons de agendamento (cron e at). - daemon - Outros daemons do sistema que não possuem facilidades específicas. - ftp - Daemon de ftp do sistema. - kern - Mensagens do kernel. 25

26 - lpr - Subsistema de impressão. - local0 a local7 - Reservados para uso local. - mail - Subsistema de . - news - Subsistema de notícias da USENET. - security - Sinônimo para a facilidade auth (evite usa-la). - syslog - Mensagens internas geradas pelo syslogd. - user - Mensagens genéricas de nível do usuário. - uucp - Subsistema de UUCP. - * - Confere com todas as facilidades. O registro de log de sistema pode ser armazenado segundo níveis, isto é, não é necessário armazenar eventos definidos dependendo o uso do sistema computacional. Os Programas usam cada entrada dos registros com um nível de registro, de tal maneira que o daemon syslog possa registrá-lo ou apenas ignorá-lo, dependendo somente da configuração. Os níveis de registros são classificados em ordem de grau crítico: - emerg: O sistema está inutilizável. - alert: Deverá ser providenciada algum tipo de ação logo de imediato. - crit:condições críticas. - err: Condições de erro. - warning: Condições de alerta. - notice: Condições normais do sistema. - info: Mensagens de informação. - debug: Mensagens de depuração. Além dos níveis, podem ser tratados 3 grupos de mensagens que poderão ser habilitadas ou inibidas. - Error: Sinônimo para o nível err. - Panic: Sinônimo para o nível emerg. - Warn: Sinônimo para o nível warn. Para gerência de logs a sintaxe do comando é syslogd [opções]. Opções -f - Especifica um arquivo de configuração alternativo ao /etc/syslog.conf. -h - Permite redirecionar mensagens recebidas a outros servidores de logs especificados. -l [computadores] - Especifica um ou mais computadores (separados por ":") que deverão ser registrados somente com o nome de máquina ao invés do FQDN (nome completo, incluindo domínio). -m [minutos] - Intervalo em minutos que o syslog mostrará a mensagem --MARK--. O valor padrão é 20 minutos, 0 desativa. -n - Evita que o processo caia automaticamente em background. Necessário principalmente se o syslogd for controlado pelo init. -p [soquete] - Especifica um soquete UNIX alternativo ao invés de usar o padrão /dev/log. 26

27 -r - Permite o recebimento de mensagens através da rede através da porta UDP 514. Esta opção é útil para criar um servidor de logs centralizado na rede. Por padrão, o servidor syslog rejeitará conexões externas. -s [domínios] - Especifica a lista de domínios (separados por ":") que deverão ser retirados antes de enviados ao log. -a [soquetes] - Especifica soquetes adicionais que serão monitorados. Esta opção será necessária se estiver usando um ambiente chroot. É possível usar até 19 soquetes adicionais. -d - Ativa o modo de depuração do syslog. O syslog permanecerá operando em primeiro plano e mostrará as mensagens no terminal atual. No geral, os logs são registrados por default na pasta /var/log. Porém, administradores podem alterar o registro destes arquivos em pastas diversas. Este motivo é no sentido de limitar os direitos de consulta e leitura às pessoas que realmente tem a função de administrar o ambiente computacional. Para configuração de logs, o caminho mais prático é o de delimitar o que será armazenado dentro do arquivo /etc/syslog.conf. Dentro deste poderão ser informadas as categorias que o administrados deseja registrar os eventos que acontecem no sistema computacional. O formato de registro no arquivo /etc/syslog.conf será algo do tipo: - recurso.nível destino Figura 6 - syslog.conf Recurso - É usada para especificar que tipo de programa está enviando a mensagem KLOGD O klogd é outro daemon que controla o registro de mensagens do kernel. Ele monitora as mensagens do kernel e as envia para o daemon de monitoramento syslogd, por padrão. 27

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Compactadores são programas que diminuem o tamanho de um

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Capítulo 16 - Rsyslog

Capítulo 16 - Rsyslog - Rsyslog - 243 Capítulo 16 - Rsyslog 16.1. Objetivos Entender o funcionamento do Rsyslog; Utilizar as facilidades, níveis e destinos do Rsyslog; Configurar o Rsyslog para fins de debug; Ativar gravação

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

SysLog: Sistema de log

SysLog: Sistema de log SysLog: Sistema de log A rastreabilidade é um importante princípio para a administração dos sistemas. O que é um LOG? E para que serve? "A record of activities performed within a program, or changes in

Leia mais

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNC. E TEC. DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS PROFESSOR: ANDERSON COSTA ASSUNTO: MÓDULOS, DISPOSITIVOS DE

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná. Faculdade de Ciências Exatas. Sistemas de LOG

Universidade Tuiuti do Paraná. Faculdade de Ciências Exatas. Sistemas de LOG Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Sistemas de LOG 25/08/11 1 Profº André Luiz Arquivo de LOG, é uma designação dada aos arquivos que são utilizados pelos programas do sistema para

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO Depois de montar o computador, a próxima etapa é configurá-lo ao nível de software, antes de poder instalar o sistema operacional. Esta segunda etapa

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 05 Prof. André Lucio Competências da Aula 5 Comandos GNU/Linux - Parte Final Introdução a Redes Configuração de Rede

Leia mais

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor 1 1. Introdução. O objetivo desta documentação é ajudar o leitor a identificar os problemas físicos,

Leia mais

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS Tópicos e Objetivos - 1.101 Hardware e Arquitetura - - 1.103 Comandos GNU e Unix - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS - 1.1.10 Sistema Xwindow 65 Questões em 90 minutos = 1m24s por

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 Este documento resume as principais diferenças entre a vrs. 4.00 em relação à vrs. 3.01a R.10 do Sistema VirtuOS e se destina aos usuários que dela estão

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira <fred@madeira.eng.br> Lista de Exercícios 3 Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3 1. Qual dos seguintes comandos linux não inclui a capacidade de listar o PID das aplicações que estão

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Manual de referência do Device Storage Manager

Manual de referência do Device Storage Manager Manual de referência do Device Storage Manager Avisos sobre direitos autorais e marcas comerciais Copyright 2003 Hewlett-Packard Development Company, L.P. É proibida a reprodução, adaptação ou tradução

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel <prmm@cin.ufpe.br Instrutor: Jamilson Dantas <jrd@cin.ufpe.br> Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho Prof: Paulo Maciel

Leia mais

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Introdução ao Linux Comandos Ubuntu/Linux Michelle Nery Agenda Comandos do Sistema Comandos para Processos

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Comando free Gerência de Memória exibe a quantidade de memória livre e utilizada pelo sistema Usage: $ free

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

Ajuda do Active System Console

Ajuda do Active System Console Ajuda do Active System Console Visão geral... 1 Instalação... 2 Como ver as informações do sistema... 4 Limites de monitoração do sistema... 5 Definições de notificação de email... 5 Configurações de notificação

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware 3 Implementando e gerenciando dispositivos de hardware Uma boa parte das questões do exame está concentrada nessa área. Saber implementar e, principalmente, solucionar problemas relacionados a dispositivos

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002 Liberdade Manual de instalação Liberdade Manual de instalação Versão 1.0.0-31/10/2002 Versão 1.0.0-31/10/2002 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais