O Jornalismo Público. praticado pelo programa Cidades e Soluções

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Jornalismo Público. praticado pelo programa Cidades e Soluções"

Transcrição

1 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA-IESB COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO LUÍS GUSTAVO MARTINS BARROS O Jornalismo Público praticado pelo programa Cidades e Soluções Brasília 2009

2 LUÍS GUSTAVO MARTINS BARROS O Jornalismo Público praticado pelo programa Cidades e Soluções Monografia apresentada ao Curso de Assessoria em Comunicação Pública do IESB, como requisito parcial para a obtenção do grau de Especialista. Orientadora: Profª. e Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília, Mônica Prado. Brasília 2009

3 RESUMO O Jornalismo Público não é nem um gênero nem uma categoria jornalística. Surgiu como um movimento, formado por um grupo de jornalistas norte-americanos que pretendiam recuperar a ética e os princípios democráticos no processo de formulação de notícias. Este trabalho pretende apresentar e analisar o Jornalismo Público como uma forma possível de desenvolver a cidadania, bem como estimular a participação social nas causas em que é necessária uma atitude coletiva. Também tenta verificar se os conceitos que conduzem este tipo de jornalismo podem ser encontrados no Brasil, por meio de um estudo de caso do programa de TV Cidades e Soluções. ABSTRACT Public Journalism is neither a gender nor a category in general journalism. It appeared as a movement, formed by a group of North-American journalists who intended to recover the ethical and democratic principles in the process of news making. This paper aims to show and analyze Public Journalism as a possible way to develop citizenship, as well as to stimulate social participation in causes where a collective attitude is required. It also tries to verify if the concepts that lead this sort of journalism can be found in Brazil, by a case study of the Brazilian TV show Cidades e Soluções.

4 SUMÁRIO Introdução... 1 Capítulo 1 Jornalismo Cívico: o pensamento voltado para o cidadão Antecedentes históricos Conceitos Preceitos Possibilidades de mudanças nas redações A corrente contrária A mutação do Jornalismo Público nos Estados Unidos Terminologia Capítulo 2 Jornalismo Público no Brasil A importação de uma idéia Tipos de JP no Brasil e suas características Experiências brasileiras O campo de atuação A Comunicação de Interesse Público Capítulo 3 Cidades e Soluções como instrumento de Jornalismo Público Os responsáveis pelo programa A proposta do programa A concepção do programa O formato... 76

5 As pautas As fontes O público-alvo A audiência Análise das características e dos pontos convergentes Análise global dos pontos convergentes Análise pontual dos programas I) Adoção no Brasil II) Comércio Justo III) Embalagens Longa Vida IV) Incentivo à Leitura Conclusão Referências

6 INTRODUÇÃO Um dos ditados mais populares do jornalismo diz que se um cachorro morde um homem, não é notícia; mas se um homem morde um cachorro, isso sim é notícia. A mensagem serve para ilustrar um dos critérios utilizados pelos jornalistas para valorar acontecimentos, declarações e informações de todos os gêneros no sentido de determinar e classificar aquilo que deve ser noticiado. Dessa forma, nem tudo o que acontece pode ser transformado em notícia e os acontecimentos são selecionados de acordo com uma escala subjetiva de interesse. O jornalista profissional encarregado de apurar, processar e transmitir informações no momento em que está diante de um fato ou de uma ocorrência qualquer deve observar atentamente esses critérios, pois faz parte do exercício de sua profissão identificar os pontos que ele julgue importantes naquele contexto para a divulgação da informação. Esses critérios de noticiabilidade são denominados valornotícia. O valor-notícia não chega a constituir uma regra no jornalismo, mas é determinado conforme a decisão pessoal dos editores das empresas jornalísticas baseado nas experiências vividas pelos profissionais e em critérios atinentes ao nível de importância, ao grau de interesse, ao produto informativo, ao meio de comunicação em que será veiculado, ao público receptor, dentre outros fatores (ARAÚJO; SOUZA, 2003, p. 56; WIKIPÉDIA, 2009). Além disso, elementos como o número de pessoas envolvidas, a duração da ocorrência, o caráter inesperado (se um homem morde um cachorro...), a clareza das informações, ações que envolvem personalidades famosas e proximidades geográfica e

7 2 cultural entre outros, também devem ser levados em consideração na hora de decidir aquilo que deverá se tornar notícia (WIKIPÉDIA, 2009). Logo na construção da reportagem, o acontecimento é narrado sob a ótica do jornalista que presenciou o fato. Ao redigir o texto, o jornalista não só descreve o que viu, mas insere, conforme o encadeamento de outros elementos apurados, a sua percepção daquele acontecimento. Depois, o texto é submetido a um editor que adiciona, retira ou modifica trechos da matéria no sentido de tornar o assunto mais palatável ao leitor, obedecendo sempre aqueles critérios de noticiabilidade. Com isso, os editores, chamados de gatekeeper (ou selecionadores de notícias), detêm o poder de decisão sobre o que é noticiado e também sobre o tratamento e o direcionamento que aquela matéria deve tomar. E é justamente por meio desse poder que os editores decidem o quê e como o leitor, ouvinte ou telespectador (conforme o meio escolhido para receber a notícia) deve tomar conhecimento de um determinado fato. Mas dito antes como essas decisões partem de julgamentos pessoais dos editores dos mais variados veículos de comunicação, conforme a classificação do valornotícia, o leitor irá encontrar leituras e enfoques diferentes para um mesmo assunto. O que não deixa de ser normal, pois cada pessoa tem uma forma diferente de ver as coisas. No entanto, quando poder e dinheiro estão em jogo, a possibilidade de acontecer manipulação de informações ou conflito de interesses tende a aumentar e a ser mais constante. Um dos aspectos relacionados ao valor-notícia e que mais se observa no jornalismo é o caráter negativo dos acontecimentos. Eles são noticiados com maior frequência porque um dos critérios de noticiabilidade determina que as más notícias vendem mais do que as boas notícias. Isso acontece, em tese, porque as pessoas precisam saber que existem problemas maiores que aqueles enfrentados por elas no seu

8 3 dia-a-dia. É uma questão psicológica. Mas, partindo da premissa relativa às causas e efeitos, a grande quantidade de notícias ruins veiculada corriqueiramente e de forma massificada tende a gerar sentimentos de revolta, indignação e pessimismo na população. Claro, que notícias sobre tragédias, calamidades, violência e corrupção, por exemplo, existem e devem ser transmitidas, mas colocá-las em um plano acima das outras na escala de importância acaba por prejudicar não só a quem recebe a informação, pela alta carga de negatividade, como o próprio jornalismo, que fica estigmatizado. Há também outras implicações que podem levar à manipulação de informação. A política é um terreno fértil para isso. Apesar de muitas pessoas dizerem que não gostam de política e se abstenham de assuntos acerca do tema, elas precisam da política e a praticam para poder viver em sociedade. Além das definições tradicionais que a tipificam, um dos conceitos mencionados pelo Dicionário Aurélio para dar sentido à palavra política, diz que se trata da habilidade no trato das relações humanas, com vista à obtenção dos resultados desejados. Ele ainda a relaciona com civilidade e cortesia. Visto dessa forma, um simples ato de desejar bom dia a uma pessoa já pode ser considerado uma ação política. As empresas jornalísticas, por sua vez, não estão fora desse contexto político. Embora sugiram isenção e imparcialidade na veiculação de informações e elaborem manuais de orientação aos jornalistas que determinem condutas morais e éticas, essas empresas estão inseridas no mundo capitalista e, mesmo que não admitam, se posicionam politicamente conforme os assuntos abordados e as linhas editoriais adotadas. E não só isso. Por trás de cada informação, podem estar camuflados interesses de determinados grupos, classes ou categorias políticas e, até mesmo, de pessoas influentes.

9 4 E, por conta de interesses dessa natureza, muitos veículos de informação cresceram politicamente e economicamente no século XX, transformando-se em grandes conglomerados de comunicação de massa, não só no Brasil, mas também em outros países, especialmente os Estados Unidos, berço do capitalismo. Com o passar do tempo, os interesses de determinados grupos, principalmente econômicos, passaram a predominar sobre o interesse geral nos noticiários e isso teria provocado uma crise de identidade no jornalismo, refletindo diretamente na vendagem de jornais. Alguns jornalistas americanos, contudo, perceberam que o jornalismo estaria se desvirtuando de seus princípios e não estaria atendendo à coletividade nem à cidadania. Inconformados com a forma como os trabalhos jornalísticos estavam sendo conduzidos, eles decidiram lançar um movimento de resgate do jornalismo e o denominaram de Jornalismo Público. Esse movimento teve por objetivo estabelecer novas regras de conduta de jornalistas e órgãos de comunicação no sentido de fazer prevalecer a cidadania na prática jornalística e, dessa forma, envolver os próprios jornalistas e o público a que se destinam em questões públicas e de interesses comuns à sociedade. A presente monografia tem por objetivo contextualizar o Jornalismo Público conceitualmente e historicamente, mapear a adoção das diretrizes fundadas por esse movimento na mídia americana e brasileira e confrontá-lo com o jornalismo praticado pelo programa Cidades e Soluções veiculado pelo canal de TV por assinatura Globo News e apresentado pelo jornalista André Trigueiro, avaliando a proposta do programa, o formato, o conteúdo e o seu potencial de diálogo com a sociedade. A proposta deste trabalho é apresentar o Jornalismo Público como uma forma viável de se desenvolver a cidadania e de estimular a sociedade para causas sociais que necessitam da coletividade. Será feito um panorama em torno deste modelo utilizando o programa Cidades e Soluções como objeto de estudo a fim de diagnosticar os

10 5 benefícios que o JP pode trazer para a sociedade, como proporcionar inclusão social; gerar participação social e política dos cidadãos; exigir maior comprometimento com os direitos humanos e sociais; promover o relacionamento pacífico dentro e fora das comunidades e, consequentemente, assegurar a qualidade de vida da população. Para isso, foi feita a captação de diversos artigos e trabalhos acadêmicos na rede mundial de computadores e realizado um amplo levantamento bibliográfico, para registrar os marcos históricos e geográficos de implementação deste modelo e averiguar os conceitos fundamentais do Jornalismo Público, a trajetória do movimento e os desdobramentos nos meios acadêmico e profissional. Para coletar informações sobre o programa, as páginas referentes ao Cidades e Soluções na web também foram consultadas. Além disso, foi realizada uma entrevista com André Trigueiro para verificar a proposta do programa, captar as impressões pessoais do autor e coletar detalhes sobre a construção do programa, a rotina dos profissionais e as técnicas jornalísticas empregadas. Foram observados, durante o processo de pesquisa, o nível de adesão à causa, as perspectivas futuras do movimento e as polêmicas que o envolvem. Avaliou-se também a presença do Jornalismo Público no Brasil, com relação à forma como ele foi disseminado por aqui, as experiências que se aproximam dos conceitos que o movem, o campo de atuação e a sua relevância para a Comunicação Pública. Na pesquisa referente ao programa, foram revelados os responsáveis pelo projeto e descobertas a proposta e as motivações para a realização do Cidades e Soluções. A sua concepção também foi verificada, no que diz respeito ao formato, às pautas, às fontes, ao público-alvo e à audiência. Para a avaliação dos programas, foram destacadas quatro edições, constantes de uma relação de títulos disponibilizada na página oficial do Cidades e Soluções e na

11 6 página pessoal do jornalista. André Trigueiro distribui os títulos por categorias, determinadas por ele, tais como Energia; Consumo consciente; Construção Sustentável; Reciclagem de materiais orgânicos e inorgânicos; Uso inteligente da água; Educação e cultura; Mobilidade; Biodiversidade; Planejamento urbano e gestão; e Terceiro setor. Desse cardápio, optou-se por escolher programas que tivessem temáticas distintas, com enfoque em relação social, economia, meio ambiente/reciclagem e educação/cultura. NOTAS DE REFERÊNCIA: ARAÚJO, Ellis Regina; SOUZA, Elizete Cristina de. Obras jornalísticas - Uma síntese. Brasília: Editora Vestcon, p. POLÍTICA. In: NOVO Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 2.ed. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, WIKIPÉDIA. Valor-notícia. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/valor-not%c3%adcia>. Acesso em 17 jun

12 7 Capítulo 1 Jornalismo Cívico: o pensamento voltado para o cidadão Antecedentes históricos No fim dos anos 80, uma onda de desconfiança atingiu os meios de comunicação norte-americanos. Os primeiros reflexos detectados foram a queda na leitura de jornais e o baixo índice de confiabilidade nos veículos informativos. Depois, pesquisas apontaram para um descrédito crescente da população americana em relação ao que a mídia veiculava e à forma como ela transmitia as notícias para sua audiência. O público já não identificava nos meios de comunicação a função de servir à sociedade ou de reportar notícias de interesse coletivo. Havia um descontentamento geral com a cobertura feita por jornais e emissoras de TV e ficava cada vez mais clara a ideia do jornalismo como negócio sobrepondo a ideia do jornalismo como uma prestação de serviço. Um dos aspectos levantados como causa para a rejeição do público aos veículos de comunicação relacionava-se com a prática jornalística, consagrada ao longo do século XX pelos grandes jornais e seus manuais de redação, baseada no distanciamento do repórter em relação à notícia e na adoção de técnicas redacionais que privilegiam a objetividade, a imparcialidade, a concisão, a simplicidade e a precisão, entre outros, e que contribuiu para esse sentimento do receptor da informação de que ele não faz parte daquele universo noticiado. O público, diante da concepção do distanciamento, apenas consome a notícia e não se envolve. Diversos pesquisadores da comunicação passaram a mapear o comportamento da indústria jornalística e de seus profissionais, por meio de estudos científicos, e conceberam inúmeras teorias que traduzissem as causas e consequências do jornalismo

13 8 desenvolvido ao longo do tempo. Uma delas, a Teoria do Espelho, traduz essa relação de distanciamento quando diz que o jornalista deveria se comportar como um fotógrafo, relatando a realidade da forma como ela se apresenta, sem intervenção subjetiva (DANTON, 2003). Ainda de acordo com a teoria, o bom jornalista é um observador desinteressado, que relata com honestidade e equilíbrio tudo o que vê, cauteloso para não emitir opiniões pessoais (DANTON, 2003) e diz também que escrever a matéria de forma impessoal e ouvir os dois lados da questão é regra para o bom jornalismo (DANTON, 2003). Aliado a isso, as transformações tecnológicas, que geraram uma dinâmica maior na transmissão das informações, a espetacularização da notícia, determinante nos telejornais e cujo fato muitas vezes é repassado na forma de entretenimento, a busca incessante pelo furo jornalístico, em que a descoberta de um escândalo torna-se o principal objetivo a ser alcançado, e a superficialidade com que alguns temas eram tratados também foram ingredientes da prática jornalística apontados como causadores da insatisfação do público. Outro componente verificado naquela ocasião foi a cobertura mal-sucedida da campanha presidencial de 1988, entre George Bush e Michael Dukakis, feita pela imprensa americana (SHEPARD apud TRAQUINA, 2003, apud QUADROS, 2005, p. 45). Como o voto nos Estados Unidos é facultativo, detectou-se o afastamento da população nas eleições daquele ano. Especialistas também perceberam que as matérias veiculadas privilegiavam a corrida presidencial, com a divulgação constante das pesquisas de intenção de votos e a posterior repercussão em torno dos números, em detrimento de notícias que gerassem discussão a respeito de questões mais relevantes para o eleitorado.

14 9 E foi esse cenário, portanto, que proporcionou o surgimento do Jornalismo Público, também chamado pelos precursores desse movimento de Jornalismo Cívico. A ideia inicial era retomar o princípio jornalístico de servir à sociedade e tinha como meta a reinserção dos cidadãos na vida política norte-americana. O primeiro jornalista que verificou a necessidade de se realizar uma mudança no processo de construção das notícias foi Davis Merritt, então editor do jornal The Wichita Eagle, do estado do Kansas. Desencantado com o trabalho desenvolvido nas eleições de 1988, ele escreveu um artigo, datado de 1990, em que pregava o aprofundamento dos temas abordados nas matérias, oferecendo aos leitores/cidadãos a oportunidade de compreender, em detalhes, a posição dos candidatos que disputariam as eleições para o governo do Estado do Kansas em torno dos assuntos de interesse da comunidade (QUADROS, 2005, p. 45). Naquele mesmo ano ele lançou dois projetos que colocavam em prática esse novo processo de produção de notícias. O primeiro, chamado Where they Stand, tinha como objetivo aumentar a participação do público no processo eleitoral. Foram estabelecidos 10 temas considerados mais relevantes pela população, escolhidos por meio de uma pesquisa, que seriam abordados em matérias mais aprofundadas com a apresentação de todas as questões relativas a cada assunto proposto. A partir do levantamento feito pelo jornal, abria-se um espaço para o debate, onde os candidatos expunham suas idéias e expressavam seus pontos de vista acerca de assuntos como educação, desenvolvimento econômico, meio ambiente, agricultura, serviços sociais, impostos e violência, entre outros (FERNANDES, ca. 2004, p. 2). O segundo projeto, denominado The People Project, visava o engajamento dos moradores da região na busca de soluções para problemas distintos como a deficiência das escolas, crimes e gangues, falta de consenso na política, além de crises em família.

15 10 Essa iniciativa do Eagle, que tinha como subtítulo Solving it Ourselves (Resolvendo nós mesmos), contou com a participação de uma emissora de televisão local e uma estação de rádio com vistas a trazer o cidadão para partilhar idéias e encontrar recursos para ações concretas. Estavam fundadas ali as bases para a criação do movimento denominado Jornalismo Público (QUADROS, 2005, p. 45). Daí em diante, houve uma proliferação dessa prática jornalística com o surgimento de novos projetos realizados por outros jornais. Em 1992, o jornal The Charlotte Observer, da Carolina do Norte, pertencente ao mesmo grupo de comunicação do Eagle, Knight Ridder newspapers, com a ajuda do Poynter Institute for Media Studies e a emissora WSOC-TV (afiliada da ABC), desenvolveu um projeto cuja ação era sondar as questões de importância dos eleitores para formar a agenda dos cidadãos. Outra experiência ocorreu na Geórgia, em outro jornal da Kight Ridder, o Columbus Ledge Enquirer, que também encomendou uma pesquisa para identificar os problemas que atingiam a comunidade local, gerando um relatório denominado Columbus para além de A partir dele, o jornal passou a pautar suas ações de acordo com o resultado desse relatório, assumindo o papel de ativista e descartando o papel de mero observador e relator dos fatos (QUADROS, 2005, p. 45). Escritores, professores e pesquisadores das teorias de comunicação passaram a olhar mais de perto esse fenômeno e alguns deles abraçaram a causa. Um dos mais respeitados teóricos sobre o assunto é Jay Rosen, professor da Universidade de Nova York e considerado um dos fundadores do movimento. Crítico dos meios de comunicação e autor de diversos artigos sobre o Jornalismo Público, Rosen desenvolveu alguns estudos sobre o assunto. Além dele, se destacam entre os que produziram trabalhos de pesquisa em torno do Jornalismo Público ou Cívico, Theodore L. Glasser, professor de Comunicação da Communication Affiliated Faculty, Modern Thought & Literature, de

16 11 Stanford; Stephanie Craft, professora da Faculdade de Jornalismo do Missouri; Edmund B. Lambeth, professor e pesquisador de processos comunicativos na Universidade de Missouri, Lewis A. Friedland, jornalista e professor da Faculdade de Jornalismo & Comunicação de Massa da Universidade de Wisconsin-Madison; e Sandra Nichols, jornalista e professora do Departamento de Comunicação de Massa e Estudos da Comunicação da Universidade de Towson Maryland. O Jornalismo Público, no entanto, só viria ganhar força com a adesão de centros de estudos e pesquisa, como o citado Poynter Institute for Media Studies, o Public Life and the Press, a Kettering Foundation, a Knight Foundation, o American Press Institute, etc, que passaram a investir em projetos dessa natureza. Desse grupo destacou-se a fundação Pew Charitable Trusts, da Filadélfia, fundada em 1948 pelos herdeiros de Joseph Newton Pew, um industrial do petróleo que tinha como hábito financiar projetos jornalísticos que enaltecessem os valores democráticos e as práticas comunitárias. Os responsáveis pela fundação perceberam que os cidadãos norte-americanos estavam se abstendo de votar e, na visão deles, isso poderia representar a falência da democracia. Além disso, acreditavam que, se isso estava acontecendo, em parte, seria porque o jornalismo também estaria falindo. Envolvidos diretamente em ações do gênero, eles resolveram criar, em 1993, o Pew Center for Civic Journalism, cuja proposta era apoiar e financiar, junto aos veículos de comunicação e aos jornalistas, projetos que construíssem modelos de notícia que dessem voz a pessoas comuns, ajudando-os a identificar problemas e a encontrar soluções, tornando-os participantes ativos em suas comunidades. A tarefa de dirigir o centro de pesquisa, como Diretora Executiva, coube a jornalista Jan Schaffer, uma editora de finanças, vencedora da medalha de ouro para o serviço público do Prêmio Pulitzer, que se tornou autoridade no assunto. Schaffer esteve

17 12 à frente do Pew Center até 2003, ano em que o diretório fechou as portas. Ao longo de uma década, o centro investiu o equivalente a 12 milhões de dólares em estudos, pesquisas, fóruns, treinamentos e capacitação de jornalistas para buscar novas experiências jornalísticas, que acabaram gerando mais de 120 projetos de Jornalismo Cívico (SILVA, 2001; SCHAFFER, 2004) Na segunda metade da década de 1990, o movimento alcançou notoriedade internacional e pesquisadores de outros países começaram a debater a prática do Jornalismo Público como o espanhol Carlos Alvarez Teijeiro, doutor em Comunicação Pública pela Universidade de Navarra, a colombiana Ana Maria Miralles Castellanos, jornalista e professora titular da faculdade de Comunicação da Universidade Pontifícia Bolivariana, na Colômbia, e o português Nelson Traquina, coordenador científico da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa. No Brasil, o primeiro artigo a colocar em pauta a discussão sobre esse movimento no país foi escrito pelo professor e jornalista Carlos Castilho, publicado no Boletim nº 15 do Instituto Gutemberg, site que se propõe a fiscalizar a imprensa. Mas foi o jornalista e professor Luiz Martins da Silva, doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília, quem se dedicou mais intensamente às pesquisas sobre o Jornalismo Público, coordenando alguns projetos e tentando traduzir para a realidade brasileira os preceitos do movimento americano. Também se propuseram a contribuir para a discussão do Jornalismo Público no Brasil, a pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas, Alzira Alves de Abreu, doutora em Sociologia pela Universidade de Paris, e o jornalista e professor Márcio Ronaldo Fernandes, mestre em Comunicação e Linguagens pela Universidade Estadual do Centro-Oeste, no Paraná.

18 13 NOTAS DE REFERÊNCIA: DANTON, Gian. A teoria do jornalismo e a seleção de notícias. Macapá: [s.n.], Disponível em: <http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp?codigo=893>. Acesso em: 28 mar FERNANDES, Márcio Ronaldo Santos. Civic Journalism no Brasil: a construção de um plano de referência para um Jornalismo Público. [S.I]: Universidade Federal do Centro-Oeste (Unicentro). [ca. 2004]. Disponível em: <http:// /informacao/-79c2f01_115d80a527a_-7fe1.pdf>. Acesso em: 20 dez SILVA, Luiz Martins da. Civic Journalism: um gênero que no Brasil ainda não emplacou. [S.l.: s.n., 2001] Disponível em: <http://www.unb.br/fac/sos/artigos/civicjournalism.htm>. Acesso em: 28 ago QUADROS, Claudia Irene de. Jornalismo Público, rádio e internet Uma combinação possível? Comunicação e Espaço Público. Brasília: Ano VIII, v. 5, nº 1, Disponível em: <http://www.unb.br/fac/posgraduacao/revista2005a/artigo_3.claudia.barros.pdf>. Acesso em: 29 jan SCHAFFER, Jay. The Role of Newspapers in Building Citizenship. 5º Congresso Brasileiro de Jornais, 13 Set. 2004, São Paulo. Disponível em: <http://www.pewcenter.org/doingcj/speeches/s_brazil.html>. Acesso em: 19 mar

19 Conceitos Antes de adentrarmos nos conceitos que serviram de base para a construção do Jornalismo Público nos Estados Unidos é preciso que vejamos algumas causas que levaram à mudança de paradigma. Jay Rosen apontou seis fatores chamados por ele de alarmes que indicavam o estabelecimento de uma crise no jornalismo norteamericano de então e que serviram de premissas para o movimento (FILHO, 2003, p. 17). O primeiro deles seria de ordem econômica, com a constante perda de leitores e a diminuição da circulação dos jornais ao longo dos anos. A segunda seria de ordem tecnológica, com o aumento da oferta de informação que estaria circulando mais livremente, sem intermediários, dispensando os filtradores de notícia. A relação tradicional dos meios de comunicação de massa com o público onde há um emissor e milhares de receptores estaria sendo transformada em uma teia de conexões em que os emissores se multiplicariam e potencializariam a informação 1. A crise política seria o terceiro fator, em que ele relaciona a deterioração da política com a atuação da imprensa, caracterizando uma apatia na cobertura de campanhas eleitorais, cuja preocupação dos atores envolvidos seria a busca de informações pouco relevantes para a vida das comunidades. Com a evidência desses três fatores, outras três situações se apresentaram. Uma delas relacionada aos próprios jornalistas americanos, que estariam inseguros na profissão, levando a uma crise de fundo profissional. Nesse aspecto, muitos já se sentiriam desmotivados e demonstrariam interesse em mudar de área. Além disso, ele considerou existir uma crise espiritual definido como uma falta de um sentido ou algo inspirador em que os jornalistas possam acreditar e trabalhar na sua construção e 1 Esse fator, inclusive, gerou alguns desdobramentos mais recentemente, que serão abordados no capítulo 1, tópico 1.6.

20 15 uma crise intelectual, em que o exame, a análise e a interpretação de questões importantes não estariam mais se sustentando dentro do contexto das matérias veiculadas. Quando Davis Merritt se deparou com aquele cenário de crise no jornalismo e decidiu mudar a situação no jornal em que trabalhava como editor-chefe, certamente passaram pela sua cabeça algumas perguntas como qual é o papel do jornalismo? Ou é isso que queremos passar para o nosso público? Ou ainda o que pretendemos com isso? e que caminhos estamos tomando?. Jornalista experiente, Merritt, certamente, pôs-se a essas reflexões antes de pensar em retomar os fundamentos do jornalismo. Fundamentos que são descritos por diversos autores e estudiosos de comunicação como Victor Gentile (2005, apud SOARES, 2008, p. 4), que diz: Penso o jornalismo como [...] o instrumento que viabiliza o direito à informação, onde os jornais desempenham a função de mediadores e os jornalistas, individualmente, de representantes do leitor, telespectador e ouvinte, como indivíduos, consumidores e cidadãos. Ou Rosen (1994, apud TRAQUINA, 2001, apud MARÇAL, 2005, p. 23) que estabelece que O jornalismo pode e deve ter um papel no reforço da cidadania, melhorando o debate e revendo a vida pública e também André Trigueiro (2009, informação verbal), que apresenta o conceito de que o jornalismo deve elencar assuntos que, por mais de um critério, podem ser considerados notícias ou de interesse público e que não se restrinjam apenas a denunciar problemas ou revelar o que não funciona ou o que está errado, mas sinalizar rumo e perspectiva. Ao se aprofundar nesses fundamentos, Merritt (1995, apud TRAQUINA, 2001, apud FILHO, 2003, p.43) percebeu que o jornalismo precisaria ir além. Para ele, o jornalismo pode e deve ser uma força fundamental na revitalização da vida pública e vê como essencial e simbiótica a relação entre democracia e jornalismo. Ana Maria Miralles

21 16 Castellanos (1999, p. 1) enquadra o Jornalismo Público da seguinte forma: trata-se de um sugestivo convite a ultrapassar as fronteiras do jornalismo tradicional e a envolver-se na esfera da discussão pública ao invés de limitar-se ao registro dos feitos que os outros produzem (tradução nossa). Conceito compartilhado por Theodore L. Glasser e Stephanie Craft (apud FREIRE, 1998) quando dizem que o propósito da mídia é promover e implementar a cidadania e não apenas descrevê-la ou criticá-la. Rosen (1994, apud TRAQUINA, 2001, apud FILHO, 2003, p. 43) segue a mesma linha ao dizer que o jornalismo demanda algo mais do que somente transmitir notícias. Complementando a ideia do jornalismo como instrumento da democracia e da cidadania, Edward M. Fouhy (1996) diz que o objetivo do movimento é prover pessoas com as notícias e as informações de que elas precisam para permitir que elas funcionem como cidadãs, para tomar decisões e fazer uma sociedade democrática (tradução nossa). Já Zanei Barcellos e Celina Alvetti (2007), colocam que o Jornalismo Público tem como proposta o resgate dos ideais do Jornalismo, independente de interesses econômicos e políticos, visando a cidadania, na defesa das causas de seus cidadãos. Jan Schaffer (2004) acrescenta, no entanto, que o objetivo do Jornalismo Público não se detém apenas nos problemas encontrados no jornalismo, conforme as situações de crise relatadas por Rosen, mas também nas possíveis soluções que podem ser encontradas, como a restauração de bons hábitos jornalísticos, a construção de conexões com os leitores, a melhoria das histórias e a construção de melhores cidadãos. Em terras brasileiras Luiz Martins da Silva contribui com a discussão ao explicar que o que tem caracterizado o jornalismo público é a intenção de não apenas se servir dos fatos sociais no que eles apresentam de dramático, mas agregar aos valores/notícia (news values) tradicionais elementos de análise e de orientação do público quanto a soluções de problemas (2002, p. 8).

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Bruna Robassa 2 Lamartine Testa 3 Diana Prestes 4 Renata Orsato 5 Anna Carolina Cidade Neiva 6 Jakeline Piantandossi 7 Mônica Kaseker 8

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Desafios à Gestão Universitária Prof. Dr. Adolfo Ignacio Calderón Coordenador do Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais Aplicadas da UMC, membro do comitê científico do Fórum de

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Camila Delmondes Assessoria de Relações Públicas e Imprensa Faculdade de Ciências Médicas Unicamp Divulgação Cientifica e Cultural Laboratório de

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1

O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1 O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1 Yuri Santana Iriarte 2 RESUMO: Estudos da mídia crítica das últimas décadas apontam para a decadência da atividade jornalística como instrumento

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO Termo de referência - Treinamento de mídia (media training) para membros e assessores dos gabinetes do Conselho Nacional do Ministério Público 1. Do objeto 1.1 Contratação de

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais