Adelino António Peixoto Fernandes Amaral. Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adelino António Peixoto Fernandes Amaral. Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais"

Transcrição

1 v Adelino António Peixoto Fernandes Amaral Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

2 vi Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de mestre em Informática

3 vii UNIVERSIDADE PORTUCALENSE Departamento de Informática Porto, Junho de 2002

4 viii UNIVERSIDADE PORTUCALENSE Departamento de Informática

5 ix Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

6 x Adelino António Peixoto Fernandes Amaral Licenciado em Matemática Ramo Científico Especialização em Computação pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

7 xi Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de mestre em Informática Porto, Junho 2002

8 xii

9 xiii

10 xiv Dissertação realizada sob a supervisão de : Prof. Doutor Jorge Reis Lima, Director do Departamento de Informática da Universidade Portucalense

11 xv Resumo A abordagem colaborativa à gestão do conhecimento visa identificar benefícios da abordagem colaborativa e dos ambientes Internet para optimizar um modelo educacional com vista a melhorar a gestão do conhecimento(gc) numa escola do ensino secundário. Para concretizar este objectivo consideramos diversos tipos de desafios à comunidade escolar, em especial na mudança dos métodos de ensino, nos processos de reestruturação organizacional e na evolução das tecnologias da informação e comunicação (TIC). Todas as áreas evidenciam uma maior ênfase na abordagem colaborativa ajudando os indivíduos e instituições a aprenderem continuamente, e a adaptarem-se às novas exigências da Sociedade da Informação. Para sustentar esta tese, o presente trabalho procedeu a uma revisão das fontes de informação mais relevante e apresenta uma revisão das principais ferramentas usadas em intranets e extranets, redes colaborativas e em ambientes de ensino baseados na Web. Neste contexto é analisada a situação actual de uma escola secundária e proposto o modelo gestão do conhecimento virtual (GCV), único a nível nacional, que visa melhorar a GC. De seguida procedeu-se à sua implantação e relatadas as experiências decorrentes com este modelo. Palavras chave : Colaboração, Internet, aprendizagem colaborativa, gestão do conhecimento

12 xvi

13 xvii Abstract The collaborative approach and knowledge management aims at identifying collaborative learning approaches and internet environments advantages in order to optimize an educational model that helps to improve knowledge management in a secondary school. To reach this aim we considered various types of challenges to apply in the school community, namely to change teaching methods, restructure organisational processes and evaluate information and communication technologies. All areas demonstrate a greater emphasis in the collaborative approach therefore helping individuals and the institutions to continually learn and adapt to new demands in an information society. To support this thesis, the present study made a revision of the most relevant channels of communication and presents a revision of the main tools used in intranets and extranets, collaborative networks and in school environments taken from/based on the web. In this context, the present situation of a secondary school is analysed and the virtual knowledge management model (VKM), unique at a national level, is proposed/applied aiming at improving knowledge management (KM). This model was implemented in a secondary school and the results/experiences are shown. Key words: Collaborative, Internet, collaborative learning, knowledge management

14 xviii

15 xix Agradecimentos Ao dar por concluído este trabalho, que constitui simultaneamente um processo de desenvolvimento pessoal e profissional, gostaria de registar o meu profundo apreço a todos quantos, de diferentes formas, me apoiaram na sua concretização. Em primeiro lugar, o meu reconhecimento é dirigido ao Professor Doutor Jorge Reis Lima, pelo empenho com que orientou este trabalho, pelo rigor, pela oportunidade das críticas e sugestões. Aos meus filhos Gonçalo e Raul e à minha mulher Elisabete pelo apoio, paciência e colaboração. Ao meu falecido pai, em vida, e à minha mãe pelo incentivo. Ao Doutor Belmiro Rego, à Doutora Cristina Azevedo, aos Mestres Albuquerque Santos e Rafael Machado agradeço as sugestões dadas. Aos colegas do grupo de informática da Escola Secundária/3 Emídio Navarro agradeço a vossa colaboração.

16 xx

17 xxi Notações e Siglas Utilizadas Ao longo desta dissertação adoptou-se como norma de notação a escrita em itálico de expressões e palavras em inglês, que não se traduziram por serem utilizadas na linguagem corrente. Utilizaram-se também siglas que se descrevem na lista seguinte, juntamente com o seu significado. AC ASP CDI CGI CMC ESEN FCCN FTP GC GCV GTI HTML HTTP IRC LAN MOO ODBC RCCN RDIS RPG SASE SGBD SIP Aprendizagem Colaborativa Active Server Pages Centro de Documentação e Informação Common Gateway Interface Comunicação Mediada por Computador Escola Secundária de Emídio Navarro Fundação para a Computação Científica Nacional File Transfer Protocol Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Virtual Grupo de Trabalho da Intranet Hipertext Markup Language Hipertext Transfer Protocol Internet Realy Chat Local Area Network Multi-user, Object Oriented environment Open Database Connectivity Rede da Comunidade Científica Nacional Rede Digital de Integração de Serviços Role Playing Games Serviço de Apoio Sócio-Educativo Sistema de Gestão de Base de Dados Sistema de Informação Pedagógica

18 xxii SPO SQL SSL S/UTP TCP/IP TIC uarte UPS WCB Serviço de Psicologia e Orientação Structed Query Language Secure Socket Layer Screened / Unshielded Twisted Pair Transmission Control Protocol/Internet Protocol Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade de Apoio à Rede Telemática Educativa Uninterruptible Power Supplies Web Cource in a Box

19 xxiii Índice Resumo... v Abstract...xvii Agradecimentos... xix Notações e Siglas Utilizadas... xxi Índice...xxiii Índice de Figuras...xxvi Índice de Tabelas...xxviii 1 Introdução Introdução Justificação do tema do trabalho Processo de investigação Estrutura da dissertação A Sociedade da Informação Introdução O que é a Sociedade da Informação Desafios da Sociedade da Informação A educação na Sociedade da Informação em Portugal Os desafios no ensino secundário O papel do professor na Sociedade da Informação Novas tecnologias para a Sociedade da Informação Novas tecnologias para o ensino secundário: uma história recente Uma tecnologia educativa Conclusão Integração da abordagem colaborativa em ambientes Internet Introdução Colaboração Colaboração e cooperação Aprendizagem colaborativa Fundamentação teórica da aprendizagem colaborativa Teoria sócio-construtivista... 25

20 xxiv Teoria sócio-cultural Teoria da cognição partilhada A importância da colaboração nos processos de aprendizagem Diferença entre o modelo tradicional e o modelo construtivista Teorias administrativas aplicadas à Educação A Gestão do conhecimento Qualidade total A aprendizagem organizacional A colaboração e a Internet Ferramentas colaborativas Internet Benefícios da Internet na aprendizagem construtivista-colaborativa Experiências práticas da integração da Internet na abordagem colaborativa Ambientes ensino-aprendizagem que promovem a colaboração Sistemas de aprendizagem organizacional baseadas na Internet Intranet e extranet Rede colaborativa Considerações para a implementação de um sistema que integre a abordagem colaborativa na aprendizagem organizacional Problemática na implementação de ferramentas colaborativas na sala de aula Implementação do modelo colaborativo ao nível do sistema Aspectos importantes e estratégias para a implementação de novos sistemas Algumas considerações sobre usabilidade de sistemas Conclusão Modelo GCV Introdução Método de investigação Análise dos pontos fortes e fracos aplicados à intranet Descrição do modelo GCV Contexto Conteúdo Infra-estruturas Estudo de caso de aplicação do modelo GCV Uma experiência no ensino secundário Análise da situação anterior à implantação do modelo GCV... 76

21 xxv Estrutura da escola Produção académica Conhecimento partilhado Gestão do conhecimento Métodos pedagógicos Sistemas de informação Infra-estruturas Descrição do equipamento activo de dados Necessidades futuras Implantação do modelo GCV Motivação Infra-estruturas do modelo GCV Processo de implantação da experiência Descrição da experiência com o modelo GCV Benefícios da utilização da intranet Problemas de implantação Aumentando a eficiência e a participação Da colaboração para a eficiência Conclusões Conclusão Síntese do trabalho Principais contributos Trabalhos futuros Conclusão Bibliografia Anexos Glossário Programas que promovem o ensino secundário Ferramentas colaborativas para gestão do conhecimento Ecrãs dos vários serviços disponibilizados na intranet...155

22 xxvi Índice de Figuras Figura 1.1. Estrutura da dissertação... 5 Figura 2.1 Crescimento do número de servidores na Internet... 9 (Fonte: Internet Software Consortium; - consultado em )... 9 Figura 2.2 Crescimento do número de utilizadores na Internet por países (Fonte: The Internet Monitor; - consultado em ) Figura 2.3 Ritmo de crescimento de servidores na Internet Figura 2.4 Evolução do número de acessos à Internet em Portugal (Fonte: Marktest; - consultado em ) Figura 3.1 Processo de conversão do conhecimento numa organização (Nonaka e Takeuchi, 1995) Figura Princípio básico da Qualidade Total (Castro, 1995) Figura Relação entre o desempenho individual e organizacional, a aprendizagem colaborativa e as tecnologias de aprendizagem em grupo (Cooper et al, 1998) Figura 3.4 Esquema simplificado de intranet e extranet Figura 3.5 Rede Colaborativa (http://www.cni.org, consultado em ) Figura Curva "S" representando a adopção de uma inovação ao longo do tempo Figura Curva da capacidade do indivíduo em ser inovador (adaptado do Rogers, 1995) Figura 4.1 Visão tridimensional do modelo GCV Figura 4.2 Objectivos concorrentes na gestão da implantação do modelo Figura Diagrama de blocos funcionais Figura 5.1 Home Page da Escola Secundária Emídio Navarro (consultado em ) Figura 5.2 Esquema geral de interligações do equipamento activo de dados da ESEN Figura 5.3 Página principal da Intranet Figura 5.4 Notícias de interesse para a escola Figura 5.5 Calendário das actividades na ESEN Figura Acesso ao SIP em função do cargo exercido na ESEN Figura 5.7 Dados biográficos do aluno Figura 5.8 Informação dos alunos acedida pelo professor Figura 5.9 Registo biográfico do professor... 92

23 xxvii Figura 5.10 Informação estatística da turma...92 Figura 5.11 Ficha do aluno...92 Figura 5.12 Recursos pesquisáveis por temas...93 Figura 5.13 Recursos para download...93 Figura 5.14 Horário da turma...94 Figura 5.15 Preenchimento de uma convocatória Figura 5.16 Convocatória em linha...94 Figura interno da Escola Secundária Emídio Navarro Figura 5.18 Assuntos do Fórum O Euro e a Cidadania Europeia Figura 5.19 Página inicial do ambiente AulaNet...99 Figura A1 - Evolução do número médio de acessos diários à Internet nas Escolas...142

24 xxviii Índice de Tabelas Tabela 3.1 Análise comparativa entre os modelos tradicional e construtivista Tabela Endereços Web de sistemas de e-learning Tabela 3.3 Endereços Web de instituições ligadas ao ensino secundário que utilizam elearning46 Tabela Comparação de serviços e ambientes de ensino baseados na Web (Adaptado de Lima, 1999) Tabela 3.5 Benefícios das intranets (Adaptado de Machado, 1999) Tabela 4.1 Aspectos contextuais Tabela 4.2 Definição da plataforma da intranet Tabela 5.1 Recursos humanos da ESEN Tabela Espaços físicos da ESEN Tabela 5.3 Acessos à intranet por grupo disciplinar Tabela 5.4 Benefícios funcionais da utilização da intranet Tabela 5.5 Benefícios em termos pedagógicos da utilização da intranet

25 Capítulo 1: Introdução 1 Capítulo 1 1 Introdução 1.1 Introdução Neste mundo em que vivemos, os indivíduos e instituições (organizações, comunidades locais, cidades e nações) sentem uma constante necessidade de adaptação à mudança (Visser, 1997), mudança que ocorre de forma acelerada e que torna impossível planear a educação como se fosse uma sequência de eventos lineares. A força transformadora resulta da globalização da indústria, finanças, mercados, meio ambiente e TIC (Strong, 1996). Esta força arrasta a humanidade para uma aldeia global, onde os acontecimentos que ocorrem numa parte do globo podem afectar profundamente as restantes partes. Em simultâneo, presenciamos a evolução das TIC e, de um modo particular, na área da educação. As TIC ligam cada vez mais as pessoas à escala mundial, permitindo a criação e troca de grandes quantidades de informação e um aumento do conhecimento colectivo, cumprindo tarefas de complexidade há pouco tempo difíceis de concretizar.

26 Capítulo 1: Introdução 2 Estas constatações reflectem mudanças importantes em três áreas: novos estilos de gestão, evolução das TIC e novas tendências e possibilidades na educação. Todas as áreas evidenciam a tendência da colaboração, que permitem formular a seguinte tese: uma maior ênfase na abordagem colaborativa ajuda os indivíduos e instituições a aprenderem continuamente e a lidarem com as novas exigências da sociedade da informação e do conhecimento. No contexto da sociedade da informação, as escolas serão obrigadas a gerir eficientemente o conhecimento e a informação. Este requisito leva-as, por vezes, a passar por um processo de reengenharia, procurando novas formas de gerir capital e recursos humanos. Perante esta necessidade de reestruturação, as escolas procuram adoptar princípios de colaboração entre os seus elementos e técnicas de GC, qualidade total e aprendizagem organizacional, com vista a alcançar uma melhoria contínua. Assumindo os vários desafios propostos pela Sociedade da Informação, no contexto da Educação, é principal objectivo da abordagem colaborativa à gestão do conhecimento identificar benefícios da abordagem colaborativa e dos ambientes Internet, para optimizar um modelo educacional que vise melhorar a GC numa escola do ensino secundário. Para conseguir este desiderato, é necessária a construção de soluções tecnológicas eficazes, com custos reduzidos e que rentabilizem os equipamentos existentes, onde a participação da comunidade educativa é um elemento indispensável para se atingir o seu sucesso. 1.2 Justificação do tema do trabalho O novo regime de autonomia, administração e gestão de estabelecimentos de educação préescolar e dos ensinos básicos e secundários (decreto-lei 115A/98) 1 é a base da concretização do presente trabalho. Com este decreto-lei surgem novas e importantes responsabilidades para os órgãos de gestão, e é incentivado o empenho dos profissionais da educação conducentes à promoção e dinamização de 1 Decreto-Lei 115A/98 de 4 de Maio de 1998.

27 Capítulo 1: Introdução 3 projectos em áreas disciplinares e curriculares não disciplinares (projecto ou projecto tecnológico). Procura-se integrar saberes e competências no domínio das TIC que permitam oferecer aos jovens a formação técnica necessária a uma sociedade de informação e do conhecimento. Um dos objectivos do ensino secundário é promover o domínio de ferramentas de informação e comunicação que facilitem e promovam a integração das TIC nas várias disciplinas e na área de projecto, razão pela qual esses saberes e competências devem cruzar transversalmente todo o currículo. Esta constatação foi uma das motivações deste trabalho. Uma outra motivação relaciona-se com a aprendizagem organizacional. A escola atinge a melhoria contínua quando permite a participação de todos os elementos e incute uma cultura de colaboração. Para atingir estas metas é necessário dar mais atenção à GC e aproveitar melhor as TIC existentes na escola, alterando a estrutura organizacional e o modelo pedagógico tradicional. Neste processo, as ferramentas ligadas à Internet favorecem aspectos cognitivos e sociais da abordagem colaborativa. A constatação de todos os factores apresentados deu origem à construção e implantação do modelo GCV que permitirá a modernização administrativa e pedagógica de uma escola do ensino secundário. A implementação dos módulos do respectivo modelo, excepto o módulo de ensino a distância, estarão a cargo de um grupo de trabalho da intranet(gti), formado por professores da escola, pelo que contribui para fomentar a colaboração entre os seus membros e reduzir os custos da implantação. O modelo GCV apresentado neste trabalho é único a nível nacional, conforme se verificou após contactos com o Departamento de Avaliação Prospectiva e Planeamento e Departamento do Ensino Secundário do Ministério da Educação, unidade de apoio à rede telemática educativa (uarte) do Ministério da Ciência e da Tecnologia, Centro de Competências Nónio e Grupo de Supervisão Pedagógica da Escola Superior de Educação de Viseu, aumentando a motivação que impulsionou este trabalho. Após o início deste estudo, o Ministério da Educação criou o grupo coordenador dos programas de introdução, difusão e formação em TIC 2, que apresentou um conjunto de linhas orientadoras que vão ao encontro dos objectivos do presente trabalho. Esse grupo tem, como principal 2 Despacho nº 16125/2000, de 8 de Agosto de 2000

28 Capítulo 1: Introdução 4 missão, a articulação das várias medidas e iniciativas lançadas pelos respectivos serviços do Ministério da Educação e, por outro lado, levar a cabo a elaboração de um plano nacional TIC para a Educação, a desenvolver ao longo de (ME, 2002). 1.3 Processo de investigação Pode definir-se investigação como o processo sistemático e organizado de analisar um determinado problema que necessita de resolução (Sekaran, 1992). O problema que se pretende resolver nesta dissertação prende-se com a dificuldade de implementar uma cultura de colaboração e de melhorar a GC numa escola do ensino secundário, colocando como hipótese plausível para a sua solução, a implantação do modelo GCV. O processo de investigação iniciou-se com uma revisão de fontes de informação que fundamentasse o actual estado das seguintes áreas: vantagens e inconvenientes da abordagem colaborativa; análise das ferramentas colaborativas da Internet e ambientes virtuais; caracterização do groupware e a abordagem colaborativa; promoção da utilização da Internet como fonte de informação e meio de expressão; e melhoramento da comunicação entre professores e alunos. Uma segunda etapa da investigação culminou com a construção do modelo GCV e correspondente implantação numa escola do ensino secundário. O modelo GCV disponibiliza ferramentas personalizadas que proporcionam a GC e aumentam a produtividade com qualidade, desenvolvendo e adequando ainda uma cultura colaborativa entre alunos e professores, assim como a utilização de diferentes ferramentas Internet. Por fim, apresentam-se os resultados da experiência, que evidenciaram problemas e benefícios da implantação do referido modelo. A metodologia seguida nesta dissertação baseia-se na combinação entre a pesquisa, a interpretação e a participação, que depende da forma como o autor vê e interpreta a descrição da implantação, o que implica que o resultado de um estudo de caso seja subjectivo, baseado em interpretações e opiniões.

29 Capítulo 1: Introdução Estrutura da dissertação A presente dissertação está estruturada em seis capítulos, como é apresentado na figura 1.1. Capítulo 1: Introdução O problema e a solução Rev isão das f ontes de inf ormação Capítulo 2: A Sociedade da Inf ormação Capítulo 3: Integração da abordagem colaborativ a em ambientes Internet Capítulo 4: Modelo GCV Capítulo 5: Estudo de caso de aplicação do modelo GCV Capítulo 6: Conclusão Figura 1.1. Estrutura da dissertação O primeiro capítulo resume o trabalho desenvolvido. Faz-se um enquadramento do trabalho, identificando o problema e aponta-se uma solução. Seguidamente justificam-se as razões deste trabalho, apresenta-se a motivação que levou ao seu desenvolvimento e identificam-se os objectivos a atingir.

30 Capítulo 1: Introdução 6 Ao longo dos capítulos 2 e 3 apresenta-se uma revisão de fontes de informação que foram a base para a construção e implantação do modelo GCV descrito no capítulo 4. O capítulo 2 apresenta os principais desafios da Sociedade da Informação relacionados com a Educação. São focados aspectos ligados ao papel do professor e do aluno, e aspectos genéricos sobre sistemas de informação relacionados com o ensino secundário. O capítulo 3 explora a fundamentação teórica da colaboração a nível individual e organizacional. Apresenta uma visão geral da utilização dos serviços Internet no ensino-aprendizagem actual e uma análise comparativa de alguns ambientes e-learning. O capítulo 4 apresenta o modelo GCV que visa melhorar a colaboração e a GC numa escola do ensino secundário. O modelo apresentado está fundamentado segundo uma análise tridimensional segundo as dimensões contexto, conteúdo e infra-estruturas. O capítulo 5 descreve um estudo de caso onde se analisa a situação actual de uma escola do ensino secundário e relata uma experiência de implantação do modelo GCV, apresentando benefícios, problemas e sugestões de melhoria. Todas as ferramentas disponibilizadas nesta implantação, à excepção do módulo de ensino a distância, foram construídas de raiz pelo GTI com vista a satisfazer as necessidades dos elementos da comunidade escolar. Finalmente apresentam-se, no capítulo 6, as conclusões do trabalho. Faz-se uma síntese de todo o trabalho, discutem-se os resultados obtidos, avaliando-se o grau de satisfação dos objectivos, e apontam-se futuros trabalhos de investigação.

31 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 7 Capítulo 2 2 A Sociedade da Informação 2.1 Introdução Uma sociedade em constante mudança coloca um desafio permanente ao sistema educativo. As TIC, os processos de aprendizagem e os métodos organizacionais são factores importantes dessa mudança acelerada, a que o sistema educativo tem que ser capaz de dar resposta rápida, antecipar ou mesmo promover. Neste capítulo serão abordados os desafios colocados à Sociedade da Informação no contexto Europeu, em particular no contexto nacional, relacionados com a educação. São focados aspectos ligados ao novo papel do professor e do aluno, levando à reformulação do processo de ensinoaprendizagem, bem como aspectos genéricos sobre sistemas de informação relacionados com o ensino secundário. De seguida constata-se a importância da tecnologia educativa na Educação, como elemento fundamental para redefinir o processo de aprendizagem e os métodos organizacionais. Privilegiam-se ambientes Internet como meio de difusão do saber requerido pela Sociedade da Informação.

32 Capítulo 2: A Sociedade da Informação O que é a Sociedade da Informação Do Livro Verde para a Sociedade da Informação em Portugal, podemos retirar a seguinte definição : (...) «Sociedade da Informação» refere-se a um modo de desenvolvimento social e económico em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na actividade económica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e das suas práticas culturais. (Ministério da Ciência e da Tecnologia, 1997) É evidente que a actual Sociedade da Informação é controlada pela informação e pelas técnicas que lhe estão associadas. Em 1994, a União Europeia promoveu a realização de um estudo acerca da Sociedade da Informação e os resultados desse estudo, sob a forma de recomendações, foram publicados num relatório que ficou conhecido como relatório Bangemann (Comissão Europeia, 1994). Este estudo começa por analisar a revolução em curso, comparando-a à revolução industrial, e definindo-a como uma revolução baseada na informação, caracterizando a informação como a expressão do conhecimento humano. Por outro lado, constata que o progresso tecnológico permite o processamento, o armazenamento, a recuperação e a comunicação da informação independentemente do formato desta (oral, escrita ou visual), sem quaisquer limites de distância, tempo ou volume. Esta revolução acrescenta uma enorme capacidade à inteligência humana e constitui um recurso que está a mudar o modo como trabalhamos e vivemos, sendo possível aproveitar a sociedade da informação para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos da Europa, a eficiência das organizações sociais, económicas e de reforçar a coesão. Na Europa, e particularmente em Portugal, está a alterar a sociedade a todos os níveis. A prova desta revolução presenciamo-la na evolução vertiginosa da Internet em praticamente todo o mundo, como se pode observar no seguinte gráfico.

33 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 9 Evolução do número de servidores na Internet Nº de servidores (x 10 6 ) Anos Figura 2.1 Crescimento do número de servidores na Internet (Fonte: Internet Software Consortium; - consultado em ) Comparando a evolução do número de servidores à Internet, entre 1991 e 2002, podemos perceber que, em 1991, esse número comparando com o actual era muito baixo. Em 1997, observa-se um impressionante crescimento do número de servidores à Internet. Segundo a Nua Internet Surveys, até Fevereiro de 2002, o número de utilizadores em todo o mundo ronda os 544,2 milhões e, de modo particular, nos Estados Unidos América e no Canadá ronda os 181,23 milhões e na Europa 171,35 milhões 3. Nos Estados Unidos América, onde nasceu a Internet, esta evolução foi mais intensa em relação aos outros países. Esta evolução não se deu somente nos Estado Unidos, outros países tiveram crescimentos significativos como apresenta a figura Dados actualizados periodicamente sobre a Internet podem ser encontrados em diversas fontes, em particular : entre outros (consultado em ).

34 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 10 Cescimento do número de utilizadores na Internet por países 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% Suécia Noruega Dinamarca P. Baixos Suíça Finlândia Áustria Alemanha França Bélgica Itália Espanha Portugal Europa Figura 2.2 Crescimento do número de utilizadores na Internet por países (Fonte: The Internet Monitor; - consultado em ) Porém é importante aprofundar esta visão em cada país para se entender o quanto e como se dá essa expansão. Informações baseadas em médias de ligação, revelam que as diferentes camadas sociais não têm acesso à Internet de forma igual. Como exemplo, Portugal demonstra esta situação. O crescimento deu-se de forma vertiginosa, entre 1995 e 1999, apresentando uma taxa média anual de 62%, superior às da União Europeia (52%) e da OCDE (50%) 4. Servidores Internet por mil habitantes 25% 20% 15% 10% 5% 0% Portugal Média da EU Média da OCDE Figura 2.3 Ritmo de crescimento de servidores na Internet Em Portugal verifica-se o crescimento do número de domínios o que pode ser um indicador desse crescimento. A taxa média de crescimento anual do número de domínios ronda os 125%, indicando o interesse das instituições portuguesas pela Internet 4. O número de utilizadores em 4 Dados disponíveis em (consultado em )

35 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 11 Dezembro de 2001 rondava os três milhões e meio, dos quais 20,4% tem acesso à Internet em casa e 9,1% tem acesso a partir da escola 5. Acessos à Internet e Portugal 40,0% 30,0% 36,5% 20,0% 10,0% 0,0% 6,8% Set/Dez 1996 Jan/Mar 2001 Figura 2.4 Evolução do número de acessos à Internet em Portugal (Fonte: Marktest; - consultado em ) Constatando esta evolução e seguindo o propósito deste trabalho, o processo de construção da Sociedade da Informação e do Conhecimento em Portugal passa por uma oportunidade histórica para promover um salto qualitativo no plano da educacional. Desta forma, o ensino actual depara-se com novas exigências e desafios. O modo de gerir a informação tem que passar por um processo de transformação que leve a escola à produção de novo conhecimento e novos cenários de aprendizagem. 2.3 Desafios da Sociedade da Informação A revolução da informação permite antever profundas transformações na forma como se encara a sociedade, a sua organização e estruturas, criando um desafio maior. Este desafio tem duas alternativas: aproveitam-se as oportunidades dadas e superam-se os potenciais riscos ou desprezam-se, ficando sujeito às mudanças com todas as incertezas que daí possam advir. 5 Dados disponíveis em - Marktest, Bareme-Internet, (consultado em )

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10)

Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10) Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10) O construtivismo, segundo Glasersfeld (1998:19), consiste em considerar que o que chamamos conhecimento não tem e não pode ter o propósito de

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Otrabalho diferenciado de aprendizagem

Otrabalho diferenciado de aprendizagem REVISTA N.º 27 09/07/07 19:52 Page 38 O Tempo de Estudo Autónomo na Aprendizagem da Língua Estrangeira: Treinar, Consolidar, Aprofundar Conhecimentos e Competências Maria Dulce Abreu* A acção educativa

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE Página 1 de 5 TEMÁTICAS: 1- Educação para a sexualidade 2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Paulo Carlos Pimentel Evolução histórica da profissão docente Começa-se por falar de ensino a partir do século XVI. O ensino estava

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO in Azevedo, et al (2006). Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro

Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro O Programa do Governo assume como objectivo central assegurar aos jovens na faixa etária dos 15-18 anos o acesso a formações de nível secundário, consagrando, consequentemente,

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI Learning is Changing! A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is Changing! reflecte

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais