Adelino António Peixoto Fernandes Amaral. Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adelino António Peixoto Fernandes Amaral. Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais"

Transcrição

1 v Adelino António Peixoto Fernandes Amaral Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

2 vi Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de mestre em Informática

3 vii UNIVERSIDADE PORTUCALENSE Departamento de Informática Porto, Junho de 2002

4 viii UNIVERSIDADE PORTUCALENSE Departamento de Informática

5 ix Abordagem Colaborativa à Gestão do Conhecimento: Soluções Educativas Virtuais

6 x Adelino António Peixoto Fernandes Amaral Licenciado em Matemática Ramo Científico Especialização em Computação pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

7 xi Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de mestre em Informática Porto, Junho 2002

8 xii

9 xiii

10 xiv Dissertação realizada sob a supervisão de : Prof. Doutor Jorge Reis Lima, Director do Departamento de Informática da Universidade Portucalense

11 xv Resumo A abordagem colaborativa à gestão do conhecimento visa identificar benefícios da abordagem colaborativa e dos ambientes Internet para optimizar um modelo educacional com vista a melhorar a gestão do conhecimento(gc) numa escola do ensino secundário. Para concretizar este objectivo consideramos diversos tipos de desafios à comunidade escolar, em especial na mudança dos métodos de ensino, nos processos de reestruturação organizacional e na evolução das tecnologias da informação e comunicação (TIC). Todas as áreas evidenciam uma maior ênfase na abordagem colaborativa ajudando os indivíduos e instituições a aprenderem continuamente, e a adaptarem-se às novas exigências da Sociedade da Informação. Para sustentar esta tese, o presente trabalho procedeu a uma revisão das fontes de informação mais relevante e apresenta uma revisão das principais ferramentas usadas em intranets e extranets, redes colaborativas e em ambientes de ensino baseados na Web. Neste contexto é analisada a situação actual de uma escola secundária e proposto o modelo gestão do conhecimento virtual (GCV), único a nível nacional, que visa melhorar a GC. De seguida procedeu-se à sua implantação e relatadas as experiências decorrentes com este modelo. Palavras chave : Colaboração, Internet, aprendizagem colaborativa, gestão do conhecimento

12 xvi

13 xvii Abstract The collaborative approach and knowledge management aims at identifying collaborative learning approaches and internet environments advantages in order to optimize an educational model that helps to improve knowledge management in a secondary school. To reach this aim we considered various types of challenges to apply in the school community, namely to change teaching methods, restructure organisational processes and evaluate information and communication technologies. All areas demonstrate a greater emphasis in the collaborative approach therefore helping individuals and the institutions to continually learn and adapt to new demands in an information society. To support this thesis, the present study made a revision of the most relevant channels of communication and presents a revision of the main tools used in intranets and extranets, collaborative networks and in school environments taken from/based on the web. In this context, the present situation of a secondary school is analysed and the virtual knowledge management model (VKM), unique at a national level, is proposed/applied aiming at improving knowledge management (KM). This model was implemented in a secondary school and the results/experiences are shown. Key words: Collaborative, Internet, collaborative learning, knowledge management

14 xviii

15 xix Agradecimentos Ao dar por concluído este trabalho, que constitui simultaneamente um processo de desenvolvimento pessoal e profissional, gostaria de registar o meu profundo apreço a todos quantos, de diferentes formas, me apoiaram na sua concretização. Em primeiro lugar, o meu reconhecimento é dirigido ao Professor Doutor Jorge Reis Lima, pelo empenho com que orientou este trabalho, pelo rigor, pela oportunidade das críticas e sugestões. Aos meus filhos Gonçalo e Raul e à minha mulher Elisabete pelo apoio, paciência e colaboração. Ao meu falecido pai, em vida, e à minha mãe pelo incentivo. Ao Doutor Belmiro Rego, à Doutora Cristina Azevedo, aos Mestres Albuquerque Santos e Rafael Machado agradeço as sugestões dadas. Aos colegas do grupo de informática da Escola Secundária/3 Emídio Navarro agradeço a vossa colaboração.

16 xx

17 xxi Notações e Siglas Utilizadas Ao longo desta dissertação adoptou-se como norma de notação a escrita em itálico de expressões e palavras em inglês, que não se traduziram por serem utilizadas na linguagem corrente. Utilizaram-se também siglas que se descrevem na lista seguinte, juntamente com o seu significado. AC ASP CDI CGI CMC ESEN FCCN FTP GC GCV GTI HTML HTTP IRC LAN MOO ODBC RCCN RDIS RPG SASE SGBD SIP Aprendizagem Colaborativa Active Server Pages Centro de Documentação e Informação Common Gateway Interface Comunicação Mediada por Computador Escola Secundária de Emídio Navarro Fundação para a Computação Científica Nacional File Transfer Protocol Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Virtual Grupo de Trabalho da Intranet Hipertext Markup Language Hipertext Transfer Protocol Internet Realy Chat Local Area Network Multi-user, Object Oriented environment Open Database Connectivity Rede da Comunidade Científica Nacional Rede Digital de Integração de Serviços Role Playing Games Serviço de Apoio Sócio-Educativo Sistema de Gestão de Base de Dados Sistema de Informação Pedagógica

18 xxii SPO SQL SSL S/UTP TCP/IP TIC uarte UPS WCB Serviço de Psicologia e Orientação Structed Query Language Secure Socket Layer Screened / Unshielded Twisted Pair Transmission Control Protocol/Internet Protocol Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade de Apoio à Rede Telemática Educativa Uninterruptible Power Supplies Web Cource in a Box

19 xxiii Índice Resumo... v Abstract...xvii Agradecimentos... xix Notações e Siglas Utilizadas... xxi Índice...xxiii Índice de Figuras...xxvi Índice de Tabelas...xxviii 1 Introdução Introdução Justificação do tema do trabalho Processo de investigação Estrutura da dissertação A Sociedade da Informação Introdução O que é a Sociedade da Informação Desafios da Sociedade da Informação A educação na Sociedade da Informação em Portugal Os desafios no ensino secundário O papel do professor na Sociedade da Informação Novas tecnologias para a Sociedade da Informação Novas tecnologias para o ensino secundário: uma história recente Uma tecnologia educativa Conclusão Integração da abordagem colaborativa em ambientes Internet Introdução Colaboração Colaboração e cooperação Aprendizagem colaborativa Fundamentação teórica da aprendizagem colaborativa Teoria sócio-construtivista... 25

20 xxiv Teoria sócio-cultural Teoria da cognição partilhada A importância da colaboração nos processos de aprendizagem Diferença entre o modelo tradicional e o modelo construtivista Teorias administrativas aplicadas à Educação A Gestão do conhecimento Qualidade total A aprendizagem organizacional A colaboração e a Internet Ferramentas colaborativas Internet Benefícios da Internet na aprendizagem construtivista-colaborativa Experiências práticas da integração da Internet na abordagem colaborativa Ambientes ensino-aprendizagem que promovem a colaboração Sistemas de aprendizagem organizacional baseadas na Internet Intranet e extranet Rede colaborativa Considerações para a implementação de um sistema que integre a abordagem colaborativa na aprendizagem organizacional Problemática na implementação de ferramentas colaborativas na sala de aula Implementação do modelo colaborativo ao nível do sistema Aspectos importantes e estratégias para a implementação de novos sistemas Algumas considerações sobre usabilidade de sistemas Conclusão Modelo GCV Introdução Método de investigação Análise dos pontos fortes e fracos aplicados à intranet Descrição do modelo GCV Contexto Conteúdo Infra-estruturas Estudo de caso de aplicação do modelo GCV Uma experiência no ensino secundário Análise da situação anterior à implantação do modelo GCV... 76

21 xxv Estrutura da escola Produção académica Conhecimento partilhado Gestão do conhecimento Métodos pedagógicos Sistemas de informação Infra-estruturas Descrição do equipamento activo de dados Necessidades futuras Implantação do modelo GCV Motivação Infra-estruturas do modelo GCV Processo de implantação da experiência Descrição da experiência com o modelo GCV Benefícios da utilização da intranet Problemas de implantação Aumentando a eficiência e a participação Da colaboração para a eficiência Conclusões Conclusão Síntese do trabalho Principais contributos Trabalhos futuros Conclusão Bibliografia Anexos Glossário Programas que promovem o ensino secundário Ferramentas colaborativas para gestão do conhecimento Ecrãs dos vários serviços disponibilizados na intranet...155

22 xxvi Índice de Figuras Figura 1.1. Estrutura da dissertação... 5 Figura 2.1 Crescimento do número de servidores na Internet... 9 (Fonte: Internet Software Consortium; - consultado em )... 9 Figura 2.2 Crescimento do número de utilizadores na Internet por países (Fonte: The Internet Monitor; - consultado em ) Figura 2.3 Ritmo de crescimento de servidores na Internet Figura 2.4 Evolução do número de acessos à Internet em Portugal (Fonte: Marktest; - consultado em ) Figura 3.1 Processo de conversão do conhecimento numa organização (Nonaka e Takeuchi, 1995) Figura Princípio básico da Qualidade Total (Castro, 1995) Figura Relação entre o desempenho individual e organizacional, a aprendizagem colaborativa e as tecnologias de aprendizagem em grupo (Cooper et al, 1998) Figura 3.4 Esquema simplificado de intranet e extranet Figura 3.5 Rede Colaborativa (http://www.cni.org, consultado em ) Figura Curva "S" representando a adopção de uma inovação ao longo do tempo Figura Curva da capacidade do indivíduo em ser inovador (adaptado do Rogers, 1995) Figura 4.1 Visão tridimensional do modelo GCV Figura 4.2 Objectivos concorrentes na gestão da implantação do modelo Figura Diagrama de blocos funcionais Figura 5.1 Home Page da Escola Secundária Emídio Navarro (consultado em ) Figura 5.2 Esquema geral de interligações do equipamento activo de dados da ESEN Figura 5.3 Página principal da Intranet Figura 5.4 Notícias de interesse para a escola Figura 5.5 Calendário das actividades na ESEN Figura Acesso ao SIP em função do cargo exercido na ESEN Figura 5.7 Dados biográficos do aluno Figura 5.8 Informação dos alunos acedida pelo professor Figura 5.9 Registo biográfico do professor... 92

23 xxvii Figura 5.10 Informação estatística da turma...92 Figura 5.11 Ficha do aluno...92 Figura 5.12 Recursos pesquisáveis por temas...93 Figura 5.13 Recursos para download...93 Figura 5.14 Horário da turma...94 Figura 5.15 Preenchimento de uma convocatória Figura 5.16 Convocatória em linha...94 Figura interno da Escola Secundária Emídio Navarro Figura 5.18 Assuntos do Fórum O Euro e a Cidadania Europeia Figura 5.19 Página inicial do ambiente AulaNet...99 Figura A1 - Evolução do número médio de acessos diários à Internet nas Escolas...142

24 xxviii Índice de Tabelas Tabela 3.1 Análise comparativa entre os modelos tradicional e construtivista Tabela Endereços Web de sistemas de e-learning Tabela 3.3 Endereços Web de instituições ligadas ao ensino secundário que utilizam elearning46 Tabela Comparação de serviços e ambientes de ensino baseados na Web (Adaptado de Lima, 1999) Tabela 3.5 Benefícios das intranets (Adaptado de Machado, 1999) Tabela 4.1 Aspectos contextuais Tabela 4.2 Definição da plataforma da intranet Tabela 5.1 Recursos humanos da ESEN Tabela Espaços físicos da ESEN Tabela 5.3 Acessos à intranet por grupo disciplinar Tabela 5.4 Benefícios funcionais da utilização da intranet Tabela 5.5 Benefícios em termos pedagógicos da utilização da intranet

25 Capítulo 1: Introdução 1 Capítulo 1 1 Introdução 1.1 Introdução Neste mundo em que vivemos, os indivíduos e instituições (organizações, comunidades locais, cidades e nações) sentem uma constante necessidade de adaptação à mudança (Visser, 1997), mudança que ocorre de forma acelerada e que torna impossível planear a educação como se fosse uma sequência de eventos lineares. A força transformadora resulta da globalização da indústria, finanças, mercados, meio ambiente e TIC (Strong, 1996). Esta força arrasta a humanidade para uma aldeia global, onde os acontecimentos que ocorrem numa parte do globo podem afectar profundamente as restantes partes. Em simultâneo, presenciamos a evolução das TIC e, de um modo particular, na área da educação. As TIC ligam cada vez mais as pessoas à escala mundial, permitindo a criação e troca de grandes quantidades de informação e um aumento do conhecimento colectivo, cumprindo tarefas de complexidade há pouco tempo difíceis de concretizar.

26 Capítulo 1: Introdução 2 Estas constatações reflectem mudanças importantes em três áreas: novos estilos de gestão, evolução das TIC e novas tendências e possibilidades na educação. Todas as áreas evidenciam a tendência da colaboração, que permitem formular a seguinte tese: uma maior ênfase na abordagem colaborativa ajuda os indivíduos e instituições a aprenderem continuamente e a lidarem com as novas exigências da sociedade da informação e do conhecimento. No contexto da sociedade da informação, as escolas serão obrigadas a gerir eficientemente o conhecimento e a informação. Este requisito leva-as, por vezes, a passar por um processo de reengenharia, procurando novas formas de gerir capital e recursos humanos. Perante esta necessidade de reestruturação, as escolas procuram adoptar princípios de colaboração entre os seus elementos e técnicas de GC, qualidade total e aprendizagem organizacional, com vista a alcançar uma melhoria contínua. Assumindo os vários desafios propostos pela Sociedade da Informação, no contexto da Educação, é principal objectivo da abordagem colaborativa à gestão do conhecimento identificar benefícios da abordagem colaborativa e dos ambientes Internet, para optimizar um modelo educacional que vise melhorar a GC numa escola do ensino secundário. Para conseguir este desiderato, é necessária a construção de soluções tecnológicas eficazes, com custos reduzidos e que rentabilizem os equipamentos existentes, onde a participação da comunidade educativa é um elemento indispensável para se atingir o seu sucesso. 1.2 Justificação do tema do trabalho O novo regime de autonomia, administração e gestão de estabelecimentos de educação préescolar e dos ensinos básicos e secundários (decreto-lei 115A/98) 1 é a base da concretização do presente trabalho. Com este decreto-lei surgem novas e importantes responsabilidades para os órgãos de gestão, e é incentivado o empenho dos profissionais da educação conducentes à promoção e dinamização de 1 Decreto-Lei 115A/98 de 4 de Maio de 1998.

27 Capítulo 1: Introdução 3 projectos em áreas disciplinares e curriculares não disciplinares (projecto ou projecto tecnológico). Procura-se integrar saberes e competências no domínio das TIC que permitam oferecer aos jovens a formação técnica necessária a uma sociedade de informação e do conhecimento. Um dos objectivos do ensino secundário é promover o domínio de ferramentas de informação e comunicação que facilitem e promovam a integração das TIC nas várias disciplinas e na área de projecto, razão pela qual esses saberes e competências devem cruzar transversalmente todo o currículo. Esta constatação foi uma das motivações deste trabalho. Uma outra motivação relaciona-se com a aprendizagem organizacional. A escola atinge a melhoria contínua quando permite a participação de todos os elementos e incute uma cultura de colaboração. Para atingir estas metas é necessário dar mais atenção à GC e aproveitar melhor as TIC existentes na escola, alterando a estrutura organizacional e o modelo pedagógico tradicional. Neste processo, as ferramentas ligadas à Internet favorecem aspectos cognitivos e sociais da abordagem colaborativa. A constatação de todos os factores apresentados deu origem à construção e implantação do modelo GCV que permitirá a modernização administrativa e pedagógica de uma escola do ensino secundário. A implementação dos módulos do respectivo modelo, excepto o módulo de ensino a distância, estarão a cargo de um grupo de trabalho da intranet(gti), formado por professores da escola, pelo que contribui para fomentar a colaboração entre os seus membros e reduzir os custos da implantação. O modelo GCV apresentado neste trabalho é único a nível nacional, conforme se verificou após contactos com o Departamento de Avaliação Prospectiva e Planeamento e Departamento do Ensino Secundário do Ministério da Educação, unidade de apoio à rede telemática educativa (uarte) do Ministério da Ciência e da Tecnologia, Centro de Competências Nónio e Grupo de Supervisão Pedagógica da Escola Superior de Educação de Viseu, aumentando a motivação que impulsionou este trabalho. Após o início deste estudo, o Ministério da Educação criou o grupo coordenador dos programas de introdução, difusão e formação em TIC 2, que apresentou um conjunto de linhas orientadoras que vão ao encontro dos objectivos do presente trabalho. Esse grupo tem, como principal 2 Despacho nº 16125/2000, de 8 de Agosto de 2000

28 Capítulo 1: Introdução 4 missão, a articulação das várias medidas e iniciativas lançadas pelos respectivos serviços do Ministério da Educação e, por outro lado, levar a cabo a elaboração de um plano nacional TIC para a Educação, a desenvolver ao longo de (ME, 2002). 1.3 Processo de investigação Pode definir-se investigação como o processo sistemático e organizado de analisar um determinado problema que necessita de resolução (Sekaran, 1992). O problema que se pretende resolver nesta dissertação prende-se com a dificuldade de implementar uma cultura de colaboração e de melhorar a GC numa escola do ensino secundário, colocando como hipótese plausível para a sua solução, a implantação do modelo GCV. O processo de investigação iniciou-se com uma revisão de fontes de informação que fundamentasse o actual estado das seguintes áreas: vantagens e inconvenientes da abordagem colaborativa; análise das ferramentas colaborativas da Internet e ambientes virtuais; caracterização do groupware e a abordagem colaborativa; promoção da utilização da Internet como fonte de informação e meio de expressão; e melhoramento da comunicação entre professores e alunos. Uma segunda etapa da investigação culminou com a construção do modelo GCV e correspondente implantação numa escola do ensino secundário. O modelo GCV disponibiliza ferramentas personalizadas que proporcionam a GC e aumentam a produtividade com qualidade, desenvolvendo e adequando ainda uma cultura colaborativa entre alunos e professores, assim como a utilização de diferentes ferramentas Internet. Por fim, apresentam-se os resultados da experiência, que evidenciaram problemas e benefícios da implantação do referido modelo. A metodologia seguida nesta dissertação baseia-se na combinação entre a pesquisa, a interpretação e a participação, que depende da forma como o autor vê e interpreta a descrição da implantação, o que implica que o resultado de um estudo de caso seja subjectivo, baseado em interpretações e opiniões.

29 Capítulo 1: Introdução Estrutura da dissertação A presente dissertação está estruturada em seis capítulos, como é apresentado na figura 1.1. Capítulo 1: Introdução O problema e a solução Rev isão das f ontes de inf ormação Capítulo 2: A Sociedade da Inf ormação Capítulo 3: Integração da abordagem colaborativ a em ambientes Internet Capítulo 4: Modelo GCV Capítulo 5: Estudo de caso de aplicação do modelo GCV Capítulo 6: Conclusão Figura 1.1. Estrutura da dissertação O primeiro capítulo resume o trabalho desenvolvido. Faz-se um enquadramento do trabalho, identificando o problema e aponta-se uma solução. Seguidamente justificam-se as razões deste trabalho, apresenta-se a motivação que levou ao seu desenvolvimento e identificam-se os objectivos a atingir.

30 Capítulo 1: Introdução 6 Ao longo dos capítulos 2 e 3 apresenta-se uma revisão de fontes de informação que foram a base para a construção e implantação do modelo GCV descrito no capítulo 4. O capítulo 2 apresenta os principais desafios da Sociedade da Informação relacionados com a Educação. São focados aspectos ligados ao papel do professor e do aluno, e aspectos genéricos sobre sistemas de informação relacionados com o ensino secundário. O capítulo 3 explora a fundamentação teórica da colaboração a nível individual e organizacional. Apresenta uma visão geral da utilização dos serviços Internet no ensino-aprendizagem actual e uma análise comparativa de alguns ambientes e-learning. O capítulo 4 apresenta o modelo GCV que visa melhorar a colaboração e a GC numa escola do ensino secundário. O modelo apresentado está fundamentado segundo uma análise tridimensional segundo as dimensões contexto, conteúdo e infra-estruturas. O capítulo 5 descreve um estudo de caso onde se analisa a situação actual de uma escola do ensino secundário e relata uma experiência de implantação do modelo GCV, apresentando benefícios, problemas e sugestões de melhoria. Todas as ferramentas disponibilizadas nesta implantação, à excepção do módulo de ensino a distância, foram construídas de raiz pelo GTI com vista a satisfazer as necessidades dos elementos da comunidade escolar. Finalmente apresentam-se, no capítulo 6, as conclusões do trabalho. Faz-se uma síntese de todo o trabalho, discutem-se os resultados obtidos, avaliando-se o grau de satisfação dos objectivos, e apontam-se futuros trabalhos de investigação.

31 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 7 Capítulo 2 2 A Sociedade da Informação 2.1 Introdução Uma sociedade em constante mudança coloca um desafio permanente ao sistema educativo. As TIC, os processos de aprendizagem e os métodos organizacionais são factores importantes dessa mudança acelerada, a que o sistema educativo tem que ser capaz de dar resposta rápida, antecipar ou mesmo promover. Neste capítulo serão abordados os desafios colocados à Sociedade da Informação no contexto Europeu, em particular no contexto nacional, relacionados com a educação. São focados aspectos ligados ao novo papel do professor e do aluno, levando à reformulação do processo de ensinoaprendizagem, bem como aspectos genéricos sobre sistemas de informação relacionados com o ensino secundário. De seguida constata-se a importância da tecnologia educativa na Educação, como elemento fundamental para redefinir o processo de aprendizagem e os métodos organizacionais. Privilegiam-se ambientes Internet como meio de difusão do saber requerido pela Sociedade da Informação.

32 Capítulo 2: A Sociedade da Informação O que é a Sociedade da Informação Do Livro Verde para a Sociedade da Informação em Portugal, podemos retirar a seguinte definição : (...) «Sociedade da Informação» refere-se a um modo de desenvolvimento social e económico em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na actividade económica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e das suas práticas culturais. (Ministério da Ciência e da Tecnologia, 1997) É evidente que a actual Sociedade da Informação é controlada pela informação e pelas técnicas que lhe estão associadas. Em 1994, a União Europeia promoveu a realização de um estudo acerca da Sociedade da Informação e os resultados desse estudo, sob a forma de recomendações, foram publicados num relatório que ficou conhecido como relatório Bangemann (Comissão Europeia, 1994). Este estudo começa por analisar a revolução em curso, comparando-a à revolução industrial, e definindo-a como uma revolução baseada na informação, caracterizando a informação como a expressão do conhecimento humano. Por outro lado, constata que o progresso tecnológico permite o processamento, o armazenamento, a recuperação e a comunicação da informação independentemente do formato desta (oral, escrita ou visual), sem quaisquer limites de distância, tempo ou volume. Esta revolução acrescenta uma enorme capacidade à inteligência humana e constitui um recurso que está a mudar o modo como trabalhamos e vivemos, sendo possível aproveitar a sociedade da informação para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos da Europa, a eficiência das organizações sociais, económicas e de reforçar a coesão. Na Europa, e particularmente em Portugal, está a alterar a sociedade a todos os níveis. A prova desta revolução presenciamo-la na evolução vertiginosa da Internet em praticamente todo o mundo, como se pode observar no seguinte gráfico.

33 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 9 Evolução do número de servidores na Internet Nº de servidores (x 10 6 ) Anos Figura 2.1 Crescimento do número de servidores na Internet (Fonte: Internet Software Consortium; - consultado em ) Comparando a evolução do número de servidores à Internet, entre 1991 e 2002, podemos perceber que, em 1991, esse número comparando com o actual era muito baixo. Em 1997, observa-se um impressionante crescimento do número de servidores à Internet. Segundo a Nua Internet Surveys, até Fevereiro de 2002, o número de utilizadores em todo o mundo ronda os 544,2 milhões e, de modo particular, nos Estados Unidos América e no Canadá ronda os 181,23 milhões e na Europa 171,35 milhões 3. Nos Estados Unidos América, onde nasceu a Internet, esta evolução foi mais intensa em relação aos outros países. Esta evolução não se deu somente nos Estado Unidos, outros países tiveram crescimentos significativos como apresenta a figura Dados actualizados periodicamente sobre a Internet podem ser encontrados em diversas fontes, em particular : entre outros (consultado em ).

34 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 10 Cescimento do número de utilizadores na Internet por países 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% Suécia Noruega Dinamarca P. Baixos Suíça Finlândia Áustria Alemanha França Bélgica Itália Espanha Portugal Europa Figura 2.2 Crescimento do número de utilizadores na Internet por países (Fonte: The Internet Monitor; - consultado em ) Porém é importante aprofundar esta visão em cada país para se entender o quanto e como se dá essa expansão. Informações baseadas em médias de ligação, revelam que as diferentes camadas sociais não têm acesso à Internet de forma igual. Como exemplo, Portugal demonstra esta situação. O crescimento deu-se de forma vertiginosa, entre 1995 e 1999, apresentando uma taxa média anual de 62%, superior às da União Europeia (52%) e da OCDE (50%) 4. Servidores Internet por mil habitantes 25% 20% 15% 10% 5% 0% Portugal Média da EU Média da OCDE Figura 2.3 Ritmo de crescimento de servidores na Internet Em Portugal verifica-se o crescimento do número de domínios o que pode ser um indicador desse crescimento. A taxa média de crescimento anual do número de domínios ronda os 125%, indicando o interesse das instituições portuguesas pela Internet 4. O número de utilizadores em 4 Dados disponíveis em (consultado em )

35 Capítulo 2: A Sociedade da Informação 11 Dezembro de 2001 rondava os três milhões e meio, dos quais 20,4% tem acesso à Internet em casa e 9,1% tem acesso a partir da escola 5. Acessos à Internet e Portugal 40,0% 30,0% 36,5% 20,0% 10,0% 0,0% 6,8% Set/Dez 1996 Jan/Mar 2001 Figura 2.4 Evolução do número de acessos à Internet em Portugal (Fonte: Marktest; - consultado em ) Constatando esta evolução e seguindo o propósito deste trabalho, o processo de construção da Sociedade da Informação e do Conhecimento em Portugal passa por uma oportunidade histórica para promover um salto qualitativo no plano da educacional. Desta forma, o ensino actual depara-se com novas exigências e desafios. O modo de gerir a informação tem que passar por um processo de transformação que leve a escola à produção de novo conhecimento e novos cenários de aprendizagem. 2.3 Desafios da Sociedade da Informação A revolução da informação permite antever profundas transformações na forma como se encara a sociedade, a sua organização e estruturas, criando um desafio maior. Este desafio tem duas alternativas: aproveitam-se as oportunidades dadas e superam-se os potenciais riscos ou desprezam-se, ficando sujeito às mudanças com todas as incertezas que daí possam advir. 5 Dados disponíveis em - Marktest, Bareme-Internet, (consultado em )

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto Virgínia Moreira Dias vmrmd@ddinis.net Sónia Rolland Sobral sonia@upt.pt Universidade Portucalense, Porto Resumo A integração

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais