Revista Científica COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Científica COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO"

Transcrição

1 Revista Científica COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO

2 FACULDADES INTEGRADAS ICE INSTITUTO CUIABANO DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REVISTA CIENTÍFICA COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO CUIABÁ

3 Apresentação As iniciativas pela democratização do conhecimento é um benefício ímpar na tarefa de aperfeiçoamento e evolução da humanidade. Atualmente, a Ciência da Computação tem sido um suporte essencial ao desenvolvimento das profissões e do conhecimento em diversas áreas da Tecnologia da Informação. A Revista Científica Computação em Evolução, conta com publicação de artigos produzidos pelos alunos curso de Ciência da Computação do ICE, avaliados e selecionados pelo Comitê Cientifico formados por professores do próprio curso e professores convidados. Assim, a difusão do conhecimento fará com que o nosso corpo acadêmico marche rumo ao excelência. É com este espírito que lançamos a Computação em Evolução, a Revista Científica da Computação do ICE. A Computação em Evolução será mais um veículo de disseminação do conhecimento em Ciência da Computação especialmente aquele produzido no seio de nossa Faculdade. Atenciosamente, Prof º Andersown Becher Paes de Barros Coordenador do Curso de Ciência da Computação - ICE 3

4 Sumário Realização...1 Comissão organizadora...2 Comitê Científico... 3 Cronograma e previsão dos trabalhos do comitê científico... 4 Artigos Aceitos...5 4

5 Realização 5

6 Comissão organizadora Prof. Andersown Becker Coordenador do Curso Faculdades ICE Prof. Leonardo Luiz Braun Professor do Curso Faculdades ICE Prof. Edie Correia Santana Professor do Curso Faculdades ICE 6

7 Comitê Científico Prof. Andersown Becker Coordenador do Curso Faculdades ICE Prof. Leonardo Luiz Braun Professor do Curso Faculdades ICE Prof. Edie Correia Santana Professor do Curso Faculdades ICE Profª. MSc. Luciano Barco Assessor de Eventos e Coordenador de Horas Atividades do Curso de Ciência da Computação UNEMAT/Barra do Bugres 7

8 Cronograma e previsão dos trabalhos do comitê científico 10/09/2013 e Aceite dos Resumos: 30/09/2013 8

9 Professores Orientadores Prof. Andersown Becker Coordenador do Curso Faculdades ICE Prof. Leonardo Luiz Braun Professor do Curso Faculdades ICE Prof. Edie Correia Santana Professor do Curso Faculdades ICE 9

10 Artigos Aceito SINCRONIZAÇÃO DE CONTATOS TELEFÔNICOS EM ANDROID PEREIRA, Jonathan da Silva 1 SANTANA, Edie Correia 2 BRAUN, Leonardo Luiz 3 BARROS, Andersown Becher Paes de 4 ICE INSTITUTO CUIABANO DE EDUCAÇÃO Resumo O desenvolvimento para dispositivos móveis tem ganhado força e destaque diante do cenário de expansão da mobilidade. Com mais de um dispositivo por pessoa a necessidade de convergir às informações se tornará ainda mais interessante para organizá-las e centralizá-las (TAURION 2011, p. 4). A necessidade de integração entre aplicações torna-se uma necessidade de mercado, visto que a própria estrutura de telefonia celular em alguns estados do Brasil encontra-se com velocidade satisfatória para executar aplicações desenvolvidas de integração, fato que a cada ano vem ficando mais rápido e confiável (BORGES; MAURÍCIO, 2005). A fim de sanar estas necessidades, a tecnologia Webservices foi criada, permitindo assim, disponibilizar formas de integrar sistemas distintos, modularizar serviços e capacitar a integração e consumo de informações (MENÉNDEZ, 2002). Por isso, este estudo, tem por objetivo desenvolver um aplicativo utilizando a plataforma Android que faz a sincronização dos contatos telefônicos armazenados no aparelho 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação 2 Professor do curso de Ciência da Computação 3 Professor do curso de Ciência da Computação 4 Coordenador do curso de Ciência da Computação 10

11 com um Webservice, organizando e centralizando a informação que posteriormente pode ser acessado via web site. Palavras-chave: Android, Dispositivos Móveis e Sincronização de dados. 11

12 1. Introdução Com o mercado em alta, os dispositivos móveis têm evoluído de forma estrondosa nos últimos tempos, aumentando sua capacidade de processamento, memória, armazenamento, bateria e também na quantidade de recursos disponíveis. Segundo Schemberger ET AL (2009), esta evolução foi motivada pelo rápido crescimento no número de consumidores, uma pesquisa realizada pela (ANATEL, 2012) em abril de 2012 apontou que o Brasil tinha 252,9 milhões de linhas de celulares ativas. Uma pesquisa realizada pela Cisco em 2012 (CISCO, 2012) apontou que no final de 2012 a quantidade ultrapassou a população mundial e até 2016 haverão mais de 10 bilhões de unidades frente a uma população estimada de 7,3 bilhões. Nesse cenário, surge à plataforma Android, uma plataforma de código aberto para dispositivos móveis criados pela Google em parceria com a Open Handset Alliance (OHA). Os principais recursos dessa plataforma móvel são a máquina virtual otimizada, o navegador integrado e a biblioteca SQLite. O Google Android é inserido no mercado com o intuito de acelerar a inovação em dispositivos moveis e oferecer aos consumidores uma experiência mais rica, barata e melhor (GARGENTA, 2011). De acordo com Schemberger Et Al (2009) o android se destaca por ser a primeira plataforma para aplicação móvel, completamente livre e de código aberto. O desenvolvimento para dispositivos móveis tem ganhado força e destaque diante do cenário de expansão da mobilidade. Com mais de um dispositivo por pessoa a necessidade de convergir às informações se tornará ainda mais interessante para organizá-las e centralizá-las (TAURION 2011, p. 4). A necessidade de integração entre aplicações torna-se uma necessidade de mercado, visto que a própria estrutura de telefonia celular em alguns estados do Brasil encontra-se com velocidade satisfatória para executar aplicações desenvolvidas de integração, fato que a cada ano vem ficando mais rápido e confiável (BORGES, 2005). A fim de sanar estas necessidades, a tecnologia Webservices foi criada, permitindo assim, disponibilizar formas de integrar sistemas distintos, 12

13 modularizar serviços e capacitar à integração e consumo de informações (MENÉNDEZ, 2002). Taurion (2009, p. 5) relata que depois de uma era tecnológica caracterizada pela ascensão do computador pessoal (PC), estamos vendo o ressurgimento da centralização. Ele ainda afirma que A era que se aproxima deverá trazer maior consolidação do poder de computação, integrados em uma rede massiva de servidores, a Computação em Nuvem. Por isso, este estudo, tem por objetivo desenvolver um aplicativo que trabalhe sobre a plataforma Android capaz de se integrar com um Webservice para a sincronização de dados. 2. GC Gerenciador de Contatos O fruto deste estudo é uma aplicação para dispositivos móveis rodando na plataforma Android para o gerenciamento dos contatos telefônicos armazenados no dispositivo. Para desenvolvimento da aplicação em android foi utilizado o ambiente de desenvolvimento sugerido por Lee (2011), tal ambiente é composto por: Java SE Development Kit (JDK), IDE Eclipse, Android SDK e ADT Plugin para Eclipse, os quais serão descritos a seguir: Java SE Development Kit: É um kit de desenvolvimento Java mantido e disponibilizado pela Oracle; IDE Eclipse: É um ambiente integrado de desenvolvimento de código aberto e multiplataforma, permite o desenvolvimento de aplicações utilizando entre outras, a linguagem de programação Java, atualmente é mantido e disponibilizado pela Eclipse Foundation; Android SDK: É o kit de desenvolvimento para a plataforma Android, é composto por: emulador, depurador, documentação, bibliotecas, tutoriais e exemplos; 13

14 ADT Plugin para Eclipse: É uma extensão para o IDE Eclipse que auxilia a criação e depuração de aplicações para a plataforma Android. Para o desenvolvimento do Web Service em PHP foi utilizando o Dreamweaver com o framework Slim e JavaScript Object Notation (JSON) para a comunicação entre a aplicação e o Web Service Requisitos Funcionais Segundo Bezerra (2006, p. 20) o processo de levantamento de requisitos é a etapa onde ocorre a compreensão do problema aplicada ao desenvolvimento de software, nesta etapa os desenvolvedores em conjunto com os clientes definem as necessidades dos futuros usuários do sistema que será desenvolvido. O caso de uso ilustrado na figura 1 descreve todas as funcionalidades do aplicativo, que serão detalhadas nos quadros a seguir Caso de Uso O diagrama de casos de uso demonstra graficamente as funcionalidades do sistema e como ocorrem as interações entre o sistema e os agentes externos (atores) que o utilizam. As funcionalidades representadas pelos casos de uso devem contemplar os requisitos funcionais definidos na etapa de levantamento de requisitos (BEZERRA, 2006, p. 57). Na figura 1 é ilustrado o diagrama de casos de uso da aplicação desenvolvida com a utilização da ferramenta Astah. 14

15 Figura 1: Diagrama de Caso de Uso Fonte: Autoria própria Requisitos Não-Funcionais Para instalação do aplicativo se faz necessário ter um dispositivo móvel com o sistema operacional Android na versão 2.3 ou superior e acesso a internet para efetuar a sincronização dos contatos podendo ser 3G ou Wifi Modelo Conceitual Na figura 2 é ilustrado o modelo conceitual da aplicação e suas relações. 15

16 Figura 2: Modelo Conceitual Fonte: Autoria própria. Como pode ser visto na figura acima, o usuário efetua nenhum ou apenas um login, já o login pode ser efetuado por somente e unicamente um único usuário, e o usuário pode possuir um ou vários contatos e um contato pode possuir somente um usuário Arquitetura Na figura 3 é ilustrada a arquitetura do gerenciador de contatos cujo escopo abrange a plataforma móvel e web, na móvel uma aplicação com banco de dados SQLite rodando no sistema operacional android, na plataforma web um website em php onde ambos consumem o web service para enviar e receber informações que estão armazenadas em um banco de dados online em MySql, toda a arquitetura será detalhas a seguir. 16

17 Figura 3: Arquitetura Fonte: Autoria própria Aplicação Móvel As aplicações móveis desenvolvidas na plataforma android através do SDK são todas escritas em java e, por serem escritas em java necessitam de uma máquina virtual (VM) para interpretação e execução do código. O sistema operacional utilizado pelo Android, o Linux, provê a interface entre as aplicações escritas em Java e o hardware do dispositivo móvel através de uma VM customizada, chamada Dalvik, desenhada de forma que garante o funcionamento eficiente de várias instâncias em um único dispositivo (MEIER, 2010, p. 12). Lecheta (2010, p. 24) descreve: Ao desenvolver as aplicações para o Android, você vai utilizar a linguagem Java e todos os seus recursos normalmente, mas, depois que o bytecode (.class) é compilado, ele é convertido para o formato.dex (Dalvik Executable), que representa a aplicação do Android compilada. Depois disso, os arquivos.dex e outros recursos como imagens são compactados em um único arquivo com 17

18 a extensão.apk (Android Package File), que representa a aplicação final, pronta para ser distribuída e instalada Banco de Dados O diagrama entidade- relacionamento do aplicativo é representado pela figura 4 e foi desenvolvido com a utilização da ferramenta DBDesigner, este diagrama representa graficamente o modelo de dados de um sistema (PRESSMAN, 2006, p. 151). Figura 1: Diagrama de Entidade-Relacionamento do BD da Aplicação Fonte: Autoria própria Telas As figuras listadas a seguir são telas da aplicação sendo executado no emulador fornecido pelo SDK do android Autenticação do Usuário Para que o usuário possa acessar a aplicação é necessário possuir um cadastro com e senha para efetuar o login, ao tentar efetuar o login é acionado o método verifcausuario do web service, caso retorne o código do usuário o sistema registra o login e a tela de listagem de contatos é chamada, passando para ela o código do usuário para que seja listado apenas os contato do usuário logado na aplicação. Uma vez logado a aplicação não solicitara novamente sua autenticação. 18

19 Também é possível acessar a aplicação sem registrar o login porém ao sair e entrar novamente na aplicação será solicitado novamente sua autenticação, para isso basta clicar no botão mantenha-me conectado que seu texto irá mudar para não, mantenha-me conectado feito isso, preencha os campos e- mail e senha e clique no botão acessar. Caso não possua cadastro é possível fazer o cadastro clicando no botão novo e a tela de cadastro de usuário será chamada com um pequeno formulário. Figura 2: Tela de Autenticação do Usuário Fonte: Autoria própria Cadastro de Usuário Simples formulário para cadastro onde todos os campos são obrigatórios, ao preencher os campos e pressionar o botão cadastrar é acionado o método addusuario do web service enviando um objeto usuário em JSON para ser cadastrado após o envio o web service se responsabiliza para persistir os dados retornando um código de usuário, se o retorno for zero então houve uma falha ao cadastrar o usuário. 19

20 Figura 6: Tela de Cadastro de Usuário Fonte: Autoria própria Listagem dos Contatos E a tela principal da aplicação exibe uma lista com todos os contatos, cada um com seu status, como podem ser visto na figura 7 os contatos está todos com circulo vermelho isso quer dizer que os contatos não estão sincronização, caso os contatos estivessem sincronização a cor do circulo estaria em azul. O menu superior possui todas as funcionalidades da aplicação, Excluir, Atualizar, Enviar, Receber e Logof todas descritas logo a baixo: Excluir, executa o método ExcluirContatos, responsável por excluir todos os contatos armazenados na aplicação sem afetar os contatos já armazenados no aparelho e no web service; Atualizar, executa o método AtualizarContatos, responsável por atualizar os contatos da aplicação, antes de atualizar os contatos este método aciona o método podeatualizar que verifica se a quantidade de contatos não sincronizados na aplicação é igual a quantidade de contatos armazenados no aparelho, se retornar negativo então atualiza os contatos; 20

21 Enviar, executa o método EnviarContatos, responsável por comunicar-se com o web service e enviar os contatos da aplicação para o web service persisti-los no banco de dados online. Receber, executa o método ReceberContatos, responsável por comunicar-se com o web service, e solicitar todos os contatos e armazena-los na aplicação. Figura 7: Tela de Listagem de Contatos Fonte: Autoria própria Web Service O servidor Web Service é o agente responsável por manter os dados sincronizados entre as duas bases de dados, a base off-line da aplicação e a base de dados online. Como visto na figura 3 o Web Service possuí 4 métodos que serão detalhados posteriormente Método addcontato Utiliza o método HTTP (POST), é responsável por adicionar os contatos enviados pela aplicação. 21

22 Método addusuario Utiliza o método HTTP (POST), é responsável por adicionar os usuários enviados pela aplicação Método verificausuario Utiliza o método HTTP (POST), é responsável por verificar se o usuário que esta tentando efetuar login na aplicação existe Método getcontatos Utiliza o método HTTP (GET), é responsável por fornecer a aplicação uma lista de todos os contatos de um determinado usuário informado na solicitação Banco de dados Na figura 8 pode ser visto o diagrama de entidade-relacionamento do banco de dados online, ilustrando suas tabelas e seus relacionamentos. Figura 3: Diagrama de Entidade-Relacionamento do BD Online Fonte: Autoria própria Aplicação Web A figura 9 exibe a interface web do gerenciado de contatos, exibindo nome e telefone de cada contato ordenados em ordem alfabética com a possibilidade de filtrar os contatos pelo nome. 22

23 Figura 4: Interface Web Fonte: Autoria própria. 3. Conclusão O objetivo deste estudo foi através das tecnologias existentes, desenvolver uma aplicação capaz de integrar os contatos telefônicos armazenados no aplicativo móvel com uma base dados online, fazendo-se uma cópia de todos os contatos criando assim uma redundância de dados para garantir uma maior disponibilidade dos dados. Visto que a tendência tecnologia da atualidade é que tudo se conecte independente de fabricante, plataforma ou linguagem. As aplicações voltadas para uso da internet são muitas e crescem cada dia mais, influenciados pela velocidade da internet móvel que já é suportável pelos usuários. Como resultado obteve-se uma aplicação baseada na plataforma Android, simples, porém completa no sentido de integrar-se com a web, como foi o caso da utilização do RESTfull e JSON para desenvolver e consumir recursos gerados pelo web service. A partir deste estudo é possível aprimorar a aplicação desenvolvida, agregando-a mais recursos, tais como: Exibir os contatos agrupando-os por grupo; Melhorar a interface da aplicação tornando-a visualmente mais limpa e rápida; 23

24 Possibilitar a inserção, alteração e exclusão de contatos tanto na aplicação quando na interface web; Desenvolver um módulo para desktop; Poder compartilhar os contatos de um usuário com vários outros usuários de um determinado grupo, tal recurso necessários para empresas com bastantes funcionários. 4. Referências BEZERRA, Eduardo. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML. Rio de Janeiro: Campus, p. BORGES, Júnior; MAURÍCIO, Pereira. Aplicativos Móveis: Aplicativos Para Dispositivos Móveis, Usando C#.NET com a Ferramenta Visual Studio. NET e com Banco de Dados MySQL e SQL Server. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., CISCO. Cisco Visual Networking Index: Global Mobile Data Traffic Forecast Update, Disponível em: <http://www.cisco.com/en/us/solutions/collateral/ns341/ns525/ns537/ns705/ns 827/white_paper_c html> Acesso em: 07 jul GARGENTA, M. Learning Android. Sebastopol: O Reilly Media, LECHETA, Ricardo R. Google Android Aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o Android SDK. 2. ed. São Paulo: Novatec, LEE, Wei-Meng. Beginning Android Application Development. Indianapolis, Estados Unidos: Wiley Publishing, p. MEIER, Reto. Professional Android 2 Application Development Wrox professional guides. 2. ed. USA: John Wiley & Sons, MENÉNDEZ, Andrés Ignácio Martínez. Uma ferramenta de apoio ao desenvolvimento de Web Services. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, curso de Pós-Graduação em Informática,

25 OHA. Industry Leaders Announce Open Platform for Mobile Devices Disponível em: <http://www.openhandsetalliance.com/press_ html> Acesso em: 21 jun PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 6. ed. Rio de Janeiro: McGraw Hill, SCHEMBERGER, Elder E.; FREITAS, Ivonei; VANI, Ramiro. Plataforma Android. Jornal Tech, [S.l.], n. 1, não paginado, ago Disponível em: <http://www.jornaltech.com.br/wpcontent/uploads/2009/09/artigo_android.pdf>. Acesso em: 18 abr TAURION, Cezar. Computação em nuvem: transformando o mundo da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Brasport, REDES CONVERGENTES: COMPARTILHAMENTO COMPACTO E PLANEJADO DA INFORMAÇÃO SILVA, José Rubens da 5 BRAUN, Leonardo Luiz 6 BARROS, Andersown Becher Paes de 7 SANTANA, Edie Correia 8 ICE INSTITUTO CUIABANO DE EDUCAÇÃO RESUMO 5 Acadêmico do curso de Ciência da Computação 6 Professor do curso de Ciência da Computação 7 Coordenador do curso de Ciência da Computação 8 Professor do curso de Ciência da Computação 25

26 Redes convergentes é uma topologia destinada ao uso facilitado das diversas tecnologias existentes nos dias hoje. O uso dessa arquitetura está destinado a grandes e pequenas empresas, isto por que o uso da mesma torna fácil a tarefa de gerenciar uma rede, tanto estrutural quanto organizacional, se tratando das pessoas responsáveis pelo gerenciamento da mesma. Todas essas facilidades bem como seus benefícios estão relacionados com o agrupamento de diversas tecnologias em uma mesma estrutura, ou seja, não há necessidade de diversas arquiteturas para realizar várias tarefas, ao contrário disso se tornou compacta a forma como isso é feito com uso convergente da tecnologia. O transporte de informação de diversos tipos agora pode ser feito em um mesmo meio de transmissão. Essa tarefa é realizada por uso de um protocolo de transporte capaz de transportar diversos tipos de dados com máxima eficiência, tanto na agilidade de entrega das informações como a garantia da mesma. Tudo deve ser feito com um planejamento organizado e inteligente, de forma a evitar o máximo de falhas possíveis. Palavras chave: Rede Convergente, Gerência de Rede, Protocolo de Transporte. 1.1 INTRODUÇÃO A comunicação via Internet tornou-se parte fundamental na vida das pessoas facilitando suas atividades no dia-a-dia. A WWW (World Wide Web) contém informações sobre assuntos tão diversificados como hipertextos, imagens, sons e vídeos, condições atmosféricas, produção de grãos, preços de ações e informações sobre tráfego aéreo, entre outras. Grupos estabelecem listas de correspondência eletrônicas de modo que possam compartilhar informações de interesse em comum. Colegas de profissão trocam correspondência de negócios eletronicamente, e parentes trocam saudações pessoais (Douglas E. COMER, 2005). Na década de 1980, uma tecnologia foi criada para tornar possível interconectar muitas redes físicas divergentes e opera-las como uma unidade coordenada. Conhecido como interligação de redes (Internetworking), a tecnologia forma a base para internet, acomodando várias tecnologias de hardware básicas, oferecendo um modo de interconectar as redes e definindo um 26

27 conjunto de convenções de comunicação que as redes utilizam para interoperar (Douglas E. COMER, 2005). Convergência tecnológica é o agrupamento de diversas tecnologias usada para diferentes tipos de utilidades, ou seja um tempo atrás usávamos diversos meios de tecnologias que nos auxiliavam nos comprimentos de nossas atividades, seja ela profissional ou em meio a uso particular. Por sua vez, a convergência veio a fim de colocar um fim em diversas tecnologias que eram usadas para realizar apenas uma tarefa. Sendo assim, com o agrupamento dessas tecnologias, se tornou eficiente o modo em que as pessoas passaram a se comunicar e realizar suas tarefas em uma mesma estrutura tecnológica. Trazendo o conceito e aplicação para redes de computadores, isso significa que teremos então o transporte dessas informações, seja ela de qualquer tipo em um mesmo padrão, isto é, em um mesmo protocolo de transporte. Será colocado uma dissertativa dos diversos conceitos e comparações entre tecnologias já consagradas e implantadas no estado da arte com a promissora abordagem convergente, isso trará uma visão mais transparente e didática sobre o uso desta tecnologia convergente. 1.2 REDES CONVERGENTES: MOTIVAÇÃO A tecnologia está cada vez mais ligada a vida das pessoas e por meio dela, é compartilhado milhões de dados todos os dias. Para que essas informações seja compartilhada de forma segura, rápida e ao mesmo tempo fornecer capacidade de transportar vários dados em um único clique, é preciso que haja planejamento aprofundado e, tecnologia capaz de suportar este tipo de serviço. 1.3 MPLS O protocolo MPLS (Multiprotocol Label Switching) trabalha com comutação por rótulo. Isso implica diretamente na capacidade de transporte de variados tipos de dados em uma mesma estrutura tecnológica, ou seja é possível fazer com que vários de dados, sejam transmitidos com segurança, velocidade e escalabilidade no mesmo canal de comunicação. 27

28 A utilização da tecnologia IP deverá ser a principal ferramenta adotada pelos prestadores de serviço. Assim, se colocada para trabalhar juntamente com a tecnologia MPLS, teremos então a possibilidade de juntar vários tipos de informações facilitando as comunicações de dados, voz e vídeos e consequentemente gerando economia tecnológica para as operadoras. De acordo com Pepelnjak e Guichard Por padrão, o protocolo IP possui como base para encaminhamento de pacotes a análise do endereço IP de destino existentes no cabeçalho do pacote da camada de rede. Este processo também é tradicionalmente chamado de hop-by-hop packet forward. Para obter segurança, eficiência de transmissão no quesito velocidade e escalabilidade, o MPLS usa rótulos (Labels) de tamanho fixo. Desta forma o transforma em um protocolo de camada dois e meio. De acordo com José Mario Oliveira, Rafael Dueira Lins e Roberto Mendonça O fato de MPLS ser, por essência, uma tecnologia de camada dois e meio isto porque adiciona um cabeçalho de 32 bits (que contém um rótulo) entre as camadas de enlace de dados e redes (dois e três do modelo OSI), dessa forma trabalhando com a tecnologia IP provocou uma significante evolução nas tecnologias de núcleo da rede, sendo extremamente fácil de operar, oferecendo muitos mecanismos de controle e gerência de tráfego e provocando um melhor uso do meio físico. Nas redes convencionais, uma parte extra é colocada no cabeçalho IP, o rótulo MPLS, conhecido como cabeçalho de calço (Shim Header). Sua localização fica entre o cabeçalho IP e o cabeçalho da camada de enlace, isso implica em um encapsulamento genérico. 28

29 De acordo com Kurose, J. F. e Ross, K. W. Para aumentar a eficiência da rede são utilizados roteadores que trabalhem exclusivamente na leitura de rótulos e encaminhamento dos pacotes, fazendo análise e classificação do cabeçalho, e diminuindo o processamento nos roteadores principais da rede. 1.4 NECESSIDADES DO DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS O MPLS é sim uma tecnologia que promete revolucionar o mundo, desde o acesso a informação do usuário doméstico até o núcleo da Internet. Existem tecnologias já consagradas e bem fundamentadas que fazem o trabalho de roteamento de pacotes e cuidam com eficiência dos dados que cada pessoa gera ao transmitir uma informação. Entre elas, podemos citar a tecnologia Frame Relay que apesar de ser uma tecnologia relativamente antiga que, no estado da arte conseguimos encontrar tecnologia de melhor solução, contudo a tecnologia Frame Relay se mostrou eficaz no seu tempo de invento. De acordo com Manuel Santos, Vasco Lopes, Viriato Sérgio O Frame Relay é um serviço de comunicação de dados baseado na tecnologia de comutação de pacotes (packet switching), com velocidades de acesso desde 64 Kbps até 2 Mbps. É a solução ideal para interligação de redes dispersas geograficamente, onde seja necessário circular diferentes tipos de dados. Certamente, o Frame Relay permite que muitas aplicação utilizem essa tecnologia, bem como aproveitando dos seus benefícios, confiabilidade e eficiência no uso de banda. Porém, se formos pensar nos dias de hoje já teríamos muitos problemas a resolver devido ao grande volume de dados que 29

30 temos que gerenciar bem como a grande quantidade de usuários usando a rede de comunicação. Foi a partir do crescimento acelerado de usuários que houve a necessidade do desenvolvimento de uma tecnologia capaz de suprir a comunicação do momento, otimizando ainda mais o transporte de dados. As necessidades que pairavam no momento para um novo método de transporte de dados que culminou no surgimento do ATM. Contudo, foi alvo de evoluções na qual necessitávamos de alta velocidade, segurança e uma das mais fascinantes tecnologias que em um futuro bem próximo seria de fundamental importância, a convergência da informação. ATM é uma tecnologia de comunicação de alta velocidade, e pode ser usada para interligar redes locais (LAN), metropolitanas e de longa distância (WAN). Uma de suas vantagens inicias é que ela permite manipulação de dados, voz e vídeos. De acordo com Huber Bernal Filho Basicamente a tecnologia ATM fornece um meio para enviar informações em modo assíncrono através de uma rede de dados, dividindo essas informações em pacotes de tamanho fixo denominados células (cells). Cada célula carrega um endereço que é usado pelos equipamentos da rede para determinar o seu destino. A tecnologia ATM utiliza em seu processo de comunicação a comutação de pacotes, semelhante com a tecnologia Frame Relay. Isso proporciona uma maior facilidade no envio de informações com diferentes requisitos de tempo assim como funcionalidade, tendo como base sua eficiência no uso de banda, confiabilidade e suporte a aplicações que requerem classes de qualidade de serviços diferenciados, exemplo, a transmissão de voz. 30

31 A tecnologia ATM utiliza em suas transmissões a comutação por pacotes que à partir daí provê um serviço de transferência de dados orientado a conexão. Ao contrário das tecnologias X.25 e Frame Relay, a tecnologia ATM utiliza pacotes de tamanho fixo chamado de célula (cell). Uma célula possui 53 bytes, sendo 48 para informações úteis e 5 para o cabeçalho (Huber Bernal Filho, 2003). De acordo com Huber Bernal Filho Na tecnologia ATM as conexões de rede são de 2 tipos: UNI (User-Network Interface), que é a conexão entre equipamentos de acesso ou de usuário e equipamentos de rede, e NNI (Network Node Interface), que é a conexão entre equipamentos de rede. Analisando essas opções, na primeira delas a forma como estes serão tratados pela rede remete a importância de informações de tipos de serviços não relevantes. Já na segunda alternativa, as configurações de conexões virtuais entre os equipamentos de rede, remete o controle absoluto a conexão virtual na transmissão de dados. Contudo, podemos perceber que a variedade de tecnologia capaz de realizar o transporte de dados de forma correta e segura ultrapassa o nosso campo de visão. Veremos à seguir uma comparação entre as três principais tecnologia usadas nos dias de hoje bem como mostrar suas diferenças e vantagens em suas abordagens. 1.5 MPLS: TECNOLOGIA SOBRE TODAS AS OUTRAS É evidente que a necessidade nos dias de hoje nos leva a desenvolver novos métodos ou mesmo melhorar o que já temos em relação a eficiência de transmissão de dados. Isto se torna cada vez mais necessário se pensarmos na realidade brasileira com seus métodos de telecomunicações. Uma rede que ultrapassa os limites de custo com qualidade preocupante em relação ao resto do mundo. Com a tecnologia cada vez mais evoluída, é evidente que a informação é o objetivo de qualquer uso tecnológico. No entanto, precisamos 31

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX Manual do usuário Sumário Introdução... 3! Instalar o SIMET-BOX... 4! Primeiro acesso ao SIMET-BOX... 5! Estado Atual... 7! Visão Geral... 7! Gráficos... 8! Rede... 9! Rede sem fio... 9! Ativar rede sem

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER)

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) Conexões VPN SSL (Client to Server) 1- Introdução Uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) é, como o nome sugere, uma rede virtual,

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais