CCNA ICND2. Guia Oficial de Certificação do Exame Segunda Edição. Wendell Odom, CCIE Nº ii

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CCNA ICND2. Guia Oficial de Certificação do Exame Segunda Edição. Wendell Odom, CCIE Nº. 1624 ii"

Transcrição

1 CCNA ICND2 Guia Oficial de Certificação do Exame Segunda Edição Wendell Odom, CCIE Nº ii

2

3 CCNA ICND2 Guia Oficial de Certificação do Exame Segunda Edição Wendell Odom, CCIE Nº ii Rio de Janeiro.2008

4

5 CCNA ICND2 V Sobre o autor Wendell Odom, CCIE No 6614, já atua na indústria de comunicação em rede desde Atualmente, ensina as disciplinas de QoS, MPLS e CCNA para a Skyline Advanced Technology Services (http://www.skyline-ats.com). Wendell também trabalha como engenheiro de rede, consultor, engenheiro de sistemas, instrutor e desenvolvedor de cursos. É autor de todas as edições anteriores do CCNA Guia de Certificação do Exame, bem como do Guia de Cisco QoS Exam Certification Guide, Second Edition, Computer Networking First-Step, CCIE Routing and Switching Official Exam Certification Guide, Second Edition, e CCNA Video Mentor, todos da Cisco Press.

6 VI Introdução Sobre os revisores técnicos Teri Cook (CCSI, CCDP, CCNP, CCDA, CCNA, MCT e MCSE 2000/2003: Security) tem mais de 10 anos de experiência na indústria da TI, tendo trabalhado com diferentes tipos de organizações nos setores privados e do Departamento de Defesa, oferecendo conhecimento técnico avançado em segurança e rede no projeto e implementação de ambientes computacionais complexos. Desde a obtenção de seus certificados, Teri tem se comprometido, como instrutora, a levar treinamentos de qualidade em TI a profissionais da área. Como excelente instrutora que é, utiliza a experiência da vida real para apresentar tecnologias complexas de comunicação em rede. Como instrutora de TI, Teri ministra cursos da Cisco há mais de cinco anos. Stephen Kalman é instrutor em segurança de dados e autor (ou editor técnico) de mais de 20 livros, cursos e títulos da CBT. Seu mais recente livro é Web Security Field Guide, publicado pela Cisco Press. Além dessas responsabilidades, ele administra uma empresa de consultoria, a Esquire Micro Consultants, especializada na avaliação e resolução de problemas de segurança em rede. Kalman possui os certificados SSCP, CISSP, ISSMP, CEH, CHFI, CCNA, CCSA (Checkpoint), A+, Network+, and Security+ e é membro da Ordem dos Advogados do Estado de Nova York.

7 CCNA ICND2 VII Dedicatórias À minha maravilhosa, amável e dedicada esposa. Muito obrigado por todo seu apoio, incentivo, amor e respeito.

8 VIII Introdução Agradecimentos A equipe que ajudou a produzir este livro foi simplesmente bárbara. Todos que vieram a dar seu toque ao livro contribuíram para sua melhoria, e, de modo especial, toda a equipe foi de grande ajuda na detecção de erros que sempre fazem parte de um manuscrito. Teri e Steve realizaram excelentes trabalhos como editores técnicos. A capacidade de Teri de ver cada frase no contexto de um capítulo inteiro, ou de um livro inteiro, é esplêndida, ajudando a detectar coisas que nenhuma outra pessoa conseguiria perceber. Steve, como sempre, realizou seu excelente trabalho algo como 5 ou 6 livros meus nos quais ele participou, e, como de costume, acabo aprendendo muito ao ler os comentários feitos por Steve. A profundidade das críticas sobre este livro foi muito melhor que qualquer outro livro meu graças a Teri e Steve; muito obrigado! Drew Cupp teve a oportunidade de desenvolver um de meus livros pela primeira vez em muito tempo. As visões e opiniões de Drew funcionaram maravilhosamente, e este novo par de olhos sobre os materiais copiados da edição anterior serviu para fortalecer ainda mais essas partes. Tudo isso em meio aos malabarismos feitos dentro de um prazo apertado obrigado, Drew, pelo excelente trabalho! A maravilhosa, e geralmente oculta, equipe de produção também desempenhou um esplêndido trabalho. Ao perceber que tinha retrabalhado algo, eu imediatamente pensava Por que não escrevi isso antes?, o que me fez valorizar a equipe que temos na Cisco Press. O processo de edição da cópia final, revisão de figuras e de páginas exigiu grande esforço principalmente com relação às iniciativas adicionais de qualidade que foram implementadas. Muito obrigado a todos vocês! Brett Bartow novamente foi o editor executivo do livro, como em quase todos os livros que ajudei a escrever. Brett, como de costume, realizou seu excelente trabalho, com muita paciência, sendo meu defensor de várias maneiras. Brett, muito obrigado por todas as coisas que fez, em todos os níveis, para nos ajudar a obter o sucesso juntos. Além disso, há outras pessoas que não trabalharam diretamente no livro, mas que também colaboraram para sua execução. Obrigado a Frank Knox pelas discussões sobre os exames, sobre os motivos pelos quais eles são tão difíceis e como lidar com a resolução de problemas. Obrigado a Rus Healy pela ajuda com a parte sobre wireless (sem fio). Obrigado a Mikes, da Skyline, por fazer com que eu conseguisse cumprir o meu prazo para finalizar este livro (e o livro ICND1). Meus agradecimentos também às equipes de cursos e de exames da Cisco pela excelente comunicação e interação sobre as alterações feitas nos cursos e exames. E, como sempre, minha gratidão especial ao meu Senhor e Salvador Jesus Cristo obrigado por me ajudar a regozijar-me em TI até mesmo no momento em que fazia a revisão final de 1400 páginas de manuscrito em apenas algumas semanas!

9 CCNA ICND2 IX Resumo do conteúdo Prefácio Introdução xxiii xxiv Parte I: LAN Switching Capítulo 1 LANs virtuais 5 Capítulo 2 Protocolo Spanning Tree 43 Capítulo 3 Resolvendo problemas de LAN Switching 81 Parte II: Roteamento IP Capítulo 4 Roteamento IP: rotas estáticas e conectadas 117 Capítulo 5 VLSM e sumarização de rotas 145 Capítulo 6 Listas de controle de acesso IP 165 Capítulo 7 Resolvendo problemas de roteamento IP 195 Parte III: Configuração e resolução de problemas relativos a protocolos de roteamento Capítulo 8 Teoria dos protocolos de roteamento 221 Capítulo 9 OSPF 249 Capítulo 10 EIGRP 273 Capítulo 11 Resolvendo problemas em protocolos de roteamento 295 Parte IV: Redes de longa distância (WAN) Capítulo 12 WANs ponto-a-ponto 315 Capítulo 13 Conceitos de Frame Relay 333 Capítulo 14 Configuração e resolução de problemas de Frame Relay 351 Capítulo 15 Redes privadas virtuais 379 Parte V: Escalando o espaço de endereçamento IP Capítulo 16 Tradução de endereços de rede 393 Capítulo 17 IP versão Parte VI: Preparação final Capítulo 18 Preparação final 447 Parte VII: Apêndices Apêndice A Respostas para os questionários Eu já conheço isto? 455 Apêndice B Tabela de conversão de decimal para binário 465 Apêndice C Atualizações no exame ICND2 Versão Glossário 471 Ìndice Remissivo 484 Parte VII: (Disponível no website da editora: Apêndice D Subnetting Pratice (Disponível em inglês) Apêndice E Subnetting Reference Pages (Disponível em inglês) Apêndice F Additional Scenarios (Disponível em inglês) Apêndice G Sub-redes: 25 perguntas práticas (Disponível em português) Apêndice H Endereçamento e Sub-redes IP (Disponível em português) Apêndice I Configuração de WAN (Disponível em português) Apêndice J Tabelas de Memória (Disponível em português) Apêndice K Resposta das Tabelas de Memória (Disponível em português) Apêndice L ICND2 Open-Ended Question (Disponível em inglês)

10 X Introdução Conteúdo Prefácio...xxiii Introdução... xxiv Parte I: LAN Switching Capítulo 1 LANs virtuais... 5 Questionário Eu já conheço isto?... 5 Tópicos fundamentais... 7 Conceitos de LANs virtuais... 8 Trunking com ISL e 802.1Q... 9 ISL IEEE 802.1Q Comparação entre ISL e 802.1Q Sub-redes IP e VLANs VLAN Trunking Protocol (VTP) (Protocolo de Trunking de VLAN) Operação VTP normal utilizando os modos VTP servidor e cliente...13 Três requisitos para que o VTP opere entre dois switches Evitando o VTP utilizando o modo VTP transparente Armazenando a configuração da VLAN Versões VTP VTP Pruning Resumo dos recursos VTP Configuração e verificação de VLANs e Trunking de VLAN Criando VLANs e atribuindo VLANs de acesso a uma interface Exemplo 1 de configuração de VLANs: configuração completa de VLANs Exemplo 2 de configuração de VLANs: configuração resumida de VLANs Configuração do Trunking de VLAN Controlando quais VLANs podem ser aceitas em um trunk Trunking com Telefones Cisco IP Protegendo VLANs e o Trunking Configuração e verificação do VTP Usando VTP: configurando servidores e clientes Cuidados ao sair da configuração VTP padrão Evitando o VTP: configurando o modo transparente Resolvendo problemas de VTP Determinando por que o VTP não está funcionando atualmente Problemas ao conectar novos switches e criar trunks Evitando problemas de VTP através das práticas ideais Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 2 Protocolo Spanning Tree (Spanning Tree Protocol) Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais... 45

11 CCNA ICND2 XI Protocolo Spanning Tree (IEEE 802.1d) A necessidade de Spanning Tree A função do IEEE 802.1d Spanning Tree Como funciona o Spanning Tree Bridge ID STP e Hello BPDU Escolhendo o switch raiz Escolhendo a porta raiz de cada switch Escolhendo a porta designada em cada segmento de LAN Reagindo a mudanças na rede Recursos STP opcionais EtherChannel PortFast Segurança do STP Rapid STP (IEEE 802.1w) Tipos de links e edges RSTP Estados das portas RSTP Funções das portas RSTP Convergência do RSTP Comportamento do tipo edge e PortFast Tipo link compartilhado Tipo link ponto-a-ponto Exemplo de convergência RSTP Configuração e verificação do STP Múltiplas instâncias do STP Opções de configuração que influenciam a topologia do Spanning Tree Extensão do bridge ID e do System ID Custos per-vlan das portas Resumo das opções de configuração do STP Verificando a operação padrão do STP Configurando os custos das portas do STP e a prioridade do switch Configurando o PortFast e o BPDU Guard Configurando o EtherChannel Configurando o RSTP Resolvendo problemas do STP Determinando o switch raiz Determinando a porta de raiz em switches não-raiz Determinando a porta designada em cada segmento de LAN Convergência do STP Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 3 Resolvendo Problemas de Lan Switching Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Metodologias generalizadas para resolução de problemas Analisando e prevendo a operação normal da rede Análise do plano de dados Análise do plano de controle Prevendo operações normais: resumo do processo... 84

12 XII Introdução Isolamento do problema Análise da causa geradora O mundo real versus os exames Resolvendo problemas do plano de dados de LAN Switching Visão geral do processo normal de encaminhamento dos switches Passo 1: Confirme os diagramas de rede utilizando CDP Passo 2 : Isole os problemas de interface Códigos de status de interfaces e razões para os estados de não-funcionamento Estado notconnect e pinagem do cabeamento Questões sobre a velocidade da interface e do duplex Passo 3: Isole problemas de filtragem e de segurança de portas Passo 4 : Isole problemas de VLANS e de trunking Assegurando que as interfaces de acesso corretas estejam nas VLANs corretas...97 VLANs de acesso não definidas ou ativas Identifique trunks e VLANs encaminhadas naqueles trunks Exemplo: resolvendo problemas do plano de dados Passo 1: verifique a exatidão do diagrama utilizando o CDP Passo 2: verifique a existência de problemas de interfaces Passo 3: verifique a existência de problemas de segurança de portas Passo 4: verifique a existência de problemas de VLANs e de trunks de VLANS Prevendo a operação normal do plano de dados do LAN Switching Broadcast de PC1 na VLAN Trajeto de encaminhamento: unicast de R1 para PC Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Tópicos publicados do exame Cisco ICND2* Parte II: Roteamento IP Capítulo 4 Roteamento IP: rotas estáticas e diretamente conectadas Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Roteamento e endereçamento IP Roteamento IP Endereçamento IP e criação de sub-redes Encaminhamento IP através da combinação com a rota mais específica DNS, DHCP, ARP e ICMP Fragmentação e MTU Endereçamento IP secundário Dando suporte a rotas conectadas à sub-rede zero Configuração ISL e 802.1Q em roteadores Rotas estáticas Configurando rotas estáticas Comando ping estendido Rotas estáticas padrão Rotas padrão utilizando o comando ip route Rotas padrão utilizando o comando ip default-network Resumo sobre rotas padrão Roteamento classful e classless Resumo do uso dos termos classless e classful Comparação entre roteamento classless e classful

13 CCNA ICND2 XIII Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 5 VLSM e sumarização de rotas Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais VLSM Protocolos de roteamento classless e classful Sub-redes VLSM sobrepostas Projetando um esquema de sub-redes utilizando VLSM Acrescentando uma nova sub-rede a um projeto existente Configuração do VLSM Sumarização manual de rotas Conceitos de sumarização de rotas Estratégias de sumarização de rotas Exemplo de melhor sumarização em Seville Exemplo de melhor sumarização em Yosemite Sumarização automática e redes classful não-contíguas Exemplo de sumarização automática Redes classful não-contíguas Configuração e suporte à sumarização automática Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Leia os cenários do Apêndice F Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 6 Listas e controle de acesso IP Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Lista de controle de acesso IP padrão Conceitos das ACLs IP padrão Máscaras curinga Uma alternativa mais rápida para interpretar máscaras curinga Configuração da lista de acesso IP padrão ACL IP padrão: Exemplo ACL IP padrão: Exemplo Lista de controle de acesso IP estendidas Conceitos das ACLs IP estendidas Combinando os números das portas TCP e UDP Configuração de ACLs IP estendidas Listas de acesso IP estendidas: Exemplo Listas de acesso IP estendidas: Exemplo Avanços no gerenciamento da configuração de ACLs Listas de acesso IP nomeadas Editando ACLs usando números de sequência

14 XIV Introdução Tópicos variados sobre ACLs Controlando o acesso à Telnet e SSH com ACLs Considerações sobre a implementação de uma ACL Listas de controle de acesso reflexivas ACLs dinâmicas ACLs baseadas em tempo Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Leia os cenários do Apêndice F Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 7 Resolvendo problemas de roteamento IP Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Os comandos ping e traceroute ICMP (Internet Control Message Protocol, ou Protocolo de Mensagem de Controle da Internet) O comando ping e as mensagens Echo Request e Echo Reply do ICMP A mensagem ICMP de Destino Inalcançável A mensagem ICMP de Redirecionar A mensagem ICMP de Tempo Excedido O comando traceroute Resolvendo problemas relativos ao processo de encaminhamento de pacotes Isolando problemas de roteamento IP relacionados a hosts Isolando problemas de roteamento IP relacionados a roteadores Resolução de problemas: Cenário 1: Problema relativo à rota avante Resolução de problemas: Cenário 2: Problema relativo à rota inversa Processo alternativo de isolamento de problemas para os Passos 3, 4 e Ferramentas e dicas para resolução de problemas Ferramentas de roteamento de hosts Dicas para resolução de problemas relacionados a hosts Suporte IP a switches Referência ao show ip route Status da interface Questões relativas ao VLSM Reconhecendo quando o VLSM é utilizado Configurando sub-redes VLSM sobrepostas Sintomas de sub-redes sobrepostas Resumo para resolução de problemas relativos ao VLSM Redes não-contíguas e sumarização automática Dicas para resolução de problemas de listas de controle de acesso Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Tópicos publicados do exame Cisco ICND2*

15 CCNA ICND2 XV Parte III: Configuração e resolução de problemas relativos a protocolos de roteamento Capítulo 8 Teoria dos protocolos de roteamento Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Visão geral sobre os protocolos de roteamento dinâmico Funções do protocolo de roteamento Protocolos de roteamento internos e externos Comparando IGPs Algoritmos do protocolo de roteamento IGP Métrica Comparações do IGP: Resumo Distância administrativa Recursos do protocolo de roteamento vetor distância Conceito de distância e de vetor Operação do vetor distância em uma rede estável Prevenção de loops com o vetor distância Route Poisoning (Envenenamento de rotas) Problema: contagem até o infinito em um único link Split Horizon Poison Reverse e Triggered Updates Problema: contagem até o infinito em uma rede redundante O processo Holddowm e o Timer Holddown Resumo sobre vetor distância Recursos do protocolo de roteamento link-state Construindo o mesmo LSDB em todos os roteadores Aplicando a matemática Dijkstra SPF para encontrar as melhores rotas Convergência com os protocolos link-state Resumo e comparações com relação aos protocolos vetor distância Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 9 OSPF Questionário Eu que já conheço isto? Tópicos fundamentais Protocolos OSPF Vizinhos OSPF Identificando roteadores OSPF através do RID (ID do roteador) Conhecendo e cumprimentando os vizinhos Possíveis problemas ao se tornar um vizinho Estados entre vizinhos Troca de bancos de dados da topologia OSPF Visão geral do processo de troca de bancos de dados OSPF Escolhendo um roteador designado

16 XVI Introdução Troca de bancos de dados Manutenção do LSDB estando completamente adjacente Resumo dos estados entre vizinhos Construindo a tabela de roteamento IP Ajustando o OSPF através de um projeto hierárquico Áreas OSPF Vantagens do projeto de áreas OSPF Configuração do OSPF Configuração do OSPF em uma única área Configuração do OSPF com várias áreas Configurando o RID (ID do roteador) do OSPF Timers de Hello e Dead do OSPF Métrica do OSPF (Custo) Autenticação do OSPF Balanceamento de cargo OSPF Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definições de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 10 EIGRP Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Conceitos e operação do EIGRP Vizinhos EIGRP Trocando informações sobre topologia no EIGRP Calculando as melhores rotas para a tabela de roteamento Feasible Distance e Reported Distance Cuidados com a largura da banda em enlaces seriais Convergência no EIGRP Sucessores e sucessores possíveis no EIGRP O processo de query and reply Resumo do EIGRP e comparações com OSPF Configuração e verificação do EIGRP Configuração básica do EIGRP (feasible successors) Métricas, sucessores e sucessores possíveis no EIGRP Criando e vendo uma rota para sucessor possível Convergência usando a rota para sucessor possível Autenticação no EIGRP Número máximo de caminhos e variância no EIGRP Ajustando o cálculo da métrica no EIGRP Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória

17 CCNA ICND2 XVII Capítulo 11 Resolvendo problemas em protocolos de roteamento Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Perspectivas sobre a resolução de problemas em protocolos de roteamento Interfaces habilitadas com um protocolo de roteamento Exemplo de resolução de problema em uma interface EIGRP Exemplo de resolução de problemas em uma interface OSPF Relações de vizinhança Requisitos para vizinhança no EIGRP Requisitos para vizinhança no OSPF Exemplo 1 de Vizinhança no OSPF Exemplo 2 de Vizinhança no OSPF O requisito de MTU idêntico Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Referência aos comandos para verificar sua memória Parte IV: Redes de longa distância (WANs) Capítulo 12 WANs ponto-a-ponto Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Conceitos de PPP Campo Protocolo do PPP O LCP (Link Control Protocol) do PPP Detecção de loop em enlace Detecção de aprimoramento de erro Multilink PPP Autenticação no PPP Configuração do PPP Operação básica do PPP Configuração e verificação do CHAP Configuração do PAP Resolvendo problemas em enlaces seriais Resolvendo problemas de camada Resolvendo problemas de camada Falha no keepalive Falha na autenticação com PAP e CHAP Resolvendo problemas de camada Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 13 Conceitos de Frame Relay Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Visão geral do Frame Relay Padrões Frame Relay

18 XVIII Introdução Circuitos virtuais LMI e tipos de encapsulamento Endereçamento no Frame Relay Endereçamento local no Frame Relay Endereçamento global no Frame Relay Problemas da camada de rede em relação à Frame Relay Endereçamento de camada 3 no Frame Relay: uma sub-rede contendo todos os DTE Frame Relay Endereçamento de camada 3 no Frame Relay: uma sub-rede por VC Endereçamento de camada 3 no Frame Relay: abordagem híbrida Manipulação de broadcast na camada Controlando a velocidade e os descartes na nuvem Frame Relay FECN e BECN O bit DE (Discard Eligibility) Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Capítulo 14 Configuração e resolução de problemas de Frame Relay Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Configuração e verificação do Frame Relay Planejando uma configuração de Frame Relay Rede totalmente em malha com uma sub-rede IP Configurando o encapsulamento e o LMI Mapeamento de endereços Frame Relay ARP Inverso Mapeamento estático no Frame Relay Rede parcialmente em malha com uma sub-rede IP por VC Atribuindo um DLCI a uma determinada subinterface Comentários a respeito de endereçamento global e local Verificação no Frame Relay Rede parcialmente em malha com algumas partes totalmente em malha Resolução de problemas de Frame Relay Sugestão de processo para resolução de problemas de Frame Relay Problemas de camada 1 no link de acesso (passo 1) Problemas de camada 2 no link de acesso (passo 2) Problemas e estado do PVC (passo 3) Encontrar a sub-rede conectada e a interface de saída (passos 3a e 3b) Encontrar os PVCs atribuídos à interface (Passo 3c) Determinar qual PVC está sendo usado para alcançar um determinado vizinho (passo 3d) Estado do PVC Estado de subinterface Problemas de mapeamento no Frame Relay (passo 4) Encapsulamento fim-a-fim (passo 5) Números de sub-rede diferentes (passo 6) Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Leia os cenários do apêndice F Referência aos comandos para verificar sua memória

19 CCNA ICND2 XIX Capítulo 15 Redes privadas virtuais Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Fundamentos de VPN VPNs IPsec Criptografia no IPsec Troca de chave no IPsec Autenticação e integridade de mensagem no IPsec Protocolos de segurança ESP e AH Considerações sobre a implementação do IPsec VPNs SSL Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Parte V: Escalando o espaço de endereçamento IP Capítulo 16 Tradução de endereços de rede Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Perspectivas a respeito da escalabilidade de endereçamento no IPv CIDR Agregação de rotas para diminuir as tabelas de roteamento Conservação de endereços no IPv Endereçamento IP privado Conceitos de tradução de endereços de rede NAT estático NAT dinâmico Sobrecarregando o NAT com a Tradução de Endereços de Portas (PAT) Traduzindo endereços sobrepostos Configuração e resolução de problemas de NAT Configuração do NAT estático Configuração do NAT dinâmico Configuração de sobrecarga do NAT (Configuração do PAT) Resolução de problemas de NAT Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Capítulo 17 IP versão Questionário Eu já conheço isto? Tópicos fundamentais Endereçamento unicast global, roteamento e divisão em sub-redes Agregação global de rotas para roteamento eficiente Convenções para representar endereços IPv Convenções para escrever prefixos IPv Exemplo de atribuição de prefixo unicast global

20 XX Introdução Dividindo endereços IPv6 unicast globais dentro de uma empresa Terminologia para prefixos Protocolos e endereçamento no IPv DHCP para IPv Atribuição de endereço de host no IPv ID de interface no IPv6 e o formato EUI Configuração estática de endereços IPv Autoconfiguração stateless e anúncios do roteador Resumo da configuração de endereços IPv Descobrindo o roteador default com NDP Aprendendo o(s) endereço(s) IP de servidores DNS Endereços IPv Endereços IPv6 unicast Endereços multicast e outros endereços especiais IPv Resumo dos protocolos e endereçamento IP Configurando o roteamento e os protocolos de roteamento IPv Protocolos de roteamento IPv Configuração do IPv Opções de transição para IPv Pilha dupla IPv4/IPv Tunelamento Fazendo traduções entre IPv4 e IPv6 com NAT-PT Resumo da transição Atividade de preparação para o exame Revise todos os tópicos-chave Complete as tabelas e listas usando a memória Definição de termos-chave Referência aos comandos para verificar sua memória Parte VI: Preparação Final Capítulo 18 Preparação Final Ferramentas para preparação final O CCNA Prep Center da Cisco Capítulos adicionais sobre divisão em sub-redes, páginas de referência e problemas práticos Cenários Plano de estudos Recorde os fatos Pratique a divisão em sub-redes Desenvolva habilidades na resolução de problemas através de cenários Resumo Parte VII: Apêndices Apêndice A Respostas para os questionários Eu já conheço isto? Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1)

Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1) Conteúdo Programático CISCO CCNA (ICND 1) 40 horas Módulo 1: Conceitos Gerais de Redes Modelos de Redes em Camadas As Funções das camadas do Modelo OSI Comunicação Ponto a Ponto Encapsulamento de dados

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Sumário Sumário IX CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 Por que Cisco?... 3 CCNA Routing and Switching (200-120)... 4 Como é a Prova?... 6 As

Leia mais

Guia de Certificação Oficial para o Exame CCENT/CCNA ICND1

Guia de Certificação Oficial para o Exame CCENT/CCNA ICND1 I Preparação para o Exame CCENT/CCNA ICND 1 Guia de Certificação Oficial para o Exame CCENT/CCNA ICND1 Wendell Odom, CCIE Nº. 1624 Rio de Janeiro.2008 Sobre o Autor Wendell Odom, CCIE No. 1624, trabalha

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53

Sumário 1 Introdução... 1 2 O Modelo OSI... 13 3 Switching e VLANs... 53 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 1 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA... 2 1.2.1 Por que Tornar-se um CCNA?... 3 1.2.2 Perguntas Freqüentes...

Leia mais

Marco Aurélio Filippetti. Cisco CCNA 4.1. (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo. Visual. Books

Marco Aurélio Filippetti. Cisco CCNA 4.1. (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo. Visual. Books Marco Aurélio Filippetti Cisco CCNA 4.1 (Exame 640-802) Guia de Estudo Completo Visual Books Sumário Apresentação... 9 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

Guia de Certificação do Exame

Guia de Certificação do Exame I Guia de Estudo CCNA CCNA ICND Guia de Certificação do Exame Wendell Odom, CCIE Nº. 1624 Cisco Press II III IV Sumário Parte I Capítulo I Revisão de LAN Switching e a Configuração de Switches de LANs

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

CCENT/CCNA ICND 1. 640-822 Guia Oficial de Certificação do Exame Tradução da Terceira Edição. Rio de Janeiro, 2013

CCENT/CCNA ICND 1. 640-822 Guia Oficial de Certificação do Exame Tradução da Terceira Edição. Rio de Janeiro, 2013 CCENT/CCNA ICND 1 640-822 Guia Oficial de Certificação do Exame Tradução da Terceira Edição Wendell Odom, CCIE Nº 1624 Rio de Janeiro, 2013 CCNA 640-822.indb 1 18/06/2013 17:32:29 iv CCENT/CCNA ICND1 640-822

Leia mais

Cisco Networking Academy

Cisco Networking Academy Cisco Networking Academy Ânderson P. R. Rodrigues anderson.rodrigues@sc.senai.br Presentation_ID 1 Onde o CCNA se encaixa ao Mercado Subtitle: Size 24, Left Aligned Estudos globais indicam uma demanda

Leia mais

Edital da V Maratona de Redes de Computadores de Uberlândia

Edital da V Maratona de Redes de Computadores de Uberlândia Edital da V Maratona de Redes de Computadores de Uberlândia 1. O que é a Maratona? Edição 2015/2 A Maratona de Redes de Computadores de Uberlândia é uma competição de estudantes de cursos na área de tecnologia

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância 1 Objetivos do Capítulo Entender o funcionamento dos protocolos de roteamento de vetor de

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos:

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos: O grande crescimento da Internet e das tecnologias e serviços a ela associados, bem como a liberalização do mercado das telecomunicações, está a originar uma procura de profissionais na área das Tecnologias

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Emerging Markets Technical Advocacy Team

Emerging Markets Technical Advocacy Team CCNA Tutorial de Preparação Maio 2009 EM Technical Manager Emerging Markets Technical Advocacy Team Associate Technical Managers 1 O que é o CCNA Tutorial? 3 sessões online conduzidas pelo time técnico

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Portfólio. Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Curso de Engenharia Informática. 4º Ano. José Afonso Esteves Janeiro

Portfólio. Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Curso de Engenharia Informática. 4º Ano. José Afonso Esteves Janeiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja Curso de Engenharia Informática 4º Ano Portfólio José Afonso Esteves Janeiro Certificação CISCO CCNA (Cisco Certificate Network Associate) 2009 1 Índice Resumo...3

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações adicionais Convenções Entendendo endereços IP Máscaras de

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0)

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Enquadramento Geral Objetivos do Percurso Dotar os formandos de conhecimentos iniciais de Routing e Switching Preparar para os exames de

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira INTRODUÇÃO Os Access Points ou ponto de acesso wi-fi são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes sem fio e com fio (infraestrutura).

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 1.1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES...16 1.2 O PAPEL DO GERENTE DE REDES...18 1.3 VOCÊ: O MÉDICO DA REDE...20 1.4 REFERÊNCIAS...23 1.4.1 Livros...23

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

REDES PARA TODOS RIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br REDES PARA TODOS RIP rffelix70@yahoo.com.br Operação RIP RIP V.01 O RIP usa dois tipos de mensagem especificados no campo Command: Mensagem de solicitação e Mensagem de resposta. Redes e Roteamento RIP

Leia mais