Mutiprotocol Label Switching (MPLS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mutiprotocol Label Switching (MPLS)"

Transcrição

1 Mutiprotocol Label Switching (MPLS) Paradigima de Roteamento Tradicional Sabemos que a arquitetura tradicional de roteamento utiliza como base o IP de destino de um pacote para tomar a descisão de roteamento (rotear) o pacote. Tal paradigma foi utilizado por muito tempo e altamente desenvolvido e implementado em redes tradicionais, principalmente na maior rede do mundo a internet, portanto tal paradigma tem seu crédito, pois foi competente suficiente para escalar. Redes tracionais fazem o roteamento de pacotes via o IP de destino inserido cabeçalho IP, cada roteador através de seus protocolos de roteamento montam suas tabelas de roteamento(estático, OSPF, BGP, IS-IS, EIGRP e etc) e encaminham tráfego de forma independente. Todos os pacotes seguem sempre o mesmo caminho entre a origem e destino do tráfego quando temos somente uma melhor rota para o destino, quando temos duas ou mais rotas com mesmos parametros (mascara, métrica e AD) temos um empate e podemos efetuar ECMP (Equal Cost Mutiple Path) o famoso compatrtilhamento de carga (loadsharing). Porem tal paradgima de encaminhamento de tráfego tem restrições e tais restrições diminui a flexibilidade de uma rede, principalmente de um Provedor de Serviço (Service Provider). Problemas com Engenharia de Tráfego na Rede Agora que revisamos como uma rede tradicional IP funciona, vamos ver suas ineficiencias, a primeira que podemos citar é o que diz respeito a engenharia de tráfego. Vejamos a figura abaixo: CCNA SP V1.0 Pag. 540

2 CLIENTE A CLIENTE A R4 R5 5Mbps 5Mbps PE PE 10Mbps R1 R2 10Mbps 10Mbps PE 10Mbps 10Mbps R7 R3 CLIENTE B R6 CLIENTE B Figura 215 Problemática Engenharia de Tráfego Veja que temos dois clientes na figura acima cliente A e cliente B, se levarmos em consideração a soma da banda de cada cliente temos um total de 15Mbps, porem os links de backbone entre os equipamentos da operadora são somente de 10Mbps cada, tanto entre R1 e R2, R1 e R2 e R3 e R2. Podemos perceber que temos um problema nesta rede, de acordo com o paradgima de encaminhamento padrão do IP que é IP de destino ambos os clientes tendem a trafegar pelo mesmo link, vejamos: CCNA SP V1.0 Pag. 541

3 CLIENTE A 5Mbps CONGESTIONAMENTO 15Mbps em um link de 10Mbps 5Mbps descartados CLIENTE A R4 R5 5Mbps PE PE 10Mbps R1 R2 10Mbps 10Mbps 10Mbps PE 10Mbps 10Mbps R7 R3 CLIENTE B R6 CLIENTE B Figura 216 Congestinamento em links Para resolver tais problemas podemos pensar: Se eu alterar o custo do roteamento da rede aumentando o custom entre o link R1 - R2, ou então, diminindo o custo nos links entre R1- R3 e R3 R2, vejamos o que acontece: CLIENTE A 5Mbps CONGESTIONAMENTO 15Mbps em um link de 10Mbps 5Mbps descartados CLIENTE A R4 R5 5Mbps PE PE 10Mbps R1 R2 10Mbps 10Mbps 10Mbps PE 10Mbps 10Mbps R7 R3 CLIENTE B R6 CLIENTE B Figura 217 Congestinamento em links CCNA SP V1.0 Pag. 542

4 Percebemos então que o paradgima de roteamento IP tradicional impoem alguns problemas no que diz respeito à engenharia de tráfego da rede, pois cada equipamento da rede faz o encamihamento de forma independente. É claro que existem soluções para tal problemática como Policy Based Routing (PBR) entre outras, porem tais soluçoes não são escaláveis em uma rede de grande porte como um Backbone de um Provedor de Serviço (Service Provider). Para resolver tal situação fica evidente que temos que fazer o encaminhamento de pacotes na rede utilizando outra informação em vez do IP de destino, foi então que foi introduzido o conceito de label (rótulo), utilizando label o dispositivo de entrada de tráfego pode sinalizar a rede por onde tal tráfego irá trafegar de sua origem a seu destino, com a utilização de label podemos tomar descição de encaminhamento de tráfego baseado em outros parametros alem do IP de destino (legado), como por exemplo, QoS, Custo monetário, SLA dos links e etc. Problemas Rotas Externas(BGP) Propagadas no Core da Rede Utilizando o paradigma de encaminhamento IP tradicional, faz-se necessário que rotas externas da rede de um provedor, como tabela completa do BGP da internet (BGP Full-Routing) seja propagado para sua rede interna como roteadores de core e borda, pois caso tal roteador não tenha uma rota para o destino final, tal equipamento irá descartar pacotes, vejamos: CLIENTE A UPSTREAM INTERNET R4 R5 PE R8 PE R1 R2 PE R7 R3 CLIENTE B R6 UPSTREAM INTERNET Figura 218 BGP Full Routing em Roteadores de Core CCNA SP V1.0 Pag. 543

5 Tal arquitetura de encaminhamento de tráfego traz diversos problemas para a rede no que diz respeito a processamento e memória, no exemplo acima temos dois links de UPSTREAM recebendo a tabela completa BGP Full-Routing, nos dias atuais tal tabela completa esta em torno de 500 mil rotas, o que necessita de aproximadamente 512MB de memória por tabela complexa, como no exemplo acima temos duas tabelas precisamos de aproximadamente 1GB de memória RAM, sem contar o processamento do equipamento, o protocolo BGP executa um processo chamado BGP Scanner, tal processo tem é dispendioso para a CPU do equipamento. Percebendo tais ineficiencias faz-se necessário alivar a quantiade de informações que o core da rede necessita receber, precebemos então que o roteamento tradicional baseado IP deve ser alterado e ser baseado em outra informação chamada label. MPLS Como Solução para todos os problemas Multiprotocol Label Switching (MPLS) é o resultado de um grande trabalho de membros da IETF que desenvolveram inicialmente o documento (draft-ietf-mplsframework) tal documento descreve um novo paradigma de encaminhamento de tráfego baseado em label (Rótulos em português). Tal paradigma é a solução para todas as ineficiencias citadas no paragrafo anterior, mas como isso funciona na prática. Na prática a idéia do MPLS é combiner o melhor do mundo de switching de camada 2, com o melhor do roteamento de camada 3, o encaminhamento daqui pra frente não é mais realizado via o IP de destino do frame e sim via um label MPLS de tamanho fixo. Alem de resolver todas as ineficiencias citadas acima que veremos em detalhes o MPLS habilita uma serie de aplicações na rede, que é um dos maiores motivadores para o uso do MPLS como: L3-VPN: VRF L2-VPN: ATOM, EoMPLS Engenharia de Trafego: MPLS-TE Transporte de IPv6: 6PE / 6VPE Entre outras Para entendermos como o MPLS funciona na prática precisamos entender sua arquitetura. Arquitetura do MPLS A Arquitetura do MPLS é baseada em dois componentes, Plano de Controle (Control-Plane) e Plano de encaminhamento de Dados (Data-Plane). Plano de Controle (Control-Plane ) É uma abastração que descreve todos os calculos que são realizados pela CPU de um equipamento, é onde temos os CCNA SP V1.0 Pag. 544

6 algoritimos sendo executados, por exemplo: BGP, OSPF, STP entre outros. Quando falamos de calculos em software falamos de Plano de Controle (Control-Plane). Plano de encaminhamento de dados é abastração que descreve o processo de encaminhamento de pacotes, frames, dados e etc. Por exemplo, em redes ip tradicionais, apos todos os calculos é montada a tabela de roteamento, quando roteador recebe um pacote, faz-se uma pesquisa nesta tabela de roteamento que irá informar qual interface deve encaminhar o pacote, toda esta ação de pesquisa na tabela de roteamento é chamado de Plano de Encaminhamento de Dados (Data Plane). O Plano de Controle é responsável por todos os calculos da rede, após tais calculos serem realizados, é criada uma tabela chamada de Label Forwarding Information Base (LFIB), tal tabela é utilizado pelo Plano de Encaminhamento de Dados para encaminhar pacotes MPLS. O Plano de Controle é responsável por criar e manter a LFIB que sera utlizado pelo Plando de encaminhamento de Dados (Data-Plane). Plano de Controle (Control-Plane) Protocolos de Roteamento (OSPF, IS-IS, EIGRP, RIP) Troca de informações de Protocolos de Roteamento Tabela de Roteamento Protocolo de Controle MPLS Troca de informações de Label (Rótulos), Pacotes MPLS Plano de Encaminhamento de Dados (Data Plane) Tabela de Encaminhamento do MPLS Label Forwarding Information Base (LFIB) Pacotes MPLS Figura 219 Arquitetura MPLS CCNA SP V1.0 Pag. 545

7 Protocolos de roteamento Com MPLS não eliminamos os protocolos de roteamento, mesmo afirmando no paragrafo acima que não realizamos mais o encaminhamento de tráfego baseado em IP de destino e sim em label, ainda necessitamos da tabela de roteamento para provissionar os caminhos na rede chamados de Label Switching Path (LSP), porem veremos o quão eficiente sera nossa tabela de roteamento daqui em diante, para adiantar afirmo que praticamente necessitamos somente da tabela de roteamento de prefixos internos, roteados pelo IGP de nossa rede, mais precisamente dos prefixos /32 de todas as loopback, ok vamos com calma, entenderemos mais a frente esta afirmação. Tabela de Roteamento Mesma lógica descrita acima, ainda manteremos nossa tabela de roteamento, mas veremos mais a frente que sera mais eficiente. Troca de informações de Label () Veremos com mais detalhes que este componente do plano de controle, mas especificamente o protocolo chamado Label Distribution Protocol é responsável por trocar label entre equipamentos vizinhos para que toda rede tenha mapeamento de label. Label Information Forwarding Tabel (LFIB) É uma tabela que é reponsável que será utilizada pelos equipamentos para pesquisas e serivrá como base para o encaminhamento de pacotes MPLS. Componentes e Terminologia em Rede MPLS Assim como qualquer tecnologia temos as terminologias e componetes que fazem parte da arquitetura. Domínio MPLS (MPLS Domain) É a parte da sua rede onde temos o encaminhamento de dados baseado em label. Label Switch Router () Terminologia atribuída a todos os switches que efetuam encaminhamento de pacotes baseado em label pode ser um roteador, switch L3, Switch ATM etc. Temos diversos subtipos de : Edge-: Equipamento localizado na borda da rede, onde delimita o final da rede tradicional IP e o inicio da Rede MPLS ou vice versa. Tal equipamento tem duas funções principais: Label Imposition Ação de inserir um ou mais (label stack) label em um pacote IP tradicional. Label Disposition Ação de retirar um ou mais label (label stack) de um pacote MPLS deixando somente o IP. Qualquer equipamento que tem pelo menos uma interface e um vizinho em um rede IP Tradicional e atual também no dominio MPLS é considerado um Edge-, tal equipamento atua tanto com a tabela de roteamento padrão quanto com as informações a LFIB, pois encaminhará tráfego para ambas as direções (Rede IP Tradicional e MPLS). Na figura abaixo podemos verificar cada componente descrito de uma rede MPLS. CCNA SP V1.0 Pag. 546

8 Edge- R2 R4 R8 Edge- DOMÍNIO MPLS (MPLS DOMAIN) Edge- R6 R7 R1 R3 R5 R9 Figura 220 Domínio MPLS Adicionando Label na Borda da Rede Confrome ja apresentado label imposition é o termo que descreve a ação de um Edge- adicionar um ou mais label em um pacote IP antes de envia-lo pelo dominio MPLS, em uma rede IP tradicional o processo de roteamento é baseado em duas partes: Primeiro é associar todos os prefixos de rede a uma determinada rota encontrada na tabela de roteamento, em ultimo caso utilizando a rota default. Segunda função é associar cada prefixo a uma interface ou endereço de próximo salto (next-hop) que indica para onde devemos encaminhar um determinado pacote que com ip de destino associado a um determinado prefixo. Em MPLS temos a associação da primeira função descrita acima nomeada agora como Forwarding Equivalence Class (FEC), que significa pacotes que são encaminhados pelo mesmo caminho, recebendo a mesma tratativa de encaminhamento, porem em MPLS o conceito de FEC é mais abrangente se comparado a primeira função de IP, pois podemos classicar tal conjunto de pacotes não somente de acordo com o IP de destino porem podemos utilizar outros parametros como por exemplo: Todos os pacotes que tem o DSCP igual a EF, ou todos os prefixos do BGP recebidos de um peer externo (ebgp) em resumo FEC em MPLS é classificado pelo Edge- de acordo com sua escolha e definição. Mas como isto é possivel? Pelo seguinte fato em IP tradicional após pesquisar a tabela de roteamento e achar uma comparação com um prefixo o pacote e encaminhado e desta trativa e forma sera realizado em cada salto da rede até seu destino. Em MPLS quando o Edge- classifica o pacote pertencente a um FEC é adicionado um label e inserido tal pacote que agora é MPLS no dominio MPLS, dentro do dominio CCNA SP V1.0 Pag. 547

9 MPLS iremos encaminhar o pacote através de pesquisa em label e não mais em pacote, veja que este label tem uma maior abrangencia, ou seja, pode siginificar pacotes com os mesmos parametros de QoS, ou pacotes com o mesmo ebgp Next-HOP, ou como o ip pertencente ao mesmo prefixo, ou seja, utilizando label eu dessasocio o encaminhamento de tráfego baseado em IP de destino e habilito outras classificações para encaminhar o tráfego. Label Binding Até o momento explicamos como funciona uma rede MPLS e sabemos que o encaminhamento de tráfego é baseado em label, porem como tais label são criados ou alocados, veremos com detalhes neste paragrafo. Para iniciar conforme explicado anteriormente temos o conceito de FEC que é uma associação de pacotes que sera dada a mesma trativa e podemos expandir tais tratativas, pois bem para cada FEC criada em um roteador é associado um label a mesma, veja que cada roteador atribui seu label para sua classificação de FEC de forma independente, para enteder melhor vamos dizer que um roteador classifica uma FEC da mesma forma que o IP tradicional, ou seja, cada prefixo na tabela de roteamento. É criado então um label para cada prefixo na tabela de roteamento e inserido em uma tabela chamada Label Information Base (LIB), indepente do protocolo utilizado (RIP, IS-IS, OSPF, EIGRP, ROTAS ESTÁTICAS). OBS: Por padrão label não são atribuído por rotas apreendidas via BGP, as rotas BGP herdarão por padrão o label de seu proximo salto (Next-Hop) que será normalmente um prefixo apreendido via igp. A Tabela FIB esta sempre sincronizada com a table de roteamento, ou seja, quando um novo prefixo é inserido, na tabela um label é criado para o mesmo. CCNA SP V1.0 Pag. 548

10 Tabela de Roteamento Tabela de Roteamento /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 CONECTADO R /24 CONECTADO /24 via R /24 CONECTADO /24 CONECTADO /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 Edge- R / /24 OSPF /24 Edge- R6 R7 R / / / /24 R3 R5 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 77 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 87 R9 Figura 221 Tabela LFIB Faz-se necessário então a troca de informações entre vizinhos desta forma cada roteador saberá o label utilizado pelo seu vizinho, tal distribuição de label entre equipamentos é feito via o protocolo chamado Label Distribution Protocol () que estabelece sessões TCP entre vizinhos e envia toda sua LIB para os mesmos. CCNA SP V1.0 Pag. 549

11 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 97 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 207 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 307 Edge- R7 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R1 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local / /24 R2 LIB R /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 OSPF /24 R4 R /24 LIB / /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 407 Edge- R /24 R9 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 507 Figura 222 Tabela LFIB Local CCNA SP V1.0 Pag. 550

12 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R1 87 Edge / /24 R /24 OSPF R /24 Edge- R6 R7 R / / / /24 R3 R5 LIB LIB LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 107 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R3 107 Figura 223 Tabela Após troca do CCNA SP V1.0 Pag. 551

13 Todos os equipamentos então saberão tanto os label atribuidos locais, como recebidos de vizinhos, ou seja, temos todas as informações de label da rede, como fazemos então para saber qual label utilizar? Por padrão ocorre uma sincronia entre a tabela de roteamento e a LIB, é realizado calculos na tabela de roteamento, convencionalmente via os protocolos de roteamento, para melhor rota escolhida teremos um vizinho (nexthop) então verifica se se este vizinho informou seu label para tal rota e tal label será utilizado para encaminhamento de tráfego, é montado uma outra tabela final somente com os label que realmente são utilizado no momento, chamada de label forwarding information base (LFIB). Esta tabela LFIB é um subset da tabela LIB somente com as informações relevantes e que serão realmente utilizadas, porem perceba que temos que manter a LIB ainda, pois em caso de falha e convergencia da rede os caminhos da tabela de roteamento IGP podem mudar e então teremos alteração da tabela LFIB que utilizará agora outros prefixos da LIB. CCNA SP V1.0 Pag. 552

14 Tabela de Roteamento /24 CONECTADO /24 CONECTADO /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 via R /24 CONECTADO / /24 R /24 OSPF Edge- R /24 Edge- R6 R7 R / / / /24 R3 R5 LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R3 107 LFIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 R /24 R /24 R /24 R /24 R3 104 R9 Figura 224 LFIB Final Podemos perceber então que a LFIB final será guiada pela tabela de roteamento do IGP e formaremos o que chamamos de Label Switch Path na rede que sinifica um caminho entre uma origem e um destino onde o encaminhamento de tráfego será via Labels MPLS. CCNA SP V1.0 Pag. 553

15 Encaminhamento MPLS e Label Switch Path (LSP) Agora que sabemos como funciona a troca de label e a montagem das tabelas LIB e LFIB que são montadas por mecanismos do Plano de Controle (Control-Plane), veremos então como funciona o encaminhamento de dados na rede (Data-Plane). Todo pacote que entra no dominio MPLS via um Edge-lSR é inserido um label, tal label sera utilizado como parametro base de encaminhamento, em cada salto da rede tal label sera trocado (veremos mais a frente) e no Edge- de destino do pacote, ou seja, no final do dominio MPLS o label é retirando e enviado a rede IP tradicional. A cada equipamento que o pacote atravessa é efetuado a ação de label swapping, que significa que o label de entrada é subistituido pelo label de saída, até que tal frame chege na saída da rede. Vejamos: LIB LOCAL LIB LOCAL LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 77 Tabela de Roteamento LIB /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 97 Tabela de Roteamento /24 via R /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 207 Tabela de Roteamento /24 via R6 LIB LOCAL /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 via R1 Tabela de Roteamento /24 via R /24 PACOTE /24 R2 PACOTE /24 OSPF Edge- R / /24 via CONECTADO PACOTE 306 Tabela de Roteamento R6 Edge- R7 PACOTE 86 R / / / /24 R3 R5 LFIB LFIB LFIB LFIB /24 local /24 R /24 local /24 R /24 local /24 R /24 local /24 R6 306 LFIB R9 IGNORE O PROCESSO DE PHP SIMPLIFICAÇÃO DA EXPLICAÇÃO /24 local 306 Figura 225 Trafegando pelo Domínio MPLS Este mecanismos cria o conceito de Label Switch Path (LSP) que seria o caminho que o trafego MPLS atravessa até chegar em seu destino. Um LSP sera sempre unidirectional, ou seja, para ida e volta do tráfego, necessitamos de um dois LSP. O Estabelecimento de um LSP é orientado a conexão pois o LSP tem que ser criado antes do fluxo de pacotes MPLS, porem tal conexão é criada CCNA SP V1.0 Pag. 554

16 de acordo com as informações da topologia e não baseado no fluxo de tráfego na rede. LABEL SWITCH PATH (LSP) PACOTE 206 PACOTE 306 PACOTE 96 R2 R4 PACOTE 86 MPLS R6 R7 R1 R3 R5 IGNORE O PROCESSO DE PHP SIMPLIFICAÇÃO DA EXPLICAÇÃO R9 Figura 226 Trafegando pelo Domínio MPLS Penultimate Hop Popping Conforme explicado até o momento vimos que em MPLS fazemos então o encaminhamento de tráfego baseado em label, quando tal pacote MPLS chega no final da rede, ou seja, Edge- de saída temos que retirar o label e enviar tal frame a rede tradicional IP, percebemos então que tal equipamento Edge- retira o label final e faz-se necessário efetuar uma pesquisa em sua tabela de roteamento tradicional, vejamos: CCNA SP V1.0 Pag. 555

17 LABEL SWITCH PATH (LSP) 1 - RETIRA-SE O LABEL 2- PESQUISA A TABELA DE ROTEAMENTO PACOTE 206 PACOTE 306 PACOTE 96 R2 R4 PACOTE 86 MPLS R6 PACOTE IP R7 R1 R3 R5 IGNORE O PROCESSO DE PHP SIMPLIFICAÇÃO DA EXPLICAÇÃO R9 Figura 227 Trafegando pelo Domínio MPLS Perceba que R6 ao contrário dos outros s tem que fazer o trabalho em dobro, pois alem de fazer parte o do label swaping que seria retirar o label, necessita ainda fazer um lookup na tabela de roteamento, tais ações tendem a aumentar o processamento caso seja um roteador que fazer o encaminhamento baseado em software (Software Based Router) e para implementar ambas funções (retirada do label e pesquisa da tabela de roteamento) em hadrware que são a maioria dos equipamentos atuais (hardware based router) sua implementação torna-se complexa e exigira processadores ASCII mais complexos e caros. Desta forma foi otimizado tal funcionamento na rede utilizando um conceito chamado de Penultimate Hop Popping. Tal conceito tem a seguinte teoria, retiramos o label do pacote um salto antes (hop antes) do destino final, ou seja, ultimo roteador, desta forma dividimos pela metado o trabalho para cada equipamento: Penultimo roteador (PHP) realiza o trabalho de retirada do label, que seria a mesmo trabalho que faz atualmente de label swapping, porem trocando label de entrada por nenhum de saída (retirando o label). Último roteador - faz a outra metade do trabalho fazendo somente pesquisa na tabela de roteamento. Desta forma podemos implementar a mesma função porem de forma mais simplificada para os processadores, tanto para roteadores baseado em Software (Software Based Router) como para roteadores baseado em hardware (Hardware Based Router). Vejamos: CCNA SP V1.0 Pag. 556

18 LIB LOCAL AÇÃO DE PHP /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local /24 local 307 Edge- Tabela de Roteamento PACOTE /24 via CONECTADO /24 PACOTE /24 R /24 OSPF R4 PACOTE /24 R6 Edge- R7 PACOTE 86 R / / / /24 R3 R5 LFIB LFIB LFIB LFIB /24 local /24 R /24 local /24 R /24 local /24 R /24 local /24 R6 3 (POP) LFIB R9 IGNORE O PROCESSO DE PHP SIMPLIFICAÇÃO DA EXPLICAÇÃO /24 local 3 Figura 228 Trafegando pelo Domínio MPLS LABEL SWITCH PATH (LSP) 1 - RETIRA-SE O LABEL PACOTE 206 PACOTE 2- PESQUISA A TABELA DE ROTEAMENTO PACOTE 96 R2 R4 PACOTE 86 MPLS R6 PACOTE IP R7 R1 R3 R5 IGNORE O PROCESSO DE PHP SIMPLIFICAÇÃO DA EXPLICAÇÃO R9 Figura 229 LSP Com PHP Label Distribution Protocol Agora ja temos uma boa visão e conhecimento de como o MPLS realmente funciona, pois bem agora iremos nos aprofundar em seus protocolos, principalmente no que diz respeito a novos protocolos como o Label Distribution Protocol (). CCNA SP V1.0 Pag. 557

19 Tal protocolo é reponsável por realizar a troca de label entre equipamentos, em outras palavras pela troca da LIB (Label Information Base). Neste livro não abordaremos o protocolo Tag Distribution Protocol (TDP) proprietário da Cisco System, pois o mesmo ja foi descontinuado e não é mais utilizado. O estabelece sessões TCP entre equipamentos e realiza a troca da LIB entre os mesmos. Novamente para lembras o conteúdo da LIB são as FEC que são agrupamentos de IPs que serão encaminhados da mesma maneira no ambiente de rede. Estabelecimento de sessões Quando é habilitado MPLS em um roteador o processo do é iniciado junto, configuramos então interfaces que farão parte do dominio MPLS e habilitamos em tais interfaces o protocolo para troca de label, tais interfaces iniciaram então o processo de descoberta de possiveis vizinhos conectados ao ambiente de rede, tal mecanismo se baseia no envio de frames UDP com IP e MAC de destino Multicast. Vizinhos conectado no mesmo dominio de broadcast (vlan) se descobriram pois perceberão o pacote hello um dos outros. Após a descoberta de vizinhos o pacote hello informará a cada vizinhos quais são os parametros dos mesmos, será então estabelecido sessão TCP entre os vizinhos, no caso do é utilizado a porta TCP 616 (O antigo TDP utilizava para hello frames broadcast e para sessão TCP 717). O protocolo é baseado no frameword de implementação chamado TLV (Type, Length, Value). Suas principais mensagens são: Hello Responsável pelo estabelecimento de vizinhaça do Notification Responsável por notificar vizinhos que divergencias Keapalive Responsável por manter a vizinhaça, detectar continuamente a presença de seu vizinho. Label Mapping Responsável por informar a associação de label com uma FEC. Address Responsável por informar ao vizinho os Endereços IP associados a cada interface. Address Withdraw - Responsável por informar ao vizinho um ou mais Endereço(s) IP(s) associado(s) a uma interface não existe mais. Label Mapping Responsável por enviar uma associação entre FEC e seu label correspondente (LIB). Label Request Responsável por solicitar a um vizinho um determindo Label CCNA SP V1.0 Pag. 558

20 Label Withdraw Responsável por informar um vizinho que um determinado mapeamento de label e FEC que foi previamente informado não pode ser mais utilizado. Label Release Responsável por informar um vizinho que um local não necessita mais de um label requisitado e/ou informado por um vizinho previamente. Associação de Label e Distribuição (Label Binding and Distribution) Já sabemos que para cada prefixo na tabela de roteamento apreendido via IGP (FEC), temos um label associado e ja sabemos que a distribuição de label entre roteadores vizinhos e via o protocolo, pois bem agora veremos algumas considerações em relação a como alocar, manter e distribuir label. Assim que o roteador tem uma nova entrada na tabela de roteamento um label local é atribuído ao mesmo e anuncioado a seus vizinhos via este método de alocação e label é chamado de Controle Independente (independent control label assignment) e este método de distribuição de label chama-se Distribuição de Label sem Prévia Solicitação de Downstream(unsolicited downstream label distribution). Ou seja: Um Label é alocado a um prefixo é realizado indepdentemente se o roteador recebeu um label via para o next-hop do prefixo, por isso Controle Independente (independent control label assignment). A distribuição de label não necessita de uma previa solicitação pois um distribui sua associação de Prefixos (FEC) e label, ou seja, sua LIB independente se seu vizinho solicitou por isso Distribuição de Label sem Prévia Solicitação de Downstream(unsolicited downstream label distribution). Uma observação importante é que não existe nenhum mecanismo de splithorizon para distribuição de labels, ou seja, posso distribuir meu label a um viznho mesmo que minha melhor rota para tal prefixo seja para este mesmo vizinho e não temos a possibilidade de loop na rede pois a tabela de roteamento irá ser o guia para montagem da LFIB final e sabemos que na tabela de roteamento temos varios mecanismo de proteção contra loops, então indiretamente a LFIB também herda esses controles. CCNA SP V1.0 Pag. 559

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução ao BGP Sistema Autonômo Fundamentos do BGP Sessão BGP Cabeçalho BGP Mensagem BGP Tabelas BGP Estados do BGP Border Gateway Protocol (BGP)

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito 1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Multi Protocol Label Switching - MPLS Mecanismo eficiente de encapsulamento Pacotes

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos Boas Práticas BGP Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes de Alto Desempenho

Redes de Alto Desempenho Redes de Alto Desempenho Professor Guerra Faculdades Santa Cruz Ab.guerra@gmail.com Protocolo BGP Conceitos de Internet a Internet é um conjunto de redes distintas, agrupadas em estruturas autônomas (AS);

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Roberto J. L. Mendonça 1, Alessandra B. S. Almeida 2 1 Superintendência de Operações Serviço Federal de Processamento de

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Application Notes: BGP. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP

Application Notes: BGP. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP Application Notes: BGP Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP Application Notes: BGP Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP. Data 07/05/2010, Revisão 1.3 Parecer Introdução Sistemas

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

RTBH Remote Triggered Black Role

RTBH Remote Triggered Black Role RTBH Remote Triggered Black Role Hugo de Sousa Ricardo, Samuel Tabanes Menon Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2010 Resumo Apresentamos aqui

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY SÃO PAULO 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Gabriel

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Roteiro Características Terminologia utilizada PTT, PIX, ASN Configurações Práticas Referências Característcas É um

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Universidade Católica de Brasília Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Projeto Final I Monografia MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Alunos: Geovani Sorrentino 97/5602-7 Igor

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais