SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G"

Transcrição

1 SOLUÇÕES PARA TESTES E MEDIÇÕES EM COMUNICAÇÕES SmartClass Ethernet Testador de Ethernet 10M-1G Recursos principais Gera e mede tráfego L2/L3 em interfaces de Ethernet elétrica ou óptica de até 1G com tags VLAN, Q-in-Q ou rótulos MPLS O RFC2544 comprova a aceitação para contratos de níveis de serviço Ethernet O teste MPLS verifica a aplicação correta de políticas e priorização em domínios MPLS usando o opcional MPLS Os testes da camada física verificam a integridade da camada física para passagem de dados antes de testar o throughput O Ethernet Loopback completa o portfólio de testes de Ethernet da JDSU Aplicações O modo opcional Asymmetric RFC2544 permite a verificação de circuitos com taxas upstream e downstream diferentes Verifica o QoS de redes triple-play, medindo simultaneamente throughput, latência, jitter e erros em 8 fluxos de tráfego com tags VLAN ou Q-in-Q com o opcional Multiple Streams Disponível em uma versão de apenas loop para salvar em CAPEX e permite atualizações no campo para funcionalidade total, se necessário Testes de serviços Ethernet O SmartClass Ethernet fornece um econômico conjunto de testes de Ethernet 1 G com interface óptica e elétrica, que é um testador básico de Ethernet/ fácil de usar para técnicos da linha de frente que dão suporte a redes Metro Ethernet. O SmartClass é compacto e resistente, funciona a bateria e é ideal para técnicos que estão ajustando serviços Ethernet e Internet Protocol () em campo. Os técnicos podem usar o SmartClass Ethernet para testes de cabo da camada física, geração de tráfego da camada 2/3 (L2/L3) e testes completos de RFC2544 Ethernet. O testador serve como um simples dispositivo de loopback para ser usado junto com outros testadores de Ethernet do portfólio da JDSU. O SmartClass Ethernet agora tem os opcionais Multiple Streams e MPLS (Multiprotocol Label Switching) para permitir o teste de políticas em redes triple-play convergidas, e o opcional Asymmetric RFC2544 para fácil verificação de serviços com taxas upstream e downstream difere ntes. Veja a demonstração do testador online em Recurso Análise, filtro e geração de tráfego Ethernet/ Suporte a VLAN, Q-in-Q e MPLS Teste de tráfego RFC2544 Diagnóstico da camada física Relatórios gráficos Testes de loopback Suporte a ping e traceroute Funcionalidade Filtra e analisa o tráfego de entrada para determinar métricas de throughput e QoS (quality of service). Gera tráfego para garantir que os parâmetros de QoS estejam sendo atendidos, emulando tráfego de clientes. Usa vários fluxos para verificar a priorização correta do tráfego. Verifica se os mapeamentos e priorizações VLAN, Q-in-Q e MPLS estão corretamente definidos na rede. Verifica se os contratos de nível de serviço (SLAs) podem ser cumpridos, testando de acordo com este método aceito. Verifica se os circuitos estão ativos e conectados, e se a camada física está correta. Verifica perdas no link óptico. Gera relatórios profissionais para validação ou armazenamento de resul tados de testes de níveis de serviço. Habilita um dispositivo de loopback de uma só extremidade e baixo custo compatível com JDSU para testes em rede Ethernet comutada ou roteada. Verifica a conectividade entre locais. WEBSITE:

2 SmartClass Ethernet SmartClass Ethernet SmartClass Ethernet SMARTCLASS ETHERNET 2 Aplicações de testes avançados Opcional de teste Multiple Streams O opcional Multiple Streams permite que o SmartClass Ethernet simule diferentes origens de tráfego a partir de uma única porta Ethernet. Os técnicos podem configurar oito fluxos de tráfego independentes com endereços (media access control) ou origens e de destino individuais, marcados com identificadores configuráveis VLAN ou Q-in-Q, e definidos com tamanho de quadro e velocidade de tráfego configuráveis pelo usuário. Examinando a perda de quadros, o throughput e os identificadores por fluxo, um testador JDSU de recebimento pode verificar se a rede transportou os quadros com a prioridade e a largura de banda esperadas, ou se os quadros chegaram mesmo ao destino. Este teste fornece aos provedores de serviço um método econômico de testar a integridade das políticas definidas para permitir o fornecimento de serviços diferenciados, como triple play por. Opcional de teste MPLS O opcional MPLS permite que os provedores de serviço gerem tráfego com dois rótulos e prioridades MPLS. O teste de extremidade a extremidade com outro testador ou para um loop permite aos técnicos de campo verificar se o tráfego passa corretamente através do domínio MPLS e chega ao destino pretendido com a largura de banda e a prioridade corretas. Tag MPLS nº1 Tag MPLS nº2 LSR LSR E-LSR Tag MPLS nº1 Tag MPLS nº2 LSR LSR Sintonizando e verificando domínios MPLS com o opcional de teste SmartClass Ethernet MPLS Transmite tráfego identificado para dentro do domínio MPLS Verifica a presença de tráfego de teste com os rótulos corretos em outros pontos de teste Verifica se o tráfego de teste chega ao Roteador comutado de rótulo Edge de destino remoção de marca Verifica erros de throughput/perda de pacotes/priorização

3 SMARTCLASS ETHERNET 3 Opcional de conjunto de teste Asymmetric RFC2544 Alguns serviços são previstos com taxas upstream e downstream diferentes. O teste desses serviços com um loop só pode verificar o desempenho do serviço na metade inferior do link. O opcional Asymmetric RFC2544 fornece uma versão automatizada de RFC2544 que pode determinar o throughput máximo, quadros back-to-back, taxa de perda de quadros e jitter em cada direção do link, independentemente. Esse teste permite verificar as políticas de rede definidas para estrangular a largura de banda em uma metade do circuito Ethernet. São necessárias duas unidades SmartClass habitadas para Asymmetric RFC2544 para realizar este teste. Suporte a protocolo VLAN A geração de um fluxo de tráfego Ethernet com uma identidade VLAN e uma prioridade específica (IEEE 802.1q/802.1p) permite aos técnicos verificar a transmissão e a priorização corretas do fluxo em toda a rede. Adicionalmente, o suporte aos protocolos Q-in-Q (pilhas VLAN ou 802.1ad) permite a geração e a análise tanto das VLANs do provedor quanto de clientes. A definição de filtros permite aos usuários isolar um fluxo específico de VLAN para comparar seu desempenho com o desempenho total do link. Os filtros de VLAN são incluídos por padrão; entretanto, a geração de quadros VLAN requer a compra do opcional Traffic Switch da portadora UNI VLAN 10 EVC1 VLAN 20 VLAN 30 VLANs do cliente A VLAN 20, 30 Identidades VLAN coincidentes entre clientes VLANs do cliente B VLAN 30, 40 EVC2 Tags/empilhamento de VLAN (Q-in-Q) Um pacote Ethernet pode entrar na rede de dois modos Pacote Ethernet sem tag Com tag VLAN único ou empilhado (Q-in-Q) O provedor adicionará uma tag ao pacote no dispositivo Edge Políticas de limitação de velocidade ocorrem no roteador Edge do provedor Ping e traceroute O opcional Traffic inclui as funções Ping e Traceroute de, que permitem que os técnicos verifiquem a conectividade de extremidade a extremidade em uma rede roteada. O Traceroute permite que os usuários segmentem ainda mais um problema ou mapeem as conexões de rede.

4 SmartClass Ethernet SMARTCLASS ETHERNET 4 Testes de Ethernet 10M-1G Testes de loopback O SmartClass Ethernet está disponível em uma configuração simples de dispositivo de loopback L2-L4 para outros testadores do portfólio da JDSU, como o T-BERD /MTS-8000, T-BERD /MTS-6000A, FST-2802, HST-3000, QT-600 e o SmartClass Ethernet. Um dispositivo de extremidade distante, como o T-BERD/MTS-6000A, pode comandar o SmartClass Ethernet para aplicar um loop e depois gerar tráfego em direção a ele. Os técnicos podem medir parâmetros, como delay de ida e volta e throughput, no dispositivo de extremidade remota usando o SmartClass Ethernet para retornar o tráfego em loop. O modo Loopback do SmartClass Ethernet permite que tráfego Ethernet selecionado seja retornado em loop de um link ativo, o que permite que os técnicos retornem em loop apenas tráfego de teste em uma rede vida na presença de tráfego que não é de teste. EAR SER Metro Ethernet Rede EAR TB/MTS-8000 UNI Ponto de demarcação CE EAR UNI Ponto de demarcação SmartClass Instalação comercial A FST-2802 HST-3000 Instalação comercial B Geração, análise e filtragem de tráfego Ethernet e O SmartClass Ethernet oferece uma porta Ethernet óptica de 1 G e uma porta Ethernet elétrica de 10/100/1000 Mb/s que, opcionalmente, podem fornecer capacidade de transmissão de tráfego Ethernet e. O opcional Traffic permite aos técnicos gerar quadros Ethernet ou com parâmetros configuráveis, como utilização de largura de banda, comprimento de quadro e tributário de quadros com diversas velocidades de tráfego e tipos de fluxo. Configure pacotes com diferentes endereços de destino, endereço de origem, campo de tipo de serviço TOS (type of service)/dscp (Differentiated Services Code Point) e rótulos MPLS ou tags VLAN (virtual local area network). Use o servidor DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) para atribuir o endereço do testados para evitar conflitos de endereço. O SmartClass Ethernet pode transmitir tráfego para medir o throughput da rede, latência, perda, jitter (RFC3393) e erros de pacote/quadro características necessárias para verificar se o QoS está definido corretamente para fornecer o serviço Ethernet de acordo com o contrato de nível de serviço, que também pode provar a capacidade da rede de transportar aplicações de tempo real, como voz por e tráfego de vídeo.

5 SmartClass Ethernet SMARTCLASS ETHERNET 5 Opcional óptico O SmartClass Ethernet é fornecido por padrão com uma conexão elétrica RJ45 com taxa de linha de 1Gb/s Além disso, a unidade pode ser pedida com a porta SFP (small form-factor, pluggable) habilitada para que a unidade possa gerar tráfego de Ethernet óptica com taxa de linha. O SmartClass Ethernet pode suportar as interfaces SX, LX, ZX, BX e CWDM (coarse wavelength division multiplexing) a 1000 Mb/s. Teste automatizado RFC2544 Para verificar se estão cumprindo os SLAs, os provedores de serviço, muitas vezes, executam um conjunto completo de testes na ativação, conhecidos como RFC2544. Esses testes são empacotados em um teste automático fácil de usar no SmartClass Ethernet. Com um único botão para pressionar, os técnicos podem configurar o link com as definições e os testes salvos para determinados limites personalizáveis, de forma que o teste é realizado da mesma maneira todas as vezes, com resultados consistentes que podem ser reproduzidos. SmartClass Detecta problemas como circuito aberto a 50 m no par 4 Diagnóstico da camada física Em circuitos de Ethernet elétrica, o SmartClass Ethernet pode exibir a velocidade do link, o status do link, o status do cabo, o tipo de MDI/MDIX) (media dependent interface/media dependent interface crossover) e a distância até a falha com o pressionar de um único botão. Para verificar a conectividade em links de fibra, ele reporta o nível de potência do sinal óptico. Esses recursos permitem aos técnicos identificar rapidamente problemas na camada física. Relatórios gráficos Todos os resultados de teste são armazenados em segurança na unidade SmartClass Ethernet e podem ser facilmente recuperados para relatório usando o software JDSU Download Manager, incluído com cada unidade. Salva relatórios no formato de planilha Excel, texto ou PDF. Os relatórios de teste mostram graficamente os resultados dos testes de desempenho da rede aos clientes finais ou podem documentar informações sobre o desempenho da rede para uso interno. Resultados dos testes de throughput

6 SMARTCLASS ETHERNET 6 Especificações e recursos Interfaces Ethernet/ elétrica 100/100/1000 Mbps RJ45 único Ethernet/ óptica 1000 Mbps Interface SFP Modos de operação Traffic, Streams, RFC2544, Asymmetric RFC2544, loopback, padrão, ping, Traceroute, teste de cabo e medidas de potência óptica Teste de tráfego Configuração de link Modos duplex Full/Half Controle de fluxo Negociação automática Geração de tráfego Ethernet Constante, rampa, rajada, transbordo Endereços de origem e destino configuráveis, formato de quadro, comprimento de quadro (incluindo quadros abaixo de tamanho e quadros jumbo), identidade de VLAN, prioridade de VLAN, carga paga de quadros, % de utilização, identidade de SVLAN configurável, prioridade de SVLAN, SVLAN DEI, SVLAN TPI, identidade de CVLAN, prioridade de CVLAN Constante, rampa, rajada, transbordo, ping, Traceroute, endereço configurável de origem e destino, máscara de sub-rede, gateway padrão, TTL, comprimento de pacote (incluindo quadros abaixo do tamanho e quadros jumbo), carga paga de pacotes, % de utilização, endereço de servidor DHCP configurável de TOS/DSCP para suporte de ARP de endereçamento estático ou dinâmico, MPLS Ethertype, 2 rótulos MPLS, identidade MPLS, prioridade MPLS, MPLS TTL, habilitar/desabilitar MPLS ARP Fluxos de Ethernet Constante Endereços de origem e destino configuráveis por fluxo, formato de quadro, comprimento de quadro (incluindo quadros abaixo de tamanho e quadros jumbo), identidade de VLAN, prioridade de VLAN, carga paga de quadros, % de ut lização, identidade de SVLAN configurável, prioridade de SVLAN, SVLAN DEI, SVLAN TPI, identidade de CVLAN, prior dade de CVLAN Fluxos de Constante Endereços de origem e destino configuráveis por fluxo, máscara de sub-rede, gateway padrão, TTL, comprimento de pacote (incluindo quadros abaixo do tamanho e quadros jumbo), pacotes de tributários, % de utilização, TOS/DSCP, endereço de servidor DHCP configurável para suporte a ARP de endereçamento estático ou dinâmico, byte de enchimento, identidade de VLAN, prioridade de VLAN, carga paga de quadros, % de utilização, identidade de SVLAN configurável, prioridade de SVLAN, SVLAN DEI, SVLAN TPI, identidade de CVLAN, prioridade de CVLAN Filtragem de tráfego Endereço de origem e destino, identidade de SVLAN, prioridade de SVLAN, SVLAN TPI, identidade de CVLAN, prioridade de CVLAN, endereços de origem e destino, comprimento de prefixo, campos TOS/DSCP RFC2544 e Asymmetric RFC2544 Testes automatizados Throughput Latência (RTD) Perda de quadros Quadro back-to-back Jitter Padrões de teste de erro de bit Padrões de erro de bit da camada 2 (comquadro) PRBS (2 23-1, e seleções invertidas) Tudo um, tudo zero, definido pelo usuário Padrão com quadro NCITS TR-25:1999 Padrão CRPAT (long continuous random test pattern) Padrão CJPAT (long continuous jitter test pattern) Padrão CSPAT (long compliant supply noise pattern) Principais resultados Status do link Link ativo Quadro detectado Sinc obtida Status da configuração ACK de configuração de link de negociação automática Status de anúncio de link de negociação automática Endereços de destino, quando usando ARP Estatísticas do link Utilização de largura de banda, taxa de quadros, RX/TX L1 Mbps, RX/TX L2 Mbps, delay de ida e volta, tempo de interrupção do serviço, identidade de CVLAN, identidade de SVLAN, prioridade de CVLAN, prioridade de SVLAN, jitter de pacote médio e máximor Contagens do link Total de quadros recebidos e transmitidos, quadros de pausa, quadros de VLAN, quadros de unicast, quadros de multicast, quadros de broadcast, comprimento do quadro (Bins) Contagens de erros Quadros errados de FCS, runts, jabbers, quadros abaixo do tamanho, quadros OOS, quadros perdidos, erro de soma de verificação de, erros de comprimento de pacote, erros de carga paga JDSU Resultados do Multiple Stream Resumo: status, sinc, link ativo, erros Status de configuração de : Origem e destino de, máscara de sub-rede, endereços de gateway por fluxo Estatísticas de link: utilização de largura de banda, taxa de quadros, RX/TX L1 Mbps, RX/TX L2 Mbps, tempo de interrupção do serviço Contagens do link multicast, broadcast, quadros de spanning tree, bytes de quadro RX/TX, comprimento de quadro (Bins), colisões de RX, colisões de TX, colisões tardias de TX, adiamentos de TX Estatísticas de erros Quadros errados de FCS, runts, jabbers, quadros abaixo do tamanho, taxa de quadros perdidos, erro de soma de verificação de, erros de comprimento de pacote, erros de tributário padrão JDSU Resultados por fluxo Utilização de largura de banda (média, atual, mín, máx), quadros RX Acterna, L1 RX Mbps, L2 RX Mbps, delay (atual, média), jitter de pacote (médio), quadros perdidos, proporção de perda de pacotes Testes físicos Velocidade do link, status do link, status do cabo, MDI/MDIX, distância até a falha, mapeamento de pinos, comprimento do par, polaridade, skew Medida de potência óptica (dbm) Fonte de alimentação 4 baterias AA substituíveis em campo (NiMH e alcalinas) Tempo de operação da bateria aproximadamente 4 hrs de uso típico. Suporta modo de hibernação (ativação instantânea, desligamento automático após 2 hrs) Operação em linha CA através de adaptador/carregador externo Conversor AC fornece suporte a a adaptador específico de país (EUA, Reino Unido, Austrália, Europa) Tempo de carga, interno: 4 hrs de descarregada a carregada Suporte a idiomas O SmartClass Ethernet suporta chinês simplificado, inglês, francês, alemão, italiano, japonês, coreano, português, russo e espanhol Geral Temperatura ambiente aceitável Intervalo nominal de uso 0 a +50 C Armazenamento e transporte 10 a +60 C Umidade Umidade operacional 10 a 90% Físico Tamanho (A x L x P) 230 x 120 x 50 mm (9-1/16 x 4-3/4 x 2 in) Peso, incluindo as baterias <1 kg (2 lb) Tela 320 x 240 pixel em cores

7 SMARTCLASS ETHERNET 7 Informações de pedido Pacotes CSC-ETHLP-P1 CSC-ETHLP-P2 CSC-ETHLP-P3 CSC-ETHTR-P1 CSC-ETHTR-P2 CSC-ETHTR-P3 Loopback elétrico apenas Loopback óptico e elétrico Loopback óptico e elétrico com acessórios (SX e LX SFPs e multimode + fibras de modo único com conectores LC+SC) Tráfego elétrico Tráfego óptico e elétrico Tráfego óptico e elétrico com acessórios (SX e LX SFPs e multimode + fibras de modo único com conectores LC+SC) Acessórios CSC-OPT Opcional óptico CSC-TRF Opcional Traffic CSC-MPLS Opcional MPLS CSC-MPLS-U1 Atualização de campo de MPLS* CSC-ASY Atualização de campo do Asy. RFC2544 CSC-ASY-U1 Atualização de campo do Asy. RFC2544* CSC-MSTR Opcional Multiple Streams CSC-MSTR-U1 Atualização em campo do Multiple Streams* AC-SFP-1000LX 1000LX SFP AC-SFP-1000SX 1000SX SFP AC-SFP-1000ZX 1000ZX SFP AC-SFP-1000BX nm TX, 1490 nm RX, Single mode SFP AC-SFP-1000BX nm TX, 1310 nm RX, Single mode SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP AC-SFP-CWDM nm CWDM SFP + diversos cabos * - códigos de peças U1 se aplicam apenas a unidades SmartClass Ethernet versão 3 e acima. Para descobrir como atualizar uma unidade, vá para

8 SMARTCLASS ETHERNET Vendas regionais de testes e medições AMÉRICA DO NORTE FONE: FAX: AMÉRICA LATINA FONE: FAX: ÁSIA PACÍFICO FONE: FAX: EUROPA, ORIENTE MÉDIO E ÁFRICA FONE: FAX: As especificações e descrições de produtos deste documento estão sujeitas a alterações sem prévio aviso JDS Uniphase Corporation SMCLASSETHGIGE.DS.ACC.TM.PO Abril de 2009

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Documento técnico Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Introdução Tradicionalmente, os testes de ativação das Camadas 2/3, como RFC 2544 têm sido conduzidos

Leia mais

NaviTEK II. idealindustries.com.br. Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre

NaviTEK II. idealindustries.com.br. Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação dos cabos e a resolução dos problemas de

Leia mais

NaviTEK II. idealnwd.com. Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre

NaviTEK II. idealnwd.com. Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre Economize dinheiro usando um único equipamento multifuncional para testar redes de fibra e de cobre Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação dos cabos e a resolução dos problemas de

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

SignalTEK II. idealnwd.com

SignalTEK II. idealnwd.com Economize dinheiro usando apenas um equipamento multifuncional ao invés de testadores de fibra e Power over Ethernet (PoE) separados Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação de cabos,

Leia mais

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário Marthe Ethernet A820 Manual do Usuário Índice 1 INTRODUÇÃO... 5 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 3 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS... 7 3.1 ALIMENTAÇÃO 7 3.1.1 ESPECIFICAÇÃO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO... 7 3.2 INTERFACE

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

ENH908-NWY. Manual do Usuário

ENH908-NWY. Manual do Usuário ENH908-NWY Manual do Usuário O dispositivo é um poderoso switch Fast Ethernet de alto desempenho, com todas as portas capazes de realizarem operações de negociação automática (NWay) de 10 ou 100 Mbps,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

SignalTEK II. idealindustries.com.br

SignalTEK II. idealindustries.com.br Economize dinheiro usando apenas um equipamento multifuncional ao invés de testadores de fibra e Power over Ethernet (PoE) separados Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação de cabos,

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC-F Versão 1.0 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização da CIANET.

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 001 111586 Nobreak Senoidal de Dupla Conversão de no mínimo 3.0 KVa 1. Todos os equipamentos deverão ser novos de primeiro uso e estar na linha de produção atual do fabricante; 2. A garantia

Leia mais

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados.

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados. Prefácio: Este manual descreve como utilizar o Switch Conversor de Mídia da GTS Network dos seguintes Modelos: 75.1806C - 75.1806T - 75.1806C.S25-75.3107S - 75.1906C.SWA25-75.1906C.SWB25-75.3006C.SWA20

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 Introdução O Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 fornece de alta velocidade com o padrão 802.11n, que realça a sua experiência em jogos online e multimídia.

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO http://socratesfilho.com Olá, pessoal, Meu nome é Sócrates Arantes T. Filho, sou Bacharel em Ciência da Computação pela UnB e Especialista em Segurança de Redes pela FGF. Atualmente,

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost

Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost TEW-824DRU Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost TEW-824DRU (v1.0r) Jogos de baixa latência/priorização de voz AC1750: 1,300 Mbps WiFi AC + bandas WiFi N de 450 Mbps Modelagem

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105

Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105 Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O conversor de mídia Intelbras KGM 1105 é um produto com tecnologia Gigabit Ethernet

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 8 - Comutação Ethernet 1 Bridging da Camada 2 CCNA1_8_1_1_pt[1].swf Ao acrescentarmos mais hosts em um segmento, aumentamos o domínio de colisão e o número de retransmissões. Uma solução é dividir

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 1.1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES...16 1.2 O PAPEL DO GERENTE DE REDES...18 1.3 VOCÊ: O MÉDICO DA REDE...20 1.4 REFERÊNCIAS...23 1.4.1 Livros...23

Leia mais

Software EMS Manual do usuário. CTS2780

Software EMS Manual do usuário. CTS2780 Software EMS Manual do usuário. CTS2780 V2-11/07/2014 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 GERENCIAMENTO DO OLT CTS2780... 4 1. ADICIONANDO A OLT NO EMS... 4 2. GERENCIAMENTO DO CHASSI... 7 2.1. Device Information...

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. ENDEREÇOS IP... 3 3. ANALISANDO ENDEREÇOS IPV4... 4 4. MÁSCARA DE SUB-REDE... 5 5. IP ESTÁTICO E

Leia mais

Guia do usuário UWTC-REC3. Receptor sem fio para Ethernet. Compre online em omega.com

Guia do usuário UWTC-REC3. Receptor sem fio para Ethernet. Compre online em omega.com INÍCIO RÁPIDO Guia do usuário Compre online em omega.com e-mail: info@omega.com Para obter os manuais de produtos mais recentes: www.omegamanual.info UWTC-REC3 Receptor sem fio para Ethernet O receptor

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. MANUAL DO USUÁRIO Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Os conversores de mídia KGM 1105 e KGS 1115

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Placa Conversora de Mídia CTS500E-FR LXA e LXB Versão 1.0 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização

Leia mais

Ficha técnica: Validar a conectividade da rede em menos de 10 segundos

Ficha técnica: Validar a conectividade da rede em menos de 10 segundos Ficha técnica: Validar a conectividade da rede em menos de 10 segundos Os principais recursos incluem: O Rápido e fácil de usar Entenda se um problema de conectividade de rede está no computador ou na

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Equipamento de rede Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Eq. Rede Conceitos (I) Delay tempo que demora um bit desde que parte de uma máquina até chegar a outra. Acesso tempo para

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LEIA O MANUAL ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO! Considerações importantes, leia antes de usar o produto: A diferença entre a interface Lumikit PRO X4 e Lumikit PRO

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra <jab@rnp.br> Fundamentos de Carrier Ethernet Jerônimo A. Bezerra 1 Índice Crescimento das redes metropolitanas Ethernet e seus desafios Metro Ethernet Forum - papel, aevidades e envolvimento Introdução

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte)

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) 1 Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como testar a conectividade de uma

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Ficha técnica: LinkRunner AT

Ficha técnica: LinkRunner AT Ficha técnica: LinkRunner AT Testador Automático de Redes Os principais recursos incluem: Verificação de Ethernet em cobre ou fibra de até 1 GB/s Teste TruePower over Ethernet (PoE) de até 802.3 a 25,5

Leia mais

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Sobre o Fiery Extended Applications O Fiery Extended Applications (FEA) 4.1 é um pacote dos seguintes aplicativos para uso

Leia mais

Conversor de Mídia Intelbras KFM 112

Conversor de Mídia Intelbras KFM 112 Conversor de Mídia Intelbras KFM 112 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O conversor de mídia Intelbras KFM 112 é um produto com tecnologia Fast Ethernet

Leia mais

ENH916-NWY. Manual do Usuário

ENH916-NWY. Manual do Usuário ENH916-NWY Manual do Usuário Aviso da FCC Este equipamento foi testado e se encontra em conformidade com os limites de dispositivo digital de Classe B, de acordo com a Parte 15 das Regras de FCC. Estes

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC MXU VERSÃO 1.0 12 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas:

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas: P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Sumário: Novas Técnicas aplicadas na Ethernet Full-duplex na Ethernet Controlo de

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Documento técnico Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Por: Matt Brown Introdução À medida que a demanda por dados continua a aumentar, cresce também a penetração da fibra óptica

Leia mais

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP DC72 BLADE CLIENT. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a HP DC72

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1.UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE REDE CORPORATIVOS ( SWITCHS e ACESSÓRIOS), todos

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais