Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)"

Transcrição

1 ORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por:

2 ORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Plataformas de routing IP/MPLS PT Inovação/DSR

3 ORAMA A (SI&DT Agenda 1. Enquadramento 2. Avaliação comparativa 3. As soluções Winpath 2 o Tomada de contacto: WDS2 o Evolução: MAiS-GT GT, GX o Revolução: BOCA 4. A solução Winpath 1 o Aproveitamento: MAiS 5. A solução Winpath 3 o Tomada de contacto: t WDS3 o Futuro: PackeTPad 3

4 ORAMA A (SI&DT 1 - ENQUADRAMENTO 4

5 ORAMA A (SI&DT As necessidades As redes de transporte estão a evoluir no sentido da consolidação, convergência, escalabilidade, facilidade de aprovisionamento e engenharia de tráfego. Em muitos casos isto significa suportar IP/MPLS em produtos PT Inovação: PackeTPad solução de transporte em fibra ótica MAiS solução de agregação e otimização i de interfaces móveis e fixas de voz 5

6 A evolução da rede móvel T A (SI&DT ORAMA 6

7 ORAMA A (SI&DT Os constituintes Para a incorporação de funcionalidades IP/MPLS há a considerar: Plano de dados para assegurar o desempenho, será feito o mais próximo do HW PWE3 Melhor em FPGA LSR Bem em FPGA ou network processor LER Melhor em network processor Plano de controlo Suporte carrier grade dum grande leque de funcionalidades e inter-operar no estabelecimento dinâmico de ligações com o desempenho adequado Análise desenvolver/evoluir open-source/incorporar Restrições time-to-market to market e core business 7

8 ORAMA A (SI&DT Lógica programável A PT Inovação tem investido cada vez mais em desenvolver funcionalidades importantes em lógica programável Melhor conhecimento da tecnologia Maior capacidade de atingir os objetivos Equipamentos mais flexíveis Equipamentos mais baratos 8

9 ORAMA A (SI&DT Network processing APTI Inovação tem usado desde 2006 um network processor Winpath da 1.ª geração (WP1), agora do fabricante PMC-Sierra. Com a evolução desta família, apostamos em não mudar: Evitamos uma longa curva de aprendizagem Há suporte para a funcionalidades desejadas O nosso trabalho de desenvolvimento é feito sobre a WDDI/WDDS em formato binário 9

10 Arquitetura Winpath 3 ORAMA A (SI&DT O topo de gama desta família apresenta todos os constituintes i t necessários para suportar as plataformas IP/MPLS planeadas. Uma aproximação modular permite utilizar a mesma placa para soluções de baixa e alta densidade. 10

11 ORAMA A (SI&DT A stack protocolar IP/MPLS Uma parte importante do plano de controlo é a stack protocolar. Muitos equipamentos PT Inovação suportam já partes mais ou menos complexas de funções protocolares IP: Baseado em open-source: Zebra, Quagga, Dragon, No caso GMPLS o plano de dados é na FPGA Existe instabilidade e obriga à correção de bugs Nem sempre há um suporte coerente de funcionalidades As plataformas PTIN têm de suportar as funcionalidades e a qualidade exigidas pelos nossos clientes: Desenvolver inicialmente com base em open-source, servindo também para consolidar conhecimentos Efetuar a análise comparativa exaustiva das várias opções 11

12 ORAMA A (SI&DT 2 AVALIAÇÃO COMPARATIVA 12

13 ORAMA A (SI&DT A concorrência e os clientes IP/MPLS Para ambos os produtos PTIN foram identificados, analisados e caracterizados: os principais concorrentes, os requisitos exigidos pelos clientes A solução PTIN adotada terá obrigatoriamente de ser competitiva técnica e economicamente 13

14 ORAMA A (SI&DT Concorrentes do MAiS Para as aplicações de optimização das redes de acesso rádio (RAN), as funcionalidades básicas são: Suporte de interfaces Abis/Ater (TDM, HDLC) CDMA (HDLC, ATM) UMTS (HDLC, ATM, ETH) Compressão sem perdas TDM, Ethernet, IP Prioritização de tráfego Backhaul ATM, MLPPP, IP/Ethernet MPLS Redundância Cisco (RAN) MWR 2941-DC ONS (RAN-SVC) Celtro (RAN) DMT1000E, DMT4000E Tellabs 8605, 8830MSR Memotec CXU Veraz (DCME) I-Gate 4000, 14

15 ORAMA A (SI&DT Concorrentes do PackeTPad O PackeTPad é a grande aposta PTIN para o transporte de pacotes, focado na tecnologia MPLS-TP. Entretanto, reconhecemos a necessidade d de suportar também IP/MPLS, conforme validado pelas solicitações dos clientes, de forma a competir com os outros fornecedores. PP12 Juniper T640 Cisco ASR9000 Huawei NET Engine 80 Tellabs 8800MSR PP360 15

16 ORAMA A (SI&DT Backhaul MPLS para redes móveis O primeiro estudo das stacks protocolares alternativas foi enquadrado num mestrado na Universidade de Aveiro: Requisitos MPLS para o backhaul de redes móveis MPLS Mobile Backhaul Initiative (MMBI) Levantamento das stacks alternativas MPLS for linux, IPInfusion, Metaswitch Validação da solução MPLS for linux, em comparação com Cisco Testes funcionais Testes de desempenho e escalabilidade

17 Comparação de funcionalidades IP/MPLS Legend Pts Description - 0 Doesn't have to give that support? 1 Doubt whether it supports or not N 0 Doesn't support N/A 0 Not Applicable Y 10 Supporst the requirement (in red if there are some comments on it) Quagga IP Infusion MetaSwitch Huawei TelLabs 8800MSR Alcatel SR 7750 Cisco ASR9000 Jun niper T Version Routing IP Layer 3 and Routing CC;ET; Distributtted Routing Architecture Y Y Y Y? Y Y Y CC; Redistribution of routes between different protocols Y Y Y?? Y?? CC; Logs generation for events on protocols Y Y Y?? Y Y Y CC;ET; RFC 3768 Virtual Router Redundancy Protocol VRRP N? N Y Y Y Y Y CC; Customization of interface down / up time - - -????? CC; Policy Based Routing Y Y N?? Y Y Y ORAMA A (SI&DT 1.2 IPv IPv CC;CO;ET; 1.4 BFD BGP OSPF IS IS RIP Version MPLS and QoS MPLS CC;CO; 2.2 QoS and CoS Version Multicast and VPN Multicast Multicast IPv Multicast IPv VPN Gerenal and Performance Requirements General Requirements Performance Requirements

18 ORAMA A (SI&DT 3 AS SOLUÇÕES WINPATH 2 18

19 WDS2 O Winpath 1 apresentava graves limitações: débitos Gigabit Ethernet recursos de processamento software sem evolução ORAMA A (SI&DT Para tomar contacto com a família Winpath 2, a mais recente na época, comprou-se a placa WDS2, de avaliação da Wintegra. Já existia o Winpath 3, mas ainda não estava disponível Sobre esta placa começou-se o trabalho de desenvolvimento para o controlo das funcionalidades MPLS no Winpath 2 sobre a nova versão de WDDI (3.0) 19

20 Winpath 2 FPGA Spartan 6 Módulo AHA externo de compressão 6 DSP Tomahawk MAiS-GT, GX ORAMA A (SI&DT O objetivo era dotar os equipamentos MAiS de: Compressão Ethernet Backhaul sobre IP/MPLS Suporte de Interfaces GE Maior densidade de interfaces otimizadas Desenvolveram-se as seguintes placas baseadas no WP2: MAiS-GT Placa compressora de E1 e ETH MAiS-GX Controladora do chassis MAiS16, com interfaces STM1/4 e GE (não 10GE) MAiS16 FPGA Stratix IV-GX 20

21 r p t default 0a r p r p Plataformas de routing IP/MPLS Arquitetura de interworking no WP2 Foi parcialmente desenvolvida a implementação do data path no Winpath 2: Driver Winpath 2 Interface com Quagga Controlo de configuração UNK Memb Filtros mul Host VLAN Term ARP UN UN K K Me Me mb mb UNTAG VLAN_x m m tag u u MC 0 UNK l Vla l Vla Memb nx nxun 0 Br k oa d untag 0 untagunk Untag mul MC 0 0 untag Broad gw Rotas Routing Host Analyzing queues tag ORAMA A (SI&DT 0 Rx Bindi ng ETH C Bridging IW system 4 TX 1 _H OS T_ CH AN NE L Agg DM 0 Filtro vlan+arp 0a ARP unt ag TX _H 4095OS T_ CH AN 0 NE L NAT Agg 1.1 DM NAT 1.2 NAT NAT 1.3 Default NAT Routing Fire Client 1 Wall Rotas ENET CLiente1 default Filtro vlan+arp NAT 1.3 NAT 1.2 NAT 1.1 Default NAT NAT Routing Client Fire 4095 Wall Rotas 0a ARP ENET CLiente4095 ARP gestao Host Aplication LINUX IP Gestao

22 Impasse no MAiS-G Conflito de interesses: PTIN Compressão; MPLS Parceiro densidade E1; LEC ORAMA A (SI&DT O trabalho desenvolvido não entra em produção

23 BOCA ORAMA A (SI&DT Proposto o BOCA: Backhaul IP/MPLS Compressão flow-through em chipset Hifn (sem DSP) sobre PWE3 ATM, TDM, HDLC Ethernet IP recorrendo a routing Sem suporte de DCME Abandonado: Não substitui completamente o MAiS Obriga a um novo produto no portfolio Sync Ethernet Sync Ethernet 16E1 SINC 23

24 ORAMA A (SI&DT 4 A SOLUÇÃO WINPATH 1 24

25 ORAMA A (SI&DT O que fazer ao MAiS? Alternativas de evolução abandonadas Funcionalidades não suportadas no WP1 Planear compressão IP/Ethernet e MPLS no PP Integração IP/MPLS no kernel linux Plano de dados no kernel linux com débito limitado Adequado para a rede de gestão Modelação e desenvolvimento do software de configuração Usado no demonstrador deste workshop

26 Cenário de demonstração ORAMA A (SI&DT Para além do MAiS poder ligar-se em IP/MPLS à rede de gestão, também pode servir de gateway para equipamentos que não suportem protocolos de routing No cenário montado para este workshop podemos: Inspecionar o tráfego IP/MPLS Injetar e receber tráfego em IP MAiS1 IP/MPLS Gestão MAiS1 AgoraNG PP N2X 26

27 ORAMA A (SI&DT 5 A SOLUÇÃO WINPATH 3 27

28 WDS3 Para o PackeTPad, precisávamos do topo de gama dos processadores de rede, de maneira a suportarmos wirespeed a 10Gbps. ORAMA A (SI&DT De maneira a acelerar o desenvolvimento, comprou-se a placa WDS3 de avaliação da Wintegra. Atividades: Definição do modo de funcionamento, de acordo com a WDDI 4.2 Aferição do desempenho 28

29 Trabalho a fazer ORAMA A (SI&DT 1. Desenvolver uma placa para o PackeTPad: Winpath 3 Altera Stratix IV-GX Exar 8202 Compressão, Encriptação, Hash Desempenho de 1.6Gb/s em PCIe 2. Decidir qual a stack protocolar IP/MPLS a usar 3. Conceber arquitetura de software integrada no PackeTPad 4. Desenvolver e testar 29

30 ORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Executado por: Pedro Mendes PT Inovação / DSR2 Telefone:

Projeto Roteador Giga. Marcial Porto Fernandez mfernandez@ic.uff.br

Projeto Roteador Giga. Marcial Porto Fernandez mfernandez@ic.uff.br Projeto Roteador Giga Marcial Porto Fernandez mfernandez@ic.uff.br Objetivos do Projeto Objetivos: Desenvolver um roteador gigabit para projeto Giga. Desenvolver plataforma aberta e sistema de desenvolvimento

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

Formação BEYOND INNOVATION

Formação BEYOND INNOVATION Formação BEYOND INNOVATION 05 APLICAÇÕES E SERVIÇOS INTRODUÇÃO Conceitos de Segurança - BYOD Triple Play Gestão de Identidades - Estado da Arte e Tendências Instalação de Soluções Triple Play - MEO MEO:

Leia mais

TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO

TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO Maio / 2014 AGENDA DEMANDAS DA GESTÃO PÚBLICA SOBRE A TI E AS COMUNICAÇÕES SOLUÇÕES COM TECNOLOGIA NACIONAL

Leia mais

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador 11 O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador 22 Objectivo da apresentação 1. Apresentar a topologia-macro da infra-estrutura de rede 2. Identificar os principais desafios para os operadores

Leia mais

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Nome: Guilherme M. Ramires Analista de Sistemas Pós-Graduado em Tecnologia e Gerenciamento de Redes de Computadores CEO

Leia mais

Linha de Switches EX. June 2010 Fabio Melchert Channel Director Juniper Networks Brazil

Linha de Switches EX. June 2010 Fabio Melchert Channel Director Juniper Networks Brazil Linha de Switches EX June 2010 Fabio Melchert Channel Director Juniper Networks Brazil PORTFOLIO DA SÉRIE EX Juniper Network & Policy Mgmt Infranet Controller SA Series J Series EX3200 WAN SSG WX/WXC EX2200

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1.UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE REDE CORPORATIVOS ( SWITCHS e ACESSÓRIOS), todos

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

Simulando redes complexas com o GNS3

Simulando redes complexas com o GNS3 Simulando redes complexas com o GNS3 Elias Knebel¹, Gerson Battisti¹ ¹Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI) elias_knebel@yahoo.com.br,

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Soluções para Rede GPON e Metro Ethernet

Soluções para Rede GPON e Metro Ethernet Soluções para Rede GPON e Metro Ethernet ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO - Apresentação da DATACOM - Soluções para Acesso - ADSL/VDSL - GPON - Metro Ethernet - Soluções para Distribuição (Transporte) - Soluções

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Implementação do Protocolo 802.1x Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius.

Implementação do Protocolo 802.1x Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Implementação do Protocolo 802.1x Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Neste trabalho iremos falar sobre FreeRadius, funcionando juntamente com o protocolo 802.1* em um roteador da Mikrotik,

Leia mais

Estudo de Caso. Switching e VLAN na. MUM - BRASIL - Florianópolis, 5 e 6 de novembro de 2015

Estudo de Caso. Switching e VLAN na. MUM - BRASIL - Florianópolis, 5 e 6 de novembro de 2015 1 Estudo de Caso + Switching e VLAN na MUM - BRASIL - Florianópolis, 5 e 6 de novembro de 2015 Agenda Tempo Total: 30 minutos Estudo de Caso: 10 minutos Switching e VLAN: 15 minutos Perguntas: 5 minutos

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga RIP O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

7.4 Encaminhamento IP

7.4 Encaminhamento IP 7.4 Encaminhamento IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Encaminhamento IP Características Baseado

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0)

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Enquadramento Geral Objetivos do Percurso Dotar os formandos de conhecimentos iniciais de Routing e Switching Preparar para os exames de

Leia mais

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes

Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes Software-Defined Networks e Openflow: conceitos e tecnologias emergentes III Workshop de Tecnologia de Redes do PoP-BA Ponto de Presença da RNP na Bahia Italo Valcy 27 e 28 de setembro

Leia mais

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144) PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Mobilidade e Probes Móveis Susana Sargento, Nelson Capela, Frank Knaesel (IT

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Agenda. Mobilidade, convergência e Cloud. A Rede ótica de próxima geração na PT. Evoluções

Agenda. Mobilidade, convergência e Cloud. A Rede ótica de próxima geração na PT. Evoluções Agenda 1. Mobilidade, convergência e Cloud 2. A Rede ótica de próxima geração na PT 3. Evoluções Tsunami de dados Data rate na hora de pico Gbps transport network. DL Utilização diária Gbps transport network.

Leia mais

L13 - Aplicação do NAT (Network Address Translator)

L13 - Aplicação do NAT (Network Address Translator) L13 - Aplicação do NAT (Network Address Translator) PUBLIC Alexandre Lobo & Weltron de Oliveira Area Manager A&S - Rockwell Automation Thiago Marques Domain Expert Leader A&S - Intereng 26/05/2015 PUBLIC

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

Alta disponibilidade em roteadores: Um ambiente de teste

Alta disponibilidade em roteadores: Um ambiente de teste Alta disponibilidade em roteadores: Um ambiente de teste Autor: João Eurípedes Pereira Júnior 1, Orientador: PhD. Pedro Frosi Rosa 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Solução de baixo custo para BGP usando Mikrotik Router OS GTER 31. Bruno Lopes Fernandes Cabral

Solução de baixo custo para BGP usando Mikrotik Router OS GTER 31. Bruno Lopes Fernandes Cabral <bruno@openline.com.br> usando Mikrotik Router OS Bruno Lopes Fernandes Cabral GTER 31 São Paulo SP 13 de maio de 2011 O que é RouterOS? Distribuição Linux voltada para roteamento e wireless Simples porém

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Ter conhecimentos de Redes IP (nível básico) ou ter concluído o curso EaD "Redes IP Protocolos e Aplicações".

Ter conhecimentos de Redes IP (nível básico) ou ter concluído o curso EaD Redes IP Protocolos e Aplicações. Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Palestra: Mikrotik: Histórico, Características, Instalação e Configurações Básicas. Apresentação: Prof. Vinícius Ferreira de Souza

Palestra: Mikrotik: Histórico, Características, Instalação e Configurações Básicas. Apresentação: Prof. Vinícius Ferreira de Souza Palestra: Mikrotik: Histórico, Características, Instalação e Configurações Básicas Apresentação: Prof. Vinícius Ferreira de Souza Referencial Teórico: 1 Minicurso ministrado pelo prof. José Ferreira Neto

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Encaminhamento exterior BGP-4

Encaminhamento exterior BGP-4 Encaminhamento exterior BGP-4 (quarto trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Guia de Produtos Westcon Avaya. Routing Switches

Guia de Produtos Westcon Avaya. Routing Switches Westcon Avaya Routing Switches Índice A Westcon Brasil Westcon Convergence Distribuição Perfil Corporativo Programa de Soluções Como fazer um pedido Serviço ao Cliente Serviço de Logística Financiamento

Leia mais

Ligação à RCTS com peering BGP sobre routers baseados em servidores Linux

Ligação à RCTS com peering BGP sobre routers baseados em servidores Linux Ligação à RCTS com peering BGP sobre routers baseados em servidores Linux Implementação na rede da ex-utl Jorge Matias Israel Lugo 11/02/2015 Jornadas FCCN 2015 1 Sumário Motivação Computador vs router

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento 1- Introdução 1 1.1 Desafios da administração de redes 1.2 Objectivos do livro e abordagem utilizada 1.3 Organização do presente texto 2 - As Actuais Infra-Estruturas De Rede 7 2.1 Introdução 2.2 Tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação. A T7 Solutions Informática e Telecomunicações atua como prestadora de serviços de Infraestrutura de TI e Telecom, com foco no desenvolvimento e implementação de soluções de Infraestrutura, Dados e Voz.

Leia mais

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial Ricardo Fernandes Fernando C. Barbi, PMP, CCNP GTER 24-26/10/2007 Apresentação da Dualtec Por que IP v6? Etapas do processo de implantação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

PTTForum8 eng@ptt.br. São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014

PTTForum8 eng@ptt.br. São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014 PTTForum8 eng@ptt.br São Paulo, Brasil 25 de Novembro de 2014 Acordo de Troca de Tráfego Multilateral PTT.br - São Paulo Pablo Martins F Costa pablo@nic.br Resumo Atualizações no ATM ( Acordo de Troca

Leia mais

Mensagem da Administração

Mensagem da Administração Mensagem da Administração Quanto à área das Comunicações Wireless, o projeto Wavesys é o resultado de 3 anos de investigação e desenvolvimento e de 12 anos de experiência acumulada com a implementação

Leia mais

Configuração de redes no Gnu/Linux

Configuração de redes no Gnu/Linux Configuração de redes no Gnu/Linux Comando ifconfig: É utilizado basicamente para configurar o ip, a mascara de rede e outras opções de placas de rede. Rodado sem opções ele retorna todas as placas de

Leia mais

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Emulação de redes IPv6 GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda Motivação Softwares para simulação O NetKit Instalando... Máquinas virtuais... Laboratórios... Exemplo: Simulando

Leia mais

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo profissionalismo, velocidade, qualidade e conhecimento

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Ricardo Kléber M. Galvão (rk@ufrn.br) http://naris.info.ufrn.br Núcleo de Atendimento e Resposta a Incidentes de Segurança

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Sobre os critérios de aceitabilidade pág 2/3 (1) Os subitens 1.1 e 1.5 da proposta excedem os preços máximos admissíveis estabelecidos

Leia mais

Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX

Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes (GTER39) Conexão com PTT's utilizando Vyatta/Vyos/EdgeMAX Elizandro Pacheco www.pachecotecnologia.net Elizandro Pacheco

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

FTOS: Um sistema operacional de switch/roteador modular e portátil otimizado para resiliência e escalabilidade. Uma Nota Técnica da Dell

FTOS: Um sistema operacional de switch/roteador modular e portátil otimizado para resiliência e escalabilidade. Uma Nota Técnica da Dell FTOS: Um sistema operacional de switch/roteador modular e portátil otimizado para resiliência e escalabilidade Uma Nota Técnica da Dell Esta nota técnica serve apenas para fins informativos e pode conter

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Roberto J. L. Mendonça 1, Alessandra B. S. Almeida 2 1 Superintendência de Operações Serviço Federal de Processamento de

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro <eng@ptt.br> PTTMetro Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010 Equipe de Engenharia PTTMetro 1 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria

Leia mais

Compatibilidade de Firmwares do DM810 Versões de Firmware e Funcionalidades. Características das Versões de Firmwares

Compatibilidade de Firmwares do DM810 Versões de Firmware e Funcionalidades. Características das Versões de Firmwares Compatibilidade de s do Versões de e Funcionalidades Características das Versões de s Versão Release Arquivo 09/02/2015 0434-16.im 4.2 06/10/2014 0434-15.im 10/05/2013 0434-13.im 23/10/2012 0434-12.im

Leia mais

Backbone e Infraestrutura do PoP-RS/RNP. Leandro M. Bertholdo berthold@pop-rs.rnp.br

Backbone e Infraestrutura do PoP-RS/RNP. Leandro M. Bertholdo berthold@pop-rs.rnp.br Backbone e Infraestrutura do PoP-RS/RNP Leandro M. Bertholdo berthold@pop-rs.rnp.br Resumo do PoP-RS Sediado no CPD-Ufrgs O POP-RS/RNP está instalado no CPD/Ufrgs desde 1994/1995 Campus Médico da UFRGS

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Encaminhamento estático Princípios do encaminhamento dinâmico

Administração de Redes 2014/15. Encaminhamento estático Princípios do encaminhamento dinâmico Administração de Redes 2014/15 Encaminhamento estático Princípios do encaminhamento dinâmico 1 Routers Vamos trabalhar com dois tipos de routers Routers Cisco com sistema operativo IOS Routers Linux Router

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II Ana Claudia de Barcellos Negócio Satélite na BT LatAm Foco no Mercado Corporativo BT possui uma ótima reputação na região com capacidade

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais