ÍNDICE. Capítulo III Procedimentos Técnico-Contabilísticos de Fim de Exercício

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Capítulo III Procedimentos Técnico-Contabilísticos de Fim de Exercício"

Transcrição

1 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 5 Nota Prévia Capítulo I A Importância da Informação Contabilística 1. As necessidades de Informação nas empresas Características da Informação Financeira As Perspectivas da Contabilidade no Futuro Capítulo II A Organização da Contabilidade 1. O Ciclo Contabilístico Os sistemas de Escrituração O sistema clássico O sistema do Diário-Razão O sistema Centralizador O sistema de escrituração por decalque A Contabilidade por Computador O Subsistema de Contabilidade Capítulo III Procedimentos Técnico-Contabilísticos de Fim de Exercício 1. A Contabilização das Operações Os Balancetes As Demonstrações Financeiras A Demonstração dos Resultados por Funções Introdução Principais conceitos Apresentação A Demonstração dos Fluxos de Caixa O ciclo de exploração e os fluxos de caixa Aspectos principais da Demonstração dos Fluxos de Caixa Métodos de elaboração O Fecho e Abertura das Contas As contas e as normas internacionais de contabilidade Capítulo IV O SNC - Sistema de Normalização Contabilística 1. Introdução Estrutura do SNC Bases para a apresentação das demonstrações financeiras Modelos de demonstrações financeiras Código de contas Normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) Norma contabilística e de rlato financeiro para pequenas entidades (NRCF - PE) Normas interpretativas (NI)

2 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 6 Capítulo V Reavaliação do Activo Imobilizado Corpóreo 1. Introdução Enquadramento Fiscal das Reavaliações Âmbito dareavaliação ao abrigo do Decreto-Lei n.º 31/ Quem pode efectuar a reavaliação Elementos do Activo Imobilizado que podem ser reavaliados Elementos do Activo Imobilizado que não podem ser reavaliados Data a que deve reportar a reavaliação Balanço em que deve figurar a reavaliação Valor a reavaliar Regime Fiscal da Reavaliação Enquadramento fiscal das amortizações Custos ou perdas não dedutíveis Exemplo V Alienação de Imobilizado Corpóreo reavaliado Bens em Regime de Locação Financeira Utilização da Reserva da Reavaliação Aplicação Prática de uma Reavaliação «Reavaliações Livres» Exemplo V Exemplo V Legislação Decreto-Lei n.º 31/98, de 11 de Fevereiro Portaria n.º 222/97, de 2 de Abril Directriz Contabilística n.º Capítulo VI O Encerramento das Contas 1.O processo de encerramento das Contas Aspectos técnicos do encerramento das Contas Inventário geral Disponibilidades As contas a receber e a pagar As existências O imobilizado Verificação das principais contas Disponibilidades Compras de bens e serviços, pessoal e dívidas a pagar Existências e custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas Exemplo VI Exemplo VI Imobilizações Investimentos financeiros Exemplo V.I Vendas, prestações de serviços e dívidas a receber Acréscimos e diferimentos Exemplo VI

3 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 7 Exemplo VI Exemplo V.I Provisões Capital próprio Regularização e rectificação das contas Estimativa do Imposto sobre o Rendimento Exemplo V.I O apuramento dos resultados Elaboração das demonstrações financeiras O encerramento das contas Capítulo VII Obrigações Fiscais decorrentes do Encerramento das Contas 1. Introdução Regime Geral de Tributação do Lucro Tributável Declaração periódica de rendimentos - modelo Quadro 7 Apuramento do lucro tributável Valores a acrescer ao lucro tributável Campo Variações patrimoniais positivas não reflectidas no resultado líquido Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campo 203 Variações patrimoniais negativas não reflectidas no resultado líquido Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campo 205 Matéria colectável/lucro tributável imputado por sociedades transparentes, ACE s ou AEIE Exemplo VII Campo 206 Prémios de seguros e contribuições Exemplo VII Campo 207 Reintegrações e amortizações não aceites como custo Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campos 208 e 270 Provisões (e ajustamentos de valores de activos) não dedutíveis ou para além dos limites legais Exemplo VII Campo Realizações de utilidade social não dedutíveis Exemplo VII Exemplo VII Campo Donativos não previstos ou além dos limites Exemplo VII Exemplo VII

4 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 8 Campo 211 IRC e outros impostos incidentes directa ou indirectamente sobre os lucros Campo 212 Multas, coimas, juros compensatórios e demais encargos pela prática de infracções Exemplo VII Campo 213 Indemnizações por eventos seguráveis Exemplo VII Exemplo VII Campo 214 Despesas de carácter confidencial Exemplo VII Campo 215 Menos-valias contabilísticas Campo 217 Correcções nos casos de crédito de imposto Exemplo VII Exemplo VII Campo % do aumento das reintegrações resultantes da reavaliação do imobilizado Exemplo VII Campo 220 Importâncias devidas pelo aluguer de viaturas sem condutor 294 Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campo 222 Anulação do efeito do método da equivalência patrimonial. 310 Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campo 223 Despesas com ajudas de custo e de compensação pela deslocação em viatura própria do trabalhador Exemplo VII Exemplo VII Campo Correcções relativas a exercícios anteriores Campo Correcções relativas a preços de transferência Campo Pagamentos a entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado Imputação de lucros de sociedades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado Exemplo VII Campo Campo 254- Sub capitalização Exemplo VII Campo Juros de suprimentos Campo Despesas com combustíveis Campo 257 Diferença positiva entre o valor patrimonial tributário definitivo do imóvel e o valor constante contrato Exemplo VII Campo Campo Campo Importâncias constantes de documentos emitidos por sujeitos passivos com NIF inexistente ou inválido Custos ou perdas suportados com transmissão onerosa de partes de capital Ajustamentos de valores de activos não dedutíveis ou para além dos limites legais

5 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 9 Campo Impostos diferidos Exemplo VII Campo 216 Mais-valias fiscais sem intenção de reinvestimento Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Campo 274 Mais-valias com intenção expressa de reinvestimento Campo 275 Acréscimos por não reinvestimento Campo 276 Mais-valias fiscais regime transitório Exemplo VII Campo 225 Campo em branco Exemplo VII Valores a deduzir ao lucro tributável Campo 227 Prejuízo fiscal imputado por ACE e AEIE Exemplo VII Campo 228 Redução de provisões tributadas Campo 229 Mais-valias contabilísticas Campo 230 Menos-valias fiscais Campo 231 Restituição de impostos não dedutíveis e excesso de estimativa de impostos Campo 232 Rendimentos nos termos do artigo 46.º Exemplo VII Campo 233 Actualização dos encargos de explorações silvícolas Campo 234 Benefícios Fiscais Campo 235 Anulação do efeito do método da equivalência patrimonial 359 Campo % das realizações de utilidade social Campo Reversões de ajustamentos de valores de activos tributados 359 Exemplo VII Campo 273 Impostos diferidos Campo 237 Campo em branco Exemplo VII Quadro 8 Regimes de redução de taxa Quadro 9 - Apuramento da matéria colectável Exemplo VII Quadro 10 - Cálculo do imposto Campo 347 Imposto à taxa normal Campo 349 Imposto à taxa reduzida Campos 350 e 370 Imposto à taxa da Regiões Autónomas da Madeira e Açores Deduções à colecta Campo 353 Dupla tributação internacional Campo 355 Benefícios fiscais Campo Pagamento especial por conta Exemplo VII Campo 358 IRC liquidado Campo 371 Resultado da liquidação Exemplo VII Campo 359 Retenções na fonte Campo 360 Pagamentos por conta

6 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página 10 Exemplo VII Campo 363 IRC de exercícios anteriores Exemplo VII Campo 364 Derrama Exemplo VII Campo 365 Tributações autónomas Exemplo VII Exemplo VII Campo 366 Juros compensatórios Exemplo VII Campo 369 Juros de mora Anexos à declaração periódica de rendimentos Anexo A - Derrama Exemplo VII Anexo B Regime simplificado Anexo C Regiões autónomas Exemplo VII Declaração anual de informação contabilística e fiscal Informação Empresarial Simplificada (IES) Quem é obrigado a preencher a declaração anual de informação contabilística e fiscal Estrutura a declaração anual de informação contabilística e fiscal Data e Suporte de entrega Assinatura do TOC e Representante Legal Processo de documentação fiscal (dossier fiscal) Mapas de modelo oficial das reintegrações e amortizações Regulamentação fiscal Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Preenchimento do mapa de reintegrações e amortizações 420 Exemplo VII Exemplo VII Mapa de modelo oficial das provisões (e ajustamentos) Regulamentação fiscal Exemplo VII Exemplo VII Preenchimento do mapa das provisões Exemplo VII Mapa de modelo oficial das mais-valias e menos-valias fiscais

7 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página Regulamentação fiscal Preenchimento do mapa de modelo oficial das mais-valias e menos valias fiscais Exemplo VII Regime simplificado de determinação do lucro tributável Incidência Exemplo VII Liquidação Pagamento Obrigações declarativas Exemplo VII Exemplo VII Principais incentivos e benefícis fiscais em sede de IRC Redução de taxa Isenções temporárias e definitivas Deduções ao rendimento Exemplo VII Campo 210 Donativos não previstos ou além dos limites Exemplo VII Deduções à colecta Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Exemplo VII Limitação dos Benefícios Fiscais Caducidade e prescrição dos benefícios fiscais Revogação e suspensão dos benefícios fiscais Benefícios fiscais no âmbito da reorganização empresarial Capítulo VIII O Estudo de Algumas Operações Especiais Consolidação de Contas Enquadramento Contabilístico As ligações entre as empresas Obrigatoriedade de consolidação Métodos de consolidação A consolidação integral A consolidação proporcional A equivalência patrimonial Regime especial de tributação dos grupos de sociedades Vantagens e inconvenientes da consolidação fiscal Impostos diferidos Normas contabilísticas versus normas fiscais Diferenças entre o lucro contabilístico e o lucro tributável Diferenças permanentes ou definitivas Diferenças temporárias Métodos de contabilização dos impostos sobre lucros Método do imposto a pagar Métodos de contabilização dos efeitos tributários

8 EC,4.ªed - I:EC-I.qxd :49 Página Reconhecimento e mensuração dos activos e passivos por impostos diferidos Exemplos práticos Diferenças temporárias tributáveis Exemplo VIII Diferenças temporárias dedutíveis Exemplo VIII Exemplo VIII Prejuízos fiscais e créditos fiscais não utilizados Exemplo VIII Exemplo VIII Exemplo VIII Exemplo VIII Directriz Contabilística n.º Capítulo IX Caso Prático de Aplicação Operações preliminares Balancete de Verificação Elaboração do Inventário Geral Disponibilidades Existências Verificação, Regularização e Rectificação das Contas Disponibilidades Dívidas a Receber e a Pagar Existências Imobilizações Acréscimos e Diferimentos Balancete Analítico Rectificado (antes do apuramento de resultados) Balancete do Razão Geral(antes do apuramento de resultados) Apuramento dos Resultados Apuramento dos resultados antes de impostos Cálculo da estimativa de IRC Cálculo dos impostos correntes e diferidos Preenchimento do Modelo Contabilização dos impostos sobre os lucros Balancete Final Demonstrações Financeiras Balanço Demonstrações de Resultados por Natureza Demonstrações de Resultados por Funções Demonstração da Origem e da Aplicação de Fundos Demonstração de Fluxos de Caixa Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Bibliografia

Cód. Validação: 3450-C0607-2 2015-05-31 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL

Cód. Validação: 3450-C0607-2 2015-05-31 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 05 0 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO EXERCÍCIO De 0-0-0 a 0-- 0 0 R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO SERVIÇO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE 1. Objectivos Gerais O programa da presente disciplina tem por objectivo dar a conhecer aos alunos o conjunto de normas e princípios que regulam o nascimento, desenvolvimento

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

(SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) IDENTIFICAÇÃO DO TITULAR DO RENDIMENTO

(SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) IDENTIFICAÇÃO DO TITULAR DO RENDIMENTO 01 IRS - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) CATEGORIA B 1 CATEGORIA C CATEGORIA D 3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (Campos de preenchimento obrigatório

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO/PERÍODO 1 IES - INFORMAÇÃO

Leia mais

Constituem ainda elementos indicadores da qualificação, em termos substanciais, de uma locação como financeira,

Constituem ainda elementos indicadores da qualificação, em termos substanciais, de uma locação como financeira, ÍNDICE 1. NCRF 9 2. Regime Contabilístico 3. Regime Fiscal 4. IVA 5. Quadro Resumo 6. Exemplos 1. NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO ( NCRF ) 9 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 158/2009,

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 CÓDIGO CONTAS ACTIVO ANO ACTIVO BRUTO AMORTIZAÇÃO ACUMULADA ANO-ACTIVO LIQUIDO ANO ANTERIOR 10 01 Caixa e Disponibilidades 70.895,07 70.895,07 114.143,22 12 02 Disponib.à

Leia mais

OS IMPOSTOS DIFERIDOS EM PORTUGAL

OS IMPOSTOS DIFERIDOS EM PORTUGAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Campus Politécnico - Repeses - 3500 VISEU Telefone: 232.480.500 Fax: 232.424.651 E-mail: dgest@mail.estv.ipv.pt Site:

Leia mais

Impostos sobre o Rendimento Regulamento de Reavalição dos Activos Tangíveis

Impostos sobre o Rendimento Regulamento de Reavalição dos Activos Tangíveis Impostos sobre o Rendimento Regulamento de Reavalição dos Activos Tangíveis Regulamento de Reavaliação dos Activos Tangíveis DECRETO N.º 71/2013 DE 23 DE DEZEMBRO Mostrando-se necessário proceder à reavaliação

Leia mais

Contabilidade Financeira III

Contabilidade Financeira III Contabilidade Financeira III Impostos Diferidos 1 Introdução É que esta matéria dos impostos diferidos, não é uma matéria simples, e para a compreender é preciso aprender a pensar em termos de impostos

Leia mais

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS naguiar@ipb.pt Lisboa, 04-06-2015 Constituição da República Portuguesa Artigo 85º 1. O Estado estimula e apoia a criação e a actividade de cooperativas. 2. A lei definirá os

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto

BOLETIM INFORMATIVO REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto Departamentos: Contabilidade, Auditoria e Fiscalidade BOLETIM INFORMATIVO 01 de Setembro de 2014 REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto Pedro Moreira T.O.C

Leia mais

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 Sumário Prefácio à décima primeira edição, 15 Prefácio à décima edição, 17 Prefácio à nona edição, 19 Prefácio à primeira edição, 21 Sugestões ao professor, 23 PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 1 CONTABILIDADE,

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) IES 01 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) SERVIÇO DE FINANÇAS DA ÁREA DO DOMICÍLIO 02 03 ANO FISCAL DO SUJEITO PASSIVO DECLARAÇÃO ANUAL 01

Leia mais

inedem Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento Empresarial PORTO

inedem Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento Empresarial PORTO inedem Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento Empresarial PORTO Julho 2009 COACHING PARA A DIRECÇÃO DE PESSOAS 15 Horas O coaching está na moda entre os líderes empresariais porque revela as capacidades

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Objectivo ( 1) Definições ( 5 a 6) 5. Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados especificados: Activos

Leia mais

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 03 R P MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS Volume global de negócios não isento REGIÕES AUTÓNOMAS 01 Nº DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos

Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos Ilídio Tomás Lopes Escola Superior de Gestão e Tecnologia do Instituto Politécnico de Santarém ilidio.lopes@esg.ipsantarem.pt 16 de março de 2012 Coimbra Objetivos

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 28/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA

Leia mais

A EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL E OS IMPOSTOS DIFERIDOS

A EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL E OS IMPOSTOS DIFERIDOS 1 A EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL E OS IMPOSTOS DIFERIDOS Artigo Publicado na Revista CTOC de Dezembro/2006 Carlos António Rosa Lopes Técnico Oficial de Contas Revisor Oficial de Contas 1. - Introdução 1.1.

Leia mais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010 A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Delimitação do tema Custos e proveitos contabilísticos que não são fiscalmente relevantes,

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Calendário Fiscal 2016

Calendário Fiscal 2016 1224455645 45 46 456 4 45 345 8990 4322 344445 5666 2 2121 212 477 7 35 578997896 2345 345 45 6 65 3 24 6 76 7 1 168 1 5 95 64966 883 55 7 9 0 4564576 3 5345345 66345343 1223 576 7 8888 24 76868 123234

Leia mais

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo Britcham Brasil Grupo Legal & Regulatório Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo São Paulo, 26 de junho de 2015 1 Introdução à Legislação 28/12/2007 27/05/2009 16/09/2013 13/05/2014 24/11/2014 Lei

Leia mais

INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO

INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO ( Artº 33º, do Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social, aprovado pelo Dec.-Lei n.º 119/83, de 25 de

Leia mais

ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar

ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar 1º Semestre 2015 1 ÍNDICE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2015 EM BASE INDIVIDUAL... 3 NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2015/2016. Docente: José Eduardo Gonçalves

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2015/2016. Docente: José Eduardo Gonçalves CONTABILIDADE I Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2015/2016 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DO DESPORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DO DESPORTO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DO DESPORTO CONTABILIDADE GERAL OPERAÇÕES CORRENTES INVENTÁRIOS FIM DE EXERCÍCIO ANO LECTIVO 2011/2012 Exercício 1 Durante um determinado

Leia mais

BALANÇO EM 2014.12.31 BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR

BALANÇO EM 2014.12.31 BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR BALANÇO EM 2014.12.31 2014 2013 2014 2013 DESCRIÇÃO ACTIVO AMORTIZAÇÕES ACTIVO ACTIVO DESCRIÇÃO BRUTO E PROVISÕES LÍQUIDO LÍQUIDO VALOR VALOR IMOBILIZAÇÕES FUNDOS CORPÓREAS - Jóias 19 031,21 18 891,21

Leia mais

RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO. Pagamentos com base em ações (art. o 18.º, n.º 11) Gastos não documentados (art. o 23.º, n.

RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO. Pagamentos com base em ações (art. o 18.º, n.º 11) Gastos não documentados (art. o 23.º, n. Diário da República.ª série N.º 5 8 de dezembro de 0 4060-() PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Gabinete do Ministro Despacho n.º 6568-A/0 Em face do proposto na Informação n.º 06/0 de 9 de novembro da Direção

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) IES 01 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (SUJEITOS PASSIVOS DE IRS COM CONTABILIDADE ORGANIZADA) I R S SERVIÇO DE FINANÇAS DA ÁREA DO DOMICÍLIO 02 03 ANO FISCAL DO SUJEITO PASSIVO DECLARAÇÃO ANUAL

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2015

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2015 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2015 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008

SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO 31.03.2009 31.12.2008 ACTIVOS NÃO

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA CONTA DE GANHOS E PERDAS - CONTA TÉCNICA DO SEGURO NÃO VIDA - EXERCÍCIOS 2007 E ANTERIORES

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA CONTA DE GANHOS E PERDAS - CONTA TÉCNICA DO SEGURO NÃO VIDA - EXERCÍCIOS 2007 E ANTERIORES IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SETOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO C

Leia mais

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO (Art. 119.º, N.º 12, do CIRS) RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS MODELO 39 1 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL NÚMERO DE

Leia mais

NCRF-ESNL. Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos

NCRF-ESNL. Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos NCRF-ESNL Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos 1 Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos As ESNL no âmbito do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Diário da República, 2.ª série N.º 22 31 de janeiro de 2014 3167. Gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Diário da República, 2.ª série N.º 22 31 de janeiro de 2014 3167. Gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Diário da República.ª série N.º de janeiro de 04 67 Contrato n.º 5/04 Contrato -programa de desenvolvimento desportivo CP/6/DDF/04 Aditamento aos contratos -programa de desenvolvimento desportivo CP/56/DDF/0

Leia mais

Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012. Índice:

Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012. Índice: Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012 Índice: Indicações Gerais Quadro 01 Período de Tributação Quadro 02 Área da sede, Direção efectiva ou Estab. Estável Quadro 03 Identificação e Caracterização

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

abatimentos e deduções em IRS

abatimentos e deduções em IRS TERTÚLIA 18 de Novembro de 2004 abatimentos e deduções em IRS afinal, quanto é preciso investir? não casados casados benefício investimento benefício investimento Seguros de vida... do sujeito passivo

Leia mais

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas Definições relevantes: Associada: é uma entidade (aqui se incluindo as entidades que não sejam

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO RENDIMENTOS ISENTOS ISENÇÃO DEFINITIVA. do EBF)

BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO RENDIMENTOS ISENTOS ISENÇÃO DEFINITIVA. do EBF) MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2013 03 R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO

Leia mais

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A taxa do IRC para as PME Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A reforma do IRC criou uma nova taxa de 17% (n.º 2 do artigo 87.º do Código do IRC) para pequenas e médias empresas, aplicável

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 23

Norma contabilística e de relato financeiro 23 Norma contabilística e de relato financeiro 23 Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 21 Os

Leia mais

1. Identificação do projecto

1. Identificação do projecto (a preencher pelos Serviços) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº da Candidatura: Data de Recepção: Assinatura do(a) Técnico(a): 1. Identificação do projecto Projecto/Empresa: Morada: Codigo Postal Telefone: E-mail:

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

Resultado contabilístico e resultado

Resultado contabilístico e resultado Impostos diferidos e concentração de empresas segundo as IAS(NIC)/IFRS(NIRF) P o r C a r l o s A n t ó n i o R o s a L o p e s Este trabalho analisa o processo de registo dos impostos diferidos no âmbito

Leia mais

das contas da classe 1. Regista os movimentos com os vendedores de bens e de serviços, com excepção dos destinados aos investimentos da entidade.

das contas da classe 1. Regista os movimentos com os vendedores de bens e de serviços, com excepção dos destinados aos investimentos da entidade. 3 Notas de enquadramento Considerações gerais As presentes notas de enquadramento têm o objectivo de ajudar na interpretação e ligação do código de contas com as respectivas NCRF, funcionando como mero

Leia mais

(3.3.3.1) - Trimestral e Anual - Estimativa e Balanço de Suspensão e Redução.

(3.3.3.1) - Trimestral e Anual - Estimativa e Balanço de Suspensão e Redução. Programa Apuração do lucro presumido e lucro arbitrado. Introdução. (01) - Conceito. (02) - Pessoas Jurídicas autorizadas a optar. (03) - Formas de Tributação. (3.1) - Lucro Presumido. (3.2) - Lucro Arbitrado.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 235/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 235/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 235/XII Exposição de Motivos A partir do ano de 2005, e por força da adoção obrigatória das Normas Internacionais de Relato Financeiro e das Normas de Contabilidade Ajustadas, o montante

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo I. Formulários ANEXO I

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo I. Formulários ANEXO I Formulários ANEXO I 192) UM EMPRESÁRIO INDIVIDUAL, APESAR DE REUNIR AS CONDIÇÕES PARA ESTAR ENQUADRADO NO REGIME SIMPLIFICADO DE TRIBUTAÇÃO EM IRS, OPTOU POR TER CONTABILIDADE ORGANIZADA. DEVE ENTREGAR

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE CARTA CIRCULAR Nº 1.648 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.234, de 19/11/1991. Comunicamos às instituições vinculadas à Área do Mercado de Capitais que, tendo em vista o disposto na alínea

Leia mais

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis AULA 07 Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Mensuração inicial Mensuração após o reconhecimento Modelo do custo Modelo de revalorização Métodos de depreciação: Método da linha recta (quotas constantes) Método

Leia mais

As diferenças encontram-se sublinhadas e a vermelho. 1 de 6

As diferenças encontram-se sublinhadas e a vermelho. 1 de 6 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO PERIÓDICA NOTA INTRODUTÓRIA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO PERIÓDICA NOTA INTRODUTÓRIA De acordo com o disposto na Portaria 375/2003, de 10 de Maio,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

DECLARAÇÃO PERIÓDICA

DECLARAÇÃO PERIÓDICA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO PERIÓDICA 01 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL Prazo da declaração 03 IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO SERVIÇO DE FINANÇAS COMPETENTE (art.

Leia mais

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes Aula 04 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início Gastos e perdas Será que um gasto é uma coisa má para a empresa? E uma perda? Exemplos? Rendimentos e ganhos Haverá dúvidas que estes são bons para as empresas?

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Determinação do lucro tributável do IRC período de 2011 e a declaração modelo 22

Determinação do lucro tributável do IRC período de 2011 e a declaração modelo 22 Determinação do lucro tributável do IRC período de 2011 e a declaração modelo 22 Abílio Sousa Março 2012 Determinação do lucro tributável do IRC período de 2011 Sumário: 1)Alterações à declaração modelo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE PÚBLICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro

Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro (Fiscalidade Verde) Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro (Reforma

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Activos Fixos Tangíveis ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS (IAS 16) Conceitos Gerais e Mensuração inicial Mensuração após o reconhecimento Modelo do custo Modelo de revalorização

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

Original assinado por FRANCISCO DA COSTA E SILVA Presidente

Original assinado por FRANCISCO DA COSTA E SILVA Presidente . Aprova o Pronunciamento do IBRACON sobre a Contabilização do Imposto de Renda e da Contribuição Social. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 008 DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 03 3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DESIGNAÇÃO Residente que exerce, a título principal, actividade comercial,

Leia mais

Activos fixos tangíveis, modelo do custo

Activos fixos tangíveis, modelo do custo Activos fixos tangíveis, modelo do custo Caracterização do modelo do custo A mensuração pelo modelo do custo é similar à praticada no POC para este tipo de activos e caracteriza se do seguinte modo: Elemento

Leia mais

Carlos Plácido. Domingos Ribeiro

Carlos Plácido. Domingos Ribeiro Domingos Ribeiro Docente Universitário Pós Graduado em Fiscalidade Mestrando em Fiscalidade ROC Estagiário Técnico Oficial de Contas Contactos: domribeiro@net.novis.pt Carlos Plácido Docente Universitário

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1222-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 92-A/2011 de 28 de Fevereiro Nos termos do artigo 129.º do Código

Leia mais

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril FORMULÁRIO Dados gerais 1 Candidatura Nº. 2 Período 3 Tipo de agregado Isolado Jovem Casal Jovens em Coabitação 4 Matriz da habitação arrendada Distrito 5 Tipologia da habitação arrendada Concelho Freguesia

Leia mais

Glossário de termos financeiros PARTE 4

Glossário de termos financeiros PARTE 4 Glossário de termos financeiros PARTE 4 Activo Qualquer bem útil ou valioso pertença de um indivíduo, empresa ou organização. Activos de curto prazo Disponibilidade de Caixa ou outros bens que a empresa

Leia mais

A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública. Oportunidades do SNC - AP. Paula Gomes dos Santos

A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública. Oportunidades do SNC - AP. Paula Gomes dos Santos A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública Oportunidades do SNC - AP Paula Gomes dos Santos Oportunidades do SNC AP Implementar a base de acréscimo na contabilidade e relato financeiro

Leia mais

Entrada em vigor. Incidência GUIA FISCAL. Transparência fiscal (artigo 6.º) Período de tributação (artigo 8.º)

Entrada em vigor. Incidência GUIA FISCAL. Transparência fiscal (artigo 6.º) Período de tributação (artigo 8.º) 1 Nota Introdutória Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de janeiro, diploma que aprova a reforma do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC). Trata-se de um importante instrumento

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME CONTABILIDADE ORGANIZADA. Profissionais, Comerciais e Industriais. Agrícolas, Silvícolas e Pecuários

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME CONTABILIDADE ORGANIZADA. Profissionais, Comerciais e Industriais. Agrícolas, Silvícolas e Pecuários MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JAEIRO DE 2015 3 A 06 ÚMERO FISCAL DE COTRIBUITE 1 REDIMETOS DA CATEGORIA B REGIME COTABILIDADE ORGAIZADA Profissionais, Comerciais e Industriais Agrícolas, Silvícolas e Pecuários

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2011/2012. Docente: José Eduardo Gonçalves

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2011/2012. Docente: José Eduardo Gonçalves CONTABILIDADE I Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2011/2012 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Campus Politécnico - Repeses - 3500 VISEU Telefone: 232.480.500 Fax: 232.424.651 E-mail: dgest@mail.estv.ipv.pt Site:

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01 Imposto

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU ARTI CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro A Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro veio proceder à reforma da tributação do imposto sobre o rendimento das pessoas

Leia mais

News Flash n.º 10/2014 Os impostos peça a peça

News Flash n.º 10/2014 Os impostos peça a peça 28 de Outubro de 2014 News Flash n.º 10/2014 Os impostos peça a peça Lei n.º 19/14, de 22 de Outubro Introdução Foi publicado, no Diário da República do dia 22 de Outubro, a Lei n.º 19/14, que aprova o

Leia mais

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes Aula 03 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início Património Definições: Luís Fontela e Pinheiro Henriques: Entende-se por património todo o conjunto de valores que se destinam a determinado fim e estão

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C PARTE H. Quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012 Número 23. Município de Ponte de Lima

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C PARTE H. Quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012 Número 23. Município de Ponte de Lima II SÉRIE Quarta-feira de fevereiro de 0 Número ÍNDICE.º SUPLEMENTO PARTE C PARTE H Ministério das Finanças Gabinete do Ministro: Despacho n.º 55-B/0: Modelo...........................................................

Leia mais

FINANTIA S.G.F.T.C., S.A. Capital Social: Eur 250.000,00 Sede Social: Rua General Firmino Miguel, 5-1º NIPC 505 983 230 / C.R.C.

FINANTIA S.G.F.T.C., S.A. Capital Social: Eur 250.000,00 Sede Social: Rua General Firmino Miguel, 5-1º NIPC 505 983 230 / C.R.C. FINANTIA S.G.F.T.C., S.A. Capital Social: Eur 250.000,00 Sede Social: Rua General Firmino Miguel, 5-1º NIPC 505 983 230 / C.R.C. Lisboa nº 13 216 BALANÇO EM 31.12.2007 Valores em milhares de euros Dez-07

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 8º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES MÓDULO 1. Os regimes em causa são os seguintes:

REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES MÓDULO 1. Os regimes em causa são os seguintes: REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO MÓDULO 1 REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES José Soares Roriz Março de 2011 A par de um regime apelidado de normal, em que o IVA é apurado pelo método do crédito

Leia mais

Lei 12.973/2014 Sistema Público de Escrituração Digital (SPED)

Lei 12.973/2014 Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Apresentação Lei 12.973/2014 Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Principais Pontos Objetivou trazer para a legislação fiscal (IR, CSLL, PIS e COFINS) as alterações que foram introduzidas na

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS E LEGISLAÇÃO CONEXA 233

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS E LEGISLAÇÃO CONEXA 233 Índice 5 ÍNDICE CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 11 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Artigos selecionados) 12 LEI GERAL TRIBUTÁRIA 25 DECRETO-LEI N.º 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO (Aprova a lei geral

Leia mais

ATIVO FISCAL DIFERIDO

ATIVO FISCAL DIFERIDO ATIVO FISCAL DIFERIDO O Ativo Fiscal Diferido foi criado pela deliberação CVM nº273, de 20/08/1998 e revisionado pela instrução CVM nº 371 de 27/06/2002, cujo objetivo principal foi conceder às empresas

Leia mais

IVA - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS

IVA - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO ANUAL 01 IVA - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL 02 ANO 1 1 IVA ANEXO L 03 1.1 À taxa reduzida ( ) L01 1.2 À

Leia mais

APONTAMENTOS. Contraordenação Fiscal Coima (1) (2) compensatórios (3)

APONTAMENTOS. Contraordenação Fiscal Coima (1) (2) compensatórios (3) APONTAMENTOS COIMAS E JUROS FISCAIS ANO 2015 1 Apresentam-se de seguida as principais coimas devidas por contraordenações fiscais. Os valores indicados aplicam-se a pessoas coletivas, a título de negligência.

Leia mais

i) Efetuados entre 1 de novembro e 20 de dezembro de 2013;

i) Efetuados entre 1 de novembro e 20 de dezembro de 2013; Página 1 de 5 Regularização Excecional de Dívidas Fiscais e à Segurança Social Decreto- Lei n.º 151- A/2013, de 31 de outubro O diploma legal que instituiu o novo regime excecional para regularização de

Leia mais

IES DECLARAÇÃO ANUAL ANEXO B .., 02-A A contabilidade encontra-se organizada conforme: NCA 1 0 3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS - NCA

IES DECLARAÇÃO ANUAL ANEXO B .., 02-A A contabilidade encontra-se organizada conforme: NCA 1 0 3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS - NCA IES IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SETOR FINANCEIRO -- Decreto-Lei n. o 298/92, de 31 de Dezembro) IRC DECLARAÇÃO ANUAL 01 N. o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 1 02 1 EXERCÍCIO ANEXO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações CONTABILIDADE FINANCEIRA I Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas NOME (completo) Nº de aluno(a) Licenciatura Turma Nº da Prova Classificação Grupos I II Total:

Leia mais