CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA"

Transcrição

1 CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA PARA CONCURSO AULAS TEORIA QUESTÕES COMENTADAS Equipe Professor Rômulo Passos 2015 C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 1

2 Olá, futura (o) concursada (o)! Seja bem-vinda (o) ao curso e a metodologia de estudo adotada por mais de 35 mil estudantes e profissionais da Saúde de todo o Brasil. Sou o Professor Kleyton Silva, Fisioterapeuta, Especialista em Saúde do Idoso (UFMA) e Saúde Mental (UFMA). Com vasta experiência em concursos, obtive aprovação em diversos concursos para o cargo de fisioterapeuta, alguns em 1º lugar. Obtive êxito no Concurso para as Forças Armadas, (Corpo de Saúde da Marinha) Fisioterapia, 1 lugar na Prova de Conhecimentos Profissionais. Atualmente, sou servidor público, também exerço a docência. Antes de tudo, gostaria de falar sobre o grande diferencial para a aprovação em concursos públicos: A LEITURA! Se você tem medo ou preguiça de ler, você está dando o primeiro passo para a reprovação. A aprovação só chega para os bons leitores. Pense nisso! Segundo diversos estudos científicos, a leitura exige uma intensa mobilização cognitiva, o que repercute sobre o processo de formação de memórias de médio e longo prazo. Esse processo é essencial para incorporação das informações apreendidas durante a sua preparação. No entanto, há uma verdadeira febre entre os estudantes por outros métodos de estudo, em especial as vídeo aulas. Muitos subestimam a eficácia da leitura e acabam pagando um preço alto por uma escolha equivocada. Perdem, com isso, a habilidade da leitura, o ritmo mental, e comprometem o raciocínio automático. Entram em um ciclo vicioso: quanto menos leem, mais dificuldade apresentam para a próxima leitura. O mais interessante é que a sua prova exigirá alta capacidade de concentração e de raciocínio, habilidades particulares dos bons leitores. Se você tem dificuldade de ler, comece a vencer esse desafio lendo, e não fugindo dessa necessidade. Não estamos dizendo que outras fontes de estudos devem ser abolidas, o que queremos transmitir é que TODAS são complementares à LEITURA. Bons estudos e não esqueça: LEIA MAIS, LEIA SEMPRE! C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 2

3 Dentre os muitos encontros com os nossos alunos pelo Brasil, uma pergunta que sempre ocorre: COMO ESTUDAR OS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DE FISIOTERAPIAPARA CONCURSOS? Devemos ser realistas que os temas são densos. Precisamos fazer uma preparação completa, mas direcionada para as provas de concurso. Não é apenas a quantidade de horas de estudo que será determinante para a sua aprovação. O seu tempo de estudo vale ouro. Precisa escolher o material escrito que aborde a teoria cobrada no edital em equilíbrio com a resolução de todas as questões das bancas. Porque a grande maioria dos aprovados em 2014 na Fisioterapia estudou por nossos cursos em PDF? A resposta simples, este tipo de curso aborda a realidade das bancas, você estuda de forma ativa, treinando determinadas aéreas do seu cérebro para o dia da prova. Não perde tempo, pois a leitura é direcionada e resolução de questões realmente é que determina a aprovação. Isso foi comprovado, basta verificar a lista de nossos mais de alunos aprovados e depoimentos de muitos deles. O estudo deve ser crescente, com a destinação de tempo para revisão e aprofundamento dos temas. Este curso juntamente com os cursos de Conhecimentos Básicos do site (português, SUS, Informática e Raciocínio Lógico) são os únicos instrumentos que lhe proporcionarão a preparação de alto rendimento. Para complementar seus estudos, faz-se necessário a resolução exaustiva de questões, divididas por temas e comentadas. Por isso, criamos o site As bancas tem predileção por determinados temas, bem como por determinadas abordagens. Esses temas serão priorizados, sem detrimento dos demais. Não podemos perder nenhuma questão por negligência em não ter estudado determinado assunto. Portanto, este curso ora proposto permite que você aprenda aquilo que realmente é cobrado nas provas de concurso em geral, de maneira esquematizada, clara, objetiva e direcionada. Economiza-se tempo e se ganha efetividade. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 3

4 Será um curso mais abrangente e profundo que os cursos específicos para determinada banca (concurso), pois faremos uma abordagem geral de todas as bancas. Objetivos Apresentar toda a teoria necessária para a resolução das questões de qualquer banca de concurso; Disponibilizar comentários a milhares de questões atuais; Possibilitar disciplina de estudo, pois cada aula será disponibilizada a cada 2 a 3 dias; Possibilitar a fácil revisão dos conteúdos por meio dos esquemas e resumos, contidos nas aulas; Estudar de forma direcionada e organizada, já que cada aula aborda teoria e resolução de questões de determinado tópico do edital. Regras gerais As 06 aulas, elaboradas pela equipe de professores do site, são escritas no formato PDF (apostilas), podendo ser baixadas para seu computador, tablet ou celular de forma permanente; Você poderá, ser for de seu interesse, imprimir as aulas; Poderá ainda participar dos fóruns de dúvidas e interagir com os demais alunos e professores do curso. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 4

5 Conteúdo Cronograma de Disponibilização das Aulas Aula Datas 1 Fisioterapia em: Anatomia, Fisiologia e Cinesiologia. 19/01/ Fisioterapia em: Eletrotermofototerapia e Hidroterapia. 26/01/ Fisioterapia em: Neurologia. 02/02/ Fisioterapia em: Ortopedia, Traumatologia e Reumatologia. 09/02/ Fisioterapia em: Cardiologia e Pneumologia. 11/02/ Fisioterapia em: Uroginecologia, Ergonomia e Legislação Profissional. 16/02/2015 Atenção: está aula é uma demonstração da primeira aula, que é formada por 93 questões comentadas. Para ter acesso a esta aula completa (mais de 90 questões), bem como todas as demais aulas que compõem o curso (mais de 500 questões) adquira exclusivamente através do site: no link a seguir: C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 5

6 MENSAGEM DO PROFESSOR É com muita satisfação e atendendo ao pedido de centenas de alunos, espalhados por todo o Brasil, que apresento a vocês o novo CURSO DE FISIOTERAPIA PARA CONCURSOS, se você já conhece e acompanha o nosso trabalho, certamente este novo curso irá lhe surpreender ainda mais de forma extremamente positiva, se você está tendo pela primeira vez contato com o nosso material, tenha a convicção que você está no lugar certo. O termômetro do sucesso alcançado em nosso curso anterior foi medido pelas centenas de s de agradecimentos recebidos, mensagens em nossa página do facebook (www.facebook.com/fisioterapeutaconcurseiro), depoimentos em nosso site, mas principalmente, pelos nomes de nossos alunos estampados no Diário Oficial, é esse retorno que muito nos encoraja, e nos dá força para continuar essa jornada. É com essa mesma força de vontade, seriedade, e compromisso com a sua aprovação, que convido você a participar desta nova etapa de estudos conosco, o presente curso de fisioterapia para concursos é formado por mais de 500 questões comentadas, todas retiradas das mais recentes e importantes provas de concursos em fisioterapia, o conteúdo está organizado por disciplinas, são 6 grandes aulas agrupadas por áreas de afinidades entre as disciplinas, perfazendo centenas de páginas de muita informação, conteúdo, esclarecimento de assuntos e dicas fundamentais para você obter êxito na sua prova. Esta é uma pequena amostra da primeira aula Anatomofisiologia e Cinesiologia, esta aula completa é formada por mais de 90 questões comentadas, se você chegou até aqui tenha a certeza de que este foi apenas o primeiro passo de uma caminhada encantadora de muito diálogo, estudo e resultados brilhantes que conquistaremos juntos. Espero contar com a presença de vocês para darmos continuidade a este curso, para que juntos continuemos a explorar de forma prazerosa toda a gama de conhecimentos e informações fascinantes que a área da fisioterapia tem a nos oferecer. Tenha foco, organize-se, acredite nos seus estudos, e tenha a certeza de que você está na direção certa, e que você já deu o primeiro passo, a sua força de vontade e iniciativa em escolher continuar este estudo já iniciado será fundamental na sua aprovação. Até breve... Atenciosamente Prof. Kleyton Silva C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 6

7 AULA 1 Fisioterapia em Anatomofisiologia e Cinesiologia. 1. (PREFEITURA DE OSASCO/FGV-2014) Com relação à caixa torácica, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) O manúbrio e o corpo esternal possuem articulação fibrocartilaginosa, o que permite uma ação de alavanca do corpo esternal durante a respiração. ( ) O movimento respiratório conhecido como alça de balde é possível devido, exclusivamente, à existência e à ação das costelas flutuantes. ( ) Os músculos intercostais internos têm origem na borda inferior de uma costela superior e possuem a função de deprimir as costelas. As afirmativas são, respectivamente, A) F, V e F. B) F, V e V. C) V, F e V. D) V, V e F. E) F, F e V. COMENTÁRIOS: Vamos analisar item por item, a primeira afirmativa é verdadeira, essa informação foi retirada da obra "Fisioterapia cardiorrespiratória: baseada em evidências", que destaca que o ângulo esternal é uma protuberância horizontal, no nível da segunda costela, na qual o manúbrio e o corpo formam uma articulação fibrocartilaginosa. Essa articulação permite uma ação de alavanca do corpo durante a respiração (movimento no plano sagital das costelas superiores) [1]. Muito cuidado com determinados termos que costumam aparecer na sua prova, redobre a atenção diante de palavras como "exclusivamente" como foi colocado na segunda afirmativa. Essa afirmativa apresenta uma informação falsa, pois em verdade, o movimento de alça de balde conforme a literatura especializada C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 7

8 sobre o assunto, não aponta nenhuma relação de exclusividade, com as costelas flutuantes. O movimento de alça de balde é resultado da ação conjunta do complexo músculo-articular da caixa torácica, quando você inspira, a caixa torácica se move para cima e para fora, quando você expira, a caixa torácica se move para baixo e para dentro, retornando a sua posição inicial. Esse tipo de movimento foi comparado com o movimento para cima e para baixo de uma alça de balde. A alça (caixa torácica e esterno) está mais distante do balde (coluna vertebral) na posição horizontal (inspiração). À medida que a alça é abaixada, fica mais próxima do balde. Em comparação à medida que o esterno e as costelas são abaixadas, as dimensões do tórax diminuem, resultando na expiração [2]. Em relação à última afirmativa, ela deve ser considerada falsa, apesar da banca ter considerado-a erroneamente verdadeira, vejamos, durante a inspiração, a cavidade torácica torna-se maior devido à entrada de ar nos pulmões. A inspiração ocorre mediante a ação muscular do diafragma e dos intercostais externos. O reverso acontece na expiração, onde a cavidade torácica retorna ao seu tamanho normal, pois a pressão aumenta e o ar é forçado a sair dos pulmões, a expiração normalmente costuma ser passiva, já em casos de expiração forçada os músculos abdominais se contraem, os intercostais internos, que têm origem na borda superior (e não inferior) da costela inferior (e não superior), inserindo-se no bordo inferior da costela superior, deprimindo assim as costelas durante a expiração [2;3]. A banca apresentou como gabarito da questão a opção "C", entretanto já explicamos que a última afirmativa é falsa, assim, a questão deveria ser anulada, pois nenhuma alternativa contém a sequência correta que seria V-F-F. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 8

9 2. (MARINHA CORPO DE SAÚDE/2014) A compressão nervosa que ocorre na região da arcada de Struthers desencadeia a Síndrome do: A) Músculo supinador. B) Túnel do carpo. C) Túnel do tarso. D) Túnel cubital. E) Músculo piriforme. COMENTÁRIOS: O nervo ulnar pode sofrer compressão, pinçamento, tração, subluxação ou irritação por estruturas proximais, distais ou no interior do túnel. Entre as estruturas proximais estão à arcada de Struthers e a cabeça medial do tríceps; no sulco podem causar compressão o epicôndilo medial, o sulco epicondilar,o ancôneo epitroclear, as duas cabeças do flexor ulnar do carpo e o ligamento de Osborne (que as interconecta); mais distalmente, a fáscia flexora-pronadora profunda pode ser uma causa. Independentemente da causa ou do local a via final comum da síndrome do túnel cubital é o desencadeamento de isquemia e fibrose do nervo [4]. Gabarito opção "D". C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 9

10 3. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP / VUNESP / 2014) Sobre a utilização de exercícios em pacientes queimados, é correto afirmar: A) o exercício diminui a tensão no tecido, direcionando a reestruturação do colágeno. B) os exercícios realizados aumentam a circulação de forma insuficiente para aumentar a oxigenação tecidual e facilitar a cicatrização. C) a tensão excessiva promovida pelo exercício no tecido neoformado facilita a produção de colágeno e auxilia a cicatrização. D) a tensão excessiva promovida pelo exercício direciona a formação de colágeno. E) o exercício promove tensão no tecido, direcionando a reestruturação do colágeno. COMENTÁRIOS: A fase de amadurecimento-remodelação da cicatrização é um processo que ocorre a longo prazo, um realinhamento ou remodelação de fibras de colágeno formam tecido cicatricial de acordo com as forças elásticas às quais a cicatriz está sujeita, daí a importância do exercício no paciente que se recupera de uma lesão oriunda de queimadura [5]. A degradação em andamento e a síntese de colágeno acontecem com o aumento constante da força elástica na matriz cicatricial. Com o aumento da tensão e da distensão, as fibras de colágeno realinham-se em posição de eficiência máxima, em paralelo com as linhas de tensão. O tecido gradualmente assume aparência e função normais, embora a cicatriz raramente seja tão forte quanto o tecido normal [5]. Cuidado com questões como está, pois as opção de respostas apresentadas pela banca, estão todas muito parecidas, logo, já podemos depreender que a diferença entre a correta para as demais será bem sutil, isso é importante para não erramos a questão. A opção "E" está correta conforme depreendemos dos comentários acima. Vamos analisar onde está o erro nas demais alternativas. Na opção "A" nós sabemos que o exercício aumenta a tensão do tecido e não "diminui" C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 10

11 como foi colocado, na assertiva "B" o erro consiste em dizer que os exercícios aumentam a circulação de forma "insuficiente", já na opção "C" a falha reside no termo "tensão excessiva", nós sabemos que o excesso de tensão é prejudicial, pois poderá resultar em lesões, esse mesmo erro é encontrado na letra "D". 4. (PREFEITURA DE RIAÇHÃO-MA / FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE / 2010) O sinal da escápula alada é frequentemente encontrado em mulheres mastectomizadas. Este sinal é mais evidente quando pedimos para empurrar a parede com as duas mãos, sendo decorrente da paralisia do músculo: A) trapézio. B) peitoral maior. C) peitoral menor. D) levantador da escápula. E) serrátil anterior. COMENTÁRIOS: A principal característica de deficiência do músculo serrátil anterior (inervado pelo nervo torácico longo) é manifestada através do sinal da escápula alada, onde o ângulo inferior da escápula encontra-se proeminente quando o paciente apoia o membro superior do lado da lesão contra uma superfície rígida como a parede, dando o aspecto de asa. Os pacientes com esse tipo de alteração queixam-se de dor, fraqueza, desconforto, diminuição da mobilidade ativa do ombro ou podem, eventualmente, ser assintomáticos. A alteração ocorre devido à lesão do nervo torácico longo, durante a manipulação cirúrgica da axila, como parte do tratamento do câncer de mama, podendo ser total ou parcial, gerar uma alteração definitiva ou transitória [6]. Gabarito opção E. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 11

12 5. (PREFEITURA DE RIAÇHÃO-MA / FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE / 2010) Durante a marcha normal, o que ocorre com o comprimento do passo e a cadência quando o indivíduo aumenta a velocidade da caminhada? a) Tanto o comprimento do passo quanto a cadência aumentam. b) O comprimento do passo aumenta e a cadência diminui. c) Somente a cadência aumenta. d) Não ocorre variação no comprimento do passo e na cadência. e) O comprimento do passo diminui e a cadência aumenta. COMENTÁRIOS: Vamos aproveitar esta questão para abordar alguns conceitos básicos relacionados à marcha, que frequentemente são cobrados em provas de concursos para fisioterapeutas. Observemos o quadro abaixo. CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS À MARCHA [2]; [8] CICLO DA MARCHA COMPRIMENTO DA PASSADA FASE DE OSCILAÇÃO FASE DE ESTAÇÃO COMPRIMENTO DO PASSO CADÊNCIA É a atividade que ocorre entre o tempo que o calcanhar de um membro toca o solo e o tempo que o mesmo pé toca o solo novamente. É a distância entre os dois contatos consecutivos do calcanhar do mesmo pé. Ocorre quando o pé não está em contato com o solo (40% do ciclo da marcha). É a atividade que ocorre quando o pé está em contato com o solo (60% do ciclo da marcha). É a distância entre sucessivos contatos dos calcanhares entre os dois pés. Velocidade da caminhada, ou quantidade de passos por minuto Com o aumento da velocidade da marcha, alonga-se o passo, aumentando-se ainda sua cadência [7]. Dica do Professor Kleyton Silva [7] : CADÊNCIA - A frequência observada nas mulheres é mais elevada (117 passos/minutos) que a observada nos homens (111 passos/minutos), o que compensa a diferença de comprimento do passo. As C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 12

13 crianças reduzem a frequência dos passos conformem crescem, em comprimento, seus membros. Conforme comentários gabarito opção "A". 6. (QOS-PMMG/2014) Considerando as características mecânicas do tecido mole não contrátil, enumere a segunda coluna de acordo com a primeira e, a seguir, marque a alternativa que contém a sequência de respostas CORRETA, na ordem de cima para baixo. 1. Sobrecarga 2. Distensão 3. Elasticidade 4. Deformação 5. Dureza ( ) Quantidade de deformação que ocorre com a aplicação de carga. ( ) Relaciona-se à viscosidade do tecido, depende do tempo. ( ) Força por unidade de área. ( ) Capacidade de absorver energia dentro da amplitude elástica à medida que o trabalho está sendo realizado. ( ) Capacidade de absorver energia dentro da amplitude plástica sem romper. A. ( ) 1, 3, 2, 5, 4. B. ( ) 3, 2, 4, 1, 5. C. ( ) 5, 1, 3, 2, 4. D. ( ) 2, 4, 1, 3, 5. COMENTÁRIOS: Os conceitos apresentados nesta questão podem parecer confusos para quem ainda não os domina, vamos assimilar os termos relacionando-os com os seus correspondentes significados de forma a compreendermos o que os diferencia. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 13

14 Forças externas, quando agem nos tecidos biológicos, bem como em outras estruturas, podem ser definidas em termos mecânicos. Dessa forma, a sobrecarga relaciona-se a força por unidade de área. A sobrecarga mecânica é a reação interna ou resistência a uma carga externa. Geralmente, a sobrecarga produz a deformação em um material, podendo ser uma força de tensão, compressão ou cisalhamento [10]. Distensão configura-se como a quantidade de deformação que ocorre quando é aplicada uma carga (ou sobrecarga). A distensão é diretamente proporcional à capacidade do material de resistir á força. O tecido retorna ao seu tamanho e formato original quando a carga é liberada [9]. A elasticidade é característica do tecido elástico que permite fazer com que ele absorva energia deformando-se dentro da amplitude elástica, à medida que o trabalho está sendo realizado, sendo que neste caso, a deformação observada deverá regredir completamente, devolvendo ao tecido seu tamanho e forma original quando a carga é liberada, desde que a sobrecarga não seja mantida por certo tempo [10]. Na deformação os materiais viscoelásticos se distendem vagarosamente sobre baixa carga e quanto mais tempo for aplicada a carga mais eles se distendem, embora mais lentamente com acréscimo de tempo. O tecido distendido além do limite elástico terá deformação permanente quando a carga for liberada, a deformação resultará do colapso sequencial das ligações entre as fibras de colágeno [9]. Finalmente a dureza é conceituada como a capacidade de absorver energia sem romper (falhar). Se for absorvida energia em excesso com a sobrecarga, ocorrerá ruptura. Entenda ainda como amplitude plástica a faixa além do limite elástico que se estende até o ponto de ruptura [10]. A opção que apresenta corretamente as correlações é a letra "D". C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 14

15 7. (ANALISTA do TRT 13 Região FCC/2014) João Carlos, 45 anos, apresentou diagnóstico de tumor no forame jugular. Os pares cranianos que podem apresentar lesão são: A) glossofaríngeo, hipoglosso e acessório. B) vestíbulo coclear, glossofaríngeo e vago. C) glossofaríngeo, vago e acessório. D) hipoglosso, vago e acessório. E) facial, vestíbulo coclear e glossofaríngeo. COMENTÁRIOS: Os nervos cranianos são em número de 12 pares, os dois primeiros (olfatório e óptico) não são considerados propriamente nervos, diversas são as possibilidades de lesão transitória ou definitiva do sistema nervoso periférico, em uma ou várias de suas partes, daí a importância de reconhecermos a localização e trajetória dos nervos cranianos [11]. O comprometimento dos nervos cranianos, isolados ou associados entre si, acarreta situações clínicas as mais diversas, o forame jugular é o local de passagem da veia jugular interna e para os nervos cranianos IX, X e XI [12]. Gabarito opção "C". 8. (PREFEITURA DE RIAÇHÃO-MA / FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE / 2010) A realização do exercício concêntrico do músculo quadrado lombar direito levaria a pelve a se movimentar. a) para o lado direito. b) para o lado esquerdo. c) para frente. d) para trás. e) em rotação para a direita C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 15

16 COMENTÁRIOS: Querido aluno observe que em muitos casos você pode precipitadamente, crer que uma determinada alternativa contém a resposta correta, sem que de fato ela seja a resposta da questão, o tempo todo o examinador tentará induzi-lo ao erro, lembrese sempre disso, esta é uma questão que pode ser contestada dependendo da literatura consultada. Vamos a questão, inicialmente é relevante ressaltar que os movimentos da pelve ocorrem em todos os três planos, a inclinação anterior ocorre quando a pelve se inclina para frente, movendo a espinha ilíaca ântero-superior para frente da sínfise púbica. A inclinação posterior ocorre quando a pelve se inclina para trás movendo a espinha ilíaca ântero-superior para trás da sínfise púbica [2]. A inclinação lateral ocorre quando as duas cristas ilíacas não estão niveladas. Como a pelve se move como uma unidade, um lado se move para cima enquanto o outro se move para baixo, temos, portanto, inclinação para a direita e para a esquerda [2], aqui reside a controvérsia. Como a pelve se move em bloco alguns autores costumam afirmar que, por exemplo, uma inclinação pélvica para a direita seria quando toda a pelve desviar para o lado direito, (o que eleva a espinha ilíaca ântero-superior esquerda), por outro lado o Lippert, bem como o Kinesiology Laboratory Manual for Physical Assistants costumam considerar a inclinação pélvica como sendo sempre para o lado em que a pelve encontra-se elevada, ou seja, a inclinação pélvica direita é quando a pelve direita está elevada em relação à esquerda, sempre para o lado contralateral ao membro que está em apoio no solo. Por razões como essa, devemos nos atentar se o concurso que iremos realizar indica alguma bibliografia. Dessa forma, vimos que de acordo com as referências consultadas poderemos ter duas respostas corretas as opções "A" ou "B". A banca considerou como resposta a opção "B", provavelmente levando em consideração a bibliografia sugerida. C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 16

17 A pelve realiza ainda os movimentos de rotação que ocorre no plano transverso em torno de um eixo vertical quando um lado da pelve se move para frente ou para trás em relação ao outro lado. Observe o quadro abaixo que correlaciona os movimentos associados do cíngulo do membro inferior, coluna e quadril. MOVIMENTOS ASSOCIADOS DO CÍNGULO DO MEMBRO INFERIOR, COLUNA VERTEBRAL E ARTICULAÇÕES DO QUADRIL [2] CÍNGULO DO COLUNA VERTEBRAL QUADRIL MEMBRO INFERIOR Inclinação anterior Hiperextensão Flexão Inclinação posterior Flexão Extensão Inclinação (lado não suportado) Inclinação lateral para o lado oposto Adução para o lado oposto Abdução para o mesmo lado Rotação (para a frente) Rotação para o lado oposto Rotação medial lado de suporte do peso Rotação (para trás) Rotação para o lado oposto Rotação lateral lado de suporte do peso 9. (Instituto AOCP/EBSERH/HU-UFS/2014) O fluxo retrógrado das artérias para os ventrículos é impedido pelas(s): A) válvulas atrioventriculares. B) válvulas semilunares. C) válvulas tricúspides. D) válvulas bicúspides. E) aorta. COMENTÁRIOS: C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 17

18 As válvulas atrioventriculares (tricúspede e mitral "bicúspede") evitam o refluxo de sangue dos ventrículos para os átrios durante a sístole. Já as valvas semilunares (pulmonar e aórtica) como apresenta a letra "B", impedem o refluxo da aorta e das artérias pulmonares para os ventrículos durante a diástole. Essas valvas abrem e fecham passivamente. Isto é, elas se fecham quando um gradiente de pressão retrógrada força o sangue de volta, e se abrem quando um gradiente de pressão para diante leva o sangue à frente. Por razões anatômicas para se fecharem, as valvas atrioventriculares, finas e membranosas, quase não requerem pressão retrógrada, enquanto as semilunares, muito mais pesadas, requerem fluxo retrógrado rápido por alguns milissegundos. Gabarito da questão opção B. 10. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP / VUNESP / 2014) No mecanismo de contração muscular, o Ca++ é liberado do retículo sarcoplasmático pela despolarização dos túbulos T. Após a liberação, o Ca++ se liga a qual proteína para permitir a exposição dos sítios de ligação para actina e miosina? A) Trombina. B) Troponina. C) Tromboplastina. D) Protrombina. E) Fribrina. COMENTÁRIOS: Tanto os íons de cálcio (Ca 2+ ) quanto à energia, na forma de ATP, são necessários para a contração muscular. Quando uma fibra muscular está relaxada (não se contraindo), existe uma baixa concentração de Ca 2+ no sarcoplasma, pois a membrana do retículo sarcoplasmático contém bombas de transporte ativo de Ca 2+. Essas bombas transportam continuamente Ca 2+ do sarcoplasma para o retículo C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 18

19 sarcoplasmático. Entretanto, quando um potencial de ação muscular ocorre ao longo do sarcolema e no sistema de túbulos transversais, abrem-se os canais de liberação de Ca 2+ liga-se as moléculas de troponina, nos filamentos delgados, levando a troponina a mudar de forma. Essa alteração na forma libera o complexo troponinatropomiosina dos sítios de ligação de miosina na actina [3]. Resposta letra "B". 11. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP / VUNESP / 2014)A penetração na pele por um percevejo é suficiente para gerar potencial de ação em um nervo sensorial. A percepção da dor aguda é causada pela geração de potenciais de ação em certas fibras nervosas da pele. Qual é o fenômeno inicial para a despolarização da membrana plasmática? A) Fechamento dos canais de Mg++. B) Abertura dos canais de Na+. C) Abertura dos canais de P+++. D) Fechamento dos canais de Na+. E) Abertura dos canais de Mg++. COMENTÁRIOS: A abertura e o fechamento dos canais iônicos, que resultam em mudanças na voltagem através da membrana plasmática, são os mecanismos básicos pelos quais os neurônios respondem a estímulos, sejam eles elétricos, químicos ou mecânicos. Durante o processamento e transmissão de uma informação o neurônio muda o seu potencial de repouso, uma mudança no potencial de membrana pode resultar da atividade de uma sinapse. Quando o potencial de ação, ao longo de um axônio, atinge o terminal axonal, causa a liberação de neurotransmissores químicos. As moléculas de neurotransmissores difundem-se através de uma pequena fenda entre as membranas pré e pós-sinápticas e se ligam ao receptor na membrana pós- C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 19

20 sináptica. Esses receptores podem ser canais iônicos, ou controlar canais iônicos indiretamente. Em ambos os casos, o neurotransmissor causa a abertura do canal, os íons fluem de acordo com seus gradientes eletroquímicos e o potencial de membrana do neurônio pós-sináptico se altera. Após essa breve explanação, vamos entender agora qual o nossa resposta correta para esta questão [13]. O potencial de repouso é produzido pela abertura de canais de K +. Uma mudança do potencial de repouso para um potencial de membrana menos negativo, como a que ocorre quando o Na + entra na célula através dos canais do Na +, chama-se despolarização. A hipepolarização ocorre quando o potencial de membrana se torna mais negativo, e quando mais K + deixa a célula, através dos canais de K + [13]. Assim gabarito opção "B". 12. (Instituto AOCP/EBSERH/HU-UFS/2014) Em pacientes comatosos, paralíticos ou quando há uma reação inflamatória e a ADM ativa é dolorosa, quais os objetivos da ADM passiva. Assinale a alternativa INCORRETA. A) Minimizar os efeitos da formação de contraturas. B) Manter a elasticidade mecânica do músculo. C) Melhorar o movimento sinovial para nutrição das cartilagens e difusão de substâncias dentro da articulação. D) Manter a integridade da articulação ou tecidos moles. E) Dar feedback sensorial dos músculos em contração. COMENTÁRIOS: Os objetivos da mobilização passiva são [9] : - Manter a mobilidade articular e do tecido conjuntivo; - Minimizar os efeitos da formação de contraturas; - Manter a elasticidade mecânica do músculo; C u r s o C o m p l e t o d e F i s i o t e r a p i a p a r a C o n c u r s o s Página 20

CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA

CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA CURSO COMPLETO DE FISIOTERAPIA PARA CONCURSO - 2015 6 AULAS TEORIA + 500 QUESTÕES COMENTADAS Equipe Professor Rômulo Passos 2015 Curso Completo de Fisioterapia para Concursos Página 1 Olá, futura (o) concursada

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE MEMBRO SUPERIOR EM MULHERES MASTECTOMIZADAS Mara Vania Guidastre - m_risaguist@hotmail.com Marcela Da Silva Mussio - marcela_mussio@hotmail.com Ana Cláudia De Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Ossos Resumo da aula Classificação Estrutura óssea Funções Remodelagem Cargas Torque/ Momento Stress em função da Geometria Óssea Resumo da aula Esqueleto axial

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 3. (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular)

Anatomia- Prof: Renato de Oliveira. Capitulo 3. (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular) Anatomia- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 3 (Sistema Nervoso E, Sistema Cardiovascular) Sistema Nervoso: OBS: Neurônio: principal componente do sistema nervoso O sistema nervoso humano, além de ser o

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke CONTRAÇÃO MUSCULAR Diego V. Wilke Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Discos Intercalares Fonte: Malvin et al., 1997. Concepts in humam Physiology Tipos de músculo Esquelético

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul AS BASES FISIOLÓGICAS

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos Sugestões de atividades Unidade 6 Locomoção ossos e músculos 8 CIÊNCIAS 1 Esqueleto humano 1. Observe a ilustração do esqueleto humano. Dê exemplos dos seguintes tipos de ossos que existem no corpo humano

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de:

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de: Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte I) 1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão

Leia mais

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular HISTOLOGIA EMBRIOLOGIA ANATOMIA FISIOLOGIA Professores: Andreza, Clarissa, Lillian, Lucinda e Ricardo Organização estrutural do Sistema Muscular Célula célula

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO PETTER, Gustavo; DALLA NORA, Daniel; SANTOS, Tarciso Silva dos; BRAZ, Melissa Medeiros; LEMOS, Jadir Camargo Trabalho de

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Movimentos da coluna vertebral A coluna vertebral como um todo se apresenta como uma articulação que possui macromovimentação em seis graus de liberdade: flexão, extensão, láteroflexão esquerda,

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais