UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU"

Transcrição

1 - i - UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL BASEADA EM SOFTWARE SUPERVISÓRIO MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO FLÁVIO PEREIRA MENDES Setembro, 2007.

2 - ii - FLAVIO PEREIRA MENDES AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL BASEADA EM SOFTWARE SUPERVISÓRIO Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos para obtenção de Grau em Engenheiro de Controle e Automação. Orientador: Prof. Dr. Carlos Frederico M. C. Cavalcanti DECOM/UFOP Co-Orientadora: Prof(a). Silvia Graziella Moreira Almeida CODAINST/CEFET-OP Ouro Preto Escola de Minas - UFOP Setembro / 2007

3 - iii -

4 - iv - Dedico este trabalho aos meus pais e irmãos pelo apoio incondicional e por fazer persistir nas batalhas

5 - v - AGRADECIMENTOS À Universidade Federal de Ouro Preto. Ao Prof. Carlos Frederico M. C. C. pela orientação e incentivo. Ao CEFET OP. Aos Professores Silvia Graziela e Paulo R. Pinto. pelo acolhimento. Aos colegas de Curso. A todos que contribuíram para a realização deste trabalho.

6 - vi - SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... viii LISTA DE TABELAS...ix LISTA DE SIGLAS...x RESUMO...xi ABSTRACT... xii I. INTRODUÇÃO Objetivo Metodologia Estrutura do trabalho...2 II. SISTEMAS DE SUPERVISÃO E AQUISIÇÃO DE DADOS (SCADA) Definição Fundamentos da Aquisição de Dados Sensores Redes de comunicação Condicionamento de Sinais Hardware de Aquisição de Dados Software de Aquisição de Dados Arquitetura da rede SCADA Tecnologia SCADA...13 III. SUPERVISÓRIOS Introdução Funcionalidades e Planejamentos do Sistema Supervisório Conhecimento do Processo Tomadas de Dados Banco de Dados Alarmes Visualização de Históricos Hierarquia de Navegação entre Telas Criação de Telas Segurança do Sistema...19

7 - vii - IV. SOFTWARE ELIPSE Introdução Histórico Elipse SCADA Módulos de Execução Áreas de Aplicações...25 V. AUTOMAÇÃO PREDIAL E RESIDENCIAL Introdução Conceitos Básicos Automação predial versus residencial Tendências...30 VI. ESTUDO DE CASO Introdução Software Elipse Comunicação Elipse e PLC...36 VII. CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS...40 VIII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...41 ANEXO A: TELAS DESENVOLVIDAS NO ELIPSE E UTILIZADAS NO ESTUDO DE CASO...42

8 - viii - LISTA DE FIGURAS Figura Exemplo de um sistema SCADA...5 Figura Esquema básico de aquisição de dados...6 Figura Sensores...6 Figura Sinal com ruidos...7 Figura Condicionamento de sinais...9 Figura Exemplo do PLC S7-300 da Siemens...9 Figura Exemplo de um software de aquisição de dados...10 Figura Arquitetura simplificada de um sistema SCADA...11 Figura Tela Principal Automação Residencial...32 Figura Organizer...34 Figura Ferramentas Objetos...36 Figura Configurando tag para trocar informações via Freeport...37 Figura Programa KEPserverEx...38 Figura Interface do programa STEP 7 Micro/Win Figura Comunicação...39 Figura A.1 Tela de Abertura...42 Figura A.2 - Tela de Alarme...42 Figura A.3 - Tela de Tendências...43 Figura A.4 - Tela de Vídeo...43 Figura A.5 - Tela de Históricos...44 Figura A.6 - Tela Principal...44 Figura A.7 - Tela de Nível...45

9 - ix - LISTA DE TABELAS Tabela Telas Programadas...33

10 - x - LISTA DE SIGLAS SCADA (Supervisory and Control Data Acquisition) - Controle e Aquisição de Dados Supervisórios. PLC (Programmable Logic Control) - Controlador Lógico Programável. RTU (Remote Terminal Unit) - Unidade Terminal Remota. ADC (Analog-to-Digital Converter) - Conversor Analógico-Digital. DAC (Digital-to-Analog Converter) - Conversor Digital-Analógico. HMI (Human machine Interface) - Interface Homen Máquina. OPC (OLE for Process Control) - OLE para Controle de Processo. PID (Proportional-Integral-Derivative) - Proporcional-Integral-Derivativo. ODBC (Open Database Connectivity) - Conectividade Aberta de Banco de Dados. DDE (Dynamic Data Exchange) - Intercâmbio Dinâmico de Dados. MMI (Man machine Interface) - Interface Máquina Homen. DAO (Data Access Objects) - Objetos de Acesso a Dados. IDE (Integrated Development Environment) - Ambiente de Desenvolvimento Integrado.

11 - xi - RESUMO Este trabalho apresenta os sistemas SCADAs (Supervisory Control and Data Aquisition) e a sua utilização na automação predial e residencial. Após a consolidação do uso do SCADA no setor industrial, os sistemas de controle e aquisição de dados passaram a ser aplicados nas áreas prediais e residenciais. No estudo de caso deste trabalho utilizou-se as ferramentas do software de supervisão Elipse, fazendo o monitoramento e controle de um espaço residencial. A metodologia utilizada foi o estudo do Elipse e a verificação do contexto em que ele estava inserido. Fez-se uma análise e verificação de cada conceito e, a partir daí, foi desenvolvido uma aplicação no software Elipse que simula, controla e monitora variáveis desejadas. Como resultado, foi desenvolvido um sistema permitindo através desta aplicação, uma melhor compreensão das principais ferramentas existentes em sistemas SCADAs, fazendo a integração e controle de equipamentos e variáveis. Ao final foi apresentado um estudo de caso capaz de fornecer uma visão global de como o controle e integração de processos são feitos. Palavras-Chave: SCADA, Elipse, predial, residencial, supervisório e controle.

12 - xii - ABSTRACT This work introduce Supervisory Control and Data Acquisition system and how this kind system is applied in the building and residential automation. With the spreading of SCADA used in industry automation, the system of control and data acquisition were applied in the building and residential area. In the case study this work used the tools of the supervision software Elipse, doing the monitoring and control residential space. The methodology used was the study of Elipse and the verification of the context which it was inserted. It was done analyses and verification each concept and, from that, it was developed a software Elipse s application that simulates, controls and monitories tags. As resulted, it was developed a system allowing through this application, a better comprehension of the main tools of SCADAs system, integration and controlling equipments and tags. In the end, was introduced a case study able to furnish a global view of how the control and process integration are done. Key-Words: SCADA, Elipse, building, residential, supervisory and control

13 - 1 - I. INTRODUÇÃO Quando se trabalha com sistemas automatizados complexos, surge a necessidade de se criar uma interface que facilite o monitoramento da planta supervisionada. Pela quantidade de variáveis monitoradas por estes tipos de sistemas, surgiu a necessidade de criação de tarefas dinâmicas, amigáveis e ergonomicamente eficientes, que são atendidas por sistemas denominados supervisórios [SEIXAS FILHO, 1999]. Os sistemas supervisórios estão inseridos em um contexto mais amplo, o sistema de controle e aquisição de dados SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition). Esses sistemas apresentam as funções de captar e armazenar os dados recolhidos pelos equipamentos de campo e, a partir daí, fazer o monitoramento e controle das variáveis desejadas. Ele é composto pela parte física do processo (hardware) e pela parte de programação (software). A parte física do sistema de aquisição de dados engloba desde sensores e transdutores até a parte em que o sinal é convertido e processado para que possa ser utilizado pelo software supervisório. A aquisição de dados via hardware, juntamente com a parte de software, constitui-se em um completo sistema de controle e aquisição de dados. Esses softwares analisam, armazenam e expõe as informações necessárias para controle de todo o processo. Como tema principal desse trabalho, aborda-se neste estudo os softwares SCADAs (Supervisory Control and Data Acquisition), e mais especificamente o Elipse Scada [ELIPSE, 2007] Objetivo Esse trabalho tem como objetivo o estudo dos softwares SCADAs (Supervisory Control and Data Acquisition), a automação predial e residencial apresentando uma literatura do seu funcionamento, suas áreas de aplicações e um estudo de caso utilizando o software Elipse, mostrando suas ferramentas e seu potencial de aplicações.

14 Metodologia Inicialmente, foi feito uma pesquisa nas áreas de sistemas de aquisição de dados e automação predial para uma melhor contextualização do assunto. Coletada as informações, estudou-se o funcionamento do software Elipse SCADA, com o objetivo da aplicação de suas principais ferramentas. O trabalho prático foi desenvolvido na área de automação residencial por ser uma área de grande tendência de crescimento e com alta variabilidade de aplicações. Para a escolha do software Elipse fazendo o controle de dispositivos prediais, consideraram-se fatores como: genuinamente brasileiro, mundialmente conhecido, apresenta grande número de aplicações, acesso a equipamentos, disponibilidade no mercado, dentre outros. O software utilizado fez aquisições de controle de dados captados no campo de trabalho e simulou variáveis, servindo como interface entre o mundo analógico e o mundo digital demonstrando o potencial de suas ferramentas. Para uma maior abrangência foram também considerados manuais e tutoriais disponíveis no site do fabricante. Após a obtenção dos dados foi desenvolvido uma aplicação aplicada com o objetivo de mostrar as ferramentas do programa supervisório Elipse Scada e seu uso na automação residencial Estrutura do trabalho Nos capítulos 1 e 2 são apresentados os conceitos dos sistemas de automação, fazendo uma abordagem sobre sistemas SCADA e supervisórios. No capítulo 3 é realizada uma abordagem especifica do software supervisório utilizado, mostrando suas ferramentas e aplicações. No capítulo 4 é apresentado o Elipse Scada. No capítulo 5 é apresentada a área de automação predial e residencial através de definições, aplicações e tendências, analisando profundamente seus conceitos.

15 - 3 - No Capítulo 6 é apresentado um estudo de caso, através do desenvolvimento de uma aplicação, que interliga os conceitos de automação predial com o sistema de aquisição de dados através do software supervisório Elipse. No Capítulo 7, encontram-se as conclusões e sugestões para trabalhos futuros.

16 - 4 - II. SISTEMAS DE SUPERVISÃO E AQUISIÇÃO DE DADOS (SCADA) 2.1. Definição A aquisição de dados em um sistema de automação transforma fenômenos físicos do mundo real em sinais elétricos que são medidos e convertidos em sinas digitais para que possam ser processados, analisados e manipulados por computadores. Nessa fase, são utilizados computadores com interface gráfica apurada, comum dos computadores do início do século que com softwares adequados, possibilitam o monitoramento e supervisão de um conjunto de dispositivos e variáveis de uma planta relativamente complexa. Os sistemas de aquisição e controle de dados (SCADAs Supervisory Control and Data Acquisition) são de importância estratégica já que são adotados na maioria das indústrias que compõem a infra-estrutura de um país. As aplicações da tecnologia SCADA alcançam praticamente todo o espectro do setor produtivo. Para exemplificar, esses sistemas são utilizados na indústria química, petroquímica e de cimento, indústria alimentícia, na produção e na distribuição de energia elétrica, no controle de água, no controle de oleodutos, gasodutos, centrais nucleares, edifícios inteligentes e tráfego. Na maioria de suas aplicações, os sistemas de aquisições de dados são designados não só para adquirir dados, mas também para também atuar sobre esses. Na figura 2.1, tem-se um exemplo prático do uso de um SCADA onde o Controlador Lógico Programável (PLC -Programmable Logic Controller) controla o fluxo de água refrigerado que faz parte de um processo industrial. O SCADA possibilita que um operador mude o ponto ajustado do controle para este fluxo, permitindo a gravação e indicação de todas as condições de alarme, tais como a perda do fluxo ou da alta temperatura. A válvula de controle é fechada pela unidade remota de controle (RTU Remote terminal Unit) ou do PLC; O sistema de SCADA, então, monitora o desempenho total desse processo [PARK & MACKAY, 2003].

17 - 5 - O sistema SCADA ler a medida do nível e do fluxo, e envia o valor desejado para o PLC. O PLC1 compara o valor do fluxo medido com o desejado, e age controlando a velocidade da bomba. Figura Exemplo de um sistema SCADA O PLC2 compara o valor medido do nível com o valor desejado, e age controlando o fluxo através 2.2. Fundamentos da Aquisição de Dados O sistema de controle e aquisição de dados depende do poder de processamento e da flexibilidade do computador podendo ser constituído de uma variedade de hardwares. A tarefa do sistema é integrar esses componentes, fazendo com que eles transformem-se em um único sistema de trabalho [PARK & MACKAY, 2003]. O diagrama funcional da figura 2.2 mostra os componentes básicos destes sistemas compostos por: Sensores e trandutores; Redes de comunicação; Condicionador de sinais; Hardware de aquisição de dados;

18 - 6 - Software de aquisição de dados; SENSOR TRANSDUTOR CONDICIONADOR DE SINAIS SOFTWARE AQUISIÇÃO DADOS DE DE HARDWARE AQUISIÇÃO DADOS DE DE Figura Esquema básico de aquisição de dados Sensores Os sensores e transdutores fornecem uma interface entre o mundo real e os sistemas de aquisição de arquivos, recebendo e respondendo a estímulos. O termo transdutor é usado para designar sensores que convertem grandezas físicas em sinais elétricos, ópticos ou mecânicos. Esses dispositivos, usualmente elétricos, eletrônicos ou eletro-mecânicos que convertem algum tipo de energia em outras apresentam diferentes finalidades, incluindo transferência de informação e de medidas. Como exemplo, o sensor pode traduzir informação não elétrica (velocidade, posição, temperatura, ph) em informação elétrica (corrente, tensão, resistência). A figura 2.3 mostra exemplos de sensores. Figura Sensores

19 Redes de comunicação As redes de comunicação representam a conexão física de um sensor ou transdutor para o hardware de condicionamento de sinais. Quando o sinal é recolhido no campo, ele fica muito susceptível aos efeitos ruídos externos, especialmente em ambiente industrial, (Figura 2.4). Nesses casos, um correto planejamento das instalações e o uso de tecnologias corretas são importantes para reduzir os ruídos no sinal, evitando assim uma falha de comunicacão do processo. Figura Sinal com ruidos Condicionamento de Sinais Os sinais elétricos gerados pelos transdutores frequentemente precisam ser convertidos para uma forma que possa ser aceita pelo hardware de aquisição. Por isto usam-se os condicionadores de sinais que são circuitos eletrônicos que adequam os sinais analógicos para a conversão digital [PARK & MACKAY, 2003]. Os principais circuitos em condicionadores de sinais são: Filtros Amplificamento Linearizadores Isoladores Excitadores

20 - 8 - a) Filtros Ambientes com ruídos não são propícios para os pequenos sinais recebidos por sensores como os termopares, onde o ruído tem a mesma ou superior magnitude que a magnitude do sinal a ser medido. Assim, primeiramente o ruído deve ser retirado desse sinal. Os equipamentos de condicionadores de sinais frequentemente contêm filtros Passa Baixas que tem como finalidade eliminar as altas freqüências dos ruídos. Isto evita que o ruído danifique o sinal proveniente dos sensores [PARK & MACKAY, 2003]. b) Amplificadores Filtrado o sinal de entrada, o mesmo poderá necessitar de amplificação para melhorar a sua resolução. A resolução máxima é obtida amplificando o sinal de entrada de modo que o balanço máximo da tensão do sinal de entrada se iguale a escala de entrada do Conversor A/D, contido dentro do sistema de aquisição de dados. c) Linearizadores Muitos sensores e transdutores apresentam uma relação não linear com a quantidade física medida. O método de linearização desses sinais de entrada varia entre os produtos dos condicionadores de sinais e de acordo com suas aplicações. d) Isoladores Equipamentos de condicionadores de sinais podem também ser utilizados para fornecer isolamento aos sinais de transdutores vindo de computadores, onde existe a possibilidade de alta tensão. Isto ocorre dentro de um sistema monitorado devido a uma falha de descarga eletrostática ou elétrica. e) Excitadores Os condicionadores de sinais também fornecem excitação para alguns transdutores. Por exemplo, os termistores que requer tensão externa ou sinais de excitação, (Figura 2.5).

21 - 9 - Figura Condicionamento de sinais Hardware de Aquisição de Dados O hardware de controle e aquisição de dados pode ser definido como um componente de um sistema de controle e aquisição de dados, que executa as seguintes funções: A entrada analógica é processada e convertida para o sinal digital, usando como ferramenta os conversores analógicos-digitais ADC (Analog-to-Digital converter). Esse sinal digitalizado é então transferido para o computador ou outro equipamento com essa função para ser armazenado e analisado; O tratamento do sinal de entrada digital, que contêm informações de sistemas ou processo; O processo de conversão dos sinais digitais para sinais analógicos, usando os conversores digital-analógicos DACs (Digital-to-Analog converter). Depois de convertido o sinal analógico é usado para controlar um sistema ou processo; O tratamento do sinal de saída digital. Na figura 2.6 mostra-se um exemplo de PLC. Figura Exemplo do PLC S7-300 da Siemens. Fonte: IKS, 2007.

22 Software de Aquisição de Dados Os softwares armazenam os sinais capturados no campo na forma de sinais digitais permitindo ao usuário o controle do processo, seja ele visualização, configuração, parametrização, comando e monitoramento das funções necessárias a automação da planta. Como exemplo, pode-se citar o software supervisório Elipse Scada [ELIPSE, 2007], (Figura 2.7). Figura Exemplo de um software de aquisição de dados Fonte: ELIPSE, Arquitetura da rede SCADA

23 Em geral, os sistemas SCADAs são compostos por uma unidade central de processamento, chamada de estação central e de estações remotas, chamadas de unidade remotas de controle (RTU - Remote Terminal Unit), (Figura 2.8). Esses componentes trocam informações através de um meio de comunicação. Os meios de comunicação utilizados podem ser sem fios (satélite, rádio), ou com fios [UFRN, 2007]. Figura Arquitetura simplificada de um sistema SCADA. O operador interage com o sistema através da unidade de visualização gráfica disponível na estação central. Essa interface, conhecida como Interface Homem Máquina HMI (Human Machine Interface), é atualizada em tempo real a partir de dados adquiridos nas plantas pelas RTUs. A estação central, permite que o operador tem acesso à representação gráfica, na forma de ícones, dos processos que estão sendo supervisionados ou controlados. O operador também tem acesso a outras funcionalidades como: Geração de relatórios; Histórico do processo; Realização de operações de comando sobre dispositivos da planta; As estações remotas são compostas por sensores para aquisição de dados, por um componente que realiza a comunicação entre a estação remota e a estação central e por um outro componente que é responsável pela execução das instruções que são enviadas pela estação central.

24 Os dispositivos remotos adquirem e transmitem os dados referentes aos equipamentos ou processos que estão sendo monitorados para uma ou para várias estações de trabalho. Em geral, os sistemas SCADAs possuem uma aplicação, que é executada em uma ou em várias estações de trabalho, que coordena as funções de aquisição e de armazenamento de dados em tempo real dos diversos dispositivos localizados remotamente. Os dados armazenados nas estações de trabalho são tratados e apresentados para os operadores através da interface gráfica mencionada anteriormente. Essa é a abordagem padrão em sistemas de supervisão onde se deseja monitorar diversas variáveis e cuja atuação no sistema consiste de atividades de configuração simples das RTUs, como é o caso de sistemas de supervisão de transmissão e distribuição de energia elétrica. No caso da indústria de processos, devido à complexidade das atividades referente ao controle de processo, utiliza-se um elemento intermediário (Controlador de Processo) entre o sistema SCADA e as RTUs. Como visto, os SCADAs são voltados para o controle e a supervisão de processos. Os primeiros SCADAs eram arquiteturas centralizadas, fechadas, sem conectividade externa, que utilizavam hardware e software proprietários. Esse tipo de arquitetura possui funcionalidade limitada e baixa flexibilidade [UFRN, 2007]. As principais desvantagens associadas a esse modelo são: Em virtude da sua arquitetura centralizada, a interconexão entre os dispositivos de campo (sensores e atuadores, por exemplo) e o computador central requer um sistema de fiação complexo e de difícil reconfiguração se houver alguma necessidade; O computador central é bastante caro, devido à alta concentração de funcionalidades, constituindo-se, também, em ponto único de falha. A natureza proprietária dos sistemas utilizados impossibilita, na prática, soluções diversificadas e submete o usuário a um único fornecedor ou fabricante. Isto dificulta demasiadamente as possibilidades de interoperabilidade. Por serem física e logicamente independentes dos outros sistemas das corporações tradicionalmente, os SCADAs foram implantados para serem apenas operacionais e, por

25 esse motivo, a preocupação com segurança não era parte integrante de seus projetos. A validade desta afirmativa pode ser comprovada quando se analisa a utilização de procedimentos que possuem potenciais problemas de segurança, mas que eram considerados seguros devido ao isolamento dos sistemas SCADAs iniciais. Seguem alguns destes procedimentos apresentados em [RUSH & KINAST, 2004]. A autenticação de usuários baseada exclusivamente em senha; Os protocolos usados não implementavam nenhum tipo de autenticação; Os programas que compõem o sistema SCADA são implementados em sistemas operacionais considerados inseguros. Problemas relacionados com segurança tornam-se ainda mais importantes a partir da evolução pela qual os sistemas SCADA estão passando. Os sistemas SCADA estão saindo do isolamento lógico e estão evoluindo para arquiteturas abertas fortemente centradas em conectividade. Com o objetivo de aumentar a eficiência, a competitividade e a produtividade das empresas, os sistemas SCADA estão sendo interligadas com as redes corporativas e, em conseqüência, com a própria Internet Tecnologia SCADA A automação nos últimos anos tem se baseado no desenvolvimento de novas tecnologias, na rapidez com a qual as informações são tratadas e na produtividade cada vez maior buscada pelas empresas, fatores esses que atuam forçando o mercado a investir incessantemente em pesquisa e desenvolvimento para continuar a crescer. Existe também uma contínua pressão pela redução de custos, tanto na parte de produtos como de serviços. Esta pressão leva à busca da melhor relação custo x benefício, com o estudo em quais tecnologias investir, pesquisando quais já se consolidaram ou são promessas, ou ainda que produtos uma empresa prestadora de serviços irá manter em sua cesta para se manter competitiva no seu segmento de atuação. Para os sistemas de supervisão, podemos verificar alguns fatos na atualidade: O uso contínuo de ferramentas baseadas em plataforma Windows;

26 O desenvolvimento de novas ferramentas, também para plataforma Windows, que apresentam melhores conceitos de produtividade e flexibilidade; O uso de novas formas de supervisão; Uso de Linux e Unix para sistemas de maior porte em ambientes cujos usuários possuem uma cultura nesse sentido; O uso cada vez maior do OPC (OLE for Process Control) que são um conjunto de especificações padrões que permitem a interoperabilidade entre equipamentos. A criação de novas funcionalidades aos sistemas SCADA, (tais como análises de sistemas de produção e processos, controle de bateladas e outros); Total integração com a rede mundial de computadores. Outro ponto importante que atualmente é usado por grandes empresas que buscam o sucesso na implantação de sistemas de automação é a sua capacidade de estar sempre integrando equipamentos e softwares que representam o estado da arte na área de controle de processos. Acompanhando essas tendências tecnológicas do mercado podemos citar [ATAN, 2007]: Aplicação de Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) de fabricantes de alta tecnologia como Siemens, Ge-Fanuc, Allen Bradley, Schneider, Reliance, Altus entre outros; Softwares Supervisórios (SCADA) para controle de processos, tais como: Ifix e Cimplicity da GE-Fanuc, Rockwell Scada, FactoryLink da USData, Wizcon da PC Soft, InTouch da Wonderware, Elipse entre outros; Sistemas baseados em computadores nas plataformas Pentium, RISC, etc; Ambiente de comunicação com uma grande variedade de redes; Ferramentas de desenvolvimento, tais como: Visual Basic, Visual C++ e Delphi; uso de banco de dados como: Oracle, Microsoft SQL Server, etc.

27 III. SUPERVISÓRIOS 3.1. Introdução Os sistemas de automação industrial modernos atingiram tal nível de complexidade que a intuição e experiência humana não são mais suficientes ou eficientes para construir rapidamente modelos bem definidos dos mesmos [JURIZATO & PEREIRA, 2007]. Um sistema de supervisão opera de acordo com vários fatores em nível tanto de software como de hardware. A presença de um ambiente de comunicação entre elementos de controle e monitoramento é uma tendência que traz benefícios e sofisticação, além de possibilitar a interação de todo o processo. Baseado nesse contexto, e utilizando tecnologias de computação e comunicação, os softwares supervisórios permitem o monitoramento e controle das variáveis do processo em análise, permitindo a operação e visualização através de telas gráficas elaboradas para qualquer processo industrial ou comercial, independente do tamanho de suas plantas. Outro aspecto a enfatizar é que em um ambiente cada vez mais complexo e competitivo, os fatores relacionados com disponibilidade e segurança da informação assumem elevada relevância, tornando-se necessário garantir que independentemente da localização geográfica a informação esteja sempre disponível e segura quando necessário. Dentre dos principais softwares de supervisão podemos destacar [ROSÁRIO, 2005]: Elipse (Elipse); Wizcon (Emation); Intouch (Wonderware); Ifix (Intellution); RsView (Rockwell Automation); Cimplicity (Ge-fanuc); Unisoft (factory Link).

28 Apesar de existirem diferentes fabricantes de softwares supervisórios, eles possuem características semelhantes, capazes de atender pré-requisitos básicos funcionais de um projeto. Dentre as principais características podemos citar: Interface de dados amigável, ou seja, apresentar visualização gráfica que facilite o entendimento do operador do sistema; Geração automática de relatórios, com o controle estatístico do sistema; Histórico de Tendências (acompanhamento das variáveis controladas); Facilidade para interação com outros aplicativos (software); Acesso automático a banco de dados; Acesso compartilhado e remoto; Conexão em rede e por meio de modem ou rádio; Gerenciamento das condições de alarme Funcionalidades e Planejamentos do Sistema Supervisório. A idéia principal de um sistema supervisório é analisar e controlar todo o comportamento do processo que deve ser implantado para que possamos tirar o máximo de proveito desse comportamento. Para isso, devemos fazer um planejamento correto para conseguir minimizar os erros e ter um controle eficaz e seguro do processo. Para um planejamento eficiente recomenda-se os seguintes passos [MORAES & CASTRUCCI, 2001]: Conhecimento do Processo Para um completo controle e monitoramento de um processo de automação, torna-se necessário uma reunião de uma variedade de informações, vindas de várias fontes. Primeiramente, deveremos entrar em contato com os operadores, gerentes e o corpo administrativo do sistema a ser automatizado com o objetivo de conhecer a planta e as

29 informações necessárias que precisam ser aproveitadas pelo sistema, seguindo da divisão do processo em etapas e por último determinar as variáveis a serem monitoras Tomadas de Dados Quando se planeja a tomada de dados uma das metodologias é escolher para a apresentação somente dados essenciais, de maneira de que o sistema supervisório mantenha-se conciso. É preciso ter um limite no numero de dados para que um grande tráfego na comunicação não venha prejudicar o desempenho total da rede Banco de Dados É um sistema de gerenciamento de dados que permite a organização das informações. Nos softwares supervisórios ele é utilizado para a manipulação das variáveis (tags) que serão usadas pelo sistema. Para conseguirmos uma melhor organização dos dados devemos ter seguintes informações: Fluxos do processo ou diagramas de instrumentação das plantas; Lista de endereços dos dados ou endereços de registradores no CLP; Lista de Alarmes. Antes de montar o banco de dados com as variáveis analógicas, digitais ou do tipo String, é necessário: Escolher a velocidade de leitura das variáveis; Desenvolver um sistema de nomes das variáveis. A escolha dos nomes deve seguir uma lógica e, claro, o seu significado físico e o seu padrão de codificação. Variáveis que não possuem significado ou que só são familiares para quem a projetou podem tornar desastrosas uma futura manutenção do sistema ou alguma correção; Usar pastas de arquivos para organizar variáveis. As pastas de arquivos organizam as tags em grupos, de manuseio mais fácil. É também possível

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP SISTEMAS SUPERVISÓRIOS Luís Augusto Jurizato Paulo Sérgio R. Pereira Resumo Atualmente, a grande quantidade de processos automatizados existentes nos mais diversos meios, motiva a utilização dos chamados

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação EEMUA 201 GUIA DE DESIGN PARA INTERFACES HUMANAS OPERACIONAIS Versão adaptada do guia original publicado pela Associação de Usuários de Equipamentos e Materiais de Engenharia. Ricardo Schäffer Resumo -

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação TOUCH SCREEN Comando de Automação Central de Cenário 54 ÍNDICE DE SEÇÃO 56 A casa como você quer 62 As vantagens de 66 Dispositivos BUS 68 Integração das funções My Home 70 Vantagens da instalação BUS

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Casa do futuro Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Por Heloisa Medeiros A rápida evolução de produtos e equipamentos eletrônicos

Leia mais

Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre

Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre Alan Carvalho de Assis acassis@gmail.com 1 Sumário 1) Breve histórico da Automação/Controle 2) Linux em Automação Industrial 3) Introdução

Leia mais

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil Testes Definidos por Software Saber Eletrônica 436 Software para testes de próteses de válvulas cardíacas Saber Eletrônica 433 Softwares de Supervisão www.mecatronicaatual.com. br/secoes/leitura/786 AutoCad

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES 1 EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1. Conceito de Edifíco Inteligente Um edifício inteligente pode ser definido como aquele

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil DESENVOLVIMENTO DE UM PROCESSO PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE ARQUITETURA INTEGRADA EM PROJETOS DE AUTOMAÇÃO Luis Henrique Gaspar* Saulo Renan de Sousa e Silva** RESUMO Apresenta as vantagens do uso de Arquitetura Integrada nos processos fabris de

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY

OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY Ely Alves de Paula Júnior¹, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador)² ¹Departamento

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam.

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam. 1 - APRESENTAÇÃO Este descritivo tem como objetivo, apresentar o Sistema de Identificação de Visitantes enfocando suas funcionalidades e condições técnicas necessárias de implantação. Vantagens do Sistema

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Consultoria e Tecnologia em Automação

Consultoria e Tecnologia em Automação ARTH ENGENHARIA - Consultoria em Engenharia, Controle e Tecnologia de Automação. Empresa Com a filosofia de associar inovação e experiência em seus projetos, a ARTH engenharia sempre contou com uma equipe

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia. Intelligent Home Control com estilo, segurança e economia de energia. Projetos inteligentes exigem um sistema de automação completo. Funcionamento do sistema. O funciona com entradas e saídas, controlando

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Controle e Automação

Controle e Automação Controle e Automação Sistemas Supervisórios rios e Comunicação OPC Prof. Carlos Conceitos Iniciais Informação Dado Modelos de Redução de Dados Sistemas Supervisórios rios Sistemas SCADA Supervisão e Controle,

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento

Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento Douglas Weissmann douglaswe@bol.com.br UNITAU Francisco Carlos Parquet Bizarria bizarriafcpb@iae.cta.br UNITAU

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Outubro de 2014 Revisão: B Conhecer os principais conceitos e aplicações de um Software Supervisório; Conhecer

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3

AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3 Este case apresenta a solução adotada para monitorar as diferentes variáveis de campo envolvidas no processo de distribuição de gás natural realizado pela Altus

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE NOTE, também conhecido como NEXNOTE, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas sob a plataforma

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

FireFinder XLS. Respostas de infraestrutura. Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro.

FireFinder XLS. Respostas de infraestrutura. Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro. Fire Safety Division Siemens Building Technologies, Inc. 8 Fernwood Road Florham Park, New Jersey 07932 EUA 973-593-2600 FireFinder XLS Ajuda os bombeiros a combaterem incêndios. Ajuda a proteger seu futuro.

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO

PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO Aline Lima Silva¹; Danilo Menezes de Abreu²; Jailson da silva Machado³; Alexandre Teles 4 (orientador) ¹Faculdade de Engenharia de Resende. Resende - RJ alinel-silva@hotmail.com

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Change Management Aplicação : Ocorrências Comuns Você já teve problemas em encontrar um programa ou uma configuração quando precisava colocar uma máquina para

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta?

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta? Perguntas: 1. 2. 3. Entendemos que o processo de mudança será realizado através do CMDB atual e que esta mudança deverá ser refletida na solução de DCIM. Além deste processo haverá alguma outra forma de

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE Cleonilson Protásio de Souza 1 e José Tarcísio Costa Filho 2 Universidade Federal do Maranhão 1 Departamento de Engenharia de Eletricidade

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais