PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO"

Transcrição

1 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas -. PLAO DE EMERGÊCIA E EVACUAÇÃO 1

2 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - ÍDICE 1 Introdução Justificação Objectivos 4 2 Caracterização geral da Escola Localização / Espaços / Blocos Localização geográfica Enquadramento espaços livres e edifícios (blocos) Descrição geral das instalações Caracterização da comunidade escolar Caracterização geral dos espaços físicos Identificação Caracterização dos espaços População escolar Horário d e ocupação e período de funcionamento Tipo de ocupação Instalações Instalações específicas Equipamentos técnicos: electricidade, água e gás Espaços livres Acessos Vigilância e capacidade de intervenção Guardas Capacidade de intervenção Alarme /alerta Organismos de apoio 11 3 Estrutura interna de segurança Organigrama Declaração de emergência istema de alarme Alerta de meios de socorro externos 13 4 Procedimentos após declaração de emergência Energia eléctrica, gás e portões distribuição de tarefas Evacuação distribuição de tarefas Equipa de 1ª. Intervenção Equipa de 1os. ocorros 16 2

3 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 5 Tipos de emergência e procedimentos ituação de Incêndio Procedimentos a adoptar pelos professores Procedimentos a adoptar pelos alunos Procedimentos a adoptar pelos funcionários ituação de sismo e /ou derrocadas Procedimentos a adoptar pelos professores Procedimentos a adoptar pelos alunos Procedimentos a adoptar pelos funcionários Outros tipos de emergência e procedimentos Ameaça de bomba Fugas de gás Inundações 21 6 Local de encontro principal e alternativo 21 7 Local de coordenação 21 8 Informações complementares Informações sobre primeiros socorros Informações sobre localização e tipo de extintores Informações sobre a extintores e sua adequação Informações sobre localização das bocas de incêndio 24 9 Manutenção do plano de emergência Fichas de segurança por blocos Bloco A Bloco B Bloco C Bloco D Bloco E Pavilhão gimnodesportivo Bloco R Plantas 54 De localização 55 De enquadramento 56 De acessos Anexos 58 3

4 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas ITRODUÇÃO 1.1 JUTIFICAÇÃO As preocupações crescentes relativas à segurança da Escola, bem como a legislação surgida neste sentido leva-nos a fazer uma reapreciação / actualização dos documentos existentes - PLAO DE EMERGÊCIA. no sentido de elaborar / reformular um documento orientador onde são identificados riscos, meios recursos e atitudes, de forma a minimizar os perigos decorrentes de uma situação de acidente grave, catástrofe ou calamidade que possam vir a ocorrer. Pretende-se desta forma gerir adequadamente os recursos disponíveis, no sentido de minimizar os riscos quer humanos quer materiais. o Plano de Emergência e Evacuação que se apresenta pretende-se sistematizar um conjunto de normas, regras e procedimentos, destinadas a minimizar os efeitos de riscos quer de incêndio quer resultantes de outras situações perigosas nomeadamente catástrofes naturais como sismos, e alertas de bombas, etc. 1.2 OBJECTIVO Com o Plano de Emergência instrumento preventivo e operacional, pretende-se cumprir os seguintes objectivos: a) ensibilizar para a necessidade de adquirir conhecimentos e rotinas de auto-protecção b) ensibilizar e responsabilizar a comunidade escolar para o cumprimento de normas de segurança c) Conhecer os meios / condições de segurança existentes na escola d) Mobilizar e organizar os recursos humanos da escola, visando a actuação em caso de emergência e) Limitar as consequências de possíveis acidentes f) Informar e colaborar com as entidades operacionais de protecção civil g) Rotinar procedimentos, os quais poderão ser testados, através de exercícios de simulação. h) Apresentar o plano de evacuação das instalações escolares. 4

5 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 2 CARACTERIZAÇÃO GERAL DA ECOLA LOCALIZAÇÃO / EPAÇO / BLOCO / PIO Localização geográfica A Escola EB 2/3 Martim de Freitas encontra-se localizada na freguesia de tº. António dos Olivais, de, no Bairro de Celas, próxima do Hospital (a cerca de 500 metros) e separada dos espaços da entrada principal deste por uma estrada principal, confinando a norte com esta estrada e com umas bombas de gasolina aí localizadas. (ver planta anexa) Enquadramento do edifício e espaços livres / blocos O anexo II indica as disposições dos vários edifícios escolares e dos espaços livres, jardins e campos de jogos, constituídos pelos seguintes blocos: BLOCO A B - (2 pisos) - Blocos de 2 pisos, destinados a salas de aula BLOCO C (2 pisos) - Constituído por 2 pisos, onde funcionam os seguintes serviços: 1º PIO: 2º. PIO - PBX - ecretaria - Reprografia - ala AE - Gabinete da Directora do Centro de Formação - ala de Formação - Gabinete do Conselho Executivo - ala de Informática - Biblioteca - Ludoteca - ala de vídeo - ala de estudo 5

6 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - BLOCO D (2 pisos) - ala de Professores - Bar de Professores - alas de Aula BLOCO R (1 PIO) - Constituído por Refeitório, Papelaria, sala de convívio dos Alunos e Bar, e ala de Funcionários Descrição geral das instalações Os anexos III A (1 e 2), III B (1 e 2), III D (1 e 2 ), IV E (1,2,e 3), e III R, indicam, por edifício e por piso a arquitectura das salas e a sua designação e /ou funções. Estão assim indicados em cada um destes anexos : - Localização do quadro Geral de energia eléctrica - Localização das válvulas de corte de gás - Ponto de corte geral do gás - Bocas de incêndio - Extintores portáteis - Telefones - Campainha que servirá de alarme - Vias de circulação interna para evacuação. - Ponto de Encontro Cada um destes anexos será afixado no edifício / piso respectivo o anexo XPTO encontram-se representadas as seguintes partes: - As vias de circulação interna para viaturas - Ponto de encontro - Corte geral de electricidade - Corte geral de água - Local de cabina de gás - Entrada e saída principal da Escola - Entrada e saída alternativa para a via rápida, junto aos HUC 6

7 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas CARACTERIZAÇÃO DA COMUIDADE ECOLAR º de Alunos: 1050 Idades entre os 10 e os 17 anos, entre o 5º e o 9º ano ota: 5 alunos com deficiência mental Professores: 150 Funcionários de acção Educativa: 20 Funcionários Administrativos: 10 Funcionários AE: 3 A distribuição dos funcionários de acção educativa pelos blocos é a seguinte: BLOCO OME LOCALIZAÇÃO / FUÇÃO A Manuela Matamouros Auxiliar de Acção Educativa B Cristina Melo Auxiliar de Acção Educativa C Helena Pauseiro Auxiliar de Acção Educativa D Vera imões Auxiliar de Acção Educativa R Cidália Oliveira Auxiliar de Acção Educativa E Isabel Ferreira Auxiliar de Acção Educativa PAVILHÃO Victor Araújo Auxiliar de Acção Educativa 7

8 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas CARACTERIZAÇÃO GERAL DO EPAÇO FÍICO IDETIFICAÇÃO DA ECOLA ECOLA EB 2,3 MARTIM DE FREITA MORADA RUA ADRÉ GOUVEIA TELEFOE E-AMIL DELEGADO PARA A EGURAÇA Dr. Cesário Artur Quirino antos OTA: Em caso de impedimento será substituído por Adelino Vilão CARACTERIZAÇÃO DO EPAÇO TIPO DE ETABELECIMETO PÚBLICO GRAU DE EIO 5º 6º 7º 8º 9º POPULAÇÃO ECOLAR DIURO OTURO PROFEORE FUCIOÁRIO 60 2 Guardas octurnos ALUO HORÁRIO DE OCUPAÇÃO E PERÍODO DE FUCIOAMETO HORÁRIO DE FUCIOAMETO COM ALUO HORÁRIO LIMITE HORA TIPO DE OCUPAÇÃO EXCLUIVAMETE ECOLAR ITALAÇÃOE PAVILHÕE 7 ALA DE AULA 59 GABIETE 10 8

9 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas ITALAÇÕE EPECÍFICA ITALAÇÃO / ALA OBERVAÇÕE LABORATÓRIO (a) 2 alas normais onde são leccionadas disciplinas BIBLIOTECA 1 ALA DE IFORMÁTICA 1 ALA DE REPROGRAFIA 1 PAPELARIA 1 COZIHA 1 REFEITÓRIO 1 BAR DO PROFEORE 1 BAR DO ALUO 1 ALA DE EDUCAÇÃO FIICA 1 ALA DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA 2 Algumas máquinas portáteis e outras. Ferramenta diversa Computadores EQUIPAMETO TÉCICO: ELECTRICIDADE, ÁGUA E GÁ. LOCALIZAÇÃO EQUIPAMETO LOCALIZAÇÃO OBERVAÇÃOE POTO DE Interior da vedação (a) Pertence à Escola TRAFORMAÇÃO QUADRO GERAL DE Bloco C-1 Por baixo das escadas de ETRADA acesso ao piso 2 BLOCO C De fácil acesso à funcionária em serviço no BLOCO C QUADRO PARCIAI Em todos os blocos, junto à entrada O BLOCO R tem 3: 1 junto à entrada da cozinha, 1 dentro do BAR, e 1 no hall junto à papelaria VÁLVULA DE CORTE GERAL DE GÁ À saída do local de armazenamento das garrafas. 2: 1 fora dos edifícios e 1 dentro BOTIJA DE GÁ Fora dos edifícios BLOCO D (33,34,35) 2º piso e BLOCO E, salas 59 e 45 ETRADA GERAL DE ÁGUA VÁLVULA DE EGURAÇA (COTADOR) Fora dos edifícios a nascente, no antigo acesso à escola Fora dos edifícios a nascente, no antigo acesso à escola Garrafas de 15 Kg e 45 Kg Corte geral 9

10 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas EPAÇO LIVRE EPAÇO COBERTO EPAÇO ÃO COBERTO Passagens entre os blocos A,B,C,D,R,E (com escadas) Grandes áreas Ver planta ACEO ACEO À ECOLA ormal: Av. Caloust Gulbenkian, depois rua André Gouveia Alternativo Rua Costa imões, (Dá acesso ao Hospital, vindo da FUCOLI) CIRCULAÇÃO ITERIOR Acessos fáceis a toda a volta da escola. Estrada alcatroada, com largura de 3 metros (aproximadamente) (ver planta) 2.4 VIGILÂCIA E CAPACIDADE DE ITERVEÇÃO VIGILÂCIA Diurna octurna CAPACIDADE DE ITERVEÇÃO Diurna octurna ALARME / ALERTA Campainha irene Directo aos Bombeiros Telefone 10

11 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas ORGAIMO DE APOIO Água Câmara Municipal de Bombeiros Municipais Av. Dr. Mendes ilva, Bombeiros Voluntários Av. Fernão Magalhães, Câmara Municipal Praça 8 de Maio, Drec Rua General Humberto Delgado, 319 Electricidade - CEEL Rua do Brasil, Esquadra da GR Av. Dias da ilva,, Esquadra da P..P. Rua Olímpio icolau Rui Fernandes Governo Civil Estrada da Couraça, Hospital da Univ. de Praça Prof. Mota Pinto Hospital Pediátrico Av. Dr. Bissaia Barreto Intoxicações erviço Mun. Protecção Civil Rua Caloust Gulbenkian 11

12 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 3 ETRUTURA ITERA DE EGURAÇA ORGAIGRAMA DETECÇÃO Alunos Professores Funcionários RECOHECIMETO Conselho Executivo Professores Funcionários ÃO DECLARAÇÃO DE ITUAÇÃO DE EMERGÊCIA Conselho Executivo IM REUIR CETRO DE COORDEAÇÃO (Local: Gab. ConselhoExecutivo ou outro local a decidir) PEDIR ITERVEÇÃO DO BOMBEIRO ALERTA 112 ACCIOAR ALARME Chefe erv. Administr. 2 Toques longos EVACUAÇÃO (eguir procedimentos) RELAÇÕE COM A IMPREA (Coordenador da segurança) EQUIPA DE 1ª ITERVEÇÃO (ão existente) Chefe erv. Administr. 2 Toques longos EQUIPA DE 1os OCORRO (ão existente) 2 Toques longos 12

13 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas DECLARAÇÃO DE ACIDETE Em caso de acidente, incêndio ou sismo, este deverá ser comunicado de imediato a um dos elementos do Conselho Executivo. Um deles passará de imediato a coordenar as operações dando instruções para: - Accionar o alarme (quando se justifique evacuar toda a escola) - Alertar os meios de socorro externos - Proceder ao corte de energia - Desenvolver e acompanhar os procedimentos previstos PARA COMUICAÇÃO DE QUALQUER ACIDETE DEVERÁ ER EPECIFICADO UM ÚMERO DE TELEFOE, EXCLUIVO PARA ETE CAO E ACEDIDO DE QUALQUER DO BLOCO PELA TELEFOITA TERÃO EM LOCAL VIÍVEL O REPECTIVO ÚMERO. 3.3 ITEMA DE ALARME Em caso de incêndio O sistema de alarme será accionado através da sirene com toque contínuo Em caso de sismo O sistema de alarme será accionado através da sirene com toque interrompido A sirene estará sempre desimpedida e devidamente assinalada, próximo do local de trabalho do chefe de secretaria, sendo a sua alimentação autónoma em relação ao restante circuito eléctrico O accionamento da sirene de alarme será executada pelo funcionária do telefone junto à qual se encontra o alarme Esta passará ainda o sistema de toque de campainhas do modo automático para o modo manual, através de um comutador existente na secretaria, devidamente sinalizado, e em local de acesso desimpedido 13

14 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas ALERTAR MEIO DE OCORRO EXTERO erá colocada uma placa com o número de: - Bombeiros - a vermelho - PP - a azul Junto ao PBX, em local bem visível, para que a telefonista do PBX possa, ligar de imediato, logo que receba as respectivas instruções. as chamadas de emergência indicar: - ome da Escola - Descrição da ocorrência - Localização da escola - Tipo de ajuda solicitada - Existência de vítimas - Medidas já adoptadas (se forem solicitadas) - Meios de 1ª. Intervenção disponíveis - Outros elementos relevantes 14

15 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 4 PROCEDIMETO APÓ DECLARAÇÃO DE EMERGÊCIA 4.1 EERGIA ELÉCRICA, GÁ E ABERTURA DE PORTÕE DITRIBUIÇÃO DE TAREFA ACÇÕE REPOAVEL OBERVAÇÕE CORTE GERAL DA EERGIA ELÉCTRICA CORTE GERAL E PARCIAL DE EERGIA ELÉCTRICA O PAVILHÃO POLIVALETE CORTE GERAL DO GÁ O PAVILHÃO POLIVALETE CORTE DE GÁ O BLOCO R (COZIHA) CORTE DE EERGIA ELÉCTRICA O BLOCO R (COZIHA) CORTE DE EERGIA ELÉCTRICA O BLOCO ABERTURA DE PORTÕE Chefe do pessoal. Funcionários de serviço ao Pavilhão Funcionários de serviço ao Pavilhão Responsável pela cozinha Responsável pela cozinha Funcionária da papelaria Funcionário de serviço à Portaria Fará o corte geral da energia, mas nunca antes do toque de alarme (quando este se torne necessário) Quadro da cozinha Após ouvir o sinal de alarme procederá de imediato à abertura do portão principal 15

16 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas EVACUAÇÃO: DITRIBUIÇÃO DE TAREFA TAREFA REPOÁVEL Funcionária do PBX Avisa os bombeiros e as forças de segurança (112) Orienta os alunos na saída Funcionário da Portaria Abre os portões exteriores Encaminha os alunos para o ponto de encontro Desligam os quadros eléctricos dos Blocos Abrem completamente as portas dos Blocos Colocam-se nos corredores e orientam a saída organizada Funcionários de apoio aos Blocos dos alunos Verificam se não está ninguém nas instalações sanitárias Verificam se todas as salas tem um E de evacuação. Coloca um V na porta das salas verificadas Funcionários da Reprografia Desligam o quadro eléctrico da zona Auxiliam na evacuação dos alunos Funcionários da Biblioteca Abrem as portas Auxiliam na evacuação dos alunos Funcionários da Papelaria Auxilia a evacuação dos alunos para o exterior Desligam o quadro eléctrico Funcionários do Bar dos Alunos Desligam válvula de gás Auxiliam na evacuação dos alunos Desligam quadro eléctrico Desligam válvulas de gás Funcionários do Bar dos Professores Verificam existência de pessoas na sala dos professores e nas instalações sanitárias Apoiam na evacuação dos professores Funcionários da Cozinha / Refeitório Professores (Procedimentos gerais) Funcionários dos pisos onde houver deficientes Desligam o gás Desligam o quadro eléctrico Abrem as portas do refeitório Auxiliam na evacuação dos alunos Ao sinal de alarme deverá dar ordem de evacuação com voz calma e autoritária de forma a evitar o pânico Ordenar ao Delegado / ubdelegado da turma que estiver a leccionar para abrir a porta da sala e conduzir os restantes alunos atrás de si, no caminho de evacuação, seguindo o trajecto das plantas de emergência e a sinalética existente. ão deixar os alunos regressarem sob qualquer pretexto air por último, levando o livro de ponto. Fechar a sala, marcando a porta por fora com um E (de evacuada) Mantém a turma concentrada, evitando a dispersão, até receber instruções das entidades competentes Encaminham-se para a sala e acompanham os deficientes até ao local de encontro 16

17 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - Restantes funcionários Auxiliam os professores na evacuação dos alunos, até ao local de concentração 4.3 EQUIPA DE 1ª ITERVEÇÃO Após declarado o alarme a Equipa de 1ª. Intervenção deverá dirigir-se para o local do acidente no sentido de actuar de acordo com as circunstâncias e a formação que lhes foi dada, nomeadamente a nível de: 4.4 elecção e manuseamento de extintores 4.5 Utilização de mangueiras 4.6 Colaborar no rescaldo do acidente 4.7 Colaborar na elaboração do relatório de ocorrência Para o efeito é assegurada a formação respectiva, OTA: De momento não existe equipa de 1ª intervenção 4.4 EQUIPA DE PRIMEIRO OCORRO Após a declaração do alarme a equipa de primeiros socorros dirigir-se a para o local do acidente onde deverá prestar os primeiros socorros, podendo caso as circunstâncias o aconselhem e de acordo com o tipo de acidente estruturar-se de forma diferente como seja no ponto de encontro. Deverá actuar de acordo com a formação ministrada para os primeiros socorros, nomeadamente: 4.5 a deslocação de feridos 4.6 Queimaduras 4.7 Intoxicações 4.8 oterramentos 4.9 Desmaios OTA: De momento não existe equipa de primeiros socorros 17

18 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 5 TIPO DE EMERGÊCIA E PROCEDIMETO 5.1 PROCEDIMETO A ADOPTAR PELO PROFEORE CAO DE ICÊDIO Ao sinal de alarme deverá dar ordem de evacuação com voz calma e autoritária de forma a evitar o pânico Ordenar ao Delegado / ubdelegado da turma que estiver a leccionar para abrir a porta da sala e conduzir os restantes alunos atrás de si, no caminho de evacuação, seguindo o trajecto das plantas de emergência e a sinalética existente. ão deixar os alunos regressarem sob qualquer pretexto air por último, levando o livro de ponto. Fechar a porta, e com um giz marcar a porta com a letra E (significando que a sala está evacuada) Ao chegar ao local de encontro, verificar se falta algum dos alunos que estavam presentes na sala. Mantém a turma concentrada, evitando a dispersão, até receber instruções das entidades competentes 18

19 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPTAR PELO ALUO EM CAO DE ICÊDIO ão entrar em pânico Abandonar a sala de forma rápida e ordeira, em coluna, pela direita, seguindo o trajecto indicado na planta, dirigir-se para o local de concentração, deixar livros e pastas na sala unca voltar atrás nem parar nas portas de saída ou nas escadas Ajudar sempre os colegas mais assustados ão pisar fios, cabos ou mangueiras que encontre no caminho Caso as portas principais sejam de 2 meias-folhas e não estejam totalmente abertas, o delegado deverá parar e abrir a que estiver fechada de forma a que fiquem ambas abertas. Caso se encontre em qualquer espaço aberto da escola deverá dirigir-se imediatamente para o ponto de encontro. Caso estejam na aula de Educação Física em espaço aberto, ou no pavilhão desportivo, deverão abandonar o local e seguir os procedimentos de evacuação Caso estejam no balneário, antes ou depois da aula de educação física ou de qualquer outra actividade desportiva, deverão abandonar o local seguindo os procedimentos de evacuação. Caso estejam no recreio ou nos corredores, devem dirigir-se ordeiramente e sem correrias para o ponto de encontro, deixando as pastas se estas não estiverem consigo. Caso na sala exista muito fumo deve colocar-se com a cabeça junto ao chão Caso seja possível e existir muito fumo, respirar através de um pano húmido Caso o fogo envolva as roupas deve rolar sobre si próprio para que o fogo se apague 19

20 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPTAR PELO FUCIOÁRIO EM CAO DE ICÊDIO eguir as indicações constantes deste plano Ao ouvir o sinal de alarme deverão transmitir a ordem de evacuação para os alunos que estiverem próximos Proceder à abertura das portas dos respectivos blocos, abrindo-as totalmente Dirigir-se para as salas onde estejam alunos com deficiência e colaborar no encaminhamento destes para o local de concentração Avisar / verificar se se encontra alguém nos sanitários Verificar se se encontra alguma sala sem o sinal de E (Evacuada). Colocar um V nas salas evacuadas ão deixar que os alunos regressem às salas ou aos blocos Devem ser os últimos a abandonar os corredores e os blocos e dirigir-se para o local de concentração Devem permanecer no local de concentração até receberem instruções das entidades competentes Colaborar com a equipa de coordenação, bombeiros equipas de primeiros socorros ou intervenção quando solicitados. 20

21 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPPTAR PELO PROFEORE EM CAO DE IMO E DERROCADA Colocar os alunos afastados das janelas, móveis, armários, estantes e / ou objectos grandes ou pesados Ordenar aos alunos que se protejam debaixo das mesas, nos cantos das salas ou debaixo das portas interiores Instruir os alunos nos procedimentos a tomar e transmitir a todos as ordens em voz calma e segura, de forma a evitar o pânico Após o primeiro abalo seguem-se outros de menor intensidade (réplicas). Por isso os alunos não devem abandonar os seus locais de protecção sem terem a certeza que estes já não corem perigo ou sem terem ouvido o sinal de alarme. Quando for seguro abandonar o local dar a ordem de evacuação e orientar os alunos para seguirem o procedimento definido. Instruir os alunos sobre a forma de seguirem o caminho de evacuação: ( Manterem-se afastados dos edifícios, dos muros, das colunas e postes susceptíveis de cair, não pisarem fios e cabos eléctricos, evitar passar sobre locais inundados que possam provocar quedas) 21

22 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPTAR PELO ALUO EM CAO DE IMO OU DERROCADA Manter-se afastado das janelas, lâmpadas, móveis, estantes ou objectos grandes ou pesados Proteger-se debaixo das portas interiores, noa cantos das salas ou debaixo das mesas. Após o primeiro abalo seguem-se outros de menor intensidade (réplicas). Por isso não devem abandonar os seus locais de protecção sem terem a certeza que estes já não corem perigo ou sem terem ouvido o sinal de alarme, ou ainda sem indicação do professor ou funcionário Quando for dado o sinal de evacuação devem seguir á risca as respectivas regras incluindo manterem-se afastados dos edifícios, dos muros, das colunas e postes susceptíveis de cair, não pisarem fios e cabos eléctricos, evitar passar sobre locais inundados que possam provocar quedas o caso de alunos com deficiência o delegado de turma deverá ajudar o professor a encontrar a melhor protecção para o aluno, dentro da sala de aula. o caso de um aluno com deficiência se encontrar no recinto aberto, a pessoa mais próxima deverá colaborar no seu acompanhamento até ao local de encontro 22

23 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPTAR PELO FUCIOÁRIO EM CAO DE IMO OU DERROCADA Ordenar aos alunos que se afastem das janelas, móveis, armários, estantes e / ou objectos grandes ou pesados Ordenar aos alunos que se protejam debaixo das mesas, nos cantos das salas ou debaixo das portas interiores Transmitir a todos as ordens em voz calma e segura, de forma a evitar o pânico Após o primeiro abalo seguem-se outros de menor intensidade (réplicas). Por isso os alunos não devem abandonar os seus locais de protecção sem terem a certeza que estes já não corem perigo ou sem terem ouvido o sinal de alarme. Quando for seguro abandonar o local dar a ordem de evacuação e orientar os alunos para seguirem o procedimento definido. Instruir os alunos sobre a forma de seguirem o caminho de evacuação: ( Manterem-se afastados dos edifícios, dos muros, das colunas e postes susceptíveis de cair, não pisarem fios e cabos eléctricos, evitar passar sobre locais inundados que possam provocar quedas) 23

24 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas PROCEDIMETO A ADOPTAR OUTRO TIPO DE EMERGÊCIA: (AMEAÇA DE BOMBA E FUGA DE GÁ) Podemos considerar outros tipos de emergência menos comuns assim como os vários procedimentos a adoptar nomeadamente: - ameaças de bomba, - fuga de gás e outras do mesmo tipo AMEAÇA DE BOMBA a situação de ameaça de bomba,, e caso não haja instruções em contrário devem ser aplicados, na generalidade os procedimentos já referidos, com as reservas inerentes às instruções que na altura forem dadas, cumprindo escrupulosamente as instruções dadas pela Conselho Executivo, Polícia ou Bombeiros que se encontrem no local FUGA DE GÁ Em caso de fuga de gás não fumar, não produzir qualquer faísca, não ligar ou desligar interruptores, e seguir os procedimentos de evacuação. A área onde ocorra deverá ser perfeitamente ventilada e o regresso às salas só poderá verificar-se após confirmação dada pelo Conselho Executivo de que a fuga está debelada e de que a sala não oferece qualquer perigo IUDAÇÕE Devido à localização da escola não é previsível uma situação de emergência provocada por inundação ITRUÇÕE OBRE PROCEDIMETO De todos os procedimentos referidos serão dadas instruções: - Aos professores e funcionários através de informação escrita - Aos alunos através da Directora de Turma - erão ainda colocadas em todas as portas das salas, gabinetes, casas de banho e noutros locais onde se julgue necessário, informações sobre estes procedimentos. 24

25 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 6 LOCAL DE ECOTRO, LOCAL ALTERATIVO E EVETUAL EVACUAÇÃO DA ECOLA LOCAL DE ECOTRO Para todos os blocos, salvo indicações dadas oportunamente no local pelo Conselho Executivo, Professores, ou Bombeiros: CAMPO DE JOGO e se verificar que o local de encontro não é o mais indicado, tendo em consideração o tipo e local do acidente, poderá haver lugar à designação de um outro local de encontro alternativo, que será comunicado pelo Conselho Executivo aos funcionários e destes a toda a população escolar, no momento do acidente. EVETUAL EVACUAÇÃO DA ECOLA Uma eventual evacuação para forra da Escola e transporte de feridos para o Hospital deverá ser feita pela entrada principal. Os acessos a esta bem como o parque de estacionamento deverão manter-se o mais desimpedidos possível, sendo de prever a colaboração de um funcionário para esta tarefa. Como a rua principal tem bastante tráfego, ou por motivo de obras em caso de necessidade, ou se se verificar que o local de encontro não é o mais indicado, tendo em consideração o tipo e local do acidente, poderá a evacuação ser feita pela rua lateral. Competirá ao Conselho Executivo avaliar a situação e dar as respectivas instruções em presença da situação real.. 7 LOCAL DEFIIDO PARA A COORDEAÇÃO De acordo com o tipo de acidente e caso a equipa de coordenação o entenda, o local de coordenação será no gabinete do Conselho Executivo, ou para outro local a decidir de acordo com a situação 25

26 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 8 IFORMAÇÕE COMPLEMETARE 8.1 Primeiros socorros A aplicação dos primeiros socorros ficará a cargo da respectiva equipa de primeiros socorros que para o efeito receberá a respectiva formação. o caso de impedimento desta, as acções a tomar serão as seguintes: Queimaduras superficiais Queimadura com produtos químicos Golpes ligeiros Quedas em superfície Golpes profundos Pessoa acidentada por corte Pessoa exposta a circuito eléctrico Inalação de substâncias tóxicas Ingestão de reagentes Pessoas com roupas incendiadas Quedas em altura Aplicar água corrente Proteger a zona com pensos humedecidos ão utilizar álcool e surgirem bolhas, não as rebentar lavar abundantemente com água corrente as partes do corpo que tenham sido afectadas Lavar com água corrente Desinfectar com álcool ou água oxigenada Aplicar penso ão deslocar a pessoa, se esta tiver fractura exposta Estancar o sangue Estancar o sangue Desligar a corrente isolar-se antes de tocar na vítima e a pessoa estiver sob tensão eléctrica tentar afastá-la utilizando uma substância isoladora (vara de plástico, madeira, etc.) e a vítima não der sinais de vida aplicar imediatamente a respiração artificial, de preferência pelo método boca-nariz e compressão cardíaca externa. Afastar a pessoa da área contaminada Aliviar a pessoa no pescoço e no peito Deitar o acidentado mantendo-o aquecido e vigiado Chamar os serviços médicos Ir ao Centro de saúde Deitar a vítima no chão Apagar as chamas da cabeça para os pés ão retirar a roupa que estiver em contacto com a pele queimada Aplicar pensos humedecidos com água fria ão mecher no acidentado até que chegue a equipa de primeiros socorros 26

27 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas LOCALIZAÇÃO E TIPO DE EXTITORE TIPO CAPAC. BLOCO QUAT. LOCALIZAÇÃO IALIZADO A 5 1º PIO 1 2º PIO ABC 6 Kg. B 2 1º PIO 1 2º PIO E 1 3º PIO R 5-2 Kg. 2 1º PIO CO2 C 2 2º PIO 6 Kgr. C 2 1º PIO 2 Kgr. D 1 1º PIO BCE 6 Kgr. D 2 1º PIO 6 Kgr. D 1 2º PIO 6 Kgr. E 2 1º PIO 6 E 3 2º PIO 6 Kgr, PAVILHÃO 1 Pavilhão LOCALIZAÇÃO DE BOCA-DE-ICÊDIO BLOCO QUAT. IALIZADO OBERV. A 1 B 1 C 1 D 1 E 4 3 exteriores + 1 interior PAVILHÃO 1 27

28 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas ADEQUAÇÃO DO EXTITORE À DIFERETE CLAE DE FOGO CLAE DE FOGO AGETE EXTITOR PICTOGRAMA OBERVAÇÕE Fogos que resultam da Água (utilização múltipla) combustão de materiais sólidos, geralmente de Espumas natureza orgânica, a qual se dá normalmente com a Pó químico seco tipo ABC A formação de brasas (Ex.: madeira, papel, etc) Fogos que resultam da Espumas combustão de líquidos ou de Pó químico seco tipo ABC sólidos liquidificáveis, como Dióxido de carbono ( neve unca apagar um tentar fogo por exemplo gasolina, éteres, carbónica) álcoois, vernizes, diluentes, Hidrocarbonetos resultante combustão da de ceras, etc halogenados (HALO) líquidos, usando Fogos que resultem da combustão de gases como por exemplo metano, propano, acetileno, etc Incêndios especiais que resultem da combustão de metais, por exemplo magnésio, sódio, urânio, etc Espumas Pó químico seco tipo ABC Dióxido de carbono ( neve carbónica) Hidrocarbonetos halogenados (HALO Pó quimico seco apropriado a cada tipo de produto B C D água 28

29 PLAO DE EMERGÊCIA Escola Martim de Freitas - 9 MAUTEÇÃO DO PLAO DE EMERGÊCIA Uma das condições para garantir a eficácia de um Plano de Emergência é a sua correcta e perfeita actualização. Para o efeito deverão ser comunicadas previamente aos responsáveis pelo Plano de Emergência (Protecção Civil, Bombeiros, Drec Governo Civil) quaisquer alterações ao nível das condições físicas do edifício, bem como alterações funcionais ou de acessibilidades, nomeadamente: - Alterações à compartimentação dos edifícios - Alteração interna de equipamentos e / ou serviços - Modificação das vias de acesso (pontual ou definitiva) - Alteração dos acessos internos (pontuais ou definitivos) - Instalação de novos equipamentos técnicos - Colocação de produtos perigosos - Alteração de sinalização interna no edifício - Alteração na equipa afecta à segurança - Organização do sistema de segurança a ocorrência de alterações o delegado de segurança deverá proceder à actualização do Plano de Emergência, substituindo as folhas de peças escritas e / ou desenhadas pelas versões actualizadas, que serão identificadas nos rodapés da própria página como nova edição (número e data) Todas as alterações efectuadas ao Plano de Emergência deverão ser comunicadas aos detentores de exemplares do mesmo, sendo-lhes entregues para substituição as novas páginas em vigor. 29

ESCOLA B+S BISPO D. MANUEL FERREIRA CABRAL PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA B+S BISPO D. MANUEL FERREIRA CABRAL PLANO DE EMERGÊNCIA ECOLA B+ BIPO D. MAUEL FERREIRA CABRAL PLAO DE EMERGÊCIA Março de 2011 PLAO DE PREVEÇÃO E EMERGÊCIA Ficha n.º 1 IDETIFICAÇÃO DO ETABELECIMETO OME: Escola B+ Bispo D. Manuel Ferreira Cabral MORADA: Rua

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos:

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos: Escola Básica Integrada de Santa Cruz da Trapa Plano de Segurança - Evacuação Ano letivo 2014/2015 INTRODUÇÃO As preocupações sempre crescentes relativamente à segurança da escola levou-nos a elaborar

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

ANO LECTIVO 2010 / 2011

ANO LECTIVO 2010 / 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA Plano de Segurança ANO LECTIVO 2010 / 2011 Constituição do Plano de Segurança PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ANEXOS CADERNO DE REGISTO

Leia mais

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR ESCOLA: EB 2,3 / Dr. Daniel de Matos MORADA: Vila Nova de Poiares TELEFONE:

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE I- Enquadramento do Estabelecimento de Ensino 1. Localização... 4 2. Acesso.... 5 3. Descrição das instalações... 6 II- Caracterização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA INTRODUÇÃO O Plano de Segurança pretende representar para a comunidade escolar um ponto de referência para uma eventual situação de emergência face a eventuais catástrofes.

Leia mais

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA SISMO INCÊNDIO DURANTE O SISMO PREVENÇÃO 1º - Se estás numa sala ou átrio: Conserva a calma. Não te precipites para as saídas. Protege-te ajoelhando debaixo de uma mesa. Com

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 -

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA / NÚMEROS EXTERNOS: NÚMERO NACIONAL DE EMERGÊNCIA 112 BOMBEIROS ALCABIDECHE 21 469 00 26 G.N.R. ALCABIDECHE 21 460 38 50 G.N.R.

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Plano de Segurança (simplificado)

Plano de Segurança (simplificado) Plano de Segurança (simplificado) 10 Setembro 2012 Índice 1. Introdução 2. Caracterização da Escola 2.1. Caracterização do Risco 2.2. Equipamentos e sistemas de segurança incêndio 3. Organização da Segurança

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Como ATUAR em caso de:

Como ATUAR em caso de: S e g u r a n ç a n a E P C i s a v e A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2 1 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA C) PLANO DE EVACUAÇÃO ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO NORMAS DE EVACUAÇÃO - ALUNOS Ao ouvires o sinal de alarme, deves cumprir as seguintes regras: Mantém-te tranquilo e segue as instruções do teu

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação Plano de Segurança contra Sismos Exercício de Evacuação Dia 21 de Fevereiro de 2008 O que esperar em caso de SISMO O primeiro indício de um Sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro perceptível

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO Os sismos são fenómenos naturais que não se podem prever nem evitar. Os seus efeitos podem ser minimizados com comportamentos adequados. Há que saber agir correctamente.

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo Plano de Prevenção e Emergência Escola Básica D. Domingos Jardo ÍNDICE Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos PLANO DE PREVENÇÃO I FICHA DE CARATERIZAÇÃO DA ESCOLA 1. - Identificação do estabelecimento

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 PLANO DE EMERGÊNCIA Lagoa, 2006 Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 Índice Índice... 1 CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO... 4 1. ASPECTOS FÍSICOS... 4 1.1. Localização Geográfica:... 4 1.2. Enquadramento

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro PLANO DE SEGURANÇA E s c o l a J o ã o A f o n s o d e A v e i r o FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela Segurança da

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO

RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO O estado actual da sismologia não permite, ainda, prever quando ocorrerá um sismo. No entanto, sabem se quais são as zonas do País mais vulneráveis sismicamente. Um

Leia mais

ÍNDICE DE TEXTO. Sede: EB2,3/S de Arcos de Valdevez

ÍNDICE DE TEXTO. Sede: EB2,3/S de Arcos de Valdevez ÍNDICE DE TEXTO INDICE-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1 ÍNDICE DE QUADROS----------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE OUTUBRO 2011 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 3 II ELABORAÇÃO DO PLANO DE EMERGÊNCIA II.1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 5 II.2. IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS 6 II.3.

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Escola Secundária/3 José Cardoso Pires PLANO DE EMERGÊNCIA PLANO DE EMERGÊNCIA 21 982 61 00 ÍNDICE Introdução - pág. 1 Objectivos - pág. 2 1 - ESTUDOS PRÉVIOS 1.1 - Caracterização do Escola - pág. 3 1.2

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Praia da Vitória, outubro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 I - PLANO DE PREVENÇÃO... 7 1. Identificação e caracterização do Estabelecimento

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO PANÓIAS 2006 2007 RUA DA VEIGUINHA 4700-760 PANÓIAS BRG 1 Agradecemos a colaboração de: Responsável pelo Gabinete de Segurança do C.A.E de Braga; Chefe Rodrigues e Chefe Costa dos Bombeiros Sapadores de

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA Projecto de Licenciamento de Segurança Contra Incêndio António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 3 Enquadramento As implementação dos sistemas de segurança contra incêndios

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão Easy Series PT Guia do utilizador Painel de Controlo de Intrusão Easy Series Guia do utilizador Utilizar o teclado de comando Utilizar o teclado de comando Estados do Dispositivo de Visualização Dispositivo

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

OBJECTIVOS PRINCIPAIS:

OBJECTIVOS PRINCIPAIS: Câmara Municipal de Aveiro SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFICIOS ESCOLARES (SCIE) Meios de 1ª Intervenção - EXTINTORES AGRUPAMENTO EIXO 28 Setembro 2011 Sandra Fernandes

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Apresentação do Laboratório Armazém de Reagentes aprox. 7 m 2 de armazém Escadas sem apoio e com grande inclinação Armazém de Reagentes Ventilação

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES PÁGINA: 1/6 ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES 3 - IDENTIFICAÇÃO DOS PERIGOS 4 - PRIMEIROS SOCORROS 5 - MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6 -

Leia mais

Caderno de Registo de Segurança

Caderno de Registo de Segurança Caderno de Registo de Segurança 1 Ficha de Caracterização 2 - Relatórios de Vistorias, Inspecções e Fiscalizações 3 - Relatório de Anomalias: 3.1- Nas Instalações Técnicas 3.2- Nos Equipamentos e Sistemas

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente

CATÁLOGO. Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente CATÁLOGO Equipamentos de Segurança contra Incêndio & Sinalização Fotoluminescente EMPRESA REGISTADA COM O N.º 1418 NA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL ÍNDICE EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA INSTRUÇÕES...3

Leia mais

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011]

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011] Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação Planta de Emergência Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio [01 de Março de 2011] A Planta de Emergência Segundo a norma NP 4386 define a

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência 2009 1. Introdução A segurança precisa ser pensada. O lema deve ser: antes prevenir que remediar. A comunidade escolar não está minimamente sensibilizada para estas questões.

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Localização da Escola... 4 3. Descrição do Recinto Escolar... 5 4. Normas de Atuação a Adotar na Receção, Validação e Divulgação de Alarmes...

Leia mais

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR ESCOLA EB1 DO CARMO PLANOS DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA 2014/2015 Estrada da Papanata S/N 4900-470 VIANA DO CASTELO TEL. 258 824965 FAX 258

Leia mais

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA COMUNIDADE EUROPEIA Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA 1. INTRODUÇÃO... 5 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES... 6 2.1 Localização e Envolvente Exterior... 6 2.2 Socorros

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

PLANTAS DE EMERGÊNCIA

PLANTAS DE EMERGÊNCIA OBJETIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte físico ou em suporte digital, conforme a legislação em vigor (RJ-SCIE e RT-SCIE) e a NP4386, aqui entendidas como

Leia mais

Gestão de Riscos. Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé

Gestão de Riscos. Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé Ano Lectivo de 2010 2011 Licenciatura em Gestão de Bio Recursos Gestão de Riscos Relatório Visita aos Bombeiros Voluntários de Loulé Docente: Prof. Doutor Manuel Rebelo Marques Índice Índice Discente:

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005) TÍTULO: Riscos de incêndio em unidades industriais AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 152 (Maio/Junho de 2004) KÉRAMICA n.º 274 (Setembro/Outubro de 2005) 1. INTRODUÇÃO Nos estabelecimentos

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Medidas gerais de higiene pessoal:

Medidas gerais de higiene pessoal: Plano de Contingência Gripe A O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais