Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos"

Transcrição

1 Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos

2 A24 A 2 A 9 Rede de autopistas Aeroporto Berlim-Tegel Introdução Em reação aos incêndios em túneis ocorridos em diversos países europeus, em parte devastadores, os requisitos de segurança para túneis rodoviários foram colocados à prova no âmbito nacional e europeu. Em nível europeu, eles foram considerados na Diretriz 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de abril de 2004 sobre os requisitos mínimos de segurança para túneis na rede rodoviária transeuropeia. Em consequência disso, na Alemanha, as Diretrizes para a infra-estrutura e operação de túneis rodoviários (RABT) foram atualizadas e complementadas, sendo elaborado um programa abrangente de reforma da técnica construtiva e operacional para os túneis das rodovias federais, estabelecendo prioridades para a eliminação de consideráveis lacunas de segurança. O túnel Aeroporto Tegel em Berlim, como importante parte integrante da autoestrada A111 em Berlim, foi considerado prioritário Planta de localização do túnel do aeroporto Tegel A 115 A Berlim A 113 A 11 A 13 para a modernização e reforma de equipamentos técnicos devido ao seu mau estado construtivo e aos equipamentos obsoletos de técnica de segurança. A 12 Gráfico: ediundsepp O túnel existente A autoestrada federal A111 com o túnel Aeroporto Tegel (TFT) é parte integrante da principal ligação ao norte com o anel rodoviário de Berlim (autoestrada federal ) e, com isso, a ligação radial no sentido norte mais movimentada de Berlim, com um volume de tráfego de mais de veículos/24h (deste total, aprox. 13 % são caminhões). O túnel Aeroporto Tegel, que entrou em funcionamento em 1979, passa por baixo da pista de decolagem e pouso do aeroporto Berlim Tegel. A extensão do túnel no lado leste (direção para o norte) é de 967 m, o túnel no lado oeste (direção para o sul) estende-se por um comprimento de 878 m. Com relação ao trevo rodoviário subsequente da autoestrada federal A 111 (trevo de Reinickendorf), situado ao norte, existem ainda ramificações com 3 trechos de túnel e duas linhas de grade com um total de 5 m. No lado sul, integram se os trechos do acesso de entrada e saída em nível rebaixado, em forma de calha, com uma extensão total de 620 m. O túnel, com dois tubos separados, na época foi construído com o método de construção aberta - com fossos e taludamento no contexto de um rebaixamento do nível da água subterrânea - como uma estrutura fechada de duas células, em concreto armado. O túnel completo submerge aprox. 3 a 4 m no lençol freático existente. As espessuras das paredes externas são de 0, m, a parede intermediária foi concebida com uma espessura de 0, m. A laje do piso - com rebaixos para o alojamento de dutos coletores de drenagem do trecho - possui placas ajustadas com espessura de 1,20 m. A espessura da laje de teto tem em média 1,00 m. O diâmetro interno livre dentro de cada um dos dois túneis na faixa de ajuste é de aprox. 10,50 m, a altura livre é de no máximo 5,50 m e no mínimo 4,81 m. O túnel principal é composto de 36 blocos com armação de aço não tensionada, via de regra com 30 m de comprimento e aprox. 23 m de largura. Apenas as lajes do teto na área ampliada das ramificações do túnel no norte, com pistas para entrar e sair, são pré-tensionadas com até 38 m devido ao seu vão livre. Os custos de construção atualizados correspondem a aprox. 40 milhões de euros. O sistema de túnel existente e as áreas de subsolo (calhas) adjacentes foram concebidos com impermeabilização com manta betuminosa e vedação tipo membrana. A vedação externa contra a água subterrânea adjacente foi realizada de forma envolvente, com uma vedação de 3 camadas de manta betuminosa. Abaixo do nível nominal máximo do lençol freático, na área do piso e da parede, foi inserida uma camada adicional de manta betuminosa nua, de forma que estas áreas são vedadas com um total de 4 camadas. Na área das juntas foi disposto um reforço de 30 cm de largura com cinta estriada Epoxal (alumínio) de 0,2 mm, na área do piso em 2 camadas, no restante em camada simples. Como proteção mecânica foi aplicada uma camada adicional de concreto na área do teto e do piso. As paredes foram providas de uma pré-alvenaria no lado do solo. As juntas de bloco entre os blocos de túnel de 30 m de extensão foram realizadas em forma de juntas de pressão. Uma manta be- tuminosa nua aplicada sobre a superfície da junta, contra a qual foi concretado o bloco seguinte, gerou juntas de aprox. apenas 2 a 3 mm. Somente na área do piso e do teto a largura efetiva da junta foi ampliada através da disposição de uma câmara de junta voltada para a vedação, de forma a melhorar a conformabilidade do conjunto de vedação. Danos na construção Durante o período de uso de mais de 25 anos formaram-se consideráveis vazamentos nas juntas dos blocos. Especialmente nos meses de inverno, muitas vezes foi necessário interditar parcialmente o tráfego nas pistas devido à forte penetração de água subterrânea nas juntas danificadas entre os blocos, que sob baixas temperaturas levava à formação de gelo. Além disso, devido à construção em forma de junta de pressão, ao longo do tempo verificaram-se consideráveis descascamentos na área dos flancos das juntas. Devido ao efeito de êmbolo causado pelo trânsito no túnel, ao longo do ano ocorrem variações de temperatura de aprox. +25 C até -20 C, com a consequente movimentação das juntas dos blocos. Nos anos de 1990 e 1991, no âmbito de uma pesquisa de causas, foram realizadas medições da movimentação das juntas. O resultado foi a constatação de aberturas máximas de até 20 mm nas juntas dos blocos de 30 m. Em função do tipo construtivo junta de pressão, a vedação betuminosa aplicada externamente não foi capaz de compensar uma movimentação desta amplitude na região e falhou em um grande número de juntas. As paredes do túnel eram revestidas com placas cerâmicas assentadas com camada grossa de argamassa. Durante o tempo de uso do túnel, entre outros motivos devido à penetração de água, muitas placas se soltaram ou apresentam grandes áreas solapadas. Nestes setores não havia mais a cobertura necessária para a proteção contra incêndio. Para proteção contra incêndio de acordo com os padrões técnicos atuais não foi considerado o revestimento do teto com reboco de fibras minerais jateado, devido às suas características e espessura. Recuperação construtiva Para a execução da recuperação básica e reforma da técnica de segurança, as duas galerias do túnel foram completamente interditadas aomesmo tempo. O motivo decisivo para isso foi a perspectiva de uma execução de alta qualidade, mais rápida e

3 Cavidades por trás do revestimento cerâmico 2 Desmonte até o concreto bruto do antigo túnel 3 Vazamentos na área das juntas de bloco Em seguida foi realizada a remoção da estrutura completa das pistas de rodagem, inclusive de todas as camadas de vedação, bem como a demolição das passagens de emergência. A demolição do interior foi concluída com o desmonte dos revestimentos e reboco de argamassa jateada existente no teto, o qual havia sido aplicado em camadas muito irregulares. No decorrer do desmonte foi necessário remover materiais parcialmente contaminados (argamassa para cerâmica, tubos de amianto abaixo da pista de rodagem, entre outros). Para isso foi preciso considerar o chamado sistema preto-branco para o tratamento de poluentes no decorrer da sequência de obras. Recuperação das juntas dos blocos A penetração de água do lençol freático na área das juntas dos blocos foi, em termos construtivos, um dos defeitos mais significativos que causava repetidas restrições na disponibilidade operacional da via. Uma recuperação das áreas danificadas por fora (do lado do solo) não era possível, visto que para isso seria necessária a paralisação parcial do aeroporto bem como a realização de amplas medidas de rebaixamento do lençol freático. Duas ações que, por motivos econômicos e legais de licenciamento, eram claramente inviáveis. A análise dos danos resultou que a água penetrava apenas na região das juntas. Fissuras condutoras de água eram visíveis na placa do piso ou nas paredes externas. A vedação superficial existente em combinação com a estrutura de concreto armado não havia sido afetada em sua função, o núcleo de concreto do piso e das paredes estava em bom estado. Isso foi confirmado através dos trabalhos de recuperação subsequentes. Portanto, nas análises básicas para o reforço construtivo das galerias do túnel foram excluídas medidas de vedação de grandes superfícies (como por exemplo, vedação adicional com amplo revestimento interno). Após uma análise custo/benefício foi descartada a integração da nova vedação da junta - a ser aplicada no lado superior da placa de piso (lado da atmosfera) - à vedação betuminosa externa (vedação tipo membrana, no lado inferior), visto que tecnicamente também não era necessária. Por isso a atenção principal no planejamento devia ser voltada para uma concepção duradoura das juntas dos blocos no lado superior, bem como aos detalhes construtivos para a sua execução meticulosa. Para a área do piso foi desenvolvida uma estrutura de junta de dilatação com uma transição especial para as áreas das paredes ascendentes, na qual foi integrada uma cinta de união à base de elastômeros de 35 cm de largura sobre as quinas salientes Figuras: F Ingenieure AG Gráfico: ediundsepp Trajetos de desvio - representação esquemática Conexão à auto-estrada federal A100 Ponto de conexão Seidelstrasse Trevo rodoviário Reinickendorf Antonienstrasse Auto-estrada federal A 111 Áreas interditadas das rampas e túnel Auto-estrada federal A 111 Áreas interditadas das rampas e túnel Eichborndamm Robert-Schuman-Brücke Ponte Aristide-Briand e passarela provisória para pedestres eficiente dos trabalhos, com poucas interfaces, para a demolição do interior e renovação completa das instalações técnicas operacionais, de tráfego e dos equipamentos técnicos de segurança. Uma execução por etapas, com a manutenção parcial do trânsito, teria causado consideráveis dificuldades de implementação. Para a tomada de decisão foram efetuados amplos estudos com a análise dos mais diversos cenários de etapas de construção, de reforma e de desvio do tráfego. Foi possível limitar o tempo de interdição dos dois túneis a um período total de 18 meses. Um fluxo de tráfego constante foi assegurado através de um N Schwarnweberstrasse Ponte provisória ÖPNV Kurt-Schumacher-Damm Alça de retorno Kurt-Schumacher-Platz Conexão à auto-estrada federal A100 Ponto de conexão Seestrasse trajeto de desvio principal com capacidade bem dimensionada. Para isso foi necessário reprogramar os circuitos de semáforos em uma grande área. Para garantir o transporte público foi demarcada uma faixa exclusiva de ônibus no trajeto de desvio, livre de semáforos. Uma ponte provisória com aprox. 85 m de extensão serviu para o cruzamento rápido das principais artérias de trânsito. Na primeira etapa dos trabalhos o interior dos dois túneis foi completamente demolido. Todos os equipamentos operacionais e de tráfego foram removidos antes dos trabalhos de demolição.

4 de concreto, ao longo das juntas pré-existentes no concreto do piso, praticamente na mesma altura. Áreas parciais do concreto do piso tiveram que ser desbastadas nos dois lados da junta por meio de jatos de água sob alta pressão, de forma a criar as quinas salientes e o leito para assentar a cinta de união. O novo perfilamento das áreas desbastadas e a criação das quinas salientes foram executados com concreto auto-adensável tipo C30/37. Para a confecção da geometria externa das quinas salientes foi feita uma fôrma com uma caixa de concretagem em forma de funil no ponto mais alto das juntas a serem produzidas, sendo que estas apresentam um declive transversal análogo à seção transversal da rodovia. Para uma melhor avaliação da concepção estrutural da junta e sua exequibilidade construtiva, ainda na fase de projeto foi elaborada uma maquete 1:1, contendo também a transição entre piso e parede. Além disso, no leque de serviços foi incluída a execução de duas juntas de amostra sob condições in situ. Através da confecção das juntas de amostra foi possível estabelecer as sequências de trabalho definidas e comprovar na prática a adequação do concreto auto-adensável. Nas superfícies de corte foi controlada a aplicação do concreto sem formação de espaços ocos, bem como a integração duradoura da cinta de união. Para a execução dos trabalhos e confecção das novas juntas de vedação dos blocos foram elaborados detalhadas instruções de trabalho e especificações para o controle de qualidade. Recuperação das juntas parede / teto As novas vedações das juntas dos blocos na área das paredes e teto foram confeccionadas com estruturas de aperto. Estas foram confeccionadas sob medida, com uma adaptação precisa da cinta de junta à base de elastômeros e da estrutura de aperto propriamente dita às condições específicas das juntas e da construção existentes. Por princípio, a estrutura de aperto em combinação com a nova solução para as juntas do piso, deveria resultar em um sistema de vedação completo e fechado. Os diâmetros e distâncias dos chumbadores, as medidas dos flanges de aperto, os flanges especiais e peças de ajuste bem como torques de aperto tinham que ser dimensionados para o esforço. Outros requisitos especiais relativos ao substrato também tinham que ser cumpridos (resistência mínima à pressão e resistência à tração superficial, ausência de pontos falhos, planicidade, limpeza, ausência de rebarbas, etc.). Também era importante atingir uma força de pressão homogênea, de forma alcançar um efeito de vedação duradouro. A força de pressão necessária para a cinta de junta a base de elastômeros com 35 cm de largura foi obtida por meio de chapas de aço inox com 100 mm de largura e 10 mm de espessura (Nº material ) e chumbadores químicos M16, posicionados a uma distância de 15 cm. Um tratamento prévio especialmente cuidadoso dos flancos da junta e áreas marginais da junta foi um pré-requisito para se aplicar a força de pressão total. A colocação de borracha natural por baixo das cintas de junta serviu para compensar as últimas irregularidades na área das flancos da junta. A força de pressão a ser atingida foi de aprox. 2,0 MN/ m² por bucha. Para assegurar a classe de resistência contra chamas F 90, em seguida as juntas de vedação foram revestidas com uma estrutura de cobertura especialmente desenvolvida para a finalidade. Recuperação das superfícies das paredes Para as áreas de paredes externas e intermediárias foram aplicadas - após a respectiva preparação do substrato com jato d água sob alta pressão e trabalhos de recuperação do concreto nos pon- Detalhe das juntas de bloco Junção angular piso / parede 1 3 Nicho no concreto jateado Largura da cinta de união Largura da cobertura da junta Chumbador químico M16, e=15cm Cinta de flange t=10cm, b= 1000mm Vedação OK Concreto jateado C20/25 Cinta de união à base de elastômeros FMG 350 Passagem de saída de emergência OK Folga entre as chapas de flange < 4mm 2 Chapa de flange Placa de cunha Enchimento da cavidade conforme diretriz técnica ZTV-Ing T.8 Chapa de flange h=300 Concreto C 20 / 25 PL Manta betuminosa soldável Plástico líquido Borda de demolição (demolição com jato d água de alta pressão) Concreto velho Armação de contração d=10 Mangueiras de injeção (longitudinal), Fabr. WEBAC Mangueiras de injeção (transversal) centralizada com luva vedada, Fabr. WEBAC Chumbador químico M16, 20 inclinado Concreto C30/37 Placa de espuma rígida Styrodur 20C Figuras: F Ingenieure AG Assentamento e fixação da cinta de união preparada de fábrica com complementação da armação ao mesmo tempo 3 Alinhamento e união com flange da estrutura especial na transição piso / parede

5 Perfil transversal tipo após a reforma Concreto de cobertura B35 Revestimento do teto com placas de proteção contra incêndio 2,5 cm sobre camada de regularização Ventiladores a jacto Superficie do terreno 35,50 Eixo da auto-estrada federal A 111 Cinta de união flangeada como vedação das juntas dos blocos (Troca da vedação das juntas dos blocos aprox. +30cm nível máximo de cheia) Gesso jateado de fibra mineral 2cm 1 Nova estrutura da pista de rodagem especificada incl. vedação 2 Recuperação básica na área da calha 3 Proteção construtiva contra incêndios na área das paredes através de uma camada de concreto jateado com 6cm de espessura e armação de tela galvanizada a quente. 2 Alvenaria de proteção Isolamento betuminoso Concreto de parede C35/45 Canal de passagem de cabos h=120 cm, b=25 cm Concreto jeteado C20/25, BII, alisado com camada de agramassa fina conforme proteção contra incêndios segundo ZTV-ING T5 Abs. 2 Nr. 9.4 Auto-estrada federal A 111 sentido sul Caleira basculante Auto-estrada federal A 111 sentido norte Nível máximo de cheia 31, Concreto do piso C25/30 Faixa lateral elevada / passagem de emergência Drenagem GGG DN 400 Estrutura da pista de rodagem d=16cm conforme diretriz técnica ZTV-Ing parte 7 seção 1 Cinta estanque Concreto jateado d=6cm Tubulação aquecida de água para extinção de incêndios, DN 150 Cinta de união flangeada como vedação das juntas dos blocos 1,01 10, ,30 1,01 23,34 tos danificados - 2 camadas de concreto jateado conforme a ZTV- -ING [condições contratuais e diretrizes técnicas adicionais para obras de engenharia] com uma espessura mínima de 6 cm. Após uma camada de concreto jateado com granulometria de 0/8 mm 4 classe de resistência à pressão C30/37 foi aplicada argamassa jateada para se obter a planicidade superficial desejada de 5 mm referenciada por uma régua de 4 m. Para alcançar a classe de resistência ao fogo requerida, a camada recebeu uma armação de tela Q 131 galvanizada a quente. As superfícies dos nichos nas áreas de parede externa destinadas às bandejas de cabos também foram revestidas com concreto jateado. Entretanto, para manter as dimensões mínimas, trabalhou-se com uma camada de concreto jateado com granulometria de 0/4, com 3 cm de espessura. A armação de proteção contra incêndio foi confeccionada com telas N 141 galvanizadas a quente. Os canais de cabos, depois de montados, foram cobertos com placas desmontáveis de proteção contra incêndios da classe de resistência ao fogo E 90. Ao todo foram processados m² de concreto jateado dentro de um período de 42 dias, trabalhando em ritmo de construção dia e noite (24h/7dias). Para finalização dos trabalhos de recuperação das paredes foi aplicado um sistema de proteção de superfícies testado (OSD II), próprio para utilização em áreas sujeitas a névoa pulverizada de sais descongelantes, em RAL 9010 (branco puro) para melhorar a reflexão da iluminação do túnel e, ao mesmo tempo, para facilitar a limpeza das paredes. Apenas na área das portas das saídas de emergência foi aplicada pintura de identificação especial em RAL Figura: F Ingenieure AG Figuras: F Ingenieure AG / 2 Senatsverwaltung für Stadtentwicklung Berlim 29 (verde). Para manter baixa a intensidade de iluminação nos trechos de entrada e saída do túnel, as cores na parede foram escalonadas: escura na área da calha, cinza no trecho de saída e verde no trecho de aproximação. Superfícies da pista de rodagem As placas de piso das galerias do túnel foram submetidas a uma limpeza rigorosa por meio de jateamento de esferas. Em seguida foram identificados os pontos danificados e fissuras, sendo estes recuperados conforme indicado pela direção das obras, por meio de injeção nas fissuras por um sistema de substituição de concreto. A estrutura subsequente foi executada, de forma análoga às especificações ZTV-ING [condições contratuais e diretrizes técnicas adicionais para obras de engenharia], com um fundo de resina epóxi sobre toda a superfície e uma manta betuminosa soldável, reforçada nas futuras passagens de saída de emergência por meio de manta betuminosa de cobertura com velo de fibra de vidro revestida de aço inox. Na transição da placa de piso/parede foi aplicada uma vedação de poliuretano líquido incluindo uma camada adicional de ligação com 20 cm de largura na área de cobertura entre a vedação de poliuretano líquido e a manta soldável. Como proteção da vedação foi aplicada uma camada de 4 cm de mastique asfáltico. Por cima foi aplicado um ligante asfáltico (4 8 cm) como camada intermediária, bem como 2 camadas de mastique asfáltico com brita. A camada de cobertura foi aplicada com clareamento. Ao longo das paredes externas dos túneis foram construídas novas passagens de saída de emergência, com no mínimo 1 m de largura,

6 Números do projeto (dados por estimativa) Área de base do túnel m 2 Área das obras anexas (trecho das calhas, trechos m 2 adjacentes, seções celulares do túnel) área de teto (placas de proteção contra incêndios) m² área de parede (revestimento de concreto m² jateado e armado com tela) Metros corridos de juntas de bloco (blocos de 30 m) na área do túnel 900 m Metros corridos de juntas de bloco (blocos de 10 m) na área das calhas 750 m área de parede nas rampas de acesso de entrada e saída m² (revestimento de concreto jateado armado com tela) área de pisa de rodagem do túnel e dos trechos anexos m² das calhas Passagens de saída de emergência m À esquerda: Vista após a reforma À direita: Abertura da parede intermediária após a reforma Parede intermediária d=14cm, externamente nos dois lados A5 d=1mm, internamente chapa de proteção contra incêndios Porta de proteção contra incêndios F mm x 2140mm com marco angular e vedação rebaixável no piso 2,32 Maçaneta de pânico VSG vidro impresso Porta A5, revestida internamente com uma chapa de proteção contra incêndios Extintor de incêndio Hidrante 2 1, , ,18 1,70 em concreto tipo C25/30 LP. Cabe ressaltar a armação do concreto para a montagem posterior do dispositivo de guia visual. Ao longo da parede intermediária foram concretadas peças pré-moldadas com cobertura, para alojar tubulações com isolamento térmico e aquecimento, condutoras de água para extinção de incêndio. Recuperação das superfícies do teto A proteção contra incêndios na área do teto foi comprovada com placas de proteção contra incêndios com 25 mm de espessura. A montagem foi executada no teto bruto, em parte ainda com restos de reboco jateado aderente. A planicidade da superfície foi obtida com a utilização de tiras de enchimento com uma espessura de 10 mm. As dimensões das placas regulares mediram 625 x 3000 mm, a fixação foi realizada com pinos chumbadores na qualidade Para as áreas onde posteriormente seriam montadas as peças do equipamento operacional e da engenharia de tráfego, foram necessárias medidas de adaptação especiais. A vedação das juntas marginais restantes, bem como as juntas de componentes embutidos e de meios de fixação, foi efetuada com massa de proteção contra incêndios. Cantoneira de aço (envolvente) como proteção de quinas Revestimento Ral 29 Revestimento cinza-concreto Porta de proteção contra incêndios F mm x 2140 mm A porta de proteção contra incêndios possui uma vedação rebaixável no piso Cinta de união flangeada como vedação das juntas dos blocos Pista de rodagem Concreto jateado d=6cm, B25 Armação de aço reduzida Intradorso da abertura superfície de concreto C20/25 Parede intermediária d=14cm Maçaneta de pânico Tubulação de água para extinção de incêndios, DN 150 Faixa lateral elevada / passagem de emergência Pista de rodagem Figuras: F Ingenieure AG Outros trabalhos de recuperação construtiva: - Recuperação das áreas de rampa (calhas norte e sul) - Reparo da proteção anticorrosiva das paredes de estacas-prancha de aço nos trechos da calha sul conforme ZTV-ING [condições contratuais e diretrizes técnicas adicionais para obras de engenharia] - Construção de novas paredes protetoras de concreto - Ampliação das aberturas na área das portas de saída de emergência e montagem de novas portas - Montagem de cabines de chamada de socorro com dispositivos de proteção contra impacto inclusos - Renovação parcial das saídas existentes para ruas adjacentes e adequação ao novo gradiente da via - Adaptação construtiva e ampliação das saídas de emergência e de resgate existentes conforme RABT [Diretriz de equipamento e operação de túneis rodoviários] Equipamento técnico A classificação prioritária de recuperação por parte do Ministério Federal de Trânsito foi a expressão de um nível inaceitável do equipamento técnico existente. O equipamento operacional, de tráfego e principalmente o equipamento técnico de segurança das duas galerias do túnel, bem como das áreas das calhas de acesso e áreas adjacentes, não cumpriam os requisitos dos regulamentos europeus atuais conforme a RABT [Diretriz de equipamento e operação de túneis rodoviários]. Esse era o caso do sistema de ventilação completo, da tecnologia de medição, do video-monitoramento, da radiocomunicação BOS [frequências da polícia e de órgãos de segurança], do sistema de alarme de incêndio, da identificação das rotas de fuga, do sistema de controle de tráfego existente e das instalações de bloqueio do portal do túnel Eram inexistentes ou não-operacionais a iluminação de emergência de incêndio, o sistema eletro-acústico de som, as tubulações de água de incêndio, o painel de controle do corpo de bombeiros e as cabines de chamada de socorro. As portas de saída de emergência na parede intermediária não atendiam aos padrões atuais quanto às dimensões de corte transversal nem aos requisitos de proteção contra incêndios e vedação de fumaça. Portanto, uma parte importante do planejamento prévio e dos trabalhos subsequentes foram marcados por uma abrangente renovação e modernização das instalações operacionais. Equipamentos técnicos de segurança No âmbito das obras de modificação construtiva dentro das instalações do túnel foram reformadas 5 cabines fechadas de chamada de socorro nos setores dos encostamentos de emergência Equipamento operacional e de engenharia de tráfego obsoletos portas de saída de emergência 2 Ampliação das portas de saída de emergência 3 Novas portas de saída de emergência na parede intermediária entre os dois túneis tubulares

7 1 / pane mecânica, bem como 28 estações de chamada de socorro, em sua maioria instaladas ao lado das novas portas de saída de emergência. Para o alarme automático de incêndio foi montado um cabo de detecção linear de incêndio nos tetos das duas galerias do túnel. Estes cabos detectam o local das chamas dentro de segundos após início do incêndio, com uma precisão de aprox. 3 metros. Cada alarme de incêndio é imediatamente processado no sistema de controle automático de ventilação, iluminação e controle do tráfego. Sistemas manuais de alarme de incêndio também foram instalados nas estações e cabines de chamada de socorro, bem como nas edificações operacionais. Nos acessos de entrada e saída do sistema de túneis foram instaladas caixas de distribuição para o corpo de bombeiros ter opções de intervenção nos sistemas de ventilação do túnel, bem como para entrar em contato direto com a central de controle do túnel em Berlin (TLZB). Em caso de uma ocorrência, um sistema de radiocomunicação BOS [frequências da polícia e de órgãos de segurança] do túnel possibilita uma comunicação direta entre os órgãos de polícia, corpo de bombeiros, serviços de resgate e a Central de Controle do Túnel em Berlim, bem como a transmissão de comunicados imediatos aos usuários do túnel (separadamente para cada galeria do túnel) para até 21 estações de rádio. Para assegurar a recepção da telefonia móvel sem interferências foram instalados amplificadores de sinal. A comunicação direta com os usuários de trânsito em caso de uma ocorrência é realizada por meio de um novo sistema de alto-falantes. Identificação das rotas de fuga e saídas de emergência As rotas de fuga e saídas de emergência foram identificadas com 50 luminárias especiais de marcação de rota de fuga em intervalos de 24 m junto à parede intermediária do túnel. Adicionalmente foram dispostas 90 luminárias de parede como iluminação de Figuras: Senatsverwaltung für Stadtentwicklung Berlim Situação inicial na calha e no portal do túnel no setor sul 2 Rota de fuga Norte 1 na fase de construção bruta, largura 1,5 m, revestimento da parede esquerda em F 90 3 Estado final orientação e de emergência nas paredes, as quais são automaticamente ligadas após o disparo de um alarme de incêndio. Estas auxiliam na orientação em caso de fumaça. Como dispositivo de marcação adicional foram integrados elementos visuais nos dispositivos de guia nas bordas das pistas de rodagem dos dois túneis e bifurcações, constituídos por 200 LEDs de marcação auto-luminosos. Estas marcações auxiliam a orientação em caso de incêndio com acúmulo de fumaça e permitem aos usuários do túnel se salvarem. Em condições de operação normal o dispositivo de guia visual é iluminado somente na direção da mão como auxílio à orientação. Para o monitoramento remoto da Central de Controle do Túnel em Berlim TLZB foi prevista a instalação de 50 câmaras de vídeo com controle individual nas paredes. As 12 portas de saída de emergência existentes, situadas em intervalos de aprox. 130 m nas paredes externas e na parede in- termediária, tiveram suas dimensões consideravelmente ampliadas no âmbito das obras de modificação, sendo equipadas com proteção contra incêndio classe F90. Estas são indicadas pelas luminárias especiais de marcação de rota de fuga acima citadas, com informações da distância nos dois possíveis sentidos de fuga. Acima das portas de saída de emergência foram instaladas luzes intermitentes que chamam a atenção dos usuários no fluxo de trânsito para uma situação de perigo. Além disso, em um caso como este a próxima câmara de vídeo é imediatamente ativada e a central de controle do túnel em Berlim é informada automaticamente. Além das portas de saída de emergência também foram previstos suportes para 2 extintores de incêndio portáteis de 6 kg. Ao longo da parede intermediária, no sentido norte, foi instalada na passagem de emergência uma tubulação DN 150 adicional de água para extinção de incêndios com aquecimento. Via de regra os pontos de tomada de água para extinção de incêndio são hidrantes localizados ao lado das portas de saída de emergência na parede intermediária do túnel, com conexões e válvulas de bloqueio separadas para cada galeria do túnel. Técnica operacional e dispositivos de ventilação O sistema de alta tensão e de distribuição de energia existente no túnel e nas edificações operacionais foi completamente renovado, incluindo todos os cabos (extensão total de aprox. 125 quilômetros) e sistemas de bandejamento de cabos (cerca de 20 quilômetros de bandejas de cabos). Da mesma forma, o sistema de alimentação ininterrupta (nobreak) também foi trocado por completo. Este sistema de nobreak garante o funcionamento de todos elementos relevantes para a segurança do túnel em caso de falta de energia. Sistema de cabos e de suporte de cabos O assentamento dos cabos de energia e de comando no túnel é realizado sobre bandejas de cabos no canal de cabos na parede e no teto do túnel. Sistema de iluminação/controle do túnel Para a iluminação dos trechos de transição, com difusores de luz na entrada/saída do túnel, foi aplicada uma iluminação no sentido contrário à mão da via (counter-beam lighting). As luminárias utilizadas destacam-se pelo elevado grau de eficiência e características técnicas óticas ideais. A iluminação do percurso (iluminação básica) é uma iluminação simétrica. Ela é usada como luz de emergência em caso de uma

Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99

Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99 Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99 Histórico do planejamento Já nos anos 30 do século passado foram feitos os primeiros planos, que se concretizaram no início dos anos 80: O setor oeste

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Visualização Marienplatz A estação de metrô Marienplatz é com certeza o entroncamento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos Manual de Instruções oços de roteção Exemplos Manual de Instruções de oços de roteção ágina 3-11 2 Índice Índice 1. Instruções de segurança 4 2. Descrição 4 3. Condições de instalação e instalação 5 4.

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD O objeto deste projeto básico refere-se aos serviços de manutenção e reforma do viveiro de referência do CRAD-UNIVASF. Faz parte deste projeto o memorial

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

OBS:. NO INTERIOR DO FORNO GOMOS, OS GOMOS DEVERÃO SER REJUNTADOS SOMENTE NA PARTE EXTERNA DO FORNO.

OBS:. NO INTERIOR DO FORNO GOMOS, OS GOMOS DEVERÃO SER REJUNTADOS SOMENTE NA PARTE EXTERNA DO FORNO. , OBS:. NO INTERIOR DO FORNO N Ã O R E J U N T E E N T R E O S GOMOS, OS GOMOS DEVERÃO SER REJUNTADOS SOMENTE NA PARTE EXTERNA DO FORNO. 6 5 Encaixe e rejunte o elemento travante elíptico, redondo ou losangular

Leia mais

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik APRESENTAÇÃO Os elementos táteis Mozaik foram projetados para a sinalização tátil de pisos executados em praticamente quaisquer tipos de materiais de revestimento,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS gl2 PLUS gl2 plus CARACTERÍSTICAS - PROJETOR Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento elétrico: I (*) Tensão nominal: 127 a 277V, 50-60 Hz Peso: 13.6 kg

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Instalações dos dispositivos de sinalização para

Leia mais

(63(&,),&$d (6 %$6( *8,$

(63(&,),&$d (6 %$6( *8,$ 3,67$'($7/(7,602 81,'$'(6(6,±6,0 (6),/+2 0(025,$/'(6&5,7,92(63(&,),&$d (6 ',6326,d (6*(5$,6 O presente projeto refere-se a REFORMA E AMPLIAÇÃO da pista de atletismo do Sesi (serviço social da industria),

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação APRESENTAÇÃO DO PRODUTO O WallGreen consiste em um sistema desenvolvido para a instalação de Jardins Verticais. O sistema é m o n t a d o f o r m a n d o n

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS Armários Construídos em madeira compensada laminada do tipo virola naval de 15 mm de espessura, revestido internamente laminado melamínico liso e externamente em laminado melamínico texturizado. Os que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 M² Pavimento: térreo Área do Terreno: 450,00 M² INTRODUÇÃO Este documento técnico

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

Placostil - Wall Paredes

Placostil - Wall Paredes 0 0 Placostil - Wall Paredes Conceitos Sistema Placostil Wall Paredes É um sistema de paredes de vedações internas constituídas por uma estrutura metálica de chapa de aço galvanizado, sobre a qual se aparafusam,

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 OBJETIVO: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento básico sobre Mezaninos, seus acessórios e suas aplicações, facilitando a solução de problemas

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A F3 Soluções é uma organização de origem brasileira, de negócios diversificados, com atuação e padrão de qualidade globais e certificações de reconhecimento nas áreas especificas

Leia mais

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa Manual do Usuário Imagem Ilustrativa Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. * Este Manual inclui Certificado de Garantia. ÍNDICE Apresentação... 03 Instruções de Segurança...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF

Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF O SISTEMA C é o tipo de sistema estrutural para forros removíveis mais utilizado no mundo, combinando rapidez e simplicidade na instalação com preço econômico.

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6 Construção de varandas e terraços Variantes 1-6 IMPERMEABILIZAÇÃO, DESACOPLAMENTO E COMPENSAÇÃO DA PRESSÃO DE VAPOR ESTRUTURA DA CONSTRUÇÃO 1 Construção de varandas com Schlüter -DITRA Conjunto impermeável

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais