GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços"

Transcrição

1 GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços Este Tutorial apresenta os conceitos básicos de Gerência Integrada de Redes e Serviços (GIRS) como defina pela UIT sob o título de TMN(Telecommunications Management Network). José Antonio Dias Engenheiro de telecomunicações formado na UFF, pós-graduado em Sistema, professor do MBA da FGV, possui grande experiência no mercado de telecomunicações e é especialista em Gerência de Redes e Serviços e ambiente de Billing. Atualmente trabalha na Unisys do Brasil Ltda. Duração: 15 minutos Publicado em: 13/12/

2 GIRS: Introdução Até bem pouco tempo e mesmo depois da privatização da Telebrás, a palavra competição ainda representava um cenário a ser vivido. Essa perspectiva foi fortemente influenciada pelo modelo de privatização adotado no Brasil que fez com que as empresas entrantes tivessem grandes dificuldades de se consolidar. Podemos verificar a atual posição das operadoras de telefonia fixa que pertenciam à Telebrás contra as espelhos, cuja relação de clientes é praticamente 10 para 1. No caso das operadoras móveis essa relação é menor, mas ainda assim é significativamente favorável as empresas da banda A. A pergunta é: Como uma empresa pode melhorar esta relação? Evidentemente a resposta é: oferta de serviços que incentive o cliente ao uso, qualidade do serviço oferecido, boa imagem perante o público, preços e vantagens, qualificação de investimentos, baixos custos operacionais e receita otimizada. Com essa resposta surge uma outra pergunta: E como fazer? Para essa pergunta a resposta é muito mais longa, porém ela passa obrigatoriamente por três caminhos: criatividade, integração e controle. Redes de Telecomunicações O passado mais recente das telecomunicações no Brasil era de uma rede puramente de voz a qual tinha a companhia de uma rede de dados(determinística e de pacotes), que conviviam separadamente devido às tecnologias existentes. Depois surgiram as tecnologias celulares e mais recentemente a tecnologia IP/VoIP. Todas essas redes têm suas formas próprias de operar, cálculos de capacidades diferentes, gerenciamento diferenciado, ofertas de serviços distintos e qualidades de serviços também distintos, por mais tênues que sejam. Por outro lado estão aparecendo algumas novidades, com nomes que expressam preocupações: NGN(Next Generation Network), Redes Convergentes etc. Esses nomes a bem da verdade preocupam pela sua complexidade de OPERAÇÃO, mas traz esperanças no tocante a oferta de novos serviços. Sob o ponto de vista de Operação as empresas contam com os Sistemas de Gerência de Rede que é a ferramenta vital para a consolidação de uma posição estratégica neste mercado. Neste ponto somos radicais NÃO HÁ CONDIÇÕES DE ADMINISTRAR UMA EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM A EXISTÊNCIA DE UM SISTEMA DE GERENCIA INTEGRADA DE REDE. Mesmo quando se trata de uma rede de voz comportada existe uma complexidade que envolve toda a empresa, pois a gerência de rede influi em todas as áreas da operadora e não so na área de operações. 2

3 GIRS: O que é? A gerência integrada de rede teve a sua organização física e funcional definida no ITU-T(International Telecommunications Union-Telecommunications Standardization Section), sob o título de TMN(Telecommunications Management Network) e possui uma recomendação básica com o título de Recomendação No Brasil são usados os termos: Gerência de Redes ou Gerência Integrada de Redes e Serviços(GIRS). Optaremos pelo segundo pois é mais abrangente. Os padrões definidos para a Gerência de Rede e Serviços referem-se a um modelo de Arquitetura Funcional e interfaces. A GIRS representa um conjunto de sistemas necessários ao suporte ao gerenciamento da rede de telecomunicações e aos seus serviços, incluindo-se as atividades de projeto, planejamento, provisionamento, instalação, manutenção, operação, administração e logística. A figura acima mostra o relacionamento da GIRS com a rede de telecomunicações. 3

4 GIRS: Arquitetura O conceito da GIRS é de uma estrutura organizada para interconexão entre sistemas de gerência e equipamentos de telecomunicações, cujo objetivo é a troca de informações de gerenciamento através de interfaces padronizadas, com protocolos e mensagens bem definidos. A GIRS permite a uma empresa operadora a possibilidade de receber, localizar e corrigir problemas de falhas em equipamentos, controle do tráfego telefônico, provisionamento de recursos e serviços, controle de segurança, faturamento e qualidade do serviço, entre outras atividades, através de uma Gerência Centralizada. Este sistema permitirá solucionar problemas de falhas com grande velocidade, muitas vezes através de envio de comandos remotos, controlar todo o fluxo de tráfego na rede podendo fazer re-roteamento e/ou restrição de tráfego, bem como controlar a qualidade do serviço. O modelo GIRS é dividido, didaticamente, em três arquiteturas: Arquitetura Funcional Trata das funcionalidades de seus componentes e fornece os meios para o transporte e o processamento das informações relacionadas ao gerenciamento da rede de telecomunicações. Arquitetura da Informação Permite que as informações trocadas pelos sistemas de gerência seja estruturada como objetos gerenciados, os quais suportam as funcionalidades de gerência e representam os recursos da rede de telecomunicações em termos de dados e funções. Arquitetura Física É a parte que permite a implementação física de uma rede de gerência de acordo com o modelo do ITU-T. A figura abaixo apresenta uma arquitetura física. 4

5 Blocos Funcionais da Arquitetura Física Os blocos funcionais que fazem parte dessa arquitetura física são: OS Sistemas de Operação DCN Redes de Comunicação de Dados MD Dispositivo de Mediação NE Elementos de Rede QA Adaptador Q WS Estações de Trabalho Qx/3 interfaces X/F interfaces responsáveis pelo recebimento e processamento das informações de gerência a fim de monitorar, coordenar ou controlar as atividades das redes e dos serviços de telecomunicações responsável de transportar de modo seguro, as informações entre os diversos elementos da GIRS. responsável por viabilizar o fluxo de informações entre os elementos de rede(ne) e os sistemas de gerência (OS) de forma a garantir a interoperabilidade. representam equipamentos ou agrupamento de equipamentos que possuem ou não interfaces padronizadas. viabiliza a conexão de equipamentos não padronizados à rede. é o meio de comunicação entre um usuário/operador têm acesso aos recursos da GIRS. permitem garantir a interconectividade dos dispositivos conectados. Além disso existem os protocolos padronizados e que são utilizados para garantir a integridade das informações nas transações entre sistemas. 5

6 GIRS: Camadas de Gerência A estrutura da GIRS está dividida em Camadas visando a minimização da complexidade natural da gerência em um empresa prestadora de serviços de telecomunicações. Essas camadas estão conceitualmente divididas em: Camada de Elemento de Rede Representa o nível mais baixo da gerência de rede e corresponde aos componentes físicos da rede, tais como: equipamentos e recursos de rede. Camada de Gerência de Elemento de Rede É composta por sistemas relacionados diretamente às atividades de gerenciamento dos elementos de rede(ne) as quais são: supervisão, monitoração do estado de funcionamento, controle dos sistemas de coleta, de desempenho e de bilhetagem. Esse nível de camada pode estar associado a um equipamento, a um agrupamento de elementos, a uma região de operações ou outras sub-divisões organizacionais existentes em uma empresa operadora. Camada de Gerência de Rede Essa camada é a principal no tocante ao gerenciamento da rede pois pode gerenciar: elementos de rede, grupamento de elementos de rede, sub-redes ou redes, isto é, permite uma visão sistêmica de todas a rede da empresa operadora. Como exemplo podemos citar a gerência de toda a rede de telefonia móvel de uma empresa celular. Como elemento figurativo, para uma melhor compreensão podemos visualizar uma situação do tráfego de carros em uma cidade quando estiver se configurando um grande congestionamento no qual tem um guarda tentando solucionar o problema em uma localidade(gerência de elemento de rede) e recebe a ajuda de um helicóptero que tem a visão de uma área mais ampla onde atuam outros guardas. 6

7 O helicóptero é a figura da Gerência de Rede, pois pode enviar instruções para vários guardas tendo como base toda a visão do problema. Camada de Gerência de Serviço É responsável por gerenciar os níveis de serviços prestados ao cliente, bem como previsão, modificação e interrupção de serviços, além de toda a relação com clientes e outros níveis administrativos. Os seus principais sistemas são: operação, administração e manutenção de serviços, cadastro de usuários, relacionamento com o cliente, provisionamento de serviços e informações sobre faturamento. Camada de Gerência de Negócio Trata do negócio que e a atividade fim da empresa que vem a garantir a sua missão. Essa camada permite, através dos seus dados, a definição dos planos de empresa, dos planos de marketing, pesquisa de mercado e busca de novos negócios. 7

8 GIRS: Serviços e Funções Um serviço de gerência é considerado como uma área de atividade de gerenciamento que fornece suporte à Operação, Administração, Manutenção e Provisionamento(OAM&P) de uma rede gerenciada, descrito a partir da percepção do usuário dos requisitos funcionais. Dentre os Serviços de Gerência, citados na Recomendação M.3200 do ITU-T, estão: Administração do cliente Gerência de Tráfego Administração de tarifação e cobrança Gerência da Rede de Transporte Gerência de Comutação Administração da QoS (Quality of Service) Desempenho da Rede Gerência SS#7 Gerência da Força de Trabalho Gerência de Materiais, dentre outros. As Funções de Gerência estão organizadas segundo a utilização das áreas funcionais: Gerência de Desempenho realiza a avaliação do funcionamento dos equipamentos de telecomunicações(ne) e o estado operacional da rede e seus componentes. Gerência de Falhas permite a detecção, reconhecimento, isolamento e correção dos eventos de falhas que indicam operações anormais de equipamentos, redes ou sistemas. Gerência de Configuração realiza as funções de controle, identificação, coleta e alimentação de dados para os elementos de rede(ne) e viceversa. Gerência de Contabilização viabiliza a medição do uso dos serviços e recursos da rede e envia os dados coletados para os sistemas de billing. Gerência de Segurança permite a prevenção, controle e detecção do uso improprio de recursos de rede e sistemas. 8

9 GIRS: Considerações Finais Os Desafios da Gerência de Rede em uma Rede Convergente No passado a Gerência de Rede tratava separadamente o tráfego de voz e de dados, os quais apesar dos seus problemas operacionais, eram de certa forma tranqüilos pois o comportamento dessas redes eram conhecidos. Apesar disso, faltava uma cultura de gerenciamento de rede, investimentos, controle de processos e ferramentas disponíveis. Desta forma as perdas por um gerenciamento inadequado eram grandes pois as empresas não percebiam a Gerência de Rede como uma ferramenta importante do negócio. Fazer gerenciamento a qualquer custo não é um bom negócio, desenvolver planejamento e projetos sem dados bons pode representar gastos com aquisições desnecessárias, desenvolver campanhas de Marketing sem conhecer a possibilidade de sucesso sob o ponto de vista operacional é temeroso e discutir negócio sem base sólidas de dados não é o melhor caminho. Anteriormente o gerenciamento da rede era muito focado em ações reativas, isto é se existia um alarme na Rede, procurava-se solucioná-lo, se ocorria congestionamento de tráfego idem. Ocorre que a Gerência de Rede como dito anteriormente, influi em toda a empresa pois entre outras funções ela coleta, trata e disponibiliza dados/informações para ela mesma, para a área de Projeto, Planejamento, Billing, Marketing e Negócio. Poderemos perceber a complexidade de gerenciamento e o que ela pode trazer de queda nos custos operacionais de uma operadora através de um simples exemplo. Algumas vezes ocorre um alarme na rede, o qual espalha-se provocando outros alarmes em função das suas interdependências. Isto é um alarme provoca outro alarme em cadeia. Devemos perceber que a topologia de uma rede de telecomunicações nos mostra variadas formas de interdependências entre sistemas. Assim, quando a operadora não possui no seu sistema de gerência de rede uma ferramenta de Correlação de Alarmes, a qual consegue detectar a causa raiz daquela série de alarmes, o que acontecerá é o despacho de várias Ordens de Serviço para várias localidades cujo problema não está sob o seu controle. Como resultado teremos: tempo excessivo para solução do problema,utilização de mão de obra e recursos desnecessários, frustração com o resultado, desconforto entre equipes, perda de tráfego em alguns casos e mal serviço prestado aos assinantes. Imaginem quanto custaria uma ocorrência deste tipo. A bem da verdade isso acontece hoje em todos os dias. Acontece, que a situação vem se tornando cada vez mais difícil, pois as redes estão cada vez mais complexas e as exigências cada vez maiores. Com a chegada cada vez mais próxima das Redes Convergentes, os antigos e atuais operadores, gerenciadores, projetistas e planejadores de redes terão que mudar os seus métodos de como fazer. Como exemplo podemos pensar nas antigas tabelas de tráfego telefônico e a sua aplicabilidade nos dias de hoje onde não se terá apenas tráfego de voz, mas também VoIP(voz sobre IP), dados, conteúdo etc. Deveremos jogar fora as tabelas de Erlangs? Como planejar o tráfego que irá cursar na rede, como controlar os dados menos determinísticos como falha, quais as novas métricas que terei que usar, como será o meu SLA(Service Level Agreement), como irei coletar os dados de billing, como irei cobrar, como o marketing irá oferecer serviços para os seus clientes? 9

10 Tudo são perguntas que deverão ser respondidas. E urgentemente. Portanto as empresas operadoras terão de olhar para dentro de casa e iniciar imediatamente algumas ações que lhe permitirá seguir na direção do sucesso no atual ambiente cada vez mais competitivo: conhecer a tecnologia convergente que está chegando seja VoIP, NGN etc., rever o seu negocio redesenhar os seus processos, em especial os processos de gerência de rede pesquisar novos sistemas de gerência aplicáveis ao novo cenário estudar a melhor integração entre sistemas. A desintegração é a maior fonte de perdas e custos preparar equipes com bons conhecimentos em gerência de rede, na tecnologia de uso e em sistemas telefônicos preparar os gestores da rede para serem gestores de redes e de negócios OLHAR A GERÊNCIA DE REDE COMO UMA ÁREA DE LUCRO E NÃO COMO UMA ÁREA DE CUSTOS. Conclusão De qualquer forma as empresas operadoras de telecomunicações terão que se voltar para usar convenientemente os DADOS que coletam e tratam, transformando-os em INFORMAÇÃO e com mais algum trabalho transforma-los em INFORMAÇÕES INTELIGENTES. A cultura reinante atualmente é o uso de dados os quais são limitados pela sua própria natureza, algumas vezes o dado é suficiente por si só, mas nem sempre o são sem um tratamento e inclusão de outros dados. Por exemplo o dado 30 nada tem a me informar, mas se eu o complemento e informo que é 30 Erlangs, ele já me dá mais informação, se incluo 30 Erlangs em um Rota DDD, ele fica mais claro, se informo ainda que é 30 Erlangs na Rota RJ-SP, melhor ainda e por aí vai. O problema hoje é que as empresas têm muitos dados, mas poucas informações. Podemos usar as afirmações de um cronista esportivo, João Saldanha, que dizia: pênalti é tão importante que deveria ser batido pelo presidente do clube. Fazendo um paralelo, queremos aconselhar: INFORMAÇÃO É TÃO IMPORTANTE QUE UMA DIRETORIA DE INFORMAÇÃO (não é tecnologia da informação-ti) DEVERIA SER CRIADA E SER ALOCADA NA PRESIDÊNCIA DAS EMPRESAS. 10

11 GIRS: Teste seu Entendimento 1) Assinale a alternativa correta. A GIRS é apenas um instrumento de marketing das operadoras. O modelo da GIRS é dividido em arquitetura funcional, da informação e física. O TMN ainda não foi padronizado pela UIT. A GIRS é aplicada apenas em redes de voz. 2) Assinale a alternativa errada. Desenvolvimento de equipamentos é uma função da Gerência de redes. A estrutura da GIRS está dividida em Camadas. Gerencia de configuração é uma função da Gerência de redes. Administração de tarifação e cobrança é um serviço de Gerência de redes. 3) Assinale o bloco funcional que não faz parte da arquitetura física da GIRS. DCN NT Qx/3 QA 11

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Vergílio Antonio Martins

Leia mais

TMN. Telecommunications Management Network

TMN. Telecommunications Management Network 1 TMN Telecommunications Management Network Setembro/99 -Ba 2 Universidade Disciplina - Teleprocessamento e Redes Alunos: Carlos Augusto Barreto Osnildo Falcão Soares TMN Telecomunications Management Network

Leia mais

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum).

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Redes de Gestão de Telecomunicações (TMN - Telecommunications Management Network) João Pires Redes de Telecomunicações 285 João Pires Redes de Telecomunicações 286 O que é o TMN?

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho

Leia mais

MANUAL CLIENTE TODA A

MANUAL CLIENTE TODA A MANUAL CLIENTE TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas Resolução de Problemas É preciso que o tempo médio entre as falhas sejam o menor possível. É preciso que o tempo médio de resolução de um problema seja o menor possível Qualquer manutenção na rede tem

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica IV CONGRESSO ACORN-REDECOM POLÍTICAS PÚBLICAS: IMPACTO SOCIOECONÔMICO DAS TICs NAS AMÉRICAS VoIP (Voz sobre IP): Trajetória e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Michele Cristina Silva

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Principais benefícios. A plataforma ConnectMaster oferece os seguintes benefícios principais:

Principais benefícios. A plataforma ConnectMaster oferece os seguintes benefícios principais: PLATAFORMA DE GESTÃO DE RECURSO DE CONHECIMENTO DE LOCALIZAÇÃO E SERVIÇO Resumo O poderoso recurso do ConnectMaster para análise robusta leva a suposição trabalhar fora das funções críticas do negócio

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

MANUAL USUÁRIO SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ

MANUAL USUÁRIO SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ MANUAL USUÁRIO SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho

Leia mais

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS SUMÁRIO Diretrizes Mínimas para Equipamentos e Sistemas... 3 Introdução... 3 Apêndice I Memorial Descritivo de Sistemas Eletrônicos Equipamentos

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Este tutorial se propõe a mostrar a importância de uma gestão administrativa acoplada a área de telecomunicações para uma gestão de custos eficiente.

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Disciplina: Ferramentas de Gerenciamento

Disciplina: Ferramentas de Gerenciamento PROF. RENÊ FURTADO FELIX rffelix70@yahoo.com.br Disciplina: Ferramentas de Gerenciamento Aula 2 Janeiro de 2013 H T T P : / / W W W. R E N E C O M P U T E R. N E T / F _ G E R E N C I A M E N T O. P H

Leia mais

Email: henriquel.rj@gmail.com 1

Email: henriquel.rj@gmail.com 1 Redes ASON: A Evolução das Redes Óticas Este tutorial apresenta uma breve introdução da arquitetura das Redes ASON (Automatic Switched Optical Network) fazendo uma comparação com o protocolo GMPLS (Generalized

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Tarifação on-line Documentação básica

Tarifação on-line Documentação básica » Produtos / Tarifação on-line Software tarifador de chamadas telefônicas para Centrais Privadas de Comutação Telefônica (CPCT/PABX) com interface WEB. Com o crescente impacto dos custos de telefonia nos

Leia mais

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa.

Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Anexo II: Especificações da Chamada de Propostas de Pesquisa. Os temas de interesse da Fapesp e da Telesp e que serão objeto de Chamadas de Propostas de Pesquisa para projetos de pesquisa cooperativa entre

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade Interoperabilidade entre Plataformas de SMS Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade . Índice: ESPECIFICAÇÕES INICIAIS DE PROJETO E REQUISITOS TÉCNICO PARA INTEROPERABILIDADE DE SMS

Leia mais

Este tutorial foi desenvolvido com o objetivo de realizar uma abordagem geral sobre o tema "Sistemas de Tarifação em Empresas de Telecomunicações".

Este tutorial foi desenvolvido com o objetivo de realizar uma abordagem geral sobre o tema Sistemas de Tarifação em Empresas de Telecomunicações. Sistema de Tarifação - Módulo I Este tutorial foi desenvolvido com o objetivo de realizar uma abordagem geral sobre o tema "Sistemas de Tarifação em Empresas de Telecomunicações". Nesta primeiro módulo

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Gestão de Redes de Telecomunicações: TMN

Gestão de Redes de Telecomunicações: TMN Gestão Res Telecomunicações: TMN Re gestão telecomunicações normalizada pelo ITU-T: Telecommunication Management Network - TMN Cenário operações dos operadores telecomunicações PROBLEMA: Interligação!!!!

Leia mais

Sistema de Gestão de Telefonia Celular - Cooperativas e Associações

Sistema de Gestão de Telefonia Celular - Cooperativas e Associações Sistema de Gestão de Telefonia Celular - Cooperativas e Associações O que é SGTC? O SGTC - Sistema de Gestão de Telefonia Celular > Primeiro sistema desenvolvido com inteligência em telecomunicações e

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Motivação. as redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas

Motivação. as redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Gerência de Redes Motivação as redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica (não podem parar!) as redes são cada vez maiores

Leia mais

Otimizando custos com a telefonia IP. Patricia Serpa Petrobras Distribuidora

Otimizando custos com a telefonia IP. Patricia Serpa Petrobras Distribuidora Otimizando custos com a telefonia IP Patricia Serpa Petrobras Distribuidora 39.681 379 191 52.52 8 154 16 40 9 66 3 Março/2013 Missão: "Distribuir, industrializar e comercializar derivados de petróleo

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Consultoria Auditoria Gestão Suporte Redução de Custos www.alditel.com.br

Consultoria Auditoria Gestão Suporte Redução de Custos www.alditel.com.br Consultoria Auditoria Gestão Suporte Redução de Custos www.alditel.com.br Índice A Empresa...03 Serviços Prestados......04 1 Auditoria de faturas...04 2 Elaboração de relatórios gerenciais para gestão

Leia mais

Solicitações de Esclarecimento

Solicitações de Esclarecimento EMPRESA: Accenture REPRESENTANTE: Guilherme Barbosa Rocha Solicitações de Esclarecimento: Item do Solicitações de Esclarecimento Termo de Referência 1.1.1 1. Existe alguma definição por parte da Eletrobras

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade IV 4 etom ENHANCED TELECOM OPERATIONS MAP 1 Em 1986, o International Telecommunications Union Telecommunications (ITU-T) definiu uma arquitetura-padrão para o gerenciamento de

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

4 Ms i s t e m a s soluções em TI para telefonia fixa e móvel SPS 2. julho 2007 V. 1.0. http:// www. m4sistemas. com. br/

4 Ms i s t e m a s soluções em TI para telefonia fixa e móvel SPS 2. julho 2007 V. 1.0. http:// www. m4sistemas. com. br/ soluções em TI para telefonia fixa e móvel o seu diferencial em service delivery. julho 2007 V. 1.0 http:// www. m4sistemas. com. br/ Porque nem você, nem seus clientes podem esperar. A M4 Sistemas apresenta

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways em redes VoIP.

Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways em redes VoIP. MeGaCo: Conheça o protocolo de sinalização de Mídia Gateways VoIP Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Referência Tecnologia da Informação para Gestão : Transformando os negócios na Economia Digital. Bookman, sexta edição, 2010. 2 FAZENDO NEGÓCIOS NA

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Fixa no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais

A Gerência em Redes de Computadores

A Gerência em Redes de Computadores A Gerência em Redes de Computadores Gerência de Redes Redes Ferramenta fundamental Tecnicamente: constante expansão, tanto fisicamente como em complexidade. O que o usuário espera da rede? Disponibilidade

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores: 12,167 mil EMPRESA

Leia mais

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS MBA Contabilidade & Direito Tributário. Parceria: IPOG/Sinduscon-RS O IPOG em parceria com o CRC-RS, traz à Porto Alegre o MBA em Contabilidade & Direito Tributário, que já é sucesso, com mais de 20 turmas

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini Unidade IV GOVERNANÇA DE TI Prof. Gislaine Stachissini TMN - Telecommunication Management Network Definido como uma arquitetura padrão para o gerenciamento de redes de Telecom em 1986, utiliza o modelo

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais