PROGRAMA DA QUALIDADE SONORA Plano de Gestão Integrada da Qualidade Ambiental no Distrito Federal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DA QUALIDADE SONORA Plano de Gestão Integrada da Qualidade Ambiental no Distrito Federal"

Transcrição

1

2

3 PROGRAMA DA QUALIDADE SONORA Plano de Gestão Integrada da Qualid Ambiental no Distrito Federal Subsecretaria de Saúde Ambiental SUSAM Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal SEMARH Brasília - DF - Brasil 2012

4 1. APRESENTAÇÃO Como parte da política integradora de saúde ambiental da SEMARH foi elaborada o Programa da Qualid Sonora no Distrito Federal, denominado SOA BEM que visa uma gestão eficiente de integração dos dados e informações sobre a poluição sonora e seus efeitos sobre a saúde. O som é um Movimento vibratório de um corpo sonoro, que se propaga no ambiente e impressiona o órgão da audição: som agudo, som grave (Aurélio, 1975). O ruído define-se como sendo um fenômeno acústico dissonante ou anárquico, aperiódico e indesejável; mistura de sons cujas freqüências diferem entre si por valor inferior à discriminação em freqüências da orelha. (Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1978). O ruído tem aumentado ao longo do espaço e tempo, sobretudo devido ao desenvolvimento desequilibrado da urbanização, ao aumento significativo da mobilid das populações e ao incremento da mecanização. O tráfego de veículos motorizados representa uma das fontes sonoras mais poluentes; no entanto, não se pode ignorar outras fontes como o carro de som, os bares e restaurantes com suas músicas ao vivo, sons eletrônicos e automotivos, o uso de microfones e instrumentos musicais em templos religiosos, barulho de construção civil e reformas (britiras, escaviras, betoneiras, serras elétricas) e ruídos caseiros (sons emitidos por festas) e ainda o tráfego aéreo. A Poluição Sonora Urbana é composta pelas fontes de ruídos mais comuns e também por sirenes e alarmes, ativids recreativas, entre outras (Figura 1) Fontes: nivel-inaceitavel-afeta-31-mil.shtml Figura 1 Fontes de Poluição Sonora Urbana Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 4

5 Raramente sua abordagem é tratada sob o ponto de vista do meio ambiente e do direito ambiental no que se refere ao estudo como fonte poluidora, suas conseqüências à saúde pública e a proteção jurídica dos cidadãos. Quando a poluição sonora é restrita a um determinado local, ou área, o problema pode ser considerado localizado e às vezes de pequena proporção, mas quando ela atinge grande parte da cid, como no caso de trânsito intenso e corredores de tráfego a questão passa a ser mais ampla e generalizada, pois além atingir os moradores próximos às vias públicas barulhentas, atinge também os que passam por elas, tornando-se assim um problema de saúde pública. Este tipo de poluição vem sendo reconhecida mundialmente como questão de saúde, tanto que já há inclusive o Plano Nacional de Saúde Ambiental da Europa. Apesar do ruído não se acumular no meio ambiente a exemplo de outros poluentes. Segundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) a poluição sonora é o terceiro maior problema ambiental em todo o mundo. Mais do que barulho, esses ruídos podem também causar prejuízos à saúde humana e seus efeitos geralmente se manifestam de forma lenta, sem que as pessoas notem. O limite tolerável ao ouvido humano é de 65 db (A), segundo a OMS. Níveis de ruído acima 65 db (A) ocasiona estresse que por sua vez aumenta o risco de doenças que são elas: insônia (dificuld de dormir); estresse; depressão; perda de audição; agressivid; perda de atenção e concentração; perda de memória; dores de cabeça; aumento da pressão arterial; cansaço; gastrite e úlcera; queda de rendimento escolar e no trabalho; e quando acima de 85 db (A) o aumento do risco de comprometimento auditivo pode-se ter surdez. Quanto mais tempos exposto maior o risco a que se expõe a pessoa. Dois fatores são determinantes para a amplitude do dano: o tempo de exposição e o nível do barulho da exposição, devendo-se considerar as características e grau de conseqüências. Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 5

6 No ambiente urbano a poluição sonora está fortemente relacionada à grande concentração de pessoas, indústrias, veículos, meios de comunicação e outros ruidosos integrantes dos grandes centros urbanos. Por ser uma poluição impossível de ser enxergada muitas vezes passa despercebida, ou então, as pessoas acabam se acostumando a ela (Figura 2). Sempre que num determinado ambiente o som altera a condição normal de audição tem-se a poluição sonora. Fonte: h t t p : / / w w w. s a u d e p u b l i c a. w e b. p t / 0 5 -promocaosaude/051-educacao/ruido_decibel_figura.htm Figura 2 - NÍVEL DE RUÍDO PROVOCADO (APROXIMADAMENTE EM DECIBÉIS) Brasília Bras sília Patrimônio Patrim rii ôni no C Cultural ultura r l da ah Humanid u nid uma n d Telefone: (61) (Ramal: 5729) 6

7 Os efeitos negativos se refletem no sistema auditivo das pessoas e nas alterações comportamentais e orgânicas. A OMS (Organização Mundial de Saúde) considera que um som deve ficar em até 50 db (decibéis unid de medida do som) para não causar prejuízos ao ser humano. A exposição contínua a níveis de ruído superiores a 50 decibéis pode causar deficiência auditiva dependendo da susceptibilid de cada indivíduo. A tabela 1 ilustra os padrões de som aceitáveis. Tabela 1 - ÍNDICES DE POLUIÇÃO SONORA ACEITÁVEIS Área Período Decibel (db) Zona de hospitais Zona residencial urbana Centro da cid (negócios, comércio, administração). Área predominantemente industrial Diurno Noturno Diurno Noturno Diurno Noturno Diurno Noturno Fonte: Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 7

8 A diferença em níveis de decibels é maior do que se poderia esperar: 100 vezes mais energia sonora entra nos ouvidos em um ambiente de 95 db do que num ambiente de 75 db. A perda auditiva típica observada - em pessoas que possuem uma longa história de exposição a ruído é caracterizada por perda de audição na faixa entre 3000 e 6000 Hz. Na fase precoce à exposição, uma perda de audição temporária é observada ao fim de um período, desaparecendo após algumas horas. A exposição contínua ao ruído resultará em perda auditiva permanente que será de natureza progressiva e se tornará notável subjetivamente ao trabalhador no decorrer do tempo. Estas mudanças nos limiares auditivas podem ser monitoradas através de testes audiométricos. Nos estágios avançados, uma perda de audição nas freqüências altas afetará seriamente a habilid para entender a fala normal. Em geral, pessoas com perdas auditivas nas freqüências altas não experimentarão dificulds para detectar a fala, mas terão problemas para entender conversações (Tabela 2 e Quadro 1) Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 8

9 Tabela 2 IMPACTOS E EFEITOS PROCEDENTES DE RUÍDOS VOLUME REAÇÃO EFEITOS NEGATIVOS EXEMPLOS DE LOCAIS Até 50 Db Confortável (limite da OMS) Nenhum Rua sem tráfego. Acima de 50 db O ORGANISMO HUMANO COMEÇA A SOFRER IMPACTOS DO RUÍDO. De 55 a 65 db A pessoa fica em estado de alerta, não relaxa. Diminui o poder de concentração e prejudica a produtivid no trabalho intelectual. Agência bancária De 65 a 70 db (início das epidemias de ruído) O organismo reage para tentar se quar ao ambiente, minando as defesas. Aumenta o nível de cortisona no sangue, diminuindo a resistência imunológica. Induz a liberação de endorfina, tornando o organismo dependente. É por isso que muitas pessoas só conseguem dormir em locais silenciosos com o rádio ou TV ligada. Aumenta a concentração de colesterol no sangue. Bar ou restaurante lotado. Acima de 70 O organismo fica sujeito a estresse degenerativo além de abalar a saúde mental. Aumentam os riscos de enfarte, infecções, entre outras doenças sérias. Praça de alimentação em shopping centers Ruas de tráfego intenso. Obs.: O quadro mostra ruídos inseridos no cotidiano das pessoas. Ruídos eventuais alcançam volumes mais altos. Um trio elétrico, por exemplo, chega facilmente a 130 db (A), o que pode provocar perda auditiva induzida, temporária ou permanente. Fonte: Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 9

10 Quadro 1 DANOS FISIOLÓGICOS OCASIONADOS PELA POLUIÇÃO SONORA Fonte: Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 10

11 O zumbido, cuja causa mais provável seja a longa exposição a ruído pode ou não ocorrer simultaneamente com perda auditiva. Este é tonal em qualid e de alta freqüência (> 3000 Hz). Muitas pessoas que têm história de exposição a ruído apresentam zumbido e parte destes também apresentam problemas auditivos, apenas uma pequena porcentagem (menos de 10%) tem audição dentro dos limites da normalid. O barulho. O zumbido como resultado de exposição a ruído pode ocorrer súbita ou muito gradativamente. Quando ocorre subitamente, é freqüentemente percebido a uma intensid razoavelmente alta e pode persistir nesse nível permanentemente. Entretanto, para outros, o zumbido é temporário e não retorna mais. Mais comumente, o aparecimento do zumbido induzido por ruído é gradual e intermitente em seus estágios precoces. As pessoas relatam escutar um padrão médio de zumbido por um curto período de tempo após uma exposição prolongada a sons intensos. Uma vez que eliminada a fonte do ruído, o zumbido desaparece rapidamente e se torna inaudível até a próxima exposição. Este padrão intermitente freqüentemente continua por meses ou anos com períodos de zumbido se tornando cada vez mais longos. Se a exposição continua, o zumbido em geral aumenta de volume e torna-se constante. Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 11

12 Devido à percepção do aumento do zumbido é comum pessoas deixarem de freqüentar locais populares, tais como concertos musicais, danças, festas e eventos esportivos. O que resulta, algumas vezes, o abandono de empregos ou mudança de função por causa do ruído relacionado ao trabalho. Ocorre-se o afastamento das funções retornou aos seus níveis originais em curto período de tempo. A Poluição sonora no Distrito Federal tem sido fonte de grandes transtornos e irritação. As medições sonoras feitas em pontos de regiões diferentes constatam níveis superiores a 50 decibéis, máximo permitido pela Norma da Associação Brasileira de Norma Técnicas (ABNT) para ambientes externos. (Juliana Boechat, 17/05/2010). Diversas são as fontes de ruído, como a construção civil, veículos (metrô, carros, ônibus) e estabelecimentos comerciais. Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 12

13 Segundo dados do Instituto Brasília Ambiental (IBRAM) o número de reclamações relativas ao incômodo gerado pelo ruído teve redução superior a 50%, entre o ano de 2010 e 2011 (Gráfico 1). Gráfico 1 NÚMERO DE RECLAMAÇÕES SOBRE INCÔMODOS CAUSADOS POR RUÍDOS ATENDI- DOS RECEBIDAS PELA OUVIDORIA DO IBRAM, EM 2010 E Fonte: Relatório da ouvidoria do Ibram Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 13

14 Dada a importância do tema foi instituído um Grupo de Trabalho interinstitucional, coordenado pela SEMARH, responsável por elaborar proposta de decreto de regu lamentação da Lei nº 4.092, de 30 de janeiro de 2008, que dispõe sobre o controle da poluição sonora e os limites máximos de intensid da emissão de sons e ruídos resultantes de ativids urbanas e rurais no Distrito Federal. Compõe o grupo de trabalho o IBRAM, DETRAN, AGEFIS, Secretaria de Estado da Ordem Pública e Social, Delegacia Especial (Decreto Nº , de 16 de agosto de 2011). Em 2008, são instituídas as normas sobre o controle da poluição sonora e dispõe sobre os limites máximos de intensid da emissão de sons e ruídos resultantes de ativids urbanas e rurais no DF em áreas de sítios e fazendas, residenciais, comerciais, recreativas e industriais; escolas, creches, bibliotecas, hospitais, ambulatórios, casas de saúde e similares deverão ter tratamento acústico interno. Estabelece ainda a proibição do uso de buzinas, alarmes e carros de som em áreas estritamente residenciais ou perto de hospitais, bibliotecas e escolas. E exclui os ambientes internos de natureza religiosa da classificação de estabelecimentos potencialmente poluidores. Que os serviços da construção civil serão realizados após autorização prévia para realização aos domingos e feriados e em qualquer horário e no horário noturno de dias úteis. E que as ativids relacionadas a reformas, consertos e operações de carga e descarga só podem ser realizadas entre as 7h e as 18h (se contínuas) e as 7h e as 19h (se descontínuas), de segunda a sábado. Proíbe a utilização de alto-falantes que direcionem o som exclusivamente para o ambiente externo e exclui a emissão de sons e ruídos produzidos por sirenes ou aparelhos de sinalização sonora utilizados por ambulâncias, carros de bombeiros ou viaturas policiais e por explosivos utilizados em pedreiras e em demolições, desde que detonados no período diurno e com a devida licença (Lei Distrital nº 4.092, de 30 de janeiro de 2008). Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 14

15 Devido às particularids urbanísticas do Distrito Federal que ocasionavam conflitos na aplicação da Lei Distrital nº 4.092/08 foi instituído um Grupo de Trabalho composto pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal - SEMARH; Secretaria de Estado da Ordem Pública e Social do Distrito Federal - SEOPS; Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal Brasília Ambiental IBRAM; Agência de Fiscalização do Distrito Federal - AGEFIS; Departamento de Trânsito do Distrito Federal - DETRAN/DF; Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística - DEMA; e Coordenadoria das Cids da Secretaria de Estado de Governo do Distrito Federal. Sob a coordenação do primeiro elaborariam uma proposta de decreto de regulamentação para a Lei n 4.092/2008 para o controle da poluição sonora e limites máximos de intensid da emissão de sons e ruídos resultantes de ativids urbanas e rurais na Capital Federal. O Grupo de Trabalho, em andamento, propôs o Programa SOA BEM cujo resultado esperado é minimizar a poluição sonora no Distrito Federal. Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 15

16 2. JUSTIFICATIVA Considerando que os problemas de poluição sonora agravam-se ao longo do tempo, nas áreas urbanas e rurais, e que som em excesso é uma séria ameaça à saúde, ao bem-estar público, o referido programa é de suma importância para colaborar com a qualid de vida do cidadão que vive no Distrito Federal, especialmente devido à particularid urbanística da capital. Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 16

17 3. OBJETIVO Gerenciar e melhorar continuamente as políticas, procedimentos e processo relativos à poluição sonora. OBJETIVO ESPECÍFICO Regulamentar ativids geradoras de poluição sonora, limites máximos permitidos de intensid da emissão de sons e ruídos resultantes de ativids urbanas e rurais no Distrito Federal; Gerenciar o monitoramento da poluição sonora de forma integrada; Estabelecer as normas complementares e os procedimentos de caráter administrativo e operacional necessários ao pleno desenvolvimento do Programa SOA BEM; Identificar e monitorar os efeitos da poluição sonora sobre a saúde coletiva do DF; Integrar os órgãos e instituições com interface na saúde ambiental relativo à poluição sonora; Informar a população por meio de educação ambiental os efeitos da poluição sonora na saúde coletiva; Avaliar os resultados alcançados e quar os procedimentos, quando necessário. Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 17

18 4. METODOLOGIA O Programa da Qualid Sonora - SOA BEM, proposto pelo Grupo de Trabalho tem como diretrizes: 1) IDENTIFICAÇÃO DE LINHAS DE AÇÃO E FORMAÇÃO DE PAR- CERIAS Formação de comissão prévia de instituições parceiras na realização do projeto. Formalização de convênio com definição de papéis IBRAM: Criação e coordenação das ações de sensibilização e mobilização social. SEMARH: Organização dos fóruns, audiências públicas e demais instrumentos políticos necessários ao projeto. MPDFT: Suporte jurídico nas ações e na elaboração dos conteúdos de campanha. Realização de diagnóstico prévio Análise completa das denúncias de poluição sonora na base de dados da ouvidoria do IBRAM e de outros órgãos (Polícia, MP, etc), se houver. Realização de pesquisa de opinião (ver modelo do MPPE) 2) APROVAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DE AÇÃO Definição de uma estratégia de campanha baseada nas informações, nos problemas e nas oportunids observados no diagnóstico prévio. Aprovação da estratégia de campanha junto ao fórum competente. Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 18

19 3) CRIAÇÃO DE CAMPANHA PUBLICITÁRIA Prospecção de agências e produtoras parceiras Planejamento de campanha Criação de peças publicitárias e material de imprensa Produção dos materiais de campanha. Material de campanha Peças gráficas (cartilhas, cartazes, folderes, flyers, anúncios, etc). Peças audiovisuais (vídeos educativos, VTs publicitários, Spots, vinhetas, etc). Material web e multimídia (site, banneres, mapas interativos, mini games, ações em redes sociais, etc). Ações de oportunid (mkt de guerrilha, brindes, ações em eventos, etc). Kit de imprensa (releases, relatos de casos, dados estatísticos, imagens, spots, etc). Veiculação de campanha Prospecção de meios de comunicação parceiros Planejamento de mídia Veiculação Clipping/ avaliação Avaliação e monitoramento Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 19

20 5. INDICADORES DE AVALIAÇÃO Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 20

21 6 - CRONOGRAMA DE AÇÃO PERÍODO AÇÃO 1. Reuniões com o GT da Poluição Sonora; 2. Encaminhar proposta de Minuta do Decreto para regulamentação; 3. Aquisição de equipamentos; 4. Qualificação de profissionais técnicos; 5. Confecção de material educativo (folders, banneres, ações em redes sociais, manuais, cawtilhas, vídeo); 6. Ação de caráter educativo e orientador em parques do Distrito Federal; 7. Relatório anual de ocorrências recebidas; 8. Relatório anual de autuações concluídas. 1. Reuniões com o GT da Poluição Sonora; 2. Revisão e quação da Lei sobre o controle da Poluição Sonora; 3. Verificação do estado físico dos equipamentos para revisão e calibragem; 4. Cursos de aperfeiçoamento para os profissionais da equipe técnica; 5. Ação de caráter educativo e orientador em parques do Distrito Federal; 6. Relatório anual de ocorrências recebidas; 7. Relatório anual de autuações concluídas. 1. Reuniões com o GT da Poluição Sonora; 2. Verificação do estado físico dos equipamentos para revisão e calibragem; 3. Cursos de aperfeiçoamento para os profissionais da equipe técnica; 4. Ação de caráter educativo e orientador em parques do Distrito Federal; 5. Relatório anual de ocorrências recebidas; 6. Relatório anual de autuações concluídas; Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 21

22 6. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL NBR 10151, de 31 de junho de 2000, Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunid Procedimento. NBR 10152, de 29 de dezembro de 1987, Níveis de ruído para conforto acústico. Resolução CONAMA nº 001/1986, que define a necessid de se estabelecerem as definições, as responsabilids, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental. Resolução CONAMA nº 002/1988, que dispõe sobre a proibição de ativids em Área de Relevante Interesse Ecológico ARIE s que afeta o ecossistema. Lei n de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação. Lei nº de 30 de janeiro de 2008, que estabelece normas gerais sobre o controle da poluição sonora e dispõe sobre os limites máximos de emissão de sons e ruídos. Decreto n , de 16 de agosto de 2011, que institui o Grupo de Trabalho responsáveis por elaborar proposta de decreto de regulamentação da Lei n 4.092/2008 Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 22

23 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AURÉLIO, Novo Dicionário. Ed. Nova Fronteira, pág. 433 e 991, UNESP/Universid estadual Paulista. Curso de treinamento de CIPA. Acesso em 13/12/2011 Disponível em: IBAMA/Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Programa Nacional de Educação e Controle da Poluição Sonora- SILÊNCIO. Acesso em: 15/12/2011 Disponível em: IBRAM/Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal. Silêncio, por favor, Matéria escrita por Gizella Rodrigues e publicada no Jornal Correio Braziliense. Acesso em: 19/12/2011 Disponível em: LEONAREO, Lourdes Aparecida. (2008). Produção Didática Pedagógica: A Poluição Sonora nos Centros Urbanos. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação Universid Estadual de Maringá. Programa de Desenvolvimento Educacional/PDE. Acesso em: 22/12/2011 Disponível em: ALMEIDA, Cristina de Moraes. Sobre a poluição sonora. CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiólogia Clínica. Audiologia clínica. Monografia Acesso em: 23/12/2011 Disponível em: Jornal Correio Braziliense. Reclamações contra a poluição sonora crescem 5 vezes e chegam a quase 10 denúncias por dia. Matéria escrita por: Juliana Boechat. Acesso em: 23/12/2011 Disponível em: /index.shtml Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 23

24 Brasília Patrimônio ocultural ldah Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 24

25 PROGRAMA DA QUALIDADE SONORA Plano de Gestão Integrada da Qualid Ambiental no Distrito Federal Subsecretaria de Saúde Ambiental SUSAM Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal SEMARH Brasília Patrimônio ocultural lda Humanid Telefone: (61) (Ramal: 5729) 25

26

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional MARÇO/2012 Verônica Maria Miranda Brasileiro

Leia mais

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública Alfred Szwarc Seminário O Impacto da Poluição na Saúde Pública São Paulo 21/09/2009 Som e Ruído Som é a sensação auditiva resultante da propagação de vibrações

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016

ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016 ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE AVALIAÇÃO DO IMPACTO SONORO NO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES

Leia mais

Ref.: Procedimento Preparatório nº 06.2014.00001194-0 RECOMENDAÇÃO Nº 0002/2014

Ref.: Procedimento Preparatório nº 06.2014.00001194-0 RECOMENDAÇÃO Nº 0002/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 28ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Av. Mal. Floriano Peixoto, nº 550, Petrópolis, Natal-RN - CEP 59012-500 Tel.: 3232-7176 meioambiente@rn.gov.br

Leia mais

Diário Oficial. Poder Legislativo

Diário Oficial. Poder Legislativo Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Legislativo Palácio Nove de Julho Av. Pedro Álvares Cabral, 201 Ibirapuera - CEP: 04097-900 Fone: (011) 3886-6122 Diário da Assembléia Legislativa Nº 41 DOE de

Leia mais

LEI nº 2542/2008. Art. 3 - Para efeito desta Lei, consideram-se as mais importantes fontes de poluição sonora urbana:

LEI nº 2542/2008. Art. 3 - Para efeito desta Lei, consideram-se as mais importantes fontes de poluição sonora urbana: Publicada em 05 de maio de 2008 LEI nº 2542/2008 Estabelece diretrizes visando a garantia da saúde auditiva da população do Município de Niterói. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI, no uso de

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia...

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia... 2818-00-EIA-RL-0000-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8 5.9.1 - Objetivos... 1/8 5.9.2 - Justificativas... 2/8 5.9.3 - Metas... 2/8 5.9.4 - Metodologia...

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa do Estado decretou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa do Estado decretou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I LEI N.º 5.715 DE 11 DE JUNHO DE 1993 Estabelece padrões de emissão de ruídos e vibrações bem como outros condicionantes ambientais e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO Faço saber

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SR. RONALDO JAIR DONIDA PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE GUAPORÉ-RS.

EXCELENTÍSSIMO SR. RONALDO JAIR DONIDA PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE GUAPORÉ-RS. EXCELENTÍSSIMO SR. RONALDO JAIR DONIDA PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE GUAPORÉ-RS. RODRIGO DE MARCO, vereador com assento nesta Casa Legislativa, pela Bancada do PDT, vem respeitosamente perante

Leia mais

LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002

LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002 LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a regulamentação do artigo 114 da Lei Municipal nº 500 de 17 de junho de 1.998, que trata do Código de Posturas do Município de Primavera do Leste - Mato

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 ANEXO 2 CATEGORIAS DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO Residências Unifamiliares RU Compreendendo: a) residências unifamiliares isoladas; b) residências unifamiliares agrupadas, geminadas ou em série; c) condomínios

Leia mais

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Ferramentas para Mapas de Ruido Resumo A evolução tecnológica dos equipamentos

Leia mais

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS JACQUELINE COSTA SANTOS HUMBERTO CÉSAR MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS http://sites.pucgoias.edu.br/home/

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 286, de 2010, do Senador Raimundo Colombo, que flexibiliza limites de ruído para cidades litorâneas de vocação turística.

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná Ofício nº./2014-gab. Londrina, A Sua Excelência, Senhor Rony dos Santos Alves Presidente da Câmara Municipal Londrina - Pr Assunto: Encaminha Projeto de Lei Altera os incisos I, II e III do art. 3º, da

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano. Marcelo de Mello Aquilino

Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano. Marcelo de Mello Aquilino Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano Aspectos técnicos para a elaboração de PLs relativos à: Ruído; Vibração e Perturbação Sonora. Marcelo de Mello Aquilino Temas que tratamos

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO

DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO Página 1 de 6 DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO DE 1985 Altera o Regulamento nº 15 - DA PROTEÇÃO CONTRA RUÍDOS, aprovado pelo Decreto nº 1.601, de 21 de junho de 1978, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 4.092, DE 30 DE JANEIRO DE 2008 (Autoria do Projeto: Deputado Wilson Lima) Dispõe sobre o controle da poluição sonora e os limites máximos de intensidade

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Carta de Serviços AO CIDADÃO

Carta de Serviços AO CIDADÃO Carta de Serviços AO CIDADÃO Carta de Serviços AO CIDADÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Apresentação O Ministério da Justiça, órgão da administração pública federal, tem por missão

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

LEI Nº 4.092, DE 30 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 01.02.2008 - REPUBLICAÇÃO DODF DE 12.03.2008

LEI Nº 4.092, DE 30 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 01.02.2008 - REPUBLICAÇÃO DODF DE 12.03.2008 LEI Nº 4.092, DE 30 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 01.02.2008 - REPUBLICAÇÃO DODF DE 12.03.2008 Dispõe sobre o controle da poluição sonora e os limites máximos de intensidade da emissão de sons e ruídos resultantes

Leia mais

Figura17 Manifestações populares contra o ruído de bares e boates no bairro da Vila Olímpia, São Paulo. Fonte: Fotos da autora (2005).

Figura17 Manifestações populares contra o ruído de bares e boates no bairro da Vila Olímpia, São Paulo. Fonte: Fotos da autora (2005). Figura17 Manifestações populares contra o ruído de bares e boates no bairro da Vila Olímpia, São Paulo. Fonte: Fotos da autora (2005). -63- Na pesquisa Poluição Sonora no Ambiente Urbano: Estudo de Caso,

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.4 Programa de Comunicação Social Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

planejamento de comunicação 2011 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO

planejamento de comunicação 2011 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1. INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1 Nome da Organização: Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé 2 Data da Fundação: 15 de novembro de 1992 3 Localização: R. D. Pedro II 1892, sala 7 - Bairro Nossa Sra.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 Jaciele Schirmer Strieder 2, Luiza A. U. Scortegagna 3, Thiana D. Herrmann 4, Raquel Kohler 5. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Departamento de Ciências

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores,

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Ribeirão Pires, 16 de março de 2009 A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Nós, moradores do Centro Novo,

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983

LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983 LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983 Regulamenta a Lei Complementar n 65, de 22.12.81, estabelece padrões de emissão e imissão de ruídos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 243/2010 DA POLUIÇÃO SONORA E REGULAMENTAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE BARES, FESTAS E SIMILARES.

LEI MUNICIPAL Nº. 243/2010 DA POLUIÇÃO SONORA E REGULAMENTAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE BARES, FESTAS E SIMILARES. LEI MUNICIPAL Nº. 243/2010 DA POLUIÇÃO SONORA E REGULAMENTAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE BARES, FESTAS E SIMILARES. Dispõe sobre as medidas de sossego público E combate à poluição sonora, com normatização de

Leia mais

DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015 Institui e regulamenta o Sistema de Estacionamento Rotativo Pago, nas vias e logradouros públicos do Município de Rio Branco e dá outras providências. O PREFEITO DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por seu órgão de execução, no uso das suas atribuições legais, com fundamento no artigo 129, inciso II, da Constituição, c/c artigo

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990.

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. São Paulo, 6 de fevereiro de 2014 Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. Considera-se a iniciativa

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultor para a elaboração e execução do Projeto Conceitual e do Planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA A 1ª Conferência Nacional de Defesa Civil e Assistência Humanitária CNDC ocorreu entre os dias 23 e 25 de março

Leia mais

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência CER O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito de Saúde DADOS

Leia mais

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL Autores Anastácio Pinto Gonçalves Filho, MsC Prof. Luiz Roberto Santos Moraes, PhD EFEITOS DO RUÍDO URBANO Interferência

Leia mais

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 PSIU no combate à poluição sonora O Programa de Silêncio Urbano (PSIU) da Prefeitura

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MEIO AMBIENTE

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MEIO AMBIENTE A falta de conservação e a desregulagem dos veículos: 1 apenas contribuem para a poluição do solo. 2 não agridem o meio ambiente. 3 acarretam, única e exclusivamente, o desgaste do veículo. 4 contribuem,

Leia mais

A seguir serão apresentados os detalhes de cada módulo dos três níveis.

A seguir serão apresentados os detalhes de cada módulo dos três níveis. Plano Integrado de Mapeamento (PIM) O Plano Integrado de Mapeamento nasceu de uma necessidade de otimização de esforços e recursos, qualificação das informações obtidas e minimização da carga de formulários

Leia mais