Redes de Transporte SDH Protecção e restauro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Transporte SDH Protecção e restauro"

Transcrição

1 Redes de Transporte SDH Protecção e restauro João Pires Redes de Telecomunicações 157

2 Supervisão e alarmes em redes SDH O sistema de protecção ou de restauro numa rede SDH é activado na presença de falhas graves num certo sector da rede. Essas falhas desencadeiam um processo de geração de alarmes, que por sua vez são responsáveis por activar o sistema referido. Um comportamento errático em certas funcionalidades da rede pode ser classificado como anomalia, defeito ou falha. Uma anomalia corresponde a uma degradação do desempenho do sistema. Um defeito conduz a uma incapacidade para executar um serviço devido ao mau funcionamento do hardware ou do software do sistema, ou a uma degradação do desempenho muito acentuada, traduzida por uma razão de erros binários igual ou superior a Uma falha é um defeito persistente. A detecção de um defeito a nível de caminho ou secção é realizada monitorizando o sinal recebido. Exemplos de defeitos: perda de sinal ou LOS (loss of signal), perda de trama ou LOF (loss of frame), incoerência do traço do sinal ou TIM (trace identification mismatch) e sinal não equipado ou UNEQ (signal unequipped), perda de ponteiro ou LOP (loss of pointer). As anomalias são originadas por eventos tais como perda de enquadramento de trama ou OOF (out of frame alignment), sinal degradado ou SD (signal degrade) e os erros de detectados usando B1, B2, B3 e BIP-2 desde que a razão de erros fique abaixo de João Pires Redes de Telecomunicações 158

3 Supervisão e alarmes em redes SDH (2) Critérios para detectar defeitos e anomalias: Perda de sinal (LOS) Interface eléctrica: O sinal de entrada não apresenta transições durante um certo intervalo de tempo (Siemens, 1.6 μs). Interface óptica: A potência óptica média na entrada está abaixo de um certo valor de limiar (Siemens SMA-4, 622 Mbit/s, λ=1.55 μm, o limiar é 36 dbm). Perda de enquadramento (OOF) Uma perda de enquadramento é declarada quando no mínimo 1 bit nos octetos A1 e A2 está errado durante 625 μs. O estado OOF é abandonado quando são recebidas duas tramas consecutivas com o PET correcto. ITU-T: G783. Perda de trama (LOF) Perda de ponteiro (LOP) Sinal degradado (SD) Uma perda de trama é declarada quando um OOF persiste durante um certo período de tempo ( 3 ms). O estado LOF é abandondo quando as trama são recebidas com o PET correcto durante um perído de tempo de 3 ms. ITU-T: G.783. Corresponde a receber N ponteiros consecutivamente invertidos ou N NDF consecutivos no estado activo com 8 N 10. O estado LOP é abandonado quando são recebidos 3 ponteiros válidos consecutivos. ITU-T: G783. Um sinal degradado corresponde a uma sinal cuja taxa de erros ultrapassa um limiar pré-definido no intervalo de 10-5 a João Pires Redes de Telecomunicações 159

4 Supervisão e alarmes em redes SDH (3) O estado dos defeitos é indicado por dois alarmes principais: sinal de indicação de alarme ou AIS (Alarm Indication Signal) e indicação de defeito distante ou RDI (remote defect indication). O primeiro notifica o defeito no sentido directo da transmissão da informação e o segundo em sentido inverso. MS-AIS (AIS da secção de multiplexagem): É gerado fazendo b6b7b8=111 no octeto K2 ( 3 tramas), ou colocando todos os bits a 1 no conjunto do módulo STM, com excepção do cabeçalho de regeneração. Tipos de AIS (ITU-T: G783) AU-AIS (AIS da unidade administrativa): É gerado colocando os octetos H1 e H2 no estado 1, ou colocando todos os bits (incluindo o ponteiro) da AU a 1. TU-AIS (AIS da unidade tributária): É gerado colocando os octetos V1 e V2 no estado 1, ou colocando todos os bits da TU (incluindo o ponteiro) a 1. MS- RDI (RDI de secção de multiplexagem): É gerado fazendo b6b7b8=110 no octeto K2 para m tramas (m=3-5). Tipos de RDI (ITU-T: G783) HP- RDI (RDI do caminho de ordem superior, High order path): É gerado fazendo b5=1 no octeto G1 para m tramas ( m=3,5 ou 10). LP- RDI (RDI do caminho de ordem inferior, Low order path): É gerado no VC-3 fazendo b5=1 no octeto G1 para m tramas e no VC1/VC2 fazendo b8 =1 no octeto V5 para m tramas (m=3,5 ou 10). João Pires Redes de Telecomunicações 160

5 Propagação de alarmes em sistemas SDH A transmissão de alarmes é suportada na estrutura estratificada da SDH. No caso de ocorrer um perda de sinal (LOS) numa secção de regeneração, o que implica que o sinal STM-N na direcção este é perdido, então o equipamento de terminação de secção de regeneração detecta essa falha e envia uma alarme AIS na direcção directa (sentido este). Oeste Caminho de ordem inferior (LOP,low order path) Caminho de ordem superior (HOP, high order path) Secção de multiplexagem Secção de regeneração AIS: a AIS gerada no RSTE consiste em colocar a 1 todos os octetos da trama com excepção do cabeçalho de reg. Este Equipamento terminal (TE) do caminho de ordem inferior LOPTE HOPTE MSTE RSTE LOS RSTE MSTE HOPTE LOPTE AIS AIS AIS MS-RDI K2 HP-RDI G1 LP-RDI V5 detecção de alarme geração de alarme O alarme desencadeia uma cadeia de alarmes AIS. O equipamento terminal de secção de multiplexagem (MSTE) do lado este depois de detectar o AIS envia para o MSTE do lado oeste um alarme RDI. Este procedimento repete-se para as camadas de caminho. João Pires Redes de Telecomunicações 161

6 Alarmes associado a erros BIP Quando o sinal recebido contem erros, os códigos BIP permitem detectar esses erros no âmbito das diferentes camadas. Desde que a taxa de erros seja inferior a 10-3 esses erros não conduzem a uma falha do sistema e são tratados como anomalias. A informação sobre essa anomalia deve ser enviada em sentido inverso sobre a forma de um alarme designado por indicação de erro distante ou REI (Remote Error Indication). MS-REI (REI da secção de multiplexagem): O número de blocos detectados errados pelo códico BIP-24 (B2,STM-1) é transmitido no octeto M1 para o ponto de formação da secção de multiplexagem. Tipos de REI (ITU-T: G707) HP-REI (REI do caminho de ordem superior): O número de blocos detectados errados pelo código BIP-8 (B3) é transmitido no octeto G1 (b1b2b3b4) para o ponto de formação do caminho de ordem superior. Nº erros G1 b1b2b3b Nº erros M1 b2b3b4 b5b6b7b LP-REI (REI do caminho de ordem inferior): VC-3 semelhante ao HP-REI. VC1/VC-2 Quando são detectados pelo BIP-2 um ou mais blocos errados o b3 do octeto V5 é colocado a 1 e enviado para o ponto de formação do caminho de ordem inferior Para o STM-4 o M1 permite indicar até 96 erros. Para o STM-16 ou superiores o número máximo de erros que é possível indicar é João Pires Redes de Telecomunicações 162

7 Papel de B3 e G1 na monitorização de erros Considera-se dois elementos de rede (A e B) e o protocolo associada à transmissão dos códigos BIP para o caso de um contentor virtual. BIP-8 (1) Cálculo do BIP-8 do VC nº1 NE A NE B VC nº 1 VC nº 0 Incorporação do BIP-8 (1) VC nº 2 B3 BIP-8 (1) Cálculo do BIP-8 do VC nº1 VC nº 1 Incorporação do BIP-8 (2) VC nº 3 B3 VC nº 2 B3 BIP-8 (1) VC nº 1 Comparação entre o B3 e o BIP-8 (1) VC nº 0 VC nº 1 G1 Resultado incorporado em G1 João Pires Redes de Telecomunicações 163

8 Propagação de erros em sistemas SDH Os erros de bloco são detectados comparando o BIP gerado na extremidade onde a camada é originada e cujo valor é transmitido nos octetos B, com o valor do BIP gerado na extremidade onde a camada termina. Valor do B3 de um VC na recepção Valor do BIP-8 calculado na recepção Há desacordo em três bits, logo o contador de erros do G1:REI é colocado a 3 Erros detectados na secção de regeneração originam uma sequência de alarmes: Caminho de ordem inferior (LOP,low order path) Caminho de ordem superior (HOP, high order path) Oeste Equipamento terminal (TE) do caminho de ordem inferior Secção de multiplexagem Secção de regeneração Erros LOPTE HOPTE MSTE RSTE BIP RSTE MS-BIP MSTE HP-BIP HOPTE LP-BIP LOPTE B1 MS-REI B2 B3 BIP-2 HP-REI M1 LP-RDI G1 V5 Este detecção de alarme geração de alarme João Pires Redes de Telecomunicações 164

9 Detecção e geração de alarmes TU-LOP João Pires Redes de Telecomunicações 165

10 Exemplo de propagação de alarmes (Prob.17) Considere um sistema constituído por dois elementos de rede SDH com capacidade STM- 1. Num determinado momento há uma perda de um E-3 no sentido oeste-este no NE1. Represente a sequência de alarmes originada. Oeste LOPTE VC3= HOPTE TU-AIS MSTE RSTE RSTE MSTE HOPTE LOPTE 1 AIS LP-RDI V5 NE1 NE2 1 Este detecção de alarme geração de alarme No NE2 na comunicação oeste-este há uma perda do ponteiro do AU-4. Represente a sequência de alarmes originada. Oeste Lower Order Path Termination Equipment Multiplex Section Termination Equipment Regeneration Section Termination Equipment High Order Path Termination Equipment LOPTE HOPTE MSTE RSTE RSTE MSTE HOPTE LOPTE LOP AU-AIS AIS H1,H2 1 Este detecção de alarme LP-RDI V5 HP-RDI G1 geração de alarme João Pires Redes de Telecomunicações 166

11 Sobrevivência de redes SDH As técnicas usadas para garantir que uma rede SDH continue a proporcionar serviços mesmo em presença de falhas na rede são as seguintes: Protecção de equipamento; Protecção linear; Protecção de anel; Restauro. A protecção de equipamento (cartas, lasers, etc) é garantinda duplicando o equipamento. A protecção linear é aplicada em ligações ponto-a-ponto. Essa protecção pode ser realizada a nível de caminho (protecção de caminho), ou a nível de secção de multiplexagem (protecção de secção). A protecção de anel aplica-se a topologias físicas em anel e também pode ser realizada a nível de caminho ou a nível de secção. O restauro aplica-se a redes com uma topologia física em malha e consiste em encontrar caminhos alternativos aos caminhos com falhas, sendo a operação, normalmente, coordenada pelo centro de gestão de rede. João Pires Redes de Telecomunicações 167

12 Protecção linear A protecção linear de caminho protege os caminhos individualmente, enquanto a protecção de secção protege todo o sinal STM-N. Qualquer uma dessas protecções ainda pode ser dedicada (1+1) ou partilhada (1:1). Protecção de secção dedicada (1+1) O sinal STM-N é duplicado e enviado simultaneamente pela via de serviço e pela via de protecção (fibras de serviço e protecção). Na recepção é seleccionado o sinal da via de serviço. Quando esse sinal se degrada o receptor comuta para a via de protecção. Funcionamento em estado normal comutador Fibra de serviço Fibra de protecção NE 1 NE 2 Corte na fibra de serviço comutador Alarmes que desencadeiam a comutação Perda de sinal ou LOS (Loss of Signal) Perda de trama ou LOF (Loss of Frame) AIS na secção de multiplexagem (MS-AIS) Sinal degradado ou DS (Degraded Signal) Funcionamento depois de uma falha Fibra de protecção NE 1 NE 2 O sistema pode funcionar em modo de protecção reversível (volta à situação normal depois da falha ser reparada) ou modo irreversível no caso oposto. Esta forma de protecção é muito rápida e não requer nenhum protocolo de sinalização João Pires Redes de Telecomunicações 168

13 Protecção linear (secção 1+1) A protecção linear dedicada (1+1) pode ser unilateral (single ended) ou bilateral (dual ended). No primeiro caso a comutação de protecção só tem lugar no sentido da comunicação em que ocorreu a falha, enquanto no segundo ocorre nos dois sentidos. Fibra de serviço comutador Funcionamento em estado normal Comunicação bidireccional NE 1 Fibra de protecção Fibra de serviço Fibra de protecção NE 2 No sistema unilateral reversível o sistema volta ao estado normal (tráfego sobre a fibra de serviço) depois da reparação da falha. Para estabilizar o processo há um tempo de atraso de reestabelecimento (Wait To Restore), que bloqueia o regresso ao estado normal durante um período de cerca de 5 a 12 minutos (ITU-T G-803). Comutação unilateral Fibra de serviço comutador Comutação bilateral Fibra de serviço Fibra de protecção Fibra de protecção Fibra de serviço Fibra de serviço Fibra de protecção Fibra de protecção NE 1 NE 2 NE 1 NE 2 João Pires Redes de Telecomunicações 169

14 Protecção linear (secção 1:1) A protecção de secção 1+1 requer a duplicação dos sistemas de linha, sendo por isso uma solução despendiosa. Tem a vantagem de não requerer sinalização entre os nós da rede, sendo portanto muito rápida. A protecção 1:1 requer o uso de sinalização (mais lenta), mas pode usar o sistema de protecção para tráfego não prioritário. Protecção de secção partilhada (1:1) O sinal STM-N é enviado num certo instante é enviado através de uma única via. Em presença de uma falha na fibra o sinal é comutado para a outra fibra. Requer também o uso de um comutador no emissor e um protocolo APS (Automatic Protection Switching). Funcionamento em estado normal Funcionamento depois de uma falha comutador comutador Fibra de serviço Fibra de protecção NE 1 NE 2 comutador Fibra de serviço Fibra de protecção NE 1 NE 2 Alarmes que desencadeiam a comutação Perda de sinal ou LOS (Loss of Signal) Perda de trama ou LOF (Loss of Frame) AIS na secção de multiplexagem (MS-AIS) Sinal degradado ou DS (Degraded Signal) O NE que detecta a falha (NE 2) deve comunicar com o NE que inícia a secção (NE 1) usando o protocolo APS, para este comutar o tráfego para a via de protecção. João Pires Redes de Telecomunicações 170

15 Protecção linear (secção 1:N) A protecção partilhada 1:N é derivada da protecção 1:1, tendo-se neste caso uma secção de protecção a proteger N secções de serviço. Neste caso pode proteger-se a falha numa única secção (Protecção de Secção de Multiplexa.) Comutador Secção de serviço #1 Selector O comutador ao comutar para o canal de protecção estabelece uma derivação 1 2 Secção de serviço #2 Este sistem tem de funcionar em modo reversível, ou seja, depois da falha reparada o tráfego tem de voltar à secção de serviço afectada. Secção de protecção Tráfego não prioritário N NE 1 Secção de serviço #N Secção de protecção Comutador APS NE 2 Na presença de falhas múltiplas o protocolo APS deve garantir que só o tráfego numa das secções com falhas é comutado para a secção de protecção. De acordo com a norma G.783 do ITU-T as secções de serviço são numerados de 1 a 14 e o canal de protecção (canal para tráfego não prioritário) é numerado com 15. João Pires Redes de Telecomunicações 171

16 Protocolo APS da secção de multiplexagem O protocolo de comutação de protecção automática ou APS (Automatic Protection Switching) permite coordenar a acção de comutação associada a falhas, através do envio de pedidos de comutação e da confirmação dos actos realizados. A protecção linear a nível da secção de multiplexagem faz uso dos octetos K1 e K2. O K1 indica o pedido de sinal de tráfego para uma acção de comutação. Os primeiros quatro bits indicam o tipo de pedido. Os últimos quatro bits indicam a secção que requereu o pedido. Condição: Falha de sinal ou SF(signal fail), degradação de sinal ou SF (signal degrade). Cada condição tem uma alta ou baixa prioridade. Tipos de pedidos (ITU-T: G783) Estado: Atraso de restabelecimento (wait-to-restore), ausência de pedido (no request), pedido reverso (reverse request), etc. Pedido externo: Inibição de protecção (lockout of protection), comutação forçada ou manual (forced and manual switch), etc. Os primeiros quatro bits de K2 indicam o número da secção ligada pela derivação resultante da acção de comutação. O bit 5 indica a arquitectura de protecção (é igual a 0 para 1+1 e igual a 1 para 1:N). Os outros três bits são usados para a transmissão de alarmes MS-AIS ou MS-RDI. João Pires Redes de Telecomunicações 172

17 Exemplo de comutação de protecção Tipos de pedidos (associado a cada pedido há uma prioridade): b1b2b3b Tipos de pedidos Inibição de protecção Falha de sinal (Prioridade elevada) Falha de sinal (Prioridade baixa) Degradação de sinal (Prio. elevada) Degradação de sinal (Prio. baixa) Atraso de reestabelecimento Pedido reverso Ausência de pedido Prioridade Representa-se alguns tipos de pedidos, as correspondentes prioridades e o valor dos primeiros quatro bits do octeto K1 Exemplo de comutação de protecção entre dois multiplexadores A e B A SD Depois de comparar as prioridades da ligação existente (0) com as prioridades do pedido K1= K2= (10) confirma a utilização pelo canal 3 da secção de protecção e pede a B para estebelecer uma derivação para o canal 3. K1= K2= Comuta o canal 3 para a secção de protecção. A comutação bidireccional está completa. K1= K2= Não há falhas. A protecção não é usada. K1= K2= B Degradação do sinal detectada em B no canal 3 (baixa priorid.) Informação da falha para A e pedido para comutar a secção 3 para a secção de protecção. Depois de receber o pedido reverso, estabelece uma derivação e comuta a secção para protecção. João Pires Redes de Telecomunicações 173

18 Protecção linear de caminho A protecção linear de caminho também designada por protecção de trail VC é uma mecanismo de protecção extremo a extremo que pode ser usado para proteger um caminho que atravesse a rede de um ou mais operadores. A protecção linear de caminho pode ser dedicada (1+1) ou partilhada (1:1). No último caso o protocolo APS é transmitido no octeto K3 para os VC de ordem superior ou no octeto K4 para os VC de ordem inferior. Exemplo de protecção linear 1+1 do caminho VC-12 Via 1 Via 2 VC-4 MS VC-4 MS 1e 1r 2r 2e O VC-12 é enviado simultaneamente sobre a via 1 e sobre a via 2 (1e, 2e). O BIP-2 do VC-12 controla a qualidade dos dois VC-12 recebidos (1r e 2r), permitindo escolher o de melhor qualidade. TU-12 VC-12 BIP-2 Controlo de qualidade Via 1 VC-12 Via 2 João Pires Redes de Telecomunicações 174

19 Protecção de anel: Tipos e estutura dos anéis Os anéis podem ser unidireccionais ou bidireccionais.no caso dos anéis unidireccionais um caminho (bidireccional) entre dois nós ocupa todo o anel, enquanto nos anéis bidireccionais só ocupa parte do anel. Anel Unidireccional Anel Bidireccional com 2 fibras Arco A A D B D O B C Fibra de protecção Fibra de Protecção O C Fibra de Serviço Fibra de serviço Um anel é composto de diferentes arcos, sendo cada um responsável por ligar dois nós. Os anéis ainda podem usar duas ou quatro fibras. João Pires Redes de Telecomunicações 175

20 Protecção de anel: protecção a nível de secção A protecção de anel a nível de secção de multiplexagem pode ser partilhada ou dedicada. Protecção de secção Anel com protecção partilhada de secção de multiplexagem ou MS-SPRING (Multiplex Section Shared Protection Ring) (ITU-T: G841) Anel com protecção dedicada de secção de multiplexagem ou MS-DPRING (Multiplex Section Dedicated Protection Ring) Os anéis MS-SPRING compreedem duas categorias: anéis de 2 fibras e anéis com quatro fibras. Estes anéis são bidireccionais: Os sinais de tráfego normal (canais de serviço) são transmitidos sobre os mesmos arcos mas em sentido oposto. Os canais de serviço são protegidos pelos canais de protecção, que podem ser usados para tráfego não prioritário. Na terminologia SONET esses anéis designam-se por BLSR (Bidirectional Line-Switched Rings). Os anéis MS-DPRING consistem em dois anéis unidireccionais com propagação em sentido inverso. Um transporta tráfego normal (anel de serviço) e o outro é reservado para proteger este tráfego (anel de protecção). João Pires Redes de Telecomunicações 176

21 Anel MS-DPRING No anel com protecção dedicada de secção de multiplexagem os diferentes nós estão ligados por duas fibras ópticas uma para função de serviço e outra para protecção. O anel é unidireccional e no estado de funcionamento normal só a fibra de serviço transporta tráfego. O anel de protecção é usado quando a terminação de secção de multiplexagem detecta uma falha ou uma degradação do sinal na fibra de serviço. A A D Estado Normal B Estado de Protecção D B Fibra de protecção C C Derivação Corte nas duas fibras Fibra de serviço Derivação Depois de detectada a falha inicia-se o processo de recuperação usando o protocolo APS, o qual permite estabelecer derivações da fibra de serviço para a fibra de protecção nos nós que envolvem a falha e transportar a secção afectada pela fibra de protecção. João Pires Redes de Telecomunicações 177

22 Anel MS-SPRING com duas fibras No anel MS-SPRING com duas fibras a capacidade de trabalho entre quaisquer dois nós só usa metade da capacidade bidireccional total, sendo a outra metade destinada a protecção. Assim, por exemplo, num anel com capacidade STM-N, os sinais STM-N transmitidos nos dois sentidos reservam os AU-4 numerados de 1 a N/2 para o transporte de tráfego de serviço e os AU-4 numerados de N/2-1 a N para protecção. Estado Normal STM-N Estado de Protecção A A D Protecção B D B C C Derivação Corte nas duas fibras Fibras ópticas Derivação A falha é indicada a nível de secção e a recuperação da falha usa o APS João Pires Redes de Telecomunicações 178

23 Protocolo APS de anel O protocolo de comutação de protecção automática ou APS (Automatic Protection Switching) de secção de multiplexagem usado nos anéis SDH faz também uso dos octetos K1 e K2. Os primeiros quatro bits (b1b2b3b4) de K1 indicam o tipo de pedido. Os últimos quatro bits (b5b6b7b8) indentificam o nó destinatário do pedido. Condição: Falha de sinal ou SF(signal fail), degradação de sinal ou SF (signal degrade). Cada condição pode-se aplicar ao anel ou ao arco. Tipos de pedidos Pedidos iniciados externamente ao NE (utilizador ou sistema de gestão). Estado: Atraso de restabelecimento (wait-to-restore), ausência de pedido (no request), pedido reverso (reverse request) a nível de anel ou do arco, etc. Pedido externo: Inibição de protecção (lockout of protection), comutação forçada ou manual (forced and manual switch) a nível de anel ou de arco,etc. Os nós do anel são identificados por um número escolhido entre 0 e 15, o que permite ter no máximo 16 nós por anel. Os primeiros quatro bits de K2 indentificam o nó originário do pedido. O bit 5 identifica o tipo de percurso no anel (é igual a 0 para o percurso mais curto e igual a 1 para o percurso mais longo). Os outros três bits são usados, entre outras funções, para a transmissão de alarmes MS-AIS ou MS-RDI. João Pires Redes de Telecomunicações 179

24 Aplicação do protocolo APS As etapas associadas à aplicação do protocolo APS em presença de um corte da fibra entre o nó B e o nó C são as seguintes: O nó B a partir da detecção de uma perda de sinal detecta a falha da fibra entre C e B. O nó B envia pelos octectos K1 e K2 pelo percuso mais curto e pelo mais longo um pedido de derivação para C. C depois de receber os octectos K1 e K2 e de reconhecer o seu endereço estabelece uma derivação para a via de protecção. A e D ao verificarem que os comandos recebidos não lhe são destinados reenviam-os. O nó C recebe de novo os octectos K1 e K2 pelo percuso mais longo e responde com o seu estado (comutado). Todos os nós são informados do novo estado. Quando B recebe essa informação passa também a comutado. A D Percurso mais longo A 5 Deixa passar K1 e K2 D B 2 1 Detecta a falha do sinal Envia octetos K nos dois sentidos D A 8 Estabelece uma derivação C 6 7 Recebe os octectos K1 e K2 Informa os nós do seu estado Percurso mais curto 4 Estabelece uma derivação 3 Recebe os octectos K1 e K2 João Pires Redes de Telecomunicações 180

25 Anel MS-SPRING com quatro fibras No anel MS-SPRING com quatro fibras usa duas fibras para a capacidade de serviço bidireccional e as outras duas para protecção. Neste anel a protecção pode ser de arco, quando há uma falha só nas fibras de serviço, ou de anel quando há um corte nas quatro fibras. Estado Normal Estado de Protecção (anel) A A 2 derivações D B D B Protecção C Protecção C Corte nas 4 fibras Serviço Serviço 2 derivações A falha é indicada a nível de secção e a recuperação da falha usa o APS João Pires Redes de Telecomunicações 181

26 Considerações sobre aplicação do MSPRING Tempo de comutação : Num anel sem tráfego extra, com todos os nós a funcionar em modo normal e com menos de 1200 km de fibra óptica o tempo de comutação do tráfego para a capacidade de protecção (em arco ou anel) na presença de falhas deve ser inferior a 50 ms (ITU-T: G.841). MSPRING em aplicações submarinas : A aplicação directa do protocolo MSPRING poderia levar a situações com trajectos de protecção que atravessassem três vezes o oceano. Como as distâncias entre nós podem atingir vários milhares de km há que alterar o protocolo para estes casos: Na presença de falhas todos os AU-4 afectados pelas falhas são comutados para as vias de protecção pelos próprios nós fonte. Deve-se garantir um tempo de comutação inferior a 300 ms (ITU-T: G.841). Tráfego não protegido : Os MSPRING têm possibiliade de transportar alguns canais com tráfego não protegido, desactivando o protocolo APS para determinados AU-4s. O tráfego entre A e B é protegido pela camada ATM ATM Comutador ATM A ATM MSPRING (STM-16) ATM ATM B STM-1 não protegido STM-1 não protegido João Pires Redes de Telecomunicações 182

27 Anel unidireccional com protecção de caminho O anel unidirecional com protecção de caminho, designado na terminolia SONET por UPSR (Unidirectional Path-Switched Rings) usa um esquema de protecção dedicado 1+1. O tráfego originado num determinado nó é enviado simultaneamente pela fibra de serviço no sentido dos ponteiros do relógio e pela fibra de protecção no sentido contrário. A A D Estado Normal B D Estado Normal B Fibra de protecção C Fibra de protecção C Fibra de serviço Corte nas duas fibras A comutação de protecção é realizada a nível da camada de caminho para cada ligação. A qualidade do sinal é continuamente monitorizada. Quando tem lugar um corte na fibra de serviço o nó que detecta a falha comuta para a fibra de protecção. Comuta para a protecção João Pires Redes de Telecomunicações 183

28 Interligação de anéis A interligação de anéis pode ser feita usando DXC ou s. No último caso a interligação é feita ligando as saídas inserção/extraçção de dois s de diferentes anéis. A interligação pode ser feita usando arquitecturas com um nó de interligação simples ou dual. A primeira tem um ponto de falha no ponto onde os anéis se interligam e por isso oferece um nível de fiabilidade baixo. Interligação com nó simples Interligação com nó dual Permite proteger o tráfego que transita entre os dois anéis. Uma falha num de interligação não causa problemas ao tráfego entre anéis. João Pires Redes de Telecomunicações 184

29 Facilidade extrair & continuar No caso da interligação com nó dual em vez de se estabelecer duas ligações entre o nó original e os dois nós de interligação num determinado anel, podese usar uma facilidade presente nos s designada por extrair & continuar (drop-and-continue) (ITU-T G-842). Selector De C Para C De D Para D C A D Nó 1 S Nó 1 S MSPRING 1 MSPRING 2 E B Nó 2 Nó 2 F Interligação: Eléctrica STM-1 Óptica STM-N O sinal unidireccional transmitido pelo nó C ao chegar ao nó 1 é extraído pelo desse nó e ao mesmo tempo é enviada uma réplica para o nó 2 (função continuar). O selector do nó 1 do anel 2 selecciona o sinal de melhor qualidade e envia-o para o anel. A interligação pode ser STM-1 ou STM-N. João Pires Redes de Telecomunicações 185

30 Topologias lógicas nas redes em anel O modo como o tráfego é distribuido entre os diferentes nós de um anel leva ao conceito de topologia lógica. Podem-se ter diferentes tipos de topologias lógicas: estrela simples,estrela dupla, anel, malha, misto, etc. Estrela simples Padrão de tráfego em hub simples Estrela dupla Padrão de tráfego em hub duplo Anel Padrão de tráfego adjacente Nó Pedido de tráfego bidireccional Malha Padrão de tráfego uniforme Padrão de tráfego longo Os pedidos de tráfego são entre nós diametralmente opostos João Pires Redes de Telecomunicações 186

31 Exemplos de padrões de tráfego num anel STM-16 Nó A Padrão em hub simples 8 AU-4 Nó B Padrão de tráfego adjacente 8 AU-4 Nó A Nó B 5 AU-4 Nó D 5 AU-4 8 AU-4 O tráfego deve ser 8 AU-4 encaminhado entre dois nós de modo a MSPRING com 2 fibras MSPRING com 2 fibras ocupar o menor (STM-16) número de arcos e (STM-16) de modo a carregar o menos possível 3 AU-4 cada arco. Nó C Nó D 8 AU-4 8 AU-4 8 AU-4 Nó C 8 AU-4 3 AU-4 8 AU-4 Nó A 6 AU-4 6 AU-4 Nó B Padrão de tráfego misto Matriz de tráfego (AU-4) Nós A B C D 5 AU-4 Nó D 5 AU-4 MSPRING com 2 fibras (STM-16) 3 AU-4 2 AU-4 5 AU-4 Nó C 5 AU-4 2 AU-4 Os arcos A-B e A-D estão à capacidade máxima. A B C D AU-4 João Pires Redes de Telecomunicações 187

32 Eventos e parâmetros de desempenho Bloco errado (EB, Errored Block): Bloco em que um ou mais bits estão errados. Eventos Segundo com erros (ES, Errored Second): Período de tempo de um segundo com um ou mais blocos errados. Segundo gravemente errado (SES, Severely Errored Second): Período de tempo de um segundo com 30% de blocos errados, ou no mínimo com um defeito. Erro de bloco residual (BBE, Background Block Error): Um bloco errado que não faz parte de um SES. Razão de segundos errados (ESR, Errored Second Ratio): Razão entre os ES e o número total de segundos correspondentes a um determinado intervalo de medida. Parâmetros Todos os parâmetros só consideram o tempo de disponibilidade. Razão de segundos gravemente errado (SESR, SES Ratio): Razão entre os SES e o número total de segundos correspondentes a um determinado intervalo de medida. Razão de erro de bloco residual (BBER, BBE Ratio): Razão entre os BBE e o número total de blocos num intervalo de medida, excluindos os blocos durante SES. João Pires Redes de Telecomunicações 188

33 Análise de desempenho em redes SDH A análise do desempenho das redes de transporte é baseada na norma G.826 do ITU-T. Os objectivos definidos são independentes do meio de transmissão, são baseados em blocos e permitem fazer uso de medidas de desempenho em serviço. As medidas de desempenho (monitorização dos erros) são realizadas usando o código BIP. Um código BIP-(n,m) genérico pode ser representado pela matriz: x x... xn 1,1 2,1,1 x x x 1,2 2,2... n, x x x 1, m 2, m... n, m y y... y 1 2 n X i,j : bit da sequência de entrada y i : bit de paridade de ordem i y i = xi, 1 xi,2 xi, m Os blocos correspondem aos contentores virtuais ou às tramas STM-N. Tipo de caminho Nº de bits por bloco BIP-(n,m) VC-11 VC-12 VC BIP-(2,416) BIP-(2,560) BIP-(2,1712) Relação entre a dimensão do bloco e o código BIP VC BIP-(8,765) VC BIP-(8,2349) STM BIP-(8,24801) João Pires Redes de Telecomunicações 189

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I. Capítulo 5. Tecnologias de transporte

Sistemas de Telecomunicações I. Capítulo 5. Tecnologias de transporte Sistemas de Telecomunicações I Capítulo 5 Tecnologias de transporte João Pires Estrutura estratificada das redes de telecomunicações Camada de serviços PDH, SDH, WDM Camada de transporte Camada de serviços:

Leia mais

Problemas Relativos ao Cap.4

Problemas Relativos ao Cap.4 Problemas Relativos ao Cap..1) Admita que uma trama de uma primeira hierarquia plesiócrona é constituída por 0 canais de voz de kb/s e que o enquadramento é em bloco, sendo o PET transmitido no time-slot

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2006/2007 1 Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) 2 Hierarquia

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e características das Redes SDH.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e características das Redes SDH. Redes SDH Este tutorial apresenta os conceitos básicos e características das Redes SDH. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/09/2003) Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

MTP: Message Transfer Part

MTP: Message Transfer Part MTP: Message Transfer Part Implementa um sistema de transporte fiável para a transferência das mensagens de sinalização. Fornece um serviço similar ao de uma rede de comutação de pacotes. Cada mensagem

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

Redes de Telecomunicações. IP sobre SDH 2006/2007

Redes de Telecomunicações. IP sobre SDH 2006/2007 Redes de Telecomunicações IP sobre SDH 2006/2007 IP sobre SDH Tipos de concatenação: Contígua standard; Contígua arbitrária; Virtual. 48 Concatenação contígua Este mecanismo é fornecido para permitir transportar

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ.

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. 4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Protocolos

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Sumário: Novas Técnicas aplicadas na Ethernet Full-duplex na Ethernet Controlo de

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

10. GENERALIZED MPLS (GMPLS)

10. GENERALIZED MPLS (GMPLS) 10. GENERALIZED MPLS (GMPLS) 10.1 INTRODUÇÃO GMPLS é baseado nos conceitos desenvolvidos para MPLS e, em particular, nos aspectos relativos ao plano de controlo de MPLS. GMPLS pretende disponibilizar um

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Deve justificar convenientemente todas as suas respostas.

Deve justificar convenientemente todas as suas respostas. nstituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Secção de Redes de Comunicação de Dados RC (LEC / LESTE) Exame ª Chamada 0/0/06

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores - A Camada de Enlace de Dados Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Guedes Introdução Como obter comunicação entre duas máquinas fisicamente conectadas?

Leia mais

O nível Transporte nas redes ATM

O nível Transporte nas redes ATM O nível Transporte nas redes TM Introdução Estrutura da camada de adaptação TM (L) L 1 L 2 L 3/4 L 5 Comparação entre protocolos L COP Introdução camada L (TM daptation Layer) da rede TM corresponde a

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Comunicação em Rede Arquitecturas e pilhas de protocolos 1 Comutação de pacotes com circuitos virtuais Numa rede de comutação de pacotes, mesmo que os pacotes pertençam

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Sumário Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais Sumário Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Gerência de Redes: Uso da técnica de Máquina de Regras para Análise Causa-Raiz na Manutenção

Gerência de Redes: Uso da técnica de Máquina de Regras para Análise Causa-Raiz na Manutenção Gerência de Redes: Uso da técnica de Máquina de Regras para Análise Causa-Raiz na Manutenção Este tutorial apresenta um exemplo de uso de uma Máquina de Regras (MR) em Engineering Intelligence (EI) para

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros Eytan Modiano Códigos Cíclicos Um código cíclico é um código de bloco linear onde c é uma palavra-chave, e também

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Tolerância a Faltas. Índice. Terminologia. Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas

Tolerância a Faltas. Índice. Terminologia. Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas Tolerância a Faltas Índice Terminologia Falta, erro, falha Fiabilidade, disponibilidade Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas Sistema Computacional Sistema computacional:

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Redes de Computadores. Problemas 2011/2012

Redes de Computadores. Problemas 2011/2012 Licenciatura em Engenharia Eletrónica (LEE) Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicações (LERC) Redes de Computadores Problemas Prof. Paulo Lobato Correia IST, Área Científica de Telecomunicações

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Equipamento de rede Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Eq. Rede Conceitos (I) Delay tempo que demora um bit desde que parte de uma máquina até chegar a outra. Acesso tempo para

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

Redes de Computadores. Revisões

Redes de Computadores. Revisões Redes de Computadores Revisões Classifique, com V ou F, as afirmações seguintes! A comunicação entre sistemas (ex: computadores), tendo em vista a execução de aplicações telemáticas, só é possível se existir

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2010/2011 Capítulo 4 Redes de Transporte SDH Estrutura Estratificada das Redes de Telecomunicações Camada

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE TELECOMUNICAÇÔES Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Introdução às Sumário Evolução das telecomunicações Estrutura das redes Tipos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Processamento de erros Detectar / Recuperar/ Mascarar 1º passo: Detecção. A detecção de um erro pode ser realizada por mecanismos como: - códigos de detecção de erros, - timeouts - watchdogs - verificações

Leia mais

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas 3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas O presente capítulo descreve como a tecnologia RFID é associada às tecnologias de redes de telecomunicações, de forma a ser utilizada na avaliação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

3. Disponibilidade do FSO

3. Disponibilidade do FSO 3. Disponibilidade do FSO No capitulo 2 foram exibidos os diversos parâmetros que conformam o balanço de potência do FSO. Este capitulo do trabalho irá descrever a disponibilidade do enlace, oferecendo

Leia mais