CD600Plus. CD600Plus CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CD600Plus. CD600Plus CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICAS"

Transcrição

1 RTERÍSTIS uo diagnósico Wachdog Timer heck das E/S (Loop abero) 4 Loops 8 PI s Monioração omplea : # ebug # leração online de Loop RTERÍSTIS onfiguração não-voláil (Modo, oalização, SP, saídas, ec) argraphs (indicação de variáveis) isplay alfanumérico Fronal (padrão IN 437) Rede RS485 isolada onexão Eherne (ENET-7) Esação de alarme

2 RTERÍSTIS Enradas digiais com range de ensão ajusável Saídas digiais # proeções érmicas # sobrecorrene Saída para indicação de falha Múliplas E/S Painel de operação RTERÍSTIS Plaaforma exremamene versáil onfiguração por locos Funcionais Fone para ransmissores # 4 Vdc # m I Remoo e heck RTERÍSTIS onecores Removíveis # cabos E/S # omunicação Ferramena de Programação migável Facilidade de Manuenção

3 PLIÇÕES Peroquímica Química eronaúica Refinaria Mineração Embalagens limenos Plásicos Papel e elulose ebidas çúcar e Álcool INSTLÇÃO - Fone haveada : * (85 a 64 Vac / 47 a 65 Hz) * ( a 3 Vdc) * capacidade de alimenação para 8 ransmissores - Enradas / Saídas com conecores plug-in - omunicação : * conecor plug-in * EI-485 isolada INSTLÇÃO - 8 Enradas iscreas (isoladas galvanicamene) - ircuio elerônico com proeção conra EMI e ES - Resisores Shun exernos - Fusível exerno - Inegração com os melhores sofwares de supervisão do mercado via OP server 3

4 ... smar INSTLÇÃO - IS.P Inerface conversora RS3 / RS485 e vice-versa (comunicação com P) - Sofware OP6 permie : * diversos conroladores em uma mesma rede * múliplos clienes simulaneamene acessar o servidor * roca de dados em empo real - Fronal padrão IN 437 INSTLÇÃO - Enradas e Saídas : * a m / 4 a m * a 5 Vdc / a 5 Vdc - Sinais igiais * a 3 Vdc * a KHz (Ie I) - Saídas igiais * oleor abero * relé indicação p/ falha INSTLÇÃO RS3 IS.P (Inerface) Rede de omunicação Serial * Permie aé 9 conroladores na rede * aud Rae (Taxa de omunicação) RS485 RS

5 ... smar INSTLÇÃO Rede de omunicação Eherne ENET 7 Eh RS3 RS485 RS485 RS HRWRE iagrama de locos HRWRE * ENTRS - 8 nalógicas (4~ m;~5v e ~ m/~5v - 8 igiais ( em freq. aé khz) Ponos de E/S RS485 * SÍS - 4 em correne (4-m/- m) - 4 em ensão(-5 V/-5 V) - 8 igiais (oleor bero) - Relé (Indicação de falha) 5

6 HRWRE Muli-loop TG onrole de nível onrole de vapor 3 onrole de ombusão onrole de Tiragem 4 SP 63. SP 63. SP3 63. FIL SP4 63. FIL YLE 9 FIL YLE JUST 9 FIL YLE JUST 8 9 L YLE JUST 8 M 9 7 L JUST 8 M M L 7 L 8 M 6 L 7 M L M3 M L 6 L 7 M 5 3M L 6 M L 4M L 5 3 L 6 M 4 4M L 5 3 M L 4 4 L 5 M M L SP% PV MV SP% PV MV SP% PV MV SP% PV MV SP LP L/R K /M smar PINEL FRONTL isplay lfanumerico (Monioração Geral) "Moniores de Malha" Indicador da Malha Modo uom. /Manual Modo Local / Remoo larme lo / aixo Sepoin Variável de Processo "arras Gráficas" (argraphs) Pora TG Seleor do isplay Seleor de Loop (Malha) uação Geral (sepoin,ajuse,ec) Seleor Local / Remoo Reconhecimeno de larme Seleor uo/manual uação Manual Variável Manipulada PINEL FRONTL 6

7 PINEL FRONTL PINEL FRONTL "Gerenciameno de larmes" Lisa conendo aé 36 alarmes aivos Reconhecimeno manual ou auomáico isinção dos alarmes reconhecidos Mensagens configuráveis para aé 8 alarmes I OUT EV -.. LOW FLOW HIGHFLOW O OUT K ORNEIR Fusível limenação Vac ou 4Vdc errameno da arcaça 5 bornes exraíveis: 4 para ponos E/S para comunicação onecor para omunicação Resisores Shun (5 Ohms) 7

8 ORNEIR * Eiquea de idenificação dos bornes de ligação na laeral do equipameno LOOS FUNIONIS Mulifunções onroles - Regulaório conínuo (PI) -Lógicooudiscreo - de baeladas ompensação de vazão Geração de Sepoin Toalização ondicionameno de Sinais (Seleção, limiadores, alarmes e cálculos) LOOS FUNIONIS Enradas nalógicas Enradas Enradas discreas IGITL FILTER URNOUT LIRTION H URVE n O H 3-4V OR OPEN ONTT (HIGH LEVEL) -.7V OR LOSE ONTT (LOW LEVEL) H Enradas em pulso Enradas discreas c/ emporização IGITL INPUT H I HIGH LEVEL 5-4 V OR OPEN ONTT H ENSITY I PULSES LER FSV FTOR FV X + - TOT v TOT m H TIME ELY H 8

9 LOOS FUNIONIS Saída em correne Saídas Saída em ensão LIRTION URRENT RIVER LIRTION VOLTGE RIVER FEEK - + EVITION % % % % Saída discrea 3 4 H 5 LOOS FUNIONIS PI ásico onrole PI vançado SP PV F PI. PI I.P SP PV SP PV EV OUT EXT y URVE n x PI. PI I.P SMPLING GIN TRK F FEEK EVITION WITH TIME-OUT LRM Saída Sep E TRK F erivaivo/lead-lag MV H OPEN -LST - OPEN -LOSE STEP ON/OFF LOSE T S +T S + T S +T S MNUL LOOS FUNIONIS Seleção de Sinais Seleor Hi / Lo Seleor de enradas HIGH SELETOR H LOW INVERTER Seleor Inerno / Exerno Seleor de saída com Hold H SP H REGISTER 9

10 LOOS FUNIONIS Esação Local/Remoa L L L/R RTE-OF -R HNGE -R LIMITER H -L H -L SP REMOTE Esações Esação uo/manual M M M /M H3 RTE-OF HNGE LIMITER H H REGISTER LOL MNUL EF Visualização Fronal... n n n n n SP Visualização Geral... n n n n n SP G OUNER 4/8 IGITS SP PV MV RGRPH FLSHING H LOOS FUNIONIS larme uplo larmes e Lógicas Limie Hi/Lo com larme LOW HIGH EQUL i RG + G H * + H O LOW HIGH EQUL G L * + L LIMITER LRM RG + RTE-OF-HNGE LRM Lógica Genérica Lógica de Temporização INPUT OUTPUT LOOS FUNIONIS Toalizador Toalizadores onador de baeladas MFL d I YLE TIME T I TOT - 3 T 4 IGITS MS 4 IGITS LS LER Toalização com enrada de pulso LER STRT IGITL INPUT H I PULSES FSV FTOR FV TOT v ENSITY I LER X + - TOT m

11 LOOS FUNIONIS juse Fluxo ompensação de Pressão e Temperaura SP P REGISTER L Q L Q H GS: Q = Q LIQ: Q = Q P K T P + T + + T r + T r K Gerador de Rampa e Sepoin EVITION O URVE n O SP PUSE PUSE REGISTER TIME GENERTOR RESET EN LOOS FUNIONIS riméico Genérico álculos Polinômios F) - G * * ( + IS) + G * + IS3 ( + IS) F) K 4(-) 4 +K 3(-) 3 +K (-) +K (-)+K + F) K 3+K +K +K urva de Linearização Exração de raiz URVE n OUTPUT INPUT LOOS FUNIONIS onsane uxiliares Tabela de Ponos K K K3 K4 K5 K6 K7 K8 K9 K X Y * s funções são inseridas no Loop G * é consanes podem ser uilizadas * ada abelas pode coner aé 3 ponos * mesma curva pode ser usada por blocos diferenes * Os valores inernos e saídas dos blocos esão em %

12 LOOS FUNIONIS Scan omunicação Sinonia 3 3 NLOG LOKS Kp Tr 33 8 I, 4 O 8 TOT EI-485 Td ias 4 8 IGITL L/R, /M STTUS LRM LIMITS LRM STTUS EI-485 uação REGISTERS 4 MV KEY L/R KEY /M ISRETE EI- 485 NLOGUE LRM LIMITS ONF6Plus ownload grauio do Sofware Sie nos EU (dedicado ao e ao L7) ONF6Plus Ferramena de Programação mbiene Windows Paramerização (Online / Offline) Inerface gráfica amigável Permie anoações Impora arquivos do 6 Supora na mesma rede 6 e onfiguração remoa leração Online no Loop

13 ONF6Plus Lisa dos onroladores * Visualiza a quanidade de conroladores presenes no barrameno * Idenificação do firmware em uso no conrolador * Visualização do Tag adoado para a configuração ONF6Plus Supore ao usuário * Indicação dos ponos inerligados * Visualização do formao e caracerísica do bloco ONF6Plus Supore ao usuário nálise de defeios Sinonia alibração Paramerização (Offline ou Online) 3

14 ONF6Plus Supore ao usuário * Esraégia de conrole de fácil leiura * Visualização complea da malha OP6 OP Server HMI OP lien HMI OP lien Server e onrolador lien e Server OP ONF6Plus * omunicação Serial RS-485 * juse do "aud Rae" e pora de comunicação juse da omunicação * Eherne TP/IP (usando o módulo ENET-7) 4

15 FIM. 5

CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop. smar

CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop. smar CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop 5 INTRODUÇÃO O CD600 é um poderoso controlador digital de processos, capaz de controlar simultaneamente até malhas de controle, com até 8 blocos PID e mais de 20 blocos de

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle uma marca Sumário Guia de escolha Páginas e Caracerísicas gerais Páginas e 5 elés de conrole de Apresenação Páginas 6 a 8 redes rifásicas M Ti Caracerísicas Página 9 eferências Página 0 Dimensões, esquemas

Leia mais

Pressostato / Termostato Modelo BM. Instruções para Instalação e Uso

Pressostato / Termostato Modelo BM. Instruções para Instalação e Uso Pressostato / Termostato Modelo BM Instruções para Instalação e Uso Rua Agostinho Gomes, 568 - Ipiranga - São Paulo - SP - ep 0406-000 - Fone/Fax: (11) 6169-9875. onheça nossos produtos e sistemas na Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - F FRGS Redes de Compuadores uliplexação Aula 05 Transmissão é possível sempre que a banda passane do meio for maior ou igual que a banda passane do sinal Banda analógica

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

SIMIREL Relés de supervisão 3UG

SIMIREL Relés de supervisão 3UG abela de escolha Aplicação Sisema rifásico Sisema rifásico fala de fase (com ou sem neuro) e assimeria enre fases inversão da seqüência de fases Conaos 1 comuador 2 comuadores 1 comuador ensões ensões

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components 7./ RL & : Conrolador pneumáico de volume-caudal Usado em conjuno com um prao orifício ou com um sensor de pressão dinâmica e um acuador pneumáico de regiso para conrolo do volume de ar em sisemas de ar

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

DC302 E/S Remotas Fieldbus

DC302 E/S Remotas Fieldbus smar Fieldbus Devices DC302 E/S Remotas Fieldbus DC302 E/S Remotas Fieldbus Destaques E/S discretas conectadas diretamente ao barramento FOUNDATION Fieldbus Blocos Funcionais Instanciáveis para controle

Leia mais

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110 Lisa de Parâmeros Edição 04/0 sinamics SINAMICS G110 SINAMICS G110 Documenação Guia de Iniciação O Guia de Iniciação é feio para proporcionar ao usuário rápido acesso a odas as informações básicas necessárias

Leia mais

Eficiência em dimensões reduzidas!

Eficiência em dimensões reduzidas! Caálogo Janeiro 200 para moores assíncronos Eficiência em dimensões reduzidas! Ninguém faz ano com a elericidade. para moores assíncronos Sumário Apresenação Páginas 2 e Caracerísicas, aplicações especiais

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122732 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Móvel

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE PRESSÃO LD301 LD301 CENTRO DE TREINAMENTO - SMAR TECNOLOGIA SMAR

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE PRESSÃO LD301 LD301 CENTRO DE TREINAMENTO - SMAR TECNOLOGIA SMAR TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo O que é a Série LD? São instrumentos de campo que incorporam a altamente comprovada técnica de medição de pressão

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012

VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012 1 VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012 CONTROLE DE UMA AUTOCLAVE CLÍNICA UTILIZANDO CLP José Maria Galvez 1, Gilva Altair Rossi de Jesus 2, Gleberson Marques

Leia mais

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES CONVERSOR PARA POTENCIÔMETRO KD-754TA Opera com potenciômetro ou sinal de tensão Totalmente configurável via software Saída para alarme KD-754TA plug configurador potenciômetro ou

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

Controle em Cascata. Estratégias Especiais de Controle. Estruturas de Controle Combinando Controladores PID Single-Loop

Controle em Cascata. Estratégias Especiais de Controle. Estruturas de Controle Combinando Controladores PID Single-Loop Estratégias Especiais de Controle Estruturas de Controle Combinando Controladores Single-Loop Controladores Industriais de Prof. omeu eginatto 2012 Controle em Cascata Controle de azão Controle Seletivo

Leia mais

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT!

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT! EVD evoluion driver para válvula de expansão elerônica Manual de uso NO POWER & SINAL CABLES TOETHER READ CAREFULLY IN THE TEXT! Inegraed Conrol Soluions & Energy Savings ADVERTÊNCIAS TRATAMENTO A CAREL

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

Kcel Motores e Fios Ltda.

Kcel Motores e Fios Ltda. Í N D I C E 1. Fundamenos gerais... 5 1.1 Moores de correne conínua... 5 1.2 Moores de correne alernada... 5 Família de moores eléricos... 5 1.2.1 Moores de indução... 6 1.2.1.1 Moores de indução monofásicos...

Leia mais

TECNOLOGIA FOUNDATION FIELDBUS APLICADA NO CONTROLE AVANÇADO DA VAZÃO E DO NÍVEL DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

TECNOLOGIA FOUNDATION FIELDBUS APLICADA NO CONTROLE AVANÇADO DA VAZÃO E DO NÍVEL DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Agradecemos a colaboração no desenvolvimento deste produto aos seguintes parceiros: Cláudio - Revolusom - MG Gustavo - Representante - CE e RN José

Agradecemos a colaboração no desenvolvimento deste produto aos seguintes parceiros: Cláudio - Revolusom - MG Gustavo - Representante - CE e RN José MANUAL DO USUÁRIO Agradecemos a colaboração no desenvolvimento deste produto aos seguintes parceiros: Cláudio - Revolusom - MG Gustavo - Representante - CE e RN José Virgílio - Acusticar - BA Romério -

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo 1 1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Conhecer os instrumentos e equipamentos industriais. 2. Conhecer o funcionamento

Leia mais

CR20PW. Manual do Usuário

CR20PW. Manual do Usuário CR20PW Manual do Usuário R Índice Termostato eletrônico com saída controlada CR20PW... 3 Descrição Geral... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 4 Programação... 4 Esquema de ligações...

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

LC 700 LC700 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ORIGEM DO 1º CLP

LC 700 LC700 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ORIGEM DO 1º CLP LC 700 CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ORIGEM DO 1º CLP * País : EUA * Área : Indústria Automobilística (GMC) * Ano : 1968 * Objetivo : Substituir painéis com lógicas à relés CONCEITO * Equipamento: Eletrônico

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Registrador FieldLogger

Registrador FieldLogger Registrador FieldLogger REGISTRADOR ELETRÔNICO - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.2x INTRODUÇÃO Este é um equipamento de aquisição e registro de variáveis analógicas. Opera como um Registrador Eletrônico de dados,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES SISTEMA É uma disposição, conjunto ou coleção de partes conectadas ou relacionadas de tal maneira a formarem um todo. Pode ser físico, biológico, econômico, etc. CONTROLE Estuda como agir sobre um dado

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

ALICATES. Alicate Universal. Alicate Eletricista

ALICATES. Alicate Universal. Alicate Eletricista ALICAE Os alicaes BELZER são ferramenas de nível profissional, reconhecidas como as melhores do mercado, desinadas a segurar, puxar, dobrar, girar e corar objeos dos mais diversos formaos, especialmene

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

t 1 UN 1 antieconomico Computador AT-486dx, gab. torre, micro proces. intel 80-486dx, freq. de clock 50 mhz 4mb de memoria ram placa

t 1 UN 1 antieconomico Computador AT-486dx, gab. torre, micro proces. intel 80-486dx, freq. de clock 50 mhz 4mb de memoria ram placa LAUDO DE AVALIAÇÃO/SITUAÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA A Unidade de Processamenos de Dados - Campus Araguains, após análise, avaliou os bens de Informáica conforme siuação abaixo: Iem Nº Reg Descrição Un Quan

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Registrador Field Logger

Registrador Field Logger Registrador Field Logger REGISTRADOR ELETRÔNICO MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0X INTRODUÇÃO Este é um equipamento de aquisição e registro de variáveis analógicas. Opera como um Registrador Eletrônico de dados,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares

Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa

Leia mais

LD302 - AssetView IHM

LD302 - AssetView IHM MANUAL DO USUÁRIO LD302 - AssetView IHM AssetView IHM A S V L D 3 0 2 M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços

Leia mais

INDICADOR MULTIFUNÇÃO IM 110

INDICADOR MULTIFUNÇÃO IM 110 INDICADOR MULTIFUNÇÃO IM 110 Manual do usuário Indicador Multifunção MAN-DE-IM110 Rev.: 1.00-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso INDICADOR MULTIFUNÇÃO IM 110. Para garantir o uso correto e

Leia mais

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP Tag List Tag List Generator Manual do Usuário smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02 Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

Leia mais

Manual CNT30. CNT 30 Manual de Usuário

Manual CNT30. CNT 30 Manual de Usuário CNT 30 Manual de Usuário R 1 INDICE 1- Considerações Gerais 3 2- Características 3 3- Características Técnicas 3 4- Instalação 4 5- Elétrica 5 6- Painel de Operações 6 7- Display 7 8- Teclado 7 9- Parametrização

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO DO MÓDULO GUARITA HCS 2005 - Versão 4.04 Bem vindo ao guia rápido

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS. Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores

APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS. Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores APLICAÇÕES AMF Automatic Mains Failure em caso de falhas de alimentação da rede (Grupo gerador individual) ATS

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X

Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Motores Energia Automação Tintas Relé Inteligente SRW 01 V1.3X Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Série: SRW 01 Versão do Firmware: V1.3X Idioma: Português Nº do Documento:

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

SIMULADOR DE SINAIS ANALÓGICOS G-400

SIMULADOR DE SINAIS ANALÓGICOS G-400 SIMULADOR DE SINAIS ANALÓGICOS G-400 Simulador de Sinais Analógicos Manual do usuário MAN-PT-DE-G400-01.01_13 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso G-400. Para garantir o uso correto e eficiente,

Leia mais

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ENGINSTREL ENGEMTI NUNIOR E LRME Série : Microprocessado ESRIÇÃO O nunciador de larme é um conjunto centralizado que possibi!ita uma supervisão das condições de seu processo industrial. Estas condições

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

Audio Control. Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL!

Audio Control. Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL! Audio Control Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL! APRESENTAÇÃO: Parabéns! Você adquiriu um produto SounDigital de ótima qualidade! Obrigado por confiar na

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN FUNCIONAMENTO DO SISTEMA GUARDIAN. A central de alarmes Guardian realiza o monitoramento continuo de três entradas de alarmes, fornecendo três saídas de alarmes distintas,

Leia mais

Universal Remote Profibus XM-210 DP. Manual do usuário

Universal Remote Profibus XM-210 DP. Manual do usuário Universal Remote Profibus XM-210 DP Universal Remote Profibus Manual do usuário MAN-PT-DE-XM210DP-01.01_14 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Universal Remote Profibus XM-210 DP. Para garantir

Leia mais

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1

Remota de Telemetria CPU-44440-SEG. www.liteautomacao.com.br 1 Remota de Telemetria CPU-44440-SEG www.liteautomacao.com.br 1 Índice Descrição...4 Conexões...5 Características Principais...6 Características Elétricas...7 Pinagem e conexões...8 Comunicações...12 Protocolos...13

Leia mais

Presys Instrumentos e Sistemas

Presys Instrumentos e Sistemas Versão Especial Controle da média de três entradas. Setpoint programável de 32 pontos ativado pela entrada digital. Alarme de fim de ciclo. Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta

Leia mais

Utilização do Real-Time Windows Target do SIMULINK

Utilização do Real-Time Windows Target do SIMULINK Sumário Utilização do Real-Time Windows Target do SIMULINK Laboratório de Controle II Profs: Oumar Diene Lilian Kawakami Departamento de Engenharia Elétrica Escola Politécnica Universidade Federal do Rio

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Série: SRW 01 Versão do Firmware:

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Os Micro Controladores Programáveis linha Clic WEG, caracterizam-se pelo seu tamanho compacto, fácil programação e excelente custo-benefício.

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações

Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações Controle avançado com Controladores Programáveis para Automação (PACs) Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Aplicações 2 Agenda PACs Plataforma para Aplicações de Controle Avançado

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Pipo Communications. Sinalização DTMF de Alta Velocidade. AE-1... 2 Memórias. AE-2... 6 Memórias

Pipo Communications. Sinalização DTMF de Alta Velocidade. AE-1... 2 Memórias. AE-2... 6 Memórias Pipo Communications Sinalização DTMF de Alta Velocidade AE-1... 2 Memórias Ideal para: Radiocomunicação, ANI / ENI* Emissoras de Radio e Televisão Segurança Controle de Tráfego AE-2... 6 Memórias Ideal

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo INTRODUÇÃO O é um transmissor de temperatura programável, extremamente versátil, que pode ser usado

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Manual da Comunicação Modbus-RTU

Manual da Comunicação Modbus-RTU Manual da Comunicação Modbus-RTU Relé Inteligente Série: SRW 01 Idioma: Português Documento: 10000013033 / 00 12/2007 Sobre o manual Sumário SOBRE O MANUAL...5 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 5 REPRESENTAÇÃO

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR 1/19 HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR Introdução O HM203 é um indicador/controlador que recebe um sinal de 4 a 20 ma, tem uma saída analógica 4 a 20 ma, 4 saídas de relé, e pode ter uma

Leia mais

Boletim Técnico Dezembro / 2012

Boletim Técnico Dezembro / 2012 Página 01/07 TÍTULO: INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO DO MODELO DO INVERSOR DE FREQUÊNCIA DO MOTOR VENTILADOR DAS LINHAS SCROLL SUMÁRIO: Esta publicação visa informar a substituição do Modelo do Inversor de

Leia mais

Receptor de Satélite Digital. Manual do Proprietário

Receptor de Satélite Digital. Manual do Proprietário Recepor de Saélie Digial Manual do Proprieário 1 5 4 3 2 Digial Video Broadcasing 9 6 11 17 14 18 IF - INPUT VIDEO 5V OUT ANT IN CH 4 CH 3 950-2150 MHz 14 / 18 V 350 ma MAX LOOP RS - 232 S - VHS AUDIO

Leia mais

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light http:// Manual do Usuário NibProx Light INTRODUÇÃO Independente do porte de sua empresa, residência ou condomínio, os controladores de acesso NibAccess atendem na medida certa. Compactos e com design arrojado,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DO: APARELHO PARA CONTROLE DE CALDEIRA MODELO: CLDRS-RT-1000

DESCRITIVO TÉCNICO DO: APARELHO PARA CONTROLE DE CALDEIRA MODELO: CLDRS-RT-1000 QUEM FAZ A VENDA É DEUS NÓS SOMENTE EXECUTAMOS OS SERVIÇOS COM A AJUDA DELE RUN TIME Automação Industrial & Metrologia Rua Francisco da Silva, 140 Jardim Cajubá Sertãozinho/SP CEP: 14177-105 Telefax: 16-2105-6600

Leia mais

vacon nx inversores de frequência manual de aplicação all in one

vacon nx inversores de frequência manual de aplicação all in one vacon nx inversores de frequência manual de aplicação all in one 2 vacon CONTEÚDO MANUAL DE APLICAÇÃO VACON NX "All in One" ÍNDICE 1 Aplicação Básica 2 Aplicação Padrão 3 Aplicação de Controle Local/Remoto

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Ethernet CFW500. Manual do Usuário

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Ethernet CFW500. Manual do Usuário Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Ethernet CFW500 Manual do Usuário Manual do Usuário - Ethernet Série: CFW500 Idioma: Português Nº do Documento: 10003256298 / 00 Build 323 Data

Leia mais

CR20I MANUAL DO USUÁRIO

CR20I MANUAL DO USUÁRIO CR20I MANUAL DO USUÁRIO R Índice Descrição Geral... 3 Aplicações... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 3 Programação... 4 Esquema de Ligações... 9 Dimensões (mm)... 10 2 Indicador CR20IG

Leia mais