Aniversário do CREA-PI: há 34 anos em defesa do profissional e da sociedade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aniversário do CREA-PI: há 34 anos em defesa do profissional e da sociedade"

Transcrição

1 REVISTA DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO PIAUÍ - CREA-PI ANO XII. EDIÇÃO Nº 29. NOVEMBRO/2009 Aniversário do CREA-PI: há 34 anos em defesa do profissional e da sociedade O Conselho aniversaria e presenteia você com um novo portal: dinâmico, interativo e com serviços que facilitarão o seu dia-a-dia. Páginas 4 e 5

2 Novo tempo Entramos em uma nova era no Crea-PI. E dentre as boas notícias, podemos citar como um dos avanços, a implantação do GPS - Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global). O instrumento, que tem a finalidade de produzir melhores resultados na fiscalização do Regional, já apresenta bons frutos. Gerando uma maior rapidez e agilidade na realização do trabalho dos fiscais, o GPS reforça a missão do Conselho, que é defender a sociedade da atuação de leigos exercendo ilegalmente a profissão e/ou profissionais em situação irregular com o Sistema Confea/Crea. Além disso, a fiscalização da área agronômica também tem recebido maior ênfase por parte do Regional. Nesta edição, os profissionais terão todas as informações sobre as novidades do Conselho que, com 34 anos de existência, apresenta uma nova face e pode ser conferida através do seu novo portal: mais dinâmico, interativo e com serviços pensados para facilitar o dia- a-dia dos seus usuários. No especial sobre o aniversário do Regional, conheceremos alguns dos preparativos para a festa dos nossos 35 anos, que está sendo planejada com carinho para comemorar a história dessa Autarquia tão representativa e atuante na sociedade piauiense. Falamos ainda sobre o trabalho realizado pelas Câmaras Especializadas do Crea-PI e a desertificação na região do Sudoeste piauiense, que pode ser revertida através de projetos oriundos da parceria entre governos, sociedade civil e iniciativa privada. Boa Leitura! José Borges de Sousa Araújo Presidente do Crea-PI Gilbués: o deserto que pode 'renascer' Entre tantos títulos que entristecem o nosso Estado, o Piauí é também o maior em área de solos degradados do país. A superfície de desertificação do Sudoeste piauiense é composta por 15 municípios que totalizam uma extensão de ,07 km², sendo que pelo menos 7.759,56 km² estão degradados. É um cenário que impressiona não só pelo tamanho, mas principalmente pela aceleração com que o processo vem acontecendo. E quem descreve a cena é o professor doutor da Universidade Federal do Piauí, Adeodato Salviano, especialista em manejo e conservação do solo. Há anos estudando o processo no Estado, o pesquisador conta que quem passa por Gilbués, considerado o 'pólo' da desertificação no Piauí, tem o desprazer de encontrar crateras enormes e extensas áreas com pouca ou nenhuma vegetação. É uma cena de deserto mesmo, onde podemos ver grandes sulcos ou mesmo voçorocas, que são os mais avançados estágios de erosão de um solo, diz o professor. Os primeiros grupos de estudo que citaram o processo de desertificação datam da década de 70, embora pesquisas revelem que a degradação do solo piauiense teve início por volta do ano de Os estudos mostram que, ao contrário de outras áreas desertificadas no Brasil, a região de Gilbués apresenta características climáticas diferentes. Os índices de aridez do solo oscilam entre 0,71 e 0,96, o que fica fora da faixa adotada pela Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação. Além disso, chove bastante na região, com precipitações de até 1000 mm/ano, o que distancia Gilbués das características de um lugar desertificado. A boa notícia é que, mesmo diante de tanta devastação, há saídas. Os estudos promovidos pelo Núcleo de Estudo e Pesquisa de Recuperação de Áreas Degradadas em Gilbués (Nuperade), que é patrocinado pelo Governo do Estado do Piauí desde 2003, gera resultados. Segundo Adeodato, os trabalhos de recuperação Adeodato: pesquisas garantem que pode haver vida em área degradada. do solo feitos em uma área delimitada para isso já apresentam um cenário completamente diferente. Graças às técnicas utilizadas pelos pesquisadores, com a diminuição da erosão e a recuperação da cobertura vegetal, as cores mudaram naquele cenário. O que era apenas o laranja da terra seca hoje é de um verde que emociona, comenta. Com essa resposta positiva, a luta dos pesquisadores é para que a sociedade, governos (tanto estadual como federal) e iniciativa privada unam forças para que no futuro, o que hoje é uma imensidão desolada, possa ser transformada em campos de produção de alimentos, madeira, reservas florestais e turísticas. Que o pó se torne vida. CREA-PI - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Piauí Pça. Demóstenes Avelino, 1767/Centro Fone: (86) Fax: (86) Presidente: Eng. Agrim. Civil JOSÉ BORGES DE SOUSA ARAÚJO / 1 Vice-Presidente: Eng. Civil PAULO ROBERTO FERREIRA DE OLIVEIRA / 2 Vice-Presidente: Engª Agrim. ONEIDA BARROS BEZERRA / 1 DiretorAdministrativo: Eng. Agron. JOÃO BATISTALOPES / 2 DiretorAdministrativo: Arquiteto EMANUEL RODRIGUES CASTELO BRANCO / 1 Diretor Financeiro: Engª Civil MARIA DE FÁTIMA CORDEIRO FERREIRA / 2 Diretor Financeiro: Geólogo JOSÉ IRAN PAIVA FELINTO / PRODUÇÃO: Arimatéa Carvalho, Simone Rodrigues, Vanessa Viana e Thais Loiola JORNALISTARESPONSÁVEL: Thais Loiola (DRTnº: 1418) / FOTODACAPA: Cândido Neto / TIRAGEM: Exemplares

3 Câmaras especializadas: pelo bem do exercício profissional Apreciar e decidir assuntos relacionados à fiscalização e ao exercício profissional. Esses são os principais objetivos das Câmaras Especializadas dos Creas. O Crea-PI possui cinco Câmaras que, em suas respectivas áreas, buscam medidas para aperfeiçoar as atividades dos profissionais. As Câmaras constituídas no Piauí são: Câmara de Engenharia Civil, de Agronomia, Engenharia, Arquitetura e Elétrica. Por serem a primeira instância de julgamento de suas jurisdições, elas são parte essencial dentro da estrutura do Conselho. É o que explica o Coordenador Adjunto da Câmara de Arquitetura, Emanoel Castelo Branco. Segundo ele, todas as Câmaras do Regional trabalham com a meta de fiscalizar o exercício profissional e julgar processos de má-atuação dos mesmos, com a finalidade de promover a valorização. Todo o processo de fiscalização é para que somente os engenheiros e arquitetos regularizados possam exercer suas funções. Dessa forma, eles são valorizados e a sociedade está mais segura com a prestação de bons serviços, esclarece. E é no sentido de qualificar os profissionais que a Câmara de Arquitetura planeja uma série de palestras e cursos voltados para a área. Além disso, como explica o arquiteto, o Manual de Fiscalização Profissional está sendo produzido e em breve estará em funcionamento. Com ele, o trabalho dos fiscais terá mais dinamismo. Isso já acontece em alguns Estados onde o manual já foi implantado e os resultados são muito bons. Vale lembrar que esse manual servirá para todas as nossas Câmaras, cada uma com suas particularidades, completou. Para o membro da Câmara de Engenharia, que abrange as áreas de Mecânica, Agrimensura, Geologia e Minas, Dorival Mendes, o manual de procedimentos é muito importante para uma Câmara mista, como a que ele representa. Temos técnicas e normas diferenciadas, que devem ser observadas na hora de uma fiscalização. Por isso, nossa Câmara é composta não somente por engenheiros, mas também por técnicos industriais, que estão atentos para que essas normas possam ser repassadas à Gerência de Fiscalização, disse. O Eng. Civil José Mendes de Sousa Moura, que é coordenador da Câmara de Engenharia Civil do Crea-PI e Câmaras que compõem o CREA-PI e seus coordenadores Câmara de Engenharia Civil José Mendes de Sousa Moura Câmara de Agronomia Mário Genário Cavalcante Câmara de Engenharia Marcos Machado de Albuquerque Câmara de Arquitetura Emanuel Castelo Branco Câmara de Engenharia Elétrica José Maria Anastácio Souza CREA-PI: Câmaras visam aperfeiçoar atividades dos profissionais Coordenador adjunto da Câmara Nacional de Engenharia do Sistema Confea/Crea, explica que atualmente, uma das áreas que mais exige essa fiscalização é a Geologia. Mendes lembra que o Estado está vivendo um 'boom' nos investimentos minerais e que por isso a presença do Crea, com sua ação fiscalizadora, é cada vez mais necessária. Atendendo a essas necessidades de fiscalização, a Câmara de Engenharia Elétrica, coordenada pelo Engenheiro Eletricista José Maria Anastácio Souza, tem em sua programação uma visita à Usina Eólica de Parnaíba. Segundo o coordenador, o momento será para avaliação 'in loco' de como essa energia vem sendo produzida e se todas as normas técnicas estão sendo seguidas, visando a segurança dos engenheiros que lá trabalham. Para José Maria, este será um momento único para os profissionais da área que desejam conhecer um projeto com essa magnitude. O Crea vai solicitar essa visita técnica à empresa e queremos levar conosco colegas da área para que possam ver de perto e ter elementos para trabalhar em projetos semelhantes no nosso Estado, explicitou o coordenador, acrescentando que a Câmara também está trabalhando na reativação dos serviços de lazer do Clube de Engenharia, além da regularização da Associação Brasileira dos Engenheiros Eletricistas no Piauí. Estão entre as funções das Câmaras Especializadas Julgar as infrações do Código de Ética Elaborar as normas para fiscalização das respectivas especializações profissionais; Apreciar e julgar os pedidos dos profissionais e empresas registrados; Determinar a capitulação da infração e aplicar as penalidades e multas previstas.

4 Desde 19 de setembro de 1975, orientando e fiscalizando o exercício profissional Crea-PI: há 34 anos em defesa do profissional e da sociedade Aos 19 de setembro de 1975, o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Piauí - Crea-PI, então Inspetoria do Crea-CE, é elevado à categoria de Regional, incorporando todo o território do Estado do Piauí. Desde então, a missão do Conselho tem sido orientar e fiscalizar o exercício profissional com o propósito de defender a sociedade da prática ilegal das profissões, resguardando assim, a segurança pública. Ao longo desses anos, vários profissionais de renome fizeram parte da diretoria do Crea-PI. Desde a sua fundação, o Conselho teve nove presidentes que prestaram relevantes serviços à sociedade piauiense, dentre eles: o Eng. Eletricista Renildo Nunes Cavalcante, primeiro presidente do Conselho e o Eng. Civil e Agrimensor José Borges de Sousa Araújo, atual presidente. No mês de setembro festejou-se o aniversário de 34 anos do Crea-PI e foram muitos os motivos para comemorar. Nos últimos anos o Conselho tem crescido e se modernizado, possibilitando uma atuação cada vez mais ágil e eficiente. No segundo mandato do presidente reeleito, Eng. Agrimensor e Civil José Borges de Sousa Araújo (1º de Janeiro de 2009 a 31 de Dezembro de 2011), o seu compromisso tem sido continuar na consolidação do trabalho voltado para a modernização dos serviços e dos processos administrativos tornando-os cada vez mais ágeis e eficientes; qualificar e capacitar os colaboradores do quadro de pessoal; fortalecer as entidades e ampliar o patrimônio, com vistas à extensão da atuação para todo o Estado. Serviços essenciais para a área tecnológica, como a informatização da Sede e das Inspetorias sempre foram prioridade desde o primeiro dia da atual gestão. Com os investimentos efetuados até agora, foram disponibilizados, dentre outros serviços, a ART on line, certidões negativas de pessoas físicas e jurídicas, segunda via de anuidades e consulta às normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, que já se popularizaram entre os profissionais e continuarão sendo oferecidas. Graças a um convênio entre o Crea-PI e o Crea-RN, avanços foram implementados no Regional e todas as informações sobre os profissionais e empresas piauienses estão armazenadas em um software desenvolvido para ambiente web. Chamado de Minerva WEB, o novo sistema corporativo é repleto de vantagens e abriga o cadastro dos profissionais e empresas, autos de infração, ARTs e permite a impressão de boletos com código de barras, facilitando ao profissional realizar procedimentos que antes necessitavam de sua presença na sede do Conselho ou nas Inspetorias. Para garantir o direito dos profissionais da área tecnológica de receber o salário mínimo previsto em lei, o Crea-PI instituiu um Grupo de Trabalho específico para lutar pelo cumprimento da Lei A nas entidades públicas do Estado. O GT está desenvolvendo discussões e ações junto ao governo e entidades privadas no sentido de cobrar a aplicabilidade da referida lei e contribuindo para a valorização da classe. Até 2006, das nove Inspetorias do Crea-PI apenas a de Picos possuía sede. Hoje, o Regional vive outra realidade e já possui mais 2 Inspetorias sediadas em imóveis próprios: Parnaíba e Uruçuí. Os imóveis foram adquiridos em 2007 e 2008, respectivamente, e a pretensão é continuar ampliando o patrimônio do Regional e equipando as Inspetorias com móveis e computadores novos, além de um espaço exclusivo para os engenheiros,

5 arquitetos, agrônomos e técnicos que fazem o Crea-PI: a Sala dos Profissionais. O concurso realizado em Fevereiro de 2008 foi um sucesso. Com vagas para contratação imediata e formação de cadastro reserva, para especialidades de níveis fundamental, médio e superior, o Regional disponibilizou cargos de agente de fiscalização, administrador, advogado, analista de informática, contador, profissional de nível superior do Sistema Confea/Crea, agente de portaria, auxiliar de serviços gerais, auxiliar administrativo e motorista. Parte desses profissionais já fazem parte do corpo de colaboradores do Crea-PI. A continuação do trabalho de valorização profissional através da promoção de congressos, palestras e cursos de capacitação na capital e no interior tem sido realidade do Regional durante esse ano, sendo prevista ainda a instalação das seis novas Inspetorias que foram criadas na atual gestão, nas cidades de Água Branca, Campo Maior, Esperantina, Paulistana, São João do Piauí e Valença. Desta maneira, o Crea-PI busca através de suas ações o reconhecimento dos profissionais, empresas e sociedade, tendo como objetivo tornar-se cada vez mais ágil e eficiente, sem deixar de lado a sua missão finalística, que é assegurar o exercício legal das profissões e defender a sociedade. 35 anos do Crea-PI: memória do Regional será resgatada Incumbida de fazer um resgate da memória do Crea-PI para o aniversário de 35 anos do Regional, esteve em Teresina, de 10 a 14 de agosto, a assistente técnica da biblioteca do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), Socorro Ferro. O trabalho de resgate consiste em fazer uma busca por documentos que são importantes para a história do Regional: Procuro as primeiras atas, fotos, quem eram as pessoas que estavam presentes no momento da instalação, o que levou à criação do Crea, quais entidades contribuíram, as instituições de ensino, as entidades de classe. Daí você passa a ver a primeira composição, os primeiros atos, a primeira Inspetoria que foi instalada, a primeira ART que foi registrada, o primeiro profissional, explica Socorro. Para Socorro Ferro, esse trabalho é importante porque o profissional passa a ter um maior conhecimento do sistema, entende a história do Conselho, as suas primeiras aquisições, como foi o seu crescimento e os avanços alcançados desde a sua criação. A assistente vê como um marco na história do Regional a aquisição do prédio da sede. Comprar o seu próprio imóvel é um crescimento importante para a instituição, por que é um bem dos profissionais que contribuem e vêem o seu dinheiro sendo empregado em algo que os beneficie. A tarefa inicial de coleta e identificação dos materiais feita por Socorro deverá continuar durante o ano, através inclusive dos profissionais que poderão colaborar. Os profissionais também fazem parte dessa história, eles são peças fundamentais na evolução do Crea, conclui. Arcebispo Dom José Freire Falcão, Arquiteto Raimundo de Castro Dias, então presidente do Crea-PI, Eng. Inácio Ferreira, ex-presidente do Confea e arquiteto Miguel Caddah, durante a inauguração da sede do Regional Novo portal: dinamismo e praticidade para o profissional Desde o mês de outubro, em comemoração aos seus 34 anos de existência, o portal do Crea-PI está de cara nova. Além de melhorar os serviços já disponíveis, o novo portal acrescenta outros que serão de total utilidade para os profissionais e a sociedade. Principais inovações: Crea-Jr: acesso à página própria com informações úteis para os estudantes; Banco de empregos: cadastro de currículos dos profissionais e oferta de vagas para a área tecnológica por parte de empresas interessadas; Prestação de contas: acesso ao balanço social; Espaço para as entidades de classe registradas no Crea; Mala-direta: criação de um marketing, onde os profissionais poderão se cadastrar para receber boletins informativos do Conselho; Taxas: página com as principais taxas do Regional, sempre atualizada. Serviços aperfeiçoados: ARTs: nova interface com link para registro da anotação; Licitações: página com as licitações em aberto e seus respectivos editais; Fale conosco: formulário para contato direto com o setor desejado no Regional. Além do acréscimo desses serviços, o site também dispõe de um menu mais interativo, uma interface mais arrojada e dinâmica, visando não só melhorar o aspecto visual, mas facilitar a comunicação com os profissionais do Sistema.

6 Fiscalização a serviço da sociedade Defender a sociedade acima de qualquer interesse. Essa é a missão do Crea-PI, justificada por uma fiscalização que visa garantir a segurança da população. O chefe do Departamento de Fiscalização do Regional, Wolteres Alencar Miranda, explica que o trabalho baseia-se na fiscalização de todas as áreas da engenharia, da arquitetura, da agronomia, da geologia, da geografia e da meteorologia, em seus níveis médio e superior, em todo o Estado. De acordo com Wolteres, essa fiscalização é dividida entre: interna, inteligente e preventiva e integrada. A fiscalização interna do Regional consiste na consulta a sites, jornais, editais e diários oficiais. "São vários os recursos que os agentes têm para efetuar o trabalho. À medida que encontram informações sobre obras e serviços, eles consultam o banco de dados do Conselho e, se a obra não estiver registrada, automaticamente emite-se uma notificação", esclarece. Outra forma de fiscalização destacada é a preventiva e integrada, feita anteriormente à realização de grandes eventos, como o Piauí Pop e o Carnaval de Rua de Teresina, ou quando surgem indícios de irregularidade em determinada obra. Já a fiscalização inteligente acontece interna e externamente, através do trabalho dos agentes fiscais que têm a tarefa de percorrer municípios (zona urbana e rural) aferindo a regularidade de obras e serviços. E para auxiliar o trabalho externo desses fiscais, o Regional utiliza uma nova ferramenta: o Sistema de Posicionamento Global (GPS). Utilizado em caráter experimental no mês de maio e implantado em julho desse ano, o GPS é um equipamento que realiza o acompanhamento diário da rota percorrida pelos fiscais. "Através do GPS nós detectamos todos os pontos da cidade por onde o fiscal passou", informa Miranda. Segundo ele, o novo sistema deverá ser estendido a todas as inspetorias do Crea, permitindo o acompanhamento total das atividades fiscais. Ao efetuar a fiscalização do exercício profissional, o Crea impede a atuação de leigos, garantindo a atuação de profissionais legalmente habilitados. Wolteres enfatiza que a fiscalização é importante principalmente para evitar que tragédias aconteçam e ponham em risco a vida da população: A principal preocupação do Crea é a preservação do bem-estar da sociedade. A sociedade pode fiscalizar! Fiscalização: Sistema GPS é utilizado desde o início de 2009 Fiscalização da área Agronômica é ampliada pelo Crea-PI Desde o mês de setembro, o Regional fiscaliza com maior ênfase a modalidade de Agronomia, o que representa um grande avanço para o Conselho, para a sociedade e, inclusive para o meio ambiente, que sofre as agressões dos erros causados pelas práticas ilegais. Para habilitar os agentes fiscais, os engenheiros agrônomos Mário Genário Cavalcante e Carlos Pádua, que integram a Câmara Especializada de Agronomia do Regional, ministraram um treinamento para estabelecer os parâmetros adequados para fiscalizar a modalidade. O trabalho inicial consistiu em formular estratégias, metodologias e ações específicas da inspeção na área. De acordo com o gerente do dep. de fiscalização do Regional Paulo George, a fiscalização na Agronomia está sendo realizada de acordo com as orientações que foram determinadas pela Câmara. "Nós verificamos os estabelecimentos que têm atividade de agronomia e analisamos se a prática está de acordo com as normas estabelecidas pela Lei 5.194/66", pontua. Durante as primeiras inspeções, os fiscais contam ainda com o apoio de um profissional da área. Eles têm maior conhecimento e nos dão o direcionamento para o que realmente necessita ser cobrado e verificado nos estabelecimentos visitados", esclarece. Fiscalização de obras e serviços da área tecnológica não é uma tarefa exclusiva dos agentes fiscais. A sociedade também pode contribuir de forma a barrar o exercício ilegal das profissões. Como posso fiscalizar? Você pode fiscalizar verificando se a obra possui a placa do Crea-PI. A placa é uma exigência legal e informa para a comunidade sobre a presença de profissional habilitado naquele empreendimento. Se a obra não tiver placa afixada, como devo proceder? Entre em contato conosco: - Pelo - Pelos telefones: (86) / (86) Pelo denúncia on-line no site:

7 Mútua-PI terá sede própria ACaixa de Assistência dos Profissionais do Crea/PI - MÚTUA-PI está com uma nova diretoria desde janeiro de 2009, que pela primeira vez foi escolhida através de eleições diretas, cujos membros, Diretora Geral - Eng. Civil Maria do Socorro Seabra; Diretora Administrativa - Eng. Agron. Jacqueline Diniz; Diretor Financeiro - Eng. Agrim./Civil Walterwilson Leite, já fizeram grandes realizações através de uma administração voltada a oferecer a seus associados planos de benefícios sociais, previdenciários e assistenciais, que propiciem uma melhor qualidade de vida aos mutualistas. Ao assumir, os novos diretores tiveram como principal preocupação a compra de um imóvel para os mutualistas, antigo anseio de todo o Sistema Confea/Crea e Mútua no Piauí, e que agora é uma realidade para os profissionais associados. O imóvel adquirido, localizado nas proximidades do Crea-PI, é um edifício comercial de dois pavimentos que, após reformado, passará a alocar, além da Mútua, todas as entidades de classe que pagarão pelo espaço um aluguel simbólico e terão direito a toda a estrutura disponibilizada pela Mútua-PI. Nesse imóvel, os associados contarão com um espaço agradável para fazer pesquisas, utilizar as Normas da ABNT, programas de softwares de engenharia e arquitetura e contarão ainda, com MODALIDADES DE ASSOCIAÇÃO Sócio Contribuinte Sócio RT Corporativo Sócio Institucional Diretores da MÚTUA-PI no projeto de interiorização: visita aos profissionais da região de Picos MÚTUA-PI: Diretor Financeiro Walterwilson Leite, Diretora-Geral Socorro Seabra e Diretora Administrativa Jacqueline Diniz Vantagens de ser sócio da Mútua Previdência Complementar Convênios Regionais Convênios Nacionais biblioteca, auditório e a segurança de um estacionamento interno. E o melhor: toda essa estrutura foi planejada para facilitar o dia-a-dia dos mutualistas e estará disponível tão logo seja inaugurada a nova sede. Outra realização importante da atual administração tem sido a divulgação da Mútua, seja através de telemarketing, visitas a profissionais, ou mesmo participando de todos os eventos do Sistema, não somente na capital, mas também no interior do Estado. É como disse a diretora geral Socorro Seabra: "Como os profissionais não vêm até a Mútua, nós estamos levando a Mútua até eles. Nós participamos de todos os eventos do Crea-PI, Sindicato e Entidades de Classe. A Mútua está sempre presente, patrocinando os eventos quando é convidada, dentro das suas possibilidades". A diretora comemora o resultado. "O mais interessante é que hoje os profissionais nos procuram e perguntam: - Quais os benefícios que a Mútua tem para me oferecer? Como faço para ser sócio da Mútua? E isso nos alegra, porque o nosso desejo é estar presente na vida de todos os profissionais que se associam à Mútua melhorando, dentro de nossas atribuições, a sua qualidade de vida. Para se associar à Mútua, o profissional deverá preencher o cadastro on-line através do site pagar a taxa de inscrição no valor de R$10,00 e anuidade no valor de R$130,00. O boleto para pagamento da taxa de inscrição é gerado automaticamente no ato da associação e a anuidade é enviada posteriormente para o endereço do associado. Maiores informações poderão ser obtidas através dos telefones da Mútua-PI: (86) e (86) no horário comercial. Podem associar-se à Mútua todos os profissionais registrados no Crea, em dias com suas obrigações, e todos os funcionários do Sistema Confea/Crea e Mútua.

8

O fortalecimento das Organizações Profissionais. Eng. Agrimensora Vânia Abreu de Mello

O fortalecimento das Organizações Profissionais. Eng. Agrimensora Vânia Abreu de Mello O fortalecimento das Organizações Profissionais Eng. Agrimensora Vânia Abreu de Mello Quem sou? Engenheira Agrimensora; Especialista em Geociências e Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional;

Leia mais

O Sistema Confea/ Crea

O Sistema Confea/ Crea O Sistema Confea/Crea é regido pela Lei nº 5.194, de 24/dez/1966. O Sistema Confea/ Crea O Conselho Federal e os Conselhos Regionais são autarquias* dotadas de personalidade jurídica de direito público,

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho

Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho Plano de Gestão 2015-2017 Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho Superintendência de Planejamento e Gestão Outubro/2015 Introdução Os recursos oriundos de multas ou indenizações

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PROGRAMA CONSELHEIROS

PROGRAMA CONSELHEIROS PROGRAMA CONSELHEIROS Um projeto de cooperação entre as Instituições de Ensino Superior e o CREA-MG Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas Gerais LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL

VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL Um pouco da história da valorização das profissões de engenharia, agronomia, agrimensura e arquitetura no Brasil. Art. 3º. Logo que alguma das sobredictas obras fôr projectada,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta

Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta Audiência para tratar das possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em riscos de acidentes nos aeroportos de pista curta JAQUES SHERIQUE Eng. Mec. e de Seg. do Trab. Vice-Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Fiscalização CAU/SC. LEI nº 12.378/2010

Fiscalização CAU/SC. LEI nº 12.378/2010 Fiscalização CAU/SC LEI nº 12.378/2010 1º O CAU/BR e os CAUs têm como função orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de arquitetura e urbanismo, zelar pela fiel observância dos princípios

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

SISTEMA DE EMISSÃO DE CERTIFICADO ONLINE

SISTEMA DE EMISSÃO DE CERTIFICADO ONLINE SISTEMA DE EMISSÃO DE CERTIFICADO ONLINE AUTOR: CLÁUDIA VAZ CRECCI Especialista em Engenharia de Software com ênfase em Arquitetura Orientada a Serviço (SOA), Analista B, Embrapa Meio Ambiente, claudia@cnpma.embrapa.br

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO EAD DE ENGENHARIA CIVIL. Ronald Donald Salvador/BA, 19/05/2014 Representando a CCEEC / CONFEA e CREA/SE

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO EAD DE ENGENHARIA CIVIL. Ronald Donald Salvador/BA, 19/05/2014 Representando a CCEEC / CONFEA e CREA/SE REFLEXÕES SOBRE O ENSINO EAD DE ENGENHARIA CIVIL Ronald Donald Salvador/BA, 19/05/2014 Representando a CCEEC / CONFEA e CREA/SE 1. O PAPEL DO SISTEMA CONFEA/CREA 2. A AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA e o EAD O

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho PUBLICIDADE IT. 40 09 1 / 4 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para a execução das atividades de publicidade do Crea GO. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PO. 08 Avaliação da satisfação do cliente 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli Informatize sua igreja com a Gileade Sistemas! A empresa A Gileade Sistemas busca o que há de melhor em tecnologia para oferecer às igrejas soluções que auxiliem na organização administrativa e que possam,

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE CAT Solicitação de CREA-SP N-LINE PASSO-A-PASSO 1 2 CREA-SP SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE: A QUALQUER HORA, EM QUALQUER LUGAR! O QUE É ACERVO TÉCNICO? É o conjunto das atividades

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE. Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM

Relatório de Comunicação e Engajamento COE. Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM Relatório de Comunicação e Engajamento COE Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM Declaração de Apoio Continuo do Presidente 21/08/2015 Para as partes interessadas: Tenho o prazer de confirmar

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Título: Coordenador do Projeto CMRV - Acre Local: Rio Branco, Acre 2. Introdução: TERMOS DE REFERÊNCIA Um sistema de monitoramento, relatoria e verificação (MRV) é um componente essencial para o desenvolvimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

Oficinas C Diálogo e atualização: metas do encontro de atualização apacitar, dialogar e atualizar. Essas foram as três metas principais do projeto Encontro de Atualização Administrativa, realizado pelo

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem Manual do Síndico O que é o CREA-RO? O C o n s e l h o R e g i o n a l d e E n g e n h a r i a e Agronomia do Estado de Rondônia - CREA- RO é uma autarquia

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL

FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL Eng. ª Civil Cristiane de Oliveira Analista de Processos CEEC Rogério Fernando G. de Oliveira Supervisor Temas a serem abordados: - Fiscalização em obras de Profissionais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE SONDAGENS À PERCUSSÃO TIPO SPT

CERTIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE SONDAGENS À PERCUSSÃO TIPO SPT CERTIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE SONDAGENS À PERCUSSÃO TIPO SPT Objetivo geral Proposta do NRCO Propiciar a melhoria da qualidade das sondagens em todo o país bem como padronizar os procedimentos operacionais

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

3. Mundo do Trabalho: Facilitador: Eng. Agrícola Carlos Aurélio Dilli Gonçalves Coordenador: Eng. Civil Mec. Alberto Stochero

3. Mundo do Trabalho: Facilitador: Eng. Agrícola Carlos Aurélio Dilli Gonçalves Coordenador: Eng. Civil Mec. Alberto Stochero 3. Mundo do Trabalho: Facilitador: Eng. Agrícola Carlos Aurélio Dilli Gonçalves Coordenador: Eng. Civil Mec. Alberto Stochero Legislação Profissional O Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS AMBIENTAIS - ANEAM Marco Regulatório da Engenharia Ambiental e Engenharia

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA www.caubr.gov.br SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA Máximo Miqueles Coordenador de Geotecnologia CAU/BR São Paulo, SP 07 de maio de 2014 SISTEMA IGEO OBJETIVO

Leia mais

Plano de Negócio EON. Escola Digital

Plano de Negócio EON. Escola Digital Plano de Negócio EON Escola Digital Resumo Executivo A EON é uma startup de educação que tem como principal objetivo capacitar profissionais do mundo digital, levando conhecimento específico, relevante

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 1 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 (Apensados os Projetos de Lei nº 2.194, de 1996, nº 981, de 1999, nº 6.639, de 2002, nº 6.640,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE PERNAMBUCO CREA-PE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE PERNAMBUCO CREA-PE Versão 1.0.3 Página 1 de 30 13/08/2013 INTRODUÇÃO O Crea-PE está dando um grande passo rumo à modernização em sua área de informatização: está substituindo o seu sistema de cadastro para melhorar o atendimento

Leia mais

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR Central Cliente Questor (CCQ) O que é a Central Cliente Questor? Já é de seu conhecimento que os Usuários do sistema Questor contam com uma grande ferramenta de capacitação e treinamento no pós-venda.

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Coren-MG - Tecnologia da Informação Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Infraestrutura Projeto Inicial de Infraestrutura Formação de equipe de TI interna; Estruturação de Datacenter; Redução

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP 2015 O ANO DO NOVO Após uma década reconhecendo diversos Especificadores por todo o Brasil, chegou a hora de inovar e tornar o Programa

Leia mais

Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas

Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas NTERATVDADE - MOBLDADE - AGLDADE - SEGURANÇA Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas Controle todos os setores da sua instituição pela

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 643, DE

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA A.R.T. NACIONAL Este passo a passo visa instruir o preenchimento correto do formulário eletrônico da A.R.T. Nacional. O Crea-Minas disponibiliza aos profissionais e empresas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais