MÁRIO AUGUSTO GOMES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE LAUDOS HISTOPATOLÓGICOS BASEADO NA PLATAFORMA MICROSOFT.NET 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÁRIO AUGUSTO GOMES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE LAUDOS HISTOPATOLÓGICOS BASEADO NA PLATAFORMA MICROSOFT.NET 2.0"

Transcrição

1 MÁRIO AUGUSTO GOMES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE LAUDOS HISTOPATOLÓGICOS BASEADO NA PLATAFORMA MICROSOFT.NET

2 MÁRIO AUGUSTO GOMES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE LAUDOS HISTOPATOLÓGICOS BASEADO NA PLATAFORMA MICROSOFT.NET 2.0 Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, como parte dos requisitos para obtenção do título de MESTRE, pelo Programa de Pós-Graduação em BIOPATOLOGIA BUCAL, Área Patologia. Orientadora: Profa. Tit. Yasmin Rodarte Carvalho Co-orientador: Prof. Adj. Luiz Eduardo Blumer Rosa São José dos Campos 2011

3 Apresentação gráfica e normalização de acordo com: Alvarez S, Coelho DCAG, Couto RAO, Durante APM. Guia prático para Normalização de Trabalhos Acadêmicos da FOSJC. São José dos Campos: FOSJC/UNESP; G585d Gomes, Mário Augusto. Desenvolvimento de um sistema de laudos histopatológicos baseado na plataforma microsoft.net 2.0 / Mário Augusto Gomes. São José dos Campos : [s.n.], f. : il. Dissertação (Mestrado em Biopatologia Bucal) Faculdade de Odontologia de São Jose dos Campos, Universidade Estadual Paulista, Orientador: Profa. Dra. Yasmin Rodarte Carvalho Co-orientador: Luiz Eduardo Blumer Rosa 1. Informática em Saúde. 2. Informática em Patologia. 3. Diagnóstico. I. Carvalho, Yasmin Rodarte. II. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Odontologia de São José dos Campos. III. Título Ficha catalográfica elaborada pelo Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos UNESP AUTORIZAÇÃO Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, desde que citada a fonte. São José dos Campos, 11 de abril de Assinatura :

4 BANCA EXAMINADORA Profa. Titular Yasmin Rodarte Carvalho (Orientador) Faculdade de Odontologia de São José dos Campos UNESP - Univ Estadual Paulista Prof. Dr. Decio dos Santos Pinto Júnior Faculdade de Odontologia de São Paulo Universidade de São Paulo - USP Prof. Dr. Ivan Torres Pisa Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP São José dos Campos, 26 de maio de 2011.

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais, por me darem a vida e à minha amada esposa, Ana, por fazê-la ter sentido. À minha querida filha Isabela, presente em todos os meus momentos. meu coração. Aos meus queridos Rafael, Luís, Frederico e Camila, sempre no

6 AGRADECIMENTOS À Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, nas pessoas do diretor e vice-diretor da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, Prof. Adj. José Roberto Rodrigues e Prof. Dr. Carlos Augusto Pavanelli. Ao Programa de Pós-graduação em Biopatologia Bucal, na pessoa da coordenadora Profa. Adj. Cristiane Yumi Koga Ito, pelo trabalho e atenção quando sempre precisei. Ao Prof. Tit. Antonio Olavo Cardoso Jorge, pela coragem em acreditar em nosso trabalho. À Universidade Federal de São Paulo, todos os professores e tutores do Curso de Especialização em Informática em Saúde, em especial, ao Prof. Dr. Ivan Torres Pisa e Prof. Dr. Carlos José Reis de Campos por todos os ensinamentos que recebi. Às secretárias da Pós-graduação, Rosemary, Erena e Bruno pela prontidão em nos atender sempre. Ao analista de sistemas, Cleber Wander Fernandes Pinheiro, pelo suporte nos momentos mais complicados. Agradeço a todos os docentes do programa de Biopatologia Bucal e, em especial, à Prof.ª Titular Yasmin Rodarte Carvalho, Prof.ª. Drª. Adriana

7 Aigotti Haberbeck Brandão e Prof. Dr. Luiz Eduardo Blumer Rosa, pela gentileza de sempre e por todos os ensinamentos. Agradeço a todos os profissionais do Programa de Saúde Bucal da Secretaria Municipal de São José dos Campos, pela compreensão na reorganização dos meus horários de trabalho.

8 "Nós, homens do conhecimento, não nos conhecemos; de nós mesmo somos desconhecidos." Friedrich Nietzsche

9 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE FIGURAS LISTA DE QUADROS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Sociedade da Informação e a Patologia Sistemas de Informação em Saúde Tecnologia da Informação Desenvolvendo Sistemas de Informação em Saúde Engenharia de Software Linguagens de Programação Ferramentas de Desenvolvimento Sistema Gerenciador de Banco de Dados e Banco de Dados Arquitetura de desenvolvimento em três camadas A Tecnologia Microsoft.NET Framework Licenças de Software PROPOSIÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Métodos RESULTADOS Definição de metas e prioridades Estruturação e padronização de termos Indicadores importantes e dados relevantes para

10 utilização no setor Fluxos de informação, coleta e recursos humanos Modelagem de dados Tecnologia utilizada e programação Definição de problemas, resistências Infraestrutura e financiamento DISCUSSÃO Definição de metas e prioridades Estruturação e padronização de termos Indicadores importantes e dados relevantes para utilização no setor Fluxos de informação, coleta e recursos humanos Modelagem de dados Tecnologia utilizada e programação Definição de problemas, resistências, infraestrutura e financiamento CONCLUSÃO REFERÊNCIA APÊNDICE ANEXO

11 Gomes MA. Desenvolvimento de um sistema de laudos histopatológicos baseado na plataforma Microsoft.NET 2.0 [dissertação]. São José dos Campos: Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ; RESUMO O objetivo deste trabalho foi desenvolver um sistema informatizado de laudos histopatológicos baseado na plataforma.net 2.0. Este software construído para o Sistema Operacional Microsoft Windows utilizou a plataforma Microsoft Framework 2.0 com a camada de resistência de dados Microsoft SQL Server Outros recursos como Microsoft Report View foram utilizados como ferramenta para geração de relatórios estatísticos, sócio-epidemiológicos e de gerenciamento do serviço de exames anatomopatológicos da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos - UNESP. Para a realização deste software foram levantadas, na literatura, pesquisas nas áreas de Engenharia de Software, Patologia Bucal, Tecnologia da Informação e Comunicação em Saúde, Gestão em Serviços de Saúde, Sistema de Informação em Saúde, Diagnóstico Oral e Técnicas de Programação. O software desenvolvido teve a finalidade de suprir a demanda acadêmica na produção científica e aprimorar o serviço prestado à comunidade, além de constituir-se numa ferramenta pedagógica para os alunos da Pós-graduação em Biopatologia Bucal, Área Patologia. Palavras-chave: Informática em Saúde. Informática em Patologia. Diagnóstico.

12 Gomes MA. Development of a system of histopathology reports based on the Microsoft. NET 2.0 [dissertation]. São José dos Campos, School of Dentistry of São José dos Campos, UNESP Univ Estadual Paulista; ABSTRACT The objective of this study was to develop a computerized system based on Microsoft NET 2.0, using histopathological examinations.this software built for Microsoft Windows operating system used the Microsoft Framework 2.0 with a layer of resistance to Microsoft SQL Server Other features like Microsoft Report View was used as a tool for generating statistical reports, epidemiological and social-service management of pathological examinations of the Faculty of Dentistry of São José dos Campos - UNESP. For the realization of this software have been raised in the literature research in the areas of Software Engineering, Oral Pathology, Information Technology and Communication in Health, Health Services Management, Information Technology in Health, Oral Diagnosis and Programming Techniques. The developed software was designed to meet the demand in the academic scientific production and improve service to the community, and building up a teaching tool for students of the Postgraduate Dental Biopathology Area Pathology. Keywords: Pathology Informatics. Health Informatics, Diagnosis.

13 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Ciclo Clássico de Software Figura 2 - Imagem do Microsoft Visual Studio.NET Figura 3 - Fluxo de trabalho do Examinador Figura 4 - Fluxo de tarefas do Técnico de Laboratório Figura 5 - Fluxo de trabalho do Professor da Patologia Figura 6 - Exemplo de documento UML de casos de uso Figura 7 - Sequência de digitação de laudos antigos por digitador Figura 8 - Sequência básica de processos para Laudo Histopatológico e Avaliação de Aluno Figura 9 - Fluxo de preenchimento da requisição de exame Figura 10 - Formulário de Requisição de Exame (Entrada) Figura 11 - Formulário de Requisição de Exame (profissional solicitante) Figura 12 Formulário de Requisição (Paciente) Figura 13 Formulário de Requisição (história médica) Figura 14 Formulário de Requisição (história de tabagismo) Figura 15 Formulário de Requisição (história de etilismo) Figura 16 Formulário de Requisição (história de uso de drogas ilícitas) Figura 17 Formulário de Requisição (história de hábitos) Figura 18 Formulário de Requisição (história familiar) Figura 19 - Formulário de Requisição (medicamentos em uso pelo paciente) Figura 20 Formulário de Requisição (detalhes da biópsia) Figura 21 Formulário de Requisição (características da lesão) Figura 22 Formulário de Requisição (localização da lesão)... 87

14 Figura 23 Formulário de Requisição (aspectos radiográficos da lesão) Figura 24 Formulário de Requisição (Nova requisição solicitada) Figura 25 Formulário de Requisição (Emissão de Recibo) Figura 26 Formulário de Rotina Examinador (Verificação de requisição aguardando exame macroscópico ) Figura 27 Formulário de Detalhes de Rotina Examinador (exame macroscópico, dados da requisição) Figura 28 Formulário de Detalhes de Rotina Examinador (exame macroscópico) Figura 29 Formulário de Rotina Técnico de Laboratório (Verificação de requisição aguardando lâminas ) Figura 30 Formulário de Detalhes de Rotina Examinador Exame Microscópico (Relatório Aula de Diagnóstico) Figura 31 Formulário de Detalhes de Rotina Examinador Exame Microscópico Figura 32 Formulário de Rotina Professor (Verificação de avaliação) Figura 33 Formulário de Detalhes de Professor Avaliação Macroscópica Figura 34 Formulário de Detalhes de Professor Avaliação Microscópica Figura 35 Formulário de Detalhes de Professor Devolutiva ao Aluno Figura 36 Formulário de Detalhes de Professor Diagnóstico Figura 37 - Formulário de geração, impressão e exportação de laudo.. 97 Figura 38 - Exemplo de Relatório de Produtividade Figura 39 Exemplo de Relatório Estatístico Epidemiológico utilizando parâmetros como raça e datas de laudo Figura 40 - Formulário de login e senha para usuários do sistema Figura 41 - Formulário de digitação de laudos antigos no sistema

15 Figura 42 - Formulário de rotina do Professor da Patologia Figura 43 - Formulário de pesquisa de laudos por número da requisição Figura 44 - Formulário de envio de s para Examinador Figura 45 - Formulário de Cadastro de Profissionais Solicitantes Figura 46 - Formulário de avaliação, devolutiva e diagnóstico (exame macroscópico) Figura 47 - Formulário de avaliação, devolutiva e diagnóstico (exame microscópico) Figura 48 - Formulário de avaliação, devolutiva e diagnóstico (devolutiva) Figura 49 - Formulário Relatório de Avaliação Coletiva de Examinadores Figura 50 - Formulário de avaliação, devolutiva e diagnóstico (vinculação de imagens) Figura 51 - Formulário de acesso ao website de Patologia Figura 52 - Formulário de cadastro de profissionais solicitantes (Google Maps ) Figura 53 - Formulário de emissão de recibo Figura 54 - Formulário de impressão de laudo Figura 55 - Esquema de Ambiente Computadorizado do Sistema de Laudos Histopatológicos Figura 56 Apresentação do gráfico de Sistemas Operacionais mais utilizados por usuários Figura 57 Apresentação do gráfico de versões de Sistemas Operacionais mais utilizadas por usuários

16 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Cronograma para Ciclo de Vida de Software Quadro 2 - Controle do ciclo de desenvolvimento Quadro 3 Gerência de Riscos Quadro 4 Resultado do Cronograma de Desenvolvimento Quadro 5 Gerência de riscos principais

17 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CID = Código Internacional das Doenças CRL = Common Language Runtime EULA = End User License Agreement GPL = General Public License HIPRIS = Histopathological Reporting Information System IDE = Integred Development Environment IIS = Internet Information Services (Serviços de Informação de Internet) PDF = Portable Document File PEP = Prontuário Eletrônico do Paciente RAD = Rapid Application Development SAD = Sistema de Apoio à Decisão SGBDR = Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacionais SOAP = Subjetivo, Objetivo, Avaliação e Plano de Tratamento SQL = Structured Query Language TIC = Tecnologia de Informação e Comunicação TISS = Troca de Informação em Saúde Suplementar UML = Unified Modeling Language

18 1 INTRODUÇÃO Durante a história da humanidade, é possível identificar mudanças de paradigmas que alteraram definitivamente a forma como a sociedade se organizava. Estas mudanças foram tão intensas que foram chamadas de revoluções. De fato, é notável como a Revolução Agrícola e a Revolução Industrial afetaram a história da humanidade, gerando novas tecnologias, assim como novos problemas e desafios que surgiram como reflexos destas próprias revoluções. Um exemplo disto são as discussões atuais sobre a utilização exagerada de recursos naturais resultantes destas revoluções e que, provavelmente, desencadearão uma nova revolução, a Revolução Ambiental. Nos dias de hoje, vivencia-se a Revolução do uso da Informação a partir das tecnologias disponibilizadas para sociedade moderna. Estas tecnologias e estes novos equipamentos também influenciam o modo como esta sociedade se comunica, percebe e interage com o mundo. Pode-se afirmar que todos os aspectos da vida cotidiana envolvem a organização de informação como componente atuante na melhoria dos processos. Desta forma, pela maneira como o homem se organiza, social e economicamente utilizando-se destas novas tecnologias, associadas às suas necessidades pessoais de comunicação e de compreensão do mundo, novos paradigmas de interação são criados e, a partir destes, a relação do indivíduo com o mundo é novamente transformada. O setor Saúde não está imune a estas transformações. Com o desenvolvimento da ciência médica, houve um aumento considerável nas informações sobre doenças, métodos de diagnóstico, tratamentos disponíveis para os clínicos, dados para pesquisadores e

19 17 ferramentas para gestores de serviços de saúde. Aliado a este aumento na oferta destas informações, também houve um incremento da exigência quanto à quantidade e qualidade das informações emitidas pelos serviços de diagnóstico. Consequentemente, estes fatores aumentaram as demandas dos clínicos por mais informações nos laudos histopatológicos (Tilakaratna; Silva, 2000). No laboratório de Patologia da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos/UNESP há um grande número de exames histopatológicos (12000 até dezembro de 2010), os quais contêm um grande volume de informação não disponível de forma rápida, dinâmica, padronizada, compilada e contextualizada. Isto leva à perda de informações importantes quanto à etiopatogenia e epidemiologia das doenças em âmbito regional, dificultando o retorno que se espera a partir deste conhecimento para a sociedade. O objetivo deste trabalho é o desenvolvimento de um sistema informatizado (software) que provocará uma reengenharia no setor, integrando fluxos de trabalho, controle de demanda, controle na qualidade de entrada de dados estruturados, apoio a decisões gerenciais e avaliações dos exames executados pelos acadêmicos de pósgraduação. Além disso, o software também permitirá o follow up de casos escolhidos, troca de informações eletrônicas entre instituições e constituirá uma enorme fonte de pesquisa tanto da etiopatogenia e epidemiologia regional das doenças, quanto de informações sobre o perfil dos profissionais e pacientes que solicitam o serviço, permitindo, desta forma, gerar uma melhoria no serviço prestado à comunidade.

20 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Sociedade da Informação e a Patologia Uma Sociedade da Informação está em construção devido à consequência da explosão informacional gerada por transmissões de dados de baixo custo, velocidades de transmissão crescentes, popularização e queda de custos de componentes computadorizados. Ela está se organizando com o uso intensivo de processos de informação, comunicação e compartilhamento de dados em um nível global antes nunca imaginado. Porém, apesar desta construção ser evidente, ela não ocorre de forma homogênea em todos os segmentos da sociedade contemporânea. Segundo Sigulem (2009), a integração se faz de forma gradual em diferentes setores da sociedade e da economia. Muito embora esta integração não seja homogênea, é possível perceber um padrão evolutivo na integração destas tecnologias em seus processos, nos diferentes segmentos. De acordo com Falsarella e Chaves (1995), a evolução da informatização numa organização ocorre em seis estágios de Nolan: a) Estágio de Iniciação: O usuário é resistente ao uso de informática, tem pouco envolvimento com tecnologia. A organização encoraja a utilização da informática e incentiva treinamentos, muito embora tenha poucos processos automatizados;

21 19 b) Estágio de Contágio: Há a proliferação de automação em atividades manuais, porém, sem a integração das informações entre os setores; c) Estágio de Controle: O uso de Sistemas de Informação é explosivo. O usuário, antes resistente, se torna a força propulsora e exige da organização mais recursos para a informática; d) Estágio de Integração: Em resposta à exigência de melhor gestão, os Sistemas de Informação passam a ser orientados para atender necessidades gerenciais. A qualidade da informação e a integração entre elas passam a ser prioridade; e) Estágio de Administração dos Dados: Os Sistemas de Informação passam a ser organizados de forma global e demandam cuidados para que Sistemas Setoriais ou Especializados não causem redundâncias; f) Estágio de Maturidade: A informação passa a ser considerada como patrimônio da organização. O usuário se torna participativo, responsável e o crescimento da informática na organização é ordenado. Para Sigulem (2009), entretanto, a incorporação dessa tecnologia de informação é condensada por apenas três fases básicas dispostas cronologicamente: novidade interessante, cavalo de Tróia e total integração de Tecnologia da Informação (legal e organizacional).

22 20 A fase denominada novidade interessante se refere ao período em que se insere no setor um ou mais equipamentos informatizados, sendo usados superficialmente e não atingindo uma massa crítica, ou seja, não provocando uma transformação nos processos ou uma reengenharia no setor. Num segundo momento, na fase identificada como cavalo de Tróia, o setor já utiliza os equipamentos informatizados com mais intensidade, como um editor de texto, planilhas etc., porém, a tecnologia ainda não está integrada aos processos. Esta fase evolui com o tempo até atingir uma massa crítica, isto é, até o momento em que o setor percebe a necessidade de integração total de seus processos com a tecnologia da informação. Contudo, o esforço e os custos para esta integração e reorganização dos processos produtivos e de fluxos são muito altos, pois, nesta fase, a tecnologia é utilizada de forma não integrada em todas as camadas do setor, não sendo a informação compartilhada nem estruturada. No terceiro momento, a tecnologia provoca uma total reengenharia do setor onde se inseriu. Temse como exemplo, na história contemporânea, o Setor Industrial o qual foi totalmente transformado no final da década de 80 pela utilização da tecnologia da informação. Ao se observar a indústria atualmente automobilística, é difícil imaginá-la sem a automação industrial ou sem os robôs e softwares inseridos e integrados tanto na fabricação de automóveis como na gestão de seus recursos materiais e humanos (Sigulem, 2009). Nos anos 90, o Setor Financeiro também passou pelo processo de informatização e por sua completa reengenharia. No cotidiano, convive-se com os caixas eletrônicos, transações bancárias pela internet ou compras e vendas de ações acompanhadas em tempo real em qualquer lugar do mundo onde se tenha uma conexão de internet (Sigulem, 2009). Entretanto, se nestes setores já ocorreu uma total integração, o setor saúde ainda se encontra na fase de novidade

23 21 interessante, ou, nos ambientes mais organizados, na fase de cavalo de Tróia. Até o momento, o setor saúde ainda não foi capaz de se integrar completamente à tecnologia de informação, muito embora este setor seja um enorme coletor, gerador, processador e armazenador de informação. Ainda é possível, por exemplo, deparar-se com serviços de saúde com registros de informações do paciente (prontuários) em papel, sem nenhuma infraestrutura informatizada. A falta de uma infraestrutura informatizada não só das unidades de saúde, mas em nível central de muitas Secretarias Municipais, causam um baixo desempenho dos gestores de saúde, pois estes não possuem mecanismos que facilitam o conhecimento sociodemográfico da população de sua área de abrangência, bem como o perfil de morbidade ou avaliações de desempenho de serviços e equipes de saúde (Tomasi et al., 2003). Tomasi et al.(2003) destacaram a importância do desenvolvimento de softwares no setor saúde ao afirmar: É preciso que seja incentivado o desenvolvimento de ferramentas próprias, especialmente aquelas de fácil manejo pelas equipes de saúde, o que representa um avanço no preenchimento da lacuna existente. Estas ferramentas imprimiriam maior especificidade no conhecimento das realidades locais, favorecendo a definição de prioridades na alocação de recursos humanos, materiais e financeiros. Apesar de se encontrar esta dificuldade em alguns setores da saúde, verifica-se que, na história, o prontuário médico tem evoluído bastante desde 1969, quando Laurence Weed (1968) descreveu o que chamou de Registro Médico Orientado ao Problema (Problem- Oriented Medical Record), o qual propôs a organização do registro médico SOAP: a) S (Subjetivo)-Sintomas relatados pelo paciente; b) O (Objetivo)-Sinais observados pelo médico;

24 22 c) A (Avaliação)-Resultados de exames e conclusões diagnósticas; d) P (Planejamento)-Conduta e tratamento. Weed (1968) ainda recomendou que os registros do prontuário fossem indexados de acordo com os problemas médicos. Cada elemento de registro é categorizado por cada problema de saúde a que se refere, além da data e da hora. Neste caso, o médico não perde a conduta lógica do problema e a evolução do quadro (Kmeteuk Filho, 2003). A partir dessa padronização da estrutura do prontuário e de seu aprimoramento com o passar dos anos, o Institute of Medicine dos Estados Unidos encomendou, em 1991, um estudo com especialistas para definir o PEP (Prontuário Eletrônico do Paciente). Além disso, este comitê tinha a tarefa de propor melhorias em relação à expansão de informações levando em consideração o aparecimento de novas tecnologias. O relatório foi publicado como livro, The Computer-based Patient Record An Essencial Technology for Health Care, e foi um marco sobre prontuário eletrônico do paciente na época (Costa, 2001). Desde então, muitos foram os aprimoramentos sobre o assunto. O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) tem, atualmente, uma vasta literatura e, numa breve consulta ao web site Google Acadêmico, usando como pesquisa o termo prontuário eletrônico, encontra-se mais de cinco mil ocorrências. Embora se encontre muita informação atualmente sobre prontuário de pacientes ou prontuários eletrônicos de pacientes, não se encontra muita informação específica sobre o item Avaliação (A) do modelo SOAP (Prontuário Orientado a Problema) isoladamente, com exceção dos sistemas de informação em saúde que dão suporte ao item Avaliação. Neste aspecto, os resultados dos exames complementares são de extrema importância aos clínicos quando aliados aos exames

25 23 físicos e anamneses. Na patologia cirúrgica, os laudos histopatológicos têm sido tradicionalmente considerados como o padrão ouro na medicina para diagnóstico e base para tratamento dos pacientes (Mammen, 2009). Como se sabe, Anatomia Patológica é a ciência subordinada à Patologia, que estuda as alterações morfológicas das doenças (Montenegro; Franco, 2008). Estas lesões podem ser submetidas a biópsias e estudadas pelo ramo da Patologia chamada de Patologia Cirúrgica. A biópsia é compreendida como o exame anatomopatológico realizado em peças cirurgicamente retiradas de paciente vivo, baseadas no exame macroscópico e microscópico do material. Segundo Montenegro e Franco (2008), na metodologia da biópsia, os procedimentos básicos são: a) Preenchimento adequado da requisição da biópsia; b) Amostragem do material; c) Fixação; d) Identificação; e) Exame macroscópico; f) Exame microscópico; g) Diagnóstico das biópsias. Após o estudo macro e microscópico, o patologista emite um laudo anatomopatológico, que além dos dados clínicos, descrições macroscópicas e microscópicas, contém um diagnóstico final (Montenegro; Franco, 2008). Atualmente, o laudo histopatológico (anatomopatológico) está se transformando em muito mais do que um meio de comunicação entre o patologista e o clínico. Ele está se transformando no núcleo

26 24 central de informações muito relevantes para o gerenciamento multidisciplinar do tratamento do paciente (Mammen, 2009). Falhas simples, como erros de endereços ou erros nas transcrições das entidades patológicas chaves nos laudos histopatológicos de câncer, atrasam os cuidados do paciente e aumentam os custos no tratamento. Além disso, as condutas de tratamento são afetadas pela qualidade das informações como: registros de tumores, genomas, registros de bioinformática sobre cânceres utilizados como informação por clínicos e pelas indústrias farmacêuticas (Mammen, 2009). Por todos estes fatores, Mammen (2009) considera ser agora o momento em que os patologistas devam considerar uma padronização e estruturação de seus laudos, para que, desta forma, providenciem um melhor atendimento aos seus pacientes. Na Índia, a informatização está mudando a rotina dos laboratórios de medicina, influenciando largamente a patologia anatomopatológica e providenciando processamento de textos e armazenamento de dados. Apesar disto, poucos centros avançados possuem um sistema de gerenciamento de laboratório, embora Bansal et al. já tivessem desenvolvido, desde 1991, um software específico para relatórios histopatológicos. Este software, batizado de HIPRIS (Histopathological Reporting Information System), foi desenvolvido para auxiliar no acompanhamento de casos, encontrar número de casos em um determinado período, alertar o aumento no número de lesões em um determinado paciente ou qualquer outro parâmetro relevante. Na Índia, a maior deficiência era o mau acompanhamento dos pacientes e um inadequado armazenamento destes registros (Bansal et al., 1991). Tuthill e Mammen (2009) também reportaram variações e erros nos laudos histopatológicos que afetaram as condutas clínicas de trabalho e que, através de padronizações, os dados estruturados contribuíram significativamente nas reduções de erros.

27 25 Contribui ainda a este cenário o aumento do conteúdo de informação nos laudos histopatológicos, acrescendo o trabalho dos histopatologistas. Tradicionalmente, a carga de trabalho dos histopatologistas é aferida pelo número de espécimes que são manipuladas anualmente. Porém, com o aumento da demanda pelos clínicos por maior informação nos laudos histopatológicos, houve também uma elevação na quantidade de informações a serem contidas nestes laudos, ou seja, uma melhora qualitativa no laudo para o clínico, contribuindo para uma sobrecarga de trabalho velada para o histopatologista (Tilakaratina; Silva, 2000). 2.2 Sistemas de Informação em Saúde Define-se Sistema de Informação como sistemas que permitem a coleta, o armazenamento, o processamento, a recuperação e a disseminação de informações (Falsarella; Chaves, 1995). O Sistema de Informação em Saúde é constituído pela informatização dos processos que compõem a gerência em saúde. Como se sabe, gerenciar um serviço de saúde é cuidar dos aspectos organizacionais e funcionais como qualquer empreendimento ou empresa. Este gerenciamento requer lidar com aspectos administrativos como finanças, estoques de materiais, recursos humanos, equipamentos e fluxos. Porém, na área da saúde há, além disso, outros aspectos gerados pela própria peculiaridade da área, como: atendimento prestado; ato clínico; levantamento das morbidades; estatísticas acadêmicas etc. (Carvalho; Eduardo, 1998). Para Marin (2009), os Sistemas de Informação em saúde podem ser definidos como:

28 26 Um conjunto de componentes inter-relacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os sistemas de informação em saúde congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do sistema de saúde. Considerando estes fatores, o desenho para implantação de um Sistema de Informação em Saúde exige uma fundamentação clínica e epidemiológica, planejamento, programação e avaliação em saúde, assim como conhecimentos em Sistemas de Informação e Tecnologia de Informação (Carvalho; Eduardo, 1998). A natureza dos Sistemas de Informação em Saúde, segundo Carvalho e Eduardo (1998), pode ser classificada em: a) Sistemas de Informações Estatísticoepidemiológicas; b) Sistemas de Informações Clínicas; c) Sistemas de Informações Administrativas. É denominado Sistema de Informação Estatísticoepidemiológica aquele que inclui o conhecimento da mortalidade e possíveis causas determinantes, padrão de morbidade da população ou da demanda atendida no serviço, aspectos demográficos, sociais, econômicos e suas relações com a saúde populacional. Informações clínicas são os dados clínicos do paciente, identificação, história médica de doenças, diagnóstico médico (odontológico), exames laboratoriais, complementares, procedimentos realizados (cirúrgicos, por exemplo), medicamentos utilizados, dentre outros. Informações administrativas são

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Prof. Daniel Gondim. Sistemas de Informações

Prof. Daniel Gondim. Sistemas de Informações Prof. Daniel Gondim Sistemas de Informações Conceitos de S.I. Dúvidas É um conjunto de partes coordenadas, que buscam prover a empresa com informações, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões.

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes ASP.NET 2.0 e PHP Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes Linguagens pesquisadas ASP.NET 2.0 e PHP. 1 - ASP.NET 2.0 ASP.NET não é nem uma linguagem de programação como VBScript, php, nem um servidor

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 01 TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 02 Plataforma O TOPLAB foi projetado para funcionar na web, nasceu 'respirando

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500446 - TECNICO EM INFORMATICA Nivel: Tecnico Area Profissional: 0042 - COMERCIO-TEC Area de Atuacao: 0440 - BANCO DADOS/COMERCIO-TEC

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 4º/3º Períodos 2010/2 PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA Projeto e implementação

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO COMPONENTES DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A figura abaixo ilustra os componentes de um Sistema de Informação. 2 Conceitos de Sistema de Informação (SI) vistos

Leia mais

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam.

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam. 1 - APRESENTAÇÃO Este descritivo tem como objetivo, apresentar o Sistema de Identificação de Visitantes enfocando suas funcionalidades e condições técnicas necessárias de implantação. Vantagens do Sistema

Leia mais

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas Geandré Meller Zacher 1 Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar o projeto SISGAP, que

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Modelo Cascata Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Principais Características Gerenciamento Simples das etapas Também conhecido como "Ciclo de Vida Clássico", sugere uma abordagem sistemática e sequencial

Leia mais

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 1. ARQUITETURA DO COMPUTAÇÃO- SOFTWARE Vimos nos capítulos anteriores que durante muitas décadas vários projetos foram realizados para

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais