FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE"

Transcrição

1 NOVAS TECNOLOGIAS E NOVOS PRODUTOS NO MERCADO DE CAPITAL - HOME BROKER, ALGORITMOS, ETFs, ISHARES E OUTROS FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE Gerente da Mesa Eletrônica da Ágora CTVM

2 Overview [1] Electronic Trading i. Introdução ii. Ambiente Regulatório iii. Relação entre Buy Side e Sell Side iv. Tamanho do Mercado [2] Algorithmic Trading i. Uso e Origem ii. Tamanho do Mercado iii. Tipos de Algoritmos [3] Considerações finais I. Tendências no Mercado Eletrônico

3 Electronic Trading INTRODUÇÃO Mercado Eletrônico Uma tendência irreversível. Bolsas no mundo, na sua grande maioria são totalmente eletrônicas. Velocidade de execução no floor: 14 segundos Sistemas: 30 millisegundos Aumento das Operações intra-mercados ( Global conectivity) Representatividade das Ordens eletrônicas : 63% das ordens são negociadas eletronicamente Modelos de acesso eletrônico ao chegam a BMFBovespa Otimização de Estratégias

4 Electronic Trading AMBIENTE REGULATÓRIO Aumento da pressão regulatória com a criação de: oreg NMS Regulation National Market System, Estados Unidos omifid Market in Financial Instruments Directives, Europa oconceito de Best Execution: responsabilidade de execução também no Buy Side Objetivos: Fortalecer e modernizar a estrutura regulatória e tecnológica dos principais centros de negociações locais. Tendência é do legislador local seguir os controles mundiais obest Execution osuitability

5 Electronic Trading RELAÇÃO BUY SIDE SELL SIDE Interconexão entre mercados. Maior universo e segmentação produtos Nichos Específicos de atuação e oportunidades de trading

6 Electronic Trading TAMANHO DO MERCADO: ESTADOS UNIDOS & EUROPA Estados Unidos Hoje: 20% do total do volume de ações Próximos 12 mêses: 22% do total do volume de ações Europa Hoje: 8% do total do volume de ações Próximos 12 mêses: 15% do total do volume de ações Source: Celent s 2010 Report

7 Electronic Trading TAMANHO DO MERCADO: CME Chicago Mercantile Exchange : Aumento de aproximadamente 11 vezes

8 Electronic Trading TAMANHO DO MERCADO: BMFBOVESPA Equities: Institutional DMA Volume and DMA s Market Partipation R$ 600,00 R$ 500,00 20,2% 25,0% 20,0% R$ 400,00 14,1% 15,0% R$ 300,00 10,6% R$ 200,00 6,1% 7,5% 9,0% 10,0% R$ 100,00 5,0% R$ 0, ,0% Volume Participation

9 Cliente Final Distribuição Intermediário (AC/Corretora) BVMF / HP BM&FBOVESPA Acesso Via Intermediário ESTAÇÃO MEGABOLSA GLWIN REDE SCOM, SNEG, SCOT GL Trade NYSE Euronext QUALQUER ISV SLE HUB NSC V900 DMA Tradicional Conexões automatizadas, Homebroker REDE REDE MegaDirect DMA Via Provedor REDE Provedor de DMA DMA Via Co-location REDE Acesso remoto - monitoração e manutenção Aplicação de Co-location (ATS) RTT Projetado

10 Algorithmic Trading USO E ORIGEM Algoritmos foram originalmente usados, e ainda são utilizados, para gerar alpha. No final dos anos 90 : Algoritmos como ferramentas de produtividade. Algo trading hoje é um fenômeno global, com estudos recentes sugerindo que aproximadamente 53% das ordens eletrônicas são geradas por modelos de algo trading. Firmas no Buy-side estão cada vez mais aumentando o uso de estratégias de algo trading para diminuição dos custos de transação e aumento do retorno sobre o investimento. Firmas no sell-side estão competindo por clientes através da performance de suas estratégias de algo trading.

11 Algorithmic Trading TAMANHO DO MERCADO Uso de Algoritmos é mais comum nos U.S. mas esta crescendo em outras regiões... Uso de Algoritmos esta se tornando predominante entre todos os tipos de produtos...

12 Algorithmic Trading NBBO NYSE NASDAQ ARCA AMEX Outras POSIT BIDS LEVEL Roteador Smart Knight ISE NASDAQ NYFIX Algoritmo

13 Algorithmic Trading TIPOS DE ALGORITMOS Algoritmos de Execução: Redução dos Custos, objetivo da meta de melhor execução e performance (liquidez, preço, volatilidade transitória, bid & ask spread entre outros) Algoritmos de Decisão: Modelos quantitativos e estatísticos com forte análise matemática que busca oportunidades de trading na micro estrutura do mercado ou em diversos mercados ( a estratégia pode ser fundamentalista)

14 Algorithmic Trading TIPOS DE ALGORITMOS Algoritmos de redução de impacto de mercado: VWAP TWAP Volume Participation Spread Trader Delta Hedge Cash and Carry

15 Considerações Finais TENDÊNCIAS NO MERCADO ELETRÔNICO Alteração na Microestrutura do mercado ( Ordens manuais x Eletrônicas); Algoritmos de execução já são uma realidade no mercado e sua utilização em processo crescente.; Estrutura de menor latência terá vantagens competitivas sobre demais estruturas; Algoritmos serão avaliados por redução dos custos de transação e Ineficiência apresentada; Centros alternativos de liquidez, como Dark Pools e ATS

16

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais

BVMF Programa de Relacionamento

BVMF Programa de Relacionamento Título da apresentação BVMF Programa de Relacionamento Reunião com Vendors de Difusão Setembro 2009 Agenda Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento Bovespa Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento

Leia mais

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Interfaces de negociação eletrônica Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Importante: as informações contidas nessa apresentação são consideradas corretas e atualizadas. Entretanto, fatores futuros podemlevaramudanças

Leia mais

Avancos recentes na estrutura e modelizacao de Electronic Trading. Marco Avellaneda New York University & Finance Concepts LLC

Avancos recentes na estrutura e modelizacao de Electronic Trading. Marco Avellaneda New York University & Finance Concepts LLC Avancos recentes na estrutura e modelizacao de Electronic Trading Marco Avellaneda New York University & Finance Concepts LLC Feira Annual de Solucoes Tecnologicas (FAST), BM&Fbovespa, Sep 21, 2010 Mercado

Leia mais

Considerações à Audiência Pública SDM Nº 05/13

Considerações à Audiência Pública SDM Nº 05/13 Em atenção ao Edital de Audiência Pública SDM Nº 05/13, de 13/06/2013, referente à apresentação de alternativas regulatórias relacionadas à identificação, mitigação e gerenciamento de riscos decorrentes

Leia mais

Comparando E-minis com ETFs

Comparando E-minis com ETFs ÍNDICE DE AÇÕES Comparando E-minis com ETFs 15 DE SETEMBRO DE 2012 John W. Labuszewski Diretor-Gerente Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos 312-466-7469 jlab@cmegroup.com Os futuros de E-mini de índice

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

DYNAMO DYNAMO ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS

DYNAMO DYNAMO ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS 1 I A Dynamo Início Ativos sob gestão Estratégia de Investimento Partnership fundada em 1993 no Rio de Janeiro, cuja única atividade é o investimento de longo prazo em ações.

Leia mais

ATG. EVOLUINDO SEM PARAR. A P R E S E N T A Ç Ã O I N S T I T U C I O N A L

ATG. EVOLUINDO SEM PARAR. A P R E S E N T A Ç Ã O I N S T I T U C I O N A L ATG. EVOLUINDO SEM PARAR. A P R E S E N T A Ç Ã O I N S T I T U C I O N A L A Eletronificação dos mercados Desde os primórdios do mercado financeiro, fatores como agilidade e velocidade na transmissão

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

BM&FBOVESPA. 13 de maio de 2009

BM&FBOVESPA. 13 de maio de 2009 BM&FBOVESPA Resultados do 1º Trimestre e de 2009 13 de maio de 2009 1 1 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração

Leia mais

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010 Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro Total de negócios com ETFs passa de 17,9 mil para 25,6 mil Futuro de juro (DI) totaliza

Leia mais

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING 29/06/12 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO x PÚBLICO i. INTRODUÇÃO ii. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial Sumário 1. Introdução... 5 2. Distribuidores de Market Data BM&FBOVESPA... 6 2.1 Distribuidores de Market Data BM&FBOVESPA (Acesso Direto)... 6 2.2 Redistribuidores de Market Data BM&FBOVESPA (Acesso Indireto)...

Leia mais

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX.

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. NEGOCIAÇÃO DE FUTUROS E OPÇÕES. MAIS ÁGIL, MAIS SIMPLES. A plataforma CME Globex foi o primeiro e permanece entre os mais rápidos sistemas de pregão

Leia mais

Contracts for Diogo F. Oliveira. Difference (CFDs)

Contracts for Diogo F. Oliveira. Difference (CFDs) Contracts for Diogo F. Oliveira Difference (CFDs) AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados

Leia mais

Sistemas de negociação eletrônica automatizada

Sistemas de negociação eletrônica automatizada FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Bruno Guimarães Motta Vellego Sistemas de negociação eletrônica automatizada São Paulo 2011 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Bruno Guimarães Motta Vellego Sistemas

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala

Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala 1 Princípios IOSCO Dark Liquidity Uwe Kehl Gerente de

Leia mais

Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA)

Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA) Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA) Para negociar os contratos BM&FBOVESPA via roteamento, o investidor usuário do CME Globex deverá:

Leia mais

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e proporcionar atendimento personalizado, sem perder de vista

Leia mais

Best Trading Pro. Market Rules. Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa - 0 - Copyright 2013 Banco Best

Best Trading Pro. Market Rules. Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa - 0 - Copyright 2013 Banco Best Best Trading Pro Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa Market Rules Copyright 2013 Banco Best - 0 - AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial. Política Comercial. Versão 1.3

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial. Política Comercial. Versão 1.3 Market Data BM&FBOVESPA Versão 1.3 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 7 2 DISTRIBUIDOR DE MARKET DATA... 8 2.1 DISTRIBUIDOR (Acesso Direto)... 8 2.2 REDISTRIBUIDOR (Acesso Indireto)... 8 2.3 PARTICIPANTES DE NEGOCIAÇÃO

Leia mais

ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS

ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS O presente documento constitui a política de execução e transmissão de ordens da Caixa Económica Montepio Geral (doravante designada por CEMG), refletindo

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial Market Data BM&FBOVESPA Classificação das Informações [ ] Confidencial [ ] Uso Interno [X] Uso Público 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 5 2 DISTRIBUIDORES de Market Data BM&FBOVESPA... 6 2.1 DISTRIBUIDORES de

Leia mais

WORKSHOP. Negociação da BM&FBOVESPA. Julho 2010

WORKSHOP. Negociação da BM&FBOVESPA. Julho 2010 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação da BM&FBOVESPA Julho 2010 1 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação Agenda Roadmap de TI Marcio Castro e Elie Bautzer Calabres UMDF (Unified Market

Leia mais

BM&FBOVESPA. 18 de março de 2009

BM&FBOVESPA. 18 de março de 2009 BM&FBOVESPA Resultados do 4º Trimestre e de 2008 18 de março de 2009 1 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

Bolsas de Valores. (Nivel II) (Nivel I) NYSE MKT (American Stock Exchange) 1,5 23 USD Apenas nível I

Bolsas de Valores. (Nivel II) (Nivel I) NYSE MKT (American Stock Exchange) 1,5 23 USD Apenas nível I Espanha Spanish Equities 4,5 23 14,5 47 EUR New York Stock Exchange 1,5 45 25 60 USD NASDAQ 1,5 23 15 76 USD Deverá estar subscrito ao nível I New York Stock Exchange (ARCA) 1,5 23 10 40 USD NYSE MKT (American

Leia mais

Sistemas de Informação no Mercado de Ações: Papel Estratégico e Impactos Éticos, Sociais e Políticos

Sistemas de Informação no Mercado de Ações: Papel Estratégico e Impactos Éticos, Sociais e Políticos Sistemas de Informação no Mercado de Ações: Papel Estratégico e Impactos Éticos, Sociais e Políticos Renata C. B. Madeo, Neilson C. L. Ramalho, Fernando H. I. B. Ferreira, Marcelo Fantinato 1 Escola de

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

Produtos de Energia. O Mercado de Energia.

Produtos de Energia. O Mercado de Energia. Produtos de Energia O Mercado de Energia. Sendo o maior e mais diversificado mercado de derivativos do mundo, o CME Group (www. cmegroup.com) é o local onde o mundo congrega para gerenciar risco. As bolsas

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços?

Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços? O Impacto da Microestrutura do Mercado na formação de preços Pedro Grilo Maria João Semedo Mariana Bruschy Fernando Silva Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços? 1 Área

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) Futuro de S&P 500 Solução unificada para administração de risco ou alavancagem relativa a um portfólio diversificado de ações de primeira

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos FORMADOR Março/2015 DE MERCADO Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Agenda Papel do Formador de Mercado (FM) Relações de

Leia mais

RESPOSTA À AUDIÊNCIA PÚBLICA

RESPOSTA À AUDIÊNCIA PÚBLICA RESPOSTA À AUDIÊNCIA PÚBLICA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS SDM05/2013 Introdução e Alerta - Avant-Propos Desde períodos anteriores à desmutualização e posterior fusão das bolsas brasileiras, dirigentes

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

ETF Exchange Traded Fund

ETF Exchange Traded Fund ETF Exchange Traded Fund FUNDOS BM&FBOVESPA Eficiência. Eficiência. Transparência. Transparência. Flexibilidade. Flexibilidade. Em um Em único um único investimento. investimento. O que é Exchange Traded

Leia mais

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Referência mundial em sustentabilidade, com Bolsa de Johanesburgo, pelo Relatório Bolsas de Valores Sustentáveis Relatório de Progresso,

Leia mais

Bolsa Buzz. Sumário. Editorial. Actividade TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS. 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico

Bolsa Buzz. Sumário. Editorial. Actividade TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS. 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico Bolsa Buzz 08 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O essencial do mercado português Sumário 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico 2 TRADING FOCUS Mercado Europeu de ETFs continua

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador Manual do utilizador Conteúdos Conteúdos 01 Uma introdução à negociação com DMA 02 Início O que é o DMA Vantagens do DMA Activação do DMA Permissões &

Leia mais

Proteção de Preços do Agronegócio

Proteção de Preços do Agronegócio Proteção de Preços do Agronegócio Derivativos: conceitos básicos Derivativos são instrumentos referenciados em outros ativos; O objetivo primordial é permitir a gestão de riscos a que estão submetidos

Leia mais

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de

ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de ADR (American Depositary Receipt): forma de captação de recursos próprios por empresas locais no mercado dos EUA IDR (International DR): captação de recursos próprios em outros países GDR (Global DR):

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Edemir Pinto Diretor-Presidente BM&FBOVESPA Setembro/2009 Evolução Recente do Mercado de Capitais Brasileiro 2 Mercado de capitais brasileiro Fatores que influenciaram

Leia mais

UMA VISÃO SOBRE O STRAITS FINANCIAL LLC DIVISÃO DE FUTUROS

UMA VISÃO SOBRE O STRAITS FINANCIAL LLC DIVISÃO DE FUTUROS UMA VISÃO SOBRE O STRAITS FINANCIAL LLC DIVISÃO DE FUTUROS DISCLAIMER A negociação com produtos futuros implica riscos significativos de perda que devem ser conhecidos antes da negociação e podem não ser

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. O futuro dos resseguradores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. O futuro dos resseguradores 24 O futuro dos resseguradores ROBERTO CASTRO Um dos efeitos trazidos pelo ressurgimento do liberalismo três décadas atrás, no bojo do processo de aprofundamento da integração econômica, política, cultural

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2T13

Apresentação dos Resultados do 2T13 Apresentação dos Resultados do 2T13 09 de agosto de 2013 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre eventos

Leia mais

Descomplicando A mídia programática

Descomplicando A mídia programática WEBINAR Descomplicando A mídia programática Leonardo Mendes Media Manager Latam Vizury OFERECIMENTO DE O que é mídia programática Segundo o site Digiday, programmatic buying é a automação da compra e venda

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> MERCADO DE CÂMBIO. Uma oferta do serviço Bloomberg Professional MOMENTO PERFEITO

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> MERCADO DE CÂMBIO. Uma oferta do serviço Bloomberg Professional MOMENTO PERFEITO >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> MERCADO DE CÂMBIO Uma oferta do serviço Bloomberg Professional MOMENTO PERFEITO A PLATAFORMA DE CÂMBIO SEM IGUAL Os mercados de câmbio estão em

Leia mais

Política de Execução de Ordens

Política de Execução de Ordens Plus500CY Ltd. Política de Execução de Ordens Política de Execução de Ordens Esta Política de Execução de Ordens representa parte do Acordo do Cliente definida no Acordo do Usuário. 1. CONDUÇÃO DOS NEGÓCIOS

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F 02 de agosto de 2010 028/2010-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Nova Política de Tarifação de Operações para Investidores de

Leia mais

ORA XECUTAR FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

ORA XECUTAR FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> FXGO: NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA DE CÂMBIO Uma oferta do serviço Bloomberg Professional ORA E XECUTAR BLOOMBERG FXGO A PRINCIPAL PLATAFORMA DE

Leia mais

Bolsas de Valores. (Nível I) (Nível II) Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I. New York Stock Exchange 1 50 USD Apenas nível I

Bolsas de Valores. (Nível I) (Nível II) Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I. New York Stock Exchange 1 50 USD Apenas nível I Espanha BME Spanish Exchanges 4,5 23 14,5 47 EUR Deutsche Börse (XETRA) 15 56 20 68 EUR Deutsche Börse (XETRA Stars) 15 56 20 68 EUR Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I Deutsche Borse

Leia mais

Luiz Fernando Figueiredo e José Pedro Ramos Fachada Martins da Silva

Luiz Fernando Figueiredo e José Pedro Ramos Fachada Martins da Silva ,661 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR )HYHUHLURGH 6LVWHPDV(OHWU{QLFRVGH1HJRFLDomR Luiz Fernando Figueiredo e José Pedro Ramos Fachada Martins da Silva ISSN 1519-7212 CGC 00.038.166/0001-05

Leia mais

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA HISTÓRICO DE REVISÕES...3 1. INTRODUÇÃO...4 2. RCB REDE DE COMUNICAÇÃO BM&FBOVESPA...5 2.1 DESCRIÇÃO DO MODO DE ACESSO... 5 2.2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Novos Empreendedores e o Mercado de Capitais VERDI MONTEIRO

Novos Empreendedores e o Mercado de Capitais VERDI MONTEIRO Novos Empreendedores e o Mercado de Capitais VERDI MONTEIRO Diretor de Fomento de Negócios da BM&FBOVESPA Agenda Agenda A Nova Bolsa Panorama das Ofertas Públicas Indústria de Capital de Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Vinicius Martins Viali

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Vinicius Martins Viali UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Vinicius Martins Viali UMA ANÁLISE SOBRE O IMPACTO DE DIFERENTES FORMAS DE FECHAMENTO DE POSIÇÃO EM FORMADORES

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Euronext Lisbon 7,90 7,90 9,90 9,90. 0,60% (mínimo: 14,00) Ordens canceladas/limite temporal expirado isento isento isento isento

Euronext Lisbon 7,90 7,90 9,90 9,90. 0,60% (mínimo: 14,00) Ordens canceladas/limite temporal expirado isento isento isento isento Preçário Geral Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis

Leia mais

ebook - Forex para Iniciantes

ebook - Forex para Iniciantes Mercado financeiro Na economia, o mercado financeiro é um mecanismo que permite a compra e venda (comércio) de valores mobiliários (por exemplo ações e obrigações), mercadorias (como pedras preciosas ou

Leia mais

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 ETF s Ferramentas de Gestão Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 Como funcionam os ETFs? ETFs são Fundos negociados em Bolsa que seguem índices de mercado Os ETFs ishares reúnem o melhor de

Leia mais

A visão do mercado de capitais

A visão do mercado de capitais IFRS Um Caminho Para Transparência Painel 1: Por que o IFRS é importante para o Brasil? A visão do mercado de capitais (30/04/2008) Agenda BOVESPA: visão geral Perfil das companhias listadas em bolsa Segmentos

Leia mais

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado.

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Glossário Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Tamanho da posição Trata-se do montante que se pode ganhar ou perder pelo incremento ou decréscimo

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

Conteúdo. Breve descritivo tecnologia ProfitChart

Conteúdo. Breve descritivo tecnologia ProfitChart Descritivo Produtos Conteúdo 1 Sobre a Nelogica... 3 2 Sistema ProfitChart RT... 4 3 Resumo das funcionalidades... 4 3.1 Negociação eletrônica... 4 3.1.1 Chart Trading... 4 3.1.2 Boleta Day-Trade... 5

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO MILTON YUKIO GODOY SAITO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO MILTON YUKIO GODOY SAITO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO MILTON YUKIO GODOY SAITO UMA ABORDAGEM MULTIAGENTE PARA SIMULAÇÃO DA DINÂMICA DE PREÇOS DE UM MERCADO DE LEILÃO DUPLO SÃO PAULO 2013 MILTON YUKIO

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

O que são os ETFs (Fundos de Índice)? Ibovespa - IBOV (Referência ETF BOVA11) Gráfico Diário 01/02/2013

O que são os ETFs (Fundos de Índice)? Ibovespa - IBOV (Referência ETF BOVA11) Gráfico Diário 01/02/2013 O que são os ETFs (Fundos de Índice)? ETFs (Exchange Traded Funds) é como são conhecidos mundialmente os Fundos de Índice, isto é, fundos que replicam os mais variados índices de mercado e têm cotas negociadas

Leia mais

PACIFICO AÇÕES JULHO DE 2013 1

PACIFICO AÇÕES JULHO DE 2013 1 O fundo Pacifico Ações FIQ FIA apresentou no segundo trimestre de 2013 um retorno negativo de 8,9%, enquanto o Ibovespa teve variação de 15,8%. Desde seu o início, a rentabilidade é de +21,6%, enquanto

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO Capital Garantido Brasil 2015 Notes ( Brasil 2015 Notes ) a emitir pelo Espirito Santo Investment p.l.c. ao abrigo do seu 2,500,000,000 Euro Medium Term

Leia mais

Preçário de Intermediação Financeira

Preçário de Intermediação Financeira INFORMAÇÃO GERAL BANIF BANCO INTERNACIONAL O FUNCHAL Preçário de Intermediação Financeira () Entrada em vigor: 12Mar201 Para a recepção e resolução de reclamações, contacte: (Serviço de reclamação e apoio

Leia mais

ETFs. Produtos de Investimentos Estruturados. José da Silva Pires / Commerzbank

ETFs. Produtos de Investimentos Estruturados. José da Silva Pires / Commerzbank ETFs Produtos de Investimentos Estruturados ETFs Ideias geniais são frequentemente muito simples fósforo (em grego o que traz luz ) - 1669 1993, os primeiros ETF s negociados na American Stock Exchange

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Preçário de Intermediação Financeira

Preçário de Intermediação Financeira INFORMAÇÃO GERAL BANIF BANCO INTERNACIONAL O FUNCHAL Preçário de Intermediação Financeira () Entrada em vigor: 0Fev201 Para a recepção e resolução de reclamações, contacte: (Serviço de reclamação e apoio

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Apresentação Institucional (Setembro/2015)

Apresentação Institucional (Setembro/2015) Apresentação Institucional (Setembro/2015) 2 Importância do Mercado de Capitais na Sociedade IMPORTÂNCIA DO MERCADO DE CAPITAIS 3 Símbolo do capitalismo, a principal função do mercado de capitais é fomentar

Leia mais

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest 15 de Outubro de 2010 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

FELIPE BUENDIA D. PAIVA PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE OPERAÇÕES EM MERCADOS FINANCEIROS

FELIPE BUENDIA D. PAIVA PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE OPERAÇÕES EM MERCADOS FINANCEIROS FELIPE BUENDIA D. PAIVA PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE OPERAÇÕES EM MERCADOS FINANCEIROS Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

... enquanto isso, especialista treina robôs investidores. p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S E N T R E V I S T A O U T 1 1

... enquanto isso, especialista treina robôs investidores. p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S E N T R E V I S T A O U T 1 1 Foto: Jefferson Bernardes... enquanto isso, especialista treina robôs investidores p o r F R A N C I S C O T R A M U J A S O U T 1 1 7 Rogério Figurelli é engenheiro eletrônico e cientista da computação,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. A ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. ( ITAÚ CORRETORA ), em consonância com a regulamentação em vigor, estabelece suas regras e parâmetros de

Leia mais

Título: Custo de Assimetria de Informação Embutido no Spread de Ações no Brasil e Governança Corporativa. Resumo

Título: Custo de Assimetria de Informação Embutido no Spread de Ações no Brasil e Governança Corporativa. Resumo Título: Custo de Assimetria de Informação Embutido no Spread de Ações no Brasil e Governança Corporativa Resumo O objetivo deste trabalho é analisar o custo de assimetria de informação embutido nos spreads

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 1 ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 2 Programa 1 - Arbitragem triangular Introdução Conceitos-base Arbitragem triangular Arbitragem triangular com cotações BID-ASK Conclusão 2 - Modelos de arbitragem

Leia mais

O comercializador, agente do novo mercado de energia

O comercializador, agente do novo mercado de energia O comercializador, agente do novo mercado de energia II Seminário Internacional CANA & ENERGIA Antonio Carlos C. Pinhel GCS Energia Riberão Preto, 29 de Agosto de 2002 Grupo Guaraniana Patrimônio líquido

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012

Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012 Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX Junho / 2012 Gestão de Riscos Swaps Alarmes iphone / ipad Liquidez Automação de trade Automação contratos Treinamento Mercado Agilidade tempo real

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Depósito Indexado Geo Diversificado

Leia mais