UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Pairs Trading Arbitragem Estatística entre dois ativos: uma investigação sobre o desempenho dos pares através da abordagem da cointegração no Brasil entre 2000 e JULIO FERNANDO COSTA SANTOS Rio de Janeiro Junho/2013

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Mestrado em Economia Empresarial Pairs Trading Arbitragem Estatística entre dois ativos: uma investigação sobre o desempenho dos pares através da abordagem da cointegração no Brasil entre 2000 e Julio Fernando Costa Santos Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Economia Empresarial da UCAM, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre. Orientador: Marcelo Sales Pessoa Rio de Janeiro Junho/2013

3 S237p Santos, Julio Fernando Costa. Pairs trading arbitragem estatística entre dois ativos : uma investigação sobre o desempenho dos pares através da abordagem da cointegração no Brasil entre 2000 e 2011 / Julio Fernando Costa Santos. -- Rio de Janeiro, f. : il. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Candido Mendes, Arbitragem 2. Mercado de ações 3. Ações ao par 4. Brasil I. Universidade Candido Mendes II.Título CDU (81): /2011

4 Julio Fernando Costa Santos Pairs Trading Arbitragem Estatística entre dois ativos: uma investigação sobre o desempenho dos pares através da abordagem da cointegração no Brasil entre 2000 e Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Economia Empresarial da UCAM, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre. Aprovado pela Banca Examinadora em / /. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Marcelo Sales Pessoa / UCAM RJ Orientador Prof. Dra. Roberta Montello Amaral / UCAM RJ Prof. Dr. Paulo Roberto Rocha Aguiar / UCAM RJ Rio de Janeiro Junho/2013

5 Dedico essa dissertação aos meus pais. Sem o apoio deles, eu jamais estaria aqui.

6 AGRADECIMENTOS Dedico essa dissertação a todas as pessoas que estiveram comigo dando apoio direta e indiretamente para que hoje estivesse aqui. Primeiro agradeço a Deus. Sem ele eu simplesmente não seria o que sou hoje. Agradeço à família. Minha mãe, pai, irmã e sobrinhos pelo amor, o carinho e o apoio. Agradeço a Lourdes por ser minha segunda mãe me apoiando de igual forma. Agradeço a vó Thereza e aos meus sogros Josi, João, aos cunhados Dani, Gabriel, César por sempre estarem do meu lado. Agradeço também ao Tobby por chefiar a casa e mostrar quem manda. Agradeço a minha linda mulher Larissa. Ela é parte fundamental da minha história. Agradeço ao pessoal da Um Investimentos Bauru (Leandro, Maurício e Fábio). Eles certamente fazem parte deste trabalho. Agradeço ao corpo docente do MEE UCAM, pelo ensino e empenho em transmitir conhecimento para nós alunos. Agradeço principalmente ao meu orientador Marcelo Sales Pessoa pela ajuda, ensino, auxílio e entendimento desse momento com tantas mudanças na minha vida.

7 A ciência nunca resolve um problema sem pelo menos criar outros dez George Bernard Shaw ( )

8 RESUMO Esta dissertação investiga a rentabilidade da estratégia pairs trading utilizando os testes de cointegração de Engle & Granger e Johansen para ações negociadas na Bovespa no período de 2000 a Foram testadas diferentes bandas de abertura, fechamento e stop. A partir desses resultados foram separadas três estratégias diferentes para análise mais detalhada. A estratégia 1 obteve como resultados o retorno líquido médio de 1,69% a.s. (3,41% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,27. A estratégia 2 obteve como resultados o retorno líquido médio de 1,01% a.s. (2,03% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,22. A estratégia 3 obteve como resultados o retorno líquido médio de 6,43% a.s. (13,27% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,75. Em nenhuma das Estratégias encontrou-se a correlação do retorno diário dos pares como possível variável explicativa para o retorno da estratégia. Os resultados obtidos reforçam a importância do uso da cointegração em estratégias pairs trading, que podem ser usadas por investidores individuais ou institucionais. Palavras-chave: Pairs Trading, Arbitragem Estatística, Cointegração.

9 ABSTRACT This dissertation investigates the profitability of pairs trading strategy using the cointegration tests of Engle and Granger and Johansen for stocks traded on Bovespa in the period We tested different bands for opening, closing and stop. From these results, three different strategies were separated for further analysis. Strategy 1 results obtained as the average net return of 1.69% to (3.41% per year) and Sharpe ratio (IS) average of 0.27 per year. Strategy 2 results obtained as the average net return of 1.01% to (2.03% per year) and Sharpe ratio (IS) average of 0.22 per year. Strategy 3 results obtained as the average net return of 6.43% to (13.27% per year) and Sharpe ratio (IS) average of 0.75 per year. The tested Strategies could not explain the returns using correlation of the daily return of the pairs as a possible explanatory variable. The results reinforce the importance of using cointegration pairs trading strategies that can be used for individual or institutional investors. Keywords: Pairs Trading, Statistical Arbitrage, Cointegration.

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS ENVOLVIDOS NO ESTUDO Origem A estratégia Pairs Trading O mercado de aluguel de ações Arbitragem e Limites à Arbitragem Riscos Envolvendo a Estratégia de Pairs Trading Elementos Teóricos Hipótese dos Mercados Eficientes Estratégias Contrárias de Investimento Estratégias Long-Short Neutras ao Mercado Preços Relativos e a Lei do Preço Único Cointegração Teste de Cointegração de Engle e Granger Teste de Johansen Trabalhos anteriores com Pairs Trading METODOLOGIA Base de dados e pré-seleção dos pares Cálculo do retorno do par Cálculo do Índice de Sharpe Anualizado Banda de abertura em função de σ Período de formação Período de operação Custos de transação RESULTADOS Resultados da Estratégia Resultados da Estratégia Resultados da Estratégia Comparativo entre as estratégias CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APENDICE

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Divisão dos períodos na amostra de dados Figura 2 Gráfico do lucro em função da quantidade de desvios-padrão, σ Figura 3 Gráfico em boxplot com as taxas médias anuais de aluguel Figura 4 Histograma da rentabilidade líquida dos pares na estratégia Figura 5 Histograma do Índice de Sharpe obtido dos pares na estratégia Figura 6 Histograma da rentabilidade líquida dos pares na estratégia Figura 7 Histograma do Índice de Sharpe obtido dos pares na estratégia Figura 8 Histograma da rentabilidade líquida dos pares na estratégia Figura 9 Histograma do Índice de Sharpe obtido dos pares na estratégia Figura 10 Diagrama em Dispersão Estratégia Figura 11 Diagrama em Dispersão Estratégia Figura 12 Diagrama em Dispersão Estratégia

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Dados de crescimento do mercado de aluguel de ações Tabela 2 Ações que cumprem os critérios de liquidez Tabela 3 Rentabilidade líquida média dos pares com banda de fechamento 0,5σ Tabela 4 Rentabilidade líquida média dos pares com banda de fechamento 0,1σ Tabela 5 Índice de Sharpe médio dos pares com banda de fechamento 0,5σ Tabela 6 Índice de Sharpe médio dos pares com banda de fechamento 0,1σ Tabela 7 Estatística descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 8 Análise descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 9 Estatística descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 10 Análise descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 11 Estatística descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 12 Análise descritiva das rentabilidades líquidas da estratégia Tabela 13 Comparativo das três estratégias com dados anualizados Tabela 14 Tempo médio de duração Tabela 15 Dados do período Tabela 16 Dados do período Tabela 17 Dados do período Tabela 18 Dados do período Tabela 19 Dados do período Tabela 20 Dados do período Tabela 21 Dados do período Tabela 22 Dados do período Tabela 23 Dados do período Tabela 24 Dados do período Tabela 25 Dados do período Tabela 26 Dados do período

13 Tabela 27 Dados do período Tabela 28 Dados do período Tabela 29 Dados do período Tabela 30 Dados do período Tabela 31 Dados do período Tabela 32 Dados do período Tabela 33 Dados do período Tabela 34 Dados do período Tabela 35 Dados do período Tabela 36 Dados do período Tabela 37 Taxas médias de aluguel (2004 a 2011) Tabela 38 Média e desvio padrão do retorno diário das ações Tabela 39 Correlação entre o retorno das ações envolvidas no estudo Tabela 40 Regressão linear entre o retorno e a correlação na Estratégia Tabela 41 Regressão linear entre o retorno e a correlação na Estratégia Tabela 42 Regressão linear entre o retorno e a correlação na Estratégia

14 14 1. INTRODUÇÃO Pairs trading, ou arbitragem estatística, é uma estratégia em bolsa na qual se opera o Spread 1 ou Ratio 2 de dois ativos financeiros. Seu objetivo principal é obter ganhos com ativos financeiros cujos preços caminhem juntos ao longo do tempo. Trata-se de estimar um valor de equilíbrio e montar operações em momentos de fortes movimentos de distorção, para apostar no retorno ao valor de equilíbrio. Caso o retorno ocorra, fecha-se a operação realizando o lucro. Na prática do mercado de capitais, ocorre da seguinte forma: analisam-se duas ações que historicamente andam juntas ou que possuem uma matriz de fatores econômicos comuns. Geralmente, usa-se a correlação dos retornos diários como medida estatística para identificar essas ações. Calcula-se o spread médio de um determinado período. Calcula-se o desviopadrão do spread histórico nesse mesmo período. Toda vez que o spread vai além de um número de desvios-padrão, compra-se a ação perdedora e vende-se a descoberto 3 a ação ganhadora. Se o spread retornar à média, basta vender a ação comprada e comprar a ação que foi vendida a descoberto, desfazendo-se a operação e realizando o lucro. No Brasil, o emprego desse tipo de estratégia é bastante comum entre corretoras e bancos de investimento. Corretoras (CTVM) distribuem, através do setor de análise, boletins recomendando operações long-short 4 Além disso, é uma estratégia bastante utilizada pelos Fundos de Investimento Long Short Neutro 5 (Classificação ANBIMA). No entanto, a abordagem estatística (Pairs Trading) não é a única metodologia utilizada para administração de fundos que utilizem estratégias long-short. 1 Spread é o termo em Inglês para denominar o diferencial de preços entre duas ações. Também é conhecido como valor relativo. No caso de ações, o Spread entre elas é o valor da Ação1 valor Ação2. 2 Ratio é a razão entre dois ativos financeiros. No caso de ações, o Ratio entre elas é o valor da Ação1/valor da Ação2. 3 No caso brasileiro, a venda a descoberto é realizada alugando-se um ativo pelo BTC. O Banco de Títulos (BTC) é um serviço de empréstimos de ativos que atende tanto aos que querem emprestar, quanto aos que desejam tomar emprestado um ativo financeiro mediante aporte de garantias. A Bolsa atua como contraparte central e garante as operações. 4 Operação long-short é uma estratégia que consiste em comprar um ativo X e vender a descoberto simultaneamente um ativo Y. 5 Fundos Long Short Neutro representam em 0,16% do Patrimônio Líquido Total dos Fundos de Investimentos existentes no Brasil em Dados obtidos da ANBIMA.

15 15 Com uma taxa de crescimento anual em 61,16% (entre 2004 e 2011) no volume de operações realizadas via BTC, o mercado de aluguel de ações no Brasil tem tido uma constante queda das altas taxas de aluguel praticadas. A tabela 36 apresenta os dados da evolução da taxa média de aluguel anualizada mês a mês durante o período de 2004 a A taxa média era de cerca de 6% a.a. em 2004 passou para menos de 3% a.a. em 2011 reduzindo assim os custos de transação para quem realiza esse tipo de estratégia. Dessa forma, devemos esperar um crescimento desse tipo de operação. Entre os trabalhos realizados com pairs trading no mercado internacional e nacional, não há uma metodologia única para a estratégia. Temos abordagens diferentes para mensurar se ativos caminham juntos. A maneira mais difundida para analisar pares com essa característica é a correlação dos retornos. No entanto, a correlação não garante reversão à média 6 ou equilíbrio de longo prazo. Uma indicação mais significativa dessa reversão vem da análise da cointegração 7. Além disso, os analistas usam diferentes bandas para abertura e fechamento de operações assim como para o controle de risco. A abordagem da cointegração já foi utilizada por Caldeira (2010), Imamura (2009) e Kabashima (2003) em três diferentes trabalhos no Brasil para a estratégia Pairs Trading. O trabalho aqui realizado se assemelha à metodologia proposta por Caldeira (2010). No entanto, o trabalho citado analisou apenas a situação com a banda de abertura em 2σ e fechamento das operações em ±0,5σ. Conforme sugerido por Vidyamurthy (2004), é necessário obter características do resíduo para que possamos estimar a banda ótima de abertura de operações. Dessa forma, a metodologia aqui proposta realizou testes com diferentes bandas de abertura e fechamento das operações objetivando encontrar uma possível banda ótima que apresenta melhor índice de Sharpe (IS) para negociação de pairs trading. Para isso, selecionamos ações com elevada liquidez da BOVESPA no período entre 2000 a Separamos 22 períodos de formação e 22 períodos de operação. Foram realizados os testes de cointegração nos 22 períodos de formação e separados os pares cointegrados para serem testados nos respectivos períodos de operação. Testamos diferentes bandas de abertura, fechamento e stop. Foram separadas três diferentes estratégias para uma 6 O conceito de reversão à média está intrinsecamente ligado ao conceito de séries estacionárias. Em um processo estacionário, não é possível a série se afastar muito da média devido à variância da série ser finita. 7 Cointegração é uma relação estatística onde duas séries de tempo que são integradas de mesma ordem, d, podem ser combinadas linearmente para produzir uma única série temporal de ordem d b, onde (d>b>0). Em pairs trading, as séries de preços I(1) são combinadas para produzir séries temporais estacionárias I(0).

16 16 análise mais detalhada. A estratégia 1, representando a sugestão operacional de Vidyamurthy (2004) obteve, como resultados, o retorno líquido médio de 1,69% a.s. (3,41% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,27. A estratégia 2, representando parâmetros da prática de mercado, obteve como resultados o retorno líquido médio de 1,01% a.s. (2,03% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,22. A estratégia 3, representando a banda com maior probabilidade de pares com quebra estrutural, obteve como resultados o retorno líquido médio de 6,43% a.s. (13,27% a.a.) e Índice de Sharpe (IS) anualizado médio de 0,75. A análise via regressão linear simples do retorno líquido das estratégias como variável dependente e a correlação dos retornos diários dos pares como variável explicativa rejeita a hipótese do retorno ser dependente de elevada correlação. Dessa forma, os resultados obtidos reforçam a importância do uso da cointegração em estratégias pairs trading, que podem ser usadas por investidores individuais ou institucionais como alternativa ao uso da correlação. O presente trabalho está estruturado em cinco capítulos. O segundo capítulo tem, como objetivo, discutir as fundamentações teóricas que cercam o tema além de fazer uma revisão dos trabalhos já realizados com pairs trading. O terceiro capítulo aborda a metodologia do estudo, definindo como será adotada a estratégia de pairs trading. O quarto capítulo apresenta os resultados obtidos com os pares testados no período de análise e o quinto capítulo apresenta as conclusões sobre o trabalho.

17 17 2. CONCEITOS ENVOLVIDOS NO ESTUDO 2.1. Origem Pairs trading é uma estratégia que ficou famosa em Wall Street dos anos 80. Segundo Gatev et al. (2006), a origem da estratégia está ligada a Nunzio Tartaglia e um grupo de acadêmicos que trabalhavam na época no banco de investimentos Morgan Stanley. Reunidos, descobriram oportunidades para obter lucros através de programas automatizados para negociação de ações, que utilizavam técnicas estatísticas avançadas para a época. Segundo Vidyamurthy (2004), em seu clássico livro sobre pairs trading, uma das técnicas utilizadas era a identificação de pares de ações cujos preços moviam juntos, e sempre que uma anormalidade na relação histórica de preços entre essas ações fosse detectada, os pares eram negociados sob a premissa de que essa anormalidade iria se corrigir automaticamente. Segundo Caldeira (2010), Tartaglia e seu grupo empregaram a estratégia de pairs trading com grande sucesso ao longo de Apesar de o grupo ter sido desmontado em 1989, após dois anos de resultados ruins, a estratégia pairs trading se tornou cada vez mais popular entre traders individuais, investidores institucionais e hedge-funds A estratégia pairs trading Segundo Jacobs et al. (1993), estratégias long-short com ações são estratégias que objetivam a neutralidade ao mercado (ou tentam ser, ao menos, ex-ante). Essa mantém posições compradas e vendidas com equivalentes exposições a risco de mercado em todo o tempo. Isso é alcançado quando se igualam os betas de mercado ponderados das posições compradas e vendidas dentro do portfólio. Essa abordagem elimina exposição a risco

18 18 direcional ao mercado, tal que o retorno obtido não deve apresentar correlação com o índice de referência do mercado, o que é equivalente a um portfólio beta-zero. Os retornos do portfólio são gerados pelo isolamento de alfa, ajustado pelo risco. Os recursos obtidos com a posição vendida são utilizados para financiar a posição comprada. Entretanto, Alexander e Dimitriu (2005) alertam que, apesar de operações long-short serem ditas como neutras ao mercado, se não forem desenhadas para terem beta-zero, não necessariamente são neutras ao mercado. No clássico livro sobre pairs trading, Vidyamurthy (2004) define a arbitragem estatística dos pares baseando-se no conceito de preços relativos. A ideia reside em explorar os desvios temporários de apreçamento (mispricings) entre dois ativos com características semelhantes. Os desvios são medidos em uma série temporal denominada spread. Quanto maior for seu valor, maior é o desvio de apreçamento entre os dois ativos e maior tende a ser o potencial de lucro. A estratégia envolve assumir uma posição long-short (comprar uma ação e vender a outra) a cada vez que o spread estiver longe de sua média histórica, com a expectativa de que o desvio de apreçamento irá se corrigir automaticamente, e quando isso acontecer, deve-se encerrar a operação. Segundo Nath (2003), a estratégia pairs trading necessita ser dividida em três diferentes etapas. A primeira consiste em analisar as séries temporais recentes em um universo de ativos disponíveis. Esse período é denominado período de análise. A segunda etapa relaciona-se a escolha de que método estatístico será utilizado para encontrar ativos que andam juntos. A terceira e última etapa é negociar os pares no período subsequente ao período de análise. Além dessas etapas, o mesmo autor sugere que deve-se levar em conta outras variáveis no estudo de pairs trading como: a duração do período de treinamento, o universo de ativos elegíveis, a métrica para selecionar os pares, o critério para decidir se os pares são muitos instáveis, a duração do período de negociação, o critério para abertura e fechamento das operações assim como o critério para controle de risco O mercado de aluguel de ações

19 19 No Brasil o aluguel de ações surgiu com a criação em 1996 do BTC (banco de títulos). Esse disponibiliza um serviço por meio do qual os investidores disponibilizam títulos para empréstimos e os interessados os tomam mediante aporte de garantias. A CBLC atua como contraparte no processo e garante as operações. O acesso ao serviço se dá por meio de um sistema eletrônico, e o tomador paga uma taxa ao doador, acrescida do emolumento da CBLC. A taxa é livremente pactuada entre as partes. Todos os proventos declarados pelo emissor do título pertencem ao proprietário original (www.cblc.com.br). Conforme a CBLC, os ativos elegíveis para as operações de empréstimo de títulos no BTC são as ações emitidas por companhias abertas admitidas à negociação na BOVESPA. Para minimizar possíveis falhas nos processos de liquidação das operações, nas situações em que o investidor vendedor não dispõe de títulos para entregar na liquidação das vendas, havendo disponibilidade (registro de oferta), a CBLC toma emprestados compulsoriamente os títulos para a carteira desse investidor. No Brasil, a venda descoberta é realizada através do empréstimo de ativos via BTC. A tabela 1 apresenta os dados do mercado de empréstimo de títulos de 1996 até O volume que era de pouco mais de 300 milhões de reais negociados em 1996 passou para mais de 700 bilhões de reais negociados no ano de A quantidade de ativos negociados passou de 4 para 277 no período. Tabela 1: Dados de crescimento do Mercado de Aluguel de Ações

20 20 Ano Volume R$ Quantidade de Quantidade média de milhões operações ativos objetos negociados Fonte: Elaboração do autor com dados da BOVESPA 2.4. Arbitragem e limites à arbitragem Segundo Barros (2004), nos modelos tradicionais, que partem da premissa de que os agentes são todos racionais e não há fricções, o preço de um ativo no mercado é equivalente ao seu valor fundamental, dado pela soma dos valores descontados dos seus fluxos de caixa esperados. Segundo Fama (1970), A Hipótese dos Mercados Eficientes (HME) presume que os preços atuais refletem os valores fundamentais. Ainda segundo Barros (2004), na visão de muitos economistas, mesmo que parte dos agentes dos mercados financeiros atue de forma irracional, a Hipótese de Mercados Eficientes prevalecerá. O argumento baseia-se essencialmente em duas assertivas: A primeira é que se houver um desvio nos preços dos ativos em relação a seus valores "corretos", cria-se uma oportunidade atrativa de lucros. A segunda é que os agentes racionais aproveitarão rapidamente esta oportunidade, conduzindo os preços de volta a seus valores de equilíbrio,

21 21 situação na qual o preço e o valor fundamental do ativo são iguais. A este mecanismo de correção de distorções no mercado dá-se o nome de arbitragem. Corroborando a ideia, Aldrighi e Milanez (2005) afirmam que, quando os preços dos ativos desviam do valor intrínseco, as operações de arbitragem trazem a sua convergência. Thaler e Barberis (2003) argumentam que existem barreiras à arbitragem que não tornam a oportunidade de arbitragem tão simples. Os autores explicam que, quando um ativo está mal apreçado, estratégias para retomar o equilíbrio podem ser arriscadas e custosas, tornando-se desinteressantes para os investidores racionais. Sendo assim, a presença de agentes que não são totalmente racionais poderia responder por distorções de preços permanentes ou que reverberam por longo período. Pode-se definir arbitragem como uma estratégia de investimento que oferece ganhos sem que haja risco ou custos adicionais. Os investidores racionais, ao agirem quando notam que os preços estão incorretos, são chamados de arbitradores, por buscarem um ganho sem risco. Todavia, em finanças comportamentais o argumento é que essas estratégias adotadas pelos agentes racionais no mudo real não podem ser chamadas de arbitragem, pois, na maioria dos casos, envolve risco. Por essa razão, o preço pode permanecer incorreto. Segundo Thaler e Barberis (2003) e Shleifer, (2000), os arbitradores estão expostos a diferentes riscos. Entre eles, podemos falar sobre o risco fundamental do ativo, o risco proveniente de movimentos dos investidores irracionais (noise traders) e os custos de implementação da estratégia. O risco fundamental do ativo: Para que aconteça uma arbitragem no sentido clássico sem risco é necessário que ativos substitutos perfeitos do ativo objeto da arbitragem estejam disponíveis. Por exemplo, se o objeto da arbitragem é uma ação A, é preciso encontrar uma outra ação B cujos fluxos de caixa futuros sejam perfeitamente correlacionados com os da ação A. Em razão da dificuldade de se encontrar ativos substitutos perfeitos, é impossível eliminar parte do risco fundamental do ativo; O risco proveniente de movimentos dos investidores irracionais (Noise Traders): Segundo De Long et al (1990), há o risco de que uma distorção de preços já detectada

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia. Elton Takimoto A ESTRATÉGIA PAIRS TRADING NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia. Elton Takimoto A ESTRATÉGIA PAIRS TRADING NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia Elton Takimoto A ESTRATÉGIA PAIRS TRADING NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO São Paulo 2007 Elton Takimoto A estratégia pairs trading

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa A definição do tipo de pesquisa é fundamental para a escolha da metodologia adequada, só assim será possível atingir os objetivos propostos. Esta pesquisa usará a classificação

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 07/02/2012

Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 07/02/2012 Estudo sobre estratégia Long-Short entre VALE3 e VALE5, realizado em 7/2/212 por Luiz F. Rogé Ferreira - para o site InvestCerto. Objetivo: avaliar a possibilidade de fazer uma estratégia long-short, com

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013 Estratégias Operacionais no Mercado de Ações Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Aluguel de Ações 2) Estratégia ShortSelling 3) Estratégia Long &Short a) Spread b) Ratio c) Apuração de Resultado 4) ETF

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CÁSSIO ANDRADE XAVIER ESTRATÉGIA PAIRS TRADING APLICADA AO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES Porto

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Integração ESG. Raquel Costa. 27/maio/2015 PUBLIC

Integração ESG. Raquel Costa. 27/maio/2015 PUBLIC Integração ESG Raquel Costa 27/maio/2015 Integração em todas as atividades Política de Sustentabilidade Avaliação de Sustentabilidade na Gestão de Renda Variável e Renda Fixa Avaliação de Sustentabilidade

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Segurança financeira. Garanta sua renda mensal. Recolocação no mercado de trabalho pode não ser tão fácil Precisa estar preparado para altos e baixo.

Segurança financeira. Garanta sua renda mensal. Recolocação no mercado de trabalho pode não ser tão fácil Precisa estar preparado para altos e baixo. Dicas para o Sucesso Dedicação Atualização de conhecimento mercado que pretende atuar. Segurança Financeira nunca utilize todos os seus recursos. Não arrisque sua segurança. Segurança financeira Garanta

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Neurodinâmica do Mercado de Ações

Neurodinâmica do Mercado de Ações Neurodinâmica do Mercado de Ações Armando Freitas da Rocha Eina Estudos em Inteligência Natural e Artificial Rua Tenente Ary Aps, 172 13207-110 Jundiaí Fone: (11) 4535-1414 Direitos Reservados: Eina The

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel),

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel), nfelizmente, o uso de ferramentas tornais de previsão é muito pouco adotado por empresas no Brasil. A opinião geral é que no Brasil é impossível fazer previsão. O ambiente econômico é muito instável, a

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

INFORME FINACAP DTVM

INFORME FINACAP DTVM INFORME FINACAP DTVM Histórico de crescimento até a criação da Finacap DTVM Março/97 - A Finacap nasce como empresa de consultoria financeira, a Finacap - Consultoria Financeira e Mercado de Capitais.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais