Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA"

Transcrição

1 Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA À EMPRESA: Prezado Cliente, Nós, da Nossa Caixa Desenvolvimento, estamos muito satisfeitos por sua preferência e pelo seu interesse nas nossas linhas de crédito para projetos de investimento. Pedimos, gentilmente, que prepare um breve resumo para os itens abaixo, quando enviar o seu projeto para que a nossa instituição analise. 1. CADASTRO Dados cadastrais da empresa, dos sócios e informações adicionais da empresa - conforme descrito nos Anexo I. 2. MERCADO Informações sobre a evolução da produção e do faturamento nos últimos anos; principais fatores que determinaram a evolução da demanda; perspectivas do comportamento do mercado, fatores determinantes do comportamento esperado e, entre outros, a taxa esperada de crescimento conforme descrito no Anexo II. 3. DIRETORIA E ESTRATÉGIA Informações sobre o corpo diretivo da empresa e as estratégias por ele adotadas que levaram ao investimento no projeto conforme descrito no Anexo III. 4. PROJETO A SER FINANCIADO Breve relato ressaltando os objetivos do projeto, seus impactos na empresa e no mercado conforme descrito no Anexo IV. 5. BALANÇOS E PROJEÇÕES Comente, de acordo com as projeções do Anexo V, qual valor será investido, como este investimento será financiado e como este financiamento será amortizado conforme descrito no Anexo V. Atenciosamente, Diretoria Nossa Caixa Desenvolvimento

2 ANEXO I 1. DADOS CADASTRAIS 1.1. DADOS CADASTRAIS DA EMPRESA a) Razão Social; b) Nome Fantasia; c) CNPJ; d) Forma Jurídica; e) Sede e Foro; f) Objeto Social; g) Capital Social subscrito e integralizado, em XX/XX/XX, no valor de R$... (informar data e valor constantes no Contrato Social); h) Quantidade de quotas ou ações; i) Controle do Capital Social: Tabela - 01 Se sua empresa (ou algum acionista) fizer parte de grupo econômico, favor informar INFORMAÇÕES ADICIONAIS a) Breve histórico da empresa; b) Principais fornecedores; c) Principais clientes; d) Número de empregados próprios e terceirizados; e) Outras informações que julgar relevantes.

3 ANEXO II 2. INFORMAÇÕES DO MERCADO Observação: Favor inserir nos itens abaixo as informações que você possui. Caso seja necessário, um analista de crédito solicitará informações adicionais durante a visita à empresa SETOR a) Setor(es) de atuação; b) Expectativa futura MERCADO INTERNO a) Evolução da produção e do faturamento nos últimos anos; b) Principais fatores que determinaram a evolução da demanda; c) Perspectivas do comportamento do mercado, fatores determinantes do comportamento esperado e, entre outros, a taxa esperada de crescimento MERCADO EXTERNO Se for exportador, favor informar. 3. DIRETORIA E ESTRATÉGIA ANEXO III Qualidade, formação, experiência do corpo diretivo e dos principais executivos. Favor adicionar organograma mais detalhado possível da empresa e curriculum vitae dos diretores e executivos que respondem pela empresa. 4. PROJETO A SER FINANCIADO ANEXO IV 4.1. OBJETIVOS a) Descrição do projeto: implantação, expansão, modernização ou relocalização; b) Vantagens da localização do projeto; c) Número de empregos adicionais gerados pelo projeto; d) Prazo para implantação do projeto e previsão para início de operação; e) Outros itens relevantes sobre o projeto (aumento de produtividade, aumento da produção etc.); f) Resumo dos principais impactos socioambientais do projeto e as ações preventivas e mitigadoras; g) Descrição do projeto relativamente às obras civis (tipo de construção e área construída em m²), investimentos em qualidade e treinamento; h) Comente: Quanto será investido com capital próprio? Quanto será investido com capital de terceiros? (detalhar) Como os investimentos, com capital de terceiros, serão amortizados? (estes comentários devem estar refletidos de maneira bem clara nas projeções)

4 4.2. IMPACTOS DO PROJETO NA EMPRESA E NO MERCADO Observação: Favor inserir as informações de que dispõe; caso seja necessário, um analista de crédito obterá as informações adicionais durante a visita à empresa. Efeitos do projeto na estratégia mercadológica da empresa e o impacto no setor de atuação Fatores que caracterizam as pretensões da empresa em termos mercadológicos: Aumento da participação no mercado interno/externo de (produto) para...%; Ampliação da linha de atuação no mercado/segmento de (produto); Oferta de produto (ou nova linha de produtos) mais moderno/com maior valor agregado/com preços mais competitivos; Atender melhor às exigências/mudanças do cliente/mercado; Atender à crescente demanda por (produto); Enfocar sua atuação no segmento de (produto), de forma a aumentar sua participação no mercado e obter maiores margens; Posicionar-se melhor no mercado, buscando explorar as oportunidades existentes; Mudar seu mix de produtos ofertados, oferecendo produtos com maior valor agregado, melhor preço, melhor qualidade RESUMO DOS ITENS A SEREM FINANCIADOS Tabela - 02

5 ANEXO V 5. BALANÇOS E PROJEÇÕES 5.1. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO Tabela QUADRO DE USOS E FONTES Instruções de preenchimento: Início do Projeto - Data de Início do Projeto Término do Projeto - Data prevista para término do projeto Investimentos a realizar Especificar período: 1 Mensal 2 Bimestral 3 Trimestral 4 Quadrimestral 5 Semestral 6 Anual Preencher: Realizado até: Investimento já realizado pela beneficiária. Investimentos a realizar: Os valores que deverão ser investidos por período para a conclusão do investimento Observar a coluna de total: o valor deve corresponder ao montante de investimento em cada item.

6 Itens 1 - Investimentos Fixos Estudos e Projetos - Gastos com estudos e projetos de engenharia relacionados ao investimento. Construção Civil - Obras civis/ construção/ reforma/ ampliação Montagens/ Instalações Móveis e Utensílios - No contexto do projeto de investimento Software - Aquisição/ Instalação/ Consultoria/ Implantação - incluindo tratamento de dados já existentes / treinamento de usuários/ instalação de outros softwares necessários para o funcionamento do software em questão. Gastos com Implantação Despesas Pré-Operacionais Outros - Especificar 2 - Equipamentos Nacionais - Máquinas e Equipamentos novos, produzidos no Brasil, com índice de nacionalização igual ou superior a 60%. Este índice também é válido para avaliar o Processo Produtivo Básico das empresas. 3 - Equipamentos Importados - Equipamentos produzidos em outros países, ou com índice de nacionalização inferior a 60%; 4 - Gastos com manutenção 5 - Giro Associado - Capital de giro relacionado ao investimento fixo 6 - P, D & I - Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação a) Aquisição de material de consumo e permanente utilizado no projeto de pesquisa; b) Aquisição, transferência e absorção de tecnologia, desde que incorporadas ao projeto - exceto quando de empresas que integrem mesmo Grupo Econômico que a Beneficiária; c) Mão de obra direta relacionada ao Projeto de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação; d) Capacitação técnica e gerencial, limitada a 10% (dez por cento) dos itens financiáveis; e) Aquisição de simuladores de processo; f) Contratação de ensaios, testes, certificações e registro de patentes no país, dentre outros; g) Gastos para adequação aos padrões regulatórios nacionais e/ou internacionais relacionados ao projeto; h) Contratação de estudos, consultoria externa e assessorias técnicas de natureza organizacional, econômica e informacional relacionados ao processo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação; i) Qualidade e produtividade; j) Tecnologia da informação. 7 - Investimentos não Financiáveis - Especificar Total dos Usos - Linha preenchida automaticamente - Representa o total de investimentos no projeto 8 - Total de recursos provenientes da própria beneficiária para o investimento 9 - Total de recursos pleiteados junto à Nossa Caixa Desenvolvimento 10 - Outras fontes de financiamento, caso existam - Especificar as outras fontes. Total das Fontes - Linha preenchida automaticamente - Representa a origem de todos os recursos consumidos no projeto.

7 Tabela - 04

8 5.3. INFORMAÇÕES FINANCEIRAS COMPLEMENTARES E OPCIONAIS As informações constantes nos quadros 5.1 e 5.2 são básicas para uma primeira análise do projeto; futuramente as informações complementares e opcionais (itens a 5.3.5) poderão ser solicitadas, caso a Nossa Caixa Desenvolvimento entenda que seja necessário para uma melhor compreensão do projeto NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO Tabela - 05 PMRV = Prazo médio de recebimento de vendas PME = Prazo médio de renovação do estoque PMPF = Prazo médio de pagamento a fornecedores CMV = Custo médio de venda NCG = Necessidade de capital de giro PNC = Passivo não-circulante ANC = Ativo não-circulante CDG = Capital de Giro PROJEÇÃO DE ATIVO PERMANENTE Tabela - 06

9 PROJEÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA Tabela - 07 RLP = realizável a longo prazo PROJEÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DE LONGO PRAZO Tabela - 08 * os juros são pagos no próprio ano de apuração

10 BALANÇO PATRIMONIAL Tabela - 09

11 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Tecer comentários que julgar necessários para melhor explicar os conceitos e premissas utilizados.

b) É necessária a apresentação dessa CONSULTA PRÉVIA nos seguintes casos:

b) É necessária a apresentação dessa CONSULTA PRÉVIA nos seguintes casos: 0BAnexo V à Circular nº 33/2011, de 01.09.2011 1BROTEIRO DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS PARA CONSULTA PRÉVIA FINANCIAMENTO À COMPRADORA Formatado: Não ajustar espaço entre o texto latino e asiático Formatado:

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde BNDES Profarma - Produção

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde BNDES Profarma - Produção CIRCULAR Nº 44/2010 Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2010 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde BNDES Profarma - Produção O Superintendente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL PARANÁ-PARCERIAS ANEXO V

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL PARANÁ-PARCERIAS ANEXO V ANEXO V DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DO CORREDOR DA PR-323 CONSULTA PÚBLICA nº 01 18/11/2013 ANEXO V DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DO CORREDOR DA PR-323 1. PLANO

Leia mais

Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado

Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado 1. CADASTRO Dados cadastrais da empresa, dos sócios e informações adicionais da empresa fichas de cadastro pessoa jurídica e pessoa física.

Leia mais

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este anexo tem por objetivo orientar as Licitantes na elaboração do Plano de Negócios, conforme requerido no Edital,

Leia mais

BLOCO K Jan-2016. EFD ICMS/IPI Bloco K

BLOCO K Jan-2016. EFD ICMS/IPI Bloco K EFD ICMS/IPI Bloco K BLOCO K Jan-2016 Governança e Conformidade Legal Oportunidade para Melhorias de Produtividade Exige Integração de Processos e Áreas Funcionais Processos Integrados (ERP) é Fundamental

Leia mais

Assunto: Plano Financeiro (I parte)

Assunto: Plano Financeiro (I parte) Assunto: Plano Financeiro (I parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Nesta disciplina, todos os assuntos

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal)

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) (UM ENFOQUE ORIENTADO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA)! Apresentação do balanço! Apresentação do resultado! A

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1 Sumário Executivo... 4 1.1 Resumo dos Principais Pontos do Plano de Negócio... 4 2 Dados do Empreendimento... 4 2.1 Constituição Legal da Empresa... 4 2.2 Setor de

Leia mais

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL ( CMPC OU WACC)! Qual a taxa adequada para descontar o fluxo de caixa?! Valor do balanço ou valor de mercado? Qual utilizar?! Exemplo de como

Leia mais

Projeto Fiesp / Serasa

Projeto Fiesp / Serasa Projeto Fiesp / Serasa Glossário dos índices econômico-financeiros Desenvolvimento técnico de Crédito Olavo Borges João Carlos Ferreira Machado Julho / 2005 1. Estrutura de capitais Esse grupo de índices

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PEDIDO DE FINANCIAMENTO

MANUAL OPERACIONAL PEDIDO DE FINANCIAMENTO PEDIDO DE FINANCIAMENTO Versão 4 Data 15/03/2011 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. CADASTRAMENTO DE NOVO USUÁRIO... 3 4. PÁGINA INICIAL... 4 5. INCLUSÃO DE PEDIDO DE FINANCIAMENTO... 4 5.1 Opção Análise Prévia/Capital

Leia mais

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural PROMINP 1º Fórum Regional Rio Grande do Norte 05 de Março

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 Neste bloco serão informadas pela pessoa jurídica, as demais operações geradoras de contribuição ou de crédito, não informadas nos Blocos A, C e D: Onde esta localizado

Leia mais

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações CONTABILIDADE FINANCEIRA I Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas NOME (completo) Nº de aluno(a) Licenciatura Turma Nº da Prova Classificação Grupos I II Total:

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1 Página 1 de 9 2 1. INTRODUÇÃO 1 1.1 O CONCORRENTE deverá apresentar sua PROPOSTA COMERCIAL em um envelope lacrado (envelope nº 3) que será entregue juntamente com

Leia mais

Anexo 4.5.1 5 Plano de Recomposição da Atividade Comercial

Anexo 4.5.1 5 Plano de Recomposição da Atividade Comercial 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 4.5.1 5 Plano de Recomposição da Atividade Comercial PLANO DE RECOMPOSIÇÃO

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica s Pagamento Pré-vendas Pós-vendas Modelo de gestão X Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e X X legais Planejamento

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com Empreendedorismo Plano de Negócios: Plano Financeiro [13] UNIDADE I CAPÍTULO PLANO DE NEGÓCIOS - Dever de casa (1) Capa; SUMÁRIO EXECUTIVO: Enunciado do Projeto; Competência dos responsáveis; os produtos

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O EBITIDA PARA COLOCÁ-LO NO SEU DEVIDO LUGAR! O que é o EBITIDA! Quais os limites para sua utilização! Sua aderência com o fluxo de caixa! Como calcular o EBITIDA corretamente

Leia mais

Exemplos: 4000 litros/dia 500 carros/dia 100 lugares/sessão 2000 ton/mês 50 quartos/dia

Exemplos: 4000 litros/dia 500 carros/dia 100 lugares/sessão 2000 ton/mês 50 quartos/dia LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO 11º AULA 11/11/2011 DEMANDA X CAPACIDADE DE PRODUÇÃO Capacidade - Definição É o máximo nível de atividade de valor adicionado em determinado período de tempo, que

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

Painel MT-611-00008 Última Atualização 25/04/2012

Painel MT-611-00008 Última Atualização 25/04/2012 Painel MT-611-00008 Última Atualização 25/04/2012 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: 1. Visualizar os dados das avaliações do processo de cadastramento com a Petrobras; 2.

Leia mais

1. Identificação do projecto

1. Identificação do projecto (a preencher pelos Serviços) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº da Candidatura: Data de Recepção: Assinatura do(a) Técnico(a): 1. Identificação do projecto Projecto/Empresa: Morada: Codigo Postal Telefone: E-mail:

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Disciplinas: Professores: Semestre Contabilidade Geral. Matemática Financeira. Comportamento Organizacional. Estatística. Teoria Econômica. Metodologia Científica. Vânia Silva. Regis Garcia. Helenara Sampaio.

Leia mais

Mix Legal Express. Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP

Mix Legal Express. Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP Mix Legal Express Data 03/01/2013 Tipo Informativo Jurídico N 3/14 Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP Caso não consiga visualizar este e-mail, acesse o link: http://www.fecomercio.com.br/mail/mixlegal.php?edicao=639

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO CASES PARA ESTUDO 1) A AMBEV na produção da SKOL apresentou os seguintes dados em volume de Hectolitros (01 ponto). Preço unitário de vendas: R$ 66,80; custo variável de produção R$ 57,60 e um custo fixo

Leia mais

COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO

COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO Por que aumentar o giro é bom. As 2 maneiras de aumentar o giro. Como observar o efeito do aumento do giro no resultado. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART MÚLTIPLA

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART MÚLTIPLA MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART MÚLTIPLA A ART Múltipla que substitui o registro de diversas ARTs específicas, no caso de execução de obras ou prestação de serviços de rotina, deve ser registrada até o

Leia mais

DUAS PARTICULARIDADES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

DUAS PARTICULARIDADES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS DUAS PARTICULARIDADES NA ANÁLISE DE O que pode mudar quando se faz uma análise de sensibilidade da taxa de desconto Depreciação e inflação Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL Página 1 de 13 1. INTRODUÇÃO 1.1 O CONCORRENTE deverá apresentar sua PROPOSTA COMERCIAL em um envelope lacrado (envelope nº 3) que será entregue juntamente com os

Leia mais

Cadastrando uma nova denúncia

Cadastrando uma nova denúncia Cadastrando uma nova denúncia Versão 1.0 Índice 1. Introdução... 2 2. Consultando uma denúncia... 2 3. Incluindo uma denúncia... 4 Cadastrando uma nova denúncia Pág. 2 1. Introdução O Conselho Tutelar

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Definições e mudanças propostas no Projeto de Lei 3.741 que altera a Lei 6.404/76.! O que é AMORTIZAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

O QUE É E O QUE OFERECE?

O QUE É E O QUE OFERECE? O QUE É E O QUE OFERECE? O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

Sistema de Cadastro de Pessoa Jurídica

Sistema de Cadastro de Pessoa Jurídica Manual do Usuário Sistema de Cadastro de Pessoa Jurídica SISTCADPJ Cadastro de Pessoa Jurídica Template Versão 1.1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 3. Cadastro da Pessoa Jurídica...

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

Definição do investimento inicial na criação de uma empresa

Definição do investimento inicial na criação de uma empresa Definição do investimento inicial na criação de uma empresa Prof. Marco Arbex Introdução O estudo da análise de investimentos nas empresas engloba uma série de decisões que envolvem longo prazo. Uma das

Leia mais

Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) COMO FAZER UMA ANÁLISE FINANCEIRA COMPLETA PARA DEFINIR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO (e definir a participação acionária do(s) novo(s) acionista(s)) Como definir o percentual de participação acionária

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Engenharia Econômica Aula 1: Conceitos Básicos Lucas Motta Universidade Federal de Pernambuco 23 de Março de 2015 Engenharia Econômica Definição Trata-se de um estudo econômico e financeiro de um projeto,

Leia mais

Manual do Usuário. Cadastro

Manual do Usuário. Cadastro Manual do Usuário Cadastro Consulta Cadastro - Informações Comerciais - Autofax Índice O que é a Consulta Cadastro da Autofax?... 3 Como realizar consultas?... 4 Quais informações a consulta apresenta?...

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Check-List. Cadastro de Instituições. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Brasília, 5 de novembro de 2007.

Check-List. Cadastro de Instituições. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Brasília, 5 de novembro de 2007. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Check-List Cadastro de Instituições Gerência-Geral de Gestão de Tecnologia da Informação Gerência de Desenvolvimento de Sistemas www.anvisa.gov.br Brasília,

Leia mais

BRPR 51 SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. (Companhia Aberta) CNPJ n 04.800.265/0001-25 NIRE 35.300.193.563 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

BRPR 51 SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. (Companhia Aberta) CNPJ n 04.800.265/0001-25 NIRE 35.300.193.563 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO BRPR 51 SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. (Companhia Aberta) CNPJ n 04.800.265/0001-25 NIRE 35.300.193.563 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA 20 de janeiro de 2015 1 ÍNDICE

Leia mais

CIÊNCIA E INFORMAÇÃO APOIO A PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO

CIÊNCIA E INFORMAÇÃO APOIO A PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO CIÊNCIA E INFORMAÇÃO APOIO A PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação de médio a longo prazos, na forma de programa, composto por diferentes projetos

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Português Ensino Médio, 3ª Série TEXTO INFORMATIVO CURRICULUM VITAE

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Português Ensino Médio, 3ª Série TEXTO INFORMATIVO CURRICULUM VITAE Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Português Ensino Médio, 3ª Série TEXTO INFORMATIVO CURRICULUM VITAE ORIGEM Expressão latina cujo significado é carreira, curso ou percurso da vida. OBJETIVO Organizar

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA

RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA 8 DICAS PARA REDUZIR O RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA M2M Escola de Negócios SELECIONAR CLIENTES QUE EFETIVAMENTE APRESENTEM CAPACIDADE DE PAGAMENTO PONTUAL DE SUAS DÍVIDAS É FUNDAMENTAL PARA A REDUÇÃO

Leia mais

Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA

Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA Maio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestação de Serviços - Clinica de Estética DESCRIÇÃO: Prestação de serviços pessoais na área de

Leia mais

CADASTRO PESSOA JURÍDICA

CADASTRO PESSOA JURÍDICA CADASTRO PESSOA JURÍDICA Nº Conta Corrente Elaboração Renovação Alteração 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Identificação da empresa CNPJ Nome fantasia N o de registro Data de constituição Capital social realizado

Leia mais

Processo de Aquisição de Livros 2015: tutorial para pedidos no Sistema Sophia

Processo de Aquisição de Livros 2015: tutorial para pedidos no Sistema Sophia Processo de Aquisição de Livros 2015: tutorial para pedidos no Sistema Sophia Telefone(s): (31) 3319-7163 (31) 3319-7164 (31) 3319-7166 E-mail: divbib@adm.cefetmg.br Devido à política de segurança da Secretaria

Leia mais

Tutorial Sistema de Planejamento

Tutorial Sistema de Planejamento Tutorial Sistema de Planejamento Maio/2014 1 1. Para ter entrar no Sistema, acesse dgp.ifsc.edu.br. 2. Faça login utilizando usuário e senha da intranet 3. Selecione o Sistema PAT 2015 4 Manutenção da

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE USO Núcleo de Relacionamento com o Cliente

GUIA PRÁTICO DE USO Núcleo de Relacionamento com o Cliente GUIA PRÁTICO DE USO Núcleo de Relacionamento com o Cliente Seja bem vindo ao nosso canal de relacionamento! Neste Guia Prático de Uso você conhecerá como funciona esta ferramenta de gestão de relacionamento

Leia mais

DADOS CADASTRAIS DA EMPRESA

DADOS CADASTRAIS DA EMPRESA ANEXO II ANEXO Á CARTA CONSULTA DE ENQUADRAMENTO DADOS CADASTRAIS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL NOME FANTASIA MATRIZ CNPJ INSCRIÇÃO ESTADUAL ENDEREÇO BAIRRO: CEP: TELEFONE FAX E-MAIL: WEBSITE SETOR: RAMO DE

Leia mais

Categoria de Incubação pretendida. Da relação abaixo indicar apenas uma das Opções. Incubação Não Residente: Pós Incubação:

Categoria de Incubação pretendida. Da relação abaixo indicar apenas uma das Opções. Incubação Não Residente: Pós Incubação: Edital de Fluxo Contínuo Visualização do Edital Proposta de Pretendente Geral Edital: (0001) Edital de Fluxo Contínuo Status da Proposta: Em Manutenção Período de Vigência do Edital: 23/05/2016 até 23/05/2017

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

Econômico - Financeira

Econômico - Financeira 7 Fundamentos de Análise Econômico - Financeira Já vimos como é feito o registro contábil do patrimônio da nossa empresa, elaboramos uma equação a equação fundamental do patrimônio líquido financeiro (PFL)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal de Transferencia de ICMS entre Estabelecimentos - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal de Transferencia de ICMS entre Estabelecimentos - MG Nota 07/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Preenchimento campos da NF-e... 6 4. Conclusão... 8 5. Referências...

Leia mais

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Contabilidade empresarial e trabalhista 1º semestre - Matriz 2013/2 2º semestre - Matriz 2013/1 Informações: Nesta produção textual buscaremos desenvolver

Leia mais

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo.

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo. Informação geral sobre leis e regulamentos Informação geral sobre leis e regulamentos Todos os países possuem requisitos legais para veículos conduzidos em vias públicas. Na União Europeia, eles são regidos

Leia mais

ANEXO 14 AUMENTO DE CAPITAL

ANEXO 14 AUMENTO DE CAPITAL ANEXO 14 AUMENTO DE CAPITAL 1. Informar valor do aumento e do novo capital social O valor do aumento de capital será de R$ 56.052.055,64 (cinquenta e seis milhões, cinquenta e dois mil, cinquenta e cinco

Leia mais

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l! ESTRUTURA DE CAPITAL! CUSTO DO FINANCIAMENTO ATRAVÉS DE CAPITAIS DE TERCEIROS! CUSTO DO FINANCIAMENTO ATRAVÉS DE CAPITAIS PRÓPRIOS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

Glossário de termos financeiros PARTE 4

Glossário de termos financeiros PARTE 4 Glossário de termos financeiros PARTE 4 Activo Qualquer bem útil ou valioso pertença de um indivíduo, empresa ou organização. Activos de curto prazo Disponibilidade de Caixa ou outros bens que a empresa

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Documento provisório sujeito à aprovação definitiva do Comité de Acompanhamento do Programa Sudoe

Documento provisório sujeito à aprovação definitiva do Comité de Acompanhamento do Programa Sudoe JUSTIFICAÇÃO DO PLANO FINANCEIRO Este documento tem como objetivo especificar as despesas previstas no projeto, por beneficiário e por categoria de despesa. PREENCHER UMA ÚNICA FOLHA EXCEL PARA O CONJUNTO

Leia mais

www.valmari.com.br Beleza e Saúde é Nosso Negócio!

www.valmari.com.br Beleza e Saúde é Nosso Negócio! www.valmari.com.br Beleza e Saúde é Nosso Negócio! Para nós o tempo não passa. 1980 Início das atividades buscando ser referência em cosmética de resultado. Foco em Profissionais de beleza. Uma das primeiras

Leia mais

Professora Mestre Keilla

Professora Mestre Keilla COMPLEMENTANDO O ASSUNTO AÇÕES... Professora Mestre Keilla Classificação ou nomenclatura mais comum as ações: 1. De 1ª linha ou Blue chips 2. De 2ª linha De 3ª linha COMO VCS EXPLICARIAM CADA UMA DELAS???

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Governo do Estado de Rondônia Secretaria Estadual de Saúde ANEXO B

Governo do Estado de Rondônia Secretaria Estadual de Saúde ANEXO B ANEXO B SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, LEGAL E AMBIENTAL/URBANÍSTICA DE EMPREENDIMENTO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA A ser preenchido pela Unidade Setorial

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF Coordenação-Geral de Fiscalização QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF nº 726/2007) 1. Quem está

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Intangíveis

Manual do sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Intangíveis Manual do sistema SMARam Módulo Cadastro de Bens Intangíveis LISTA DE FIGURAS Figura 1-Acesso ao Cadastro de Bens Intangíveis... 5 Figura 2-Aba básico... 5 Figura 3-Aba Financeiro... 6 Figura 4-Aba Movimentação...

Leia mais

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas.

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2016 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 1. PROVAS: Este caderno contém a prova

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Unidade IV FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV FINANÇAS EMPRESARIAIS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV FINANÇAS EMPRESARIAIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Cientista 2010 - Óleo sobre MDF Martinho Costa Exercício resolvido O objetivo deste exercício é demonstrar: a) A avaliação de investimentos

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728 PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (ART. 9º DA ICVM 481/2009) ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO

Leia mais

Gestão de Microcervejarias. Dez / 2015

Gestão de Microcervejarias. Dez / 2015 Gestão de Microcervejarias Dez / 2015 O início... Uma microcervejaria é, antes de mais nada: Um exercício e um exemplo de empreendedorismo Um exercício de criatividade, de inovação A transformação de um

Leia mais

Manual do Usuário. Cadastro + Controle

Manual do Usuário. Cadastro + Controle Manual do Usuário Cadastro + Controle Consulta Cadastro + Controle - Informações Comerciais - Autofax Índice O que é a Consulta Cadastro + Controle da Autofax?... 3 Como realizar consultas?... 4 Quais

Leia mais

A FACHASUL conta com quatro modalidades de bolsa de estudos:

A FACHASUL conta com quatro modalidades de bolsa de estudos: A FACHASUL conta com quatro modalidades de bolsa de estudos: O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

Tutorial - Módulo de Biblioteca

Tutorial - Módulo de Biblioteca Tutorial - Módulo de Biblioteca Conteúdo 1. Cadastrando Biblioteca... 2 2. Cadastros Auxiliares... 4 3. Cadastro do Acervo... 5 4. Como enviar sugestão de compra... 7 5. Como consultar o acervo... 8 6.

Leia mais

Administração do ativo Disponível/disponibilidades; Duplicatas a receber; Estoques; Imobilizado/Fixo.

Administração do ativo Disponível/disponibilidades; Duplicatas a receber; Estoques; Imobilizado/Fixo. DECISÕES FINANCEIRAS DE Administração das disponibilidades Administração do ativo Disponível/disponibilidades; Duplicatas a receber; Estoques; Imobilizado/Fixo. Administração das disponibilidades Compreende

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS - PARTE I! Imposto de Renda! Lucro Presumido! Lucro Arbitrado! Lucro Real por apuração mensal! COFINS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares Projetos CUSTOS Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de custo O gerenciamento de custos visa essencialmente assegurar aos patrocinadores que o projeto será concluído dentro do orçamento aprovado. Gerenciamento

Leia mais

LIMITAÇÕES DE ALGUNS INDICADORES CLÁSSICOS DE LIQUIDEZ E ENDIVIDAMENTO (E O QUE FAZER)

LIMITAÇÕES DE ALGUNS INDICADORES CLÁSSICOS DE LIQUIDEZ E ENDIVIDAMENTO (E O QUE FAZER) LIMITAÇÕES DE ALGUNS INDICADORES CLÁSSICOS DE LIQUIDEZ E ENDIVIDAMENTO (E O QUE FAZER)! Quais são os indicadores! Quais são suas limitações! Quais indicadores utilizar para corrigir as limitações! Qualidade

Leia mais