UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE NUSAU DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEF CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE NUSAU DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEF CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE SAÚDE NUSAU DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEF CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA VIABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRESCRIÇÃO DE TREINO MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO Acadêmico: Tarciso Nascimento Bezerra Porto Velho RO 2013

2 VIABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRESCRIÇÃO DE TREINO Autor: Tarciso Nascimento Bezerra Orientador: Ms. José Roberto de Maio Godói Filho Monografia apresentada ao curso de Educação Física do Núcleo de Saúde da Universidade Federal de Rondônia, como requisito para obtenção do título de graduado em Licenciatura Plena em Educação Física. Porto Velho RO 2013

3 ii Autor: Tarciso Nascimento Bezerra Título do Trabalho: VIABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRESCRIÇÃO DE TREINO Data da Defesa: 11/04/2013 BANCA EXAMINADORA Prof. Ms. José Roberto de Maio Godoi Filho Orientador Julgamento: Assinatura: Prof. Esp. Daniel Delani Julgamento: Assinatura: Prof. Ms. Silvia Teixeira de Pinho Julgamento: Assinatura: NOTA: ( ) Porto Velho 28 de Março de 2013

4 iii DEDICATÓRIA Ao Professor Dr. Helio Franklin Rodrigues de Almeida, por ter me ajudado a trilhar este difícil caminho de minha formação.

5 iv AGRADECIMENTOS Durante todo o período no curso de Licenciatura Plena em Educação Física, sempre disse que não gostaria de trabalhar com esta área, no entanto agora por fim, acabo por perceber que, uma das áreas mais fascinantes da das formações acadêmicas é a Educação Física, meus amigos me mostraram o quanto pode ser realizador trabalhar com esta área, dentre os amigos que obtive durante o curso, não posso listar todos, pois, iria necessitar de pelo menos mil laudas, neste sentido faço alguns agradecimentos de ordem: Religiosa: o A Deus, o grande arquiteto criador do universo responsável por todas as coisas. Pessoal: o Aos meus pais Antônio do Carmo Bezerra e Maria de Fátima Barbosa Nascimento, pelo apoio e toda a compreensão que tiveram comigo desde meu nascimento. Acadêmica: o Ao meu orientador Prof. Ms. José Roberto Godoi Filho, pelo apoio e atenção a mim conferidos. o Ao Prof. Dr. Hélio Franklin Rodrigues de Almeida, pelo companheirismo e toda a dedicação, como amigo sempre disposto a colaborar. o Ao acadêmico, Carlos Magno Paiva Costa, pelo apoio como o grande amigo que se tornou. Institucional: o A Fundação Universidade Federal de Rondônia UNIR, pela formação acadêmica recebida.

6 v SUMÁRIO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS SUMÁRIO LISTA DE FUGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS RESUMO ABSTRACT v viii ix x xii xiii ELEMENTOS TEXTUAIS 1. INTRODUÇÃO Problematização Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Delimitação do Estudo REVISÃO DE LITERATURA Orientações Gerais Computador Contextualização Histórica Softwares Contextualização Histórica dos Softwares Primeira Geração Segunda Geração Terceira Geração... 11

7 vi Quarta Geração Lógica de Programação Sistema Operacional Plataforma de Desenvolvimento Plataforma.NET Compiladores e Interpretadores Linguagem de Programação Informática Informática no Brasil Informática na Educação Informática Aplicada na Educação Física Desenvolvimento de Software Orientações Gerais Visão Geral de Desenvolvimento Objetivo do Software Justificativa do Software Escolha da Plataforma Escolha do Compilador Escolha da Linguagem de Programação Considerações Preliminares Metodologia Caracterização do Estudo Material Utilizado Descrição do Desenho do Estudo Seleção dos Procedimentos de Desenvolvimento Planilha Macrociclo, Prescrição, avaliação da composição corporal, prescrição diária do treinamento físico contra-resistido e cardiopulmonar Orientações Gerais Banco de Dados Medidas Morfológicas... 27

8 vii Conceito Banco de Dados das Medidas Morfológicas Considerações Testes de Resistência Muscular Localizada (RLM) e Peso Máximo Orientações Estruturação do Programa de Treino Treinamento Cardiopulmonar Tabela de Prescrição de Treino Cardiopulmonar com Base no Vo2 Max Tabela de Prescrição de Treino Cardiopulmonar com Base na Frequência Cardíaca Macrociclo Periodização de Treino Visão Geral Sobre Macrociclo de Treinamento Considerações Preliminares Considerações Finais ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS... 39

9 viii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Demonstrativo de Código Fonte e Design do Software Figura 2: Dados pessoais do banco de dados Figura 3: Aspectos funcionais cardiopulmonares, banco de dados. Figura 4: Aspectos hemodinâmicos, banco de dados Figura 5: Aspectos morfológicos, banco de dados Figura 6: Aspectos neuromusculares e cardiopulmonares, banco de dados. Figura 7: Inserção dos valores de metas a serem estabelecidas, para operacionalização dos cálculos de volume e intensidade. Figura 8: Tabela Auto Avaliativa Figura 9: Estruturação do Programa de Treino, e tabela auto-avaliativa do peso Maximo e carga diária de treinamento contra-resistido. Figura 10: Planilha de exemplificação do treinamento cardiopulmonar com base no vo2máximo. Figura 11: Treinamento Cardiopulmonar com base na Freqüência Cardíaca. Figura 12: Macrociclo Quadrimestral. Figura 13: Separação diária das cargas de treino de volume e intensidade. Figura 14: Macrociclo Semestral. Figura 15: Separação diária das cargas de treino de volume e intensidade

10 ix LISTA DE TABELAS Tabela01: Demonstrativo de softwares. Tabela 02: Demonstrativo, da viabilidade de desenvolvimento do software

11 x LISTA DE ABREVIATURAS SL Software Livre CF Código Fonte EF Exercícios Físicos OMS Organização Mundial de Saúde ABC Atanasoff Berry Computer a.c Antes de Cristo d.c Depois de Cristo ENIAC Electronic Numeric Integrator and Calculator EDIVAC Electronic Discrete Variable Computer UNIVAC I Universal Automatic Computer MANIAC-I Mathematical Analyzer Numerator Integrator and Computer BASIC Beginner s All-purpose Symbolic Instruction Code COBOL Common Business-Oriented Language FORTRAN Formula Translation CPU Unidade Central de Processamento EDUCOM Educação Computacional UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UNICAMP Universidade Estadual de Campinas UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul IDE Ambiente de Desenvolvimento Integrado SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados VB Visual Basic VS Microsoft Visual C# 2010 Express C# C Sharp GHZ Giga Hertz RAM Random Access Memory HD Hard Disk LCD Liquid Cristal Display ABNT II Agencia Brasileira de Normas Técnicas Padrão dois GB Giga Byte

12 xi LAF Liberação Para Atividades Físicas

13 xii RESUMO No mundo globalizado a tecnologia da informação vem tomando cada vez mais seu espaço, neste sentido buscou-se com esta averiguação compreender parâmetros para o desenvolvimento de um software de computador com o objetivo de auxiliar o profissional de Educação Física na tarefa da prescrição de treinamento esportivo, durante o desenvolvimento deste ensaio, verificou-se varias dificuldades, dentre elas a possibilidade da utilização de uma linguagem de programação não adequada traria alguns problemas no desenvolvimento de tal tarefa, portanto entendendo desta forma foi realizado o desenvolvimento de uma pequena aplicação, para que se entendessem as dificuldades e possibilidades de tal desenvolvimento, por fim como resultado obteve-se que para o desenvolvimento de um software desta magnitude, poderia levar cerca de um a dois anos, e que talvez só fosse possível se houvesse uma parceria com profissionais de educação física e programadores de informática. Palavras Chave: Software, Educação Física, Tecnologia.

14 xiii ABSTRACT In the globalized world of information technology is increasingly taking its place, in this sense we sought to understand this finding parameters for the development of computer software for the purpose of assisting the professional Physical Education the task of prescription sports training during the development of this assay, it has several problems, among them the possibility of using a programming language would not adequately some problems in developing such a task, so understanding this manner was performed to develop a small application that he understood the difficulties and possibilities of such a development, finally as a result it was found that the development of a software of this magnitude could take about one to two years, and that perhaps it would be possible only if there is a partnership with education professionals physics and computer programmers. Keywords: Software, Physical Education, Technology.

15 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Problematização No início o homem fazia uso dos recursos naturais existentes em sua localidade, tais como caça, pesca etc. uma vez esgotados tais recursos, as populações migravam, para outras localidades dando novamente início ao ciclo de sobrevivência, no princípio o homo-herectus tinha que se movimentar, tendo que prover alimento para sua subsistência, nos dias atuais principalmente com a revolução industrial no século XVIII, a qual acomodou acentuadamente o homem, acarretando cada vez menos necessidade de esforço físico, fenômeno este compreendido na literatura como sedentarismo (NETO, 1997). Na literatura pode-se observar por diferentes ópticas de autores que este fenômeno é o principal responsável por doenças crônico-degenerativas, tais doenças podem garantir uma diminuição acentuada de desempenho na vida somática, podendo, portanto evoluir inclusive para o óbito (PITANGA, 2004; SIMÃO, 2007; CHRISTOFFEL, 2008; REIS, 2008). Observando por um aspecto epidemiológico, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças crônico-degenerativas mataram cerca de 1,5 milhões de pessoas só na América no norte em 1999, já no Brasil tais doenças implicam em pelo menos um milhão de internações por ano sendo que cerca de 25% delas evoluem ao óbito (OLIVEIRA et al. 2004). Segundo Almeida (2007), é sugerido que apenas profissionais com formação acadêmica competente, tem a capacidade de promover a melhoria dos níveis funcionais e orgânicos através de Exercícios Físicos (EF) planejados, e prescritos, respeitando as leis que regem o treinamento físico humano, trazendo assim uma melhoria sistêmica, ao que se conhece como Aptidão Física. Uma das maiores problemáticas encontradas por profissionais de Educação Física principalmente em academias trata-se da sistematização de treinamentos, tais como prescrição adequada de cargas, avaliações físicas,

16 2 antropométricas, designação de nível funcional, aplicabilidade de protocolos, etc. Desde o início dos tempos com a inclusão de máquinas para facilitar o trabalho humano, tais como, o Ábaco a aproximadamente 3500 a.c. um equipamento extremamente rudimentar, mas capaz de realizar cálculos, maquina criada especificamente para isso, não é difícil encontrar pessoas que considerem este o primeiro computador da humanidade. Já em 815 d.c. com o surgimento de um novo conceito chamado algoritmo trouxe uma revolução jamais vista, um algoritmo é uma sequência de instruções finita, e ordenada de forma lógica, para a resolução de tarefas ou problemas, fazendo assim surgir idéias de que maquinas poderiam realizar o trabalho humano, graças a esta base lógica, pôde-se fomentar a criação dos Logaritmos, em 1614 por Jon Napier. Com a criação da primeira calculadora em 1623 por Pascal, começaram a colocar os sonhos de Jon Napier e da humanidade em pratica, uma vez que a calculadora nada mais é que uma maquina criada para a realização de cálculos numéricos, um dispositivo simples, mas para a época um grande feito, porem diminuta por ser o estopim do inicio do sedentarismo tecnológico, facilitando a vida de pessoas, diminuindo a capacidade de realizar cálculos com suas próprias faculdades mentais. Segundo Mugge, 2005, já em 1936 surgiu o primeiro computador elétrico chamado Atanasoff Berry Computer (ABC), o projeto foi finalizado em 1942, foi o primeiro computador eletrônico da historia, porem não era programável, ao fim era utilizado apenas para resolver sistemas de equações lineares, equações estas bem difíceis, tais como as equações protocolares de treinamentos em educação física. Com o passar dos anos as tecnologias da informação vem tomando cada vez mais o seu espaço no mundo globalizado, fazendo com o que maquinas realizem o trabalho pesado dos seres humanos. Hoje em dia com as tecnologias da informação, auxiliada pela existência da mecatrônica, tal como em indústrias automobilísticas onde os trabalhos são quase cem por cento automatizados, surge, portanto a idéia de

17 3 utilizar a informatização para auxiliar o profissional de educação física, a realizar prescrição de treino cientificamente adequada. Diante destas constatações surge a problemática a qual vem a discutir se a utilização de softwares para a realização da prescrição de treino para indivíduos é viável ou não, diante disso formulou-se o seguinte problema de pesquisa: EXISTE A POSSIBILIDADE DO DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE, COMO AUXILIADOR DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRESCRIÇÃO DE TREINO?

18 Justificativa Entendendo o treinamento esportivo como sendo uma tarefa complexa e muito extensa, levando o profissional em educação física horas ou ate mesmo dias para prescrever o treino de um individuo ou até mesmo de um time inteiro, sabe-se que em respeito às regras e leis do treinamento esportivo, um indivíduo jamais pode ser comparado a outro em respeito principalmente a individualidade biológica dos seres vivos (ALMEIDA, 2002). Tratando exercícios físicos como tarefas complexas e se levadas em consideração às leis do treinamento esportivo, efetuando um trabalho correto pode-se conduzir o indivíduo a uma melhoria funcional orgânica baseada no conceito de aptidão física (ALMEIDA, 2002; COOPER, 1991). Em se tratando de softwares de computador, observa-se na literatura, que não existem muitos referenciais literários, tratando de ferramentas informatizadas a serem utilizadas na educação física, tais como programas de computador, ou hipermídia sofisticadas para a utilização do profissional (BERG et ali, 1999; VALENTE, 2001; SANTOS, 2010). Tendo em vista, que obter melhorias funcionais orgânicas em indivíduos humanos é uma tarefa ardilosa, pois os tipos de treinamentos físicos e de desenvolvimento funcional, são bastante complexos e levam um determinado tempo para se consolidarem, surgiu, portanto a idéia de que um software de computador baseado em uma linguagem de programação adequada pudesse ajudar a desenvolver essa tarefa. Este trabalho se justifica pela presença cada vez mais acentuada das tecnologias da informação nos dias atuais, não é preciso procurar muito para encontrar diversos softwares, que facilitam em muito a vida do homem quando se trata de tecnologias da informação (FERNANDES, 2003). Considerando que não foi encontrado na literatura disponível, nenhum estudo que averiguasse possíveis, programas de computador, a atuarem como auxiliares do profissional de educação física na prescrição de treinamentos pressupõe-se que tal aspecto ainda não esteja totalmente esclarecido, justificando assim o tonos desta averiguação.

19 Objetivos Objetivo Geral Estudar a possibilidade do desenvolvimento de um software de computador voltado ao profissional de educação física Objetivos Específicos Avaliar a possibilidade do desenvolvimento de um software, como auxiliador do profissional de educação física na prescrição de treino, com base em uma linguagem adequada de programação. Avaliar a melhor linguagem de programação a ser utilizada. Discutir interfaces, e desenvolver uma pequena aplicação em plataforma baseada em.net. Observar o desempenho técnico e funcional da aplicação Delimitação do Estudo O estudo propõe-se a averiguar a possibilidade do desenvolvimento e um software com base na linguagem de programação C#, para a utilização do profissional em educação física no auxílio da prescrição de treinamento físico, utilizando a plataforma.net.

20 6 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Orientações Gerais Em observação ao objeto de pesquisa deste estudo, e com o intuito de possibilitar, uma melhor compreensão deste capítulo, procurou-se observar e dissecar, os conteúdos abordados na seguinte sequência de tópicos: a) Computador; b) Contextualização Histórica; c) Softwares; d) Lógica de programação; e) Sistema operacional; f) Plataforma de desenvolvimento; g) Compiladores e interpretadores; h) Linguagem de Programação; i) Informática; j) Desenvolvimento de Software; k) Considerações Preliminares Computador Segundo Bottaro (2006), o computador pode ser classificado, como um aparelho eletrônico, programável, capaz de armazenar, manipular, bem como resolver cálculos extremamente complexos, em velocidade extremamente alta, neste sentido um computador nada mais é que uma maquina programável capaz de realizar trabalho humano de forma, descomplicada e rápida Contextualização Histórica Desde a sua criação o homem, procurou encontrar uma forma de produzir mais com menos esforço, por isso criou máquinas que por vez representaram o mais significativo marco, para a otimização, simplificação e evolução do trabalho humano, que por sua vez contribuíram, em suma com a evolução e aperfeiçoamento tecnológico, e industrial nos dias atuais (MARREIRA, et al 2012; SONG, 2010) A principio o ser humano se utilizava do sistema numérico decimal para realizar cálculos, posteriormente aproximadamente a.c. inventou o ábaco maquina cujo sua função é apenas de realizar cálculos, considerada a primeira máquina significativa criada pelo homem para auxiliar na tarefa da realização de cálculos numéricos (SONG, 2010).

21 7 Segundo o que se mostra na historia a primeira calculadora propriamente dita foi criada em 1623, por Bleise Pascal, e posteriormente aprimorada por Leibniz, que baseado no projeto de seu antecessor criou uma máquina bem mais sofisticada, porem sem grandes avanços (SONG, 2010). Segundo Bessa (2002), estas máquinas criadas, não podem ser comparadas a tecnologia empregada em nossas máquinas atuais, pois, elas trabalhavam basicamente combinando números que eram inseridos nelas através de alavancas e relógios, e por sua vez não possuíam condições nenhuma de armazenamento numérico, para posteriores consultas. Foi durante a revolução industrial no século XVIII, que as primeiras grandes idéias de o trabalho humano ser realizado por máquinas, saíram do papel, nesta época, por exemplo, foi criada a primeira máquina de tear, idealizada por Joseph Marie Jacquard, durante esse período um professor inglês chamado Charles Babbage, também conhecido como pai do computador, se utilizou das idéias criativas de Jacquard, para a criação de um calculador analítico. Segundo Marreira, et al (2012) apesar de Charles Babbage não ter tido o seu projeto concluído, sua maquina, é considerada como o primeiro projeto semelhante, ao nosso atual computador, por possuir em sua estrutura a capacidade de armazenamento de dados em uma memória, para serem utilizadas como base para futuras consultas. Segundo Marreira, et al (2012), entre os projetos futuristas de Babbage, que contribuíram para a criação dos atuais computadores estão também, a idealização, de um dispositivo de entrada e saída de dados, que parecia com uma leitora de cartões e um dispositivo apenas de saída, semelhante às impressoras que existem atualmente. De acordo com Song, (2010) o crescente avanço das tecnologias que ate então eram empregadas na criação de maquinas, chamaram a atenção dos militares norte americanos, e por sua vez interessados no poder que essas maquinas poderiam trazer, investiam uma grande soma de dinheiro, nestas pesquisas de desenvolvimento.

22 8 Porem somente durante a segunda guerra mundial o governo norte americano começou a ver alguns resultados, foi desenvolvido o Mark I, uma enorme máquina capaz de realizar equações lineares, foi desenvolvida em conjunto pela Marinha Norte americana, a universidade de Harvard e a IBM, em 1944 (SONG, 2010). De acordo com relatos da história, o exército americano apoiava paralelamente um grande projeto na área da computação, durante a segunda guerra mundial foi criado um grande e novo computador para fins bélicos, o ENIAC (Electronic Numeric Integrator and Calculator), idealizado e desenvolvido por dois cientistas americanos John Eckert e John Mauchly em 1946, este por sua vez nem chegou a ser utilizado, pois ficou pronto apenas em 1946, dirimindo o seu objetivo que era utilizá-lo para a guerra (BESSA, 2002). De acordo com Song, (2010) após o ENIAC, foi elaborado um novo projeto, com a idéia de se criar um computador programável, para superar os problemas da falta de memória do ENIAC, criou-se então o projeto EDIVAC (Electronic Discrete Variable Computer) em 1949 idealizado e criado por Mauchly e Eckert, que começaram a desenvolver este modelo, dias após o lançamento do ENIAC. Segundo Marreira, et ali, (2012) posteriormente a criação do ENIAC e EDIVAC, um novo projeto e mais ambicioso que os primeiros foi o UNIVAC I (Universal Automatic Computer) em 1951, que possuía uma forma nova de inserção de informações através de cartões magnéticos, seus sucessores foram, o MANIAC-I, (Mathematical Analyser Numerator Integrator and Computer), o MANIAC-II e o UNICAC-II, os primeiros computadores comerciais da historia. Observando-se a história do computador, nota-se que até o ano de 1949, os computadores, eram utilizados apenas para projetos militares e acadêmicos, é notável que algumas empresas em 1950, passaram a estudar a possibilidade de se produzir computadores em larga escala com o objetivo de empregá-los no mercado particular, foi quando a IBM, em 1951, começou a produzir computadores em serie.

23 9 Porem os computadores, ainda possuíam um grande valor e consumiam muita energia, para operarem, a invenção dos transistores em 1964 por William Shockley, J. Bardeen e W, Brattain no Bell Laboratories trouxe consigo uma grande mudança no que se compunha os computadores, eram pequenos componentes semicondutores e capazes de realizar a mesma função das válvulas com ate 100 vezes mais eficiência, consumindo menos energia, foi uma revolução para a época (MARREIRA, et al 2012). Com a evolução dos transistores criou-se a idéia de desenvolver uma peça eletrônica com maior capacidade de processamento de informações simultâneas, era criado o CHIP por volta de 1979, que consiste na reunião de vários transistores em apenas uma peça. Portanto a história mostra que entre os fatores de produção de ampla escala existiam grandes dificuldades na fabricação desses imensos computadores, e somente em 1951, surgiram os primeiros computadores em escala comercial. Observa-se que nas maquinas da segunda geração de computadores a válvula foi substituída por transistores, essa tecnologia foi usada por volta de 1959 e 1965 (MARREIRA, et al 2012). Segundo Song, (2010), o primeiro computador que chegou no Brasil foi um UNIVAC 1105, no ano de 1961, era lento e consumia muita eletricidade, pois esse modelo ainda possuía componentes de válvulas, e foi trazido para processamento de dados no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Contudo as tecnologias da computação continuam a modificar-se continuamente em um ciclo infreável, o mundo hoje chegou a um estagio em que muda completamente do dia para a noite, tornando obsoletas tecnologias de ultima geração, em poucos dias, a cada dia se cria algo novo e melhor, mais rápido e confiável, com maior capacidade de auxiliar o homem em suas tarefas diárias, fazendo com isso que as tecnologias envolvam sistemicamente o homem, direta ou indiretamente (BESSA, 2002; MARREIRA, et al 2012; SONG, 2010; MUGGE, 2005).

24 Softwares Softwares são todos os programas que compõem um sistema, é um conjunto ordenado de funções, escritas em qualquer linguagem, ao qual faz o computador de alguma forma produzir resultados (MORAIS, 2003). Podem ser chamados de softwares todos os programas que são utilizados para um computador funcionar, por uma ótica menos técnica, os softwares são a parte funcional e flexível de interação com o homem (BESSA, 2002). Através de todas as décadas que envolvem a criação do primeiro computador ao que se possui hoje nas casas, também cresceu a vontade de que o computador pudesse interagir com o usuário, desde sua criação o homem vem procurando uma forma de fazer com que se programe um computador, fato que fez com que milhões de dólares em investimentos foram necessários ate que se tivessem os primeiros resultados (BESSA, 2002). Segundo Bessa, (2002), o software é um programa, pronto que não existe a necessidade de ser escrito, toda vez que se quiser trabalhar, pois basta executá-lo, de qualquer forma sua principal função, é instruir a maquina a realizar uma determinada tarefa Contextualização Histórica dos Softwares Como se pôde observar nos componentes integrados (hardwares) em suma sua criação, ocorreu em meio a gerações, não diferente disso os softwares também em sua evolução se desenvolveram em quatro gerações de linguagem Primeira Geração A primeira geração da linguagem de programação pode ser também chamada de linguagem de máquina, por estar mais relacionada com o funcionamento da máquina do que com a interação humana, é em suma

25 11 representada por dois bits 0 e 1, em relação a isso, pode-se afirmar que qualquer computador só consegue entender esta linguagem, que pode ser denominada linguagem de baixo nível, que ocorre entre os componentes físicos da maquina, chamada também de linguagem binária (TONET, 2006) Segunda Geração Segundo Tonet, (2006) a segunda geração da linguagem de programação possui o nome de ASSEMBLER, sua função era facilitar aos programadores, para que conseguissem memorizar os códigos da linguagem de máquina, porém exigia que o programador possuísse, um grande conhecimento técnico, esse tipo de linguagem também, pode ser classificada como baixo nível Terceira Geração A terceira linhagem das linguagens de programação foi desenvolvida por cientistas norte americanos com o intuito de deixá-las mais próximo das dos seres humanos, essa linguagem foi baseada, no inglês, essas por sua vez são chamadas de alto nível de linguagem, o que tornou muito mais fácil para um programador desenvolver suas aplicações. Dentre as linguagens de alto nível pode-se citar: BASIC (Beginner s Allpurpose Simbolic Instruction Code), que pode ser utilizada por principiantes para as mais diversificadas funções por ser simples e funcional, COBOL (Common Business-Oriented Language) mais ligada ao meio do comercio, e por fim a FORTRAN (Fórmula Translation) direcionada exclusivamente a matemática e a engenharia (BESSA, 2002) Quarta Geração A quarta geração está mais ligada à integração entre homem, hardware e software, denominada altíssimo nível, por se assemelhar com a linguagem

26 12 natural, como por exemplo, os comandos: Read, Write, Type, etc. esta vai além da programação propriamente dita, em função do avanço das tecnologias físicas e lógicas, se criou um novo conceito em comunicação entre homem e máquina, que não se trata de um simples processamento de dados, e sim do diagnostico de informações, para serem aplicadas nos infinitos campos profissionais (BESSA, 2002; TONET, 2006; WILLRICH, 2010) Lógica de Programação Segundo Filho (2007), George Boole, nascido em 1815, foi considerado como o fundador da Lógica de programação simbólica, foi o responsável pelo desenvolvimento do primeiro sistema formal de raciocínio lógico, visto também que Boole foi o primeiro a colocar em evidencia a possibilidade de se aplicar o calculo formal, em diferentes situações, como por exemplo, fazer operações com regras formais, desconsiderando operações primitivas. Bole foi quem forneceu uma idéia bem clara sobre o formalismo algébrico da lógica de programação em sua obra The Mathematical Analysis of Logic em 1847, também foi o primeiro desenvolvedor de um sistema bem sucedido, utilizando os acordos das regras formais simbólicas desconsiderando as interpretações dos símbolos usados (FILHO, 2007). Nos dias atuais a lógica de programação se confunde com a programação propriamente dita, uma vez que as linguagens de programação utilizadas hoje em dia aproximam-se em muito com linguagem humana, por fim, lógica de programação é a forma em que a linguagem de programação esta devidamente ordenada a fim de desempenhar uma função necessária sem erros (FILHO, 2007) Sistema Operacional Segundo Bessa, (2002) o sistema operacional, possui uma importante função, por ser o responsável direto, por realizar o papel de tradutor e

27 13 interprete entre a máquina física e o homem, e vice-versa, além é claro, possui também a função de gerência dos periféricos, tais como, teclado, mouse, câmera, caixas acústicas, tela, etc. devido ao seu trabalho intimamente conjunto com a unidade central de processamento (CPU). Dentre os sistemas operacionais existentes pode se destacar o Windows, que de fato tomou o mercado mundial desde a sua criação Plataforma de Desenvolvimento Segundo um conceito da gigante fabricante Motorola, uma plataforma de desenvolvimento de softwares pode ser classificada como um conjunto de ativos que são usados, para alavancar, o reuso da base (plataforma), bem como o rápido desenvolvimento, dos novos produtos (aplicativos ou softwares), definindo o ambiente operacional, em uma arquitetura de alto nível, tornando todos os produtos desenvolvidos, com base nesta plataforma, compatíveis entre si, com um conjunto de políticas para o desenvolvimento de softwares, cujo objetivo é de aperfeiçoar, a plataforma e o desenvolvimento de novas aplicações Plataforma.NET Em resumo a plataforma.net, pode ser classificada como a que possui a maior interface gráfica, e maior facilidade de trabalho devido ao seu sistema disposto em janelas, segundo Bottaro (2006), os programas Windows são dispostos em janelas, que se assemelham no seu formato, e, portanto proporcionam quem usa mais opções de escolhas e facilidades de trabalho, neste sentido, explica-se a escolha desta plataforma para o desenvolvimento de aplicações sistêmicas e de fácil uso por profissionais de diversas áreas. Para um possível desenvolvimento de software aplicado a educação física, entende-se como sendo a plataforma.net a mais aplicável, pois sua semelhança com, os sistemas operacionais existentes tais como o Windows, mais corriqueiramente utilizado no Brasil, se tornaria mais fácil sua

28 14 assimilação, e utilização por profissionais com baixo conhecimento em informática (BOTTARO, 2006) Compiladores e Interpretadores Segundo Carvalho (2008), os termos compiladores e interpretadores, referem-se à maneira como um programa é executado em uma máquina, sistematicamente existem detrimidamente dois métodos gerais ao qual um programa pode ser executado, a maneira, pela qual um programa e executado não é precisamente definida pela linguagem em que ele foi escrito, os interpretadores e compiladores são apenas programas sofisticados capazes de operam sobre o código fonte de um programa. A diferença entre compilador e interpretador é bem simples, um interpretador como o nome já diz, lê o código fonte do programa linha por linha desempenhando a instrução especifica nessa linha (Programa Pronto), já um compilador lê um programa inteiro e converte-o em um código-objeto, que uma instrução de normas que são convertidas em uma forma que o computador possa executar direto (Programa a Ser Compilado) (CARVALHO, 2008). Por fim os compiladores são softwares altamente sofisticados capazes de transformar uma linguagem de programação especifica em um conjunto de normas prontas, a serem executadas diretamente por qualquer maquina, sem a necessidade de um programa intermediário (CARVALHO, 2008) Linguagem de Programação No mercado existe uma centena de milhares de linguagens de programação, e dialetos computacionais distintos, disponíveis cabe ao desenvolvedor a utilização da linguagem, a qual se destina, exclusivamente ao seu propósito, a sistematização da utilização de uma linguagem para a programação nada mais é que a forma de especificar o funcionamento de um computador (MARQUES, 2000; GUDWIN, 1997).

29 15 Cabe ao desenvolvedor, encontrar e classificar qual a linguagem mais se adéqua ao seu propósito, sendo, portanto, criteriosa sua escolha, levando em consideração alguns fatores como: Domínio da Linguagem, Plataforma a que se Destina Adequação ao Propósito etc Informática Pode-se dizer que a informática, já dominou o mundo nos dias atuais, tal ferramenta pode ser classificada como informação automática, ou seja, a automatização de métodos e técnicas no tratamento de informações, porem, para que essa tarefa seja possível é necessária uma ferramenta adequada a esta função, ou seja, o computador eletrônico (GUDWIN, 1997) Informática no Brasil Nos anos 70 se iniciou o uso dos primeiros computadores aplicados na educação no Brasil, alguns movimentos se destacaram por difundir a informática nas escolas, tais movimentos foram de nominados ondas, esses movimentos foram iniciados nos anos 70, com o objetivo de promover uma evolução, tanto social quanto, cientifica e tecnológica no país (GUDWIN, 1997). Esse movimento se atualiza no Brasil com a evolução das maquinas e softwares, então o governo iniciou um projeto de capacitação dos professores na utilização da informática, tal atividade ocorre progressivamente, na atualidade, objetivando encontrar uma melhor forma, da utilização dos recursos da informática principalmente no que se diz, ensino e aprendizagem, adequando assim, alunos e professores, a realidade do mundo moderno (MARQUES, 2000; GUDWIN, 1997) Informática na Educação Na educação nacional o movimento da informática nasce por interesse de alguns educadores de universidades brasileiras, sendo motivados pelo

30 16 contexto que vinha ocorrendo em outros países, tomando como exemplo, Estados Unidos da America e a França (VALENTE, 1997). Segundo Valente (1997) as primeiras entidades que foram responsáveis por estudos investigativos, sobre o uso de computadores na educação do Brasil foram a UFRJ em 1973, UNICAMP de 1975 a 1983, e UFRGS em Por fim nota-se que todos os centros EDUCOM destinados a pesquisa, batalharam na intuitiva vontade de produzir ambientes educacionais e educadores, utilizando o computador, como um recurso facilitador, do processo de aprendizagem educacional (VALENTE, 1993) Informática Aplicada a Educação Física A Educação Física no Brasil, tanto escolar quanto em academias, possui uma enorme carência no que se trata de materiais didáticos disponíveis ao teor de softwares direcionados a essa área, porém não menos diminuta que isso, é a necessidade de se colocar as tarefas do profissional de educação física em um ambiente computacional, trazendo assim, mais facilidade e agilidade na elaboração de treinos e acesso a informações do aluno (BERG, et al 1999). Os altos valores de softwares voltados a área de treinamento, passam por tornarem-se inviáveis, devido a sua complexidade técnica, muitas vezes fazendo com que seja pouco provável a obtenção de resultados se estes não forem operados por profissionais da área da computação eletrônica em conjunto com profissionais da Educação Física (BERG, et al 1999) Desenvolvimento de Software Orientações Gerais Para um melhor entendimento deste tópico buscou-se separar em partes as etapas que compõem o desenvolvimento de um software, são elas: a) Visão Geral de Desenvolvimento, b) Objetivo do Software, c) Justificativa

31 17 do Software, d) Escolha da Plataforma, e) Escolha do Compilador, f) Escolha da Linguagem, g) Considerações Preliminares Visão Geral de Desenvolvimento O desenvolvimento de um software,, é uma tarefa sistematicamente estudada antes de ser realizada, de frente a isso se deve observar determinados fatores da futura aplicação, como por exemplo, a escolha incorreta de uma linguagem de programação, pode fazer com que ocorra uma enorme perda de tempo, em seu desenvolvimento (CARVALHO, 2008). Segundo Carvalho (2008), uma aplicação, demanda de alguns fatores intervenientes para o seu desenvolvimento, tais como: tempo, pessoal disponível, estudo, etc. para que seja posto propriamente dito em prática sua construção. Alguns programadores possuem imensas dificuldades pra desenvolver suas aplicações, devido a pequenos erros, em seus códigos fonte (CF), esses códigos fonte são os comandos internos de um software,, demonstrado a seguir na imagem:

32 18 Códigos fontes ou linhas de código são, uma linhagem indutiva sistematicamente projetada a fim de que o computador entenda o que o programa quer realizar, são essas linhas de código que são responsáveis pelo funcionamento do design do software (FILHO, 2007). Segundo Carvalho (2008), linhas de código é definitivamente, a tarefa mais complexa no desenvolvimento de uma aplicação, elas demandam de um grande conhecimento técnico de quem as escreve, a quantidade de linhas de código, em um software pode variar de acordo com o tamanho do software (o que define o tamanho do software são suas funções). Na tabela a seguir, pode-se entender mais rapidamente a demanda de um software em sua arquitetura de desenvolvimento, baseando-se categoria, equipe, duração, e a quantidade de linhas escritas em um CF. Categoria Categorias de Tamanho de Softwares Tamanho da Equipe Duração Tamanho do Código Fonte (Linhas de Código) Trivial Semanas 500 Pequeno Meses 1000 a 2000 Médio Anos 5 mil a 50 mil Grande Anos 50 mil a 100 mil Muito Grande Anos 1 milhão Extremamente Anos 1 a 10 milhões Grande Tabela 1: Demonstrativo, da viabilidade de desenvolvimento de softwares Objetivo do Software A aplicação em questão tem como objetivo, ser uma ferramenta que atue como auxiliar do profissional em Educação Física, trazendo os métodos científicos para dentro de um sistema otimizado e integrado, de forma a facilitar, a realização da prescrição de treino propriamente dita.

33 19 A prescrição de treino segundo Almeida (2002), é uma tarefa complexa que demanda de tempo, esforço, e conhecimento técnico, a fim de desenvolver, níveis otimizados de aptidão física Justificativa do Software Nota-se na atualidade que ferramentas informatizadas são utilizadas corriqueiramente, para aperfeiçoar, a qualidade de vida do homem, ou seja, realizar muito trabalho, sem quase nenhum esforço. Atualmente o homem nem se da conta, mas utiliza-se de softwares para quase tudo, no caixa eletrônico do banco, no celular, no carro, quando liga sua central de ar, quando liga seu computador, etc. Seguindo esta idéia, a criação de uma ferramenta para a otimização do trabalho do profissional de Educação Física, se torna necessária visto que, a informática já dominou o mundo (FILHO, 2007), e a utilização dos conhecimentos técnicos em educação física, fundidos em uma ferramenta de informática, pode trazer deveras benefícios aos profissionais da área Escolha da Plataforma Como já dito a plataforma de desenvolvimento é necessariamente como o software vai se comportar, visto isso se optou por utilizar a plataforma.net de desenvolvimento, uma vez que esta plataforma se comporta com um funcionamento em janelas, trazendo portanto, uma melhor interface gráfica, por assemelhar-se muito ao sistema operacional Windows. Ao realizar uma pequena análise na internet, pode-se constatar que, que uma grande fatia de utilizadores, preferem, aplicações em sistema operacional Windows cerca de 78% dos downloads, enquanto 18% são para andróid, e 4% para plataformas diversas (fonte: 17/06/2012, 18:56).

34 20 Portanto, optou-se pela utilização de uma plataforma compatível com o sistema operacional Windows, visto que a talvez a assimilação do publico possa ser mais favorável Escolha do Compilador Como já visto, um compilador é um software extremamente sofisticado, capaz de transformar os códigos fonte em um aplicativo executável que pode ser rodado em qualquer maquina sem o auxilio de um programa intermediário (CARVALHO, 2008). Alguns critérios são importantes para a escolha de um compilador, tais como: a linguagem que ele assemelha, interface gráfica, fama em comunidades entre desenvolvedores, entre outras coisas, são fundamentais para que não se perca tempo, utilizando uma ferramenta que dificulte o trabalho de quem o utiliza. Na internet existem milhões e softwares compiladores, no entanto, entendeu-se que a ferramenta IDE mais adequada seria o Microsoft Visual C# 2010 Express (VS), por ser gratuito e devido a sua interface gráfica arrojada, também por ser de fácil manuseio, bem como se utilizar das ferramentas do Visual Basic (VB), compilador também da gigante Microsoft, que traz como principio o desenvolvimento através da interface gráfica Escolha da Linguagem de Programação A escolha da linguagem de programação, é uma tarefa complexa que demanda de certo conhecimento técnico, como já se sabe existem cerca de centenas de milhões de linguagens de programação no mercado hoje em dia, porem a escolha de uma para o desenvolvimento de um trabalho demanda de alguns requisitos tais como: Conhecimento técnico da linguagem utilizada Adequação da linguagem a plataforma Vinculação da linguagem com o compilador escolhido

35 21 Material disponível para consulta Domínio das técnicas de programação da linguagem Adequação da linguagem a função desempenhada na aplicação Coesão com o tipo de software desenvolvido Adequação do compilador as funções da linguagem e ao software desenvolvido Estes são alguns fatores intervenientes a escolha da linguagem de programação, no entanto, talvez o fator mais importante seja o domínio a linguagem. A fim, entendeu-se que a linguagem C Sharp (C#) possivelmente seria a mais adequada a ser utilizada, devido a sua ampla flexibilidade sendo adequada a plataforma.net, e ao VS, bem como sua maleabilidade, na aplicação de funções, janelas, a facilidade do trabalho com seus CF, etc Considerações Preliminares Entende-se que para desenvolvimento de um software, demanda-se de muito tempo, dependendo de seu tamanho, bem como muita dedicação por parte de seus programadores, para se fazer uma estimativa da viabilidade em tempo e gastos com o desenvolvimento de tal software, optou-se por fazer uma aplicação simples em plataforma Microsoft Excel 2007 (Excel), com as diferentes funções previstas para o software. Primeiramente por não haver necessidade imediata da programação direta com C#, bem mais complexa que a linguagem de cálculos realizada pelo Excel, traria uma visão primaria da flexibilidade de da pré-testagem do método eletrônico de prescrição a cerca dos possíveis erros em métodos e aplicabilidades, possibilitando, portanto mais facilidade e agilidade na previsão, da viabilidade do desenvolvimento de tal software.

36 22 3. METODOLOGIA 3.1. Caracterização do Estudo De acordo com Gomes e Matos et al (2004), este estudo caracteriza-se como sendo do tipo descritivo, uma vez que considerando todos os objetivos estabelecidos, busca-se verificar a viabilidade do desenvolvimento de um software de computador, como auxiliador do profissional de Educação Física na prescrição de treino Material Utilizado Para o desenvolvimento destas, se fez necessário a utilização de um microcomputador, do tipo notebook com processador AMD, Dual Core X2, 3.0 GHZ Mobile Tecnology, 2 GB de memória RAM, HD 320GB, tela LCD 15 polegadas, Teclado ABNT II, sistema Operacional Windows 7 Ultimate, sistema de gerenciamento de escrita e processamento de texto Pacote Microsoft Office 2007, Sistema compilador de codificação C#, Visual Studio 2010 C# Express Descrição do Desenho do Estudo De acordo com o objetivo deste estudo buscou-se primeiramente, o desenvolvimento de uma pequena aplicação com o intuito de estabelecer, padrões de desenvolvimento, através de uma aplicação simples, estabelecida em base de desenvolvimento Microsoft Excel, utilizando-se de protocolos existentes para avaliações e prescrição de treino em Educação Física. A tarefa de desenvolvimento perdurou-se por cerca de 180 dias, com o intuito de utilizar protocolos da forma mais fidedigna possível, fazendo com que todos os cálculos fossem realizados com a menor taxa de erros possível.

37 Seleção dos Procedimentos de Desenvolvimento Objetivando minimizar, a quantidade de erros possíveis durante o desenvolvimento, buscou-se estabelecer suas fases em etapas, a fim de não transformar o desenvolvimento em um caos, são as etapas: Macrociclo, Prescrição, avaliação da composição corporal, prescrição diária do treinamento físico contra-resistido e cardiopulmonar Planilha Todas as planilhas dentro da pasta Macrociclo a serem utilizadas como referência, foram desenvolvidas com base em protocolos existentes, a fim de minimizar as possibilidades de erros, e ser mais fidedigna possível disponibilizando assim uma referência real a quem a utiliza. Contudo o desenvolvimento destas planilhas se deram com o objetivo de poupar tempo de quem necessita realizar a prescrição de treino, por serem auto-avaliativas tornam mais fácil e ágil o trabalho do profissional Macrociclo, Prescrição, avaliação da composição corporal, prescrição diária do treinamento físico contra-resistido e cardiopulmonar Orientações gerais Para um melhor entendimento buscou-se separar de forma ordenada, e sintética a interface da planilha a fim de proporcionar o entendimento visual sem muito conhecimento técnico. O desenvolvimento desta planilha foi dissecado em abas divididas tais como: a) Banco de Dados, b) Medidas Morfológicas, c) Testes de Resistência muscular localizada (RLM) e peso Maximo, d) Tabela de Prescrição do treinamento cardiopulmonar com base no Vo2Max, e) Tabela de Prescrição

38 24 do treinamento cardiopulmonar com base na Freqüência Cardíaca, f) Macrociclo Semestral, g) Macrociclo Quadrimestral, h) Protocolos Banco de Dados Para o banco de dados buscou-se a obtenção de alguns dados imprescindíveis para o profissional de Educação Física na prescrição de treinamento, na primeira porção do banco de dados são solicitados algumas informações pessoais, os campos editáveis possuem seu texto em vermelho a fim de direcionar de forma correta ao campo onde deve ser inserido o dado solicitado, na primeira porção são solicitadas informações como: Nome, Nível Funcional, obtido indiretamente através dos questionários LAF, DFP, e RC, Profissão, sexo, idade. Figura 2. Figura 2: Dados pessoais do banco de dados Já na segunda porção do banco de dados é informado os aspectos funcionais tais como, Vo2Max e PAANAL, Figura 3. Figura 3: Aspectos funcionais cardiopulmonares, banco de dados. Na terceira porção do banco de dados são solicitadas algumas informações e informados alguns dados para fim de conhecimento funcional hemodinâmico do individuo, devem ser informados pelo profissional dados como: Pressão Sistólica e pressão Diastólica em (mmhg), FC de repouso e FC máxima obtida durante esforço em (BPM).

39 25 Em contratempo é informado nessa porção do banco de dados informações tais como: debito cardíaco em (l/bpm), duplo produto em (mmhg), FC Máxima em (BPM), MIVO2maximo em (100g/VE min -1) e volume sistólico em (ml/bpm), como mostrado na figura 4. Figura 4: Aspectos hemodinâmicos, banco de dados. Na quarta porção do banco de dados são informados alguns dados obtidos a partir de dados já inseridos ou que ainda serão inseridos pelo usuário, a cerca dos aspectos morfológicos do individuo a ser treinado, são eles: Peso corporal total em (kg), Peso gordura em (kg), densidade corporal em (g/ml), peso ósseo em (kg), peso residual para homens em (kg), peso residual para mulheres em (kg), peso muscular para homens em (kg), peso muscular para mulheres em (kg), porcentagem de gordura em (%G), estatura em (cm), porcentagem de correlação cintura quadril em (estatística), e por fim o índice de massa corporal (IMC), como na figura 5. Figura 5: Aspectos morfológicos, banco de dados Por fim na quinta porção são solicitados os resultados dos testes cardiopulmonares e neuromusculares obtidos durante os testes, são eles:

40 26 resistência muscular local (RLM), de abdômen expressa em (repetições máximas), RLM de membros superiores expressa em (repetições máximas), RLM de membros inferiores expressa em (repetições máximas), distancia percorrida em ciclo estacionário expressa em (metros), flexibilidade toraco-lombar expressa em (cm), e por fim teste estacionário de equilíbrio expresso em (numero de tentativas), como exposto na figura 6 (ALMEIDA & SAMPEDRO (1997)). Figura 6: Aspectos neuromusculares e cardiopulmonares, banco de dados. Também na porção inicial do banco de dados do macrociclo de treinamento deve-se estabelecer os valores de metas a serem cumpridas no decorrer do período treinado, para que a operacionalização dos cálculos seja realizada, estabelecendo as linhas de volume e intensidade do treino, esta fase é extremamente necessária, como demonstrado na figura de numero 7. Figura 7: Inserção dos valores de metas a serem estabelecidas, para operacionalização dos cálculos de volume e intensidade.

41 Medidas Morfológicas Conceito Segundo Almeida & Sampedro (1997), os parâmetros morfológicos individuais são aqueles que evidenciam a forma dos órgãos em geral, e que influenciam em seu funcionamento, ou seja, o funcionamento de um órgão é influenciado por sua forma. As medidas morfológicas são convencionadas internacionalmente em sua matriz de aquisição, segundo Carvalho (2007), para que sejam facilmente entendidas, e utilizadas por outros autores Banco de dados das medidas morfológicas Na porção a seguir, encontra-se uma tabela auto-avaliativa, a cerca dos padrões morfológicos individuais, tais como: a) Densidade Corporal b) Gordura Corporal c) Peso Ósseo d) Peso Residual para Homens e) Peso Residual para Mulheres f) Peso Muscular Para Homens g) Peso Muscular para Mulheres h) Correlação Cintura Quadril

42 28 Figura 8: Tabela Auto Avaliativa Na figura anterior são visualizados também os valores de estatura e peso, no entanto não podem ser modificados, pois são ligações da planilha anterior. Na mesma figura são solicitados alguns dados morfológicos individuais aos quais são utilizando para operacionalização de alguns cálculos, são estes dados, perímetros, dobras cutâneas, e diâmetros ósseos, sendo respectivamente: Perímetros: Pescoço expresso em (cm), braço direito expresso em (cm), braço esquerdo expresso em (cm), ante-braço esquerdo expresso em (cm), Ante braço direito expresso em (cm), Punho esquerdo expresso em (cm), Punho direito expresso em (cm), Tórax expresso em (cm), cintura expresso em (cm), abdômen expresso em (cm), quadril expresso em (cm), coxa direita expresso em (cm), coxa esquerda expresso em (cm), perna

43 29 esquerda expresso em (cm), perna direita expresso em (cm), tornozelo esquerdo expresso em (cm), tornozelo direito expresso em (cm). No mesmo sentido as dobras cutâneas solicitadas são: Peitoral expresso em (mm), bicipital expresso em (mm), tricipital expresso em (mm), subescapular expresso em (mm), axilar média expresso em (mm), supra-iliaca expresso em (mm), abdominal expresso em (mm), coxa expresso em (mm) e por fim perna expresso em (mm). Na mesma ótica, alguns diâmetros ósseos são solicitados, tais como: diâmetro radio-ulnar expresso em (cm), umeral expresso em (cm), femoral expresso em (cm) e tornozelo expresso em (cm). No sentido da inserção dos dados na tabela alguns são imprescindíveis para a operacionalização dos cálculos, são eles marcados pela coloração majenta mais escura, na ordem natural decrescente da tabela são respectivamente, os perímetros da cintura e quadril, dobras cutâneas, tricipital, subescapular e axilar media e por fim os perímetros ósseos radioulnar e femoral Considerações A planilha foi desenvolvida com uma interface amigável e de fácil compreensão, para que seja diminuída a possibilidade de erros, todos os dados fundamentais são marcados, com cores vibrantes de forma que não passe despercebido ao olhar do usuário. Entendendo que para a coleta das informações a serem inseridas, subentende que o profissional, ao qual irá realizar a coleta das dobras cutâneas, perímetros e diâmetros, siga fielmente as normas internacionais e convencionadas, de acordo com os padrões acadêmicos aceitos no mundo. Carvalho (2007) expressa, que as medidas morfológicas possuem um padrão internacional convencionado, e que pode ser aceito em qualquer comunidade acadêmica no mundo.

44 Testes de Resistência muscular localizada (RLM) e peso Maximo Figura 9: Estruturação do Programa de Treino, e tabela auto-avaliativa do peso Maximo e carga diária de treinamento contra-resistido Orientações Na figura nove e expresso de forma simples e objetiva os resultados dos testes de resistência muscular local, para cada grupamento muscular com o intuito de obter as cargas máximas de cada grupamento, conseguindo assim uma melhor associação para o desenvolvimento dos trabalhos contra resistidos. Entendendo que para a coleta das informações a serem inseridas, subentende que o profissional, ao qual ira realizar a coleta de informações, siga fielmente as normas internacionais e convencionadas, de acordo com os padrões acadêmicos aceitos no mundo. Carvalho (2007) expressa, que as medidas morfológicas possuem um padrão internacional convencionado, e que pode ser aceito em qualquer comunidade acadêmica no mundo.

45 Estruturação do Programa de Treino De acordo com a figura nove, são expressas as informações de prescrição diária do treinamento contra resistido, com expressão do peso Maximo obtido por equação de rejeição linear. No canto superior esquerdo é exposto o volume e intensidade do treinamento para o dia em questão no microciclo, este por sua vez não pode ser modificado por ser uma reprodução da inserção na planilha inicial. De forma simples éexposto na figura nove, o demonstrativo de utilização do programa de treino, da esquerda para a direita, são mostrados os músculos a serem trabalhadas, a carga inicial de treinamento e a carga de isometria inicial. Como já dito, as marcações em vermelho são campos em que devem ocorrer modificações por parte do usuário, neste caso são solicitados, o peso levantado para cada músculo e a quantidade de repetições realizadas, definidos estes parâmetros, através de equação de regressão linear, se obtêm o resultado do peso Máximo como referência de treino, (FLECK, 1999; DANTAS, 1996; ZATSIORSKY, 2002). Nesta mesma óptica é demonstrado, por auto avaliação dos dados a carga a ser utilizada, a quantidade de repetições e o intervalo em segundos, demandando unicamente da fase do treino em que se encontra o indivíduo, de acordo com o tipo de força a ser treinada, seja ela explosiva, absoluta ou repetitiva. Uma vez que a coleta das repetições máximas são expressão de que o indivíduo a ser testado, já deva ter passado por uma adaptação e subentenda que ele possua uma vivencia e saiba realizar os exercícios de forma correta, com a orientação de um profissional de Educação Física Treinamento Cardiopulmonar Com o intuito de desenvolver uma aplicação simples porém ampla que venha a trabalhar tanto, neuromuscular quanto cardiopulmonar o indivíduo,

46 32 optou-se por estender em suma uma pequena parte na realização deste ensaio, que por sua vez englobando também o sistema cardiopulmonar de forma simples, trará uma melhor abrangência do futuro software Tabela de Prescrição do treinamento cardiopulmonar com base no Vo2Max Segundo Yazbek (1985), o consumo de oxigênio (VO2) é uma medida objetiva da capacidade funcional, ou seja, da capacidade do organismo em ofertar e utilizar o oxigênio para a produção de energia. O VO2aumenta linearmente com o trabalho muscular crescente, sendo considerado máximo (VO2 máx.) (ALMEIDA, 2002; McARDLE, 1998). A seguir uma imagem retirada da aplicação exemplificando o trabalho realizado de acordo com a utilização do VO2Max. Figura 10:Planilha de exemplificação do treinamento cardiopulmonar com base no vo2maximo. Neste sentido, esta intervenção se justifica devido ao parâmetro cardiopulmonar ser um dos fatores intervenientes da aptidão física (ALMEIDA, 2002).

47 33 Nesta parte a aplicação, compreende a prescrição diária do trabalho cardiopulmonar individual a ser trabalhado, como correlação de estímulo podendo ser utilizados corrida ou caminhada, pedalando e ou nadando, com a metragem e o tempo estimado para o estímulo, que decorre, da fase do treinamento, sendo esta tabela auto-didata. Na coluna mais a esquerda são expostos dados como Vo2 de reserva expresso em (ml(kg.min)-1), METmax expresso em (MET s), distância máxima a ser percorrida expressa em (m/h), a velocidade ideal de a ser percorrida expressa em (m/min), o custo energético expresso em (kcal/min) e por fim o tempo de estímulo a ser executado, dependendo da fase em que se encontra o indivíduo trabalhado Tabela de Prescrição do treinamento cardiopulmonar com base na Freqüência Cardíaca Figura 11: Treinamento Cardiopulmonar com base na Freqüência Cardíaca. Em expressão de trabalho cardiopulmonar, existe uma segunda forma de trabalho individual, ao qual segundo Almeida (2002), não existe diferenciação a cerca da qualidade do estimulo, através da freqüência

48 34 cardíaca máxima, ou do Vo2 máximo, ambos compreendem na mesma melhora funcional orgânica. No mesmo sentido pode ser visualizado que, esta parte da aplicação demanda da utilização da freqüência cardíaca, obtida nos testes e inseridas no banco de dados. Por meio de equações de regressão linear, pôde se obter dados como: tempo total de treino, freqüência cardíaca ideal de treino, freqüência cardíaca máxima, freqüência cardíaca de reserva, e por fim freqüência cardíaca de repouso. Sendo esses dados fundamentais para a prescrição do treino cardiopulmonar com base na freqüência cardíaca, basta, portanto a escolha do melhor estímulo a ser utilizado sendo critério do profissional atuante Macrociclo Periodização de treino Segundo Gambetta (1991) é de suma importância a periodização do treinamento em atletas, ou em pessoas comuns, Gambetta também enfatiza a importância do conceito de periodização tradicional proposto por alguns autores soviéticos, tais como Ozolin (1970), e Matveev (1977) Visão geral sobre Macrociclo de treinamento Segundo Almeida (2002), um macrociclo de treinamento, pode ser definido como sendo uma periodização de um determinado treino, capaz de organizar todo o trabalho por um determinado período e encerrando-se normalmente em uma fase de otimização, dividindo o treinamento em Mesociclos, Microciclos, Unidades de Treino bem como Seções de Treino. Um macrociclo é também capaz de dividir o treinamento em fazes e períodos, Almeida (2002) trata esta organização como sendo fundamental para se obter uma otimização funcional orgânica ao fim da periodização do treinamento, seja ele cardiopulmonar ou neuromuscular.

49 35 Almeida (2002), também trata do controle de um macrociclo, com a indução das linhas de volume e intensidade, capazes de controlar, dia-a-dia o treinamento físico individual. Neste sentido, buscando uma maior abrangência da aplicação em questão buscou-se desenvolver, dois modelos de macrociclos, separados por período, um primeiro com apenas quatro meses de forma simples, bem como um segundo semestral, de forma simples, respectivamente figuras 12 e 14. Figura 12: Macrociclo Quadrimestral. Figura 13: Separação diaria das cargas de treino de volume e intensidade.

50 36 Figura 14: Macrociclo Semestral. Figura 15: Separação diaria das cargas de treino de volume e intensidade. Com o objetivo de manter uma aplicação simples, e estimar concisamente, o período estimado para o desenvolvimento de um software voltado a este sentido como auxiliar do profissional de Educação Física, entendeu-se que, uma aplicação com este argumento e utilizando-se de uma linguagem de programação baseada em C#, levaria vários dias ou até mesmo anos para ser desenvolvida, visto que um macrociclo de treinamento, deve ser estruturado com alguns padrões de treinamento de acordo com Ozolin (1970), e Matveev (1977), os quais organizam o treinamento através e equações de regressão linear, e dados obtidos através de testes.

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 1. ARQUITETURA DO COMPUTAÇÃO- SOFTWARE Vimos nos capítulos anteriores que durante muitas décadas vários projetos foram realizados para

Leia mais

1 Introdução à Computação

1 Introdução à Computação 1 Introdução à Computação 1.1 Motivação 1.1.1 Por que Computação? A Computação trata do emprego do computador em suas diversas formas como ferramenta capaz de armazenar e processar informações bem como

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo ("pipeline") Execução de programas

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo (pipeline) Execução de programas http://www.ic.uff.br/~debora/fac! Dar noções iniciais dos componentes básicos de um sistema de computador, assim também como conceitos fundamentais necessários para a manipulação de informação dentro do

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Processamento de dados - Aula I

Processamento de dados - Aula I Fundamentos de computação Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.uuf.br Faculdade de Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia Organização 1 Conceitos iniciais 2 3 Organização 1 Conceitos iniciais

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundamentos de Informática 1ºSemestre Aula 1 Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Uma abordagem inicial... o

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Surgimento da Informática INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I Unidade I Prof Célio Conrado www.celioconrado.com celio.conrado@gmail.com Já nos

Leia mais

Fundamentos e Suporte de Computadores. Professora Monalize

Fundamentos e Suporte de Computadores. Professora Monalize Fundamentos e Suporte de Computadores Professora Monalize COMPUTADOR DIGITAL é um equipamento eletrônico que processa dados usando programas, podendo ser dividido em: HARDWARE : parte "física, é o equipamento

Leia mais

1. - Os engenhos calculadores

1. - Os engenhos calculadores 1. - Os engenhos calculadores O brilhante matemático inglês Charles Babbage (1791-1871) é conhecido como o Pai do Computador. Fig. 1 - Charles Babbage (1791-1871). Ele com os seus engenhos calculadores

Leia mais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas,

Leia mais

Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte I Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Introdução O objetivo deste material

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Figura 1: Ábaco: considerado a primeira ferramenta em computação.

Figura 1: Ábaco: considerado a primeira ferramenta em computação. Introdução à ciência da computação Aula 1: A maioria dos autores considera que, a primeira ferramenta para a computação foi o ábaco. Este instrumento, que hoje conhecemos como pedras polidas enfileiradas

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática

Conceitos Básicos de Informática exatasfepi.com.br Conceitos Básicos de Informática André Luís Duarte Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu

Leia mais

INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR

INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR Nelson Fabbri Gerbelli O que é informática? INFORMAÇÃO TECNOLOGIA INFORMÁTICA INFORmação automática 2 ÁBACO Na China, 3000 anos antes de Cristo, surgiu

Leia mais

A história da computação. Prof: Diego Medeiros

A história da computação. Prof: Diego Medeiros A história da computação Prof: Diego Medeiros O que é a computação? Computação (latim computatio, -onis) 1. Ato ou efeito de computar. Cálculo, cômputo 2. Conjunto de conhecimentos e técnicas referentes

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Trabalho Realizado Por: Igor_Saraiva nº 7 Com

Leia mais

Histórico dos Computadores

Histórico dos Computadores Histórico dos Computadores O mais antigo equipamento para cálculo foi o ábaco (Fig. 1), que era um quadro com arruelas móveis, dispostas em arames paralelos, tendo, portanto, um mecanismo simples. Surgido

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Informática, Internet e Multimídia. Profa. Késsia R. C. Marchi

Informática, Internet e Multimídia. Profa. Késsia R. C. Marchi Informática, Internet e Multimídia Profa. Késsia R. C. Marchi Informática - Origem Para auxiliar a contar, nossos antepassados usavam pedras... Cálculo deriva do latim calculus (pedra) Information Automatique

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br)

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) Apresentações; A disciplina: Objetivos; Cronograma; Avaliação; O que é Computação; Breve histórico. DEINFO/UFRPE 2

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz

Laboratório de Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Laboratório de Sistemas Operacionais Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Uma definição! É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. Mais uma!

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia História

Leia mais

Sumário. Organização de Computadores Módulo 3. Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Primeira Geração Válvulas (1945 1955)

Sumário. Organização de Computadores Módulo 3. Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Sumário M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com www.professorluizalberto.com.br Organização de Computadores Módulo 3 1. História da Arquitetura de Computadores - Continuação 1.1. 1.2. Segunda Geração Transistores

Leia mais

Informática Instrumental Aula 1. Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz

Informática Instrumental Aula 1. Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz Informática Instrumental Aula 1 Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz Ementa da disciplina 1. Apresentação do sistema operacional windows e linux; 2. Aprendendo a operar o teclado e principais teclas

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Informática

Lista de Exercícios Introdução à Informática Lista de Exercícios Introdução à Informática Histórico e Evolução da Computação 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann INFORMÁTICA BÁSICA Prof. Rafael Zimmermann 1. INFORMÁTICA É a ciência que estuda o processamento de informações. Nasceu da necessidade do homem processar informações cada vez mais complexas e com maior

Leia mais

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO Heleno Pontes Bezerra Neto (helenopontes@lccv.ufal.br) 1. Introdução 1.1. Motivação 1.2 Histórico e Desenvolvimento dos Computadores 1.3. Organização dos Computadores 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Técnicas Computacionais para Engenharia I

Técnicas Computacionais para Engenharia I Técnicas Computacionais para Engenharia I Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Currículo Resumido Engenheiro Industrial Químico EEL/USP Mestre em Engenharia Química EEL/USP Doutorando em Engenharia

Leia mais

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR TÍTULO: SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE TEATROS DIONÍSIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Tópicos da aula. Histórico e Evolução dos Computadores. Noções Básicas de Arquitetura de Computadores

Tópicos da aula. Histórico e Evolução dos Computadores. Noções Básicas de Arquitetura de Computadores Tópicos da aula Introdução Histórico e Evolução dos Computadores Noções Básicas de Arquitetura de Computadores Características gerais dos componentes de um computador digital Objetivos da aula Complementar

Leia mais

Informática, Internet e Multimídia

Informática, Internet e Multimídia Informática, Internet e Multimídia 1 TIPOS DE COMPUTADOR Netbook Notebook Computador Pessoal 2 Palmtop / Handheld Mainframe TIPOS DE COMPUTADOR Computador Pessoal O Computador Pessoal (PC Personal Computer),

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Introdução a Informática

Introdução a Informática Inclusão Projeto Digital do Jovem Agricultor Introdução a Informática Projeto 1/18 Inclusão Projeto Digital do Jovem Agricultor Conteúdo Programático Introdução; História do computador; Hardware, Software

Leia mais

Apostila 1 Introdução à Informática

Apostila 1 Introdução à Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS INCONFIDENTES Apostila 1 Introdução à Informática Projeto INCLUDJA Inconfidentes Março de 2011 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 -INTRODUÇÃO...2

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Disciplina de Informática Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br 1 O que é Informática? Informática A Informática nasceu da ideia de auxiliar o homem nos trabalhos

Leia mais

Introdução. Software (Parte III)

Introdução. Software (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte III) Prof. a Joseana Macêdo Fechine

Leia mais

Curso Técnico em Redes

Curso Técnico em Redes Curso Técnico em Redes Prof. Airton Ribeiro - 2012 Histórico das Linguagens de Programação O que é? É um método padronizado para expressar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO COMPONENTES DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A figura abaixo ilustra os componentes de um Sistema de Informação. 2 Conceitos de Sistema de Informação (SI) vistos

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA Documento elaborado no encontro realizado de 10 a 12 de agosto de 2004. Curitiba, PR Perfil do Profissional Ao final de cada

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

SINOPSE. Leandro Gomes Matos Diretor da RNC

SINOPSE. Leandro Gomes Matos Diretor da RNC SINOPSE Neste trabalho procurou-se compilar textos de diversos autores de renome, sob uma ótica baseada em experiência profissional em cargos de chefia e como consultor de empresas, durante estes quase

Leia mais

DÚVIDAS E SUGESTÕES? frank@microsize.com.br

DÚVIDAS E SUGESTÕES? frank@microsize.com.br 1 Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, micro fílmicos, fotográficas, reprográficos, fonográficos, videográficos,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

O que é Arquitetura de Computadores?

O que é Arquitetura de Computadores? O que é Arquitetura de Computadores? Forças Coordenação de um conjunto de níveis de abstração de um computador sobre um grande conjunto de forças de mudança Arquitetura de Computadores = Arquitetura de

Leia mais

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014 1 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Dom Pedrito 2014 2 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Trabalho cujo objetivo passar conhecimento básico e avançado na Disciplina

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com

Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com Site: www.veniciopaulo.com Formação: Graduando em Analises e Desenvolvimento de Sistemas (8º Período) Pregoeiro / Bolsa de Valores

Leia mais

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra.

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. G. Weinberg 1 A ideia de qualidade é aparentemente intuitiva. Contudo, quando examinado mais longamente,

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Conteúdo programático Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Prof. Francisco Gerson A. de Meneses O que é Produtos de Software Distribuição de Software Um sistema de Software O software em um cenário

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

Organização de Computadores I

Organização de Computadores I Departamento de Ciência da Computação - UFF Objetivos Organização de Computadores I Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br http://www.ic.uff.br/~debora/orgcomp Dar noções iniciais

Leia mais

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA INFORMÁTICA BÁSICA PROF. MARCOS VINICIUS GRADUADO EM ANÁLISES DE SISTEMAS. PÓS-GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO E SEGURANÇA DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ. ANALISTA DE SISTEMAS E DBA SQL SERVER

Leia mais

TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL

TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL O que é Tecnologia? O que é Tecnologia Educacional? Tecnologia e Tecnologia Educacional Histórico da Evolução da Tecnologia O homem foi utilizando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais