Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de vole...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de vole..."

Transcrição

1 Página 1 de 5 Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de voleibol Comportamiento de la frecuencia cardiaca en dos funciones específicas en el juego del voleibol *Docente do curso de Educação Física, Univás, Pouso Alegre, MG Doutorando em Ciências da Cultura Física e do Desporto, Universidad de Ciencias de la Cultura Física y el Deporte Manuel Fajardo, Havana, Cuba **Doutor em Ciências da Cultura Física e do Desporto Universidad de Ciencias de la Cultura Física y el Deporte Manuel Fajardo, Havana, Cuba ***Doutora em Química de Medicamentos Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde, SUPREMA, Juiz de Fora, MG Maurício Borges de Oliveira* Calixto Andux Deschapelles** Magali Borges de Oliveira*** (Brasil) Resumo A freqüência cardíaca (FC) é um índice fisiológico bem aceito e utilizado na avaliação, prescrição e controle de cargas de trabalho em programas de exercício de esportistas e não esportistas principalmente as de média e longa duração consideradas cíclicas. No voleibol, que é acíclico, com períodos de atividades muito curtos, intensos, intercalados com períodos de descanso, a condição aeróbia deve ser estudada, pois é um fator importante para uma melhor recuperação dos esforços anaeróbios durante e entre as sessões de treinamento auxiliando os jogadores a suportarem as ações do jogo e ter uma melhor recuperação após as partidas. O comportamento da FC em um jogo de voleibol foi o escopo desse estudo monitorando-se a FC de uma jogadora ponteira (JP) e de uma jogadora central (JC), categoria adulta, em dois jogos distintos contra o mesmo adversário. As curvas de FC sugerem uma grande participação do sistema aeróbio de produção de energia, porém são necessários outros estudos para melhor caracterizar o jogo de voleibol obtendo parâmetros mais evidentes para a avaliação, prescrição e controle dos treinamentos. Unitermos: Feminino. Freqüência cardíaca. Voleibol. Abstract The cardiac frequency (CF) is a physiologic very accepted index and used in the evaluation, working loads prescription and control in sportsmen exercise programs and not sportsmen mostly the ones of average and long cyclic considered duration. In volleyball, that is acyclic, with periods of very short activities, intense, inserted with rest periods, the aerobic condition should be studied, because it is an important factor for a better recovery of the anaerobic efforts during and among training sessions assisting the players support her actions of the game and to have a better recovery after the departures. CF's behavior in a volleyball game was the scope of this study monitoring itself CF of a tip player (TP) and of a central player (CP), adult category, in two distinct games against the same opponent. CF's curves suggest a production aerobic system great participation of energy; however they are necessary other studies for better to characterize volleyball game obtaining more evident parameters for the evaluation, training prescription and control. Keywords: Women's. Cardiac frequency. Volleyball. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 150, Noviembre de / 1 Introdução Estudos que analisam os fatores que interferem no desempenho de um esportista como os processos de produção de energia, fatores psicológicos, tipos de exercício, fatores ambientais, estado de treinamento, volume, intensidade, idade, sexo e outros, tomaram maiores proporções dirigindo suas análises às ações mais próximas da realidade de uma atividade física em seu local de realização e não somente nos laboratórios. Segundo Frischknecht (2003) um dos métodos de avaliação da intensidade do exercício mais utilizado é o monitoramento da Freqüência Cardíaca (FC). Este método permite quantificar o valor da carga interna do atleta, possibilitando definir com mais rigor a intensidade do treino e verificar se os objetivos do mesmo estão sendo alcançados, caso não estejam possibilita a alteração da carga de trabalho (FARIA, 2006). A freqüência cardíaca (FC) é um índice fisiológico bem aceito e utilizado na avaliação da condição aeróbia de esportistas e não esportistas (DENADAI, 2000) em atividades de média e longa duração consideradas cíclicas (corrida, natação e ciclismo). No voleibol, que é acíclico, com períodos de atividades muito curtos, intensos, intercalados com períodos de descanso (VITASSALO et al.,1987; STANGANELLI, 1995) é importante avaliar a condição aeróbia considerada um fator necessário para uma melhor recuperação dos esforços anaeróbios durante e entre as sessões de treinamento, suportar as ações do jogo em sua longa duração e ter uma melhor recuperação após as partidas (PLATONOV, 1993; TUBINO, MOREIRA, 2003; OLIVEIRA et al. 2003; SCHNEIDER, BENETTI, MEYER, 2004; BOMPA, 2005; OLIVEIRA, 2007; PLATONOV, 2008). A literatura mostra que esforços realizados com uma FC até 140 batimentos por minuto (bpm) são considerados aeróbios, de 140 a 160 bpm são considerados no limiar aeróbio, de 160 a 180 bpm são de caráter mixto e acima de 180 bpm são anaeróbios (ZAKHAROV; GOMES, 1992). Segundo Santos (2006), atividades com duração até segundos (s) são consideradas anaeróbias aláticas, entre s anaeróbias láticas e acima de 120s aeróbias. Considerando que os jogos de voleibol são realizados em melhor de cinco sets (CBV, 2010), ou seja, para vencer um jogo uma das equipes tem que ganhar três sets, que os sets duram entre 20 e 22 minutos (OLIVEIRA et al., 2008) salvo algumas exceções, e que os jogos podem durar mais de uma hora, então a contribuição do sistema aeróbio pode ser grande (BOMPA, 2005; OLIVEIRA et al., 2008). Objetivo

2 Página 2 de 5 O objetivo do presente estudo foi analisar o comportamento da FC em duas posições de jogo (ponta e meio de rede) em dois jogos distintos de cinco sets na categoria feminina adulta observando-se assim o comportamento dessa variável para se avaliar, prescrever e controlar as cargas de treinamento. Material e métodos Participaram do estudo duas jogadoras, uma ponteira (JP 22 anos; 1,74 m; 72 kg) e uma central (JC 18 anos; 1,88 m; 68 kg) que jogavam na categoria adulta. Monitorou-se a FC utilizando-se um monitor de freqüência cardíaca da marca Polar, modelo Vantage NV de fabricação finlandesa. Os valores de FC foram coletados em dois jogos distintos de cinco sets (placares de 3 x 1 nos dois jogos), sendo monitorada uma jogadora por jogo e não houve a utilização da jogadora líbero. As coletas foram feitas com uma semana de intervalo entre uma partida e outra, contra o mesmo adversário sendo feitas da seguinte forma: antes do aquecimento; após o aquecimento (sem bola e com bola); antes do início do primeiro set; durante os tempos técnicos (8 e 16 pontos) de cada set; nos tempos de descanso (tempos pedidos pelos técnicos) em cada set; no final dos sets; nos intervalos entre os sets após três minutos; no final do ultimo set e três, seis e nove minutos após a ultima tomada (final do ultimo set). Para montagem do gráfico do comportamento da FC foi utilizada a planilha de cálculos Excel da Microsoft versão Resultados As figuras 1 e 2 ilustram o comportamento da FC da JP e da JC. Figura 1. Dinâmica da FC da JP e zonas de trabalho dos sistemas de produção de energia. Figura 2. Dinâmica da FC da JC e zonas de trabalho dos sistemas de produção de energia. Pode-se observar que o comportamento da FC, na maior parte das tomadas, permaneceu na zona considerada aeróbia e na zona de limiar aeróbio (ZAKHAROV;GOMES, 1992) tanto para a JP como para a JC. Discussão Os resultados médios do presente estudo (144,62±18,88 bpm para a JP e de 159±16,26 bpm para a JC) são semelhantes aos apresentados por Stanganelli et al.(1998) que mostraram a análise da média da FC, independente da posição de jogo que eram de

3 Página 3 de 5 155,59±0,92 bpm para o levantador, 144,87±0,71 bpm para o JC e de 135,25±1,43 bpm para o JP e outra que mostrou a FC de acordo com a função e posição dos jogadores não havendo diferença significante entre as ações na rede ou na defesa, mas que o JP teve sua média de FC maior que os outros, revelando assim que o voleibol possui uma significante diferença na intensidade através da FC por posições de jogo e que o metabolismo aeróbio e anaeróbio alático predominam durante uma partida, devido à relação esforço e pausa. Apesar do estudo de Stanganelli et al.(1998) ter investigado a FC em jogadores infanto-juvenis do sexo masculino os resultados sugerem que os valores de FC parecem ter um comportamento semelhante com o sexo feminino sem contudo afirmar se essa semelhança tem uma conotação estatística ou não. Em estudo realizado por Dyba (1982) foram encontrados valores médios de FC de 150 bpm para os levantadores, 143 bpm para os atacantes centrais e 141 bpm para atacantes de ponta/oposto. Assim os valores encontrados no presente estudos parecem corroborar com os encontrados pelo autor supra citado. Harbour (1991) apresentou um estudo que analisou a FC de atletas femininas universitárias de voleibol durante uma partida nas posições de levantadora, JC e JP e que a FC média foi de 157,78±18,01; 146,17±17,09 e 148,66±18,09 bpm respectivamente cujos resultados são semelhantes aos encontrados no presente estudo. Alves et al. (2008) analisando atletas de voleibol na faixa etária de 13 a 15 anos encontrou valores de FC da ordem de 141±32 bpm independente da posição de jogo e de 146±21 bpm para a JP e de 146±27 bpm para a JC o que parece ser semelhante aos resultados encontrados no presente estudo, apesar da faixa etária e categorias serem diferentes. Stanganelli (2003) comenta que a monitoração do treinamento deveria ser feita respeitando-se os seguintes fatores: ser realizada com o objetivo de aumentar a efetividade do treinamento; basear-se no controle das alterações observadas nos atletas durante os vários estágios do treinamento ou sob a influência dos elementos principais da atividade esportiva (estrutura e sessões de treino, competição, microciclos, etc.); ser altamente específico, de acordo com a modalidade esportiva, nível de desempenho do atleta e das diferenças de faixa etária e gênero. Para a avaliação, prescrição e controle de treinamentos deve-se levar em consideração não somente variáveis isoladas e sim um conjunto delas como sugere Dourado (2007) que realizou um estudo monitorando as adaptações antropométricas e motoras modelando também o desempenho esportivo de atletas de voleibol durante um período de preparação. Considerações finais Com o comportamento da variável analisada é importante direcionar as cargas de treinamento em atividades que enfatizam a utilização dessas fontes de energia, porém sem esquecer que os sistemas de produção de energia funcionam integradamente. Outro sim é extremamente importante avaliar e trabalhar a condição aeróbia de voleibolistas a qual não é determinante, mas condicionante, para que se tenha uma melhor recuperação dos esforços anaeróbios durante e entre as sessões de treinamento, permitindo assim que os jogadores possam suportar as ações intensas do jogo com elevado volume e ter uma melhor recuperação após as partidas. Os valores de FC encontrados correspondem às exigências durante uma partida de acordo com as funções analisadas, pois a JC é uma jogadora que, sempre que está na zona ofensiva realiza saltos de bloqueio em qualquer ponto da rede e realiza ataques muitas das vezes em bolas mais velozes que outros jogadores e que a JP que sempre deve estar pronta para intervir na partida, com ações ligeiramente inferiores que a JC levando-se em consideração as ações explosivas. Propõe-se a realização de outros estudos com o monitoramento dessas e de outras variáveis como o consumo máximo de oxigênio conforme sugerido por Oliveira; Deschapelles (2008, 2009), não somente em treinamentos e amistosos, mas também durante as competições oficiais com o intuito de caracterizar melhor a modalidade de voleibol tendo assim outros parâmetros para a determinação de cargas e seu direcionamento no momento da prescrição e controle do treinamento. Referências ALVES, P. S.; SOUZA, J. C. F.; VASQUES, L. A. P.; PEREIRA, E. S.; PRADO, J. E.; ANDRADE JÚNIOR, F. M.; ARAÚJO, D. N. S.; PAULA, E. R.; OLIVEIRA, M. B. Comportamento da frequência cardíaca (FC) para verificação da intensidade de carga em situação de jogo numa partida de voleibol. ENAF Science, v. 3, n. 2, BOMPA, T. O. Treinando atletas de desporto coletivo. São Paulo:Phorte, CBV Confederação Brasileira de Voleibol. Novas regras de voleibol Disponível em: Acesso em: 07 abr

4 Página 4 de 5 DENADAI, B. S. Avaliação aeróbia: determinação indireta da resposta do lactato sanguíneo. Rio Claro:Motrix, DOURADO, A. C. Monitoração de adaptações antropométricas, motoras e modelação da estrutura do desempenho esportivo de atletas de voleibol durante o período de preparação (Tese de doutorado). Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, DYBA, W. Physiological and activity characteristics of volleyball. Volleyball Technical Journal. v. 6, n. 3, p , FARIA, J. R. C. Avaliação das características funcionais da modalidade de Voleibol (TCC grau de Licenciado). Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra, Coimbra, FRISCHKNECHT, M. O controlo do treino físico. Treino Desportivo, n. 23, p , HARBOUR, S. K. Heart rate responses of collegiate female volleyball players during competition Master Thesis. Washington State University. OLIVEIRA, M. B.; ORDÁS, J. A. Y.; DESCHAPELLES, C. A.; GOMIDE, E. B. G.; BARBOSA, L. F.; CUNHA, A. L. C.; BIZERRA, C. O. Desenvolvimento e validação de teste de campo para a determinação da capacidade de trabalho especial em voleibolistas. 2º Encontro de Iniciação Científica ENIC, Batatais. In: Anais do 2º Encontro de Iniciação Científica, Batatais:CEUCLAR, CD ROM, nov., OLIVEIRA, M. B. Propuesta de test de terreno para evaluar el consumo máximo de oxigeno (VO2max) en voleibolistas del sexo femenino de los 11 a 17 años, de la micro región del sur de Minas Gerais Brasil. 2007, 145 p. Proyecto de tesis em opición al grado de doctor em ciencia de la cultura física y del Deporte. Instituto Superior de Cultura Física Manuel Fajardo, La Habana, Cuba. OLIVEIRA, M. B.; DESCHAPELLES, C. A.; ABRÃO, J. L.; ALVES, P. S.; ANDRADE JÚNIOR, F. M. Monitoramento de variáveis fisiológicas no voleibol para a verificação do comportamento dos sistemas de produção de energia. ESMEFE Scientific, v. 1, n. 1, p. 16, ago OLIVEIRA, M. B.; DESCHAPELLES, C. A. Teste dos dois triângulos T2T: uma proposta para avaliação do consumo máximo de oxigênio (VO 2 max) em voleibolistas do sexo feminino. ESMEFE Scientific, v. 1, n. 1, p. 17, Diseño de test de terreno para evaluar el consumo máximo de oxígeno (VO2máx) en voleibolistas del sexo femenino. In: Memorias de la III Convención Internacional de Actividad Física y Deportes AFIDE. La Habana: UCCFMF, 2009, p PLATONOV, V. N. El entrenamiento deportivo teoría y metodología. 3. ed. Editorial Paidotribo, Colección Deporte, Tratado geral de treinamento desportivo. São Paulo:Phorte, SANTOS, P. J. M. Bioenergética. Portal da Educação Física, abril SCHNEIDER, P.; BENETTI, G.; MEYER, F. Força muscular de atletas de voleibol de 9 a 18 anos através da dinamometria computadorizada. Rev. Bras. Méd. Esporte, v. 10, n. 2, mar/abr, STANGANELLI, L. C. R. Aeróbico ou anaeróbico? As características fisiológicas do voleibol. Rev. Vôlei Técnico, n. 5, p , STANGANELLI, L. C. R.; COSTA, S. C.; SILVA, P. R. B. Analise da frequência cardíaca de jogo em atletas de voleibol infanto-juvenil de acordo com suas funções específicas. Trein. Desp., v. 3, n. 2, p , STANGANELLI, L. C. R. Monitoração de adaptações fisiológicas e motoras em atletas de voleibol masculino num macrociclo de preparação (Tese de doutorado). Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, São Paulo, TUBINO, M. J. G.; Moreira, S. B. Metodologia cientifica do treinamento desportivo. 13. ed., Rio de Janeiro:Shape, VITASSALO, T.; RUSKO, H.; PAJALA, O. Endurance requirements in volleyball. Canada Journal Sports Sciences, v. 12, n. 4, p , ZAKHAROV, A.; Gomes, A. C. Ciência do treinamento desportivo. Rio de Janeiro:Palestra Sport, Outros artigos em Portugués

5 Página 5 de 5 Recomienda este sitio Buscar Búsqueda personalizada EFDeportes.com, Revista Digital Año 15 N 150 Buenos Aires, Noviembre de Derechos reservados

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL o Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL Autora: Fernanda Rosa de Lima Orientador: MSc. Areolino Afonso Ribeiro

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DO TREINO Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior PEDRO MIGUEL MOREIRA DA SILVA Coimbra

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

TUTORIAL CERTIFICAÇÕES SCIENCE SYSTEMS

TUTORIAL CERTIFICAÇÕES SCIENCE SYSTEMS TUTORIAL CERTIFICAÇÕES SCIENCE SYSTEMS A Science Systems INOVA o mundo das certificações e cursos de extensão, oferecendo CURSOS DE EXTENSÃO que SE INTEGRAM e dão a oportunidade de concluir uma ou mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO RESUMO MEIRA, A. N. BATISTA, G. R. OLIVEIRA, L. S. CAPPELLAZZO, E. S. Esse estudo teve como objetivo analisar a qualidade técnica do

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata https://wwwscnpqbr/curriculoweb/pkg_impcvtrata Page 1 of 8 Paulo Cesar do Nascimento Formado em Educação Física na Universidade Federal de Santa Catarina Suas preferências dentro de sua área de atuação

Leia mais

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia

Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia Torneio 4x4 misto de Vôlei de Praia REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO 1.1 O torneio de vôlei de areia na AABB é um evento que busca incentivar a prática esportiva e promover a qualidade de vida entre os associados

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

MONITORAMENTO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DO ESFORÇO EM JOVENS ATLETAS DURANTE A APLICAÇÃO DE UM PRO- GRAMA DE TREINAMENTO PERIODIZADO

MONITORAMENTO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DO ESFORÇO EM JOVENS ATLETAS DURANTE A APLICAÇÃO DE UM PRO- GRAMA DE TREINAMENTO PERIODIZADO Recebido em: /11/2014 Parecer emitido em: 16/01/2015 Artigo original SANTA CRUZ, R.A.R.; CAMPOS, F.A.D.; GALIASSO, C.A.F.; ARRUDA, J.R.L.; ABDALA, O.S.; GOMES, Í.C.B.; PELLEGRINOTTI, Í.L.; Monitoramento

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO MÉTODOS DE TREINAMENTO FRACIONADO 1 INTRODUÇÃO O Treinamento Fracionado (TF) ocupa também um lugar relevante na metodologia do treinamento da resistência nas diferentes disciplinas esportivas. Começou

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Passini, G.K.;Gonçalves, N. B.;Geraldello, F.H.S. 1 Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Gabriel

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Rodrigo Piano Rosa Preparação Física no Futebol: Seletividade e aplicação das cargas durante o período competitivo. Porto Alegre 2010

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

DESENHO DE TESTE DE CAMPO PARA AVALIAR O CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO (VO 2 MÁX) EM VOLEIBOLISTAS DO SEXO FEMININO DE 12 A 14 ANOS

DESENHO DE TESTE DE CAMPO PARA AVALIAR O CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO (VO 2 MÁX) EM VOLEIBOLISTAS DO SEXO FEMININO DE 12 A 14 ANOS DESENHO DE TESTE DE CAMPO PARA AVALIAR O CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO (VO 2 MÁX) EM VOLEIBOLISTAS DO SEXO FEMININO DE 12 A 14 ANOS Oliveira, M. B. ab ; Deschapelles, C. A. c ; Oliveira, M. B. bd a Laboratório

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O conteúdo voleibol, enquanto prática desportiva nas escolas

Leia mais

RESUMO AMOSTRA INSTRUMENTARIUM

RESUMO AMOSTRA INSTRUMENTARIUM RESUMO O trabalho que apresentamos propõe um estudo do perfil antropométrico e somatótipo do atleta português de Orientação da classe Elite do sexo masculino. Foram avaliados 10 atletas com uma média de

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Avaliação da carga física de trabalho exigida em atividades de fabricação de... 117 AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Nilton Cesar

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 I - DOS JOGOS Art.1 - A Olimpíada Especial UBM/PMBM tem por finalidade desenvolver o intercâmbio desportivo e social entre os atletas, professores

Leia mais

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco VOLEIBOL 7ºano. HISTÓRICO E REGRAS Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES *

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * José Jacinto Vasconcelos Raposo João Paulo Lázaro Luís Filipe da Silva Cerqueira chapas@net.sapo.pt RESUMO Pretendeu-se verificar

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE R E S O L U Ç Ã O Nº 031/2010-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 15/07/2010. Aprovar alterações curriculares no projeto pedagógico

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 30,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Revista Conexões v. 4, n. 2, 2006 47 VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Mndo. João Nunes Ms. Eduardo Fantato Dr. Paulo Cesar Montagner Faculdade de Educação Física/UNICAMP Resumo O treinamento

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms. Daniel Querido danielquerido@gmail.com Ocupam lugar importante na cultura esportiva contemporânea Riqueza de situações: - constituem um meio formativo; - prática orientada

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD)

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD) (Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 2229. Ed. CEFD) Paulo Paixão Miguel Docente da Mestrando em Alto Rendimento Desportivo ramo Treino (conclusão da parte curricular) Centro Olímpico

Leia mais

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de UNIVERSIDADE GAMA FILHO UGF PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU TREINAMENTO DESPORTIVO Jean Carlo Magno PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de treinamento aplicado ao voleibol FLORIANOPOLIS, JUNHO DE 6. Periodização

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais